A Música Erudita de Compositores Populares Pernambucanos

Semana que vem vai começar a décima primeira edição do maior festival de música clássica do Nordeste do Brasil e do mês de dezembro em todo o país, chamado Virtuosi. Como estou novamente de passagem no Recife e tinha essa pérola semi-preciosa da fonografia nacional guardada aqui, aproveito para postá-la, já que fora gravada no Virtuosi 2005.

Três compositores são apresentados neste álbum duplo. Maestro Duda, um compositor de frevos muito melhor como arranjador. Capiba, senão o maior compositor de frevos, pelo menos o autor do mais famoso frevo de bloco, Madeira que cupim não rói. E Clóvis Pereira, também compositor de frevos e arranjador.

Capiba e Duda tinham o sonho de compor obras eruditas e ouvirem-nas executadas na capital onde ficaram famosos pelas suas composições populares, mas não podiam ter mais ambições na música sinfônica e camerística porque não nasceram nela e viviam da música popular pernambucana.

Parcial exceção, Clóvis Pereira – um dos compositores pioneiros do Movimento Armorial, ex-diretor do Conservatório Pernambucano de Música e Mestre em Composição pela Universidade de Boston – possui um catálogo pequeno, mas digno, e recentemente tem sido reconhecido pelo Mourão como o conhecemos hoje, o qual foi reestruturado por Clóvis com autorização de Guerra-Peixe, pedida por Ariano Suassuna.

O Mourão em sua estrutura original é o do primeiro disco do Quinteto Armorial e da trilha do filme Orquestra dos Meninos e é, na verdade, uma peça para violão e violino que serviu de jingle para um documentário sobre Lampião na TV Jornal do Commércio na década de 50, segundo conta Clóvis Pereira.

Capiba – ex-aluno de Guerra-Peixe, junto com Clóvis, Sivuca e Jarbas Maciel – compôs valsas, polcas, maracatus, canções, frevos das três vertentes (de rua, de bloco, ou de “pau-e-corda”, e canção) etc. Depois das primeiras [e desconhecidas] peças eruditas, do início da década de 50, só voltou à seara por conta do Movimento Armorial, porém criou não mais do que outras duas ou três peças.

Nos CDs estão justamente as desconhecidas: as Duas peças para flautas dedicadas a Esteban Eitler e o Dueto para flauta e clarineta são curtos, atonais e sem a menor emoção – meros estudos. A Suíte nordestina só empolga no quarto movimento e acima de tudo é um exemplar de música naïf, não tanto como a peça de Maestro Duda, um reles arrumado de ritmos populares nordestinos em roupagem sinfônica.

O Bolero, no entanto, se situa no lado oposto. Numa ousada tentativa de sacudir o fantasma de Ravel, que parecia impedir os demais compositores de criar outras peças baseadas no bolero espanhol (de ritmo ternário), Capiba acertou em não ser extenso (seu Bolero tem metade da duração do de Ravel), até porque ele só criou um único tema – em vez de dois, como o compositor francês.

As melhores peças eruditas de Capiba são as duas inspiradas pelo Movimento Armorial, a suíte Sem lei nem rei, de 1970, e a Grande Missa Armorial, de 1982 (aguardem). Coincide de as melhores peças deste álbum serem desse período, mas compostas por Clóvis Pereira, que era quem cuidava da orquestração e da harmonização das peças orquestrais de Capiba.

Os recentes Concertino para violino e Quarteto de cordas, apesar de bem escritos, não foram concebidos com inspiração – diferente do belíssimo Concertino para violoncelo, ainda não disponível em CD. São as Três peças nordestinas, numa interpretação insuperável e inédita para quarteto de cordas, e a Grande Missa Nordestina, ambas dos anos 70, que valem a pena o download. O Kyrie, que deveria durar não mais que dois minutos, e o impecável Gloria, merecem destaque na Missa; as Três peças, de cabo a rabo.

