Richard Strauss (1864-1949) – 5 Great Tone Poems – 2 CDs

Richard Strauss, em pleno século XX, na era do carro, da televisão, do cinema, da fotografia, manteve a estética romântica na sua arte de compor. Embora o poema sinfônico não seja uma invenção sua, Strauss exprimiu-se por intermédio dessa estrutura musical e o fez de modo eloquente. Por meio das várias amizades que estabeleceu, Strauss aprendeu a admirar a obra de Nietzsche e Schopenhauer e à música de Wagner e Liszt. Essas influências são patentes em sua obra. O compositor buscou como ninguém explorar possibilidades coloridas com a orquestra a fim de dar um aspecto dramático às suas obras. Pesa a favor de Straus o fato de com a sua ópera Salomé, ter inclinado a música do século XX para uma outra direção. Compositores como Mahler, Schoenberg, Alban Berg, entre outros, estavam no dia da estreia da obra que causou grande impacto sobre os presentes. Aqui temos 5 dos seus principais poemas sinfônicos. Um belo registro com Bernard Haintink. Uma boa apreciação!

Richard Strauss (1864-1949) – 5 Great Tone Poems

DISCO 1

Don Juan, Op.20
01. Don Juan, Op. 20

Ein Heldenleben, Op.40 – “Vida de Herói”
02. Der Held
03. Des Helden Widersacher
04. Des Helden Gefährtin
05. Des Helden Walstatt
06. Des Helden Friedenswerke
07. Des Helden Weltflucht und Vollendung

Till Eulenspiegel’s Merry Pranks (Till Eulenspiegels lustige Streiche), Op. 28
08. Till Eulenspiegel’s Merry Pranks (Till Eulenspiegels lustige Streiche), Op. 28

DISCO 2

Also sprach Zarathustra, Op.30 – “Assim falou Zaratustra”
01. Prelude (Sonnenaufgang)
02. Von den Hinterweltlern
03. Von der großen Sehnsucht
04. Von den Freuden und Leidenschaften
05. Das Grablied
06. Von der Wissenschaft
07. Der Genesende
08. Das Tanzlied – Das Nachtlied
09. Das Nachtwandlerlied

Tod und Verklärung, Op.24 – “Morte e Transfiguração”
10. Tod und Verklärung, Op.24

Der Rosenkavalier, Op.59
11. First Suite of Waltzes
12. Second Suite of Waltzes

Royal Concertgebouw Orchestra
Herman Krebbers, violino (Op. 20, 40, 30,)
Bernard Haitink, regente (Op. 20, 40, 28, 30, 24)
Eugen Jochum, regente (Op. 59)

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

Carlinus

10 comments / Add your comment below

  1. Hello guys,
    Im sorry, I cant write in portugese though I can read it. I hope you guys can understand me. This is a great blog you guys have here, thank you and congratulations. Im looking desperately for a piece by Max Bruch called “Kol Nidrei”. This is the most heart blowing Hebrew melody for cello. Perhaps you can help me? I’d appreciate any tip where I could find it…

    Thanks guys

  2. Eu acho que a gente nunca vai saber por que o Strauss resolveu olhar “para trás” a partir do Cavaleiro da Rosa.
    Mas, sei lá, não acho que tenha sido tão “para trás” assim. A gente só acha que as óperas dele são retrógradas porque as comparamos com as obras de seus contemporâneos. E, de qualquer modo, como disse o João Marcos Coelho, “10 entre 10 músicos que declaram amor incondicional e exclusivo à música moderna ‘voltam’ a Bach e Beethoven.” Talvez Strauss só tenha levado menos tempo para “voltar”.

  3. Dizem que o escritor austríaco Hofmannsthal, seu grande colaborador como autor da maioria de seus libretos, foi em grande parte responsável por esta conversão. Por outro lado, parece que Strauss não quis avançar além do modernismo de Elektra, pois teria que lidar com uma linguagem sonora que já não pertencia a seu mundo, e, por outro lado, seria um dos muitos e pouco ouvidos compositores de música “esotérica” do século XX…

Deixe uma resposta