O dia em que o espetáculo foi para o lado de fora do Municipal. Dentro, só vaias

Conheça o caso aqui.

Por Thomas Pires Soares

Eu estava presente na frente do Teatro Municipal!!!

Foi uma bela manifestação! Pacífica, com vaias naturalmente, àqueles personagens já conhecidos da história que chegavam para o concerto. A parte dentro do Teatro, eu só vi no youtube! Depois, foi comovente a saída do público, sendo aplaudido pelos músicos demitidos que estavam TODOS (ao contrário do que o jornal O Globo noticiou) do lado de fora.

Os demitidos que usaram a camiseta com o escrito “SOS OSB” estavam do lado de FORA do Teatro. As vaias dentro da “casa” vieram do público. Houve algumas pessoas do público indignadas com a situação, pois queriam ver o concerto, entretanto, isto pode se dever ao fato de estas pessoas desconhecerem a questão do processo todo.

Além disso, os BRAVOS músicos da OSBJovem foram recepcionados pelos músicos demitidos, familiares dos mesmos, músicos de outras orquestras do Rio com entusiasmo, lágrimas de muitos ali, que se emocionavam com o grande feito dos Jovens, que bravamente e com muita elegância, protestaram contra toda esta situação que fragiliza seus “professores”(músicos demitidos) simplesmente, se levantando e não aceitando “fazer música” com um dos arquitetos (como afirmou a FOSB na TV) do projeto das reaudições (ou avaliação de desempenho). Este foi um momento histórico para a cultura brasileira, para a música brasileira, para a sociedade!!!!

Que a democracia chegue até os palcos e, respeitadas as hierarquias orquestrais (maestro, spalla, chefes de naipe e músicos tuttistas), se faça música de qualidade, com respeito e dignidade aos profissionais, para o PÚBLICO DO BRASIL!!!

Publicado no O DIA ONLINE.

Público vaia maestro da OSB no Theatro Municipal por 20 minutos

A crise na Orquestra Sinfônica Brasileira teve novo capítulo na tarde deste sábado. Começaria a série de cinco apresentações da OSB no Theatro Municipal, intitulada Topázio. Mas com as divergências entre músicos e maestro – que reprovou quase metade dos profissionais da sinfônica e demitiu quem se rebelou contra as avaliações de desempenho – quem subiu ao palco para o show foi a OSB Jovem.

Em seguida, quando entrou o maestro Roberto Minczuk, a plateia reagiu com vaias, durante 20 minutos. O maestro acabou se retirando de cena, seguido pelos músicos da orquestra. Um dos músicos tentou ler um manifesto contra a forma como a OSB vem sendo administrada por Minczuk, mas o som do teatro foi cortado.

Pelos alto falantes, a direção avisou que o espetáculo estava cancelado e pediu que a plateia se retirasse. Do lado de fora do Municipal, na Cinelândia, os músicos da OSB tocavam na calçada, em protesto.

Ei, Minczuk, vai tomar no c…!!!

PQP

23 comments / Add your comment below

  1. Eita, quanto tempo, estou preparando um presentão pra vocês depois desse longo período sem dá notícias. Mas vendo esse tópico, achei que deveria opinar, pois lembrei do que aconteceu com um amigo meu. O cara foi chamado para chefiar uma empresa que estava prestes a falir. O dono não sabia como sanar as dívidas sempre crescentes, contratou auditoria e o escambau. Não encontrando solução, chamou esse meu amigo, que tinha uma fama de carrasco. Pois bem, boa parte da prata da casa (gente que trabalhava há décadas na empresa) foi colocada no olho da rua por incompetência e safadeza. Até um parente próximo do dono, sugava dinheiro inapropriadamente. Depois de alguns anos a empresa saiu do buraco e hoje opera no verdíssimo.

    Essa mentalidade capitalista e desumana de resolver as coisas não é adequada para uma orquestra (mesmo que seja uma instituição privada). Numa orquestra devemos ser sensíveis aos músicos, mesmo que desafinem um pouquinho, pois a alma de um músico é única. Aqui na minha cidade, o lugar de spalla da orquestra foi justamente oferecido ao famoso rabequeiro Tião Mão-grossa que, mesmo usando um instrumento de duas cordas, faz maravilhas. Um dia o maestro da orquestra falou em demitir o coitado. “Como de súbito? Tem que ter um preparo antes” Depois de muitos protestos não só conseguimos que Tião ficasse pelo menos uns 10 anos até arrumar outra coisa pra fazer, como botamos o maldito maestro na rua. E para nossa sorte Dona Surdina, mãe do spalla, rege com maestria e precisão nossa belíssima orquestra.

  2. Concordo com você, C.D.F, administrar uma orquestra não pode ser o mesmo que administrar uma empresa, mas, naturalmente, isso não significa que uma orquestra não deve procurar ter os melhores músicos possíveis. Alguém sabe me dizer qual é a diferença, no tocante às avaliações, entre isso que tentaram implementar na OSB e o que foi feito pelo Neschling quando ele começou na OSESP?

  3. Que a OSB precisa de uma reformulação, já é tempo, ela tem condições de ser uma orquestra no nível da OSESP, mas o Minczuc se equivovou em relação a forma de implantar a tal seleção, é um maestro consagrado no mundo todo, mas nesse caso, infelizmente, pecou pela força bruta, os músicos mereciam um pouco mais de respeito, afinal, eles não estão lá por apadrinhamento, e sim porque passaram por seleção, uma pena, pelo maestro, que é excelente, e pelos músicos, quem perde, o espetáculo!

  4. O caso todo foi de um imenso desrespeito aos músicos! Minczuk e os dirigentes transformaram a situação em um tsunami, os efeitos foram catastróficos. Colocar a OSB Jovem para tocar no lugar da OSB é, além de anti-ético, anti-pedagógico (lembrem-se, são alunos) e um desrespeito com o público, que paga para ver profissionais tocando. Se Minczuk queria melhorar a OSB, errou feio…

  5. Pelas declarações que li do banqueiro presidente da Fundação OSB querem trazer a velha lógica supostamente meritocrática que justificam inúmeros despotismo nas empresas privadas.

    Ladainha de yuppie que divide o mundo entre os competentes, ambiciosos que estão dispostos a tudo para dar lucro ao patrão e a aqueles que não têm 3 bolas nas calças, mas possuem princípios.

    Como já vi alguém aqui comentar, esses critérios se já são duvidosos do meio coorporativo, no meio musical, enfim artístico parece ser catastrófico como estamos vendo. Todavia, pelo decorrer das coisas o remédio parece mais importante que a vida do próprio paciente.

    Nessas surumbáticas Avaliações Individuais de Desempenho quem vai avaliar o Maestro?

    Me emocionei muito vendo essas imagens, da coragem desses jovens, espero que todos se mobilizem para que não só os músicos demitidos e esses meninos não sejam perseguidos.

    Abs,

    p.s. aos filólogos de plantão, havendo algum erro no texto acima, ponham na conta…

    Soares

  6. Fernando, a OSESP na gestão Neschling não foi nenhum modelo de respeito e tratamento humanitário aos músicos, mas houveram algumas diferenças. Suponho que tenha havido um PDVI ou algo parecido, mas na OSESP, uma diferença significativa foi a implementação de altíssimos salários, em patamares tais como “nunca antes na história deste país” – e parece que nem é esse o caso da OSB. Não me recordo qual foi o tratamento dado aos músicos discordantes em um primeiro momento na OSESP, mas é certo que houveram várias demissões sumárias no decorrer dos anos, motivadas por desafinações mais ideológicas que musicais – uma das baixas inclui, ironicamente, o próprio Minczuk, que era tido como o provável sucessor do home (o qual teve seu ego ofuscado pelo jovem talento, pra encurtar a história). A orquestra era apelidada, em SP, de “orquestra universal do reino de Neschling”. Apelido que caiu como uma luva. Bom, o final da história todos sabemos: ninguém aguentou mais aquele clima de tirania. Atualmente, quem manda nas melhores orquestras do mundo (Filarmônicas de Berlim, Nova Iorque, Chicago, etc.) são os próprios músicos, que são extremamente organizados e capazes de demitir o mais renomado regente, num piscar de olhos. Mas parece que a ditadura, no Brasil, encontrou seu refúgio em nossas orquestras, infelizmente. Por aqui, a palavrinha sindicato ainda é palavrão.

  7. É triste ver que um maestro competente, o que o Minczuk realmente é, se deixou sucumbir pelo poder monocrático em detrimento a música.

    A busca de excelência de uma orquestra não pode ser usada como justificativa para se promover uma “eugenia”, olvidando-se, por completo, a história de superação que estes músicos, muitos ali há décadas, imprimiram ao nome da OSB.

    Dizer que esses músicos (que passaram por uma audição rigorosa para ingressarem na instituição, permaneceram ao menos 1 ano em situação probatória, e são ensaiados pelo maestro frequentemente) precisam de uma outra audição para que possam ser avaliadas as suas condições técnicas não é só falacioso mas é covarde.

    P.S. A posição de Isaac Karabtchevsky: http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2011/04/04/maestro-questiona-que-patrocinador-gostaria-de-unir-sua-instituicao-uma-orquestra-esfacelada-924158966.asp

  8. O discurso censurado dos músicos da OSB Jovem:

    “A música acima de tudo! Nós da OSBJovem acreditamos nesta afirmativa. Acreditamos que para haver música deve haver músicos, e que para haver músicos deve acima de tudo existir respeito.

    Frente a toda esta situação indissociável – onde uma ação imoral encontra respaldo na lei – a dignidade de toda a classe musical deve prevalecer e, assim sendo, a OSBJovem se manifesta de forma pacífica se recusando a tocar, não apenas por estarmos sendo usados para substituir a OSB profissional, o que é fato, mas porque hoje estamos no papel de ser o futuro da música no país, e não queremos que a realidade musical e social continue sem respeito, sem moral e sem diálogo.

    Embora em mais de uma ocasião tenha sido colocado que a FOSB e o maestro estão abertos a diálogo, não acreditamos que isso possa resolver a nossa situação como músicos jovens, uma vez que esse mesmo canal de diálogo foi aberto aos profissionais e a FOSB não transigiu, desencadeando este triste cenário em que o meio musical se encontra.

    Queremos a partir de hoje, de agora e para sempre, exercer nossa profissão, fazer música em um ambiente saudável e tendo como principio o respeito ao próximo.

    Hoje estamos aqui nesta situação e escolhemos agir, escolhemos nos manifestar em prol da música e da verdade, e é com todo o respeito à plateia de hoje e de sempre que não tocaremos hoje.

    Temos esperança nas coisas certas, e é com essa esperança que agradecemos e contamos com o apoio de todos vocês.”

  9. Só queria fazer uam correção no texto do PQP.
    Onde se lê “Ei, Minczuk, vai tomar no c…!!!” leia-se “Ei, Minczuk, vai tomar no CU!!!”.

    Acho que o teclado dele falhou.

    Sou a favor de que os músicos sejam avaliados, mas é preciso que tanto os critérios da avaliação quanto as medidas a serem tomadas qauanto ao reasultado da avaliação sejam muito bem definidas antes das avaliações começarem. Todo profissional tem que ser constantemente avaliado para manter a qualidade do serviço, mas a avaliação não pode ser realiada arbitrariamente. Não conheço os critérios da avaliação, por isso opino a respeito dessa avaliação, mas considero louvável a atitude da OSB Jovem de se recusar a pular no fosso que cavaram para seus professores.

    E, falando em Vanderson, que foi que houveram com ele, heim? As correções dele podiam ser meias incovenientes, mas ele é gente boa. Alguém sabe o que aconteceu pra os comentários dele sumirem?

  10. Bom, Duda Viola, todo profissional é constantemente avaliado, em qualquer trabalho. O que ocorre no meio orquestral é o uso dessas avaliações “fechadas” não só como meio de expulsão sumária de músicos que, em determinado momento, não correspondem às exigências técnicas da direção, como também como instrumento de exercício arbitrário do poder. Um belo pretexto para mandar embora os “insatisfeitos” que incomodam também. Não tenha dúvidas que qualquer maestro, ao ter que optar entre o “desafinadinho” bajulador e o “desafinadinho” desafiador, fica com o primeiro.

    Ocorre que as orquestras brasileiras, ou estipulam uma agenda que obriga o músico a se dedicar exclusivamente, ou pagam tão mal que obrigam o cidadão a topar qualquer “bico” pra sobreviver. Resultado: em poucos anos a decadência técnica começa a dar seus sinais, pois, com raras exceções, ninguém vai ter aulas e estudar de madrugada. O fato é que todas as grandes empresas disponibilizam boas verbas para aperfeiçoamento de seu pessoal, mas alguma vez uma grande orquestra brasileira investiu seriamente em cursos para incentivar seu material humano a evoluir? Desconheço. A opção é sempre tentar se livrar do entulho e contratar pessoal mais motivado, de preferência; estrangeiros mal pagos do leste europeu, ou jovens talentos nacionais.

  11. Concordo, SoyGardel. Plenamente. Tanto quanto a sermos avaliados sempre, independente da área de atuação, quanto que essas avaliações sejam usadas como máscara para a arbitrariedade. No seu exemplo, acho que mesmo que o desafiador fosse afinado, ainda assim, muito maestro ia preferir o bajulador desafinado.
    Além disso, existe a possibilidade de a banca responsável pela avaliação possa estar impondo uma sonoridade européia para a OSB? Espero que não, pois seria como tentar fazer um brasileiro falar com sotaque português. Ai, Jisus!
    E, sem dúvida, não se pode esquecer a questão salarial. Salário que não dá pra viver, jornada que não dá pra cumprir. Vejo todo dia isso acontecendo na educação.

  12. Sou solidário a causa dos músicos demitidos, como já disse, mas acho que os amotinados da OSB jovem estão fodidos, deram adeus a carreira …

    insisto, quem vai defendê-los?

    abs,

    Tólstoi

Deixe uma resposta