Aproveitem porque este CD duplo não foi vendido e é difícil de se conseguir.

***

A música erudita de compositores populares pernambucanos

CD 1

Clóvis Pereira (1932)
1-3. Concertino em lá maior para violino e orquestra de cordas
Allegro ma non molto – Andante lamentoso – Allegro
Violino: Clóvis Pereira Filho
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Clóvis Pereira

Capiba [Lourenço da Fonsêca Barbosa] (1904-1997)
4-5. Duas peças para flauta dedicadas a Esteban Eitler (1951)
Moderato – Allegro
Flauta: Rogério Wolf

6-7. Dueto para flauta e clarinete (1952)

Clóvis Pereira
8-13. Grande Missa Nordestina (1978)
Kyrie – Gloria – Credo – Sanctus – Benedictus – Agnus Dei
Meio-soprano: Denise de Freitas
Barítono: Homero Velho
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Clóvis Pereira

BAIXE AQUI

CD 2

Clóvis Pereira
1-3. Quarteto de cordas (2005)
Allegro – Moderato – Allegro molto
Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

4-6. Três peças nordestinas
No Reino da Pedra Verde – Aboio – Galope
Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo

Capiba
7-11. Suíte nordestina (1949)
Regressando do eito – Fugindo – Enterro – Casa Grande e Senzala – Carregando bangüês
Orquestração: Guerra Peixe (1949)
Revisão: Clóvis Pereira (2005)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

12. Bolero (1992)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

Maestro Duda [José Ursicino da Silva] (1935)
13. Uma visão nordestina: projeto 500 anos do Descobrimento do Brasil (2000)
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

BAIXE AQUI

***

De brinde segue um CD promocional que foi distribuído aos espectadores do Virtuosi em 2006, com gravações de anos anteriores. Raridade, mas atente que só consta um movimento dos concertos de Paganini, Bach e Dvorak.

TIM apresenta IX Virtuosi

1. Paganini
Conc. para violino e orquestra n° 1 em ré maior, op. 6
Allegro maestoso
Violino: Judith Ingolfsson
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

2. Bach
Concerto para dois violinos e cordas em ré menor, BWV 1043
Vivace
Violinos: Sandy Yamamoto e Soh-Hyun Park
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

3. Dvorák
Concerto para violoncelo e orquestra em si menor, op. 104
Finale. Allegro moderato
Violoncelo: Leonardo Altino
Orquestra Sinfônica Virtuosi, regida por Rafael Garcia

Piazzolla
4. Adiós Nonino
5. Concierto para un quinteto
Copenhagen Ensemble e cordas da Orquestra Virtuosi

6. e 7. Gilles Apap & The Colors of Invention
Violino: Gilles Apap
Acordeom: Myriam Lafar
Baixo: Phillipe Noharet

BAIXE AQUI

CVL

24 comments / Add your comment below

  1. Olá Villa!
    Entrei aqui apenas para uma braço de para flicitá-lo pelo excelente comentário analítico que você fez sobre as obras postadas.
    Não vou baixá-las porque todo mundo já tem por aqui.
    No entanto, subscrevo totalmente suas aprecisações sobre as obras postadas e sobre os respoectivos compositores.

  2. Uma repostagem desses discos seria muito bem vinda. São discos raros e fora do circuito comercial. Eu e diversos amigos temos grande interesse em baixá-los. Agradecimentos antecipados. Ramires

  3. Pessoal, esses discos não podem cair no esquecimento. Sei que são muito ocupados preparando coisas boas para baixarmos, mas, por favor, quando tiverem um tempinho sobrando, revalidem os links…

    Abraços e sorte a todos, e que este ano seja de muitas postagens como essa..

  4. Vejam os pobres e miseráveis senhores que lhes rogam piedade e compaixão! Estes discos precisam circular, e isso depende de vocês!

    UM GRANDE ABRAÇO!
    E REATIVEM OS LINKS POOOOOOOOOOR FAVOR!

Deixe uma resposta