Richard Wagner – Sigfried – Karajan

Para variar, o tempo anda curto para nós do blog.  As postagens estão demorando para sair, e muitas vezes não saem como desejávamos. É uma pena. O ritmo de nossas vidas está uma loucura.
Já declarei em postagem anterior ser esta a minha ópera favorita do ciclo. Sua dinâmica é única, não há tempo nem para respirar, parece um filme de ação com um excelente roteiro e excelente música, no qual a ação é a principal personagem. Claro que não é bem este o caso, já que temos personagens únicos aqui, como o próprio Siegfried, Brunhilde, Wotan, Alberich e Mime.
O elenco que Karajan conseguiu reunir aqui também é excelente, com Jess Thomas e o excelente Gerhard Stolze dominando todo o resto do elenco e a história. Uma gravação de primeira, com Herr Karajan em seu apogeu. Podem falar o que quiser dele, mas que ele deixou sua marca na história da música do século XX deixou. E esta gravação do ciclo do Anel dos Nibelungos é um de seus melhores registros.
Baita gravação. Espero que apreciem.

CD 1
01. Vorspiel
02. Szene 1 “Zwangvolle Plage!”
03. Hoiho! Hoiho! Hau ein! Hau ein!
04. Als zullendes Kind zog ich dich auf
05. Es sangen die Vöglein so selig im Lenz
06. “Einst lag wimmernd ein Weib”
07. Szene 2 “Heil dir, weiser Schmied!”
08. Wie werd’ ich den Lauernden los
09. Nun rede, weiser Zwerg
10. Nun ehrlicher Zwerg, sag mir zum ersten
11. Dreimal solltest du fragen (Wanderer)
12. Szene 3 “Verfluchtes Licht”

CD 2

01. Bist du es, Kind
02. “Fühltest du nie im finstren Wald”
03. Hättest du fleißig die Kunst gepflegt (Mime, Siegfried)
04. “Notung! Notung! Neidliches Schwert!”
05. Hoho! Hoho! Hohei! Schmiede, mein Hammer (…)
06. “Den der Bruder schuf”07. Vorspiel
08. Szene 1 “In Wald und Nacht”
09. Wer naht dort schimmernd im Schatten (Alberich, Wanderer)
10. Mit Mime räng’ ich allein um den Ring
11. Szene 2 “Wir sind zur Stelle!”
12. “Daß der mein Vater nicht ist”

CD 3

01. Siegfrieds Hornruf – “Haha! Da hätte mein Lied mir was Liebes erblasen” (Siegfried, Fafner
02. Wer bist du, kühner Knabe
03. Ist mir doch fast, als sprächen die Vöglein zu mir! (Siegfried, Stimme des Waldvogels)
04. Szene 3 “Wohin schleichst du”
05. “Willkommen, Siegfried”
06. “Neides Zoll zahlt Notung”
07. “Heiß ward mir von der harten Last!”
08. Nun sing, ich lausche dem Gesang
09. Vorspiel
10. Szene 1 “Wache, Wala!”
11. “Stark ruft das Lied”
12. Mein Schlaf ist Träumen (Erda, Wanderer)
13. Wirr wird mir, seit ich erwacht (Erda, Wanderer)
14. Weißt du, was Wotan will (Wanderer)
15. Szene 2 “Dort seh’ ich Siegfried nahn”
16. Was lachst du mich aus (Siegfried, Wanderer)

CD4

01. Bleibst du mir stumm, störrischer Wicht
02. Orchesterzwischenspiel
03. “Seliger Öde auf wonniger Höh’”
04. “Das ist kein Mann!”
05. – Brünnhildes Erwachen Einleitung
06. Heil dir, Sonne! Heil dir, Licht!
07. Siegfried! Siegfried! Seliger Held! (Brünnhilde, Siegfried)
08. “Dort seh’ ich Grane”
09. “Sangst du mir nicht, dein Wissen sei das Leuchten der”
10. “Ewig war ich”
11. Dich lieb’ ich Oh liebtest mich du! (Siegfried, Brünnhilde)
12. Lachend muß ich dich lieben (Brünnhilde, Siegfried)

Siegfried – Jess Thomas
Mime – Gherard Scholze
Der Wanderer – Thomas Stewart
Alberich – Zoltan Keleman
Fafner – Karl Ridderbuch
Erda – Oralia Dominguez
Brünhilde – Helga Dernesch
Stimme des Waldvogels – Catherine Gayer
Beriner Philharmoniker
Herbert von Karajan – Conductor

CDS 1 E 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CDS 3 E 4 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Leoš Janáček (1854-1928): Obras para piano (2 CDs)

Gosto muito da música de Leoš Janáček, sempre muito expressiva. Temos aqui alguma coisa de sua obra pianística. Quem conhece suas expansões orquestrais e vocais, pode se surpreender pela absoluta tranquilidade destas obras para piano que encontram referências em Debussy e ecos em Satie. São discos ideiais para se ouvir em tardes melancólicas como costumam ser as de domingo e também nas noites frias e chuvosas do sul do Brasil.

Ah, aqui, seu interessantíssimo Concertino.

Janacek: In the Mist / Piano Sonata, “October 1, 1905” / On an Overgrown Path, Series 1.

1. In the Mists. Four piano pieces, I. Andante 3:17
2. In the Mists. Four piano pieces, II. Molto adagio 4:11
3. In the Mists. Four piano pieces, III. Andantino 2:25
4. In the Mists. Four piano pieces, IV. Presto 4:06
5. Sonata in E flat minor for Piano – October 1, 1905 – Street Scene, I. Foreboding. Con moto 5:54
6. Sonata in E flat minor for Piano – October 1, 1905 – Street Scene, II. Death. Adagio 4:56
7. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 1. 1st Series – Our Evenings (Moderato) 3:58
8. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 2. 1st Series – A Leaf Gone with the Wind (Andante) 3:19
9. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 3. 1st Series – Come with us! (Andante) 1:06
10. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 4. 1st Series – The Holy Virgin of Frýdek (Grave) 3:25
11. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 5. 1st Series – Twittering Swalows (Con moto) 2:24
12. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 6. 1st Series – Unfinished Talk! (Andante) 1:51
13. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 7. 1st Series – Good Night! (Andante) 2:45
14. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 8. 1st Series – Anxiety (Andante) 2:37
15. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 9. 1st Series – The Tears (Larghetto) 3:20
16. On the Overgrown Path. Cycle of piano pieces, 10. 1st Series – The Bird of III Omen Sings On! (Andante) 4:10

Josef Palenicek, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Janacek: On an Overgrown Path / Series 1 & 2

Book I

1. Our Evenings
2. A Blown-Away leaf
3. Come With Us!
4. The Madonna of Frydek
5. They Chattered Like Swallows
6. Words Fail!
7. Good Night!
8. Unutterable Anguish
9. In Tears
10. The Barn Owl Has Not Flown Away!

Book II

11. Andante
12. Allegretto – Presto
13. Più mosso
14. Allegro – Adagio
15. Vivo

16. Tema con Variazioni (Zdenka Variations)

Ivan Klansky, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

Erik Satie (1866-1925) – Les Fils des Etoiles

Erik Satie foi um importante precursor dos movimentos musicais do século passado. Foi um vanguardista. Influenciou Ravel e Debussy com sua música de paisagens estáticas. A música para Satie era uma mobília, um móvel que se adequa ao ambiente. A vida continua em seu fluxo e a música fica lá, parada, sem que a percebamos. Os efeitos psicológicos são notáveis. Por exemplo, enquanto estou aqui em casa lendo, esperando o tempo passar, o compositor é minha companhia. Mas é como eu não estivesse ouvindo nada. As pessoas passam no corredor, próximo ao meu apartamento, os carros buzinam, grades tilintam, chaves penduricalham; crianças gritam. Mas parece que não ouço nada. As miniaturas musicais de Satie são como rios marulhentos. Não percebemos a sua “viagem”. Todavia, às vezes, o seu ronco suave se expressa e aí lhe damos atenção. Satie destinava essa intenção à sua música. Queria que os ouvintes encarassem dessa forma aquilo que escrevia. Enquanto as sinfonias e concertos constituem universos, “teses”, “discursos eloquentes”, as peças de Satie são pequenos quadros, crônicas doces, suaves, “vagabundas”, miniaturas semi-mortiças. Mas, como é boa essa música!

Erik Satie (1866-1925) – Les Fils des Etoiles

01. Prélude du 1er Acte – La Vocation – Thème décoratif_ La nuit de Kaldée
02 – 1er Acte – La vocation
03 – Prélude du 2e Acte – L’Initiation – Thème decoratif_ La salle basse du Grand
04 – 2e Acte – L’Initiation
05 – Prélude du 3e Acte – L’Incantation – Thème decoratif_ La terasse du palais
06 – 3e Acte – L’Incantation

Steffen Schleiermacher, piano

BAIXAR AQUI

Carlinus

.: interlúdio [em caixinhas de música] :.

(Acontece seguido, me pararem na rua para perguntar: como vocês do PQP conseguem manter o fluxo de postagens excelentes, uma atrás da outra? Eu respondo contando um segredinho: ouvimos tanta música boa que precisamos organizar escalas para publicar um post, e frequentemente nos arremessamos à jugular um do outro por um lugar na fila. É assim que hoje, nesta madrugada, eu encaixo um interlúdio furtivo, enquanto espio nas postagens agendadas uma pérola do Avicenna esperando a manhã chegar para tomar seu justo lugar no topo do blog.

E é assim que eu imaginei o par de discos que trouxe hoje: quietos, noturnos, querendo passar despercebidos. Por um lado, sua natureza: (muito) mais próximos à musique concrète do que o costumeiro jazz dessa coluna. Por outro, pelo próprio clima das composições: as leituras para caixinha de música que Yuko Ikoma, a acordeonista que vimos logo ali, fez de Erik Satie, ressoam claras nas frequencias agudas, e crocantes nas médias; com simplicidade, cortam a noite trazendo um conforto paradoxal, evocando imagens circenses e, claro, alguma infância.

E se a palavra é simplicidade, bem, que a reforcemos: tanto os temas escolhidos quanto os arranjos em si não primam por invenções de qualquer espécie. São composições conhecidas, e daí parte do prazer que o álbum proporciona: reassimilar estas versões suaves, macias, e no entanto de notas bem definidas, de um cuidado maior do que o aparente.

Dois anos antes, em Paris, uma artista realizou um experimento semelhante; Cécile “Colleen” Schott gravou um disco de composições suas para caixinha de música. Nesse caso, e como é de seu perfil, Colleen explora mais; utiliza pedais de loop e edição em computador para criar atmosferas mais complexas. Às vezes em vinhetas simples, passáveis; noutras em melodias brilhantes e determinadamente angélicas. (Blue Dog é um grande fã de Colleen e tem sonhos com Your Heart is So Loud como trilha sonora, porque é um sortudo.)

Não é um par de discos que se vai ouvir a toda hora, de cabo a rabo; no entanto podem relocalizar qualquer situação. É uma música que serve para fundo de longos olhares, e que acalma a noite dos insones; e que como toda boa música, se escutada de perto, traz alguma inquietação. E ainda por cima mostra que, com um único e medieval elemento, se pode fazer música contemporânea experimental de grande sensibilidade.)


Yuko Ikoma – Moisture with Music Box /2008 [192]
download – 48MB /mediafire
01 1ére Gymnopédie
02 2éme Gymnopédie
03 3éme Gymnopédie
04 Je te veux
05 Menues Propos Enfantins – Chant guerrier du roi des haricots
06 Menues Propos Enfantins – Ce que dit la petite princesse des Tulipes
07 Menues Propos Enfantins – Valse du Chocolat aux amandes
08 Prestidigitateur Chinois
09 Rêverie du Paurve
10 1ére Gnossienne
11 4éme Gnossienne
12 Berceuse


Colleen – Et les Boîtes à Musique /2006 [V2]
download – 55MB /mediafire
01 John Levers the Ratchet
02 What is a Componium? (Part 1)
03 Charles’s Birthday Card
04 Will You Gamelan for Me?
05 The Sad Panther
06 Under the Roof
07 What is a Componium? (Part 2)
08 A Bear is Trapped
09 Please Gamelan Again
10 Your Heart is so Loud
11 Calypso in a Box
12 Bicycle Bells
13 Happiness Nuggets
14 I’ll Read You a Story

Boa audição!
Blue Dog

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – Concertos para Violoncelo com… não sei

Eu ia postar aqui os dois CDs de Amy Winehouse. São bons demais, mas pode ser perigoso. Poucos sites têm. Os donos dos direitos poderiam ficar nervoso.

O fato é que nem imagino quem participa desta maravilhosa gravação dos Concertos para Violoncelo de Shostakovich. Eu suponho que seja resultado da fantástica parceria entre Mstislav Rostropovich e Seiji Ozawa, mas não posso jurar pelo que sussurram meus ouvidos.

Por falar em parceria, Rostrô e Shosta foram colaboradores nestes dois extraordinários concertos. Shosta escrevia uma parte e ia visitar Rostrô a fim de testá-la. O violoncelista era um dos poucos amigos na fase final depressiva e desesperada de Shosta. Os dois concertos são dedicados a Mstislav Rostropovich. Dois grandes homens, dois grandes humanistas, dois grandes concertos.

Já disse, chuto ouvir Mstislav Rostropovich e Seiji Ozawa neste extraordinário registro que ora vos posto.

(Acabo de ouvir mais uma vez e o segundo concerto não me paraceu ser Ozawa. Talvez nem Rostrô. Bem, se alguém puder me dizer quem é, diga).

IM-PER-DÍ-VEL !!!!

Shostakovich — Concertos para Violoncelo com…

Cello Concerto No. 1 Op. 107
1. Allegretto
2. Moderato
3. Cadenza
4. Allegro con moto

Cello Concerto No. 2 Op. 126
5. Largo
6. Allegretto
7. Allegretto

?, violocenlo
?, regência

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

Richard Wagner (1813-1883) – Die WalKüre – Jon Vickers, Gundula Janowitz, Régine Crispin – Berliner Pilharmoniker – Karajan

A carga dramática que Karajan impõe nos cellos e contrabaixos já nos primeiros compassos do primeiro ato dão uma amostra do que virá pela frente. Jon Vickers como Siegmund e a Sieglinde de Gundula Janowitz estão perfeitos, impossível não se emocionar com sua trágica história de amor. E a Brünhilde de Régine Crespin também está magnífica. Na postagem anterior que fiz desta coleção, “Die Walkürie” foi a com o maior número de downloads, passaram de dois mil, claro que o motivo deve ser a fantástica “Cavalgada das Valquírias”.

O Megaupload anda com algumas frescuras, como por exemplo, não contabilizar o número de downloads feitos. Já está parado há quase um mês. E estes números são como o nosso IBOPE. Precisamos deles para ver se o nosso trabalho está compensando.

Espero que apreciem.

Richard Wagner – Die Walkürie – Janowitz, Vickers, Karajan

CD 1

01. Orchestervorspiel

02. Szene 1 “Wes Herd dies auch, hier muß ich rasten”

03. Einen Unseligen labtest du (Siegmund, Sieglinde)

04. Szene 2 “Müd am Herd fand ich den Mann”

05. “Friedmund darf ich nicht heißen” [620]

06. Die so leidig Los dir beschied

07. “Ich weiß ein wildes Geschlecht”

08. Szene 3 “Ein Schwert verhieß mir der Vater”

09. “Schläfst du, Gast”

10. “Winterstürme wichen dem Wonnemond”

11. Du bist der Lenz

12. O süßeste Wonne! Seligstes Weib! (Siegmund, Sieglinde)

13. War Wälse dein Vater

Siegmund, den Wälsung, siehst du, Weib! (Siegmund, Sieglinde)

CD 2

01. Vorspiel – Szene 1 “Nun zäume dein Roß”

02. Hojotoho! Hojotoho! (Brünnhilde)

03. “Der alte Sturm, die alte Müh’”

04. So ist es denn aus mit den ewigen Göttern

05. “Was verlangst du”

06. Deiner ew’gen Gattin heilige Ehre (Fricka, Wotan)

07. Szene 2 “Schlimm, fürcht ich, schloß der Streit”

08. “Ein andres ist ‘s achte es wohl”

09. So nimmst du von Siegmund den Sieg (Brünnhilde, Wotan)

10. So nimm meinen Segen, Niblungen-Sohn (Wotan, Brünnhilde)

CD 3

01. “So sah ich Siegvater nie”

02. Szene 3 “Raste nun hier; gönne dir Ruh!”

03. Szene 4 “Siegmund! Sieh auf mich!”

04. “Du sahest der Walküre sehrenden Blick”

05. So jung und schön erschimmerst du mir (Siegmund, Brünnhilde)

06. Szene 5 “Zauberfest bezähmt ein Schlaf”

07. Der dort mich ruft, rüste sich nun (Siegmund, Sieglinde, Hunding, Brünnhilde)

08. Zu Ross, daß ich dich rette! (Brünnhilde, Wotan)

CD 4

01. Szene 1 “Hojotoho! Heiaha!”

02. “Schützt mich und helft in höchster Not”

03. “Nicht sehre dich Sorge um mich”

04. Szene 2 “Wo ist Brünnhild’, wo die Verbrecherin”

05. “Hier bin ich, Vater”

06. Einleitung 3. Aufzug (Finale)

07. Szene 3 “War es so schmählich”

08. So tatest du, was so gern zu tun ich begehrt

09. Nicht streb, o Maid, den Mut mir zu stören (Wotan, Brünnhilde)

10. “Leb wohl, du kühnes, herrliches Kind”

11. Der Augen leuchtendes Paar

12. “Loge, hör! Lausche hieher!”

13. – Magic Fire Music

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Boccherini(1743-1805): 12 Concerti Per Il Violoncello – David Geringas – Orchestra di Padova e del Veneto – Bruno Giuranna

Este cd é uma agradável surpresa. Orquestra e solista desconhecidos para mim. Já tinha ouvido falar muito do David Geringas, mas nunca tinha ouvido nada dele. E olha que ele já gravou quase tudo. Um vasto repertório, difícil de ser encontrado na internet. Não é difícil encontrar os Concertos para Violoncelo de Boccherini pela net. Difícil é encontrar todos eles executados pelo mesmo solista e orquestra. Por isso mesmo escolhi o David e a desconhecida (porém muito agradável) Orchestra di Padova e del Veneto. Não acho que esta seja a melhor gravação desses concertos, mas me animou muito. Eles não são os melhores da face da terra, mas nem por isso fazem feio. As composições de Boccherini para violoncelo são muito legais. E a maioria destes concertos não são fáceis de executar. Boccherini exige muita técnica do solista. Para quem curte música barroca, este cd é um prato cheio. Então, sirva – se! Fique a vontade.

Boccherini(1743-1805): 12 Concerti Per Il Violoncello – David Geringas – Orchestra di Padova e del Veneto – Bruno Giuranna

CD1
Concerto No. 1 in E-flat majorG 474
Concerto No. 2 in A Major G 475
Concerto No. 3 in D major G 476
Concerto No. 4 in C Major G 477

CD2
Concerto No. 5 in D Major G 478
Concerto No. 6 in D Major G 479
Concerto No. 7 in G Major G 480
Concerto No. 8 in C Major G 481

CD3
Concerto No. 9 in B-flat MajorG 482
Concerto No. 10 in D Major G 483
Concerto No. 11 in C Major G 573
Concerto No. 12 in E-flat Major

CD1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

David Geringas, Violoncello
Orchestra da Camera di
Padova e del Veneto
Conductor: Bruno Giuranna

Raphael Cello

Richard Wagner – Das Rheingold – Berline Philharmoniker – Karajan

A primeira postagem que fiz dessa coleção foi um sucesso tremendo, mais de 3000 downloads em três anos. Mas os links do rapidshare foram se apagando, e tem muita gente solicitando, principalmente a série do “Göttendämmerung”, ou “O Crepúsculo dos Deuses”, como preferirem. Mas preferi criar novos links no Megaupload para toda a coleção. É um trabalho árduo, pois são 14 cds, portanto haja tempo… mas tentarei fazer na medida do possível, sem pressa.
Não por acaso estou fazendo estas postagens. No próximo dia 25, ou seja, segunda feira próxima, começa mais um Festival de Bayreuth, o palco wagneriano por excelência, onde são encenadas as suas óperas. Algumas rádios online transmitem as apresentações ao vivo, como a Rádio Bávara, com excelente qualidade, diga-se de passagem.
Não vejo necessidade de tecer maiores comentários. Sugiro para o melhor acompanhamento das óperas o excelente site http://www.luiz.delucca.nom.br/wep/wagneremportugues.html, que além do resumo de cada uma delas, traz o libreto traduzido. Querem mais?
Divirtam-se.
P.S. A lista dos solistas está no arquivo .jpg anexado aos arquivos de áudio.

CD 1

01 Vorspiel
02 “Weia! Waga! Woge du Welle!”
03 He! He! Ihr Nicker! (Alberich, Woglinde, Flosshilde, Wellgunde)
04 “Garstig glatter glitschriger Glimmer!”
05 “Lugt, Schwestern! Die Weckerin lacht in den Grund”
06 Nur wer der Minne Macht entsagt
07 “Der Welt Erbe Gewänn’ ich zu eigen durch dich”
08 Haltet den Räuber! (Flosshilde, Wellgunde, Woglinde)
09 Einleitung 2. Szene
10 “Wotan! Gemahl! Erwache!”
11 So schirme sie jetzt (Fricka, Freia, Wotan)
12 “Sanft schloß Schlaf dein Aug’”
13 Was sagst du Ha, sinnst du Verrat (Fasolt, Fafner, Wotan)
14 Du da, folge uns!
15 “Endlich, Loge!”
16 “Immer ist Undank Loges Lohn!”
17 Ein Runenzauber zwingt das Gold zum Reif
18 “Hör’, Wotan, der Harrenden Wort!”
19 Schwester! Brüder! Rettet! Helft!
20 Wotan, Gemahl, unsel’ger Mann!
21 Verwandlungsmusik
22 “Hehe! hehe! hieher! hieher! Tückischer Zwerg!”
23 Nibelheim hier (Loge, Mime, Mime, Wotan)
24 Nehmt euch in acht! Alberich naht! (Mime, Wotan, Alberich, Loge)

CD 2
01. Zittre und zage, gezähmtes Heer
02. Die in linder Lüfte Wehn da oben ihr lebt
03. Ohe! Ohe! Schreckliche Schlange… (Loge, Wotan, Alberich)
04. Dort die Kröte! Greife sie rasch! (Loge, Alberich)
05. “Da, Vetter, sitze du fest!”
06. “Wohlan, die Nibelungen rief ich mir nah”
07. “Gezahlt hab’ ich”
08. Ist er gelöst (Loge, Wotan, Alberich)
09. “Lauschtest du seinem Liebesgruß”
10. Lieblichste Schwester, süßeste Lust! (Fricka, Fasolt, Wotan)
11. Gepflanzt sind die Pfähle nach Pfandes Maß
12. “Weiche, Wotan, weiche!”
13. Soll ich sorgen und fürchten
14. Halt, du Gieriger! Gönne mir auch was! (Fasolt, Fafner, Loge)
15. Nun blinzle nach Freias Blick
16. He da! He da! He do! Zu mir, du Gedüft! (Donner)
17. “Zur Burg führt die Brücke”
18. Abendlich strahlt der Sonne Auge (Wotan)
19. So grüß’ ich die Burg (Wotan, Fricka, Loge)
20. “Rheingold! Rheingold! Reines Gold!”

Berliner Philharmoniker
Herbert von Karajan – Conductor
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concertos para Flauta Transversa

Os Concertos para Flauta de Vivaldi formam um corpus indefinido. É difícil ter uma idéia precisa do número dos Concertos para Flauta escritos pelo Padre Vermelho. Seis deles, entretanto, foram publicados. Esta é uma versão absolutamente magnífica e um must-have para todos os amantes Vivaldi, bem como para todos os que apreciam as boas performances em instrumentos originais. O francês Alexis Kossenko dá um banho neste excelente CD da Alpha. Ah, sim, coisa finíssima.

Importante: apesar de sacerdote, Vivaldi teve vários casos amorosos, um dos quais com uma de suas alunas, a cantora Anna Giraud. Tal como muitos outros compositores da época, terminou sua vida na pobreza. As suas composições já não suscitavam a alta estima que tiveram em Veneza na juventude do padreco. E vamo que vamo.

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concertos para Flauta Transversa

1. Concerto en Sol Majeur, RV 435: I. Allegro 2:18
2. Concerto en Sol Majeur, RV 435: II. Largo 2:46
3. Concerto en Sol Majeur, RV 435: III. Allegro 2:07

4. Concerto en La Mineur, RV 440: I. Allegro non molto 3:45
5. Concerto en La Mineur, RV 440: II. Larghetto 2:55
6. Concerto en La Mineur, RV 440: III. Allegro 2:54

7. Concerto en Sol Majeur, RV 436: I. Allegro 2:51
8. Concerto en Sol Majeur, RV 436: II. Largo 3:30
9. Concerto en Sol Majeur, RV 436: III. Allegro 2:30

10. Concerto en Mi Mineur, RV 430: I. Allegro 2:47
11. Concerto en Mi Mineur, RV 430: II. Largo 1:48
12. Concerto en Mi Mineur, RV 430: III. Poco Allegro 2:56

13. Concerto en Mi Mineur, RV 432: I. Allegro 3:27

14. Concerto en Sol Majeur, RV 438: I. Allegro 2:52
15. Concerto en Sol Majeur, RV 438: II. Andante 3:26
16. Concerto en Sol Majeur, RV 438: III. Allegro 3:20

17. Concerto « Il Cardellino » en Ré Majeur, RV 428 (extrait): Andante 3:11

18. Concerto en Ré Majeur, RV 429: I. Allegro 2:47
19. Concerto en Ré Majeur, RV 429: II. Andante 2:50
20. Concerto en Ré Majeur, RV 429: III. Allegro 3:30

21. Concerto en Fa Majeur, RV 434: I. Allegro ma non tanto 3:33
22. Concerto en Fa Majeur, RV 434: II. Largo cantabilte 4:06
23. Concerto en Fa Majeur, RV 434: III. Allegro 1:42

24. Concerto en Ré Majeur, RV 427: I. Allegro 2:55
25. Concerto en Ré Majeur, RV 427: II. Largo 3:47
26. Concerto en Ré Majeur, RV 427: III. Allegro 2:14

Alexis Kossenko flute & direction
Arte Dei Suonatori

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

PQP

.: interlúdio – Mama!milk :.

Ok, sejamos diretos e honestos: o interlúdio de hoje traz um grupo de tango. Japonês. Chamado Mama!milk.

~.~

Se você continua neste post, parabéns! Você é um curioso, e isso é muito bom. E por causa disso será recompensado com uma quadra de ases. Afinal, admitamos: friamente, a descrição não é das mais promissoras. No entanto, quem tem alguma intimidade com o universo musical japonês (orgulhosamente presente aqui no PQP) sabe que é preciso abandonar paradigmas ao escutar algo vindo de lá. Embora a proposta pareça inusitada, quem tem ouvidos atentos sabe que nada que surja do Japão pode, com honestidade, ser classificado de improvável.

O cerne do Mama!milk é a acordeonista Yuko Ikoma e o contrabaixista Kosuke Shimizu, ambos baseados em Tóquio, e com músicos convidados (piano, sopros, bateria — até um theremin) a orbitar seus shows e discografia. Mais do que compor e interpretar temas que invariavelmente nos atingem como tangueros, a música do duo parece um estudo sobre as possibilidades do acordeão no cool jazz. Se eu fosse resenhista de alguma revista descoladinha, eu os chamaria de post-tango sem hesitar; frequentemente as músicas estendem-se sem pressa, com as notas colocadas suavemente, e uma produção que enfatiza climas, antes de execuções. Somos remetidos a passeios em ruas antigas, a jardins de grama alta, a sonhos primaveris, a beijos de cinema noir. Sem exigir muito em troca — os andamentos não são simples, mas a técnica passa despercebida — , a música do Mama!milk é uma experiência altamente gratificante.

Os discos deste post se parecem entre si; a carreira do grupo, que já dura quase 15 anos, não marca nenhuma guinada brusca. (Inclusive porque ambos músicos principais tem seus outros projetos, mantendo o foco do Mama!milk intacto enquanto se divertem experimentando em outras frentes.) No entanto, isso não significa que não haja evolução; sua música vai se refinando, ficando mais sofisticada. Sugiro começarem por “Fragrance of Notes”; se não por ter sido eleito um dos 5 melhores álbuns de jazz pela BBC/Radio 1 em 2008, pela faixa The Moon. Me digam se não é a coisa mais bonita que vocês já ouviram nos últimos tempos. (E Two Ripples não fica muito atrás.)

(Além dos discos postados, o grupo lançou três EPs em colaborações especiais, dois discos em 2010 — “Quietude”, apenas com o duo principal, e “Parade”, com grupo completo — e está trazendo mais um, “Nude”, no mês que vem. Tanto no mundo físico quanto no virtual, são uma raridade pra encontrar.)


Mama!milk – Abundant Abandon /1999 [160]
Yuko Ikoma (accordion, piano), Kosuke Shimizu (double bass), Toru Satake (violin), Haruo Kondo (clarinet), Kunihiko Kurosawa (percussion)
download – 55MB /mediafire
01 Tricky clown round midnight
02 Sugar Daddy
03 Marie!; a big sweet dame in red
04 Popula; populus.poplars.pupulorum
05 Balloons over the carny
06 Ecco la carne
07 Dance your destiny, Nana
08 Abundant abandon
09 Pierre Angeric
10 A spree & French jinks
11 Heureux jours sous le ciel


Mama!milk – Lamb and Mutton /2001 [320]
Yuko Ikoma (accordion, piano, organ, music box), Kosuke Shimizu (double bass), Yasuko Saito (violin), Satoshi Yoshiike (clarinet), Satoru Takeshima (flute, sax), Yuki Yano (theremin), Masaki Mori (guitar), Gaku Nakamura (percussion), Tsutom Kurihara (percussion), Maki Takeuchi (drums)
download – 84MB /mediafire
01 Anemone Anaemia
02 Lamb and Mutton
03 Andante, Coquettish “kuroneko”
04 Sugar Daddy’s Daddy
05 4 Down
06 Crimson Erosion
07 Mieulou
08 Ao
09 Granpa in 3a.m.


Mama!milk – Gala de Caras /2003 [320]
Yuko Ikoma (accordion, piano), Kosuke Shimizu (double bass), Atsuko Hatano (violin, cello), Takeo Toyama (marimba), Pyon Nakajima (claves, bongo, castanets, guiro)
download – 82MB /mediafire
01 August
02 Greco on Thursday
03 Gala de Caras
04 Intermezzo, Op. 28
05 0
06 Greco on Monday
07 Zizi
08 Waltz for Hapone
09 Sones
10 A Piacere


Mama!milk – Fragrance of Notes /2008 [192]
Yuko Ikoma (accordion), Kosuke Shimizu (double bass), Yuichi Inobori (flute, trombone), Gak Sato (theremin), Takeo Toyama (piano), Tsutom Kurihara (drums)
download – 67MB /mediafire
01 Kujaku
02 Antique Gold
03 Hourglass
04 The Moon
05 Intermezzo, Op. 32
06 Avant Fermentation
07 Anise
08 Rosa Mundi
09 Smoky Dawn
10 Rosa Moschata
11 Two Ripples
12 Mano Seca
13 Sometime Sweet
14 Waltz, Waltz

Boa audição!
Blue Dog

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sinfonia No. 1 in C major, Op. 21 e Sinfonia No. 3 em Mi bemol maior, Op. 55 – "Heróica"

Primeiramente, quero afirmar que há motivos de sobra para que você baixe e saia ouvindo esse CD imediatamente. (1) Temos a presença de Evgeny Mravinsky, um dos maiores e melhores regentes do século XX. Se a obra de Beethoven possui sisudez, seriedade, com Mravinsky essa característica chega a paroxismos. (2) A Sinfonia no. 1 é o trabalho de um Beethoven ainda jovem, mas capaz de proezas. Vemos nela todo rigor e maturidade que seria revelada na Terceira, na Quinta, na Sétima e na Nona, sendo que esta última é a vida transfigurada, a subida ao paraíso. A Sinfonia No. 1 possui belos momentos de reflexão, de seriedade e alegria. (3) Já a Terceira Sinfonia é um tratado moral, um livro cuja metafísica é o próprio mundo interior de Beethoven. A Marcha Fúnebre do segundo movimento sugere seriedade, meditação, crença no homem e toda sorte de idealismos possíveis. Tudo isso sendo construído com paisagens de silêncio. Música medíocre nos leva ao barulho, aos piores instintos; a boa música, por sua vez, nos remete ao silêncio. Convido você a baixar sua cabeça e meditar com Beethoven. Bom deleite!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Sinfonia No. 1 in C major, Op. 21 e Sinfonia No. 3 em Mi bemol maior, Op. 55 – “Heróica”

Sinfonia No. 1 in C major, Op. 21

01. Adagio molto: Allegro con brio
02. Andante cantabile con moto
03. Menuetto: Allegro molto e vivace
04. Adagio; Allegro molto e vivace

Sinfonia No. 3 em Mi bemol maior, Op. 55 – “Heróica”
05. Allegro con brio
06. Marcia funebre: Adagio assai
07. Scherzo: Allegro vivace
08. Finale: Allegro molto

Leningrad Philharmonic Orchestra
Evgeny Mravinsky, regente

BAIXAR AQUI

Carlinus

Concerto "Quarteto LIGNEA", Mosteiro São Bento, Brasília – 29/07/2011

O Quarteto LIGNEA promove recital de lançamento do CD Vibrações Variantes no próximo dia 29 de julho de 2011 às 20:00 no Mosteiro de São Bento de Brasília. O evento entregará diploma de premiação a Hanon Rossi pela obra vencedora no Concurso de Composição Lignea 2010, além de homenagear o compositor Harry Crowl pelo conjunto de suas obras e pelo contínuo esforço de divulgação da música brasileira no cenário internacional, além de estrear 3 obras brasileiras que integrarão o repertório do Quarteto LIGNEA em seus projetos europeus para 2012.

É um programa para a família toda, participando da campanha de ajuda humanitária promovida pelos monges beneditinos.

O quarteto Lignea é único do gênero a integrar sopros e cordas incluindo a viola pomposa.

Serviço:
Data: 29/7/2011, sexta-feira, às 20:00.
Local: Mosteiro de São Bento, Ermida Dom Bosco no Lago Sul, Brasília.
Ingressos: 2 kg de alimento não perecível para as obras assistenciais dos beneditinos.
Telefone: (61) 3367-2949

Programa:
Paisagismo de timbres, de Hanon Rossi; Flora Atlântica III,  de Harry Crowl; Genesis, de Zoltan Paulinyi; Quarteto n.1, de Heitor Villa-Lobos.

Quarteto LIGNEA
Violino: Karla Oliveto
Viola pomposa: Zoltan Paulinyi
Clarinete: Félix Alonso
Fagote: Iracema Simon

Sobre o LIGNEA:
http://Lignea.MusicaErudita.com

Lançamento do CD Vibrações Variantes:
http://amizade2.musicaerudita.com/

Esta notícia:
http://paulinyi.blogspot.com/2011/06/recital-lignea-no-mosteiro-de-sao-bento.html

Harry Crowl:
www.harrycrowl.mus.br

Não percam!!!

Avicenna

J.S. Bach(1685 – 1750): As Seis Suítes para Violoncelo – Steven Isserlis

Quando o CVL me perguntou que tipo de postagens eu faria, respondi: muita coisa para violoncelo. E eu não estava brincando. Vou dar um tempo nas postagens de violoncelo, mas não será agora. Ainda tem muita coisa que quero compartilhar com vocês. Vamos ao que interessa! Todos que fazem a família Bach aqui no blog tem um carinho especial, diferenciado, com alguma obra, de quem quer que seja… E isso pode acontecer por se tratar de um intérprete que gostamos muito acompanhado de uma das composições que mais amamos. Algumas interpretações marcam. E sentimos algo muito legal ao dividir algumas pérolas mais preciosas de nossa coroa. Ao ponto de sentirmos um misto de emoções que nos dividem entre a vontade de compartilhar e tornar a versão que tanto adoramos conhecida de muitos, e quem sabe, também tornar – se a versão preferida de alguém, e um pouquinho de ciúme que os outros passem a ouvir constantemente nossas pequenas jóias, que não serão mais só nossas. Estranho não é?! Sinto tudo isso ao fazer esse post. Esta versão das Suítes para Violoncelo de J. S. Bach é uma das minhas jóias mais preciosas. Sinceramente, não tenho mais nada para falar pra vocês a respeito. Só peço que cuidem desta magnífica versão com todo o carinho que ela merece. Esta versão é tão grandiosa que fala por si só. Se você duvida, abaixo está a lista de prêmios que ela ganhou. Baixe com muito carinho e admire com a alma e o espírito.

GRAMOPHONE AWARD WINNER – INSTRUMENTAL
BBC MUSIC MAGAZINE DISC OF THE MONTH
CD REVIEW DISC OF THE WEEK (BBC R3)
CD REVIEW LISTENERS’ DISC OF THE YEAR (BBC R3)
HENRY KELLY’S CD OF THE WEEK (CLASSIC FM)
CLASSIC FM MAGAZINE DISC OF THE MONTH
GRAMOPHONE EDITOR’S CHOICE
THE INDEPENDENT ALBUM OF THE WEEK
EVENING STANDARD CD OF THE WEEK
CHOC DU MONDE DE LA MUSIQUE
THE WEEK CLASSICAL CD OF THE WEEK
RONDO MAGAZINE CD OF THE MONTH
CLASSIC FM COLLECTOR’S CHOICE
GOLDBERG MAGAZINE 50 DISCS OF THE DECADE

J.S. Bach – As Seis Suítes para Violoncelo – Steven Isserlis

Cello Suite No 1 in G major, BWV1007 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
CD1
1Movement 1: Prelude [2’29]
2Movement 2: Allemande [3’22]
3Movement 3: Courante [2’30]
4Movement 4: Sarabande [2’46]
5Movement 5: Menuet I – Menuet II [3’19]
6Movement 6: Gigue [1’41]

Cello Suite No 2 in D minor, BWV1008 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
7Movement 1: Prelude [3’43]
8Movement 2: Allemande [2’33]
9Movement 3: Courante [2’01]
10Movement 4: Sarabande [3’55]
11Movement 5: Menuet I – Menuet II [2’45]
12Movement 6: Gigue [2’27]

Cello Suite No 3 in C major, BWV1009 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
13Movement 1: Prelude [3’24]
14Movement 2: Allemande [3’19]
15Movement 3: Courante [2’44]
16Movement 4: Sarabande [3’53]
17Movement 5: Bourrée I – Bourrée II [3’17]
18Movement 6: Gigue [3’06]

Cello Suite No 4 in E flat major, BWV1010 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
19Movement 1: Prelude [3’31]
20Movement 2: Allemande [3’27]
21Movement 3: Courante [3’22]
22Movement 4: Sarabande [3’56]
23Movement 5: Bourrée I – Bourre II [4’42]
24Movement 6: Gigue [2’32]

Cello Suite No 5 in C minor, BWV1011 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
CD2
1Movement 1: Prelude [5’55]
2Movement 2: Allemande [5’30]
3Movement 3: Courante [1’59]
4Movement 4: Sarabande [3’33]
5Movement 5: Gavotte I – Gavotte II [4’27]
6Movement 6: Gigue [2’37]

Cello Suite No 6 in D major, BWV1012 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
7Movement 1: Prelude [4’33]
8Movement 2: Allemande [7’37]
9Movement 3: Courante [3’26]
10Movement 4: Sarabande [4’35]
11Movement 5: Gavotte I – Gavotte II [3’09]
12Movement 6: Gigue [4’03]
13The Song of the Birds [2’44] Anonymous – traditional, arr. Sally Beamish (b1956)

Cello Suite No 1 in G major, BWV1007 Johann Sebastian Bach (1685-1750)
14Movement 1: Prelude, from the Anna Magdalena manuscript [2’24]
15Movement 1: Prelude, from the Johann Peter Kellner manuscript [2’21]
16Movement 1: Prelude, from the collection of Johann Christoph Westphal [2’29]

CD1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Steven Isserlis; violoncelo

Raphael Cello

Johannes Brahms (1833-1897) – Complete String Quartets – Quintets – Sextets (CDs 4 e 5 de 5 – final)

Finalizemos esta integral com postagens da obra camerística de Brahms. Foi uma caminhada de grandes hiatos, postergações, supressões e tudo mais. Mas, chegamos a bom termo. Brahms é daqueles compositores profundos, de música sensível, que exigem uma atenção demasiada. É preciso ouvi-lo mais de uma vez para que entremos em seu mundo. Destacam-se nesse post os dois sextetos para cordas. O primeiro é o opus 18, composto em 1860 e estreado em 1862. Possui quatro movimentos. É marcado por duas violas, dois violinos e dois violoncelos. E a outra peça é o sexteto para cordas opus 36, composto durante os anos de 1864-1865. Apesar de Brahms tê-lo composto na atmosfera solitária, calma de Baden-Baden, Alemanha, o sexteto foi tocado pela primeira vez nos Estados Unidos, mais precisamente em Boston. Segue a mesma marcação do primeiro sexteto, com duas violas, dois violinos e dois violoncelos. Fica aqui a certeza de dois trabalhos fantásticos. Boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) – Trio para piano, clarinete e violoncelo em A menor, Op. 114, Quinteto para clarinete, 2 violinos, viola e violoncelo em B menor, Op. 115, Sexteto para cordas em B flat major, Op. 18 e Sexteto para cordas em G major, Op. 36

DISCO 04

Trio para piano, clarinete e violoncelo em A menor, Op. 114
01. Allegro
02. Adagio
03. Andante grazioso
04. Allegro

Karl Leister, clarinete
Georg Donderer, violoncelo
Christopher Eschenbach, piano

Quinteto para clarinete, 2 violinos, viola e violoncelo em B menor, Op. 115
05. Allegro
06. Adagio
07. Andantino – Presto non assai, ma con sentimento
08. Con moto

Amadeus Quartet
Karl Leister, clarinete

DISCO 05

Sexteto para cordas em B flat major, Op. 18 [33:25]
01. Allegro ma non troppo
02. Thema con Variazioni. Andante, ma moderato
03. Scherzo. Allegro molto – Trio. Animato
04. Rondo. Poco Allegretto e grazioso

Sexteto para cordas em G major, Op. 36 [38:55]
05. Allegro ma non troppo
06. Acherzo. Allegro ma non troppo – Presto giocoso – Tempo I
07. Poco Adagio
08. Poco Allegro

Amadeus Quartet

Cecil Aronowitz, viola II
William Pleeth, violoncelo II

BAIXAR AQUI CD4
BAIXAR AQUI CD5

Carlinus

Dimitri Shostakovich (1906-1975) – Sinfonias n°5 e 9 – Gergiev – Kirov Orchestra

Minha relação com a música de Shostakovich é meio confusa. Não entendo muito de sua obra, mas talvez a culpa não seja dele, e sim de certos comentários que ouvi no correr dos anos chamando-o de estalinista, etc. De alguma forma, criou-se uma barreira, e deixei a ideologia sobrepor-se à qualidade da obra, e nestes 46 anos de vida só ouvi com atenção duas obras suas: esta sensacional Quinta Sinfonia, cuja gravação de Haitink me acompanhou durante muitos anos e sua 13ª sinfonia, na versão do Kondrashin. As outras, meio que as deixei de lado. Após muitos anos, graças às indicações o do maior conhecedor da obra do russo que conheço, sim ele mesmo, nosso estimado PQPBach, cuja generosidade premiou-me com uma biografia do compositor, e à grande admiração que tenho pelo gigante David Oistrakh, o maior violinista do século XX em minha modesta opinião, cujas gravações dos concertos para violino são uma das maiores realizações da indústria fonográfica, me deixaram impressionado, enfim, graças á estes dois, comecei a dar ao velho Shosta a atenção que merecia. Haitink, Jansons e Kondrashin, tenho ouvido estas três integrais das sinfonias com toda a atenção devida, e vim a descobrir um mundo totalmente novo.
Dia desses vi um excelente documentário sobre o Gergiev. Tenho alguns cds dele, inclusive já postei alguns, e com certeza, ele é o grande regente russo deste início de século XXI, e o maior intérprete do universo russo da atualidade. O documentário falava sobre o período em que ele foi diretor da Filarmônica de Roterdam, e tinha diversos depoimentos dos músicos da orquestra, elogiando-o muito.
A aparência desleixada, os cabelos já escassos, mas ainda revoltos, a barba por fazer, enfim, tudo isso são elementos que fazem parte da personalidade de Valery Gergiev, mas não dizem respeito à sua qualidade artística. Volto a repetir o que se fala sobre ele na imprensa especializada: no repertório russo ele é imbatível. E estas gravações de sinfonias de Shostakovich são uma prova disso. Tenho certeza que os senhores vão concordar.

Dimitri Shostakovich (1906-1975) Sinfonias n° 5 e 9

01. Symphony No. 5 – I. Moderato
02. Symphony No. 5 – II. Allegretto
03. Symphony No. 5 – III. Largo
04. Symphony No. 5 – IV. Allegro non troppo
05. Symphony No. 9 – I. Allegro
06. Symphony No. 9 – II. Moderato
07. Symphony No. 9 – III. Presto
08. Symphony No. 9 – IV. Largo
09. Symphony No. 9 – V. Allegretto – Allegro

Kirov Orchestra
Valery Gergiev – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

.: interlúdio :. Paul Bley / Evan Parker / Barre Phillips: Sankt Gerold

Free jazz não é para todo mundo. Há pessoas que se irritam com ele, porém, guardadas as proporções, sinto-o análogo a uma abordagem à Guimarâes Rosa. As primeiras páginas são difíceis de entender, mas, depois que a coisa se acomoda, vale a pena. Lembrem que eu escrevi “guardadas as proporções”. Na Variação 3, eu já começo a achar este Sankt Gerold bem normal e começo a gostar da coisa. Bley tem a reputação, dentro do jazz moderno, de ser um pianista e compositor excessivamente cerebral mas suficientemente incompreensível. Já o inglês Evan Parker é um dos expoentes mais obstinados do atonalismo selvagem, deixando em sérios apuros aqueles que buscam “melodia”. Ele parece querer derrubar a melodia assim como toda a habitual sintaxe do jazz.

Bley — ou o ambiente monástico da ECM — parecem ter acalmado um pouco a selvageria de Parker, mas mesmo assim ele traz boa quantidade emocional ao trabalho de Bley. Barre Phillips completa o trio vanguardista de forma quase poética. As contribuições de Parker são os mais exigentes. É difícil não se maravilhar com sua técnica e com a enorme variedade de sons que ele verte quase ao mesmo tempo. As Variações 3, 6, 7, 9 e 10 são as minhas favoritas. O estranho mesmo é que, se Phillips e Parker são os mais impressionantes, é Bley quem fica em nossa mente por mais tempo.

Paul Bley / Evan Parker / Barre Phillips: Sankt Gerold

Variation 1 10:18 Phillips, Parker, Bley
Variation 2 7:12 Phillips, Parker, Bley
Variation 3 2:56 Phillips
Variation 4 1:59 Parker
Variation 5 6:20 Phillips, Parker, Bley
Variation 6 3:56 Bley
Variation 7 7:13 Phillips
Variation 8 8:14 Phillips, Parker, Bley
Variation 9 7:03 Bley
Variation 10 5:22 Parker
Variation 11 4:49 Phillips, Parker, Bley
Variation 12 1:29 Parker

Barre Phillips, Double Bass
Paul Bley, Piano
Evan Parker, Soprano & Tenor Saxophones

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (RapidShare)

Apoie os bons artistas, compre suas músicas.
Apesar de raramente respondidos, os comentários dos leitores e ouvintes são apreciadíssimos. São nosso combustível.
Comente a postagem!

PQP

Schumann – Music for Cello and Piano – Steven Isserlis – Dénes Várjon

Eu adoro os compositores românticos… Tenho uma admiração especial pela música de Schumann, como também pela de Brahms… Acho Schumann extremamente apaixonante. O mais interessante aqui neste cd é perceber não só os sentimentos que se encontram na obra, mas o diálogo construído entre o cello e o piano. A música de Schumann não é parecida com o romântico bobo que chora pelos cantos da parede, suspirando porque não tem sua amada ao seu lado. É como um diálogo apaixonado coerente (se é que isso é possível), onde os personagens (o cello e o piano) conversam a respeito do que funcionou ou não na relação de amor (ou ódio). E se funcionou ou não, por que? Qual o motivo? Não se deixem enganar por Schumann. Ele é um romântico esperto que constrói diálogos inteligentes e muito bem delineados. Acho um erro tremendo analisar a obra apenas pela biografia do autor. Todos ficam dizendo que Schumann era corno, etc, etc. Pela análise da biografia, Schumann era um imbecil, que levava a maior gaia e nem estava aí pra isso. Pela análise musical, Schumann não apenas sabia que sua mulher tinha um caso, como ele mesmo incentivava esse caso e era um voyeur. Portanto, prefiro deixar a biografia de lado e focar na música! Steven Isserlis não é um violoncelista normal (pela aparência dele você já pode perceber isso). Ele é DEMAIS! MUITO BOM! EXCELENTE! E para mim (lá vem as pedradas) um dos principais candidatos a assumir o posto do GRANDE e MAGNÍFICO Rostropovich. O Isserlis manda bem em tudo. Música barroca, romântica, moderna. Sua técnica, sua expressão musical, sua interpretação são perfeitas. Ah, tem mais uma coisa: em qualquer música que vocês ouvirem interpretada pelo Steven Isserlis, vocês irão perceber não apenas os traços do autor, mas também do intérprete. Ele faz questão de deixar sua assinatura. Quando isso é feito na medida certa, não significa orgulho por parte do artista, e sim ousadia. Tem que saber fazer. E ser muito bom naquilo que faz. E se garantir mesmo. É isso aí mô véi! Sacou a parada?! Baixa!

Schumann – Music for Cello and Piano – Steven Isserlis – Dénes Várjon

01. Soiréestücke (Fantasiestücke) Op. 73 – I. Zart und mit Ausdruck
02. II. Lebhaft, leicht
03. III. Rach und mit Feuer

04. Adagio & Allegro Op. 70 – I. Adagio
05. II. Allegro

06. Violin Sonata No 3 In A Minor – I. Ziemlich langsam – (lebhaft)
07. II. Scherzo Lebhaft
08. III. Intermezzo Bewegt, docht nicht zu schnell
09. IV. Finale Markiertes, ziemlich lebhaftes Tempo

10. Abendlied Op 85 No 12 piano duet

11. Drei Romanzen, Op. 94 – I. Nicht schnell
12. II. Einfach, innig – Etwas lebhafter
13. III. Nicht schnell

14. Fünt Stücke Im Volkston, Op. 102 – I. Mit Humor
15. II. Langsam
16. III. Nicht schnell, mit viel Ton zu spielen
17. IV. Nicht zu rasch
18. V. Stark und markiert

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Steven Isserlis , cello
Dénes Várjon , piano

Raphael Cello

Canhoto da Paraíba (1926-2008) – Saudades de Princesa

[Já que ainda estou impossibilitado de fazer novas postagens, subo novamente este post aqui para celebrar a conquista do Prêmio de Música Brasileira 2011 pelo Trio de Câmara Brasileiro. Publicado originalmente em 24 de maio de 2010.]

A história do violão popular e do violão erudito nasceu e cresceu praticamente de forma indissolúvel nos países onde ele mais se popularizou (e que revelaram os compositores mais proeminentes que lhe escrevem obras eruditas): Itália, Espanha e Brasil. Daí que não se deve estranhar a presente postagem, de um importante CD lançado há pouco tempo em tributo a Canhoto da Paraíba. Poderia ter sido de Nicanor Teixeira, Laurindo Almeida, Fábio Zanon, Armandinho ou Chimbinha (!? – Tá: Chimbinha não), porém não sei se vocês conhecem algum outro violonista canhoto que tenha invertido o instrumento para tocar mas não as cordas, de modo que só através de arranjos as peças de Canhoto são executáveis por outros instrumentistas. O Trio de Câmara Brasileiro – formado por um bandolim, um cavaquinho e um violão – fez justamente isso, deu um jeito.

Saiba um pouco sobre o CD aqui, dê uma escutada nas faixas aqui e, se lhe agradar, BAIXE AQUI.

CVL

Stokowski rege Lutoslawski e Shostakovich

Encontrei, por acaso, ontem uma gravação que me deixou de queixo caído: não fazia ideia de que Stokowski houvesse gravado Lutosławski. Verdade que é o primeiro Lutosławski, ligado claramente à música de Bartók (de fato, mesmo depois, ele continuaria umbilicalmente ligado, mas de formas mais sinuosas, complexas, ambíguas; aqui, não, tudo é direto e cristalino, ainda que esteja longe, muito longe, de ser a obra que Bartók não escreveu), mas seja o compositor teoricamente visto como conservador (e tenho muitas ressalvas a essa percepção), seja o vanguardista de pouco depois, Lutosławski é grande, fantástico em sua capacidade de manejar a massa sonora, na compactação e na fluência de suas peças, na sua capacidade de construir climas. Pessoalmente, gosto mais desta 1ª Sinfonia do que de qualquer peça puramente orquestral de Bartók (salvo, talvez, pelo início do Mandarim Miraculoso). E nas mãos de Stokowski (numa gravação ao vivo, de 1959), a peça soa fresca, intensa, como nunca havia visto (ouvido) antes. A princípio, o primeiro impacto é a velocidade e a angulosidade da regência, mas não menos impressionante é a coesão que ela imprime, o frescor que tira aquele bolor de obra escolar que estava impregnado em nossa  (tanto Antoni Wit quanto o próprio Lutosławski acabam fazendo isso em suas gravações e, do que me recordo, não conheço outras interpretações), e que ele consegue mesmo quando é menos acelerado que Wit no último movimento. Por essas e outras, minha reverência por Stokowski só cresce.

Da 5ª Sinfonia do Shostakovich não tenho muito o que dizer. Não a escutei com atenção e não é, em absoluto, uma das minhas sinfonias favoritas (seria tão melhor por ouvir o Stokowski regendo uma das quatro primeiras ou a décima!).

Ótima diversão!

Witold Lutoslawski

Sinfonia nº1 (1947), para orquestra
01 I. Allegro giusto
02 II. Poco adagio
03 III. Allegro misterioso
04 IV. Allegro vivace

Dmitri Shostakovich

Sinfonia nº5 in Ré menor, Op. 47, para orquestra
05 I. Moderato
06 II. Allegretto
07 III. Largo
08 IV. Allegro non troppo

Orquestra Filarmônica Nacional de Varsóvia
(faixas 1-4)
Orquestra Filarmônica Tcheca de Praga (5-8)
Leopold Stokowski, regente

BAIXE AQUI

itadakimasu

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – String Quintets

Me propus postar estes quintetos mozartianos, e confesso que fica difícil fazer uma postagem deste tamanho em plena terça feira. Tudo bem que estou em férias conjugais por quinze dias, mas talvez por este motivo mesmo não estou muito inspirado para escrever. Como se trata de Mozart não vejo necessidade de gastar muitas palavras. Na verdade, o que precisa ser feito neste caso é apenas ouvir.
Este box que estou disponibilizando se encontra na famosa coleção das obras completas de Mozart, que a Philips lançou há exatos 20 anos atrás, nas comemorações dos 200 anos da morte do compositor. Existem bons momentos nestes cds, mas outros deixam a desejar. No caso deste box, as interpretações estão á cargo de um quinteto liderado pelo Arthur Grumiaux, excelente violinista, e um dos grandes intérpretes do século XX. Música de primeira, tocada por excelentes músicos. Mas ainda procuro uma gravação definitiva destas obras.
Espero que satisfaça o desejo do mano PQP, que estava à cata de uma coleção como essa.
Então divirtam-se.

Wolfgang Amadeus Mozart – String Quintets

CD 1 –

01 – String Quintet [No 1] in Bb KV174 – Allegro
02 – String Quintet [No 1] in Bb KV174 – Adagio
03 – String Quintet [No 1] in Bb KV174 – Menuetto ma allegretto
04 – String Quintet [No 1] in Bb KV174 – Allegro
05 – String Quintet [No 4] in C min KV406-516b – Allegro
06 – String Quintet [No 4] in C min KV406-516b – Andante
07 – String Quintet [No 4] in C min KV406-516b – Menuetto in canone
08 – String Quintet [No 4] in C min KV406-516b – Allegro

CD 2

01 – String Quintet [No 2] in C KV515 – Allegro
02 – String Quintet [No 2] in C KV515 – Andante
03 – String Quintet [No 2] in C KV515 – Menuetto-Allegretto
04 – String Quintet [No 2] in C KV515 – Allegro
05 – String Quintet [No 3] in G min KV 516 – Allegro
06 – String Quintet [No 3] in G min KV 516 – Menuetto-Allegretto
07 – String Quintet [No 3] in G min KV 516 – Adagio ma non troppo
08 – String Quintet [No 3] in G min KV 516 – Adagio-Allegro

CD 3

01 – String Quintet [No 5] in D KV593 – Larghetto-Allegro
02 – String Quintet [No 5] in D KV593 – Adagio
03 – String Quintet [No 5] in D KV593 – Menuetto-Allegretto
04 – String Quintet [No 5] in D KV593 – Allegro
05 – String Quintet [No 6] in Eb KV614 – Allegro di molto
06 – String Quintet [No 6] in Eb KV614 – Andante
07 – String Quintet [No 6] in Eb KV614 – Menuetto-Allegretto
08 – String Quintet [No 6] in Eb KV614 – Allegro

Arthur Grumiaux – Violin I
Arpad Gérecz – Violin II
Georges Janzer – Viola I
Max Lesueur – Viola II
Eva Czako – Cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

.: interlúdio – Ketil vs Kjetil :.

Já vinha comigo desde ano passado o Piano Poems do (evidentemente) pianista norueguês Kjetil Bjerkestrand. Como o título sugere, trata-se de um disco delicado, de arranjos bastante atmosféricos — Kjetil também compõe para cinema, influência que se faz presente no clima de algumas faixas. Além do piano, Ketil faz uso de um par de órgãos e uma extensa linha de sintetizadores vintage; no entanto, o Steinway é sempre a figura de proa, cabendo aos outros teclados a formação de texturas, bases discretas ou mesmo beats muito suaves, esparsos. O resultado é bastante leve e agradável. E às vezes, leve demais, pro meu gosto; pra manter seu instrumento solo isolado durante todo um disco, é preciso ter alta energia inspirativa, além de boa dose de virtuosismo — e em certas faixas, os poemas parecem ter uma rima fácil demais. Outros temas (como February e Hymn II), no entanto, funcionam muito bem e demonstram grande sensibilidade. No fim das contas, é como álbum o que a maioria dos livros de poemas também é: irregular, mas repleto de boas possibilidades e alguns grandes momentos — que nos fazem voltar periodicamente à obra. (Aliás, funciona muito bem como um sofisticado pano de fundo pra adormecer.) (Confirmando: é um elogio.)

EIS QUE meses atrás me deparo com um disco novo do Kjetil, ou assim eu pensei; fui conferir com boa curiosidade. Só depois de um par de audições percebi que Night Song era, na verdade, disco de Ketil Bjørnstad, um OUTRO pianista norueguês. Achei que era pegadinha, ou algum efeito de numerologia, até o google me explicar que, de fato, são pessoas diferentes. Além de quase homônimos, tem apenas três anos de diferença de idade; no entanto, Ketil é um artista de nome melhor estabelecido, que grava para a ECM desde os anos 90, e tem uma discografia bastante extensa (além de uma bibliografia do mesmo vulto. Aliás, por prolífico, o All About Jazz o compara a Schubert). Enfim, sorte minha: porque este Night Songs, gravado em par com o violoncelista Svante Henryson, é um belíssimo disco. As melodias são de uma doçura angular raríssima. E ao longo de 16 faixas a inspiração se mantém; se Kjetil parece inseguro, ou simplista, em alguns momentos de Piano Poems, Ketil demonstra um domínio criativo absolutamente maduro e orgânico. O primeiro disco é bom; este é imperdível.

Kjetil, var. Kettill. Lê-se TCHEH-til. Do nórdico antigo Ketill, como no inglês “kettle”: chaleira, caldeirão usado nos rituais antigos para recolher o sangue de um animal sacrificado. No uso moderno, a palavra também significa capacete.

*Ketil e Kjetil já tocaram juntos, inclusive aqui no PQP Bach.


Kjetil Bjerkestrand – Piano Poems /2010 [V2]
download – 64MB /mediafire

01 Amelie 4’30
02 21/11 3’55
03 The Ladder 3’41
04 Hymn I – Velt Alle Dine Veie 4’45
05 February 3’19
06 602 3’21
07 Sanctus 2’59
08 Hymn II – Lær Meg Å Kjenne Dine Veie 4’22
09 Geirriano 3’04
10 Daddy’s Theme 3’12
11 ADAE 3’00
12 502 3’33
13 Hymn III – Jesus, Din Søte Forening Å Smake 3’53


Ketil Bjørnstad/Svante Henryson – Night Song /2011 [320]
Ketil Bjørnstad (piano), Svante Henryson (violoncelo)
download – 174MB /mediafire

01 Night Song (Evening Version) 4’28
02 Visitor 5’06
03 Fall 3’26
04 Edge 5’37
05 Reticence 5’40
06 Schubert Said 4’31
07 Adoro 6’21
08 Share 4’20
09 Melting Ice 3’22
10 Serene 5’57
11 The Other 4’05
12 Own 3’09
13 Sheen 5’41
14 Chain 6’15
15 Tar 2’57
16 Night Song (Morning Version) 5’01

Boa audição!
Blå Hund

Johannes Brahms (1833-1897) – String Quintet in F major, Op. 88 e String Quintet in G major, Op. 111 (CD 3 de 5)

Dizer o quê? Comentar o quê? Não há necessidade nem disso nem daquilo. A obra camerística de Brahms é uma das coisas mais belas que já foram escritas em toda a história da música. É a mistura da melancolia correta com a técnica exata. Destaca-se neste CD o opus 111. É uma obra tardia do velho Brahms. Uma curiosidade: conta-se que após ter escrito esse Quinteto, Brahms decidiu parar de compor e até preparou um testamento. Entrementes, alguém como ele não poderia ficar parado. Esse fato teria se dado lá pelos anos de 1890. O que acontece é que após ter encontrado o clarinetista Richard Mülhfeld, e, encantado com o instrumento para sopro, resolve escrever inúmeras obras para o clarinete. Sorte a nossa! Resta-nos apreciar essas maravilhas. Seguem dois quintetos neste registro – o opus 88 e o opus 111. Uma boa apreciação!

Johannes Brahms (1833-1897) – String Quintet in F major, Op. 88 e String Quintet in G major, Op. 111

String Quintet in F major, Op. 88
01. I. Allegro non troppo ma con brio
02. II. Grave ed appassionato-Allegretto vivace-Tempo I – Presto
03. III. Finale. Allegro energico

String Quintet in G major, Op. 111
04. I. Allegro non troppo, ma con brio
05. II. Andante, un poco Adagio
06. III. Scherzo. Allegro – Trio
07. IV. Finale. Poco sostenuto

Amadeus Quartet

BAIXAR AQUI

Carlinus