Jordi Savall (1941): Lachrimae Caravaggio

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este CD realmente EXCELENTE tem uma curiosa origem.  Ele é o resultado de uma exposição de pinturas de Caravaggio, em Barcelona, no Museu de Arte da Catalunha. A maioria da música é composta ou improvisada por Jordi Savall e o XXI Hesperion sobre peças de Gesualdo, Monteverdi e Trabaci. Há também peças incluem a voz sem palavras de Ferran Savall que são cheias de desespero. Enquanto ouvia a música, ficou claro que esta é perfeita para acompanhar as pinturas de Caravaggio.

Explicando melhor: o disco é uma notável coleção de improvisações sobre obras de Monteverdi, Gesualdo, Trabaci e outros músicos barrocos. O disco NÃO É uma compilação de peças específicas do barroco, apesar de seguir-lhes o estilo. Aqui e ali há toques de modernidade. Este ponto é importante para recriar, em música, o jogo de luzes e sombras presentes no trabalho e na vida de Caravaggio, tópico lembrado e explorado no ensaio de Fernandez incluído no álbum. Numa palavra, delicioso!

Jordi Savall, Dominique Fernandez: Lachrimae Caravaggio

1. Cantus Caravaggio I
2. 1. Lachrimae Tristes
3. Deploratio I
4. Planetus Caravaggio I
5. Extasis
6. Fantasia (D’apres Geualdo)
7. 2. Lachrimae Invocantis
8. Sinfoinia Di Guerra (D’apres Monteverdi)
9. Pugna & Damnatio
10. Imploratio
11. Deploratio II
12. Concentus (D’apres Rossi)
13. 3. Lachrimae Dolcissima
14. Durezze E Ligature (D’apres Trabaci)
15. Medley: Passacaglia/Umbrae
16. Medley: Cantus Caravaggio II/O Lux
17. 4. Lachrimae Amara
18. Transitio
19. Medley: Passacaglia/Libertas
20. 5. Lachrimae Dolente
21. Deploratio III
22. Consonanze Stravaganti (D’apres Trabaci)
23. Medley: Cantus Caravaggio III/Extempore
24. 6. Lachrimae Gementes
25. Spiritum Morientis
26. Liberatio
27. Deploratio IV
28. 7. Lachrimae Exultantes
29. Planctus Caravaggio II
30. Medley: Cantus Caravaggio IV/In Memoriam

Jordi Savall
Ferran Savall
Le Concert des Nations
Hesperion XXI

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Caravaggio, São Jerônimo (1600)

Caravaggio, São Jerônimo (1600)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brasil 500 Anos – Quadro Cervantes

Considerado pela crítica especializada como um dos melhores conjuntos brasileiros de música antiga, o Quadro Cervantes apresenta um CD em homenagem aos 500 anos do descobrimento do Brasil. Escolhido cuidadosamente, o repertório do disco reflete quatro momentos estilísticos da história musical luso-brasileira.

Com instrumentos de época. On period instruments.

O Quadro Cervantes utiliza urna série de instrumentos que são cópias fieis (o máximo possível) de exemplares da época. Em alguns casos, porém, a fidelidade absoluta é impossível, por não existir mais exemplares da época. Um exemplo é a vielle empunhada por Mário Orlando – este tipo de instrumento é reproduzido por fabricantes modernos a partir da iconografia. Também, apesar de seguir, quando possível, as práticas instrumentais dos diversos períodos estilísticos da música antiga, em alguns momentos o conjunto se dá o direito de inovar, uma vez que não existe a possibilidade de autenticidade total.

Atualmente integram o conjunto: Clarice Szajnbrum (soprano), Helder Parente (flautas, baixo e percussão) – Professor de Percepção Musical e Prosódia da UNI-Rio, Mário Orlando (vielle, viola da gamba, flautas, contratenor e percussão) – Diretor Musical do Conjunto de Música Antiga da UFF, e Nícolas de Souza Barros (alaúdes, guitarras renascentista e barroca, violão, coro e percussão) – Professor de Violão Erudito e Música de Câmara da UNI-Rio.

.

SÉCULO XIII – Portugal – Cancioneiro Martin Códax
01. Mandad’ei comigo
02. Ondas do mar de Vigo
03. Mia irmana fremosa

SÉCULO XVI – Portugal e Espanha
Luís Milan (Espanha, c.1500-c.1561)
04. Falai miña amor
05. Fantasia 22
Cancioneiro de Hortência, Portugal, séc. XVI
06. Que é q’ vejo
07. Sempre fiz vossa vontade
Diego Ortiz (Espanha, c.1510–c.1570)
08. Recercada Quarta
Cancioneiro de Hortência, Portugal, séc. XVI
09. Ia dei fim
Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa
10. Não tragais borszeguis pretos
Luís Milan (Espanha, c.1500-c.1561)
11. Perdido teñyo mi color
Diego Ortiz (Espanha, c.1510–c.1570)
12. Quinta pars
Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa
13. Na fomte está Lianor
Cancioneiro de Hortência, Portugal, séc. XVI
14. Señora bem poderey

SÉCULOS XVII e XVIII – Portugal e Brasil
Manuel Rodrigues Coelho (Portugal, 1582-1647)
15. Segundo verso do primeiro tom
Luis Álvares Pinto (Recife, 1719 – 1789)
16. Beata Virgo

SÉCULO XIX – Modinhas e Lundus Brasileiros
Antonio da Silva Leite (Portugal, 1759-1833)
17. Amor concedeu-me um prêmio
Anônimo (modinha imperial coligida por José Maria Neves)
18. Estas lágrimas
Xisto Bahia (1841 – 1894)
19. Iaiá, você quer morrer?
Anônimo (modinha imperial coligida por José Maria Neves)
20. Sinto-me aflita
Danças populares brasileiras recolhidas por Spix & Martius, 1819
21. Lundu
Anônimo (modinha imperial coligida por José Maria Neves)
22. Ausente, saudoso e triste
Anônimo (modinha imperial coligida por Mário de Andrade)
23. Hei de amar-te até morrer
F. M Fidalgo, 1900
24. La no Largo da Sé

Brasil 500 Anos – 2000
Quadro Cervantes


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 238,2 MB | HQ Scans 2,1 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 137,5 + 22,1 MB – 53 min
powered by iTunes 11.1.2

.

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Schubert (1797-1828): Winterreise (com Dietrich Fischer-Dieskau)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Conheci muitas pessoas legais na rede. Uma das principais é este jovem talentoso que me “admoestou” por não ter escrito nada sobre a morte de Dietrich Fischer-Dieskau. Mas ele não é daqueles caras que apontam o problema sem encaminhar uma solução — os que apenas objetam servem para pouco. Então ele me mandou um arquivo com este CD (que até tenho em casa…) e um texto para a postagem, direto de Praga. É assim que se age! Gostaria de deixar bem clara minha profunda admiração por Gilberto Agostinho, a quem nunca vi e considero amigo.

PQP

-=-=-=-=- 

Dietrich Fischer-Dieskau, dono da maior voz masculina de todos os tempos, faleceu há exatamente uma semana atrás. Não foi um acontecimento trágico, muito pelo contrário: o cantor faleceu enquanto dormia, aos 86 anos de idade, em um pequeno vilarejo no sul da Alemanha.

Falar sobre sua morte como uma perda seria uma completa asneira, seria diminuir o que Dieskau fez em vida. Tendo se aposentado no Ano Novo de 1993, ele nos deixou uma imensa discografia — Dieskau é o cantor com o maior número de gravações de todos os tempos! Entre elas, gravações consideradas como definitivas, principalmente quando se trata de Schubert.

Mas se engana quem pensa que Dieskau se destacava somente quando cantava algum Lied de Schubert ou Schumann. Não, suas apresentações em óperas e oratórios são consideradas, no mínimo, geniais. Le miracle Fischer-Dieskau, como os franceses gostavam de chamá-lo, tinha um repertório gigantesco, tendo gravado muita coisa de Bach a Berg. Nas palavras do próprio, ele diz ter “realizado coisas demais…”

Dieskau foi um artista único, com um dom que possivelmente jamais será igualado. E isto tudo está registrado, tudo o que ele fez pode ser usufruído por nós hoje e amanhã. Portanto, aos emocionais e aos que buscam tragédia onde esta não se encontra, eis a minha honesta recomendação: abram uma garrafa de bom vinho, coloquem uma das oito gravações de Winterreise na vitrola, e homenageiem o artista como se deve.

Franz Schubert: Winterreise

1. Winterreise, D.911 – 1. Gute Nacht 5:40
2. Winterreise, D.911 – 2. Die Wetterfahne 1:46
3. Winterreise, D.911 – 3. Gefrorne Tränen 2:37
4. Winterreise, D.911 – 4. Erstarrung 2:57
5. Winterreise, D.911 – 5. Der Lindenbaum 4:41
6. Winterreise, D.911 – 6. Wasserflut 4:10
7. Winterreise, D.911 – 7. Auf dem Flusse 3:45
8. Winterreise, D.911 – 8. Rückblick 2:26
9. Winterreise, D.911 – 9. Irrlicht 2:33
10. Winterreise, D.911 – 10. Rast 3:02
11. Winterreise, D.911 – 11. Frühlingstraum 3:59
12. Winterreise, D.911 – 12. Einsamkeit 2:53
13. Winterreise, D.911 – 13. Die Post 2:20
14. Winterreise, D.911 – 14. Der greise Kopf 3:02
15. Winterreise, D.911 – 15. Die Krähe 2:00
16. Winterreise, D.911 – 16. Letzte Hoffnung 2:14
17. Winterreise, D.911 – 17. Im Dorfe 3:02
18. Winterreise, D.911 – 18. Der stürmische Morgen 0:52
19. Winterreise, D.911 – 19. Täuschung 1:34
20. Winterreise, D.911 – 20. Der Wegweiser 4:08
21. Winterreise, D.911 – 21. Das Wirtshaus 4:28
22. Winterreise, D.911 – 22. Mut 1:25
23. Winterreise, D.911 – 23. Die Nebensonnen 2:37
24. Winterreise, D.911 – 24. Der Leiermann 3:09

Dietrich Fischer-Dieskau, milagre
Jörg Demus, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

O esplêndido Dietrich Fischer-Dieskau

O esplêndido Dietrich Fischer-Dieskau

Gilberto Agostinho

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Companhia Papagalia: Ares de Vera Cruz (Acervo PQPBach)

Música da época da chegada dos portugueses ao Brasil. (repostagem)

Em Ares de Vera Cruz, a Companhia Papagalia interpreta composições palacianas preservadas em cancioneiros ibéricos renascentistas. Embora esse repertório seja essencialmente europeu, não se pode considerá-lo totalmente alheio à nossa cultura: assim como as obras de Camões e Cervantes contribuíram para o desenvolvimento literário na América Latina, as peças aqui apresentadas também tiveram seu papel na história musical dessa região.

Transferidas para o Novo Mundo, composições semelhantes foram adaptadas às circunstâncias locais e cantadas em autos, festas públicas e mesmo em ambientes domésticos. No século XVII os vilancicos palacianos deram origem aos vilancicos sacros, intensamente praticados em cerimônias religiosas ibéricas e americanas, principalmente no Tempo de Natal. No Dia de Reis ainda se ouvem ecos dos ritmos e melodias que animaram os festejos reinóis e coloniais.

Para reforçar a ligação entre os cancioneiros ibéricos e as tradições musicais que hoje se conservam, a Companhia Papagalia propõe uma sonorização “brasileira” das obras, algumas vezes utilizando células rítmicas, inflexões melódicas e paralelismos vocais observados na música popular. Esse tipo de concepção, que já deixou para trás sua condição experimental, vem sendo praticado de maneira cada vez mais criativa, em lugar da procura, nem sempre eficaz, de uma “autenticidade” perdida.

Se a música antiga tem uma função no presente, é preciso reconhecer que o presente também deve ter o seu lugar na interpretação da música antiga.
Paulo Castagna, Instituto de Artes da UNESP.

Companhia Papagalia
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Paris
01. Zagaleja de lo verde
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
02. Venid a sospirar al verde pasto
03. Cuydados meus tão cuidados
António Carreira (Lisboa, c.1520-c.1587/1597)
04. Canção
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
05. Porque me não ves, Joana
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Belém
06. Por amores me perdi
07. Mira que negro amor y que nonada
Luis de Milán (also known as Lluís del Milà) (Spain, c. 1500-c.1561+)
08. Falai, miña amor (vilancico em português)
Fray Ambrosio Montesino or de Montesinos (Spain, c.1444-1514)
09. No la devemos dormir
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Paris
10. Ay santa Marya
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Belém
11. O manjar bivo dulçe i provechoso
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Paris
12. Non tendes cama bom Jesus não
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
13. Que dizen allá Paschual
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
14. Já não podeis ser contentes
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Belém
15. Oy[u]elos graciosos
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Paris
16. Na fomte esta Lianor
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
17. Llenos de lagrimas tristes
António Carreira (Lisboa, c.1520-c.1587/1597)
18. Tento sobre “Con que lavaré la flor de la mi cara”
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Paris
19. Porque lloras moro
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro de Belém
20. Dame [a]cogida en tu hato
Anôn. séc. XVI – Cancioneiros d’Elvas e de Belém
21. Ado estás alma mia
Letra do Pe. José de Anchieta sobre o terceto do Cancioneiro d’Elvas
22. Venid a suspirar con Jesú amado
Anôn. séc. XVI – Cancioneiro d’Elvas
23. A la villa voy

Ares de Vera Cruz – 2000
Companhia Papagalia

Outro CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 219,8 MB | HQ Scans 8,2 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
1411 kbpm .aiif – 484,4 MB – 40.9 min

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbpm .mp3 – 163.7 MB – 40.9 min
powered by iTunes 10.6.3
Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Böhm, Pezold, Borghi & Rust: Música Noturna para Viola D’Amore

A viola d’amore tem 7 ou 6 cordas e é (ou foi) um instrumento musical utilizado principalmente no período barroco. Para ser tocado, ele fica sob o queixo do instrumentista do mesmo modo que o violino. Em português, seu nome significa viola do amor e traz seu marido ou mulher de volta em sete dias ou devolve o valor investido. Este disco — todo ele pontuado por compositores desconhecidos do barroco — é muito bom. Logo mais, estaremos apresentando a vocês o Bumbo del Coito, o Tubófono Silicônico Cromático, o Dactilófono, o Latín e o Flautim Sodomita. Aguardem.

Böhm, Pezold, Borghi & Rust: Música Noturna para Viola D’Amore

Concerto in G Major (For Viola d’amore, Oboe d’amore & Bassoon)
1 Grave 3:30
2 Allegro 4:04
3 Andante 2:44
4 Menuet 2:03

Partita in F Major (For Viola d’amore)
5 Air 1:27
6 Courant 2:00
7 Saraband 1:27
8 Gavott 0:59
9 Gigue 1:24
10 Bourrée 1:07
11 Menuet 2:50

Sonata in D Major (For Viola d’amore & Basso continuo)
12 Allegro Moderato 3:54
13 Adagio 3:36
14 Rondo. Allegro Moderato 4:04

Trio in D Major (For Viola d’amore & 2 Flutes)
15 Grazioso 5:53
16 Allegro Vivo 6:33
17 Allegro Assai 2:46

Schola Cantorum Basiliensis

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Viola_d'amore

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Wilhelm Wilms (1772-1847): Concerto para Piano / Sinfonia / Concerto para Flauta

Você conhecia Wilms? Pois saiba que é um bom compositor nascido na Holanda. Sua música não é notavelmente original, mas também não é nada tímida. O Concerto para Piano é decididamente bom. A Sinfonia fica um pouco abaixo, mas é compensada pelo belo Concerto para Flauta. Wilms era flautista e pianista dos bons. Imagine que ele apresentava-se como solista nos dois instrumentos! Tocava os Concertos de Beethoven ao piano e os de Mozart nos dois instrumentos. É mole? As estreias holandesas dos Concertos para Piano e para Flauta de Mozart tiveram Wilms como solista. Bem, e o cara era bom compositor. Com vocês, Wilms!

Johann Wilhelm Wilms (1772-1847): Concerto para Piano / Sinfonia / Concerto para Flauta

Piano Concerto in C Major, Op. 12
1 I. Allegro 13:04
2 II. Poco adagio 5:50
3 III. Rondo: Allegro 9:37

Symphony in E-Flat Major, Op. 14
4 I. Adagio – Allegro 10:43
5 II. Andante poco allegretto 6:23
6 III. Menuetto – Trio – Menuetto 3:48
7 IV. Rondo: Allegro 4:55

Flute Concerto in D Major, Op. 24
8 I. Allegro ma non troppo 10:35
9 II. Adagio 3:53
10 III. Polacca: Allegretto 6:55

Paolo Giacometti, piano
Martin Sandhoff, flauta
Kölner Akademie
Michael Alexander Willens

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Johann Wilhelm Wilms, muito prazer

Johann Wilhelm Wilms, muito prazer

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Livro “Uma grande glória brasileira: José Maurício Nunes Garcia”, de Alfredo Taunay (Visconde de Taunay)

rhtwrhtrJOSÉ MAURÍCIO POR ALFREDO TAUNAY

Alfredo Maria Adriano d’Escragnolle Taunay (Rio de Janeiro, 22/02/1843 – 25/01/1899), mais conhecido como Visconde de Taunay, foi o escritor responsável pelo primeiro livro dedicado a um dos mais significativos compositores brasileiros: o Padre José Maurício Nunes Garcia (Rio de Janeiro, 22/09/1767 – 18/04/1830). Mas foi uma longa história até esse livro chegar às lojas e até nós.

Alfredo Taunay não conheceu Nunes Garcia, pois nasceu 13 anos após o falecimento desse compositor sacro, mas vivenciou um período no qual sua música ainda era bastante executada nas cerimônias religiosas nas igrejas do Rio de Janeiro. Encantado com as composições do padre mestre, Taunay empreendeu várias iniciativas para tentar salvá-la do esquecimento, entre elas uma campanha para tentar imprimi-las, na década de 1890, mas que resultaram apenas na impressão de seu Requiem de 1816, pela Casa Bevilacqua, em 1897.

Mas essa campanha teve alguns outros resultados: outra das importantes ações de Alfredo Taunay foi a realização de intensas pesquisas biográficas sobre José Maurício Nunes Garcia, que resultaram em vários artigos publicados no Rio de Janeiro, especialmente na Revista Brasileira, entre 1895-1896, e no Jornal do Comércio, entre 1896-1898.

Três décadas após o falecimento do Visconde de Taunay, seu filho, o historiador catarinense Afonso d’Escragnolle Taunay, resolveu organizar os inúmeros artigos do pai sobre José Maurício Nunes Garcia, para publicá-los em um único volume, por ocasião do centenário do falecimento do compositor carioca, em 1830. O enorme trabalho de Afonso Taunay, que requereu ainda a consulta de outros textos sobre o assunto, para completar lacunas e corrigir imprecisões, resultou no livro Uma grande glória brasileira: José Maurício Nunes Garcia (São Paulo: Melhoramentos, 1930).

No mesmo ano, Afonso Taunay e o editor Walther Weiszflog também uniram a esse livro os textos que Alfredo Taunay havia escrito sobre o compositor de óperas Antônio Carlos Gomes (Campinas, 11/07/1836 – Belém, 16/09/1896), para lançar, no mesmo ano, o livro Dois artistas máximos: José Maurício e Carlos Gomes (São Paulo: Melhoramentos, 1930). Esses dois livros ajudaram a reacender o interesse sobre Nunes Garcia e Carlos Gomes, demonstrando que somente as ações apaixonadas de homens como os que trabalharam nessas edições são capazes de preservar a memória musical brasileira do esquecimento, pois quase nenhum setor nos nossos sistemas de governo são conscientes da importância dessa preservação.

Uma grande raridade, o livro Uma grande glória brasileira: José Maurício Nunes Garcia, de Alfredo Taunay (Visconde de Taunay), organizado por seu filho Afonso Taunay em 1930, foi digitalizado pela primeira vez pelo Avicenna do PQP Bach, a partir do seu exemplar pessoal, e agora disponibilizado online, em um mais um gesto característico do seu altruísmo e interesse na difusão do patrimônio histórico-musical brasileiro. Com isso podemos usufruir um raro texto escrito no final do século XIX sobre o compositor brasileiro José Maurício Nunes Garcia, que requereu muitas mãos e muita dedicação para chegar até nossa casa como um presente.

Valeu, Seu Alfredo, Seu Afonso e Seu Avicenna, os três grandes ‘A’s que nos ajudaram a manter vivo no Brasil o interesse pela música de José Maurício Nunes Garcia, um dos maiores compositores brasileiros e latino-americanos de nossa história, e um dos mais importantes autores de música sacra em todo o mundo!

Prof. Paulo Castagna
brsp@uol.com.br

_----------hklhjkhLivro “Uma grande glória brasileira: José Maurício Nunes Garcia”
BAIXE AQUI
PDF | 194,7 MB

 

 

 

 

 

Saiba mais sobre José Mauricio no site: http://www.josemauricio.com.br/

Avicenna

PS: –  Personagem importante desta história é o nosso amigo e colega Bisnaga. Ele comprou este livro num sebo online e deu como endereço o da minha casa !                    Valeu, Seu Bisnaga!!!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Solo & Double Violin Concertos

Mais um bom disco de música barroca no sabadão. Agora são os excelentes Andrew Manze e Rachel Podger que retomam peças fundamentais do barroco alemão: os Concertos para Violino de Johann Sebastian Bach. O CD merece meu respeito — é consistentemente bom –, porém confesso que Manze não é uma de minhas paixões. Paradoxalmente, prefiro a sonoridade e a musicalidade de Podger, sua partner neste disco. Deve ser mania minha, sei lá, pois tenho dificuldades para articular uma crítica a Manze que saia do gosto-não gosto. Não, nada tenho contra carecas.

Baixem e descubram para mim.

Johann Sebastian Bach (1685-1770) – Solo & Double Violin Concertos

Concerto in D Minor for Two Violins BWV 1043
01. Vivace
02. Largo ma non tanto
03. Allegro

Concerto in A Minor for Violin BWV 1041
04. Allegro
05. Andante
06. Allegro Assai

Concerto in E Major for Violin BWV 1042
07. Allegro
08. Adagio
09. Allegro assai

Concerto in D Minor for Two Violins BWV 1060
10. Allegro
11. Adagio
12. Allegro

Andrew Manze & Rachel Podger, violinos
The Academy of Ancient Music
Andrew Manze, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O violinista e regente Andrew Manze

O violinista e regente Andrew Manze

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Kenny Wheeler — A Long Time Ago

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Poucos artistas tiveram, como Kenny Wheeler, a felicidade e a infelicidade de serem ao mesmo tempo reverenciados e ignorados. Se a gente conversa com um músico de jazz, notamos que o nome do canadense Wheeler recebe todos os Ohhhs e Ahhhs regulamentares, ou seja, a mais alta estima. Mas esta entidade estranha chamada grande público não tem ideia do quão valioso foi este trompetista falecido em 2014 aos 84 anos. Seus projetos na ECM foram absolutos sucessos de crítica, mas… Bem, vocês já sabem que não venderam.

Nesta gravação, Wheeler aparece com uma espécie de big band de câmara. São oito metais mais o pianista John Taylor e o guitarrista John Parricelli. O disco é uma joia de sonoridade e musicalidade. Para os pequepianos mais radicais em seu amor aos eruditos, há uma fuga chamada Going for Barroco que é uma loucura.

O cerne do disco é The Long Time Ago Suite, uma peça de mais de 30 minutos que é de babar. Partindo de alguns motivos simples, Wheeler desenvolve a música através de trocas múltiplas de naipes e andamentos. O próprio Wheeler dá um banho com seu flugelhorn durante toda a meia hora. Outra faixa maravilhosa é a outra Suíte, Gnu.

Kenny Wheeler — A Long Time Ago

1 The Long Time Ago Suite
2 One Plus Three (Version 1)
3 Ballad for a Dead Child
4 Eight Plus Three / Alice My Dear
5 Going for Baroque
6 Gnu Suite
7 One Plus Three (Version 2)

Kenny Wheeler flugelhorn
John Taylor piano
John Parricelli guitar
Derek Watkins trumpet
John Barclay trumpet
Henry Lowther trumpet
Ian Hamer trumpet
Pete Beachill trombone
Richard Edwards trombone
Mark Nightingale trombone
Sarah Williams bass trombone
David Stewart bass trombone
Tony Faulkner conductor

Recorded September 1997 and January 1998

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Kenny Wheeler em 2013

Kenny Wheeler em 2013

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tchaikovsky / Nielsen: Concertos para Violino

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Vilde Frang é muitas vezes comparada com a jovem Anne-Sophie Mutter e elas muitas vezes tocam juntas. É merecido. Surgiram muitas violinistas depois de Mutter e Mullova, mas a única que pode conversar com elas no mesmo degrau é Frang. Fico feliz por tê-la descoberto sem ter lido nada antes a respeito. Cruzei com um CD dela e disse logo de cara: isso não é normal! (Foi como quando vi pela primeira vez minha mulher, pareceu-me é ainda é um luxo absoluto).

Bem, voltemos. Aqui, Vilde Frang interpreta o muito amado Concerto de Tchaikovsky e nos dá sua terceira versão para o Concerto de Nielsen. Note que ela tinha 25 anos quando gravou este CD e já estava na terceira versão (hoje tem 29). No Tchai, Frang demonstra um virtuosismo seguro mas, longe de soltar fogos de artifício vazios, ela usa sua incrível técnica para reduzir um pouco a emoção habitual dos violinistas que costumam enfrentar a peça de forma ardente. A coisa fica mais sofisticada. O resultado final é uma gravação verdadeiramente notável — de cair o queixo — deste cavalo de batalha. Tudo o que se ouve desmente a juventude de Frang. Peça difícil e célebre, é complicado demonstrar novidades nela, só que a menina consegue. Já o Concerto de Nielsen mora em seu coração. Composto por Nielsen na terra natal da solista, a Noruega, foi estreado na Dinamarca. Vilde sempre foi louca por ele. O trabalho é muito escandinavo: melodias simples e sinceras colocadas em locais espaçosos e varridos pelo vento. Ouça com atenção. Frang é a violinista.

E nasceu num 19 de agosto, o que é um selo de alta qualidade.

Em colaboração com mamãe Mutter

Em colaboração com Mutter

E recebendo nosso aplauso

E ambas recebendo nosso aplauso

Tchaikovsky: Violin Concerto in D Major, Op. 35
1 I. Allegro moderato 18:33
2 II. Canzonetta (Andante) 6:27
3 III. Finale (Allegro vivacissimo) 10:10

Nielsen: Concerto for Violin and Orchestra Opus 33
4 I. Part I: Praeludium – Largo 6:47
5 II. Part I: Allegro cavalleresco 13:09
6 III. Part 2: Poco Adagio 6:14
7 IV. Part 2: Rondo: Allegretto scherzando 10:25

Vilde Frang
Danish National Symphony Orchestra
Eivind Gullberg Jensen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Se eu tivesse o talento dela, jamais pararia de rir.

Se eu tivesse o talento dela, jamais pararia de rir.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Bradenburg Concertos – Tafelmusik

frontIM-PER-DÍ-VEL !!!

Um assombro essa gravação dos Concertos de Brandenburgo com o conjunto Tafelmusik. Os caras dão um show de competência e virtuosismo, trazendo novas sonoridades e possibilidades para estes concertos que a gente pensava conhecer tão bem.

Tenho algumas gravações favoritas destas obras, que claro, passam pelos ingleses da Academy of Ancient Music do Christopher Hogwood, pelo English Concert, do Pinnock e dos English Baroque Soloists do Gardiner. Todas gravações de excelente qualidade, mas esta do canadenses do Tafelmusik tem um que a mais, que não sei explicar. Eles não são óbvios em suas escolhas, tanto que certo comentarista fala em ‘refreshing recordings’ ou seja, um sopro de vitalidade e energia na interpretação de obras tão gravadas e tão conhecidas.

Com certeza, este é um CD que eu escolheria para levar para uma ilha deserta.

Baixem e ouçam, e depois me digam se esta não é uma das melhores gravações que os senhores já ouviram destas obras imortais e eternas.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Bradenburg Concertos – Tafelmusik

Disco 1

1 Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: I. [ ]
2 Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: II. Adagio
3 Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: III. Allegro
4 Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: Concerto No. 1 in F Major, BWV 1046: IV. Menuetto – Trio – Polonaise – Trio
5 Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: I. [ ]
6 Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: II. Andante
7 Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: Concerto No. 2 in F Major, BWV 1047: III. Allegro assai
8 Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: I. [ ]
9 Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: Concerto No. 3 in G Major, BWV 1048: II. Allegro

Jeanne Lemon – Violins & Music Director
Ab Koster – Horn
Derek Conrod – Horn
John Abberger – Oboe
Washington McClain – Oboe
Marie-France Richard – Oboe
Michael McCraw – Basson
Crispian Steele-Perkins – Trumpet
Marion Verbruggen – Recorder
Tafelmusik Baroque Orchestra

Disc 2
1 Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: I. Allegro
2 Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: II. Andante
3 Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: Concerto No. 4 in G Major, BWV 1049: III. Presto
4 Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: I. Allegro
5 Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: II. Affettuoso
6 Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: Concerto No. 5 in D Major, BWV 1050: III. Allegro
7 Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: I. [ ]
8 Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: II. Adagio ma non tanto
9 Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: Concerto No. 6 in B-Flat Major, BWV 1051: III. Allegro

Jeanne Lemon – Violins & Music Director
Stephen Marvin – Viola
Marion Verbruggen – Recorder
Alison Melville – Recorder
Marten Root – Transverse Flute
Charlotte Nediger – Harpsichord
Tafelmusik Baroque Orchestra

BAIXE AQUI – D0WNLOAD HERE

Orchestra-shot

De que planeta vem estes músicos do Tafelmusik?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto para Cordas — Lieder

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Que alegria divulgar um CD como este! O Quarteto Ebène junta-se ao cellista Gautier Capuçon para fazerem o sublime Quinteto para dois violinos, viola e dois violoncelos. Posso chutar com boa dose de segurança que é a obra de câmara mais longa escrita por Schubert. Mas não se trata apenas de horizontalidade, também é uma obra gigantesca no sentido vertical. Todos os movimentos são perfeitos e contrastantes. Coisa de gênio de cabo a rabo. O que é aquele adágio? Como ele combina com o Scherzo que o segue! E os belíssimos movimentos inicial e final? Depois o grupo toca uma série de canções (lieder) de Schubert especialmente arranjadas pelo violoncelista do Ebène, Rapphael Merlin, e cantadas pelo barítono alemão Matthias Goerne. Olha, que disco! Ouçam, comprem, furem o CD de tanto ouvir! Afinal, mesmo no Brasil, com nossa situação e nossos “líderes”, a gente merece ser feliz e ver-escutar a beleza, né?

Franz Schubert (1797-1828): Quinteto para Cordas — Lieder

01. String Quintet in C Major, D. 956: I. Allegro ma non troppo
02. String Quintet in C Major, D. 956: II. Adagio
03. String Quintet in C Major, D. 956: III. Scherzo & Trio
04. String Quintet in C Major, D. 956: IV. Allegretto

05. Die Götter Griechenlands, D. 677
06. Der Tod und das Mädchen, D. 531
07. Der Jüngling und der Tod, D. 545
08. Atys, D. 585
09. Der liebliche Stern, D. 861

Quatour Ebène
Gautier Capuçon, cello
Matthias Goerne, barítono

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Foto tirada quando da gravação deste CD

Foto tirada quando da gravação deste CD

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Montserrat Figueras, Jordi Savall: Cançons de la Catalunya miŀlenària

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Tudo o que Jordi Savall toca vira ouro. O catalão é um gênio e nunca ouvi algo dele que fosse esquecível. Invariavelmente marcante, ele volta e volta sempre com gravações de altíssima qualidade. Esta reedição na Série Heritage — o álbum original foi lançado em 1988 — permite-nos ouvir a voz única de Montserrat Figueras cantando um repertório que ela encarna como ninguém: as canções tradicionais da Catalunha. O CD é a continuação natural de sua exploração das grandes obras ligadas à região como, por exemplo, a canção do Sybille ou o Livro Vermelho de Montserrat (manuscrito gregoriano). Naquela costa do Mar Mediterrâneo, o tradicional e o repertório “clássicos” estão conectados de uma forma muito íntima. Este álbum é um marco na carreira de Montserrat Figueras: seu estilo inovador de interpretação, caracterizado por uma grande fidelidade às fontes históricas combinadas com enorme expressividade, deve ser ouvida pelo pequepiano. Montserrat Figueras, falecida em 2011, foi mulher de Jordi Savall e referência na interpretação de um amplo repertório vocal das épocas medieval, renascentista e barroca. Não faça a bobagem de não ouvir esta joia.

tumblr_nmuxzqqd5S1tkxb2eo2_400

Montserrat Figueras, Jordi Savall: Cançons de la Catalunya miŀlenària

01. El Cant dels Aucells
02. La filadora
03. El fill del rei
04. El mestre
05. El comte Arnau
06. Mariagneta
07. Cançó del lladre
08. El testament d’Amèlia
09. Cançó de Bressol : Mareta no’m faces plorar
10. Cançó de Bressol : La mare de Déu
11. Els segadors (Romance Historique)
12. Els segadors (Himne Nacional de Catalogne)

Musicians:
Montserrat Figueras: chant

Francese Garrigosa: ténor
Arianna Savall: soprano & arpa doppia
Ferran Savall: chant

La Capella Reial de Catalunya
Maite Arruabarrena, Carme Marqués: sopranos
Maria Dolors Cortès: alto; Joseph Maria Gregori: contreténor
Lambert Climent, Francesc Garrigosa: ténors
Jordi Ricart: baryton; Lluís Ramon Sales: basse

Hespèrion XX & XXI
Jordi Savall: dessus & basse de viole
Sergi Casademunt, Eunice Brandão, Paolo Pandolfo, Imke David, Philippe Pierlot: violes de gambe
Lorenz Duftschmid: violone

Marc Hantaï: flûte traversière; Pedro Memelsdorff: flûtes

Jean Pierre Canihac: cornetto; Alfredo Bernardini: chalemie
Daniel Lassalle: saqqueboute ténor; Bernard Fourtet: sacqueboute basse

Rolf Lislevand: guitare & théorbe; Andrew Lawrence-King: harpe
Xavier Díaz-Latorre: guitare baroque

Rinaldo Alessandrini: clavecin
Pedro Estevan: percussions; Dimitri Psonis: cloches

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Nos últimos dias, o PQP só quer saber de amor.

Nos últimos dias, o PQP só quer saber de amor.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Benjamin Britten (1913-1976), Eric Wolfgang Korngold (1897-1957) – Violin Concertos – Vilde Frang, FRSO, Gaffigan

frontEstamos elegendo uma nova musa no PQPBach: Vilde Frang. Não vamos afirmar que esteja ocupando o lugar de Mullova, ou de Mutter, mas está aos poucos galgando os degraus parar chegar lá, ainda mais depois de lançar este discaço com os concertos de Britten e de Korngold.

Frang está totalmente a vontade tocando estas obras. Expõe uma emotividade latente, que permeia todo o concerto, principalmente o de Korngold, diga-se de passagem, e muitas vezes parece que estamos assistindo a um filme hollywoodiano dos anos 40 ou 50, quando o compositor era um exilado nas terras americanas, e compunha para os filmes produzidos nos estúdios de Hollywood.

Este CD é bem recente, foi lançado no final de fevereiro, e já conquistou cinco estrelas entre os clientes da amazon, e creio que aqui não será diferente.

Benjamin Britten (1913-1976), Eric Wolfgang Korngold (1897-1957) – Violin Concerto

01. Korngold -Violin Concerto in D Major Op. 35 I Moderato nobile
02. Violin Concerto in D Major Op. 35 II Romanze
03. Violin Concerto in D Major Op. 35 III Allegro assai vivace

04. Britten – Violin Concerto in D Minor, Op. 15 I Moderato con moto – Agitato – Tempo primo
05. Violin Concerto in D Minor, Op. 15 II Vivace – Animando – Largamente – Cadenza
06. Violin Concerto in D Minor, Op. 15 III Passacaglia – Andante lento (Un poco meno mosso)

Vilde Frang – Violin
Frankfurt Radio Symphony
James Gaffigan – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

História da Música Sacra – Great Oratorios: vol. 11/12: Palestrina, Cain overo Il primo omicidio + vol. 13/14: Handel, Messiah + vol. 15/16: Mendelssohn, Paulus

ahjagfhaHistória da Música Sagrada
Grandes oratorios
vol. 11/12: Palestrina, Cain overo Il primo omicidio
vol. 13/14: Handel, Messiah
vol. 15/16: Mendelssohn, Paulus

O oratório ou oratória é uma espécie de obra musical não somente instrumental, mas fundamentalmente cantada. Seu teor é essencialmente narrativo. Nesta composição interagem cantores que executam solos vocais, vozes em coro e uma orquestra. Este gênero é similar à ópera, tanto no que tange às categorias que dele participam, quanto na utilização de árias e recitais, mas enquanto as criações operísticas são apresentadas principalmente através do viés interpretativo, esta modalidade não exige encenações dramáticas.

Este gênero pode ter como tema a esfera espiritual ou questões mundanas; normalmente, porém, as questões enfocadas no oratório são extraídas das Escrituras Sagradas. Esta expressão provém da Congregação do Oratório, atualmente conhecida como Confederação do Oratório, uma comunidade de apóstolos criada em 1565, na cidade de Roma, por São Filipe Néri. Aí eram produzidos espetáculos de música sacra, no período que transcorreu de 1571 a 1594.

A musicalidade exercitada nesta sociedade deu impulso ao nascimento dos oratórios na forma como são produzidos nos dias atuais. A primeira temática abordada por eles foi a Paixão de Cristo, que ainda hoje é o tema dileto de seus criadores. A obra clássica neste gênero é, sem dúvida, a Paixão segundo São Mateus, de Johann Sebastian Bach.

Em meados do século XVII os oratórios de temática religiosa passaram por um processo de secularização. Prova desta inclinação contextual são as constantes execuções em recintos laicos, mais particularmente nos espaços cortesãos e em teatros públicos. Eles eram elaborados em torno de questões como a Criação, a trajetória de Jesus, a jornada de um herói clássico ou profetas da Bíblia.

A maior parte dos produtores de oratórios eram igualmente famosos por suas criações operísticas. Adotando o hábito desenvolvido na elaboração das óperas, eles passaram a editar libretos também para este gênero musical. Assim que os coros foram reduzidos, eles começaram a investir nas árias e também nas cantoras, que passam a desempenhar o papel masculino nos recitais. Monteverdi é o responsável pelo primeiro oratório de natureza profana, Il Combattimento di Tancredi e Clorinda.

O oratório foi cultivado com maior ênfase na era Barroca; neste período os autores mais célebres são Georg Friedrich Handel, que compôs O Messias e Judas Maccabeus, além de obras seculares; Johann Sebastian Bach, autor das paixões; e Vivaldi, que se consagrou com Juditha Triumphans. Na fase clássica destacou-se Franz Joseph Haydn, com As Estações. No Romantismo esta modalidade teve um papel secundário, mesmo assim não se pode esquecer de A Infância de Cristo, de Hector Berlioz.

Este gênero nasceu na Itália, de diálogos sagrados, que nada mais eram que conformações de passagens bíblicas transcritas para o latim. Eles eram tecidos por meio de uma narração intensa, perpassada por uma carga dramática e pelos poucos diálogos entre os personagens dos temas abordados pelos autores. (http://www.infoescola.com/musica/oratorio/)

Harmonia Mundi: História da Música Sagrada
Great Oratorios

History of the Sacred Music vol. 11_ Great Oratorios (1)Cain overo Il primo omicidio, oratorio a 6 voci, 1707
History of the Sacred Music vol 11 + vol 12
Alessandro Scarlatti (Italy, 1660 – 1725)
Akademie für Alte Musik Berlin
Maestro René Jacobs, 1997

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vols. 11 + 12
XLD RIP | FLAC | 725,7 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – vols. 11 + 12
MP3 | 320 kbps | 314,4 MB

 

History of the Sacred Music vol. 13_ Great Oratorios (3)Messiah, 1741
History of the Sacred Music vol. 13+ vol. 14
Georg F. Händel (Germany/England, 1685 – 1759)
Les Arts Florissants
Maestro William Christie , 1993

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 584,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 311,4 MB

 

History of the Sacred Music vol. 15_ Great Oratorios (5)Paulus, oratorio op. 36, 1836
History of the Sacred Music vol. 15/30 + vol. 16/30
Felix Mendelssohn-Bartholdy (Germany, 1809-1847)
La Chapelle Royale & Collegium Vocale
Orchestre de Champs-Élisées
Maestro Philippe Herreweghe, 1995

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 603,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 285,2 MB

powered by iTunes 12.2.3

vol 30: Encarte e letras dos 29 CDs – 4,6 MB – AQUI – HERE

• History of the Sacred Music vol. 01: Chant of the Early Christians – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 02: A Millennium of Gregorian Chant – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 04: The Polyphonic Motet from Ars Antiqua to the Renaissance – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 05/06: The Polyphonic Mass from the Middle Ages to the Renaissance (c.1300-c.1600) – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 07: The French’s ‘Petit Motet’ and ‘Grand Motet’ – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 08: Lamentations & Tenebrae – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 09/10: Baroque Vespers – AQUI

Boa audição.

ahjagfha

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

André Previn (1929) / Leonard Bernstein (1918-1990): Concerto para Violino “Anne-Sophie” / Serenata

O amor estava no ar e este disco é permeado por ele. A Serenata de Bernstein foi inspirada pelo Simpósio de Platão, uma série de hinos ao amor em suas mais variadas vertentes, por assim dizer. Já o Concerto de André Previn foi inspirado e composto para Anne-Sophie Mutter, com quem se casou pouco depois. (Eles foram casados entre 2002 e 2006. Homem de sorte e certamente sedutor, antes de Mutter, Previn fora casado com Mia Farrow, dentre outras…) Muitos dos grandes compuseram para Anne-Sophie. Penderecki, Lutoslawski, Currier e Rihm escreveram concertos e outras obras destinadas a Mutter, mas esta foi certamente especial, tanto que a obra se chama “Anne-Sophie”. Ela foi projetada para mostrar o virtuosismo impressionante e os puros e belos timbres de Mutter. O Concerto não é magnífico, mas é muito digno. Bernstein se vale de sua enorme versatilidade e estilística eclética na Serenade. Seus quatro movimentos se assemelham vagamente a um concerto. Depois de um sensacional solo de violino, o primeiro movimento deriva para uma valsa; o segundo movimento é lento e sensual; o terceiro é um divertido Scherzo e o último é bem jazzy e tem um final empolgante. Aqui, Mutter está no seu auge. Seu desempenho é uma coisa anormal.

André Previn (1929) / Leonard Bernstein (1918-1990): Concerto para Violino “Anne-Sophie” / Serenata

Previn: Violin Concerto “Anne-Sophie”
1 1. Moderato 9:48
2 2. Cadenza – Slowly 13:26
3 3. Andante 16:20
Anne-Sophie Mutter
Boston Symphony Orchestra
André Previn

Bernstein: Serenade (1954) after Plato’s “Symposium”
4 1. Phaedrus – Pausanias: Lento – Allegro marcato 6:41
5 2. Aristophanes: Allegretto 4:26
6 3. Erixymachus: Presto 1:27
7 4. Agathon: Adagio 7:56
8 5. Socrates – Alcibiades: Molto tenuto – Allegro molto vivace 10:39
Anne-Sophie Mutter
London Symphony Orchestra
André Previn

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ah, o amor

Ah, o amor

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cesar Frank – Sonata in A Major for Violin & Piano, Claude Debussy – Sonata for Violin & Piano – Kyung Wha Chung and Radu Lupu

912pJ6Yea7L._SL1418_IMPERDÍVEL !!!

Uma violinista sul coreana e um pianista romeno interpretando um repertório exclusivamente francês pode soar estranho, mas quando se trata de músicos deste nível não podia dar errado. Radu Lupu e Kyung-Wha Chung quase atingiram a perfeição, em um repertório impecável, em que se destaca a belíssima sonata de Cesar Franck, um primor do romantismo francês.
O Ravel e o Debussy só confirmam a qualidade, mesmo sendo obras pouco gravadas. A cumplicidade entre os dois músicos está presente em todos os momentos, e o destaque novamente fica para a sonata de Franck, uma das melhores gravações que já ouvi desta obra.
Trata-se de um CD de altíssima qualidade, e não sou apenas eu que assim o considero. As cinco estrelas são quase unânimes dentre os clientes da amazon. Sugiro abrirem uma garrafa de um bom vinho, sentarem-se em suas melhores poltronas para melhor apreciarem a beleza destas obras.

01. Cesar Franck – Sonata for Violin and Piano in A 1. Allegretto ben moderato
02. Sonata for Violin and Piano in A 2. Allegro- Quasi lento- Tempo 1 (Allegro)
03. Sonata for Violin and Piano in A 3. Recitativo – Fantasia (Ben moderato – Largamente – Molto vivace)
04. Sonata for Violin and Piano in A 4. Allegretto poco mosso
05. Claude Debussy – Sonata for Violin and Piano in G minor, L.140 1. Allegro vivo
06. Sonata for Violin and Piano in G minor, L.140 2. Intermede (Fantasque et leger)
07. Sonata for Violin and Piano in G minor, L.140 3. Finale (Tres anime)

Kyung-Wha Chung – Violin
Radu Lupu – Piano

08. Maurice Ravel – Introduction and Allegro
09. Claude Debussy – Sonata for Flute, Viola, and Harp, L. 137 1. Pastorale
10. Sonata for Flute, Viola, and Harp, L. 137 2. Interlude
11. Sonata for Flute, Viola, and Harp, L. 137 3. Finale

Melos Essemble

BAIXE AQUI – -DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Yitzhak Yedid (1971): Arabic Violin Bass Piano Trio

Hoje estreio mais um compositor contemporâneo no blog, o israelense filho de pais sírios que hoje mora na Austrália, Yitzhak Yedid.

O fato de ele ter pais que imigraram da síria não é irrelevante. É justamente a música árabe que ele tenta reproduzir aqui e em outras obras suas. E foi a partir do contato com a cultura árabe na Síria que seu estilo foi influenciado, especialmente o estilo da obra que os trago hoje.

É uma das melhores coisas que ouvi ultimamente. Pianista de jazz que ele é, poderemos em alguns momentos da obra nos perguntarmos: “É música judaica, árabe, ou jazz?” Segundo ele, são as três coisas.

Por mais improvável que possa ser, essa mistura dá certo. O que há de melhor das três culturas é colocado a serviço de uma música que além de muito bem composta, é muito bem improvisada. Melodias árabes e judias se alternam, confundindo-se e mostrando sua irmandade.

Semelhantemente à uma brincadeira que já havia sido feita por Arvo Pärt em Orient & Occident, aqui o compositor frequentemente alterna entre o ocidente moderno (neste caso, a improvisação do Jazz), e o oriente (neste caso, o tipo de harmonia da música árabe e da música judaica). E como podem ver pelos nomes dos trechos dos movimentos, o compositor tenta a todo momento suscitar imagens e a contar uma história. Confesso não ter prestado tanta atenção no que Yitzhak tenta contar a partir dos títulos, deixarei isso para uma próxima audição. No momento, a música dele por si só já é deliciosamente instigante.

Yitzhak Yedid (1971):

Arabic Violin Bass Piano Trio: Suite in Four Movements
First Movement
01 Taqsim, dedicated to the day of tomorrow (01:59)
02 The image of an old weary man (04:14)
03 The pianist’s gaze (01:49)
04 Poetic fractions (02:34)
05 Evolution of hatred and bitterness (02:53)
06 His final request (01:01)

Second Movement
07 The High Priest’s whispered prayer on Yom Kippur as he leaves the Holy of Holies (06:43)
08 The dancers’ gleeful cries (01:17)
09 Olive branches in the candelabra (00:10)
10 Belly dancing in an imaginary cult ritual (00:42)
11 Eruption (01:01)
12 “And thus would he count” (00:25)
13 An even more powerful eruption (00:44)
14 “One, one and one, one and two, one and three, one and four, one and five” (04:15)

Third Movement
15 Image of a homeless Holocaust survivor on the streets of Tel Aviv (04:40)
16 The double bassist’s voice (03:24)
17 Awakening the dead (02:14)
18 An Israeli chorale, dedicated to the Holocaust survivor (02:29)

Fourth Movement
19 Cries of joy (00:23)
20 The violinist’s gaze (03:20)
21 Hallucinatory Debka dance (02:19)
22 Magic of a sensual belly dancer (01:37)
23 And again the cries (00:31)
24 The image of the old man from the First Movement (04:04)
25 The madness of creation (01:50)
26 Epilogue: the prayer of purification (02:46)

Yitzhak Yedid, piano
Sami Kheshaiboun, arabic violin
Ora Boasson Horev, double bass

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

"Isaquinho" feliz da vida.

“Isaquinho” feliz da vida.

Luke

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): As Seis Trio Sonatas


IM-PER-DÍ-VEL !!!

São as Seis Trio Sonatas para órgão arranjadas para trios de diferentes formações — oboé, violino e contínuo, dois violinos, etc. O trabalho é de Robert King, regente e dono do King`s Consort. Já tinha ouvido trabalho semelhante realizado pelo oboísta Heinz Holliger e grupo, mas a versão de King me parece melhor, mais próxima de Bach e, fundamentalmente, mais colorida. Acho que está na hora dos organistas de “reapropriarem” de uma dos maiores ciclos de obras escritos para o instrumento. Aguardamos novas gravações deles!

J. S. Bach (1685-1750): As Seis Trio Sonatas

Trio Sonata in D minor, BWV527 arr. Robert King (b1960)
1 Movement 1: Andante [4’50]
2 Movement 2: Adagio e dolce [5’30]
3 Movement 3: Vivace [3’38]
Trio Sonata in G major, BWV530 arr. Robert King (b1960)
4 Movement 1: Vivace [3’34]
5 Movement 2: Lento [4’39]
6 Movement 3: Allegro [3’19]
Trio Sonata in E minor, BWV528 arr. Robert King (b1960)
7 Movement 1: Adagio – Vivace [2’54]
8 Movement 2: Andante [5’18]
9 Movement 3: Poco allegro [2’41]
Trio Sonata in C minor, BWV526 arr. Robert King (b1960)
10 Movement 1: Vivace [3’22]
11 Movement 2: Largo [3’01]
12 Movement 3: Allegro [3’25]
Trio Sonata in C major, BWV529 arr. Robert King (b1960)
13 Movement 1: Allegro [4’16]
14 Movement 2: Largo [5’32]
15 Movement 3: Allegro [3’08]
Trio Sonata in E flat major, BWV525 arr. Robert King (b1960)
16 Movement 1: [Allegro moderato] [2’29]
17 Movement 2: Adagio [4’59]
18 Movement 3: Allegro [3’23]

King’s Consort
Robert King

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Robert King, um monstro

Robert King, um monstro

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Grieg (1843-1907), Bartók (1881-1945), R. Strauss (1864-1949): Sonatas para Violino

IM-PER-DÍ-VEL !!!

De todas essas belas violinistas de menos de 40 anos que surgiram nos últimos anos, creio que apenas a norueguesa Vilde Frang possa ficar tranquilamente, sem sentimentos de inferioridade, junto às hoje veteranas Mullova e Mutter. Dona de extraordinária musicalidade, talvez ela exagere no perfume jogado sobre Strauss, mas não creio ter ouvido melhores versões do que as que Frang comete nas sonatas de Grieg (violino e piano) e na TREMENDA OBRA-PRIMA DE BARTÓK (para violino solo).

Esta Sonata foi composta a pedido Yehudi Menuhin em 1943. Bartók era um compositor totalmente sem dinheiro, exilado nos EUA e extremamente doente. Tinha já diagnosticada a leucemia que iria matá-lo. A situação era realmente difícil. Menuhin pediu-lhe a Sonata não apenas porque considerava Bartók um compositor genial, mas também para lhe dar um trabalho e meios. Também, foi, aparentemente, um caso de bondade. Desde o primeiro momento, Menuhin e os primeiros ouvintes deram-se conta que tratava-se de uma obra-prima. Com a pretensão de homenagear as sonatas e partitas para violino solo de Bach, Bartók alcançou um equivalente moderno em termos de paixão, rigor e contínua invenção. E, nela, Frang consegue o milagre de enfatizar o parentesco com Bach. No Grieg, é importante ressaltar que é uma norueguesa interpretando um norueguês, o que é uma raridade em termos de sotaque e compreensão. Seu Allegretto quasi andantino é quasi de sair dançando pela sala.

Para terminar, revelo que Vilde Frang nasceu num 19 de agosto. É, sem dúvida alguma, a melhor, a mais perfeita e mais distinta data para alguém nascer!

Grieg (1843-1907), Bartók (1881-1945), R. Strauss (1864-1949): Sonatas para Violino

Grieg: Violin Sonata No. 1, Op. 8
1 Sonata in F major, Op.8: I – Allegro con brio 9:24
2 Sonata in F major, Op.8: II – Allegretto quasi andantino 5:24
3 Sonata in F major, Op.8: III – Allegro molto vivace 7:14

Bartók: Sonata for Solo Violin, Sz. 117
4 Sonata for solo violin: I. Tempo di ciaccona 9:26
5 Sonata for solo violin: II. Fuga – Risoluto, non troppo vivo 5:01
6 Sonata for solo violin: III. Melodia – Adagio 7:15
7 Sonata for solo violin: IV. Presto 5:35

Strauss: Violin Sonata, Op. 18
8 Sonata in E Flat major, Op. 18: Allegro, ma non troppo 11:41
9 Sonata in E Flat major, Op. 18: Improvisation (Andante cantabile) 8:12
10 Sonata in E Flat major, Op. 18: Finale (Andante – Allegro) 9:32

Vilde Frang, violino
Michail Lifits

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Vilde Frang nasceu na melhor das datas | Foto: Marco Borggreve

Vilde Frang nasceu na melhor das datas | Foto: Marco Borggreve

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!