The Unknown Piazzolla

The Unknown Piazzolla

Belo disco capitaneado pela pianista Allison Franzetti, The Unknown Piazzolla é uma excelente seleção de músicas nunca gravadas pelo mestre. A bartoquiana Sonata Op. 7 é maravilhosa. As Suites e Milongas, assim como as outras obras, mostram o talento de uma pianista inteiramente à vontade. Se você gosta de Piazzolla, este é um CD a baixar, sem dúvida.

The Unknown Piazzolla

1. Vayamos Al Diablo (piano solo) 1:35
2. Dos Piezas Breves – Tanguango (for viola and piano) 3:33
3. Dos Piezas Breves – Noche (for viola and piano) 4:55
4. Preludio 1953 (piano solo) 3:04
5. Milonga En Re (for violin and piano) 4:24
6. Suite Op. 2 – Preludio (piano solo) 2:03
7. Suite Op. 2 – Siciliana (piano solo) 3:24
8. Suite Op. 2 – Toccata (piano solo) 2:26
9. Milonga Sin Palabras (for treble instrument/voice and piano) 5:52
10. Preludio No. 1 (for violin and piano) 5:47
11. Suite No. 2 – Nocturno (piano solo) 2:16
12. Suite No. 2 – Miniatura (piano solo) 0:37
13. Suite No. 2 – Vals (piano solo) 1:55
14. Suite No. 2 – Danza Criolla (piano solo) 1:29
15. Tres Piezas Breves – Pastoral (for cello and piano) 2:53
16. Tres Piezas Breves – Serenade (for cello and piano) 2:42
17. Tres Piezas Breves – Siciliana (for cello and piano) 2:31
18. Sonata No. 1 Op. 7 – Presto (piano solo) 3:02
19. Sonata No. 1 Op. 7 – Coral con Variaciones (piano solo) 6:02
20. Sonata No. 1 Op. 7 – Rondo (piano solo) 4:41

Allison Brewster Franzetti, piano
Hector Falcon, violino
Nardo Poy, viola
Eugene Moye, violoncelo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Nossa, como essa Allison toca!
Nossa, como essa Allison toca!

PQP

Steve Reich (1936): City life, Sextet, Vermont Counterpoint and Clapping music

Link revalidado por PQP — Obs.: Não deem bola para os nomes das 12 faixas no arquivo. Os nomes corretos estão abaixo.

Já foram postadas várias obras magistrais de Reich aqui no blog. Faltavam estas aqui, verdadeiras obras-primas.

Fiquem com a resenha a seguir na Amazon, pra saber um pouco mais:

Having heard only a few different minimalist composers, this cd is refreshing (not to say that the other minimalists are bad, i feel that i hear glass’ music everywhere). i did not buy this cd, but rather got it as part of the package with gerhard richter’s book of overpainted photographs, FLORENCE (one of the overpainted photos is the cover of this cd; as with this review, i was also the first to write a review for that book).

As stated somewhere else, CLAPPING MUSIC is fun. following ligeti, who tried to write music without melody or rythm and only harmony, it seems that reich has tried to write music without melody or harmony, and only rythm. it is interesting in that matter. i find it very interesting in that matter. the rythms found therein are interesting enough.

CITY LIFE is a nice piece along with VERMONT COUNTERPOINT. both lend the listener to understand and grasp reich’s distinctive style. if anything, i would describe this style as open and hollow. that is, the harmonies that are used are not basic triads, or dissonant, but rather sounds as if there are a lot of suspended 2 or 4 chords. CITY LIFE also seems to have electronic elements, such as samples, or something like that. i also like the melody, that seems like notes dancing and jumping around.

My favorite piece on this cd is SEXTET. the dominating piano here is the closest disonant sound on the cd; perhaps it is because of the . i also appreciate the repetitive nature that seems to build on this peice (the repitition and laying more and more layers on top of it; this is also apparent in CITYLIFE).

This is the only album of steve reich’s music that i have heard, but i must say that it has interested me in getting more, including his famous 18 MUSICIANS.

***

Steve Reich – City life, Sextet, Vermont Counterpoint and Clapping music

1. City Life For Ensemble: I. Check It Out (Bars 1-212) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 6:17
2. City Life For Ensemble: II. Pile Driver / Alarms (Bars 213-421) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 4:04
3. City Life For Ensemble: III. It’s Been A Honeymoon – Can’t Take No Mo’ (Bars 422-582) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 5:17
4. City Life For Ensemble: IV. Heartbeats / Boats & Buoys (Bars 583-708) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 4:01
5. City Life For Ensemble: V. Heavy Smoke (Bars 709-1037) (Reich) Contempoartensemble & Mauro Ceccanti 5:29

6. Sextet For Percussion & Keyboards: I. (Bars 1-95) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 9:50
7. Sextet For Percussion & Keyboards: II. (Bars 96-119) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 4:36
8. Sextet For Percussion & Keyboards: III. (Bars 120-143) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 2:13
9. Sextet For Percussion & Keyboards: IV. (Bars 144-168) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 2:53
10. Sextet For Percussion & Keyboards: V. (Bars 469-216) (Reich) Nextime Ensemble & Danilo Grassi 5:42

11. Vermont Counterpoint For Flute (Doubling Piccolo & Alto Flute) & Tape (Reich) Roberto Fabbriciani 9:28

12. Clapping Music For Two Performers (Reich) Alessandro Carobbi & Fulvio Caldini 4:59

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Reich: gênio absoluto
Reich: gênio absoluto

CVL

Sergei Prokofiev (1891-1953) – The Complete Symphonies – Jarvi – CD 2 (Repostagem com novos links)

Este segundo Cd da integral as sinfonias de Prokofiev traz as de n° 2 e n°6.

A Segunda Sinfonia foi escrita entre 1924 e 1925, em Paris, onde estreou, ainda em 1925. Sua recepção não foi muito boa, Prokofiev comenta em carta a um amigo: I have made the music so complex to such an extent that when I listen to it myself I do not fathom its essence, so what can I ask of others?

Esta é a peça menos executada do compositor, inclusive ele previa fazer uma revisão de toda a obra, porém morreu antes. De acordo com a Wikipedia: Prokofiev based the symphony’s overall structure, of a tempestuous minor-key first movement followed by a set of variations, on Beethoven’s last piano sonata (Op. 111). The first movement, in traditional sonata form, is rhythmically unrelenting, harmonically dissonant, and texturally thick. The second movement, twice as long as the first, is a set of variations based on a diatonic theme played by a plaintive oboe, giving a strong contrast to the defiant coda of the 1st movement. The subsequent variations contrast moments of beautiful meditation with cheeky playfulness, while the last variation integrates the theme with the violence of the first movement, reaching an inevitable climax. The symphony ends with a touching reinstatement of the initial oboe theme, eventually dispelled by an eerie chord on the strings.

