SENSACIONAL CONCURSO. GANHE PREMIOS NO P.Q.P. BACH!!

Os 9 CD’s da famosa coleção do Museu da Música de Mariana já foram postados.
Queremos agora compartilhar os respectivos livros de partituras originais com nossos ouvintes.
Um rico, exaustivo e dispendioso trabalho de 150 profissionais que durou 3 anos.

Fiquem ligados! Na quarta-feira, 04.11.09, às 19:00 horas lançaremos um “quiz” com 14 perguntas.
Os 7 primeiros que acertarem mais respostas receberão gratuitamente um dos livros de partituras pelo Sedex, além de uma noite com Mônica Bellucci num motel.
O concurso será acompanhado pelos auditores independentes da Bob Jefferson & Juíz Edilson Auditores Mui Honestos Ltda.
Os casos não previstos em nosso regulamento serão decididos pela comissão formada por Avicenna e sua consciência. Aqueles que reclamarem de suas justas decisões serão mandados à merda, sem direito à desagravo.

Veja o filme sobre estes livros de partituras no Youtube!

NÃO PERCAM!! NÃO É SEMPRE QUE TRATAMOS VOCÊS BEM!! FIQUEM LIGADOS!!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio: Christian McBride – Live at Tonic :.

Christian McBride é provavelmente o melhor baixista da sua geração — é um jovem, nasceu em 1972. Conquistou-me definitivamente com este disco, de um jazz ousado na forma, embora purista; mais tarde fui descobrir que McBride entrou com os dois pés no mundo do fusion e do groove. Neste Live at Tonic (NY) esta avenida é escancarada — o allaboutjazz diz o aponta como o melhor disco de funk jazz desde Agartha, de Miles Davis.

São três CDs que vão caminhando em direção à modernidade; o primeiro, principal, é fusion tradicional. No último há até DJs executando scratches enquanto os metais evocam tempos antigos de James Brown. Impossível não se deixar sorrir com as intervenções da plateia e imaginar a energia do show. Escandalize seus vizinhos tocando-o bem alto no dia de Finados que está chegando. É o que eu pretendo fazer. Quem quer ficar lamentando, que fique longe de mim!

Christian McBride – Live at Tonic /2006 [V2]

Christian McBride: acoustic and electric bass
Geoffrey Keezer: keyboards
Terreon Gully: drums
Ron Blake: tenor, baritone and soprano saxophones, flute
Charlie Hunter: guitar (CD 2)
Jason Moran: piano (CD 2)
Jenny Scheinman: violin (CD 2)
DJ Logic: turntables (CD 3)
Scratch: beatbox (CD 3)
Eric Krasno: guitars (CD 3)
Rashawn Ross: trumpet (CD 3)
Produzido por Andy Blackman Hurwitz e Christian McBride para a Rope-a-Dope

download (mediafire)
parte 1parte 2parte 3
(os pedaços estão compactados separadamente – pode baixar o primeiro e já sair escutando!)

download (rapidshare)
parte 1parte 2parte 3
(os pedaços estão compactados separadamente – pode baixar o primeiro e já sair escutando!)

CD 1 (10/01/2005)
01 Technicolor Nightmare
02 Say Something
03 Clerow’s Flipped
04 Lejos De Usted
05 Sonic Tonic
06 Hibiscus
07 Sitting on a Cloud
08 Boogie Woogie Waltz
CD 2 (10 e 11/01/2005)
01 See Jam, Hear Jam, Feel Jam
02 Out Jam/Give It Up or Turnit Loose
03 Lower East Side/Rock Jam
04 Hemisphere Jam
05 Bitches Brew
06 Out Jam/Via Mwandishi
07 Mwandishi Outcome Jam
08 The Comedown (LSD Jam)
CD 3 (11/01/2005)
01 E Jam
02 Ab Minor Jam
03 D Shuffle Jam
04 D Shuffle Jam (part 2)

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Amaral Vieira (1952) – Te Deum e Requiem in memoriam

Dá pra perceber que, mesmo aparecendo pouco, tenho estado bastante lacônico – isso devido aos meus afazeres profissionais. Fica difícil canalizar boas ideias, mesmo que curtas, para compartilhar com vocês.

Se não tenho preparado textos tão bacanas quanto antes, pelo menos tenho tentado compensar com algumas gravações solicitadas, tal qual esta. Mas pretendo dar um basta em Amaral Vieira ainda este ano, pois tem gente na fila. É porque os fãs do compositor paulista constituem uma claque garantida neste blog – ainda por cima, muito educada e muito entusiasmada.

Volto no dia 17 de novembro…

***

Amaral Vieira – Te Deum e Requiem in memoriam

1. Te Deum, Op.181: I. Te Deum Laudamus
2. Te Deum, Op.181: II. Te Ergo Quaesumus
3. Te Deum, Op.181: III. Aeterna Fac
4. Te Deum, Op.181: IV. Salvum Fac Populum
5. Te Deum, Op.181: V. In Te Domine Speravi
6. Requiem in Memoriam, Op.203: I. Introitus
7. Requiem in Memoriam, Op.203: Kyrie
8. Requiem in Memoriam, Op.203: II. Offertorium
9. Requiem in Memoriam, Op.203: III. Sanctus
10. Requiem in Memoriam, Op.203: Benedictus
11. Requiem in Memoriam, Op.203: IV. Agnus Dei

Solistas: Vladimir Kubovcik, Denisa Slepkovska, Adriana Kohutkova, Simon Somorjai
Orquestra Sinfônica Eslovaca, regida por Marian Vach

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Anacleto de Medeiros (1866-1907): Por Rogério Duprat

Um belíssimo e raro registro com algumas das mais importantes peças de Anacleto de Medeiros, com arranjos e regências de Rogério Duprat. Infelizmente o encarte do cd não informa a banda ou conjunto instrumental regido por Duprat.

Muitas páginas de Anacleto ficaram mais conhecidas pelas adaptações com letras de Catulo da Paixão Cearense, tendo os seus títulos modificados, como é o caso do famoso schotisch (xote) Yara, que passou a se chamar “Rasga o Coração”, sendo, ainda, usado por Villa-Lobos no seu Choros Nº 10.

