Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Les Sonates pour le Forte-Piano – Paul Badura-Skoda – CDs 1 de 5

Paul Badura-Skoda - Mozart- Sonates pour la pianoforte, K 279, K 280, K 281, K 282, K 283Depois dos senhores experimentarem as ‘experiências’ de Glenn Gould com as sonatas de Mozart, resolvi trazer um dos maiores pianistas do século XX interpretando estas sonatas, mas nada de piano moderno aqui. Skoda interpreta estas obras com um instrumento similar ao que Mozart usou para compô-las. Trata-se portanto de uma experiência acústica diferente para aqueles que não estão acostumados com a sonoridade de um pianoforte.
O selo francês Astrée caprichou na edição desta coleção, com um booklet que traz os comentários do próprio solista para cada uma das sonatas.
Então vamos começar. Espero que apreciem a experiência.

CD 1

1 Sonate en ut majeur, K 279 (K 189d) – I. Allegro
2 Sonate en ut majeur, K 279 (K 189d) – II. Andante
3 Sonate en ut majeur, K 279 (K 189d) – III. Allegro
4 Sonate en fa majeur, K 280 (K 189e) – I. Allegro assai
5 Sonate en fa majeur, K 280 (K 189e) – II. Adagio
6 Sonate en fa majeur, K 280 (K 189e) – III. Presto
7 Sonate en si bémol majeur, K 281 (K 189f) – I. Allegro
8- Sonate en si bémol majeur, K 281 (K 189f) – II. Andante amoroso
9  Sonate en si bémol majeur, K 281 (K 189f) – III. Rondeau. Allegro
10 Sonate en mi bémol majeur, K 282 (K 189g) – I. Adagio
11 Sonate en mi bémol majeur, K 282 (K 189g) – II. Menuetto I & II
12 Sonate en mi bémol majeur, K 282 (K 189g) – III. Allegro
13 Sonate en sol majeur, K 283 (K 189h) – I. Allegro
14 Sonate en sol majeur, K 283 (K 189h) – II. Andante
15 Sonate en sol majeur, K 283 (K 189h) – III. Presto

Paul Badura-Skoda – Fortepiano Johann Schantz, Vienne ca. 1790

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MI0001058051

Paul Badura-Skoda – Retrato do Artista Enquanto Jovem

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Zoltán Kodály (1882-1967): Música para Violoncelo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Kodály é mais conhecido como co-fundador – junto com seu amigo Bartók – da etnomusicologia. Trabalharam anos pesquisando a música de Hungria e da Romênia, mormente a dos ciganos. Kodály também foi grande compositor e, sem dúvida, o grande destaque deste notável CD é a espetacular Sonata para Violoncelo Solo, um monumento de mais de 30 minutos que, além de tour de force, é música da melhor qualidade. Mas o disco abre com uma curiosidade: arranjos para violoncelo e piano de três prelúdios corais de meu pai (BWV 743, 762 e 747).

Three Chorale Preludes
1. Ach was ist doch unser Leben 04:47
2. Vater unser im Himmelreich 04:00
3. Christus der uns selig macht 05:04
Maria Kliegel, cello
Jeno Jando, piano

Sonata for Solo Cello, Op. 8
4. Allegro maestro ma appassionato 08:18
5. Adagio (con grand’ espressiono) 11:31
6. Allegro molto vivace 11:10
Maria Kliegel, cello

Cello Sonata, Op. 4
7. Fantasia: Adagio di molto 09:22
8. Allegro con spirito – Molto adagio 10:14

Maria Kliegel, cello
Jeno Jando, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Maria Kliegel: a ex-aluna de Rostrô dá um banho neste CD da Naxos

Maria Kliegel: a ex-aluna de Rostrô dá um banho neste CD da Naxos

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Orquestra Sinfônica do Recife – dois CDs com premières mundiais

239

Originalmente postado por CVL, e repostado pelo Avicenna.

Essas duas pérolas ora postadas nunca foram comercializadas, ficaram apenas como registro formal e institucional de duas iniciativas louváveis da Orquestra Sinfônica do Recife acontecidas há dez anos: a gravação das três primeiras colocadas em um concurso de composição em função dos 500 anos do Descobrimento, o único promovido por conta da data, e o resgate de uma obra ignorada do catálogo de Francisco Mignone, o balé Quincas Berro d’Água, sobre o livro quase homônimo de Jorge Amado.

No primeiro CD, destaco a consistência da peça do cearense Liduíno Pitombeira, que ganhou merecidamente o primeiro lugar: bem orquestrada, bem estruturada, bem encadeada.. enfim, houve justiça. No segundo, não esperem mais do que uma partitura naïf, embora muito agradável, de Mignone – o Lamento e Dança Brasileira, de Clóvis Pereira, vem de brinde mas não tem nenhum grande atrativo.

***

500-anosSinfonia dos 500 anos

1. Uma lenda indígena brasileira – Liduíno Pitombeira
2. Sinfonia brasileira em três movimentos – Rodrigo Celso Vitta
3. A sinfonia dos 500 anos – Ronaldo Cadeu de Oliveira

BAIXE AQUI – DOOWNLOAD HERE

 

 

 

berro1. Quincas Berro d’Água – Francisco Mignone
2. Lamento e Dança Brasileira – Clóvis Pereira

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

 

 

 

 

Em ambos os CDs: Orquestra Sinfônica do Recife, regida por Carlos Veiga

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concerto No. 16 in D Major, K. 451, 04 – Piano Concerto No. 15 in B-Flat Major, K. 450 – Brautigam,

51IAOtlTz3LSe fosse para usar um clichê para descrever a música de Mozart poderia dizer que os céus conspiraram para ele nascer genial como nasceu. E a sequência de cds que irei postar com obras dele serve apenas para constatar o óbvio.
Hoje retomo o projeto de Ronald Brautigam tocando os concertos para piano, se utlizando de um pianoforte, e amanhã começo outra coleção, com as sonatas para piano, também interpretadas com um pianoforte, porém com outro instrumentista.
Alguém comentou, ou li em algum lugar que estes concertos de número quinze e dezesseis são obras menores, mas não penso assim não. E nas mãos de um músico do quilate de Brautigam elas se tornam ainda mais preciosas. Sugiro colocarem um fone de ouvido para melhor apreciar os detalhes, as ornamentações, a sutiliza de certas passagens, enfim, assim os senhores poderão apreciar melhor estas obras, e principalmente, o talento do solista.
Se der tudo certo, semana que vem volto com outro CD desta série.

