Ludwig van Beethoven (1770-1827) – The Late String Quartets (LINK REVALIDADO)

Postado inicialmente em 1 de junho de 2011.

Havia postado dois outros conjuntos com os quartetos de corda de Beethoven. Agora, sai o último pacote com os trabalhos finais do mestre alemão.

Gostei desse depoimento repleto de reminiscências, verbalizado por um sujeito pródigo em intenções poéticas chamado Milton Ribeiro. Servirá de introdução a essas obras graúdas, geniais, para os quais os adjetivos são insuficientes. Leia o depoimento abaixo:

É sempre difícil escrever sobre uma música que amamos muito e que nos faz lembrar fatos pessoais. A primeira coisa que me vem à mente quando penso no Opus 132 foi aquele momento mágico em que eu, sentado na pior sala de meu passado, ouvi iniciar o Allegro Appassionato (último movimento do quarteto) e vislumbrei que, logo aos primeiros compassos, minha filha, aos cinco anos de idade, entrava girando na sala, improvisando uma valsa que dançava sozinha, de olhos fechados, por puro prazer de ouvir a música… Foi tão marcante que hoje soa-me hipócrita dizer que o movimento principal deste quarteto é o imenso Heiliger Dankgesang eines Genesenen an die Gottheit, in der lydischen Tonart, um agradecimento à divindade pela recuperação que Beethoven obteve após grave enfermidade. Mas é, claro que é. O terceiro movimento, com suas duas explosões de alívio é o centro e razão de ser desta grande e fundamental obra.

Quando os últimos quartetos foram apresentados pela primeira vez, não foram bem recebidos pelo público. Ao receber a notícia, Beethoven deu a célebre resposta:

– Gostarão mais tarde.

Como ele sabia que estava escrevendo para o futuro é algo que consigo mais ou menos entender observando a evolução de sua música. Outro fato que chama a atenção é que, estética e conceitualmente, estes quartetos parecem projetar-se na evolução da história da música para colocarem-se quase 100 anos sua época, talvez logo antes dos grandes quartetos de Schoenberg e Bartók. É um mundo à parte. Ouço a Claudia dizer que, na opinião dela, ISTO é Beethoven, e não seus concertos ou sonatinhas iniciais. Ela refere-se aos últimos quartetos, às últimas sonatas para piano, às Diabeli e certamente à Nona Sinfonia. O restante seria grandioso, mas menos pessoal e significativo. Lembro que quando era adolescente, nós tínhamos que nos aproximar destes quartetos respeitosamente e o Dr. Herbert Caro dizia que talvez fosse necessária maior maturidade para que um jovem pudesse entendê-los. Discordo postumamente do grande Dr. Caro, meu amigo e tradutor de Doutor Fausto, da Montanha Mágica, de Auto-de-Fé e outras tantas obras-primas; acho que sempre ouvi o Op.132 e 130 (o último acompanhado de sua Grande Fuga) da mesma forma e o respeito que sempre tive por estes quartetos emanava deles e não de minha atitude. O fato é que o Op. 132 é uma música que passou a fazer parte de mim muito cedo. Eu, um adolescente na casa de meus pais, costumava ficar deitado, antes de dormir, tentando reproduzir nota a nota o terceiro movimento. Cronometrava para ver se chegava perto de seus 15 minutos… Às vezes, pensava conseguir reproduzi-lo por inteiro. Mas nunca ninguém pode comprovar, nem eu.

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – The Late String Quartets

DISCO 01

String Quartet No. 12 in E flat major, Op. 127:
1. Maestoso – Allegro
2. Adagio, ma non troppo e molto cantabile
3. Scherzando vivace – Presto
4. Finale

String Quartet No. 14 in C sharp minor, Op. 131
5. Adagio, ma non troppo e molto espressivo
6. Allegro molto vivace
7. Allegro moderato
8. Andante, ma non troppo e molto cantabile – Piu mosso
9. Andante moderato e lusinghiero
10. Adagio
11. Allegretto
12. Adagio, ma non troppo e semplice
13. Allegretto
14. Presto
15. Molto poco adagio
16. Adagio quasi un poco andante
17. Allegro

DISCO 02

String Quartet No. 13 in B flat major, Op. 130
1. Adagio ma non troppo – Allegro
2. Presto
3. Andante con moto, ma non troppo
4. Alla danza tedesca. Allegro assai
5. Cavatina. Adagio molto espressivo
6. Finale. Allegro

Fugue for string quartet in B flat major (‘Grosse Fuge’), Op. 133
7. Overtura. Allegro – Fuga
8. Meno mosso e moderato
9. Allegro molto e con brio
10. Meno mosso e moderato
11. Allegro molto e con brio
12. Allegro

DISCO 03

String Quartet No. 15 in A minor (‘Heiliger Dankgesang’), Op. 132
1. Assai sostenuto – Allegro
2. Allegro ma non tanto
3. Heiliger Dankgesang eines Genesenden an die Gottheit, in der lydischen Tonart. Molto adagio
4. Alla marcia, assai vivace – Più allegro
5. Allegro appassionato

String Quartet No. 16 in F major, Op. 135
6. Allegretto
7. Vivace
8. Lento assai e cantante tranquillo
9. Der schwer gefaßte Entschluß. Grave (Muß es sein?) – Allegro (Es muß sein!) – Grave, ma non troppo tratto — Allegro

Melos Quartett
Wilhelm Melcher, 1. violino
Gerhard Voss, 2. violino
Hermann Voss, viola (alto)
Peter Buck, Violoncello

BAIXAR AQUI CD1
BAIXAR AQUI CD2
BAIXAR AQUI CD3

Carlinus

28 comments / Add your comment below

  1. Ia escrever um comentário longo, que descartei. Em seu lugar vai este, sobre a postagem, e mais que tudo,sobre o depoimento de Milton Ribeiro: Maravilha! Wunderlich!
    Obrigado de mais!

  2. Oba… E que texto do nosso amigo Milton Ribeiro… emocionante.. e que honra, e inveja, ao mesmo tempo, saber que ele foi amigo do Herbert Caro…
    Com relação aos quartetos, confesso que ainda tenho um respeito tão grande por eles que não admito ouvi-los se existe algum ruído próximo. Preciso de toda a concentração possível.
    Há muitos anos atrás tive a oportunidade de assistir uma apresentação do Kódaly Quartet, e eles encararam o op. 132, um verdadeiro tour de force, segundo um dos músicos. A impressão que tive é que ninguém respirava dentro do Teatro, tamanho o respeito que se tinha pela obra. Um rapaz ao meu lado, possivelmente aluno de música dali do CIC mesmo,tinha um grosso volume no colo, e ao olhar com mais atenção, descobri que era a partitura da obra que ele acompanhava com dificuldade, pois as luzes da platéia estavam apagadas. Mas voltando à apresentação, impecável, por sinal, o único incidente foi uma queda de energia, que deixou todo o teatro às escuras por menos de um minuto, no meio do segundo movimento, se não me engano. Mas os músicos foram extremamente profissionais e recomeçaram desde o primeiro compasso daquele movimento. Quando acabaram, foram aplaudidos por uns 10 minutos, pelo menos. Ouvir aquela peça ao vivo, com um conjunto de altíssimo nível como o Kódaly Quartet foi um dos momentos mais memoráveis de minha vida.

  3. Como alguém que comentou abaixo, também sou um apaixonado pelo gênero quarteto de cordas inventado por Haydn. Quando penso na mais erudito (conhecimento, experimento, concentração, beleza) da música erudita, penso no quarteto de cordas.

    Esses CDs que o Carlinus posta são nada menos que o ápice do gênero, o que não é pouca coisa, de modo algum. Logo devo postar quartetos de Ravel, Debussy e Fauré e vocês verão que os franceses (até os franceses!) fizeram grande obras no gênero.

    Abraço.

  4. Milton Ribeiro esta errado quando diz que os ulitmos quartetos (no plural) nao foram bem recebidos. A Grosse Fugue nao foi compreendida, certamente; um critico disse que ela era ” incompreensivel, como chines”. Por outro lado, o opus 127 foi tocado varias vezes depois de publicado. Um sucesso. Schuppanzigh, violinista que estreou alguns dos quartetos,relata que uma performance do quarteto opus 127 foi recebida com varios aplausos. Ate schubert ouviu o quarteto opus 131 pouco antes de morrer… Os quartetos nao viraram queridinhos da grande massa… essa seria uma assercao mais correta.

  5. Espero que meu comentario nao seja censurado. A censura e um habito frequente dos que cuidam deste blog, especialmente quando as opinioes divergem das deles.

    ah… e grande postagem… provavelmente a maior musica do mundo. A assimilacao e dificil, mas extremamente recompensadora. Download obrigatorio.

  6. Estou lutando para entender a questão da censura.

    (1) Não é habito frequente, não. A gente só censura gente absolutamente chata, não gente que discorda com educação.
    (2) É um blog com proprietários e só aceitamos os comentários que desejamos aceitar. Não existe nenhum meio de comunicação democrático. Somos como os outros. Experimente falar mal da Folha NA Folha. Piada, né? Mas costumamos ser bem tolerantes, sim.
    (3) Vá discutir com o Milton Ribeiro, mas acho que ele tem razão.
    (4) Com esse bom humor aí… Que tal tentar uma trepada hoje à noite?

  7. AO CONGLOMERADO PQP BACH:

    ESSE SITE É DEMAIS. DEVO A ELE HORAS E HORAS DE PURO DELEITE MUSICAL.ALÉM DISSO OS TEXTOS E OS COMENTÁRIOS SÃO MUITO BONS.
    PARABÉNS!

  8. O que me intriga é o seguinte: censura num site que trata única e exclusivamente de música? Vai lá as tramóias e as intolerâncias dos blogs sobre política, mas aqui onde se fala sobre_ no dizer de Bernhard_ a mais inofensiva das artes?

    Acho que é engano do Eduardo Maria.

  9. mais um quarteto de cordas!
    sempre achei que poderiam postar mais quartetos, e de repente me aparece um monte. espero que continue assim por mais tempo.

    não me lembro de ter ouvido quarteto do Debussy. agora fiquei ansioso pra saber.

  10. obrigado!

    tinha dado uma olhada mas a fiz tão mal feita que não os vi!

    claro que já deveria ter sido postado. aqui deve ter tudo do Bartok.

  11. É absolutamente chocante a beleza e grandiosidade destes quartetos do Beethoven. É uma das coisas que me fazem acreditar que a humanidade ainda presta.

  12. olha, não sou mto fã do genero quarteto, ainda to assimilando os do meu compositor predileto, e depois quero partir para os de Bartok, que pra mim, apesar de venerar a obra de Bartok, sao incompreensiveis; detalhe: ouvir os 18 min do “Heiliger Dankgesang…” arrepiado. Foram 18 min inteiramente de pelos eriçados; um prazer quase sexual…

  13. Maravilha esse conjunto de postagens.
    O quarteto para cordas é meu gênero favorito, e com Beethoven, então, nem se fala.
    Confesso que gostei mais das obras presentes nessa útima postagem, mas os nove cds são obrigatórios.

    Valeu, Carlinus.

  14. Nossa, fazia um bom tempo que eu procurava esse quarteto, talvez por não ter muito tempo pra aplicar em uma procura mais profunda não tenha encontrado, muito obrigado PQP Bach

    recentemente fiz uma postagem no meu blog de um programa canadense que fala um pouco sobre a música e a vida de Beethoven, creio que vocês todos já tenham visto, mas não custa nada deixar o link.

    http://diariodeumpalhaco.blogspot.com/2011/06/todas-as-notas-ludwig-van-beethoven.html

    grande abraço e mais uma vez obrigado pelo quarteto!

  15. Mais uma vez, Carlinus provando que sabe escolher a dedo suas postagens. Maravilhosas versões! O depoimento de Milton Ribeiro nós faz apetecer ainda mais por estes quartetos.

    Grato.

  16. Assisti em um filme sobre Bethoven um dos movimentos da nº9, recordo-me que naquela noite não consegui dormir, era uma sensação estranha, mas maravilhosa. Desde então tenho buscado pelas músicas deste mestre e agradeço muito por tudo que tenho encontrado aqui.

Deixe uma resposta