Sobre o compositor

Anacleto de Medeiros foi um compositor carioca, filho de uma escrava liberta, que viveu, no Rio de Janeiro, na Ilha de Paquetá, na segunda metade do século XIX. Faleceu muito cedo, no início do século XX, vítima de colapso cardíado, com apenas 41 anos.

Anacleto foi aprendiz no Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro, ali estudando música com o mestre Antônio dos Santos Bocot. Aprendeu a tocar flautim e saxofone em uma banda de Paquetá. Aos 18 anos, matriculou-se no Conservatório de Música (depois Escola Nacional de Música), tornando-se aluno de clarineta de Antônio Luís de Moura, tendo Francisco Braga como colega. Aos 20 anos recebia seu diploma de “professor de clarineta”.

Fundou, com músicos da extinta Banda de Paquetá, o Recreio Musical Paquetaense, para o qual compôs cantos sacros, missas e um Te Deum, que foram cantados em diversas igrejas do Rio de Janeiro, principalmente Paquetá.

Em 1896, foi convidado pelo comandante interino do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, tenente-coronel Eugênio Jardim, para dirigir a banda da corporação, a ser formada. Nessa época, Anacleto, que contava 30 anos de idade, já tocava todos os instrumentos de sopro, desde a flauta, seu primeiro instrumento, ao sax-soprano, o predileto, e a tuba, que executava com perfeição.
A frente da Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Anacleto de Medeiros tornou-se um dos pioneiros da gravação em nosso país, realizando cilindros e discos de cêra para a Casa Edison do Rio de janeiro.

Solteiro, muito moço ainda, faleceu na rua Paquetá, a 14 de agosto de 1907. Seu túmulo, no cemitério de Paquetá, está abandonado e sua obra (cerca de cem páginas, entre elas obras-primas como Yara, Terna Saudade, Farrula, Implorando e Jubileu) é pouco frequentada.

Fonte: Encarte do CD

Mais informações sobre Anacleto de Medeiros e sua obra

.oOo.

Anacleto de Medeiros: Por Rogério Duprat

Obs.: Entre aspas, títulos das peças que tiveram adaptação de Catulo da Paixão Cearense

01 Os Bohêmios “O boêmio” (tango) 3:11
02 Três Estrelinhas “O que tu és” (polca) 4:13
03 Implorando “Palma de martírio” (xote) 1:41
04 Em Ti Pensando (polca) 2:43
05 Não Me Olhes Assim (xote) 2:07
06 No Baile (quadrilha) 3:25
07 Terna Saudade “Por um beijo” (valsa) 2:25
08 Yara “Raga o coração” (xote) 2:23
09 Carolina (polca) 2:25
10 Benzinho “Sentimento Oculto” (xote) 3:25
11 Nenezinha e Catitinha (polca) 3:09
12 Cabeça de Porco (xote) 2:07

Arranjos e regências de Rogério Duprat

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vixe, esqueci de te contar!

Vixe PQP, esqueci de te contar uma coisa engraçada que me aconteceu em São Paulo. Lá estava eu na fila da Sala São Paulo tentando conseguir ingressos para o Zubin Mehta (os quais eu não consegui), e encontro um grupo de amigos lá por perto. Minha amiga me apresenta para um desconhecido como Gilberto, que estuda composição. E não é que o cara vira e me pergunta:

— Gilberto Agostinho, aquele que publicou no PQP?

Tô ficando famoso graças a você.

Grande abraço,
Gilberto Agostinho (por e-mail)

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

BBC TV series – Great Composers – Johann Sebastian Bach

PQP, após sugestão de Gilberto Agostinho. Obrigado!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Baroque Duet: Battle & Marsalis

Para ratificar a minha característica de imprevisibilidade, depois de postar Piazzolla, ataco agora com algo totalmente diferente. Quero apresentar um singelo álbum com peças em estilo barroco de renomados compositores alemães e italianos, Baroque Duet.

Acho que já é notória a pouca apreciação que tenho pela música vocal, porém “dou meu braço a torcer” em relação a esta gravação. Gosto do álbum por inteiro, mas confesso que tenho uma quedinha especial pelas 4 faixas retiradas das 7 Arie con Tromba Sola de A. Scarlatti, realmente algo de beleza transcendental.

Ao contrário do álbum Bach: Árias para Soprano e Violino, com Battle e Perlman (já postado aqui no blog), em que o violino tenta rivalizar com a voz em peças essencialmente vocais, o mesmo não ocorre neste cd, em que o dueto se dá entre Battle e Marsalis, vocal e trumpete. Kathleen demonstra todo o seu virtuosísmo lírico em contraponto a espantosa técnica do não menos espetacular Wynton, sem digladiações de ego. As duas estrelas se fundem e se completam em uma perfeita harmonia. Um belíssimo casamento.

Simplesinho, mas bonitinho! Vale a pena conferir!

.oOo.

Baroque Duet: Battle & Marsalis

Handel
01 Let The Bright Seraphim

A. Scarlatti (from 7 Arie con Tromba Sola)
02 Nº 1 – Si suoni la tromba
03 Nº 3 – Con voce festiva
04 Nº 4 – Rompe sprezza
05 Nº 6 – Mio tesoro per te moro

A. Scarlatti
06-13 Su le sponde del Tebro (Cantata)

Handel
14 Eternal Source

Predieri
15 Pace una volta (from Zenobia)

Stradella
16-19 Sinfonia before Il baecheggio (Part 1)

Bach
20 Seufzer, Tranen, Kummer, Not

Handel
21 Alle voci del bronzu guerriero

Bach (from Jauchzet Gott in allen Landen, Cantata Nº 51)
22 I – Aria
23 IV – Chorale; Alleluja

Kathleen Battle, soprano
Wynton Marsalis, trumpet
Orchestra Of St. Luke´s
John Nelson, conductor
Anthony Newman, harpsichord continuo

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Phillip Telemann (1681-1767) – Complete Overtures

Mais barroco, e desta vez, um pacotaço de primeira. Tenho certeza de todos irão gostar. Estas aberturas de Telemann são de admirável qualidade, só reforçando a estima e admiração que tenho por este compositor, injustamente esquecido durante algumas décadas.
A coleção tem três volumes, com 3 cds cada. Por motivos técnicos, neste primeiro momento, estarei trazendo os dois primeiros cds do primeiro volume.
Telemann foi o compositor mais famoso de sua época, e sua produção é impressionante. Já foi inclusive listado no Guiness Book como o mais prolífico compositor de todos os tempos, com mais de 3000 obras reconhecidas, apesar de algumas ainda perdidas. Maiores informações biográficas podem ser encontradas na Wikipedia.
O Conjunto “Collegium Instrumentale Brugense” me era desconhecido até então, mas sua interpretação é perfeita, e seus solistas e seu diretor Patrick Peire também fazem um trabalho exemplar. Excelente escolha do selo “Brilliant Classics” e uma excelente forma para se passar este domingo.

Mas vamos ao que interessa.

George Phillip Telemann (1681-1767) – Complete Overtures  – CDs 1 e 2

CD 1
01 – Ouverture TWV 55-D18
02 – Menuet 1-Menuet 2
03 – Gavotte (En rondeau)
04 – Passacaille
05 – Air (Lentement)
06 – Les Postillons
07 – Fanfare (Tres vite)
Manu Mellaerts, Steven Devolder – Trumpets

08 – Ouverture ‘Burlesque de Quixotte’ TWV 55-G10
09 – Le Reveil de Quixotte
10 – Son Attaque des Moulins a Vent (Tres vite)
11 – Ses Soupirs amoureux apres la Princesse Dulcinee
12 – Sanche Panse berne
13 – Le Galope de Rosinante-Celui d’Ane de Sanche
14 – Le Couche de Quixotte
15 – Ouverture TWV 55-c2
16 – Air (Vivement)
17 – Rondeaux
18 – Fugue (Vivement)
19 – Gavotte 1-Gavotte 2
20 – Menuet 1-Menuet 2
21 – Gig
Elisabeth Schollaert, Bran Nolf – Oboes

22 – Ouverture TWV 55-D4
23 – Menuet 1-Menuet 2
24 – Furies (Tres viste)
25 – Entree
26 – Passepied 1-Passepied 2
27 – Loure
28 – Canaries
29 – Chaconne
30 – Air (Doucement)
Dirk Lippens, Dirk Lievens – Violin
Elisabeth Schollaert, Bran Nolf – Oboes
Marc Peire – Recorder

Collegium Instrumetale Brugense
Patrick Peire – Conductor

CD 2

01 – Ouverture ‘Alster Ouverture’ TWV 55-F11
02 – Die Canonierende Pallas
03 – Das Alster Echo
04 – Die Hamburgischen Glockenspiele
05 – Der Schwanen Gesang
06 – Der Alster Schaffer Dorf Music
07 – Die concertierenden Frosche und Krahen
08 – Der ruhende Pan
09 – Der Schaffer und Nymphen eilfertiger Abzug
Ivo Hadermann, Johan Van Neste, Rik Vercruysse, Bart Cypers Horns

10 – Ouverture ‘Volker Ouverture’ TWV 55-B5
11 – Menuet 1-Menuet 2 (Doucement)
12 – Les Turcs
13 – Les Suisses (Grave-Viste)
14 – Les Moscovites
15 – Les Portugais (Grave-Viste)
16 – Les Boiteux alternat.
17 – Les Coureurs

18 – Ouverture TWV 55-d2
19 – Rondeau
20 – Irlandoise
21 – Rejouissance
22 – Sarabande
23 – Les Scaramouches
24 – Menuet 1
25 – Menuet 2 (Doucement)
26 – Entree
Elisabeth Schollaert – Oboe

27 – Ouverture TWV 55-B7
28 – Rejouissance
29 – Loure
30 – Rondeau
31 – Menuet en Trio
32 – Gigue
Elisabeth Schollaert, Jan Maebe – Oboe
Koen Coppé – Basson
Collegium Instrumentale Brugense
Patrick Peire – Conductor

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

SENSACIONAL CONCURSO. GANHE PREMIOS NO P.Q.P. BACH!!

Os 9 CD’s da famosa coleção do Museu da Música de Mariana já foram postados.
Queremos agora compartilhar os respectivos livros de partituras originais com nossos ouvintes.
Um rico, exaustivo e dispendioso trabalho de 150 profissionais que durou 3 anos.

Fiquem ligados! Na quarta-feira, 04.11.09, às 19:00 horas lançaremos um “quiz” com 14 perguntas.
Os 7 primeiros que acertarem mais respostas receberão gratuitamente um dos livros de partituras pelo Sedex, além de uma noite com Mônica Bellucci num motel.
O concurso será acompanhado pelos auditores independentes da Bob Jefferson & Juíz Edilson Auditores Mui Honestos Ltda.
Os casos não previstos em nosso regulamento serão decididos pela comissão formada por Avicenna e sua consciência. Aqueles que reclamarem de suas justas decisões serão mandados à merda, sem direito à desagravo.

Veja o filme sobre estes livros de partituras no Youtube!

NÃO PERCAM!! NÃO É SEMPRE QUE TRATAMOS VOCÊS BEM!! FIQUEM LIGADOS!!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Astor Piazzolla (1921-1992): Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

Gosto muito da obra de Astor Piazzolla (simplesmente adoro a pequena fuga intitulada Fuga 9), especialmente desta gravação, principalmente pelo toque tupiniquim dado as peças do mestre argentino. Uma das melhores gravações de Piazzolla que já tive a oportunidade de ouvir. Excelente disco!

A seguir, texto retirado do encarte do CD.

Se o sinfônico Bernstein compôs West Side Story e o songwriter Gershwin nos deu Porgy And Bess, este revezar de estéticas no século XX já tentou Ravel e Stravinsky com o jazz, e povoou as polirritmias de Villa-Lobos com cantos ameríndios, batuques africanos e com a ginga do choro.

Muito desta música que torce o nariz dos eruditos “xiitas”, que os indecisos mal rotulam de “crossover”, e que as redações não sabem qual crítico mandar cobrir… É um fenômeno musical atual que mal ou bem começa a preencher o vácuo deixado pelo impasse da chamada música contemporânea (de herança clássica).

Astor Piazzolla é um exemplo desta renovação, e do interesse que certos compositores passam a despertar em intérpretes de formação tanto popular quanto clássica. Este disco reúne “eruditos” como Lilian Barreto e Paulo Bosísio a “populares” como os irmãos Cazes e Omar Cavalheiro, mediados pelo “poliglota” Paulo Sérgio Santos. Como convidado especial, Daniel Binelli, companheiro de palco do Piazzolla dos últimos anos, e que galgou à posição de solista sinfônico como intérprete natural da obra concertante do revolucionário argentino.

Piazzolla sempre foi um músico de tango (apesar de ter inaugurado seu primeiro bandoneón tocando uma peça de Bach). Primeiro com Gardel, depois com Troilo, e muito rápido por conta própria, sempre tocou o que chamava de “música contemporânea da cidade de Buenos Aires”. Combatido pelos tradicionalistas, mas gênio desde sempre, a melhor lição que lhe deu Nadia Boulanger foi a de “nunca deixar de ser Piazzolla”.

E ele próprio, na descrição dos movimentos da História do Tango, nos mostra também a trajetória de sua música:
“Bordel 1900: O tango nasce em Buenos Aires em 1882… É uma música cheia de graça e vivacidade. (…) O tango é alegre.
Café 1930: (…) Agora se escuta e não se dança como antes. É mais musical e romântico. A transformação é total. Mais lento, novas harmonias e eu diria muito melancólico.
Night Club 1960: A época internacional. (…) Bossa-nova e novo-tango em luta conjunta. Música para os músicos.
Concerto de hoje: Esta é a música de tango com conceitos da nova música. (…) Este é o tango de hoje e do futuro. Embaixo está o tango, acima está a música…”

Sua obra é este “concerto de hoje”. Com os melhores elementos da Escola Moderna, sobretudo Bartok e Stravinsky, e não esquecendo sua base bachiana, Piazzolla construiu uma linguagem revolucionária que jamais traiu a essência estética do tango. Neste ponto assemelha-se a Duke Ellington, que levou sua música às salas de concerto sem nunca deixar de fazer jazz.

Se nossa irreverência nos permite meter o sotaque brasileiro neste assunto, é por duas razões: uma porque nossa musicalidade nos garante,  e outra porque o gênio de Piazzolla já o tornou universal.

Mario de Aratanha

.oOo.

Astor Piazzolla: Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

01 Fuga 9 (2:55)
Arranjo: Henrique Cazes

História Del Tango
02 Bordel 1900 (4:01)
03 Café 1930 (5:47)
04 Night Club 1960 (5:28)
Arranjo: Henrique Cazes

05 Años de Soledad (4:49)
Arranjo: Leandro Braga

Suite Del Angel
06 Milonga Del Angel (5:29)
07 Muerte Del Angel (2:52)
08 Ressurección Del Angel (6:49)
Arranjo: José Bragato

09 La Casita De Mis Viejos (J. C. Cobián) (3:35)
Arranjo: Astor Piazzolla

10 Retrato de Milton (1ª gravação) (5:35)
Arranjo: José Bragato adaptado por Henrique Cazes

11. Adiós Nonino (10:06)
Arranjo: Daniel Binelli com cadência de piano de Lilian Barreto

Daniel Binelli: bandoneon
Lilian Barreto: piano
Paulo Bosísio: violino
Henrique Cazes: guitarra, cavaquinho, violão
Paulo Sérgio Santos: sax soprano, alto, clarineta, clarone
Omar Cavalheiro: contrabaixo
Beto Cazes: percussão
Produzido por Mario de Aratanha e Henrique Cazes

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Frederic Haendel (1685-1750) – Chandos Anthems – CD4

Quando a falta de tempo se alia à falta de vontade, e além disso, à falta de possibilidades técnicas de se postar decentemente, o que acontece é isso: postagens espaçadas, sem inspiração, quase mecânicas, eu diria.
Estou postando este quarto cd dos Chandos Anthems de Haendel devido a um apelo emocionado do mano PQP, pois se dependesse do número dos downloads, não me daria a este trabalho. Sinto que estou perdendo a sintonia, ou então que a quantidade de blogs que existem na internet já suprem a demanda, digamos assim. Como explicar apenas 89 downloads para o terceiro cd desta série em mais de 3 semanas? Será que passou desapercebida?

George Frederic Haendel – Chandos Anthems – CD4

01 – Sinfonia
02 – The Lord is my Light and my salvation
03 – Through a host of men were laid against me
04 – One thing have I desired of the Lord
05 – I will offer in his dwelling an oblation
06 – For who is God but the Lord-
07 – The Lord is my strength and my shield
08 – It is the Lord that ruleth the sea
09 – Sing praises unto the Lord
10 – Sonata
11 – Let God arise
12 – Like as the smoke vanisheth
13 – Let the righteous be glad
14 – O sing unto God
15 – Praised be the Lord!

Lynne Dawson – Soprano
Patrizia Kwella – Soprano
James Bowman – Alto
Ian Partdridge – tenor
Michael George – Bass
The Sixteen Choir & Orchestra
Harry Christopher – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Do leitor que assina apenas “Benedito”

Em seu premiado livro “The rest is noise” sobre a musica clássica do século XX, Alex Ross, crítico de música da revista New Yorker aponta em seus apêndices 5 gravações que ele considera altamente recomendáveis (séc.XX).

1- Schoenberg, Berg and Webern – Pieces for Orquestra, Berlin Philharmonic (DG)
2- Stravinsky, Rite of Spring/ Bartók, Miraculous Mandarim, Esa-Pekka Salonen Los Angeles Philharmonic (DG)
3- Britten, Peter Grimes, Royal Opera House (Philips)
4- Messiaen, Quartet for the end of time, Tashi (RCA)
5- Reich, Music for 18 musicians, Steve Reich and musicians (ECM).

Verificando na página do Steve Reich, há quatro gravações de Music for 18 musicians, a que está no post acima “revalidado” é a do grupo Amadinda Percussion Group “Live in Budapest”.

PQP, parabéns… importante e oportuno post.

(Obrigado, Benê!)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Steve Reich (1936-): Music for 18 Musicians – link revalidado

Este disco, comprado em vinil no ano de 1980, foi a maior das surpresas. Em primeiro lugar, era editado pela ECM mas não era absolutamente jazz; segundo, era uma música minimalista muito mais complexa e bem acabada do que a composta por um certo Philip Glass. Era um minimalista mesmo! Sua música tinha as mesmas repetições das de Glass, só que suas variações eram muito mais rápidas, inteligentes e interessantes, às vezes quase inaudíveis, mas sempre ocorrendo sem possibilidade de mesmice. Fiquei fascinado. Ouvi este disco de olhos fechados talvez dezenas de vezes, procurando entender e visualizar o que todos os 18 músicos realizavam, às vezes abrindo os olhos para ver suas fotos no bolachão da ECM. Vinte anos depois, comprei a gravação de um grupo húngaro que refazia a “Música” com extraordinário entusiasmo. É esta gravação que posto em P.Q.P. Bach. Ainda me seduzo pela incrível sucessão de harmonias mostradas por Reich. É uma audição lúdica e de complexidade nunca diminuída. É um clímax perpétuo, algo que nem os Viagras conseguem. Mas não posso fazer analogias com orgasmos, pois 61 minutos de orgasmo seria como esconder-se no Orgasmotron do filme “O Dorminhoco”, de Woody Allen.

Depois conheci Adams e outros, mas… (Grande parte do texto abaixo foi traduzido da Wikipedia espanhola por mim.)

Todos os músicos do passado, começando na Idade Média, estavam interessados na música popular. A música de Béla Bartók se fez inteiramente com fontes de música tradicional húngara. E Igor Stravinsky, ainda que gostasse de nos enganar, utilizou toda a sorte de fontes russas para seus primeros balés. A grande obra-prima Ópera dos Três Vinténs, de Kurt Weill, utiliza o estilo de cabaret da República de Weimar. Arnold Schoenberg e seus seguidores criaram um muro artificial, que nunca existiu antes. Minha geração atirou o muro abaixo e agora estamos novamente numa situação normal. Por exemplo, se Brian Eno ou David Bowie recorrem a mim e se músicos populares reutilizam minha música, como The Orb ou DJ Spooky, é uma coisa boa. Este é um procedimento histórico habitual, normal, natural.

Steve Reich

Em 1974, Reich começou a escrever Music for 18 Musicians, o número de integrantes de seu “ensemble”, uma peça que acabaria dois anos mais tarde. Seguramente é a obra de Reich que obteve maior êxito e, para muitos, é que se chamaria sua obra principal. Esta peça trouxe consigo muitas idéias novas, ainda que outras já houvessem sido escutadas em peças anteriores. A obra se organiza ao redor de um ciclo de onze acordes introduzidos no princípio, seguidos por pequenas variações em cada acorde, e por um retorno ao ciclo original. É complicado mesmo e sei lá como alguém consegue interpretar tal música ao vivo, como fazem esses húngaros malucos. As seções chamam-se conveniente, «Pulsos», «Seção I-XI» e novamente, «Pulsos». Esta foi a primeira tentativa de Reich de escrever uma obra para um conjunto maior de executantes, o que permitiaria um maior alcance dos efeitos psicoacústicos, fato que fascinou a Reich, que declarara na época que gostaria de «explorar mais esta idéia» («explore this idea further»). Reich comentou que este trabalho continha mais movimento harmônico em seus primeiros cinco minutos do que qualquer outro trabalho que escrevera antes. A Deutsche Grammophon gravou a peça, mas não estava nada segura de lançá-la depois do relativo fracasso de vendas de Drumming. Foi proposto a Reich um lançamento pela ECM. Ele logo rechaçou a idéia dizendo que sua obra não era jazz. Porém Bob Hurwitz — então na ECM (logo depois foi para a Nonesuch) —, o convenceu. Venderam mais de 100.000 copias nos dois anos seguintes, promovendo a obra em emissoras de rádio de rock progressivo e jazz experimental. Para Reich, foi uma sorte haver concordado, pois desde aquele momento passou a gozar de um amplo prestígio e respeito no cenário musical internacional.

Imperdível esta gravação ao vivo feita por este extraordinário – e concentradíssimo! – grupo húngaro. Procurem ouvir sem interrupção e com atenção. Vale a pena.

Steve REICH – MUSIC for 18 MUSICIANS – Amadinda Percussion Group

Os Músicos:

1 Ida Szabó – ének / voices
2 Ágnes Dobszay – ének / voices
3 Zsuzsanna Lukin – ének / voices
4 Katalin Károlyi – ének / voices
5 László Melis (Group 180) – hegedu / violin
6 Ákos Pásztor (Group 180) – gordonka / cello
7 Gellért Tihanyi (Group 180) – klarinét, basszusklarinét / clarinet, bass clarinet
8 János Maczák – klarinét, basszusklarinét / clarinet, bass clarinet
9 Béla Faragó (Group 180) – zongora / pianos
10 Zoltán Rácz – zongora / pianos
11 György Oravecz – zongora, maracas / piano, maraca
12 Zsolt Sárkány – marimba
13 Zoltán Váczi – marimba
14 Károly Bojtos – xilofon, zongora / xylophone, piano
15 Benedek Tóth – xilofon / xylophone
16 Tibor Nemes – marimba, zongora / piano, marimba
17 Gergely Bíró – marimba, maracas
18 Aurél Holló – vibrafon, zongora / vibraphone, piano

BAIXE AQUI -DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Paul Hindemith (1895 – 1963): Symphonia Serena / Harmonie der Welt

Há compositores difíceis de defender. E Hindemith é um deles. Já ouvi críticas severas, mas bem coerentes sobre a não espontaneidade de suas obras. Já certos ouvintes (como eu) que tem profunda admiração por Hindemith, não encontram argumentos suficientes para defendê-lo. Não consigo dizer porque gosto de Hindemith. Às vezes, numa mesma obra, posso sentir tédio e grande empolgação. Mas nunca deixei de ficar fascinado com sua técnica e virtuosismo. Ludus Tonalis para piano (algo como um cravo bem temperado do século XX) é um bom exemplo do que falo. Difícil ir até o fim sem bocejar, mas ouvindo com cuidado podemos esbarrar nas mais belas passagens já escritas. Dependendo com que disposição o ouvinte esteja, Hindemith pode ser um grande compositor ou um tremendo chato.

As duas obras desse disco, Symphonia Serena e Symphonia “Der Harmonie der Welt”, são ótimos exemplos do que falei, de como agarrar ou afastar o ouvinte. A riqueza orquestral dessas duas obras são inegáveis, mas podem cansar um ouvinte a procura de um sentido ou de uma estrutura. São sinfonias completamente anti-shostakovichianas. Mas nem tão pouco são vazias de expressividade.

Sentem suas bundas nas cadeiras e decidam.

CDF

1. Symphonia Serena: Moderately fast
2. Geschwindmarsch by Beethoven. Paraphrase. Wind instruments only. Rather fast
3. Colloquy. String orchestra in two sections. Quiet
4. Finale. Gay
5. Harmonie der Welt: No. 1, “Musica Instrumentalis”
6. No. 2, “Musica Humana”
7. No. 3, “Musica Mundana”

Performed by Leipzig Gewandhaus Orchestra
Conducted by Herbert Blomstedt

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Modest Mussórgski (1839-1881) – Quadros de uma exposição, transcrito por Jaime Zenamon

Apesar de eu aderir no título do post à nova convenção da transliteração do russo para o português (Mussórgski, Stravínski, Tchaikóvski), não é preciso modificar as categorias, até porque seria um tanto trabalhoso, por isso fica Mussorgsky, Stravinsky, Tchaikovsky e assim vai.

Esta pitoresca transcrição para violino e violão, feita pelo violonista e compositor boliviano naturalizado brasileiro Jaime Zenamon, pode não ter o poder da obra original para piano, o colorido da orquestração de Ravel ou a subversão da versão de Emerson, Lake and Palmer, mas é digna de nota. O límpido som do violino de Alessandro Borgomanero, italiano radicado no Brasil, colabora para simpatizarmos com a reinstrumentação.

No final do CD há duas peças curtas de Zenamon: a Suíte caricaturas e 3 retratos.

***

1-15. Quadros de uma exposição
Promenade
Gnomus
Promenade
The old castle
Promenade
Tuileries
Bydlo
Promenade
Ballet of the unhatched chicks
Samuel Goldberg and Schmuyle
Limoges
Catacombae
Con mortuis in lingua morta
Baba Yaga
The Bogatyr Gate

16-20. Suíte caricaturas n° 2, op. 8 – Jaime Zenamon
Prelúdio
Calmíssimo
Andante
Dansa – Saltando
Fugadito

21-23. 3 retratos – Jaime Zenamon
Encuentro
Dialogo
Despedida

Jaime Zenamon: violão
Alessandro Borgomanero: violino

BAIXE AQUI

CVL

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Keith Jarrett: Solo Concerts: Bremen & Lausanne

De vez em quando, Keith Jarrett fazia apresentações que pareciam um stand-up. Ele ia lá para a frente do palco e deixava o piano deitar falação. E falava bem. E havia tantos momentos verdadeiramente sublimes que virou mania. Depois houve outras gravações, sempre com nomes cidades acompanhados de datas e ali tinha sempre algo que se aproveitava. Como estas gravações. (Que me parecem muito adequadas para um despertar dominical como fiz onde moro. Não demorou muito — era 9h30 da manhã — para aparecerem duas mulheres me perguntando que maravilha era aquilo… Ofereci-lhes café, torradas, suco de laranja, ora.)

Keith Jarrett: Solo Concerts: Bremen & Lausanne

1. Bremen, July 12, 1973 Part I – 18:04
2. Bremen, July 12, 1973 Part II – 45:12
3. Lausanne, March 20, 1973 – 1:04:57

BAIXE AQUI O CD 1 – DOWNLOAD CD 1 HERE

BAIXE AQUI O CD 2 – DOWNLOAD CD 2 HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Frederic Handel (1685-1759) – Chandos Anthems – CD 3

<iframe src="http://rcm.amazon.com/e/cm?t=opensel-20&o=1&p=8&l=as1&asins=B000000A5J&fc1=000000&IS2=1&lt1=_blank&m=amazon&lc1=0000FF&bc1=000000&bg1=FFFFFF&f=ifr" style="width:120px;height:240px;" scrolling="no" marginwidth="0" marginheight="0" frameborder="0" height="240" width="125" align="left"
Senhores, aparentemente meus problemas técnicos se resolveram, e estarei voltando aos pouquinhos, à medida que o tempo permitir.
Após a sutil e delicada apresentação do segundo CD dessa série gentilmente feita por meu mano PQP, trago o terceiro cd da série, uma das mais belas coleções que possuo. Sempre fui aficcionado pela obra de Haendel desde a primeira vez que ouvi o tradicional “Halleluiiah” quando ainda era criança. Seus corais sempre me deixam extasiado, parece sempre que estou chegando aos céus e um grupo de anjos me recepciona.
Estou com uma baita gripe, com direito a uma tosse horrível, que minha esposa diz parecer com a tosse de nossa cachorra, portanto, não quero mais perder tempo com detalhes, e prefiro deixá-los com estes magníficos hinos haendelianos, interpretados com maestria pelos “”The Sixteen”, sob direção de Harry Christophers Deleitem-se..

George Frederic Handel (1685-1759) – Chandos Anthems – CD 3

01- Anthem 7 – Sonata
02 – Anthem 7 – My song shall be alway
03 – Anthem 7 – For who is he among the clouds
04 – Anthem 7 – God is very greatly to be feared
05 – Anthem 7 – The Heav’ns are thine
06 – Anthem 7 – Righteousness and equity
07 – Anthem 7 – Blessed is the people
08 – Anthem 7 – Thou art the glory
09 – Anthem 8 – Sonata
10 – Anthem 8 – O come let us sing unto the Lord
11 – Anthem 8 – O come let us worship
12 – Anthem 8 – Glory and worship
13 – Anthem 8 – Tell it out
14 – Anthem 8 – O magnify the Lord
15 – Anthem 8 – The Lord preserveth
16 – Anthem 8 – As High as the heaven is
17 – Anthem 8 – A light sprung up
18 – Anthem 9 – O praise the Lord with one consent
19 – Anthem 9 – Praise Him
20 – Anthem 9 – Our Truest interest is
21 – Anthem 9 – God is great
22 – Anthem 9 – With cheerful notes
23 – Anthem 9 – God’s tender mercy
24 – Anthem 9 – Realms of joy
25 – Anthem 9 – Your voices raise

Patrizia Kwella (Soprano)
James Bowman (Alto)
Ian Partridge (Tenor)

The Sixteen Choir & Orchestra
dir. Harry Christophers

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio – Rachel’s :.

Nos comentários do post sobre Rachel Grimes, o leitor Felipe faz menção aos discos da “banda-mãe” Rachel’s, em especial “Music for Egon Schiele”. Sendo esta uma obra tão — TÃO — bela, e dada a dificuldade em se encontrar Rachel’s em boa qualidade na internet (sem pagar), me parece que não, não fica nem um pouco deslocada a postagem da discografia do grupo aqui.

“Music for Egon Schiele” é provavelmente o disco mais indicado aos amantes de música clássica que já postei nesse blog. (Ou ainda: é o mais próximo da música clássica que já me senti.) Procuro ficar de fora dessa área porque, como é sabido entre os leitores mais antigos, este cão, além de mau ouvinte, não entende lhufas do assunto. Mas o review da Amazon me diz que não arrisco tanto assim:

Originally performed as a live accompaniment for a 1995 theater-dance production about the life of painter Egon Schiele, this is the both the exception to the Rachel’s rule and their defining moment. Though they are normally a three-headed, multiperson new-music and classical ensemble centered around Jason Noble, Christian Frederickson, and Rachel Grimes, this suite was written entirely by Grimes and performed by Grimes (on piano), Frederickson (viola), and cellist Wendy Doyle. As always, the music is spellbinding; the fact that this is classical music by –and for– people who grew up on indie rock in no way diminishes it, nor does it make the music too low-brow for those with a classical background. For a more complete picture of what the entire Rachel’s ensemble is capable of, both Handwriting and The Sea and the Bells are recommended.Randy Silver

Se a resenha acima une bem os três primeiros discos, já “Selenography” e “Systems/Layers” tem maior dose de experimentalismo (não confundir com psicodelia ou bagunça. Os Rachels são tão sérios quanto sensíveis). Meus preferidos são Music for Egon Schiele e Selenography. É música que pode ocupar meu background e me deixar mais criativo, ou que pode ocupar toda minha atenção e me deixar de queixo caído. Acho que vocês, que ainda não conhecem, deveriam tentar. Não garanto seu dinheiro de volta, mas prometo ir direto pro inferno com minhas boas intenções.

Music for Egon Schiele /1996 (v0)

Rachel Grimes (piano), Christian Frederickson (viola), Wendy Doyle (cello)

download (rapidshare) – 72MB

01 Family Portrait
02 Egon & Gertie
03 First Self-Portrait Series
04 Mime Van Osen
05 Second Self-Portrait Series
06 Wally, Egon & Models in the Studio
07 Promenade
08 Third Self-Portrait Series
09 Trio Goes to a Movie
10 Egon & Wally Embrace and Say Farewell
11 Egon & Edith
12 Second Family Portrait

Handwriting /1995 (v0)

download (rapidshare) – 68MB

Rachel Grimes (piano); Christian Frederickson (viola); Richard Barber (contra bass); Nat Barrett (cello); Marnie Christensen (violin); Kevin Coultas (drums); Mark Greenberg (vibraphone); Gregory King (hand drums); Michael Kurth (double bass); Eve Miller (violoncello); Jason Noble (electric bass, guitars, tapes); Jeff Mueller (orator)

01 Southbound to Marion
02 M. Daguerre
03 Saccharin
04 Frida Kahlo
05 Seratonin
06 Full on Night
07 Handwriting

The Sea and the Bells /1996 (v0)

download (rapidshare) – 92MB

Rachel Grimes (piano, vibes, linen sheet); Christian Frederickson (viola, matchbooks); John Baker (bells); Kevin Coultas (drum set, timpani); Edward Grimes (drum kit); Thomas Hatte (contrabass); Sarah Hong (cello); Ann Kim (violin); Greg King (boatswain); Jim Maciukenas (musical saw); Matthew McBride (viola); Eve Miller (violoncello, breton plotter, notepad)

01 Rhine & Courtesan
02 The Voyage of Camille
03 Tea Merchants
04 Lloyd’s Register
05 With More Air Than Words
06 All Is Calm
07 Cypress Branches
08 The Sirens
09 Night at Sea
10 Letters Home
11 To Rest Near to You
12 The Blue-Skinned Waltz
13 His Eyes

Selenography /1999 (v0)

download (rapidshare) – 93MB

Rachel Grimes (vocals, piano, harpsichord, keyboards); Jason Noble (guitar, keyboards, bass, percussion); Eve Miller (cello); Christian Frederickson (viola, accordion, keyboards); Dominic Johnson (viola); Edward Grimes (vibraphone, drum kit); Gregory King (percussion); Kyle Crabtree (drum kit); Steve Buttleman (trumpet); Giovanna Cacciola (vocals)

01 A French Galleasse
02 On Demeter
03 The Last Night
04 Kentucky Nocturne
05 Honeysuckle Suite
06 Artemisia
07 Old Road 60
08 An Evening of Long Goodbyes
09 Cuts the Metal Cold
10 The Mysterious Disappearance of Louis LePrince
11 Forgiveness
12 Hearts and Drums

Systems/Layers /2003 (v0)

download (rapidshare) – 98MB

Rachel Grimes (piano, keyboards); Christian Frederickson (viola, keyboards); Jason Noble (bass, guitar, drums, toolbelt, keyboards); Kyle Crabtree (drum kit); Edward Grimes (drums, keyboards); Eve Miller (cello); Matthew Annin (french horn); Wendy Doyle (cello); Doug Elmore (stand-up bass); Jane Halliday (violin); Sarah Hill (violin); Shannon Wright (vocals); Greg King (films)

01 Moscow Is in the Telephone
02 Water from the Same Source
03 Systems/Layers
04 Expect Delays
05 Arterial
06 Even/Odd
07 Wouldn’t Live Anywhere Else
08 Esperanza
09 Packet Switching
10 Where_Have_All_My_Files_Gone?
11 Reflective Surfaces
12 Unclear Channel
13 Last Things Last
14 Anytime Soon
15 Air Conditioning/A Closed Feeling
16.Singing Bridge
17.And Keep Smiling
18.4 or 5 Trees
19 NY Snow Globe

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741): Obra completa para alaúde italiano + Giovanni Zamboni (?-?): Sonata + J. S. Bach (1685-1750): Prelúdio, Fuga e Allegro

Não é o melhor dos negócios misturar Bach com outros compositores. Há opções mais inteligentes. Não obstante, este CD é excelente. O concerto que abre o CD — música conhecidíssima — é muito bonito, depois vêm algumas composições mais ou menos obscuras, fechando com a obra-prima que é o Prelúdio, Fuga e Allegro de papai. Mais um CD com a esplêndida orquestrinha de Drottningholm. A gravadora sueca Bis, quando produz música barroca, acerta sempre. Sei lá por quê. Grande disco.

Antonio Vivaldi – Concerto In D Major
01 – Concerto In D Major: I. (Allegro Guisto)
02 – Concerto In D Major: II. Largo
03 – Concerto In D Major: III. Allegro

Nils-Erik Sparf, violin
Tullo Galli, violin
Kari Ottesen, cello
Alf Petersen, violone
Maria Wieslander, organ

Antonio Vivaldi – Trio Sonata In G Minor
04 – Trio Sonata In G Minor: I. Andante Molto
05 – Trio Sonata In G Minor: II. Larghetto
06 – Trio Sonata In G Minor: III. Allegro

Jacob Lindberg , lute
Nils-Erik Sparf, violin
Kari Ottesen, cello
Maria Wieslander, organ

Antonio Vivaldi – Trio Sonata In C Major
07 – Trio Sonata In C Major For Violin, Lute And Basso Continuo, RV 82: I. Allegro…
08 – Trio Sonata In C Major For Violin, Lute And Basso Continuo, RV 82: II. Larghe…
09 – Trio Sonata In C Major For Violin, Lute And Basso Continuo, RV 82: III. Allegro

Jacob Lindberg , lute
Nils-Erik Sparf, violin
Kari Ottesen, cello
Maria Wieslander, organ

Antonio Vivaldi – Concerto In D Minor
10 – Concerto In D Minor For Viola D’Amore, Lute And Orchestra: I. Allegro (Moderato)
11 – Concerto In D Minor For Viola D’Amore, Lute And Orchestra: II. Largo
12 – Concerto In D Minor For Viola D’Amore, Lute And Orchestra: III. Allegro

Jacob Lindberg , lute
Monica Huggett, viola d’amore
Drottningholm Baroque Ensemble

Giovanni Zamboni – Sonata In C Minor
13 – Sonata In C Minor For Archlute: I. Preludio
14 – Sonata In C Minor For Archlute: II. Alemanda
15 – Sonata In C Minor For Archlute: III. Giga
16 – Sonata In C Minor For Archlute: IV. Sarabanda
17 – Sonata In C Minor For Archlute: V. Gavotta

Jacob Lindberg , archlute

J.S.Bach – Prelude, Fugue & Allegro In E Flat Major
18 – Prelude, Fugue And Allegro In E Flat Major For Lute, BVM 998: I. Prelude
19 – Prelude, Fugue And Allegro In E Flat Major For Lute, BVM 998: II. Fugue
20 – Prelude, Fugue And Allegro In E Flat Major For Lute, BVM 998: III. AllegroJacob Lindberg , lute

Jakob Lindberg, lute

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concertos para Flauta

Um excelente CD que creio não ser preciso comentar. É dos repertórios barrocos mais conhecidos. O solista e o conjunto responsável pela interpretação são esplêndidos.

Vivaldi: Concertos para Flauta

1. Concerto in C minor RV441, 1. Allegro non molto
2. Concerto in C minor RV441, 2. Largo
3. Concerto in C minor RV441, 3. Allegro

4. Concerto in C major RV444, 1. Allegro non molto
5. Concerto in C major RV444, 2. Largo
6. Concerto in C major RV444, 3. Allegro molto

7. Concerto in F major RV433, La tempesta di mare, 1. Allegro
8. Concerto in F major RV433, La tempesta di mare, 2. Largo
9. Concerto in F major RV433, La tempesta di mare, 3. Presto

10. Concerto in C major RV443, 1. Allegro
11. Concerto in C major RV443, 2. Largo
12. Concerto in C major RV443, 3. Allegro molto

13. Concerto in F major RV434, 1. Allegro ma non tanto
14. Concerto in F major RV434, 2. Largo e cantabile
15. Concerto in F major RV434, 3. Allegro

16. Concerto in G minor RV439, La notte, 1. Largo
17. Concerto in G minor RV439, La notte, 2. Presto, Fantasmi
18. Concerto in G minor RV439, La notte, 3. Largo
19. Concerto in G minor RV439, La notte, 4. Presto
20. Concerto in G minor RV439, La notte, 5. Largo, Il Sonno
21. Concerto in G minor RV439, La notte, 6. Allegro

Drottningholm Baroque Ensemble
Dan Laurin: recorder

Gravação:
1991-06-21/13, Västerled Church, Stockholm, Sweden

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre sua música!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!