F. J. Haydn – Sinfonias Nros. 22, 82 e 83

Com um sorriso de compreensão ao nada descortês Revoltado dos comentários do último post de Sonatas de Mozart, passo a fazer algumas postagens de Haydn. Este CD é uma curiosidade: trata-se de uma gravação antiga, era de meu pai e teoricamente deveria ser ruim, por ser da brasileira Movie Play… Só que amo as sinfonias deste CD, acho as interpretações excelentes – apesar da qualidade de som apenas aceitável – e é esta a versão que ouço. Tentei várias outras: a de Bernstein, a do Orpheus Chamber Orchestra e as de outras orquestras e regentes. Nada feito. O cedezinho da Movie Play é imbatível em meu coração avesso à grifes.

Segundo o opúsculo de Peter Gammond – com o qual concordo – Haydn teria sido tão grande quanto Mozart se tivesse sido mais infeliz. Só quando teve um contrato a cumprir é que ganhou aquela pitada de drama que o fez criar suas monumentais últimas sinfonias. O estresse fez-lhe um bem imenso. Só um homem com um coração duro como pedra é capaz de compor coisas tão incondicionalmente sorridentes e luminosas quanto algumas de suas obras. Adoro Haydn. Ouço demais suas Missas.

Ignoro o motivo pelo qual a sinfonia “O Filósofo” tem este nome, mas sou apaixonado por seu primeiro movimento monotemático. É uma sinfonia tão boa que até o minueto é legal! Já “A Galinha” e “O Urso” têm seus apelidos justificados pela própria música e não precisamos explicar nada.

P.Q.P. Bach

Sinfonia Nº 22 “O Filósofo”
1. Adágio
2. Presto
3. Minueto
4. Finale: Presto

Sinfonia Nº 82 “O Urso”
5. Vivace Assai
6. Allegretto
7. Minueto
8. Finale: Vivace Assai

Camerata Romana
Eugen Duvier

Sinfonia Nº 83 “A Galinha”
9. Allegro
10. Andante
11. Minueto
12. Finale: Vivace

Süddeutsche Philharmonie
Alexander von Pitamic

BAIXE AQUI (Download)

8 comments / Add your comment below

  1. “Haydn teria sido tão grande quanto Mozart se tivesse sido mais infeliz.”Caríssimo, seria por este ângulo Falstaff inferior a Otello? A comédia estará realmente um passo atrás da tragédia? Dizem alguns, aqueles que se encontram no extremo oposto ao seu, que Haydn foi superior a Mozart por não só dizer coisas que tocam o sentimento humano, mas sim o de toda a Natureza. Porém eu estou naquele grupo que não sabe bem a altura dos gênios; além das nuvens, não enxergo nada.

  2. “(…)Só um homem com um coração duro como pedra é capaz de compor coisas tão incondicionalmente sorridentes e luminosas(…).Geralmente quem tem “coração duro como pedra” não é receptivo nem criativo. Creio que isso não se aplica a Haydn.

  3. “(…)Haydn teria sido tão grande quanto Mozart se tivesse sido mais infeliz.”Sem dúvida, frustrações e desgostos serviram a muitos compositores como “motor” para criarem. Mas esse “entendido em Haydn” ignora os estados de felicidade, alegria e amor a vida e ao trabalho.”(…) Só quando teve um contrato a cumprir é que ganhou aquela pitada de drama que o fez criar suas monumentais últimas sinfonias.”E as anteriores? Por não serem dramáticas são menos valiosas? O mesmo para o restante da obra? “O estresse fez-lhe um bem imenso”Como se Haydn fosse um boa-vida que fazia tudo quando bem entendia. Esqueceu-se de que ele era servo de nobres e,além de compor e reger peças para a nobreza, tinha de se preocupar com preparo dos músicos, administração dos assuntos relativos à música na corte, aguentar calado os caprichos e mau-humores de seus senhores (ao contrário de Mozart, que mandava tudo e todos às favas), e até com a aparência dos membros da orquestra cabia a ele (se estavam sóbrios, bem barbeados, vestidos de acordo com a circunstância etc.)Claro que devia ter camareiros e ajudantes, mas ainda assim, quem respondia era ele. Em miúdos, estresse é o que não faltava. Dúvidas? Leiam “Uma Nova História da Música” de Otto Maria Carpeaux (recentemente publicada pela Ediouro com o título “O livro de ouro da Música”).

  4. Imagina se não!? Tenho planejada uma estranha integral dos Quartetos de Beethoven. Começa com um quarteto e termina com outro. Sander, talvez devesse dizer “Só um homem verdadeiramente esquizofrênico…”. Seria ainda mais surpreendente e mentiroso…Abraços.PQP Bach.

  5. Barber fica para um pouquinho depois. Já tenho empacotados um monte de CDs de Mahler, Shosta, Brahms, Bux, Schubert e ainda tem os quartetões do Sander.A coisa aqui é lenta, a não ser que o FDP ou a Clara resolvam o caso antes.Abraço.

Deixe uma resposta