01 – Piano Concerto No. 16 in D Major, K. 451; I. Allegro assai
02 – Piano Concerto No. 16 in D Major, K. 451; II. Andante
03 – Piano Concerto No. 16 in D Major, K. 451; III. Allegro di molto
04 – Piano Concerto No. 15 in B-Flat Major, K. 450; I. Allegro
05 – Piano Concerto No. 15 in B-Flat Major, K. 450; II. Andante
06 – Piano Concerto No. 15 in B-Flat Major, K. 450; III. Allegro
07 – Rondo in D Major, K. 382

Ronald Brautigam – Pianoforte
Die Kölner Akademie
Michael Alexander Willens

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mussorgsky (1839-1881): Quadros de uma Exposição / Ravel (1875-1937): Bolero (Celibidache)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O romeno naturalizado alemão Sergiu Celibidache (1912-1996) talvez tenha sido o último gênio da regência orquestral a pisar em nosso planeta. Grande ensaiador, estudioso, atento a cada detalhe, teve sua antítese na vulgaridade de seu vizinho HvK. Alguns músicos dizem que nunca houve uma dupla mais perfeita do que a que ele fazia com a Filarmônica de Munique. E aqui ele perfaz, ao vivo, o mesmo itinerário de percorrido por Karajan em uma gravação de estúdio. Quanta diferença! Aqui, nesta gravação ao vivo, cada detalhe é desnudado, sendo resolvido com precisão e clareza. Se vocês desejam ouvir todo o notável talento de arranjador de Ravel, aqui vocês estarão muito bem servidos. Ah, explico: a versão orquestral de Quadros de uma Exposição, peça escrita originalmente para piano solo, é de autoria de Ravel. Abaixo, coloco também um vídeo sobre Celi. Como muitos gênios, ele também tinha certa loucura instalada em seu cérebro. E muito, mas muito humanismo e talento.

Mussorgsky (1839-1881): Pictures at an Exhibition / Ravel (1875-1937): Bolero

1. Applause – Ravel/Mussorgsky
2. Pictures At An Exhibition: Promenade: Allegro Giusto, Nel Modo Russico; Senza Allegrezza, Ma Poco…
3. Pictures At An Exhibition: I. Gnomus: Vivo
4. Pictures At An Exhibition: Promenade: Moderato Comodo E Con Delicatezza
5. Pictures At An Exhibition: II. Il Vecchio Castello: Andante
6. Pictures At An Exhibition: Promenade: Moderato Non Tanto, Pesante
7. Pictures At An Exhibition: III. Tuileries: Allegretto Non Troppo, Capriccioso
8. Pictures At An Exhibition: IV. Bydlo: Sempro Moderato, Pesante
9. Pictures At An Exhibition: Promenade: Tranquillo
10. Pictures At An Exhibition: V. Ballet Des Petits Poussins Dans Leurs Coques: Scherzino: Vivo Leggiero
11. Pictures At An Exhibition: VI. Samuel Goldenberg Un Schmuyle: Andante
12. Pictures At An Exhibition: VII. Limoges: Le Marche: Allegretto Vivo, Sempre Scherzando
13. Pictures At An Exhibition: VIII. Catacombae: Sepulchrum Romanum: Largo
14. Pictures At An Exhibition: Cum Mortuis In Lingua Mortua: Andante Non Troppo, Con Lamento
15. Pictures At An Exhibition: IX. La Cabane De Baba-Yaga Sure Des Pattes De Poule: Allegro Con Brio…
16. Pictures At An Exhibition: X. La Grande Porte De Kiev: Allegro Alla Breve. Maestoso. Con Grandezza
17. Applause
18. Applause
19. Bolero: Tempo Di Bolero Moderato Assai
20. Applause – Ravel/Mussorgsky

Münchner Philharmoniker
Sergiu Celibidache

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Celibidache: atenção aos detalhes

Celibidache: atenção aos detalhes e loucura instalada

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Arvo Pärt (1935): Lamentate

Lamentate é uma das maiores composições de Arvo Pärt. É um concerto onde o piano é o elemento solista, mas tanto pra mim, quanto na visão do próprio compositor, não se assemelha nem um pouco à um concerto para piano tradicional. Como qualquer ouvinte experiente de Arvo Pärt deve ter percebido, suas composições raramente seguem tipos de composição tradicionais, como sinfonias, sonatas, motetos, etc. Por isso são mais conhecidas pelos nomes do que pelo seu tipo.

Essa obra, segundo a Wikipedia, foi dedicada à obra de um escultor britânico-indiano, chamada Marsyas:

Marsyas por Anish Kapoor

Vemos que essa obra, apesar de enorme e imponente, parece ao mesmo tempo ser delicada e frágil. É quase como a forma que o próprio Arvo Pärt descreve Lamentate:

“Essa obra é mercada diametralmente por dois humores opostos… Exagerando um pouco, Eu descreveria esses opostos como ‘brutalmente esmagadora e ‘intimamente frágil’.”

E acho que não tem maneira melhor de descrever essa obra.

O solista é Alexei Lubimov, pianista por quem me apaixonei ao ouvir seu álbum Der Bote. Aqui ele é igualmente apaixonante em seu desempenho.

Arvo Pärt (1935): Lamentate

01 Da Pacem Domine

Lamentate
02 I. Minacciando
03 II. Spietato
04 III. Fragile
05 IV. Pregando
06 V. Solitudine – stato d’animo
07 VI. Consolante
08 VII. Stridendo
09 VIII. Lamentabile
10 IX. Risolutamente
11 X. Fragile e conciliante

Hilliard Ensemble
SWR Stuttgart Radio Symphony Orchestra
Andrey Boreyko, conductor
Alexei Lubimov, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Alexei Lubimov

Alexei Lubimov

Luke

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven / Pärt / Shostakovich: Sonata Kreutzer / Fratres / Prelúdios, Op. 34

Kreutzer SonataIMPER-DÍ-VEL !!!

Um lindo CD da dupla De Maeyer e Kende. Ela é belga, ele, holandês. A escolha do repertório é realmente excelente. A Kreutzer de Beethoven dispensa apresentações. Fratres, de Pärt, tem luz própria, porém, dentro do CD, dá continuidade poética moderna e coerente à obra de Ludwig van. O CD finaliza com alguns arranjos para peças dos Prelúdios de Shostakovich. Infelizmente, apesar de tratar-se de meu amado Shosta, é a parte mais fraca do trabalho. Mesmo assim, está acima de quase tudo o que se ouve por aí.

Beethoven: Violin Sonata No. 9 in A Major, Op. 47, ‘Kreutzer’
01. I. Adagio sostenuto – Presto 14:26
02. II. Andante con variazioni 15:26
03. III. Finale (Presto) 08:42

Pärt: Fratres
04. Pärt: Fratres 12:06

Shostakovich / arr Tsyganov: Preludes, Op. 34
05. No. 10 in C-Sharp Minor (Moderato non troppo) 02:01
06. No. 12 in G-Sharp Minor (Allegretto non troppo) 01:53
07. No. 13 in F-Sharp Major (Moderato) 01:02
08. No. 15 in D-Flat Major (Allegretto) 00:55
09. No. 16 in B-Flat Minor (Andantino) 01:07
10. No. 17 in A-Flat Major (Largo) 02:27

Jolente De Maeyer, violin
Nicolaas Kende, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jolente De Maeyer não apenas toca belamente

Jolente De Maeyer não apenas toca belamente

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Etta James : 2 horas para celebrar 73 anos bem cantados

PublicadoEtta James originalmente em 22.01.2012

É preciso celebrar os 73 anos de vida, encerrados anteontem (em 20/01/2012), de uma das cantoras de mais garra & intensidade expressiva que os meus 50 e tantos me deram o privilégio de conhecer: ETTA JAMES.

Não, a capa acima não é a da coletânea que estou postando aqui. Não sei que amigo me passou um dia uma pasta com essas 35 faixas não numeradas, de modo que a aleatoridade organizou o show pela ordem alfabética dos títulos. Faltaram só 6 minutos para inteirar duas horas de um panorama fascinante, que alterna das canções mais conhecidas, besuntadas daqueles violinos de produtor, até faixas que vibram de uma tensão áspera do que poderia ser chamado “partido alto do blues” – coisa que eu inicialmente nem sabia que ela tinha gravado.

Um leitor me informou que a presente coletânea seria “Etta James Gold”, lançada em 2007 – mas fui checar e há um considerável número de faixas que não coincidem. Além disso, gosto da ordem que o alfabeto conferiu às faixas aqui, de modo que proponho “oficializiar” uma nova coletânea, “ABC de Etta James”.

Uma sugestão adicional para a celebração: o filme Cadillac Records. Já se disse que ele não é historicamente fiel em muitos detalhes, inclusive quanto ao relacionamento entre o produtor da gravadora e a nossa cantora. Mas acho que, uma vez sabendo disso, não faz mal nenhum entregar-se ao prazer de assistir: é um panorama poderoso de uma certa época e de uma certa cena artística também poderosa, a Chicago do cair dos anos 40 ao alvorecer dos 60. E Beyoncé no papel de Etta James surpreende: ganhou de mim um respeito que a produção plastificante atual não me havia facilitado encontrar.

Enfim: senhoras e senhores, aí vai:

[as 35 faixas do panorama informal de Etta James]

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here

Ranulfus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Astor Piazzolla (1921-1992): Buenos Aires 8 – Buenos Aires Hora 8

buenos aires 8O consultor também tem seus dias de fúria:

— Diga aos queridos ouvintes do teu blog que comprem o María de Buenos Aires. É um LP duplo e sinceramente eu não gosto. Portanto, fora de cogitação.

Mas ele mandou este pá-pá-pá do Buenos Aires 8 para os saudosos dos joelhos dos anos 60.

Hoje vai sem texto explicativo.

Astor Piazzolla (1921-1992): Buenos Aires 8 – Buenos Aires Hora 8 (1970)

01. FUGA Y MISTERIO
02. ADIOS NONINO
03. LO QUE VENDRA
04. BUENOS AIRES HORA CERO
05. VERANO PORTEÑO
06. DECARISSIMO
07. MILONGA DEL ANGEL
08. LA MUERTE DEL ANGEL
09. RESURRECCION DEL ANGEL
10. CALAMBRE

Buenos Aires 8

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

funny-minimal-animal-illustrations-shanghai-tango-5

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música e sociedade: um novo pensar e agir

Música e sociedade
Um site único
Pensar a arte musical
Relações históricas
Desafios

Vale a pena conferir!

Música e Sociedade é um projeto que tem como objetivo pensar a arte musical nas suas profundas relações históricas com a sociedade e como superar os desafios que esta relação propõe nos dias de hoje.

Rebello Alvarenga é o idealizador, criador e proprietário do Música e Sociedade, resultado de uma ampla e densa pesquisa acerca do universo musical pelo prisma da sociedade. Estudou licenciatura em música no Instituto de Artes da UNESP. É também professor nas áreas de composição, piano, história da música e trilha sonora, ministrando uma série de cursos e palestras nestas áreas. É autor de dezenas de trilhas sonoras para as mais diversas mídias, tais como teatro, cinema e dança, além de compositor de música de concerto em uma extensa variedade de gêneros.

Contato: [email protected]

Artigos recentes:
• A música popular das grandes cidades no século XIX, segundo Derek B. Scott – AQUI
• Os concertos de música antiga no século XVIII – AQUI
• A distinção dos gostos musicais e o surgimento da música popular na visão de William Weber – AQUI
• Quem cria o criador? Uma introdução às instâncias de consagração artísticas – AQUI
• As batalhas pelo significado dos conceitos musicais – AQUI
• O comércio de partituras no século XIX – AQUI

www.musicaesociedade.com.br

Visite o siite: AQUI
Facebook: AQUI  – menos de um mes de vida e já possui mais de 10.000 seguidores!

O PQPBach sente-se honrado em ser parceiro do Música e sociedade.

Vida longa ao site Música e sociedade !!!

Screen Shot 2016-02-05 at 00.01.03

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nicolo Paganini (1782-1840) – Violin Concerto nº 1, Pablo Sarasate (1844-1908) – Carmen Fantasy – Perlman, Foster, RPO

511SybpydRL._SS280E já que comecei a semana com grandes gravações de concertos para violino, vou continuar a série, desta vez trazendo o grande Itzhak Perlman, um dos maiores violinistas das últimas quatro décadas.
E neste CD ele encara dois dificilimos desafios: Paganini e Sarasate. O talento, a versatilidade e o virtuosismo de Perlman tornam a audição desse CD obrigatória. Aliás, esse CD já me foi cobrado há alguns anos atrás, mas na época eu ainda não o tinha.
Para os fãs de Salvatore Accardo, nos quais me incluo, é uma ótima oportunidade para se comparar o estilo e a técnica destes dois excepcionais músicos. Espero que apreciem. Eu gostei, e muito.

1-01 Violin Concerto No.1 in D, Op.6_ I. Allegro maestoso
1-02 Violin Concerto No.1 in D, Op.6_ II. Adagio espressivo
1-03 Violin Concerto No.1 in D, Op.6_ III. Rondo (Allegro spiritoso)
1-04 Carmen Fantasy, Op.25

Itzhak Perlman – Violin
Royal Philharmonic Orchestra
Lawrence Foster – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Piazzolla (1921-1992) por Piazzolla: mais 4 CDs, resultado de pedidos carinhosamente atendidos por nossa consultoria

Nosso consultor ignora o funcionamento do SAC do PQP. Aqui, os pedidos raramente são atendidos e a gente costuma dar gostosas gargalhadas com as repetidas súplicas. “O link deixou de funcionar”, “Quero este CD”, “Preciso ouvir isso, disso depende minha vida”, tsc, tsc, tsc. Mas ele, o consultor, contrariamente a nós, revelou ter bom coração e resolveu, imaginem, atender alguns pedidos desesperados. Acabo de ouvir o quarteto de discos que ele nos enviou e ele é novamente portentoso, não tanto quanto este quinteto, mas mesmo assim portentoso, repito. É Piazzolla.

Abaixo, antes da relação de discos, obras e links, faço uma singela homenagem a meu pai, que amava especialmente a canção Los Paraguas de Buenos Aires, colocada no início do lado B de algum disco de Piazzolla-Baltar. Como ele sabia bem mais espanhol do que eu — costumava ouvir rádios de Buenos Aires na infância e na adolescência, talvez em busca de um mundo mais culto do que o de nossa triste província — , certamente entendia de ouvido a bela poesia que Horacio Ferrer escreveu para a música e que coloco agora para os pequepianos. Hoje sei que orillas não são orelhas e sim calçadas ou beiradas ou margens, que paraguas não são paraguaios e sim guarda-chuva, que fruteros devem ser pomares, etc.

Los Paraguas de Buenos Aires

Voz de Amelita Baltar
Letra de Horacio Ferrer
Música de Astor Piazzolla

Está lloviendo en Buenos Aires, llueve
Y en los que vuelven a sus casas pienso
Y en la función de los teatritos pobres
Y en los fruteros que a las rubias besan
Pensando en quienes ni paraguas tienen
Siento que el mío para arriba tira
“No ha sido el viento si no hay viento”, digo
Cuando de pronto mi paraguas vuela
“No ha sido el viento si no hay viento”, digo
Cuando de pronto mi paraguas vuela
Vuela…

Y cruza lluvias de hace mucho tiempo
La que al final mojó tu cara triste
La que alegró el primer abrazo nuestro
La que llovió sin conocernos antes
Y desandamos tanta lluvia, tantas
Que el agua esta recién nacida, vamos
Que está lloviendo para arriba, llueve
Y con los dos nuestro paraguas sube
Que está lloviendo para arriba, llueve
Y con los dos nuestro paraguas sube
Sube…

A tanta altura va querido mío
Camino de un desaforado cielo
Donde la lluvia a sus orillas tiene
Y está el principio de los días claros
Tan alta el agua nos disuelve juntos
Y nos convierte en uno solo uno
Y solo uno para siempre, siempre
En uno solo, solo, solo, pienso
Y solo uno para siempre, siempre
En uno solo, solo, solo, pienso
Pienso…

Pienso en quien vuelve hacia su casa
Y en la alegría del frutero
Y en fin, lloviendo en Buenos Aires sigue
Yo no he traido ni paraguas, llueve
Y en fin, lloviendo en Buenos Aires sigue
Yo no he traido ni paraguas, llueve
Llueve…

.oOo.

1965
CONCIERTO EN EL PHILARMONIC HALL DE NEW YORK (Quinteto)
Polydor 27136 L.P. Grabado en estudios en Buenos Aires.
TANGO DIABLO.
ROMANCE DEL DIABLO.
VAYAMOS AL DIABLO.
CANTO DE OCTUBRE.
MAR DEL PLATA ’70.
TODO BUENOS AIRES.
MILONGA DEL ANGEL.
RESURRECCION DEL ANGEL.
LA MUFA.
(Todos temas de A.Piazzolla).
Formación: Astor Piazzolla (bandoneón), Jaime Gosis (piano), Antonio Agri (violín), Kicho Díaz
(contrabajo), Oscar López Ruiz (guitarra).

ANOS 70
CON AMELITA BALTAR
PRELUDIO PARA EL AÑO 3001 (A.Piazzolla – H.Ferrer).
BALADA PARA MI MUERTE (A.Piazzolla – H.Ferrer).
BALADA PARA UN LOCO (A.Piazzolla – H.Ferrer).
VAMOS NINA (A.Piazzolla – H.Ferrer).
LAS CIUDADES (A.Piazzolla – H.Ferrer).
LOS PARAGUAS DE BUENOS AIRES (A.Piazzolla – H.Ferrer).
LA PRIMERA PALABRA (A.Piazzolla – H.Ferrer).
NO QUIERO OTRO (A.Piazzolla – H.Ferrer).
PEQUEÑA CANCION PARA MATILDE (A.Piazzolla – P.Neruda).
VIOLETAS POPULARES (A.Piazzolla – M.Trejo).
Várias formações

1985
MILVA – PIAZZOLLA (Quinteto)
Polydor 825 125-1-B L.P. Grabado en vivo en París en el teatro Bouffes du Nord.
BALADA PARA MI MUERTE (A.Piazzolla – H.Ferrer).
LOS PAJAROS PERDIDOS (A.Piazzolla – M.Trejo).
DECARISIMO (A.Piazzolla).
AÑOS DE SOLEDAD (A.Piazzolla – M.Le Forestier).
BALADA PARA UN LOCO (A.Piazzolla – H.Ferrer).
VAMOS NINA (A.Piazzolla – H.Ferrer).
YO OLVIDO (A.Piazzolla – D.McNeil).
CHE TANGO CHE (A.Piazzolla – J.C. Carriere).
PRELUDIO PARA EL AÑO 3001 (A.Piazzolla – H.Ferrer).
FINALE ENTRE BRECHT ET BREL (A.Piazzolla – C.Lemesle).
FORMACION:
Astor Piazzolla (bandoneón), Pablo Ziegler (piano), Fernando Suárez Paz (violín), Oscar López Ruiz
(guitarra), Héctor Console (contrabajo).

1986
HORA ZERO (Quinteto)
American Clave CD AMCL 1013. Grabado en EE.UU.
TANGUEDIA III.
MILONGA DEL ANGEL.
CONCIERTO PARA QUINTETO.
MILONGA LOCA.
MICHELANGELO ’70.
CONTRABAJISIMO.
MUMUKI.
(Todos temas de A.Piazzolla).
FORMACION:
Astor Piazzolla (bandoneón), Pablo Ziegler (piano), Fernando Suárez Paz (violín, Horacio Malvicino
(guitarra), Héctor Console (contrabajo).

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

tango

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Terry Riley (1935): Cadenza On The Night Plain — Alfred Schnittke (1934-1998): Quartetos 2 e 4 — Kronos Quartet 25 anos [8 e 9/10]

cover (2)Temos aqui hoje o estadunidense Terry Riley e o russo Alfred Schnittke. Não, calma, não estamos na guerra fria.

Cadenza On The Night Plain é ótima. Podemos perceber facilmente a influência indiana na música de Riley, embora isso as vezes se restrinja às pequenas dissonâncias resultantes das diferenças de escalas entre as notas do sistema tonal indiano. G music dá uma pausa trazendo elementos do Jazz num formato tipicamente ocidental. A melodia é deliciosa e repete com pequenas variações. É o minimalismo de Riley.

cover (2)

Já em Schnittke temos muitas vísceras. O criador do poliestilismo não perdoa. O que é poliestilismo? Eu explico pra vocês. Poliestilismo é a técnica que numa única obra mescla diferentes estilos de composição, como por exemplo, barroco e romântico, ou barroco e dodecafonismo, ou clássico, romântico e minimalista todos juntos, entre outras combinações possíveis. Talvez alguma mente perspicaz pergunte: Ok, mas qual a diferença disso do collage? Bem, o collage utiliza trechos inteiros de músicas já prontas de diferentes compositores de diferentes épocas, o que pode tornar a harmonia bastante precária. É possível criar uma obra inteira sem fazer nada se o compositor for demasiadamente picareta. Já no poliestilismo o compositor precisa compor novas coisas em cada estilo e harmonizá-las numa música só, o que dá mais liberdade para criação e torna mais fácil criar uma harmonia, mas ao mesmo tempo demanda um conhecimento enorme das diferentes técnicas. Em poucas notas o compositor pode atravessar séculos inteiros.

Embora aqui, amigos, vocês sentirão pouco dessa técnica de Schnittke, já que o formato de quarteto é muito mais rígido em sua estrutura. Se quiserem perceber mais o poliestilismo, recomendo os concertos grossos.

Semana que vem trarei o último álbum da coleção com Peter Sculthorpe, P. Q. Phan e Kevin Volans. Alguém conhece esses caras?

25 Years of the Kronos Quartet [BOX SET 8 and 9/10]

Disc 8

Terry Riley (1935):

Cadenza On The Night Plain
01 Introduction
02 Cadenza: Violin
03 Where Was Wisdom When We Went West?
04 Cadenza: Viola
05 March of the Old Timers Reefer Division
06 Cadenza: Violin II
07 Tuning to Rolling Thunder
08 The Night Cry of Black Buffalo Woman
09 Cadenza: Cello
10 Gathering of the Spiral Clan
11 Captain Jack Has the Last Word

12 G Song

Salome Dances for Peace – excerpts
13 III. The Gift: Echoes of Primordial Time
14 III. The Gift: Mongolian Winds
15 V; Good Medicine: Good Medicine Dance

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 9

Alfred Schnittke (1934-1998):

Quartet No. 2
01 I. Moderato
02 II. Agitato
03 III. Mesto
04 IV. Moderato

Quartet No. 4
05 I. Lento
06 II. Allegro
07 III. Lento
08 IV. Vivace
09 V. Lento

10 Collected Songs Where Every Verse Is Filled With Grief

Kronos Quartet:
David Harrington, violin
John Sherba, violin
Hank Dutt, viola
Joan Jeanrenaud, cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Kronos Quartet fazendo música do jeito techno-hippie de Terry Riley.

Kronos Quartet fazendo música do jeito techno-hippie de Terry Riley.

Luke

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Piazzolla (1921-1992) por Piazzolla: 5 CDs criteriosamente escolhidos por nossa consultoria

IM-PER-DÍ-VEL !!!!

Foda. Sim, PQP Bach é foda. Um de nossos consultores entrou em contato conosco através do Facebook declarando possuir 60 LPs e 20 CDs de Astor. Em outras palavras, ele tem a atual discografia completa.

Algumas palavras de nosso consultor:

Posso colaborar com Piazzollas se precisar. Tenho tudo. // tens algum disco em mente? // passo pra mp3 e te mando // ou posso escolher? // vamos homenagear o velho // vou te mandar 4 (Mandou 5)  // dois novos e 2 com 10 anos de diferença // é que subir os 80 discos fica meio complicado // hehehe // mas tenho só Piazzolla por Piazzolla // nada de interpretações de outros // todos com ele tocando // não gosto muito de outras interpretações, perdem muito da violência intrínseca // que me (nos) gusta // para quem viu o velho tocando bem de perto … // ah sim, vi 3 vezes aqui (vi uma) // vou até ver se acho os ingressos para postar // acho que tenho ainda // essa minha mania de guardar coisas // hehehe // to pensando num disco bem antigo pra subir // não decidi ainda, só sei que não será dos de 78 rpm // um com interpretações bem diferentes // vou lá ver enquanto sobe aqui // coloquei tudo em 192 KBPs, acho é bom // vou subir depois o Piazzolla 1960, de vinil, no original, só vou tirar uns clicks.

Pedi-lhe la crème de la crème e abaixo está o resultado. Tchê, estou ouvindo o último disco. Cara, SÃO DEMAIS. Grandes discos, estou muito feliz.

Fonte das informações abaixo: aqui. Mais leitura aqui.

-=-=-=-=-=-

PIAZZOLLA INTERPRETA A PIAZZOLLA (Quinteto) — 1961
RCA Victor AVL 3383 L.P.

ADIOS NONINO
BERRETIN
CONTRABAJEANDO (A.Piazzolla – A.Troilo)
TANGUISIMO
DECARISIMO
LO QUE VENDRA
LA CALLE 92
CALAMBRE
LOS POSEIDOS
NONINO.

Todos os temas são de Piazzolla, menos os indicados.

Astor Piazzolla (bandoneón), Jaime Gosis (piano), Simón Bajour (violin), Kicho Díaz (contrabajo), Horacio Malvicino (guitarra).

-=-=-=-=-=-

PULSACION (Orquesta) — 1970
Trova ST 5038 L.P.

PULSACION 1
PULSACION 2
PULSACION 4
PULSACION 5
FUGA Y MISTERIO
CONTRAMILONGA A LA FUNERALA
ALLEGRO TANGABILE
TOCATA REA
TANGATA DEL ALBA.

Todos os temas são de Piazzolla.

Astor Piazzolla (bandoneón), Jaime Gosis (piano), Antonio Agri, Hugo Baralis (violines), Víctor Pontino (cello), Néstor Panik (viola), Kicho Díaz (contrabajo), Cacho Tirao (guitarra), Arturo Schneider (flauta y saxo), José Corriale (percusión), Tito Bisio (vibrafón, xilofón , campanelli). En los temas de Pulsación, Dante Amicarelli (piano) por Jaime Gosis, Simón Zlotnik (viola) por Néstor Panik y José Bragato (cello) por Victor Pontino.

-=-=-=-=-=-

PIAZZOLLA 77 (Orquesta) — 1977
Trova DA 5011 L.P. Grabado en Italia. Sello Original: Carosello. Productor: Aldo Pagani.

CIUDAD TANGO
PLA-SOL-LA-SOL
LARGO TANGABILE
PERSECUTA
WINDY
MODERATO TANGABILE
CANTO Y FUGA.

Todos os temas são de Piazzolla.

-=-=-=-=-=-

TANGO APASIONADO — 1988
American Clave Nº 1019. Grabado en EE.UU.

PROLOGUE TANGO APASIONADO
MILONGA FOR THREE
STREET TANGO
MILONGA PICARESQUE
KNIFE FIGHT
LEONORA’S SONG
PRELUDE TO THE CYCLICAL NIGHT
BUTCHER’S DEATH
LEIJIA’S GAME
MILONGA REPRISE
BAILONGO
LEONORA’S LOVE
FINALE TANGO APASIONADO
PRELUDE TO THE CYCLICAL NIGHT (Part Two).

Todos os temas são de Piazzolla.

FORMACION:
Astor Piazzolla (bandoneón). Pablo Zinger (piano; no hay error se trata de otro pianista; Zinger suele colaborar con Paquito D’ Rivera), Fernando Suárez Paz (violín). Paquito D’Rivera (saxo alto). Andy González (bajo). Rodolfo Alchourrón (guitarra).

-=-=-=-=-=-

LA CAMORRA (Quinteto) — 1989
American Clave Nº 1021. Grabado en EE.UU.

SOLEDAD
LA CAMORRA I
LA CAMORRA II
LA CAMORRA III
FUGATA
SUR – LOS SUEÑOS
REGRESO AL AMOR.

Todos os temas são de Piazzolla.
Histórico: es la última grabación del Quinteto.

FORMACION:
Astor Piazzolla (bandoneón), Pablo Ziegler (piano), Fernando Suárez Paz (violín), Horacio Malvicino (guitarra), Héctor Console (contrabajo).

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ainda bem que abriste os botões da camisa, Astor

Ainda bem que abriste os botões da camisa, Astor

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

History of the Sacred Music vol. 03: O nascimento da Polifonia (1100-1300)

Harmonia Mundi: História da Música Sagrada
vol 03: O nascimento da Polifonia (1100-1300)


Muitos sons. Esse é o significado da palavra Polifonia, que vem do grego. Em essência, a interpretação ao pé da letra, nos diz tudo…


Polifonia, é uma técnica de composição em que duas ou mais ”melodias” se desenvolvem preservando o contexto na qual estão contidas. Para entendermos melhor essa tal de polifonia, vamos pensar na 9ª sinfonia de Beethoven, 1° movimento. É tão bonito ver as vozes se entrelaçando, meandrando a melodia principal, fazendo contrapontos, esquemas de ”perguntas e respostas”. No caso, isso é polifonia.

A polifonia no seu inicio, era improvisada. Não há registros, apenas teorias que derivam de tratados sobre música e liturgia (sim meu caro, liturgia. Esqueceu que a música era para acompanhar os ritos próprios da Igreja Católica ?). Como sabemos, a polifonia teve inicio junto com a melodia do canto gregoriano (lembra-se? Harmonia Mundi 2 ? ) era dobrada em 8ªs, 5ªs e 4ªs. (O interessante é que tudo isso surgiu espontaneamente. Os cantores não tinham a intenção de cantar diferente do uníssino.) Logo depois, começou-se a usar a 3ª e a 6ª. Hoje em dia, não há limites para a polifonia. Ela está em tudo em que escutamos. Desde buzinas aleatórias até John Cage. É claro que a polifonia está intimamente ligada a vários sons. Portanto o ”Poema sinfonico para 100 metrônomos” de Ligeti não é uma obra polifônica, apenas uma poliritmia.

Retomando à trajetória do desenvolvimento da música polifônica, poucas são as alterações sofridas no canto gregoriano, introduzindo-se apenas diálogos entre as melodias, as vozes ainda caminham no modelo vertical. Todas falam a mesma coisa e/ou trocam de nota no mesmo instante. No século seguinte percebe-se que a melodia se tornará muito mais interessante e apreciável se uma segunda voz caminhasse separada da voz* principal, fazendo algo diferente mas dentro do mesmo contexto. Depois, no século XII, o canto gregoriano é dilatado, ou seja, coloca-se entre uma nota e outra uma melodia mais dinâmica e de ritmo mais ágil, além de se introduzir uma diferenciação de andamento entre as várias vozes. Mas que para isso pudesse ocorrer de forma correta e precisa, o sistema musical teria que mudar. Pois até então, era utilizado o sistema neumático (solesmes) em que o ritmo, vinha de acordo com a acentuação da palavras. O sistema de neumas foi sendo melhorado de modo que havia uma precisão ritmica e melódica entre as vozes*.

Com isso, houve o aparecimento do Organum, que essencialmente é a melodia sendo cantada em diferentes alturas, mantendo-se o contexto na qual foi prorposta. Mais tarde, Paris tornou-se um importantíssimo centro musical, desde que, em 1163, teve inicio a construção da catedral de Notre-Dame. Aí as partituras de organum, com um grupo de compositores pertencentes à ”Escola de Notre-Dame”, alcançaram um admirável estágio de elaboração. No entanto, apenas o nome de dois desses compositores chegou até nós: Leonín, que foi o primeiro mestre de coro de catedral, e o de seu sucessor, Pérotin.

Com toda certeza, o auge do desenvolvimento da polifonia foi o Moteto, que basicamente foi quando usaram-se textos distintos para cada voz.* O moteto tornou-se uma das grandes formas da música polifônica, pois sua complexidade excedia os recursos disponíveis na época, o que fez com que junto com o seu desenvolvimento trouxesse melhorias e um aprimoramento do sistema rítmico e também da notação, sendo o apogeu de seu uso o contraponto modal do século XVI, apesar de sua importância para a música barroca e da recorrência a ele até por compositores românticos. Além dos benefícios que este estilo trouxe para sua época, deixou recursos que foram usados durante séculos posteriores e que ainda hoje, refletem na nossa música.

Assim sendo, podemos sintetizar essa evolução da seguinte forma:

Século IX – primeiras formas polifônicas em que se tem o registro (organum).
Século XII – auge da composição de organum.
Século XIV – formas polifônicas da Ars Nova.
Séculos XV e XVI – contraponto renascentista.
Século XVII – contraponto barroco.
Século XIX – contraponto no estilo de Albrechtsberger (harmonia movimentada).
Século XX – contraponto dodecafônico de Schoenberg.

* quando digo ”vozes” não me refiro apenas à voz humana. Não nos esqueçamos que a música vocal foi a primeira a surgir. Qualquer coisa cantada paralelamente é chamada de “voz”. Esse termo permenece até hoje para toda linha melódica desenvolvida ou por um instrumentista ou por um cantor.

Palhinha: ouça 03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300)
Anonymous
Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
01. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 1. Domine labia mea aperies/Deus in adjutorium meum (Choer)
02. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 2. Versus: O primus homo coruit (à 2 voix)

Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
03. 12th-Century Polyphony in Aquitaine à Saint-Martial de Limoges: 3. Resonemus hoc natali

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
04. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 1. Introït trepé: Puer natus est
05. The Notre-Dame School (12th century): Mass for Christmas Day: 2. Kyrie

Léonin, or Leoninus (Paris, c. 1135 – 1201)
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
06. The Notre-Dame School (12th century): Propter veritatem

Pérotin (France, fl. c. 1200), also called Pérotin the Great
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
07. The Notre-Dame School (12th century): Graduel: Viderunt omnes/Notum fecit Dominus

Anonymous
Theatre of Voices. Director: Paul Hillier
08. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 1. In seculum Longum
09. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 2. In seculum Viellatoris
10. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 3. In seculum Breve
11. Hockets from the Bamberg Manuscript (13th century): 4. In seculum D’Amiens longum

Anonymous
Anonymous
12. 13th-Century Marian Songs: 1. Ave maria gracia plena
13. 13th-Century Marian Songs: 2. Pia mater gratie
14. 13th-Century Marian Songs: 3. Ave nobilis venerabilis

Ensemble Organum. Director: Marcel Pérès
15. The gradual of Eleanor of Brittany (13th & 14th centuries): Kyrie: Orbis factor

Anonymous
16. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 1. Kyrie: Kyria christifera
17. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 2. Gloria
18. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 3. Sanctus – Benedictus
19. An English Ladymass at Salisbury Cathedral (13th & 14th centurie): 4. Agnus Dei: Virtute numinis

History of the Sacred Music vol. 03: The Birth of Polyphony (1100-1300) – 2003
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | 291,9 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 160,5 MB

Encarte e letras dos 30 CDs – AQUI – HERE

powered by iTunes 12.2.3 | 1,1 h

.
• History of the Sacred Music vol. 01: Chant of the Early Christians – AQUI
• History of the Sacred Music vol. 02: A Millennium of Gregorian Chant – AQUI

Boa audição.

gabrieldelaclarinet: texto
Avicenna: lay-out & mouse operator

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Violin Concerto in D Major, op. 61, Jean Sibelius (1865-1957) – Violin Concerto in D Minor, op. 47 – Haendel, Ancerl, CPO

41l0Vve0J3LDia destes encontrei nosso sumido colaborador Vassily Grienrikovich para trocarmos algumas palavras, entre goles de cerveja e xícaras de café. E como um encontro destes nunca demora menos de três horas, conseguimos trocar muitas palavras, em sua maoria, sobre música. O cara é uma enciclopédia musical ambulante, por isso quando falei em Ida Haendel ele não se fez de rogado e me perguntou se eu já tinha ouvido seu Sibelius. Neguei, envergonhado, dizendo que conhecia mais a fama de Ida Haendel.

Voltei para a minha cidade e procurei em meu acervo este CD e resolvi ouvi-lo com atenção. Senhores, só posso dizer que os céus conspiraram neste encontro histórico entre Ida Haendel e o célebre maestro Karel Ancerl. Claro que não posso omitir deste comentário o talento destes dois excepcionais músicos. Se o Beethoven já é espetacular, o Sibelius com certeza vai deixá-los loucos de pedra. Em minha modesta opinião, esta é gravação definitiva do concerto de Sibelius. Ouçam e depois me digam se não tenho razão.

E vamos ao que viemos.

1 Concerto for Violin and Orchestra in D major, Op. 61: I. Allegro ma non troppo
2 Concerto for Violin and Orchestra in D major, Op. 61: II. Larghetto (Attaca)
3 Concerto for Violin and Orchestra in D major, Op. 61: III. Rundo, Allegro (Attaca)
4 Concerto for Violin and Orchestra in D minor, Op. 47: I. Allegro moderato
5 Concerto for Violin and Orchestra in D minor, Op. 47: II. Adagio di molto
6 Concerto for Violin and Orchestra in D minor, Op. 47: III. Allegro ma non troppo

Ida Haendel – Violin
Czech Philharmonic Orchestra
Karel Ancerl – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

ida-haendel-polska-vii-nagroda

Ida Haendel – Absoluta @!@@#

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Jack DeJohnette – Special Edition (1979)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este CD de Jack DeJohnette me foi apresentado por um grande amigo integrante da OSPA (não se trata de caxumba, mas da famigerada Orquestra Sinfônica de Porto Alegre) e talvez seja um dos três melhores discos lançado pela ECM em toda sua riquíssima história. É estupendo e jamais me esqueceria dele se fosse para aquela ilha deserta! Abaixo, faço um copy and paste de duas críticas encontradas na rede. As críticas publicadas têm muito menos entusiasmo do que teria uma minha. Sou grande admirador deste CD que é uma sequência irrepetível de cinco obras-primas. O quarteto é notável, com destaque para David Murray. O que vocês ouvirão não é algo rotineiro. Baixem logo e ouçam atentamente.

This is a very cool album from drummer DeJohnette. His sidemen, Arthur Blythe and David Murray are both superb soloists, and each of them get some room to show their talents. Three of the five tunes are DeJohnette’s originals, my favorite of which is the rather catchy “Zoot Suite”. Filling out the album are two Coltrane tunes. For the most part, this has none of the atmospheric and cool aesthetic that most ECM albums have. It is quite lively and at times ferocious. Definitely worth checking out.

By Eric Brinkmann

Jack DeJohnette, man!!,

This Jack DeJohnette date is a studio recording from 1980 that features a quartet with David Murray on tenor sax and bass clarinet, Arthur Blythe on alto, and Peter Warren on bass and cello. It’s true that Jack DeJohnette is something of an impressionist drummer and, as such, he helped define the sound of the ECM label, home of Pat Metheny, Keith Jarrett, and Jan Garbarek. He was also known for the occasional piano excursion and on this album plays both piano and melodica when he’s not on the skins, while showcasing his compositional talents with 3 originals and 2 Coltrane tunes.

In addition to DeJohnette’s adventurous writing, this recording is really defined by the presence of World Saxophone Quartet players David Murray and Arthur Blythe. David Murray is the heir apparent to Eric Dolphy, and here he pays tribute to the bearded one with bass clarinet excursions on the DeJohnette penned “One for Eric” and the Coltrane/Dolphy standard “India.” Murray has really mastered this instrument (though he typically favors tenor sax) and I’m always searching for albums where he gets it out. Like Murray, Blythe is also comfortable stretching things out in the upper register with wails and squawks when the moment calls for it.

On “One for Eric,” after the players state the theme, Murray gets into a sauntering bass clarinet exploration before Blythe picks up the pace in the second half with a wailing alto sax solo, then bass and drum solos before the group returns to repeat the theme in unison to conclude. Fairly straight ahead structure here with fiery solos. “Zoot Suite” on the other hand, alternates between a repeated six-note stanza, with the players dancing around it very much in the spirit of the WSQ, and sections of third-stream cello-infused textures. Murray and Blythe get into a duel at the 2/3rds mark, before a return to third-stream impressionistics to round out the piece. Coltrane’s “Central Park West” is a brief, languid ballad with the horns and cello playing an almost dirge without time for any soloing. “India” has DeJohnette starting things off on piano, with Murray on bass clari and Blythe on alto coming in like Coltrane and Dolphy before Murray goes into his solo and then Blythe following — this tune is similar in form to the first track, with great horn soloing on top of a fairly standard arrangement.

It’s “Journey to the Twin Planet” that is the standout here, and apparently an acquired taste, though I acquired this album because of this particular track. It’s a bit avante garde and starts deceptively slow and exploratively with melodica, tenor, and alto sputtering, squawking, and blowing airily before things gradually build to a spastic, orgiastic release at 2:22 with all four players going at it — DeJohnette crashing the cymbals, Murray blustering away, Blythe caterwalling, and Warren plucking furiously. Then they’re back to the careful explorations that they started with, continuing at a snails pace with melodica, cello, and horns, before segueing into a melodica-led rhythm that sounds like something Steve Reich would have written. It’s adventurous, other-worldly, and out-there — honestly, I wish the whole album was like this, though obviously some will feel the opposite.

At 38 minutes, this is an all-too-short album, but the DeJohnette arrangements, fierce blowing by Murray and Blythe, and curious instrumentation make this an fascinating and enjoyable album.

By Joe Pierre

Jack DeJohnette – Special Edition (1979)

1. One For Eric (DeJohnette)
2. Zoot Suite (DeJohnette)
3. Central Park West (Coltrane)
4. India (Coltrane)
5. Journey To The Twin Planet (DeJohnette)

David Murray – Clarinet (Bass), Sax (Tenor)
Arthur Blythe – Sax (Alto)
Jack DeJohnette – Drums, Synthesizer, Guitar, Piano, Melodica, Main Performer, Producer, Keyboards, Mellophonium
Peter Warren – Bass, Cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Jack DeJohnette em 1979. Autor de um dos melhores discos de jazz de todos os tempos.

Jack DeJohnette em 1979. Autor de um dos melhores discos de jazz de todos os tempos.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johannes Brahms (1833-1897) – Violin Concerto in D Major, op. 77, Robert Schumann (1810-1856) – Violin Concerto in D Minor – Bell, Cleveland Orchestra, von Dohnányi

frontUm grande, mas grande CD. Nunca prestei muita atenção nesse garoto até ouvir essa sua gravação do meu amado concerto para violino de Brahms. Que delicadeza e que sensibilidade, e diria mais, que maturidade para um jovem de 29 anos, idade que Joshua Bell tinha quando encarou esse desafio. Sempre digo que o meu parâmetro de comparação para este concerto é a gravação de David Oistrack lá em meados da década de 50. E esta gravação de Bell pode facilmente ser colocada nesta minha lista dos Top Ten deste concerto. Claro, ele ainda vai gravar esta obra outras vezes, e tenho certeza de que vai se superar. Infelizmente talvez não tenha a presença deste excepcional maestro, Cristoph von Dohnányi e sua Cleveland Orchestra, um dos melhores conjuntos orquestrais norte americanos desde que George Szell o dirigiu. Aliás,não por acaso, é com Szell que Oistrakh gravou a gravação definitiva deste concerto,. e com esta mesma orquestra. Antes que eu fale do concerto de Schumann, preciso lembrar que o próprio Bell escreveu a cadenza… que grande músico. Prestem atenção no segundo movimento, senhores, uma das mais belas páginas da obra de Brahms, e me digam se não se emocionaram. Poucas vezes ouvi este movimento tocado com tanta paixão.

Mas enfim, não considero o concerto de Schumann no mesmo nível do de Brahms, não sei, algo nele não me convence. Mas ele tem seus defensores, e os respeito. Mas não gosto… falta aquele algo que Schumann conseguiu colocar em seu magnífico concerto para Violoncelo, ou até mesmo no Concerto para Piano. Falta uma identidade, sei lá… Porém, Bell o toca com propriedade e conhecimento de causa, como um grande músico o faria.

01. Brahms – Violin Concerto In D Major, Op. 77 I. Allegro non Troppo
02. Brahms – Violin Concerto In D Major, Op. 77 II. Adagio
03. Brahms – Violin Concerto In D Major, Op. 77 III. Allegro Giocoso Ma Non Trop
04. Schumann – Violin Concerto In D Minor I. In kraeftigem, nicht zu schnellem Tempo
05. Schumann – Violin Concerto In D Minor II. Langsam
06. Schumann – Violin Concerto In D Minor III. Lebhaft, doch nicht schnell

Joshua Bell – Violin
Cleveland Orchestra
Christoph von Dohnányi – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Christopher Rouse (1949): Symphony No. 2 / Flute Concerto / Phaethon

Christopher Rouse é um compositor que tem o que dizer e diz com controle absoluto das cores orquestrais. Os dois discos que o PQP divulga — o de ontem e o de hoje — representam o núcleo principal de sua obra e de seu estilo. A Sinfonia No.2, depois de ter superado seu receio de escrever adágios, volta a sua maneira mais agitada de escrever. Obra muito empolgante, sensacional. O concerto para flauta é que me deixou ressabiado, abre com uma melodia pouco inspirada e melosa. Não fui com a cara dela.

Christopher Rouse (1949): Symphony No. 2 / Flute Concerto / Phaethon

1. Symphony No. 2: 1. Allegro
2. Symphony No. 2: 2. Adagio (In memoriam Stephen Albert)
3. Symphony No. 2: 3. Allegro
4. Flute Concerto: 1. Ànhran
5. Flute Concerto: 2. Alla marcia
6. Flute Concerto: 3. Elegia
7. Flute Concerto: 4. Scherzo
8. Flute Concerto: 5. Ànhran
9. Phaethon, for orchestra with augmented percussion

Performed by Houston Symphony Orchestra
Flute Carol Wincenc
Conducted by Christoph Eschenbach

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Rouse: de mau só tem a cara. Baita compositor!

Rouse: de mau só tem a cara. Baita compositor!

CDF

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Historic Organ (1765) São Vicente de Fora, Lisbon – João Vaz, organista

Capa Solo WEBÓrgão de 1765
Mosteiro de São Vicente de Fora
Alfama, Lisboa, Portugal

João Vaz
Organista

João Vaz é actualmente professor de órgão da Escola Superior de Música de Lisboa. Foi assistente convidado da Universidade de Évora e na Universidade Católica Portuguesa no Departamento de Artes, no polo do Porto. É consultor permanente para o restauro do conjunto de seis órgãos da Basílica de Mafra. Organista da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa, desde 1986, foi nomeado, em 1997, titular do órgão histórico da Igreja de São Vicente de Fora. Tem realizado recitais de órgão na Europa, e na América do Sul.
(Wikipedia)

O Mosteiro de São Vicente de Fora remonta a uma igreja, principiada em 1582 no local onde D. Afonso Henriques havia mandado construir um primitivo templo também sob a invocação de São Vicente. Esse santo foi proclamado padroeiro de Lisboa em 1173, quando as suas relíquias foram transferidas do Algarve para uma Igreja fora das muralhas da cidade.

A construção só se inicia em 1590 pela mão do arquiteto e engenheiro Filippo Terzi (1520 – 1597) e arquiteto Baltasar Álvares. Este último leva consigo uma aprendizagem erudita do Maneirismo romano adquirida através de seu tio arquiteto e engenheiro português Afonso Álvares (15??-1580). Nasce assim um novo estilo arquitetónico em Portugal que viria a servir como modelo nas seguintes construções religiosas. A obra foi concluída em 1627. A igreja de São Vicente de Fora, localizada na zona de Alfama, uma zona que identifica o contexto da envolvente medieval da cidade de Lisboa no século XVI.

É um exemplo do Maneirismo em Portugal. É possível identificar nesta igreja a presença dos estilo Góticos e Barroco. Devido à forte presença militar e religiosa a arquitetura portuguesa, em certa medida terá sido censurada, mantendo os princípios de estilos anteriores.

É considerada a grande obra arquitetónica da Dinastia Filipina e serviu como modelo nas seguintes construções religiosas. Foi mandada construir fora das muralhas, e por esse motivo surge o nome de São Vicente de Fora.

A igreja e o mosteiro contam com um notável recheio artístico do século XVII, época de D. Pedro II e de D. João VI, reconhecido por um período que foi rico para as artes. Contém peças de azulejaria barroca com mais de 100 mil azulejos do período barroco, fábulas de La Fontaine e algumas pinturas de renome desde o século XVII até finais do século XVIII.
(Wikipedia)

Historic Organ (1765) São Vicente de Fora, Lisbon
António Carreira (Lisboa, c.1530-c.1594)
01. Fantasia em Ré
02. Fantasia em Lá-Ré
Pe. Manuel Rodrigues Coelho (Portugal, ca. 1555 -1635)
03. Kirios de 1º tom
Frei Diogo da Conceição (Séc. XVII)
04. Batalha de 5º Tom
05. Meio registo de 2º Tom accidental
Pe. Manuel Rodrigues Coelho (Portugal, ca. 1555 -1635)
06. Segundo tento de 2º Tom
Pedro de Araujo (Portugal, 1633-1664)
07. Meio registo (de dois tiples) de 3º Tom
08. Obra de passo solto de 7º Tom
Frei Pedro de San Lorenzo (fl. ca. 1650)
09. Obra de 1º tono de registro de mano ysquierda
José António Carlos de Seixas, (Coimbra, 1704 – Lisboa, 1742)
10. Sonata para órgão em Sol maior
11. Sonata em Dó menor – 1. Moderato in tempo di siciliano
12. Sonata em Dó menor – 2. Minuet
13. Sonata para órgão em Lá menor
Frei Jacinto do Sacramento (Portugal, séc. XVIII)
14. Sonata em Ré menor
Frei Francisco de S. Boaventura (Portugal, séc. XVIII)
15. Sonata em Sol maior
Anônimo (Portugal, séc. XVIII/XIX)
16. Sonata para órgão em Dó maior

Historic Organ (1765) São Vicente de Fora, Lisbon – 2014
João Vaz, organista
Órgão de 1765, por João Fontanes de Maqueira

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 324,4 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 165,2 MB

Powered by iTunes 12.3.2 | 1 h 05 min | Encarte incluído: Português & English

Obrigado ao amigo Paulo Sala que me presenteou este CD, adquirido em Lisboa.

Boa audição.

MoMA-collection-mr. bean

– Beanthoven

 

 

 

 

 

 

.

.

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!