Para quem acredita ! – (postagem número 3.000 do P.Q.P.Bach)

Para quem acredita que um mulato brasileiro, nascido e criado nas bandas de Ouro Preto, MG, em 1794, foi capaz de compor uma obra do nível de Bach ou Mozart, sem nunca ter saído fora de sua terra!

Mais sobre o Padre João de Deus, aqui.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Quartetos para Cordas – Cds 1 e 2 de 8 – Quarteto Ittaliano

Já estou planejando postar estes quartetos de cordas de Mozart há algum tempo. A caixa tem 8 cds, vou tentar botar dois de cada vez, assim vai mais rápido e não embola a fila de futuras postagens.
Esta caixa faz parte da monumental série comemorativa dos 200 anos de morte de Mozart que a Phillips lançou em 1991. São cento e oitenta cds, acho, não lembro e nunca parei para contá-los.
Só sei que é Mozart e é o que importa. E esta integral dos quartetos são uma oportunidade para entendermos a evolução de Mozart enquanto compositor. A interpretação está a cargo do excelente conjunto Quartetto Italiano. É uma série para se baixar, guardar e ouvir aos poucos, sem pressa.

CD 1

01 – String Quartet No.1 In G Major, KV 80-73f – 1. Adagio
02 – String Quartet No.1 In G Major, KV 80-73f – 2. Allegro
03 – String Quartet No.1 In G Major, KV 80-73f – 3. Minuetto
04 – String Quartet No.1 In G Major, KV 80-73f – 4. Rondeau
05 – String Quartet No.2 In D Major, KV 155-134a – 1. Allegro
06 – String Quartet No.2 In D Major, KV 155-134a – 2. Andante
07 – String Quartet No.2 In D Major, KV 155-134a – 3. Molto Allegro
08 – String Quartet No.3 In D Major, KV 156-134b – 1. Presto
09 – String Quartet No.3 In D Major, KV 156-134b – 2. Adagio
10 – String Quartet No.3 In D Major, KV 156-134b – 3. Tempo Di Menuetto
11 – String Quartet No.3 In D Major, KV 156-134b – 2. Adagio (Original Version)
12 – String Quartet No.4 In C Major, KV 157 – 1. Allegro
13 – String Quartet No.4 In C Major, KV 157 – 2. Andante
14 – String Quartet No.4 In C Major, KV 157 – 3. Presto
15 – String Quartet No.5 In C Major, KV 158 – 1. Allegro
16 – String Quartet No.5 In C Major, KV 158 – 2. Andante Un Poco Allegretto
17 – String Quartet No.5 In C Major, KV 158 – 3. Tempo Di Minuetto

CD 2

01 – String Quartet No.6 In B Flat Major, KV 159 – 1. Andante
02 – String Quartet No.6 In B Flat Major, KV 159 – 2. Allegro
03 – String Quartet No.6 In B Flat Major, KV 159 – 3. Rondo. Allegro Grazioso
04 – String Quartet No.7 In E Flat Major, KV 160-159a – 1. Allegro
05 – String Quartet No.7 In E Flat Major, KV 160-159a – 2. Un Poco Adagio
06 – String Quartet No.7 In E Flat Major, KV 160-159a – 3. Presto
07 – String Quartet No.8 In F Major, KV 168 – 1. Allegro
08 – String Quartet No.8 In F Major, KV 168 – 2. Andante
09 – String Quartet No.8 In F Major, KV 168 – 3. Menuetto
10 – String Quartet No.8 In F Major, KV 168 – 4. Allegro
11 – String Quartet No.9 In A Major, KV 169 – 1. Molto Allegro
12 – String Quartet No.9 In A Major, KV 169 – 2. Andante
13 – String Quartet No.9 In A Major, KV 169 – 3. Menuetto
14 – String Quartet No.9 In A Major, KV 169 – 4. Rondeaux. Allegro

Quartetto Italiano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fasch / Haydn / Kohaut / Hagen: Concertos para alaúde

Maravilhoso disco, principalmente o concerto de Fasch, cujo Andante é belíssimo. Fasch (1688-1758) foi um contemporâneo de papai Bach e Telemann, mas já exibe sinais do estilo próximo clássico. A interação dos instrumentos no disco inteiro é fascinante e a textura do som criado por este grupo é muito envolvente. Impossível ouvi-lo uma vez só. Chiara Banchini é uma violinista inacreditável, e Hopkinson Smith (frequente parceiro de Savall) exibe excelente técnica e grande sensibilidade como solista.

Fasch / Haydn / Kohaut / Hagen: Concertos para alaúde

Johann Friedrich Fasch*: Concerto in d-minor for lute, 2 violin, alto & b.c.
1. Con in d: Allegro Moderato
2. Con in d: Andante
3. Con in d: Un Poco Allegro

Joseph Haydn: Cassation in C-major for lute oblige, violon & cello
4. Cassation in C: Presto
5. Cassation in C: Minuetto – Trio
6. Cassation in C: Adagio
7. Cassation in C: Finale. Presto

Carl Kohaut: Concerto in F-major for lute, 2 violins & cello
8. Con in F: Allegro
9. Con in F: Adagio
10. Con in F: Tempo Di Minuetto

Bernhard Joachim Hagen: Concerto in A-major for lute, 2 violins & cello
11. Con in A: Allegro Moderato
12. Con in A: Largo
13. Con in A: Allegro

Hopkinson Smith, lute

Chiara Banchini, violin
David Plantier, violin
David Courvoisier, viol
Roel Dieltiens, cello piccolo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Baixem logo porque os 50 GB diários do Rapidshare se esgotam rapidamente… Os 50 Gb de tráfego diário são zerados às 21h, horário do Brasil. Depois do meio dia fica difícil. Ou compre uma conta Rapid Pro, seu avarento. É quase de graça e você poderá baixar os 935 CDs que já subi e mais os do Avicenna, tolinho, a qualquer hora e vários ao mesmo tempo. Se você não pode gastar alguns poucos reais, bem, chegue cedo para não ver a mensagem File owner’s public traffic exhausted.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Concerto para violino em D, Op. 61 e Benjamin Britten (1913-1976) – Concerto for Violin and Orchestra, Op. 15

Uma interpretação convicente para dois dos meus concertos para violino e compositores favoritos. A senhorita Jansen não possui apenas beleza. Ela dona de uma habilidade, de uma versatilidade incrível. Os concertos ficaram densos. Beethoven ficou mais triste e belo. Britten ficou tecnicamente impecável. Vale a pena a audição. Não deixe de fazê-lo. Boa apreciação!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) –

Concerto para violino em D, Op. 61
01. Allegro ma non troppo
02. Larghetto
03. Rondo (allegro)

Benjamin Britten (1913-1976) –
 

Concerto for Violin and Orchestra, Op. 15
05. I. Moderato con moto
06. II. Vivace
07. III. Passacaglia: Andante lento

Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremem (Beethoven)
London Symphony Orchestra
Paavo Järvi, regente
Janine Jansen, violino


BAIXAR AQUI

null

Uma sílfide!

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847) – Symphony nº 2 in B Flat Major, op. 52 “Hymn of Praise”

LINK ATUALIZADO !! POSTAGEM REALIZADA EM 05/05/08 …
Por algum motivo desconhecido, esta sinfonia é uma das menos conhecidas do repertório mendelssohniano. Belíssima em sua forma é, na definição do próprio compositor, “uma Sinfonia-Cantata, baseada em textos da Bíblia, para solistas, coro e Orquestra”. Foi composta por ocasião das comemorações dos 400 anos de aniversário da grande invenção de Gutemberg, a imprensa.

Particularmente, essa sinfonia me era desconhecida, até ter acesso à essa gravação de Abbado ha pouco mais de 2 anos atrás. Existem pouquíssimas gravações dela, comparando com três últimas. O motivo? Sei lá. Os executivos das gravadoras é que precisariam explicar. Os corais são belíssimos, assim como as árias solistas. A orquestração é riquíssima, e em muitos momentos pode-se verificar uma forte influência dos corais bachianos. Não esqueçamos que foi Mendelssohn quem “redescobriu” Bach para a Europa das primeiras décadas do século XIX. Diria até que esta sinfonia é um tanto quanto ambiciosa em sua proposta, mas tem vários momentos magníficos.

As sopranos Elizabeth Konnel e Karita Mattila, e o tenor Hanz Peter Blochwitz, desconhecidos até então para mim, têm belíssimas vozes, e o London Symphony Chorus também é excelente. A direção, como sempre, é de Claudio Abbado, num dos melhores registros de sua carreira.

Para quem se interessar, a letra das árias está aqui.

Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847) – Symphony nº 2 in B Flat Major, op. 52 “Hymn of Praise”

01 I. Sinfonia – Maestoso con moto-Allegro-Maestoso con moto come I
02 Allegretto un poco agitato
03 Adagio religioso
04 II. Allergo moderato maestoso – Allegro di molto
05 Molto piu moderato ma con fuoco
06 III. Recitativo
07 Allegro moderato
08 IV. Chor. A tempo moderato
09 V. Andante
10 VI. Allegro un poco agitato – Allegro assai agitato – Tempo I moderato
11 VII. Allegro maestoso e molto vivace
12 VIII. Choral. Andante con moto – Un poco piu animato
13 IX. Andante sostenuto assai
14 X. Allegro non tropo – Piu vivace – Maestoso come I

Elizabeth Konnel, Karita Mattila – Sopranos
Hanz Peter Blochwitz – Tenor

London Symphony Chorus
London Symphony Orchestra
Claudio Abbado

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Argerich, o filme

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

L. van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Violino e Piano, “Kreutzer” e “Primavera”

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Esta gravação dispensa muitas apresentações, correto? É um super hiper ultra clássico da discografia mundial. Perlman e Ashkenazy dão um banho que vou contar pra vocês. E o repertório, o que dizer? Resolvi postar porque o Doni reclamou da ausência de Perlmans e eu estou passando por um estranho e inédito período de consideração e bondade… Agora, o motivo que levou a Tolstói dar o nome de Sonata à Kreutzer àquela terrível (e ótima) novela.. Ah, isso ninguém compreende,

L. van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Violino e Piano, “Kreutzer” e “Primavera”

1. Sonata for Violin and Piano No.9 in A, Op.47 – “Kreutzer” – 1. Adagio sostenuto – Presto 11:49
2. Sonata for Violin and Piano No.9 in A, Op.47 – “Kreutzer” – 2. Andante con variazioni 16:29
3. Sonata for Violin and Piano No.9 in A, Op.47 – “Kreutzer” – 3. Finale (Presto) 8:49

4. Sonata for Violin and Piano No.5 in F, Op.24 – “Spring” – 1. Allegro 9:51
5. Sonata for Violin and Piano No.5 in F, Op.24 – “Spring” – 2. Adagio molto espressivo 6:27
6. Sonata for Violin and Piano No.5 in F, Op.24 – “Spring” – 3. Scherzo (Allegro molto) 1:14
7. Sonata for Violin and Piano No.5 in F, Op.24 – “Spring” – 4. Rondo (Allegro ma non troppo) 6:48

Itzhak Perlman
Vladimir Ashkenazy

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sim, todos nós fomos jovens um dia. E você que ainda é, aproveite!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Igor Stravinsky (1882-1971): Concerto para Violino e Orq. / Bela Bartók (1881-1945): Concerto No. 2 para Violino e Orq.

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Dias atrás, ocorreu uma pequena discussão neste blog. Não quis participar, porque já tinha discutido o assunto em outras oportunidades e as pessoas se tornam muito agressivas, sabe-se lá por quê. O tema era violinistas. Então vieram os passadistas que não leram Virginia Woolf (ou, OK, que não concordam com ela) e desfilaram uma série de nomes de pessoas mortas. Eu sempre defendi a tese de que os instrumentistas modernos são, em sua maioria, superiores aos do passado. Basta ouvir com atenção. O resto, meus amigos, vai por conta do afeto. Uma vez, em minha casa, criei grande confusão ao mostrar gravações de pianistas e violinistas de ontem e hoje. Entre outros grandes artistas, a confusão foi gerada por Viktoria Mullova, uma violinista que “só não é absolutamente fabulosa pelo fato de estar viva” (V.W.). Quase imbatíveis, ela, Gil Shaham, Shlomo Mintz, o russo aquele (Vengerov, acho) e outros violinistas cujos corações ainda batem, ganhavam a preferência de quase todos. E estávamos quase só entre músicos… Dávamos risadas e as pessoas diziam que “não, não pode ser”. Os únicos que efetivamente acompanhavam os modernos eram Heifetz, Oistrakh e Szeryng. Imaginem que Milstein foi chamado de amador por três vezes. Não sou apocalíptico e acho que os modernos fazem melhor por estarem sobre os ombros dos gigantes do passado. Quando o gigante Gould concebeu suas interpretações, não foi auxiliado por Gould. Já Hewiit foi. Deste modo, não é inteiramente estranho que faça tão bem quanto ou até melhor. Bem, esqueçam, este foi só um exemplo e talvez não o mais feliz deles.

Beijos.

P.S.– Ah, há Mullova neste CD. Muita Mullova!

Igor Stravinsky (1882-1971): Concerto para Violino e Orq. /
Bela Bartók (1881-1945): Concerto No. 2 para Violino e Orq.

Igor Stravinsky (1882-1971) – Violin Concerto in D major

01. No. 1, Toccata
02. No. 2, Aria I
03. No. 3, Aria II

Bela Bartók (1881-1945) – Violin Concerto No. 2 in B minor, Sz. 112, BB 117

04. I. Allegro con troppo
05. II. Andante tranquillo
06. III. Allegro molto

Viktoria Mullova, violino
Los Angeles Philharmonic New Music Group
Esa-Pekka Salonen, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mullova: com um beijo aos passadistas

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nicolo Paganini (1782-1840) – Violin Concerto n°1 in D major, op. 6, Louis Spohr (1784-1859) – Violin Concerto n° 8 in A Minor, op. 47 – Hahn, SRSO, Oue

Depois que nos acostumamos com a impressionante performance de Salvatore Accardo tocando os concertos de Paganini, outras gravações nos soam estranhas, com aquela sensação de que falta alguma coisa.

Não posso considerar Hilary Hahn uma novata, ao contrário, desde praticamente sua adolescência ela frequenta os palcos do mundo inteiro e estúdios de gravação. Mas claro, falta-lhe a experiência dos mais velhos. Mas digamos que o que lhe falta desta experiência sobra em ousadia e a impetuosidade da juventude. Paganini é para poucos, eu diria. O cara escreveu seis concertos para violino que são verdadeiras armadilhas para o solista. Pedreira em cima de pedreira. Muitos o acusam de ter deixado o violino muito em destaque e consideram sua orquestração fraca. Um Liszt do violino. Mas convenhamos, o cara era o maior violinista de seu tempo, e alguns até dizem que foi o maior de todos, assim como Liszt também era o grande nome de seu tempo e claro que sua preocupação era o show, as piroctenias e o exibicionismo, característicos de sua personalidade, segundo os biógrafos.

Voltando a Hilary Hahn concordo com as quatro estrelas da amazon, e digo mais: não dou mais porque achei fraco o desempenho da orquestra e de seu regente. Han fez direitinho o dever de casa, mas o tal de Eiji Oue aparentemente faltou à algumas aulas. mas não estraga o geral. Um disco do cacete para aqueles que gostam de violino e de virtuosismo e técnicas elevadas á enésima potência.

Ah, tem o Concerto de Louis Spohr. Conheço pouco sobre ele, sei que foi contemporâneo de Paganini e de Beethoven, e que teria trabalhado por um tempo com o próprio Beethoven quando este compunha seu Trio op. 70, n°1, “Ghost”. Maiores informações sobre esse compositor podem ser encontradas em http://en.wikipedia.org/wiki/Louis_Spohr .

01 Paganini – Violin Concerto No. 1 – I Allegro maestoso
02 II Adagio
03 III Rondo. Allegro spirituoso
04 Spohr L. – Violin Concerto No. 8 – I Allegro molto
05 II Adagio
06 III Allegro moderato

Hilary Hahn – Violin
Swedish Radio Symphony Orchestra
Eiji Oue – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Canções Brasileiras: músicas para piano e canto de 11 compositores nacionais

Lindo!!!

Meu Deus (sim, não sou ateu)!
Faz quase dois meses que não posto nenhum álbum. Tive que viajar muito, mudei de cidade, deixei São Carlos para trás… Mas agora as coisas estão se organizando de novo e volto a colocar alguma coisa aqui neste espaço. Espero que este retorno seja bem recebido: mais música brasileira compartilhada na blogosfera.

O CD escolhido para este retorno é esta belezinha aqui: o Canções Brasileiras, canções estas muito bem interpretadas pelo piano elegante de Scheilla Glaser e a voz límpida de Sandra Félix. O repertório foi muito bem lapidado, escolhido e trabalhado: é um álbum que tem conjunto, ainda que sejam obras de vários compositores.

Eu destacaria a beleza melódica, em especial, da Canção de Ninar de Francisco Mignone, do Coração Triste de Alberto Nepomuceno (letra de Machado de Assis), da Valsinha Marajó de Waldemar Henrique e da Valsinha de Roda de Edmundo Villani-Côrtes. São as obras com maior candura do conjunto, amáveis. Mas talvez você leitor/ouvinte, goste mais de outras obras deste CD. Por via das dúvidas, escute-o todo, de cabo a rabo: tenho a plena certeza que vais gostar muito!

Ah, creditando: os fonogramas foram esplendorosamente cedidos pelo Raphael Soares, defensor perpétuo de Waldemar Henrique. Valeuzaço, Raphael.

Ouça, ouça! É uma joia! Deleite-se!

Canções Brasileiras

Oscar Lorenzo Fernandez (Rio de Janeiro, RJ, 1897 – 1948)
1. Toada pra você
2. Meu Coração
Francisco Mignone (São Paulo, SP, 1897 – Rio de Janeiro, RJ, 1986)
3. Quando uma flor desabrocha
4. Cantiga de Ninar
Osvaldo Lacerda (São Paulo, SP, 1927 – 2011)
5. Minha Maria (letra de Castro Alves)
6. Cantiga I
7. Canção do Exílio (letra de Gonçalves Dias)
Ronaldo Miranda (Rio de Janeiro, RJ, 1948)
8. noite e dia
9. Cantares
Mozart Camargo Guarnieri (Tietê, SP, 1907 – São Paulo, SP, 1993)
10. Vai, Azulão (letra de Manuel Bandeira)
11. Canção Ingênua
Antônio Ribeiro (Cataguases, MG, 1971)
12. Trovas
13. Retrato (letra de Cecília Meirelles)
Antonio Carlos Gomes (Campinas, SP, 1836 – Belém, PA, 1896)
14. Conselhos
15. Suspiro d’alma
Alberto Nepomuceno (Fortaleza, CE, 1864 – Rio de Janeiro, RJ, 1920)
16. Soneto
17. Coração Triste (letra de Machado de Assis)
Edmundo Villani-Côrtes (Juiz de Fora, MG, 1930)
18. Valsinha de Roda
19. Modinha da Moça de Antes
20. Baile Imaginário
Waldemar Henrique (Belém, PA, 1905-1995)
21. Valsinha do Marajó
Leopoldo Hakel Tavares (Satuba, AL, 1896 – Rio de Janeiro, RJ, 1969)
22. Azulão  (letra de Manuel Bandeira)

Sandra Félix, soprano
Scheilla Glaser, piano
2000

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE  – PQPShare (89Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

A equipe do P.Q.P.Bach recomenda: Cante! Espante os males!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Marília Vargas, soprano: canções de compositores paranaenses, 1900-1999

Marilia Vargas, CD Todo amor desta terra, canções paranaenses, 2008Nem todo CD que a gente posta neste blog é por morrer de amores pelo repertório; existem muitas outras razões possíveis. Por exemplo, o CVL e eu (Ranulfus) postamos bastante por razões de documentação: disponibilizar coisas de determinada época ou tendência artística pras pessoas poderem saber que essas coisas existem e como são.

Aliás, o próprio Grão Mestre PQP não faz isso sempre, mas quando faz vai fundo: baste ver o Miles Davis que ele postou há dois dias, que, como ele mesmo é o primeiro a dizer, é realmente o ó do borogodó.

Mas esse NÃO é, de jeito nenhum, o caso do CD que estou postando agora! É um CD muito bom; minha ressalva é só que pessoalmente sinto mais afinidade com repertórios de outras épocas e estilos.

Então minha decisão de postar estas peças brasileiras inincontráveis de outro modo tem por um lado esse caráter documental – mas também outras razões: uma delas a própria voz, e a impecabilidade no uso dessa voz, dentro da técnica que escolheu, da soprano Marília Vargas – que apesar de minha conterrânea só conheci este ano com a estupenda postagem feita pelo CVL das cantatas da compositora seiscentista veneziana Barbara Strozzi.

Marília Vargas no CD 'Todo amor desta terra' (2008)Pessoalmente continuo preferindo ouvir a voz da Marília nas cantatas de Strozzi – mas também não posso deixar de reconhecer o capricho, o empenho verdadeiramente amoroso colocado por Marília e pelo musicólogo Paulo José da Costa, seu pai, na pesquisa e realização do CD, não por acaso chamado (a partir de um verso de uma das canções) “Todo amor desta terra”.

As 22 faixas procedem de 8 compositores, só 2 deles vivos, com por volta de 90 anos. Desses oito, o nascido há mais tempo (130 anos) morreu com 47, vítima da gripe espanhola: trata-se de Augusto Stresser (1871-1918), sempre mencionado como autor da primeira ópera composta no Paraná, “Sidéria”, de 1912 (houve outras?). O mais recente estaria com 77 anos, se não houvesse morrido aos 74: Henrique de Curitiba (1934-2008), que comparece com um ciclo de 6 poemas musicados, mais uma faixa independente.

No entremeio temos (retomando a ordem de antiguidade) Benedito Nicolau dos Santos (1878-1956), com uma faixa – e aí as principais estrelas da “face antiga” do disco: 5 faixas de Bento Mossurunga (1879-1970) e 4 de Alceo Bocchino (1918). Entram ainda Wolf Schaia (1922-2002) com 2 faixas, Gabriel de Paula Machado (1924) com uma, e também uma de José Penalva (1924-2002).

Canções paranaenses ou curitibanas? Dos oito compositores, cinco são curitibanos – sendo que Alceo Bocchino, com 92 anos, vive há 65 no Rio. Mossurunga nasceu em Castro (cidade cujo rio é homenageado na primeira faixa), mas viveu 25 anos no Rio e bem uns 60 em Curitiba. Paula Machado parece ter vivido dividido entre sua Ponta Grossa natal e Curitiba. E o Padre Penalva, provavelmente o compositor mais denso do grupo, é paulista de Campinas; mudou-se com 34 anos para Curitiba, onde produziu o principal de sua obra nos 44 anos seguintes.

Paranaenses ou curitibanas, minha impressão é que a sombra de uma terceira cidade recai sobre pelo menos metade das canções: a do Rio antigo. Pois pelo menos metade podem ser classificadas como modinhas tardias: criações novecentistas dentro do principal gênero “de salão” da música brasileira oitocentista – “popular” na medida em que possa ser chamada assim a música cultivada nas casas senhoriais. E na combinação soprano e piano a modinha está inteiramente em casa.

Talvez o caso mais curioso no CD seja a canção do Padre Penalva (faixa 14), compositor que estamos acostumados a ver transitando entre o dodecafonismo e os clusters vocais à la Penderecki: pois não é que comparece aqui com uma espécie de modinha alunduzada? A propósito, uma exploração bastante interessante dos belos versos de Menotti del Picchia, mas em certo sentido a menos paranaense das canções: antecede em cinco anos a instalação do autor em Curitiba.

As mais paranaenses, num sentido folclorizante, são – é chato dizer, mas necessário – as que eu menos gosto: peças que pretendem estilizar para o salão um tipo de música que têm seu berço no galpão, e que vive muito bem no galpão sem precisar fingir o que não é. (Falo de um galpão sulino, puxando para o gauchesco). Cabem nesse saco (ou pelo menos tendem a ele) as faixas 2, 6 e 9, sintomaticamente chamadas “Tristeza do Pinheiro”, “Sapecada” (nome que se dá para assar pinhão no mato numa fogueira das próprias grimpas do pinheiro/araucária) e “Gauchinha”.

Eu diria ainda que duas das canções escapam ao modinheiro e ao folclorizante no rumo do Lied romântico europeu (com perdão da redundância): as faixas 5 (“As letras”, de Wolf Schaia sobre versos de Fagundes Varella) e 15 (a forte “Canção de Inverno” de Alceo Bocchino).

Finalmente, espero não estar sendo influenciado pela generosidade com que, nos anos 70, Henrique de Curitiba recebia os estudantes mais inquietos na sua mesa na Confeitaria Iguaçu ou mesmo na sua casa, ao dizer que se há uma voz propriamente pessoal no CD, essa é a sua. Não que aí também não apareça o elemento “modinha”; só que, justamente, é apenas um elemento. Também não quero dizer que a composição de Henrique me convença sempre: a última faixa do CD, por exemplo (e a exemplo de algumas outras peças suas que conheço, não neste CD), me parece ficar no nível de uma construção artificial, uma intenção de composição que não recebeu a graça daquele sopro de vida que concede naturalidade até às coisas construídas mais artificialmente. Mas Henrique também tem outros momentos –

… como o encontro entre o filho de poloneses Zbigniew Henrique Morozowicz (“de Curitiba” é nome artístico) e a filha de ucranianos Helena Kolody (1912-2004), uma modesta professora de ciências apaixonada pelas palavras desde menina, que com os anos atingiu um minimalismo singelo tão pessoal que a tornou a inegável grande dame da poesia paranaense. De 1999, os “Seis Poemas de Helena Kolody” são a peça mais recente do CD, e me caem como um vinho branco de perfume sutil. Em sua delicada síntese de eslavo e brasileiro, romântico e moderno, estudado e intuitivo, quer-me parecer que neste ciclo nosso professor e amigo Henrique chegou lá – tanto no sentido de realização pessoal quanto no de alguma coisa que possa ser chamada de “canções paranaenses”, e não apenas “de compositores paranaenses”.

Mas eu falei que postava o CD por diversas razões, e há uma que ainda não mencionei – esta bem pessoal: é que precisamente hoje, 10 de setembro, se encerra a estada de nove meses do peregrino monge Ranulfus na cidade de Curitiba: sua próxima postagem já virá de outro canto do Brasil. Daí a vontade de marcar o momento com a divulgação deste CD, o qual talvez possa ser entendido – inclusive em sua imagem de capa reproduzida abaixo – como um sensível reflexo das múltiplas e para mim fascinantes ambiguidades deste lugar.

Curitiba em 1909 por R.Klämmerer, na capa do CD
Curitiba em 1909 por R.Klämmerer, reproduzido na capa do CD

“Todo amor desta terra” – canções paranaenses [1900-1999] (2008)
Soprano: Marília Vargas – Piano: Ben Hur Cionek
Flauta transversal: Fabrício Ribeiro (faixa 6)

01 Ondas do Iapó – Bento Mossorunga / José Gelbeck
02 Tristeza do Pinheiro – Bento Mossorunga / Alberico Figueira
03 Virgem do Rocio – Bento Mossorunga / Alberico Figueira
04 Cantiga de Ninar – Alceo Bocchino / Glauco de Sá Britto
05 As Letras – Wolf Schaia / Fagundes Varela
06 Sapecada – Bento Mossorunga / João de Barros Cassal
07 A Marília – Alceo Bocchino / Tomás Antônio Gonzaga
08 Só tu – Wolf Schaia / Paulo Setúbal
09 Gauchinha – Alceo Bocchino / Antônio Rangel Bandeira
10 Mimosa Morena – Benedito Nicolau dos Santos / Correia Junior
11 Vem – Bento Mossorunga / José Gelbeck
12 Serenata da ópera “Sidéria” – Augusto Stresser / Jayme Ballão
13 Ismália – Gabriel de Paula Machado / Alphonsus de Guimarães
14 Saudade – José Penalva / Menotti del Picchia
15 Canção de Inverno – Alceo Bocchino / Pery Borges
. . . . . . . . .
SEIS POEMAS DE HELENA KOLODY – Henrique de Curitiba
16 Cantar
17 Cantiga de Roda
18 Voz da Noite
19 Âmago
20 Nunca e Sempre
21 Viagem Infinita
. . . . . . . . .
22 E se a lua nos contasse – Henrique de Curitiba

. . . . . . BAIXE AQUI – download here
(com excertos do encarte)

Ranulfus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Robert Schumann – The Complete Piano Trios – Beaux Arts Trio

Por algum motivo este excepcional CD duplo do incrível Beaux Arts Trio nunca havia sido postado. Uma falha tremenda, que não consigo entender. Tanto eu quanto PQP trouxemos outras gravações excelentes principalmente do Quinteto op. 44 e do Quarteto op. 47, mas não com este grupo, considerado por muitos o melhor conjunto de câmara que já surgiu, o Beaux Arts Trio, que trazem dois músicos convidados, o Violista Samuel Rhodes e o violinista Dolph Betelheim.

Mas vamos suprir esta falta.

CD 1

1. Piano Quintet in E flat, Op.44 – 1. Allegro brillante
2. Piano Quintet in E flat, Op.44 – 2. In modo d’una marcia (Un poco largamente)
3. Piano Quintet in E flat, Op.44 – 3. Scherzo (Molto vivace)
4. Piano Quintet in E flat, Op.44 – 4. Allegro, ma non troppo
5. Piano Quartet in E flat, Op.47 – 1. Sostenuto assai – Allegro ma non troppo
6. Piano Quartet in E flat, Op.47 – 2. Scherzo (Molto vivace)
7. Piano Quartet in E flat, Op.47 – 3. Andante cantabile
8. Piano Quartet in E flat, Op.47 – 4. Finale (Vivace)
9. Piano Trio No.1 in D minor, Op.63 – 1. Mit Energie und Leidenschaft
10. Piano Trio No.1 in D minor, Op.63 – 2. Lebhaft, doch nicht zu rasch

CD 2

1. Piano Trio No.1 in D minor, Op.63 – 3. Langsam, mit inniger Empfindung
2. Piano Trio No.1 in D minor, Op.63 – 4. Mit Feuer
3. Piano Trio No.2 in F, Op.80 – 1. Sehr lebhaft
4. Piano Trio No.2 in F, Op.80 – 2. Mit innigem Ausdruck
5. Piano Trio No.2 in F, Op.80 – 3. In mässiger Bewegung
6. Piano Trio No.2 in F, Op.80 – 4. Nicht zu rasch
7. Piano Trio No.3 in G minor, Op.110 – 1. Bewegt, doch nicht zu rasch
8. Piano Trio No.3 in G minor, Op.110 – 2. Ziemlich langsam
9. Piano Trio No.3 in G minor, Op.110 – 3. Rasch
10. Piano Trio No.3 in G minor, Op.110 – 4. Kräftig, mit Humor

Samuel Rhodes – Viola
Dolf Betthelhem – Violin
Beaux Arts Trio

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – A Execução de Stepan Razin y otras cositas


Este CD vale por Stepan Razin e pelo Cinco Fragmentos orquestrais preparatórios para a Sinfonia Nº 4. Outubro é uma música escrita para comemorar os 50 anos da revolução socialista e é um horror, data de uma época em que o relacionamento entre Shostakovich e o regime soviético ia muito mal.

A Execução de Stepan Razin, assim como a Sinfonia Nº 13 foi baseada em poemas de Ievtushenko. Razin foi um herói cossaco que opôs-se ao vóivoda do Don – nomeado pelo Czar – e, numa campanha militar bem sucedida, tomou várias cidades, acabando por ser derrotado na Batalha de Simbirsk. Então, foi levado à capital e decapitado. O poema de Ievtushenko não vê Razin como um fora-da-lei, mas como o protótipo do herói revolucionário, voltado para os interesses do povo. Sem dúvida, o texto tinha tudo para desagradar as autoridades, pois a referência aos longínquos tempos imperiais não escondia o apelo à revolta contra qualquer gênero de opressão.

Dmitri Shostakovich (1906-1975) – A Execução de Stepan Razin y otras cositas

1. The Execution Of Stepan Razin, Symphonic Poem For Baritone Soloist, Mixed Chorus And Orchestra Op.119 (28:37)

Composer Dmitri Shostakovich (1906 – 1975)
Conductor Gerard Schwarz
Performer Charles Austin (Bass Baritone)
Genre 20th Century Period / Chorus
Date Written 1964
Ensemble Seattle Symphony Orchestra
Period 20th Century
Language Russian
Country USSR
Recording Studio
Venue Center Opera House, Seattle
Recording Date 06/1996

2. October, Op.131 (13:10)
Composer Dmitri Shostakovich (1906 – 1975)
Conductor Gerard Schwarz
Genre 20th Century Period / Tone Poem
Date Written 1967
Ensemble Seattle Symphony Orchestra
Period 20th Century
Country USSR
Recording Studio
Venue Benaroya Hall, Seattle, Washington
Recording Date 02/20003.

Cinco Fragmentos, Op. 42 (10:35)
3. Moderato
4. Andante
5. Largo
6. Moderato
7. Allegretto

Composer Dmitri Shostakovich (1906 – 1975)
Conductor Gerard Schwarz
Genre 20th Century Period
Date Written 1935
Ensemble Seattle Symphony Orchestra
Period 20th Century
Country USSR
Recording Studio
Venue Benaroya Hall, Seattle, Washington
Recording Date 02/2005

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Caso apareça a frase “Download not available. File owner’s public traffic exhausted“, o Rapidshare não permitirá novos downloads no dia. Tente novamente no dia seguinte. Quem tem conta RapidPro não tem essa limitação.

Em imagem de Sergei Kirillov, Stepan Razin

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Symphonien n° 41 “Jupiter” & n° 40 – Böhm, WPO

Este foi o disco que me apresentou estas duas sinfonias, quando eu era apenas um pré adolescente morando no interior do Paraná.Claro que minha vida nunca mais foi a mesma. Foi um choque. A suavidade da interpretação magistral de Karl Böhm contrastava com a sisudez do senhor de óculos quadrados que aparecia na capa do LP, assustador por vezes. Os primeiros compassos da Sinfonia n° 40 me comoveram desde a primeira audição e não preciso dizer que aquele LP se tornou um de meus favoritos. Ouvi tanto que o risquei, afinal meu velho 3×1 não era lá grandes coisas, mas era o que meus pais conseguiram comprar. E o usei exaustivamente até pedir arrego. Mas o LP com o selo amarelo estava sempre lá, rodando, enchendo o espaço com a beleza da música mozartiana. Creio que ainda o tenha.

Karl Böhm já havia gravado uma integral das sinfonias de Mozart, porém com a Berliner Philharmoniker, gravações estas consideradas definitivas. Só muito mais tarde tive acesso a elas e também me encantei. Mas esta última gravação de Böhm, realizada poucos anos antes de sua morte, ainda é a minha favorita. E Karl Böhm, difinitivamente, foi um dos maiores intérpretes da obra de Mozart. E a Filarmônica de Viena é minha orquestra favorita para este repertório.

Espero que os senhores gostem. Eu simplesmente adoro…
IM-PER-DÍ-VEL !!!

1 Sym No 40 in G min [VPO-Bohm] 1 Molto allegro
2 Andante
3 Menuetto – Allegretto – Trio
4 Allegro assai
5 Mozart _ Sym No 41 in C maj ‘Jupiter’ 1 Allegro vivace
6 2 Andante cantabile
7 3 Menuetto – Allegretto – Trio
8 4 Molto allegro

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
Uma palhinha só para dar gosto

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach – Violin Sonatas (1685-1750) BWV 1014-1021 – Viktoria Mullova – Octavio Dantone

NOVOS LINKS!!!

Este CD foi um de meus campeôes de download, deve ter ultrapassado a barreira dos 1000 cada um deles. Foi postado nos bons tempos do Rapidshare, tempos em que eu tinha conta premium e tudo o mais. Mas está aí o cd duplo, agora com links renovados.

Já que o mano PQP me deu autorização, trago então as famosas e tão comentadas gravações de Viktoria Mullova e Octavio Dantone para as Sonatas para Violino e Cravo de papai. Tiro este peso das costas, depois de ter sido acusado de agir sorrateiramente e na calada da noite quando postei as Sonatas para Violino Solo na semana passada, com a mesma Mullova.
Mas, como diz o outro, resolvemos os problemas de família entre a própria família, portanto,já nos entendemos.
Sem mais, vamos ao que interessa.
Eis o que o mais tradicional jornal inglês escreveu a respeito destas gravações:

THE TIMES – Geoff Brown 29 June 2007 ****

The Ice Queen was the old journalistic tag for Viktoria Mullova. But it’s better buried: the Russian-born violinist, now in her late forties, inflects her playing, as she inflects her career, with obvious emotional intensity.
She made her recording name in the late 1980s, playing the big concertos for Philips Classics. But then the men in suits got number-crunching. Result: the end of her contract and, in 2005, the start of a new life, with greater freedom, at the new label Onyx Classics, dedicated to giving artists as much control as they desire.
With Mullova, this means playing with gut strings on her precious 1750 Guadagnini. Her passion for period instruments is well known, but this new release of Bach sonatas for violin and harpsichord (BWV 1014-19) takes her deeper into Baroque repertory than before. The recording’s quite close: you can’t escape from the edge in her tone, especially in slow movements. Yet this Onyx two-disc set with the fiery Ottavio Dantone (mostly on harpsichord) equally celebrates Mullova’s gentler side. The fourth sonata’s opening largo purrs with restrained lyricism while the fifth’s largo, gravely beautiful, sounds the depths. There’s not a dull note anywhere.
Bach being Bach, Mullova’s old knack for clinical excellence isn’t wasted. Both players need extreme manual dexterity. Yet the counterpoint in these sonatas crackles with fire, and the relationship between violin and keyboard (are they colleagues or rivals, master or slave?) changes as often as the instrumental colours.
The kaleidoscope dazzles the most in the two additional sonatas for violin and continuo. In the first of them, BWV 529, Mullova sits back happily in a richly textured ensemble sound characterised by the extreme rhythmic thrust of lute and viola da gamba and the bright treble piping of Dantone’s positive organ. No one could listen to this and still harbour the cliche of Bach’s counterpoint being dry, the stitching of a sewing machine.

E sobre Mullova, o jornal americano Chicago Tribune escreveu que “[Viktoria] Mullova may be the most elegant,refined and sweetly expressive violinist on the planet.”
The Chicago Tribune, August 2005

Enfim, divirtam-se:

Johann Sebastian Bach – Violin Sonatas BWV 1014-1021 – Viktoria Mullova – Octavio Dantone

1. Sonata in B minor, BWV 1014 for violin and harpsichord: Adagio
2. Sonata in B minor, BWV 1014 for violin and harpsichord: Allegro
3. Sonata in B minor, BWV 1014 for violin and harpsichord: Andante
4. Sonata in B minor, BWV 1014 for violin and harpsichord: Allegro
5. Sonata in A, BWV 1015 for violin and harpsichord: Dolce
6. Sonata in A, BWV 1015 for violin and harpsichord: Allergo
7. Sonata in A, BWV 1015 for violin and harpsichord: Andante un poco
8. Sonata in A, BWV 1015 for violin and harpsichord: Presto
9. Sonata in E, BWV 1016 for violin and harpsichord: Adagio
10. Sonata in E, BWV 1016 for violin and harpsichord: Allegro
11. Sonata in E, BWV 1016 for violin and harpsichord: Adagio ma non tanto
12. Sonata in E, BWV 1016 for violin and harpsichord: Allegro
13. Trio Sonata No. 5 in C, BWV 529 for violin, organ and continuo: Allegro
14. Trio Sonata No. 5 in C, BWV 529 for violin, organ and continuo: Largo
15. Trio Sonata No. 5 in C, BWV 529 for violin, organ and continuo: Allegro

CD 2

1. Sonata in C minor, BWV 1017 for violin and harpsichord: Largo
2. Sonata in C minor, BWV 1017 for violin and harpsichord: Allegro
3. Sonata in C minor, BWV 1017 for violin and harpsichord: Adagio
4. Sonata in C minor, BWV 1017 for violin and harpsichord: Allegro
5. Sonata in F minor, BWV 1018 for violin and harpsichord: Largo
6. Sonata in F minor, BWV 1018 for violin and harpsichord: Allegro
7. Sonata in F minor, BWV 1018 for violin and harpsichord: Adagio
8. Sonata in F minor, BWV 1018 for violin and harpsichord: Vivace
9. Sonata in G, BWV 1019 for violin and harpsichord: Allegro
10. Sonata in G, BWV 1019 for violin and harpsichord: Largo
11. Sonata in G, BWV 1019 for violin and harpsichord: Allegro
12. Sonata in G, BWV 1019 for violin and harpsichord: Adagio
13. Sonata in G, BWV 1019 for violin and harpsichord: Allegro
14. Sonata in G, BWV 1021 for violin and continuo: Adagio
15. Sonata in G, BWV 1021 for violin and continuo: Vivace
16. Sonata in G, BWV 1021 for violin and continuo: Largo
17. Sonata in G, BWV 1021 for violin and continuo: Presto

Viktoria Mullova – Violin
Octavio Dantone – Harpsichord

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio — Emil Viklický :.

(Inserir aqui parágrafo introdutório. Dificuldade/prazer das escavações menos prováveis versus simples acaso do levar um download adiante. Não prolongar demais a baboseira e evitar que a introdução emperre o post. (Interlúdio em tcheco é přestávka, e blue dog, modrá pes; ambos inutilizáveis em qualquer contexto, ô língua alienígena))

nullDono de um currículo que contém mais prêmios do que discos, o pequeno Emil aprendeu a tocar piano em casa: diz a lenda (e o site oficial também) que o avô mandou trazer um grand piano Hoffbauer da Áustria como presente de casamento para sua esposa. Se tomou lições da avó, seguimos ignorando, mas é bonitinho de imaginar — e a julgar por suas fotos, sempre sorrindo, não lhe parece ter sido uma infância torturante. Fato que inclusive se confirma na música que desenvolve: nada contém de sombria.

Embora pareça jamais ter sido outra coisa além de músico, Emil Viklicky formou-se em Matemática na então Tchecoslováquia do final dos anos 1960. Em paralelo à faculdade, aprofundou-se no piano para jazz e começou a tocar pela noite, onde chamou atenção até ganhar bolsas para ampliar sua educação musical nos EUA. Inquieto, desde então vem percorrendo o mundo, tocando em formações pouco estáveis, colaborando com uma plétora de outros artistas — principalmente europeus —, arriscando trilhas sonoras e ganhando láureas por suas composições. Ao instrumento, é daqueles players que elevam o estilo, trazendo refinamento e trabalhando com excelência os espaços de seus sons e dos à volta; e é interessante que o faça operando num dos mais enérgicos estilos do jazz, o fusion. No entanto, não se limita; hoje é mais conhecido pelos sofisticados trabalhos em que une jazz e música folk da Morávia.

Tendo sido jovem como (aparentemente) todos nós, Emil começou sua vida musical tocando numa banda de rock de protesto, que foi imediatamente censurada pelo regime comunista. Como não era vocalista nem letrista, mas viu que tinha um bom guitarrista ao lado, propôs que reformassem a banda como um grupo de jazz fusion — onde ele poderia mostrar mais seu trabalho e, de quebra, burlar a censura. Dessa ideia surgiu uma pérola perdida do estilo: o autointitulado, álbum único da banda Energit, primeiro disco deste post. Centrado numa longa composição chamada “Manhã”, cuja parte 1 ocupa todo o lado A da bolacha e é, sem rodeios, uma obra prima, traz o registro de uma longa, embora comedida relação com os pianos elétricos e até alguns sabores mais conservadores de sintetizadores. Como Zawinul (et al.) já havia demonstrado, é fácil perceber a intenção: preencher espaços de maneira sutil, porém eficaz, com as texturas e harmônicas que as variantes eletrificadas do piano oferecem. Essa marca permanece ao seu lado nos seus trabalhos de fusion, como podemos notar no segundo disco do post, The Funky Way of Emil Vicklicky — uma coletânea daquelas bem safadas mas que, pela dificuldade de acesso ao material original, acabam servindo bem ao propósito de dar um panorama artístico. (Mesmo que ele inclua uma versão de Chega de Saudade. Aliás, fato pronto pra mesa de boteco: “sabia que Chega de Saudade foi cantada até em tcheco?”) O terceiro e último álbum trazido aqui cobre o trabalho “high brow” de Emil: o único disco que encontrei do projeto Ad Lib Moravia, que lidera ao lado de outros músicos tchecos e apresenta-se regularmente pela Europa. Bem diferente do seu lado fusion, aqui ele coloca o piano a serviço das melodias folk típicas, agitando levemente seus limites até obter delas uma qualidade moderna e elevada de jazz, às bordas do contemporâneo clássico. Por folk, também vai contar com voz em algumas peças, e até violino; na mesma medida, há raros momentos solo, em que expressa bem as qualidades que o tornam um músico único.


Energit ‎– Energit /1975 link nos comentários
A Ráno (Part I.)
B1 Paprsek Ranního Slunce
B2 Noční Motýl
B3 Apoteóza
B4 Ráno (Part II.)

null
Emil Viklický ‎– The Funky Way Of Emil Viklický /2009 link nos comentários
01 Viklický/Frisell/Driscoll/Johnson – Trochu Funky
02 SHQ – Týden
03 Emil Viklický Big Band – Ještě Jednou Slunce
04 Viklický/Frisell/Driscoll/Johnson – Květen
05 Eva Svobodová – Kam S Tím Blues (Chega de Saudade)
06 Emil Viklický Big Band – 70 Východní
07 Viklický/Frisell/Driscoll/Johnson – Boston
08 Energit – Zelený Satén
09 Emil Viklický Big Band – Hromovka
10 SHQ featuring Eva Svobodová – Země Plná Lásky
11 Viklický/Frisell/Driscoll/Johnson – Zase Zapomněli Zavřít Okno
12 Emil Viklický Big Band – Siesta
13 Viklický/Frisell/Driscoll/Johnson – Jumbo Jet
14 Energit – Ráno (Part 1; edited version)
(01, 04, 07, 11, 13) from album “Okno”, 1980 • (02) from 7″ EP “Mini jazz klub č. 18”, 1977 • (03, 06, 09, 12) Previously unreleased, 1981 (03, 12), 1987 (06), 1979 (09) • (05) from album “Můj ráj”, 1984 • (08) from 7″ EP “Mini jazz klub č. 6”, 1976 • (14) originally from album “Energit”, 1975 • (10) from 7″ single ‘Zrcadlení’/‘Země plná lásky’, 1977

null
Emil Viklický, Zuzana Lapčíková, Jiří Pavlica – Prší Déšť /1994 link nos comentários
01 Prolog 02 Prší Déšť 03 Grumla 04 Kvítí Milodějné 05 Šibeničky 06 Bazalička 07 Bylo Lásky 08 Koně Moje Vrané 09 Keď Sa Janko Na Vojnu Bral 10 Mal Som 7 Peňazí 11 Na Horách, Na Dolách 12 Dyby Ně Tak Bylo 13 Mašíruju Na Francúza 14 Touha 15 Epilog

Boa audição!
Blue Dog

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vivaldi (1678-1741): As Quatro Estações / Tartini (1692-1770): O Trilo do Diabo

É óbvio que eu amo Anne-Sophie Mutter, que a acho linda e que adoraria tê-la comigo em todas as noites após seus concertos e não-concertos. É óbvio que ela é uma extraordinária violinista, mas nada vai me impedir de dizer que este CD é uma porcaria, apesar do excelente repertório. O primeiro problema é o andamento marcial dado à obra de Vivaldi. Há pássaros e borboletas marchando em fila indiana sobre o arvoredo. Parece desenho animado. Em segundo lugar, há um fato pessoal. Eu não consigo mais ouvir música barroca tocada em instrumentos de hoje. Ao vivo, ainda dá para engolir, mas em disco não dá mais, me desculpem. Neste disco, parece que estão serrando Vivaldi em dois. Uma pena. Qualquer um pode discordar sem problemas, mas só depois de ouvir, tá?

Vivaldi (1678-1741): As Quatro Estações / Tartini (1692-1770): O Trilo do Diabo

1. Concerto for Violin and Strings in E, Op.8, No.1, R.269 “La Primavera” – 1. Allegro 3:36
2. Concerto for Violin and Strings in E, Op.8, No.1, R.269 “La Primavera” – 2. Largo 3:14
3. Concerto for Violin and Strings in E, Op.8, No.1, R.269 “La Primavera” – 3. Allegro (Danza pastorale) 4:21

4. Concerto for Violin and Strings in G minor, Op.8, No.2, R.315 “L’estate” – 1. Allegro non molto – Allegro 6:17
5. Concerto for Violin and Strings in G minor, Op.8, No.2, R.315 “L’estate” – 2. Adagio – Presto – Adagio 2:20
6. Concerto for Violin and Strings in G minor, Op.8, No.2, R.315 “L’estate” – 3. Presto (Tempo impetuoso d’estate) 2:33

7. Concerto for Violin and Strings in F, Op.8, No.3, R.293 “L’autunno” – 1. Allegro (Ballo, e canto de’ villanelli) 6:19
8. Concerto for Violin and Strings in F, Op.8, No.3, R.293 “L’autunno” – 2. Adagio molto (Ubriachi dormienti) 2:59
9. Concerto for Violin and Strings in F, Op.8, No.3, R.293 “L’autunno” – 3. Allegro (La caccia) 3:52

10. Concerto for Violin and Strings in F minor, Op.8, No.4, R.297 “L’inverno” – 1. Allegro non molto 3:39
11. Concerto for Violin and Strings in F minor, Op.8, No.4, R.297 “L’inverno” – 2. Largo 2:49
12. Concerto for Violin and Strings in F minor, Op.8, No.4, R.297 “L’inverno” – 3. Allegro 3:50

13. Sonata for Violin and Continuo in G minor, B. g5 – “Il trillo del diavolo” – 1. Larghetto affettuoso 3:56
14. Sonata for Violin and Continuo in G minor, B. g5 – “Il trillo del diavolo” – 2. Allegro 3:25
15. Sonata for Violin and Continuo in G minor, B. g5 – “Il trillo del diavolo” – 3. Andante – Allegro 1:12
16. Sonata for Violin and Continuo in G minor, B. g5 – “Il trillo del diavolo” – 4. Allegro assai 8:26

Anne-Sophie Mutter (violin & conductor)
Trondheim Soloists

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Anne-Sophie Mutter foi flagrada mandando PQP Bach tomar no cu

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Piano Concertos – CD 3 de 3 – Brendel, Rattle, WPO

“If I belong to any tradition, then it is the tradition which makes the masterpiece telling the performer what he should do and not the performer telling the peace what it should be like or the composer what he ought to have composed.”
Alfred Brendel fez essa declaração em um documentário produzido por ocasião da gravação que ora posto. Creio que sintetiza bem o pensamento do grande pianista, um dos maiores de sua geração.
Para concluir a coleção temos então o Concerto n° 5, também conhecido por “Imperador”, o maior de todos os concertos para piano já compostos, talvez levemente ofuscado pelo Segundo Concerto de Brahms, outro peso pesadíssimo, mas o papo aqui é Beethoven. Tenho certeza que será uma bela trilha sonora para o domingo.
Nossa antiga colaboradora, Clara Schumann, tinha tamanho apreço por Brendel que o chamava de “Brendel, meu brendelzinho”. Não sei por onde anda nossa amiga portuguesa, sumiu sem deixar rastros. Se por acaso ela ainda nos acompanha, mesmo que no anonimato, fica aqui um grande abraço e faço questão de dedicar a postagem desta coleção a ela.

01.Piano Concerto No.5 in Es-dur, Op.73, Emperor – I. Allegro
02.Piano Concerto No.5 in Es-dur, Op.73, Emperor – II. Adagio un poco mosso
03.Piano Concerto No.5 in Es-dur, Op.73, Emperor – III. Rondo- Allegro ma non troppo

Alfred Brendel – Piano
Wiener Philharmoniker
Simon Rattle

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750) & F. F. Chopin (1810-1849): Os Prelúdios (LINK REVALIDADO)

Postagem realizada originalmente em 07 de março de 2010.

Este disco duplo em versão vinil, abriu-me as portas para os Prelúdios de Bach e Chopin. Apesar de gostar muito desse álbum, demorei bastante a procurá-lo pela rede. Nesses últimos dias, lembrei dele por causa do aniversário de Chopin e comecei a “cascaviar” por aí. Encontrei o vinil em vários sites de vendas, mas nada de encontrar pra baixar, porém não desisti e continuei a busca, e pra minha surpresa, mas com uma capa bem diferente da versão em vinil, encontrei-o em cd, num desses famosos sites de vendas de novos e usados, e pra tudo ficar mais perfeito ainda, o vendedor morava na minha cidade. Dei o lance imeditamente, contactei o vendedor no mesmo instante e foi só ir buscar o disco, novíssimo e lacradinho. E para o deleite de todos, estou aqui compartilhando a minha mais nova aquisição.

A sequência lógica e meticulosamente pensada com que estes prelúdios são executados, dá um brilho diferente e mostra através desse gênero musical, a genialidade de dois compositores de estilos e épocas tão diferentes, mas que musicalmente se encaixam de forma espetacular obtendo uma incrível unidade harmônica. Não precisei nem escutar muitas vezes para me acostumar com a ideia, quase inevitável e natural, de uma peça “puxando” a outra, como se elas se completassem numa cadência perfeita.

O fato da gravação ser ao vivo e podermos ouvir tosses e outros ruídos desagradáveis, não tiram o brilhantismo do cd, pois a grande ideia do encontro e o virtuosismo dos dois renomados intérpretes brasileiros, compensam todos os pontos negativos que talvez possamos identificar na gravação desse histórico concerto ocorrido em 19 de setembro de 1981 na cidade de Nova York.

Usando o, já famoso, jargão do nosso maior colaborar e dono do blog, PQP Bach…
…este é um cd IM-PER-DÍ-VEL!

.oOo.

Bach & Chopin: Os Prelúdios

Disco 1
01 Bach: Nº 1 em Dó Maior / Chopin: Nº 1 em Dó Maior (4:14)
02 Chopin: Nº 20 em Dó Menor / Bach: Nº 2 em Dó Menor (3:08)
03 Bach: Nº 9 em Mi Maior / Chopin: Nº 9 em Mi Maior (3:17)
04 Chopin: Nº 8 em Fá Sustenido Menor / Bach: Nº 14 em Fá Sustenido Menor (2:45)
05 Bach: Nº 19 em Lá Maior / Chopin: Nº 7 em Lá Maior (2:13)
06 Chopin: Nº 2 em Lá Menor / Bach: Nº 20 em Lá Menor (2:59)
07 Bach: Nº 21 em Si Bemol Maior / Chopin: Nº 21 em Si Bemol Maior (3:28)
08 Chopin: Nº 4 em Mi Menor / Bach: Nº 10 em Mi Menor (4:50)
09 Bach: Nº 13 em Fá Sustenido Maior / Chopin: Nº 13 em Fá Sustenido Maior (6:04)
10 Chopin: Nº 22 em Sol Menor / Bach: Nº 16 em Sol Menor (3:11)
11 Bach: Nº 17 em Lá Bemol Maior / Chopin: Nº 17 em Lá Bemol Maior (4:36)
12 Bach: Nº 12 em Fá Menor / Chopin: Nº 18 em Fá Menor (3:17)

Disco 2

01 Bach: Nº 7 em Mi Bemol Maior / Chopin: Nº 19 em Mi Bemol Maior (6:44)
02 Chopin: Nº 14 em Mi Bemol Menor / Bach: Nº 8 em Mi Bemol Menor (5:24)
03 Bach: Nº 3 em Dó Sustenido Maior / Chopin: Nº 15 em Ré Bemol Maior (7:29)
04 Chopin: Nº 10 em Dó Sustenido Menor / Bach: Nº 4 em Dó Sustenido Menor (3:34)
05 Bach: Nº 5 em Ré Maior / Chopin: Nº 5 em Ré Maior (1:35)
06 Chopin: Nº 12 em Sol Sustenido Menor / Bach: Nº 18 em Sol Sustenido Menor (2:48)
07 Bach: Nº 15 em Sol Maior / Chopin: Nº 3 em Sol Maior (1:45)
08 Chopin: Nº 16 em Si Bemol Menor / Bach: Nº 22 em Si Bemol Menor (4:03)
09 Bach: Nº 23 em Si Maior / Chopin: Nº 10 em Si Maior (2:00)
10 Chopin: Nº 6 em Si Menor / Bach: Nº 24 em Si Menor (4:54)
11 Bach: Nº 11 em Fá Maior / Chopin: Nº 23 em Fá Maior (2:11)
12 Bach: Nº 6 em Ré Menor / Chopin: Nº 24 em Ré Menor (4:20)

Pianos

Bach: João Carlos Martins
Chopin: Arthur Moreira Lima

BAIXE AQUI (DOIS DISCOS) / DOWNLOAD HERE (TWO DISCS)

SERVIDOR: 4SHARED (link funcionando apesar de estar atachado)

Marcelo Stravinsky

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Krzysztof Penderecki (1933-): Orchestral Works (Link revalidado)

Esse álbum duplo é IM-PER-DÍVEL !!!, diz PQP.

… para algo realmente extenuante. Pendereki dos anos 1960 é o meu preferido; experimental, pessimista, trágico e macabro. Como disse um amigo, “é preciso colhões para ouvir isso aqui”. Esse disco duplo tem as mais importantes obras do mestre polonês, as mais indigestas, bem diferente das últimas obras neo-românticas do compositor, período injustamente chamado (por compositores invejosos) de decadente.

A primeira obra é uma das mais perfeitas sínteses do primeiro período do compositor – Anaklasis – cuja duração é de poucos minutos. Anaklasis está para Penderecki assim com Atmospheres está para Ligeti, ambas as peças escritas por volta de 1960. Em seguida temos sua obra mais popular – Threnody (1960)– que, anos depois, passou a ter o subtítulo “para vítimas de Hiroshima”. Ela foi escrita para uma orquestra de cordas (52, no total), cujo tratamento em muitos momentos é percussivo. É inegável a originalidade dessa obra, e em termos sentimentais, a melhor tradução do horror da guerra, no mesmo nível do Survivor from Warsaw (1947) de Schoenberg e das sinfonias de Shostakovich. Obra que não mostra sinais de velhice. No disco 1, ainda destaco De Natura Sonoris I (1966) e II (1971) – desculpem mas não encontro palavra melhor – geniais (no caso do Naturas II, devo concordar com o meu amigo). Capiccio para violino e orquestra também não fica pra trás. Percebam, falo ainda do primeiro disco.

O segundo disco parece ser ainda melhor. Com o ótimo concerto para cello n.1 (1966) e a excepcional sinfonia n.1 (1973), cujo inicio é realmente excitante. É difícil acreditar que um compositor tão difícil fosse ser tão popular, talvez o mais reverenciado compositor da segunda metade do século XX. Não posso esquecer da Partita para cravo e orquestra, minha obra preferida.

Claro que muito do que foi feito e imitado nessa “famigerada” época foi justamente esquecido. Escrever música “difícil” ou “original” não dá garantia de sobrevivência. Mas passado esse período, o que ficou? Olha, é difícil dizer. Hoje, eu ouço música contemporânea sem expectativas e tenho adorado o que venho descobrindo…(continua)

CDF

Faixas:

Disco 1

1. Anaklasis for Strings & Percussion (1959)
2. Threnody to the Victims of Hiroshima (1959 – 61)
3. Fonogrammi
4. De Natura Sonoris No. 1
5. Capriccio for Violin and Orchestra (1967)
6. Canticum Canticorum Salomonis (1970)
7. De Natura Sonoris No. 2

Disco 2

1. Emanations for Two String Orchestras
2. Partita for Harpsichord and Chamber Orchestra
3. Cello Concerto No. 1
4. Symphony No. 1 (1995 Digital Remaster): I. Arche – Dynamis I
5. Symphony No. 1 : II. Dynamis II – Arche II

Perfomed by Polish Radio National Symphony Orchestra and London Symphony Orchestra
Conducted by Krzysztof Penderecki

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

CDF (revalidação por PQP)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!