Após esta peça difícil, temos a Sexta Sinfonia, escrita como uma elegia à tragédia que foi a Segunda Guerra Mundial, que recém tinha acabado. E foi a obra que o indispôs com o regime estalinista, pois ela não se enquadrava nos padrões que o partido determinava naquela época.

01 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – Allegro ben articolato
02 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – Theme
03 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation I
04 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation II
05 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation III
06 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation IV
07 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation V
08 Sergey Prokofiev – [1925 – Op. 40 – Symphony no.2 in D mi – variation VI
09 Sergey Prokofiev – [1947 – Op. 111 – Symphony no.6 in Eb mi – Andante moderato
10 Sergey Prokofiev – [1947 – Op. 111 – Symphony no.6 in Eb mi – Largo
11 Sergey Prokofiev – [1947 – Op. 111 – Symphony no.6 in Eb mi – Vivace

Scottish National Orchestra
Neeme Järvi – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

“Carlinus Files” – Franz-Joseph Haydn – Paris Symphonies – Harnoncourt – Concentus Musicus Wien


61TDAL3FuUL
Outra pérola que consegui com o Carlinus, por ocasião de sua visita. As “Sinfonias Paris” de Haydn interpretadas por Nikolaus Harnoncourt e sua excelente orquestra, o Concentus Musicus Wien, grupo criado por ele mesmo para interpretar compositores do barroco e classicismo. Abaixo, um pequeno histórico deste excelente conjunto, texto retirado do site oficial do próprio Harnoncourt:

“As an ensemble which plays early music on period instruments, Concentus Musicus Wien has paved the way for historical performing practice and its story of success. The orchestra was founded in 1953 by Nikolaus Harnoncourt who directed the orchestra until 1987 from the cello and is still the artistic director of the ensemble. „The music of every period can best be brought to life and is most convincingly realized using the resources of the time“, is Harnoncourt’s credo. The musicians of the ensemble spent more than four years rehearsing and perfecting the sound of their ensemble and their authentic interpretation of Baroque and pre-Baroque musical works before they finally gave their first public concert in the Schwarzenberg Palace in Vienna. An event that marked the start of an annual concert series in Vienna, musical tours (starting in 1960) and a wealth of recordings – beginning with the Brandenburg Concerts by Johann Sebastian Bach. Among the many brilliant projects of Concentus Musicus Wien is the complete recording of all the Bach cantatas between 1970 and 1990, for which they were awarded the Gramophone Award. The ensemble is also famous for its opera recordings: for instance, Mozart’s Lucio Silla and Il re pastore, Haydn’s Armida, Purcell’s Dido and Aeneas and The Fairy Queen or Monteverdi’s Orfeo, and also numerous oratorios by Georg Friedrich Handel. The Concentus’ repertoire spans from Renaissance music to Haydn and Mozart and it includes both sacral and secular music. The successor of Alice Harnoncourt as concertmaster is Erich Höbarth, and Herbert Tachezi plays the continuo on the cembalo and the organ. 

Já ouvi diversas versões destas sinfonias, inclusive com o próprio Harnoncourt, e posso afirmar que com estas gravações o velho maestro, que já se encaminha para os seus 86 anos de idade, se não estou enganado, se consolida com um dos principais intérpretes de Haydn.
Para se ouvir com muito atenção, prestando atenção nas sutilezas e detalhes que este excepcional conjunto conseguiu extrair, ajudados pelos engenheiros da Harmonia Mundi e claro, dirigidos por um maestro sempre a frente de seu tempo.

CD 1
1. Symphony No. 82 in C major, H. 1/82 “L’Ours”/Vivace (assai)
2. Symphony No. 82 in C major, H. 1/82 “L’Ours”/Allegretto
3. Symphony No. 82 in C major, H. 1/82 “L’Ours”/Menuet
4. Symphony No. 82 in C major, H. 1/82 “L’Ours”/Finale. Vivace (assai)
5. Symphony No. 83 in G minor, H. 1/83 “La Poule”/Allegro spiritoso
6. Symphony No. 83 in G minor, H. 1/83 “La Poule”/Andante
7. Symphony No. 83 in G minor, H. 1/83 “La Poule”/Menuet. Allegretto
8. Symphony No. 83 in G minor, H. 1/83 “La Poule”/Finale. Vivace

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 2:

1. Symphony No. 84 in E flat major, H. 1/84/Largo. Allegro
2. Symphony No. 84 in E flat major, H. 1/84/Andante
3. Symphony No. 84 in E flat major, H. 1/84/Menuet. Allegro
4. Symphony No. 84 in E flat major, H. 1/84/Finale. Vivace
5. Symphony No. 85 in B flat major, H. 1/85 “La Reine”/Adagio vivace
6. Symphony No. 85 in B flat major, H. 1/85 “La Reine”/Romance. Allegretto
7. Symphony No. 85 in B flat major, H. 1/85 “La Reine”/Menuet. Allegretto
8. Symphony No. 85 in B flat major, H. 1/85 “La Reine”/Finale. Presto

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 3:

1. Symphony No. 86 in D major, H. 1/86/Adagio. Allegro spiritoso
2. Symphony No. 86 in D major, H. 1/86/Capriccio. Largo
3. Symphony No. 86 in D major, H. 1/86/Menuet. Allegretto
4. Symphony No. 86 in D major, H. 1/86/Finale. Allegro con spirito
5. Symphony No. 87 in A major, H. 1/87/Vivace
6. Symphony No. 87 in A major, H. 1/87/Adagio
7. Symphony No. 87 in A major, H. 1/87/Menuet
8. Symphony No. 87 in A major, H. 1/87/Finale. Vivace

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Concentus Musicus Wien
Nikolaus Harnoncourt – Conductor

12easter-articleLarge
Harnoncourt em ação.

 

 

 

Frédéric Chopin (1810-1849): The Complete Waltzes

A argentina Ingrid Fliter (1973) dá recitais de piano desde os 11 anos de idade, estreou no Colón aos 16 e estudou na Europa sob o patrocínio de Martha Argerich. Posso dizer que a moça é um espanto, como pode ser comprovado neste CD. Além disso, é uma simpatia, como prova o pequeno filme abaixo, postado por ela mesma no YouTube. O som é ruim e o piano está desafinado, mas é muito divertido ver o tesão dela por tocar.

This is me playing the Chopin Minute Waltz at the Minneapolis Airport Terminal after a 20 hours flight. For my surprise I found this lonely piano awaiting for someone to play him… I couldn’t resist. It was fun to observe people reaction. They were quite confused I think 🙂

Frédéric Chopin: The Complete Waltzes

No.1 in E Flat Major Op.18 “Grande Valse Brillante”
No.2 in a Flat Major Op34 No.1 “Valse Brilliante”
No.3 in a Minor Op.34 No.2 “Valse”
No.4 in F Major Op.34 No.3 “Grande Valse Brilliante”
No.5 in a Flat Major Op.42
6 No.6 in D Flat Major Op.64 No.1 “Minute”
No.7 in C Sharp Minor Op.64 No.2
No.8 in a Flat Major Op.64 No.3
No.9 in a Flat Major Op.69 No.1 “L’Adieu”
No.10 in B Minor Op.69 No.2
No.11 in G Flat Major Op.70 No.1
No.12 in F Minor Op.70 No.2
No.13 in D Flat Major Op.70 No.3
No 14 in E Minor
No.15 in E Major
No.16 in E Minor
No.17 in E Flat Major
No.18 in E Flat Major Op.Posth “Sostenuto”
No.19 in a Minor Op.Posth
No.20 in F Sharp Minor Op.Posth “Melancolique”

Ingrid Fliter, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Nada de jogar flit nela!
Nada de jogar flit nela, viu?

PQP

“Carlinus Files” Franz-Joseph Haydn (1732-1809) – Piano Sonatas vl. 3 – Bavouzet

FrontCom esta postagem estou concluindo a série de três cds que Bavouzet gravou com as sonatas de Haydn. Está fazendo muito frio aqui na minha cidade, mal consigo digitar, os dedos estão duros. Difícil vai ser tomar banho daqui a pouco para ir trabalhar. Está nevando em várias cidades daqui do estado,  e aqui em minha cidade, zona rural para se mais exato, a sensação térmica deve estar próximo do zero grau. Para quem gosta, uma beleza. Para quem não gosta, é difícil. O ar gelado resseca  a pele, e a roupa quase congela no varal.
Mas Haydn conhecia muito bem o inverno rigoroso, muito mais rigoroso que esse nosso, e há duzentos e poucos anos atrás não existia aquecedor ou ar – condicionado; era na boa e velha lareira. Bavouzet já é nosso contemporâneo, então já está mais adequado ao frio extremo que enfrenta na Europa, quando viaja para recitais. É um excepcional pianista, e a cada nova empreitada, como com a atual, apenas confirma o que já sabemos. Atualmente está gravando Beethoven, já lançou o primeiro volume, com três cds, fortes candidatos a ganhar prêmios da imprensa especializada.
Então, para quem vive aqui no sul do país, nada melhor do que estas belissimas sonatas para piano de Haydn para aquecer a alma, nas mãos deste, volto a repetir, excelente pianista.

01 – Sonata No.29 in E flat major, Hob. XVI 45 – I. Moderato
02 – Sonata No.29 in E flat major, Hob. XVI 45 – II. Andante
03 – Sonata No.29 in E flat major, Hob. XVI 45 – III. Finale. Allegro di molto
04 – Sonata No.33 in C minor, Hob. XVI 20 – I. Moderato – Adagio – Tempo I – Adagio
05 – Sonata No.33 in C minor, Hob. XVI 20 – II. Andante con moto
06 – Sonata No.33 in C minor, Hob. XVI 20 – III. Finale. Allegro
07 – Sonata No.42 in G major, Hob. XVI 27 – I. Allegro con brio
08 – Sonata No.42 in G major, Hob. XVI 27 – II. Menuet – Trio – Menuet da capo
09 – Sonata No.42 in G major, Hob. XVI 27 – III. Finale. Presto
10 – Sonata No.16 in D major, Hob. XVI 14 – I. Allegro moderato
11 – Sonata No.16 in D major, Hob. XVI 14 – II. Menuet – Trio (Minore) – Menuet
12 – Sonata No.16 in D major, Hob. XVI 14 – III. Allegro (Presto)

Jean-Efflam Bavouzet – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

Fryderyk Franciszek Chopin (1810-1849): Baladas, Berceuse, etc. (link revalidado por PQP)


Hoje, Chopin está completando 200 anos de nascimento. Portanto, nesta semana, estarei fazendo uma série de postagens em homenagem ao genial pianista, que revolucionou a arte de tocar piano, e que também ajudou a a desenvolver a linguagem pianística, levando-a a um nível até então desconhecido.

A data de seu aniversário ainda é uma incógnita, alguns defendem o dia 22 de fevereiro, enquanto que outros comemoram no primeiro dia de março. Controvérsias à parte, o que importa é comemorarmos seus duzentos anos, e isso está acontecendo em diversos países, principalmente em sua Polônia natal, que está tendo apresentações diárias de sua obra, com os mais renomados artistas da atualidade. Estarei reproduzindo um texto retirado de uma biografia no site http://www.chopin.plbiography_chopin.en.html.

Fryderyk Franciszek Chopin, the Polish composer and pianist, was born on 1 March 1810, according to the statements of the artist himself and his family, but according to his baptismal certificate, which was written several weeks after his birth, the date was 22 February. His birthplace was the village of Zelazowa Wola near Sochaczew, in the region of Mazovia, which was part of the Duchy of Warsaw. The manor-house in Zelazowa Wola belonged to Count Skarbek, and Chopin’s father, Mikolaj (Nicolas) Chopin, a Polonized Frenchman, was employed there as a tutor. He had been born in 1771 in Marainville in the province of Lorraine in France, but already as a child he had established contacts with the Polish families of Count Michal Pac and the manager of his estate, Jan Adam Weydlich. At the age of 16, Mikolaj accompanied them to Poland where he settled down permanently. He never returned to France and did not retain contacts with his French family but brought up his children as Poles.

In 1806, Mikolaj Chopin married Tekla Justyna Krzyzanowska, who was the housekeeper for the Skarbek family at Zelazowa Wola. They had four children: three daughters: Ludwika, Izabela and Emilia, and a son Fryderyk, the second child. Several months after his birth, the whole family moved to Warsaw, where Mikolaj Chopin was offered the post of French language and literature lecturer in the Warsaw Lyceum. He also ran a boarding school for sons of the gentry.

The musical talent of Fryderyk became apparent extremely early on, and it was compared with the childhood genius of Mozart. Already at the age of 7, Fryderyk was the author of two polonaises (in G minor and B flat major), the first being published in the engraving workshop of Father Cybulski. The prodigy was featured in the Warsaw newspapers, and “little Chopin” became the attraction and ornament of receptions given in the aristocratic salons of the capital. He also began giving public charity concerts. His first professional piano lessons, given to him by Wojciech Zywny (b. 1756 in Bohemia), lasted from 1816 to 1822, when the teacher was no longer able to give any more help to the pupil whose skills surpassed his own. The further development of Fryderyk’s talent was supervised by Wilhelm Würfel (b.1791 in Bohemia), the renowned pianist and professor at the Warsaw Conservatory who was to offer valuable, although irregular, advice as regards playing the piano and organ. (continua)

O PQPBach não poderia ficar longe destas comemorações, apesar de que nosso fundador não ser muito fâ do compositor. Mas somos democráticos aqui no blog. Por isso estou encarando, junto com o colega Marcelo Stravinsky, esta “responsabilidade”, claro que dentro de nossas modestas possibilidades de acervo e de, principalmente, tempo.

A primeira vez em que ouvi Chopin foi em um velho LP , destas coleções vendidas em banca de revistas. O famoso quadro de Delacroix ilustrava a capa do disco, que trazia, dentre outras obras das quais não lembro mais, a Balada nº1, e algumas Polonaises. A pianista era Bella Davidovich. Aquele disco com certeza abriu minha visão com relação à música. Foi paixão à primeira vista (ou audição). Aquela música era de uma profundidade e sensibilidade que calava fundo na alma da gente. A partir dalí comecei a ouvir música com outros ouvidos.

Vou me alternar entre os intérpretes. Vou de Rubinstein, Maria João Pires, Leif Andsnes, Pollini, Idil Biret, entre outros, mas creio que ficarei entre estes, talvez alguma coisa com o Kristian Zimerman, com o qual já postei os Concertos para Piano, e também Horowitz.

Esta primeira postagem traz as quatro Baladas, e mais algumas obras menos conhecidas. A intérprete é a pianista turca Idil Biret, que gravou a toda a obra para piano de Chopin para o selo Naxos. Trata-se de uma intérprete não tão conhecida aqui no Brasil, mas reconhecida como um dos grandes nomes da atualidade do piano romântico. Uma curiosidade: essa sua integral do selo Naxos até hoje é um dos best – sellers da gravadora, já tendo vendido mais de 2 milhões de cópias.

Vamos, portanto, ao que interessa.

Fryderyk Franciszek Chopin (1810-1849)- Complete Piano Music – CD 1 – Idil Biret

1. Ballade in G Minor, Op.23
2. Ballade for piano No. 2 in F major, Op. 38,
3. Ballade for piano No. 3 in A flat major, Op. 47,
4. Ballade for piano No. 4 in F minor, Op. 52,
5. Berceuse for piano in D flat major, Op. 57,
6. Trois nouvelles études, for piano, KK IIb/3,
7. Trois nouvelles études, for piano, KK IIb/3,
8. Trois nouvelles études, for piano, KK IIb/3,
9. Fantasy for piano in F minor/A flat major, Op. 49,
10. Galopp for piano in A flat major, KK IVc/13
11. Largo for piano in E flat major, KK IVb/5, CT. 49 (B. 109)
12. Funeral march for piano in C minor, Op. 72/2, CT. 50
13. Cantabile for piano in B flat major, KK. IVb/6, CT. 9 (B. 84)

Idil Biret – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

“Carlinus Files” – Johannes Brahms (1833-1897) – Brahms – The Symphonies – Harnoncourt – Berliner Philharmoniker

91T3lHFTZDL._SL1400_Uma das grandes satisfações que tive com a visita do Carlinus foi a qualidade do material que tive o prazer de trocar com ele. E uma das grandes aquisições, não temo em dizer que seja a principal, foi essa belíssima caixa com as sinfonias de Johannes Brahms nas mãos de Nikolaus Harnoncourt. Um primor, como não poderia deixar de ser, ainda mais considerando o compositor, o regente e a orquestra que ele escolheu para gravar sua integral das sinfonias. Curiosamente, sempre tive dificuldade de conseguir estas gravações. Agora os meus problemas se acabaram-se, como diria o seu Creysson, e graças ao Carlinus.
Brahms nunca é demais, ainda mais quando se trata de suas sinfonias. Até agora, meus regentes favoritos para este repertório era Herr Karajan, e o bom velhinho, Günther Wand, que realizou uma das mais notáveis gravações a que tive acesso. Bernstein corria por fora, principalmente por causa de suas últimas gravações da terceira e quarta sinfonias, com a Filarmônica de Viena. Na verdade, estou ansioso para verificar o que Harnoncourt andou aprontando por aqui. Portanto, estou lhes entregando os cds como o nobre colega Carlinus me passou, inclusive os links são dele. Enjoy it.

CD 1
01. Variations on a Theme by Joseph Haydn in B Flat, Op. 56a – Chorale St. Anthony: Andante
02. Var. I_ Poco piu animato
03. Var. II. Piu vivace
04. Var. III_ Con moto
05. Var. IV_ Andante con moto
06. Var. V_ Vivace
07. Var. VI_ Vivace
08. Var. VII_ Grazioso
09. Var. VIII_ Presto non troppo
10. Finale_ Andante
11. Symphony No.1 in C Minor, Op. 68 – I. Un poco sostenuto. Allegro
12. II. Andante sostenuto
13. III. Un poco Allegretto e grazioso
14. IV. Adagio. Piu Andante. Allegro non troppo, ma con brio

CD 2
01. Symphony No.2 in D, Op. 73 – I. Allegro non troppo
02. II. Adagio non troppo
03. III. Allegretto grazioso (Quasi Andantino) Presto ma non assai
04. IV. Allegro con spirito
05. Tragic Overture in D Minor, Op. 81
06. Academic Festival Overture in C Minor, Op. 80

CD 3

01. Symphony No.3 in F, Op. 90 – I. Allegro con brio
02. II. Andante
03. III. Poco allegretto
04. IV. Allegro
05. Symphony No.4 in E Minor, Op. 98 – I. Allegro non troppo
06. II. Andante moderato
07. III. Allegro giocoso
08. IV. Allegro energico e passionato

Berliner Philharmoniker
Nikolaus Harnoncourt – Conductor

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DONWLOAD HERE

T985_J BrahmsCROPPED©Tully Potter
Retrato do artista enquanto gênio. Ou seria ao contrário?

 

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Friedrich Gulda spielt Beethoven sämtliche Klaviersonaten – Cds 7, 8 e 9 de 9

gulda_beethoven_32sonatasMuito bem, vamos acabar com esta coleção. Nem preciso dizer que são imperdíveis, e Gulda se consolida definitivamente como um grande intérprete de Beethoven.
O sétimo cd começa apenas com a “Apassionata“, um marco da linguagem pianística, e também uma prova de fogo para qualquer pianista. Começa  a 150 km/h e termina a 300 km/h, com uma das mais sensacionais páginas do piano. Simplesmente fantástico o que Ludwig conseguiu fazer aqui. Eis o que meu biógrafo favorito de Beethoven, Maynard Solomon, escreveu esta sonata e sobre a Waldstein:

“Com as Sonatas Waldstein e Appassionata op. 53 e 57, compostas principalmente em 1804-1805, Beethoven transpôs irrevogavelmente as fronteiras do estilo pianístico clássico, criando sonoridades e tessituras que nunca haviam sido antes obtidas. Ele deixou de limitar as dificuldades técnicas de suas sonatas para permitir a execução por amadores competentes mas, pelo contrário, dilatou as potencialidades do instrumento e da técnica até os seus limites exteriores. As dinâmicas foram grandemente ampliadas; as cores são fantásticas e luxuriantes, aproximando-se de sonoridades quase orquestrais. Por esta razão, Lens chamou Waldstein “uma sinfonia heróica para piano“. A Apassionata – a qual a par de op. 78 foi a sonata favorita de Beethoven até o seu op. 106 – suscitou comparações com o Inferno de Dante, com o Rei Lear e Macbeth, e com as tragédias de Corneille, Cada uma das sonatas é em três movimentos, mas em ambos os casos _especialmente no op. 53 – os movimentos lentos estão organicamente ligados aos finales, de modo a dar a impressão de obras em dois movimentos ampliados. Enquanto a Waldstein fecha sobre a típica nota beethoveniana de jubilosa transcendência, a Apassionata mantém do começo ao fim uma incomum atmosfera trágica. (…)” Este mesmo sétimo cd ainda traz outra pintura, a Sonata Les Adieux . 

Alguém talvez possa estranhar a leitura de Gulda, que explora outras possibilidades em sua interpretação, principalmente aqueles que, como eu, são absolutamente viciados na Apassionata e que conhecem diversas outras versões, como os clássicos Kempff, Brendel e Gilels, falando dos antigos, ou mais recentemente, Paul Lewis. Mas basta prestarem atenção que os senhores entenderão a proposta deste grande pianista, Friedrich Gulda.
A partir do oitavo cd o bicho pega, e aí definitivamente é coisa de gente grande. Hammerklavier”, op. 106, nas palavras de Solomon citadas acima a favorita do próprio Beethoven,  e as últimas três, de op. 109, op. 110 e op. 111.

Sem temer ser redundante, tratam-se de três cds absolutamente “IM-PER-DÍ-VEIS” !!!

CD 7
1 Sonata No.23 in F minor Op.57 ”Appassionata” (1804-05) – 1. Allegro assai
2 Sonata No.23 in F minor Op.57 ”Appassionata” (1804-05) – 2. Andante con moto
3 Sonata No.23 in F minor Op.57 ”Appassionata” (1804-05) – 3. Allegro ma non troppo – Presto
4 Sonata No.24 in F-sharp major Op.78 ”A Thérèse” (1809) – 1. Adagio cantabile – Allegro ma non troppo
5 Sonata No.24 in F-sharp major Op.78 ”A Thérèse” (1809) – 2. Allegro vivace
6 Sonata No.25 in G major Op.79 (1809) – 1. Presto alla tedesca
7 Sonata No.25 in G major Op.79 (1809) – 2. Andante
8 Sonata No.25 in G major Op.79 (1809) – 3. Vivace
9 Sonata No.26 in E-flat major Op.81a ”Les Adieux” (1809-10) – 1. Adagio – Allegro
10 Sonata No.26 in E-flat major Op.81a ”Les Adieux” (1809-10) – 2. Andante Espressivo
11 Sonata No.26 in E-flat major Op.81a ”Les Adieux” (1809-10) – 3. Vivacissimamente – Poco andante
12 Sonata No.27 in E minor Op.90 (1814) – 1. ”mit Lebhaftigkeit und majorchaus mit Empfindung und Ausdruck”
13 Sonata No.27 in E minor Op.90 (1814) – 2. ”nicht zu geschwind und sehr singbar vorzutragen”

CD 8

1 Sonata No.28 in A major Op.101 (1816) – 1. Allegretto ma non troppo
2 Sonata No.28 in A major Op.101 (1816) – 2. Vivace alla Marcia
3 Sonata No.28 in A major Op.101 (1816) – 3. Adagio ma non troppo- con affetto-presto – Allegro
4 Sonata No.29 in B-flat major Op.106 ”Hammerklavier” (1817-18) – 1. Allegro
5 Sonata No.29 in B-flat major Op.106 ”Hammerklavier” (1817-18) – 2. Scherzo – Assai vivace – Presto
6 Sonata No.29 in B-flat major Op.106 ”Hammerklavier” (1817-18) – 3. Adagio sostenuto
7 Sonata No.29 in B-flat major Op.106 ”Hammerklavier” (1817-18) – 4. Largo – Allegro risoluto

CD 9

1 Sonata No.30 in E major Op.109 (1820) – 1. Vivace ma non troppo – Adagio espressivo – Prestissimo
2 Sonata No.30 in E major Op.109 (1820) – 2. Andante – molto cantabile ed espressivo
3 Sonata No.31 in A-flat major Op.110 (1821) – 1. Moderato cantabile – Molto espressivo
4 Sonata No.31 in A-flat major Op.110 (1821) – 2. Allegro molto
5 Sonata No.31 in A-flat major Op.110 (1821) – 3. Adagio ma non tropo – Fuga – Allegro ma non troppo
6 Sonata No.32 in C minor Op.111 (1821-22) – 1. Maestoso – Allegro con brio ed appassionato
7 Sonata No.32 in C minor Op.111 (1821-22) – 2. Arietta – Adagio molto semplice e cantabile

Friedrich Gulda – Piano

CD 7 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 8 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 9 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Friedrich Gulda
Friedrich Gulda

“Carlinus Files” – Franz-Joseph Haydn (1732-1809) – Piano Sonatas, Vol. 2 – Bavouzet

FrontEsfriou bastante na minha cidade, e como moro em um sítio, a sensação de frio é ainda maior, devido à proximidade do mato. Mas como bom paranaense que sou, este frio aqui não me assusta. Imaginem os senhores que por aqui chega a gear no máximo uma ou duas vezes a cada inverno. De onde venho, a água congela na torneira, a roupa congela no varal, e a cerração só começa a levantar próximo ao meio dia, e antes das seis da tarde já é noite…o vento que bate abaixa ainda mais a temperatura, deixando-a negativa. Esse frio aqui é brincadeira de criança.

Jean-Efflam Bavouzet continua sua incursão na música de Haydn, sempre com a mesma técnica apurada e virtuosismo. Desde os primeiros compassos da primeira sonata deste CD ele mostra a que veio. Por vezes, algumas dessas sonatas podem nos soar divertidas, líricas, comoventes, mas o que sempre me chama a atenção na obra de Haydn é sua precisão e concisão, tudo está no lugar, não sobram notas.
Divirtam-se, pois o que Bavouzet faz aqui é antes de tudo, divertir-se.

01 – Sonata No.48 in C major, Hob. XVI 35 – I. Allegro con brio
02 – Sonata No.48 in C major, Hob. XVI 35 – II. Adagio
03 – Sonata No.48 in C major, Hob. XVI 35 – III. Finale. Allegro
04 – Sonata No.32 in G minor, Hob. XVI 44 – I. Moderato
05 – Sonata No.32 in G minor, Hob. XVI 44 – II. Allegretto
06 – Sonata No.50 in D major, Hob. XVI 37 – I. Allegro con brio
07 – Sonata No.50 in D major, Hob. XVI 37 – II. Largo e sostenuto
08 – Sonata No.50 in D major, Hob. XVI 37 – III. Finale. Presto, ma non troppo
09 – Sonata No.19 in E minor, Hob. XVI 47 bis – I. Adagio
10 – Sonata No.19 in E minor, Hob. XVI 47 bis – II. Allegro
11 – Sonata No.19 in E minor, Hob. XVI 47 bis – III. Finale. Tempo di Menuet
12 – Sonata No.20 in B flat major, Hob. XVI 18 – I. Allegro moderato
13 – Sonata No.20 in B flat major, Hob. XVI 18 – II. Moderato

Jean-Efflam Bavouzet – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

316870-jean-efflam-bavouzet-joue-beethoven
Jean-Efflam Bavouzet parece ser um cara alto astral, gente boa, vocês não acham?

 

 

 

 

Pierre Boulez (1925-): As Três Sonatas para Piano + Formand 3 (Miroir)

As duas primeiras Sonatas para Piano de Boulez foram compostas durante a juventude do compositor. A 2ª foi composta quando o ele tinha apenas 23 anos. Nelas nota-se a influência de Messiaen. A 3ª e última foi escrita quando ele tinha 30 anos e já possui o conceito da “casualidade controlada”, em que o intérprete pode escolher entre possibilidades que foram escritas pormenorizadamente pelo compositor – um método que é frequentemente descrito como “forma móvel”.

O CD é excelente para quem não tem ouvidos varicosos e aceitam obras em que o timbre é tão importante quanto o resto. A partir dos anoa 70, o Boulez compositor ficou mais indulgente em seu radicalismo e passei a não gostar tanto de suas composições. Gosto mesmo é do jovem selvagem e radical.

Pierre Boulez (1925-): As Três Sonatas para Piano + Formand 3 (Miroir)

Piano Sonata No.1
1) 1. Lent – Beaucoup plus allant [5:06]
2) 2. Assez large – Rapide [4:38]
Piano Sonata No.2
3) 1. Extrèmement rapide [6:04]
4) 2. Lent [11:42]
5) 3. Modéré, presque vif [2:32]
6) 4. Vif [10:48]
Piano Sonata No.3
Formant 2 – Trope
7) Parenthèse [2:33]
8) Glose [1:26]
9) Commentaire [2:20]
10) Texte [1:21]
Formant 3 – Miroir
11) Mélange [0:28]
12) Points 3 [1:43]
13) Blocs II [3:24]
14) Points 2 [1:58]
15) Blocs I [3:06]
16) Points 1 [0:43]

Paavali Jumppanen, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Boulez:
Além de compositor, Boulez é um enorme regente.

PQP

Max Reger (1873-1916): Variations and Fugue on a Theme of J. S. Bach / Humoresques / Variations and Fugue on a Theme of Telemann

Excelente disco de um compositor muito respeitado e pouco divulgado, Reger. Ele compôs muita música de câmara, sempre de boa qualidade. Acho que a extrema erudição e mais seu apego ao romantismo prejudicaram a divulgação de sua obra. Essas variações sobre temas de Bach e Telemann são ótimas, assim como a obra para órgão do cidadão. Incrivelmente, é o primeiro CD dele que postamos no PQP Bach.

Max Reger (1873-1916): Variations and Fugue on a Theme of J. S. Bach /
Humoresques / Variations and Fugue on a Theme of Telemann

1. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Theme Andante
2. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation I L’istesso tempo
3. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation II (sempre espress. ed assai legato)
4. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation III Grave assai
5. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation IV Vivace
6. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation V Vivace
7. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation Vl Allegro molto
8. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation VII Adagio
9. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation VIII Vivace
10. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation IX Grave e sempre molto espressivo
11. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation X Poco vivace
12. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation XI Allegro agitato
13. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation XII Andante sostenuto
14. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation XIII Vivace
15. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Variation XIV Con moto
16. Variations And fugue On A Theme Of Johann Sebastian Bach, Op 81: Fugue Sostenuto

17. Five Humoresques, Op 20: No 1 Allegretto grazioso – piu meno mosso – tempo primo
18. Five Humoresques, Op 20: No 2 Presto – Andante – Presto
19. Five Humoresques, Op 20: No 3 Andantino grazioso – Meno mosso -Tempo primo
20. Five Humoresques, Op 20: No 4 Prestissimo assai – Meno mosso – Prestissimo assai
21. Five Humoresques, Op 20: No 5 Vivace assai – Piu tranquillo -Tempo primo

22. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Theme Tempo di Minuetto
23. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation I (L’istesso tempo)
24. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation II (L’istesso tempo)
25. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation III (L’istesso tempo) (Sherzando)
26. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation IV (L’istesso tempo)
27. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation V (Non troppo vivace)
28. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation VI (Non troppo vivace)
29. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation VII (quasi Tempo primo)
30. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation VIII Tempo primo
31. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation IX Non troppo vivace
32. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation X Quasi adagio
33. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XI Quasi adagio
34. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XII Poco vivace
35. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XIII Tempo primo
36. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XIV Meno vivace
37. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XV Andante
38. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XVI Adagio
39. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XVII Poco andante
40. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XVIII Tempo primo
41. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XIX Poco vivace
42. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XX Poco vicace
43. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XXI Poco vivace
44. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XXII Vivace
45. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Variation XXIII Poco Andante – Molto adagio
46. Variations And Fugue On A Theme Of Georg Philipp Telemann, Op. 134: Fugue Vivace con spirito – Meno mosso

Marc-André Hamelin, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Max_reger_1

PQP

G. P. Telemann (1681-1767): Water Music / Alster Overture

G. P. Telemann (1681-1767): Water Music / Alster Overture

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um disco verdadeiramente espetacular. A Música Aquática de Telemann, mais a muito irreverente Suíte Alster são para ouvir e se divertir, ouvir e se divertir, ouvir e se divertir. Acho que, de todas as suítes orquestrais de Telemann, a Alster é minha preferida. O New London Consort é um excelente conjunto, fazendo inteira justiça a esta grande música.

G. P. Telemann (1681-1767): Water Music / Alster Overture: Water Music / Alster Overture

1. Wassermusik Overture in C, Ouverture
2. Wassermusik Overture in C, Sarabande
3. Wassermusik Overture in C, Bour e
4. Wassermusik Overture in C, Loure
5. Wassermusik Overture in C, Gavotte
6. Wassermusik Overture in C, Harlequinade
7. Wassermusik Overture in C, Der St rmende Aeolus
8. Wassermusik Overture in C, Menuet
9. Wassermusik Overture in C, Gigue
10. Wassermusik Overture in C, Canarie

11. Die Relinge Concerto in A, The Frogs
12. Die Relinge Concerto in A, The Frogs, Adagio
13. Die Relinge Concerto in A, The Frogs, Menuet

14. Alster Overture in F, Alster Overture
15. Alster Overture in F, Die canonierende Pallas
16. Alster Overture in F, Das lster Echo
17. Alster Overture in F, Die Hamburgischen Glockenspiele
18. Alster Overture in F, Der Schwanen Gesang
19. Alster Overture in F, Der lster Sch ffer Dorff Music
20. Alster Overture in F, Die concertirenden Fr sche (und) Kr hen
21. Alster Overture in F, Der ruhende Pan
22. Alster Overture in F, Der Sch ffen und Nymphen eilfertiger Abzug

New London Consort
Philip Pickett

BAIXE AQUI —
DOWNLOAD HERE

O New London Consort, grupaço!
O New London Consort, grupaço!

PQP

Frédéric Chopin (1810-1849): Sonatas, Noturnos, Mazurkas, Valsas (link revalidado por PQP)


Dando continuidade à Semana Chopin, trago esta gravação elogiadíssima da Deutsche Grammophone. Com o perdão da expressão, este é um CD do cacete. A portuguesa Maria João Pires está beirando a perfeição com sua emocionante interpretação da Sonata n°3, uma das melhores que já tive a oportunidade de ouvir.Como diria o mano PQP, é para se ouvir de joelhos. A escolha do repertório não foi aleatória. Pires escolheu peças compostas nos últimos cinco anos de vida do compositor, e são uma perfeita síntese da incrível capacidade de Chopin de compreender a alma humana. Ou seja, tratam-se de obras maduras, interpretadas por uma intérprete no apogeu de sua maturidade artística.

IM-PER-DÍ-VEL !!!!

Abaixo, a continuação da biografia do genial Chopin, tirado do site http://www.chopin.pl/biography_chopin.en.html :

From 1823 to 1826, Fryderyk attended the Warsaw Lyceum where his father was one of the professors. He spent his summer holidays in estates belonging to the parents of his school friends in various parts of the country. For example, he twice visited Szafarnia in the Kujawy region where he revealed a particular interest in folk music and country traditions. The young composer listened to and noted down the texts of folk songs, took part in peasant weddings and harvest festivities, danced, and played a folk instrument resembling a double bass with the village musicians; all of which he described in his letters. Chopin became well acquainted with the folk music of the Polish plains in its authentic form, with its distinct tonality, richness of rhythms and dance vigour. When composing his first mazurkas in 1825, as well as the later ones, he resorted to this source of inspiration which he kept in mind until the very end of his life.
In the autumn of 1826, Chopin began studying the theory of music, figured bass and composition at the Warsaw School of Music, which was both part of the Conservatory and, at the same time, connected with Warsaw University. Its head was the composer Jozef Elsner (b. 1769 in Silesia). Chopin, however, did not attend the piano class. Aware of the exceptional nature of Chopin’s talent, Elsner allowed him, in accordance with his personality and temperament, to concentrate on piano music but was unbending as regards theoretical subjects, in particular counterpoint. Chopin, endowed by nature with magnificent melodic invention, ease of free improvisation and an inclination towards brilliant effects and perfect harmony, gained in Elsner’s school a solid grounding, discipline, and precision of construction, as well as an understanding of the meaning and logic of each note. This was the period of the first extended works such as the Sonata in C minor, Variations, op. 2 on a theme from Don Juan by Mozart, the Rondo à la Krakowiak, op. 14, the Fantaisie, op. 13 on Polish Airs (the three last ones written for piano and orchestra) and the Trio in G minor, op. 8 for piano, violin and cello. Chopin ended his education at the Higher School in 1829, and after the third year of his studies Elsner wrote in a report: “Chopin, Fryderyk, third year student, amazing talent, musical genius”.
After completing his studies, Chopin planned a longer stay abroad to become acquainted with the musical life of Europe and to win fame. Up to then, he had never left Poland, with the exception of two brief stays in Prussia. In 1826, he had spent a holiday in Bad Reinertz (modern day Duszniki-Zdroj) in Lower Silesia, and two years later he had accompanied his father’s friend, Professor Feliks Jarocki, on his journey to Berlin to attend a congress of naturalists. Here, quite unknown to the Prussian public, he concentrated on observing the local musical scene. Now he pursued bolder plans. In July 1829 he made a short excursion to Vienna in the company of his acquaintances. Wilhelm Würfel, who had been staying there for three years, introduced him to the musical milieu, and enabled Chopin to give two performances in the Kärtnertortheater, where, accompanied by an orchestra, he played Variations, op. 2 on a Mozart theme and the Rondo à la Krakowiak, op. 14 , as well as performing improvisations. He enjoyed tremendous success with the public, and although the critics censured his performance for its small volume of sound, they acclaimed him as a genius of the piano and praised his compositions. Consequently, the Viennese publisher Tobias Haslinger printed the Variations on a theme from Mozart (1830). This was the first publication of a Chopin composition abroad, for up to then, his works had only been published in Warsaw.

Problemas com minha conexão com a internet tem me deixado deveras aborrecido. Foram quatro as tentativas para subir este arquivo para o Megaupload.

Frédéric Chopin (1810-1849):
Sonatas, Noturnos, Mazurkas, Valsas (link revalidado por PQP)

CD 1
01.01 – Sonata n 3 Sim, Op 58 (1)
01.02 – Sonata n 3 Sim, Op 58 (2)
01.03 – Sonata n 3 Sim, Op 58 (3)
01.04 – Sonata n 3 Sim, Op 58 (4)
01.05 – Nocturnos Op 62 (1)
01.06 – Nocturnos Op 62 (2)
01.07 – Mazurkas Op 59 (1)
01.08 – Mazurkas Op 59 (2)
01.09 – Mazurkas Op 59 (3)

CD 2
02.01 – Polonaise-Fantaisie in A flat major. op.61
02.02 – Mazrukas op. 63
02.03 – Mazrukas op. 63
02.04 – Mazrukas op. 63
02.05 – 3 Valses op. 64
02.06 – 3 Valses op. 64
02.07 – 3 Valses op. 64
02.08 – Mazurkas op. 67 no. 2 & no. 4
02.09 – Mazurkas op. 67 no. 2 & no. 4
02.10 – Sonata for violoncello and Piano in G minor. op. 65
02.11 – Sonata for violoncello and Piano in G minor. op. 65
02.12 – Sonata for violoncello and Piano in G minor. op. 65
02.13 – Sonata for violoncello and Piano in G minor. op. 65
02.14 – Mazurka op. 68 no.4

Maria João Pires – Piano
Pavel Gomziakov – Cello

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Maria João Pires: semideusa
Maria João Pires: semideusa

FDP

“Carlinus Files” – Franz Joseph Haydn (1732-1809) – Piano Sonatas vol. 1 – Bavouzet

FrontO grande pecado desta série é que Bavouzet parou no terceiro volume, não sei se ele pretende continuar, afinal Haydn escreveu um monte de sonatas para piano, nem sei quantas são. Só sei que são estes três volumes que pretendo postar. E tenho certeza que os senhores irão adorar, porque Bavouzet soube escolher a dedo quais sonatas gravar.
Mais um cd com o selo “Carlinus Files”, que ajuda a traduzir a qualidade da gravação e da interpretação. Vejo estas sonatas também como uma forma de percebermos o quanto Haydn influenciou a obra de Beethoven e Mozart.

