Luciano Berio (1925-2003) – Sinfonia

Tentar definir a música – que em todo caso não é um produto mas um processo – é quase como tentar definir a poesia, ou seja: trata-se de uma operação felizmente impossível, considerando a futilidade de querer estabelecer uma fronteira entre o que é música e o que não é, entre poesia e não-poesia. Talvez a música seja justamente isto: a procura de uma fronteira constantemente deslocada. (Luciano Berio)

Sinto-me tentado a pensar na 2ª sinfonia de Mahler como um produto da sinfonia de Berio e não o contrário, cambalhota perversa da lei da causalidade. (Sérgio Azevedo)

A famosa Sinfonia (1968) de Berio está por toda a rede. São centenas de artigos que analisam a obra musical mais importante do vanguardismo musical do século XX. Ela foi dedicada à Leonard Bernstein, que a estreou, mas na verdade homenageia toda a história da música, principalmente em seu terceiro movimento em que ouve-se claramente Mahler, Mahler, Mahler mas também Debussy, Bach e Schoenberg.

Ao ouvinte com pouca vivência em mpusica moderna, sugiro começar a audição pelo terceiro movimento. Ali está o cerne da Sinfonia. O texto principal deste movimento é formado por fragmentos: trata-se de The Unnamable de Samuel Beckett. A segunda parte de Sinfonia é um tributo à memória de Martin Luther King. As oito vozes remetem simplesmente os sons que constituem o nome do mártir negro até a enunciação completa e inteligível do seu nome.

Sinfonia (para 8 vozes amplificadas e orquestra)

Composed by Luciano Berio
with Orchestre National de France and Swingle Singers
Conducted by Ward Swingle and Pierre Boulez

1. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: I –
2. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: II – O King
3. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: III – In ruhig fliessender Bewegung
4. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: IV –
5. Sinfonia For eight Voices And Orchestra: V –

BAIXE AQUI

7 comments / Add your comment below

  1. Sou um entusiastico admirador de música moderna e vanguardista e acho tão enxuto esse ramo dentro deste maravilhoso blog.
    Com tantos compositores ! Stockhausen, Boulez, Berio, Varèse, etc., e eu só encontrei um post de música vanguardista !
    Isso não se trata de uma cobrança (não muito veemente), pois devem vocês estar com listas de obras a postar, pedidas por centenas de visitantes chatos (Espero não estar sendo mais um).

    …mas umas postagens a mais não fariam mal, heim?
    Aron “deixapralá”

    Uma questão filosófica: gostamos realmente de música moderna, ou apenas fingimos para não fazer vexame, como na história “As Novas Roupas do Imperador”?
    Independente de tudo, não abro mão do Bartók!

  2. Olá, adorei esse disco, mas como disse o primeiro amigo a comentar preciso de mais musica de vanguarda, vocês tem algum trabalho para piano e percussão?

Deixe uma resposta para Giancarlo Cancelar resposta