Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 4/9 – Conceição e Assunção de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)

Originalmente postado em setembro de 2009.

Um excelente texto do Museu da Música de Mariana sobre o Dogma da Assunção! Aqui

Este é o 4º CD de uma série de 9 do Projeto Acervo da Música Brasileira – Restauração e Difusão de Partituras, uma das mais completas e arrojadas iniciativas de recuperação, preservação e divulgação do patrimônio musical do país. Obras preciosas da música religiosa brasileira dos séculos XVII a XX, antes restritas ao espaço do Museu da Música de Mariana foram reconstituídas, reorganizadas, editadas e oferecidas ao grande público na forma de concertos, CDs e livros de partituras, também acessíveis pela Internet. (http://www.mmmariana.com.br)

Pela profundidade, abrangência e volume de ações e recursos envolvidos, o projeto alcançou proporções inéditas no país. O Museu da Música de Mariana é um dos mais importantes acervos latino-americanos de música religiosa manuscrita, com mais de duas mil partituras. Muitas delas foram salvas pelo trabalho de restauração, já que estavam em estado precário de preservação. Foi recuperada a estrutura original das partituras tal como concebidas por seus autores.

O projeto envolveu 150 profissionais, com destaque para a equipe de musicólogos recrutada entre os melhores do país. A reorganização e nova catalogação foram realizadas com uma metodologia desenvolvida no final da década de 90 e pela primeira vez aplicada, em sua total potencialidade, em um acervo brasileiro do gênero. O modelo de inventário adotado já se qualifica como referência latino-americana na área de acervos de manuscritos musicais.

Ao cabo de 4 anos, de 2001 a 2003, foram produzidos 9 CDs de músicas sacras dos séculos XVIII e XIX, cantadas nas igrejas brasileiras durante as celebrações litúrgicas da época. Todos os 9 CDs apresentam músicas inéditas, foram produzidos e distribuidos somente 1.000 exemplares de cada. Hoje é considerada uma coleção rara e está esgotada! Este 4º CD é dedicado à Conceição e Assunção de Nossa Senhora.

Em Portugal, o culto à Assunção já era comum na Idade Média mas, após a vitória contra os castelhanos na Batalha de Aljubarrota, em 15 de agosto de 1385, D. João I determinou que todas as catedrais do reino fossem consagradas à Nossa Senhora da Assunção, tradição que se estendeu também ao Brasil.

O culto à Conceição foi oficialmente instituído no reino de Portugal e suas conquistas por D. joão IV em 25 de março de 1646 e representa, desde o século XVII, a mais popular das festas marianas celebradas no Brasil. Minas Gerais é, por excelência, a terra de Nossa Senhora da Conceição, não havendo uma só matriz, capela filial de outras invocações ou ermida sem um altar ou imagem de Maria Imaculada.

Nos séculos XVIII e XIX, eram principalmente musicadas, nas celebrações brasileiras da Conceição e da Assunção, as Matinas, as Vésperas e a Missa, mas também foi comum a prática de gêneros paralitúrgicos, como as Novenas e a música ao Pregador (em forma de ária ou solo ou moteto coral).  O Museu da Música de Mariana reune dezenas de obras para tais ocasiões, nove delas selecionadas para esta gravação. (resumo do encarte e do livro de partitura)

Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. IV – Conceição e Assunção de Nossa Senhora
Anônimo (Séc. XVIII)
01. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 1. Invitatório – Conceptionem Virginis Mariæ (Sem andamento)
02. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 2. Invitatório – Deus in adjutorium (Sem andamento)
03. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 3. Invitatório – Veni Sancte Spiritus. Largo
04. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 4. Jaculatória – Virgem sagrada (Sem andamento)
05. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 5. Hino – Lux ecce. Choris triumphat. Andante. Largo
06. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 6. Conceptio tua Dei Genitrix – Conceptio tua Dei Genitrix. Largo
07. Novena de Nossa Senhora da Conceição – 7. Antífona – Tota pulchra es, Maria. Largo
08. Invitatório e Jaculatória da Novena de Nossa Senhora da Conceição 1. Invitatório – Conceptionem Virginis Mariæ. (Sem andamento)
09. Invitatório e Jaculatória da Novena de Nossa Senhora da Conceição 2. Jaculatória – Virgem sagrada. Moderato
10. Novena de Nossa Senhora da Assunção – 1. Invitatório – Venite, adoremus. Cujus hodie. Largo. Andante
11. Novena de Nossa Senhora da Assunção – 2. Deus in adjutorium – Deus in adjutorium. Gloria Patri. Andante assai
12. Novena de Nossa Senhora da Assunção – 3. Sicut erat – Sicut erat. Allegro
13. Novena de Nossa Senhora da Assunção – 4. Hino – Ave maris stella. Andante
14. Novena de Nossa Senhora da Assunção – 5. Antífona – Exaltata est. Largo
15. Novena de Nossa Senhora da Assunção – Tota pulchra es, Maria
16. Sicut cedrus – 1. Sicut cedrus – Sicut cedrus. Andante
17. Sicut cedrus – 2. Sicut cedrus – Dedi suavitatem. Allegro
18. Sicut cedrus – 3. Sicut cedrus – Et sicut cinnamomum. Andante
19. Sicut cedrus – 4. Sicut cedrus – Dedi suavitatem. Allegro
20. Beatam me dicent – 1. Beatam me dicent. Andante
21. Beatam me dicent – 2. Quia fecit. Allegro molto
22. Beatam me dicent – 3. Gloria Patri. Moderato
23. Beatam me dicent – 4. Quia fecit. Allegro molto
24. Ofertório de Nossa Senhora da Assunção – Assumpta est Maria. Comodo
Francisco Manuel da Silva (1795-1865)
25. Ladainha em Sol – 1. Kyrie eleison. Christie eleison. Andante
26. Ladainha em Sol – 2. Kyrie eleison. Christie eleison. Christie exaudi nos. Cantochão
27. Ladainha em Sol – 3. Pater de cœlis. Andante
28. Ladainha em Sol – 4. Fili Redemptor. Cantochão
29. Ladainha em Sol – 5. Spiritus Sancte. Andante
30. Ladainha em Sol – 6. Sancta Trinitas. Cantochão
31. Ladainha em Sol – 7. Sancta Maria. Un poco adagio
32. Ladainha em Sol – 8. Sancta Dei Genitrix. Cantochão
33. Ladainha em Sol – 9. Sancta virgo. Allegro
34. Ladainha em Sol – 10. Mater Christi. Cantochão
35. Ladainha em Sol – 11. Mater divinæ. Allegro
36. Ladainha em Sol – 12. Mater purissima. Cantochão
37. Ladainha em Sol – 13. Mater castissima. Allegro comodo
38. Ladainha em Sol – 14. Mater inviolata. Cantochão
39. Ladainha em Sol – 15. Agnus Dei I. Un poco sostenuto
40. Ladainha em Sol – 16. Agnus Dei II. Cantochão
41. Ladainha em Sol – 17. Agnus Dei III. Un poco sostenuto
Emílio Soares de Gouveia Horta Júnior (séc. XIX)
42. Maria, Mater gratiæ (Ária ao Pregador) – 1. Maria, Mater gratiæ. Vivo
43. Maria, Mater gratiæ (Ária ao Pregador) – 2. Maria, Mater gratiæ. Allegro moderato

Ars Nova Coral da UFMG e músicos convidados
Maestro Carlos Alberto Pinto Fonseca (1933-2006)
Museu da Música de Mariana – 2002
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. IV – Conceição e Assunção de Nossa Senhora


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 354,2 MB | HQ Scans 7,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 153 MB – 1,0 h
powered by iTunes 11.0.1

 

Boa audição!

Avicenna

.: interlúdio :. Vince Benedetti Meets Diana Krall – Heartdrops

Heartdrops-V Benedetti-D Krall-frenteMuito bom CD, creio que seja o primeiro registro de Diana Krall. A jovem canadense desfila seu talento em belíssimas canções, onde mostra toda a sua versatilidade enquanto cantora e pianista. Álbum agradabilíssimo de seu ouvir, com boas canções, com aquela levada meio bossa nova característica da artista.
Neste CD ela é acompanhada por excelente grupo de músicos liderados pelo trombonista Vince Benedetti. Música de primeira qualidade, em um momento de desabrochar desta que nos dias atuais é uma das grandes cantoras e pianistas do jazz. E temos de concordar que ela faz muito bem as duas coisas.

Boa audição.

01-The news
02-Sunshine express
03-Detroit blues
04-Your destiny
05-Who are you
06-My love
07-Evidence
08-Detroit blues  (radio short version)
09-My love (radio short version)

Diana Krall – Piano, vocal
Vince Benedetti – Composer, arranger, lyrics, trombone
Martien Oster – Vocal, Guitar
Christoph Sprenger – Bass
Alberto Canonico – Drums

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Johannes Brahms (1833-1897) e Carl Maria von Weber (1786-1826): Clarinet Quintets


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Uma das maiores obras de câmara compostas por um dos maiores compositores de música de câmara de todos os tempos, o Quinteto para Clarinete de Brahms é uma obra que tem repercussão inclusive na literatura brasileira. A autobiografia de Erico Verissimo chama-se Solo de Clarineta por quê? Bem, é óbvio.

A versão de Richard Stoltzman e do Tokyo String Quartet não é para puristas, mas deve ser conhecida, principalmente para quem desconhece esta peça de Brahms.

Weber? Weber era um bom restaurante ao qual minha família costumava ir em Tramandaí nos anos 60 e 70. Minhas papilas gustativas ainda sentem saudades da casquinha de siri perfeita dos caras. (Tá bom, o jocoso minueto do Quinteto do Weber é irresistível…)

Johannes Brahms – Clarinet Quintet in B minor, Op. 115 

1 Allegro
2 Adagio
3 Andantino… Presto non assai, ma con sentimento
4 Con moto

Carl Maria von Weber – Quintet for clarinet & strings in B flat major, J. 182 (Op. 34)
5 No. 1, Allegro
6 No. 2, Fantasia. Adagio
7 No. 3, Menuetto
8 No. 4, Rondo. Allegro giojoso

Richard Stoltzman
Tokyo String Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Richard Stoltzman: boa abordagem a Brahms

Richard Stoltzman: boa abordagem a Brahms

PQP

Kuhnau (1660-1722), Reincken (c.1633-1722), Scheidemann (c.1595-1663), J.S. Bach (1685-1750), Boehm (1661-1733), Handel (1685-1759), J.C.Bach (1735-1782), Frescobaldi (1583-1643), Turini (c.1589-1656), Caccini (1551-1618), D.Scarlatti (1685-1757): The Gustav Leonhardt Edition (CDs 19, 20 e 21 de 21)


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Toda a série aqui, ó.

Mais uma série finalizada. Agora, é voltar ao Bach 2000 e a tantas otras cositas.

CD 19:

Johann Kuhnau

Musicalische Vorstellung Einiger Biblischer Historien
Musical Depiction Of Certain Biblical Stories
Representation Musicale De Quelques Histoires Bibliques

01-04. Sonata No. 4: Der Todtkrancke Und Wieder Gesunde Hiskias
Hezekiah is Mortally ill And Restored To Health
Ezechias Moribond Et Recouvrant La Sante

05-12. Sonata No. 5: Der Heylanb Israelis, Gideon
Gideon, The Saviour Of Israel – Gedeon, Le Sauveur D’Israel
13-18. Sonata No. 6: Jacobs Tod Und Begraebniss
The Death And Burial Of Jacob – La Mort Et Les Funerailles De Jacob

Gustav Leonhardt, organ / harpsichord / narration

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 20:

Johann Adam Reincken
01. An Den Wasserfluessen Babylon

Heinrich Scheidemann
02. Praeambulum In D Minor

Johann Sebastian Bach
03. Prelude & Fugue In D Minor, BWV 539

Georg Boehm
04-07. Suite No. 6 In E Flat Major
08-11. Suite No. 8 In F Minor
12-14. Suite No. 9 In F Minor

George Frideric Handel
15-19. Suite No. 8 In F Minor

Johann Christian Bach
20-22. Sonata In D Major, Op. 5 No. 2

Gustav Leonhardt, organ / harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 21:

Girolamo Frescobaldi
01. Toccata Settima
02. Toccata Undecima In C Major
03. Canzona Terza
04. Toccata In G Major
05. Fantasia Sesta Sopra Doi Soggetti
06-10. 5 Galliards

Francesco Turini
11. Sonata In A Minor

Giulio Caccini arr. Peter Philips
12. Amarilli Mia Bella

Biagio Marini
13. Balletto Secondo A Tre & A Quattro

Domenico Scarlatti
14. Sonata in A minor, Kk 3 (Presto)
15. Sonata in D minor, Kk 52 (Andante moderato)
16. Sonata in E major, Kk 215 (Andante)
17. Sonata in E major, Kk 216 (Allegro)

Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

É assim que se toca, viram?

É assim que se toca, viram?

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

Biber (1644-1704), Muffat (1653-1704), Rosenmüller (c.1620-1684), Scheidt (1593-1661), Schmelzer (c.1620-1680), Froberger (1616-1667), Kuhnau (1660-1722): The Gustav Leonhardt Edition (CDs 16, 17 e 18 de 21)


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Toda a série aqui, ó.

Aqui, a coisa fica mais alemã e indiscutivelmente melhor do que o grupo de CDs anteriores. O show de Leonhardt está no Froberger e no Kuhnau — apesar da narrativa — dos CDs 17 e 18, em minha opinião, mas ouvi apenas uma vez. Posso estar errado, claro.

CD 16:
Heinrich Ignaz Franz von Biber

Harmonia Artificiosa-Ariosa: Diversi Mode Accordata
01. Pars III

Mensa Sonora: Seu Musica Instrumentalis
02. Pars III

Fidicinium Sacro-Profanum
03. Sonata No. 3
04. Sonata No. 4
05. Sonata No. 5
06. Sonata No. 6

Georg Muffat

Armonico Tributo
07. Sonata No.2 In G Minor

Johann Rosenmüller
08. Sonata No.7 A 4

Samuel Scheidt
09. Paduan A 4

Johann Heinrich Schmelzer

Sacro-Profanus Concentus Musicus
10. Sonata No. 7 A 5
11. Souata No. 9 A 5

Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord / organ

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 17:
Johann Jakob Froberger
01. Capriccio No. 2
02. Fantasia No. 3
03. Toccata No. 11, “Da Sonarsi Alla Levatione”
04. Ricercar No. 2
05. Canzona No. 2
06. Toccata No. 9

Suite No. 18
07. I Allemande
08. II Gigue
09. III Courante
10. IV Sarabande
11. Toccata No. 18

Suite No. 12
12. I Lamento Sopra La Dolorosa Perdita Della Real Msta
Di Ferdinando IV, Re De Romani (Allemande) – Gigue
13. II Courante
14. III Sarabande

Gustav Leonhardt, organ / harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 18:
Johann Kuhnau

Musicausche Vorstellung Einiger Biblischer Historien
Musical Depiction Os Certain Biblical Stories
Representation Musicale De Quelques Histoires Bibliques

01-10. Sonata No. 1: Der Streit Zwischen David Und Goliath
The Combat Between David And Goliath
Le Combat Entre David Et Goliath

11-14. Sonata No. 2: Der Von David Vermittelst Der Music Curirte Saul
Saul Healed By David With The Help Of Music
Sauel Gueri Par David Grace A La Musique

15-23. Sonata No. 3: Jacobs Heyrath
The Marriage Of Jacob – Le Marriage De Jacob
Gustav Leonhardt, organ / harpsichord / narration

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mestre!

Mestre!

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

.: interlúdio :. Milt Jackson & John Coltrane – Bags & Trane

51lRi9eV21L._SL500_AA280_A primeira vez em que ouvi esta versão de “Be-Bop” foi em uma coletânea, um LP duplo, e fiquei impressionado. E não poderia deixar de ficar, afinal foi esta lendária música que nomeou o ritmo de jazz que se tornaria famoso no mundo inteiro, e que revelou gente com Dizzie Gillespie, Charlie Parker, Miles Davis, Coltrane entre tantos outros. E o que Coltrane e Jackson fazem aqui é de arrepiar.
Milton Jackson e John Coltrane são duas lendas no mundo do jazz, disso ninguém em sã consciência duvida. E o resultado da parceria desta dupla só poderia ser esse disco, “Bags & Trane”, fácil, fácil, classificável como um dos melhores discos de jazz gravados na história da indústria fonográfica. Ele é tão perfeito que fica difícil qualquer comentário, a única coisa que posso dizer aos senhores é para ouvir e ouvir e ouvir, e não esqueçam de ouvir inteiro, novamente, para preencherem seus cérebros com o que de melhor produziram dois dos maiores gênios da música do século XX.  Lhes garanto que após sua audição irão enxergar o mundo com outros olhos, e um sorriso lhes vai brotar nos lábios quando lembrarem que quando chegarem em casa, este disco vai estar lhes esperando para ser ouvido, novamente.

Milt Jackson & John Coltrane – Bags & Trane

01 – Bags & Trane
02 – Three Little Words
03 – The Night We Called It A Day
04 – Be-Bop
05 – The Late Late Blues
06 – Stairways To The Stars (bonus track)
07 – Blue Legacy (bonus track)
08 – Centerpiece (bonus track)

John Coltrane (tenor saxophone)
Milt Jackson (vibraphone);
Hank Jones (piano);
Paul Chambers (bass);
Connie Kay (drums)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Antonio Vivaldi (1678-1741) & J. S. Bach (1685-1750): Cello Sonatas


Bach escreveu originalmente estas sonatas para a viola da gamba e o cravo. Curiosamente, o cravo é tratado como um instrumento concertante ao invés de limitar-se ao obligato, não obstante a viola da gamba ocupar a posição de virtuosidade que tinha alcançado no final do período barroco alemão. É música de primeira linha, principalmente as BWV 1027 e 1029.

Nesta gravação feita em violoncelo e piano os engenheiros da DG tiveram o cuidado de não dar proeminência a qualquer instrumento sobre o outro, o que assegura a clareza de textura. Mas, sabemos, não obstante a categoria de Maisky e Argerich, não é uma interpretação que os puristas aprovariam. Já no Vivaldi a coisa foi mais tranquila. As sonoridades são mais próximas do original e, apesar de a música ser inferior a de Bach, flui muito bem. Adoro Vivaldi, mas qualquer coisa fica meio bobinha quando próximas a Bach, Beethoven, Brahms e Bartók.

Vivaldi & Bach: Cello Sonatas

J.S. Bach · Cello Sonata No.1 in G major BWV 1027
1. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 1 in G major, BWV 1027: Adagio
2. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 1 in G major, BWV 1027: Allegro ma non tanto
3. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 1 in G major, BWV 1027: Andante
4. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 1 in G major, BWV 1027: Allegro moderato
Mischa Maisky, violoncelo
Martha Argerich, piano

Antonio Vivaldi · Cello Concerto in A minor RV 418
5. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in A minor, RV 418: Allegro
6. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in A minor, RV 418: Largo
7. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in A minor, RV 418: Allegro
Mischa Maisky, violoncelo
Orpheus Chamber Orchestra

J.S. Bach · Cello Sonata No.2 in D major BWV 1028
8. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 2 in D major, BWV 1028: Adagio
9. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 2 in D major, BWV 1028: Allegro
10. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 2 in D major, BWV 1028: Andante
11. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 2 in D major, BWV 1028: Allegro
Mischa Maisky, violoncelo
Martha Argerich, piano

Antonio Vivaldi · Cello Concerto in B minor RV 424
12. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in B minor, RV 424: Allegro non molto
13. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in B minor, RV 424: Largo
14. Cello Concerto, for cello, strings & continuo in B minor, RV 424: Allegro
Mischa Maisky, violoncelo
Orpheus Chamber Orchestra

J.S. Bach · Cello Sonata No.3 in G minor BWV 1029
15. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 3 in G minor, BWV 1029: Vivace
16. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 3 in G minor, BWV 1029: Adagio
17. Sonata for viola da gamba & keyboard No. 3 in G minor, BWV 1029: Allegro

Mischa Maisky, violoncelo
Martha Argerich, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mischa hoje

Mischa hoje

PQP

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sonata para Violino / Sonata para Viola (com Orquestra de Cordas!)


É a mesma postagem que fiz ontem? É e não é.

Gidon Kremer e sua KREMERata Baltica costumam fazer abordagens criativas e competentes a repertórios aos quais estamos acostumado a ouvir da forma original. Ele e seu conjunto foram extremamente felizes nesta recriação destas obras finais de Shosta. Poderiam cair no ridículo, mas vão lá no fundo e voltam com pérolas.

Baita CD!

Shostakovich (1906-1975): Sonata para Violino / Sonata para Viola (com orquestração!)

1. Sonata for Violin and Piano, Op.134 – 1. Andante Gidon Kremer 10:56
2. Sonata for Violin and Piano, Op.134 – 2. Allegretto Gidon Kremer 6:30
3. Sonata for Violin and Piano, Op.134 – 3. Largo – Andante – Largo Gidon Kremer 15:03

Orchestrated by Michail Zinman; percussion arranged by Andrei Pushkarev

4. Sonata for Viola and Piano, Op.147 – 1. Moderato Yuri Bashmet 11:40
5. Sonata for Viola and Piano, Op.147 – 2. Allegretto Yuri Bashmet 7:04
6. Sonata for Viola and Piano, Op.147 – 3. Adagio Yuri Bashmet 17:00

Orchestrated by Vladimir Mendelssohn

Gidon Kremer (violino)
Yuri Bashmet (viola)
Kremerata Baltica

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Shostakovich, uma vida nem sempre tão fácil quanto o momento desta foto familiar

Shostakovich, uma vida nem sempre tão fácil quanto o momento desta foto familiar

PQP

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sonata para Violino / Sonata para Viola


IM-PER-DÍ-VEL !!!

A Sonata para Violino é muitíssimo boa, mas a para viola é ainda melhor. Este é um grande disco, deem só uma espreitadinha nos músicos…

A Sonata para Viola é a última composição de Shostakovich e uma de minhas preferidas. Ele começou a escrevê-la em 25 de junho de 1975 e, apesar de ter sido hospitalizado por problemas no coração e nos pulmões neste ínterim, terminou a primeira versão rapidamente, em 6 de julho. Para piorar, os problemas ortopédicos voltaram: “Eu tinha dificuldades para escrever com minha mão direita, foi muito complicado, mas consegui terminar a Sonata para Viola e Piano”. Depois, passou um mês revisando o trabalho em meio aos novos episódios de ordem médica que o levaram a falecer em 9 de agosto.

Sentindo a proximidade da morte, Shostakovich escreveu que procurava repetir a postura estóica de Mussorgsky, que teria enfrentado o inevitável sem auto-comiseração. E, ao ouvirmos esta Sonata, parece que temos mesmo de volta alguma luz dentro da tristeza das últimas obras. A intenção era a de que o primeiro movimento fosse uma espécie de conto, o segundo um scherzo e o terceiro um adágio em homenagem a Beethoven. O resultado é arrasadoramente belo com o som encorpado da viola dominando a sonata.

Os primeiros compassos da Sonata ao Luar, de Beethoven, uma obra que Shostakovich frequentemente executava quando jovem pianista, é citada repetidamente no terceiro movimento, sempre de forma levemente transformada e arrepiante, ao menos no meu caso… O scherzo possui uma marcha e vários motivos dançantes, retirados de uma outra ópera baseada em Gógol — seria sua segunda ópera composta sobre histórias do ucraniano, pois, na sua juventude ele já escrevera O Nariz (1929) — que tinha sido abandonada há mais de trinta anos. Outras alusões são feitas nesta sonata. Há pequenas citações da 9ª Sinfonia (de Shostakovich), da 4ª de Tchaikovski, da 5ª de Beethoven, da Sonata Op.110 de Beethoven, de Stravinsky, Mahler e Brahms. E a abertura da Sonata utiliza trecho do Concerto para Violino de Alban Berg, também conhecido pelo nome de “À memória de um anjo”, o qual é dedicado à filha de Alma Mahler, Manon, morta aos 18 anos, com poliomielite.

Creio não ser apenas invenção deste ouvinte- – há uma constante interferência do inexorável nesta música, talvez sugerida pela intromissão de temas de outros compositores na partitura, talvez sugerida pela atmosfera melancólica da sonata, talvez por meu conhecimento de que ouço um réquiem. O fato é que Shostakovich estava aguardando.

Shostakovich morreu sem ouvir a sonata, que foi estreada num concerto privado no dia 25 de setembro de 1975, data em que faria 69 anos.

Shostakovich: Sonatas for Violin and Viola / Kagan, Richter, Bashmet (2003)

01. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – I. Andante / 11:30
02. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – II. Allegretto / 7:00
03. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – III. Largo / 14:58

04. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – I. Moderato / 11:10
05. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – II. Allegretto / 6:19
06. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – III. Adagio / 17:03

Oleg Kagan (Violin)
Yuri Bashmet (Viola)
Sviatoslav Richter (Piano)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Shostakovich, uma vida não tão tranquila assim

Shostakovich, uma vida não tão tranquila assim

PQP

Antonin Dvorák (1841-1904): Cello Concerto – "Dumky" Trio – Queyras – Faust – Prague Philharmonia


Belo e ensolarado domingo, e nada como um belo e bem interpretado Concerto para Violoncelo de Dvorák para tornar o dia ainda mais agradável. Não entendo como o mano PQP pode não gostar deste compositor mas tudo bem, cada um tem seu gosto e isso aprendi a respeitar nas pessoas.

Já trouxe outras duas versões para esta mesma obra, primeiramente a mais consagrada de todas, com um dos maiores violoncelistas do século XX, quem sabe talvez o maior deles, Rostropovich. Para muitos, trata-se da gravação definitiva. Pode ser. Particularmente, a minha favorita é com o Pierre Fournier, mas não vem ao caso discutir isso aqui agora.

Posteriormente trouxe outra gravação, desta vez com a Jacqueline Du Pré, que viveu pouco entre nós, mas que deixou sua marca.

Hoje trago mais uma gravação deste concerto, e desta vez é com o jovem Jean-Guihen Queyras. Resolvi dar voz aos novos intérpretes, e quando se trata de uma gravação da Harmonia Mundi precisamos prestar atenção ao que vem pela frente, pois geralmente se trata de material de primeira qualidade.

“Beauty. Slow Beauty”!, “This is a great one”, “ How Do You Spell ‘magnificent’ in Czech?”, são alguns dos comentários dos clientes da amazon, que deram 5 estrelas para este CD, e tenho de concordar com eles.

A Orquestra que acompanha o jovem Jean-Guihen é a The Prague Philharmonia regida por Jíri Belohlavek, que faz um belo trabalho, diga-se de passagem.

A outra obra que vem junto deste cd é o trio mais conhecido de Dvorák, o “Dumky” Trio. Sugiro uma leitura do texto do libretto que acompanha o cd. Nesta obra, Queyras é acompanhado pela violinista Isabelle Faust, e pelo pianista Alexander Melnikov.

Mas vamos ao que interessa:

Antonin Dvorák (1841-1904) – Cello Concerto – “Dumky” Trio

01 – Concerto pour violoncelle – I. Allegro
02 – Concerto pour violoncelle – II. Adagio ma non troppo
03 – Concerto pour violoncelle – III. Allegro moderato
04 – Trio n 4 ‘Dumky’ – I. Lento maestoso – Allegro quasi doppio movimento
05 – Trio n 4 ‘Dumky’ – II. Poco adagio – Vivace non troppo
06 – Trio n 4 ‘Dumky’ – III. Andante – Vivace non troppo
07 – Trio n 4 ‘Dumky’ – IV. Andante moderato – Allegretto scherzando
08 – Trio n 4 ‘Dumky’ – V. Allegro
09 – Trio n°4 ‘Dumky’ – VI. Lento maestoso – Vivace

Jean-Guihen Queyras – Cello
Isabelle Faust – Violin
Alexander Melnikov – Piano
The Prague Philharmonia
Jiri Behlolávek – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Jean-Guihen Queyras

Jean-Guihen Queyras

FDP Bach

Alfvén, Larsson, Peterson-Berger, Sibelius: Scandinavian masterworks

escandinavia(Post antigo de CVL. PQP Bach estava ouvindo o CD, notou que este estava com o link quebrado e o reativou. Coisa rara, não se acostumem…).

Este post é para o mano FDP, cultuador do repertório romântico. Repertório muito bonito e tipicamente nórdico: sei que vocês irão começar a ouvir da faixa 10 pra frente, mas antes de partir direto pra Sibelius, vale a pena conhecer a primeira rapsódia sueca de Alfvén – encantadora.

***

Scandinavian masterworks

1. Hugo Alfvén (1872-1960) – Vigília da meia-noite (Rapsódia sueca n° 1, op. 19)
2-4. Lars-Erik Larsson (1928-1986) – Suíte pastoral
a. Abertura – adagio
b. Romance – adagio
c. Scherzo – vivace
5-9. Wilhelm Peterson-Berger (1867-1942) – As flores de Frösö, Suíte orquestral n° 1
a. Canção de verão – andante
b. Na igreja de Frösö – lento
c. Às rosas – moderato, poco rubato
d. Parabéns: liggiero con gracia
e. Saudações – semplice e dolce
10. Jean Sibelius (1865-1957) – O cisne de tuonela, op. 22/3
11. Sibelius – Finlândia, op. 26
12. Sibelius – Valsa triste, da Suíte Kuolema, op. 44/1

Todas as peças são interpretadas pela Orquestra da Ópera de Sófia, sob regência de Ivan Marinov

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CVL

Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia No. 5 (Haitink)

Mahler devia estar irritado e decidiu escrever uma sinfonia realmente complicada para seus músicos sofrerem bastante. Mas, como estou com pouco tempo, transcrevo a informação que tem na Wiki. Depois da cobertura das eleições de ontem, tenho até dificuldade em lembrar meu nome:

Na opinião do crítico e historiador musical Deryck Cooke, a quinta sinfonia de Mahler possui caráter “esquizofrênico”, já que nela, convivem perfeitamente separados o mais trágico e o mais alegre dos mundos. Consta de cinco movimentos, sendo os dois primeiros quase temáticos, explorando o lado trágico da vida. O primeiro movimento, uma escura marcha fúnebre, começa com uma fanfarra de trompetes que aparecerá repetidamente, dando-lhe uma atmosfera especial de inquietude e desolação. O segundo, um frenético allegro, muda completamente o espírito do movimento anterior; seu caráter histérico alterna com o de marcha fúnebre, onde ao final da exposição parece triunfar um relativo otimismo, para cair novamente na angústia e na escuridão. É no scherzo, do terceiro movimento, que surge com maior clareza o citado caráter esquizofrênico, em absoluta contradição com a atmosfera nihilista anterior, saltamos, sem solução de continuidade, à visão mais alegre da vida. São dois modos de ver a existência impossível de reconciliar. Tanto o ländler como a valsa do trio estão, ainda com seu ar de nostalgia, muito longe do desespero inicial da sinfonia. O famoso adagietto para cordas e harpas, constituindo o Quarto movimento, é um remanso de paz entre a força do scherzo e do último movimento, estando impregnado de um desejo de distanciar-se das tensões e lutas para refugiar-se da solidão interior. O quinto movimento finale, parte de motivos populares, possuindo um caráter exuberante e alegre. Em seu clímax final recupera e funde o caráter angustiante dos primeiros dois movimentos com a alegria dos últimos, combinando assim os elementos tão díspares de escuridão e luz que convivem na Sinfonia.

Gustav Mahler (1860-1911) – Sinfonia No. 5

01 – Trauermarsch
02 – Sturmisch bewegt. Mit groBter Vehemenz
03 – Scherzo (Kraftig nicht zu schnell)
04 – Adagietto (Sehr langsam)
05 – Rondo Finale (Allegro)

Concertgebouw Orchestra, Amsterdam
Bernard Haitink, regente

BAIXAR AQUI — DOWNLOAD HERE

Bernard Haitink: um de meus regentes preferidos

Bernard Haitink: um de meus regentes preferidos

PQP

Thomas Arne (1710-1778): Artaxerxes

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Durante quase trezentos anos os ingleses foram tiranizados com a maior TORTURA e CENSURA a qual um povo foi submetido. Como se não bastasse a MEDONHA RAINHA VITÓRIA — , eles eram obrigados a ingerir COMIDA INTRAGÁVEL e a OUVIR MÚSICA RUIM. Imaginem um povo que foi de tal modo cerceado que nada, mas absolutamente nada, houve entre PURCELL e BRITTEN.

POBRES INGLESES, ABANDONADOS NAQUELA ILHA ÚMIDA SEM MÚSICA!

A CENSURA apenas valia para os NATIVOS, pois aos COMPOSITORES IMPORTADOS era permitido FLANAREM LIVREMENTE compondo obras-primas, casos de HANDEL e HAYDN.

Porém, houve um cidadão que conseguiu FURAR O BLOQUEIO imposto pela censura pré e pós vitoriana compondo a ÚNICA OBRA DE VERDADEIRA ARTE MUSICAL daquele sofrido país insular. É com o coração na mão e peito CONFRANGIDO que anuncio a grande ópera ARTAXERXES, composta pelo DESTEMIDO e INCONFORMADO Thomas ARNE, o qual, cansado das MULHERES HORROROSAS, da COMIDA VOMITANTE e, PRESCIENTE, já prevendo a música LASTIMÁVEL de ELGAR e NYMAN, logrou mover a ilha em DIREÇÃO À BOA MÚSICA.

Os ingleses — TODOS REFUGIADOS NA LITERATURA — ficaram ABISMADOS com Artaxerxes e — após décadas de MÚSICA DE MERDA e COMIDA PODRE — mal puderam AVALIAR a obra que lhes chegara pelas artes deste ARNE não-SAKNUSSEN.

É com extremo ORGULHO que PQP BACH lhes apresenta a REDENÇÃO de todo um povo amordaçado… O resto vocês já aprenderam.

É como se, em plena MISÉRIA GASTRONÔMICA, lhes aparecesse sem maior aviso NIGELLA — uma CHEF que, como se não lhe bastasse a COMIDA, ainda fosse TESUDA e GOSTOSA. Ou seja, uma novidade DE CABO A RABO!

Thomas ARNE e seu ARTAXERXES foi isso, uma Nigella Lawson em meio aos rosbifes sem tempero da FEIOSA Rainha Vitória. E baixem logo este grande CD, antes que eu me IRRITE.

Thomas Augustin Arne: Artaxerxes

Disc: 1
1. Artaxerxes: Overture: Poco piu che andante – Larghetto – Gavotta
2. Artaxerxes: Act 1, Recit: Still Silence Reigns Around (Mandane)
3. Artaxerxes: Act 1, Duettino: Fair Aurora, Pr’ythee Stay (Mandane, Arbaces)
4. Artaxerxes: Act 1, Recit: Alas, Thou Know’st That For My Love Of Thee (Arbaces)
5. Artaxerxes: Act 1, Air: Adieu, Thou Lovely Youth (Mandane)
6. Artaxerxes: Act 1, Recit: O Cruel Parting! (Mandane)
7. Artaxerxes: Act 1, Air: Amid A Thousand Racking Woes (Arbaces)
8. Artaxerxes: Act 1, Recit: Be Firm My Heart (Artabanes)
9. Artaxerxes: Act 1, Air: Behold, On Lethe’s Dismal Strand (Artabanes)
10. Artaxerxes: Act 1, Recit: Stay, Artaxerxes, Stay (Semira)
11. Artaxerxes: Act 1, Air: Fair Semira, Lovely Maid (Artaxerxes)
12. Artaxerxes: Act 1, Recit: I Fear Some Dread Disaster (Semira)
13. Artaxerxes: Act 1, Air: When Real Joys We Miss (Rimenes)
14. Artaxerxes: Act 1, Recit: Ye Gods, Protectors Of The Persian Empire (Semira)
15. Artaxerxes: Act 1, Air: How Hard Is The Fate (Semira)
16. Artaxerxes: Act 1, Recit: Where Do I Fly? (Mandane)
17. Artaxerxes: Act 1, Air: Thy Father! Away, I Renounce The Soft Claim (Artabanes)
18. Artaxerxes: Act 1, Recit: Ye Cruel Gods, What Crime Have I Committed? (Arbaces)
19. Artaxerxes: Act 1, Air: Acquit Thee Of This Foul Offence (Semira)
20. Artaxerxes: Act 1, Recit: Appearance, I Must Own, Is Strong Against Me (Arbaces)
21. Artaxerxes: Act 1, Air: O Too Lovely, Too Unkind (Arbaces)
22. Artaxerxes: Act 1, Recit (Accomp): Dear And Beloved Shade Of My Dead Father (Mandane)
23. Artaxerxes: Act 1, Air: Fly, Soft Ideas, Fly (Mandane)
24. Artaxerxes: Act 2, Recit: Guards, Speed Ye To The Tower (Artaxerxes)
25. Artaxerxes: Act 2, Air: In Infancy, Our Hopes An Fears (Artaxerxes)
26. Artaxerxes: Act 2, Recit: So Far My Great Resolve Succeeds (Artabanes)
27. Artaxerxes: Act 2, Air: Disdainful You Fly Me (Arbaces)
28. Artaxerxes: Act 2, Recit: Why, My Dear Friend, So Pensive, So Inactive? (Rimenes)
29. Artaxerxes: Act 2, Air: To Sigh And Complain (Rimenes)
30. Artaxerxes: Act 2, Recit: How Many Links To Dire Misfortune’s Chain! (Semira)
31. Artaxerxes: Act 2, Air: If O’er The Cruel Tyrant Love (Mandane)
32. Artaxerxes: Act 2, Recit: Which Fatal Evil Shall I First Oppose? (Semira)
33. Artaxerxes: Act 2, Air: If The River’s Swelling Waves (Semira)
Disc: 2
1. Artaxerxes: Act 2, Recit: Ye Solid Pillars Of The Persian Empire (Artaxerxes)
2. Artaxerxes: Act 2, Air: By That Belov’d Embrace (Arbaces)
3. Artaxerxes: Act 2, Recit: Ah Me! At Poor Arbaces Parting (Mandane)
4. Artaxerxes: Act 2, Air: Monster, Away! (Mandane)
5. Artaxerxes: Act 2, Recit: See, Lov’d Semira! (Artaxerxes)
6. Artaxerxes: Act 2, Air: Thou, Like The Glorious Sun (Artabanes)
7. Artaxerxes: Act 3, Arietta: Why Is Death For Ever Late (Arbaces)
8. Artaxerxes: Act 3, Recit: Arbaces! (Artaxerxes)
9. Artaxerxes: Act 3, Air: Water Parted From The Sea (Arbaces)
10. Artaxerxes: Act 3, Recit: That Front, Secure In Conscious Innocence (Artaxerxes)
11. Artaxerxes: Act 3, Air: Tho’ Oft A Cloud, With Envious Shade (Artaxerxes)
12. Artaxerxes: Act 3, Recit: My Son, Arbaces – Where Art Thou Retir’d? (Artabanes)
13. Artaxerxes: Act 3, Air: O Let The Danger Of A Son (Rimenes)
14. Artaxerxes: Act 3, Recit (Accomp): Ye Adverse Gods! (Artabanes)
15. Artaxerxes: Act 3, Air: O, Much Lov’d Son, If Death (Artabanes)
16. Artaxerxes: Act 3, Recit: Perhaps The King Releas’d Arbaces (Mandane)
17. Artaxerxes: Act 3, Air: Let Not Rage Thy Bosom Firing (Mandane)
18. Artaxerxes: Act 3, Recit: What Have I Done! Alas, I Vainly Thought (Semira)
19. Artaxerxes: Act 3, Air: ‘Tis Not True, That In Our Grief (Semira)
20. Artaxerxes: Act 3, Recit: Nor Here My Searching Eyes Can Find Mandane (Arbaces)
21. Artaxerxes: Act 3, Duetto: For Thee I Live, My Dearest (Arbaces, Mandane)
22. Artaxerxes: Act 3, Recit: To You, My People, Much Belov’d, I Offer (Artaxerxes)
23. Artaxerxes: Act 3, Air: The Soldier, Tir’d Of War’s Alarms (Mandane)
24. Artaxerxes: Act 3, Recit: Behold My King, Arbaces At Thy Feet (Arbaces)
25. Artaxerxes: Act 3, Chorus: Live To Us, To Empire Live

Artaxerxes – CHRISTOPHER ROBSON countertenor
Arrabanes – IAN PARTRIDGE tenor
Arbaces – PATRICIA SPENCE mezzo soprano
Rimenes – RICHARD EDGAR-WILSON tenor
Mandane – CATHERINE BOTT soprano
Semira – PHILIPPA HYDE soprano
Chorus – COLIN CAMPBELL, CHARLES GIBBS bass

THE PARLEY OF INSTRUMENTS
ROY GOODMAN conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

E daí, magrão?

E daí, magrão?

PQP

Edvard Grieg (1843-1907) – Concerto for Piano and Orchestra in A minor,Op. 16, Robert Schumann (1810-1856) – Concerto for Piano and Orchestra in A minor, Op. 54 e Concert Piece for Piano and Orchestra in G major, Op. 92

Excelente este disco! Traz dois importantes concertos para piano e orquestra – que geralmente aparecem sempre juntos em discos – o norueguês Edvard Grieg e o alemão Robert Schumann. São dois concertos essencialmente românticos, com passagens de grande beleza e inspiração. O concerto de Grieg em específico é uma obra docemente arejada e de grande virtuosismo. A condução fica a cargo do grande regente americano Eugene Ormandy, gravação realizada no ano de 1958. O outro concerto – o de Schumann – já é bastante conhecido e revela toda a profusão de sentimentos tão costumeiros nos trabalhos do alemão. Vale a pena ouvir. Continuamos com nossa homenagem a Grieg. Não deixe de ouvir. Uma boa apreciação!

Edvard Grieg (1843-1907) - 

Concerto for Piano and Orchestra in A minor,Op. 16
01. I. Allegro molto moderato
02. II. Adagio – attacca
03. III. Allegro moderato molto e marcato – Quasi Presto – Andante maestoso

Philippe Entremont, piano

Robert Schumann (1810-1856) -

Concerto for Piano and Orchestra in A minor, Op. 54
04. I. Allegro affettuoso
05. II. Intermezzo. Andantino grazioso – attacca
06. III. Allegro vivace

Concert Piece for Piano and Orchestra in G major, Op. 92
07.  I. Introduktion und Allegro appassionato

Rudolf Serkin, piano

Philharmonia Orchestra
Eugene Ormandy, regente

BAIXAR AQUI

null

Sabia das coisas!

Carlinus

Brahms, Rachmaninov, Schubert, Ravel: Martha Argerich & Nelson Freire — Salzburg

IM-PER_DÍ-VEL !!!

Um CD perfeito, impecável. Registro ao vivo do concerto apresentado pelos pianistas no Festival de Salzburgo em 2009, este Salzburg é uma enorme demonstração não apenas de talento, mas da integração entre dois artistas de primeiríssima linha. Argerich e Freire são grandes amigos, talvez mais do que isso, e têm há anos estas peças em seu repertório. Apresentaram-nas em Porto Alegre faz uns oito anos e, quando dos autógrafos, levei um vinil com parte daquele repertório gravado pelos dois. A capa (abaixo) era quente, com Martha e Nélson encarando-se como se fossem se atirar um sobre o outro. Martha olhou a capa, pôs a mão sobre a boca, olhou para mim, olhou para a capa e escreveu algo assim: “Mira, yo no era la bruja que soy hoy!”. Me entregou o disco com um enorme sorriso e perguntou se eu tinha gostado do concerto. Respondi com a obviedade esperada. Li a dedicatória. Gaguejei, mas saiu alguma coisa como “Imagina, tu não és e nunca serás uma bruxa!”. Ao lado, Freire leu a dedicatória de Martha, sorriu e apenas assinou ao lado. Tenho o disco até hoje, claro, é uma das minhas poucas relíquias.

A tal capa está no final do post.

Brahms, Rachmaninov, Schubert, Ravel: Martha Argerich & Nelson Freire — Salzburg

Johannes Brahms (1833-1897) — Variations on a Theme by Haydn, ‘St Antoni Chorale’, Op. 56b
1. Variations On A Theme By Haydn,”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Chorale St. Antoni: Andante 2:01
2. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. I: Andante Con Moto (Poco Più Animato) 1:01
3. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. II: Più Vivace 0:57
4. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. III: Con Moto 1:45
5. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. IV: Andante Con Moto 1:45
6. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. V: Poco Presto (Vivace) 0:53
7. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. VI: Vivace 1:15
8. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. VII: Grazioso Martha Argerich 2:47
9. Variations On A Theme By Haydn, “St. Anthony Variations”, Op. 56b – Var. VIII: Poco Presto 0:49
10. Variations On A Theme By Haydn, ”St. Anthony Variations”, Op. 56b – Finale: Andante 3:55

Sergei Rachmaninov (1873-1943) — Symphonic Dances, Op. 45
11. Symphonic Dances, Op.45 – Two Pianos – 1. Non Allegro 11:17
12. Symphonic Dances, Op.45 – Two Pianos – 2. Andante Con Moto (Tempo Di Valse) 8:11
13. Symphonic Dances, Op.45 – Two Pianos – 3. Lento Assai – Allegro Vivace 12:30

Franz Schubert (1797-1828) — Rondo for Piano 4 hands in A major, D 951 “Grand Rondo”
14. Grand Rondeau In A Major, D 951 – Allegretto Quasi Andantino 11:10

Maurice Ravel (1875-1937) — La valse
15. La Valse – Poème Choréographique – La Valse – Poème Choréographique 12:09

Martha Argerich e Nélson Freire, pianos

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Quente.

Quente.

PQP

Henry Purcell (1659-1695), John Dowland (1563-1626), William Lawes (1602–1645), John Coprario (c.1575-1626), William Byrd (c. 1543-1623), Thomas Simpson (16th c.-17th c.), Thomas Lupo (1571-1627), Thomas Morley (1557-1602), John Bull (c.1562-1628), Thomas Tomkins (1572-1656), Orlando Gibbons (1583-1625), Giles Farnaby (c.1560-1640), William Tisdale (c.1570-c.1604) : The Gustav Leonhardt Edition (CDs 13, 14 e 15 de 21)


IM-PER-DÍ-VEL !!!

Toda a série aqui, ó.

Eu tenho um blog sobre literatura e otras cositas. Lá, invisto um pouco mais de angústia. Aqui, é pura diversão. Mas, uma vez, fiquei muito decepcionado com o PQP. Lembrei disto hoje, ao ver que quase toda a lista de compositores acima já tinha sua categoria no blog, apesar de não possuir posts correspondentes. Acontece que tivemos um participante do blog que postava muita música elisabetana e música do barroco francês, além de Debussy, Schubert e tudo aquilo que se referisse a Alfred Brendel. Este participante avisou que não teria mais tempo para postar e que se retiraria. OK, sem problemas. Só que, sem avisar, ele deletou todos os seus posts e ficamos destituídos de um verdadeiro tesouro. Até hoje tento entender o que o levou a fazer aquilo. Falei com ele, perguntando-lhe o motivo do tresloucado ato. A resposta foi: “Ora, estava saindo, achei natural deletar”… Bem, deixemo-lo de lado. Cada um tem de cuidar da própria loucura.

Estes são os discos mais sem graça da coleção. Os Purcell, como sempre, são ótimos, mas o resto… É só legalzinho, divertidozinho, maisoumenoszinho… Putz, fiquei de mau humor ao lembrar das deleções. Tenho quase todos os arquivos comigo, mas que coisa irritante!

The Gustav Leonhardt Edition (CDs 13, 14 e 15 de 21)

CD 13:
Henry Purcell
01. Overture In D Minor, Z771
02. Pavan In B Flat Major, Z750
03. Ground In D Minor, Z222
04. Overture (With Suite) In G Major, Z770
05. Pavan In A Minor, Z749
06. Fantasia (Chaconne): Three Parts On A Ground In D Major, Z731
07. Overture In G Minor, Z772
08. Suite In D Major, Z667
09. Pavan Of Four Parts In G Minor, Z752
10. Sefauchi’s Farewell In D Minor, Z656
11. A New Ground In E Minor, Z682
12. Sonata In A Minor, Z804
13. Fantasia A 4 No. 7
14. Fly Swift, Ye Hours
15. The Father Brave
16. Return, Revolting Rebels

Max Van Egmond, bass (14-16)
Bruegen-Consort (13)
Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord / organ

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 14:
John Dowland
01. Pavan In C Major

William Lawes
02-04. Suite: No. 1 In C Minor
05-06. Suite No. 2 In F Major
07-09. Sonata No.7 In D Minor
10. In Nomine (From Suite No. 3 In B flat Major)

John Coprario
11. Fantasia
12-14. Suite

William Byrd
15. Pavan
16. Galliard
17. Fantasia No. 2
18. Fantasia No. 3

Thomas Simpson
19. Ricercar, “Bonney Sweet Robin”

Thomas Lupo
20. Fantasia

Veronika Hampe, alto viol (18)
Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord / organ / bass viol

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 15:
William Byrd
01-03. Pavan – Galliard – Miserere

Thomas Morley
04-05. Nancie – Fantasia

John Bull
06. Fantasia On Ut Re Mi Fa Sol La, “Hexachord Fantasia”
07. The Duchess Of Brunswick’s Toy (Most Sweet And Fair)

John Dowland
Arr. William Randall mid-16th Century – 1604
08. Lachrimae
09. Galliard, “Can She Excuse My Wrongs”

Thomas Tomkins
10. Pavan
11. Gaillard
12. Sad Pavan For These Distracted Times

Orlando Gibbons
13. Pavan

Giles Fahnaby
14-15. Fantasia – Spagnioletta

William Tisdale Fl. Late 16th Century
16. Pavana Chromatica, “Mrs Katherin Tregians Pavan”

Anon.
17. A Toye

Leonhardt-Consort / Gustav Leonhardt, harpsichord / organ / virginal

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sim, esse monstro de talento ainda tocava órgão.

Sim, esse monstro de talento ainda tocava órgão.

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

.: interlúdio :. Joshua Redman: Beyond

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Grande CD de Redman, apenas com temas originais. Reclamam que Redman é muito delicado e tradicional, mas que diabos, ele é muito bom! O disco foi gravado no ano de 2000, quando ele recém completara 30 anos. São 73 minutos de grande música com um grupo pra lá de competente onde se destacam o pianista Goldberg e o segundo sax de Turner. Destaques para Belonging e Neverend.

Joshua Redman: Beyond

1. Courage (Asymmetric Aria) 7:34
2. Belonging (Lopsided Lullaby) 5:50
3. Neverend 4:27
4. Leap Of Faith 9:06
5. Balance 9:05
6. Twilight…And Beyond 11:00
7. Stoic Revolutions 6:13
8. Suspended Emanations 6:22
9. Last Rites Of Rock ‘n’ Roll 7:05
10. A Life? 6:51

Joshua Redman – Tenor Saxophone
Mark Turner – Tenor Saxophone
Aaron Goldberg – Piano
Reuben Rogers – Bass
Gregory Hutchinson – Drums

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Joshua Redman

Joshua Redman

PQP

.: interlúdio :. SaGrama – Tenha modos

sagc

Dia desses postei um CD do Mawaca, um dos dois grupos mais originais que vi aparecer no Brasil nos últimos anos. O outro é o SaGrama, que assinou a trilha sonora do filme e seriado O Auto da Compadecida e já lançou sete CDs. O sexto deles é este daqui, misturando composições de músicos pernambucanos e do próprio grupo [o conjunto é formado por músicos recifenses e nasceu no Conservatório Pernambucano de Música] relacionadas ao rico carnaval de Pernambuco.

Achei uma matéria do dia do lançamento do CD, para maiores informações.

Quinta-feira, 19 de Abril de 2007
Sa Grama faz concerto aberto
Michelle de Assumpção
Da equipe do Diário

O teatro Santa Isabel recebe esta noite um grupo mais que sintonizado com os ensinamentos da música folclórica de leitura erudita. Um representante armorial, digamos, mesmo que seus integrantes não vistam essa bandeira de forma a sintonizar com a política cultural do governo do estado de Pernambuco. O fato é que, formado por professores e músicos eruditos em sua maioria, o Sa Grama montou seu repertório a partir de releituras do cancioneiro popular. O CD mais recente, Tenha modos, traz muitas composições próprias do flautista Sérgio Campelo, que foram baseadas nesse universo, mais voltado especificamente para o carnaval. O grupo também contextualiza este momento reeditando alguns clássicos da música carnavalesca, como Evocação nº 1, de Nelson Ferreira, Último dia, de Levino Ferreira, além de músicas contemporâneas, como o afoxé Olinda, de Alceu Valença e o Frevo centenário, de Luiz Guimarães.

O show contará com os convidados especiais que fizeram parte do CD, tais como Spok (nos frevos-de-rua), Maciel Salu (com a rabeca, nos bois de carnaval), Maíra Macedo (bandolim e bandola nos frevos de bloco), Nilsinho Amarante (trombone), Quebra-Baque (grupo do percussionista do Sa Grama, Tarcísio Rezende, que encerra o espetáculo) e da Cia. de Dança Perna de Palco. “A gente já tinha feito exploração de outros gêneros, como do círculo junino e natalino, então resolvemos concentrar no disco o frevo, o maracatu e o afoxé, porque tem gêneros bem interessantes. Pegamos la ursa, boi de carnaval, samba de terreiro – fizemos um samba de terreiro bem rústico, que é de onde vem o samba pernambucano – caboclinhos, frevos de rua e de bloco”, diz Campelo.

Sérgio afirma que o show no Santa Isabel é natural pela origem do próprio Sa Grama, já que dos nove integrantes do grupo, cinco são da Sinfônica do Recife, que tem o teatro como sede. Sobre estarem em sintonia com o movimento armorial, o líder do grupo não acredita que isso possa ser visto como uma conveniência, na era Ariano Suassuna. “Nós temos influência quase que direta do armorial. O Sa Grama passa pelas músicas modais, que é uma característica maior da música armorial, a escala nordestina, a gente passa por esse lado, mas a gente não é um grupo essencialmente armorial, fazemos frevo e isso não está no contexto, Mas somos fãs, somos influenciados”, confessa.

SaGrama
Tenha modos

01. Matruá – Sérgio Campelo
02. Limpa de Cacimba – Cláudio Moura
03. Samba Caboclo – Roberto J Silva, Sérgio Campelo
04. Boi Cipó – Sérgio Campelo
05. Evocação nº1 – Nelson Ferreira
06. Maracatu Nassau – Sérgio Campelo
07. Cintura Amarrada – Sérgio Campelo
08. Olinda – Alceu Valença
09. Banzo Maracatu – Dimas Sedícias
10. Frevo Centenário – Luiz Guimaraes
11. Mordido – Alcides Leão
12. Último Dia – Levino Ferreira
13. Tenha Modos – Sergio Campelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

sagr

CVL
Repostado por PQP
Trepostado por Bisnaga

Franz Schubert – Symphonies nº8 & 9 – Leonard Bernstein, Concertgebow Amsterdam

Leonard_Bernstein-Schubert_Mendelssohn_SchumannDuvido que alguém em sã consciência não tenha especial predileção por estas duas obras primas de Schubert, as sinfonias de nº 8 e 9.  Particularmente, tenho verdadeira adoração pela oitava, principalmente devido ao seu misterioso primeiro movimento, denso, angustiante por vezes, e de uma beleza ímpar. Já ouvi diversas interpretações, todas excelentes, e já declarei aqui mesmo minha veneração pela gravação que o bom velhinho Güenther Wand realizou. Está ali tudo o que quero destas sinfonias.
Já no final de sua vida, Lenny Bernstein realizou uma série de gravações pela DG, com diversas orquestras, e essas leituras de Schubert que ora vos trago com certeza estão entre as melhores que já tive a oportunidade de ouvir. Além de ser um maestro sempre inovador, ele contou com a parceria da Orquestra do Concertgebow de Amsterdam, o que por si só já é uma referência. O som das cordas desta orquestra sempre me deixa arrepiado.
Esse cd faz parte de uma coleção recentemente lançada pela DG, que traz exatamente estas últimas gravações do mítico maestro norte americano. São dezenas de cds, e vou trazer alguns de vez em quando. Vale cada centavo gasto em sua aquisição. Mostra um maestro em sua plenitude e maturidade, com identidade própria, e que nunca temeu as dificuldades que apareceram a sua frente.

1. Symphonie nº 8 – 01-1 Allegro moderato
2. Andante con moto
3. Symphonie nº 9 – 1 Andante-Allegro ma non troppo
4. 2 Andante con moto
5. 3 Scherzo Allegro vivace
6. 4_Allegro_vivace

Concertgebow Amsterdam Orchestra
Leonard Bernstein – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

1097881583_850215_0000000000_sumario_normal

Leonard Bernstein – Um grande maestro, sem dúvida alguma

 

The Debussy Edition – Cds 15 e 16 – Pelléas et Mélissande – Ewing, LeRoux, Van Dam, Ludwig, Wiener Philharmoniker

box frontPelléas et Méllisande foi a única ópera que Debussy compôs. E Claudio Abbado conseguiu reunir um elenco também único para gravá-la. Juntou a juventude de François Le Roux com a experiência de Maria Ewing, Jose van Dam e Christa Ludwig e realizou um dos principais registros já feitos desta obra. “Imense”, “Delicious”, “Ephemeral raindrops in the forest”, “Too deep for tears”, são alguns dos adjetivos utilizados pelos comentaristas e clientes da amazon. Realmente, um primor, em todos os sentidos.
Como a pressa é grande e o tempo urge, como sempre, na Wikipedia os senhores irão encontrar maiores informações sobre a obra, com direito a links para o libretto. Divirtam-se.

CD 1

01. Premier Act – Je ne pourrai plus sortir de cette foret
02. Pourquoi pleures-tu
03. Je suis perdu aussi
04. Voici ce qu’il ecrit son frere Pelleas
05. Qu’en dites-vous
06. Interlude
07. Il fait sombre dans les jardins
08. Hoe! Hisse Hoe!
09. Deuxiéme Act – Vous ne savez pas ou je vous ai menee
10. C’est au bord d’une fontaine
11. Interlude
12. Ah! Ah! Tout va bien
13. Voyons, donne-moi ta main
14. Interlude
15. Oui, c’est ici, nous y sommes
16. Troisième Act – Mes longs cheveux descendent jusqu’au seuil de la tour
17. Je les tiens dans les mains
18. Que faites-vous ici
19. Prenez garde; par ici, par ici

CD 2

01. Interlude – Ah! Je respire enfin!
02. Interlude
03. Viens, nous allons nous asseoir ici, Yniold
04. Qu’ils s’embrassent, petit pere
05. Quatrième Act – Ou vas-tu
06. Maintenant que le pere de Pelleas est sauve
07. Pelleas part ce soir
08. Ne mettez pas ainsi votre main a la gorge
09. Interlude
10. Oh! Cette pierre est lourde
11. C’est le dernier soir
12. Nous sommes venus ici il y a bien longtemps
13. On dirait que ta voix a passe sur la mer au printemps
14. Quel est ce bruit
15. Cinquième Act – Ce n’est pas de cette petite blessure qu’elle peut mourir
16. Attention; je crois qu’elle s’eveille
17. Melisande, as-tu pitie de moi comme j’ai pitie de toi
18. Non, non, nous n’avons pas ete coupables
19. Qu’avez-vous fait
20. Qu’y a-t-il
21. Attention… attention. Il faut parler a voix basse, maintenant

Méllisande – Maria Ewing
Pelléas – François Le Roux
Golaud – Jose van Dam
Geneviève – Christa Ludwig
Arkel – Jean-Phillipe Curtis
Yniold – Patrizia Pace

Konzertvereinigung Wiener Staatsopernchor
Wiener Philharmoniker
Claudio Abbado

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach