George Friederich Handel (1685-1759) – Concerti Grossi op. 3 nºs 1 a 6

FDP Bach ficou extremamente feliz quando conseguiu essa gravação, do grande Karl Richter regendo sua Münchener Bach Ochestra, tocando os Concerti Grossi op. 3 e op. 6 de Handel. Já era objeto de desejo antigo, pois é fã desde a sua infância deste grande regente do barroco, infelizmente falecido um tanto quanto precocemente aos 54 anos.
Vou postar os 4 cds aos poucos, para poderem ser devidamente apreciados, pois trata-se de uma gravação histórica do catálogo da Archiv, selo que pertence à poderosa Deutsche Grammophon.

George Friederich Handel (1685-1759) – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nºs 1 a 6 CD 1

1 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 1 – Allegro
2 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 1 – Largo
3 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 1 – Allegro
4 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 2 – Vivace – Grave
5 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 2 – Largo
6 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 2 – Allegro
7 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 2 – ……………….
8 – Concerto Grosso in B Flat, op. 3 nº 2 – ……………….
9 – Concerto Grosso in G, op. 3 nº 3 – Largo e stacatto
10 – Concerto Grosso in G, op. 3 nº 3 – Allegro
11 – Concerto Grosso in G, op. 3 nº 3 – Adagio
12 – Concerto Grosso in G, op. 3 nº 3 – Allegro
13 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 – Andante – Allegro – Lentamente
14 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 – Andante
15 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 – Allegro
16 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 – Minuetto
17 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 bis – largo
18 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 bis – Allegro
19 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 bis – Largo
20 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 4 bis – Allegro
21 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 5 – (sem indicação de tempo)
22 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 5 – Fuga (allegro)
23 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 5 – Adagio
24 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 5 – Allegro, ma non troppo
25 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 5 – Allegro
26 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 6 – Vivace
27 – Concerto Grosso in F, op. 3 nº 6 – Allegro

Gerhart Hetzel, Hedwig Bilgram, Kurt-Christian Stier, Fritz Kiskalt – solistas
Münchener Bach Orchestra
Karl Richter

BAIXE AQUI

Gustav Mahler (1860-1911) – Canções de “Das Knaben Wunderhorn”

Gosto muito desta versão para piano do ciclo de canções “Das Knaben Wunderhorn”. O nome, que significa algo como “A trompa mágica do menino”, é uma coleção de poemas populares, publicada em três volumes em Heidelberg pelos poetas e escritores alemães Achim von Arnim e Clemens Brentano entre 1805 e 1808. A coleção contém canções da Idade Média até o Século XVIII.

As canções foram musicadas – entre outros – por Gustav Mahler entre 1892 a 1901. Alguns autores as mencionam em número de 13, porém o compositor musicou, na verdade, 24 daqueles poemas. Cada intérprete escolhe o quais deseja cantar. Também não há uma seqüência de apresentação.

Acho o ciclo divertidíssimo e minha preferência vai para “Wer hat dies Liedlein erdacht?!”, “Des Antonius von Padua Fischpredigt” e “Wo die schnen Trompeten blasen”, talvez a primeira música de Mahler que tenha ouvido. Sim, há mais de 30 anos.

O barítono Thomas Hampson, há pouco tempo, esteve em São Paulo apresentando este programa.

P.Q.P. Bach.

1. Der Schildwache Nachtlied
2. Revelge
3. Rheinlegendchen
4. Wer hat dies Liedlein erdacht?!
5. Verlorne Mh’!
6. Trost im Unglck
7. Lob des hohen Verstands
8. Des Antonius von Padua Fischpredigt
9. Lied des Verfolgten im Turm
10. Der Tamboursg’sell
11. Wo die schnen Trompeten blasen
12. Das irdische Leben
13. Das himmlische Leben
14. Urlicht
15. “Es sungen drei Engel einen sen Gesang”

Thomas Hampson (Baritone)
Geoffrey Parsons (Piano)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

.: interlúdio :.

Às vezes quero postar algo mais contemporâneo ou diferente, e me pego pensando – mas e aquele disco? Tão importante, que não postei ainda?

Por isso, deixo Nicholas Payton para depois e lhes trago a majestosidade de In a Silent Way.

A data da gravação é 18 de fevereiro de 1969. Os mais próximos da discografia de Miles Davis sabem o que isso significa: nada de bop. O final dos anos 60 marca a tomada de direção em rumo ao fusion – mais um estilo com sua assinatura na certidão de nascimento. Ao agregar instrumentos elétricos ao jazz, aceitou a provocação do rock; e antes de quebrar as estruturas do jazz tradicional no (estupefaciente) “Bitches Brew” (1970), Miles cimentou a base do fusion (toda fama de Dave Brubeck) neste álbum. Não somente na música, também na produção: ativo na edição, realizou um segundo trabalho de composição e arranjo para o resultado final. As frases desconexas, muitas vezes, tiveram sua atonalidade amplificada estruturalmente pelo artista.

São duas faixas; uma por lado, batendo nos vinte minutos. Na verdade, cada música é dividida em três partes – veja logo abaixo para as divisões (apenas didáticas) exatas. Notarão que o último segmento tem o mesmo nome do primeiro; propositadamente, a última parte é uma repetição da primeira. Miles compôs as peças num esquema exposição, desenvolvimento e recapitulação, com o intuito de que fossem melhor assimiladas. Exagero. Duas magníficas viagens de jazz ora harmônico e tranqüilo, noutras livre e swingado como nos anos 20, em grooves que lembram o berço da raça de Davis, e em solos de virtuosismo poucas vezes reunido. Não vou precisar falar sobre os integrantes da gravação; a ficha técnica logo abaixo da capa diz tudo. (Estão perdoados por interrogações ao baterista, mas somente.) Apenas destaco que dos três pianos operados, o Fender Rhodes de Corea não é apenas uma delícia para os ouvidos, mas também um aceno do que ocorria em 1969, do lado de fora do estúdio B da Columbia, em Nova Iorque.

10961 899775377

Miles Davis – In a Silent Way (256)
Miles Davis: trumpet
Wayne Shorter: soprano saxophone
John McLaughlin: electric guitar
Herbie Hancock: electric piano
Chick Corea: electric piano
Joe Zawinul: organ
Dave Holland: bass guitar
Tony Williams: drums

(muito bem) Produzido por Teo Macero para a Columbia

download AQUI – 72mB
01 Shhh/Peaceful (Davis) – 18’16
Shhh – 6’14
Peaceful – 5’42
Shhh – 6’20
02 In a Silent Way/It’s About That Time – 19’52
In a Silent Way (Zawinul) – 4’11
It’s About That Time (Davis) – 11’27
In a Silent Way – 4’14

Boa audição!

Blue Dog

Correção

Retirei a postagem do Karajan/Schubert pois está com um pequeno problema, acabei fazendo confusão na separação das faixas. Corrijo assim que possível para postá-la novamente. Os que a baixaram irão verificar que o scherzo da sinfonia nº 9 simplesmente foi suprimido. Falha nossa.

FDP Bach.

Sob a influência do jazz – Gershwin, Milhaud, Ravel, Stravinski e Weill regidos por Bernard Herrmann

O CD (ex-LP) Classic Jazz, de 1966, traz uma série de obras “eruditas” muito influenciadas pelo jazz. A seleção é notável e a interpretação é sempre adequada: divertida, alegre e espalhafatosa. Um grande disco, sem dúvida.

