Franz Berwald (1796-1868): Sinfonia Nº 3 “Singular”, Nº 4 e Concerto para Piano

Um dia, estava dirigindo para o trabalho e a Sinfonia Singular começou a tocar na rádio da UFRGS. Cheguei a meu destino ao final do primeiro movimento e não consegui sair de dentro do carro até o final. Eu simplesmente TINHA que saber o que era aquilo. Era 1989. Então, o locutor anunciou Franz Berwald? Berwald? Who the fuck is Berwald? Importei um vinil alemão e, com a Singular, veio este notável Concerto para Piano que também há neste CD da Naxos.

Fiquei meio abobalhado. Depois conheci o Septeto (que logo pretendo postar) e outras obras igualmente muito boas. A magia quebrou-se com os Poemas Sinfônicos, que não chegam aos pés das sinfonias e das obras de câmara que possuo.

Mas o que importa é que — sério! — este é um dos melhores CDs que tenho. É absolutamente inesperado e surpreendente. O sueco Berwald pode não ter sido constante, mas quando acertava uma obra, acertava mesmo. Não deixem de ouvir com atenção a Singular. É música de primeiríssima linha. O primeiro movimento é irresistível e o resto não lhe fica muito atrás. Pois é, Berwald era um mestre!

AB-SO-LU-TA-MEN-TE IM-PER-DÍ-VEL !!!!

Berwald: Symphonies No. 3 (“Sinfonie singulière”) & 4; Piano Concerto in D Major

1. Symphony No. 3 in C major, “Sinfonie singulière”: I. Allegro fuocoso 11:47
2. Symphony No. 3 in C major, “Sinfonie singulière”: II. Adagio – Scherzo: Allegro assai – Adagio 9:02
3. Symphony No. 3 in C major, “Sinfonie singulière”: III. Finale: Presto 8:25

4. Piano Concerto in D major: I. Allegro con brio 9:27
5. Piano Concerto in D major: II. Andantino 5:14
6. Piano Concerto in D major: III. Allegro molto 6:06

7. Symphony No. 4 in E flat major, “Sinfonie naive”: I. Allegro risoluto 8:54
8. Symphony No. 4 in E flat major, “Sinfonie naive”: II. Adagio 6:33
9. Symphony No. 4 in E flat major, “Sinfonie naive”: III. Scherzo: Allegro molto 5:32
10. Symphony No. 4 in E flat major, “Sinfonie naive”: IV. Finale: Allegro vivace 6:36

Niklas Sivelöv, piano
Helsingborg Symphony Orchestra
Okko Kamu

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Matthew Locke (ca. 1621 – 1677) – Consort of Fower Parts

Um belo disco de música elisabetana com o Fretwork.

Locke – Consort of Fower Parts

Suite Nº 1
1. Fantasie
2. Courante
3. Ayre
4. Sarabande

Suite Nº 2
5. Fantasie
6. Courante
7. Ayre
8. Sarabande

Duo Nº 1
9. Fantasie
10. No. 1 in C major / C minor: Fantasie
11. No. 1 in C major / C minor: Courante
12. No. 1 in C major / C minor: Fantasie
13. No. 1 in C major / C minor: Fantasie
14. No. 1 in C major / C minor: Sarabande

Suite Nº 3
15. Fantasie
16. Courante
17. Ayre
18. Sarabande

Suite Nº 4
19. Fantasie
20. Courante
21. Ayre
22. Sarabande

Duo Nº 2
23. No. 2 in D major / D minor: Fantasie
24. No. 2 in D major / D minor: Fantasie
25. No. 2 in D major / D minor: Courante
26. No. 2 in D major / D minor: Fantasie
27. No. 2 in D major / D minor: Fantasie
28. No. 2 in D major / D minor: Sarabande

Suite Nº 5
29. Fantasie
30. Courante
31. Ayre
32. Sarabande

Suite Nº 6
33. Fantasie
34. Courante
35. Ayre
36. Sarabande

Fretwork

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Narciso Yepes – Guitarra Española – CD 1 de 5

Dando continuidade à série dedicada à música espanhola, trarei os cinco cds que fazem parte da coleção “Guitarra Española”, uma caixa que considero indispensável para os fãs do instrumento e do excepcional músico que foi Narciso Yepes, um verdadeiro mestre do instrumento.

Este primeiro cd é mais ‘didático’, digamos assim. Traz os 10 Estudios, de Fernando Sor, e principalmente, a magnífica “Suíte Española”, de Gaspar Sanz, além de outras obras.
Mano PQP já botou uma bela biografia deste gigante do violão em postagem anterior..
Chega de falar e vamos ao que interessa:

Gaspar Sanz – Suite Española, Alonso Mudarra – Fantasia que contrahaze la harpa en la manera de Ludovico, Luis de Narváez – Diferencias sobre ‘Guardame las vacas’, Antonio Soler – Sonata in E major, Fernando Sor – 10 estudios

01 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Espanoleta
02 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Gallarda y Villano
03 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Danza de las hachas
04 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Rujero y Paradetas
05 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Zarabande al ayre espanol
06 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Passacalle
07 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Folias
08 Gaspar Sanz; Suite Espanola; La Minona del Cataluna
09 Gaspar Sanz; Suite Espanola; Canarios
10 Alonso Mudarra; Fantasia que contrahaze la harpa en la manera de Ludovico
11 Luis de Narváez; Diferencias sobre ‘Guardame las vacas’
12 Antonio Soler; Sonata in E major
13 Fernando Sor; 10 estudios; en do minor op 35 no 14 (C minor)
14 Fernando Sor; 10 estudios; en do mayor op 29 no 5 (C major)
15 Fernando Sor; 10 estudios; en la mayor op 6 no 2 (A major)
16 Fernando Sor; 10 estudios; en re menor op 35 no 16 (D minor)
17 Fernando Sor; 10 estudios; en si menor op 35 no 22 (B minor)
18 Fernando Sor; 10 estudios; en si mayor op 35 no 21 (B mayor)
19 Fernando Sor; 10 estudios; en mi menor op 6 no 11 (E minor)
20 Fernando Sor; 10 estudios; en do sostenido mayor op 35 no 19 (C sharp major)
21 Fernando Sor; 10 estudios; en fa mayor op 29 no 14 (F major)
22 Fernando Sor; 10 estudios; en si bemol mayor op 31 no 22 ( B flat major)
23 Fernando Sor; Tema con variaciones op 9 (on a theme from Mozart’s ‘The Magic Flute’)

Narciso Yepes – Violão

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HER

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Luto

El Cuervo Lopez morreu. Viveu apenas 43 anos. Fiquei muito triste. Espero que Fernando e os outros dois da equipe mantenham aquele incrível blog de todos os amantes de Mahler-Shosta e mais.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio – Bill Evans Trio, Explorations :.

An article in a men’s magazine once suggested an exercise regimen that consisted of a walk to the local record store to buy one Bill Evans CD every day. That way you would not only be in better shape, but you would also have a great collection of piano jazz as well. It’s an established fact that Evans revolutionized the sound of the piano trio; you can bet that every pianist who ever worked the hotel lounge circuit has worn out the grooves listening to his records. However, unlike the cocktail tinklings of his admirers that end up little more than background music, Evans demands to be heard, seducing you with his indelibly emotional playing. Most aficionados would agree that his trio records with Scott LaFaro on bass are his best, and the natural place for a novice to start.

Explorations is the second outing by this trio and took almost a year to record after Portrait in Jazz, the album that won him such great critical acclaim. Evans conceptualized the trio as exactly that—a trio, where each member contributed equally to the whole. It works marvelously: LaFaro’s nimble bass playing and Motian’s drumming provide a relaxed, rhythmic underpinning for Evan’s graceful chords. The trio works magic here, breathing fresh air into standards such as “How Deep and the Ocean?” and “Beautiful Love” and creating the illusion that these songs were written just so someone like Evans could play them. The highlight of the album is “Elsa,” which is one of the most beautiful piano ballads on record. Many would point to the later live recordings at the Village Vanguard as the essential Evans, but this earlier studio recording is quite a treat as well. David Rickert, All About Jazz

Bill Evans Trio – Explorations (320)
Bill Evans: Piano
Scott LaFaro: Bass
Paul Motian: Drums
Produzido por Orrin Keepnews para a Riverside

download – 118MB

01 Israel (Carisi) 6’10
02 Haunted Heart (Deitz, Dietz, Schwartz) 3’25
03 Beautiful Love [take 2] (H. Gillespie, King, Alstyne, Young) 5’04
04 Beautiful Love [take 1] 6:04
05 Elsa (Zindars) 5’09
06 Nardis (Davis) 5’49
07 How Deep is the Ocean? (Berlin) 3’31
08 I Wish I Knew (Warren, Gordon) 4’39
09 Sweet and Lovely (Arnheim, LeMare, Tobias) 5’52
10 The Boy Next Door (Martin, Blane) 5’06

Boa audição!

Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sobre Mozart

Talvez interesse..

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Pérotin (c. 1160-c. 1236) com o Hilliard Ensemble

É impossível descrever a maravilhosa interpretação que o Hilliard Ensemble dá ao genial Pérotin neste CD da ECM. Que vozes! Pouco se sabe a respeito do compositor, mas… Bem, ouçam.

Perotin

1 Viderunt Omnes
2 Veni Creator Spiritus
3 Alleluia Posui Adiutorium
4 O Maria Virginei
5 Dum Sigillum
6 Isaias Cecinit
7 Alleluia Nativitas
8 Beata Viscera
9 Sederunt Principes

The Hilliard Ensemble:
David James (Countertenor)
John Potter (Tenor)
Rogers Covey-Crump (Tenor)
Mark Padmore (Tenor)
Charles Daniels (Tenor)
Gordon Jones (Baritone)
Paul Hillier (Baritone)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cecilia Bartoli – Arie Antiche – 18th-Century Italian Songs

Mais um esplêndido CD de Cecilia Bartoli. Aqui, ela canta sem orquestra, apenas acompanhada do piano de György Fischer. O que poderia ser um problema não é. O piano, discreto e perfeito, serve para dar ainda maior realce à perfeição das interpretações de nossa querida Bartoli. Trata-se de uma verdadeira aula sobre árias antigas italianas. Bartoli nos dá técnica e paixão em quantidades cavalares. Como seus CDs sempre fazem o maior sucesso por aqui, nem vou escrever “imperdível” em maiúsculas e negrito.

