Dois centenários

Por CELSO LOUREIRO CHAVES,
publicado na Zero Hora de 20 de dezembro de 2008

Este mês, centenários de dois compositores incontornáveis da música de concerto: o francês Olivier Messiaen, de 10 de dezembro de 1908, e o norte-americano Elliott Carter, de 11 de dezembro de 1908. Dois centenários com uma distância enorme entre eles – Messiaen morreu em 1992 e portanto sua obra é um livro fechado, o que havia para ouvir foi ouvido, o que havia para descobrir foi descoberto; Carter não só continua produzindo sem cessar como tem participado das comemorações do seu próprio centenário. Há quem diga: que um compositor participe do próprio centenário já é uma façanha, mas que componha uma peça para marcar a data não tem precedentes na história da música. Elliott Carter é o exemplo mais lúcido da atemporalidade na composição musical, a possibilidade de criar sons em qualquer idade, a prova de que um compositor pode ser muitos, mesmo nos limites de uma única vida.

Por um momento Messiaen e Carter cruzaram seus caminhos. Foi no final dos anos 1940, o mundo musical ainda cambaleante depois da guerra. Messiaen tinha acabado de compor uma das suas obras mais monumentais, a sinfonia Turangalîla, e subitamente lhe veio a vontade de criar miniaturas que, no seu rigor composicional, abriram a porta para a vanguarda européia dos anos 1950. Essa foi a importância dos seus Quatro Estudos de Ritmo e também foi ali naqueles anos de mudança que Elliott Carter, já com sinfonias, canções e balés no currículo, decidiu abandonar um “eu” para alcançar um outro “eu”, para se tornar… Elliott Carter. Modernista inflexível e rigoroso, compositor de obras difíceis de tocar e ásperas de ouvir, obras profundas e racionalizadas no mínimo detalhe das decisões musicais.

A partir de caminhos absolutamente pessoais, Carter e Messiaen seguiram escolhas próprias e foram criando um repertório vasto de obras nas quais se tropeça uma e outra vez quando se percorre o panorama da música de concerto a partir de 1940. É que tanto Carter quanto Messiaen construíram idiomas musicais muito característicos que permitem identificar suas obras logo ao primeiro som, com retóricas inconfundíveis e impossíveis de resistir. Em Messiaen é a individualidade da harmonia que surpreende e cativa, os seus acordes – uns diferentes dos outros sem nada que os una – e o seu som granítico, diria o poeta Mallarmé. De repente há espaços que se abrem para melodias amplas que são ou celestiais ou simplesmente bregas, não há meio termo. Tudo envelopado numa orquestração luminosa e exagerada que não raro lança mão das ondas martenot, instrumento eletrônico que Messiaen fundiu à orquestra sinfônica.

Na música de Carter são o pontilhismo dos sons e as intricações de ritmo que agarram o ouvinte e não o deixam tomar distância da obra ouvida. Melodias não há e nem harmonias que se possa identificar como tal. Há jogo de densidades sonoras, alternâncias de cores, superfícies ásperas, rugosas, raramente lisas, que se misturam e se superpõem. Quando então Carter se volta para a voz humana, é nos poetas de sua geração que ele vai buscar guarida. Aí os poemas de Elizabeth Bishop, Robert Frost e William Carlos Williams soam na sua música. Mesmo quando não claramente articulados em som, os poetas norte-americanos são o alicerce da música de Carter – Hart Crane e seu À Ponte do Brooklyn são sombras que se escondem na Sinfonia de Três Orquestras, obra central da música para orquestra de Carter.

Também em Messiaen há textos que se escondem atrás da música e que surgem nos títulos que vão pontuando o catálogo de obras: Vinte Olhares Sobre o Menino Jesus, A Transfiguração de Nosso Senhor Jesus Cristo, Meditações Sobre o Mistério da Santíssima Trindade, Cores da Cidade Celeste. Pois para Messiaen os mistérios da fé católica são a fonte principal de irrigação da música, algo que agrada a muitos e desgosta outros tantos. O fio da navalha entre bom gosto e mau gosto é ultrapassado várias vezes no contexto dessas obras que, se discutíveis, são indiscutivelmente sinceras, ainda mais quando a religiosidade de Messiaen se une ao amor à natureza e, nela, ao amor verdadeiramente franciscano aos pássaros que povoam a sua obra. Foi Messiaen quem compôs um Catálogo dos Pássaros e colocou uma multidão de aves – brasileiras, inclusive – na sua mais gigantesca obra para orquestra, Dos Cânions às Estrelas.

Quando morreu, Messiaen ainda se recuperava da tarefa monumental de compor sua única ópera, São Francisco de Assis que, em quatro horas e oito cenas exaltadamente estáticas, conta a vida do santo que simboliza o catolicismo que o compositor conheceu por dentro. Líder de uma geração de vanguardistas – Boulez, Xenakis, Stockhausen – ao longo da vida Messiaen veio se afastando das vanguardas e, ao morrer, encerrou uma obra imensa marcada pela espiritualidade e que nunca fugiu das banalidade inevitáveis quando as sonoridades são tão exuberantes. Para que fugir? Logo numa de suas primeiras obras, o Quarteto para o Fim do Fempo, Messiaen fez soar as trombetas do juízo final. Depois disso, quem se importaria com críticas?

Críticas também nunca foram problema para Elliott Carter desde que ele se transformou nele mesmo em 1948. As suas obras foram se espalhando em todas as direções, marcando gênero a gênero. O Concerto para Orquestra, as Fantasias Noturnas, peça que ampliou o repertório de gestos do pianista, o monumental Concerto Duplo para Piano, Cravo e Orquestra e a série dos cinco quartetos de cordas. Só esse grupo de peças já seria influente por si só, pelos caminhos que apontam no tratamento das sonoridades e na transformação da vitalidade em som. O que mais surpreende, no entanto, é a nova arrancada de criatividade que Carter deu à sua música a partir dos noventa anos. A primeira ópera foi composta há pouco, a primeira peça para grupo de percussão estreou semana passada e o terceiro concerto para piano e orquestra, Intervenções, foi reservado para o dia do centenário. Todas obras de uma agressividade seríssima, algo inédito para um compositor em atividade há 72 anos.

Até quando irá a música de Elliott Carter? Não se sabe e o melhor seria perguntar até onde irá essa música que começou mansa, se tornou irredutível na obediência ao próprio estilo e que agora, nas obras de hoje, quase assusta pela vitalidade e pelo movimento incessante. Foi assim também com Olivier Messiaen que, das exuberâncias dos anos 1940 se transformou no monumento mais alto da música cristã. São os dois compositores centenários da semana. Um já é estátua e sem ele não se conta a história da música francesa. O outro ainda está aí, prestigiando sempre os concertos que o prestigiam. Vale, para marcar esse duplo centenário e para localizar as buscas incessantes da música de um e de outro, uma frase de William Carlos Williams que Carter transformou em música em Of Rewaking, obra de 2002: “cedo ou tarde devemos chegar ao fim de toda a luta… mas ainda não, tu dizes, estendendo o tempo indefinidamente.”

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.:Interlúdio:. Freddie Hubbard (In Memoriam) – The Griffith Park Collection

O PQP Bach, assim como todos os amantes do jazz, se encontra em luto. Faleceu na última segunda feira, dia 29, o grande trompetista Freddie Hubbard. Sensível ao ocorrido, eu, FDP Bach, resolvi prestar uma homenagem a este excepcional músico, postando um trabalho um tanto quanto desconhecido dele. Bem,creio que seja desconhecido: The Griffith Park Collection, gravado em 1981, álbum que reuniu 5 feras em seus respectivos instrumentos:

Freddie Hubbard, no trompetes, Chick Corea nos teclados, Joe Henderson, no sax tenor, e uma das melhores cozinhas já reunidas na história do jazz: Stanley Clarke no contrabaixo e Lenny White na bateria. Tudo bem, é um Return to Forever com o acréscimo do próprio Hubbard e do Henderson. Só que acústico.

Uma pequena biografia deste mestre do trompete pode ser encontrada aqui .

Estou com pouco tempo hoje para preparar postagens. Daqui a pouco viajo para passar o Reveillon com alguns amigos na beira-mar de uma praia próxima de minha cidade.

Deixo aqui um Feliz 2009 para todos os nossos leitores-ouvintes e agradeço sua atenção.

Freddie Hubbard (In Memoriam) – The Griffith Park Collection

1 – L’s Bop
2 – Why Wait
3 – October Ballade
4 – Happy Times
5 – Remember
6 – Guernica

Freddie Hubbard – Trumpets
Chick Corea – Piano
Joe Henderson – Tenor Saxophone
Stanley Clarke – Bass
Lenny White – Drums

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.:Interlúdio:. Herbie Hancock – New Standards

Eis que no último dia do ano resolvi postar um disco de Jazz. Na verdade, serão dois, portanto, acomodem-se, e aqueles que nunca tiveram a oportunidade de ouvir estes dois grandes músicos, eis a grande oportunidade.

Começando pelo começo, temos Herbie Hancock. Já qualifiquei este pianista como genial, e creio que tenha sido sem exageros.  Em ação desde o começo dos anos 60, Hancock é o que podemos chamar de músico completo, já transitou em todos os gêneros, gravou com deus e o diabo na terra do sol, e sem ter medo de errar, cometeu equívocos, mas que não ofuscaram seus grandes momentos que, felizmente, foram em número maior.

Eis o comentário do editorialista do allmusic:

On first glance this record would not seem to have much promise from a jazz standpoint. Herbie Hancock performs a set of tunes which include numbers from the likes of Peter Gabriel, Stevie Wonder, Sade, Paul Simon, Prince, the Beatles (“Norwegian Wood”) and Kurt Cobain. However by adding vamps, reharmonizing the chord structures, sometimes quickly discarding the melodies and utilizing an all-star band, Hancock was able to transform the potentially unrewarding music into creative jazz. Hancock, who sticks to acoustic piano, shows that he is still in prime form, taking quite a few fiery solos. With Michael Brecker on tenor and surprisingly effective soprano, guitarist John Scofield, bassist Dave Holland, drummer Jack DeJohnette and percussionist Don Alias (along with an occasional horn or string section that was dubbed in later), the results are often quite hard-swinging and certainly never predictable. Although it is doubtful that any of these songs will ever become a jazz standard, Herbie Hancock has successfully created a memorable set of “new” music. Well worth investigating.

A lista de convidados é generosa, tendo Michael Brecker, John Scofield, Don Alias, Jack DeJohnette, Dave Holland entre outros, músicos com os quais Hancock já se envolveu em outras gravações, ou seja, todos se conhecem muito bem e sabem do que o outro é capaz.

Em outras palavras, um grande momento do Jazz. Espero que apreciem.

Herbie Hancock – New Standards

1 – New York Minute     (Henley, Kortchmar, Winding)
2 – Mercy Street     Gabriel
3 – Norwegian Wood (This Bird Has Flown) (Lennon, McCartney)
4 – When Can I See You (Edmonds)
5 – You’ve Got It Bad Girl (Wonder, Wright)
6 – Love Is Stronger Than Pride     (Adu,Hale,Matthewman)
7 – Scarborough Fair (Garfunkel, Simon)
8 – Thieves in the Temple (Prince)
9 – All Apologies (Cobain)
10 – Manhattan (Island of Lights and Love) (Hancock)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Assista em casa aos concertos da Filarmônica de Berlim

Simon Rattle e a orquestra alemã inauguram no dia 6 de janeiro ao Digital Concert Hall, que retransmitirá pela internet os concertos da temporada

A Filarmônica de Berlim, considerada a orquestra de maior prestígio do mundo, dá um passo gigante na direção da modernidade e se coloca à frente da nova era.

A partir de 6 de janeiro inaugura o Digital Concert Hall. E o faz com uma experiência pioneira que permite, a 9,90 euros por concerto, contemplar ao vivo desde os nossos computadores os grandes concertos da temporada.

O primeiro deles sairá por um preço especial. Por cinco euros, no próximo dia 6, com o maestro Simon Rattle à frente, a orquestra interpretará a Sinfonia número 1 de Brahms e obras de Dvorák.

O Digital Concert Hall é um portal situado dentro da página web da Filarmônica.

Nele, a orquestra oferecerá seus concertos ao vivo, gravações de arquivo e as experiências educativas que leva a cabo em subúrbios e colégios da cidade.

Com um correio eletrônico, uma senha, alguns dados pessoais e um cartão de crédito, qualquer pessoa pode, de qualquer parte do mundo, assistir aos concertos da orquestra.

Um som de máxima qualidade e uma transmissão detalhada com cinco câmeras na sala de concerto assegurarão um espetáculo único.

Retirado do Blog do Noblat que achou a notícia aqui no El Pais.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler (1860-1911) – A Canção da Terra (arranjo de Schoenberg)

Meus amigos, Mahler escreveu uma redução de A Canção da Terra (Das Lied von der Erde) para piano e voz… Quem conhece a obra sabe que não pode ter ficado grande coisa, claro, mas estas reduções eram uma prática comum numa época em que havia frequentes saraus musicais. Por incrível que pareça, Shostakovich também fazia versões para piano de suas sinfonias. Pois bem, Arnold Schoenberg adorava Das Lied von der Erde e resolveu fazer um arranjo para pequeno grupo que estivesse mais próximo da grandiosidade do original. São 15 instrumentos, dentre os quais um piano — principalmente para “simular” os tutti — e duas vozes.

Philippe Herreweghe, que não é trouxa e conhece a capacidade de Schoenberg para reearranjar peças de outros (conhecem seus trabalhos orquestrais sobre peças para órgão de Bach e quartetos de Brahms e Schubert? Pois deviam!) resolveu gravar a versão em 1994 para a Harmonia Mundi.

A informação que tenho dos quinze instrumentistas foi retirada do CD que possuo. Nele não há a relação deles. Agora li um comentário de que seriam nove: flauta, clarinete, dois violinos, viola, cello, baixo, piano e harmônica. Deixo a pesquisa para vocês, OK?

A interpretação de Herreweghe e seus músicos é para deixar qualquer um pasmo. É uma coisa de louco este CD.

Texto da Canção da Terra com traduções e análises: AQUI. Basta clicar no cabeçalho, cada imagem representa um dos movimentos.

Recomendo para todos! Imperdível para mahlerianos!

Mahler: Das Lied von der Erde

1. I. Das Trinklied vom Jammer der Erde – 8:13
2. II. Der Einsame im Herbst – 9:25
3. III. Von der Jugend – 3:50
4. IV. Von der Schönheit – 7:30
5. V. Der Trunkene im Frühling – 4:47
6. VI. Der Abschied – 28:55

Birgit Remmert
Hans Peter Blochwitz
Ensemble Musique Oblique
Philippe Herreweghe

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

G. F. Handel (1685-1759) – Judas Maccabaeus, oratório, HWV 63

Antes de responder o e-mail de mano FDP Bach, sigo arrasando durante os semiferiadões. Esta gravação de Nicholas McGegan, solistas, coro e orquestra é, efetivamente, DIGNA DOS MAIORES ELOGIOS. Copio deste endereço maiores detalhes a respeito deste grande oratório de Handel.

Por Miguel Farinha

Judas Maccabaeus HWV 63 – Georg Friedrich Handel

Handel (1685-1758) compôs o oratório Judas Maccabeus no Verão de 1746, após vários sucessos com Messiah, Samson, Belshazzar, e Israel in Egypt. Com libretto do Rev. Thomas Morell, Judas Maccabeus relata a história da revolta dos Macabeus contra a ocupação dos sírios e celebra a vitória do Duque de Cumberland sobre o Príncipe Carlos Eduardo da Escócia. O primeiro livro dos Macabeus relata a resistência do povo judeu à conquista da Judeia pelos sírios em 169 a.C. Händel, um leal partidário da sucessão de Hanover ao trono de Inglaterra, pretendia celebrar a vitória militar do Duque de Cumberland na batalha de Culloden, que teve lugar em Abril de 1746. A rebelião jacobita do Príncipe Carlos Eduardo, sucessor dos Stuart e pretendente ao trono de Inglaterra, terminou em Culloden. Em 1747, Händel escolheu o tema da vitória militar dos Macabeus para coroar a sua habitual série londrina de concertos de oratório.

Estreada em 1 de Abril de 1747 em Londres no Teatro de Covent Garden, o oratório Judas Maccabeus foi um sucesso na sua estreia e tornou-se um dos mais populares de Händel. Durante a vida do compositor, foi executado pelo menos 54 vezes, 33 das quais sob a sua direcção.

O tom desta obra e das duas que se lhe seguiram (Joshua e Alexander Balus) bem como a associação ao libretista Thomas Morell (1703-1784) marcam uma ruptura com os oratórios dramáticos precedentes: a intriga reduzida à sua mais simples expressão (proveniente do Livro dos Macabeus e das Antiguités de Flavius Josèphe) serve de pretexto à exaltação bélica e patriótica, da mesma forma que as personagens, pouco caracterizadas, nada mais são que simples porta-vozes. Händel não procura seguir a evolução psicológica de um herói, como em Samson, ou a sustentar a tensão dramática como em Belshazzar. Ele traça sentimentos colectivos simples e violentos (luto, ardor guerreiro, terror, piedade, exaltação da vitória) em vastos conjuntos, postos em cena por uma orquestração poderosa e eficaz.

O oratório inicia-se com uma abertura francesa em sol menor composta por dois andamentos – o primeiro lento e pontuado, o segundo rápido e fugado, interrompido por uma secção lenta antes de ser retomado.

O primeiro acto abre com um coro fúnebre dos israelitas que lamentam a morte do seu chefe Matatias, sobre um ritmo lento e regular de colcheias (Mourn ye afflicted children). Um dueto em sol menor (From this dread scene) expõe, sobre um acompanhamento pontuado sombrio e enérgico, um motivo impressionante, no espaço de 4 compassos. Um novo coro, acompanhado por notas sustentadas no fagote solo (For Sion lamentation make) desenvolve uma melodia ternária cortada por silêncios.

O filho do defunto, Simão, convida os seus a rezar ao Eterno. O coro responde-lhe (Oh father whose almighty power), animando-se com os judeus que pedem a Simão que lhes nomeie um novo chefe capaz de os libertar da opressão dos sírios. Simão recebe uma inspiração divina e designa Judas, seu irmão, num recitativo acompanhado (I feel the deity within). Apela aos homens para que combatam, numa ária acompanhada por fanfarras a cargo dos oboés (Arm, arm ye brave). Segue-se-lhe um coro guerreiro, muito rápido (We come, we come), que joga com alternância de incisos homorrítmicos e curtas secções imitativas. Judas prepara-se para a batalha numa heróica ária da capo (Call forth pow’rs), em que brilhantes vocalisos se articulam com os trechos descendentes e as notas repetidas nas cordas.

Os israelitas cantam a sua liberdade, pela qual vão combater. A liberdade é louvada num dueto (Come ever smilling liberty), onde os violinos respondem em eco à melodia vocal. O quadro é fechado por um coro rápido e homorrítmico em ré maior (Lead on! Lead on!).

Recordando a vontade de seu pai, Judas chama os judeus às armas num recitativo acompanhado. Um trio contrapontístico animado responde-lhe (Disdainful of danger) – as vozes desenvolvem motivos que sugerem o combate. Numa ária viva e brilhante (No unhallow’d desire), Judas assegura que a guerra tem por fim não a ambição mas a paz. O coro final do primeiro acto (Hear us oh Lord) começa por uma prece recolhida mas anima-se com a ideia da batalha.

Uma viva introdução instrumental, ao estilo italiano, depois as vozes graves em uníssono e finalmente todas as vozes dialogando entre si proclamam a derrota do inimigo num coro em ré menor com que inicia o segundo acto (Fall’n is the foe). Um israelita conta o combate num recitativo e depois numa ária da capo ilustra a rapidez de Judas (So rapid thy course is).

Uma israelita louva a valentia de Judas numa ária da capo em lá maior (From mighty kings) cujo ritmo ternário dá lugar na parte central a exultantes vocalisos em ritmo binário rápido. Um duo alegre em ré maior introduz as aclamações repetidas pelo coro (Hail, hail Judea, happy land).

O vencedor, num recitativo seguido de ária da capo (How vain is man who boasts in fight), afirma que não foi senão instrumento de Deus.

Um mensageiro vem interromper as alegrias: anuncia que Antíoco reuniu novas forças para derrubar Israel. As lamentações dos Judeus são traduzidas num tema em dó menor proposto pelo violoncelo, cantado por uma israelita e finalmente retomado pelo coro (Ah! Wretched Israel). Judas apela de novo às armas num recitativo e ária em ré maior sobre um motivo de fanfarra (Sound an alarm), em cuja parte final intervêm trompetes e timbales. O efeito é impressionante já que esta constitui a primeira intervenção destes instrumentos no oratório. Um coro poderoso (We hear the pleasing dreadfull call) responde sobre o mesmo acompanhamento.

Simão implora ao Céu numa ária (With pious hearts) onde a melodia poderosa se desenvolve sobre um acompanhamento contínuo dos violinos. A nova batalha que se prepara é uma guerra santa, em que os israelitas desprezam os deuses estrangeiros.

Um dueto em dó menor recusa os ídolos (Oh! Never, never bow we down) e introduz um coro homorrítmico, que dá lugar a uma secção coral e finalmente a um contraponto fugado para afirmar a fé em Deus.

O terceiro acto abre com o regresso da paz anunciada por uma israelita numa ária em si bemol maior (So shall the lute and harp), adornada com inspirados vocalisos.

Um mensageiro anuncia o regresso de Judas, depois da vitória decisiva de Cafarsalama. O herói é anunciado por um coro em sol maior (See the conqu’ring hero comes!), composto para Joshua e introduzido em Judas Maccabaeus em 1750. O coro de jovens rapazes é orquestrado com trompas, o dueto de jovens raparigas com flautas, o tutti coral junta os timbales às trompas. Uma marcha sobre um motivo de Muffat vem fechar o conjunto.

Um coro em ré maior, introduzido pelo contralto e depois pelo tenor (Sing unto God) desenvolve longos vocalisos sobre um acompanhamento de trompetes e timbales. Judas presta homenagem aos guerreiros mortos em combate numa ária heróica em estilo concertante (With honour let desert be crowned). Um recitativo do embaixador Eupólemo assegura a Israel a protecção de Roma. Os judeus dão graças a Deus num coro contrapontístico em sol menor (To our great God). Uma ária de Simão (Rejoice, oh Judah) introduz o triunfante coro final, acompanhado por trompetes e timbales.
Apresentando-se como uma vasta cantata de triunfo, Judas Maccabeus ocupa na obra de Händel uma posição intermédia entre o grande fresco bíblico que é Israel no Egipto e os oratórios dramáticos como Saul ou Samson.

G. F. Handel – Judas Maccabaeus, oratorio, HWV 63

1. Judas Maccabaeus: Overture 6:05
2. Judas Maccabaeus, Act 1. Chorus: Mourn, ye afflicted children 4:09
3. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: Well may your sorrows 1:06
4. Judas Maccabaeus, Act 1. Duet: From this dread scene 2:27
5. Judas Maccabaeus, Act 1. Chorus: For Sion lamentation make 2:24
6. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: Not vain is all this storm of grief 1:02
7. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: Pious orgies, pious airs 3:12
8. Judas Maccabaeus, Act 1. Chorus: O Father, whose almighty pow’r 2:15
9. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: I feel the deity within 0:58
10. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria & Chorus: Arm, arm, ye brave! 3:55
11. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: ‘Tis well, my friends 0:39
12. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: Call forth thy pow’rs, my soul 1:38
13. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: To heav’n’s Almighty king 0:26
14. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: O liberty, thou choicest treasure 2:23
15. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: Come, ever-smiling liberty 2:45
16. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: O Judas, may these noble views 0:11
17. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: ‘Tis liberty, dear liberty alone 2:34
18. Judas Maccabaeus, Act 1. Duet: Come, ever-smiling liberty 1:02
19. Judas Maccabaeus, Act 1. Chorus: Lead on, lead on! 0:47
20. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: So will’d my father 1:08
21. Judas Maccabaeus, Act 1. Semi-chorus: Disdainful of danger 1:54
22. Judas Maccabaeus, Act 1. Recit: Ambition! 0:15
23. Judas Maccabaeus, Act 1. Aria: No, no unhallow’d desire 1:52
24. Judas Maccabaeus, Act 1. Chorus: Hear us, O Lord 3:19
25. Judas Maccabaeus, Act 2. Chorus: Fall’n is the foe 2:58
26. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Victorious hero! 0:33
27. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria: So rapid thy course is 3:54
28. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Oh let eternal honours 0:31
29. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria: From mighty kings 6:06
30. Judas Maccabaeus, Act 2. Duet & Chorus: Hail, hail, Judea 1:57
31. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Thanks to my brethren 0:38
32. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria: How vain is man 5:26
33. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: O Judas, O my brethren! 0:37
34. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria & Chorus: Ah! wretched Israel! 6:26

1. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Be comforted 0:44
2. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria: The Lord worketh wonders 2:52
3. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: My arms! Against this Gorgias 0:20
4. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria & Chorus: Sound an alarm! 3:45
5. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Enough! To Heav’n we leave the rest 0:39
6. Judas Maccabaeus, Act 2. Aria: With pious hearts 3:10
7. Judas Maccabaeus, Act 2. Recit: Ye worshippers of God 1:00
8. Judas Maccabaeus, Act 2. Duet & Chorus: Oh! never, never bow we down 6:14
9. Judas Maccabaeus, Act 3. Aria: Father of Heav’n! 6:11
10. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: See, see yon flames 0:31
11. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: Oh grant it, Heav’n 0:25
12. Judas Maccabaeus, Act 3. Aria: So shall the lute and harp awake 4:07
13. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: From Capharsalama 1:06
14. Judas Maccabaeus, Act 3. Chorus of Youths, Duet, Chorus: See, the conqu’ring hero comes! 1:45
15. Judas Maccabaeus, Act 3. March 1:09
16. Judas Maccabaeus, Act 3. Duet & Chorus: Sing unto God 2:21
17. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: Sweet flow the strains 0:49
18. Judas Maccabaeus, Act 3. Aria: With honour let desert be crown’d 3:07
19. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: Peace to my countrymen 0:35
20. Judas Maccabaeus, Act 3. Chorus: To our great God be all the honour giv’n 2:03
21. Judas Maccabaeus, Act 3. Recit: Again to earth 0:46
22. Judas Maccabaeus, Act 3. Duet: O lovely peace 6:35
23. Judas Maccabaeus, Act 3. Aria & Chorus: Rejoice, O Judah!; Hallelujah! Amen 3:26
24. Judas Maccabaeus, Appendix. Recit: Well may we hope 0:12
25. Judas Maccabaeus, Appendix. Duet & Chorus: Sion now her head shall raise 5:24
26. Judas Maccabaeus, Appendix. Aria: Wise men, flatt’ring, may deceive us 5:10
27. Judas Maccabaeus, Appendix. Aria: Far brighter than the morning 6:40
28. Judas Maccabaeus, Appendix. Recit: Sweet are thy words 0:13
29. Judas Maccabaeus, Appendix. Aria: Great in wisdom, great in glory 3:33
30. Judas Maccabaeus, Appendix. Recit: Not vain is all this storm of grief 0:50
31. Judas Maccabaeus, Appendix. Aria: Pious orgies, pious airs 2:59

Judas Maccabaeus: Guy de Mey, tenor
Israelite Woman: Lisa Saffer, soprano
Israelite Man: Patricia Spence, mezzo-soprano
Simon: David Thomas, bass
Priest / Messenger: Brian Asawa, countertenor
Eupolemus / Messenger: Leroy Kromm, bass-baritone

U.C.Berkeley Chamber Chorus
dir. John Butt

Philharmonia Baroque Orchestra
dir. Nicholas McGegan

BAIXE AQUI (Parte 1) – DOWNLOAD HERE (Part 1)

BAIXE AQUI (Parte 2) – DOWNLOAD HERE (Part 2)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741) – Concertos for Violin, Strings & Continuo RV 331, 190, 325, 217 & 303

Como já bem salientou o mano PQPBach, o nosso SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) é uma porcaria, e nem fazemos muita questão de atender às solicitações. Porém, como ainda está prevalecendo o espírito natalino, resolvi atender a solicitação de um caro leitor-ouvinte, que solicita este espetacular cd do Giuliano Carmignola tocando alguns concertos desconhecidos de Vivaldi, alguns inclusive até então inéditos.

O que torna um instrumentista excepcional, além de sua técnica apurada e sua habilidade com o instrumento? Creio que antes de tudo, sua relação com o compositor, quanto mais próxima, quanto mais ele se dedicar, mais possibilidades de compreensão de sua obra. Já postei aqui o mesmo Carmignola interpretando Mozart, praia nova para ele até então, já que sua especialidade é o violino barroco. Mas neste cd vemos o italiano em seu elemento natural, sem temor algum: Vivaldi. Ele se sente tão a vontade que muitas vezes temos a impressão de que ele seria contemporâneo do compositor, e que tivesse recebido dicas do próprio quando estudou estas obras. Eis o que o editor da amazon comentou a respeito deste cd:

This dazzling new CD features five Vivaldi violin concertos that have never before been recorded. (He composed almost 250!) Giuliano Carmignola, backed by the Venice Baroque Orchestra led by Andrea Marcon offer a program of such thrilling energy and virtuosity that it’s impossible not to get caught up in their passion for the music. Carmignola attacks this music with the expressivity of a superb Italian tenor; his control over dynamics, fast runs, and leaps are remarkable–and he does it all without a trace of vibrato (not very Italian-tenor in that respect). The finale of RV 325 features urgent downward scales from the orchestra while the violin carries on insanely above it; the Largo of RV 303 contains some wonderfully odd chromatic writing. RV 190 is a complicated work, featuring a rich first movement cadenza by Olivier Foures, a lovely song-like Largo, and a final Allegro that will make you want to dance. In short, this is a very exciting CD. Vivaldi lovers won’t have to be convinced; others will realize that not all of this composer’s works sound the same. –Robert Levine

Como diz o texto, são peças até então nunca gravadas, o que as torna ainda mais interessantes. Se os senhores se comportarem bem até o final do ano, e também se o Papai Noel não se queixar, postarei os outros cds que possuo deste grande violinista, sempre em seu elemento natural, ou seja, o barroco italiano, E olha que suas “Quatro Estações” são a grande referência da atualidade.

A orquestra que o acompanha é a Venice Baroque Orchestra, grande especialista neste repertório, dirigida por Andrea Marcon, que creio que também dispense maiores comentários.

Antonio Vivaldi – Concertos fo Violin, Strings & Continuo RV 331, 190, 325, 217 & 303

01 – Concerto In G Minor, RV 331 – I.Allegro
02 – Concerto In G Minor, RV 331 – II.Largo
03 – Concerto In G Minor, RV 331 – III.Allegro
04 – Concerto In C Major, RV 190 – I.Allegro
05 – Concerto In C Major, RV 190 – II.Largo
06 – Concerto In C Major, RV 190 – II.Allegro
07 – Concerto In G Minor, RV 325 – I.Allegro Molto
08 – Concerto In G Minor, RV 325 – II.Largo a piacimiento
09 – Concerto In G Minor, RV 325 – III.Presto
10 – Concerto In D Major, RV 217 – I.Allegro
11 – Concerto In D Major, RV 217 – II.Largo
12 – Concerto In D Major, RV 217 – III.Allegro
13 – Concerto In G Major, RV 303 – I.Allegro Molto
14 – Concerto In G Major, RV 303 – II.Largo
15 – Concerto In G Major, RV 303 – III.Allegro

Giuliano Carmignola  – Violino Barroco
Venice Baroque Orchestra
Andrea Marcon – Diretor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Pat Metheny – Trio 99->00

Vamos combinar que, nestes dias de semiferiados, vamos POSTAR APENAS OBRAS-PRIMAS para quem ficou trabalhando? Combinado! Então lá vai mais uma.

Depois de alguns trabalhos mais ou menos, Pat Metheny resolveu fechar o século XX com este extraordinário CD publicado no ano 2000, O MELHOR CD DE JAZZ DAQUELE ANO E TALVEZ DOS QUE VIERAM DEPOIS. Este disco faz com que eu não consiga reconhecer outro guitarrista deste nível no jazz de todos os tempos. Um disco cheio de sutilezas, de excelente repertório quase integralmente original e… por favor, que trio! Como disse um comentarista, trata-se de uma perfeita combinação de BOM GOSTO, TALENTO E DIVERSÃO. Metheny desfia uma SÉRIE ARREBATADORA DE GRANDES SOLOS e, se você é baterista, certamente se interessará pelo que Bill Stewart faz aqui.

Imperdível!

Pat Metheny – Trio 99->00

1. (Go) Get It 5:37
2. Giant Steps 7:54
3. Just Like The Day 4:43
4. Soul Cowboy 8:28
5. The Sun In Montreal 4:35
6. Capricorn 6:19
7. We Had A Sister 5:30
8. What Do You Want? 5:24
9. A Lot Of Livin’ To Do 5:29
10. Lone Jack 5:30
11. Travels 5:48

Pat Metheny, guitars
Larry Grenadier, bass
Bill Stewart, drums

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio:. Sivuca e Quinteto Uirapuru

Severino Dias de Oliveira, vulgo Sivuca (1930-2006), está na história da música brasileira por ter sido um de seus maiores acordeonistas – no Nordeste, diga-se sanfoneiros. Com isso se pensa que ele só compôs forrós e mesmo no Nordeste é difícil para os fãs do apontar outro sucesso de Sivuca que não seja Feira de mangaio (e ainda assim, muitos não sabem o nome da música), porém sua discografia se situa entre as mais ricas dentre os músicos nordestinos e seu catálogo abrange frevos, choros, jazz, canções e outros gêneros.

Pra quem pensa que o sanfoneiro em questão era músico prático (e rústico), Sivuca tem em seu histórico o privilégio de ter sido aluno (junto com Clóvis Pereira, Jarbas Maciel e Capiba) de Guerra-Peixe no Recife, no início da década de 50, quando ambos estavam na Rádio Jornal do Commércio. Nas décadas de 60 e 70, o músico paraibano rodou pelo mundo, tocando, compondo e fazendo arranjos – o arranjo original de Pata Pata, hit da recentemente falecida Miriam Makeba, foi feito por Sivuca.

Nos anos 70, viria a conhecer sua companheira inseparável até a morte: a médica conterrânea Glória Gadelha, também instrumentista e compositora, com quem Sivuca criou seus maiores sucessos. A ela, dedicou Aquariana, um presente e ao mesmo tempo pedido de desculpas por ter se esquecido do aniversário da esposa.

Ela o avisara três dias: comprou o próprio presente e deu pra ele dizendo “Se lembre”, pois sabia que o marido era muito distraído. Ele não se lembrou – e a culpa pela conseqüente crise de choro da mulher o forçou a se trancar no quarto e a só sair de madrugada com a partitura nas mãos.

Todas as peças de Sivuca e Glória Gadelha neste CD foram arranjadas pelo sanfoneiro, que passou a se dedicar a transcrições sinfônicas de suas músicas, nas últimas duas décadas de vida (espere meu post do dia 31).

Muito engenhosa, entre parênteses, é Chibanca no Uirapuru, de Hercílio Antunes, contrabaixista do Quinteto Uirapuru. O quinteto de João Pessoa é liderado por Rucker Bezerra, spalla da Sinfônica da Paraíba, que também assina peças neste disco.

Este é meu presente de Natal para vocês.

***

Sivuca e Quinteto Uirapuru

01. Choro de Cordel (Sivuca/ Glória Gadelha)
02. Em Nome do Amor (Glória Gadelha)
03. Sanhauá (Sivuca/ Glória Gadelha)
04. Luz (Rucker Bezerra)
05. Filhos da Lua (Glória Gadelha)
06. Chibanca no Uirapuru (Hercílio Antunes)
07. Canção Piazzollada (Sivuca/ Glória Gadelha)
08. Minha Luiza (Rucker Bezerra)
09. Aquariana (Sivuca)
10. Um Tom Para Jobim (Sivuca/ Oswaldinho do Acordeon)
11. Espreguiçando (Hercílio Antunes)
12. Feira de Mangaio (Sivuca/ Glória Gadelha)

Sivuca (sanfona)
Quinteto Uirapuru: Rucker Bezerra (1° violino); Renata Simões (2° violino); Luiz Carlos Jr. (viola); Kalim Campos (violoncelo); Hercílio Antunes (contrabaixo)

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Francesco Durante – Magnificat, Emanuele D’Astorga – Stabat Mater, Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine

Confesso que até ouvir este cd, nunca tinha ouvido falar de Francesco Durante, ou Emmanuel D’Astorga, o que realmente me chamou a atenção foi o Pergolesi, autor de meu “Stabat Mater” favorito, já postado aqui no blog, na magnífica versão de Emma Kirkby e Christopher Hogwood. Mas qual não foi a minha supresa ao ouvir a “Magnificat” de Francesco Durante, e o Stabat Mater” de D’Astorga: músicas absolutamente maravilhosas, com corais próximos ao que imagino como corais de anjos, e de uma profundidade religiosa que não admite brincadeiras.

Então, para esta data natalina, nada como música religiosa de extrema beleza.

Maiores informações sobre Franceso Durante, que foi aluno de Scarlatti, pode encontrada aqui.

Aproveito esta postagem para desejar a todos os nossos leitores-ouvintes um Feliz Natal e um excelente 2009, e prometo que continuarei trabalhando para possibilitar a vocês o privilégio de terem acesso a música de excelente qualidade com suas melhores interpretações.

Francesco Durante – Magnificat, Emanuele D’Astorga – Stabat Mater, Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine

01 – Francesco Durante – Magnificat – Magnificat anima mea (coro)
02 – Francesco Durante – Magnificat – Et misericordia (Solo Soprano)
03 – Francesco Durante – Magnificat – Fecit potentiam (Coro)
04 – Francesco Durante – Magnificat – Deposuit potentes (Coro)
05 – Francesco Durante – Magnificat – Suscepit Israel (Duetto Tenore-Basso)
06 – Francesco Durante – Magnificat – Sicut locutus est (Coro)
07 – Francesco Durante – Magnificat – Gloria Patri (Coro)
08 – Francesco Durante – Magnificat – Sicut erat in principio (Coro)

Ekkehard Abele, Ann Monoyios, Johannes Happel, Bernhard Landauer, Hermann Oswald – Solistas
Freiburg Baroque Orchestra
Thomas Hengelbrock- Director

09 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Stabat Mater (Coro)
10 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – O quam tristis (Terzetto Soprano-Tenore-Basso)
11 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Quis est homo (Duetto Alto-Soprano, Duetto Tenore-Basso)
12 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Eja mater (Coro)
13  – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Sancta Mater (Solo soprano)
14  – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Fac me tecum (Duetto Alto-Tenore)
15 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Virgo virginum (Coro)
16 – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Fac me plagis (Solo Basso)
17  – Emanuele D’Astorga – Stabat Mater – Christe cum sit (Coro)

Ekkehard Abele, Johannes Happel, Bernhard Landauer, Hermann Oswald, Hans-Jorg Mammel – Solistas
Freiburg Baroque Orchestra
Thomas Hengelbrock- Director

18  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Confitebor (Coro)
19  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Confessio (Solo Soprano)
20 – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Fidelia omnia (Solo Soprano)
21 – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Redemptionem misit (Coro)
22  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Sanctum et terribile (Solo Alto)
23  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Intellectus bonus (Solo Alto)
24  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Gloria Patri (Coro)
25  – Giovanni Battista Pergolesi – Confitebor tibi Domine – Sicut erat (Coro)

Ekkehard Abele,Johannes Happel, Bernhard Landauer, Stephanie Moller, Hermann Oswald, Hans-Jorg Mammel – Solistas

Freiburg Baroque Orchestra
Thomas Hengelbrock- Director

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :.

Pois fechemos, então, a programação de natal jazz com a trinca abaixo.

Tony Bennett & The Count Basie Big Band – A Swingin’ Christmas (320)
Tony Bennett: voice; John Williams: baritone saxophone; Doug Miller, Doug Lawrence: tenor sax; Grant Langford, Marshall McDonald: alto sax; Clarence Banks, Alvin Walker, Dave Keim, Barry Cooper: trombone; Scotty Barnhart, Michael Williams, Kris Johnson, James Zollar: trumpet.

download – 87MB
01 I’ll Be Home for Christmas 2’12
02 Silver Bells 3’17
03 All I Want for Christmas Is You 4’18
04 My Favorite Things 2’55
05 Christmas Time Is Here 3’59
06 Winter Wonderland 2’31
07 Have Yourself a Merry Little Christmas 4’36
08 Santa Claus Is Coming to Town 2’53
09 I’ve Got My Love to Keep Me Warm 3’31
10 The Christmas Waltz 3’22
11 O Christmas Tree 3’27

Oscar Peterson – An Oscar Peterson Christmas (192)
Oscar Peterson: piano; Jack Schantz: flugelhorn; Dave Samuels: vibraphone; Lorne Lofsky: guitar; David Young: bass; Jerry Fuller: drums; Rick Wilkins: conductor.

download aqui – 75MB
01 God Rest Ye Merry Gentlemen 3’28
02 What Child is This? 4’50
03 Let it Snow 3’44
04 White Christmas 3’53
05 Jingle Bells 3’18
06 I’ll be Home for Christmas 2’51
07 Santa Claus is Coming to Town 3’32
08 O Little Town of Bethlehem 3’19
09 The Christmas Waltz 6’56
10 Have Yourself a Merry Christmas 4’00
11 Silent Night 3’11
12 Winter Wonderland 4’11
13 Away in a Manger 3’38
14 O Christmas Tree 2’17

Wynton Marsalis – Crescent City Christmas Card (VBR)
Wynton Marsalis: trumpet; Ben Riley, Herlin Riley: drums; Wessell Anderson: alto sax; Wycliffe Gordon: trombone; Joe Temperley: baritone sax, bass clarinet; Reginald Veal: bass; Alvin Batiste: clarinet; Todd Williams: soprano and tenor sax, clarinet.

download aqui – 99MB
01 Carol of the Bells 4’56
02 Silent Night 4’47
03 Hark! The Herald Angels Sing 3’09
04 The Little Drummer Boy 5’29
05 We Three Kings 5’22
06 Oh Tannenbaum 1’39
07 Sleigh Ride 4’19
08 Let It Snow! Let It Snow! Let It Snow! 4’20
09 God Rest Ye Merry Gentlemen 5’43
10 Winter Wonderland 2’55
11 Jingle Bells 3’23
12 O Come All Ye Faithful 1’37
13 Twas the Night Before Christmas 8’07

Boa audição, e feliz natal a todos!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leonard Bernstein (1918-1990) – Missa

Eu poderia escrever 10 páginas sobre a deslumbrante Missa de Bernstein, mas vou tratar de resumir, até porque tempo é tudo o que não há em minha vida atualmente. A Missa foi uma encomenda da família Kennedy para ser apresentada na inauguração do John F. Kennedy Center de Washington, em 1971. Encomendaram qualquer peça; não estava previsto se seria uma Sonata para Piano ou uma peça gigantesca que envolvesse orquestra, cantores e dançarinos… O tema também era livre. E Bernstein utilizou a liberdade que lhe foi dada… Quando soube-se que o compositor estava escrevendo uma Missa sobre textos da Missa católica, houve grande alegria por parte dos organizadores do evento, pois John Kennedy foi o primeiro presidente católico dos EUA e Bernstein fora sensível ao fato.

Mal sabiam eles que no que estavam se metendo. Bernstein fez ressucitar um certo trope, que seriam inserções ou comentários à missa que entravam a qualquer momento. Isto existe desde a Idade Média e são peças vocais que servem para explicar o latinório da Missa. Só que estávamos em 1971, eram tempos muito controversos e Lenny mostrou-se um perfeito ateu ao tecer comentários demolidores em seus tropes que misturam blues, rock e marchas militares. Alguns versos:

I believe in God,
But does God believe in me?
I’ll believe in any god
If any god there be.

I believe in one God,
But then I believe in three.
I’ll believe in twenty gods
If they`ll believe in me.

What I need I don’t have
What I have I don’t own
What I own I don’t want
What I want, Lord, I don’t know.

What I say I don’t feel
What I feel I don’t show
What I show isn’t real
What is real, Lord-I don’t know,
No, no, no-I don’t know.

O texto da Missa é do próprio Bernstein e de Stephen Schwarz. O trope Half of the People foi escrito por Paul Simon. Ao final da primeira apresentação, a platéia permaneceu três minutos em silêncio — uma eternidade certamente causada pelo pasmo frente a notável provocação de Lenny –, mas depois prorrompeu em aplausos de quase trinta minutos.

ABSOLUTAMENTE IMPERDÍVEL! Este é meu presente de Natal!

Ah, como não faz sentido ouvir sem saber o que está sendo cantado, coloco abaixo a letra completa da Missa.

Leonard Bernstein – Missa (Uma peça de teatro para cantores, músicos e dançarinos)

Disc: 1

1. Part 1. Devotions before Mass. 1. Antiphon. Kyrie eleison
2. Part 1. Devotions before Mass. 2. Hymn and Praise. A simple song
3. Part 1. Devotions before Mass. 3. Responsory. Alleluia
4. Part 2. First Introit (Rondo). 1. Prefatory Prayers
5. Part 2. First Introit (Rondo). 2. Thrice – Triple Canon. Dominus vobiscum
6. Part 3. Second Introit. 1. In nomine Patris
7. Part 3. Second Introit. 2. Prayer for the Congregation (Chorale: “Almighty Father”)
8. Part 3. Second Introit. 3. Epiphany
9. Part 4. Confession. 1. Confiteor
10. Part 4. Confession. 2. Trope. I don’t know
11. Part 4. Confession. 3. Trope. Easy
12. Part 5. Meditation No. 1
13. Part 6. Gloria. 1. Gloria tibi
14. Part 6. Gloria. 2. Gloria in excelsis
15. Part 6. Gloria. 3. Trope. Half of the People
16. Part 6. Gloria. 4. Trope. Thank you
17. Part 7. Meditation No. 2
18. Part 8. Epistle. The Word of Lord
19. Part 9. Gospel-Sermon. God said

BAIXE AQUI O CD1 – DOWNLOAD CD1 HERE

Disc: 2

1. Part 10. Credo. 1. Credo in unum Deum
2. Part 10. Credo. 2. Trope. Non Credo
3. Part 10. Credo. 3. Trope. Hurry
4. Part 10. Credo. 4. World Without End
5. Part 10. Credo. 5. Trope. I Believe in God
6. Part 11. Meditation No. 3 (De profundis, part 1)
7. Part 12. Offertory (De profundis, part 2)
8. Part 13. The Lord’s Prayer. 1. Our father…
9. Part 13. The Lord’s Prayer. 2. Trope. I Go On
10. Part 15. Agnus Dei
11. Part 16. Fraction. Things Get Broken
12. Part 17. Pax: Communion. Secret Songs

BAIXE AQUI O CD2 – DOWNLOAD CD2 HERE

William Elliott,
Maeretha Stewart,
Kimberly Keeton,
Tom Carpender,
Nile Norton,
Kate Berenson,
John Manno,
Angela Doctor,
Michael Timm,
Lark Coryell,
Katy Stephan,
Bryan Matheson,
Isabelle Vosskuhler,
Charles Magruder,
Julian Frischling,
Doug Boyd,
John Stenzel,
June Magruder,
Frazier Stevenson,
Marie-Louise Modersohn,
Jim Hale,
Larry Rose,
Adrienne Albert,
Kathie Longinotti,
Eric Freeman,
Tobias Lehmann,
John Paddock,
Sigurd Brauns,
Benjamin Scott,
Benjamin Grant,
Marc Accornero,
Rene Vosskuhler,
Eric Lipsitt,
Jerry Hadley, celebrante

Sigurd Brauns, órgão

Pacific Mozart Ensemble, Richard Grant e Lynne Morrow
Rundfunkchor Berlin, Simon Halsey
Sttats- um Domchor Berlin, Kai-Uwe Jirka
Deutsches Symphonie-Orchester
Kent Nagano

Letra completa:

Text from the Liturgy of the Roman Mass
Additional Texts by
Stephen Schwartz and Leonard Bernstein

I. DEVOTIONS BEFORE THE MASS

1. Antiphon: Kyrie eleison

Soprano
Kyrie eleison!
Lord, have mercy!

Bass
Kyrie eleison!
Lord, have mercy!

Soprano and Alto
Christe eleison!
Christ, have mercy!

Tenor and Baritone
Christe eleison!
Christ, have mercy!

2. Hymn and Psalm: “A Simple Song”

Celebrant
Sing God a simple song
Lauda, Laude…
Make it up as you go along
Laude, Laude…
Sing like you like to sing
God loves all simple things
For God is the simplest of all.

I will sing the Lord a new song
To praise Him, to bless Him, to bless the Lord.
I will sing His praises while I live
All of days.

Blessed is the man who loves the Lord,
Blessed is the man who praises Him.
Lauda, Lauda, Laude…
And walks in His ways.

I will life up my eyes
To the hills from whence comes my help.
I will lift up my voice to the Lord
Singing Lauda, Laude.

For the Lord is my shade,
Is the shade upon my right hand
And the sun shall not smite me by day
Nor the moon by night…
Blessed is the man who loves the Lord –

Lauda, Lauda, Laude –
And walks in His ways.

Lauda, Lauda, Laude
Lauda, Lauda di da di day…
All of my days.

3. Responsory: Alleluia

Six Solo Voices
Du bing, du bang, du bong, etc.

Alleluia!
Alleluia! etc.

II. FIRST INTROIT (Rondo)

1. Prefatory Prayers

Street Chorus
Kyrie eleison!
Christe eleison!
Lord have mercy!
Christ have mercy!

Gloria Patri et Filio,
Et Spiritui Sancto!
Glory be to the Father, and to
the Son, and to the Holy Spirit!

Sicut erat in principio
Et nunc et semper,
Et in saecula saeculorum. Amen
As it was in the beginning,
Is now and ever shall be,
World without end. Amen.

Basses
Introibo ad altare Dei.
I will go up to the alter of God.

Tutti
Ad Deum qui laetificat
juventutem meam.
To God, who gives joy to my youth.

Women
Asperges me, Domine,
Hyssopo, et mundabor.
Thou shalt sprinkle me with hyssop,
O Lord, and I shall be cleansed.

Two Sopranos
Emitte lucem tuam,
Et veritatem tuam.
Send forth Thy light,
and Thy truth.

Altos
Ostende nobis, Domine
Show us, Lord

Basses
Domine!
Lord!

Altos
Ostende nobis
Misericordiam tuam.
Show us
Thy mercy.

Soprano
Vidi aquam egredientem
De templo latere dextro
Et omnes ad quos pervenit
Aqua ista salvi facti sunt,
Et dicent:
I saw the water issuing from
the right side of the temple
And all those to whom it comes
Are saved by that very water
And say:

Tutti
Alleluia, alleleluiaia! etc.
Alleluia, alleleluiaia! etc.

Boys’ Choir
Kyrie eleison!
Lord, have mercy!

Chorus
Christe eleison!
Christ, have mercy!

Boy (solo)
Here I go up to the altar of God.
In I go, up I go
To God who made me young
To God who made me happy
To God who makes me happy to be young.

Street Chorus and Boys’ Choir
Alleluia!

2. Thrice-Triple Canon: Dominus vobiscum

Celebrant
Dominus vobiscum.
The Lord be with you.

Boys’ Choir
Et cum spiritu tuo.
And with thy spirit.

All
Dominus vobiscum.
Et cum spiritu tuo.
The Lord be with you.
And with thy spirit.

III. SECOND INTROIT

1. In nomine Patris

Celebrant
In the name of the Father, and of
the Son, and of the Holy Spirit

Tape
In nomine Patris, et Filii, et
Spiritus Sancti, Amen.

Celebrant
Let us rise and pray.

Celebrant
Let us rise and pray.

Celebrant
Almighty Father, bless this house. And bless and protect all who are assembled in it.

2. Prayer for the Congregation (Chorale: “Almighty Father”)

Choir
Almighty Father, incline Thine ear:
Bless us and all those who have gathered here
Thine angel send us
Who shall defend us all
And fill with grace
All who dwell in this place.
Amen.

3. Epiphany

IV. CONFESSION

Celebrant
I confess to Almighty God, to blessed Mary ever Virgin,
to blessed Michael the archangel, to blessed
John the Baptist, to the holy apostles, Peter and Paul…

1. Confiteor

Confiteor Deo omnipotenti,
Beatae Mariae, semper Virgini,
Beato Michaeli archangelo,
Beato Joanni Baptistae,
Sanctis Apostolis Petro
et Paulo,
Omnibus sanctis,
Et vobis, fratres:
Quia peccavi nimis cogitatione,
verbo et opere:
Mea culpa, mea culpa,
mea maxima culpa.
Ideo precor beatam Mariam
semper Virginem,
Beatum Michaelem Archangelum,
beatum Joannem Baptistam,
Sanctos Apostolos Petrum
et Paulum,
Omnes sanctos, et vos, fratres,
Orare pro me
Ad Dominum Deum nostrum.
I confess Almighty God,
To blessed Mary ever Virgin,
To blessed Michael the archangel,
To blessed John the Baptist,
To the holy apostles Peter
and Paul,
To all the saints,
And to you, brothers:
That I have sinned exceedingly in
Thought, word and deed:
Through my fault, through
my own most grievous fault.
Therefore I beseech the Blessed
Mary ever Virgin,
Blessed Michael the archangel,
Blessed John the Baptist,
The holy apostles Peter
and Paul,
All the saints, and you, brothers,
To pray for me
To the Lord our God.

2. Trope: “I Don’t Know”

Male Street Chorus
Confiteor, Confiteor…

First Rock Singer
Lord, I could go confess
Good and loud, nice and slow
Get this load off my chest
Yes, but why, Lord-I don’t know.

I don’t know why every time
I find a new love I wound up destroying it.
I don’t know why I’m
So crazy-minded, I keep on kind of enjoying it-
Why I drift off to sleep
With pledges of deep resolve again,
Then along comes the day
And suddenly they dissolve again-
I don’t know…

(with Descant)

What I say I don’t feel
What I feel I don’t show
What I show isn’t real
What is real, Lord-I don’t know,
No, no, no-I don’t know.

3. Trope: “Easy”

First Blues Singer
Well, I went to the holy man and I confessed…
Look, I can beat my breast
With the best.
And I’ll say almost anything that gets me blessed
Upon request…

It’s easy to shake the blame for any crime
By trotting out that ‘mea culpa’ pantomime:
‘Yes, yes, I’m sad, I sinned, I’m bad.’
Then go out and do it one more time.

Second Rock Singer
I don’t know where to start
There’s so much I could show
If I opened my heart
But how far, Lord, but how far can I go?
I don’t know.

Second Blues Singer
If you asked me to join you in some real good vice
Now that might be nice
Once or twice
But don’t look for sacraments or sacrifice
They’re not worth the price

It’s easy to have yourself a fine affair
Your body’s always ready, but your soul’s not there
Don’t count on trust
Come love, come lust,
It’s so easy when you just don’t care.

Third Rock Singer
What I need I don’t have
What I have I don’t own
What I own I don’t want
What I want Lord, I don’t know.

Third Blues Singer
If you ask me to sing you verse that’s versatile
I’ll be glad to beguile you
For a while
But don’t look for content beneath the style
Sit back and smile

It’s easy for you to dig my jim-jam jive,
And, baby, please observe how neatly I survive.
And what could give
More positive
Plain proof that living is easy when you’re half alive.

All Three Rock Singers
Lord, I could go confess…

All Three Blues Singers
Easy…

All Three Rock Singers
Good and loud, nice and slow…

All Three Blues Singers
Easy…

Choir
Beatam Mariam semper Virginem (Ideo precor)
Beatum Michaelem Archangleum, beatum Joannem Baptistam,
Sanctos Apostolos Petrum et Paulum,
Omnes sanctos, et vos, fratres,
Orate pro me
Ad Dominum Deum nostrum.

All Six Soloists
What I say I don’t feel
What I feel I don’t show
What I show isn’t real
What is real, Lord-I don’t know,
No, no, no-I don’t know.

First Rock Singer
Come on, Lord, if you’re so great
Show me how, where to go
Show me now-I can’t wait
Maybe it’s too late,
Lord,
I don’t know…

First Blues Singer
Confiteor….

Celebrant (speaking)
God forgive you.

All (speaking)
God forgive us all.

Celebrant
The Lord be with you.

All
And with your spirit.

Celebrant
Let us pray.

V. MEDITATION NO. 1

VI. GLORIA

1. Gloria tibi

Celebrant
Gloria tibi, Gloria tibi,
Gloria!
Glory to You, Glory to You
Glory!

Boys’ Choir
Gloria tibi, Gloria tibi,
Gloria!
Glory to You, Glory to You
Glory!

Celebrant and Boys’ Choir
Gloria Patri,
Gloria Filio,
Et Spiritui Sancto.
Laudamus te,
Adoramus te,
Glorificamus te,
Benedicimus te.
Glory to the Father,
Glory to the Son,
And the Holy Spirit.
We praise You,
We adore You,
We glorify You,
We bless You.

Gloria Patri
Gloria Filio
Et Spiritui Sancto.
Gloria!
Glory to the Father,
Glory to the Son,
And the Holy Spirit.
Glory

Celebrant
Glory to God in the Highest and Peace on Earth to Men of Good Will!

2. Gloria in excelsis

Choir
Gloria in excelsis Deo,
et in terra pax hominibus
bonae voluntatis.
Laudamus te,
Adoramus te,
Benedicimus te.
Glorificamus te.
Gratias agimus tibi propter
magnam gloriam tuam:
Domine Deus, Rex caelestis.
Deus Pater omnipotens.
Domine Fili unigenite,
Jesu Christe;
Domine Deus, Agnus Dei,
Filius Patris;
Qui tollis peccata
mundi,
miserere nobis;
suscipe deprecationem nostram;
Qui sedes ad dexteram Patris,
miserere nobis.
Quoniam tu solis Sanctus,
Tu solus Dominus,
Tu solus Altissimus:
Jesu Christe,
Cum Sancto Spiritu: in gloria
Dei Patris, Amen.
Glory to God in the highest
And on earth peace to men of
good will.
We praise Thee,
We adore Thee,
We bless Thee,
We glorify Thee.
We give Thee thanks for Thy
great Glory:
Lord God, heavenly King,
God the Almighty Father.
Lord Jesus Christ, only-begotten
Son;
Lord God, Lamb of God, Son of
the Father:
Who takest away the sins of the
world,
have mercy upon us;
Receive our prayer;
Thou who sittest at the right hand
of the Father, have mercy upon us.
For Thou alone art the Holy One,
Thou alone art Lord,
Thou, Jesus Christ, alone art the
Most High,
With the Holy Spirit, in the glory
of God the Father. Amen.

3. Trope: “Half of the People”

Street Chorus and Band
Amen!
*Half of the people are stoned
And the other half are waiting for the next election.
Half the people are drowned
and the other half are swimming in the wrong direction.

* this quatrain was a Christmas present from Paul Simon. Gratias, L.B.

They call it Glorious Living
They call it Glorious Living
And baby where does that leave you,
You and your kind-

Choir
…miserere nobis, suscipe
deprecationem nostram…

Street Chorus and Band
—you and your youth and your mind?
Nowhere, Nowhere, Nowhere.

Half of the people are stoned
And the other half are waiting for the next election-

4. Trope: “Thank You.”

Soprano Solo
There once were days so bright
And nights when every cricket call seemed right
And I sang Gloria
Then I sang Gratias Deo
I knew a glorious feeling
of thank you and…
Thank you…

The bend of a willow
A friend and a pillow
A lover whose eyes
Could mirror my cries of Gloria…

And now, it’s strange
Somehow, though nothing much has really changed
I miss the Gloria
I don’t sing Gratias Deo
I can’t say quite when it happened
But gone is the…
…thank you…

Street Chorus
Half the people are drowned, and the other half
Are swimming in the wrong direction.

Celebrant
Let us pray.

VII. MEDITATION NO. 2 (orchestra)

VIII. EPISTLE: “The Word of the Lord”

Celebrant
Brothers: This is the gospel I preach; and in its service I have suffered hardships like a criminal; yea, even unto imprisonment; but there is no imprisoning the Word of God…

A Young Man
Dearly Beloved: Do not be surprised if the world hates you. We who love our brothers have crossed over to life, but they who do not love, abide in death. Everyone who hates his brother is a murderer.

Another Young Man
Dear Mom and Dad… Do not feel badly or worry about me. Nothing will make me change. Try to understand: I am now a man.

Celebrant
You can lock up the bold men
Go and lock up your bold men
And hold men in tow,
You can stifle all adventure
For a century or so.
Smother hope before it’s risen
Watch it wizen like a gourd,
But you cannot imprison
The Word of the Lord.

Celebrant and Chorus
No, you cannot imprison
The Word of the Lord.

Celebrant
For the Word
For the Word was at the birth of the beginning
It made the heavens and the earth and set them spinning,
And for several million years
It’s withstood all our forums and fine ideas.
It’s been rough
It’s been rough but it appears to be winning!

There are people who doubt it
There are people who doubt it and shout it out loud,
Oh, they bellow and they bluster ‘til they muster up a crowd.
They can fashion a rebuttal that’s as subtle as a sword,
But they’re never gonna scuttle the Word of the Lord.

Celebrant and Chorus
No, they’re never gonna scuttle the Word of the Lord!

An Older Man
Dear Brothers: …I think that God has made us apostles the most abject of mankind. We hunger and thirst, we are naked, we are roughly handled, and we have no fixed abode…They curse us and we bless. They persecute us and we suffer it…They treat us as the scum of the earth, the dregs of humanity, to this very day.

A Young Girl
Dear Folks: Jim looked very well on my first visit. With his head clean-shaven, he looked about 19 years old. He says the prison food is very good. For the first few days he’s not allowed any books except his Bible. When I hugged him he smelled so good, a smell of clean plain soap; like a child when you put him to bed.

Celebrant
All you big men of merit,
all you big men of merit
who ferret out flaws,
you rely on our compliance
with your science and your laws.

Find a freedom to demolish
while you polish some award,
but you cannot abolish the Word of the Lord.

Celebrant and Chorus
No, you cannot abolish
the Word of the Lord.

Celebrant
For the Word,
for the Word created mud and got it going
It filled our empty brains with blood and set it flowing
And for thousands of regimes
It’s endured all our follies and fancy schemes.
It’s been tough,
It’s been tough, and yet it seems to be growing!

O you people of power,
O you people of power, your hour is now.
You may plan to rule forever, but you never do somehow.

So we wait in silent treason until reason is restored
and we wait for the season of the Word of the Lord.
We await the season of the Word of the Lord.
We wait…we wait for the Word of the Lord…

IX. GOSPEL-SERMON: “God Said”

Preacher
God said: Let there be light.
And there was light.

Chorus
God said: Let there be night.
And there was night.

Preacher
God said: Let there be day.
And there was day…

Chorus
…day to follow the night.

Preacher
And it was good, brother

All
And it was good, brother

Preacher
And it was good, brother

All
And it was goddam good.

Preacher
God said: Let there be storms
Storms to bring life…

Chorus
…life in all of its forms,
Forms such as herds…

Preacher
…herds and gaggles and swarms
Swarms that have names…

Chorus
…names and numbers and norms.

Preacher
And it was good, brother

All
And it was good, brother

Preacher
And it was good, brother

All
And it was goddam good!

Preacher
God said: Let there be gnats
Let there be sprats…

Chorus
…sprats to gobble the gnats
So that the sprats…

Preacher
…sprats may nourish the rats,
Making them fat…

Chorus
…fat, fine food for the cats.

Preacher
And they grew fat, brother

All
And the grew fat, brother

Preacher
All but the gnats, brother

All
They all grew fearful fat.

Preacher
And God saw it was good

Chorus
God made it be good

Preacher
Created it good

Chorus
Created the gnats…

Preacher
…gnats to nourish the sprats…

Chorus
…sprats to nurture the rats

Preacher
And all for us big fat cats.

All
Us cats!

Chorus
And it was good, and it was good,
And it was good, and it was good.

First Solo
God said it’s good to be poor,
Good men must not be secure;
So if we steal from you,
It’s just to help you stay pure.

All
And it was good!

Chorus
And it was good! (etc.)

Second Solo (antiphonally with Chorus)
God said take charge of my zoo
I made these creatures for you;
So he won’t mind if we
Wipe out a species or two.

All
And it was good!

Chorus
And it was good! (etc.)

Third Solo
God said to spread His commands
To folks in faraway lands;
They may not want us there,
But man it’s out of our hands.

All
And it was good!

Chorus
And it was good! (etc.)

Fourth Solo
God said that sex should repulse
Unless it leads to results;
And so we crowd the world
Full of consenting adults.

All
And it was good!

Chorus
And it was good! (etc.)

Fifth Solo
God said it’s good to be meek
And so we are once a week;
It may not mean a lot
But oh, it’s terribly chic.

All
And it was good!

Chorus
And it was good! (etc.)

Preacher
God made us the boss
God gave us the cross
We turned it into a sword
To spread the Word of the Lord
We use His holy decrees
To do whatever we please

Chorus
Yeah!

Preacher
And it was good!

Chorus
Yeah!

All
And it was good, Yeah!
And it was goddam good!

Preacher
God said: Let there be light.
And there was light.

Chorus
God said: Let there be night.
And there was night.

Preacher
God said: Let there be day.
And there was day…

Chorus
…day to follow the night.

Preacher
And it was good, brother!

Chorus
And it was good, brother!

Preacher
And it was good brother!

All
And it was…

X. CREDO

Celebrant
I believe in one God, the Father Almighty, maker of heaven and earth, and of all things visible and invisible. And in one Lord…(etc.)

1. Credo in unum Deum

Chorus and percussion on Quadraphonic tape
Credo in unum Deum,
Patrem omnipotentem,
Factorem caeli et terrae,
Visibilium omnium et
invisibilum.
Et in unum Dominum Jesum
Christum, Filium Dei unigenitum.
Et ex Patre natum ante omnia saecula.
Deum de Deo, lumen de lumine,
Deum verum de Deo vero.
Genitum, non factum,
consubstantialem Patri:
Per quem omnia
facta sunt.
Qui propter nos homines et
propter nostram salutem
descendit de caelis.
Et incarnatus est de Spiritu
Sancto
Ex Maria Virgine: et homo
factus est.
I believe in one God,
the Father Almighty,
Maker of heaven and earth,
And of all things visible
and invisible.
And in one Lord Jesus Christ, the
only-begotten Son of God.
Born of the Father before all
ages.
God of God, light of light,
true God of true God;
Begotten, not made, of one
essence with the Father:
Through whom all things were made.
Who for us men, and for our
salvation, came down from
heaven.
And was incarnate by the Holy
Spirit
Of the Virgin Mary: and was
made man.

2. Trope: Non Credo

First Solo
Et homo factus est
And was made man…

And you became a man
You, God, chose to become a man
To pay the earth a small social call
I tell you, sir, you never were
A man at all
Why?
You had the choice
when to live
When
To die
And then
Become a god again

Group
And was made man…

Solo
And then a plaster god like you
Has the gall to tell me what to do
To become a man
To show my respect on my knees
Go genuflect, but don’t expect guarantees
Oh
Just play it dumb
Play it blind
But when
I go
Then
Will I become a god again?

Group
Possibly yes, probably no…

Solo
Yes, probably no

Give me a choice
I never had a choice
Or I would have been a simple tree
A barnacle in a silent sea
Anything but what I must be
A man
A man
A man!

Group
Possibly yes, probably no…

Solo
You knew what you had to do
You knew why you had to die
You chose to die, and then revive again
You chose, you rose
Alive again
But I
I don’t know why
I should live
If only to die
Well, I’m not gonna buy it!

Group
Possibly yes, probably no…

Solo
I’ll never say credo.
How can anybody say credo?
I want to say cr…

Tape
Crucifixus etiam pro nobis
sub Pontio Pilato,
Passus, et sepultus est.
Et resurrexit tertia die,
secundum Scripturas.
Et ascendit in caelum:
Sedet ad dexteram Patris.
Et iterum venturus est
cum gloria
judicare vivos et mortuos.
He was also crucified for our sake
under Pontius Pilate,
suffered, and was buried.
And the third day He rose again
according to the Scriptures.
And He ascended into heaven:
And is seated at the right hand of
the Father. And He will come again
with glory
to judge the living and the dead.

3. Trope: “Hurry”

Second Solo
You said you’d come again
When?
When things got really rough
So you made us all suffer
While they got a bit rougher
Tougher and tougher
Well, things are tough enough.

So when’s your next appearance on the scene?
I’m ready
Hurry
Went to church for clearance and I’m clean
And steady
Hurry
While I’m waiting I can get my bags packed
Flags flown
Shoes blacked
Wings sewn
On…

Oh don’t you worry –
I could even learn to play the harp
You know it
Show it
Hurry
Hurry and come again.

Tape
Sedet ad dexteram
Patris.
Et iterum venturus est cum gloria
judicare vivos et mortuos:
Cujus regni non erit finis-
He is seated at the right hand of
the Father.
He will come again with glory
to judge the living and the dead:
Whose reign will be without end-

4. Trope: “World Without End”

Street Chorus
Non erit finis…
World without end…

Third Solo
Whispers of living, echoes of warning
Phantoms of laughter on the edges of morning
World without end spins endlessly on
Only the men who lived here are gone
Gone on a permanent vacation
Gone to await the next creation

World without end at the end of the world
Lord, don’t you know it’s the end of the world?
Lord, don’t you care if it all ends today?
Sometimes I’d swear that you planned it this way…

Dark are the cities, dead is the ocean
Silent and sickly are the remnants of motion
World without end turns mindlessly round
Never a sentry, never a sound
No one to prophesy disaster
No one to help it happen faster
No one to expedite the fall
On one to soil the breeze
No one to oil the seas
No one to anything
No one to anything
No one to anything at all…

Tape
Et in spiritum Sanctum, Dominum
et vivificantem:
Qui ex Patre Filio que
procedit.
Qui cum Patre, et Filio simul
adoratur, et conglorificatur:
Qui locutus est per Prophetas.
Et unam sanctam catholicam et
apostolicam Ecclesiam.
Confiteor unum baptisma in
remissionem peccatorum.
Et exspecto resurrectionem
mortuorum,
Et vitam venturi saeculi.
Amen.
I believe also in the Holy Spirit,
Lord and life-giver:
Who proceeds from the Father
and the Son.
Who together with the Father,
and the Son is adored, and glorified:
Who spoke through the prophets.
And I believe in one holy, catholic
and apostolic Church.
I acknowledge one baptism for
the remission of sins.
And I await the resurrection of
the dead,
And the life in the world to come.
Amen.

First Solo
You chose…You rose…
A man!…A man!…You chose!…You rose!

Second Solo
Hurry and come again…
Bags packed, wings sewn, Hurry!…Hurry!…

Third Solo
World without end, end of the world!
End of the world! Lord, don’t you care?
Lord, don’t you care?

5. Trope: “I Believe in God”

Fourth Solo
Amen! Amen! Amen!

Solo
I believe in God,
But does God believe in me?
I’ll believe in any god
If any god there be.
That’s a pact. Shake on that. No taking back.

I believe in one God,
But then I believe in three.
I’ll believe in twenty gods
If they’ll believe in me.
That’s a pact. Shake on that. No taking back.

Who created my life?
Made it come to be?
Who accepts this awful
Responsibility?

Is there someone out there?
If there is, then who?

Are you listening to this song
I’m singing just for you?

I believe my singing.
Do you believe it too?
I believe each note I sing
But is it getting through?

I believe in F sharp.
I believe in G.
But does it mean a thing to you
Or should I change my key?

How do you like A-flat?
Do you believe in C? –

Choir
Crucifixus etiam pro nobis –

Solo
Do you believe in anything
That has to do with me?

Street Chorus
I believe in God,
But does God believe in me?
I’ll believe in thirty gods
If they’ll believe in me.
That’s a pact. Shake on that. No taking back.

Solo
I’ll believe in sugar and spice,
I’ll believe in everything nice;
I’ll believe in you and you and you
And who…
Who’ll believe in me?

Celebrant
Let us pray.
LET US PRAY!

XI. MEDITATION NO. 3 (De Profundis, part 1)

Choir
De profundis clamavi ad te,
Domine;
Domine, audi vocem meam!
Fiant aures tuae intentae
Ad vocem obsecrationis meae.
Si delictorum memoriam
servaveris,
Domine, Domine, quis sustinebit?
Sed penes te est peccatorum
venia,
Ut cum reverentia serviatur
tibi.
Spero in Dominum;
Sperat anima mea in verbum eius.
Spero! Sperat!
From the depths I cried to you,
O Lord;
Lord, hear my voice!
Let your ears attend
The voice of my supplication.
If you, O Lord, remember only
our iniquities,
Lord, Lord, who can survive it?
But in your hands is the forgiveness
of sins,
That you may be served in
reverence.
I trust in the Lord;
My soul trusts in His word.

Celebrant
Memento, Domine – Remember, O Lord, Thy servants and handmaids…[ad lib. names of cast members]…and all here present, whose faith is known to Thee, and for whom we offer up this sacrifice. We beseech Thee in the fellowship of communion, graciously to accept it and to grant peace to our days.

XII. OFFERTORY (De Profundis, part 2)

Boys’ Choir
Exspectat anima mea Dominum
Magis quam custodes
auroram
Exspectet Israel Dominum,
Quia penes Dominum
Misericordia et copiosa penes
eum redemptio:
Et ipse redimet Israel ex
omnibus iniquitatibus eius.
Gloria Patri.
My soul waits for the Lord
More than they who wait for the
morning-
Let Israel wait for the Lord,
For with the Lord is compassion
And with Him is plentiful
redemption:
And He will redeem Israel from all
its iniquities.
Glory to the Father.

XIII. THE LORD’S PRAYER

1. Our Father…

Celebrant
Our Father, who art in heaven
Hallowed by Thy name.
Thy kingdom come
Thy will be done, on earth as it is in heaven.
Give us this day our daily bread
And forgive us our trespasses
As we forgive those who trespass against us. And lead us not into temptation
But deliver us from evil. Amen.

2. Trope: “I Go On”

When the thunder rumbles
Now the Age of Gold is dead
And the dreams we’ve clung to dying to stay young
Have left us parched and old instead…
When my courage crumbles
When I feel confused and frail
When my spirit falters on decaying altars
And my illusions fail,

I go on right then.
I go on again.
I go on to say
I will celebrate another day…
I go on…

If tomorrow tumbles
And everything I love is gone
I will face regret
All my days, and yet
I will still go on… on…
Lauda, Lauda, Laude
Lauda, Laude di da di day…

XIV. SANCTUS

Celebrant
Holy!
Holy!
Holy is the Lord God of Hosts! Heaven and earth are full of Thy glory!

Boys’ Choir (calling from side to side)
Sanctus, Sanctus, Sanctus
Dominus Deus Sabaoth.
Holy, Holy, Holy
Lord God of Hosts.

Pleni sunt coeli et terra
Gloria tua.
Heaven and earth are full of
Thy glory.

Osanna, Osanna, Osanna!
Hosanna, Hosanna, Hosanna!

Boys’ Choir
Benedictus qui venit in
nomine Domini.
Blessed is he who comes in the
name of the Lord.

Osanna, Osanna, Osanna in
excelsis!
Osanna in excelsis!
Hosanna, Hosanna, Hosanna in
the highest!
Hosanna in the Highest!

Celebrant
Mi… Mi…
Mi alone is only mi.
But mi with sol
Me with soul
Mi sol
Means a song is beginning
Is beginning to grow
Take wing, and rise up singing
From me and my soul.
Kadosh! Kadosh! Kadosh!
Holy! Holy! Holy!

Choir
Kadosh, Kadosh, Kadosh
Adonai ts’va-ot
M’Lo chol ha-aretz k’vodo
Holy! Holy! Holy!
Lord God of Hosts.
All the heavens and earth are full
of His glory.

(With Street Chorus)
Singing: Holy, Holy, Holy
Lord God of Hosts.
All the heavens and earth
Are full of His glory.

Choir
Kadosh, Kadosh, Kadosh
Adonai ts’va-ot
M’Lo chol ha-aretz k’vodo
Baruch ha’ba
B’shem Adonai
B’shem Adonai!
Holy, Holy, Holy
Lord God of Hosts.
All the heavens and earth are full
of His glory.
Blessed is he who comes
In the name of the Lord
In the name of the Lord!

All Voices
Sanctus!
Sanctus!
Holy!
Holy!

XV. AGNUS DEI

Male Soloists
Agnus Dei,
Agnus Dei, qui tollis peccata
mundi,
Agnus Dei;
Agnus Dei, qui tollis peccata
mundi
Miserere, miserere nobis!
Miserere, miserere nobis!
Lamb of God,
Lamb of God, who takest
away the sins of the world
Lamb of God;
Lamb of God, who takest
away the sins of the world
Have mercy, have mercy on us!
Have mercy, have mercy on us!

Male and Female Soloists
Agnus Dei,
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi,
Agnus Dei;
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi
Miserere, Miserere nobis!
Miserere, Miserere nobis!

All Soloists and Street Chorus
Agnus Dei,
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi;
Dona nobis pacem!
Dona nobis pacem!
Pacem! Pacem!
Give us peace!
Give us peace!
Peace! Peace!

Celebrant (speaking)
Hoc est enim corpus meum!
This is my Body!

Chorus (Men)
Dona…nobis…pacem…

Celebrant (grasping the Chalice)
Hic est enim Calix Sanguinis Mei!
This is the Chalice of My Blood!

Chorus
Dona… nobis… pacem…

Celebrant
Hostiam puram
Pure offering!

Chorus (Women)
Dona nobis pacem-

Celebrant
Hostiam sanctam…
Holy offering…

Chorus (Women)
Dona nobis pacem –

Celebrant
Hostiam immaculatam…
Immaculate offering…

Chorus (Men)
Dona nobis pacem –

Chorus (Women)
Pacem –

Full Chorus
Pacem! Pacem!

Street Chorus plus Choir
Agnus Dei,
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi
Dona nobis pacem!
Dona nobis pacem!
Pacem! Pacem!

Celebrant
LET US PRAY!

Choir (Women)
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi

Choir (Men)
Miserere nobis.

Celebrant
Non sum dignus, Domine.
I am not worthy, Lord.

Choir (Women)
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi

Choir (Men)
Miserere nobis!

Celebrant
I am not worthy, Lord.

Choir (Women)
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi!

Choir (Men)
Dona nobis pacem!

Celebrant
Corpus!
Body!

Choir
Pacem!

Celebrant
Calix!
Chalice!

Choir
Pacem! Pacem!
Dona nobis pacem!

Celebrant
PANEM!
BREAD!

Choir
Dona pacem! Pacem!
Dona nobis pacem!

Choir (the music turning imperceptibly into Blues-stanzas)
Dona nobis, nobis pacem,
Pacem dona, dona nobis,
Nobis pacem, pacem dona
Dona nobis, nobis pacem,
Pacem dona, dona nobis…

Nobis pacem, pacem dona,
Dona nobis, nobis pacem,
Pacem dona, dona nobis,
Nobis pacem, pacem dona,
Dona nobis, nobis pacem.

Tenor Solo (gradually joined by five other male soloists)
We’re not down on our knees,
We’re not praying,
We’re not asking you please,
We’re just saying:
Give us peace now and peace to hold on to
And God give us some reason to want to
Dona nobis, Dona nobis,

Men (and a few Women)
You worked six days and rested on Sunday.
We can tear the whole mess down in one day.
Give us peace now and we don’t mean later.
Don’t forget you were once our creator!
Dona nobis, Dona nobis.

Men
We’ve got quarrels and qualms and such questions,
Give us answers, not psalms and suggestions.
Give us peace that we don’t keep on breaking,
Give us something or we’ll just start taking!
Dona nobis, Dona nobis.

All
We’re fed up with your heavenly silence,
And we only get action with violence,
So if we can’t have the world we desire,
Lord, we’ll have to set this one on fire!
Dona nobis, Dona nobis.

XVI. FRACTION: “Things Get Broken”

Celebrant
PA…CEM!
PA…CEM!!
PA…CEM!!!

Celebrant
Look…Isn’t that – odd…
Red wine – isn’t red – at all…
It’s sort of – brown…brown and blue…
I never noticed that.
What are you staring at?
Haven’t you ever seen an accident before?

Look…Isn’t that – odd…
Glass shines – brighter –
When it’s – broken…
I never noticed that.

How easily things get broken.
How easily things get broken.
Glass – and brown wine –
Thick – like blood…
Rich – like honey and blood…

Hey – don’t you find that funny?
I mean, it’s supposed to be blood…
I mean, it is blood…His…
It was…
How easily things get broken…

What are you staring at?
Haven’t you ever seen an accident before?

Come on, come on, admit it,
Confess it was fun –
Wasn’t it?
You know it was exciting
To see what I’ve done.

Come on, you know you loved it.
You’re dying for more.
Wasn’t it smashing
To see it all come crashing
Right down to the floor!

Right!
You were right, little brothers,
You were right all along.
Little brothers and sisters,
It was I who was wrong –
So earnest, so solemn,
As stiff as a column,

“Lauda, Lauda, Laude.”
Little brothers and sisters,
You were right all along!
It’s got to be exciting,
It’s got to be strong.

Come on! Come on and join me,
Come join in the fun:

Shatter and splatter
Pitcher and platter
What do we care?
We won’t be there!
What does it matter?
What does it…
…matter…

Our Father, who art in Heaven,
Haven’t you ever seen an accident before?

Listen…Isn’t that – odd…
We can – be – so still…
so still and – numb…
How easily things get quiet.

Quiet… God is very ill…
We must… all be very still…
His voice… has grown so small,
Almost… not there at all…
Don’t you cry…
Lullaby…
Sleep…
Sleep…

Shh…
Shh…
Pray, pray… you sons of men
Don’t let… him die again

Stay, oh stay…
Domine…
Stay…

Why are you waiting?
Just go on without me
Stop waiting
What is there about me
That you’ve been respecting
And what have you all been
Expecting to see?

Take a look, there is nothing
But me under this,
There is nothing you’ll miss!
Put it on, and you’ll see
Any one of you can be
Any one of me!

What?
Are you still waiting?
Still waiting for me,
Me alone,
To sing you into heaven?
Well, you’re on your own.

Come on, say it,
What has happened to
All of your vocal powers?
Sing it, pray it.
Where’s that mumbo and jumbo
I’ve heard for hours?

Praying and pouting,
Braying and shouting litanies,
Chanting epistles,
Bouncing your missals
On your knees…

Go on whining,
Pining, moaning, intoning,
Groaning obscenities!
Why have you stopped praying?
Stopped your Kyrieing?
Where is your crying and complaining?
Where is your lying and profaning?
Where is your agony?
Where is your malady?
Where is your parody
Of God – said –
Let there be and there was
God said:
Let there Beatam Mariam semper Virginem,
Beatam miss the Gloria,

I don’t sing Gratias
Agimus tibi propter magnam
Gloriam tu – am – en…
Amen. Amen.

I’m in a hurry –
And come again.
When?
You said you’d come…

Come love, come lust,
It’s so easy if you just
Don’t care-

Lord, don’t you care…

…if it all ends today…

…profundis clamavi
Clamavi ad te,
Domine, ad Dominum,
Ad Dom…

…A-donai – don’t know –
I don’t no – bis…
Miserere nobis…

Mi-se…mi…
Mi alone is only me…
But mi with so…
Me with s…mi…

Oh, I suddenly feel every step I’ve ever taken,
And my legs are lead
And I suddenly see every hand I’ve ever shaken,
And my arms are dead
I feel every psalm that I’ve ever sung
Turn to wormwood on my tongue.
And I wonder,
Oh, I wonder,
Was I ever really young?

It’s odd how all my body trembles,
Like all this mass
Of glass on the floor.
How fine it would be to rest my head,
And lay me down,
Down in the wine,
Which never was really red.
But sort of – brown…
And let not – another word –
Be spoken…

…Oh…

…How easily things get broken.

XVII. PAX: COMMUNION (“Secret Songs”)

Boy Soprano
Sing God a secret song
Lauda, Laude…
Lauda, Lauda, Laude.
Lauda, Lauda, Laudate.
Laude Deum,
Laudate Eum.
Praise, praise …
Praise God,
Praise Him.

Bass Solo
Lauda, Laude,
Lauda, Laude,
Laude Deum,
Laude Eum…

Bass Solo and Boy Soprano
Lauda, Lauda, Laudate…

First Couple
Lauda, Laude…

Lauda, Lauda, Lauda, Laude.
Lauda, Lauda, Laudate Deum.
Lauda, Lauda, Laudate Eum.
Laude Deum, Laudate Eum.

All
Pax tecum!
Peace be with you!

Boy Soprano and Celebrant
Lauda, etc.

All Voices, Including Stage Instrumentalists
Almighty Father, incline thine ear:
Bless us and all those who have gathered here –
thine angel send us –
Who shall defend us all;
And fill with grace
All who dwell in this place. Amen.

Voice On Tape
The Mass is ended; go in Peace.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

K. Penderecki (1933) – Symphony No. 7 ‘Seven Gates of Jerusalem’

Apesar de não amá-lo como Clara Schumann, costumo gostar das obras de Penderecki. Porém, ouvi este disco com frieza e desatenção. Explico: muitas vezes estou trabalhndo enquanto ouço música e, desta vez, Penderecki apenas logrou captar minha atenção quando de um discurso que há lá pelo final da Sinfonia. Não direi que é ruim, direi somente que não me chamou a atenção, mesmo que tenha ouvido a obra por duas vezes. Também estou meio cheio desses caras modernos que quase só fazem música religiosa. Haja Deus para agüentar as repetidas louvações de Pärt e Penderecki! Devem ser pagos para fazê-las, não? Acho que vou publicar a Missa de Bernstein; servirá como espanador para o ranço católico — argh! — que grassa nesta postagem. (Peço desculpas aos crentes por minha franqueza). Tenho aquela super gravação do Nagano para a Harmonia Mundi. Me aguardem.

Penderecki – Symphony No. 7 ‘Seven Gates of Jerusalem’

1. Sym No.7: Part I: Magnus Dominus Et Laudabilis Nimis
2. Sym No.7: Part II: Si Oblitus Fuero Tui, Lerusalem
3. Sym No.7: Part III: De Profundis
4. Sym No.7: Part IV: Si Oblitus Fuero Tui, Lerusalem
5. Sym No.7: Part V: Lauda, Lerusalem, Dominum
6. Sym No.7: Part VI: ‘Hajeta Alai Jad Adonai’
7. Sym No.7: Part VII: Haec Dicit Dominus: Ecce Ego Do Coram Vobis Viam Vitae Et Viam Mortis

Ewa Podles (Alto)
Izabella Klosinska (Soprano)
Gustaw Holoubek (Spoken Vocals)
Bozena Harasimowicz (Soprano)
Romuald Tesarowicz (Bass)
Wieslaw Ochman (Tenor)

Warsaw National Choir
Warsaw National Philharmonic Orchestra
Kazimierz Kord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gilberto Agostinho (1986) – Trio, Sonata para piano e outras peças

Hoje é um dia especialíssimo e escrevo esta introdução com a certeza de que o P.Q.P. Bach chegou a um ponto onde eu nunca imaginaria ser possível chegar. Hoje, temos a honra de divulgar em primeira mão a obra de um jovem compositor brasileiro. Vou dar a palavra para que ele se apresente e depois retorno.

Meu nome é Gilberto dos Santos Agostinho Filho, tenho vinte e dois anos e nasci em São Paulo. Quando pequeno estudei alguns anos de piano e flauta transversal, mas acabei abandonando meus estudos musicais quando tinha doze anos. Minha primeira composição data desta época, uma inocente e pequena peça para piano, mas minha professora de teoria deu pouca importância para ela. Acho que talvez tenha sido isso que atrasou em tantos anos a minha decisão de me tornar compositor. Desde pequeno fui muito sensível às críticas, apesar de estar conseguindo mudar isso radicalmente no momento. Aos dezessete anos fui aprovado no curso Engenharia Aeronáutica na Universidade de São Paulo, o qual freqüentei durante um ano pois, em seguida, percebi que a vida de engenheiro não me satisfazia. Procurei algo mais purista e fui parar na Física, a qual cursei por um pouco mais de um ano. Neste meio tempo retomei minhas aulas de música com uma professora alemã e viajei para Londres por três meses, dois acontecimentos que iriam mudar a minha vida. Em Londres percebi, depois de muitas crises, que eu queria mesmo era ser compositor. Nessa época eu já estava arriscando alguns rabiscos nas pautas, mas nada a ser levado a sério. Voltei a São Paulo e procurei um professor de composição. Topei com Mário Ficarelli, meu grande mestre e amigo, que durante um longo ano me guiou com a maior paciência do mundo. Também tive aulas de regência com Paulo Rydlevski, outra pessoa que me ajudou muito. Eu fui aprovado no curso de composição da ECA, que faz parte da Universidade de São Paulo, mas desde o princípio senti que aquilo também não era para mim. O curso era fraco e eu já tinha uma boa base musical, além de não ter recebido o apoio que procurava. Larguei o curso após apenas quatro ou cinco meses. Me apliquei como nunca após isso e fiquei praticamente um ano sem aulas de composição, vivendo como um monge: comendo, rezando e compondo. Rezando pela minha aprovação em alguma boa instituição européia, o que veio a se concretizar no meio deste ano. “Conservatório de Praga”, dizia a carta. Acho que ainda não acredito, mesmo estando aqui por mais de um mês. Atualmente estudo sob orientação do professor Otomar Kvech.

A respeito das composições aqui publicadas: a primeira é o meu “Trio para piano, flauta e violino”, minha mais recente composição. Acredito que seja uma das melhores peças que já escrevi. São cinco movimentos, nos quais os instrumentos tocam todos juntos apenas no primeiro e no último. Reservei os centrais para duos entre tais instrumentos. Em seguida vem a “Sonata para piano”, música mais pesada e intelectualizada. A sonata não agradou muita gente, mas eu ainda aposto minhas fichas nela. Acho que é uma boa composição. O trio surgiu justamente como uma contraposição a sonata pois queria ver se eu era capaz de compor algo diametralmente oposto. As outras peças, “Prelúdio para piano”, “Prelúdio para violão” e “Pequenas peças para flauta” são mais antigas, mas ainda guardo um grande carinho por elas.

Saibam todos que fiquei extremamente lisonjeado com o convite de postar minhas músicas no PQP. Sou um freqüentador assíduo deste blog, além de outros do OPS!. Espero que vocês gostem do que irão ouvir. Lamento muito o fato de as músicas não serem executadas por instrumentistas reais, e sim por um software, mas saibam que essa vida de compositor não é fácil e às vezes faltam tempo e paciência para procurar, convencer e ensaiar os músicos. Apesar disto, estou em busca de instrumentistas para gravar meu Trio, e se isso acontecer, terei imenso prazer em compartilhá-los com todos.

Quem se interessar em fazer algum comentário diretamente para mim, meu email é gsagostinho e estou no hotmail.com. Será um prazer para mim receber alguma mensagem.

Obrigado novamente, PQP, FDP, CDF, Clara, Blue Dog e CVL.

Eu conheci Gilberto através de e-mails e só depois ele mandou obras de sua autoria para que eu conhecesse. A primeira obra que ouvi é até hoje a minha preferida: a Sonata para Piano. Fiquei entusiasmadíssimo com seu primeiro e último movimentos (Allegro energetico e Fuga com variazione). Vocês sabem o quanto sou franco e penso que o Adagio meditativo seja bom, mas que fique abaixo da companhia. Os dois primeiros movimentos citados são realmente notáveis e, é claro, qualquer fuga logo recebe a simpatia deste filho de Bach, ainda mais esta.

O Trio é expansivo e feliz. O software que o executa deixa a desejar em sonoridade, mas dá para ouvir bem. O Trio também não é música fácil, é polifônico de cabo a rabo e penso que aqui não se repita o provável defeito da sonata. Inicia com um tremendo Allegro, segue um Adagio ainda melhor e nunca cai. Tudo é muito interessante e a ironia que se insinua no Scherzo comparece plenamente no Tempo di valse o qual é seguido por um Finale em que ouço citações de alguma música nordestina — algum baião — que não consigo identificar. É tudo bom humor e inventividade.

As Pequenas peças para flauta são ótimas, mas acho que uma delas – uma rápida – tem um parentesco irritante com o som do videogame de meu ex-vizinho. Pode ser efeito do software-executante. Não há nada a criticar no belo Prelúdio Nº 2 para piano. Gostei muito. O curto Prelúdio para violão é um triste noturno que me deixa com vontade de ouvir mais.

Há um fato importantíssimo que devo salientar: FALO DE UM JOVEM DE 22 ANOS e sou, digamos, um experiente ouvinte de muito boa música, interpretada por grandes artistas. Ou seja, sou um ouvinte exigente e tudo o que ouvi do Gilberto aponta para um baita compositor.

Fico muito feliz por ele ter concordado em expor-se (ou jogar-se) para o público (aos leões) do PQP.

Gilberto Agostinho – Trio, Sonata pata piano e outras peças

01 Agostinho – Trio – allegro.mp3
02 Agostinho – Trio – adagio.mp3
03 Agostinho – Trio – scherzo.mp3
04 Agostinho – Trio – tempo di valse.mp3
05 Agostinho – Trio – finale.mp3

06 Agostinho – Sonata – allegro energetico.mp3
07 Agostinho – Sonata – andante meditativo.mp3
08 Agostinho – Sonata – fuga con variazione.mp3

09 Agostinho – Pequenas peças para flauta.mp3

10 Agostinho – Prelúdio No2 para piano.mp3

11 Agostinho – Prelúdio para violão.mp3

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741) – In Furore Iustissimae Irae, Rv626, Sinfonia En Si Mineur, Rv169 ‘Al Santo Sepolcro’ , Laudate Pueri, Rv601, Concerto, Rv541, Concerto, Rv286 ‘Per La Solennita Di San Lorenzo’

Mais um Vivaldi, e mais uma gravação absolutamente imperdível, com a soprano Sandrine Piau deixando-nos totalmente arrepiados com sua interpretação de “In Furore” e “Laude Pueri”, dois motetos extremamente originais do padre ruivo. Nunca deixo de me emocionar com sua força de interpretação, e com a beleza das obras, e acompanhados pela ótima “Academia Bizantina”, dirigida pelo jovem Ottavio Dantone. Para quem quiser vê-la em cores interpretando essa obra, o link do Youtube está aí embaixo.

Já declarei minha obsessão em possuir toda esta coleção da Naive, que pretende lançar todas as obras de Vivaldi. As capas são lindíssimas, e a produção impecável. Inclusive, alguns outros CDs da série já foram postados aqui, e outros ainda o serão. Quem viver, verá.

Além de trazer a maravilhosa Sandrine Piau (aliás, não é ela quem está na foto da capa, como eu errôneamente imaginava até algum tempo atrás), o CD nos traz também três concertos do padre ruivo, belissimamente interpretados pela Accademia Bizantina.

.

Antonio Vivaldi (1678-1741) – In Furore Iustissimae Irae, Rv626, Sinfonia En Si Mineur, Rv169 ‘Al Santo Sepolcro’ , Laudate Pueri, Rv601, Concerto, Rv541, Concerto, Rv286 ‘Per La Solennita Di San Lorenzo’

01 – In Furore Iustissimae Irae, Rv626 – In Furore Iustissimae Irae
02 – In Furore Iustissimae Irae, Rv626 – Recitativo
03 – In Furore Iustissimae Irae, Rv626 – Tunc Meus Fletus
04 – In Furore Iustissimae Irae, Rv626 – Alleluia
05 – Sinfonia En Si Mineur, Rv169 ‘Al Santo Sepolcro’ – Adagio Molto
06 – Sinfonia En Si Mineur, Rv169 ‘Al Santo Sepolcro’ – Allegro Ma Poco
07 – Laudate Pueri, Rv601 – Laudate Pueri
08 – Laudate Pueri, Rv601 – Sit Nomen Domini
09 – Laudate Pueri, Rv601 – A Solis Ortu
10 – Laudate Pueri, Rv601 – Excelsus Super Omnes
11 – Laudate Pueri, Rv601 – Suscitans A Terra
12 – Laudate Pueri, Rv601 – Ut Collocet Eum
13 – Laudate Pueri, Rv601 – Gloria Patri Et Filio
14 – Laudate Pueri, Rv601 – Sicut Erat
15 – Laudate Pueri, Rv601 – Amen
16 – Concerto, Rv541 – Allegro
17 – Concerto, Rv541 – Grave
18 – Concerto, Rv541 – Allegro Molto
19 – Concerto, Rv286 ‘Per La Solennita Di San Lorenzo’ – Largo Molto E Spiccato
20 – Concerto, Rv286 ‘Per La Solennita Di San Lorenzo’ – Largo
21 – Concerto, Rv286 ‘Per La Solennita Di San Lorenzo’ – Allegro Non Molto

Sandrine Piau – Soprano
Stefano Montanari – Violin
Accademia Bizantina
Ottavio Dantone – Organ & Direction

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Olivier Messiaen (1908 – 1992): Quarteto para o fim dos tempos

Messiaen é, em minha opinião, o maior compositor do século XX. A seguir, reproduzo texto retirado daqui.

Quarteto para o fim dos tempos
Para piano, clarinete, violino e violoncelo

Composta a partir de maio de 1940 no campo de prisioneiros Stalag VIIIA e executada pela primeira vez no mesmo local no dia 15 de janeiro de 1941 para 5000 prisioneiros. A partitura é encabeçada com o seguinte excerto do Apocalipse de São Jõao (10, 1-7): “Vi um anjo poderoso descer do céu envolvido numa nuvem; por cima da sua cabeça estava um arco-íris; o seu rosto era como o Sol e as suas pernas como colunas de fogo. Pôs o pé direito sobre o mar e o pé esquerdo sobre a terra e, mantendo-se erguido sobre o mar e a terra levantou a mão direita ao céu e jurou por Aquele que vive pelos séculos dos séculos, dizendo: não haverá mais tempo; mas nos dias em que se ouvir o sétimo anjo, quando ele soar a trombeta, será consumado o mistério de Deus”.

