Astor Piazzolla (1921-1992): Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

Gosto muito da obra de Astor Piazzolla (simplesmente adoro a pequena fuga intitulada Fuga 9), especialmente desta gravação, principalmente pelo toque tupiniquim dado as peças do mestre argentino. Uma das melhores gravações de Piazzolla que já tive a oportunidade de ouvir. Excelente disco!

A seguir, texto retirado do encarte do CD.

Se o sinfônico Bernstein compôs West Side Story e o songwriter Gershwin nos deu Porgy And Bess, este revezar de estéticas no século XX já tentou Ravel e Stravinsky com o jazz, e povoou as polirritmias de Villa-Lobos com cantos ameríndios, batuques africanos e com a ginga do choro.

Muito desta música que torce o nariz dos eruditos “xiitas”, que os indecisos mal rotulam de “crossover”, e que as redações não sabem qual crítico mandar cobrir… É um fenômeno musical atual que mal ou bem começa a preencher o vácuo deixado pelo impasse da chamada música contemporânea (de herança clássica).

Astor Piazzolla é um exemplo desta renovação, e do interesse que certos compositores passam a despertar em intérpretes de formação tanto popular quanto clássica. Este disco reúne “eruditos” como Lilian Barreto e Paulo Bosísio a “populares” como os irmãos Cazes e Omar Cavalheiro, mediados pelo “poliglota” Paulo Sérgio Santos. Como convidado especial, Daniel Binelli, companheiro de palco do Piazzolla dos últimos anos, e que galgou à posição de solista sinfônico como intérprete natural da obra concertante do revolucionário argentino.

Piazzolla sempre foi um músico de tango (apesar de ter inaugurado seu primeiro bandoneón tocando uma peça de Bach). Primeiro com Gardel, depois com Troilo, e muito rápido por conta própria, sempre tocou o que chamava de “música contemporânea da cidade de Buenos Aires”. Combatido pelos tradicionalistas, mas gênio desde sempre, a melhor lição que lhe deu Nadia Boulanger foi a de “nunca deixar de ser Piazzolla”.

E ele próprio, na descrição dos movimentos da História do Tango, nos mostra também a trajetória de sua música:
“Bordel 1900: O tango nasce em Buenos Aires em 1882… É uma música cheia de graça e vivacidade. (…) O tango é alegre.
Café 1930: (…) Agora se escuta e não se dança como antes. É mais musical e romântico. A transformação é total. Mais lento, novas harmonias e eu diria muito melancólico.
Night Club 1960: A época internacional. (…) Bossa-nova e novo-tango em luta conjunta. Música para os músicos.
Concerto de hoje: Esta é a música de tango com conceitos da nova música. (…) Este é o tango de hoje e do futuro. Embaixo está o tango, acima está a música…”

Sua obra é este “concerto de hoje”. Com os melhores elementos da Escola Moderna, sobretudo Bartok e Stravinsky, e não esquecendo sua base bachiana, Piazzolla construiu uma linguagem revolucionária que jamais traiu a essência estética do tango. Neste ponto assemelha-se a Duke Ellington, que levou sua música às salas de concerto sem nunca deixar de fazer jazz.

Se nossa irreverência nos permite meter o sotaque brasileiro neste assunto, é por duas razões: uma porque nossa musicalidade nos garante,  e outra porque o gênio de Piazzolla já o tornou universal.

Mario de Aratanha

.oOo.

Astor Piazzolla: Piazzollando (Ao Vivo) Com Daniel Binelli

01 Fuga 9 (2:55)
Arranjo: Henrique Cazes

História Del Tango
02 Bordel 1900 (4:01)
03 Café 1930 (5:47)
04 Night Club 1960 (5:28)
Arranjo: Henrique Cazes

05 Años de Soledad (4:49)
Arranjo: Leandro Braga

Suite Del Angel
06 Milonga Del Angel (5:29)
07 Muerte Del Angel (2:52)
08 Ressurección Del Angel (6:49)
Arranjo: José Bragato

09 La Casita De Mis Viejos (J. C. Cobián) (3:35)
Arranjo: Astor Piazzolla

10 Retrato de Milton (1ª gravação) (5:35)
Arranjo: José Bragato adaptado por Henrique Cazes

11. Adiós Nonino (10:06)
Arranjo: Daniel Binelli com cadência de piano de Lilian Barreto

Daniel Binelli: bandoneon
Lilian Barreto: piano
Paulo Bosísio: violino
Henrique Cazes: guitarra, cavaquinho, violão
Paulo Sérgio Santos: sax soprano, alto, clarineta, clarone
Omar Cavalheiro: contrabaixo
Beto Cazes: percussão
Produzido por Mario de Aratanha e Henrique Cazes

BAIXE AQUI / DOWNLOAD HERE

Marcelo Stravinsky

5 comments / Add your comment below

  1. É interessante a falta de comentários a respeito desse cd, que pra mim, é um dos mais interessantes de Piazzolla, porém os downloads continuam bombando!

Deixe uma resposta