Cecilia Bartoli – Arie Antiche – 18th-Century Italian Songs

1 (L’) Honestà negli amore
(Pietro) Alessandro (Gaspare) Scarlatti (1660 – 1725)

2 (La) Donna ancora è fedele – Son tutto duolo
(Pietro) Alessandro (Gaspare) Scarlatti (1660 – 1725)

3 (La) Donna ancora è fedele – Se Florindo è fedele
(Pietro) Alessandro (Gaspare) Scarlatti (1660 – 1725)

3 Pompeo
(Pietro) Alessandro (Gaspare) Scarlatti (1660 – 1725)

4 Spesso vibra per suo gioco
(Pietro) Alessandro (Gaspare) Scarlatti (1660 – 1725)

5 Caro mio ben
Tommaso Giordani (c1733 – 1806)

6 Arminio
Antonio Lotti (c1667-1740)

7 (I) casti amori d’Orontea
Antonio Cesti (1623 – 1669)

8 (L’)Amor contrastato, ‘La Molinara’
Giovanni Paisiello (1740 – 1816)

9 Nina, o sia La pazza per amore
Giovanni Paisiello (1740 – 1816)

10 O leggiadri occhi belli
Anonymous

11 Qual fiamma che m’accende
Alessandro Marcello (1684 – 1750)

12 Selve amiche
Antonio Caldara (c1670 – 1736)

13 Sebben crudele me fai languir
Antonio Caldara (c1670 – 1736)

14 (Le) nuove musiche
Giulio Caccini (c1545 – 1618)

15 Nuove musiche e nuova maniera de scriverle
Giulio Caccini (c1545 – 1618)

16 Se tu m’ami
Alessandro Parisotti (1835 – 1913)

17 (Il) Zingari in fiera
Giovanni Paisiello (1740 – 1816)

18 Giasone
(Pietro) Francesco Cavalli (1602 – 1676)

19 Sposa son disprezzata
Antonio (Lucio) Vivaldi (1678 – 1741)

20 Vittoria, mio core!
Giacomo Carissimi (1605 – 1674)

Cecilia Bartoli (Mezzo soprano)
György Fischer (Piano)
Recording: Mozart Saal,Konzerthaus, Vienna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alberto Nepomuceno (1864-1920) – Sinfonia em Sol Menor

fora de catálogoAs tonalidades menores de uma maneira geral, são tristes e melancólicas. Se prestarmos atenção em algumas obras em tonalidade menor, poderemos perceber que mesmo as partes mais vigorosas, não são alegres e sim, dramáticas e/ou trágicas. E ainda que possamos identificar passagens alegres, com certeza, serão encontradas em modulações para tonalidades maiores (alegres e jocosas), muito comuns em qualquer composição de maior fôlego.

A Sinfonia em Sol Menor é uma obra vigorosa, lírica e essencialmente dramática, bem típica dos compositores românticos nacionalistas.

A Sinfonia em Sol Menor é a principal obra sinfônica de Nepomunceno. Teve sua estreia em 1º de agosto de 1897, em um concerto que incluia a obra Batuque (obra que faz parte da Série Brasileira aqui já postada), causadora de enorme polêmica junto aos críticos e acadêmicos por utilizar o reco-reco dentro do corpo sinfônico.

***

Alberto Nepomuceno: Sinfonia em Sol Menor

01 Allegro (com entusiasmo) 7:46
02 Andante Quasi Adagio 9:24
03 Presto 5:59
04 Con Fuocco 5:43

Orquestra Sinfônica Brasileira
Regente: Edoardo de Guarnieri
Gravado ao vivo no Teatro Municipal de São Paulo

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (39,2 MB – 192 KBPS)

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Henri Dutilleux (1916- ) – Sur le même accord, nocturne for violin & orchestra. Bela Bartok (1881-1945)- Violin Concerto (No. 2) in B minor, Sz. 112, BB 117, Igor Stravinsky (1892-1971)- Violin Concerto in D major – Anne-Sophie Mutter

Excepcional cd de minha musa, a violinista alemã Anne-Sophie Mutter, que toca um repertório dedicado ao século XX. E que repertório. E que violinista… e que baita CD.

A primeira obra, de Henri Dutilleux, foi a ela dedicada pelo próprio compositor, e mostra a excepcional técnica da alemã, numa obra de difícil execução. Ela nesta obra é acompanhada pelo grande Kurt Masur frente à Orchestra Nationale de France.

A segunda obra é o conhecidíssimo Concerto nº2 para Violino e orquestra de  Béla Bartok, já postado aqui no blog com outros intérpretes, inclusive com a magnífica Viktoria Mullova. Novamente Mutter mostra a sua competência e técnica, e nos brinda com uma interpretação impecável.Atençao especial ao andante tranquilo, com as cordas da Sinfônica de Boston fazendo um belíssimo trabalho, claro que sempre com a regência de Seiji Ozawa.

A terceira obra é outra obra conhecida daqui do blog, o Concerto para Violino de Stravinsky, e também já postado aqui com a mesma Viktoria Mullova. Não vejo necessidade de fazer as devidas comparações, pois o que importa é que são leituras recentes de obras importantíssimas do repertório violinístico, e executadas por duas das principais violinistas do final do século XX e início deste século XXI. Nesta obra, Mutter é acompanhada pela London Philharmonia Orchestra, sob a regência de Paul Sacher.

Espero que apreciem. Os clientes da amazon foram unânimes em dar 5 estrelas para este cd.