A estruturação do Quatuor em oito movimentos é explicada por Messiaen da seguinte forma: “Sete é o número perfeito, a criação em seis dias santificada pelo Sábado divino; o sete deste repouso prolonga-se na eternidade e se converte no oito da luz inextinguível e da paz inalterável”.

1 – Liturgia de cristal

“Principia com o despertar dos pássaros entre três e quatro horas da manhã. Um melro ou um rouxinol solista improvisa, acompanhado por um conjunto de trilos perdidos no alto das árvores. Esta cena transposta para o plano religioso significa o silêncio harmonioso do céu”.

2 – Vocalise, para o anjo que anuncia o fim dos tempos

Este movimento divide-se em três partes. “A primeira e a terceira parte , muito breves, evocam o poder desse anjo. A segunda parte representa as harmonias intangíveis do céu. No piano, doces cascatas de acordes envolvem o canto monótono do violino e do violoncelo”.

3 – Abismo dos pássaros

“O abismo é o tempo, com suas tristezas e aborrecimentos. Os pássaros, pelo contrário, simbolizam o nosso desejo de luz, de estrelas, de arco-íris e de demonstração de júbilo”.

4 – Intemédio

“Scherzo, de caráter menos íntimo que os outros movimentos, mas relacionado com eles por citações rítmicas e melódicas”.

5 – Louvor à eternidade de Jesus

Neste número, “Jesus é considerado um quarto Verbo. Uma grande frase, extremamente lenta do violoncelo, exprime com amor e devoção a eternidade deste Verbo poderoso e doce, para quem os anos jamais terão fim. Majestosamente, se extenue numa espécie de tenra e suprema distância”.

6 – Dança do furor para as sete trmbetas
Do ponto de vista rítmico é a peça mais característica da série. “Os quatro instrumentos, sempre em uníssono, imitam os gongos e trombetas do Apocalipse. Em toda a obra é a única alusão ao aspecto cataclísmico do juízo final. Emprega o valor agregado, os ritmos aumentados ou diminuídos e os ritmos não-retrogradáveis”.

7 – Turbilhão de arco-íris, para o anjo que anuncia o fim dos tempos

Repetem-se aqui trechos do segundo movimento. “O poderoso anjo aparece e sobretudo o arco-íris que o cobre (arco-íris: símbolo da paz, da sabedoria e de uma vibração luminosa e sonora”).

8 – Louvor à imortalidade de Jesus

“Este segundo louvor dirige-se especialmente à segunda natureza de Jesus, a Jesus-homem, ao Verbo feito carne, ressuscitado para nos dar a vida. É todo amor. A lenta ascensão até o extremo agudo é a elevação do homem até o seu Deus, do Filho de Deus até o Pai, da criatura divinizada até o Paraíso”.

Messiaen – Quatuor pour la fin du temps, for violin, cello, clarinet & piano, I/22

1. No. 1, Liturgie de cristal
2. No. 2, Vocalise pour l’ange qui annonce la fin du temps
3. No. 3, Abime des oiseaux
4. No. 4, Intermede
5. No. 5, Louange a l’eternite de Jesus
6. No. 6, Danse de la fureur, pour les sept trompettes
7. No. 7, Fouillis d’arcs-en-ciel, pour l’ange qui announce la fin du temps
8. No. 8, Lourange a l’immortalite de Jesus

Nash Ensemble

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Friedrich Handel (1685-1759) – Samson

Começo com minhas postagens barrocas trazendo um dos principais oratórios de Handel, Samson, e também uma dos mais trágicos, em uma interpretação inspiradíssima do “Imperador” Harnoncourt, e com um timaço de solistas, entre eles, Anthony Rolfe Johnson, Roberta Alexander, Maria Angela Blasi, entre outros.

Sabemos que Handel compôs muitos oratórios, e prentendo postar alguns que tenho.

O libretto da obra pode ser encontrado aqui.

Maiores informações sobre a obra, podem ser encontradas aqui .

George Friedrich Handel (1685-1759) – Samson

Disc: 1

1. Symphony – Concentus Musicus Wien/Nikolaus Harnoncourt
2. Menuet – Concentus Musicus Wien/Nikolaus Harnoncourt
3. Act I, Scene 1: Awake the trumpet’s lofty sound! – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
4. Act I, Scene 1: Ye men of Gaza, hither bring – Angela Maria Blasi
5. Act I, Scene 1: Awake the trumpet’s Lofty sound – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
6. Act I, Scene 1: Torments, alas! are not confined – Anthony Rolfe Johnson
7. Act I, Scene 2: O mirror of our fickle state – Jochen Kowalski
8. Act I, Scene 2: Total eclipse! no sun, no moon, all dark – Anthony Rolfe Johnson
9. Act I, Scene 2: Since light so necessary is to life – Jochen Kowalski
10. Act I, Scene 2: O first created beam! – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
11. Act I, Scene 3: Oh miserable change! is this the man – Anton Scharinger
12. Act I, Scene 3: The good we wish for, often prove our banes – Anton Scharinger
13. Act I, Scene 3: Thy glorious deeds inspir’d my tongue – Anton Scharinger
14. Act I, Scene 3: My genial spirits droop, my hopes are flat – Anthony Rolfe Johnson
15. Act I, Scene 3: Then long Eternity shall greet your bliss – Jochen Kowalski
16. Act I, Scene 3: Then round about the starry throne – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
17. Act II, Scene 1: Trust yet in God! Thy father’s timely care – Anton Scharinger
18. Act II, Scene 1: Return, oh God of hosts! – Jochen Kowalski
19. Act II, Scene 1: To dust his glory they would tread – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner/Jochen Kowalski
20. Act II, Scene 2: With plaintive notes and am’rous moan – Angela Maria Blasi
21. Act II, Scene 2: Your charms to ruin led the way – Anthony Rolfe Johnson
22. Act II, Scene 2: My (Her) faith and truth, oh Samson, prove – Roberta Alexander/Maria Venuti
23. Act II, Scene 2: Her faith and truth, oh Samson, prove – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
24. Act II, Scene 2: To fleeting pleasures make your court – Roberta Alexander
25. Act II, Scene 2: Her faith and truth, oh Samson, prove – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner

Disc: 2

1. Act II, Scene 2: N’er think of that! – Anthony Rolfe Johnson/Roberta Alexander
2. Act II, Scene 2: Traitor to love! I’ll sue no more – Anthony Rolfe Johnson/Roberta Alexander
3. Act II, Scene 3: To man God’s universal law – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
4. Act II, Scene 4: Honour and arms scorn such a foe – Alastair Miles
5. Act II, Scene 4: Go, baffled coward, go/Presume not on thy God – Anthony Rolfe Johnson/Alastair Miles
6. Act II, Scene 4: Hear,Jacob’s God, Jehovah, hear! – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
7. Act II, Scene 4: To song and dance we give the day – Christoph Pregardien
8. Act II, Scene 4: To song and dace we give the day – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
9. Act II, Scene 4: Fix in his everlasting seat – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
10. Act III, Scene 1: More trouble is behind: for Harapha – Jochen Kowalski
11. Act III, Scene 1: Presuming slave, to move thier wrath – Alastair Miles
12. Act III, Scene 1: With thunder arm’d, geat God, arise! – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
13. Act III, Scene 1: Jehova’s Glory known! – Anthony Rolfe Johnson
14. Act III, Scene 1: Thus when the sun from’s wat’ry bed – Anthony Rolfe Johnson
15. Act III, Scene 1: With might endued above the suns of men – Jochen Kowalski
16. Act III, Scene 1: The Holy One of Israel be thy guide – Jochen Kowalski
17. Act III, Scene 1: To fame immortal go – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
18. Act III, Scene 2: Great Dagon has subdued our foe – Christoph Pregardien
19. Act III, Scene 2: Great Dagon has subdued our foe – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
20. Act III, Scene 2: How willing my paternal love – Anton Scharinger
21. Act III, Scene 2: A Sym of horror and confusion – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
22. Act III, Scene 2: Hear us, our God, oh hear our cry – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
23. Act III, Scene 2: Ye sons of Israel, now lament – Jochen Kowalski
24. Act III, Scene 2: Weep, Israel, weep a louder strain – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
25. Act III, Scene 2: A Dead March – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
26. Act III, Scene 2: Glorious hero, may thy grave – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner
27. Act III, Scene 2: Let the bright seraphim in burning row – Maria Venuti
28. Act III, Scene 2: Let Their celestial concerts all unite – Arnold Schoenberg Chor/Erwin Ortner

Roberta Alexander – Dalila
Anthony Rolfe Johnson – Sansom
Maria Venuti – Israelitsch Woman
Christoph Prégardien – Philistine Messenger
Angela Maria Blasi – Philistine woman attendant of Dalila
Alaistair Miles – Araphia
Jochen Kowalsky – Micah
Anton Sharinger – Manoa

Arnold Schoenberg Chor
Concentus Musicus Wien
Nikolaus Harnoncourt

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

V

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Friedrich Handel (1685-1759) – Water Music, Music for the Royal Fireworks

Andei totalmente sem tempo nas últimas semanas, devido ao final do ano letivo (provas para corrigir, recuperações, alunos desinteressados, conselhos de classe, etc.) Enfim, a velha rotina de professor. Mas agora estou livre, e de férias. Pretendo atualizar minhas postagens, concluíndo algumas coisas, e iniciando outras.

Como estamos no período de Natal, irei postar algumas obras do barroco. E começarei com Handel e sua “Música Aquática”, além de sua “Música para os Reais Fogos de Artifício”. A gravação é a elogiada versão de Jordi Savall e seu “Le Concerts des Nations”.

Música absolutamente magnífica, demorei para escolher a versão a ser postada, mas o desejo de Clara Schumann se impôs quando ela declarou sua paixão por Jordi Savall. Em outras ocasiões, postarei as versões de Hogwood e a de Pinnock, tão boas quanto esta que está sendo disponibilizada.

01 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Prélude
02 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Menuet I
03 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Menuet II
04 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Rigaudon I
05 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Rigaudon II
06 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Menuet I
07 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Menuet II
08 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Gigue I
09 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Gigue II
10 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Bourrée
11 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Lentement
12 Water Music – Suite I en ré majeur et sol majeur-mineur – Alla Hornpipe
13 Water Music – Suite II en fa majeur – Ouverture
14 Water Music – Suite II en fa majeur – Adagio e staccato
15 Water Music – Suite II en fa majeur – Allegro
16 Water Music – Suite II en fa majeur – Andante, allegro
17 Water Music – Suite II en fa majeur – Menuet
18 Water Music – Suite II en fa majeur – Air
19 Water Music – Suite II en fa majeur – Bourrée
20 Water Music – Suite II en fa majeur – Hornpipe
21 Water Music – Suite II en fa majeur – Aria
22 Water Music – Suite II en fa majeur – Menuet
23 Music for the Royal Fireworks – Ouverture – Adagio
24 Music for the Royal Fireworks – Allegro – Lentement – Allegro
25 Music for the Royal Fireworks – Bourrée
26 Music for the Royal Fireworks – La paix – Largo alla Siciliana
27 Music for the Royal Fireworks – La Réjouissance – Allegro
28 Music for the Royal Fireworks – Menuet II – Menuet I – Menuet II

Le Concert des Nations
Jordi Savall – Direction

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sergei Rachmaninov (1873 – 1943): The Isle of the Dead, Op.29 / Symphonic Dances, Op.45

Eu não gosto de Rachmaninov. Sofri silenciosamente enquanto mano FDP publicava seus Concertos para Piano, Variações sobre Paganini (ESSES DOIS SE MERECEM), Sinfonias e outros horrores. Mas, sabe como é, eu respeito meu irmão. Rach é um romântico tardio, um chato, um mela-cueca, um discursivo, um pentelho. Só que nesta semana ele se de mim vingou com juros.

Um pouco surpreso com os elogios histéricos que este CD de Ashkenazy e do Concertgebouw recebia por todos os cantos, resolvi voltar a enfrentar o ogro pegajoso. Deu tudo errado. Eu simplesmente amei! Como o ouvi tarde da noite, fui dormir com a perturbadora sensação de ter recebido FDP em meu corpo — nada físico, bem entendido; tudo espiritual. Achei que uma noite de sono me curaria da tragédia de ter gostado de obras de Rach. No outro dia, de estômago cheio e em CNTP, ouvi novamente a coisa. Olha, não cheguei a desmilingüir (essa trema some na unificação ortográfica), mas… É muito bom. É tri bom. Bom demais. Que maravilha.

Se vocês quiserem ler elogios mais abalizados, cliquem sobre o selo da Amazon acima. Há nove caras babando ali.

Vá lá, é imperdível.

Rachmaninov: The Isle of the Dead, Op.29 / Symphonic Dances, Op.45

01 – Die Toteninsel
02 – Symphonische Taenze – Non Allegro
03 – Symphonische Taenze – Andante Con Moto [Tempo Di Valse]
04 – Symphonische Taenze – Lento Assai – Allegro Vivace

Vladimir Ashkenazy
Concertgebouw Orchestra Amsterdam

BAIXE AQUI -DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936) – Triple Quartet (2001), Electric Guitar Phase, Music for a Large Ensemble e Tokyo/Vermont Counterpoint

Mais um grande CD com obras do lendário Steve Reich. Começa por um bartokiano quarteto de cordas confessadamente baseado no último movimento do Quarto Quarteto de Béla Bartók e com um certo flerte com Schnittke. O Kronos Quartet dá seu show de competência habitual.

Segue com Electric Guitar Phase, originalmente para violino e que nesta versão ganha ares de riff roqueiro, depois vem Music for a Large Ensemble, bastante semelhante à célebre Music for 18 musicians e finaliza com a bela Tokyo/Vermont Counterpoint.

É impressionante o trabalho de todos os músicos que tocam no CD. Citei apenas o Kronos, mas deveria ter citado todos. São impecáveis.

Steve Reich – Triple Quartet

1. Triple Quartet: First Movement 7:10
2. Triple Quartet: Second Movement 4:04
3. Triple Quartet: Third Movement 3:28
Kronos Quartet

4. Electric Guitar Phase 15:11
Dominic Frasca

5. Music for a Large Ensemble 14:50
Alan Pierson
Alarm Will Sound

6. Tokyo/Vermont Counterpoint 9:04
Mika Yoshida

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!