Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonies – Klemperer – CD 5 de 6 – Philharmonia Orchestra


Neste volume Klemperer nos traz a 8ª Sinfonia, outro caso de uma obra de Beethoven pouco interpretada e até mesmo pouco gravada. O que é uma pena, pois ela é uma bela introdução para o que virá pela frente com todo o gigantismo da Nona Sinfonia.
Para completar o CD, temos as três aberturas Leonore e a abertura Coriolan, op. 72.

01. 1. Allegro vivace con brio
02. 2. Allegretto scherzando
03. 3. Tempo di Menuetto
04. 4. Allegro vivace
05. Leonore No.1, Op.138
06. Leonore No.2, Op.72
07. Leonore No.3, Op.72a
08. Coriolan, Op.62

Philharmonia Orchestra
Otto Klemperer – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Paul Hindemith (1895-1963) – Obras para Violoncelo e Piano (Link Restaurado)

Postado originalmente em 15 de fevereiro de 2008.

É interessante como Hindemith colocou-se frente à música de sua época. Depois de uma infância de menino superdotado e de um início de carreira com agudo senso de provocação – revolucionário mesmo -, o compositor sentiu necessidade de ordem e, ao mesmo tempo que Stravinski mergulhava em partituras de Pergolesi, ele fazia sua virada estilística estudando J.S. Bach e Händel. As duas primeiras obras deste CD são do primeiro período e a terceira é de depois da virada. Este “passo atrás” foi acompanhado de um coro de críticas ao seu “neobarroquismo”, porém suas Kammermusik fizeram indesmentível sucesso (já postamos algumas em nosso PQP) e… são concertos de câmara para diversos instrumentos solistas dentro da estrutura dos Concertos de Brandenburgo. O enfant terrible do passado institucionalizou-se. Ao final de sua vida, Hindemith escreveu um Ludus Tonalis, espécie de Cravo bem temperado moderno. De certo modo, seu retorno a Bach foi sem volta… Mas é justamente sua polifonia e barroquismo que me agradam.

Este CD não chega a ser uma obra-prima, mas também não é decepcionante.

Paul Hindemith – Obras para Violoncelo e Piano

Three Pieces for Cello and Piano, Op. 8 (1917)
1. Capriccio In A Major
2. Phantasiestuck
3. Scherzo

Sonata for Cello and Piano, Op. 11 no 3 (1919)
4. 1st Movement
5. 2nd Movement

Sonata for Cello and Piano (1948)
6. I. Pastorale
7. II. Moderately Fast
8. III. Passacaglia

Emil Klein (Cello)
Wolfgang Manz (Piano)


BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

null

Postado pelo PQP. Restaurado pelo Carlinus

Paul Hindemith (1895-1963) – Música de Câmara Nros. 4, 1 e 5 (Link Restaurado)

Postado em 23 de novembro de 2007. Link Restaurado pelo Carlinus.

Este CD tem lugar garantido na pequena mochila que levarei para a ilha deserta – talvez motivado pela perseguição de wagnerianos enlouquecidos; logo eu, um ariano filho de Johann Sebastian Bach com Brunilda Dämmerung, minha saudosa mãe, a bela loira crepuscular nascida em Estugarda (nome em português de Stuttgart, prezado leitor) que seduziu meu pai com outras intrincadas polifonias.

Mas chega! Dizia que este CD vai para a ilha deserta em minha pequena mochila. E vai mesmo.

Com a Filarmônica de Berlim sob a regência de Claudio Abbado, temos aqui o mais polifônico e barroco dos compositores modernos. Apesar dos protestos de Wilhelm Furtwängler, sua música foi carimbada como “degenerada” pelos nazistas e Hindemith emigrou para os EUA em 1940, para lecionar em Yale. É curioso que Glenn Gould tenha se dedicado tanto a Hindemith, mas não pretendo fazer nenhuma tese a respeito, apesar de ter uma pronta.

Ele também era violista, regente e escrevia sobre música. Certamente o fato de ser regente explica suas espetaculares obras para sopros e metais. Dentre os modernos, talvez só Nielsen tenha escrito tão bem para estes instrumentos melódicos. Sua música é altamente polifônica e não é casual que tenhamos neste CD uma “Música” para 12 instrumentos solistas. Publicou pequenas obras clássicas como Curso Condensado de Harmonia Tradicional, Ludus Tonalis e Treinamento Elementar para Músicos.

Só lhes peço uma coisa. Ouçam o primeiro movimento da Música de Câmara Nº 5 com o volume bem alto. Minha filha chama este movimento de “Erudito Pauleira”; eu apenas garanto que ele faz mais sentido quando penetra forte no último pavilhão auricular… Mas o que eu entendo de ouvidos? Nada!

P.Q.P. Bach.

Paul Hindemith – Música de Câmara Nros. 4, 1 e 5.

1. Kammermusik Nr.4, Op.36 Nr.3 (Violin Concerto): I.Signal. Breite, majestatliche Halbe (original version) – Kolja Blacher
2. Kammermusik Nr.4, Op.36 Nr.3 (Violin Concerto): II. Sehr lebhaft – Kolja Blacher
3. Kammermusik Nr.4, Op.36 Nr.3 (Violin Concerto): III. Nachtstuck. Maßig schnelle Achtel – Kolja Blacher
4. Kammermusik Nr.4, Op.36 Nr.3 (Violin Concerto): IV. Lebhafte Viertel – Kolja Blacher
5. Kammermusik Nr.4, Op.36 Nr.3 (Violin Concerto): V. So schnell wie moglich – Kolja Blacher

6. Kammermusik Nr.1 mit Finale 1921, Op.24 Nr.1 for 12 solo instrs : l. Sehr schnell und wild – Berliner Phil/Claudio Abbado
7. Kammermusik Nr.1 mit Finale 1921, Op.24 Nr.1 for 12 solo instrs : ll. Massig schnelle Halbe. Sehr s – Berliner Phil/Claudio Abbado
8. Kammermusik Nr.1 mit Finale 1921, Op.24 Nr.1 for 12 solo instrs : lll. Quartett. Sehr langsam und mi – Berliner Phil/Claudio Abbado
9. Kammermusik Nr.1 mit Finale 1921, Op.24 Nr.1 for 12 solo instrs : lV. Finale: 1921. Lebhaft – Berliner Phil/Claudio Abbado

10. Kammermusik Nr.5, Op.36 Nr.4 (Viola Concerto) for solo viola and large chm orch: l. Schnelle Halbe – Wolfram Christ
11. Kammermusik Nr.5, Op.36 Nr.4 (Viola Concerto) for solo viola and large chm orch: ll. Langsam – Wolfram Christ
12. Kammermusik Nr.5, Op.36 Nr.4 (Viola Concerto) for solo viola and large chm orch: lll. Maßig schnell – Wolfram Christ
13. Kammermusik Nr.5, Op.36 Nr.4 (Viola Concerto) for solo viola and large chm orch: lV. Variante eines Mili – Wolfram Christ

Kolja Blacher, solo de violino nas faixas de 1 a 5.
Wolfram Christ, solo de viola nas faixas de 10 a 13.
Orquestra Filarmônica de Berlim
Claudio Abbado

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Antonio Carlos Gomes (1836-1896) – Sonata em Ré (movimentos I e IV – transcrições para camerata de violões) [link atualizado 2017]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

 

MEUS QUERIDOS, ISSO É APENAS PARA ATIÇAR VOSSAS VONTADES: SEMANA QUE VEM, QUANDO O P.Q.P.BACH COMPLENTARÁ 6 ANINHOS DE EXISTÊNCIA, POSTAREI ESTA MESMA SONATA, NO ORIGINAL, COM O ESTUPENDO QUARTETO BESSLER-REIS

No momento, fiquem com essa genial transcrição da peça para violões:

Vi as transcrições para piano de obras do Vivaldi postadas recentemente pelo PQP e não me contive (será que estou com inveja? Preciso consultar meu analista…): achei que seria muito importante disponibilizar essas duas modestas transcrições para violão (modestas pela quantidade, de forma alguma pela qualidade), com o 1º e o 4º movimentos da Sonata em Ré, na qual encontramos o conhecido Burrico de Pau.
A Sonata em Ré foi composta por Carlos Gomes em 1894, dois anos antes de sua morte. Já era ele um compositor maduro e, em seus últimos trabalhos, percebe-se uma elaboração maior com as cordas e um destaque maior para elas (pela formação de banda de Gomes, os sopros sempre tiveram um papel mais destacado do que em outros compositores de mesmo gênero e período). É uma peça dificílima, com arpejos, pizzicatos, espicatos, saltos muito destacados da primeira para a quarta corda, enfim, de técnica apuradíssima, que só intérpretes muito bons conseguem dar conta de executá-la fielmente.
E imaginar que o Burrico de Pau foi composto quando Carlos Gomes viu a sobrinha brincando com um daqueles cavalinhos com cabo de vassoura…
Nessas duas transcrições, muito bem executadas, a Camerata Octopus faz parecer que a peça foi feita para violão, e não para orquestra de cordas, tal são a beleza e agilidade das músicas e a precisão dos intérpretes.
Ouça, que estas levam o selo de IM-PER-DÍ-VEIS !

Antonio Carlos Gomes (Campinas, 1836 – Belém, 1896)
Sonata em Ré: Transcrições para Violão

01. Sonata em Ré – I. Allegro moderato
02. Sonata em Ré – IV. Vivace: O Burrico de Pau

Camerata de Violões Octopus (Conservatório de Tatuí, SP), 2004.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (8Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Bisnaga

.: interlúdio :. Terje Rypdal: Odyssey In Studio & In Concert

Não morri de amores por este elogiadíssimo e ressuscitado Odyssey, onde temos um resumo da carreira de Rypdal desde os anos 70. Bem melhor é o terceiro CD, gravado ao vivo em 2009. Nem todos os CDs dos anos 70 e 80 da ECM eram atemporais e, para utilizar uma expressão antiquada, diria que o Odyssey original era bem datado. Mas, vejam bem, esta é apenas a minha opinião e tem valor bem limitado. Vale baixar pelo terceiro CD, que achei interessante.

Terje Rypdal: Odyssey: In Studio & In Concert

ODYSSEY – CD1 (ex ECM 1067)
01. Darkness Falls
02. Midnite
03. Adagio
04. Better Off Without You

ODYSSEY – CD2 (ex ECM 1067)
01. Over Birkerot
02. Fare Well
03. Ballade
04. Rolling Stone

Unfinished Highballs (previously unreleased) – CD3
01. Unfinished Highballs
02. The Golden Eye
03. Scarlet Mistress
04. Dawn
05. Dine and Dance to the Music of the Waves
06. Talking Back
07. Bright Lights – Big City

Personnel:

Terje Rypdal – electric guitar, synthesizer, soprano saxophone
Torbjørn Sunde – trombone
Brynjulf Blix – organ
Sveinung Hovensjø – bass guitar
Svein Christiansen – drums

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Terje Rypdal

PQP

Antonio Caldara (1670-1736): Maddalena ai piedi di Cristo

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este estupendo CD duplo traz o especialista em música barroca René Jacobs com um super time num lançamento da Harmonia Mundi alemã. Tudo perfeito se acrescentarmos que Maddalena ai piedi di Cristo é uma obra-prima.

Trata-se de um disco para ouvir e comprar. Ah, mas quem é Caldara? Eu também conhecia pouco, mas fiquei espantadíssimo com esta gravação multi-premiada.

Antonio Caldara foi um compositor italiano do período barroco, conhecido como compositor de óperas, cantatas e oratórios. Caldara nasceu em Veneza em uma família de músicos. Seu primeiro professor foi seu pai, Giuseppe, que foi violinista. Aos onze anos, estudou sob a direção de Giovanni Legrenzi, foi corista na Catedral de San Marco em Veneza, onde aprendeu vários instrumentos. Em 1699 mudou-se para Mântua, onde se tornou Mestre di cappella Charles IV, Duque de Mântua. Foi um dos mais prolíficos autores da sua geração. Caldara ocupou cargos importantes em Mântua, Roma e Viena, num momento em que a música vocal italiana estava a atravessar um processo de desenvolvimento rápido. Durante os anos seguintes, fez inúmeras viagens na Itália e no estrangeiro. Em 1708 é contratado pelo arquiduque Carlos, e mudou-se para Barcelona, onde compõe várias óperas que representam as primeiras óperas italianas da Península Ibérica. Caldara iria influenciar a escola de Mannheim, bem como Haydn e Mozart.

Antonio Caldara (1670-1736): Maddalena ai piedi di Cristo

CD 1
1. Part 1. No. 1. Sinfonia
2. Part 1. No. 2. Aria. Dormi, o cara, e farmi il sonno
3. Part 1. No. 3. Recitativo. Così godea la mente
4. Part 1. No. 4. Aria. Deh, librate amoretti
5. Part 1. No. 5. Recitativo. Del sonno lusinghiero
6. Part 1. No. 6. Aria. La ragione, s’un’alma conseglia
7. Part 1. No. 7. Recitativo. Così sciolta da’lacci de’ sui error
8. Part 1. No. 8. Allegro. Alle vittorie
9. Part 1. No. 9. Recitativo. Oimè, troppo importuno
10. Part 1. No. 10. Aria. In un bivio è il mio volere
11. Part 1. No. 11. Recitativo. Maddelena, nel cielo fissa la sguardo
12. Part 1. No. 12. Aria. Spera, consolati
13. Part 1. No. 13. Recitativo. Troppo dura è la legge
14. Part 1. No. 14. Aria. Fin che danzan le grazie sul viso
15. Part 1. No. 15. Recitativo. Germana, al ciel, deh, volgi
16. Part 1. No. 16. Aria. Non sdegna il ciel le lacrime
17. Part 1. No. 17. Recitativo. Omai spezza quel nodo
18. Part 1. No. 18. Aria. Pompe inutili
19. Part 1. No. 19. Recitativo. E voi, dorati crini
20. Part 1. No. 20. Aria. Il sentier ch’ora tu prendi
21. Part 1. No. 21. Recitativo. Maddalena, coraggio!
22. Part 1. No. 22. Aria. Dilenti non più vanto
23. Part 1. No. 23. Recitativo. Dell’anima tua grande
24. Part 1. No. 24. Aria. Vattene, corri, vola
25. Part 1. No. 25. Recitativo. Marta, ho risolto
26. Part 1. No. 26. Aria. Voglio piangere
27. Part 1. No. 27. Recitativo. A tuo dispetto, Amor Terreno
28. Part 1. No. 28. Duetto. La mia virtude

CD 2
1. Part 2. No 1. Sinfonia
2. Part 2. No 2. Recitativo. Donna grande e fastosa
3. Part 2. No 3. Aria. Parti, che di virtù il gradito splendore
4. Part 2. No 4. Recitativo. Cingan pure quest’alma
5. Part 2. No 5. Aria. Chi con sua cetra
6. Part 2. No 6. Recitativo. Maddalena, deh, ferma!
7. Part 2. No 7. Aria. In lagrime stemprato il cor qui cade
8. Part 2. No 8. Recitativo. Oh ciel, chi vide mai la penitenza
9. Part 2. No 9.Aria. Ride il ciel e gl’astri brillano
10. Part 2. No 10. Recitativo. A tuo dispetto, Amor Terreno
11. Part 2. No 11. Aria. Me ne rido di tue glorie
12. Part 2. No 12. Recitativo. Se non ho forza a superar costei
13. Part 2. No 13. Aria. Orribili, terribili
14. Part 2. No 14. Recitativo. Maddalena, costanza
15. Part 2. No 15. Aria. O fortunate lacrime
16. Part 2. No 16. Recitativo. Mio Dio, mio Redentor
17. Part 2. No 17 .Aria. Chi drizzar di pianta adulta
18. Part 2. No 18. Recitativo. D’esser costante, o mio Gesù, non temo
19. Part 2. No 19. Aria. Per il mar del pianto mio
20. Part 2. No 20. Recitativo. L’atto immenso che, uscito
21. Part 2. No 21. Aria. Del senso soggiogar
22. Part 2. No 22. Recitativo. Di miei dardi possenti
23. Part 2. No 23. Aria. Da quel strale che stilla veleno
24. Part 2. No 24. Recitativo. Sempre dagl’astri scende
25. Part 2. No 25. Aria. Questi sono arcani ignoti
26. Part 2. No 26. Recitativo. Cittadini del ciel
27. Part 2. No 27. Aria. Sù, lieti festeggiate
28. Part 2. No 28. Recitativo. Voi, che in mirarmi oppresso ogn’or godete
29. Part 2. No 29. Aria. Voi del Tartaro
30. Part 2. No 30. Recitativo. Va dunque Maddalena
31. Part 2. No 31. Aria. Chi serva la beltà

