Interlúdio – Herbie Hancock

null

Tomei um susto esta manhã. Procurei este CD que estou postando e não o encontrei. Iniciei uma busca em meio aos meus outros discos. Depois de quase meia hora de investigação, logrei êxito. Quando o vi, respirei aliviado. Coloquei-o rapidamente no som para apreciar Hancock. A primeira faixa Empty Pockets, de início, já nos revela a mestria do jazz-men à frente do seu Fender Rhodes, o piano elétrico que o imortalizou. Herbie nasceu em Chicago em 1940. É considerado como um dos mestres do estilo jazzístico. Tocou com Miles Davis em um dos quintetos mais viscerais e antológicos da história do jazz, formado de 1964-1968: Miles Davis (trompete), Herbie Hancock (piano), Ron Carter (contrabaixo), Tony Williams (bateria) e Wayne Shorter (saxofone tenor). A discografia vasta de Hancock pode surpreender alguns, pois o compositor é um experimentalista. A Wikipédia afirma: “Sua discografia inclui discos voltados para o Jazz assim como algumas incursões pelo Fusion, Funk e Música Clássica. Poucos pianistas têm ou tiveram uma carreira tão fecunda quanto Hancock, que já atravessa algumas décadas como um dos maiores pianistas da história do Jazz”. Hancock nasceu numa família de músicos amadores. Desde muito cedo revelou certa facilidade para tocar piano. Aos 11 anos de idade, Hancock chegou a tocar o primeiro movimento do Concerto para Piano em Ré Menor, de Mozart, em um concerto de músicos jovens com a Orquestra Sinfônica de Chicago. Até essa época seu repertório limitava-se a peças de Chopin, Mendelssohn e outros autores de música clássica. O despertamento definitivo para o jazz veio, quando aos 13 anos ouviu um trio de Jazz. Aquilo abriu a sua percepção para um outro tipo de universo musical completamente novo, cheio de possibilidades. Daí para frente, começa a frequentar os espaços onde se executava o jazz. Em poucos termos, é assim que se dá o despertamento de Herbie para o jazz. O CD que ora posta é uma coletânea com algums composições de som apetecível; ótimos para quem deseja se iniciar em Hancock. Boa degustação!

Herbie Hancock (1940 – )

01 Empty Pockets 6:09
02 Jack Rabbit 6:00
03 Yams 7:51
04 Eye of the Hurricane 6:00
05 Cantaloupe Island 5:29
06 The Sorcerer 5:36
07 I Have a Dream 10:55

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leonard Bernstein (1918-1990) – Sinfonia No. 1 – "Jeremias" e Gustav Mahler (1860-1911) – Sinfonia No. 4 em Sol

null

A Sinfonia No. 1 de Bernstein – “Jeremias” – estreou no mundo da música em 1944. Foi considerado o melhor trabalho daquele ano nos Estados Unidos. Particularmente, eu gosto bastante deste trabalho de Bernstein. É uma obra programática feita a partir da história do profeta judeu Jeremias. Bernstein utiliza o drama vivido pelo profeta, bem como textos do livro de Lamentações de Jeremias, um poema acróstico, narrando a destruição de Jerusalém pelos babilônicos, 6 séculos antes de Cristo, e as desventuras do referido profeta. Entre os profetas judeus, Jeremias certamente seja um dos que mais sofreram. Sujeito de emoções à flor da pele, Jeremias absorve todas as dores de Jerusalém quando a cidade é completamente sitiada e queimada. Antes disso, passara 40 anos advertindo o povo para que se voltasse para o Deus de Israel sem que tivesse qualquer êxito. Vale a pena conferir o trabalho de Bernstein. Aparece ainda no post a maravilhosa Sinfonia no. 4 de Mahler. Não é natural que vejamos, mas a regência fica com Marin Alsop, uma mulher (sic.). Em alguns dias postarei o próprio Bernstein regendo a Sinfonia Jeremias. Uma boa apreciação!

Leonard Bernstein (1918-1990) – Sinfonia No. 1 – “Jeremias”
01. I. Profecia
02. II. Profanação
03. III. Lamentação

Gustav Mahler (1860-1911) – Sinfonia No. 4 em Sol
04. I. Bedächtig. Nicht eilen
05. II. In gemächlicher Bewegung. Ohne Hast
06. III. Ruhevoll
07. IV. Das himmlische Leben. Sehr behaglich

Bournemouth Symphony Orchestra
Marin Alsop, regente
Lisa Milne, soprano

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Maurice Ravel (1875–1937): Música para Piano Solo (completa)

Bio curtinha, retirada da Wikipedia:

Joseph-Maurice Ravel (Ciboure, 7 de março de 1875 – Paris, 28 de dezembro de 1937) foi um compositor e pianista francês, conhecido sobretudo pela sutileza, das suas melodias instrumentais e orquestrais, entre elas, o Bolero, que considerava trivial e descreveu-o como “uma peça para orquestra sem música”.

Começou a manifestar interesse pela música aos 7 anos. Desde então dedicou-se ao estudo do piano, mas só começou a frequentar o Conservatório de Paris aos 14. Posteriormente, em 1895, passou a estudar só e retornou ao Conservatório em 1898, quando estudou composição com Gabriel Fauré. Concorreu no Prix de Rome, mas não foi bem sucedido.

Foi influenciado significativamente por Debussy, mas também por compositores anteriores, como Mozart, Liszt e Strauss, mas logo encontrou seu próprio estilo, que ficou, porém, marcado pelo Impressionismo.

É mundialmente conhecido pelo seu Bolero, ainda hoje a obra musical francesa mais tocada no mundo. A composição foi encomendada pela bailarina Ida Rubistein e estreou na Ópera de Paris em 1928.

Faleceu das conseqüências de um acidente de táxi ocorrido em 1932. Durante o período que precedeu a sua morte, havia perdido parte da sua capacidade de compor devido às lesões cerebrais causadas pelo acidente. A sua inteligência sempre se manteve intacta mas o seu corpo já não respondia adequadamente tendo sofrido de graves problemas motores.

Eu gosto muito da música orquestral de Ravel, mas não sou exatamente tarado por sua obra pianística. O Ravel que me interessa e que considero imortal é o notável orquestrador e compositor, não o de obras de câmara. FDP Bach já postou estas mesmas composições num CD duplo de Bavouzet. Eu acho que esta aqui é uma second choice. A postagem do FDP é superior. Mas a gente gosta de ouvir muita música e de variedade, não é assim?

Enjoy!

Maurice Ravel. The Complete Solo Piano Music. CD 1

1. Modere – Tres Franc (Valses Nobles Et Sentimentales)
2. Assez Lent (Valses Nobles Et Sentimentales)
3. Modere (Valses Nobles Et Sentimentales)
4. Assez Anime (Valses Nobles Et Sentimentales)
5. Presque Lent (Valses Nobles Et Sentimentales)
6. Vif (Valses Nobles Et Sentimentales)
7. Moins Vif (Valses Nobles Et Sentimentales)
8. Epilogue – Lent (Valses Nobles Et Sentimentales)
9. Ondine (Gaspard De La Nuit)
10. Le Gibet (Gaspard De La Nuit)
11. Scarbo (Gaspard De La Nuit)
12. Jeux D’eau
13. Prelude (Le Tombeau De Couperin)
14. Fugue (Le Tombeau De Couperin)
15. Forlane (Le Tombeau De Couperin)
16. Rigaudon (Le Tombeau De Couperin)
17. Menuet (Le Tombeau De Couperin)
18. Toccata (Le Tombeau De Couperin)

Maurice Ravel. The Complete Solo Piano Music. CD 2

1. Prelude Miroirs
2. Noctuelles
3. Oiseaux Tristes
4. Une Barque Sur L’ocean
5. Alborada De! Sracioso
6. La Vallee Des Cloches
7. Menuet Sur Le Nom De Haydn
8. Menuet Antique
9. Serenade Grotesque Sonatine
10. Modere
11. Mouvement De Menuet
12. Anime
13. Borodine (A La Maniere De…)
14. Emmanuel Chabrier (A La Maniere De…)
15. Pavane Pour Une Infante Defunte

Gordon Fergus-Thompson, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Daniel Kientzy interpreta Horia Şurianu

Pretendia postar algo diferente antes de voltar ao sax e aos romenos, mas o que realmente queria postar vai me demandar um pouco mais de tempo para organizar. Enquanto isso, vamos ao sax e aos romenos. Aqui está uma de minhas peças favoritas, o Concerto para saxofones e orquestra de Horia Şurianu, acompanhado por uma peça de câmara, Esquisse pour un Clair-Obscur (algo como Esboço para um Claro-Escuro).

Horia Şurianu nasceu em 1952, em Timișoara (Romênia), mas vive na França desde 1983 (naturalizou-se francês). É ligado à música espectral de uma maneira bem óbvia, como vocês poderão notar pelas duas obras aqui apresentadas. Sua obra, no entanto, é muito difícil de ser encontrada. Mesmo com enormes esforços, não tenho mais do que seis peças dele.

O Concerto para saxofones (sopranino e tenor) é uma obra muito enérgica, rítmica, pulsante, com dois movimentos rápidos entremeados por um central bem introspectivo. Apesar da linguagem moderna, é obra extremamente acessível pelo seu ânimo caloroso.

Esquisse pour un clair-obscur
foi composto para saxofone soprano e um conjunto instrumental formado por flauta, clarinete, violino, violoncelo e piano. Embora não seja uma obra hermética, já não tem aquela pulsação que torna o concerto tão acessível. É obra mais introspectiva no todo, um pouco mais áspera, mas possui, curiosamente, uma delicadeza estranha que me agrada muito.

Boa audição!

a
Horia Şurianu (1952- )

01 Concerto para saxofones e orquestra

02 Esquisse pour un clair-obscur, para saxofone e conjunto de câmara

Daniel Kientzy, saxofones
Orchestre de Chambre de la Radio Nationale de Roumanie (faixa 1)
Neil Thomson, regente (faixa 1)
Ensemble Archaeus (faixa 2)
Liviu Danceanu, regente (faixa 2)

BAIXE AQUI

PS: o cd pode ser encontrado na Amazon francesa.

itadakimasu

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Piotr I. Tchaikovsky (1840-1893) – Sinfonia Manfredo em Si menor, Op. 58

null

A Sinfonia Manfredo de Tchaikovsky foi composta no ano de 1885 e dedicada a Mily Balakirev. É baseado no poema dramático Manfredo de Lord Byron. A obra é o único trabalho sinfônico de Tchaikovsky que não recebeu uma numeração. É uma sinfonia programática de grande complexidade e extensão. No primeiro movimento Manfredo vaga pelos Alpes atormentado por dores espirituais atrozes. O segundo movimento é de um grande colorido orquestral, o que dá a ideia de um mundo mágico, frágil e sedutor. O terceiro movimento traz uma reflexão com elementos alpinos. E aos poucos retoma o tema do primeiro movimento. No quarto e último movimento, Manfredo aparece no mundo subterrâneo no meio de um bacanal. O herói morre após a visão de sua amada. É um trabalho que exige atenção pelas nuances que desperta. Escolhi esta versão com Svetlanov pela satisfação que gerou em mim. Inclusive, enquanto digito estas palavras, estou a ouvir este extraordinário trabalho. Boa apreciação!

P.S. Não achei o CD postado na Amazon, mas encontrei um outro com a mesma Sinfonia Manfredo gravado pelo mesmo Svetlanov

Piotr I. Tchaikovsky (1840-1893) – Sinfonia Manfredo em Si menor, Op. 58
01. I. Lento lugubre
02. II. Vivace con spirito
03. III. Andante con moto
04. IV. Allegro con fuoco

Na Amazon

State Symphony Orchestra of Russian Federation

Evgeny Svetlanov, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Joseph Haydn ( 1732- 1809) Concerto para Oboé, Trompete e Cravo

Com certeza um baita CD. Com toda a certeza também, um dos meus preferidos. Haydn foi muito ousado ao compor o concerto para trompete, já que o concerto foi composto para inaugurar o trompete de válvulas. Neste concerto, o trompete pode aparecer meio áspero, mas isso é porque o músico está usando instrumento de época. Percebam tamém que os trinados característicos da época são feitos diretamente na embocadura, ou seja, a nota não se altera, a frequência dela é que se altera. Isso para nós é incebível. Vale lembrar também que a flauta que se usa na orquestração também é de época. A maioria das passagens é feita por flauta, logo dá-nos a impressão de quebra. Já que o trompete parece áspero e a flauta tem um som super doce. O contraste é maravilhoso aos ouvidos de cada um.
O concerto para cravo nem precisa dizer, é super famoso. Mas Pinnock é um mestre. Eu nunca ouvi esse primeiro movimento tão brilhante. Tão Allegro.
É isso, boa audição.

Joseph Haydn – Concerto for Oboe, Concerto for Trumpet and Concerto for Harpsichord – The English Concert

Concerto for Oboe and Orchestra in C major
I. Allegro spirituoso
II. Andante
III. Rondo: Allegretto
Paul Goodwin, oboe

Concerto for Trumpet and Orchestra in E flat major
I. Vivace
II. Un poco Adagio
III. Finale: Allegro
Mark Bennet, keyed trumpet

Concerto for Harpsichord and Orchestra in D major
I. Allegro
II. Andante
III. Rondo all’Ungarese: Allegro assai
Trevor Pinnock, harpsichord

Paul Goodwin, oboe
Mark Bennett, trumpet
Trevor Pinnock, harpsichord

English Concert
dir. Trevor Pinnock

Clique aqui para fazer o download – Megaupload

Gabriel Clarinet

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler ( 1860-1911 ) – Sinfonia Nº 3 – Kubelik – Bavarian Symphonic Orchestra

Todas as Sinfonias de Mahler são ícones, mas penso que a 2ª, 3ª, 8ª, 9ª e 10ª são as mais importantes desse repertório. Gosto também muito deste sinfonia. Acho que é porque eu sou meio bucólico. Talvez ainda seja porque eu busco na natureza aquilo que não encontro em mim. Quando eu a ouvi pela primeira vez, eu odiei. Achei muito chata. Mas depois que eu comecei a ler e a freqüentar este blog as coisas começaram a mudar. Seja lá porque, eu gosto muito dessa sinfonia. Como de sempre, peguei alguns textos de outros blogs. Se alguém quiser complementar, fique à vontade.

SINFONIA No.3 (para contralto, coro feminino, coro infantil e orquestra)
Tonalidade principal: Ré menor
Composição: 1895-1896
Revisão: 1906
Estréia: Crefeld, 9 de junho de 1902, no festival da Allgemeine Deutsche Musikverein (regência de Mahler)
1a.Publicação: 1898 (Viena, Wenberger)
Instrumentação:
4 flautas (todas alternando com piccolos)
4 oboés (4o. oboé alternando com corne-inglês)
3 clarinetes (Sib e La- 3o. clarinete alterna com clarone)
2 clarinetes em Mib
4 fagotes (4o. fagote alterna com contrafagote)
8 trompas (Fa)
4 trompetes (Fa e Sib)
Flugelhorn (fora do palco)
4 trombones
Tuba contrabaixo
6 tímpanos (2 conjuntos de 3 cada)
2 glockenspiels
Tamburin
Tam-Tam
Triângulo
Prato suspenso
Caixa Clara
Bombo
Pratos
Caixas claras fora do palco
Sinos (afinados) fora do palco
2 Harpas
Quinteto de Cordas (violino I, II, violas, cellos e baixos com corda C grave)
Contralto solo
Coro feminino
Coro infantil
Duração: aprox. 100 minutos
Movimentos:
Part I
– I Kräftig. Entschieden
Part II
II- Tempo di Menuetto. Grazioso
III- Comodo. Scherzando. Ohne Hast
IV- Sehr langsam. Misterioso. Durchaus ppp.
V- Lustig im Tempo und keck im Ausdruck.
VI- Langsam. Ruhevoll. Empfundem
Texto: 2 textos:
1)”O mensch! Gib Acht!” de Friedrich Nietzsche (IV movimento)
2)”Es sungen drei Engel” da ‘Trompa mágica do menino’ (V movimento)
Programa: Mahler originalmente havia pensado em uma sinfonia programática que descreveria a natureza, por isso, iria chamá-la ‘Sinfonia pã’. Depois, quando decidiu incluir o texto de Nietzsche, pensou em chamá-la ‘Gaia Ciência’, com o subtítulo ‘Sonho de uma manhã de verão (segundo Bradford:1983, p.33) O programa original era assim:
I- Chega o verão
II- O que me dizem as flores do campo
III- O que me dizem os animais da floresta
IV- O que me diz a noite
V- O que me dizem os sinos da manhã
VI- O que me diz o amor
Esses pequenos índices, segundo Mahler, só foram conhecidos depois, na publicação de um programa de concerto.
Comentários: É a mais extensa sinfonia de Mahler e de todo o repertório romântico. De qualquer forma, é muito nítida a preocupação humanística e filosófica de Mahler, retratada de maneira entusiasmada nesta grande sinfonia.

*retirado daqui: http://repertoriosinfonico.blogspot.com/2007/06/sinfonias-informaes-tcnicas.html
—————————————————————————————————————-

A sinfonia Nº3 em ré menor, de Gustav Mahler foi composta entre 1893 e 1896. É uma obra bastante longa (a maior sinfonia de Mahler), a mais longa do reportório romântico, aproximadamente cem minutos de música.

Estrutura

A sinfonia está dividida em seis andamentos:
Kräftig entschieden (forte e decisivo)
Tempo di Menuetto (Tempo de minueto)
Comodo (Scherzando) (confortável, como um scherzo)
Sehr langsam–Misterioso (muito lento, misteriosamente)
Lustig im Tempo und keck im Ausdruck (Alegre em tempo e atrevido em expressão)
Langsam–Ruhevoll–Empfunden (lento, tranquilo, profundo)
Em cada uma das primeiras quatro sinfonias de Gustav Mahler, o próprio criou uma explicação da narrativa destas sinfonias. Na terceira, a explicação de cada andamento, é a seguinte:
“Chega o Verão”
“O que me dizem as flores do campo”
“O que me dizem os animais da floresta”
“O que me dizem os homens”
“O que me dizem os anjos”
“O que me diz o amor”
Todos estes títulos foram publicados em 1898.
Originalmente a Sinfonia possuía um sétimo andamento, “O que me dizem as crianças”, porém este foi colocado na Sinfonia No.4, no último andamento.

** retirado daqui : http://pt.wikipedia.org/wiki/Sinfonia_n.%C2%BA_3_(Mahler)

——————————————————————————————————————

Quarto Movimento

ZARATHUSTRAS MITTERNACHTSLIED (Canção da Meia-Noite de Zarathustra)

ALT (CONTRALTO):
O Mensch! Gib acht!
Was spricht die tiefe Mitternacht?
Ich schlief!
Aus tiefem Traum bin ich erwacht!
Die Welt ist tief!
Und tiefer als der Tag gedacht!
Tief ist ihr Weh!
Lust tiefer noch als Herzeleid!

Weh sprich: Vergeh!
Doch alle Lust will Ewigkeit.
Will tiefe, tiefe Ewigkeit!

Ó homem! Cuide-se!
O que faz a meia-noite profunda?
Adormeci!
De um sonho profundo Eu estou acordado!
O mundo é profundo!
E um pensamento mais profundo do que o dia!
Profunda é a sua desgraça!
Lust ainda mais profunda do que tristeza!

Ai a dizer: isso!
Mas toda a alegria quer a eternidade.
Will profunda, profunda eternidade!

***Retirado daqui :http://www.vagalume.com.br/gustav-mahler/sinfonia-n-3-quarto-movimento.html#ixzz136U7gXu0

——————————————————————————————————————

Quinto Movimento

ES SUNGEN DREI ENGEL (Três anjos cantaram)

KNABENCHOR (CORAL INFANTIL):
Bimm bamm, bimm, bamm…

FRAUENCHOR (CORAL FEMININO):
Es sungen drei Engel einen süßen Gesang,
Mit Freuden es selig in den Himmel klang:
Sie jauchzten fröhlich auch dabei,
Daß Petrus sei von Sünden frei.
Und als der Herr Jesus zu Tische saß,
Mit seinen zwölf Jüngern das Abendmahl aß
Da sprach der Herr Jesus: Was stehst du denn hier?
Wenn ich dich anseh’, so weinest du mir.”

ALT (CONTRALTO):
“Und sollt’ ich nicht weinen, du gütiger Gott”…

FRAUENCHOR (CORAL FEMININO):
Du sollst ja nicht weinen!

ALT (CONTRALTO):
Ich hab’ übertreten die zehn Gebot;
Ich gehe und weine ja bitterlich,
Ach komm und erbarme dich über mich!”

FRAUENCHOR (CORAL FEMININO):
“Hast du denn übertreten die Zehen Gebot,
So fall auf die Knie und bete zu Gott,
Liebe nur Gott in alle Zeit.
So wirst du erlangen die himmlische Freud!”
Die himmlische Freud’ ist eine selige Stadt;
Die himmlische Freud’, die kein Ende mehr hat.
Die himmlische Freud’ war Petro bereit’
Durch Jesum und allen zur Seligkeit.

Tradução
Boys Choir (CORAL INFANTIL):
BIMM Bamm, BIMM, bam …

CORO DA MULHER (Feminino CORAL):
Três anjos cantaram uma canção doce,
Abençoado com alegria, que soou no céu:
Ela gritou alegremente presentes,
Que Pedro estava livre do pecado.
E quando o Senhor Jesus sentado à mesa,
Com seus doze discípulos comeram a Última Ceia
Então disse o Senhor Jesus: O que você está fazendo aqui?
Quando eu olhar para você, e você chora comigo. ”

ALT (contralto):
“E eu não vou chorar, você bom Deus” …

CORO DA MULHER (Feminino CORAL):
Você não deve chorar!

ALT (contralto):
Eu quebrei os Dez Mandamentos;
Eu ando e chorar amargamente;
Oh, venha e tenha misericórdia de mim! ”

CORO DA MULHER (Feminino CORAL):
“Vocês quebraram os Dez Mandamentos,
Em seguida, cair de joelhos e rezar a Deus,
Só o amor de Deus em tudo.
A Sun irá levá-lo a alegria celestial! ”
A alegria celeste “é uma cidade abençoada;
A alegria celeste, que não tem fim.
A alegria celeste Petro estava pronto ‘
Através de Jesus e de todos para a salvação.

**** retirado daqui :http://www.vagalume.com.br/gustav-mahler/sinfonia-n-3-quinto-movimento.html#ixzz136UpaaMx

É isso

Clique aqui para fazer o Download – Megaupload

Gabriel Clarinet

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cecilia Bartoli – Sospiri

Entre 2009 e 2010, Cecilia Bartoli foi do Sacrifizio ao Pasticcio, do Olimpo ao Mercado. Após o belíssimo álbum de 2009, Sacrificium, La Bartoli lança agora um CD para angariar mais admiradores e perder outros tantos. O disco é um rolo só. Uma mistura de gêneros, épocas e uma demonstração de um virtuosismo às vezes um tantinho vazio. Minha cara-metade, uma ouvinte de óperas e admiradora incondicional de Rossini, ficou perturbada pelos abusos cometidos em Una voce poco fa. Tive que impedi-la de atacar meu CD Player com uma garrafa de Slivovice. A tentativa de Bartoli de se tornar ainda mais popular — e precisa? — esbarrou nas limitações artísticas de um repertório pra lá de estranho e um tratamento pra lá de “modernoso”. A Diva escorregou. Aguardamos para breve sua saída do shopping.

Obs.: quem quiser baixar este CD, faça-o logo! Sua gravadora adora mandar retirar os links de La Bartoli.

Cecilia Bartoli – Sospiri

1. Handel – “Lascia la spina cogli la rosa” – Cecilia Bartoli, Les Musiciens du Louvre, Marc Minkowski
2. Vivaldi – Gelido in ogni vena – Cecilia Bartoli, Il Giardino Armonico, Giovanni Antonini
3. Giacomelli – Sposa, non mi conosci – Cecilia Bartoli, Il Giardino Armonico, Giovanni Antonini
4. Caldara – Quel buon pastor son io – Cecilia Bartoli, Il Giardino Armonico, Giovanni Antonini
5. Mozart – “Voi che sapete” – Cecilia Bartoli, Wiener Philharmoniker, Claudio Abbado
6. Mozart – “Là ci darem la mano” – Cecilia Bartoli, Bryn Terfel, Orchestra dell’accademia Nazionale di Santa Cecilia, Myung-whun Chung
7. Mozart – Laudate Dominum omnes gentes (Ps. 116/117) – Cecilia Bartoli, Orchestra dell’accademia Nazionale di Santa Cecilia, Myung-whun Chung, Coro dell’accademia Nazionale Di Santa Cecilia, Roberto Gabbiani
8. Bellini – Ah! non credea mirarti si presto estinto, o fiore – Cecilia Bartoli, Juan Diego Flórez, Orchestra La Scintilla, Alessandro de Marchi
9. Persiani – “Cari giorni” (Romanza der Ines) – Cecilia Bartoli, Orchestra La Scintilla, Adam Fischer
10. Rossini – Una voce poco fa – Cecilia Bartoli, International Chamber Soloists, Orchestra La Scintilla, Adam Fischer
11. Bellini – Casta Diva – Cecilia Bartoli, International Chamber Soloists, Orchestra La Scintilla, Adam Fischer
12. Franck – Panis Angelicus – Cecilia Bartoli, Cinzia Maurizio, Luigi Piovano, Daniele Rossi
13. Gabriel Fauré – Pie Jesu – Cecilia Bartoli, Orchestra dell’accademia Nazionale di Santa Cecilia, Myung-whun Chung, Coro dell’accademia Nazionale Di Santa Cecilia, Roberto Gabbiani, Daniele Rossi

Cecilia Bartoli, mezzo-soprano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Piano Sonata No.1, Op.12, 24 Preludes, Op.31, Piano Trio No.2, Op.67 e etc (CDs 4 e 5 de 5 – final)

Concluímos, assim, esta extraordinária série com 5 CDs com obras pianísticas e de câmara de Dmitri Shostakovich. Tenho um profundo entusiasmo pelas obras do russo. Shosta é uma paixão inexplicável. Há por trás de sua personalidade, uma turbilhão de fatos, eventos, sentimentos, emoções construídas com sangue, suor, medo e incertezas. Alguns o rotulam de covarde por ter silenciado ou ficado na União Soviética, quando uma safra de compositores e artistas decidiram deixar a pátria comunista. É muito fácil rotulá-lo, depreciá-lo, chamá-lo simplesmente de “covarde”. Uma faca foi posta em seus dentes. Um instrumento perfurador foi encostado em suas costelas. Qualquer movimento em falso representaria a fulminação. Todavia, Shosta permaneceu com sua personalidade ímpar – suportou com tremores, temores, ironias e anuências fingidas. Fez tudo isso, porque acreditava na música. Escreveu seu nome da história da cultura do século XX, como um dos maiores compositores de todos os tempos. Não deixe de ouvir estes dois últimos CDs. Boa apreciação!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Piano Sonata No.1, Op.12, 24 Preludes, Op.31, Piano Trio No.2, Op.67, Cello Sonata in D minor, Op.40, Moderato (for cello and piano), Two Pieces (for string quartet), Piano Quintet in G minor, Op.57

DISCO 4

Piano Sonata No.1, Op.12
01. Allegro –
02. Adagio
03. Adagio
04. Allegro – Poco meno mosso-
05. Adagio – Lento –
06. Allegro – Meno mosso – Moderato – Allegro

Lilya Zilberstein, piano

24 Preludes, Op.31
07. I. Moderato
08. II. Allegretto
09. III. Andante
10. IV. Moderato
11. V. Allegro vivace
12. VI. Allegretto
13. VII. Andante
14. VIII. Allegretto
15. IX. Presto
16. X. Moderato non troppo
17. XI. Allegretto
18. XII. Allegro non troppo
19. XIII.. Moderato
20. XIV. Adagio
21. XV. Allegretto
22. XVI. Andantino
23. XVII. Largo
24. XVIII. Allegretto
25. XIX. Andantino
26. XX. Allegretto furioso
27. XXI. Allegretto poco moderato
28. XXII. Adagio
29. XXIII. Moderato
30. XXIV. Allegretto

Olli Mustonen, piano

Piano Trio No.2, Op.67
31. I. Andante – Moderato – Poco più mosso
32. II. Allegro con brio
33. III. Largo –
43. IV. Allegretto – Adagio

Beaux Arts Trio
Isidore Cohen, violino
Bernard Greenhouse, cello
Menahen Pressler, piano

DISCO 5

Cello Sonata in D minor, Op.40
01. I. Allegro non troppo
02. II. Allegro
03. III. Largo
04. IV. Allegro

Moderato (for cello and piano)
05. Moderato (for cello and piano)

Lynn Harrell, cello
Vladimir Ashkenazy, piano


Two Pieces (for string quartet)
06. I. Elegy
07. II. Polka
Piano Quintet in G minor, Op.57
08. I. Prelude
09. II. Fugue
10. III. Scherzo
11. IV. Intermezzo
12. V. Finale

Fitzwilliam String Quartet
Vladimir Ashkenazy, piano
Lucy Russel, violino I
Jonathan Sparey, violino II
Alan George, viola
Andrew Skidmore, cello

BAIXAR AQUI CD4
BAIXAR AQUI CD5

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nicolo Paganini – The 6 Concertos – Salvatore Accardo – LPO – Dutoit

Esta coleção foi postada originalmente há uns três anos atrás, mais ou menos, mas os links se apagaram. Demorei para repostá-los devido ao simples fato de não estar mais conseguindo encontrar os cds. Mas depois de muito fuçar minha bagunça, eis que os encontrei, e agora aqui está.
Estou fazendo uma megapostagem, com os três cds em um arquivo só no Megaupload. Tenho tido alguns aborrecimentos com o Hotfile, e o estou deixando de lado por um tempo até eles resolverem alguns questões.
Não vou falar muito sobre esta postagem, pois Paganini ocasiona algumas discussões violentas. Alguns o consideram superficial, apenas um virtuose cheio de frescuras, que não se preocupa com a parte orquestral, deixando o violino o tempo todo em primeiro plano. Outros o amam. Ou seja, trata-se de uma questão de amor e ódio. Serei breve em meu comentário: adoro estes concertos, e não ligo para a parte orquestral pobre, pois o que quero mesmo é ouvir o violino, já que o compositor é considerado um dos maiores violinistas de todos os tempos. Infelizmente não existia a indústria fonográfica naquela época para podermos melhor apreciar, mas deixemos isso então nas mãos deste gigante do instrumento, Salvatore Accardo. O regente é o sempre competente Charles Dutoit e a orquestra é “apenas” a Filarmônica de Londres. É pouco ou querem mais?

Nicolo Paganini – The 6 Concertos – Salvatore Accardo – LPO – Dutoit

CD 1
01 – Concerto #1 in D major,op.6- Allegro maestoso
02 – Concerto #1 in D major,op.6- Adagio
03 – Concerto #1 in D major,op.6- Rondo. Allegro spiritu
04 – Concerto #2 in B minor,op.7- Allegro maestoso
05 – Concerto #2 in B minor,op.7- Adagio

CD 2

01 – Concerto No 3 in E major- 1. Introduzione
02 – Concerto No 3 in E major- 2. Adagio. Cantabile Spianato
03 – Concerto No 3 in E major- 3. Andantino vivace
04 – Concerto No 6 in E minor op. post.- 1. Risoluto
05 – Concerto No 6 in E minor op. post.- 2. Adagio
06 – Concerto No 6 in E minor op. post.- 3. Rondo ossia Polonese

CD 3
01 – Concerto No 4 in D minor- 1. Allegro maestoso
02 – Concerto No 4 in D minor- 2. Adagio flebile con sentimento
03 – Concerto No 4 in D minor- 3. Rondo galante. Andantino gaio
04 – Concerto No 5 in A minor- 1. Allegro maestoso
05 – Concerto No 5 in A minor- 2. Andante, un poco sostenuto
06 – Concerto No 5 in A minor- 3. Finale – Rondo. Andantino quasi Allegretto

Salvatore Accardo – Violino
London Philharmonic Orchestra
Charles Dutoit – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Richard Wagner (1813-1883) – Die Walküre (A Valquíria)

null

A edição número 51 da Revista Filosofia Ciência e Vida, da qual sou assinante, trouxe um artigo interessante sobre as óperas de Wagner. O título do artigo é “Óperas com um toque de Filosofia”. A seguir segue um fragmento do texto:

As óperas de Richard Wagner (1813-1883) fazem parte do repertório de todo o circuito mundial da música. Se em vida o compositor encontrou, durante longa parte de sua atribulada existência, grande resistência dos círculos musicais mais conservadores, incapazes de conceder o valor devido a seu gênio criativo, a passagem dos anos permitiu que se fizesse justiça histórica a seu talento singular. Como compositor, Wagner subverteu a música ao propor inovações técnicas e estéticas que até então não haviam sido devidamente realizadas por seus predecessores. Tais modificações na estrutura dramática das óperas e da própria concepção sobre a natureza da música foram motivadas por questões de cunho filosófico, o que pode ser percebido ao se analisar o cerne de sua criação teórica, especialmente os escritos A Arte e a Revolução e A Obra de Arte do Futuro. Sua vasta produção intelectual não se encerra nesses dois ensaios, mas o estudo deles permite entender a gênese de suas propostas estéticas. A obra teórica de Wagner é marcada pela assimilação de diversas correntes filosóficas que também se refletem imediatamente nos enredos dramáticos de suas óperas. Dessa maneira, encontramos ecos das ideias de Feuerbach em Tannhäuser, a partir da noção de “sensualidade sadia”; de Proudhon, no caráter libertário do personagem Siegfried, da tetralogia O Anel de Nibelungos, lutando contra toda autoridade sustentada pela opressão e pela maldição da riqueza material como fonte de toda corrupção humana; de Schopenhauer, no libreto de Tristão e Isolda, ópera na qual encontramos uma autêntica aplicação dramática das teses apresentadas em O Mundo como Vontade e como Representação, assim como na obra que é a culminação artística de Wagner, Parsifal. De todos os grandes compositores da tradição musical ocidental, talvez seja Richard Wagner justamente aquele que tenha elaborado uma compreensão filosófica sobre a criação artística, a sociedade moderna e as suas relações políticas de forma mais consistente e enriquecedora para o debate intelectual da cultura oitocentista e mesmo para as pesquisas estéticas posteriores. Wagner se destaca dos compositores de até então por vislumbrar em sua carreira a conciliação entre seu ofício musical e sua produção teórica. Se houve antes dele compositores dotados de sólida formação intelectual, certamente o gênio de Leipzig foi quem soube externar publicamente de forma mais apurada tais qualidades. A obra teórica de Wagner é marcada pela assimilação de diversas correntes filosóficas que também se refletem nos enredos de suas ópera. As contribuições mais importantes de Wagner para a Filosofia se dão em sua estética engajada, marcada pela politização de suas ideias. Nos ensaios A Arte e a Revolução e A Obra de Arte do Futuro encontram-se o projeto de transformação radical das bases valorativas da sociedade europeia oitocentista, mediante a sua reeducação estética e a criação de um gênero artístico que envolvesse efetivamente a participação do povo em seu processo de elaboração. Se até então as condições técnicas que possibilitavam a criação artística se encontravam nas mãos das classes abastadas (primeiramente o mecenato aristocrático e, posteriormente, o financiamento burguês), tornava-se necessário o pertencimento dos recursos artísticos aos maiores interessados nesses bens culturais: a classe dos artistas e aqueles que verdadeiramente dignificam as suas criações.

null

Wagner se engajou efetivamente nas revoluções populares ocorridas a partir de 1848 e, refletindo esse anseio de transformação social radical, considerava que o genuíno artista deveria desenvolver a capacidade de utilizar os recursos artísticos em prol da criação de uma instância estética renovadora do ímpeto criativo recalcado pelo conservadorismo musical então vigente, capitaneando- se, assim, meios que permitissem o surgimento da “ópera revolucionária”. Servindo como instrumento de insurreição contra os normativos padrões morais estabelecidos por uma classe social desprovida de refinamento cultural, essa “ópera revolucionária” desenvolveria nos espectadores um conjunto de sentimentos impetuosos em prol da transformação social. Tais disposições seriam propícias para a modificação da decadente estrutura cultural vigente, marcada pela incompreensão do verdadeiro sentido artístico, pois utilizava a criação artística para fins comerciais e impedia o florescimento da genialidade de talentos relegados ao esquecimento. Para que essa situação se modificasse, a sociedade moderna, esteticamente renovada, deveria somar esforços para a formação do homem de gênio, capaz de aliar a nobreza de espírito à disposição criativa necessária para o empreendimento de grandes obras transformadoras da realidade sociocultural existente (WAGNER, A Arte e a Revolução, p. 56).

Leia mais AQUI

Richard Wagner (1813-1883) – Die Walküre (A Valquíria)

DISCO 1

Ato 1

01. Vorspiel – I Act
02. Wes herd dies auch sei
03. Kühlende labung gab mir
04. Müd am herd fand ich den mann
05. Friedmund darf ich nicht heiBen
06. Aus dem wald trieb es mich fort
07. Ich weiB ein wildes geschlecht
08. Ein schwert verhieB mir der vater
09. Schläfts du, gast
10. Winterstürme wichen dem wonnemond
11. Du bist der lenz
12. Wehwalt heiBt du fürwahr

Ato 2

13. Vorspiel – II Act
14. Nun zäume dein roB

DISCO 2

01. Der alte sturm
02. So ist denn aus mit den ewigen göttern
03. Nichts lerntest du
04. Was verlangst du
05. Schlimm, fürcht’ ich, schloB der streit
06. Was keinen in worten ich künde
07. Ein andres ist’s
08. O sag’, künde!
09. Raste nun hier
10. Hinweg! hinweg!
11. Siegmund! sieh auf mich!
12. Hehe bist du, und heilig gewahr’ ich
13. So wenig achtest du ewige wonne

DISCO 3

01. Zauberfest bezämt ein schlaf
02. Kehrte der vater nur heim!

Ato 3

03. Vorspiel – III Act
04. Schüzt mich und helft
05. Nicht sehre dich sorge um mich
06. Steh’! Brünnhild’!
07. Wo ist Brünhild’
08. Hier bin ich, vater
09. Wehe! wehe’! schwester
10. War es so schmählich
11. Nicht weise bin ich
12. So tatest du
13. Du zeugtest ein edles geschlecht
14. Leb’ wohl, du kühnes, herrliches kind!
15. Denn einer nur freie die braut
16. Loge, hör’! lausche hieher!

Ano da gravação: 1954

Wiener Philharmoniker
Wilhelm Furtwängler, regente
Brünnhild…………………………………Martha Möld
Sieglinde…………………………………Leonie Rysanek
Wotan…………………………………….Ferdinad Frantz
Siegmund………………………………….Ludwig Suthaus
Fricka……………………………………Margarete Klose
Hunding…………………………………..Gottlob Frick
Gerhilde………………………………….Gerda Schreyer
Ortlinde………………………………….Judith Hellwig
Waltraute…………………………………Dagmar Schmedes
Schwertleite………………………………Ruth Siewert
Helmwige………………………………….Erika Köth
Siegrune………………………………….Herta Töpper
Grimgerde…………………………………Johanna Blatter
Rossweisse………………………………..Dagmar Hermann

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

BAIXAR AQUI CD3

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

John Williams ( 1932 – ) Greatest Hits – Star Wars, Superman…

Sabe aqueles posts que despensam comentários ? Pois é, este é um deles. Quem não conheçe John Williams ? Quem nunca ouviu o tema de Star Wars ? E de Indiana Jones ? E de muitos outros ?
Para mim John Williams é um mestre. Andei pensando em alguém com quem comparar e achei que Mahler é uma boa( a sociedade dos amantes de Mahler vai me matar por tal comparação …). Assim como Mahler, John Williams sabe canalizar na música o sentimento. É claro que na época de Mahler, ele escreveu o que ele sentia, e John Williams o que o filme ( musical ) precisa. Pensem que John recebe os textos dos filmes e a partir deles cria a música. É claro que durante a produção são feitas algumas mudanças mais nada muito brusco. Creio ainda que John é um dos maiores compositores da atualidade.
Muitos o menosprezam por ”vender” a sua arte e até por ser compositor de Hollywood, mas eu acho fantástico. Alguns aqui no blog sabem a minha restrição em relação a dissonância e ao atonalismo, mas a música atonal de John é uma das poucas que eu consigo ouvir e apreciar. Muitos ainda não gostam de trilha sonora. Fazer o que então né ?! ? Gosto é gosto. Então é isso, tenham uma boa audição e se alguém quiser complementar, a caixa de comentários está sempre aberta.

John Williams – Greatest Hits

Disc 1
01 Star Wars – Main Title 5:44
02 E.T. – Flying Theme 3:42
03 Superman – Main Title 4:25
04 Indian Jones and the Temple of Doom – Parade of the Children 4:53
05 Sugarland Express – Theme 3:35
06 Jaws – Theme 2:31
07 Olympic Fanfare and Theme 4:28
08 Return of the Jedi – Luke and Leia 5:02
09 The Reivers – Main Title 5:13
10 The Empire Strikes Back – The Imperial March 3:04
11 Indana Jones and the Last Crusade – For Motorcycle and Orchestra 2:48
12 Empire of the Sun – Cadillac of the Skies 4:58
13 Raiders of the Lost Ark – The Raider’s March 5:11
14 Close Encounters of the Third Kind – Suite 9:46
Total Disc Time: 66:11

Disc 2
01 Saving Private Ryan – Hymn to the Fallen 6:10
02 Jurassic Park – Theme 5:29
03 Schindler’s List – Theme 3:32
04 Hook – Flight to Neverland 4:41
05 Seven Years in Tibet – Seven Years in Tibet 7:09
06 JFK – Prologue 4:00
07 Stepmom – The Days Between 6:27
08 1941 – March 4:14
09 Home Alone – Somewhere in My Memory 4:54
10 Summon the Heroes 6:14
11 Rosewood – Look Down, Lord 4:12
12 Far and Away – Theme 5:34
13 Born on the Fouth of July – Theme 6:20
14 Star Wars Episode 1: The Phantom Menace – Duel of the Fates 4:14

Conducter: John Williams

Performers: London Symphony Orchestra, Boston Pops Orchestra, The Skywalker Symphony Orchestra, American Boychoir, Tanglewood Festival Chorus, Pittsburgh Symphony Orchestra, Yo-Yo Ma, Itzhak Perlman, Tim Morrison, Christopher Parkening

Date of release: November 1999

Clique aqui e faça o download – Megaupload

Gabriel Clarinet

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Entrevistas bem interessantes com…

Giovanni Antonini

Magdalena Kožená

Pierre Boulez

Simon Rattle, introduzindo a primeira de Mahler

Bom findi!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – A arte da Fuga, BWV 1080

E eis que o PQP Bach chega às 2000 postagens. Isso mesmo! 2000 postagens. Não é brincadeira. Iria postar Shostakovich, mas acredito que não postar o grande patriarca do blog, que empresta o nome ao espaço, seria uma grande heresia, um verdadeiro sacrilégio. Por isso, resolvi postar A arte da fuga, uma daquelas peças que nos deixa boquiabertos. Esta peça é para ouvir e chorar. Simplesmente, indescritível. É como se Bach pegasse todas as suas composições e dissesse: “Em suma, a síntese de tudo aquilo que produzi está em A Arte da Fuga”. Alguns dados objetivos da peça: “A Arte da Fuga (Die Kunst der Fuge, em alemão), BWV 1080, é uma peça inacabada do compositor alemão Johann Sebastian Bach. A composição da obra provavelmente se iniciou em 1742. A primeira versão de Bach que continha 12 fugas e dois cânones foi copiada em 1745. Este manuscrito tinha um título ligeiramente diferente, acrescentado posteriormente por seu genro, Altnickol: Die Kunst der Fuga. A segunda versão da obra foi publicada depois de sua morte em 1750, contendo 14 fugas e quatro cânones. A obra demonstra o completo domínio de Bach da mais complexa forma de expressão musical da música clássica européia, conhecida como contraponto. A obra é composta de combinações engenhosas e particularmente elaboradas de temas relativamente simples desenvolvidos como composições da mais alta musicalidade. A Arte da Fuga se situa entre os pontos mais altos a que chegou a música européia devido à complexidade única de sua forma e estrutura”. Boa apreciação!

Alguns dados extraídos DAQUI

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – A arte da Fuga, BWV 1080

DISCO 01

01. Contrapunctus 1 BWV 1080-1
02. Contrapunctus 2 BWV 1080-2
03. Contrapunctus 3 BWV 1080-3
04. Contrapunctus 4 BWV 1080-4
05. Contrapunctus 5 BWV 1080-5
06. Contrapunctus 6 a 4 in Stylo Francese BWV 1080-6
07. Contrapunctus 7 a 4 per et Diminut[ionem] BWV 1080-7
08. Contrapunctus 8 a 3 BWV 1080-8
09. Contrapunctus 9 a 4 alla Duodecima BWV 1080-9
10. Contrapunctus 10 a 4 alla Decima BWV 1080-10

DISCO 02

01. Contrapunctus 11 a 4 BWV 1080-11
02. Contrapunctus inversus a 4 BWV 1080-12.1
03. Contrapunctus inversus 12 a 4 BWV 1080-12.2
04. Contrapunctus inversus a 3 BWV 1080-13.1
05. Contrapunctus a 3 BWV 1080-13.2
06. Fuga a 3 Soggetti BWV 1080-19
07. Canon alla Ottava BWV 1080-15
08. Canon alla Decima Contrap[p]unto alla Terza BWV 1080-16
09. Canon alla Duodecima in Contrap[p]unto alla Quinta BWV 1080-17
10. Canon per Augmentationem in Contrario Motu BWV 1080-14
11. Fuga a 2 Clav. BWV 1080-18.1 [13.1bis]
12. Alio modo Fuga a 2 Clav. 1080-18.2 [13.2bis]

Sergio Vartolo & Maddalena Vartolo, cravo

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Liszt (1811-1886) – Sinfonia Fausto

Liszt foi uma das primeiras personalidades da música a ter aquela “presença artística” que arrebata o público. O seu atrativo não dependeu das suas faculdades como pianista – para qual não havia competidores – entrementes, da sua elegante presença, modos exagerados (perfomáticos ou não) e até dos seus atavios; tudo isso estava amarrado por uma técnica pianística conseguida no século XIX, talvez não superada até hoje. Na infância estudou com Salieri. Fez grande amizades – Chopin, Berlioz. Fato curioso é que Liszt, com uma personalidade que possuía fortes elementos “tenebrosos” e “escuros”, no final da vida se tornou um clérigo. A Sinfonia Fausto foi estreada no ano de 1857 em homenagem a Goethe e Schiller. A obra é longa, possuindo aproximadamente 70 minutos de duração. Boa apreciação!

Franz Liszt (1811-1886) – Sinfonia Fausto

01. Faust [29:41]
02. Gretchen (Margherita) [23:02]
03. Mephistopheles – Schlußchor ‘Alles Vergängliche ist nur ein Gleichnis’ (Te… [24:18]

Boston Symphony Orchestra
Tanglewood Festival Chorus

Leonard Bernstein, regente
Kenneth Riegel, tenor

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – As Criaturas de Prometeu, Op. 43 – Die Geschöpfe des Prometheus

Em 1800, o mestre de balé na Hoftheater Viena Salvatore Vigano pediu Beethoven a compor a música para seu novo balé sobre a astúcia de Prometeu, que roubou o fogo de Zeus e deu aos mortais. E Beethoven escreveu de forma primorosa a obra ora postada. Não deixe de ouvir esta maravilhosa peça do mestre alemão. Boa apreciação!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – As Criaturas de Prometeu, Op. 43 – Die Geschöpfe des Prometheus

01. Overture Adagio – Allegro molto con brio –
02. Introduction ‘La Tempesta’ Allegro non troppo

Ato I

03. Poco adagio
04. Adagio – Allegro con brio
05. Allegro vivace

Ato II

06. Maestoso – Andante
07. Adagio – Andante quasi allegretto
08. Un poco adagio – Allegro
09. Grave
10. Allegro con brio – Presto
11. Adagio – Allegro molto
12. Pastorale Allegro
13. Andante
14. Solo di Gioia Maestoso – Allegro
15. Allegro – Comodo
16. Solo della Casentini Andante – Adagio – Allegro
17. Solo di Vigan Andantino – Adagio – Allegro
18. Finale Allegretto – Allegro molto

Scottish Chamber Orchestra
Sir Charles Mackerras, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dietrich Buxtehude (1637-1707) – Cantatas

Um raio “torrou” o meu modem no último domingo. Uma chuva torrencial que caiu aqui em Brasília trouxe uma série de problemas – inclusive o meu silêncio compulsório nos últimos dois dias. Somente hoje à noite a coisa foi solucionada. A seguir, este delicioso post com a música de Buxtehude. O compositor foi um dos principais nomes a influenciar Johann Sebastian Bach. Há alguns dias li um livro em que o autor afirma que Bach se deslocava cerca de 300 quilometros a fim de ver Buxtehude tocando. Imagine se não vale a pena ouvir a música de Dietrich! “Dietrich Buxtehude (provavelmente Bad Oldesloe, 1637 – Lübeck, 9 de maio de 1707) foi um compositor e organista teuto-dinamarquês do período barroco. Apesar de nascido provavelmente na cidade de Bad Oldesloe, na época pertencente à Dinamarca (hoje território alemão), Buxtehude era de ascendência alemã e é considerado um dos representantes mais importantes do período barroco alemão.
null

O pai, organista e mestre de escola em Bad Oldesloe, muda-se para Hälsingburg, na Suécia, quando Buxtehude tinha um ano. O pai, também seu único professor de música por toda a vida, ainda se mudará para Helsingor, na Dinamarca, onde morrerá em 1674. Esta havia sido a cidade na qual Buxtehude cursara a Lateinschule. Buxtehude assume a função do pai, de organista na igreja em Hälsingburg em 1658 e, em 1660 vai para Helsingor, e, posteriormente, para Lübeck, na Alemanha, onde é nomeado Werkmeister (gerente geral) e organista da Marienkirche em 11 de abril de 1668, após concorrido concurso para um dos cargos mais cobiçados do norte do país. Casa-se, em agosto desse ano, com Anna Margarethe Tunder, filha de Franz Tunder, seu antecessor nesta igreja. Esse era o costume da época, no qual o sucessor do organista da igreja deveria se casar com a filha do seu antecessor. A partir daí, e nos 40 anos seguintes, Buxtehude entraria na parte mais prolífica de sua carreira, principalmente considerando que sua obra era praticamente nula até então. Buxtehude ganha prestígio com a retomada da tradição dos Abendmusik, que eram saraus vespertinos organizados na igreja, idealizados por seu antecessor inicialmente apenas como entretenimento para os homens de negócios da cidade, previstos para ocorrerem em cinco domingos por ano, precedendo o Natal. Mas Buxtehude ampliou grandemente o escopo destes saraus e para eles compôs algumas de suas melhores obras, em forma de cantata, das quais se preservam cerca de 120 em manuscrito, com textos retirados da Bíblia, dos corais da tradição Protestante e mesmo da poesia secular. Também dedicou-se a outros gêneros, como solos para órgão (variações corais, canzonas, toccatas, prelúdios e fugas) e os concertos sacros. Todos os oratórios se perderam, mas guardam-se os registros de que existiram. Em diversas ocasiões, foi visitado por compositores promissores da época, como Haendel e Mattheson, que o procuravam principalmente quanto à sua fama de organista. De todas as visitas, a mais notável foi a de Bach, grande admirador de sua obra. Bach prorroga a estada de quatro semanas inicialmente planejadas para quatro meses. Buxtehude, a despeito da importância para a música alemã e de sua origem também alemã (a família era de Buxtehude, uma cidade a sudoeste de Hamburgo), sempre se considerou dinamarquês”.

Extraído DAQUI

Dietrich Buxtehude (1637-1707) – Cantatas

01. Canite Jesu nostro
02. Mein Herz ist bereit
03. Salve, Jesu, patris gnate unigenite
04. Motetto: Cantate Domino
05. Fürchtet euch nicht
06. Herr, wenn ich nur dich habe
07. Ich bin eine Blume zu Saron
08. In dulci jubilo

Arcadia
Margaret Pearce & Helen Gagliano, soprano
Michel Leighton Jones, baixo
Catherine Shugg, Ross Mitchel & John Quaine, violino
Ruth Wilkinson, viola da gamba
Jacqueline Ogeil, órgão e direção

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Piano sonata no.2, Op.61, Three fantastic dances, Op.5 , Five preludes, e etc (CD 3 de 5)

Mais um excelente CD dessa caixa fantástica. Shosta tinha uma intimidade pouco comum para com o piano. Se tivesse se dedicado à carreira de pianista, teria feito fama internacional com muita facilidade. As peças aqui encontradas expressam de modo singular o que estou tentando esboçar. Não deixe de ouvir a música do russo que pagou um preço bastante caro por conta de suas intuições artísticas. Boa apreciação!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Piano sonata no.2, Op.61, Three fantastic dances, Op.5 , Five preludes, Lyric waltz (Dances of the dolls), Short piece (The gadfly, op.97), Spanish dance (The gadfly, op.97), Nocturne – The Limpid Stream, op. 39, Aphorisms, Op.13 e Polka – The Golden Age, op. 22


Piano sonata no.2, Op.61

01. I. Allegretto
02. II. Largo
03. III. Moderato con moto

Three fantastic dances, Op.5
04. I. Allegretto
05. II. Andantino – Allegretto
06. III. Allegretto

Five preludes
07. I. Allegro moderato e scherzando
08. II. Andante
09. III. Allegro moderato
10. IV. Moderato
11. V. Andantino

Lyric waltz (Dances of the dolls)
12. Lyric waltz (Dances of the dolls)

Short piece (The gadfly, op.97)
13. Short piece (The gadfly, op.97)

Spanish dance (The gadfly, op.97)
14. Spanish dance (The gadfly, op.97)

Nocturne – The Limpid Stream, op. 39
15. Nocturne – The Limpid Stream, op. 39

Aphorisms, Op.13
16. I. Recitative
17. II. Serenade
18. III. Nocturne
19. IV. Elegy
20. V. Marche funebre
21. VI. Etude
22. VII. Dance of Death
23. VIII. Canon
24. IX. Legend
25. X. Lullaby

Polka – The Golden Age, op. 22
26. Polka – The Golden Age, op. 22

Vladimir Ashkenazy, piano

BAIXAR AQUI

null

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música no Museu

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Charles Ives (1874-1954) – Sinfonia No. 1, Sinfonia No. 4 e Central Park in the Dark

Ives tinha uma vida extraordinariamente ativa. Após sua formação profissional como organista e compositor, ele trabalhou durante 30 anos no setor dos seguros, escrevendo no seu tempo livre. Usou uma grande variedade de estilos – desde o Romantismo tonal até a experimentação radical, mesmo em peças escritas no mesmo período. Suas principais obras muitas vezes lhe custaram anos de trabalho, desde o primeiro esboço até a revisão final, e muitas delas não foram executadas durante décadas. Suas auto-publicações no início dos anos 1920 trouxeram um pequeno grupo de admiradores que trabalhou para promover a sua música. Ele logo deixaria de escrever novas obras, dedicando-se a revisões e preparações para execuções de obras já compostas. Quando morreu, Ives já era um compositor reconhecido e muitas de sua obras tinham sido publicadas. Sua reputação continuou a crescer postumamente, e por ocasião do seu centenário, em 1974, ele foi reconhecido mundialmente como o primeiro compositor a criar uma “música distintamente americana”. Desde então, sua música tem sido mais freqüentemente executada e registrada e a sua reputação cresceu, menos tanto por suas inovações mas sobretudo pelo mérito intrínseco da sua música. As circunstâncias únicas da carreira de Charles Ives criaram alguns mal-entendidos. Seu trabalho no setor dos seguros, combinado com a diversidade da sua produção e do pequeno número de performances durante os seus anos de compositor, conduziram Ives a uma imagem de amador. No entanto, ele tinha uns 14 anos de carreira como organista profissional e um meticuloso treinamento formal na composição. Dado que se desenvolveu como compositor longe dos olhos do público, as suas obras maduras pareceram radicais e desconectas do passado, quando publicadas. No entanto, quando a sua música se tornou conhecida, as suas raízes profundas no Romantismo do século XIX e o desenvolvimento gradual de uma expressão pessoal altamente moderna e idiomática tornaram-se evidentes. As primeiras obras de Ives apresentadas ao público foram: Orchestral Set nº.1: Three Places in New England, The Concord Sonata, os movimentos da Sinfonia nº 4 e A Symphony: New England Holidays. Eram altamente complexas, incorporavam diversos estilos musicais e faziam uso freqüente de “empréstimos musicais”. Estas características levaram à conclusão de que algumas de suas obras só poderiam ser entendidas através das explicações programáticas que ele ofereceu e não foram especificamente organizadas com princípios musicais. Ainda traçando a evolução das suas técnicas através de suas obras anteriores, estudiosos demonstraram o trabalho que há por trás até de partituras aparentemente caóticas e mostraram a estreita relação de seus processos com os dos seus predecessores e contemporâneos europeus. O resultado do caminho incomum de Ives é que a cronologia da sua música é difícil de estabelecer. Sua prática de compor e as revisões das obras ao longo dos anos muitas vezes torna impossível atribuir a um pedaço uma única data. Ele trabalhou em diversas composições com muitas linguagens diferentes ao mesmo tempo e isso fez a relação cronológica entre as obras ainda mais complexa. Há, muitas vezes, obras sem verificação das datas que Ives atribuiu a elas, que podem ser anos ou décadas antes da primeira publicação ou execução. Foi sugerido, também, que ele datou várias peças muito cedo e ocultou revisões significativas, a fim de reivindicar prioridade sobre os compositores europeus que utilizavam técnicas semelhantes (Solomon, C1987) ou a esconder de seus negócios quanto tempo ele estava gastando na música(Swafford, C1996). Recentes estudos, no entanto, estabeleceram datas firmes pelos tipos de papel usado por Ives e refinou-se a estimativa de datas pelas diversas caligrafias, permitindo mais manuscritos para serem colocados dentro de um breve espaço de anos (Sherwood, C1994 e E1995, com base Kirkpatrick ,A1960, e Baron, C1990). Estes métodos têm muitas vezes confirmado as datas de Ives, o que demonstra que ele, na verdade, desenvolveu inúmeras técnicas inovadoras antes de seus contemporâneos europeus, incluindo politonalidade, clusters, acordes baseados em 4ªs ou 5ªs, atonalidade e poliritmia. Quando há discrepância – no caso de várias obras longas, por exemplo – esta pode resultar de sua prática de datar as peças em sua concepção inicial, nas primeiras idéias elaboradas no teclado ou em esboços já perdidos. As datas que aqui estão, então, são baseadas em manuscritos existentes, completadas por documentos recentes e depoimentos de Ives.

(…)

Extraído DAQUI

Charles Ives (1874-1954) – Symphony No. 1, Symphony No. 4 e Central Park in the Dark

Sinfonia No. 1
01. 1. Allegro (con moto)
02. 2. Adagio molto (sostenuto)
03. 3. Scherzo- Vivace
04. 4. Allegro molto

Sinfonia No. 4
05. 1. Prelude- Maestoso
06. 2. Comedy- Allegretto
07. 3. Fugue- Andante moderato con moto
08. 4. Very slowly (Largo maestoso)

Central Park in the Dark
09. Central Park in the Dark

Dallas Symphony Orchestra
Andrew Litton, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!