Henri Dutilleux – Sur le même accord, nocturne for violin & orchestra
01. Henry Dutillieux – Sur le meme accord (Nocturne for Violin and Orchestra)

Anne-Sophie Mutter – VIolin
Orchestra Nationale de France
Kurt Masur – Conductor

Bela Bartok – Violin Concerto (No. 2) in B minor, Sz. 112, BB 117
02. Bela Bartok – Violin Concerto (No. 2) in B minor, Sz. 112, BB 117 I. Allegro non troppo
03. II. Andante tranquillo-Allegro scherzando-Tempo I
04. III. Allegro molto

Anne-Sophie Mutter – VIolin
Boston Symphony Orchestra
Seiji Ozawa – Conductor

Igor Stravinsky – Violin Concerto in D major
05. Igor Stravinsky – Violin Concerto in D major I. Toccata
06. II. Aria I
07. III. Aria II
08. IV. Capriccio

Anne-Sophie Mutter – Violin
London Philharmonia Orchestra
Paul Sacher – Conductor
Anne-Sophie Mutter – Violin

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Feliz Aniversário Igor Stravinsky!!!!!!!!!

Stravinsky pintado por Jacques-Emil

Stravinsky pintado por Jacques-Emil

***

Conheci a música de Igor Stravinsky em meados de 1987, quando procurava desperadamente por discos de vinil de música clássica. Até então só tinha escutado música barroca, com Bach, Handel e Vivaldi e música clássica, com Mozart e Beethoven.
Certa vez cheguei em um daquelas pessoas lendárias que trabalhavam em suas residênciais com discos raros e deparei-me com um álbum com a obra Petruchka, com a Orquestra Sinfônica de Minessota e com Stanislaw Skrowaczewski na regência.
Esse disco fazia parte daquelas coleções de música erudita da Abril Cultural, Mestre da Música. Era uma espécie de álbum-livro, muito bonito por sinal, sinto saudades daqueles álbuns.
Depois de negociar muito, acabei conseguindo trocar 5 discos meus (nem lembro mais quais, mas com certeza não eram clássicos) por este álbum com Petruchka.
Estava louco para chegar em casa, “seco”, ansioso para ouvir a música daquele “novo” compositor. Quando cheguei no portão para entrar em minha casa que ajeitei o disco embaixo do braço para abrir o portão, o disco pulou fora da capa e estatelou-se no chão. Puxa, fui lá em cima e voltei. Apanhei o disco tão rapidamente que acho que acabei piorando a situação dele. Um dos lados tinha ficado muito arranhado. Depois de tentar limpar de todas as formas possíveis, acabei colocando o disco pra rolar e nos primeiros minutos, meus ouvidos acostumados com as músicas “certinhas” dos períodos, barroco e clássicos, estranharam aqueles sons. Fiquei perplexo, meus ouvidos ainda não estavam preparados pr’aquela música esquisita e dissonante e olha que nem era a Sagração da Primavera, mas escutei todo o lado intacto do disco e o que deu pra escutar do outro. A título de curiosidade, o lado intacto era o dos dois últimos quadros. Realmente eu não tinha gostado da música e corri desesperadamente na casa de uma prima que tinha uns 7 discos da coleção Mestre da Música pra ver se conseguia “empurrar” nela o malfadado disco. Pretendia trocar pelo disco que tinha as Quatro Estações de Vivaldi. Não deu pra “engabelar” a minha  esperta prima, pois logo ela percebeu que o disco pulava demais e a música também não tinha agrado muito a seus ouvidos também despreparados. Acabei me livrando do disco através de outra troca desleal com o mesmo malaca de quem eu tinha adquirido o álbum.
Alguns anos de passaram e eu continuava a ouvir música barroca, música clássica e no máximo, música romântica, mas aquelas melodias stravinskyanas que eu tinha ouvido no máximo duas vezes, insistiam em ecoar na mínha cabeça. Os trechos que mais me enlouqueciam o juízo eram o do início do balé, ou seja, a Feira de Carnaval e a Cena da Feira de Carnaval à Noite. Quando não aguentei mais os assédios da obra na minha cabeça, comecei a tentar, desesperadamente, recuperar essa obra. Visitei alguns desse caras que negociavam discos, procurei em lojas, encontrava muitas outras obras (e foi assim que tive contato com a Sagração da Primavera), mas não encontrava Petruchka. A procura pela obra de Stravinsky abriu-me as portas para muitos outros compositores, sobretudo Bartok, Ravel e até mesmo Villa-Lobos.

Até que em um belo visitando um amigo, vi a coleção de discos clássicos do pai dele e me deparei novamente com Petruchka, com a orquestra Sinfônica de Londres na regência de Charles Dutoit e Tamas Vasary no piano, não era a mesma coisa, mas fiquei muito feliz. Quando eu já tinha desistido de procurar aquele álbum da coleção Mestres da Música, já nem escutava mais os meus vinis, pois a nova tecnologia –  o cd, já dominava o mercado, entrei numa loja de discos e cds usados e encontrei não só o álbum Petruchka, mas também o da Sagração da Primavera, ambos da mesma coleção Mestres da Música e que ainda hoje guardo com muito carinho.

Stravinsky é sem dúvida, na minha opinião, o maior compositor de todos os tempos.

Feliz Aniversário Stravinsky, com certeza, a música nunca mais foi a mesma depois de você!!!!

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Jakob Walther (1650-1704): Hortulus Chelicus Mainz, 1688

A sucessão de grandes discos que postei esta semana — fiz todas as postagens no último domingo e programei para que os CDs entrassem a cada meio-dia (à exceção de sexta-feira, dia para o qual já havia um CD de CVL programado) –, é fechada com uma tremenda surpresa. Sim, claro, sei que todos vocês conhecem Walther, mas talvez não conheçam este trabalho de absurda beleza do Les Plaisirs du Parnasse sob a direção de David Plantier. A Passagagli, além da Serenata a un Coro di violini, Organo tremolante, Chitarrino, Piva, Due Trombe e Timpani, Lira todesca e Harpa smorzata per un violino Solo são obras que mereceriam estar no repertório de todos conjuntos que se dedicam ao barroco alemão. Confiram.

Há poucas informações sobre Johann Jacob Walther. Entre 1670 e 1674, ele foi violinista na capela dos Medici, em Florença. Em 1674, tornou-se mestre de concerto do Tribunal de Dresden (?). Em 1680, com a morte de seu benfeitor, ele foi secretário do tribunal eleitoral de Mainz (?) e sacerdote (?!). Walther tinha especial orgulho deste Hortulus chelicus 1688 que ora posto (segunda edição em 1694 com o título Wohlgepflanzter violino Lustgarten). Sem a menor modéstia, Walther, no prefácio da obra, menciona seu orgulho pelo excelente e diversificado trabalho que fizera. Tinha razão.

IMPERDÍVEL!!!!

Johann Jakob Walther: Hortulus Chelicus Mainz, 1688

1-5 – Suite No.9 in C minor

6-9 – Suite No.8 in E major

10 – Aria No.14 in G minor

11-16 – Suite No.6 in B minor

17-21 – Suite No.20 in E minor

22-28 – Serenata a un Coro di violini, Organo tremolante, Chitarrino, Piva, Due Trombe e Timpani, Lira todesca e Harpa smorzata per un violino Solo No.28 in D major

29 – Passagagli No.7 in D minor

Les Plaisirs du Parnasse
David Plantier, violon & direction

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Léos Janacek (1854-1928) – Glagolitic Mass – The Diary of One Who Disappeared – Kubelik

Eu já havia prometido essa obra há algum tempo atrás, mas por motivos vários, a prorroguei. Na verdade, eu procurava por esta versão, que havia visto na casa de um amigo há alguns anos atrás, ainda em vinil, diga-se de passagem.
O texto abaixo foi retirado da Wikipedia:
The term “Glagolitic” refers to the Glagolitic alphabet, the earliest alphabet used by the Slavs, and not to the texts used for the mass, as Janáček seems to have believed.[citation needed]
The five vocal movements correspond to the Catholic ordinary of the mass (minus “dona nobis pacem” in the Agnus) and in fact the work began as a Latin setting of the Kyrie, Agnus, and Credo for organ and chorus. This early version survives because it was used as a dictation exercise for Janáček’s composition students in 1908.[2]
Janáček had extensive experience working with choirs, as well as writing a large amount of choral music, and this work is his finest in the genre. It begins and closes with triumphant fanfares dominated by the brass. In between these sections lies particularly vibrant and rhythmic writing for voices (soloists as well as choir). Before the closing Intrada, Janáček introduces a dramatic organ solo of considerable originality — a perpetuo moto of wild energy. Janáček’s Glagolitic Mass is considered one of the century’s masterworks and is frequently performed and recorded today.
Janáček was a strong supporter of pan-Slavism, and this mass has been viewed as a celebration of Slavic culture. It is also, unsurprisingly, connected to Kamila Stösslová, Janáček’s great love.

A segunda obra que acompanha este cd era para mim até então desconhecida. Eis o texto wikipedia:

On May 14th, 1916, were in the Lidové noviny newspapers published verses titled “From a Pen of the Self-taught Writer”. This “diary in poems” depicts a story of a village boy who had fallen in love with the young gipsy girl Zefka (Žofka), and who had decided to leave his family and village with her. The verses made a deep impression on Leoš Janáček (cooperator of Lidové noviny in that time), and he decided to rework the poems into the song cycle. He created a work in twenty-two parts, accompanied also with scenic demands. The cycle was composed during August 1917 and June 1919, the last modifications Janáček finished in December 1920. The composer created the work simultaneously with other compositions.

The composition was inspired and influenced by the Janáček’s friend and late love Kamila Stösslová. Janáček expressed his inclination in the letters to Stösslová, and he mentioned even the inspiration for the character of the gipsy girl Zefka: “…And the black gipsy girl in my Diary of One Who Disappeared – that was you. That´s why there´s so much emotional fire in the work. So much fire that if we both caught on, we´d be turn into ashes. …And all through the work I thought of you! You were my Žofka. Žofka with a child in her arms, and he runs after her!…”[1].

The Diary was premiered at the Reduta Theatre in Brno on 18 April 1921 under the title TheDiary of One Who Disappeared and Never Heard of Again, the end of the title was later crossed out. The tenor part was performed by Karel Zavřel, alto by Ludmila Kvapilová-Kudláčková, and piano part played Janáček’s student, pianist and conductor Břetislav Bakala.

O maestro Rafael Kubelik nasceu na antiga Bohemia, que na época pertencia ao Império Austro-Húngaro, hoje pertencente a República Tcheca. Fugiu do regime comunista ainda nos anos 50 e logo se estabeleceu como um grande maestro frente às principais orquestras do mundo. Sugiro a leitura do arquivo em .pdf que acompanha o arquivo.

P.S. – Um leitor reclamou que a faixa 8 estava com defeito. Infelizmente não estou podendo upar novamente todo o arquivo, por isso, estou colocando aí embaixo apenas  a faixa corrigida.

1. Glagolitic Mass – 1. Uvod (Introduction)
2. Glagolitic Mass – 2. Gospodi pomiluji (Kyrie)
3. Glagolitic Mass – 3. Slava (Gloria)
4. Glagolitic Mass – 4. Veruju (Credo)
5. Glagolitic Mass – 5. Svet (Sanctus)
6. Glagolitic Mass – 6. Agnece zij (Agnus Dei)
7. Glagolitic Mass – 7. Varhany solo (organ solo)
8. Glagolitic Mass – 8. Intrada

Evelyn Lear – Soprano
Hilde Rössel-Majdal – Alt
Ernst Haefliger – Tenor
Franz Crass – Bass
Bedrich Janacek – Organ
Choir und Symphonieorchester des Bayerischen Rundfunk

9. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 1. “Traf eine junge Zigeunerin”/”One day I met a gypsy girl” (Tenor)
10. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 2. “Ist sie noch immer da”/”That black-eyed gypsy girl” (Tenor)
11. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 3. “Wie der Glühwürmchen Spiel”/”Throug the twilight glow-worms” (Tenor)
12. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung Max Brod – 4. “Zwitschern im Nest schon die Schwalben”/”Already swallows are” (Tenor)
13. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 5. “Heut ist’s schwer zu pflügen”/”Weary work is ploughing” (Tenor)
14. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 6. “Heissa, ihr grauen Ochsen!”/”Hey, There my tawny oxen” (Tenor)
15. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 7. “Wo ist das Pflöcklein hin”/”I’ve got a loose axie” (Tenor)
16. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 8. “Seht nicht, ihr Öchselein”/”Don’t look; my Oxen” (Tenor)
17. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 9. ” Sei willkommen, Jan”/” Welcome, my handsome one” (Alt, Tenor, Chor)
18. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzng: Max Brod – 10. “Gott dort oben, mag”/”Go all-powerful, God eternal” (Alt, Chor)
19. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 11. “Vor der Heidin Wangen”/”From the rip’ning Cornfield” (Alt, Tenor)
20. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 12. “Dunkler Erlenwald”/”Forest’s shady height” (Tenor)
21. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 13. Piano Solo
22. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 14. “Sonn’ ist aufgegangen”/”See how high the sun is!” (Tenor)
23. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 15. “Meine grauen Ochsen”/”Now my tawny oxen” (Tenor)
24. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 16. “Was hab’ ich da getan?”/”What has come over me?” (Tenor)
25. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 17. “Flieh, wenn das Schicksal ruft”/”Who can escape his fate” (Tenor)
26. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 18. “Nichts mehr denk ich”/”Nothing matters now” (Tenor)
27. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 19. “Wie die Elster wegfliegt”/”See that thieving magpie” (Tenor)
28. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 20. “Hab’ ein Jüngferlein”/”Now she bears my child” (Tenor)
29. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 21. “Vater, dam Tag’ fluch ich”/”Father, how wrong you were” (Tenor)
30. The Diary of One Who Disappeared – Übersetzung: Max Brod – 22. “Leb denn wohl, Heimatland”/”Then farewell, dearest land” (Tenor)

Kay Griffel – Alt
Ernst Haeflgier – Tenor
Frauenchoir / Women´s Choir
Rafael Kubelik – Piano / Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FAIXA 8 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. The Cracow Klezmer Band – De Profundis [2000]

Dizem que isso é música Radical da Cultura Judaica. Duvido muito. O radicalismo deles é muito bem comportado. A Cracow Klezmer Band é um quarteto de jovens poloneses de formação clássica que tocam música, digamos, étnica. Seus trabalhos são sobre a música judaica, mas também sobre a dos Bálcãs, a dos ciganos, a do Nuevo Tango, etc. Sim, são esquisitos pacas. Alguma energia — bem menos do que o esperado para quem conhece Bregovic e assemelhados –, longas melodias, ritmo e intrincadas linhas de instrumentos acústicos (2 acordeões, baixo, violino, clarinete e percussão) fazem a música do Klezmer. Vale a pena aventurar-se. Nem que seja para ouvir novos timbres…

:: auf, auf! link revalidado por Blue Dog em nov/2011. o disco é lindo! mais do que klezmer, é uma exploração (até bastante sombria) da música judaica, e cabe perfeitamente na série onde saiu, a Radical Jewish da Tzadik. apesar do que o nome indica, é música exploratória, ô PQP! : D

The Cracow Klezmer Band – De Profundis [2000]
Jaroslaw Tyrala – violin
Jaroslaw Bester – accordion
Oleg Dyyak – accordion, clarinet, percussion
Wojciech Front – double bass

1. Balkan Dance
2. Sher
3. De Profundis
4. Devil Circle
5. Awaiting
6. Aide Jano
7. Secrets of Life

download – 113MB /mediafire [320]

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brahms – Schoenberg: Quarteto para Piano, Op. 25 (Arranjo para Orquestra)

Na minha opinião, trata-se do melhor Quarteto para Piano já escrito. E Schoenberg arranjou-o para orquestra, assim como fez com prelúdios de Bach e muitas outras obras. Afora o luxuoso tratamento que lhe dá Schoenberg, a música de Brahms é de primeiríssima linha, coisa de louco mesmo. Não deixem de ouvir.

IMPERDÍVEL!!!

Brahms – Schoenberg: Quarteto para Piano, Op. 25 (Arranjo para Orquestra de Arnold Schoenberg)

1. Piano Quartet in G Minor, Op. 25 – Allegro 13:42
2. Piano Quartet in G Minor, Op. 25 – Intermezzo (Allegro, ma non troppo) 8:40
3. Piano Quartet in G Minor, Op. 25 – Andante con moto 10:18
4. Piano Quartet in G Minor, Op. 25 – Rondo alla zingarese 8:53

Baltimore Symphony Orchestra
Sergiu Comissiona

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Resposta ao Luiz Alberto Amorim

Recebemos este comentário de um deficiente visual.

Cóé PQP!!! Tô com a CPSM q vc botou aí, e acabei de pegar as 4 suites aí… Pô: queria muito compor a comunidade aí, mas o código obrigatório me exclui… Meu leitor de telas não entende isso como um texto, sacó é? Assim q tiver um olho perto de mim faço isso, e boto umas paradas maneiras q tenho aí. Brigadão por sua moral pra nóis aí, PQP.

Ele lê o blog através de um leitor de telas, o qual deve reconhecer os caracteres, formar as palavras e ler para ele em voz alta. Quando aparece algum desenho, o Luiz Alberto fica sem entender nada. Mas ONDE ESTÁ AQUILO ATRAPALHA SUA LEITURA OU COMENTÁRIOS? Não sei. Alguém tem alguma ideia do que seja?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Evan Parker & Transatlantic Art Ensemble – Boustrophedon (2008)

Na minha opinião, uma obra-prima do jazz contemporâneo. Jazz? Será mesmo? Não será erudito? Estranhamente, fiquei entusiasmadíssimo ouvindo este CD em iPod, na rua. Tal entusiasmo diminuiu um pouco quando o ouvi em casa. Quem sabe é algo para se ouvir com som muito alto? Pode ser. A faixa que mais me deixou feliz foi talvez a menos erudita, Furrow 6, de tema espetacularmente jazzistíco.

O primeiro comentarista que apareceu na Amazon escreveu imensos e merecidos elogios ao trabalho.

By greg taylor (Portland, Oregon United States)
(TOP 500 REVIEWER)
Some of us have been looking forward to this release for a year or two. This is a companion volume to ECM’s Roscoe Mitchell release “Improvisations Nos. 1,2&3”. Both that release and Boustrophedron were recorded in September, 2004 at concerts in Munich. They both feature the Transatlantic Art Ensemble which is made up of long-time associates of the two principles, Mitchell and Parker. The personel is as follows:

Evan Parker- soprano saxophone
Roscoe Mitchell- soprano and alto sax
Anders Svanoe- alto sax
John Rangecroft- clarinet
Neil Metcalfe- flute
Corey Wilkes- trumpet, fluegelhorn
Nils Bultmann- viola
Phillip Wachsmann- violin
Marcio Mattos- cello
Craig Taborn- piano
Jaribu Shahid, Barry Guy- double bass
Tani Tabbal, Paul Lytton- drums and percussion.

I want to offer some basic info about the structure of Parker’s piece and then a few comments on the music. My remarks on the structure of the piece are based on Steve Lake’s excellent liner notes.

Boutrophedon is from Greek and means “turning like an ox while ploughing”.

This sort of left to right then right to left movement seems to have suggested to Parker a grouping of musical analogies including that of the improvisor emerging from the written score and then returning to it.

Structurally, the music has eight parts. The very brief Overture is followed by six ‘Furrows’ each of which is structured around a pair of musicians, one from each side of the Transatlantic Art Ensemble. The Finale is then centered around a sequence of individual cadenzas.

The first Furrow features flute and piano, the second viola and violin, the third cello and the alto sax of Svanoe, the fourth clarinet and trumpet, the fifth Furrow is for both bassists and the sixth Furrow features first Parker on soprano and then Mitchell tearing it up on alto.

After that last furrow, the Finale’s cadenzas seem relatively calm until the final orchestral chords.
A couple of remarks. Apparently, Parker conducts throughout but Mitchell also conducts from the Furrow 4 on (if I understand the liner notes correctly). This was to add another level of unpredictability to the way the musicians contributed to the piece. I am not sure I can hear any difference but I would be interested to hear from others if they do.

Some of the musicians on this recording simply leave you no choice but to be awed. Taborn is outstanding both supporting soloists and as an individual voice. Wilkes on Furrow 4 is a delight. His feature is played largely muted (I think) and he is a master of the trumpeter’s craft of tone manipulation. I need to see if I can find some CDs where he is the leader. Furrow 6 featuring Parker and Mitchell is the most typically jazzy part of the recording. They are both fierce but the way Mitchell charges in about ten seconds after Parker fades to silence is a superb moment crafted by both men.

My fellow reviewer, R. Hutchinson, thought in his review of the Mitchell piece that it could have done with more rehersal time for everyone in the band to get to know each other. I know exactly what he means. I felt the same thing about the recording featuring the Italian Instabile Orchestra recording with Cecil Taylor. But I do believe that there are moments aplenty on all three CDs to delight the listener. Parker, Mitchell and Taylor are rare birds- musical creators that work in a million different directions. Each man has over fifty years of creative effort and learning behind everything they do. Give this recording a listen, see what you get out of Parker’s efforts. For myself, I have enjoyed it immensely.

Evan Parker – Boustrophedon

1. Overture (1:21)
2. Furrow 1 (8:09)
3. Furrow 2 (5:46)
4. Furrow 3 (11:07)
5. Furrow 4 (5:21)
6. Furrow 5 (8:20)
7. Furrow 6 (12:52)
8. Final (6:19)

Evan Parker: soprano sax
Roscoe Mitchell: alto sax, soprano sax
Anders Svanoe: alto sax
John Rangecroft: clarinet
Neil Metcalfe: flute
Corey Wilkes: trumpet, flugelhorn
Nils Bultmann: viola
Philipp Wachsmann: violin
Marcio Mattos: cello
Craig Taborn: piano
Jaribu Shahid: double-bass
Barry Guy: double-bass
Tani Tabbal: drums, percussion
Paul Lytton: drums, percussion

BAIXE AQUI -DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonin Dvorák – The Symphonies – Sinfonia nº9 “Novo Mundo”

Completando mais um ciclo, eis a Sinfonia nº9, de Antonin Dvorák. Já foi postada aqui com herr Karajan, mas sempre é bom ouvirmos outras opções, ainda mais com um especialista no repertório, Istvan Kertész.

O problema de postar integrais é o tempo que demanda. Já reclamei muito por aqui das correrias e agruras da vida, mas é uma realidade. Comentei que estava pensando em postar os quartetos do mesmo Dvorák, mas eles ficarão mais para frente, na atual conjuntura está impossível encarar esta empreitada.

Esta é a sinfonia mais famosa de Dvorák, também chamada de “Novo Mundo”, devido aos elementos que constam na obra, que lembram spirituals americanos.

Symphony No.9 in E minor, op.95 ‘Z Noveho Sveta’

01-Symphony No.9 in E minor, op.95 ‘Z Noveho Sveta’ – I. Adagio – Allegro Molto

02-Symphony No.9 in E minor, op.95 ‘Z Noveho Sveta’ – II. Largo

03-Symphony No.9 in E minor, op.95 ‘Z Noveho Sveta’ – III. Molto Vivace

04-Symphony No.9 in E minor, op.95 ‘Z Noveho Sveta’ – IV. Allegro con Fuoco

London Symphony Orchestra

Istvan Kértesz – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Marin Marais (1656 – 1728): Viol Music for the Sun King

Nosso SAC é estranho, às vezes obedece à solicitações que não lhe são feitas. Houve um comentário em minha última postagem que me fez lembrar deste CD. Ele me foi enviado a Ciço Villa-Lobos que me repassou ainda em janeiro… Penso que ele não o ouviu, pois me fazia a pergunta: isso é bom? Em nenhuma manhã do mundo podemos afirmar que um disco Marin Marais seja bom só de ler a relação de músicas e deixei-o em minha enorme fila de “CDs a ouvir”. Quando chegou sua vez, tomei um susto — é um monumento à música barroca francesa. Causou-me o maior entusiasmo este que é mais uma das maravilhas da Naxos. Gostei a ponto de encomendá-lo na Amazon, apesar de, vejam como são as coisas, o CD não estar muito bem avaliado no site da mesma.

Enfim, ouçam vocês e depois me digam se é biscoito fino ou gororoba. Claro que é biscoito fino!

MARAIS: Viol Music for the Sun King

Sonate a la Maresienne
1. I. Un peu grave – legerement – un peu gai 00:04:24
2. II. Sarabande 00:02:16
3. III. Tres vivement – gravement 00:03:45
4. IV. Gigue 00:02:06

Pieces de Violes, 3me livre: Suite in D major
5. I. Prelude 00:01:39
6. II. Fantaisie 00:00:46
7. III. Allemande 00:02:29
8. IV. Rondeau 00:02:16
9. V. Plainte 00:04:48
10. VI. Charivary 00:02:31

Pieces de Violes, 2de livre: Les Voix humaines
11. Les Voix humaines 00:06:30

Pieces en Trio: Suite in C minor
12. I. Prelude 00:03:06
13. II. Caprice 00:02:24
14. III. Passacaille 00:03:50

Pieces de Violes 1re livre: Tombeau de M. Meliton
15. Tombeau de M. Meliton 00:09:30

Pieces de Violes 2de livre: Couplets de folies
16. Couplets de folies 00:16:34

Ensemble(s): Spectre de la Rose

Total Playing Time: 01:08:54

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonin Dvorák – The Symphonies – Symphonies nº 7 e nº 8

Mais duas belíssimas sinfonias de Dvorák, para desespero do mano PQP. Mas, mano, o seu tormento está quase acabando.

E porque hoje é sábado, estou me dando ao luxo de estar postando esse cd, o penúltimo da série que, se o tempo permitir, pretendo concluir ainda neste final de semana. Confesso que estou vendo dobrado na tela do computador, e que estou teclando mais por instinto do que necessariamente por inspiração, algo, aliás, que me abandonou já há algum tempo. Por isso estes texto curtos, quasedp telegráficos. Mas estou ouvindo a sinfonia nº7. e posso garantir-lhes de que é uma beleza, sem dúvida alguma.

Então divirtam-se.

01-Symphony No.7 in D minor, op.70 – I. Allegro Maestoso

02-Symphony No.7 in D minor, op.70 – II. Poco Adagio

03-Symphony No.7 in D minor, op.70 – III. Scherzo Vivace – Poco Meno Mosso

04-Symphony No.7 in D minor, op.70 – IV. Allegro

05-Symphony No.8 in G major, op.88 – I. Allegro con Brio

06-Symphony No.8 in G major, op.88 – II. Adagio

07-Symphony No.8 in G major, op.88 – III. Allegretto Grazioso

08-Symphony No.8 in G major, op.88 – IV. Allegro ma non Troppo

London Symphony Orchestra

Istvan Kortész – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!