A idéia deste trabalho foi do imenso Bernard Herrmann (1911-1975), o maior compositor de músicas para o cinema. Parceiríssimo de Alfred Hitchcock, Herrmann escreveu a trilha sonora de oito filmes: O terceiro tiro (1955), O homem que sabia demais (1956), O homem errado (1957), Um corpo que cai – Vertigo (1959), Intriga internacional (1959), Psicose (1960) e Os pássaros (1963). Herrmann foi o consultor de som de Marnie, confissões uma ladra (1964). Na realidade, Cortina rasgada também teve uma trilha musical composta por Herrmann. No entanto, Hitchcock queria música pop e desistiu da partitura de Herrmann, o que gerou uma boa briga e rompimento definitivo de uma parceria que rendeu o reconhecimento de críticos e público.

Mas não foi só isso. É de Herrmann a trilha de Taxi Driver (Scorsese), de Cidadão Kane (Welles) e de Fahrenheit 451 (Truffaut). Não, não é mole.

Aqui, ele torna-se regente de interessantes obras que nasceram a partir do jazz. Destaque para Rhapsody in Blue, para o Ragtime de Stravinski, para Milhaud – que aparece pela primeira vez neste blog – e para a divertida brincadeira de Ravel. Ou seja, quase tudo!

P.Q.P. Bach.

Classic Jazz

1. Rhapsody In Blue
Composição de George Gershwin
London Festival Orchestra
Stanley Black, piano e regência

2. The Threepenny Opera: Mack the Knife / Instead-of Song / The Good Life (Foxtrot) / Polly’s Song / Tango / The Bis Shots: Charleston
Composição de Kurt Weill
London Festival Orchestra [members of]
Bernard Herrmann

3. Ragtime
Composição de Igor Stravinsky
London Festival Orchestra [members of]
Bernard Herrmann

4. La Création du Monde
Composição de Darius Milhaud
London Festival Orchestra [members of]
Bernard Herrmann

5. Five O’Clock Foxtrot (de L’enfant et les sortilèges)
Composição de Maurice Ravel
London Philharmonic Orchestra
Bernard Herrmann

6. Variations on ‘I got rhythm’ (para piano e orquestra)
Composição de George Gershwin
London Festival Orchestra [members of],
David Parkhouse, piano
Bernard Herrmann

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Georg Philip Telemann (1681-1767) – Passion Oratorio / 2 Cantatas

Apesar da excelente orquestra, regente e cantores, não é um CD de enlouquecer. Aliás, segundo F.D.P. Bach, nem a Ino é. Trata-se de um bom disco que prova que Telemann era mais instrumental do que vocal.

MaxQuando vi o CD, a cara de maluco de Hermann Max me assustou. Tinha me esquecido. O cara parece saído de uma comédia dos anos 60. Em vez de Telemann, fiquei pensando nas quantidades oceânicas de laquê que ele deve usar. Igualzinho a minha mãe há quarenta anos atrás.

P.Q.P. Bach.

1. Betrachtung Der 9: Acccompagnato – Wilfried Jochens/Hans-Georg Wimmer/Harry Van Der Kamp/David Cordier
2. Betrachtung Der 9: Chorale – Rheinische Kantorei
3. Betrachtung Der 9: Recitativo – Wilfried Jochens
4. Betrachtung Der 9: Aria – Harry Van Der Kamp
5. Betrachtung Der 9: Chorale – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
6. Betrachtung Der 9: Recitativo – David Cordier
7. Betrachtung Der 9: Acccompagnato – Hans-Georg Wimmer
8. Betrachtung Der 9: Aria – Hans-Georg Wimmer
9. Betrachtung Der 9: Chorale – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max

Composed by Georg Philipp Telemann
with David Cordier, Kleine Konzert Orchestra, Wilfried Jochens, Harry van der Kamp, Rheinische Kantorei, Stephan Schreckenberger, Kai Wessel
Conducted by Hermann Max

10. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Tenor Solo & Chorus – Wilfried Jochens
11. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Recitativo – Wilfried Jochens
12. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Aria – Wilfried Jochens
13. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
14. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Recitaivo – Kai Wessel
15. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Duetto – Stephan Schreckenberger/Kai Wessel
16. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
17. Ein Mensch Ist In Seinem Leben Wie Gras: Chorale – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max

Composed by Georg Philipp Telemann
with David Cordier, Kleine Konzert Orchestra, Wilfried Jochens, Harry van der Kamp, Rheinische Kantorei, Stephan Schreckenberger, Kai Wessel
Conducted by Hermann Max

18. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Son – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
19. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
20. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Aria – Maria Zadori
21. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
22. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Aria – Wilfried Jochens
23. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Aria – Kai Wessel
24. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max
25. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Aria – Stephan Schreckenberger
26. Herr, Ich Habe Lieb Die Statte Deinse Hasues: Chorus – Rheinische Kantorei/Das Kleine Konzert/Hermann Max

Composed by Georg Philipp Telemann
with David Cordier, Kleine Konzert Orchestra, Wilfried Jochens, Harry van der Kamp, Rheinische Kantorei, Stephan Schreckenberger, Kai Wessel
Conducted by Hermann Max

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Wilhelm Richard Wagner (1813-1883) – Tannhäuser

Gostaria de fazer algumas considerações à respeito desta postagem de Wagner. Estou começando por Tannhauser, talvez por ser mais conhecida, com o famoso “coro dos peregrinos”, além de outras passagens memoráveis. Consegui-a, como não poderia deixar de ser, com a Comunidade Richard Wagner Brasil, do Orkut. Wagnerianos apaixonados, eles fazem o possível e o impossível para conseguir gravações fantásticas, como essa que ora disponibilizo, e onde se discutem temas os mais variados sobre as óperas em si.

A parte as discussões mais acaloradas como as que suscitaram o texto do Milton Ribeiro, minha preocupação com estas postagens é simplesmente estética e musical… não me interessam debates sobre sua influência no pensamento nazista, etc., etc, etc. Quero apenas que se preocupem com a música… estarei me esforçando em disponibilizar as gravações mais famosas, com seus melhores intérpretes… se Windgassen é o melhor Tannhauser, ou Siegfried, ou se Nilsson é superior à Flagstad, são discussões que deixo à cargo de quem conhece. O que vale na postagem é o que mais vier a me emocionar.

Esta gravação que estou postando de Tannhäuser é especial em diversos aspectos. Começando pelo elenco, com um Wolfgang Windgassen em plena forma como Tannhäuser, e Dietrich Fischer-Dieskau como Wolfram von Eschenbach, além de termos a grande Victoria de Los Angeles como Elizabeth. A regência é do grande Wolfgang Sawallisch, à frente da Bayreuth Festival Chorus and Orchestra, gravado ao vivo, em pleno festival de Bayreuth de 1961. Ou seja, a gravação terá todos os ruídos, tosses, ranger de cadeiras, etc., que caracterizam estas gravações ao vivo. À seu favor, um time de primeiríssima, no apogeu de sua forma,e o que é o principal, gravado no templo wagneriano por excelência.. a emoção de ouvir uma gravação dessas é indiscritível.

Estou me propondo a fornecer a sinopse das óperas a partir do livro “História das Grandes Óperas e de Seus Compositores”¹, de Ernest Newman, em seu primeiro volume, inteiramente dedicado à Wagner. Neste livro, as óperas são analisadas minuciosamente, cena a cena, ato a ato. Newman tem seus críticos, mas ainda é a melhor opção que temos em português para conhecermos melhor essas obras. Portanto, escaneei e transformei em arquivo .pdf o capitulo referente à Tannhäuser. O farei com todas as outras que vier a postar.

Não encontrei na Internet uma tradução do libretto de Tannhäuser. O incrível trabalho de Luiz de Lucca (http://www.luiz.delucca.nom.br/wep/wagneremportugues.html) ainda não tem à disposição a tradução desta ópera, mas para compensar, todo o ciclo do Anel dos Nibelungos se encontra ali devidamente analisado e traduzido, além do “Parsifal”, além de outras discussões pertinentes à questão.

Wilhelm Richard Wagner (1813-1883) – Tannhäuser

Libretto by the composer

First performance: Königlich Sächsisches Hoftheater, Dresden, 19 October 1845

Hermann, Landgrave of Thuringia ………………… Josef Greindl
Tannhäuser ……………………………………… Wolfgang Windgassen
Wolfram von Eschenbach ……………. Dietrich Fischer-Dieskau
Werther von der Vogelweide ……………………… Gerhard Stolze
Biterolf ……………………………………………………………. Franz Crass
Heinrich der Schreiber ………………………………. Georg Paskuda
Reinmar von Zweter ……………………………………….. Theo Adam
Elisabeth, niece to the Landgrave ….. Victoria de Los Angeles
Venus …………………………………………………………. Grace Bumbry
A shepherd boy …………………………….. Else-Margrete Gardelli

Bayreuth Festival Chorus and Orchestra
Wolfgang Sawallisch, conductor
Recorded live, Bayreuth 1961

CD 1 – BAIXE AQUI

CD 2 – BAIXE AQUI

CD 3 – BAIXE AQUI

SINOPSE DA ÓPERA – BAIXE AQUI

J. S. Bach (1685-1750) – Magnificat BWV 243 e Cantata BWV 82 Ich habe genug

O Magnificat com suas esplêndidas árias curtas precisa de comentários? Acho que não. E a lindíssima Cantata BWV 82, a preferida por nove entre dez barítonos, também não.

Enjoy!

P.Q.P. Bach.

Johann Sebastian Bach
Magnificat in D Major, BWV 243
Oxford Schola Cantorum – Jeremy Summerly, Conductor
Northern Chamber Orchestra – Nicholas Ward, Conductor

1 Magnificat 3:15
2 Et exsultavit 2:29
3 Quia respexit 2:39
4 Omnes generationes 1:17
5 Quia fecit mihi magna 2:12
6 Et misericordia 3:57
7 Fecit potentiam 2:00
8 Deposuit potentes 2:09
9 Esurientes 3:06
10 Suscepit Israel 2:18
11 Sicut locutus est 1:39
12 Gloria Patri 2:35

Johann Sebastian Bach
Cantata: Ich habe genug, BWV 82
Oxford Schola Cantorum – Jeremy Summerly, Conductor
Northern Chamber Orchestra – Nicholas Ward, Conductor

13 Aria: Ich habe genug 8:01
14 Recitative: Ich habe genug 1:21
15 Aria: Schlummert ein 9:25
16 Recitative: Mein Gott 0:51
17Aria: Ich freue mich 4:01

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


Aviso:

O CD1 das Bachianas Brasileiras de Villa-Lobos estava aparentemente apresentando problemas. Aqui está o arquivo que substitui as faixas 7 e 8 do CD. Acho estranho que, após 634 downloads, tais faixas passem a apresentar problemas, ainda mais se considerarmos que ouvi os arquivos mp3 que foram upados e eles estavam OK. Coloco as duas faixas porque um comentarista disse que o problema estava localizado na faixa 7, Prelúdio das Bachianas Nº 3, só que a faixa 7 é O Trenzinho Caipira, último movimento das Bachianas Nº 2. Então, subi as duas.

Sobre Richard Wagner

Pouco antes da publicação de nossa primeira postagem de Richard Wagner, o blog de Milton Ribeiro apresentou um texto sobre o compositor que talvez interesse aos ouvintes/leitores do P.Q.P. Bach. Copio o texto para cá com as fotos e gravura que constam no original.

P.Q.P. Bach.

Richard Wagner e o Nazismo

Uma mente madura deve ser capaz de admitir a coexistência de dois fatos contraditórios: que Wagner foi um grande artista e, segundo, que Wagner foi um ser humano abominável.

Edward Said

Você deve pensar que se a música é algo impalpável e transitório – se, como disse Busoni, “é apenas ar sonoro” -, não haveria espaço para muita ideologia ou nacionalismo nela. Mesmo no terreno da ópera, com a necessidade de se contar uma história, fazer “poesia”, ser teatro e música ao mesmo tempo, seria complicado estabelecer teses. Mas há Wagner e Wagner, o autor e o homem. Curiosamente, Wagner deixou quaisquer referências diretas aos judeus fora de sua música. Aliás, é estranha a culpa de alguns autores que são capazes de escrever pequenos ensaios como Das Judentum in der Musik (O Judaísmo na Música, de 1850), mas deixam sua obra maior livre destas referências seculares… Também Céline, Hamsun e Pound não entremearam sua obra com referências anti-semitas ou nazistas, deixando essas coisas para os panfletos e jornais. O fato é que Wagner foi trazido pelo próprio Hitler ao centro da discussão, tornando-o o maior dos anti-semitas, postura que está longe de ser um privilégio exclusivo. Em Das Judentum in der Musik ele vai longe e como! Primeiro, ataca a influência dos judeus na música e cultura alemãs, descreve os judeus como ex-canibais de fato e agora canibais das finanças. Logo após afirma que são de natureza muito pouco profunda, acusa-os de corruptores da língua alemã e ataca Meyerbeer e Mendelssohn, compositores judeus que considerava inimigos… Em uma carta para Lizst, Wagner completa sua obra ao confessar que “Sinto um ódio, por muito tempo reprimido, contra os judeus e esta luta é tão necessária à minha natureza como meu sangue… Quero que deixem de ser nossos amos. Afinal, não são nossos príncipes, mas nossos banqueiros e filisteus…”.

Siegfried MimeEmbora não haja referências anti-semitas em suas óperas, é bastante claro o significado da existência de Beckmesser em Os Mestres Cantores de Nurenberg e de Mime no Anel. São associações muito claras e ao final ambos são derrotados. Uma mesma canção interpretada por Beckmesser nos Mestres Cantores causa riso e rejeição, enquanto que a interpretação de Stolzing dá vida à música… E o discurso de Hans Sachs ao final da mesma ópera traz uma apologia da santa arte alemã, alertando para os perigos que vêm de fora. Mime estranhamente se declara hipócrita, pois esconde “pensamentos íntimos”, mas o pior é a associação de seu nome (mine, mímesis em grego, significa “imitação”) com a descrição dos judeus em O Judaísmo na Música acrescida pelo fato de Wagner obrigar o personagem a registros altíssimos e a cantar em intervalos semelhantes aos de um pássaro – um corvo, uma gralha –, reservando-lhe ao final uma morte brutal sob a espada de Siegfried.

Grande admirador de Wagner, Gustav Mahler escreveu:

No doubt with Mime, Wagner intended to ridicule the Jews with all their characteristic traits — petty intelligence and greed — the jargon is texually and musically so cleverly suggested; but for God’s sake it must not be exaggerated and overdone as Julius Spielmann does it… I know of only one Mime and that is myself… you wouldn’t believe what there is in that part, nor what I could make of it.

Hitler Und WagnersOra, tais coisas, quando em contato com quem necessita de justificativas para seus ódios… só pode criar uma idolatria. Não por acaso, caíram na mão de um certo Adolf Hitler. Ele ia com freqüência assistir às óperas de Wagner e orgulhava-se de ter lido tudo o que dele havia. Era amigo dos netos do compositor – fez-se fotografar com eles – e visitava Bayreuth mesmo durante os anos de guerra. Em 1923, foi conhecer a viúva de Wagner, Cosima. Ou seja, fazia absoluta questão de ligar-se ao compositor. Claro que o nazismo não é uma conseqüência direta disto, mas é indiscutível que Wagner influenciou a sociedade alemã com suas sagas nórdicas – tão ao gosto do nazismo -, com sua pompa e anti-semitismo. Imaginem que Hitler era tão influenciado que tornou-se vegetariano… por causa e tal como o compositor!

Agora, há grandes méritos em Wagner. Foi compositor, regente, libretista, ensaísta, político (principalmente no sentido de que era suscetível a alterar suas posições subitamente, era um casuísta), polemista, amigo e referência de toda a intelectualidade alemã da época, entendido em acústica, publicitário dos bons, e era quase tudo o que você imaginar. Sem dúvidas, era um gênio. Construiu em Bayreuth um teatro revolucionário que até hoje é o melhor para suas óperas serem apresentadas, devido ao grande palco e ao fato da posição da orquestra ficar sob o mesmo, no chamado Abismo Místico (mystischer Abgrund), o qual produz um som absolutamente espetacular, escondendo inteiramente a orquestra dos espectadores – pois Wagner queria atenção absoluta ao palco – e permitindo que a orquestra abuse dos fortíssimo porque, por misteriosa ciência acústica, a posição da orquestra garante que tudo será ouvido claramente pelos espectadores da ópera, apesar dos músicos sofrerem com o calor do aposento. A acústica do teatro está mais para o milagre do que para qualquer outra coisa.

Sua imaginação melódica e suas texturas harmônicas são de um refinamento ao qual é impossível associar imagens como, por exemplo, as dos assassinatos em massa. Há um enorme descompasso quando Goebbels utiliza sua música na propaganda nazista. Na verdade, é uma música revolucionária destinada a entendidos. Mas Goebbels vê nela a música do autor de O Judaísmo na Música, a música de um nacionalista que odiava os judeus, porém apenas algumas aberturas e a tal Cavalgada das Valquírias serviam aos propósitos propagandistas do regime e não suas vastas e complexas óperas que, em seu contexto, fizeram a efetiva ligação entre a música dó século XIX e a moderna. Sua música sempre aparece descontextualizada sob o nazismo e eu imagino o que não sofriam os nazistas que faziam a peregrinação anual à Bayreuth para assistir por horas e horas óperas destinadas a uma elite intelectual… Só que eles tinham que gostar, não? Na opinião do chefe, era a expressão de uma superioridade.

Hitler3Eu leio Céline – um dos maiores romancistas que conheço – e abomino seu lado B; também leio Pound e gosto de Dali, um admirador de Franco. Por que não ouviria Wagner? É ilógico, mas confesso que não o evito. Sinto como se houvesse muito de demasiado na personalidade de Wagner e isto invade a esfera artística de tal modo que é quase impossível ouvi-lo (não há erro na expressão “muito de demasiado”). Ele queria tudo: a obra de arte total, a criação de uma nova música, o tea
tro ideal para ela, procurava a maior controvérsia, escrevia panfletos, fazia tudo para aparecer e era tudo para si. É demais para mim saber de tudo isso, mesmo não ignorando seus indiscutíveis e tão audíveis méritos. Para vocês terem uma idéia, a cena em estética nazista do filme Apocalipse Now – a dos helipcópteros bombardeando os surfistas tendo a Cavalgada como fundo – provoca-me náusea… E detesto o filme de Coppola! E nem sou judeu! É irracional, mas é assim. Defendo-me com o auxílio de Thomas Mann que denunciou o substrato racista das obras de Wagner sob aquelas confusas sagas nórdicas, das quais também não gosto nem um pouco, mas sei que é isso é apenas colocar uma grife numa rejeição para a qual não encontro explicação. Por que posso preterir o grande Richard Wagner e não o não menos enorme Louis-Ferdinand Céline? Sei lá.

Richard Wagner (1823-1883) – Tannhauser Overture & Venusberg, The Mastersingers Of Nuremberg: Prelude To Act III & Tristan And Isolde: Prelude

Ok, os pedidos foram tantos e tão insistentes que resolvi ceder, em parte. Afora alguns desbocados, devidamente removidos, os demais pedidos foram feitos com educação e de certa forma vieram de encontro à um antigo desejo de postar Wagner, mas sempre aparecia alguma coisa que impedia.
Resolvi, portanto, começar pelo começo, com o perdão da redundãncia. Fâ desde criança do gênio wagneriano, tive meus horizontes abertos ao ter o privilégio de participar da comunidade orkutiana Richard Wagner Brasil, moderada pelo incrível Velius, que possui um acervo de fazer inveja a qualquer um. Pois ali nesta comunidade aprendi a conhecer intérpretes, regentes, gravações famosas, outras meia bocas, sempre com os comentários e análises de quem realmente entende do assunto.
Mas , vou como comentei acima, vou começar pelo começo. Digamos que esta postagem seja uma introdução para o que virá pela frente. Pretendo postar um ciclo do Anel dos Nibelungos, na sua versão mais famosa, a de George Solti, um Tannhauser também famoso, do Sinopoli, e ainda não sei mais o que poderá vir pela frente. Dependerá apenas da recepção que estas postagens terão.
Este cd ´que estou postando pertence à serie “KARAJAN GOLD”, uma homenagem da gravadora Deutsche Grammophone ao seu “best-seller”, a um dos maiores regentes do século XX, Herbert von Karajan. Foi uma série de 31 cds, com as gravações mais destacadas deste maestro austríaco. Um destes cds é dedicado à Wagner. Nele, são interpretadas a famosa Abertura de Tannhauser, além de sua seqüência, “Venusberg”. Em seguida, temos o Prelúdio do 3º ato de “Os Mestres Cantores de Nüremberg”,e para finalizar, um Prelúdio de “Tristão e Isolda” além de “A Morte de Isolda”, da mesma ópera.
Espero que apreciem.

Richard Wagner (1823-1883) – Tannhauser Overture & Venusberg, The Mastersingers Of Nuremberg: Prelude To Act III & Tristan And Isolde: Prelude

1 – Tannhauser und der Sängerkrieg auf Wartburg – Overtüre – Bacchanale (Venusberg)
2 – Die Meistersinger von Nürnberg – Vorspiel zum 3. Aufzug
3 – Tristan und Isolde – Vorspiel – Isoldes Liebestod

Berliner Philarmoniker
Herbert von Karajan

BAIXE AQUI

Francesco Geminiani (1687-1762) – Concerti Grossi

Ninguém mais suportava a ausência de Geminiani neste blog. As pressões eram demasiadas e fui obrigado a me curvar.

Mas, falando sério, gosto muito deste aluno de Corelli, cuja notícia bibliografica coloco abaixo. Sua música é agradável e, desde algumas antigas gravações de Hogwood, passei a admirar Geminiani, principalmente quando interpretado em instrumentos originais e sob uma orquestra com tesão como a Tafelmusik de Jeanne Lamon.

Francesco Geminiani nasceu em Lucca (Itália), em dezembro de 1687. Aluno de Corelli em Roma, foi, ao que parece, um virtuose extraordinário. Mas o seu estilo exuberante poderia parecer excêntrico se tomássemos como referência o nobre classicismo do seu professor. A grande vivacidade de seu temperamento, a falta de compasso, fecharam-lhe as portas da carreira de mestre de capela (perdeu a direção da Ópera de Nápoles, cujos músicos não conseguiam acompanhar a sua batuta fantasista).

Em 1714, fixou-se na Inglaterra, onde se apresentou com grande êxito, acompanhado por Händel. Entre 1733 e 1740 viveu em Dublin, numa casa magnífica anexa a uma sala de concertos. Aí recebia os seus alunos e dava concertos privados. Durante o resto do tempo viveu em Londres até 1749. Instalou-se então, em Paris, onde montou nas Tulherias, uma peça fantástica espetacular, La forêt enchantée (31 de março de 1754). Em 1755, voltou para Londres e Dublin (Irlanda), onde Geminiani morreu 17 de setembro de 1762.

Geminiani aperfeiçoou consideravelmente a técnica do violino. Não só tocava com à-vontade as obras de Corelli que, na época, eram consideradas difíceis, como acumulava ousadias técnicas nas suas próprias obras. Entre as suas obras teóricas encontra-se um tratado de uma importância considerável, uma vez que encontramos nele todos os princípios da técnica moderna do violino, A arte de tocar o violino: esta obra, escrita em inglês, faz dele o mestre da escola britânica de violino.

Todavia, nas suas composições, é muito menos original do que os seus grandes contemporâneos italianos, nomeadamente Vivaldi ou Tartini. Permaneceu fiel à antiga forma da sonata de igreja que Corelli lhe ensinara, mas sem nunca ter atingido a perfeição e o esplendor das obras de seu mestre. Escreveu 42 sonatas para violino, 18 concertos para violino, concertos grossos, trios, peças para cravo (arranjos de concertos) e 7 obras teóricas.

(Retirado daqui.)

P.Q.P. Bach.

1. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: I – Presto
2. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: II – Adagio
3. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 3: III – Allegro

4. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: I – Andante
5. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: II – Allegro
6. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: III – Adagio
7. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 1: IV – Allegro

8. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: I – Andante
9. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: II – Allegro
10. Concerto Grosso In A Major, Op. 2, No. 6: III – Allegro

11. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: I – Adagio
12. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: II – Allegro
13. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: III – Adagio
14. Concerto Grosso In C Minor, Op. 2, No. 2: IV – Allegro

15. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: I – Andante
16. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: II – Allegro
17. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: III – Adagio
18. Concerto Grosso In D Major, Op. 2, No. 4: IV – Allegro

19. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: I – Grave
20. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: II – Allegro
21. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: III – Adagio
22. Concerto Grosso In D Minor, Op. 2, No. 5: IV – Allegro

23. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: I – Adagio
24. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: II – Allegro
25. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: III – Adagio
26. Concerto Grosso In C Major After Corelli, Op. 5, No. 3: IV – Allegro

27. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: I – Adagio
28. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: II – Vivace
29. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: III – Adagio
30. Concerto Grosso In G Minor After Corelli, Op. 5, No. 5: IV – Allegro

Tafelmusik – Jeanne Lamon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

.: interlúdio :.

Antes de mudar o jazz, o Coltrane pós-Miles Davis Quintet produziu um par de discos de hard-bop. Este é o primeiro deles, considerado a estréia de Trane como músico completo – saxofonista, compositor e band leader.

Blue Train foi gravado no dia 15 de setembro de 1957, e traz como abertura uma das faixas mais memoráveis do estilo, um dos riffs mais grudentos e reconhecíveis do jazz. Ao longo das cinco músicas, apenas um standard; e delas, duas – Moment’s Notice e Lazy Bird – trazem já a marca do ‘Blue Trane’ que surgiria poucos anos depois.

A edição trazida aqui é a de 1997, com dois takes alternativos. Os arquivos .rar são independentes e podem ser extraídos em separado; os takes adicionais estão no segundo pacote.

Blue Train

John Coltrane – Blue Train (320)
John Coltrane: tenor saxophone
Lee Morgan: trumpet
Curtis Fuller: trombone
Paul Chambers: bass
Kenny Drew: piano
Philly Joe Jones: drums
produzido por Alfred Lion para a Blue Note

download AQUI – parte 1 (93 MB) parte 2 (37 MB)
01 Blue Train – 10’41
02 Moment’s Notice – 9’09
03 Locomotion – 7’13
04 I’m Old Fashioned (Kern, Mercer) – 7’57
05 Lazy Bird – 7’05
06 Blue Train alt take – 9’56
07 Lazy Bird alt take – 7’14

Boa audição!
Blue Dog

.: interlúdio :.

Quando souberam que eu possuía esse CD, PQP Bach e Blue Dog me intimaram a postá-lo. Portanto, eis Ah Um!, do Charles Mingus, um dos maiores discos da história do Jazz. Só a faixa 2, “Good Bye Pork Pie Hat”, composta em homenagem ao grande Lester Young, um dos maiores sax tenor da história, já vale o CD. Juntamente com os arquivos das músicas, coloquei o libreto, que escaneei e converti para .pdf, para todos terem acesso a maiores informações.

Charles Mingus – Ah Um !

1. Better Git It In Your Soul
2. Goodbye Pork Pie Hat
3. Boogie Stop Shuffle
4. Self-Portrait In Three Colors
5. Open Letter To Duke
6. Bird Calls
7. Fables Of Faubus
8. Pussy Cat Dues
9. Jelly Roll
10. Pedal Point Blues
11. GG Train
12. Girl Of My Dreams

BAIXE AQUI

Franz Joseph Haydn (1732-1809) – Divertimenti a otto voci

180px EsterhazybarytonUm excelente Haydn na postagem anterior, este nem tanto. Uma amiga me visitou e me emprestou este estranho CD. Baryton é um estranho instrumento de cordas que havia na corte dos Esterhazy, onde Haydn trabalhava. Tem mais ou menos o tamanho de um violoncelo e parece que é complicadíssimo de tocar. Talvez tão complicado que Haydn escreveu música fácil demais para ele. Você não precisa fugir deste de ouvi-lo, mas saiba que o CD vale apenas pela curiosidade. É música simples, agradável; mas que não garantiria a imortalidade que Haydn possui por seus altos méritos.

P.Q.P. Bach.

Divertimento a 8, for baryton, 2 violins, viola, cello, bass & 2 horns in D major, H. 10/2
1 Allegro Moderato
2 Allegro
3 Allegro: Theme and variations

Divertimento a 8, for baryton, 2 violins, viola, cello, bass & 2 horns in A major, H. 10/6
4 Moderato
5 Adagio
6 Finale: Allegro

Divertimento a 8, for baryton, 2 violins, viola, cello, bass & 2 horns in D major, H. 10/1
7 Allegro
8 Moderato
9 Presto Rondo

Divertimento a 8, for baryton, 2 violins, viola, cello, bass & 2 horns in G major, H. 10/4
10 Moderato: Theme and variations
11 Adagio
12 Tempo di menuetto

Ricercar Consort

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Franz Josef Haydn (1732-1809) – “Imperador”, “Quintas” e “Sunrise”

Antes de partir para mais um “completismo”, venho pressurosamente aqui corrigir uma enorme falha em nossa cedeteca de mais de trezentos posts. Não há um quarteto de Haydn!!!

Agora há. Começo postando talvez os três maiores deles, todos do famoso opus 76. Não sei estou sendo original ou não; o fato é que adoro o quarteto das Quintas, principalmente seu minueto. Os minuetos são, em minha opinião, normalmente, a parte mais fraca dos quartetos, mas este é uma espetacular perseguição… O Adagio e o restante também são lindos. E quanto ao Imperador o que dizer??? Que é o quarteto mais conhecido de Haydn? Que virou hino da Alemanha? E o Sunrise que ouço neste minuto? Lindo, não?

Cai o mundo em Porto Alegre. É um toró como há muito não via e a coisa não parece muito para Haydn lá fora. Fiquemos aqui dentro, pois.

P.Q.P. Bach.

String Quartet No. 62 in C major, Op. 76, No. 3, Hob.III:77, “Emperor”
I. Allegro 06:46
II. Poco adagio, cantabile 07:42
III. Menuetto: Allegro 04:45
IV. Finale: Presto 05:26

String Quartet No. 61 in D minor, Op. 76, No. 2, Hob.III:76, “Fifths”
I. Allegro 06:42
II. Andante o piu tosto allegretto 05:18
III. Menuetto: Allegro ma non troppo 03:37
IV. Finale: Vivace assai 04:03

String Quartet No. 63 in B flat major, Op. 76, No. 4, Hob.III:78, “Sunrise”
I. Allegro con spirito 08:08
II. Adagio 05:33
III. Menuetto: Allegro 04:39
IV. Finale: Allegro ma non troppo 04:25

Kodaly Quartet

Total Playing Time: 01:07:04

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonie nº 9, in D Minor, op. 125

Falar sobre a Nona sinfonia de Beethoven é chover no molhado. Existem quase dois séculos de pesquisa sobre a obra, uma das últimas de Beethoven, composta quando o mestre já se encontrava surdo. Não entrarei em detalhes mais específicos. Basta digitar sobre o assunto na Wikipedia, no Google, ou onde quer que seja, se encontrarão inúmeras análises, sejam musicais, sejam antropológicas, sejam históricas, ou sei lá mais o que.

Em minha opinião, e creio que esta opinião seja quase unânime (e aí não me importa com a unanimidade burra, de que falava Nelson Rodrigues), é uma das maiores produções do ser humano, uma das maiores obras que o homem já criou desde que botou o pé sobre a terra. Um atestado de que, apesar de tudo, ainda temos esperança. Esperança de um mundo melhor, sem guerras, assassinatos, etc., etc., etc.
Beethoven fecha seu ciclo de sinfonias com chave de ouro, e até hoje ninguém foi capaz de suplantá-la. E nem será… essa obra é a obra maior de um gênio da humanidade. Daqueles que surgem a cada século, e olha lá.
Harnoncourt presta sua homenagem com uma interpretação coerente, firme, sem cair em tentações. O “Arnold Schoenberg Choir” é magnífico, e todos os solistas, apesar de desconhecidos para FDP Bach, sabem o que fazem, e o fazem com muita competência.
Me permitam citar estas belas palavras de Mainard Solomon, em sua clássica biografia:

“A Nona foi percebida por gerações subseqüentes como um modelo insuperável de cultura afirmativa, uma cultura que, por sua beleza e idealismo, acreditam alguns, anestesia a angústia e o terror da vida moderna, interpondo-se assim no caminho de uma percepção realista da sociedade. (…)se perdemos a nossa percepção dos domínios transcendentes de alegria lúdica, beleza e fraternidade que são retratados nas grandes obras afirmativas de nossa cultura, se perdemos o sonho da Nona Sinfonia, não resta um contrapeso para os terrores abissais da civilização, nada a opor a Auschwitz e Vietnã como paradigma das potencialidades da humanidade.” (SOLOMON, Maynard. Beethoven. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987. p. 419)

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonie nº 9, in D Minor, op. 125

1 – Symphony N°9 en D minor – Allegro ma non troppo, un poco maestoso
2 – Symphony N°9 en D minor – Molto vivace
3 – Symphony N°9 en D minor – Presto, allegro assai
4 – Symphony N°9 en D minor – Presto recitativo – allegro assai alla marcia – allegro ma non troppo

The Chamber Orchestra of Europe
Nikolaus Harnoncourt

Charlotte Margiono – Soprano
Birgitt Remmert – Contralto
Rudolf Schasching – Tenor
Robert Holl – Baixo

Arnold Schoenberg Chor
Erwin Ortner – Chorus Master

BAIXE AQUI

.: interlúdio :.

70261
Um dia emprestei para Blue Dog todos os meus CDs e vinis de Charlie Mingus. Ele é esperto, tem a religião da música e sabe que há coisas tão puras e perfeitas que não deveriam, na verdade, serem confundidas com religião. Só que, na época, eu não tinha esta maravilha chamada Mingus Oh Yeah. Imaginem que Trauriger Hund ficou sem! Isso eu não posso suportar.

Neste disco originalmente de 1962 as faixas só iam até a sétima. Aqui, Mingus está um pouco diferente do normal, pois além de compor as obras-primas de sempre e tocar seu contrabaixo, ele t5ambém é responsável pelos solos de piano e… pelos vocais. Eu duvido que outro disco de jazz – disco original, não antologias – tenha uma seqüência de músicas mais perfeita do que Devil Woman, Wham Bam Thank You Ma’am, Ecclusiastics, Oh Lord Don’t Let Them Drop That Atomic Bomb On Me e Eat That Chicken; com destaque para a inacreditável Ecclusiastics e a engraçadíssima Eat that chicken.

Um CD para ouvir várias vezes em seqüência e depois sair na rua, sabendo-se alguns centímetros mais alto.

P.Q.P. Bach.

P.S.- Vocês já devem ter notado que eu nunca coloco a capa dos CDs em minhas postagens, mas esta é tão legal, né?

Mingus Oh Yeah

1 Hog Callin’ Blues
2 Devil Woman
3 Wham Bam Thank You Ma’am
4 Ecclusiastics
5 Oh Lord Don’t Let Them Drop That Atomic Bomb On Me
6 Eat That Chicken
7 Passions Of A Man
8 “Old” Blues For Walt’s Torin
9 Peggy’s Blue Skylight
10 Invisible Lady

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

INÉDITO! SENSACIONAL CONCURSO! GANHE PRÊMIOS COM P.Q.P. BACH!

Uma amiga utilizou uma obra retirada de nosso blog como trilha sonora para um filme que fez com seus alunos. Eles, os alunos, são como nós e têm necessidades especiais, só que as deles são mais aparentes. Foi um trabalho de fim de ano organizado por ela – uma excelente pedagoga – e ficou realmente muito bom. O casamento da música com a ação ficou melhor do que todos os casamentos que tenho observado. O gênero do filme de 6 minutos é o “terrir”.

Bem, mas o que interessa é que o primeiro dos “ouvintes” do PQP que descobrir qual é a obra que toca de cabo a rabo no filme, com compositor, nome da música e movimento, ganhará, INTEIRAMENTE GRÁTIS, o livro Tudo o que você precisa saber sobre Música para nunca passar vergonha, também conhecido como Manual do Blefador (Música), do inglês Peter Gammond. A edição virá assinada pelo autor deste blog… O que é apenas uma das qualidades que o excelente opúsculo cômico apresenta.

E não adianta esperar pelo créditos finais porque pedi para minha amiga retirar quaisquer referências a compositor e obra utilizada.

O primeiro comentarista que escrever o que é ouvido no filme será o vencedor. Os casos omissos, problemáticos e dúbios serão decididos por nossa comissão julgadora, a qual é formada apenas por mim, P.Q.P. Bach. Desde já, a comissão alerta que estará se lixando para as reclamações. A comissão, aliás, comunica que está indo ao cinema e só apontará o vencedor, se houver, quando de seu retorno.

BAIXE O FILME AQUI – BOA SORTE

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonies n 4, in B Flat Major, op. 60, nº 7 in A Major, op. 92

Serei breve, pois quero aproveitar o belo feriado ensolarado que está fazendo hoje. Típico dia de uma primavera atípica (nesta semana até caiu uma geada em uma conhecida cidade da serra).
Temos agora duas sinfonias, a de nº 4, e a de nº 7. A de nº 4 é quase um anúncio do que virá pela frente. Tem movimentos fortes e rápidos, e novamente Beethoven utiliza o recurso da escola clássica de começar o movimento com um adágio que irá se transformar em um Allegro vivace vibrante, cheio de energia. E a sinfonia é toda assim. Até pode ser considerada uma sinfonia menor, dentre outras do repertório, mas tem suas qualidades. E não são poucas.
A de nº 7, em Lá Maior, é uma de minhas favoritas. Postei logo no começo no blog a versão considerada por muitos imbatível, a de Carlos Kleiber. Inclusive cheguei a postar os links do Youtube para uma melhor apreciação daquela interpretação, fantástica em todos os sentidos. Harnoncourt tem uma outra abordagem, não tão intensa, eu diria, mas destaca elementos que na grande orquestra de Kleiber acabam sendo escondidos, devido ao grande número de instrumentistas. Acredito que Harnoncourt, com sua paixão pelas chamadas interpretações de época, optou por uma orquestra menor exatamente para ressaltar estes elementos.
O que sempre me chamou a atenção nesta sinfonia foi que Beethoven optou em não colocar um movimento mais lento, o mais próximo a que ele chega é o poco sustenuto inicial, que vai se transformar num vivace pulsante. A sinfonia inteira, portanto, é cheia de ritmo, força, energia. Faz bem ao espírito, e não nos dá tempo de uma pausa, um respiro. Nos enche de alto astral (desculpe a expressão tão anos 80).
Vamos à elas, portanto.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonies n 4, in B Flat Major, op. 60, nº 7 in A Major, op. 92

1 Symphonie N°4 – B Flat Major – Adagio – Allegro Vivace
2 Symphonie N°4 – B Flat Major – Adagio
3 Symphonie N°4 – B Flat Major – Allegro Vivace
4 Symphonie N°4 – B Flat Major – Allegro ma non troppo
5 Symphonie Nº7- A Major – Poco Sustenuto – Vivace
6 Symphonie Nº7- A Major – Allegretto
7 Symphonie Nº7- A Major – Presto
8 Symphonie Nº7- A Major – Allegro con brio

The Chamber Orchestra of Europe
Nikolaus Harnoncourt

BAIXE AQUI

Anton Bruckner (1824-1896) – Integral das Sinfonias – Sinfonia Nro. 6

A sexta é uma sinfonia plácida, mas o desavisado que a ouve desconhecendo o restante das obras de Bruckner, vai achar que estou brincando. Prova de que o idioma bruckneriano existe e de que linguagem depende de contexto. Não a conheço como conheço as outras e ontem, ao ouvir a sinfonia, meu filho, que estava afastado de mim por algumas paredes e uns 20 metros, disse não ter entendido nada, pois a música desaparecia por longos períodos e depois retornava tonitruante. É como se eu estivese brincando como o amplificador. Só que eu estava lendo, tranqüilo, sem mexer no botão de volume. Bruckner é diferente mesmo. Porém, depois da quarta, quinta e de suas três últimas sinfonias é possível viver sem seus tutti?

Tal audição valeu-me a redescoberta de um belíssimo Adagio que me fez parar de ler e de um Scherzo talvez atípico, mas muito bom. (O Adagio rola neste momento no computador e é notável mesmo. Um pequeno tema apresentado dos 15 aos 25 segundos deste Adagio — e que retorna transformado depois — é muito semelhante ao de Somewhere, de West Side Story. “There’s a place for us…”)

O excelente desNorte — caro leitor, você deveria lê-lo sempre — descreve as circunstâncias da estréia da Sexta Sinfonia (o negrito é obra minha):

As origens rurais de Anton Bruckner (1824-1896) não faziam antever o compositor que dali sairia. Deu-se mesmo o caso dos vienenses terem, numa primeira fase, ignorado olimpicamente as suas obras, não pelo seu valor intrínseco, mas precisamente pela ruralidade do autor…

Depois, temos ainda o facto de Bruckner apenas muito tardiamente ter iniciado uma formação musical formal, já bem entrado na casa dos 30. Claro que os anos passados em S. Florian, entre 1845 e 1855 tinham-lhe permitido evoluir como compositor, só que com muito de autodidactismo. Situação que procurou modificar, com perseverança, ao prosseguir longos estudos musicais, nomeadamente com Simon Sechter (1788-1867), Otto Kitzler (1834-1915) e Ignaz Dorn (1830-1872). Foi um período, superior a 10 anos, que Bruckner passou em Linz, como organista da respectiva catedral, e em que os últimos 5 foram particularmente produtivos, com a composição, entre outras obras, de 3 Missas e da Sinfonia Nº1.

No Verão de 1868, Bruckner mudou-se para Viena, a última etapa da sua carreira como compositor e aquela onde escreveu a maior parte das sinfonias. Sem grande sucesso inicialmente, como já referi, bastando reparar nas razões dadas pela Orquestra Filarmónica de Viena para sucessivamente as rejeitar: a 1ª era “desvairada“, a 2ª por ser “absurda” e a 3ª como “inexecutável“…

Quando, nos finais de 1881, Bruckner terminou a Sinfonia Nº6, o ambiente já estava mais desanuviado pelo sucesso obtido com a 4ª Sinfonia, estreada em Fevereiro desse mesmo ano por Hans Richter (1843-1916). A estreia da 6ª, a 26 de Fevereiro de 1899, encontrou a reger a orquestra outro dos grandes sinfonistas de sempre, Gustav Mahler (1860-1911). É uma das poucas sinfonias, a par da 7ª, que não sofreu revisões posteriores, não havendo portanto lugar às habituais confusões entre as várias e disputadas versões…

P.Q.P. Bach.

Sinfonia Nro. 6 de Anton Bruckner

I. Maestoso 17:07
II. Adagio: Sehr feierlich 18:54
III. Scherzo: Nicht schnell – Trio: Langsam 09:00
IV. Finale: Bewegt, doch nicht zu schnell 14:44

New Zealand Symphony Orchestra
Georg Tintner, Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827 ) – Sinfonias nº 2 em D Maior, op. 36 e nº 5, in C Menor, op. 67

O tempo está curto hoje, portanto, vou ser breve. Mais duas sinfonias de Beethoven, nas mãos de Harnoncourt e da excelente The Chamber Orchestra of Europe. Vibrante, pungente, dinâmica, estas sinfonias marcam dois momentos importantes da vida de Beethoven. Mas não entrarei em maiores detalhes biográficos. Sugiro a leitura da excelente biografia, “Beethoven”, de Maynard Solomon. E é dali que tiro os seguintes comentários:
” Completada em 1802, durante um período turbulento na vida de Beethoven, a Segunda Sinfonia em ré maior, op. 36, já é obra de um mestre maduro que está liquidando contas – ou fazendo a paz – com a tradição sinfônica clássica antes de embarcar numa viagem musical sem precedentes. É uma obra que tem características retrospectivas e prospectivas: está firmemente enraizada nas últimas sinfonias de Mozart e Haydn, ao mesmo tempo que prenuncia os desenvolvimentos subseqüentes de Beethoven por seus contrastes dinâmicos, modulações inesperadas e movimento propulsivo, tudo controlado por um confiante e fluente classicismo.” Solomon, Maynard. Beethoven. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987.

A 5ª Sinfonia, bem, que podemos falar dela que já não tenha sido falado ou comentado? Cito novamente Solomon, que soube sintetizar e enquadrá-la naquele momento:
“Após alguma resistência inicial à sua insólita concentração rítmica, economia de material temático, surpreendentes inovações – a pequena cadenza do oboé no primeiro movimento, a adição do piccolo e contrafagote aos instrumentos de sopro, os efeitors ‘espectrais’ dos contrabaixos no scherzo e trio, os trombones no finale, o retorno do scherzo no finale – a Quinta Sinfonia acabou sendo considerada a a sinfonia quintessencial de Beethoven, revelando novas camadas de significado a cada geração sucessiva. (…) e Berlioz assinalou argutamente que o efeito de transação do scherzo para o Allegro é tão espantoso que seria impossível suplantá-lo no que se segue. (…)críticos do século XX são propensos a ver a Quinta Sinfonia como ‘o exemplo consumado de lógica sinfônica’, como a expressão final da racionalidade clássica, recusando-se a ceder aos tremores violentos do Romantismo iminente.” SOLOMON, op. cit., p. 276-277).

Chega de falar e vamos ao que interessa.

Ludwig van Beethoven (1770 – 1827 ) – Sinfonias nº 2 em D Maior, op. 36 e nº 5, in C Menor, op. 67

1 Symphonie N°2 – Adagio Molto – Allegro com brio
2 Symphonie N°2 – Larghetto
3 Symphonie N°2 – Scherzo – allegro
4 Symphonie nº 2 – Allegro molto
5 Symphonie N°5 – Allegro com brio
6 Symphonie N°5 – Andante com moto
7 Symphonie Nº 5 – Allegro
8 Symphonie N°5 – Allegro

The Chamber Orchestra of Europe
Nikolaus Harnoncourt

BAIXE AQUI

Béla Bartók (1881-1945) – O Mandarim Miraculoso / Dois Retratos / Concerto para Viola e Orquestra

Um pedido desses tem de ser logo atendido, né? O Mandarim Miraculoso, de um de meus compositores preferidos, uma grande música que tenho interpretada por um de “meus” regentes mais compreensivos e perfeitos…

A propósito, existe música inteligente e música burra?

– Não. Existe música cerebral e música emocional. Às vezes, alguns compositores conseguem juntar as duas coisas.

J.S. Bach, Beethoven, Bartók, Brahms e Mahler acertam quase sempre; os outros, mais raramente.

P.Q.P. Bach.

1. The Miraculous Mandarin op.19: Beginning
2. The Miraculous Mandarin op.19: The curtain rises
3. The Miraculous Mandarin op.19: First seduction game: the shabby old rake
4. The Miraculous Mandarin op.19: Second seduction game
5. The Miraculous Mandarin op.19: The shy youth appears at the door
6. The Miraculous Mandarin op.19: Third seduction game
7. The Miraculous Mandarin op.19: The Mandarin enters-Encounter with the girl
8. The Miraculous Mandarin op.19: The girl’s dance
9. The Miraculous Mandarin op.19: She flees from him; he chases her wildly
10. The Miraculous Mandarin op.19: The Mandarin stumbles, but catches the girl; they fight. The…
11. The Miraculous Mandarin op.19: Suddenly the Mandarin’s head Appears. The Tramps drag him out,…
12. The Miraculous Mandarin op.19: They drag the Mandarin to the centre of the room and hang him on a…
13. The Miraculous Mandarin op.19: The tramps take him down. He falls to the floor and at once leaps…
14. The Miraculous Mandarin op.19: His longing stilled, the Mandarin’s wounds begin to bleed; he…

Orquestra Sinfônica de Londres
Claudio Abbado

15. Two Portraits op.5: 1. One Ideal: Andante
16. Two Portraits op.5: 2. One Grotesque: Presto

Orquestra Sinfônica de Londres
Claudio Abbado

17. Viola Concerto Sz120: I. Moderato
18. Viola Concerto Sz120: II. Adagio religioso
19. Viola Concerto Sz120: III. Allegro vivace

Daniel Benyamini, Viola
Orquestra de Paris
Daniel Barenboim

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Aram Kachaturian (1903-1978) – Concerto para Piano e Orquestra / Johannes Brahms (1833-1897) – Quinteto para Clarinete

Os CDs da gravadora brasileira Imagem eram espécimes muito curiosos. Qual é a relação entre o belo concerto para piano de Kachaturian – ou Khachaturian – e uma das maiores obras já compostas, o quinteto para clarinete de Brahms? (Vocês sabiam que a autobiografia de Erico Verissimo, Solo de Clarineta, tem este nome em homenagem ao quinteto de Brahms? Pois é, vivendo e aprendendo…)

A Imagem talvez comprasse tapes – bons tapes – de gravadoras americanas a fim de distribuí-los no Brasil, mas fazia junções totalmente inusitadas, incluindo em um mesmo CD obras inteiramente diversas com os executantes mais variados. Uma loucura absoluta, não fosse a excelente qualidade das músicas e das interpretações. Grandes interpretações sempre! Sem dúvida, havia alguém lá na Imagem que sabia das coisas.

O Concerto para Piano de Aram Kachaturian é maravilhoso e mereceria maior destaque dentro do enorme – e batido – repertório pianístico. Cercado por dois movimentos de grande brilhantismo, temos um melodioso e original Andante con Anima ao qual você deveria dar sua atenção à altura dos 2min30 até 4min15. Aqui temos uma invenção fantasmagórica que leva a Armênia para bem perto da Transilvânia de Drácula – não da de Bartók!

Não vou escrever sobre o Quinteto de Brahms. Há livros a respeito. É uma das poucas músicas das quais podemos dizer que não possui nenhum momento inferior. São 35 minutos no Olimpo, em dia ensolarado, agradável, sem ventos, céu de brigadeiro, com vitória do Internacional e derrota do Grêmio, com vitória do Boavista e derrota do Porto. Um mundo perfeito.

P.Q.P. Bach.
(Que aproveita para avisar que este blog não tolera insultos)

Concerto para Piano e Orquestra de Aram Kachaturian
1. Allegro Maestoso
2. Andante Con Anima
3. Allegro Brilhante

Peter Katin, Piano
The London Symphony Orchestra
Regência: Hugo Rignold

Quinteto em Si Menor, Op. 115, para Clarinete e Cordas de Johannes Brahms
4. Allegro
5. Adagio
6. Andantino
7. Con Moto

Reginald Kell, Clarinete
The Fine Arts Quartet

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE