Richard Wagner (1813-1883) – Rienzi , o último dos tribunos, WWV 49 (ópera em 5 atos)

Rienzi, der letzte der Tribunen (em port.: Rienzi, o último dos tribunos) é a terceira ópera, de cinco actos, composta em 1840, por Richard Wagner. O seu libreto foi escrito pelo próprio compositor, embora baseado no romance do novelista inglês Edward George Earl Bulwer-Lytton intitulado Rienzi, o último Tribuno Romano, e também numa peça de teatro da novelista e dramaturga também inglesa Mary Russell Mitford. Em Junho de 1837, Wagner foi contratado como diretor musical em Riga. Enquanto esperava pela tomada de posse desse cargo, leu com muito interesse, em Blasewitz, perto de Dresden, a supracitada novela de Bulwer-Lytton. Imediatamente se sentiu atraído pela idéia de criar algo grande e fantástico a fim de se alhear da infortunada realidade da sua vida. O pensamento de fazer uma “grande ópera heróica 1836, juntamente com o seu amigo Theodor Apel. Em 1840, a ópera estava terminada. Wagner tinha então 27 anos. Já tinha composto a sua primeira ópera, As Fadas, em 1833, aos 23 anos, e a sua segunda ópera, O Amor Proibido, em 1834 aos 24 anos. A estréia de Rienzi, dirigida pelo maestro Karl Gottlieb Reißiger, ocorreu no Teatro da Corte de Dresden, no dia 20 de Outubro de 1842. Apesar da ópera ter durado cerca de seis longas horas (contando com os intervalos), o sucesso foi retumbante e marcou, para sempre, a vida de Wagner. O manuscrito original perdeu-se e foi encontrado, anos mais tarde, na biblioteca particular de Adolf Hitler. Isso não seria de se estranhar, pois Hitler, assíduo frequentador das óperas wagnerianas, apreciava esta ópera acima de todas as outras. De acordo com o documentário Mulheres de Hitler, Hitler chegou a assistir Rienzi mais de quarenta vezes. A razão é porque o enredo anda todo à volta da vida de Cola di Rienzi, uma personagem popular da Itália medieval que tenta derrotar os nobres, incutir a revolta no povo, conduzindo-o a um futuro melhor. Os estandartes do Partido Nazi foram concebidos pelo Führer com base nos modelos desta ópera.

DAQUI

P.S. Quem quiser saber mais da relação de Hitler com a ópera Rienzi de Wagner, assista ao documentário A Arquitetura da Destruição, do sueco Peter Cohen.

Richard Wagner (1813-1883) – Rienzi , o último dos tribunos, WWV 49 (ópera)

DISCO 01

01 – Ouvertüre
02 – Hier ist’s, hier ist’s! Frisch auf
03 – Dies ist eu’r handwerk, daran erkenn’ ich euch!
04 – O Schwester, sprich, was dir geschah
05 – Die Stunde naht, mich ruft mein hohes Amt
06 – Er geht und lässt dich meinem Schutz
07 – Gegrüßt, gegrüßt sei, hoher tag
08 – Rienzi! Ha Rienzi hoch! – Erstehe, hohe Roma, neu!
09 – Jauchzet, ihr Täler!

DISCO 02

01 – Rienzi, nimm des Friedens Gruß!
02 – Colonna, hörtest du das freche Wort _
03 – Erschallet Feierklänge!
04 – Ihr Römer, es beginnt das Fest
05 – Pantomime
06 – Rienzi! Auf! Schützt den Tribun!
07 – Mein armer Bruder, nicht durch mich

DISCO 03

01 – Euch Edlen dieses Volk verzeiht, seid frei
02 – Vernahmt ihr all’ die Kunde schon_
03 – Gerechter Gott! So ist’s entschieden schon!
04 – Wo war ich_ Ha, wo bin ich jetzt_
05 – Marsch
06 – Der Tag ist da, die Stunde naht
07 – Nun denn, nimm, Schicksal, deinen Lauf!
08 – Heil, Roma, dir!

DISCO 04

01 – Wer war’s, der euch hieher beschied_
02 – Ihr nicht beim Feste_
03 – Vae, vae tibi maledicto!
04 – Allmächt’ger Vater, blick herab!
05 – Verlässt die Kirche mich
06 – Ich liebte glühend meine hohe Braut
07 – Rienzi, o mein großer Bruder
08 – Du hier, Irene_
09 – Herbei! Herbei! Auf, eilt uns zu!

*BBC North, June 27, 1976

BBC Northem Symphony Orchestra
Edward Downes, regente

*Informações sobre os intérpretes encontram-se nos scans que seguem no quarto disco

BAIXAR AQUI CD01

BAIXAR AQUI CD02

BAIXAR AQUI CD03
BAIXAR AQUI CD04

Carlinus

6 comments / Add your comment below

  1. Rienzi foi a primeira ópera de relativo sucesso de Wagner? Então vale a pena conhecer. Acho que em seguida surgiria Navio Fantasma, num estilo já mais inovador.
    Carlinus, eu não sabia que Rienzi foi a ópera favorita de Hitler, eu tinha em mente que seria algo mais teutônico, como a tetralogia do Anel ou então Parsifal. São interessantes essas informações históricas que correlacionam Wagner a Hitler e ao regime Nazi…
    Por falar em história, o filme “Arquitetura da Destruição” é um belíssimo documentário em áspero preto e branco. Mais genericamente poderia de chamar “A ESTÉTICA da Destruição”. Considero altamente recomendável sua apreciação pelos leitores do blog.
    Quem desejar baixar poderá encontrá-lo no Megaupload:
    http://www.megaupload.com/?d=0O5NEK3V
    Parabens pelo post, Wagner sempre cai bem para os amantes da música para o palco.
    Abraços/
    Ernesto

  2. Meu primeiro contato com esse filme foi logo depois de seu lançamento. Muitos anos depois, dando aula de História para o ensino fundamental, procurei o filme para passar para os alunos, mas não encontrei em nenhuma locadora daqui de minha cidade. Algum tempo depois encontrei o DVD em um cestão de promoções num supermercado, por 10 reais. É um belo documentário sobre a estética nazista. Recomendo com todas as letras.
    Nunca ouvi essa ópera, já ouvi diversos comentários sobre ela.

  3. Essa eu me lembro, Vanderson: D significa Deutsch, o musicólogo que catalogou as obras de Schubert. Para Scarlatti temos dois catálogos diferentes, tanto L (Longo) quanto K (suponho que deve ser Kirkpatrick). E em Mozart o K significa Kochel

  4. Há a possibilidade de estar postando essa obra em torrent ou algum outro meio de download? O megaupload saiu do ar.
    Se eu puder ajudar em alguma coisa pode contar comigo.
    Abraços!

Deixe uma resposta