Johannes Brahms (1833-1897) – Piano Concerto nº 1 in D minor , op. 15

Confesso que demorei para postar os concertos para piano de Brahms devido mais à minha busca frenética atrás daquela que considero o graal da interpretação destas obras: a versão de Stephen Bishop Kovacevich ao lado do Colin Davis / LSO. Mas infelizmente não tive sorte até agora…
Pois bem, vamos portanto de Pollini, novamente, visto que é o favorito de muita gente, com exceção de nossa colega Clara Schumann, apaixonada que é pelo Alfred Brendel… se ela fizer questão até posso satisfazer seu desejo de ouvir estes concertos com o velho mestre Brendel, basta sua solicitação… o Abbado é o mesmo.

Desculpe, mas nem tudo é Abbado… Neste primeiro concerto temos o grande Karl Böhm, já velhinho, quase às portas da morte, mas com a mesma classe e elegância de sempre.
O Concerto de nº 1 para piano de Orquestra de Brahms em um primeiro momento assusta pela grandiosidade da abertura… até parece uma sinfonia. Mas a partir do momento em que o solista emerge no meio daquela massa sonora orquestral o que temos é uma belíssima parceria piano/orquestra.

O Concerto nº 2, bem o concerto nº2 é uma outra história… FDP declara com todas as letras maiúsculas e em negrito se for o caso, de que ESSE É SEU CONCERTO PARA PIANO FAVORITO. Que me perdoem beethovenianos com o concerto Imperador, os Mozartianos com o “Elvira Madigan”, ou o de nº23, liszmaníacos, chopinianos, rachmaninovianos, ou sei lá mais quem… a relação de FDP com esse concerto é uma relação de amor antiga, de milhares de vezes virando o velho vinil, de se emocionar a cada audição, mesmo sabendo a melodia de cor, de estar assobiando o tempo todo a melodia do primeiro e do segundo movimentos… sou de opinião de que as obras que nos marcam nos marcam por surgirem em momentos específicos e importantes para nós… como se viessem nos abastecer de alguma coisa que está nos fazendo falta, alguma coisa que possa vir a nos ajudar a encarar e enfrentar determinada situação. Esse concerto surgiu num momento muito importante, daqueles momentos que deixam marcas indeléveis para o resto de nossos dias. Conjunção de fatores externos aliados à uma baixa imunidade emocional fizeram com que essa obra se estabelecesse definitivamente como o nossa favorita.

Johannes Brahms (1833-1897) – Piano Concerto nº 1 in D minor , op. 15

1 – Maestoso – Poco pio moderato
2 – Adagio
3 – Rondo (Allegro ma non troppo)

Maurizio Pollini – Piano
Wiener Philarmoniker
Karl Böhm – Director

Johannes Brahms (1833-1897) – Piano Concerto nº 2 in B flat, op. 83

1 – Allegro Non Troppo
2 – Allegro Appasionato
3 – Andante
4 – Allegretto Grazioso – Un Poco Piu Presto

Maurizio Polini – Piano
Wiener Philarmoniker
Claudio Abbado – Director

Concerto nº1 – BAIXE AQUI
Concerto nº2 – BAIXE AQUI

14 comments / Add your comment below

  1. Curioso, tenho maior admiração pelo primeiro, muito estranho e original. Mas o segundo também é um caso muito sério. E Pollini, meu pianista preferido, ganhou o prêmio de Artista Europeu de 2007 e, portanto, está ativo, na mídia, tocando como nunca, alive and kicking.Eu te agradeço esta postagem, pois não tinha ouvido ainda estes concertos por Pollini.Grande abrsço, seu FDP.P.Q.P. Bach.

  2. Caro Pessoal Do PQP:quero aqui expressar minha espetacular gratidão à existência desse blog. Há tantas coisas dignas de sererm fruídas nesse pequeno planeta. Vocês conseguem aqui reunir uma boa parte delas.Já há algum tempo frequento o blog. Posso dizer que meu acervo está enriquecido como nunca. Vocês são a melhor coisa que já aconteceu na blogosfera em termos de clássicos.E já que eu tenho tanto prazer com as coisas que vocês deixam aí, sei lá, meu deu vontade de dizer oi.Então: oi.Vocês são ótimos.Um abraço:Ygor.

  3. Ygor e anônimo.O elogio de vocês faz um bem tremendo ao blog. Notamos a repercussão, crescemos algusn centímetros e seguimos em frente. Também é uma questão de ego, claro, mas o retorno de vocês faz com que tentemos ser melhores.Grande abraço.PQP Bach.

  4. Uma das gravações desse concerto que ainda tenho em K7 é com Staviawoslav Richter, piano, sob regencia de Karajan com OFB. Um primor! Outra, em CD, com Gerard Opitz,piano, Colin Davis e O.S.da Radio de Bavária. Òtima!! Conheces essas PQP? Já tive essa do Pollini com Bohm, mas não me empolgava, pois soava “mozartiano”, parece que deixaram toda a dramaticidade de fora. Pode ser culpa da engenharia de som responsavel pelo CD, da coleção Galleria da DG.

  5. Sander, meu pai tinha a do Richter-Karajan em vinil, mas infelizmente não lembro dela. Deve ser ótima, claro.Esta do Colin Davis eu não lembro mesmo. Não tinha uma Kovacevich-Davis?Abraço (limpei aquele comentário desnecessário, OK?).PQP Bach

  6. Querida Clara, Seu desejo será satisfeito… só peço que aguarde alguns dias, que postarei os brendelzinhos (brendelzão, eu diria)…A seu disporFDP Bach…

  7. Cheguei a ver o CD com Kovacevich-Davis, mas não tive oportunidade de ouvi-lo, e por falta de grana na hora, não pude comprar.Quanto ao comentário removido, obrigado e sem mágoas.

  8. Embora eu seja apaixonadadamente fascinado pelos dois ultimos concertos de beethoven, especialmente o Imperador, há quem diga os dois concertos de Brahms sao os de maior profundidade de pensamento musical da historia. O dois realmente é fantastico. Concerto para piano ou uma sinfonia concertante? Essa era uma pergunta feita nos finais do seculo XIX. Pouco importa. É realmente lindo e profundo! Flavio

  9. ol� amigos. elogios? todos os poss�veis. uma pena! n�o sei se falha minha, mas estou tentando efetuar o download dos concertos para piano de brahms, mas parece-me que o link est� inv�lido. gostaria muito desta grava�o… abra�os, enoque

  10. Tenho uma enorme admiração por Brahms, chega ao fascínio, quase um endeusamento. Todas as composições, pra mim, são perfeitas, e esses dois concertos(que ouço praticamente todos os dias há mais de 6 meses) são impecáveis, alguém que o ama assim como eu pode entrar em contao por e-mail; preciso conhecer fãs de Brahms que compartilhem comigo essa emoção…

Deixe uma resposta