Concerto for Clarinet and Orchestra in A major – K 622 – Benny Goodman: Concert at Tanglewood

2qi2yqrMozart at Tanglewood – 1956

Benny Goodman & Boston Symphony Orchestra

 

Complementando a excelente postagem do Marcelo Stravinsky sobre Benny Goodman, lembro uma gravação de 1956 de Benny Goodman com a Boston Symphony Orchestra, sob a direção do Maestro Charles Munch: de Wolfgang Amadeus Mozart, Concerto for Clarinet and Orchestra in A major – K 622. O sensível Adagio foi utilizado na trilha sonora do marcante filme Out of Africa.

Nesta gravação, Benny Goodman desenvolve toda a sua sensibilidade. Maravilha!

Concerto for Clarinet and Orchestra in A major –  K 622: 1. Allegro
Concerto for Clarinet and Orchestra in A major –  K 622: 2. Adagio
Concerto for Clarinet and Orchestra in A major –  K 622: 3. Rondo

Mozart at Tanglewood – 1956
Benny Goodman & Boston Symphony Orchestra , (dir) Charles Munch

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 192 kbps – 39,4 MB – 28,2 min
powered by iTunes 9.1

Boa audição.

silhueta musical

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ariel Ramirez (1921-2010) – Misa Criolla, com Mercedes Sosa

misa-criollaMisa Criolla

de Ariel Ramirez

com Mercedes Sosa

 

 

Written and composed by the Argentine composer Ariel Ramírez in 1963, Misa Criolla has become one of the most well known and oft-performed South American choral works throughout the world. A product of the composer’s long study of Argentine folk music, the piece synthesizes popular and liturgical styles, drawing on the rhythms and melodies of Argentina and other South American cultures. The opening Kyrie (“Lord, have mercy upon us…”) uses the slow rhythms of the vidala-baguala folk style (characteristic of northern Argentina) and a spare accompaniment to depict the loneliness of the high plateaus. In the Gloria (“Glory to God in the highest, and peace to all people on earth…”), the joyous rhythms of the carnavalito style are temporarily interrupted by the soloists’ plaintive pleas for mercy. The following Credo is based on the obsessive cross-rhythms (two against three) of the chacarera trunca style, emphasizing the conviction of this profession of faith. Similar cross-rhythms from the Bolivian carnaval cochabambino underlie the Sanctus (“Holy, holy, holy…”). The closing Agnus Dei (“Lamb of God, who takes away the sin of the world, hear our prayer…grant us peace.”) uses the estilo pampeano (“style of the Pampas”) to evoke the solitude and distance of that southern plains region. Though originally scored for keyboard, string bass, and standard percussion, our performance utilizes indigenous folk instruments, which the composer elsewhere has endorsed, in order to capture the flavor of the underlying musical styles. (Maza’s blog)

Ariel Ramírez
1. Misa Criolla: 1. Kyrie (Vidala baguala)
2. Misa Criolla: 2. Gloria (Carnavalito yaraví)
3. Misa Criolla: 3. Credo (Chacarera trunca)
4. Misa Criolla: 4. Sanctus (Carnaval cochabambino)
5. Misa Criolla: 5. Agnus Dei (Estilo pampeano)

Félix Luna / Ariel Ramírez
6. Navidad Nuestra: 1. La Annunciación (Chamamé)
7. Navidad Nuestra: 2. La Peregrinación (Huella pampeana)
8. Navidad Nuestra: 3. El Nacimento (Vidala catamarqueña)
9. Navidad Nuestra: 4. Los Pastores (Chaya riojana)
10. Navidad Nuestra: 5. Los Reyes Magos (Takirari)
11. Navidad Nuestra: 6. La Huida (Vidala tucumana)

Misa Criolla – Mercedes Sosa – 1999
Estudio Coral de Buenos Aires, director: Carlos López Puccio (Misa Criolla)
Asociación Coral Lagun Onak, director: Mario de Rose (Navidad Nuestra)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 97,3 MB – 41,6 min
powered by iTunes 8.2

Boa audição!

pé na agua

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741): Opera Arias and Sinfonias

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Emma Kirkby, Roy Goodman e The Brandenburg Consort? Não havia como dar errado. Eles nos trazem um Vivaldi alegre e enérgico-poético por todo o caminho. As peças são bastante boas. Se aqui falta uma ópera barroca completa, temos como espreitar bem como é. O incrível é que, com algumas exceções — por exemplo, este disco ou o maravilhoso álbum de Vivaldi de Cecilia Bartoli –, as óperas de Vivaldi ainda são praticamente desconhecidas. É realmente estranho que, com o ressurgimento da popularidade da música barroca, especialmente de Bach, Handel e do próprio Vivaldi, a música vocal do último não tenha experimentado algo parecido. A música vocal de Vivaldi é bonita e virtuosística, o veículo perfeito para uma que um soprano (ou qualquer outra voz) nos dê um recital que mostre suas habilidades técnicas sem nos encher o saco com peças que ouvimos milhares de vezes.

Antonio Vivaldi (1678-1741): Opera Arias and Sinfonias

1. Griselda: Sinfonia
2. Griselda: Sinfonia
3. Griselda: Sinfonia
4. Griselda, Act III: Ombre vane, ingiusti orrori
5. Griselda, Act II: Agitata da due venti
6. Tito Manlio, Act II: Non ti lusinghi la cudeltate
7. Ottone In Villa: Sinfonia
8. Ottone In Villa: Sinfonia
9. Ottone In Villa: Sinfonia
10. Ottone in villa, Act I: Gelosia, tu gia rendi l’alma mia
11. Ottone in villa, Act II: L’ombre, l’aure, e ancora il rio
12. L’Atenaide, Act III: Ferma, teodosio
13. Tamerlano: Sinfonia
14. Tamerlano: Sinfonia
15. Tamerlano: Sinfonia
16. L’incornazione di dario, Act II: Non mi lusinga vana speranza
17. Catone In utica, Act II: Se mai senti spirati sul volto
18. Catone In utica, Act II: Se in campo armato

Emma Kirkby, soprano
The Brandenburg Consort
Roy Goodman

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Emma Kirkby: as crespas são as melhores

Emma Kirkby: as crespas são as melhores

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

The Swingle Singers : Bach Hits Back – A new a cappella tribute (21 de março / 328 anos do nascimento do pai do PQPBach e do FDPBach)

bach-hits-back-a-new-a-cappella-tributeThe Swingle Singers
Bach Hits Back – A new a cappella tribute

 

Experience pleasant and enjoyable a capella realizations of Bach preludes, fugues, chorale and instrumental numbers. The Swingle Singers render some as vocal transcriptions of Bach’s original, instrumental music, and others as jazz arrangements. Their hymn-like rendition of Ein Feiste Burg (A Mighty Fortress) bounces into a light and jazzy scatting of “Organ Fugue from Fantasia and Fugue.” They perform 21 excerpts from Bach, none of which are too obtrusive for background music, yet all are excellent enough to listen to while doing nothing but enjoying the music.
Bach was a technical genius, and the Swingle Singers have the talent and creativity to bring his music alive, translating it into new idioms successfully. Worth every chord of five stars. (extraído da internet)

Compensa publicar o comentário do Monge Ranulfus:

“Me faz relembrar o quanto os anos 60 foram criativos – pois esse CD pode ser dos anos 90, mas o conceito dos Swingle Singers surgiu nos 60.

A propósito, é a primeira vez que eu os ouço cantando com palavras – e ainda combinando o uso instrumental e o “tradicional” da voz. E é incrível que no tradicional eles soam muito mais perfeitos que muitos corais que não têm nenhuma proposta de inovar ou coisa parecida.”

Johann Sebastian Bach (1685-1750)
01. Chorale: Ein’ feste Burg ist unser Gott (Cantata BWV 80)
02. Organ Fugue from Fantasia and Fugue in G minor (‘Great’ BWV 542)
03. Prelude XVIII from The Well-Tempered Clavier (BWV 863)
04. Chorale prelude from Cantata BWV 140 ‘Wachet auf, ruft uns die Stimme’
05. Chorale from Wachet auf (Cantata BWV 140)
06. Liebster Jesu, wir sind hier (BWV 373)
07. In dulci jubilo – Chorale prelude (BWV 729)
08. In dulci jubilo – Chorale (BWV 608)
09. Andante from Sonata No. 2 for unaccompanied violin
10. First movement from Brandenburg Concerto No. 3 (BWV 1048)
11. Aria: Schafe konnen sicher weiden from Cantata BWV 208
12. Badinerie from Suite No. 2 (BWV 1067)
13. Fugue VIII from The Well-Tempered Clavier (BWV 852)
14. Three-part invention (BWV 797)
15. Et resurrexit from Mass in B minor (BWV 232)
16. Bist du bei mir (BWV 508)
17. Blute nur from Matthauspassion, (BWV 244)
18. Organ Fugue: Alla Gigue (BWV 577)
19. Air from Suite No. 3 (BWV 1068)
20. Little Organ Fugue (BWV 578)
21. Choral: Es ist genung (Cantata BWV 60)

Bach Hits Back – A new a cappella tribute – 1994
The Swingle Singers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 140,0 MB – 53,0 min
powered by iTunes 12.5.1

Boa audição.


.
.
.
.
.
.
.
.Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. ‘S Different – Billy Butterfield & Ray Conniff and His Orchestra

'S-Different-capa-solo-web‘S Different
Conniff Meets Butterfield
1959

Quem já passou por esta vida e não dançou sentindo o calor do rosto da Amada, ao som da música de Ray Conniff & Billy Butterfield, pode ser mais, mas sabe menos do que eu.

Como dizia o poeta, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não

 

E como testemunhou o nosso amigo Wellington Mendes: este [Billy Butterfield] foi um dos maiores e mais elegantes trompetistas. Um som único e clássico, à maneira de outros como Al Hirt, Doc Severinsen, Bob Hacket, Ruby Braff… “

‘S Different (Conniff Meets Butterfield)
01. Beyond The Blue Horizon
02. You Must Have Been a Beautiful Baby
03. All The Things You Are
04. Oh , What a Beautiful Mornin´
05. Time On My Hands (You In My Arms)
06. Something To Remember You By
07. What a Diff´rence a Day Made
08. South Of The Border (Down Mexico Way)
09. Can´t We Be Friends
10. Rosalie
11. A Love Is Born (Song Of The Trumpet)
12. I Found a Millon Dollar Baby (In a Five And Ten Cent Store)
13. Summertime
14. Love Letters In The Sand

Palhinha: ouça 11. A Love Is Born (Song Of The Trumpet)

‘S Different – 1959
Billy Butterfield & Ray Conniff and His Orchestra

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 228,8 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 78,6 MB

Powered by iTunes 12.3.2 | 36 min |

Boa audição.

 The Dancers, por Fernando Botero

– The Dancers, por Fernando Botero

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Georg Muffat (1653-1704): Florilegium Primum (1695)

Muffat nasceu em Megève, Saboia (hoje território francês). É considerado alemão, apesar da ascendência escocesa e de Saboia. Estudou em Paris com Jean-Baptiste Lully entre 1663 e 1669. Já sentiram que o cara era eclético ou ao menos tinha variadas culturas na cabeça, né? Pois saibam que Georg Muffat teve um papel importante como introdutor dos estilos francês e italiano no universo musical germânico. Conhecia Lully e Corelli – foi aluno do primeiro, como já dissemos, e conheceu os maravilhosos concerti grossi do segundo. Pôde então identificar e trazer para sua música a expressão italiana e a leveza do bailado francês. Fazia fusion barroco. Era um baita organista. Os Florilegium Primum & secundum, ambos de 1695, são Suítes Orquestrais. Um bom disco, muito agradável.

Georg Muffat (1653-1704): Florilegium Primum (1695)

Fassiculus 1 “Eusebia” (aus Florilegium Primum)
1. Ouverture: Allegro
2. Air
3. Sarabande
4. Gigue 1
5. Gavotte
6. Gigue 2
7. Menuett

Fassiculus 2 “Sperantis Gaudia” (aus Florilegium Primum)
1. Ouverture: Presto
2. Balet
3. Bourée
4. Rondeau
5. Gavotte
6. Menuet 1 – Menuet 2

Fassiculus 3 “Gratitudo” (aus Florilegium Primum)
1. Ouverture: Allegro
2. Balet
3. Air
4. Bourée
5. Gigue
6. Gavotte
7. Menuet

Fassiculus 4 “Impatientia” (aus Florilegium Primum)
1. Symphonie: Grave – Presto
2. Balet
3. Canaries
4. Gigue
5. Sarabande
6. Bourée
7. Chaconne

Fassiculus 5 “Sollicitudo” (aus Florilegium Primum)
1. Ouverture: Allegro
2. Allemande
3. Air
4. Gavotte
5. Menuet 1 – Menuet 2
6. Bourée

Fassiculus 6 “Blanditiae” (aus Florilegium Primum)
1. Ouverture: Presto
2. Sarabande
3. Bourée
4. Chaconne
5. Gigue
6. Menuet
7. Echo

Fassiculus 7 “Constantia” (aus Florilegium Primum)
1. Air: Grave
2. Entrée des Fraudes
3. Entrée des Insultes
4. Alla breve, e presto – Allegro
5. Gavotte
6. Bourée
7. Menuet 1 – Menuet 2 – 8. Gigue

Ars Antiqua Austria
Gunar Letzbor

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dirck Hals, Musicians, 1623

Dirck Hals, Musicians, 1623

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música na Corte Brasileira – Vol. 5 de 5: A Ópera no Antigo Teatro Imperial (Acervo PQPBach)

2cik8dyMúsica na Corte Brasileira – Vol. 5
A Ópera no Antigo Teatro Imperial
1965

 

O panorama da Ópera no Brasil, apreciado neste momento, mostra que até o presente não houve um desenvolvimento real do gênero mas apenas desdobramento processado em épocas bem próximas e que, na atualidade, é posssível reconhecer que teve repercussão positiva com relação à música vocal. O século XIX foi o momento de sua maior expansão, tendo o Rio de Janeiro como cenário. Houve naturalmente uma fase obscura de preparação revelada nas chamadas CASAS DE ÓPERA que, no século XVIII, se espalharam pelas principais cidades brasileiras, sendo que no Rio de Janeiro funcionou o Teatro do Padre Ventura, levando à cena óperas italianas e sobretudo as do brasileiro Antonio José da Silva, cognominado o Judeu.

Marcam-se dois períodos no mesmo século: o primeiro de 1808 a 1831 aproximadamente, o segundo entre 1857 e 1864.

O primeiro período foi conseqüente à vinda da Corte portuguêsa para o Brasil. Nesse momento a vida musical recebeu impulso renovador e a Ópera contou com casa própria, o Real Teatro de S. João, edificado no local em que hoje se ergue o Teatro João Caetano.

A ópera dessa época, de autoria de portuguêses e possivelmente de brasileiros, tinha libreto em português e, quando do repertório italiano, texto traduzido.

Os nomes que aparecem são os do Padre José Maurício Nunes Garcia, Marcos e Simão Portugal, Bernardo José de Souza Queiroz, Luiz Inácio Pereira, Damião Barbosa de Araújo, Eleutério Feliciano de Sena, Pedro Teixeira Seixas, Sigismond Neukomm e o do próprio Príncipe D. Pedro.

Os acontecimentos políticos, que forçaram D. João VI a se retirar do Brasil e logo em seguida a abdicação de D. Pedro I, atingiram naturalmente a vida artística, escapando, no entanto, a Ópera, que sempre contou com a predileção do público.

Com pequena diferença de 26 anos, verificou-se o segundo movimento em torno da Ópera. Um grupo de idealistas do qual faziam parte o Marquês de Abrantes, o Visconde de Uruguai, o Barão de Pilar, Francisco Manuel da Silva, Manuel de Araujo Porto-Alegre, Dionísio Vega, Isidoro Bevilacqua, Joaquim Gianini seguindo a iniciativa do espanhol Dom José Amat, fundou no Rio de Janeiro, em marco dc 1857, a Imperial Academia de Música e Ópera Nacional. Nesse momento o Rio de Janeiro conheceu um dos maiores movimentos em prol da Arte e dos artistas nacionais. Verificou-se realmente um surto de nacionalismo que incentivou os artistas jovens e deu ao Brasil o seu maior representante no gênero – Carlos Gomes.

Período 1808 – 1831: Teatro Imperial
Marcos Antonio Portugal da Fonseca, abreviado para Marcos Portugal (Lisboa, 24/3/1762 – Rio de Janeiro, 7/2/1830). Aluno de Borselli. Acompanhador da Ópera de Madri (1782), Mestre de Capela na Corte portuguêsa (1797); no Brasil, Mestre da Capela Real desde 1811, Diretor artístico do Teatro S. João e Inspetor das Diversões Públicas. Autor de 40 óperas, além de música de circunstâncias, operetas e obras sacras. Da obra de Marcos Portugal existem partituras no Brasil (Biblioteca da Escola Nacional de Música), entre as quais a da ópera-bufa O Basculho, literalmente O Basculho da Chaminé, levada à cena em Lisboa em 1894, em Veneza, na tradução italiana Lo Spazzacamino Principe, em 1795, e em Petersburgo em 1797.

Com justica, Marcos Portugal é considerado o maior músico português nos domínios da Ópera.

Bernardo José de Souza Queiroz ( …… – …. ) Poucas informações acompanham o seu nome e daí a impossibilidade de saber qual a sua nacionalidade. Iza de Queiroz Santos o coloca entre os compositorcs portugueses, enquanto Ernesto Vieira (“Dicionário Biográfico de Músicos Portuguêses”) o considera brasileiro, já militando no Rio de Janeiro quando aí se estabeleceu a Corte portuguêsa, em 1808.

Periodo 1857 – 1864: Ópera Nacional
Henrique Alves de Mesquita (Rio de Janeiro, 31/7/1831 – 12/7/1906). Primeiro diplomado em composição e o primeiro a alcançar o “Prêmio de Viagem à Europa” pelo Conservatório do Rio de Janeiro. Estudou em Paris com F. Bazin. Foi professor de instrumentos de bocal e órgão do mesmo estabelecimento de ensino (Conservatório do Rio de Janeiro). Autor de obras cênicas: Noivado em Paquetá, Estrêla do Brasil, O Vagabundo. Preocupavam-no as características nacionais que na peça para piano Batuque realizou de maneira deveras interessante.

Antônio Carlos Gomes (Campinas, 11/7/1836 – Belém, 16/9/1896). Em relação ao Padre José Maurício Nunes Garcia é o segundo grande músico brasileiro. No entanto, apesar das qualidades excepcionais do padre, Carlos Gomes representa para o Brasil o seu primeiro compositor de projeção mundial. Ambos figuras representativas de épocas, não tiveram continuadores até este momento. A posição de Carlos Gomes no cenário da Música Brasileira tem a mais alta significação: pela situação criada em sua época, pela posição que ocupa na atualidade como representante único da Ópera no Brasil, pela influência que exerceu nos músicos seus contemporâneos e mesmo nos que vieram depois. Carlos Gomes, que alcançou a consagração da platéia italiana com a ópera O Guarani, que atingiu o ponto mais alto de sua carreira com a Fosca, estreou na Ópera Nacional com A Noite do Castelo, apresentando logo em seguida Joana de Flandres, cantada a 15 de setembro de 1863, no Teatro Lírico Fluminense.
Helza Camêu (da Academia Brasileira de Música) (extraído da contra-capa do LP)

Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830)
01. Ópera bufa “O Basculho da Chaminé” – Abertura
02. Ópera bufa “O Basculho da Chaminé” – Dueto Rosina e Pierotto

Bernardo José de Souza Queiroz (Séc. XIX)
03. Ópera “Os Doidos Fingidos por Amor” – Abertura
04. Ópera “Os Doidos Fingidos por Amor” – Ária de Cacilda

Henrique Alves de Mesquita (1838-1906)
05. Ópera “O Vagabundo” – Abertura
06. Ópera “O Vagabundo” – Cena e dueto: Traído, Esquecido

Antonio Carlos Gomes (1836-1906)
07. Ópera “Joana de Flandres” – Ária de Raul

Música na Corte Brasileira – Vol. 5 de 5: A Ópera no Antigo Teatro Imperial – 1965
Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C. Maestro Alceo Bocchino

Selo Angel/Odeon, Coordenador-Assistente: Marlos Nobre

LP digitalizado por Avicenna.

memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 82,3 MB – 39,2 min
powered by iTunes 9.1

 

 

 

 

Boa audição.

french mammoth

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Ex Cathedra: Baroque Music from Latin America – vol 3: Fire burning in snow

zkmnm1

BBC Music Magazine:  Disc of the month
Classic FM Magazine: Opera & vocal disc of the month

 

‘Skidmore and his choir … have included the largest of Araujo’s liturgical pieces, an imposing Dixit Dominus in eight parts. The colourful, carefully paced sequence is interspersed with sections of an anonymous setting of the Quechua text Hanacpachap Cussicuinin, a Marian hymn that is regarded as the oldest printed piece of polyphony from the Americas. With beautifully varied instrumental support, Ex Cathedra turn it into a hauntingly beautiful processional’ (The Guardian)