Maddalena – Maria Christina Kiehr
Marta – Rosa Dominguez
Amor Terreno – Bernarda Fink
Amor Celeste – Andreas Scholl
Fariseo – Ulrich Messthaler
Cristo – Gerd Türk

Chiara Banchini: violin, dir.

Schola Cantorum Basiliensis
René Jacobs (cond.)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concerto para violino in D major, Op. 61 / Romances Op. 50 e 61

Depois da estranha e, digamos, talvez abusiva interpretação de Kremer + Harnoncourt que revalidei ontem, agora temos uma versão bem melhor do mesmo (mesmíssimo) repertório daquele CD. Na Amazon, este disco recebeu a nota máxima de dez avaliadores e não é para menos, basta ouvi-lo. Gosto muito do Op. 61 e esta é uma das melhores gravações que conheço. É inteligente, criativa e elegante dentro de um estilo mais clássico do que romântico. Versão alegre, franca e muito bem interpretada por solista e orquestra.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Concerto para violino in D major, op. 61 / Romances Op. 50 e 61

Concerto para violino em D major, op. 61
01. I. Allegro ma non troppo
02. II. Larghetto
03. III. Rondo

Romance para violino e orquestra em G major, op. 40
04. I. Adagio – Allegro con brio

Romance para violino e orquestra em F major, op. 50
05. Adagio cantabile

Christian Tetzlaff, violino
Tonhalle Orchestra Zurich
David Zinman, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Agora sim uma gravação decente do meu Concerto para Violino

PQP

Compositores Paraenses dos Séculos XIX e XX: Henrique Eulálio Gurjão (1834-1885), Wilson Fonseca (1912-2002), Clemente Ferreira Júnior (1864-1917), Octavio Meneleu Campos (1872-1927), Altino Pimenta (1921-2003) Waldemar Henrique (1905-1995), Araújo Pinheiro (1917-1998) [link atualizado 2017]

Compositores Paraenses dos Séculos XIX e XX é daqueles CDs despretensiosos. O intuito do álbum, pelo que se pode notar facilmente, é o resgate e o registro de músicas dos compositores daquelas quentes e pluviosas terras… Nem muito além disso.

Mas é aí que talvez resida a grande graça deste CD: não se propor ser grande. Com isso, as músicas todas soam com o mesmo espírito do álbum, despretensiosas e, por tal motivo, leves, cândidas, sem quererem impressionar, mas com uma graça agreste e sencilha.

As duas Ave-Marias que abrem o setlist, compostas para coro, do  General Henrique Gurjão e de Wilson Fonseca são plácidas e muito belas. Já as quatro faixas seguintes, gravadas pela primeira vez neste volume, de Clemente Júnior, não são tão cativantes, chegando a ser mesmo até simplórias (sim, o nível cai um pouco…).

O álbum recupera o fôlego com o belo Trendment de Meneleu Campos e cresce com as quatro peças para canto lírico dos compositores mais famosos, Altino Pimenta e Waldemar Henrique, encerrando-se nas duas composições mais inspiradas, para piano, violoncelo e violino, de Araújo Pinheiro e, novamente, Wilson Fonseca. A última peça, a Valsinha em Si Menor, realmente, é a mais cativante de todo o CD, e daquelas que se guarda entre as preferidas. Coisa linda!

