Viva Rostropovich! – Concertos para Violoncelo de Prokofiev e Shostakovich

Este CD da Erato, há anos fora do catálogo, é certamente uma das melhores gravações de Rostropovich (1927-2007). Ele já tinha um longo histórico de colaborações com o maestro Seiji Ozawa e, aqui, eles decidiram interpretar dois concertos para violoncelo que foram “escritos para” e “dedicados a” Rostropovich, além dos compositores terem contado com suas sugestões durante o processo de composição. Foram obras-primas criadas entre amigos, por assim dizer.

É absolutamente imperdível.

Sergei Prokofiev (1891-1953)
Sinfonia Concertante para Violoncelo e Orquestra, Op. 125
1. Andante
2. Allegro giusto
3. Andante con moto

Dmitri Shostakovich (1906-1975)
Concerto para Violoncelo e Orquestra, Op. 107
4. Allegretto
5. Moderato
6. Cadenza
7. Allegro con moto

Mstislav Rostropovich, violoncelo
London Symphony Orchestra
Seiji Ozawa, regente

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750) – Sonatas e Partitas para Violino Solo (II)

Custei a encontrar uma boa gravação em CD destas obras fundamentais de papai. Tinha em vinil o registro de Henryk Szeryng, o qual me satisfazia inteiramente. Já na era do CD, importei a gravação do mítico Jasha Heifetz, que achei decepcionante. A área de Heifetz não é Bach. Depois, encontrei em Buenos Aires uma oferta baratíssima da gravação de Nathan Milstein, outra decepção. Achando um pouco cômica minha dificuldade, acabei chegando a esta maravilhosa gravação da santa Naxos. É realmente muito boa. Podem baixar sem medo de errar.

Violin Partita No. 2 in D minor, BWV 1004
I. Allemanda 04:18
II. Corrente 02:48
III. Sarabande 03:18
IV. Giga 04:28
V. Ciaconna 12:21

Violin Sonata No. 3 in C major, BWV 1005
I. Adagio 03:22
II. Fuga 10:30
III. Largo 03:02
IV. Allegro assai 04:10

Violin Partita No. 3 in E major, BWV 1006
I. Preludio 04:01
II. Loure 03:58
III. Gavotte en Rondeau 03:00
IV. Menuett I 01:46
V. Menuett II 01:27
VI. Bouree 01:22
VII. Gigue 02:03

Lucy van Dael, violin

Total Playing Time: 01:05:54

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750) – Sonatas e Partitas para Violino Solo (I)

Custei a encontrar uma boa gravação em CD destas obras fundamentais de papai. Tinha em vinil o registro de Henryk Szeryng, o qual me satisfazia inteiramente. Já na era do CD, importei a gravação do mítico Jasha Heifetz, que achei decepcionante. A área de Heifetz não é Bach. Depois, encontrei em Buenos Aires uma oferta baratíssima da gravação de Nathan Milstein, outra decepção. Achando um pouco cômica minha dificuldade, acabei chegando a esta maravilhosa gravação da santa Naxos. É realmente muito boa. Podem baixar sem medo de errar.

Violin Sonata No. 1 in G minor, BWV 1001
I. Adagio 03:25
II. Fuga: Allegro 05:35
III. Siciliana 02:53
IV. Presto 02:58

Violin Partita No. 1 in B minor, BWV 1002
I. Allemanda 05:20
II. Double 02:40
III. Correnta 03:42
IV. Double 04:09
V. Sarabande 03:10
VI. Double 02:28
VII. Tempo di Borea 02:18
VIII. Double 02:28

Violin Sonata No. 2 in A minor, BWV 1003
I. Grave 04:00
II. Fuga 08:30
III. Andante 05:08
IV. Allegro 04:10

Lucy van Dael, violin

Total Playing Time: 01:02:54

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

W. A. Mozart (1756-1791) – Concertos para Flauta e Harpa / Fagote / Flauta Solo e Orquestra

Concerto for flute, harp & orchestra in C major, K. 299 (K. 297c)
Composed by Wolfgang Amadeus Mozart
Performed by Academy of Ancient Music (UK)
with Lisa Beznosiuk, Frances Kelly
Conducted by Christopher Hogwood

1. Flute And Harp Concerto In C Major, K299: I Allegro
2. Flute And Harp Concerto In C Major, K299: II Andantino
3. Flute And Harp Concerto In C Major, K299: III. Rondeau: Allegro

Bassoon Concerto in B flat major, K. 191 (K. 186e) C
omposed by Wolfgang Amadeus Mozart
Performed by Academy of Ancient Music (UK)
with Danny Bond
Conducted by Christopher Hogwood

4. Bassoon Concerto In B Flat Major, K191: I. Allegro
5. Bassoon Concerto In B Flat Major, K191: II. Andante ma adagio
6. Bassoon Concerto In B Flat Major, K191: III. Rondo: Tempo di Menuetto

Flute Concerto No. 1 in G major, K. 313 (K. 285c)
Composed by Wolfgang Amadeus Mozart
Performed by Academy of Ancient Music (UK)
with Lisa Beznosiuk
Conducted by Christopher Hogwood

7. Flute Concerto No. 1 In G Major, K313: I. Allegro maestoso
8. Flute Concerto No. 1 In G Major, K313: II. Adagio ma non troppo
9. Flute Concerto No. 1 In G Major, K313: III. Rondo: Tempo di Menuetto

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

W. A. Mozart (1756-1791) – Concertos para Clarinete / Oboé e Orquestra

1. Clarinet Concerto In A Major, K622: I Allegro
2. Clarinet Concerto In A Major, K622: II Adagio
3. Clarinet Concerto In A Major, K622: III Rondo: Allegro

Composed by Wolfgang Amadeus Mozart
Performed by Academy of Ancient Music (UK)
with Antony Pay
Conducted by Christopher Hogwood

4. Oboe Concerto In C Major, K314: I Allegro aperto
5. Oboe Concerto In C Major, K314: II Adagio non troppo
6. Oboe Concerto In C Major, K314: III Rondo: Allegretto

Composed by Wolfgang Amadeus Mozart
Performed by Academy of Ancient Music (UK)
with Michel Piguet
Conducted by Christopher Hogwood

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Concerto para Piano e Orquestra, Op. 102

Concerto dedicado ao filho pianista Maxim Shostakovich. É um autêntico presente de pai para filho. Alegre, brilhante e cheio de brincadeiras de caráter privado como a inacreditável inclusão – no terceiro movimento de exercícios que seu filho praticava quando era estudante do instrumento… E não se surpreenda, o primeiro movimento deste concerto é conhecido entre as crianças que vêem desenhos da Disney. É a música que é executada durante o episódio do Soldadinho de Chumbo em Fantasia 2000. Quando ouço esta música em casa, sempre um de meus filhos vem me dizer “olha aí a música do Soldadinho de Chumbo”. É claro que a música não tem nada a ver com a história infantil; Shostakovich fez um belo concerto para seu filho, de atmosfera delicada e afetuosa. O primeiro movimento (Allegro) começa com uma rápida introdução orquestral em seguida à qual entra o piano. De acordo com a prática habitual de Shostakovich, o tema inicial é um pouco mais poético do que o segundo, de entonação mais vigorosa e rítmica.

Dois movimentos vivos e felizes cercam um melancólico, tocante e melodioso segundo movimento. A inspiração óbvia para este concerto foi o Concerto em Sol Maior (1931) de Ravel. Leonard Bernstein deu-se conta disto e gravou um de seus melhores discos em 1978, acumulando as funções de pianista e regente nos dois concertos. Se este concerto não arrancar algum sorriso do ouvinte, este necessita de urgentemente de anti-depressivos.

Piano Concerto No. 2 in F major, Op. 102
Michael Houstoun, piano
Performed by:New Zealand Symphony Orchestra
Conducted by:Christopher Lyndon-Gee

I. Allegro 07:22
II. Andante 06:37
III. Allegro 05:46

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678 – 1741) – Orlando Furioso, RV 728

Ainda não ouvi este CD triplo, saído das conexões de F.D.P. Bach com a longínqua Rússia, mas imagino.

F.D.P. foi sucinto:

Pois bem, acabou a espera… eis o Orlando Furioso, de Vivaldi… 3 cds e booklet compactados em .rar, em uma gravação muito inspirada de uma obra fenomenal… coisa de gênio mesmo.

Antonio Vivaldi é um compositor descoberto tão recentemente que até 40 anos atrás não imaginava-se que sua música vocal pudesse ser ainda melhor que a instrumental, mas é. Chega de conversa porque também tenho que fazer os downloads… Ah, importante: a obra foi gravada no esquema uma faixa por CD, portanto, é importante baixar o booklet.

CD : 1

1. Sinfonia, Rv116 : Allegro
2. Sinfonia, Rv116 : Andante
3. Sinfonia, Rv116 : Allegro
4. Acte 1, Scène 1 : Recitativo
5. Acte 1, Scène 1 : Un Raggio Di Speme
6. Acte 1, Scène 2 : Recitativo
7. Acte 1, Scène 2 : Alza In Quegl’Occhi
8. Acte 1, Scène 3 : Recitativo
9. Acte 1, Scène 3 : Costanza Tu M’Insegni, E Vuoi Ch’Io Speri
10. Acte 1, Scène 4 : Recitativo
11. Acte 1, Scène 4 : Ascondero Il Mio Sdegno
12. Acte 1, Scène 5 : Recitativo
13. Acte 1, Scène 5 : Nel Profondo
14. Acte 1, Scène 6 : Recitativo
15. Acte 1, Scène 7 : Recitativo
16. Acte 1, Scène 8 : Recitativo
17. Acte 1, Scène 8 : Tu Sei Degl’Occhi Miei
18. Acte 1, Scène 8 : Recitativo
19. Acte 1, Scène 8 : Troppo E Fiero, Il Nume Arciero
20. Acte 1, Scène 9 : Recitativo
21. Acte 1, Scène 9 : Rompo I Ceppi
22. Acte 1, Scène 10 : Recitativo
23. Acte 1, Scène 11 : Recitativo
24. Acte 1, Scène 11 : Sol Da Te, Mio Dolce Amore
25. Acte 1, Scène 12 : Recitativo
26. Acte 1, Scène 13 : Recitativo
27. Acte 1, Scène 13 : Amorose Ai Rai Del Sole

CD : 2

1. Acte 2, Scène 1 : Recitativo
2. Acte 2, Scène 1 : Vorresti Amor Da Me
3. Acte 2, Scène 2 : Recitativo
4. Acte 2, Scène 2 : Benche Nasconda
5. Acte 2, Scène 3 : Recitativo
6. Acte 2, Scène 3 : Taci, Non Ti Lagnar
7. Acte 2, Scène 4 : Recitativo
8. Acte 2, Scène 4 : Sorge L’Irato Nembo
9. Acte 2, Scène 4 : Recitativo
10. Acte 2, Scène 5 : Recitativo
11. Acte 2, Scène 5 : Qual Candido Fiore
12. Acte 2, Scène 6 : Recitativo
13. Acte 2, Scène 6 : Chiara Al Pari Di Lucida Stella
14. Acte 2, Scène 6 : Recitativo
15. Acte 2, Scène 7 : Recitativo
16. Acte 2, Scène 8 : Recitativo
17. Acte 2, Scène 9 : Recitativo
18. Acte 2, Scène 10 : Recitativo
19. Acte 2, Scène 10 : Che Bel Morirti In Sen
20. Acte 2, Scène 10 : Recitativo
21. Acte 2, Scène 10 : Se Cresce Un Torrente
22. Acte 2, Scène 11 : Al Fragor De Corni Audaci
23. Acte 2, Scène 11 : Recitativo
24. Acte 2, Scène 11 : Recitatico Accompagnato
25. Acte 2, Scène 11 : Gran Madre Venere
26. Acte 2, Scène 11 : Recitativo
27. Acte 2, Scène 11 : Diva Dell’Espero
28. Acte 2, Scène 11 : Recitativo
29. Acte 2, Scène 11 : Cosi Potessi Anch’Io
30. Acte 2, Scène 12 : Recitativo
31. Acte 2, Scène 12 : Belle Pianticelle
32. Acte 2, Scène 12 : Recitativo
33. Acte 2, Scène 12 : Sei Mia Fiamma, E Sei Mio Bene
34. Acte 2, Scène 13 : Recitativo
35. Acte 2, Scène 13 : Recitativo Accompagnato

CD : 3

1. Acte 3, Scène 1 : Recitativo
2. Acte 3, Scène 1 : Dove Il Valor Combatte
3. Acte 3, Scène 2 : Recitativo
4. Acte 3, Scène 3 : L’Arco Vuo Frangerti
5. Acte 3, Scène 3 : Recitativo
6. Acte 3, Scène 3 : Recitativo Accompagnato
7. Acte 3, Scène 3 : Recitativo
8. Acte 3, Scène 4 : Recitativo
9. Acte 3, Scène 5 : Canzon E Recitativo
10. Acte 3, Scène 5 : Recitativo
11. Acte 3, Scène 5 : Che Dolce Pui, Che Pui Giocondo Stato
12. Acte 3, Scène 5 : Recitativo
13. Acte 3, Scène 5 : Poveri Affetti Miei, Siete Innocenti
14. Acte 3, Scène 6 : Recitativo
15. Acte 3, Scène 6 : Io Son Ne’ Lacci Tuoi
16. Acte 3, Scène 6 : Recitativo
17. Acte 3, Scène 7 : Recitativo
18. Acte 3, Scène 8 : Recitativo
19. Acte 3, Scène 8 : Come L’Onda
20. Acte 3, Scène 9 : Recitativo
21. Acte 3, Scène 9 : Vorrebe Amando Il Cor
22. Acte 3, Scène 10 : Recitativo
23. Acte 3, Scène 10 : Scendi Nel Tartaro
24. Acte 3, Scène 10 : Recitativo
25. Acte 3, Scène 10 : Recitativo Accompagnato
26. Acte 3, Scène 11 : Recitativo
27. Acte 3, Scène 12 : Recitativo
28. Acte 3, Scène Finale : Recitativo
29. Acte 3, Scène Finale : Recitativo Accompagnato
30. Acte 3, Scène Finale : Andero, Chiamero Dal Profondo
31. Acte 3, Scène Finale : Recitativo
32. Acte 3, Scène Finale : Con Mirti E Fiori

Conductor: Jean-Christophe Spinosi
Performers: Ann Hallenberg (Mezzo Soprano – Bradamante)
Blandine Staskiewicz (Mezzo Soprano – Medoro)
Marie-Nicole Lemieux (Alto – Orlando)
Jennifer Larmore (Mezzo Soprano – Alcina)
Veronica Cangemi (Soprano – Angelica)
Philippe Jaroussky (Countertenor – Ruggiero)
Lorenzo Regazzo (Bass – Astolfo)
Genre Baroque Period / Opera
Date Written 1727
Ensemble Ensemble Matheus
Period Baroque
Language
Venice, Italy
Recording Studio

CD1 – BAIXE AQUI

CD2 – BAIXE AQUI

CD3 – BAIXE AQUI

BOOKLET – BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Monteverdi (1567-1643) e d’India (1582-1629) – Olympia’s Lament e outras árias

Eis um CD que provoca paixões. Desde seu lançamento, em 1994, é saudado como uma grande realização. Nunca o ouvi. É F.D.P. Bach quem o traz para nós. Fui procurar no Google alguma informação a respeito e a primeira que obtive foi o de sempre: um elogio histérico. Leiam o apaixonado abaixo:

I love Emma Kirkby—too bad she’s married to Anthony Rooley. My dark, secret fantasy is to kidnap her and force her to sing for me whenever I want. But since I’m not into anti-social acts, this recording will have to do. It does very nicely indeed. Beautiful material and lovely sonics make this recording a definite Record to Die For for anyone but the Beavis and Butt-head crowd. The opening selection, “Quel Sguardo Sdegosetto,” is just too beautiful for words.

Olympia’s Lament

Claudio Monteverdi (1567-1643)
1. Quel sguardo sdegnosetto
2. Ohime ch’io cado
3. Lamento d’Olimpia
4. Voglio di vita uscir
5. Maladetto sia l’aspetto

Sigismondo d’India (1582-1629)
6. Diana ( Questo dardo, quest’ arco)
7. Amico hai vint’io
8. Piangono al pianger mio
9. Lamento d’Olimpia
10. Torna il sereno zefiro
11. Sfere fermate

Emma Kirkby, soprano;
Anthony Rooley, chitarrone

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Michael Nyman (1944-) – Where the Bee Dances / Piano Concerto

Achei um tanto decepcionante este CD do grande autor das trilhas dos filmes de Greenaway, Leconte e do esplêndido “O Piano” de Jane Campion. Mesmo que o Piano Concerto tenha sido em grande parte adaptado da trilha do filme, aqui há trechos de clímax tão longos que chego a pensar em orgasmos de 5 ou 10 minutos. Não sei se agüentaria tanta felicidade.

Michel NYMAN: Piano Concerto / Where the Bee Dances

1. Where the Bee Dances 16:46

Piano Concerto
2. The Beach 11:24
3. The Woods 06:21
4. The Hut 08:01
5. The Release 04:36

Simon Haram, saxophone
John Lenehan, piano
Performed by: Ulster Orchestra
Conducted by: Takuo Yuasa

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J.S. Bach (1685-1750) – A Oferenda Musical, BWV 1079

Tem uma história curiosa esta obra que está entre as mais importantes de meu pai, Johann Sebastian Bach. Porém, antes dela, um detalhe pessoal: tenho sete gravações da Oferenda Musical. Fico um pouco desconcertado pelo fato de que as três melhores estejam em discos de vinil. Não ouvi ninguém executar melhor esta obra do que Hermann Scherchen em 1964 ou Karl Münchinger em 1976 ou o Musica Antiqua de Köln nos anos 70 ou 80. Não obstante, a gravação que apresento aqui para vocês é bastante boa. Vamos às muitas curiosidades da obra. O texto abaixo foi retirado da Wikipedia. Fiz alguns cortes e pequenas correções.

O Tema do Rei

A coleção tem sua origem num encontro entre Bach e Frederico II em 7 de Maio de 1747. O encontro, que se deu na residência do rei em Potsdam, foi conseqüência do filho de Bach, Carl Philipp Emanuel Bach estar ali trabalhando como músico da corte. Frederico queria mostrar a Bach uma novidade. O pianoforte foi inventado uns poucos anos antes e o rei possuia esse instrumento experimetal, alegadamente o primeiro que Bach viu. Bach, que era bem conhecido por seu talento na arte da improvisação, recebeu um tema, o Thema Regium (“tema do rei”), para improvisar uma fuga.

Ao que parece, a proposta de Frederico, na realidade era para humilhar o velho Bach, pois o tema fornecido fora construído de tal forma que imaginava-se impossível aplicar a ele as regras da polifonia. Inicialmente Frederico ordenou que Bach improvisasse sobre o tema uma fuga a três vozes, o que para espanto do Rei e admiração de todos os presentes Bach fez de imediato. Insatisfeito, o Rei mandou que ele, desta feita, improvisasse uma fuga a seis vozes, uma tarefa considerada impossível por todos, inclusive os os músicos do Rei, os melhores e os mais competentes da época. Bach, que então contava com 62 anos, e que mal chegara de viagem e fora convocado ao palácio sem ter tido tempo de descansar, se desculpou alegando exaustão da viagem, e em 15 dias mandou para o Rei -impressa – sua resposta ao desafio na forma da Oferenda Musical.

Que Bach entendeu o objetivo escuso por trás da proposta do Rei é mais ou menos evidente (embora não possa ser provado) pelo nome que ele deu ao conjunto de peças, já que em alemão Opfer não significa apenas Oferenda, mas também pode significar uma oferta de uma vítima em sacrifício.

Estrutura, instrumentação

Na sua forma final, A Oferenda Musical compreende:

– Dois ricercares escritos em tantas pautas quanto o número de vozes:
– um ricercar a 6 (fuga a seis vozes)
– um ricercar a 3 (fuga a três vozes)

Dez cânones:
– Canones diversi super Thema Regium:
– 2 Cânones a 2
– Cânone a 2, per motum contrarium
– Cânone a 2, per augmentationem, contrario motu
– Cânone a 2, per tonos
– Cânone perpetuus
– Fuga canônica
– Cânone a 2 Quaerendo invenietis
– Cânone a 4
– Cânone perpetuus, contrario motu

Sonata sopr’il Soggetto Reale – uma sonata trio em quatro movimentos, para flauta, um instrumento que Frederico tocava:

– Largo
– Allegro
– Andante
– Allegro

Além da sonata trio, escrita para flauta, violino e baixo contínuo, as demais peças não têm indicações sobre a instrumentação a ser utilizada.

Os ricercares e os cânones têm sido executados de diversas maneiras. Os ricercari são, com
freqüência, executados ao teclado. Um conjunto de músicos de câmara, alternando os grupos de instrumentos e utilizando uma instrumentação semelhante à da sonata trio comumente interpreta os cânones. Mas também existem gravações com um ou mais instrumentos de tecla (piano, cravo) e instrumentações maiores, como uma orquestra.

Como a versão impressa dá a impressão de ser organizada para diminuir o número de “viradas” de página, a ordem das peças pretendida por Bach (se alguma ordem era pretendida) é incerta embora seja costume iniciar a obra com o Ricercare a 3 e tocar a sonata trio no final. Comumente se interpretam juntos os Canones super Thema Regium.

Enigmas

Alguns dos cânones da Oferenda Musical são representados na partitura original por não mais do que pequena melodia monódica com alguns compassos, junto com uma uma inscrição enigmática, em Latim, colocada acima da melodia. Estes trechos são normalmente chamados de ‘fugas-enigma’ (algumas vezes, de maneira mais apropriada, chamadas de cânones-enigma). Esperava-se que, resolvendo os enigmas, os executantes interpretassem a música como uma obra com várias partes (uma obra com várias melodias entrelaçadas). Tem sido argumentado que alguns destes enigmas têm mais de uma solução possível, embora atualmente, a maioria das edições impressas da partitura apresentem apenas uma solução mais ou menos “padronizada”, de modo que os intérpretes podem executar a obra sem se preocupar com o latim ou com o enigma.

Um dos cânones-enigma, in augmentationem, isto é, com o tamanho (a duração) das notas aumentada, tem a inscrição: Notulis crescentibus crescat Fortuna Regis (possa a fortuna do rei aumentar como o tamanho das notas), enquanto que um cânone modulante que termina num tom maior do que o tom em que começou, tem a inscrição: Ascendenteque Modulationis ascendat Gloria Regis (que a glória do rei aumente como uma modulação ascendente).

Como foi recebida

Sabe-se pouco a respeito da reação de Frederico com relação à partitura a ele dedicada, se ele tentou resolver os enigmas ou se ele tocou a parte da flauta da sonata trio. Frederico era conhecido por não gostar de música complicada e logo depois da visita de Bach ele entrou numa campanha militar, portanto é possível que o presente não tenha sido bem recebido.

Adaptações e citações do século XX

Arranjos: O “Ricercar a 6” sofreu diversos arranjos, tendo sido Anton Webern o seu arranjador mais importante, o qual, em 1935, escreveu uma versão para pequena orquestra notável por seu estilo Klangfarbenmelodie, isto é, linhas melódicas que passam de um instrumento para outro depois de um pequeno número de notas, cada nota recebendo a “coloração tonal” do instrumento em que é executada:

Sofia Gubaidulina mais tarde utilizou o Tema Real da Oferenda Musical em seu concerto para violino Ofertorium. Orquestrado conforme um arranjo semelhante ao de Webern, o tema é desconstruído nota a nota através de uma série de variações, e é reconstruído na forma de um hino da Igreja Ortodoxa Russa.

Bart Berman compôs três novos cânones baseados no Tema Real, que foram publicados em 1978 como um suplemento especial de feriado do jornal musical holandês Mens en Melodie (publicado por Elsevier).

BACH, J.S.: Musical Offering, BWV 1079

1 Ricercar a 3 05:33
2 Canon perpetuus super Thema Regium 01:19
3 Canon 2. a 2 Violini in unisono 00:47
4 Canon 3. a 2 per Motum contrarium 01:08
5 Canon 4. a 2 per Augmentationem, contrario Motu 03:04
6 Canon 5. a 2: Canon circularis per Tonos 02:54
7 Sonata sopra il Soggetto Reale: Largo 07:23
8 Sonata sopra il Soggetto Reale: Allegro 06:08
9 Sonata sopra il Soggetto Reale: Andante 03:25
10 Sonata sopra ill Soggetto Reale: Allegro 03:03
11 Canon a 4 06:20
12 Fuga canonica in Epidiapente 01:58
13 Canon a 2 Quaerendo invenietis: I 01:43
14 Canon a 2 Quaerendo invenietis: II 01:11
15 Canon a 2 Quaerendo invenietis: III 01:10
16 Canon a 2 Quaerendo invenietis: IV 01:37
17 Canon 1. a 2: Canon cancrizans 00:50
18 Canon perpetuus a Flauto traverso, Violino e Basso continuo 02:28
19 Ricercar a 6 07:11

Christian Benda, cello
Sebastian Benda, harpsichord
Nils Thilo Kramer, flute
Ariane Pfister, violin
Capella Istropolitana, conducted by Christian Benda

Total Playing Time: 59:14

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johannes Brahms (1833-1897) – Sinfonia Nº 4, Op. 98

1. Symphony No.4 In E Minor, Op.98: Allegro non troppo
2. Symphony No.4 In E Minor, Op.98: Andante moderato
3. Symphony No.4 In E Minor, Op.98: Allegro giocoso – Poco meno presto -Tempo I
4. Symphony No.4 In E Minor, Op.98: Allegro energico e passionato- Piu allegro

Composed by Johannes Brahms
Performed by Vienna Philharmonic Orchestra
Conducted by Leonard Bernstein

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Luciano Berio (1925-2003) – Sinfonia

Tentar definir a música – que em todo caso não é um produto mas um processo – é quase como tentar definir a poesia, ou seja: trata-se de uma operação felizmente impossível, considerando a futilidade de querer estabelecer uma fronteira entre o que é música e o que não é, entre poesia e não-poesia. Talvez a música seja justamente isto: a procura de uma fronteira constantemente deslocada. (Luciano Berio)

Sinto-me tentado a pensar na 2ª sinfonia de Mahler como um produto da sinfonia de Berio e não o contrário, cambalhota perversa da lei da causalidade. (Sérgio Azevedo)

A famosa Sinfonia (1968) de Berio está por toda a rede. São centenas de artigos que analisam a obra musical mais importante do vanguardismo musical do século XX. Ela foi dedicada à Leonard Bernstein, que a estreou, mas na verdade homenageia toda a história da música, principalmente em seu terceiro movimento em que ouve-se claramente Mahler, Mahler, Mahler mas também Debussy, Bach e Schoenberg.

Ao ouvinte com pouca vivência em mpusica moderna, sugiro começar a audição pelo terceiro movimento. Ali está o cerne da Sinfonia. O texto principal deste movimento é formado por fragmentos: trata-se de The Unnamable de Samuel Beckett. A segunda parte de Sinfonia é um tributo à memória de Martin Luther King. As oito vozes remetem simplesmente os sons que constituem o nome do mártir negro até a enunciação completa e inteligível do seu nome.

Sinfonia (para 8 vozes amplificadas e orquestra)

Composed by Luciano Berio
with Orchestre National de France and Swingle Singers
Conducted by Ward Swingle and Pierre Boulez

1. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: I –
2. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: II – O King
3. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: III – In ruhig fliessender Bewegung
4. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: IV –
5. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: V –

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Jean Sibelius (1865–1957) – Concerto para Violino e Orquestra, Op.47

Existem violinistas e violinistas, ou generalizando, músicos e músicos. Alguns com certo talento até conseguem sucesso, de público e crítica. Mas assim como eles vêm, vão. São vários os casos de pequenos mozarts se transformarem em zé-ninguéns, a indústria fonográfica investe em jovens talentos, para no final eles caírem no ostracismo. Por culpar de quem? Não sei… talvez da voragem da mesma, da exigência do público e da crítica, ou incompressão de todos… sei lá. Digo isso pois a postagem que coloco a seguir é a de um grande violinista – que também foi um pequeno Mozart virtuose, e para muitos o maior de todos os tempos – tocando uma música maravilhosa, porém, inexplicavelmente pouco executada. O resultado dessa soma de talentos é algo excepcional. Já se discutiu aqui à exaustão a questão do gosto nas execuções, mas existem as unanimidades. E Jascha Heifetz é uma unanimidade. Pode-se criticar sua forma de tocar quase cerebral, insensível (?????), se preocupando apenas com a exatidão, com a precisão, muito meticuloso, e se esquecendo de expor a alma da música (particularmente considero isso tudo bobagem, mas quem sou eu para criticar?). Mas não se pode negar sua paixão por aquilo que fazia… e como fazia.

Dentro da idéia de duelo que propus em postagem anterior, Heifetz/Oistrack estou postando abaixo o concerto para violino de Sibelius, peça de um encanto único, um retrato da longínqüa Finlândia, e executado aqui com maestria e exuberância por Jascha Heifetz, esse gigante do violino do século XX. Deixo a critério de vocês a análise da obra e da execução. Nessa gravação ele é acompanhado pela Orquestra Sinfônica de Chicago, regida por Walter Hendl. Fico devendo a informação sobre o ano dessa gravação.

Concerto para Violino e Orquestra, Op. 47, de Jean Sibelius

1. Conc in d, Op. 47: Allegro Moderato – Chicago SO/Walter Hendl
2. Conc in d, Op. 47: Adagio Di Molto – Chicago SO/Walter Hendl
3. Conc in d, Op. 47: Allegro/Ma Non Tanto – Chicago SO/Walter Hendl

Performer: Jascha Heifetz (Violin)
Conductor: Walter Hendl
Orchestra: Chicago Symphony Orchestra
Period: Romantic
Written: 1903-1905; Finland
Date of Recording: 01/1959
Venue: Orchestra Hall, Chicago
Length: 26min43s

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler (1860-1911) – Sinfonia Nº 7

Um belíssimo Scherzo, cercado por duas esplêndidas Canções da Noite, as quais têm, adjacentes a si, dois movimentos ásperos e duros, o primeiro e o último. Um compositor em crise pela morte de sua filha mais velha e pelos problemas que enfrentava na Ópera de Viena. Melancolia e ódio, a sétima de Mahler.

1. I: Langsam – Allegro Risoluto, Ma Non Troppo
2. II: Nachtmusik: Allegro Moderato
3. III: Scherzo. Schattenhaft
4. IV: Nachtmusik: Andante Amoroso
5. V: Rondo

Symphony No. 7 in E minor
Composed by Gustav Mahler
Performed by City of Birmingham Symphony Orchestra
Conducted by Simon Rattle

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750) – Oratório da Páscoa e Cantata BWV 4

Estas duas notáveis obras situam-se, cronologicamente, em pólos opostos na produção de meu pai. A Cantata BWV 4 Christ lag in Todesbanden ou “Cristo esteve em ânsias de morte” ou “Cristo jaz amortalhado” (os tradutores que se entendam) foi composta entre os anos de 1708 e 1709, enquanto que Oratório da Páscoa, BWV 249, faz parte da produção seus últimos anos de vida.

O Oratório da Páscoa talvez seja mais bonito do que a Cantata BWV 4 (Cantata para o Domingo de Páscoa), porém esta me interessa muito mais. Raramente Bach compôs uma obra com os olhos tão decididamente voltados para o passado mostrando, ao mesmo tempo, características modernas. O texto é de Lutero e a música baseia-se numa melodia so século XII. A Cantata é composta sobre sete movimentos, todos eles apresentando trechos da melodia arcaica. Mesmo a sinfonia instrumental introdutória, no estilo de Buxtehude, emprega o “tema base”. Suas ásperas hamonias e as partes centrais dobradas das violas contribuem para a sonoridade arcaica, a qual assume um estilo de uma partita coral muito próxima a Böhm ou Pachelbel. É algo espantoso.

O Oratório também é excelente e gostaria que vocês ouvissem atentamente a arrepiante ária Sanfte Soll Mein Todeskummer, uma coisa de louco, perfeitíssima, a cargo do tenor.

Christ lag in Todesbanden
1. 1. Sinfonia
2. 2. Versus I, Christ Lag In Todes Banden
3. 3. Versus II, Den Tod Niemand Zwingen Kunnt
4. 4: Versus III, Jesus Christus, Gottes Sohn
5. 5. Versus IV, Es War Ein Wunderlicher Krieg
6. 6. Versus V, Hie Ist Das Rechte Osterlamm
7. 7. Versus VI, So Feiren Wir Das Hohe Fest
8. 8. Versus VII, Wir Essen Und Leben Wohl

Oratório da Páscoa
9. 1. Sinfonia
10. 2. Adagio
11. 3. Chor, Kommt, Eilet Und Laufet
12. 4. Recitative, O Kalter Manner Sinn!
13. 5. Aria, Seele, Deine Spezereien
14. 6. Recitative, Hier Ist Die Gruft
15. 7. Aria, Sanfte Soll Mein Todeskummer
16. 8. Recitative, Indessen seufzen
17. 9. Aria, Saget, Saget Mir Geschwinde
18. 10. Recitative, Wir Sind Erfreut
19. 11. Chorus, Preis Und Dank

Conductor: Andrew Parrott
Performers: Emily van Evera [soprano], Charles Daniels [tenor], David Thomas [bass]

Taverner Consort and Players

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

The Salieri Album, com Cecilia Bartoli

Antonio Salieri (1750 – 1825) não era Mozart, mas também não era um perna-de-pau. Vale a pena conhecer a música deste rival vienense de Mozart. Por outro lado, as interpretações da espevitada e espetacular Cecilia Bartoli são capazes de valorizar mesmo as mais bobas árias, o que aqui não é o caso.

A romana Bartoli, possuidora de uma rara auto-ironia num meio em que as cantoras costumam portar-se como se gozassem de precedência divina, diz que já nasceu cacarejando… Eu, P.Q.P. Bach, aprecio tanto sua voz e musicalidade que nem noto suas caretas em cena. Quem repara diz que são horríveis.

Neste CD, ela faz uma seleção de árias das óperas de Salieri.

The Salieri Album
1. Questo guajo mancava…Son qual lacera tartana (La secchia rapita)
2. Che dunque!…Or ei con Ernestina…Ah sia gia (La Scuola dei gelosi)
3. Vi sono sposa e amante (La Fiera di Venezia)
4. Voi Lusingate invano lo smarito cor mio…Misera abbandonata (Palmira, Regina di Persia)
5. E void a buon marito…Non vo gla che vi suonino (La Cifra)
6. Alfin son sola…Sola e mesta (La Cifra)
7. Dopo pranzo addormentata (Il Ricco d’un glorno)
8. No, non cacillera…Suelle mi temple (La secchia rapita)
9. Lungi da me sen vada quella veste fatal…Dunque anche il cielo…Contro un’alma sventurata (Palmira, Regina di Persia)
10. Se lo dovessi vendere (La Finta scema)
11. Eccomi piu che mai…Amor pletoso Amore (Il Ricco d’un Glorno)
12. La ra la (La Grotta di Trofonio)
13. E non degg’io seguirla!…Forse chi sa…Vieni a me sull’ali d’oro (Armida)

Composed by Antonio Salieri
Performed by Orchestra of the Age of Enlightenment [members of]
with Cecilia Bartoli, Claudio Osele
Conducted by Adam Fischer

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Maurice Ravel (1875-1937) – Concerto para Piano em Sol Maior, Gaspard de la Nuit e Sonatine

Eu tenho muito a dizer sobre este estranho concerto de 1931 que começa com um estalar de chicote. O que mais me surpreende é o fato de Ravel ter dito que o modelara segundo o Quinteto para Clarinete de Mozart… E falou sério.

É extraordinário o Allegramente inicial, desde o tema executado pelo flautim até as intervenções jazzísticas dos sopros. Porém, minha maior consideração vai para o Adagio assai. Começa com um longo solo de piano e desenvolve-se livre e calmamente, como se fosse uma canção. OK, aqui podemos fazer comparações com o larghetto do Quinteto de Mozart, mas ainda assim com reservas. Um movimento belíssimo. O Presto final é brilhante, curto, mais jazzístico que o primeito movimento e mostra o motivo pelo qual Ravel fora aos EUA conhecer Gershwin.

Ia escrever mais, mas não vou fazê-lo. É que estou ouvindo a gravação e começa o segundo movimento que amo.

Piano Concerto in G
1. Allegramente [8:03]
2. Adagio assai [9:00]
3. Presto [3:51]
Martha Argerich, piano
Berliner Philharmoniker, reg. Claudio Abbado

Gaspard de la nuit
4. Ondine [6:12]
5. Le gibet [6:35]
6. Scarbo [9:15]

Sonatine for Piano
7. Modéré [3:59]
8. Mouvement de menuet [2:59]
9. Animé [3:34]
Martha Argerich, piano

BAIXE AQUI

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!