Ludwig van Beethoven (1770-1827): Quarteto Op. 132 e H. 34 — Integral dos Quartetos de Cordas (CD 7 de 9)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Ah, os últimos Quartetos de Beethoven… Se o Quarteto Op. 132 não é a maior das músicas, está bem perto disso. É sempre difícil escrever sobre uma música que amamos muito e que nos faz lembrar fatos pessoais. A primeira coisa que me vem à mente quando penso no Opus 132 foi aquele momento mágico e levemente fantasmagórico em que eu, sentado na tranquilamente na sala, ouvi iniciar o Allegro Appassionato (último movimento do quarteto) e vi que, logo aos primeiros compassos, minha filha, aos cinco anos de idade, entrava girando na sala, dançando a valsa sozinha, de olhos fechados, por puro prazer de ouvir a música… Foi tão marcante que hoje soa-me hipócrita dizer que o movimento principal deste quarteto é o imenso e perfeito Heiliger Dankgesang eines Genesenen an die Gottheit, in der lydischen Tonart, um agradecimento à divindade pela recuperação que Beethoven obteve após grave enfermidade. Mas é, claro que é. O terceiro movimento, com suas duas explosões de alívio é o centro e razão de ser desta grande e fundamental obra.

Quando os últimos quartetos foram apresentados pela primeira vez, não foram bem recebidos pelo público. Ao receber a notícia, Beethoven deu a célebre resposta:

– Gostarão mais tarde.

Como ele sabia que estava escrevendo para o futuro é algo que consigo mais ou menos entender observando a evolução de sua música. Outro fato que chama a atenção é que, estética e conceitualmente, estes quartetos parecem projetar-se na evolução da história da música para colocarem-se quase 100 anos depois de sua época, talvez logo antes dos grandes quartetos de Schoenberg e Bartók. É um mundo à parte. Ouço meu filho dizer que, na opinião dele, ISTO é Beethoven, e não seus concertos ou sonatinhas iniciais. Ele se refere aos últimos quartetos, às últimas sonatas para piano, às Diabeli e certamente à Nona Sinfonia. O restante seria grandioso, mas menos pessoal e significativo. Lembro que quando era adolescente, nós tínhamos que nos aproximar destes quartetos respeitosamente e o Dr. Herbert Caro dizia que talvez fosse necessária maior maturidade para que um jovem pudesse entendê-los. Discordo postumamente do grande Dr. Caro, meu amigo e tradutor de Doutor Fausto, da Montanha Mágica, de Auto-de-Fé e outras tantas obras-primas. Desde jovem ouvia o Op. 132 e o 130 (acompanhado de sua Grande Fuga) da mesma forma e o respeito que sempre tive por estes quartetos emanou deles, independente de mim.

O fato é que o Op. 132 é uma música que passou a fazer parte de mim muito cedo. Eu, um adolescente na casa de meus pais, costumava ficar deitado, antes de dormir, tentando reproduzir nota a nota o terceiro movimento. Cronometrava para ver se chegava perto de seus 15 minutos… Às vezes, pensava conseguir reproduzi-lo por inteiro. Mas nunca ninguém pode comprovar, nem eu.

Este CD traz também a transcrição realizada pelo próprio Beethoven de sua Sonata para Piano Nº 9, Op. 14. É um excelente extra.

O quarteto Kodály demonstra toda a sua experiência e qualidade nestas gravações. Amor e profundo conhecimento da partitura estão certamente presentes neste grande trabalho dos quatro magníficos instrumentistas do Kodály. CD barato e altamente recomendável.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Integral dos Quartetos de Cordas (CD 7 de 9)

String Quartet No. 15 in A minor, Op. 132
I. Assai sostenuto – Allegro 09:23
II. Allegro ma non tanto 08:02
III. Heiliger Dankgesang eines Genesenen an die Gottheit, in der lydischen Tonart: Molto adagio – Andante 15:40
IV. Alla marcia, assai vivace 02:17
V. Allegro appassionato 06:48

String Quartet in F major, H. 34 (tr. of Piano Sonata in E major, Op. 14, No. 1)
I. Allegro moderato 06:07
II. Allegretto 02:54
III. Allegro 03:16

Kodaly Quartet

Total Playing Time: 54:27

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Kodaly Quartet: só me resta agradecer

Kodaly Quartet: só me resta agradecê-los

PQP

Pyotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) – Variations on a Rococo Theme, Sergei Prokofiev (1891-1953) – Sinfonia concertante for cello & orchestra – Capuçon, Gergiev, Orchestra of The Mariinsky Theater, Gergiev

frontOntem assisti a um excelente documentário sobre o violoncelista brasileiro Antonio Meneses, já postado algumas vezes aqui no PQPBach. Enfim, em determinado momento deste documentário, Meneses, ainda um jovem instrumentista, aparece tocando essa obra tão especial de Tchaikovsky, As Variações sobre um Tema Rococó, em terras russas, em pleno Concurso Tchaikovsky. Sabemos da qualidade do brasileiro enquanto artista, mas infelizmente não creio que ele tenha gravado essa obra.

Por este motivo, fui à minha modesta cdteca atrás de alguma gravação dessa obra e encontrei esse fascinante CD do Capuçon cellista (lembrando que este, Gautier, tem um irmão, Renaud, igualmente famoso, que é violinista), tocando a obra prima de Tchaikovsky e para concluir o CD, temos “apenas” a Sinfonia Concertante para Cello & Orchestra de Prokofiev. Um repertório digno, os senhores não acham? Para acompanhá-lo, a Orquestra do Teatro Mariinsky de St. Petersburg completa o quadro, dirigida por ele, sim, nosso herói russo da atualidade, Valery Gergiev.

Uma ótima dica para aqueles admiram estes dois compositores russos, Tchaikovsky e Prokofiev, em uma leitura atual, realizada em 2008.

01. Tchaikovsky – Variations on a Rococo Theme in A major, Op. 33 – Thema
02. Variation I – Tempo della thema
03. Variation II – Tempo della thema
04. Variation III – Andante sostenuto
05. Variation IV – Andante grazioso
06. Variation V – Allegro moderato
07. Variation VI – Andante
08. Variation VII & Coda – Allegro vivo
09. Prokofiev – Sinfonia Concertante for Cello and Orchestra in E minor, Op. 125 – I. Andante
10. II. Allegro giusto
11. III. Andante con moto

P.S. – Em tempo, o jovem Gautier Capuçon é casado com a excelente pianista argentina, Gabriela Montero, esta meio que  ”apadrinhada” por sua conterrânea, Martha Argerich (um toque CARAS ao blog).

Gautier Capuçon – Cello
Orchestra of The Mariinsky Theater
Valery Gergiev – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

capucon_gautier_interview1

O gajo Gautier Capuçon tem uma pinta de galã de Holywood, não tem?

Domenico Zipoli (1688-1726) – Música Sacra de las Misiones

zipoliUm grande CD apenas encontrável atualmente na Amazon da Inglaterra – a preço proibitivo – e na alemã, cujo link colocamos na figura ao lado. Música de primeira linha, extremamente bem gravada e com bons solistas. Imperdível!

A seguir, um artigo publicado pelo diario ÚLTIMA HORA (El Correo Semanal), 1-2 de enero de 2000 (Asunción,Paraguay).

Por muchas razones la figura de Doménico Zípoli (1688-1726) está ligada al patrimonio musical que legaron las Reducciones Jesuíticas. Nacido en Prato (Italia) y dueño de una sólida formación musical con maestros de la talla de Alessandro Scarlati y reconocido por su talento como compositor, su vida cambió de manera radical cuando, motivado por la vocación sacerdotal, viajó a Sevilla (España), donde ingresó a la Compañia de Jesús. En 1717 partió una expedición, organizada por los jesuitas, rumbo al Río de la Plata. Tenían como misión trabajar en las ya célebres Reducciones Jesuíticas del Paraguay. La enorme provincia virreynal abarcaba incluso el Convento de los Jesuitas en Córdoba, lugar donde se estableció.

En los ocho años y cinco meses de actividad en las Reducciones, Zípoli compuso una gran cantidad de música que luego se enviaba, por medio de emisarios, a los treinta pueblos que formaban parte de las Reducciones. Cuando España ordenó la expulsión de los jesuitas, en 1767, la mayor parte de sus composiciones fueron destruidas.

Fue recién en 1959 que el musicólogo estadounidense Robert Stevenson halló en Sucre (Bolivia) copias de su Misa en Fa, copiada en Potosí a pedido del Virrey de Lima. En 1972; en la Reducción de Chiquitos (Bolivia), se encuentran más de diez mil manuscritos, un hallazgo considerado como trascendental para el conocimiento de la musicología hispanoamericana. Entre esos manuscritos se pudieron rescatar obras de Zípoli, como Misas, Motetes, Himnos y piezas de órganos.

Pero todo ese material esta sin clasificar. Fue el maestro Luiz Szarán, en Paraguay, quien inició la recopilación, construcción, publicación e interpretación de las composiciones de Zípoli a través de un centenar de conciertos llevados a cabo en el país y en el exterior, como Argentina, Uruguay y Brasil; en la Exposición Universal de Sevilla, de 1992; en el Auditorio Nacional de España, en 1995, se verificó el estreno mundial del conjunto de Vísperas Solemnes.

En nuestro país podemos apreciar la labor de Luis Szarán en un compacto titulado ”Música de las Reducciones Jesuíticas”. Así pudimos acercarnos a un patrimonio invalorable, que habla del legado musical de un hombre que, de no ser por los estudiosos, podría haber quedado en el olvido.

Zípoli murió en Santa Catalina (a 50 kilómetros de Córdoba) a los 38 años de edad, de teberculosis. A quienes deseen ahondar en la vida de este músico recomendamos consultar el Diccionario de la Música en el Paraguay, de autoría de Luis Szarán.

Composer: Domenico Zipoli (1688 – 1726)
Performers: Mario Videla (Organo y clave), Haydee Francia (Violin solista), Claudio Baraviera (Cello), Margarita Zimermann (Contralto) et al.
Orchestra/Ensemble: Cantoría de la Basilica Nuestra Señora del Socorro
Conductor: Monseñor Jesús Gabriel Segade

Domenico Zipoli (1688 – 1726)
01. Misa en Fa Mayor para coro, solistas, cuerdas y bajo continuo – I. Kyrie
02. Misa en Fa Mayor para coro, solistas, cuerdas y bajo continuo – II. Gloria
03. Misa en Fa Mayor para coro, solistas, cuerdas y bajo continuo – III. Credo
04. Misa en Fa Mayor para coro, solistas, cuerdas y bajo continuo – IV. Sanctus
05. Sonata en La Mayor para violín y bajo continuo
06. Cantata para solistas y bajo continuo – Dell’ofesse a vendicarmi

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Zipoli: se não foi santo, esteve perto

Zipoli: se não foi santo, esteve perto

PQP / Avicenna

J. S. Bach (1685-1750): Toccata BWV 911 / Partita BWV 826 / English Suite No. 2 BWV 807

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este ex-vinil é um grande sucesso de vendas da DG. É merecido. Ele nos mostra uma curiosa e nunca mais repetida versão de Martha Argerich, a versão bachiana. Seu Bach é sem sentimentalismos e de absoluta clareza e musicalidade. Ignoramos o motivo pelo qual ela nunca mais gravou Bach, o que torna este registro algo realmente precioso. O que ela faz na Bourée da Suíte Inglesa é algo do outro mundo, o mesmo valendo para a Toccata. A esplêndida pianista argentina nos mostra aqui uma voz distinta e irrepreensível. E a gente fica feliz de ouvir.

J. S. Bach (1685-1750): Toccata BWV 911 / Partita BWV 826 / English Suite No. 2 BWV 807

1 Toccata for keyboard in C minor, BWV 911 (BC L142) 11:02

Partita for keyboard No. 2 in C minor, BWV 826 (BC L2)
Allemande 4:15
3 Courante 4:18
4 Sarabande 2:08
5 Air 3:54
6 Menuet 1:17
7 Gigue 3:10

English Suite, for keyboard No. 2 in A minor, BWV 807 (BC L14)
8 Prélude 4:19
9 Allemande 2:56
10 Courante 1:31
11 Sarabande 4:08
12 Bourée 1/2 3:55
13 Gigue 3:19

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Retrato de Martita Quando Jovem, na época da gravação deste disco

Retrato de Martita Quando Jovem, época da gravação deste disco

PQP

Sir Malcolm Arnold (1921-2006): Dances

Estava caminhando num sábado pela manhã em Edimburgo quando vi um bazar de livros e discos usados. Escavuquei um bocado atrás de algum CD que me atraísse, mas trouxe somente este de Malcolm Arnold (cuja etiqueta indicando as três libras que paguei está lá até hoje) porque não tinha nada dele ainda. Acabei descobrindo o Ferde Grofé da Grã-Bretanha. Um bom Grofé que escreveu muitas músicas para filmes. 

Sir Malcolm Arnold (1921-2006) – Dances

1. English Dances, Set 1, Op. 27: No. 1. Andantino
2. English Dances, Set 1, Op. 27: No. 2. Vivace
3. English Dances, Set 1, Op. 27: No. 3. Mesto
4. English Dances, Set 1, Op. 27: No. 4. Allegro risoluto
5. English Dances, Set 2, Op. 33: No. 1. Allegro non troppo
6. English Dances, Set 2, Op. 33: No. 2. Con brio
7. English Dances, Set 2, Op. 33: No. 3. Grazioso
8. English Dances, Set 2, Op. 33: No. 4. Giubiloso
9. 4 Scottish Dances, Op. 59: No. 1. Pesante
10. 4 Scottish Dances, Op. 59: No. 2. Vivace
11. 4 Scottish Dances, Op. 59: No. 3. Allegretto
12. 4 Scottish Dances, Op. 59: No. 4. Con brio
13. 4 Cornish Dances, Op. 91: No. 1. Vivace
14. 4 Cornish Dances, Op. 91: No. 2. Andantino
15. 4 Cornish Dances, Op. 91: No. 3. Con moto e sempre senza parodia
16. 4 Cornish Dances, Op. 91: No. 4. Allegro ma non troppo
17. 4 Irish Dances, Op. 126: No. 1. Allegro con energico
18. 4 Irish Dances, Op. 126: No. 2. Commodo
19. 4 Irish Dances, Op. 126: No. 3. Piacevole
20. 4 Irish Dances, Op. 126: No. 4. Vivace
21. 4 Welsh Dances, Op. 138: No. 1. Allegro
22. 4 Welsh Dances, Op. 138: No. 2. Poco lento
23. 4 Welsh Dances, Op. 138: No. 3. Vivace
24. 4 Welsh Dances, Op. 138: No. 4. Andante con moto

Sinfônica de Queensland (Austrália), regida por Andrew Penny

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sir Malcolm Arnold: não

Sir Malcolm Arnold: se aproveitam de minha nobreza

CVL

Katia & Marielle Labèque – Piano Fantasy – Music for 2 pianos – CD 1 de 6 – Katia & Mariele Labèque

41x6CKN3V5L._SY450_Piano Fantasy é uma espécie de coletânea das irmãs Labèque nos tempos em que gravavam pelo selo Philips. É uma grande iniciativa do selo trazer essa coleção, pois alguns destes cds estão fora de catálogo há algum tempo.

Acompanho a carreira dessas moças já há quase trinta anos, quando comprei um espetacular LP com obras de Gershwin, gravação esta felizmente presente nesta coleção. Em seguida adquiri o cd em que tocam as maravilhosas Danças Húngaras de Brahms, em sua versão para dois pianos, exatamente este cd que abre a coleção. Aliás, foi uma de minhas primeiras postagens aqui no PQPBach.

Vou trazer esta caixa aos poucos, para melhor ser apreciada. É uma pérola depois da outra.

E começo exatamente com as Danças Húngaras. Um primor a energia e vitalidade que elas conseguem extrair dessas obras. É uma interpretação digna da qualidade das obras. A cumplicidade das pianistas só poderia existir mesmo entre irmãs, Ouçam com atenção e depois me deem suas opiniões.

CD 1

1 – 21 – The 21 Hungarian Dances

Katia & Marielle Labèque – Pianos

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Katia e Marielle Labèque: beleza e talento a serviço da música

Katia e Marielle Labèque: beleza e talento a serviço da música

FDPBach

Música Ibérica à Época do Descobrimento (Acervo PQPBach)

Música no Tempo das Caravelas
Conjunto Música Antiga da UFF
1998

Música Ibérica à Época do Descobrimento

Em 1992 saudávamos com entusiasmo a gravação do LP intitulado Cantares de Amor, Suspiros e Cuydados, que o Conjunto de Música Antiga da UFF, sob os auspícios da FUNARTE, realizara. Incluía-se, então, nas comemorações dos 500 anos da conquista da América, uma vez que as músicas selecionadas eram exemplos das que animavam os serões palacianos em Portugal e Espanha, ao tempo das descobertas ultramarinas.

Passados seis anos, quando se aproxima o ano 2.000 e já se iniciam as festas comemorativas dos 500 anos da conquista do Brasil pelos portugueses, esse meritório Conjunto retoma as músicas do citado LP, acrescenta-lhes outras, e oferta-nos um ainda mais rico documento cultural da Era da Expansão ibérica.

Sobre as letras do Cancioneiro de Elvas (Biblioteca Públia Hortênsia)

À exceção das composições Dos estreitas le siguen e Puestos estan frente a frente, bem como do solo de alaúde, todas as demais peças que compõem este CD foram retiradas do Cancioneiro da Biblioteca Públia Hortênsia, de Elvas (Portugal), se bem que para a composição “Romerico, tú que vienes” optou-se pela transcrição da letra, mais completa, do Cancionero Musical de Palacio.

É raríssimo o “Cancioneirinho de mão”, pequeno volume manuscrito sobre papel de 14,5 cm X 10 cm, possivelmente quinhentista, encontrado em 1928 na referida biblioteca de Elvas pelo musicólogo Manuel Joaquim, que o publicaria em Coimbra, no ano de 1940. A encadernação, evidentemente que posterior à sua elaboração, como observara o pesquisador-editor, dava a obra como pertença de um enigmático J. J. d’ A., ao que tudo indica iniciais de João Joaquim de Andrade, retratado em quadro também pertencente à Biblioteca. Curioso para nós, brasileiros, é que muito possivelmente o precioso Cancioneiro fora adquirido no Brasil, quem sabe para cá trazido pela Corte Real portuguesa em 1808, uma vez que o eclesiástico seu possuidor vivera por algum tempo no Rio de Janeiro, segundo legenda apensa ao seu retrato.

Quanto ao conteúdo, compõe-se de duas partes. Na primeira, encontram-se 65 composições com letra e notações musicais, que indicam serem elas a três vozes. Na segunda, 36 poesias sem música. Em todo o conjunto, predominam as letras em castelhano, sendo que penas 19 foram grafadas em português.

Várias marcas levam os especialistas a reconhecer como dos séculos XV e XVI as suas composições. Já Manuel Joaquim observara que uma delas seria a similaridade de certos desenhos que o papel utilizado apresenta em relação a papéis fabricados no século XVI, remontando os mais semelhantes à Salzburgo de 1525. Outra, seria a recolha, na coletânea, de música de Juan del Encina — tal seja, a composição Romerico tu que vienes. E, ainda, a analogia das letras com poemas do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Este, fora publicado em 1516, constituindo uma recolha da produção poética dos reinados de Afonso V, D. João II e D. Manuel. Tal analogia se mostra tanto na forma quanto na temática dos textos, bem como na marcante presença da língua e da cultura castelhana que neles se percebe — de resto uma tônica da época, devido a implicações políticas relacionadas com a aspiração dos soberanos, de unirem as coroas luso-espanholas, através de guerras e casamentos.

A tendência dominante nessas letras-poemas, quanto à forma, é para os versos curtos, de arte-menor, principalmente redondilhos, sendo reduzidíssima a ocorrência dos versos mais longos, de arte-maior. Abandonando a tradição paralelística trovadoresca, e pautando-se pela mentalidade glosadora então dominante na prédica clerical e no ensino universitário, bem como no folclore espanhol, elegeram os poetas-letristas de então como estrutura mais usual dos seus poemas a glosa, volta ou desenvolvimento de um mote. Daí que as formas estróficas mais utilizadas sejam as do vilancete, da cantiga e suas variações. Ao lado dessas, encontravam-se também os romances (poemas narrativos) e as esparsas (composições monostróficas, de versos mais longos). E destacava-se, no que concerne às características retóricas, o virtuosismo dos jogos verbais, tantas vezes instaurando o paradoxo.

É o que novamente faz o Música Antiga da UFF, pelo que merece os nossos aplausos e a nossa gratidão. Não se limitando a essas peças da época áurea de Portugal, documentam também, no romance “Puestos están frente a frente”, o seu ocaso: trata-se da narrativa da batalha de Alcácer-Quibir, em 1578, na qual o jovem rei português, D. Sebastião, desapareceria, sem deixar herdeiros para a coroa, que, com a morte do seu tio-avô, o Cardeal D. Henrique, em 1580, passaria para o domínio de Espanha, do qual só se libertaria em 1640, sem jamais retomar o brilho perdido. Brilho este que, no entanto, a arte perenizou, e que ora se representa nas peças deste CD, pelo que se torna valiosíssimo às comemorações do quinto centenário da conquista do Brasil.

Maria do Amparo Tavares Maleval, extraído do encarte

Música no Tempo das Caravelas
Anônimo
01. Obriga vossa lindeza
02. Venid a sospirar al verde prado
03. Tu Gitana que Adevinas
04. Testou minha ventura
05. Que He o que vejo
06. Las tristes lagrimas mias
07. Por amores me perdi
Pedro de Escobar (Portugal, c.1465–after 1535), a.k.a. Pedro do Porto
08. Pásame por Dios barquero
Anônimo
09. Llenos de lágrimas tristes
10. A la villa voy
Luís Milan (Espanha, c.1500-c.1561)
11. Pavana
Anônimo
12. Cuydados meus tão cuidados
13. Oigan todos mi tormento
14. Aquella voluntad que se ha rendido
Juan del Encina (Espanha, ca.1468-1529)
15. Romerico tú que vienes
Anônimo
16. Porque me não ves Joana
17. Que sentis coraçon mio
Juan del Encina (Espanha, ca.1468-1529)
18. Dos estrellas le siguen
Anônimo
19. Puestos estan frente a frente

Música no Tempo das Caravelas – 1998
Conjunto Música Antiga da UFF


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 240,9 MB | HQ Scans 4,1 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 107,0 + 4,1 MB – 49,3 min
powered by iTunes 11.3.1

.

Nota da redação: Esta é minha última postagem. Preciso cuidar da saúde.
O principal objetivo de resgatar um pedaço da História do Brasil para as próximas gerações foi atingido: 169 LPs e CDs sobre Música Colonial e Imperial Brasileira estão e permanecerão aqui postados. Espalhem essa preciosidade pela blogosfera!
Este foi um trabalho feito por muitas mãos: mãos de ouvintes que contribuíram com LPs; mãos de maestros e musicólogos que cederam seus acervos, e mãos dos companheiros do PQPBach que sempre me incentivaram.
Mas o principal, a mola propulsora desta agradável viagem, foi a receptividade dos ouvintes do PQPBach. A eles dedico esta postagem.

 

 

 

 

 

.

E neste cântico abaixo, deixo minha saudação:

Avicenna

.: interlúdio :. Trane + Mingus


Links revalidados por PQP.

Duplo interlúdio duplo? Culpa deste cão, que vai acumulando delícias (como quem enterra ossos) e depois tem dificuldades com o tempo para compartilhar tudo.

Embora nem sempre “mais” seja “melhor”, certamente não haverá reclamações com este conjunto: os novatos abaixo, (re)inventando moda, e um par de discos de dois preferidos da maison PQP Bach (para não dizerem que só falei de jovens). Diversão pra mais de metro de orelha comprida.

Live at Birdland precede Crescent e A Love Supreme, com o mesmo line-up e o inequívoco brilhantismo. Escolhido pela All About Jazz como um dos 10 melhores discos de jazz ao vivo de todos os tempos, este registro de John Coltrane possui, na verdade, apenas as três primeiras faixas registradas no clube Birdland. As outras duas são gravações de estúdio — incluindo “Alabama”, peça em homenagem a quatro crianças mortas num atentado da KKK à uma igreja batista. Ao contrário de muitos discos ao vivo de Trane, este não esgota o ouvinte; é um disco mais contido, a torrente frenética de solos freestyle que caracterizaria seu trabalho no final dos 60 ainda estava em gestação. É bem o período onde Coltrane está transicionando para seus trabalhos seminais, que mudariam os rumos do jazz; mais espaço para Tyner e Jones, que parecem ainda mais presentes, embora não se note o amálgama de grupo que atingiriam pouco tempo depois. Entre as composições, está a favorita “Afro-Blue”, do cubano Santamaría, já incluída no repertório ao vivo de Trane há bastante tempo.


De ainda antes na linha do tempo, vem Tonight at Noon, disco de Charles Mingus contendo outtakes dos discos The Clown e Oh Yeah. Apesar de pouco conhecidas, as faixas devem ser vistas não como rejeitos de dois discos seminais de Mingus; ao contrário, parecem terem sido deixadas de lado por serem provocadoras demais. Não bastasse isso, traz a dobradinha Booker Ervin e Roland Kirk nos saxofones; tem “Peggy’s Blue Skylight”, encantadora; e, é claro, é um disco de Mingus, o que por si só já é justificativa o suficiente.

John Coltrane – Live at Birdland /1963 (320)
download – 85MB

John Coltrane: tenor saxophone, soprano saxophone
Jimmy Garrison: bass
McCoy Tyner: piano
Elvin Jones: drums
Tracks 1–3 recorded October 8, 1963 at Birdland/NY
Tracks 4–5 recorded November 18, 1963 at Van Gelder Studios
Produzido por Bob Thiele para a Impulse!

01 Afro-Blue (Mongo Santamaría)
02 I Want to Talk about You (Billy Eckstine)
03 The Promise (Coltrane)
04 Alabama (Coltrane)
05 Your Lady (Coltrane)

Charles Mingus – Tonight at Noon /1961 (320)
download – 84MB

12/03/1957 (tracks 1, 2)
Charles Mingus, double bass; Jimmy Knepper, trombone; Dannie Richmond, drums; Shafi Hadi, alto sax; Wade Legge, piano
06/11/1961 (tracks 3-5)
Charles Mingus, piano; Booker Ervin, tenor sax; Rahsaan Roland Kirk, alto sax; Doug Watkins, bass; Jimmy Knepper, trombone; Dannie Richmond, drums
Todas as músicas de Charles Mingus. Produzido por Alfred Lion/Nesuhi Ertegun para a Atlantic

01 Tonight at Noon
02 Invisible Lady
03 Old’ Blues For Walt’s Torin
04 Peggy’s Blue Skylight
05 Passions of a Woman Loved

Boa audição!

Mingus, o homem, o mito

Mingus, o homem, o mito

Blue Dog

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto “A Truta” / Sonata Arpeggione / Canção (Lied) A Truta

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Meu jesus cristinho, que CD bom! Creio que Schubert deva ter sido o maior inventor de melodias de todos os tempos. A junção de três obras schubertianas de primeira linha — onde as melodias vão brotando em superfetação – e um conjunto de técnica superior e enorme tesão, comandados pela notável dupla Ax-Ma, fazem deste trabalho um CD obrigatório. É difícil de acontecer, mas não faço reparo algum à interpretação do extraordinário grupo de músicos. Eles fazem o melhor Schubert. E ponto final.

Franz Schubert (1797-1828): Trout Quintet / Arpeggione Sonata / Die Forelle

1. Quintet in A Major for Piano and Strings, Op. post. 114, D. 667 “The Trout”: I. Allegro vivace 13:14
2. Quintet in A Major for Piano and Strings, Op. post. 114, D. 667 “The Trout”: II. Andante 6:37
3. Quintet in A Major for Piano and Strings, Op. post. 114, D. 667 “The Trout”: III. Scherzo. Presto – Trio 3:51
4. Quintet in A Major for Piano and Strings, Op. post. 114, D. 667 “The Trout”: IV. Theme & Variations. Andantino 7:46
5. Quintet in A Major for Piano and Strings, Op. post. 114, D. 667 “The Trout”: V. Finale. Allegro giusto 6:20

6. Sonata in A minor for Piano and Arpeggione (Cello). D. 821: I. Allegro moderato 11:11
7. Sonata in A minor for Piano and Arpeggione (Cello). D. 821: II. Adagio 4:21
8. Sonata in A minor for Piano and Arpeggione (Cello). D. 821: III. Allegretto 8:55

9. Die Forelle, D. 550 2:16

Emanuel Ax, piano
Pamela Frank, violino
Rebecca Young, viola
Yo-Yo Ma, violoncelo
Edgar Meyer, contrabaixo
Barbara Bonney, soprano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Vai escrever melodias assim na...

Schubert: o maior melodista de todos os tempos?

PQP

Joseph-Marie Amiot (1718-1793), Charles d’Ambleville (séc. XVI – 1637), Simon Boyleau (act. 1544–1586), Teodorico Pedrini (1671-1746) – Missa dos Jesuítas de Pequim

IM-PER-DI-BLE !!!

Tem na Amazon: aqui.

A grande e heroica saga pequepiana de descobrimento das obras barrocas do ocidente compostas no oriente chega ao seu terceiro álbum. Depois das Vésperas à Virgem Maria na China (aqui) e do Concerto Barroco na Cidade Proibida (aqui), por que não esta delirante Missa dos Jesuítas de Pequim?.

(<<< ao lado a primeira e a segunda capas do álbum). É  mais uma daquelas coisas exóticas que, ao mesmo tempo em que causam estranhamento, encantam e maravilham. São sentimentos que parecem ambíguos, mas não são: do estranhamento tiramos muitas de nossas mais pungentes e felizes recordações. E como não achar no mínimo diferentes as composições já tyanto orientalizadas de Joseph-Marie Amiot, ou ficar bestificado com a elegância das sonatas de Teodorico Pedrini e com a imensidão sugerida pelos cânones e contracantos de Charles d’Ambleville?  Tudo isso é exponencializado pela execução do grupo XVIII-021 Musique des Lumières, que mantém a elevada qualidade apresentada nas outras duas obras aqui postadas.

Mais uma pérola do oriente! Ouça! Ouça! Deleite-se!

Palhinha: Alguns trechos das peças de Amiot:

Messe des Jesuites de Pekin
Concerto barroco na Cidade Proibida

Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
01. Actiones Nostras & C.
02. Acte D’humilité
Charles d’Ambleville (séc. XVI – 1637)
03. Kyrie
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
04. Prélude “Pin, Bambou, Prunus” / Aspersion De L’eau
Charles d’Ambleville (séc. XVI – 1637)
05. Gloria
06. Credo
07. Sanctus
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
08. Élévation De L’Hostie / Élévation Du Calice
Simon Boyleau (ativo em 1544–1586)
09. Per La Natività Della Beata Vergine
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
10. Salve Regina
Simon Boyleau (ativo em 1544–1586)
11. Per La Natività Della Beata Vergine
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
12. L’oie Qui Se Pose / Sanctissima
Simon Boyleau (ativo em 1544–1586)
13. Per La Natività Della Beata Vergine
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
14. Pater
Charles d’Ambleville (séc. XVI – 1637)
15. Agnus
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
16. Communion
17. Communion
Teodorico Pedrini (1671-1746)
18. Sonate XII, Adagio
19. Sonate XII, Pastorale
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
20. Prière À Jésus-Christ
21. Prière Au Saint Sacrement
22. Prière Après L’Office
23. Le Chant Des Oies Sur Leur Passage
24. Ave Maria

Ensemble Meihua Fleur De Prunus
Chœur Du Centre Catholique Chinois De Paris
François Picard, regente do coro
XVIII-21 Musique des Lumières
Jean-Christophe Frisch, regente
Temple Bon Secours, Paris, Junho de 1998

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – Mediafire 256Mb

NÃO ME DEIXE SÓ… COMENTE!

Amiot… Nesse estilo, quem diria que esse cara é francês?…

 

Bisnaga

Martín Melitón Pablo de Sarasate y Navascués (1844-1908) – Julia Fischer – Sarasate – Julia Fischer, Milana Chernayavska

51izaybKDrL._SY450_PJautoripBadge,BottomRight,4,-40_OU11__Eis um cd delicioso, que mostra toda a versatilidade e criatividade de um dos grandes violinistas da história, o espanhol Pablo de Sarasate, na interpretação impressionante de Julia Fischer.
Quando Sarasate nasceu, Paganini já havia falecido, mas não dá para não comparar os dois. Extremamente técnico e um virtuoso, Sarasate já encantava platéias com meros oito anos de idade, incluíndo a própria Rainha Isabel II, que além de bancar os estudos do jovem virtuoso em Paris, ainda lhe deu um violino Stradivarius.
Em fóruns consultados na internet, violinistas comentam as obras de Sarasate, e em sua maior parte, estes músicos dizem preferir sua música pois tem impregnada nela a alma espanhola, não são apenas exercícios de técnica e velocidade, como as de Paganini.  Um deles inclusive colocou que: Paganini is for musicians, Sarasate is for violinists.
Como não sou violinista, muito menos músico, mas admiro demais o instrumento, prefiro me abster desta discussão. O que realmente admiro em Sarasate é como ele conseguiu expressar em sua música a alma espanhola, como o comentarista acima colocou. E como sou um entusiasta da música espanhola, digamos que lhe dou uma cabeça de vantagem nessa “competição”.
Julia Fischer no texto do booklet faz uma bela defessa do porquê ter gravado um Cd apenas com obras de Sarasate. Mesmo estando em inglês, sugiro a leitura.

01. Danzas españolas 4 Helf, op.26 – VII. Vito
02. VIII. Habanera
03. Jota Aragonesa, op.27
04. Serenata andaluza, op.28
05. El canto del ruiseñor, op.29
06. Danzas españolas 1 Helf, op.21 – I. Malagueña
07. II. Habanera
08. 2 Helf, op.22 – III. Romanza Andaluza
09. IV. Jota Navarra
10. 3 Helf, op.23 – V. Playera
11. VI. Zapateado
12. Caprice Basque, op.24
13. Zigeunerweisen, op.20

Julia Fischer – Violin
Milana Chernyavska – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

julia-fischer-1238665846-article-0

Não se deixem enganar por este rosto angelical de Julia Fischer. Por trás deles temos uma das melhores violinistas de sua geração.

Biber: Battalia e outras obras / Locke: The Tempest / Zelenka: Fanfare — Il Giardino Armonico


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Em verdade vos digo: nunca deixeis de ouvir as gravações do Il Giardino Armonico, são sempre FANTÁSTICAS. Mas sim, comecemos pelo que interessa: IM-PER-DÍ-VEL !!!! Ah, já tinha dito, né? Este é um disco de música barroca sem o qual você não pode viver sem. A vitalidade e o frescor das interpretações do Il Giardino Armonico trabalham favoravelmente à música dos grandes Biber e Locke, compositores imerecidamente pouco ouvidos. E, para melhorar ainda mais, são obras divertida, cheias de expressão surpreendente. A Battalia de Biber e a a música incidental escrita por Locke para a peça de Shakespeare A Tempestade são das coisas mais arrepiantes que há.

Mas temos que voltar a Antonini e seu Giardino: há muitos especialistas em barroco, mas este grupo — o preferido por Cecilia Bartoli — é especial. Muitas vezes agressivo, quase sempre inesperado mas sempre eufônico, o grupo costuma explorar seu repertório com tanto entusiasmo que as músicas parecem outras após um tratamento “Armonico”.

Biber: Battalia e outras obras / Locke: The Tempest / Zelenka: Fanfare — Il Giardino Armonico

Jan Dismas Zelenka (1679-1745):
1. Fanfare in D major (02:11)

Heinrich Ignaz Franz Von Biber (1644 – 1704):
2. Battalia – Sonata – Allegro (01:52)
3. Battalia – Die liederliche Gesellsschaft von allerley Humor (Allegro) (00:45)
4. Battalia – Presto (00:26)
5. Battalia – The march (violin I solo) (01:03)
6. Battalia – Presto (2) (01:01)
7. Battalia – Aria (02:39)
8. Battalia – The battle (00:42)
9. Battalia – Lamento der Verwundten Musquetirer (Adagio) (01:31)
10. Passacaglia in C minor (04:55) — Luca Pianca, archlute
11. Anon. / Tune for the woodlark (00:20) – Giovanni Antoini, flautino
12. Sonata Violino solo representativa – Allegro (01:46)
13. Sonata Violino solo representativa – The nightingale (01:22)
14. Sonata Violino solo representativa – The cuckoo (00:42)
15. Sonata Violino solo representativa – The frog (00:42)
16. Sonata Violino solo representativa – Adagio (00:25)
17. Sonata Violino solo representativa – The hen & the cock (00:24)
18. Sonata Violino solo representativa – Presto (00:12)
19. Sonata Violino solo representativa – Adagio – The quail (00:42)
20. Sonata Violino solo representativa – The cat (00:25)
21. Sonata Violino solo representativa – The musketeers’ march (01:14)
22. Sonata Violino solo representativa – Allamande (01:41)
23. – Onofri, Enrico – Ricercare (01:52) Michele Barchi, gravicembalo / Riccardo Doni, organ
24. – Partita VII in C minor – Praeludium (03:24) Enrico Onofri, Marco Bianchi, viole d’amore / Giovanni Antonini, tenor chalumeau / Vittorio Ghielmi, bass and tenor violas da gamba / Luca Pianca, archlute / Michele Barchi, gravicembalo and organ
25. – Partita VII in C minor – Allamande (02:18)
26. – Partita VII in C minor – Sarabande (01:42)
27. – Partita VII in C minor – Gigue – Presto (01:22)
28. – Partita VII in C minor – Aria (01:35)
29. – Partita VII in C minor – Trezza (00:48)
30. – Partita VII in C minor – Arietta variata (05:58)

Matthew Locke (1621 – 1677):
31. – Canon 4 in 2 (00:48)
32. – Music for The Tempest – Introduction (01:03)
33. – Music for The Tempest – Galliard (01:30)
34. – Music for The Tempest – Gavot (01:06)
35. – Music for The Tempest – Sarabrand (03:02)
36. – Music for The Tempest – Lilk (00:54)
37. – Music for The Tempest – Curtain Tune (05:19)
38. – Music for The Tempest – First Act Tune – Rustick Air (01:18)
39. – Music for The Tempest – Second Act Tune – Minoit (01:32)
40. – Music for The Tempest – Third act tune – Corant (01:05)
41. – Music for The Tempest – Fourth act tune – A Martial Jigge (01:43)
42. – Music for The Tempest – Conclusion: A Canon 4 in 2

Il Giardino Armonico
Giovanni Antonini

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Parte dos membros do Il Giardino Armonico

O correto é tocar assim, viu?

PQP

The Debussy Edition – CD 10 de 17 – Chamber Music – Melos Quartett, Dumay, Pires, Argerich, Maisky, et. all

box frontEste volume da Debussy Edition é tão bom que merece aparecer sozinho na postagem. Posso dizer sem temer que a DG aqui caprichou e escolheu a dedo os intérpretes. Desde o Quarteto, esplêndido nas mãos do Melos Quartett, passando pelas duplas Dumay / Pires, Argerich / Maisky, o trio com harpa e terminando com uma peça para flauta solo, enfim, este CD é um primor em se tratando de qualidade técnica e sensibilidade musical.
Infelizmente Debussy não se dedicou muito ao gênero Música de Câmara, mas o pouco que fez, já foi suficiente para nos alegrar.
Um CD para ouvirmos com calma e tranquilidade, de preferência sentados em nossas melhores poltronas, e apreciando um bom vinho. Espero que apreciem tanto quanto eu apreciei.

1 Quatuor à cordes – I. Animé et décidé
2 II. Assez vif et bien rythmé
3 III. Andantino, doucement expressif
4 IV. Très modéré

Mellos Quartett

5 Sonate pour violon et piano – I. Allegro vivo
6 II. Intermède. Fantasque et léger
7 III. Finale. Très animé

Augustin Dumay – Violin
Maria João Pires

8 Sonate pour violoncelle et piano – I. Prologue. Lent
9 II. Sérénade. Modérément animé
10 III. Finale. Animé

Mischa Maisky – Cello
Martha Argerich – Piano

11 Sonate en trio – I. Pastorale. Lento, dolce rubato
12 II. Interlude. Tempo di Minuetto
13 III. Finale. Allegro moderato ma risoluto

Wolfgang Schulz – Flute
Wolfram Christ – Viola
Margit-Anna Süss – Harp

14 Syrinx pour flûte seule

Wolfgang Schulz – Flute

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Joseph Haydn (1732-1809): Cassations Nº 9 e 20

O blog holandês 33 toeren klassiek faz conversões de antigos LPs de vinil para mp3. A qualidade é sempre excelente não somente do ponto de vista técnico, é que as escolhas musicais são especiais. Elas nunca passam pelo óbvio, mas por cantinhos desconhecidos ou esquecidos do repertório e da história das gravações. É um tremendo, criterioso e qualitativo resgate histórico. Peguei de lá esta raríssima gravação do Collegium Aureum para a Harmonia Mundi em 1963.

Haydn HM 30 643 1

Cassation é um gênero ainda menor do que a Serenata ou o Divertimento. Trata-se de uma série de movimentos curtos e alegres para orquestra de câmara. Muita gente boa escreveu Cassassões lá pela metade do século XVIII. A música de Haydn serve bem ao gênero. Haydn era leve, ousado e feliz. Até suas Missas revelam uma relação secular com a divindade. O cara era feliz e não abria mão disso, ora. Ouçam o disco e comprovem: é música para abrir um bom dia.

Joseph Haydn (1732-1809): Cassations Nº 9 e 20

1 Cassatie in G (HV .II, 9, 1764) 15:26
allegro molto – menuet – adagio cantabile – menuet – finale: presto
2 Cassatie in F (HV II, 20, 1763)
allegro – menuet – adagio – menuet – finale: presto

Membros do Collegium Aureum
Direção de Franzjosef Maier
Harmonia Mundi HM 30 643
Gravado em junho de 1963
Tempo total: 33:08

Os caras em holandês:
Alfred Sous, hobo
Helmuth Hucke, hobo
Gerd Seifert, hoorn
Erich Penzel, hoorn
Ulrich Grehling, viool
Franz-Josef Maier, viool
Ulrich Koch, altviool
Günther Lemmen, altviool
Reinhold Johannes Buhl, cello
Johannes Koch, violone

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Haydn HM 30 643 2

PQP

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Bach Concertos – Viktoria Mullova, Octavio Dantone

frontPor uma falha indisculpável, esse CD da nossa musa Viktoria Mullova ficou esquecido no armário, no meio da minha bagunça secular e histórica. Quando o encontrei, fui correndo nos arquivos do PQPBach para verificar se realmente não tinha sido postado. Mas como pode ter acontecido isso? Mullova é caso de amor antigo. A ouço desde a minha adolescência, e me encantei com ela imediatamente.
Mullova / Dantone é uma dupla frequente aqui. Os dois sempre estão juntos, gravando, dando recitais, etc. Um é a cara metade do outro. Musicalmente falando, é claro.
E é claro que esse cd foi agraciado com cinco estrelas pelos clientes da amazon. E com méritos. Eis o texto do editorialista do site:

“Viktoria Mullova’s Bach recordings for Onyx have received worldwide praise. London’s Sunday Times said her Sonatas and Partitas for solo violin, “exemplify the best of old and new stylistic approaches to Bach’s masterpieces.” For this album, she once again teams up with harpsichordist Ottavio Dantone in a program that pairs the two famous solo Violin Concertos with two concertos arranged for violin. The Violin Concerto BWV1053 was arranged from the second harpsichord concerto and the Concerto for Violin & Harpsichord BWV1060 was arranged from the concerto for violin and oboe (which had previously been arranged by Bach himself from his concerto for two harpsichords). Having worked together for many years, Mullova and Dantone sought a piece they could both play with orchestra, and this brilliant arrangement is the result. Performed here with the Accademia Bizantina, it is the perfect conclusion to a masterful Bach program.”

Não quero nem pretendo chover no molhado, mas o trabalho que Mullova vem fazendo ao longo dos anos, se estabelecendo como uma das grandes intérpretes do barroco, vide suas gravações de Vivaldi e de Bach, a tornaram uma das maiores estrelas do violino dos últimos trinta anos. E quando mudou-se de mala e cuia para o selo ONIX pode então realizar suas fantasias mais secretas, como estas suas gravações dos concertos de Bach transcritos pelo próprio para violino.
O conjunto italiano ” l´Academia Bizantina” tem nos brindado com excelentes gravações nos últimos anos, e com a direção de Octavio Dantone tornou-se um dos mais requisitados e respeitados conjuntos de música barroca.

01 – J.S. Bach – Violin Concerto in E BWV 1042 – I. Allegro
01 – J.S. Bach – Violin Concerto in E BWV 1042 – II. Adagio
02 – J.S. Bach – Violin Concerto in E BWV 1042 – III. Allegro assai
03 – J.S. Bach – Concerto for Harpsichord in E BWV 1053 (arr.for violin in D) – I
04 – J.S. Bach –  Concerto for Harpsichord in E BWV 1053 (arr.for violin in D) – I – Siciliano
05 – J.S. Bach –  Concerto for Harpsichord in E BWV 1053 (arr.for violin in D) – III – Allegro
06 – J.S. Bach –  Violin Concerto in A minor BWV 1041 – I. Allegro
07 – J.S. Bach –  Violin Concerto in A minor BWV 1041 – II. Andante
08 – J.S. Bach –  Violin Concerto in A minor BWV 1041 – III. Allegro assai
09 – J.S. Bach –  Concerto for two harpsichords in C minor BWV 1060 (arr.for violin and harpsichords) – Allegro
10 – J.S. Bach –  Concerto for two harpsichords in C minor BWV 1060 (arr.for violin and harpsichords) – Adagio
11 – J.S. Bach –  Concerto for two harpsichords in C minor BWV 1060 (arr.for violin and harpsichords) – Allegro

Viktoria Mullova – Violin
Accademia Bizantina
Ottavio Dantone – Director

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

juzzolo2146AccademiaBizanti

Viktoria Mullova em ação com a Accademia Bizantina e Ottavio Dantone ao cravo

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Bach Kantaten – Vol. 2 – Ostern – Mathis, Reynolds, Schreier, Fischer-Dieskau et. all.

61ZHHJRZ05L

Fiz as correções necessárias. Verifiquem se deu certo. Qualquer coisa me avisem.

Esta segunda caixa das Cantatas gravadas por Karl Richter traz as obras compostas para o período da Páscoa. São cinco cds.
Como comentei anteriormente, Karl Richter cercou-se dos principais solistas da época, o que é um privilégio para nós, convenhamos. Termos a oportunidade de ouvir Peter Schreier, Fischer-Dieskau, Hertha Töpper, Richter reuniu um time de estrelas, com certeza.
Para quem gosta de Wagner, também vai reconhecer alguns nomes de wagnerianos ilustres, como Theo Adam e o eterno Fischer-Dieskau.
Mas vamos ao que interessa, pois tem muita coisa bonita para vocês ouvirem aqui.

Vol. 2 – Ostern

CD 1

01 – Cantata for Septuagesima Sunday – Chor BWV 92
02 – Cantata for Septuagesima Sunday – Rezitativ und Choral (Bass) BWV 92
03 – Cantata for Septuagesima Sunday – Arie (Tenor) BWV 92
04 – Cantata for Septuagesima Sunday – Choral (Chor-Alt) BWV 92
05 – Cantata for Septuagesima Sunday – Rezitativ (Tenor) BWV 92
06 – Cantata for Septuagesima Sunday – Arie (Bab) BWV 92
07 – Cantata for Septuagesima Sunday – Choral und Rezitativ (Chor) BWV 92
08 – Cantata for Septuagesima Sunday – Arie (Sopran) BWV 92
09 – Cantata for Septuagesima Sunday – Choral BWV 92
10 – Cantata for Sexagesima Sunday – Chor BWV 126
11 – Cantata for Sexagesima Sunday – Arie (Tenor) BWV 126
12 – Cantata for Sexagesima Sunday – Rezitativ (Alt, Tenor) BWV 126
13 – Cantata for Sexagesima Sunday – Arie (Bab) BWV 126
14 – Cantata for Sexagesima Sunday – Rezitativ (Tenor) BWV 126
15 – Cantata for Sexagesima Sunday – Choral BWV 126
16 – Cantata for Quinquagesima Sunday – Duett (Sopran, Alt) BWV 23
17 – Cantata for Quinquagesima Sunday – Rezitativ (Tenor) BWV 23
18 – Cantata for Quinquagesima Sunday – Chor BWV 23
19 – Cantata for Quinquagesima Sunday – Choral BWV 23

CD 2

01 – BWV 1 – 1. Chor
02 – BWV 1 – 2. Rezitativ (Tenor)
03 – BWV 1 – 3. Arie (Sopran)
04 – BWV 1 – 4. Rezitativ (Bass)
05 – BWV 1 – 5. Arie (Tenor)
06 – BWV 1 – 6. Choral
07 – BWV 182 – 1. Sonata
08 – BWV 182 – 2. Chor
09 – BWV 182 – 3. Rezitativ (Bass)
10 – BWV 182 – 4. Arie (Bass)
11 – BWV 182 – 5. Arie (Alt)
12 – BWV 182 – 6. Arie (Tenor)
13 – BWV 182 – 7. Choral
14 – BWV 182 – 8. Chor

CD 3

01 – Cantata for the 1st Day of Easter – Sinfonia BWV 4
02 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 1 BWV 4
03 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 2 BWV 4
04 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 3 BWV 4
05 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 4 BWV 4
06 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 5 BWV 4
07 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 6 BWV 4
08 – Cantata for the 1st Day of Easter – Versus 7 BWV 4
09 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Chor BWV 6
10 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Arie (Alt) BWV 6
11 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Choral (Chor-Sopran) BWV 6
12 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Rezitativ (Bab) BWV 6
13 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Arie (Tenor) BWV 6
14 – Cantata for the 2nd Day of Easter – Choral BWV 6
15 – Cantata for the 3rd Day of Easter – Rezitativ (Bab) BWV 158
16 – Cantata for the 3rd Day of Easter – Arie und Choral (Bab, Chor-Sopran) BWV 158
17 – Cantata for the 3rd Day of Easter – Rezitativ (Bab) BWV 158
18 – Cantata for the 3rd Day of Easter – Choral BWV 158
19 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Chor BWV 67
20 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Arie (Tenor) BWV 67
21 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Rezitativ (Alt) BWV 67
22 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Choral BWV 67
23 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Rezitativ (Alt) BWV 67
24 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Arie (Bab, Chor) BWV 67
25 – Cantata for the 1st Sunday after Easter – Choral BWV 67

CD 4

01 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Chor BWV 104
02 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Rezitativ (Tenor) BWV 104
03 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Arie (Tenor) BWV 104
04 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Rezitativ (Bab) BWV 104
05 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Arie (Bab) BWV 104
06 – Cantata for the 2nd Sunday after Easter – Choral BWV 104
07 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Sinfonia BWV 12
08 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Chor BWV 12
09 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Rezitativ (Alt) BWV 12
10 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Arie (Alt) BWV 12
11 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Arie (Bab) BWV 12
12 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Arie (Tenor) BWV 12
13 – Cantata for the 3rd Sunday after Easter – Choral BWV 12

CD 5

01 – BWV 108 – 1. Arie (Bass)
02 – BWV 108 – 2. Arie (Tenor)
03 – BWV 108 – 3. Rezitativ (Tenor)
04 – BWV 108 – 4. Chor
05 – BWV 108 – 5. Arie (Alt)
06 – BWV 108 – 6. Choral
07 – BWV 87 – 1. Arie (Bass)
08 – BWV 87 – 2. Rezitativ (Alt)
09 – BWV 87 – 3. Arie (Alt)
10 – BWV 87 – 4. Rezitativ (Tenor)
11 – BWV 87 – 5. Arie (Bass)
12 – BWV 87 – 6. Arie (Tenor)
13 – BWV 87 – 7. Choral

Edith Mathis – Soprano
Anna Reynolds, Hertha Töpper – Alt
Peter Schreier, Ernst Häefliger – Tenor
Theo Adam, Dietrich Fischer-Dieskau – Bass

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 4 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 5 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

C.P.E. Bach (1714-1788): Cello Concertos

Bach teve dois filhos que podem figurar entre os grandes compositores de todos os tempos: o mais velho, Wilhelm Friedemann Bach, e o quinto (o segundo a chegar à idade adulta), Carl Philipp Emanuel Bach. É claro que eles ficam meio que à sombra do Grande Pai de Todos Nós. Mas o que fazer? Estes concertos de CPE são extraordinários e a interpretação do norueguês Truls Mørk vale o ingresso, quero dizer, o download. A observação também vale para os compreensivos e afinados Les Violins du Roy, que dão muito mais que um mero suporte ao excelente Mørk. Baita CD.

C.P.E. Bach (1714-1788): Cello Concertos

1. Cello Concerto Wq.172 in A major: Allegro 6:26
2. Cello Concerto Wq.172 in A major: Largo con sordini, mesto 7:35
3. Cello Concerto Wq.172 in A major: Allegro assai 5:03

4. Cello Concerto Wq.171 in B flat major: Allegretto 8:05
5. Cello Concerto Wq.171 in B flat major: Adagio 8:20
6. Cello Concerto Wq.171 in B flat major: Allegro assai 6:27

7. Cello Concerto Wq.170 in A minor: Allegro assai 10:38
8. Cello Concerto Wq.170 in A minor: Andante 8:43
9. Cello Concerto Wq.170 in A minor: Allegro assai 6:50

Truls Mørk, cello
Les Violins du Roy
Bernard Labadie

DOWNLOAD HERE — BAIXE AQUI

Truls Mork: respeitem o loirinho careca!

Truls Mork: respeitem o loirinho careca!

PQP

Antonio Meneses – Suítes brasileiras

SuitesBrasileirasEste é o terceiro CD de Meneses que ora está sendo postado e talvez o mais importante de todos os que o violoncelista recifense gravou pois concretiza um projeto e sem precedentes no país: o de estímulo à produção de um repertório específico para um instrumento.

Diz o release de divulgação do disco:

“Há alguns anos, Antonio Meneses encomendou a compositores brasileiros obras que servissem como uma espécie de preâmbulo para cada uma das seis suítes para violoncelo solo de Johann Sebastian Bach. O objetivo era realizar um prolongamento, guardadas as proporções, da homenagem que Villa-Lobos fizera a Bach nas Bachianas Brasileiras.”

Daí que cada uma das seis primeiras obras – totalmente diferentes entre si na estética – parafraseia uma suíte bachiana. Na segunda metade do álbum, há uma suíte inteira em cinco movimentos, que Meneses pediu especialmente ao conterrâneo pernambucano Clóvis Pereira.

Clóvis, depois de Marlos Nobre, é o maior compositor erudito pernambucano vivo. Embora sua produção não seja muito extensa e seja quase desconhecida fora de seu estado natal, dificilmente decepciona, deixando-se claro que ela segue em maior ou menor grau as linhas do Movimento Armorial.

A parceria Meneses-Clóvis nasceu uma obra antes, com o Concertino para violoncelo e orquestra (2005) – o qual vai ser lançado por Meneses em disco este ano junto com os dois concertos de Haydn -, e deu tão certo que já está sendo escrita uma sonata pra cello e piano, a ter estreia em 2011.

***

Antonio Meneses – Suítes brasileiras

1. Etius Melos, de Ronaldo Miranda
2. Cantoria 1 para violoncelo solo, de Marlos Nobre
3. Preambulum, de Almeida Prado
4. Pequena seresta de Bach, de Edino Krieger
5. Preludiando, de Marisa Resende
6. Invocatio nº 1, de Marco Padilha

Suíte macambira, de Clóvis Pereira
7. Overture
8. O canto do cego
9. Dança característica
10. Coco embolado
11. Frevo canzonado

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Antonio Meneses: indiscutível, bom pra caralho

Antonio Meneses: indiscutivelmente, bom pra caralho

CVL

Lobo de Mesquita (1746 – 1805): Te Deum: Orquestra de Câmara do Brasil & Coro Ars Nova: Maestro José Siqueira (Acervo PQPBach)

Te Deum de Lobo de Mesquita

Quis o destino benfazejo que este LP de 1978 fosse resgatado de uma prateleira empoeirada, cheia de LPs velhos, no fundo de um sebo! É um LP privado, não foi comercializado, e foi patrocinado pelo Banco do Brasil. Nada mais se sabe sobre ele, a não ser:


* é a principal obra (Te Deum) de um dos mais brilhantes compositores brasileiros (Lobo de Mesquita) interpretada por uma das mais importantes orquestras brasileiras (Orquestra de Câmara do Brasil) e acompanhada por um dos mais lapidados corais brasileiros (Coro Ars Barroca), regidos por um dos mais completos maestros brasileiros (José Siqueira). Em resumo: uma obra-prima jogada às traças !!  IM-PER-DÍ-VEL !!

Como podemos cobrar das novas gerações a falta de sentimento de cidadania, de amor e orgulho pela pátria, se nem os nossos heróis cultivamos? Nossos filhos vão se orgulhar do que? de quem?

Quem já ouviu falar no Maestro José Siqueira levanta a mão!

Esta repostagem é dedicada ao nosso amigo Bisnaga, que ressuscitou, reviveu neste site, a vida e a obra do maestro José Siqueira após esta postagem !!!!!! Não tem preço.

Te Deum

O Te Deum, também chamado às vezes o ambrosiano, devido à sua associação com Santo Ambrósio, é um hino tradicional de alegria e ação de graças. Primeiramente atribuído aos Santos Ambrósio e Agostinho, ou Hilary, agora está creditado para Nicetas, bispo de Remesiana (século 4). Ele é usado na conclusão do Ofício das Leituras da Liturgia das Horas aos domingos fora da Quaresma, diariamente durante os Oitavas de Natal e Páscoa, e nas solenidades e festas.

Maestro José de Lima Siqueira

Maestro, compositor e acadêmico brasileiro nascido em 1907 em Conceição, no Vale do Piancó, alto sertão do Estado da Paraíba, regente e compositor reconhecido em nível internacional, de suma importância como educador pelo papel de liderança que exerceu no meio musical de sua época e pela participação na criação de várias entidades de classe e culturais, tornando-se uma das grandes figuras da música brasileira no século XX.

Filho de um mestre da banda Cordão Encarnado, em sua cidade natal, que lhe ensinou a tocar diversos instrumentos como saxofone e trompete. Durante sua juventude, atuou em bandas de música de várias cidades do interior da Paraíba. Foi para o Rio de Janeiro (1927), então capital da República, como integrante das tropas que tinham sido recrutadas para combater a Coluna Prestes e logo ingressou na Banda Sinfônica da Escola Militar, como trompetista. Estudou (1928-1930) composição com Francisco Braga e Walter Burle-Marx, no antigo Instituto Nacional de Música, e formou-se em Composição e Regência (1933) e iniciou sua brilhante carreira de compositor e regente no Brasil e no exterior, em grandes orquestras dos Estados Unidos, Canadá, França, Portugal, Itália, Holanda, Bélgica e Rússia, entre outros países.

Regeu nos Estados Unidos grandes orquestras como a Sinfônica de Filadélfia, Detroit, Rochester. Na França regeu a Orchestre Radio-Symphonique, de Paris, e em Roma, a Sinfônica de Roma, entre outras. Foi professor da Escola de Música da Universidade do Brasil, hoje da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Fundou a Orquestra Sinfônica Brasileira (1940) e formou-se em Direito (1943). Viajou pelos EUA e Canadá e fundou a Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro (1949), fechada 2 anos depois. Quando esteve em Paris (1953) freqüentou o curso de musicologia da Sorbonne. Oficializou junto ao prefeito Miguel Arraes, a Orquestra Sinfônica do Recife, a mais antiga do país.

Idealizou e criou a Ordem dos Músicos do Brasil, assumindo a sua Presidência (1960). Fundou a Orquestra Sinfônica Nacional (1961) e a Orquestra de Câmara do Brasil (1967). Figura incomparável do mundo cultural brasileiro, foi aposentado (1969) pela ditadura militar devido à sua pregação democrática. Proibido de lecionar, gravar e reger, encontrou abrigo na extinta União Soviética, onde regeu a Orquestra Filarmônica de Moscou e participou como jurado de grandes concursos de música internacionais. Também foi em Moscou que boa parte de sua obra foi editorada e preservada enquanto que no Brasil o estúpido governo militar cuidava de alijá-lo da história.

(A esse respeito, conta-nos Carlos Pereira: Em 1964, no golpe militar, foi submetido a interrogatório e protagonizou com um coronel, um diálogo que ficou famoso. O milico lhe perguntou se já tinha ido à Rússia e ele não só confirmou, como disse que gostava de lá voltar de vez em quando para… reger a Sinfônica de Moscou. Resultado: foi fichado como comunista e proibido, por alguns anos, de reger a Orquestra Sinfônica Brasileira. http://www.carlospereira.net.br/index.php/component/content/article/34-cronicas/323)

Deve-se a ele ainda a criação da Orquestra de Câmara do Brasil, da Sociedade Artística Internacional, do Clube do Disco e da Ordem dos Músicos do Brasil. Também publicou vários livros didáticos tais como Canto Dado em XIV Lições, Música para a Juventude, em quatro volumes, Sistema Trimodal Brasileiro, Curso de Instrumentação, entre outros.

Faleceu aos 78 anos, na cidade do Rio de Janeiro, no dia 22 de abril de 1985, deixando uma vastíssima obra composta de óperas, cantatas, concertos, oratórios, sinfonias e até a música de câmara, para instrumentos solos e para voz. A cadeira nº 8 da Academia Brasileira de Música, fundada (1945) por Heitor Villa-Lobos, nos moldes da Academia Francesa, foi alocada para ele como co-fundador, depois que o efetivo da Academia se reduziu de 50 para 40 cadeiras. Seu nome foi dado à Grande Sala da Cidade da Música por decreto do então Prefeito Cesar Maia, publicado no Diário Oficial do Município (2008). Uma justa homenagem a essa figura reconhecida internacionalmente, defensor da cultura musical brasileira e responsável por iniciativas como a criação da Orquestra Sinfônica Brasileira da cidade do Rio de Janeiro, da Academia Brasileira de Música, da Ordem dos Músicos do Brasil e dos Concertos Para a Juventude.
(http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/JoseLSiq.html)

Palhinha: ouça a integral do Te Deum, enquanto observa fotos de Serro, MG (antiga Vila do Príncipe), onde Lobo de Mesquita nasceu.

.
José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
Te Deum
01. Te Dominum confitemur
02. Tibi omnes Angeli; tibi cæli et universæ Potestates
03. Sanctus, Sanctus, Sanctus, Dominus Deus Sabaoth
04. Te gloriosus Apostolorum chorus
05. Te Martyrum candidatus laudat exercitus
06. Patrem immensæ maiestatis
07. Sanctum quoque Paraclitum Spiritum
08. Tu Patris sempiternus es Filius
09. Tu, devicto mortis aculeo, aperuisti credentibus regna cælorum
10. Judex crederis, esse venturus. Te ergo quæsumus, tuis famulis subveni, quos pretioso sanguine redemisti
11. Salvum fac populum tuum Domine, et benedict hereditati tuæ
12. Per singulos dies, benedicimus te
13. Dignare Domine die isto sine peccato nos custo dire
14. Fiat misericordia tua Domine super nos, quem admodum speravimus in te
15. Non confundar in aeternum

Barroco Mineiro – 1978
Orquestra de Câmara do Brasil & Coro Ars Barroca
Maestro José de Lima Siqueira

LP de 1978 digitalizado por Avicenna


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 292,3 MB |

BAIXE AQUÍ – DOWNLOAD HERE
.aif 700-800 kbps – 357,8 MB – 25,5 min

BAIXE AQUÍ – DOWNLOAD HERE
.mp3 320 kbps – 79.5 MB – 25,5 min
powered by iTunes 10.5.2

Boa audição.

Avicenna

As modinhas do Brasil (Acervo PQPBach)

As modinhas do Brasil

Eliane Aquino, soprano
Keila de Moraes, mezzo-soprano
Kenny Simões, espineta
Edilson de Lima, violão.

 

.

Segundo Silvio Romero, a modinha teria surgido …
Um outro grupo de escritores, dentre eles Tomaz Borba …
Já o escritor Ernesto Vieira,em seu …
O historiador português Pinto de Carvalho …
José Ramos Tinhorão, por sua vez …

Esse é o início dos 5 primeiros parágrafos do livro “As modinhas do Brasil”, de Edilson de Lima, publicado pela Edusp em 2001, 280 páginas, que apresenta a letra e a partitura de cada modinha abaixo, interpretadas por Eliane Aquino, soprano; Keila de Moraes, mezzo-soprano; Kenny Simões, espineta e Edilson de Lima, violão.

Compositor: Anônimo, séc. XIX/XVIII
01. Você Se Esquiva De Mim
02. Quem Me Vir Aflito E Triste
03.Pelo Amor De Deus
04. Tristemente A Vida Passa
05. Os Me Deixas Que Tu Dás
06. Eu Nasci Sem Coração
07. Ganinha, Minha Ganinha
08. Quem Ama Para Agravar
09. Sinto-Me Aflita
10. Vidinha Adeus
11. Por Desabafar Saudades
12. Choro, Padeço, Suspiro
13. Os Desprezos De Meu Bem
14. A Minha Nerina Gosta Dos Meus Ais
15. Se Fores Ao Fim Do Mundo
16. A Saudade Que No Peito
17. Ninguém Morra De Ciúme
18. Eu Estando Bem Juntinho
19. É Delicia Ter Amor
20. Quem Achou O Q’eu Achei
21. Da Minha Constante Fé
22. Eu Não Sei Minha Constância
23. Meu Amor, Minha Sinhá
24. Minha Mana Estou Gostando
25. Menina Você Vai Hoje
26. Homens Errados E Loucos
27. Cupido Tirano
28. Estas Lágrimas Sentidas
29. Ausente, Saudoso E Triste
30. Não Pode A Longa Distância

Se você quiser concorrer a ganhar o livro original “As Modinhas do Brasil”, com o respectivo CD que ora é postado, responda para avicenna@uol.com.br as seguintes perguntas:

01 – Você segue o Museu da Música de Mariana no Facebook?
02 – O que significa ANPPOM?
03 – O que é o Projeto Arte Educação Através da Música?
04 – Mas afinal, o que é exatamente um Responsório Fúnebre?
05 – Quando se comemora o Dia Nacional do Patrimônio Histórico?
06 – O que é uma Ladainha?
07 – Toda música sacra, na Igreja Católica, era feita para Missas?
08 – Por que Vila Rica era vila e Mariana era cidade?
09 – O que é um ripanço?
10 – Para onde vão os arquivos musicais depois do falecimento dos seus proprietários?

O primeiro a responder as perguntas acima, até 27.08.14, com maior quantidade de acertos, receberá o livro via Sedex.


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 274,8 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 123,4 MB – 50,1 min
powered by iTunes 11.3.1

.

Boa audição.

 

 

 

 

 

 

.

.

Avicenna