CD simples, sem apoteoses escalafobéticas, sem pirotecnias musicais, e… muito bom! Assim, só! Ouça, ouça!

Fonogramas gentilmente cedidos por Raphael Soares, entusiasta da música erudita paraense.

Compositores Paraenses dos Séculos XIX e XX 
.

General Henrique Eulálio Gurjão (Belém, PA, 1834-1885)
01. Ave Maria.
Wilson Fonseca (Santarém, PA, 1912 – Belém, PA, 2002)
02. Ave Maria.
Clemente Ferreira Júnior (Belém, PA, 1864-1917)
03. Cunha-poranga
04. Gavotte Republicaine
05. Sons que passam
06. Remembranza
Octavio Meneleu Campos (Belém, PA, 1872 – Rio de Janeiro, RJ, 1927)
07. Trendment
Altino Pimenta (Belém, PA, 1921-2003)
08. Apresentação
09. Chora Coração
Waldemar Henrique (Belém, PA, 1905-1995)
10. Uma Canção de Amor
11. Primavera
Raymundo de Araújo Pinheiro (Igarapé-Miri, PA, 1917 – Belém, PA,1998)
12. Lamento Negro
Wilson Fonseca (Santarém, PA, 1912 – Belém, PA, 2002)
13. Valsinha em Si Menor

Madrigal da UEPA
Alexandre Contente, órgão
Milton Monte, regente
Leonardo Coelho de Souza, Piano (faixas 03, 08, 09, 10 e 11)
Dione Colares, soprano (faixas 08, 09, 10 e 11)
Lia Braga, piano (faixa 04)
Valdecíria Lamêgo Paulino, piano (faixa 05)
Lúcia Azevedo Lisboa, piano (faixa 06)
Eliana Cutrim, Piano (faixas 07, 12 e 13)
Paulo Keuffer, violino (faixa 13)
Arthur Alves, violoncelo (faixa 11, 12 e 13)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (49Mb)
…Mas comente… Não me responda apenas com o vazio do silêncio…

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Bisnaga

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Symphonies – CD 4 de 6 – Klemperer – Philharmonia Orchestra


Uma sinfonia não tão badalada e outra badaladíssima, então aqui temos a 4ª e a 7ª sinfonias.
O curioso da 4ª sinfonia é que Beethoven retorma à forma clássica em sua abertura, num  adagio tipicamente haydniano mas logo após a sisudez o que temos é um belo exemplo de como a escrita beethoveniana estava se aperfeiçando. A utilização de sopros para introduzir temas já tem ecos da 6ª sinfonia, e o tema desenvolvido se torna alegre, solto, festivo em alguns momentos. E curiosamente lembra também a 7ª, esta sim, entre as duas aqui postadas, um exemplo de maturidade e total domínio da orquestra. Comparações são inevitáveis, e para mim, a gravação definitiva da 7ª Sinfonia sempre será a de Carlos Kleiber, mas gosto é gosto, e até pode se discutir, mas mudá-lo já é outra história.
Pois bem, neste primeiro dia de feriadão (ao menos para mim) nem vou me prolongar muito, e deixarei que Otto Klemperer e sua excepcional Philharmonia Orchestra digam ao que vieram e lhes proporcionem 74 minutos de prazer e emoção.
Bom feriadão para todos. Como 70 % da população de minha cidade, amanhã de manhã pego a estrada e volto apenas no domingo. Eu mereço. Ou pelo menos fiz por merecer.

01. 1. Symphony n° 4, op. 60 – Adagio – Allegro vivace
02. 2. Adagio
03. 3. Menuetto. Allegro vivace – Trio. Un poco meno allegro
04. 4. Allegro ma non troppo
05. 1. Symphony n° 7, op. 92 – Poco sostenuto – Vivace
06. 2. Allegretto
07. 3. Presto – Assai meno presto
08. 4. Allegro con brio

Philharmonia Orchestra
Otto Klemperer – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE