Edward Elgar (1857-1934) – Symphony No.1 in A flat major, Op. 55, Pomp and Circumstance March No.5, for orchestra in C major, Op. 39/5 e Symphony No.2 in E flat major, Op. 63

Gosto de um modo muito particular das obras de Elgar. De sua produção, destacam-se As Variações Enigma, Pompa e Circunstância e seu excelente Concerto para Violoncelo. Mas o seu trabalho sinfônico também vale um entusiástico adendo. Antes da Primeira Grande Guerra, Elgar conheceu não pequena fama. Suas obras eram executadas nas salas de concerto da Europa e dos Estados Unidos. Sendo inglês à semelhança de Vaughan Williams, os trabalhos de Elgar dialogam de forma profunda com a natureza. Quiça seja reflexo de sua infância. Talvez ainda sejam as charnecas tão características da Bretanha como narra Ëmile Brontë em O Morro dos Ventos Uivantes ou O Retrato do artista quando jovem de Joyce. Neste registro que ora posto, surgem duas das três sinfonias que o compositor escreveu – As sinfonias de número 1 e 2. São trabalhos realmente significativos. A primeira, a Sinfonia No. 1, é do ano de 1908. O tema de introdução da sinfonia é de uma beleza invulgar. O mesmo tema se repete no final do quarto movimento. O trabalho é regularmente apresentado em programas de concertos na América do Norte e Europa. Já a Sinfonia No. 2 é do ano de 1911. Não deixe de ouvir esses dois tocantes trabalhos do compositor inglês. Boa apreciação!

Edward Elgar (1857-1934) – Symphony No.1 in A flat major, Op. 55, Pomp and Circumstance March No.5, for orchestra in C major, Op. 39/5 e Symphony No.2 in E flat major, Op. 63

DISCO 01

Symphony No.1 in A flat major, Op. 55
01. 1. Andante, nobilimente e semplice – Allegro
02. 2. Allegro molto
03. 3. Adagio
04. 4. Lento – Allegro

Pomp and Circumstance March No.5, for orchestra in C major, Op. 39/5
05. Pomp and Circumstance March No. 5, op. 39

DISCO 02

Symphony No.2 in E flat major, Op. 63
01. 1. Allegro vivace e nobilmente
02. 2. Larghetto
03. 3. Rondo (Presto)
04. 4. Moderato

Philharmonia Orchestra
Bernard Haitink, regente

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2

Carlinus

11 comments / Add your comment below

  1. Seria ótimo que vocês colocassem uma categoria tipo “clásico dos clássicos” ou essencial que deve ser escutado inicialmente em música clássica, eu gosto muito de musica classica, mas tenho problemas terríveis em dispersão quando vejo um universo tão grande como esse site. Por onde começar? Que compositores ouvir primeiro? Eu tenho uma noção de grandes nomes, mas ficaria muito mais organizado se tivesse uma categoria para os pilares da música clássica, os leigos agradecem!

  2. Corrigindo: Bach não é clássico; é barroco. Porém, tem um som muito bom para iniciantes se familiarizarem com o mundo erudito.

    Para entender Stravinsky ( ou Villa Lobos ) é necessário ouvir as origens… antes de partir para as evoluções. 🙂

  3. Muito obrigado a todos, especialmente a Lucas que me indicou a seção de grandes compositores.

    Quanto aos termos, eu creio que esteja errado mesmo nomear de clássicos todos os grandes compositores, acredito que seja hábito mesmo.

    E parabéns pelo grande site a quem quer que seja o seu dono, que deve ter uma cultura musical anos-luz da minha.

  4. Gosto muito dessas sinfonias, talvez sejam trabalhos subvalorizados. Quanto à questão da terminologia, penso que o “clássico” aplicado à obra do classicismo viensense e o “clássico” que qualifica todo um gênero musical são palavras de significado distinto: a primeira se refere ao estilo de uma época e a segunda é usada no mesmo sentido com que falamos de “clássicos da literatura”, por exemplo. De modo que “música clássica” pra mim não é inadequado, não.

  5. Exato, Haya, é corretíssimo empregar a palavra “clássico” no sentido de obra que serve de modêlo e pode ser imitada.

    Quanto a Elgar: é uma pena que esse compositor seja tão subestimado pelos “críticos enjoados”. Ele escreveu obras primorosas como, por exemplo, essas Sinfonias, as Variações Enigma, a Serenata, o Concerto para violino, alem de um belíssimo quinteto para piano e cordas. Apesar do estilo romântico tardio Elgar é um clássico!

  6. Nicoloas, eu te recomendo uma coleção como a “grandes compositores”. Depois pegue por exemplo todos os quartetos de cordas de Beethoven, todas suas sinfonias e então você vai ouvindo varias vezes e tentando pegar o espírito da coisa. Veja o que te desperta mais interesse, se são quartetos, sonatas pra piano, sinfonias, aberturas de ópera, concertos, etc e ouça bastante do período ou forma que mais te interessar. Quando vc “enjoar” de um periodo, por exemplo clasico, então busque suas origens ou evoluções, procurando por obras do periodo barroco ou romântico.
    Eu ouço música erudita há cerca de 6 anos. Quando comecei ouvir, só conseguia gostar de algumas músicas em meio a uma coleção inteira em dico de vinil. Eu gostava mais das valsas do grande J. Strauss, tanto do pai quanto do filho. Só muito mais tarde, eu diria anos depois fui começar ter interesse em ouvir sonatas e concertos para piano por exemplo.

Deixe uma resposta