Alban Berg(1885-1935): Violin Concerto – À Memória de um Anjo / Wolfgang Rihm (1952-): Time Chant

A violinista Anne-Sophie Mutter é tão gostosa que nem parece adequada à música moderna. Esta é geralmente trabalho para barangas. Ela também poderia ficar naqueles Concertos para Violino de sempre e seria admirada como gênio, mas o entusiasmo de Mutter para com aquilo que não é tão óbvio demonstra seu tamanho como artista. Sua interpretação de Berg é esplêndida. Alban Berg é o membro que fazia música na Segunda Escola de Viena — os outros faziam algo entre a música e a teoria, mas acho melhor parar antes que CDF delete este post. O Concerto de Berg foi escrito como homenagem à memória de Manon Gropius, filha de Alma Mahler, morta aos 18 anos com poliomielite. Muito apegado à jovem, Berg decidiu que o concerto para violino seria o seu réquiem, sem imaginar que também escrevia o próprio… Denso, difícil e cheio de tristeza, é música de primeiríssima linha. Ecos da música tonal pairam como fantasmas, sobretudo no movimento final, onde Berg cita uma melodia coral de Bach. Rihm, por outro lado, dispensa inteiramente as melodias tradicionais e os modelos musicais do passado. Sua linguagem, a um tempo lírica e fragmentária é notavelmente interpretada por Mutter, sempre de alma, mente e decote aberto.

Alban Berg (1885 – 1935)
Violin Concerto “To the Memory of an Angel”

1) 1. Andante – Allegro [11:31]
2) 2. Allegro – Adagio [16:12]

Wolfgang Rihm (1952 – )
“Gesungene Zeit” 1991/92 – Music for violin and orchestra

3) 1. Beginning: quasi senza [14:27]
4) 2. Takt 179: meno mosso [9:56]

Anne-Sophie Mutter
Chicago Symphony Orchestra
James Levine

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

9 comments / Add your comment below

  1. Estou baixando e espero que o comentário do amigo seja verossímil em termos de música, pois, malgrado a propaganda que fora feita em cima da Mutter e seu decote, não achei ela muito gostosa. haha

    abrs

  2. Sei lá, nunca me importei muito com a beleza física de uma solista. (Tudo bem que às vezes a Batiashvili tira o meu fôlego com aqueles olhos meio cinzas-esverdeados…)

    Na Música Clássica, isso é a coisa mais normal do mundo. Pra mim, basta que sua música me satisfaça, e pronto.

    Mesmo ainda meio gordinha e bochechuda nos anos 80, a Mutter fez um ótimo trabalho com as Opp.77 e 102 do Brahms (no caso da segunda obra, em dupla com o Meneses no cello), já postadas aqui.

    Irei conferir essa versão do Berg da Mutter caso o Crapshare me permita, ainda hoje.

    Obrigado.

  3. Os comentários sobre a gostosura da senhorita Mutter sâo a pro-

    va cabal que a safadeza e a cultura não são mutuamente exclu-

    dentes.O que é ,aliás ,a cara do patrono desta site!

  4. Depois que essa mulher assassinou as sonatas para violino de Beethoven, nunca mais eu quiz saber de suas gravações. Quando penso em Mutter, eu faço blerg e uma careta. E olha que eu sou muito macho.

  5. “Alban Berg é o membro que fazia música na Segunda Escola de Viena — os outros faziam algo entre a música e a teoria…”

    Compartilho inteiramente dessa opinião.

    Não conhecia o site e gostei bastante. Obrigado!

Deixe uma resposta