W. A. Mozart (1756-1791): As Sonatas para Piano (Completas) – The Pianista Mozartiano`s Files

Olha, só com muita arte para encarar a Uchida. Não, não você não entendeu. Estou pensando em gueixas; sabiam que há ainda 2000 no Japão? Porém as japonesas são — em minha opinião — muuuuuuito feias e seria necessária MUITA ARTE para encarar a Uchida como gueixa. Arte que ela sem dúvida possui.

Nestes discos, podemos ouvir seu maravilhoso toque. Um toque perfeito, exato, delicado, aveludado, capaz de levantar e alongar Mozart em toda sua real amplitude. Hoje, neste domingo que deve trazer chuva argentina ao Rio Grande do Sul, livrando-nos do calor insuportável dos últimos dias, deixo a ala masculina do PQP Bach com uma boa e feia gueixa de dedos aveludados.

Posto de enfiada esses 5 CDs perfeitos que antes tinha apenas em vinis para que vocês os baixem e ouçam neste dia que será de derrota para tricolores cariocas, tricolores gaúchos, colorados, rubros-negros de Salvador e alvi-verdes goianos. O dia terminará com o Grêmio em 5º lugar no Brasileiro.

Obs.: se eu acertar esses resultados todos, cheios com zebras aqui e ali, acabo com a carreira da Mãe Diná.

CDs ABSOLUTAMENTE IMPERDÍVEIS!!! GRANDE REPERTÓRIO COM SUA MELHOR INTÉRPRETE!!!

Mozart: The Piano Sonatas

Disc 1:
Piano Sonata No. 1 in C major, K. 279 (K. 189d) 14:00
1. I. Allegro
2. II. Andante
3. III. Allegro

Piano Sonata No. 2 in F major, K. 280 (K. 189e) 14:10
4. I. Allegro assai
5. II. Adagio
6. III. Presto

Piano Sonata No. 3 in B flat major, K. 281 (K.189f) 13:57
7. I. Allegro
8. II. Andante amoroso
9. III. Rondeau (Allegro)

Piano Sonata No. 4 in E flat major, K. 282 (K. 189g) 12:09
10. I. Adagio
11. II. Menuetto I-II
12. III. Allegro

Piano Sonata No. 5 in G major, K. 283 (K. 189h) 13:54
13. I. Allegro
14. II. Andante
15. III. Presto

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc: 2
Piano Sonata No. 6 in D major, K. 284 (K. 205b) 24:03
1. I. Allegro
2. II. Rondeau en Polonaise (Andante)
3. III. Tema con variazioni

Piano Sonata No. 7 in C major, K. 309 (K. 284b) 16:25
4. I. Allegro con spirito
5. II. Andante un poco adagio
6. III. Rondeau (Allegretto grazioso)

Piano Sonata No. 8 in A minor, K. 310 (K. 300d) 21:38
7. I. Allegro maestoso
8. II. Andante cantabile con espressione
9. III. Presto

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc: 3
Piano Sonata No. 9 in D major, K. 311 (K. 284c) 15:09
1. I. Allegro con spirito
2. II. Andante con espressione
3. III. Rondeau (Allegro)

Piano Sonata No. 10 in C major, K. 330 (K. 300h) 18:06
4. I. Allegro moderato
5. II. Andante cantabile
6. III. Allegretto

Piano Sonata No. 11 in A major (“Alla Turca”) K. 331 (K. 300i) 23:59
7. I. Andante grazioso
8. II. Menuetto
9. III. Alla turca (Allegretto)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc: 4
Piano Sonata No. 12 in F major, K. 332 (K. 300k) 18:41
1. I. Allegro
2. II. Adagio
3. III. Allegro assai

Piano Sonata No. 13 in B flat major, K. 333 (K. 315c) 20:37
4. I. Allegro
5. II. Andante cantabile
6. III. Allegretto grazioso

7 Fantasia for piano in C minor, K. 475 13:06

Piano Sonata No. 14 in C minor, K. 457 17:48
8. I. Molto allegro
9. II. Adagio
10. III. Allegro assai

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc: 5
Piano Sonata No. 15 in C major (“Sonata semplice”) K. 545 13:47
1. I. Allegro
2. II. Andante
3. III. Rondo (Allegro)

Piano Sonata No. 16 in B flat major, K. 570 18:27
4. I. Allegro
5. II. Adagio
6. III. Allegretto

Piano Sonata No. 17 in D major (“Trumpet”, “Hunt”), K. 576 14:47
7. I. Allegro
8. II. Adagio
9. III. Allegretto

Piano Sonata in F major, K. 533/494 23:13
10. I. Allegro [K. 533]
11. II. Andante [K. 533]
12. III. Rondo: Allegretto [K. 494]

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Mitsuko Uchida, piano

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dietrich Buxtehude (1637-1707) – Cantatas Sacras

Esta coletânea de Cantatas Sacras de Tio Bux é bastante boa, porém, apesar dos grandes intérpretes, algo não funcionou e o CD não me interessou muito. Deve ter sido desatenção de minha parte, pois as obras de Buxtehude normalmente me interessam demais. Bom sábado a todos!

Buxtehude: Sacred Cantatas, Vol 1

01 Sonata ;Ich habe Lust abzuacheiden
02 Ich habe Lust abzuacheiden ;Ich habe Lust abzuacheiden
03 Spann aus, spann aus, ach frommer Gott ;Ich habe Lust abzuacheiden
04 Dann was ist doch die schno¨de Welt ;Ich habe Lust abzuacheiden
05 Wie einer, welcher auf dem Meer ;Ich habe Lust abzuacheiden
06 So spann doch aus, ach frommer Gott ;Ich habe Lust abzuacheiden

07 Sonata ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite
08 Salve, Jesu, patris gnate unigenite ;Salve, Jesu, patris gnate unigente
09 O vis amoris tui, Jesu, maxima! ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite
10 Cur fasciis te involvis laceris, Jesule ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite
11 Cur alges, qui fulmina fira vibras ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite
12 O suavis, o grandis amor, o fortis amor ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite
13 Jesu, opstupesco, in quem amorem tui colliquesco ;Salve, Jesu, patris gnate unigenite

14 Jesu dulcis memoria ;Jesu dulcis memoria
15 Nil canitur suavis ;Jesu dulcis memoria
16 Jesu, spes peonitnentibus ;Jesu dulcis memoria
17 Jesu, dulcedo cordium ;Jesu dulcis memoria
18 Ned lingua valet dicere ;Jesu dulcis memoria
19 Jesu, rex admirabilis ;Jesu dulcis memoria
20 Mane nobiscum, Domine ;Jesu dulcis memoria
21 Amor Jesu dulcissmus ;Jesu dulcis memoria
22 Jesu dulcis memoria ;Jesu dulcis memoria

23 Sonata ;Mein Herz ist bereit
24 Mein Herz ist bereit, Gott, daB ich singe und lobe ;Mein Herz ist bereit
25 Wache auf, meine ehre, wache auf, Psalter und Harfe ;Mein Herz ist bereit
26 Herr, ich will dir danken unter den Volkern ;Mein Herz ist bereit
27 denn deine Gute ist so weit de Himmel ist ;Mein Herz ist bereit
28 Erhebe dich, Gott, uber den Himmel ;Mein Herz ist bereit

29 Fuga

30 Cantate Domino canticum novum ;Cantate Domino
31 Cantate Domino, et benedicite nomini ejus ;Cantate Domino
32 In omnibus populis mirabilia ejus ;Cantate Domino
33 Quoniam magnus Dominus et laudabilis nimis ;Cantate Domino
34 Gloria Patri et Filio et Spiritui Sancto ;Cantate Domino

35 Sonata ;Ich halte es dafur
36 Ich halte es dafur ;Ich halte es dafur
37 Was qua¨let mein Herz ;Ich halte es dafur
38 Was a¨ngstet mein Herz ;Ich halte es dafur
39 Ach war ich bei dir ;Ich halte es dafur
40 Du gibest mir ruh ;Ich halte es dafur
41 Drum Laß ich der Welt ;Ich halte es dafur

43 Sonata ;Jesu, meine Freude
44 Jesu, meine Freude ;Jesu, meine Freude
45 Unter deinem Schirmen ;Jesu, meine Freude
46 Trotz dem alten Drachen ;Jesu, meine Freude
47 Weg mit allen Scha¨tzen ;Jesu, meine Freude
48 Gute Nacht, o Wesen ;Jesu, meine Freude
49 Weicht, ihr Trauergeister ;Jesu, meine Freude

Suzie LeBlanc
Emma Kirkby
Peter Harvey
Purcell Quartet
Richard Boothby
Robert Woolley, órgão
Clare Salaman, violino

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Arnold Schoenberg (1874 – 1951): Pierrot Lunaire, Bach BWV 552

A minha procura pela gravação de Pierrot Lunarie feita pela cantora Maria Bergmann, conduzida por Hans Rosbaud (selo WERGO), tem sido incessante. Pois guardo na memória o impacto que esta obra me causou e que, desde então, não venho sentindo com outras gravações. Um amigo sumiu com o disco e nunca mais o vi. Mas fiquei satisfeito com o disco Schäfer-Boulez, já postado aqui, que tem muitos detalhes revelados, mas pouco do lado obscuro (uma pena). Mas tenho uma bela compensação ou um complemento do disco Schäfer-Boulez que coloco aqui, até aguardar o disco da Wergo (será que alguém o encontra neste universo virtual? É uma raridade e está fora de catálogo fazem muitos anos). Jane Manning está muito convincente e Simon Rattle, ainda novinho (gravação de 1978), segura a peteca com perfeição. Aproveitem.

Outra surpresa que vos trago é a BWV 552 de Bach numa transcrição nada literal para orquestra feita por Schoenberg. Essa transcrição teve sua estréia em 1929 sob a regência de Furtwangler com a Filarmônica de Berlim. A obra recebeu grandes elogios, principalmente de Webern (que tem uma transcrição famosa de um movimento da Oferenda Musical de Bach). Não tenho informações sobre a gravação.

Um presente para curtir e se emocionar neste fim de semana (já ouvi umas 200 vezes essa transcrição).

CDF

Pierrot Lunaire
Performed by Nash Ensemble
with Jane Manning
Conducted by Simon Rattle

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Bach-Schoenberg (BWV 552):

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Keith Jarrett – Whisper not (live in Paris 1999)

Hoje é sexta-feira e troquei a postagem de um vetusto Buxtehude por esse bom álbum duplo de standards do trio de Jarrett. Dentre os CDs de standards feitos pelo trio, este é o que mais gosto. Tem uma atmosfera alegre e despreocupada de artistas divertindo-se no auge de suas possibilidades. Não há drama e nem se nota sombra da doença que Jarrett já havia contraído na época, a Síndrome de Fadiga Crônica. Gosto de várias faixas: Poinciana, Whisper Not, Groovin’ High, What Is This Thing Called Love?, Prelude To A Kiss e até da muitíssimo gravada ‘Round Midnight, que aqui recebe boa versão. Enjoy!

Keith Jarret – Whisper not (live in Paris 1999)

Disc 1

1. Bouncing With Bud 7:31
2. Whisper Not 8:04
3. Groovin’ High 8:29
4. Chelsea Bridge 9:46
5. Wrap Your Troubles In Dreams 5:46
6. ‘Round Midnight 6:43
7. Sandu 7:26

BAIXE AQUI O CD1- DOWNLOAD CD1 HERE

Disc 2

1. What Is This Thing Called Love? 12:22
2. Conception 8:07
3. Prelude To A Kiss 8:14
4. Hallucinations 6:34
5. All My Tomorrows 6:22
6. Poinciana 9:09
7. When I Fall In Love 8:06

BAIXE AQUI O CD2- DOWNLOAD CD2 HERE

Keith Jarrett, piano
Gary Peacock, baixo acústico
Jack DeJohnette, bateria e percussão

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sonatas para Violino e Piano – CDs 3 e 4 – Sonate f. Klavier und Violine in A-Dur, op.30, Nrs. 1, 2 e 3, Sonata No 9 in A major op. 47 ‘Kreutzer’, Sonata No 10 in G major op. 96

Na postagem anterior falei rapidamente sobre a Sonata Primavera, e gostaria de contar uma pequena situação que ocorreu comigo ao ouvir esta obra. Creio que era um final de tarde, eu morava em São Paulo, numa região muito tranqüila, Vila Mariana, e recém tinha comprado uma fita cassete com a Sonata Primavera e a Sonata a Kreutzer, na belíssima versão do Heinrik Szering acompanhado da Ingrid Haebler. A casa em que eu morava era germinada com outras duas, então era comum ouvirmos as conversas dos vizinhos, ou até mesmo seus rádios ligados, ou tvs ligadas. Pois coloquei a fita para tocar num volume relativamente alto, e fui até a cozinha preparar meu jantar (ainda era solteiro). Passado algum tempo, tempo de duração do primeiro lado da fita, ouço minha vizinha que morava ao lado me chamar. Pensei que ia reclamar do volume do som, pois estava bem alto, e para surpresa minha, ela perguntou que música tão bonita era aquela que estava tocando, pois desde que começara ela tinha parado de fazer o que estava fazendo, e ficou ouvindo, e aquilo a tinha deixado muito emocionada.  Falei que era Beethoven, a Sonata Primavera, e ela então perguntou se eu podia repetir novamente a fita. Obviamente que carreguei a fita novamente, logo depois ainda fiz uma cópia para ela. Infelizmente, após algum tempo, essa vizinha se mudou, e eu também, e perdemos o contato. Lembro-me que ela vivia com uma filha adolescente, com a qual tinha um relacionamento extremamente complicado, viviam brigando, e naquela mesma tarde, antes de eu chegar em casa, ela havia tido outra destas discussões. Creio que esta a música a deixou por algum tempo com a cabeça mais leve, relaxada. É o poder da música, ainda mais quando se trata de Beethoven.

O outro lado desta mesma fita cassete tinha a Sonata a Kreutzer. e é ela que se destaca mais nestes dois outros cds que estou postando. Vejamos o que Maynard Solomon escreveu a respeito dessa obra:

“A composição seguinte de Beethoven foi a Sonata Kreutzer para VIolino e Piano, op. 47. ‘Escrita num estilo muito concertante, como o de um concerto’, escreveu ele na primeira edição da Sonata, assinalando assim a sua intenção de introduzir elementos de conflito dinâmico num dos principais gêneros de salão do período clássico, e de conferir peso igual aos dois instrumentos. O estilo pianístico da Sonata Kreutzer já prenuncia as sonatas para piano do período intermediário, e o violino adquire agora uma voz insistente, declamatória. A obra é em três movimentos: um Adágio sostenuto – a única introdução lenta nas sonatas de Beethoven para violino – a que se segue um Presto dinamicamente propulsivo; um Andante con variazioni; e um gracioso Presto finale, em ritmo de tarantela, o qual foi composto originalmente composto para a Sonata op. 30, nº1. Na novela de Tolstoi do mesmo nome, uma audição desta sonata precipita a ação crucial: ‘Parecia que possibilidades e impulsos inteiramente novos me eram revelados em meu próprio íntimo de um modo que eu jamais sonhara’, diz o herói trágico de Tolstoi. ‘Tais obras só deveriam ser tocadas em condições muito graves e significativas e, ainda assim, somente quando certos feitos correspondentes a tal música estão prestes a concretizar-se’.”

Sobre as Sonatas op. 30, Solomon faz o seguinte comentário:

“As Sonatas op. 30, constituem um nítido avanço, com uma expansão de sonoridades tonais e momentos de pathos heróico que assinalam claramente estar Beethoven atingindo o limite extremo do estilo clássico. Com efeito, o que é agora o finale da Kreutzer destinava-se originalmente a ser o finale da op. 30, nº1. Beethoven tinha, nessa época, ampliado dramaticamente a extensão expressiva de sua escrita para piano. Agora estava prestes a dar forma a uma nova, dinâmica e declamatória voz para o violino, a fim de equilibrar esse estilo pianístico sem precedentes.”

Creio que todos os nosso ouvintes/leitores tem uma grande veneração por estas duas obras, e ao dar aos senhores a possibilidade de ouvi-las tocadas por dois gigantes do século XX, Yehudi Menuhin e Wilhelm Kempff, a veneração irá aumentar, pois trata-se muitas vezes de um embate, e não de uma simples parceria. O violino de Menuhin nunca se deixa dominar pelo piano de Kempff, e vice-versa. Força, sensibilidade, técnica, enfim, tudo está presente. Espero que apreciem.

Concluo, com esta postagem, mais uma integral beethoveniana, e creio que, desta forma, a Música de Câmara de Beethoven também se conclui. O que virá a seguir? Ainda não decidi…

01-Sonate f. Klavier und Violine in A-Dur, op.30, Nr. 1-Allegro
02-Adagio
03-Allegretto con Variazoni I-VI
04-Sonate f. Klavier u. Violine in c-moll, op. 30, Nr. 2- Allegretto
05-Adagio
06-Scherzo
07-Finale
08-Sonate f. Klavier u. Violine in G-Dur, op.30, Nr. 3- Allegro
09-Tempo di Minuetto

Yehudi Menuhin – Violino
Wilhelm Kempff – Piano

CD 3 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 4 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sonatas para Violino e Piano – Cds 1 e 2 – Sonatas Op 12 Nrs.1, 2 e 3

O que pode acontecer quando dois gigantes em seus respectivos instrumentos se juntam para tocar Beethoven? A única resenha feita na amazon a respeito destas duas séries da DG com as sonatas para violino e piano de Beethoven que estou postando classifica-as como péssimas. Não sei o que o resenhista levou em consideração para sua avaliação, nem vem ao caso discutí-la, mas deixo aqui minha modesta opinião, leigo que sou no assunto: apesar de ter outras versões, entre elas a da dupla Kremer / Argerich, também excelente, e a discutível versão da Mutter, lançada inclusive em DVD, com seu fiel escudeiro Lambert Orkis, minha opção sempre será Menuhin/Kempff, e isso por não ser Menuhin minha primeira escolha para outras obras. Szering, ao lado de Ingrid Haebler, são imbatíveis quando se trata da Sonata Primavera, ou até mesmo na Sonata a Kreutzer. Infelizmente não possuo esta versão em cd, apenas em fita cassete, já devidamente mofada e embolorada, mas ainda minha favorita. Alguns poderão citar Perlman / Ashkenazy, mas esta versão ainda não me chegou nas mãos, comento apenas aquelas que já tive a oportunidade de ouvir.

Sobre estas sonatas op. 12, Solomon nos conta o seguinte:

“Em 1799, Beethoven dedicou suas três sonatas para violino e piano op. 12 a seu professor Antonio Salieri. Mas quando o professor criticou “FIdélio”, Beethoven recusou-se a fazer as alterações sugeridas e ficou irritado por algum tempo. Por sua parte, Salieri não podia aceitar a música mais recente de Beethoven e foi, talvez, através da tutela que aquele exercia sobre Schubert que este se tornou, por algum tempo, um adversáro da música de Beethoven”.

Mas vamos ao que interessa.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sonatas para VIolino e Piano, op. 12, nº 1, 2 e 3 e Rondo WoO 41

CD 1

01-Op 12  Nr.1-Allegro con brio

02-Op 12  Nr.1-Tema con varizaone  I-IV, Andante con moto

03-Op 12  Nr.1-Rondo, allegro

04-Op 12  Nr.2-Allegro vivace

05-Op 12  Nr.2-Andante

06-Op 12  Nr.2-Allegro

07-Op 12  Nr.3-Allegro con spirito

08-Op 12  Nr.3-Adagio

09-Op 12  Nr.3-Rondo, allegro molto

10-Rondo WoO 41

CD 2

01-Sonate f. Klavier u. Violine in a-moll, op.23-Presto

02-Andante scherzoso

03-Allegro

04-Frühlings-Sonate f. Klavier und Violine in F-Dur, op. 24-Allegro

05-Adagio

06-Scherzo

07-Rondo

08-Zwölf Variationen über das Thema’Hochzeit des Figaro’

Wilhelm Kempff – Piano

Yehudi Menuhin – Violino

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Jaime Zenamon (1953) – O preço da paz

Quase ninguém conhece Jaime Zenamon, violonista e compositor boliviano naturalizado brasileiro que morou vários anos na Alemanha e vive numa granja nas imediações de Curitiba, quando não está em terras germânicas. Ninguém muito menos conhece o filme O preço da paz (2004), com Herson Capri, Giulia Gam, Danton Mello, Camila Pitanga, José de Abreu e Lima Duarte. Eu mesmo nem ouvi falar dessa película, centrada na história do Barão do Cerro Azul, figura de proa da história paranaense.

Mas, gostaria que vocês me dissessem se não estou certo em considerar a trilha de O preço da paz uma das belas do Brasil, nos últimos tempos. Se não de cabo a rabo, pelo menos nos momentos em que o compositor se permitiu elevar a música do mero patamar de plano de fundo sonoro. The end of a film e Sueño, p. ex., são daquelas músicas pra você fazer um apresentação de slides sem igual pra sua namorada. Experimente.

***

O preço da paz

1. The end of a film
2. Vivíssimo
3. Valsinha
4. O preço da paz
5. Marcha fúnebre
6. Ameaça
7. A fuga
8. Gumercindo
9. Passacaglia (Bach-Zenamon)
10. Anésia
11. Sueño
12. Pica-pau
13. Emboscada
14. Aprisionados
15. Catedral de Curityba
16. Maragatos
17. Malambo
18. The end of a film

Orquestra Sinfônica de Berlim, regida por Jaime Zenamon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

F. J. Haydn (1732-1809) – Concertos para Piano

Aqui estão os três concertos para piano de Haydn tocados com pianoforte. Os intérpretes são grandes especialistas neste gênero de repertório, um luxo. Se Andreas Staier é um dos maiores pianistas e cravistas da nova geração, afirmo que a a Orquestra Barroca de Freiburg é o conjunto de melhor sonoridade que tenho ouvido. Suas gravações das obras dos filhos de Bach, meus irmãos, são esplêndidas e vocês deveriam tê-las. Destaque para o primeiro e último concertos. Para tocar Haydn adequadamente, é necessário uma boa dose de humor. Staier e von der Goltz nos demonstram claramente tal fato. Staier chega a ser excessivo no último movimento do terceiro concerto… Vocês identificarão facilmente o acorde a que me refiro. CD da Harmonia Mundi alemã.

E nunca duvidem das previsões futebolísticas deste que vos fala. O post de ontem foi escrito pela manhã, quando já prevíamos a derrocada gremista e vascaína, deixando o São Paulo livre para fazer uma grande festa no próximo domingo. Já que o meu Inter não conseguiu nada no Brasileiro, melhor que nosso odioso adversário local fique também de fora, apesar da clasificação quase certa para a Libertadores.

Haydn – Concertos para Piano

1. Concerto Pour Pianoforte Et Cordes En Sol Majeur, Hob.XVIII:4: I. Allegro 10:27
2. Concerto Pour Pianoforte Et Cordes En Sol Majeur, Hob.XVIII:4: II. Adagio 8:28
3. Concerto Pour Pianoforte Et Cordes En Sol Majeur, Hob.XVIII:4: III. Finale. Rondo Presto 5:58

4. Concerto Pour Pianoforte, Violon Et Cordes En Fa Majeur, Hob.XVIII:6: I. Allegro Moderato 7:20
5. Concerto Pour Pianoforte, Violon Et Cordes En Fa Majeur, Hob.XVIII:6: II. Largo 8:37
6. Concerto Pour Pianoforte, Violon Et Cordes En Fa Majeur, Hob.XVIII:6: III. Presto 3:47

7. Concerto Pour Pianoforte Et Orchestre En Ré Majeur, Hob.XVIII:11: I. Vivace 8:31
8. Concerto Pour Pianoforte Et Orchestre En Ré Majeur, Hob.XVIII:11: II. Un Poco Adagio 6:13
9. Concerto Pour Pianoforte Et Orchestre En Ré Majeur, Hob.XVIII:11: III. Rondo All’Ungarese 4:52

Andreas Staier, piano
Freiburg Baroque Orchestra
Gottfried von der Goltz

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. P. Rameau (1682-1764): Nouvelles Suites

E então eu peguei mais um Rameau para ouvir. Este é um CD originalíssimo. Imaginem que o Calefax Reed Quintet, um quinteto de sopros de formação pouco usual — oboé, saxofone, clarinete, clarone e fagote –, escreveu arranjos de algumas suítes de Rameau para seus instrumentos. Claro que sei que nem o clarinete, nem o clarone e muito menos o sax existiam na época de Rameau. Eles também sabem, mas fizeram arranjos tão bons que o resultado é nada menos que entusiasmante. É um tremendo disco bastante recente — foi gravado em 2006. Vale a pena você ouvir este Rameau falsamente modernizado pelos grandes músicos do Calefax Quintet. Uma bela postagem para uma radiante manhã de um domingo que nos trará derrotas de Grêmio e Vasco. CUMPRA-SE!

CD IMPERDÍVEL PARA AMANTES DO BARROCO PORTADORES DE CÉREBROS AREJADOS.

J. P. Rameau – Nouvelles Suites

Suite “La Triomphante”
1. Prélude
2. Allemande
3. Courante
4. Sarabande
5. Les Trois Mains
6. Fanfarinette
7. La Triomphante
8. Gavotte et ses six doubles

Suite “Le Rappel des Oiseaux”
9. Allemande
10. Courante
11. Gigue en Rondeau 1 & 2
12. Le Rappel des Oiseaux
13. La Villageoise
14. Les Cyclopes
15. Rigaudon 1 & 2
16. Musette en Rondeau
17. Tambourin

18. La Poule

Suite “Les Boréades”
19. Prelude
20. Ritournelle
21. Gavotte pour les heures et les Zèphirs
22. Entrée de Polymnie
23. Contredanse en Rondeau

Calefax Reed Quintet:
Oliver Boekhoorn: oboe, oboe dÆamore, english horn
Raaf Hekkema: soprano and alto saxophone
Ivar Berix: clarinet
Jelte Althuis: basset horn and bass clarinet
Alban Wesly: bassoon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. P. Rameau (1682-1764): Suíte Les Indes Galantes

Mais um disco definitivo editado pela DG em sua espetacular coleção The Originals. E este efetivamente merece grande destaque. Eu tenho esta gravação em vinil e não sei como o disco não furou. Talvez seja a maior realização de Brüggen como regente. Parece que ele e Rameau entraram em acordo sobre a abordagem correta à Suíte Les Indes Galantes. Flautista e grande regente, o holandês de Amsterdam Frans Brüggen fundou em 1981 a Orchestra of the Eighteenth Century e você não deveria perder a oportunidade de ouvir quando um grande artista faz um trabalho tão extraordinário que acaba por revelar, com clareza nunca antes ouvida, o gênio que foi Rameau. Esta Suíte já tinha sido postada por Clara Schumann sob Herreweghe, mas aqui o também notável regente belga toma um chocolate.

IMPERDÍVEL!!!!

Rameau – Suíte Les Indes Galantes

1. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 1. Ouverture 2:55
2. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 2. Entrée des quatre nations 2:37
3. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 3. Air pour les esclaves africains 1:32
4. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 4. Air vif 2:01
5. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 5. Musette en rondeau 1:20
6. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 6. Air pour les amants et les amantes 1:08
7. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 7. Air pour les deux Polonais 1:47
8. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 8. Menuet I-II 2:35
9. Suite Les Indes Galantes / Prologue – 9. Contredanse 1:51
10. Suite Les Indes Galantes / Les Turcs – 10. Ritournelle pour “Le Turc généreux” 0:59
11. Suite Les Indes Galantes / Les Turcs – 11. Forlane des matelots 1:58
12. Suite Les Indes Galantes / Les Turcs – 12. Tambourin I-II 1:36
13. Suite Les Indes Galantes / Les Incas – 13. Ritournelle pour les Incas du Pérou 1:06
14. Suite Les Indes Galantes / Les Incas – 14. Air des Incas 2:13
15. Suite Les Indes Galantes / Les Incas – 15. Air pour l’adoration du soleil 2:23
16. Suite Les Indes Galantes / Les Incas – 16. Gavotte I-II 2:31
17. Suite Les Indes Galantes / Les Fleurs – 17. Ritournelle pour la fête persane 1:04
18. Suite Les Indes Galantes / Les Fleurs – 18. Marche 2:01
19. Suite Les Indes Galantes / Les Fleurs – 19. Air pour Zéphire 1:06
20. Suite Les Indes Galantes / Les Fleurs – 20. Air pour Borée et la rose 1:26
21. Suite Les Indes Galantes / Les Sauvages – 21. Air pour les sauvages 1:40
22. Suite Les Indes Galantes / Les Sauvages – 22. Chaconne 5:30

Orchestra of the Eighteenth Century
Frans Brüggen

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2), Triosatz In E Flat Major

Encerrando mais um ciclo de integrais, eis o quinto cd dos Trios para Piano de Beethoven. Encerro também essa overdose beethoveniana a que submeti os nossos leitores/ouvintes. Tentarei variar mais daqui para frente.

Duas destas obras aqui postadas, na verdade são versões. O Piano Trio em D Maior é uma versão da Sinfonia nº 2, enquanto que o op. 11, o “Gassenhauer Trio” também é uma versão, mas do trio para clarineta, de mesmo opus, já postado aqui. Maiores informações destas obras Solomon não nos passa, a não ser para informar que à uma tal de Condessa Thun. Maiores detalhes fico lhes devendo.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2), Trio satz In E Flat Major

01 – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2) – 1. Adagio – Allegro Con Brio
02 – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2) – 2. Larghetto Quasi Andante
03 – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2) – 3. Scherzo
04 – Piano Trio In D Major (After Symphony No.2) – 4. Allegro Molto
05 – Triosatz In E Flat Major – Allegretto
06 – Piano Trio No.4 In B Flat Major, Op.11 ‘Gassenhauer-Trio’ – 1. Allegro Con Brio
07 – Piano Trio No.4 In B Flat Major, Op.11 ‘Gassenhauer-Trio’ – 2. Adagio
08 – Piano Trio No.4 In B Flat Major, Op.11 ‘Tema Con Variazioni – Pria Ch’Io L’Impegno (Allegretto)

Beaux Arts Trio

Menhahem Pressler – Piano
Isidore Cohen – Violino
Bernard Greenhousa – Cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dia 15, fizemos 2 anos…

… e ninguém notou. Nem eu!

E temos 909 posts publicados… Com este, 910.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750) – A Paixão segundo São Lucas (apócrifa) – BWV 246 – Dos arquivos de Sóstenes

Apócrifo
[Do gr. apókryphos, pelo lat. tard. apocryphu.]
Adj.
1. Diz-se de obra ou fato sem autenticidade, ou cuja autenticidade não se provou.
2. Diz-se, entre os católicos, dos escritos de assunto sagrado não incluídos pela Igreja no Cânon das Escrituras autênticas e divinamente inspiradas.

Bem, se esta Paixão for de Bach, eu sou uma abelhinha de jardim. Tudo muito bonitinho, muito bem interpretado — sem dúvida, a melhor interpretação que já ouvi da obra –, só que não é Bach. Bach e um de seus filhos copiaram por algum motivo esta boa Paixão, o que enganou os caras que montaram o Bach Werke Verzeichnis (Edição das Obras de Bach ou, popularmente, BWV). Mas cá para nós, é aquela coisa plana, flat e com pouca imaginação e polifônia, além de trazer um verdadeiro exército de recitativos… Nã, nã, ni, na, não, dou o rabo na próxima esquina se for de Bach. E olha que estou inexpugnável há mais de 50 anos!

São dois CDs que coloquei num mesmo arquivo. Bom som, excelente gravação (192 kbps). No segundo CD, minha gravação possui quatro faixas a mais do que a relação abaixo. Coisas da Amazon.

————————————————
Atualização das 8h55 (correção ao blog feita em comentário):

Wolf
novembro 20th, 2008 às 7:30 edit

BWV = Bach-Werke-Verzeichnis (Catálogo das obras de Bach)
“Bach-Werke-Verlag” seria “editora das obras de Bach”.

————————————————

Obrigado, Wolf!

J. S. Bach ??? – A Paixão segundo São Lucas (apócrifa) – BWV 246

Disc: 1
1. “Furcht und Zittern, Scham und Schmerzen”, Chorus
2. “Es war aber nahe das Fest der süßen Brot'”, Recitative
3. “Verruchter Knecht, wo denkst du hin”, Chorale
4. “Und sie wurden froh”, Recitative
5. “Die Seel’ weiß hochzuschätzen”, Chorale
6. “Und er verspach es”, Recitative
7. “Stille, stille!” Chorale
8. “Es am nun der Tag der süßen Brot'”, Recitative
9. “Wo willt du, daß wir’s bereiten?”, Chorus
10. “Er sprach zu ihnen”, Recitative
11. “Weide mich und mach’ mich satt”, Chorale
12. “Und er wird euch einen großen”, Recitative
13. “Nichts ist lieblicher als du, liebste Liebe”, Chorale
14. “Denn ich sage euch, daß ich hinfort”, Recitative
15. “Dein Lieb, das Manna meiner Seele”, Aria for Soprano
16. “Desselbigen gleichen auch den Kelch”, Recitative
17. “Du gibst mir Blut, ich schenk’ dir Tränen”, Aria for Alto
18. “Doch siehe, die Hand meines Verräters”, Recitative
19. “Ich, ich und meine Sünden”, Chorale
20. “Es erhub sich auch ein Zank unter ihnen”, Recitative
21. “Ich werde dir zu Ehren alles wagen”, Chorale
22. “Und ich will euch das Reich bescheiden”, Recitative
23. “Der heiligen zwölf Boten Zahl”, Chorale
24. “Der Herr aber sprach”, Recitative
25. “Nie, keinen”, Chorus
26. “Da sprach er zu ihnen”, Recitative
27. “Herr, siehe Herr, hier sind zwei Schwert”, Chorus
28. “Er aber sprach zu ihnen”, Recitative
29. “Wir armen Sünder bitten”, Chorale
30. “Und er riß sich von ihnen”, Recitative
31. “Mein Vater, wie du willt”, Chorale
32. “Es erschien ihm ein aber ein Engel vom Himmel”, Recitative
33. “Durch deines Todes Kampf”, Chorale
34. “Und er stund auf von dem Gebet”, Recitative
35. “Laß mich Gnade für dir finden”, Chorale
36. “Da er aber noch redet'”, Recitative
37. “Von außen sich gut stellen”, Chorale
38. “Da aber sahen, die um ihn waren”, Recitative
39. “Herr, sollen wir mit dem Schwert drein schlagen?”, Chorus
40. “Und einer aus ihnen schlug”, Recitative
41. “Ich will daraus studieren”, Chorale
42. “Jesus aber sprach zu den Hohenpriestern”, Recitative
43. “Und führe uns nicht in Versuchung”, Chorale
44. “Da zündeten sie ein Feuer an”, Recitative
45. “Kein Hirt kann so fleißig gehen”, Chorale
46. “Und Petrus gedachte an des Herren Wort”, Recitative
47. “Den Fels hat Moses’ Stab geschlagen”, Aria for Tenor
48. “Aus der Tiefe rufe ich”, Chorale
49. “Aus der Tiefe rufe ich”, Chorale

Disc: 2
1. “Die Männer aber, die Jesum hielten”, Recitative
2. “Weissage, wer ist’s, der dich schug?”, Chorus
3. “Daß du nicht ewig Schande mögest tragen”, Chorale
4. “Und viel and’re Lästerungen sangten sie wider ihn”, Recitative
5. “Bist du Christus?”, Chorus
6. “Er aber sprach zu ihnen”, Recitative
7. “Bist du denn Gottes Sohn?”, Chorus

8. “Du Kön’g der Ehren”, Chorale
9. “Er sprach zu ihnen”, Recitative
10. “Und der ganze Haufe stund auf”, Recitative
11. “Diesen finden wir”, Chorus
12. “Pilatus aber fragte ihn”, Recitative
13. “Dein göttlich’ Macht und Herrlichkeit”, Chorale
14. “Pilatus sprach zu den Hohenpriestern”, Recitative
15. “Ich bin’s, ich sollte büßen”, Chorale
16. “Sie aber hielten an und sprachen”, Recitative
17. “Er hat das Volk erreget”, Chorus
18. “Do aber Pilatus ‘Galiläa hörte”, Recitative
19. “Die Hohenpriester aber”, Recitative
20. “Was kann die Unschuld besser kleiden”, Chorus
21. “Auf den Tag wurden Pilatus und Herodes Freunde”, Recitative
22. “Ei, was hat er denn getan”, Chorale
23. “Denn er mußte ihnen einen nach Gewohnheit”, Recitative
24. “Hinweg, hinweg mit diesem”, Chorus
25. “Welcher war um eines Aufruhrs”, Recitative
26. “Kreuzige ihn!”, Chorus
27. “Er aber sprach zum dritten Mal zu ihnen”, Recitative
28. “Und als sie Jesum hinführeten”, Recitative
29. “Weh und Schmerz”, Terzett
30. “Jesus aber wandte sich um zu ihnen”, Recitative
31. “Sein’ allereste Sorge war, zu schützen”, Chorale
32. “Und sie teileten seine Kleider”, Recitative
33. “Er hat andern geholfen”, Chorus
34. “Es verspotteten ihn auch die Kriegsknechte”, Recitative
35. “Bist du der Jüden König, so hilf dir selber!”, Chorus
36. “Ich bin krank, komm stärke mich”, Chorale
37. “Das Kreuz ist der Königsthron”, Chorale
38. “Aber der Übeltäter einer”, Recitative
39. “Tausend mal gedenk’ ich dein”, Chorale
40. “Und Jesus sprach zu ihm”, Recitative
41. “Freu’ dich sehr, o meine Seele”, Chorale
42. “Und es war um die sechste Stunde”, Chorale
43. “Selbst der Bau der Welt erschüttert” Aria for Tenor
44. “Und Jesus rief laut, und sprach”, Recitative
45. “Derselbe mein Herr”, Sinfonia/Chorale
46. “Da aber der Hauptmann sahe”, Recitative
47. “Straf’ mich nicht in deinem Zorn”, Chorale
48. “Es stunden aber alle Verwandten con ferne”, Recitative
49. “Laßt mich ihn nur noch einmal küssen” Aria for Tenor
50. “Und nahm in ab”, Recitative
51. “Nun ruh, Erlöser, in der Gruft”, Chorale

Marcus Sandmann
Stephan Schreckenberger
Mona Spagele
Harry van Berne
Rufus Muller

Bremen Baroque Orchestra
Wolfgang Helbich

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20), Piano Trio No.5 In D Major, Op.70 No.1 ‘Ghost’

Mais um cd com trios para piano de Beethoven, sempre com a interpretação exuberante do Beaux Arts Trio.

O CD 4 traz uma peça conhecida nossa, já postada sob op. 20, o Septeto, mas neste caso adaptado por Beethoven para Trio com Piano. Maiores informações sobre esta obra a biografia de Solomon não nos passa.

O Trio nº 5, nº1, também conhecido como “Fantasma” foi composto e dedicado a sua amiga, a condessa Marie Erdöry, à qual já nos referimos em postagem anterior, e foi na casa desta amiga que estes trios tiveram sua primeira audição. Sobre estes trios op. 70, Solomon escreve o seguinte:

“Os trios foram a primeiras obras sérias de Beethoven nessa forma desde o seu op.1 de 1795. O Trio nº1 em ré maior (Fantasma) tem dois movimentos descontraídos e sem problemas ladeando um poderoso ‘Largo’ pré-romântico, cujos efeitos atmosféricos de cordas em tremolando e súbitos cotrastes dinâmicos deram origem ao adequado cognome da obra”

Fico por aqui hoje, pois estou sobrecarregado de serviço.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20), Piano Trio No.5 In D Major, Op.70 No.1 ‘Ghost’

01 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 1. Adagio – Allegro Con Brio
02 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 2. Adagio Cantabile
03 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 3. Tempo Di Menuetto
04 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 4. Andante Con Variazioni
05 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 5. Scherzo (Allegro Molto Viva
06 – Piano Trio In E Flat Major, Op.38 (After The Septet, Op.20) – 6. Andante Con Moto Alla Marci
07 – Piano Trio No.5 In D Major, Op.70 No.1 ‘Ghost’ – 1. Allegro Vivace E Con Brio
08 – Piano Trio No.5 In D Major, Op.70 No.1 ‘Ghost’ – 2. Largo Assai Ed Espressivo
09 – Piano Trio No.5 In D Major, Op.70 No.1 ‘Ghost’ – 3. Presto

Beaux Arts Trio

Menahem Pressler – Piano
Isidore Cohen – Violino
Bernard Greenhouse – Violoncelo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio – Orquesta Tipica El Afronte :.

Recebi agora há pouco o e-mail abaixo, de um leitor que preferiu permanecer tímido:


“olá, Blue Dog!

estive em Buenos Aires há uns dias, e encontrei esse bando de hippies tocando tango em San Telmo. são jovens cabeludos (o do vocalista é até vermelho), em grande grupo: quatro bandoneons, quatro violinos, cello, baixo, piano e voz. ótimos músicos. o repertório é 100% tangueiro, sem milongas ou delongas (cof). sei que não é jazz, mas também sei que não fica tão longe assim, e já vi Piazzolla no PQP; por isso estou te enviando um link. faça uso se achar pertinente. e não deixe de escutar a versão que fazem de Tresnochando.

um abração!
xxxxx.”

Não apenas compartilho, como em pesquisinha rápido acho até uma dica, caro xxxxx: a Orquesta Típica El Afronte se apresenta todas as quartas no Maldito Tango – Perú 571, San Telmo. Às 21h, ministram aula; duas horas depois, fazem show. Se voltares à cidade, já sabes. E obrigado pela pérola! Nós, vira-latas, temos muito em comum com músicos que não têm medo das ruas. Este disco não apenas traz belíssimas interpretações tangueiras – também me faz sentir em casa.

Orquesta Tipica El Afronte – Tango al Palo, 2006 (192)
elafronte.com.ar

Pablo Schaffino: piano
Maurício Beltrán: baixo
Jano Seitún: cello
Angela Goussinsky, Andrea Marina Sosa, Gabriel Atúm, Agustín Volpi: violino
Claudio Ferrari, Adrián Barile, Matías Nori, Martín Viña: bandoneón
Marco Bellini: voz

download – 51MB
01 Ojos Negros (Greco) 2’48
02 Maldita Monogamia (Atúm) 2’46
03 Una Canción (Troilo, Castillo) 3’12
04 Pa’ que bailen los muchachos (Troilo, Cadícamo) 2’54
05 Pueblada (Atúm) 2’58
06 Inspiración (Paulos, Rubistein) 3’17
07 Responso (Troilo) 3’08
08 Nunca Tuvo Novio (Bardi, Cadícamo) 3’20
09 Cuesta Abajo (Gardel, Le Pera) 3’11
10 Bahía Blanca (Di Sarli) 2’49
11 Trasnochando (Baliotti, Adamini) 3’37
12 Libertango (Piazzolla) 3’22

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Arnold Schoenberg (1874 – 1951): Pierrot Lunaire, Ode To Napoleon

Após aquele disco de Glenn Gould com as deliciosas e românticas canções de Schoenberg, aqui encontramos um ciclo de canções absolutamente revolucionário – Pierrot Lunaire de 1912. O pequeno melodrama para voz feminina e grupo de câmara é composto de 21 canções ultra-expressionistas, onde Schoenberg emprega a técnica (não inédita) do falado-cantado (Sprechstimme). As sensações sobre a noite, a lua, decapitação (Enthauptung) … são narradas-cantadas por uma personagem apavorante e salientadas pelos instrumentistas de forma virtuosa e febril.

A capacidade de Boulez de dar um novo brilho as obras que rege é mesmo espantosa. Gosto de tudo que ele grava. E a falta de fervor que alguns críticos condenam, eu vejo como uma vantagem. No entanto, no caso de Pierrot Lunaire, a dupla Christine Schäfer-Boulez poderia se soltar mais no imaginário psicótico da obra. Mas a clareza e majestosa voz de Schafer compensam a ausência de alucinadas declamações que eu gostaria de ouvir (noutra oportunidade postarei o que acho adequado). Ajuda muito assistir o DVD feito pelo mesmo grupo de músicos do cd. A direção lembra muito aqueles “absurdos” geniais de David Lynch.

Cannon

Outra importante obra deste disco é Ode a Napoleão, cujo texto de Byron (escrito em 1816) poderia ser chamado de Ode a Hitler ou qualquer outro ditador. Foi escrita por Schoenberg em 1942 e é uma das grandes obras-primas do século XX. Gravação exuberante.

CDF

cd:
1. Act I, No. 1, “Mondestrunken”
2. Act I, No. 2, “Colombine”
3. Act I, No. 3, “Dandy”
4. Act I, No. 4, “Die blasse Wascherin”
5. Act I, No. 5, “Valse de Chopin”
6. Act I, No. 6, “Madonna”
7. Act I, No. 7, “Der kranke Mond”
8. Act II, No. 8, “Nacht”
9. Act II, No. 9, “Gebet an Pierot”
10. Act II, No. 10, “Raub”
11. Act II, No. 11, “Rote Messe”
12. Act II, No. 12, “Galgenlied”
13. Act II, No. 13, “Enthauptung”
14. Act II, No. 14, “Kreuze”
15. Act III, No. 15, “Heimweh”
16. Act III, No. 16, “Gemeinheit”
17. Act III, No. 17, “Parodie”
18. Act III, No. 18, “Mondfleck”
19. Act III, No. 19, “Serenade”
20. Act III, No. 20, “Heimfahrt”
21. Act III, No. 21, “O alter Duft”
22. Herzgewachse Opus 20
23. Ode To Napoleon Buonaparte Opus 41

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Elliott Carter (1908-) – Orchestral Works

Se não podemos garantir a imortalidade da obra de Elliott Carter, podemos afirmar que ele não morre. No dia 11 de dezembro, Carter completará 100 anos. Como cada dia dele é uma nova aventura, decidi postar este CD ainda em vida do compositor. Basta de postagens póstumas! Este decano dos compositores foi aluno de Walter Piston e de Gustav Holst e, em Paris, de Nadia Boulanger. Influenciado por Stravinsky e Hindemith, tornou-se inicialmente neoclássico. A partir dos anos cinqüenta, abraçou uma moderada atonalidade cuja complexa rítmica o levou a inventar o termo modulação métrica, a fim de poder descrever com exatidão as freqüentes mudanças de andamento de suas obras. Carter vem de outro tempo. MESMO.

A declaração que vem no libreto do CD é típica da Segunda Escola de Viena: Decidi escrever apenas o que me interessava, o que demonstrava os conceitos e sentimentos que tenho em mim, sem nenhuma consideração a um suposto público.

Suposto público? Bem, ao menos ele decidiu mostrar-nos o que faz e o curioso é seus conceitos particulares — que na verdade significam apenas que ele manda a crítica às favas — são semelhantes aos de alguns de seus colegas, como Edgar Varèse. Música complicada e densa, gosto bastante de seu Concerto para Orquestra, onde quatro grupos orquestrais de mesma importância interrompem ou ao outro. Parece mais um jogo, principalmente após ouvirmos o dramático Concerto para Piano, um verdadeiro conflito entre piano e orquestra. Nesta peça, há sete músicos que cercam o solista e que devem fazer a intermediação entre este e a orquestra. Falham em seu intento. Parece piada, mas não é. É um concerto de grande intensidade e complexidade.

As Three Occasions formam uma peça menor.

Um filé para quem gosta de música moderna. Uma tortura para a maioria.

Elliott Carter – Três trabalhos orquestrais

Piano Concerto (1964-1965)
1. I.
2. II.
Ursula Oppens, piano
SWF Sinfonieorchester Baden-Baden
Michael Gielen

3. Concerto for Orchestra (1969)
Ursula Oppens, piano
SWF Sinfonieorchester Baden-Baden
Michael Gielen

Three Occasions for orchestra (1986-1989)
4. A Celebration of 100 X 150 Notes
5 Remembrance
6. Anniversary
SWF Sinfonieorchester Baden-Baden
Michael Gielen

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edino Krieger (1928) – Sonatina e outras obras para piano

Ninguém pediu a Sonatina de Krieger, mas vou empurrá-la pra vocês assim mesmo, já que Santa Catarina está me inspirando e me rendendo bons lucros. É uma das obras para piano mais queridas – senão a mais – de compositores brasileiros vivos e a mais conhecida de todo o catálogo do célebre compositor catarinense.

Segue o texto do encarte do CD com a Sonatina e outras peças pianísticas importantes de Krieger.

***

Edino Krieger

Nascido em Brusque, Santa Catarina, a 17 de março de 1928, aos 7 anos iniciou estudos de violino com seu pai, Aldo Krieger, violinista e compositor. Aos 14 anos ingressou no Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro. Iniciou em 1944 estudos de composição com H.J. Koellreuter, ingressando no ano seguinte no Grupo Música Viva. Em 1948 obtém o 1º lugar em concurso do Berkshire Music Center, EUA, onde estudou sob a orientação de Aaron Copland. Em seguida, consegue bolsa de estudos para Julliard School, onde estudou com Peter Menin. Em 1955, estuda em Londres com Lennox Berkeley e nesse mesmo ano é premiado no Festival Internacional de Varsóvia. Em 1959 conquista o 1º prêmio do I Concurso Nacional de Composição do MEC, com o Divertimento para Cordas. Em 1965 suas Variações Elementares foram estreadas no Festival Interamericano de Música de Washington, e no ano seguinte seu Ludus Symphonicus recebia sua estréia mundial pela Orquestra de Filadélfia, em Caracas. Em 1967 e 1968 obtém Medalha de ouro nos Festivais Internacionais da Canção do Rio de Janeiro.

Paralelamente à sua atividade criadora, tem exercido diversas funções públicas, entre as quais as de diretor musical da Rádio MEC, organizador e regente assistente da Orquestra Sinfônica Nacional, criador e diretor dos festivais de música da Guanabara de 1969 a 1970, e idealizador das Bienais de Música Contemporânea. Obteve ainda em 1969 o prêmio Golfinho de Ouro, conferido pelo Museu da Imagem e do Som. Dirige a Divisão de Música da Rádio Jornal do Brasil e exerceu a crítica musical no Jornal do Brasil. Em 1979 criou o projeto Memória Musical Brasileira — FUNARTE — do Ministério da Educação e Cultura (atualmente Ministério da Cultura). Em 1981 assumiu a direção do instituto Nacional de Música da FUNARTE.

As Composições

As composições de Edino Krieger incluídas nesta gravação datam dos anos 50 e pertencem a um período caracterizado pela busca de uma expressão voltada para as raízes de sua própria experiência musical. Com efeito, enquanto suas peças anteriores, de 1945 a 1952, mostram um interesse pela pesquisa de novas formas e de nova linguagem, partindo do impressionismo do Improviso para flauta só até o dodecafonismo dos Epigramas, das Miniaturas para piano e da Música 1952 para Cordas, sua produção, a partir do Choro para Flauta e Cordas, de 1952, aponta para uma linha neo-clássica, com a predominância de formas e estruturas mais tradicionais e, paralelamente, de uma linguagem mais tonal e uma substância musical fortemente impregnada de sabor brasileiro. Essas composições parecem mergulhar no mundo sonoro de sua infância, marcado pelo ambiente musical da família, dos ensaios de carnaval na alfaiataria de seu avô, nos anos 30 e 40, onde os blocos se reuniam em torno do “Jazz Band América”, formado exclusivamente pela família, para aprender e ensaiar o repertório carnavalesco de cada ano; ou das retretas da Banda Musical Concórdia, que seu pai integrou e depois dirigiu, como sucessor do mestre Humberto Matioli; ou, ainda, das serestas que seu pai e seus tios promoviam todos os fins de semana, noite a dentre e que terminavam, invariavelmente, no portão da sua casa, onde às vezes se estreava uma nova valsa nascida ao longo da madrugada…

Acrescente-se a isso uma preocupação de caráter didático, que se inicia com as 20 Rondas Infantis, de 1952, e se manifesta no Prelúdio e Fuga, de 54, no Choro Manhoso e no Estudo Seresteiro, de 56 e na Sonatina, de 57.

A Sonatina, que abre este disco, recebe agora a segunda gravação pelo pianista Miguel Proença, que a lançou em seu primeiro LP, em 1982, tornando-a uma página particularmente conhecida do estudante de piano.

O Prelúdio (cantilena) e Fuga (marcha-rancho) nasceu como um exercício de fuga, sem maiores pretensões. Ao ler a Fuga, recém-concluída, a pianista Anna Stella Schic sugeriu estrear a peça numa próxima ocasião. Um Prelúdio foi então acrescentado, à guisa de introdução ao exercício, e a composição, já agora com sua forma barroca de Prelúdio e Fuga, e com sua substância brasileira de cantilena e marcha-rancho — à maneira das Bachianas de Villa-Lobos — foi dedicada à pianista, e depois incorporada à Suíte para Cordas, composição de caráter didático dessa mesma época, e mais adiante, em 1967, transcrita para coro a 8 partes pelo próprio autor, transformou-se na Fuga e Anti-Fuga. Com letra de Vinícius de Moraes.

O Choro Manhoso e o Estudo Seresteiro foram compostos em Brusque, em 1956, num dos períodos de férias que o autor passava em sua cidade natal.

Ilmar Carvalho

Krieger e as Sonatas para piano

As Sonatas para Piano, de Edino Krieger — que recebem neste LP o seu primeiro registro fonográfico — foram compostas na década 50, época em que o compositor produziu também o Quarteto para Cordas nº1 e a Brasiliana (para viola e cordas).

Impregnadas de atmosfera modal, quanto à sua essência melódico-harmônica, essas obras trazem reminiscências do período em que Krieger viveu nos Estados Unidos (1948-49), estudando com Aaron Copland (no Festival de Tanglewood) e Peter Menin (na Juilliard School of Music, de Nova Iorque). Pertencem a uma fase marcada pela presença de elementos temáticos de caráter nativista, dentro de um traçado formal tradicionalista. No período anterior, predominavam técnicas e linguagem vanguardistas, e um culto sistemático das formas sintéticas e miniaturistas.

A Sonata nº1 foi escrita no Rio de Janeiro, entre dezembro de 1953 e maio de 1954. Já no primeiro movimento — Andante – Allegro energico — desponta o clima modal da partitura, ao lado do emprego constante de quartas e quintas justas e dos desenhos uníssonos em dobramentos de oitava. Poulenc, Prokofiev e o próprio Aaron Copland podem ser apontados como fontes de influência para o discurso musical do autor.

O segundo tempo — Seresta — já existia antes como peça isolada, trazendo no subtítulo a menção “Homenagem a Villa-Lobos”. Trata-se de um texto em que convivem simplicidade melódica e vigor pianístico, mesclando-se a ambientação modal com características mais determinantes da música brasileira de caráter urbano.

O movimento final — Variações e Presto — inicia-se com um tema lento e expressivo, exposto em linguagem transparente. A 1ª variação (Moderato) tem caráter rítmico: o autor propõe uma nova figuração para o desenho temático (melodicamente um terço acima), usando com abundância pausas e deslocamentos de acentos. A 2ª variação (Andantino) fixa-se no aspecto melódico, começando pela exposição do tema em movimento contrário. A 3ª variação apresenta o motivo central com os valores ampliados, em contraponto com belos comentários de sabor seresteiro. A quarta — e última — variação é um Allegro scherzando de feição rítmica e virtuosística.

O Presto conclusivo fecha a Sonata em atmosfera burlesca, tipicamente brasileira: o desenho principal sugere com nitidez um frevo nordestino.

É importante ressaltar que a Sonata nº1 foi, 1959, adaptada pelo autor para orquestra de cordas, recebendo, na nova versão, o título de Divertimento para Cordas, obra que obteve o 1º Prêmio no concurso “Música e Músicos do Brasil” da Rádio MEC.

Estreada no Rio, em 1959, pelo pianista Homero Magalhães, a Sonata nº2 foi composta três anos antes, em abril de 1956, quando Krieger se aperfeiçoava em Londres, com Lennox Berkeley. A obra mantém o clima melódico-harmônico da sonata anterior, desenvolvendo-se igualmente em três movimentos.
O primeiro movimento — Allegro — apresenta a célula temática inicial em oitavas dobradas, prosseguindo em seguida na textura modal peculiar e impregnando o discurso pianístico de cristalinos trinados, procedimento que — um ano mais tarde — o autor conservaria em sua conhecida Sonatina.

O segundo movimento — Andantino — traz sugestões nordestinas com sutil tratamento harmônico, remetendo-nos ao despojamento e ao savoir-faire dos Andantes de Guarnieri. O texto caminha para um adensamento da linguagem pianística, retornando em seguida à amena beleza do clima inicial.

O tempo final — Vivace molto e com spirito — tem o caráter de uma Tocata, alternando células de acordes de quinta justas com sinuosos desenhos de oitavas dobradas. A conclusão é brilhante e virtuosística.
Primeira obra dessa série, a Sonata para Piano a Quatro Mãos foi criada em 1953, surgindo inicialmente como um Rondon-Fantasia, dedicado a Jeanette e Heitor Alimonda. Krieger posteriormente ampliou a partitura e rebatizou-a de Sonata, tornando o final pianisticamente mais eloqüente.

O autor conservou, porém, a estrutura de um único movimento de caráter monotemático: o expressivo motivo principal aparece variado no decorrer da peça, com as características essenciais do décor modal, límpidos trinados e transparentes texturas.

Em 1971, a Sonata para Piano a Quatro Mãos foi editada pela Peer International (Nova Iorque/Hamburgo).

Ronaldo Miranda

***

01 – Sonatina – I. Moderato
02 – Sonatina – II. Allegro
03 – Prelúdio e Fuga – I. Prelúdio (Cantilena)
04 – Prelúdio e Fuga – II. Fuga (Marcha-rancho)
05 – Choro Manhoso
06 – Estudo Seresteiro
07 – Sonata nº1 – I. Andante
08 – Sonata nº1 – II. Seresta (Homenagem a Villa-Lobos)
09 – Sonata nº1 – III. Variações e Presto
10 – Sonata nº 2 – I. Allegro
11 – Sonata nº 2 – II. Andantino, moderato e con motto
12 – Sonata nº 2 – III. Vivace molto e con spirito
13 – Sonata a 4 Mãos – Moderato

Miguel Proença e Laís de Souza Brasil (vide no encarte quem toca o quê)

BAIXE AQUI (Os arquivos estão em extensão .mpc)

***

Mando de brinde os três Estudos Intervalares, compostos em 2000. O estudo “das quartas” é outra obra que descobri que utiliza o tema de Nozani-Ná, recolhido por Roquette Pinto e incorporado nos Choros 3, 7 e 12 do Villa, em Moacaretá de Sérgio de Vasconcellos Corrêa e noutra obra que não me lembro.

I. Das segundas
II. Das terças
III. Das quartas

Piano: Alexandre Dossin.

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’, Piano Trio No.9 In E Flat Major, WoO 38, Piano Trio No.11 In G Major, Piano Trio in G major (“Kakadu Variations”), Op. 121a

O terceiro cd da integral dos Trios para Piano de Beethoven traz sua obra-prima, o Trio “Arquiduque”, op. 97. Obra de fôlego, sobre ela Maynard Solomon faz a seguinte análise em sua biografia:

O último trio de Beethoven, e por concordância geral, sua obra-prima nessa forma, foi o Trio em si bemol, op. 97, chamado ‘ Arquiduque’ por causa de sua dedicatória. É uma obra extensa tanto nas dimensões (quatro movimentos totalizando 1200 compassos) quanto no som. Ao passo que em suas sinfonias heróicas Beethoven tinha gerado a arquitetura de suas composições a partir da libertação (e controle) de energia represada dentro de motivos de ritmos germinais condensados e explosivos, ele gerou a monumentalidade arquitetural do Trio “Arquiduque” a partir do desenvolvimento de melodias amplas, fluentes e moderadamente compassadas. Essa prática resulta numa sensação de calma, amplitude e nobreza medida da retórica que já encontramos na Sonata para Violoncelo, op. 68, no Concerto para Violino e nos Quarto e Quinto Concertos para Piano. Pinceladas audaciosas no Scherzo e bruscos momentos espirituosos no finale contrastam de modo eficaz com a qualidade vastamente lírica e sublime do Allegro moderato inicial. O “Arquiduque” representa a soma total dos impulsos de Beethoven para um novo tipo de classicismo que tinha caracterizado sua música de câmara com piano entre meados de 1808 e 1811.”

Este trio foi composto em um perído relativamente curto, entre 3 e 26 de março de 1811.

Como não poderia deixar de ser, a gravação está a cargo do Beaux Arts Trio.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’, Piano Trio No.9 In E Flat Major, WoO 38, Piano Trio No.11 In G Major, Piano Trio in G major (“Kakadu Variations”), Op. 121a

01 – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’ – 1. Allegro Moderato

02 – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’ – 2. Scherzo (Allegro

03 – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’ – 3. Andante Cantabile, Ma Però Con Moto –

04 – Piano Trio No.7 In B Flat Major, Op.97 ‘Archduke’ – 4. Allegro Moderato

05 – Piano Trio No.9 In E Flat Major, WoO 38 – 1. Allegro Moderato

06 – Piano Trio No.9 In E Flat Major, WoO 38 – 2. Scherzo (Allegro Ma Non Troppo)

07 – Piano Trio No.9 In E Flat Major, WoO 38 – 3. Rondo (Allegretto)

08 – Piano Trio in G major (“Kakadu Variations”), Op. 121a

Beaux Arts Trio

Menahem Pressler – Piano
Isidore Cohen – Violin
Bernard Greenhouse – Cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678 – 1741) – Concertos para órgão (The Langone`s Files)

É um bom disco de um repertório raro. A gravadora deste CD é realmente obscura, mas os intérpretes são animados e de excelente nível. Não tenho muito a dizer sobre este trabalho. Vivaldi é às vezes é espetacular, mas nunca é ruim. Este fica acima da média e dificilmente alguma discoteca média terá este CD.

Os detaques são o concerto RV 335 e a surpreendente sonoridade do RV 779, que me fez parar de trabalhar para ouvi-lo mais atentamente.

Vivaldi – Concertos para órgão

01 – Concerto in D minor for violin, organ + strings RV541, 1 Allegro.mp3
02 – Concerto in D minor for violin, organ + strings RV541, 2 Grave.mp3
03 – Concerto in D minor for violin, organ + strings RV541, 3 Allegro.mp3

04 – Concerto in C major for violin, cello, organ + strings RV544a, 1 Allegro.mp3
05 – Concerto in C major for violin, cello, organ + strings RV544a, 2 Andante.mp3
06 – Concerto in C major for violin, cello, organ + strings RV544a, 3 Allegro.mp3

07 – Concerto in A major, Il Rossignuolo, for violin, organ + strings RV335, 1 Allegro.mp3
08 – Concerto in A major, Il Rossignuolo, for violin, organ + strings RV335, 2 Largo.mp3
09 – Concerto in A major, Il Rossignuolo, for violin, organ + strings RV335, 3 Allegro.mp3

10 – Concerto in F major for traverso, organ + strings RV767, 1 Alla breve.mp3
11 – Concerto in F major for traverso, organ + strings RV767, 2 Larghetto.mp3
12 – Concerto in F major for traverso, organ + strings RV767, 3 Allegro.mp3

13 – Concerto in C minor for violin, organ + strings RV766, 1 Allegro.mp3
14 – Concerto in C minor for violin, organ + strings RV766, 2 Largo.mp3
15 – Concerto in C minor for violin, organ + strings RV766, 3 Allegro.mp3

16 – Concerto in C major for violin, traverso + organ RV779, 1 Andante.mp3
17 – Concerto in C major for violin, traverso + organ RV779, 2 Allegro.mp3
18 – Concerto in C major for violin, traverso + organ RV779, 3 Largo e cantabile.mp3
19 – Concerto in C major for violin, traverso + organ RV779, 4 Allegro.mp3

20 – Concerto in F major for violin, organ + strings RV542, 1 Allegro.mp3
21 – Concerto in F major for violin, organ + strings RV542, 2 Alla franchese.mp3
22 – Concerto in F major for violin, organ + strings RV542, 3 Allegro.mp3

Marcelo Bussi, órgão
Manfred Kraemer, violino
Balázs Máté, violoncelo
Jed Wentz, flauta transversa
Musica Ad Rhenum

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!