‘Followers of Jeffrey Skidmore’s earlier excursions into the Latin American Baroque with his Ex-Cathedra group should need no prompting to buy volume three … Nothing stifles the infectious spark of these mostly secular effusions by the 17th-century Juan de Araujo, cathedral organist in Bolivia. Uplifting, and foot-tapping’ (The Times)

‘The performances throughout can hardly be faulted. A lovely and varied sonority is created by soloists emerging and returning from the 14-strong choir. The instrumental contribution is equally distinguished, from sensitive continuo of sustained organ and more rhythmically engaging plucked strings, to a positive kaleidoscope of wind and brass in the larger numbers’ (BBC Music Magazine)

‘… Captures the essence of music informed by the assured grandeur of 16th-century Spanish music, tinged with the colour of native ‘Indian’ culture and often marked by vibrant echoes of the regions’ African slave communities … An unmissable release’ (Classic FM Magazine)

‘A hugely appealing, atmospheric disc … The reason we should bother with such an obscure composer is clear from the first note – the vivid contrasts and thrilling rhetoric found in Gabrieli and Monteverdi are developed and combined with a magical, dramatic, dark-hued Iberian sensibility’ (Sunday Times)

‘Araujo is rightly considered to be perhaps the finest composer of his age working in Latin America … This is a captivating, colourful recording which may breathe the stiller London air but audibly relishes the genius of the too-long-neglected Juan de Araujo’ (International Record Review)

‘Araujo’s fusion of European-style vocal techniques with foot-tapping Latino rhythms is a revelation. Bouquets to Hyperion for opening our ears to these riches, and to the Birmingham-based Ex Cathedra vocal and instrumental ensemble, under scholar-director Jeffrey Skidmore, for such engaging performances’ (Financial Times)

‘It’s superbly performed … The most impressive element is the precision, blend and sonority of his singers in a splendid setting of Dixit Dominus. The evocation of a bullfight in Salga el torillo hosquillo (in which the Matador is compared to the Virgin Mary) is thrilling in its energy and drama, and the contemplative serenity of Silencio is breathakingly beautiful … This is a terrific disc’ (Gramophone)

‘Jeffrey Skidmore not only has this repertoire thoroughly under his skin, but equally the ability to inspire his splendid forces to communicate his enthusiasm for it with colourful immediacy’ (Goldberg)

‘The performances are glorious. Soloists and choir sing lustily but stylishly, and the instrumental backing is aptly contrived. Even more than in past volumes, I found this release just plain enchanting. Fine notes, full texts and translations. In all, one of those releases that is truly perfect! What an absolute treasure Hyperion has in Skidmore and his confederates!’ (American Record Guide)

‘The rediscovery of Latin American baroque music was a success story waiting to happen: it combines the dramatic contrasts of texture and the expressive word-setting of the European baroque with the rhythmic energy of New World folk music and the dances of West African slaves … The choral textures are thrilling’ (Oxford Today)

‘This is a splendid disc and a very worthy successor to the preceding volumes. The standard of performance is unfailingly excellent. Ensemble work, both vocal and instrumental, is tight and the many vocal solos are all taken extremely well. The performances display flair and finesse on the part of all concerned Jeffrey Skidmore’s direction is perceptive, lively and, above all, persuasive. It’s quite astonishing to think of this music being composed and performed in a remote colonial outpost in seventeenth century Latin America and the survival of the music and its revival today is something for which we should be grateful. Juan de Araujo was a fine composer and he has been exceptionally well served here by Jeffrey Skidmore and Ex Cathedra. This is a CD that commands attention’ (MusicWeb.com)

‘High art meets the reality of the New World, resulting in a new music that modern performers and audiences are just beginning to appreciate … This is exactly what the classical music ‘industry’ should be about’ (PositiveFeedback.com, USA)

‘Jeffrey Skidmore continues his exploration of Latin American Baroque music with an imaginatively programmed disc largely devoted to the music of the Spanish-born Juan de Araujo (1648–1712), who spent the final 30 years of his life as organist at the cathedral of La Planta (now Sucre, Bolivia). Judging by what’s here recorded, Araujo was equally at home in sacred and secular pieces: the Dixit Dominus for three choirs is particularly attractive, and his secular music has an irresistible foot-tapping quality. We remain indebted to Skidmore and the fine vocal and instrumental forces of his Ex Cathedra ensembles for resurrecting this material. An important release’ (Choir & Organ Magazine)

‘Araujo’s music is very different: sophisticated and marvellously expressive, and Ex Cathedra makes the most of it. The poetry too is worthy of attention: very enjoyable’ (Early Music Review)

‘Jeffrey Skidmore and Ex Cathedra of Birmingham have made a hit recently, with their recording of South American music … Another hit which you can’t keep out of your mind, released by Hyperion’ (Daily Mail)

‘The instrumental ensemble is exciting, vital, rhythmically alert … The music of Juan de Araujo … is unquestionably a good find’ (Fanfare, USA)

‘IM-PER-DÍ-VEL’ (Guess who)

Ex Cathedra: Baroque Music from Latin America – vol 3: Fire Burning In Snow
Anonymous
01. Hanacpachap cussicuinin – 1. verses 1-5
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
02. Dixit Dominus a 3 choros
03. Silencio
04. Dime, amor
05. ¡A, de la region de luces!

Anonymous
06. Hanacpachap cussicuinin – 2. verses 6-10
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
07. ¡A, del cielo!
08. ¡Fuego de amor!
09. En el muy gran Padre Ignacio

Anonymous
10. Hanacpachap cussicuinin – 3. verses 11-15
Diego José de Salazar (c1660-1709)
11. ¡Salga el torillo hosquillo!
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
12. Dios de amor
13. ¡A, del tiempo!

Anonymous
14. Hanacpachap cussicuinin – 4. verses 16-20

Baroque Music from Latin America – vol 3: Fire Burning In Snow – 2007
Ex Cathedra Choir & Ensemble and QuintEssential Sackbut & Cornett Ensemble
Director: Jeffrey Skidmore

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 205,3 MB – 1,2 h
powered by iTunes 9.2

Boa audição.

musica = vidda

 

 

 

.

.

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

W. A. Mozart (1756-1791): Sinfonia Concertante para Violino e Viola, Concerto Nº 2 para Violino, Rondo K. 373 e Adágio K. 261

Uma Sinfonia Concertante apenas aceitável, que fica longe de ser uma first choice como esta aqui. Augustin Dumay, de tão boas gravações com Maria João Pires, faz um registro com fraseados que decididamente não me agradam. Dá a impressão de querer ser diferente. Já de cara a orquestra faz uma introdução pra lá de estranha. Ele também deixa de lado parte do espírito concertístico do Allegro Maestoso e do Presto. A mesma observação vale para o restante do CD. Mas… É tudo opinião minha. A maioria gosta. Vai ver estou errado.

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – 

Sinfonia Concertante in E flat major, K. 364 (320d)
01. 1. Allegro maestoso
02. 2. Andante
03. 3. Presto

Rondo in C major, K 373
04. Allegretto grazioso

Adagio in E major, K. 261
05. Adagio in E major, K. 261

Concerto for Violin and Orchestra no. 2 in D major, K. 211
06. 1. Allegretto mode
07. 2. Andante
08. 3. Rondeau. Allegro

Camerata Academica Salzburg
Augustin Dumay, regência e violino
Veronika Hagen, viola

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

mozart dancing cartoon_0

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música na Corte Brasileira – Vol. 4 de 5: Na Corte de D. Pedro II (Acervo PQPBach)

mua%cc%83a%cc%8asica-na-corte-brasileira-vol-4_-na-corte-de-d-pedro-iiMúsica na Corte Brasileira – Vol. 4
Na Corte de D. Pedro II
1965

 

O período de incertezas e agitação política, em que transcorreram a menoridade do Imperador-menino, D. Pedro II, e a sua mocidade, foi desfavorável à música nas suas expressões próprias. Ocorreu, então, um longo hiato, preenchido somente pelo movimento operístico, com a vinda assídua de companhias italianas. D. Pedro II, filho de musicistas, fez estudos musicais muito menos acurados do que os de seus pais. Ainda assim, criou condições para a formação de personalidades como Carlos Gomes e Pedro Américo. Assistia aos espetáculos de ópera e aos Concertos dos Clubes Mozart e Beethoven, que fazia questão de prestigiar.

Elias Álvares Lobo (1834-1901), paulista de Itu, é autor da primeira ópera composta e representada no Brasil. O libreto é de José de Alencar: A Noite de São João. Os festejos tradicionais cearenses que tinham inspirado o patriarca de nosso romance, análogos àqueles que ocorriam no interior de S. Paulo, inspiraram a primeira manifestação do nosso regionalismo no terreno da ópera. Foi representada no Rio de Janeiro (14-12-1860), e repetida seis vêzes, sob a regência do seu co-provinciano Carlos Gomes, dois anos mais môço que ele. A seguir, escreveu a ópera em 4 atos A Louca, sôbre libreto do Dr. Antonio Aquiles de Miranda Varejão. Não conseguindo levá-la à cena, vítima de maquinações insidiosas, renunciou à carreira de operista. A Abertura de A Louca é de extrema singeleza de recursos expressivos.

Nesse periodo a personalidade que se afirmou com maior relêvo foi a de Henrique Alves de Mesquita (1838-1906), compositor carioca, pistonista notável, que estudou em Paris com Francois Bazin e lá fez executar a Abertura Étoile du Brésil e a opereta Noivado em Paquetá, ali representada com o título de Une nuit au château. O seu maior êxito foi, porém, com O Vagabundo, a mais forte dentre as óperas de autores brasileiros anteriores às que Carlos Gomes escreveu a partir de O Guarani. A Abertura de A Noite no Castelo é a da antiga Noivado em Paquetá. Não confundir esta peça com a ópera juvenil de Carlos Gomes Noite do Castelo.

Pedro Teixeira de Seixas, mais conhecido por Pedro Teixeira, português, autor duma Missa em Mi Bemol ou “da Coroação“, é considerado pelo Visconde de Taunay “artista de mérito”, assinalou-se pela sua contribuição para o abastardamento da música sacra entre nós. Escreve dele Taunay: “Pedro Teixeira / …… /foi o principal propulsor da reforma da música sagrada, e o que ousou mais amplamente dramatizar os trênos sagrados, e converter a pedra d’ara dos altares no pavimento do hipocênio, onde se compassam as voluptuosas melodias da ópera italiana” … Pedro Teixeira foi proclamado o reformador da música, o homem do gosto moderno, e todos os artistas o foram imitando. Tínhamos, nas grandes festas, missa do Barbeiro, da Pêga Ladra, de Aureliano, da Cenerentola e da Italiana em Argel … No entanto, como escreve o alemão Bd. Theodor Boesch, eram aquí excelentes os bailados e dignos dos palcos da Europa. A Abertura do bailado Triunfo do Amor, de Pedro Teixeira, é bem de “ballet” pelos seus giros de índole coreográfica.

A Abertura A Castanheira, atribuída a Luiz Inácio Pereira, músico português, leve e de certa graciosidade devido ao caráter popular do seu tema, levanta o problema da autoria, já que entre os 15 entrementes, burletas e farsas portuguêsas de Marcos Portugal existe uma A Castanheira. A partitura, porém, menciona Luiz Inácio Pereira.

Eleutério Feliciano de Sena é anunciado como Mestre de Música, no Rio de Janeiro, no período entre 1855 e 1867. Eml 14-3-1848, publica um Hino em Aplauso do Faustosíssimo Dia do Aniversário Natalício de S. M. a Imperatriz do Brasil, com letra de Possidônio Antônio Alves. De sua autoria êste Andante Para Grande Orquestra.

A vinda ao Brasil de Louis Moreau Gottschalk (1829-1869), em 1869, ano em que aqui faleceu, teve consequências importantes para a evolução do teor operístico de nossa música. Brilhantíssimo virtuoso (a peroração da sua celebérrima Grande Fantasia Triunfal Sôbre o Hino Nacional Brasileiro foi incorporada por lsidor Philipp ao seu tratado das oitavas), os seus programas de concertos eram constituídos de obras de sua autoria, do gênero “salão”, porém, encerrando dificuldades técnicas, principalmente na parte da mão direita. Quase nenhum pianista trouxera ao nosso público, fanatizado pela ópera, a antiga música barroca dos tempos que findaram com a morte de José Maurício; e nem Beethoven, nem Schumann ou Chopin. Gottschalk fascinou incomparavelmente. Foram, porém, as suas peças “características” que despertaram o interêsse dos nossos compositores. Gottschalk, nascido em Nova Orleans, era norte-americano sulista, portanto de região de influência africana, além de espanhola e da do clima tropical. Daí as afinidades com os que aqui buscavam os elementos de caracterização da nossa música própria. Le Banjo, Esquisse Américaine, op. 15 (assim descrito no programa de 1-9-1869: “Nesta peça o autor procura imitar os bailes crioulos das fazendas norte-americanas e o instrumento com que êles se acompanham“) foi de efeito fulminante, e está longinquamente na raiz de numerosas “danças negras” compostas no Brasil.

Bamboula, Danse de Nègres (ou Bâmbola), op. 2, ainda teve alcanse mais direto para a nossa linguagem pianística. Certas das fórmulas que ali aparecem terão influído até em Ernesto Nazareth, nos seus tangos brasileiros e nas suas valsas, estas muito afins com as de Gottschalk.

Típico de costumes sociais da época é este Exulta, Oh Brasil, de Savério Mercadante (Altamura, Bari, 1795 – Napoles, 1870). Melodramático bastante prezado no seu tempo, autor de 60 óperas, e cuja La Vestale terá tido (apud Fernando Lopes Graça) alguma influência sobre o jovem Verdi, contra quem manifestou progressivo ressentimento, Mercadante escreveu esta peça com intenção manifestadamente laudatória.
Andrade Muricy, da Academia Brasileira de Música, 1965 (extraído da contra-capa do LP)

Elias Álvares Lôbo (1834-1901)
01. Abertura da ópera “A Louca”
Henrique Alves de Mesquita (1838-1906)
02. Abertura da ópera “A Noite no Castelo”
Pedro Teixeira de Seixas (?-1832)
03. Abertura do ballet “O Triunfo do Amor”
Luiz Inácio Pereira (Séc. XIX)
04. Abertura da ópera “A Castanheira”
Eleutério Feliciano de Senna (Séc. XIX)
05. Andante para Grande Orquestra
Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)
06. Le Banjo, Esquisse Américaine, op. 15
07. Bamboula, Danse de Nègres, op. 2

Savério Mercadante (1795-1870)
08. Exulta, Oh Brasil

Música na Corte Brasileira, Vol. 4 de 5: Na Corte de D. Pedro II – 1965
Collegium Musicum da Rádio M.E.C. Maestrina Julieta Strutt & Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C. Maestro Alceo Bocchino

Piano: Honorina Silva; Tenor: Mário Cesar Oliveira; Soprano: Ermelinda CoutoSelo Angel/Odeon, Coordenador-Assistente: Marlos Nobre

LP digitalizado por Avicenna.

memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 80,5 MB – 38,4 min
powered by iTunes 9.1

 

 

 

 

Boa audição.

bebum geral

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Ex Cathedra: Baroque Music from Latin America – vol 2: Moon, sun & all things

baroque-music-from-latin-america-2_-moon-sun-all-things

Top Ten Records of the Year(The Sunday Times)
Disc of the month (BBC Music Magazine)

 

‘bursting with fun and uplifting music. The liturgical items shine with melodic beauty and joy’ (The Times)

‘… ending in a frenzy of whoops and shrieks – Ex Cathedra more exhilaratingly uninhibited than I’ve heard them before. After such abandoned exuberance, Vesoers ends with an endearingly unaffected recessional hymn. Instruments and voices are reduced, one by one, until nothing remains but hummed voices lingering in the air – and the memory of a most impressive disc’ (BBC Music Magazine)

‘Ex Cathedra enter into the festive spirit with the infectious enthusiasm for this newly discovered treasure-trove that also pervades their crisp, stylish performances of the more sober pieces’ (Daily Telegraph)

‘truly sublime…all beautifully played, sung and recorded’ (The Sunday Times)

‘Skidmore and Ex Cathedra fill this album with some of the most alive, infectious and uplifting Baroque polyphony I’ve ever heard … A very special release’ (Classic FM Magazine)

‘Jeffrey Skidmore and Ex Cathedra turn the dead contents of dusty archives into a thrilling programme … one of the finest albums of early baroque music to grace its catalogue’ (Music Week)

‘A fascinating re-creation’ (The Guardian)

‘This second collection from Jeffrey Skidmore fizzes with excitement and energy and is every bit as engrossing as his first’ (The Independent)

‘Here is a truly wonderful disc, by reason of the splendours of the works chosen and the superbly controlled enthusiasm and skill of the performers … an absolute winner’ (International Record Review)

‘In an engagingly personal note, Jeffrey Skidmore tells of his exploratory journeys to Latin America, where he uncovered vast amounts of a treasure store of repertoire that is evident not only from his words, but also the performances he inspires from Ex Cathedra. To induce such idiomatically colourful singing and playing on October days in London is an achievement warranting unreserved plaudits. Viva! Viva, Jeffrey!’ (Fanfare, USA)

‘The musicians of Ex Cathedra under Jeffrey Skidmore add further lustre to their reputation with some ravishing vocal and instrumental performances which are by turns exuberantly sophisticated and intensely moving in their simplicity. A short review cannot hope to do justice to this wonderful CD. Buy it!’ (Cathedral Music)

‘IM-PER-DÍ-VEL’ (Guess Who)

Baroque Music from Latin America – vol 2: Moon, sun & all things
Anonymous (Ritual, Lima 1631)
01. Hanacpachap cussicuinin (The bliss of Heaven)
Juan Gutiérrez de Padilla (1590-1664)
02. Deus in adiutorium
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
03. Dixit Dominus
Diego José de Salazar (c1660-1709)
04. ¡Salga el torillo hosquillo!
Domenico Zipoli (1688 – 1726)
05. Beatus vir
Gaspar Fernandes (1570-1629)
06.¡Viva Ignacio! ¡Viva!
Francisco Lópes Capillas (c1605-1674)
07. Laudate Dominum
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
08. ¡Aqui, Valentónes!
Hernando Franco (1532-1585)
09. Dios itlazonantziné
Domenico Zipoli (1688 – 1726)
10. Ave maris stella
Francisco Lópes Capillas (c1605-1674)
11. Magnificat
12. Cui luna, sol et omnia
Manuel de Sumaya (c1678-1755)
13. ¡Albricias, mortales!
Francisco Hernández (1517-1587)
14. Sancta Maria, e!
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646 – Chuquisaca, 1712)
15. ¡Ay, andar!
Anonymous
16. Dulce Jesús mío

Baroque Music from Latin America – vol 2: Moon, sun & all things – 2005
Ex Cathedra Choir & Ensemble and QuintEssential Sackbut & Cornett Ensemble
Conductor: Jeffrey Skidmore

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 201,9 MB – 1,2 h
powered by iTunes 9.2

Boa audição.

wc de et

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leos Janácek (1854-1928): String Quartet Nº 2 ‘Intimate Letters’ / Pavel Haas (1899-1944): String Quartet Nº 2 ‘From The Monkey Mountain’

O Quarteto Pavel Haas é realmente notável. Grande entendimento, excelentes gravações e uma escolha de repertório de irretocável bom gosto. Mas sei alguma coisa sobre as relações  de poder dentro de um quarteto e sempre dou risadas ao ver, pelas fotos, que há sempre mudanças no segundo violino. A loira Veronika Jarůšková é o primeiro violino e chefona desde sempre. O primeiro violoncelista do conjunto saiu por incompatibilidade de gênios (sei) e o maridão Peter Jarůšek assumiu o lugar dele. A história do segundo violino é complicada, eles já estão no quarto nome, um homem chamado Marek Zwiebel. Já o violista é estável… Como este é o primeiro disco do Haas (2006), a moça da foto acima é Kateřina Gemrotová, a primeira segunda-violinista. Bem, este é um baita CD, viram? As “Cartas Íntimas” de Janácek é uma preferência absoluta desde que vos escreve. O Quarteto de Haas é fantástico — o cara justifica a homenagem de dar nome a este grande quarteto de cordas brigão.

Leos Janácek (1854-1928) – String Quartet No.2 ‘Intimate Letters’
01. I. Andante
02. II. Adagio
03. III. Moderato
04. IV. Allegro

Pavel Haas (1899-1944) – String Quartet No.2 ‘From The Monkey Mountain’
05. I. Landscape (Andante)
06. II. Coach, Coachman And Horse (Andante)
07. III. The Moon And I… (Largo E Misterioso)
08. IV. Wild Night (Vivace E Con Fuoco)

Pavel Haas Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pavel Haas Quartet em 2016 -- sempre um(a) novo(a) segundo violino... | Photo: Marco Borggreve

Pavel Haas Quartet em 2016 — sempre um(a) novo(a) segundo violino… | Photo: Marco Borggreve

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música na Corte Brasileira – Vol. 3 de 5: Na Corte de D. Pedro I (Acervo PQPBach)

25g3urtMúsica na Corte Brasileira – Vol. 3
Na Corte de D. Pedro I
1965

 

A Arquiduquesa d’Áustria, D. Leopoldina de Habsburgo, primeira esposa de D. Pedro I e mãe de D. Pedro II, escrevendo a seu pai, o lmperador Francisco I, em data de 19-11-1821, encaminha a este uma Missa cantada de Sigismond Neukomm e acrescenta que essa obra “contem duas fugas que, todos sabemos, vós muito gostais”. Passa então ao principal: “O meu marido é compositor também, e faz-vos presente de uma Sinfonia e Te Deum, compostos por êle; na verdade são um tanto teatrais, o que é culpa do seu professor (Marcos Portugal), mas o que posso assegurar é que êle próprio os compôs sem auxílio de ninguém”. D. Pedro I estudou teoria, harmonia, composição, flauta, clarineta, fagote, trombone, violino, celo. Tinha boa voz e cantava acompanhando-se êle próprio ao cravo e à guitarra. No entanto, os interesses afetivos e as preocupações políticas do monarca impediam-no de dar assídua atenção à vida musical. Assim, com a abdicação de D. Pedro I encerrou-se um período ainda de relativo esplendor devido principalmente, e de qualquer modo, à presença daqueles mestres insígnes, José Maurício, Marcos Portugal e Neukomm.

De José Maurício Nunes Garcia pouco resta no gênero instrumental puro. E eis, porém, surge há pouco a Overtura em Ré (como está inscrito nas suas partes), a extraordinária Abertura em Ré. Vem-nos ela dum passado talvez mais do que sesquicentenário; chega-nos com as suas intatas vivências, nobre e dramática de acentos, dum vigoroso dinamismo. E estruturada com mão de mestre, nos elementos pouco numerosos porém incisivos.  De imediato, a Abertura em Ré colocou-se na culminância não somente da música instrumental do Reino e do Império, como de nossa música sinfônica de todos os tempos, entre o melhor que, nesse terreno, temos produzido.

A Sinfonia de D. Pedro I (Queluz, Portugal 12-X-1798 Porto, 14-IX-1834) a que alude D. Leopoldina será possivelmente a obra agora cognominada Abertura Independência, antes sempre mencionada como Sinfonia Para Grande Orquestra. Será a mesma a que se refere a seguinte carta, de Gioacchino Rossini a D. Pedro ll e que foi publicada por Álvaro Cotrim (Álvarus) no seu livro sobre Daumier, ed. do S. de D. do M.E.C.: “Pendant le trop court séjour de sa Majesté l’Empereur Don Pedro à Paris j’ai fait exécuter au Théatre Italien uneouverture de sa composition qui était charmante, elle eut un grand succès, et comme par discrétion je n’ai pas nommé l’auteur on m’adressa des compliments croyant peut-être que la susdite overture était composé par moi, erreur qui ne déplaira pas à son auguste fills, qui pourrait bien en souvenir m’adresser un peu d’un café si célèbre de vos contrées. (Ass. DG. Rossini/Paris  5 avril/1866)” zelosamente conservada em São João del-Rei, cujas tradicionais orquestras possuem preciosos arquivos, sobretudo de música do Oitocentos. Apresenta na parte de 1.a clarineta a seguinte inscrição: “Ouvertura composta pelo Senhor D. Pedro I na época da Independência do Brasil“. A sua propensão para a composição é de maior evidência em outras obras por ele deixadas, como o Te-Deum para o batizado da lnfanta D. Maria da Glória, futura D. Maria II, ou o Credo – outrora muito executado em todo o Brasil – da missa cantada em 5 de dezembro de 1829, na Capela Imperial, escrita especialmente para a celebração de suas bodas com a Arquiduquesa D. Amélia de Leuchtenberg, sua segunda esposa.

Sigismond Neukomm (Salzburgo, 10-VII-1778 – Paris, 3-IV-1858), vindo na comitiva do Duque de Luxemhurgo, embaixador da Áustria, teve aqui posição e atividades abaixo do seu merecimento. Retornou à Europa (Paris) em 1821. A ele, no entanto, se deve o reconhecimento do valor do Padre José Maurício, por êle declarado “o maior improvisador do mundo”; a regência por José Maurício do Requiem de Mozart foi nestes termos por êle comentada no “Allegemeine Musik-Zeitung”, de Viena: “A execução da obra-prima mozartiana nada deixou a desejar.” Deu lições a D. Pedro I e a Francisco Manuel da Silva. É de sua autoria a primeira obra conhecida em que aparece um tema musical brasileiro: o belo capricho O Amor Brasileiro, no qual engastou a melodia de um lundu, obra essa encontrada em Paris por Mozart de Araujo, que também alí verificou a existência de uma Fantasia Para Grande Orquestra Sobre uma Pequena Valsa de D. Pedro I. Harmonizou modinhas do músico popular carioca Joaquim Manuel.

A Abertura “Le Héros” (O Herói) dedicada a D. Pedro I, é cabalmente reveladora da segurança artesanal de Neukomm.

A Missa de Nossa Senhora da Conceição (de “8 de dezembro”), de José Maurício, escrita em 1810, está provavelmente completa, porque naquela época era frequente encontrarem-se partituras de missas contendo somente o Kyrie, mais o Gloria, ou o Credo. A sua feição é predominantemente teatral, a exemplo de tantas do melhor repertório barroco, aí incluídas as de Haydn e Mozart. João de Freitas Branco narra: “Aliás D. João VI manifestara a Marcos Portugal o seu real desejo de que tornasse a sua música sacra mais leve e parecida com a profana – de ópera, está claro. (H. da M. Portuguêsa, 1959, Lisboa, p. 142‘)”. Assim, compreende-se que tantos elementos da linguagem musical do melodrama estejam acusados nessas páginas das quais, ainda assim, não estão excluídas a nobreza natural de inflexões expressivas, caracteristicas da música do Padre-Mestre, bem como a sua superioridade no trato da matéria coral.

Para Marcos Portugal, operista de renome europeu, cantado nos maiores teatros, com peças traduzidas até para o russo e o alemão, a Modinha saloneira não passaria de simples aria-minor e despretensiosa. Assim, esta delicada Cuidados, Tristes Cuidados, em que se afirma o melodista experiente.

D. Pedro I deixou-nos uma página que nunca mais saiu do sentimento de todos os brasileiros, e hoje já com leve pátina de simpático arcaismo: o Hino da Independência, letra de Evaristo da Veiga. Após a abdicação, a bordo da corveta “D. Amélia”, em viagem da Ilha da Madeira para o Pôrto – a fim de confirmar no trono de Portugal a sua filha D. Maria II – compôs o Hino da Carta Constitucional, Carta que iria outorgar para contrapô-la ao absolutismo de seu irmão D. Miguel. Esse hino foi mantido como Hino Nacional Português até a Revolução Republicana de 1910.

Bernardo José de Sousa Queiroz, músico português, radicado no Rio de Janeiro desde, parece, antes da chegada da Côrte, foi bastante considerado como operista e autor de peças leves, como a valsa O Aniversário, de 1838, ou o Lundum Variado, de 1839. Pelo “Jornal do Commercio”, em 1835, “oferece seus préstimos” como “mestre de música e compositor”. A Abertura em Si Bemol, de 1814, mostra um músico senhor do seu “métier”.
Andrade Muricy, da Academia Brasileira de Música, 1965 (extraído da contra-capa do LP)

Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
01. Abertura Em Ré Maior
Imperador D. Pedro I (Queluz, Portugal, 1798 – idem, 1834)
02. Independência – Abertura
Sigismund Ritter von Neukomm (1778-1858)
03. O Herói – Abertura
Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
04. Missa de Nossa Senhora da Conceição para 8 de dezembro de 1810 – Kyrie e Fuga
Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830)
05. Cuidados, Tristes Cuidados
Imperador D. Pedro I (Queluz, Portugal, 1798 – idem, 1834)
06. Hino da Carta Constitucional
Bernardo José de Souza Queiroz (Séc. XIX)
07. Abertura em Sí Bemol (1814)

Música na Corte Brasileira – Vol. 3 de 5: Na Corte de D. Pedro I – 1965
* Faixa 01 a 06: Associação de Canto Coral. Maestrina Cleofe Person de Mattos & Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C. Maestro Alceo Bocchino
* Faixa 07 a 11: Collegium Musicum da Rádio M.E.C. Maestrina Julieta Strutt & Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C. Maestro Alceo Bocchino
Selo Odeon, Coordenador-Assistente: Marlos Nobre

LP gentilmente ofertado pelo nosso ouvinte Antonio Alves da Silva e digitalizado por Avicenna.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 93,6 MB – 40 min
powered by iTunes 9.1

Boa audição.

medico

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Ex Cathedra: Baroque Music from Latin America – vol 1: New World Symphonies

s4csn6Record of the week (Classic FM Radio)
CD of the week (Daily Telegraph)
Editor’s choice (Gramophone)

 

‘This is arguably the most original CD of the year, and it’s generated a huge number of enquiries from Classic FM listeners. Jeffrey Skidmore and Ex Cathedra have tapped a rich seam of baroque choral music … Do not be put off by the unfamiliarity of the composers; this is wonderful music’ (John Brunning, Classic FM Magazine)

‘This is one of the most eye-opening CDs – or should I say ear-opening – that I have heard this year. What a magical concoction of sounds – and what brilliant playing!’ (Henry Kelly, Classic FM)

‘Hypnotically good’ (Simon Bates, Classic FM)

‘The expressive range is astonishing … a delight to commend’ (BBC Music Magazine)

‘This wonderfully colourful collection puts the vivid vocal qualities of Jeffrey Skidmore’s virtuoso choir Ex Cathedra into the foreground’ (Gramophone)

‘Sumptuously realised with a varied – but historically appropriate – panoply of voices and instruments … a richly rewarding CD … I have been driving around with it in my car and my 11-year old son now prefers it to David Bowie … Thoroughly recommended’ (Gramophone)

‘Jeffrey Skidmore unearths some scintillating examples of the Old World meeting the New, with Renaissance polyphony underpinned by African-Latin drums. The result is only a few beats removed from modern examples of Catholic worship. A fascinating disc’ (The Independent)

‘Ex Cathedra has unearthed some magnificent music here; there are plenty of fascinating discoveries, performed with great feeling and panache, and with potent seasoning from the period instruments. The disc has the markings of a bestseller, and certainly deserves to be’ (Daily Telegraph)

‘Terrific music, terrific singing’ (The Times)

‘Stunning … choral music of the most vibrant quality imaginable, performed by Ex Cathedra with equally vigorous zeal … the whole background is fascinatingly documented in Skidmore’s own invaluable insert-note … all vocalists display the group’s customary virtuosity in a range of languages … unmissable’ (Birmingham Post)

‘This really is an irresistible recording, offering a wealth of styles and colours and plenty of South American sunshine. Buy it and discover the New World for yourself’ (International Record Review)

‘Ex Cathedra and Jeffrey Skidmore are first-rate ambassadors for this music … the overall sound is beautiful and the performance, from instrumentalists and singers, has great conviction and energy … An album of unexpectedly wicked delight’ (BBCi)

‘Fascinatingly varied in idiom and influence, and Skidmore has unearthed some real gems’ (Choir and Organ)

‘This recording is highly recommended … These are polished, emotionally engaged performances, brightly recorded, of fascinating, exciting repertoire’ (Early Music Today)

‘This is one of the most exciting releases I’ve seen in awhile … The performance is flawless, with a wide range of emotional expression; the sound is excellent’ (American Record Guide)

‘Extremely rewarding, bringing yet further evidence of the richness of Latin American Baroque music … the performances are very accomplished indeed … splendid disc’ (Fanfare, USA)

‘Immaculately performed … fascinating’ (The Guardian)

‘IM-PER-DÍ-VEL’ (Guess Who)

Baroque Music from Latin America – 1: New World Symphonies – From Araujo to Zipoli: an A to Z of Latin American Baroque
Peruvian anonymous
01. Hanaq pachap kusikuynin (The bliss of Heaven)
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Spain 1590-Puebla, México 1664)
02. Missa Ego Flos Campi 1. Kyrie
03. Missa Ego Flos Campi 2. Gloria

Gaspar Fernandes (Évora, Portugal 1570-Puebla, México 1629)
04. Xicochi Conetzintle (Sleep, little child)
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Spain 1590-Puebla, México 1664)
05. Missa Ego Flos Campi 3. Credo
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres, Spain 1646 – Sucre, Bolívia 1712)
06. Los Coflades de la Estleya
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Spain 1590-Puebla, México 1664)
07. Missa Ego Flos Campi 4. Sanctus Benedictus
Alonso Lobo (Osuna, Spain 1555-Sevilla, Spain 1617)
08. Versa Est In Luctum
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Spain 1590-Puebla, México 1664)
09. Missa Ego Flos Campi 5. Agnus Dei
Hernando Franco (Galizuela, Spain 1532-Mexico City 1585)
10. Salve Regina
Peruvian anonymous
11. Qhapaq Eterno Dios (All powerful eternal God)
Juan de Araujo (Villafranca en León/En Cáceres ca. 1646-Chuquisaca, 1712)
12. Ut Queant Laxis
Domenico Zipoli (Prato, Italy 1688-Córdoba, Argentina 1726)
13. Missa San Ignacio 1. Kyrie
14. Missa San Ignacio 2. Gloria

Juan García de Zéspedes (Puebla, México 1619-1678)
15 Convidando Esta La Noche

Baroque Music from Latin America – vol 1: New World Symphonies – 2003
Ex Cathedra Choir & Ensemble and QuintEssential Sackbut & Cornett Ensemble
Conductor: Jeffrey Skidmore

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (com encarte)
MP3 320 kbps – 163,4 MB – 1,1 h
powered by iTunes 9.2

Boa audição.

mad-ilha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Romanian Contemporary Music (Țăranu, Bentoiu, Niculescu) [Olympia]

A 2ª Sinfonia do Niculescu, nome do qual já falei um pouco em post anterior, constrói-se numa dicotomia fluência-ruptura. Numa primeira parte, a fluência nunca domina, o tom escuro e violento sobressai (ainda que com uma certa dose de sensualidade). Na segunda, por mais que o compositor pareça criar empecilhos, a fluência é irresistível, numa doçura crescente, aos poucos se definindo. Mais do que em sua terceira sinfonia, que é uma obra de certa maneira mais suja, mais plural, Niculescu parece aqui buscar a mais absoluta purificação expressiva nessa tentativa de depurar a peça de tudo que fuja a dicotomia.

A 5ª Sinfonia de Pascal Bentoiu, compositor nascido em 1927 (mesmo ano em que nasceu Niculescu) e ainda vivo, é uma síntese de vanguarda e tradição. O compositor, ao contrários dos outros grandes nomes de sua geração, sempre foi reticente com arroubos de vanguardismo e só aos poucos foi caminhando em direção a uma música abertamente experimental, já na década de 70, com peças como esta quinta sinfonia. Contudo, o experimentalismo neste caso é totalmente conciliado com uma melodia delicada que vai se ramificando e se transformando com um objetivo sempre expressivo, sempre humanista, nunca simplesmente técnico.

Ao contrário das duas outras peças, a 2ª Sinfonia de Cornel Țăranu é obra de um experimentalismo um pouco mais áspero. Mas ainda assim não perde de vista a questão da expressão. Transcrevo os comentários de um outro grande compositor romeno, Mihai Moldovan, sobre a peça:

A 2ª Sinfonia (“Aulódica”) fecha e abre ao mesmo tempo um novo ciclo estilístico, no qual – ao eliminar tudo que é supérfluo – a música atinge os picos da expressão. Reescutando a “doina” em sua forma primária, não alterada pelo tempo e pelo espaço, reescutando-a do interior, purificando-a até atingir a complexidade por uma economia notável de meios, o compositor realiza uma sinfonia de uma impressionante expressividade, página de referência da música romena contemporânea”.

Cornel Țăranu (1934- )

01 Sinfonia nº2 “Aulodica”

Orquestra Sinfônica de Cluj-Napoca
Emil Simon
, regente

Pascal Bentoiu (1927- )

02 Sinfonia nº5, op. 26

Orquestra da Rádio e Televisão Romena
Paul Popescu
, regente

Stefan Niculescu (1927-2008)

03 Sinfonia nº2 “Opus Dacicum”

Orquestra Filarmônica de Timisoara “Banatul”
Remus Georgescu
, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Democrart, de Adriana Varejão

Democrart, de Adriana Varejão

itadakimasu

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Schübler Chorales, Prelúdios e Fugas BWV 548 e 566, Passacaglia em dó menor

Grandes órgãos holandeses – parte 4 de 4
Wim van Beek e o órgão de Groningen
frontFechamos essa série com Bach. E poderia ser diferente?

Os “seis corais de diferentes tipos” para órgão (BWV 645-650) foram publicados em 1748 pelo editor J.G. Schübler. As obras que Bach publicou em vida podem ser contadas nos dedos das mãos, o que indica que esses corais eram tidos em alta estima. Pelo menos cinco deles são transcrições de movimentos de cantatas compostas por Bach décadas antes.

A Passacaglia BWV 582 provavelmente foi composta na década de 1700 ou 1710, quando Bach ainda era fortemente influenciado pelas obras para órgão de Buxtehude. A passacaglia de Buxtehude (BuxWV 161), aliás, tem grandes similaridades com a de Bach. Ou seja, temos aqui obras de várias fases da vida de Bach. Em comum, o uso dos diferentes registros do órgão para criar uma polifonia fácil de se acompanhar.

O órgão deste CD foi construído no século 15 e hoje ainda funcionam alguns tubos de 1482, o que atesta a excepcional qualidade dos materiais utilizados. Houve alterações e adições em 1542, 1627-8, 1685-90, 1691-2 (por Arp Schnitger), 1728-30  e 1740 (por seu filho Frans Caspar Schnitger e A.A. Hinsz). O resultado foi um grande órgão barroco com três manuais e pedaleira, unindo algumas características do “estilo burguês” com outras dos órgãos de som mais doce e bucólico típico dos séculos XV a XVII. Grandes músicos gravaram nele, incluindo Marie-Claire Alain e Ton Koopman, mas provavelmente ninguém o conhecia tão bem quanto Wim van Beek (1930-2017), que foi organista titular dessa igreja de 1956 até 2013.

Abaixo, texto de Cor H. Edskes:

O maior organista de seu tempo teve um emprego oficial como organista por apenas 14 anos. Em 1703, aos 18 anos, foi nomeado titular do novo órgão da Neue Kirche em Arnstadt. O instrumento tinha 23 registros divididos em dois manuais e pedaleira. Foi neste órgão que Bach se tornou um grande virtuoso e compositor para o instrumento. Em outubro de 1705 ele foi a pé até Lübeck (norte da Alemanha) para ouvir Buxtehude.
Em 1707 Bach se mudou para Mühlhausen e, em 1708, para Weimar, onde serviu como músico de câmara e organista da corte. Em Weimar, Bach escreveu uma parte substancial de sua obra para órgão. O órgão da capela da corte sem dúvida foi uma importante fonte de inspiração.
Muitos comentários negativos foram feitos sobre os órgãos da Turíngia e da Saxônia (regiões onde Bach viveu e trabalhou), especialmente em comparação com os imensos instrumentos das cidades do norte da Alemanha. No Nekrolog [obituário] de Bach foi dito que ele nunca teve acesso regular a um órgão grande [no sentido de tamanho mesmo] e de belo som. A justaposição de “grande” e “belo” é questionável: essa combinação talvez não fosse possível na mente de Bach. Embora ele tenha conhecido vários grandes órgãos, ele só falou bem de um: o da St. Katharinekirche em Hamburgo. De acordo com seu pupilo J.F. Agricola, ele considerava esse um “excelente trabalho em todas as partes”, que a pedaleira do órgão alcançava graves excelentes e em suma era “o único deste tamanho e qualidade que ele tinha ouvido”. Ele não menciona os órgãos ainda maiores que havia em Hamburgo nas igrejas de St. Nikolaï e Jacobikirche. O órgão que Bach elogia tinha 58 registros divididos em quatro manuais e pedaleira. Ele desviava em vários detalhes dos instrumentos de Arp Schnitger, que tinha desenvolvido um imponente tipo de órgão que agradava mais a cultura burguesa das cidades-estado do norte alemão e da Holanda, sem perder os tons bucólicos.
O órgão da capela de Weimar tinha 30 registros com dois manuais e pedaleira, e certamente foi uma fonte de inspiração para Bach. Sua música não requer instrumentos grandes e barulhentos com 3 ou 4 manuais. Como o instrumento foi destruído, não é possível imaginar como ele soava. Por estar inserido em uma cultura musical aristocrática (ao contrário de Lübeck e Hamburgo, grandes centros comerciais burgueses), provavelmente não soava muito extravagante, tendo uma estrutura tonal mais orientada para o século 17.
Após deixar Weimar, Bach nunca mais teve o emprego de organista. Em Cöthen ele foi Kapellmeister, em Leipzig foi Cantor e Director musices. Importantes obras para órgão surgiram nesses anos mas não em grandes números como em Weimar. Bach tocava órgão com frequência, contudo, e julgou alguns instrumentos novos ou reformados, normalmente se restringindo a apontar se o construtor cumpriu ou não suas obrigações. Em relação à qualidade dos órgãos, Bach era bastante reservado, o que faz suas observações sobre o órgão de Hamburgo ainda mais importantes.

Johann Sebastian Bach
01. Wachet auf, ruft uns die Stimme (Schübler Choral) BWV 645
02. Wo soll ich fliehen hin (Schübler Choral) BWV 646
03. Wer nur den lieben Gott lässt walten (Schübler Choral) BWV 647
04. Meine Seele erhebt den Herren (Schübler Choral) BWV 648
05. Ach bleib bei uns, Herr Jesu Christ (Schübler Choral) BWV 649
06. Kommst du nun, Jesu vom Himmel herunter (Schübler Choral) BWV 650
07. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – I. Praeludium
08. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – II. Fuga No 1
09. Praeludium et Fuga in C major BWV 566 – III. Fuga No 2
10. Schmücke dich, o liebe Seele BWV 654
11. Praeludium et Fuga in e minor BWV 548 – Praeludium
12. Praeludium et Fuga in e minor BWV 548 – Fuga
13. O mensch, bewein dein’ Sünde gross BWV 622
14. Passacaglia in c minor BWV 582 – Passacaglia
15. Passacaglia in c minor BWV 582 – Thema fugatum

Wim van Beek – organista
Schnitger-Hinsz organ, 1691/1730, Martinikerk, Groningen, Netherlands
Gravado em 1999

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – flac

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – mp3

Groningen: um órgão vintage e uma tv velha

Groningen: um órgão antigo e uma tv velha

Pleyel

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música na Corte Brasileira – Vol. 2 de 5: Na Corte de D. João VI (Acervo PQPBach)

mua%cc%83a%cc%8asica-na-corte-brasileira-vol-2_-na-corte-de-d-joaa%cc%83eo-viMúsica na Corte Brasileira – Vol. 2
Na Corte de D. João VI
1965

 

A música de classe, que no Rio de Janeiro de D. João VI se executava no palco dos teatros, no coro das igrejas ou nos salões arlstocráticos, girava em tôrno de três nomes principais: José Maurício Nunes Garcia, Marcos Antonio Portugal e Sigismond Neukomm.

Marcos Portugal (1762-1830), músico português de renome, que D. João fez nomear Diretor dos Teatros e das Funções Públicas da Corte, era sobretudo, um autor dramático e só por ordem do Príncipe Regente compunha música religiosa.

Como músico, Marcos Portugal reunia, por assim dizer, todos os defeitos e todas as qualidades da escola italiana, da qual foi êle o primeiro grande representante no Brasil.

Já Sigismond Neukomm (1778-1858) era a antítese de Marcos Portugal. Possuindo, como este, uma sólida formação musical, sua obra era, no entanto, de cunho eminentemente camerístico e sinfônico, como convinha a um músico austríaco.

De Haydn, de quem foi o discípulo predileto, Neukomm assimilou as virtudes mais específicas da escola alemã.

Enquanto Marcos Portugal mandava reservar para sí o camarote de boca do Teatro S. João, para nele exibir, juntamente com a sua música, os seus punhos de renda e as suas comendas, Sigismond Neukomm, homem simples, comedido, preferia os saraus da residência do Consul da Rússia no Brasil, o Barão de Langsdorff, nos quais, em companhia do Padre José Maurício, executava as últimas novidades musicais chegadas da Europa.

Entre Marcos Portugal e Neukomm vagava a figura modesta, quase humilde, do Padre José Maurício (1767-1830), cuja obra, predominantemente sacra iria merecer, por isso mesmo, as preferências do Príncipe Regente, que, como se sabe, tinha entre as suas preocupações e vaidades a de ostentar o brilho da sua Real Capela.

Efetivamente, a produção do Padre, composta de mais de 400 obras, não inclui, segundo o Visconde de Taunnay, mais do que 4 obras profanas.

A êsse diminuto repertório pertence a ópera Zemira, da qual só chegou até nós a Abertura, datada de 1803 e em cuja partitura escreveu o autor que deveria ser executada “com relâmpagos e raios nos bastidores”.

Já no Te Deum, de 1811, o Padre-Mestre se integra no seu “métier” de autor sacro. O tratamento vocal, de admirável propriedade, é sublinhado por um suporte orquestral brilhante, enriquecido de contrastes dinâmicos e colorido de timbres. É uma peça magnífica, que se situa entre as melhores do catálogo do mestre.

De Marcos Portugal é a Abertura nº 16, peça que terá servido, porventura, de introdução ou prólogo a uma de suas óperas ou cantatas.

Antonio José do Rego, músico que suponho português, e Domingos Caldas Barbosa, o patriarca da modinha e do lundu, assinam, respectivamente a música e a letra da cantiga Ora Adeus Senhora Ulina. O original, para duo vocal e piano, foi publicado em Lisboa, em 1792, num curioso “Jornal de Modinhas” dedicado à S.A.R. a Princesa do Brasil D. Carlota Joaquina.

De autoria até bem pouco tempo controvertida, é a modinha Beijo a Mão que me Condena, peça muito citada pelos autores mas apenas atribuída a José Maurício. O próprio Mário de Andrade, nossa maior autoridade no assunto, não teve elementos para afirmar a verdadeira autoria da peça. Em 1958, porém, deparei na Biblioteca Nacional com a edição original, para voz e piano, dessa modinha famosa, saída da copistaria de P. Laforge, à Rua da Cadeia n.o 89 e em cujo frontispício se lê o nome por extenso do Padre-Mestre.

Na Chula Carioca, de Antonio da Silva Leite, Mestre de Capela do Porto, aparece pela primeira vez numa peça musical uma alusão à terra carioca. No original dessa peça, publicada em Lisboa em 1792, o autor recomenda o “acompanhamento de duas guitarras e hüa violla”.

Para as solenidades da Aclamação de D.João VI, em 1816, Marcos Portugal compôs e regeu o Hino da Aclamação, com o qual se encerra êste segundo volume da série “Música na Corte Brasileira”.
Novembro, 1965, Mozart de Araujo (extraído da contra-capa do LP)

Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
01. Abertura da Ópera Zemira (1803) – Ouverture que Expressa Relâmpagos e Trovoadas
02. Te Deum das Matinas de São Pedro (1809) – 1. Te Deum Laudamus
03. Te Deum das Matinas de São Pedro (1809) – 2. Te Ergo Quae Sumus
04. Te Deum das Matinas de São Pedro (1809) – 3. Æterna Fac
05. Te Deum das Matinas de São Pedro (1809) – 4. Dignare Domine
06. Te Deum das Matinas de São Pedro (1809) – 5. In Te Domine Speravi

Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830)
07. Abertura nº 16
Antonio José do Rego (Séc. XVIII) & Domingos Caldas Barbosa (Séc. XVIII)
08. Ora a Deus Senhora Ulina
Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
09. Beijo a mão que me condena
Antonio da Silva Leite (Portugal, séc. XVIII)
10. Chula carioca
Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830)
11. Hino para a Aclamação de D. João VI

Música na Corte Brasileira, Vol 2 – Na Corte de D. João VI – 1965
Faixa 01 e 06: Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C., Regência: Alceo Bocchino
Associação de Canto Coral, Diretora: Cléofe Person de Mattos
Dircea Amorim, soprano. Juan Thibault, tenor. José Evergisto Netto, tenor.

Faixa 07 a 11: Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C., Regência: Alceo Bocchino
Collegium Musicum da Rádio M.E.C, Regência: Julieta Strutt. Olga Maria Schroeter, soprano
Selo Odeon, Coordenador-Assistente: Marlos Nobre

LP gentilmente ofertado pelo nosso ouvinte Antonio Alves da Silva e digitalizado por Avicenna.

memoria

 

BAIXE AQUI – DOWNLOAD
MP3 320 kbps – 96,6 MB – 41,7 min
powered by iTunes 9.1

 

 

 

Boa audição.

pinguim

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Etenhiritipá: Cantos da tradição Xavante

2da0n5dEtenhiritipá
Cantos da tradição Xavante

 

O povo Xavante, como ficou conhecido pelos brancos, ou A’uwe, como se auto denominam, vive há muito e muito tempo na região centro-oeste do Brasil, nos vastos e abertos campos do Cerrado. São parte desse mundo, desde o tempo da criação, aprendendo com seus ancestrais a arte de viver nesse lugar.

Tudo o que precisam para a vida está alí: caça abundante, variedades de frutos e raízes, peixes, as folhas de palmelra para construir as casas e cestos, as árvores que dão bons arcos, flechas e bordunas, as plumas e cores das tintas naturais para a beleza do corpo e do espírito.

E do sonho vem o poder, o ensinamento para seguir no caminho da tradição, a proteção dos ancestrais para a vida cotidiana, a beleza dos cantos cerimoniais que renovam o ato da criação.

Por milhares de anos viveram ali, no Cerrado, percorrendo extensões enormes em suas expedições de caça, conhecendo cada pequeno pedaço de seu território, ao pé da Serra do Roncador.

Para esse povo o “Brasil” é uma novidade recente. Foi na década de 40, às vésperas do século XXI, depois de tempo difícil de muitas guerras e mortes que os Xavante decidiram “pacificar os brancos” e estabelecer contato com os “warazu”.

Assim, o grande chefe Ahöpowe (Apoena), às margens do rio que ficou conhecido como Rio das Mortes, na aldeia mãe do povo Xavante, abriu um novo tempo para sua gente que vive agora em dezenas de outras aldeias espalhadas pelo estado do Mato Grosso.

Hoje, os Etenhiritipá – “o povo A’uwe da Serra do Roncador”, netos e bisnetos de Ahöpowe, seguem vivendo no mesmo lugar, caçando, fazendo suas casas de palha de buriti, ensinando aos filhos as histórias antigas e buscando um jeito novo de se relacionar com os que chegaram: Este disco faz parte desse novo tempo e de um jeito novo de manter o contato com os “warazu”, os que não são A’uwe. Traz os cantos que surgem nos sonhos dos homens adultos, entregues pelo espírito dos antepassados, e que são depois apresentados pelos “sonhadores” a toda a aldeia que os incorpora às cerimônias. (extraído do encarte)

Etenhiritipá foi idealizado e realizado pelo Núcleo de Cultura Indígena e pela comunidade Xavante, em 1992.

Etenhiritipá: Cantos da tradição Xavante
01. Dú Nhõre – Canto da caçada com fogo
02. Darö Wihã – Canto de iniciação Wapté
03. Waté Aba Nhõre – Canto da furação de orelha
04. Daprába – Canto final da furação de orelha
05. Aweu Danhõre – Canto da madrugada
06. Dapara´rá – Canto da corrida das mulheres
07. Danhi Marataptó – Preparação da corrida das mulheres
08. Wai´á – Canto da cerimônia do Wai´á
09. Wanãrïdöbê – Canto dos padrinhos
10. Marã Wawa Danhõre – Canto dos Wapté
11. Datsi´waiõ – Canto da nomeação das mulheres
12. Pópara Nhõre – Canto de luta dos Wapté
13. Dahirata Nhõre – Canto da furação de orelha
14. Dahipópo – Canto da despedida dos Wapté
15. Dadza Rõno – Canto dos Wapté
16. Datsi Wapsi – Canto e dança coletiva
17. Wai´á Rõwáronãhã – Canto da cerimônia do Wai´á
18. Uiwede Nhõre – Canto da corrida de tora de buriti
19. Saúri Nhõre – Canto de chegada da corrida das mulheres
20. Bötösi Renã Danhõre – Canto para animar a aldeia
21. Daparawe – Canto final da cerimônia Wanãridobê
22. Mãrãwi Danhõre – Canto final da furação de orelha
23. Marãre Danhõre – Canto de luta dos Wapté com padrinhos
24. Röwaho Daprába – Canto das mulheres
25. Warã Daptó – Canto coletivo da furação de orelha
26. Datsi Uirï – Canto final da corrida de mulheres
27. Siubdatõ Amã Danhõre – Canto da furação de orelha
28. Bötöud Danhõre – Canto da furação de orelha
29. Marãre Daprába – canto da furação de orelha
30. Oi Oi Wá Dazarõni – Canto para preparar a luta das crianças
31. Howahou Dazarõnõ – Canto para os Wapté entrarem no rio

Etenhiritipá: Cantos da tradição Xavante – 1992

Um CD do acervo do morubixaba Paulo Castagna. Não tem preço !!!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 297,2 MB | HQ Scans 16,1 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 113,5 MB – 47,4 min
powered by iTunes 10.6.3

Boa audição.

 

20hredw

 

 

 

 

 

 

.

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Telemann (1681-1767) / Graupner (1683-1760) / Schultze (ca.1733-1813): Concertos para Flauta

Um CD que vale mais pelos intérpretes do que pelo repertório. A alemã Dorothee Oberlinger é um fenômeno do instrumento e até estas obras menores brilham sob seus sopros e dedos. Para completar o timaço, temos Reinhard Goebel comandando o Ensemble 1700. Os barrocos tinham disso: produziam demais e têm obras-primas demais, mas nem sempre os cantinhos de repertório guardam tesouros. Mesmo assim, é um CD muito agradável de se colocar nos ouvidos e deixar rolar. Talvez seja importante saber que este CD recebeu 4 e 5 estrelas em quase todas as publicações que consultei. Isto significa que posso estar muito errado em meu pouco entusiasmo.

Telemann (1681-1767) / Graupner (1683-1760) / Schultze (ca.1733-1813): Concertos para Flauta

Georg Philipp Telemann – Concerto In G Minor For Alto Recorder, Strings & Continuo
1 Allegro 4:43
2 Adagio 2:10
3 Allegro 4:18

Georg Philipp Telemann – Concerto In C Major (TWV 51:C) For Alto Recorder, Strings & Continuo
4 Allegretto 2:59
5 Allegro 3:34
6 Andante 2:57
7 Tempo Di Menuet 5:29

Christoph Graupner – Suite (Ouverture) In F Major For Alto Recorder, Strings & Continuo
8 Ouverture 8:05
9 Le Speranza (Tempo Gusto) 2:10
10 Air En Gavotte 5:47
11 Menuet 2:55
12 Air 7:03
13 Plaisanterie 4:10

Johann Christoph Schultze – Concerto In G Major For Alto Recorder, Strings & Continuo
14 Allegro 4:18
15 Adagio 2:34
16 Vivace 3:11

Alto Recorder – Dorothee Oberlinger

Bassoon – Lorenzo Alpert
Cello – Anita Jehli
Harpsichord – Alexander Puliaev
Viola – Florian Deuter
Violin – Adrian Bleyer, Evan Few, Johannes Pramsoler, Joseph Tan, Katja Grüttner, Mónica Waisman
Violone – Jörg Meder
(Ensemble 1700)

Conductor, violin – Reinhard Goebel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dorothee Oberlinger, uma virtuose da flauta

Dorothee Oberlinger, uma virtuose da flauta

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música na Corte Brasileira – Vol. 1 de 5: O Vice-Reinado (Acervo PQPBach)

qq7i3aMúsica na Corte Brasileira – Vol. 1 de 5
Rio de Janeiro – Vice-Reinado

LP de 1965

 

Até alguns anos passados, não seria possível realizar esta série de discos que a Odeon denominou “Música na Corte Brasileira” e com a qual se associa às comemorações do IV Centenário de Fundação da Cidade do Rio de Janeiro.

Efetivamente, o repertório de que se compõe este primeiro volume da série é, por assim dizer, inteiramente novo para os ouvidos das últimas gerações de brasileiros.

São peças buscadas nos arquivos de Lisboa, de Paris e do Brasil, que trazem, com o sabor característico de documentos amarelecidos pelo tempo, a evocação de uma época distante, quando o Rio de Janeiro, prestigiado com a presença da família real e da nobreza portuguesa, passou a ser a sede da Corte de D. Maria I, a Louca.

O Principe Regente, governando em nome de sua Augusta Mãe, era um Bragança e, como tal, portador de um atávico pendor para a música.

Nao é de estranhar que esse pendor se exercesse em primeiro lugar no templo, já que, filho de uma rainha cujo misticismo chegou ao delírio e à loucura, D. João trazia do berço o hábito de rezar o terço ouvindo o cantochão.

Fora do templo, havia o salão, onde se fazia música com viola e cravo. E, somente em dose diminuta, havia também a música de teatro.

O primeiro autor a figurar no repertório aqui apresentado é Joaquim Manuel, mestiço carioca nascido no século XVIII e que ainda em 1820 vivia no Rio de Janeiro. Joaquim Manuel passou à História graças à maneira excepcional com que executava “une petite viole française, appelée cavaquinho” e ao talento musical que revelava compondo modinhas.

Sem saber uma nota de música, Joaquim Manuel causou forte impressão em alguns viajantes e cronistas da época, entre os quais Freycinet e Balbi, além de Neukomm, o músico austríaco que, permanecendo no Rio de Janeiro de 1816 a 1821, levou para a Europa algumas das modinhas de Joaquim Manuel, harmonizando e fazendo-as publicar num album, em 1824, ano em que foi anunciado a venda, em Lisboa, no Armazém de Música de J. B. Waltmann.

A descoberta das modinhas de Joaquim Manuel se deve a Luis Heitor, que encontrou recentemente na Biblioteca do Conservatório de Paris as harmonizações autógrafas de Neukomm, para canto e piano. Do album impresso em Paris não há notícia de um único exemplar.

As modinhas de Joaquim Manuel constituem o que de melhor existe na música profana do Brasil Colonia e podemos ouvir aqui as seguintes: Se me Desses um SuspiroSe Queres Saber a Causa, Foi o Momento de Ver-te, Triste Salgueiro e Desde O Dia em que Nasci.

De Marcos Antonio (Marcos Portugal, 1762-1830), com poema de Domingos Caldas Barbosa (1740-1800), é a modinha Você Trata o Amor em Brinco, peça descoberta pelo autor destas notas na Biblioteca Nacional de Lisboa.

Marcos Portugal, o orgulhoso musico português cujo nome figura no programa dos principais teatros da Europa como autor de óperas, veio para o Rio de Janeiro em 1811, aqui permanecendo até 1830, quando, vitimado por um “ataque paralítico”, faleceu em estado de pobreza, na casa de uma velha fidalga que dele se apiedou, a Marquesa de Aguiar. Caldas Barbosa, autor do poema, é o criador da modinha e do lundu de salão. Transportando-se para Lisboa em 1770, foi ele o primeiro brasileiro a levar para os salões da aristocracia lisboeta esses dois gêneros musicais, nos quais repontam os primeiros indícios de nacionalidade brasileira.

Recolhidas pelo naturalista Von Martius em 1817/18, que as publicou no apêndice musical do seu monumental “Reise in Brasilien”, aparecem aqui duas modinhas anônimas: No Regaço da Ventura, modinha mineira cujo poema pude identificar como sendo da autoria de Tomas Antonio Gonzaga, e Uma Mulata Bonita, lundu da Bahia.

Canidê-Ioune (ave amarela) é a curiosa peça com que nos deparamos agora. A melodia harmonizada para coro por Villa-Lobos, foi recolhida dos índios Tamoios por Jean de Lery em 1557, na Baia de Guanabara, nas imediações do Rio Carioca, na Praia do Flamengo. A melodia, como se vê, é anterior à fundação da cidade.

Sendo a maior figura da musica colonial brasileira, o Padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), deixou uma obra numerosa, da qual conhecíamos pouquíssimas peças. Graças às pesquisas de Cleofe Person de Mattos, começamos a ter do Padre-Mestre o conhecimento auditivo que nos faltava.

De José Maurício são as peças Crux Fidelis, de 1806, Judas Mercator Pessimus de 1809 e, finalmente, a Sinfonia Fúnebre, de 1790, executada nas exéquias do autor em 1830.
(Novembro, 1965, Mozart de Araujo, extraído da contra-capa do LP)

Anônimo da Bahia
01. Uma mulata bonita
Anônimo (Séc. XVIII) & Thomaz Antonio Gonzaga (Porto, 1744-Ilha de Moçambique, 1810)
02. No regaço da ventura
Joaquim Manoel Gago da Câmara (Séc. XVIII) & harmonizada por Sigismund Neukomm
03. Se me desses um suspiro
04. Se queres saber a causa
05. Foi o momento de ver-te
06. Triste salgueiro
07. Desde o dia em que nasci
Marcos Antonio Portugal da Fonseca (Portugal, 1762-Rio, 1830) & Domingos Caldas Barbosa (1740-1800)
08. Você trata o amor em brinco

Anônimo (Rio, séc. XVI) & harmonizada para coro por Villa-Lobos
09. Canidê-Ioune
Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
10. Crux fidelis
11. Judas mercator pessimus
12. Sinfonia Fúnebre

Música na Corte Brasileira, Vol 1 – Rio de Janeiro – O Vice-Reinado – 1965
Faixa 01 a 08: Collegium Musicum da Rádio M.E.C., Regência: George Kiszely
Olga Maria Schroeter, soprano
Faixa 09 a 11: Associação de Canto Coral, Diretora: Cleofe Person de Mattos
Faixa 12: Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio M.E.C., Regência: Alceo Bocchino

Selo Odeon, Coordenador-Assistente: Marlos Nobre
.

memoriaBAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 72,0 MB – 48,8 min
powered by iTunes 12.5.1

.LP gentilmente ofertado pelo nosso ouvinte Antonio Alves da Silva. Não tem preço!!!!
Digitalizado por Avicenna

 

 

Boa audição.

 

 

 

.

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!