Facilmente classificável como “IM-PER-DÍ-VEL” !!

Divirtam-se…

01 – Sonata No.39 in D major, Hob.XVI 24 – I. Allegro
02 – Sonata No.39 in D major, Hob.XVI 24 – II. Adagio – Larghetto
03 – Sonata No.39 in D major, Hob.XVI 24 – III. Finale Presto
04 – Sonata No.47 in B minor, Hob.XVI 32 – I. Allegro moderato
05 – Sonata No.47 in B minor, Hob.XVI 32 – II. Menuet. Tempo di Menuetto – Trio. Minore
06 – Sonata No.47 in B minor, Hob.XVI 32 – III. Finale Presto
07 – Sonata No.31 in A flat major, Hob.XVI 46 – I. Allegro moderato
08 – Sonata No.31 in A flat major, Hob.XVI 46 – II. Adagio
09 – Sonata No.31 in A flat major, Hob.XVI 46 – III. Finale Presto
10 – Sonata No.49 in C sharp minor, Hob.XVI 36 – I. Moderato
11 – Sonata No.49 in C sharp minor, Hob.XVI 36 – II. Scherzando Allegro con brio
12 – Sonata No.49 in C sharp minor, Hob.XVI 36 – III. Menuetto. Moderato – Trio

Jean-Efflam Bavouzet – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Robert Schumann (1810-1856): Davidsbundlertanze / Concert sans orchestre / Kreisleriana / Gesange Fruhe / Allegro in B Minor

front

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O álbum duplo ao lado existe. Ou existiu. Não o encontrei na Amazon. Aliás, encontrei apenas, de forma separada, os dois CDs que lhe deram origem. Quem me conhece sabe que não sou tarado por Schumann. E quem me conhece sabe que sou absolutamente fascinado pelo maior de todos os pianistas vivos: o italiano Maurizio Pollini, doravante chamado de Deus. Pois com Deus eu engulo até Schumann. Seu repertório é eclético. Pollini começou com a música moderna e com algumas gravações de concertos de Mozart que sai da frente. Alguns reclamam de que é um pianista excessivamente técnico e cerebral, acusação ociosa para alguém que fez grande parte de sua obra (e inúmeros prêmios) tocando Chopin, Beethoven e Schumann… Talvez isso tenha nascido das declarações do pianista, um ser humano de grande refinamento e extremamente intelectual. É a pecha que lhe cabe carregar. Quando morrer — que esta data esteja bem longe dos 71 anos no mestre!!! — , estará na galeria dos maiores, talvez até se torne o maior de todos.

Com vocês, Deus.

Robert Schumann (1810-1856): Davidsbundlertanze / Concert sans orchestre
/ Kreisleriana / Gesange Fruhe / Allegro in B Minor


Davidsbündlertänze for Piano, Op. 6
1. 1. Lebhaft – 1. Lebhaft 1:30
2. 2. Innig – 2. Innig 1:07
3. 3. Etwas hahnbüchen – 3. Etwas hahnbüchen 1:21
4. 4. Ungeduldig – 4. Ungeduldig 0:46
5. 5. Einfach – 5. Einfach 1:26
6. 6. Sehr rasch und in sich hinein – 6. Sehr rasch und in sich hinein 1:52
7. 7. Nicht schnell mit aeusserst starker Empfindung – 7. Nicht schnell mit aeusserst starker Empfindung 3:44
8. 8. Frisch – 8. Frisch 0:40
9. 9. [Lebhaft] – 9. [Lebhaft] 1:24
10. 10. Balladenmässig, sehr rasch – 10. Balladenmässig, sehr rasch 1:19
11. 11. Einfach – 11. Einfach 1:05
12. 12. Mit Humor – 12. Mit Humor 0:37
13. 13. Wild und lustig – 13. Wild und lustig 3:00
14. 14. Zart und singend – 14. Zart und singend 2:03
15. 15. Frisch – 15. Frisch 1:35
16. 16. Mit gutem Humor – 16. Mit gutem Humor 1:36
17. 17. Wie aus der Ferne – 17. Wie aus der Ferne 3:08
18. 18. Nicht schnell – 18. Nicht schnell 1:47

Sonata for Piano no 3 in F minor, Op. 14 “Concert sans orchestre”
19. 1. Allegro brillante – 1. Allegro brillante [Concert sans Orchestre, op.14 7:56
20. 2. Quasi Variazioni. Andantino de Clara Wieck – 2. Quasi Variazioni. Andantino de Clara Wieck [Concert sans Orchestre, op.14 7:05
21. 3. Prestissimo possibile – 3. Prestissimo possibile [Concert sans Orchestre, op.14 6:52


Allegro for Piano in B minor, Op. 8
1. Allegro in B minor, Op.8 – Allegro in B minor, Op.8 9:13

Kreisleriana, Op. 16
2. 1. Äusserst bewegt – 1. Äusserst bewegt 2:03
3. 2. Sehr innig und nicht zu rasch – Intermezzo I (Sehr lebhaft) – Tempo I – Intermezzo II (Etwas bewegter) – Tempo I – 2. Sehr innig und nicht zu rasch – Intermezzo I (Sehr lebhaft) – Tempo I – Interme 7:18
4. 3. Sehr aufgeregt – 3. Sehr aufgeregt 4:21
5. 4. Sehr langsam – 4. Sehr langsam 3:18
6. 5. Sehr lebhaft – 5. Sehr lebhaft 2:57
7. 6. Sehr langsam – 6. Sehr langsam 3:54
8. 7. Sehr rasch – 7. Sehr rasch 2:08
9. 8. Schnell und spielend – 8. Schnell und spielend 3:08

Gesänge der Frühe for Piano, Op. 133
10. 1. Im ruhigen Tempo – 1. Im ruhigen Tempo 2:10
11. 2. Belebt, nicht zu rasch – 2. Belebt, nicht zu rasch 1:32
12. 3. Lebhaft – 3. Lebhaft 2:01
13. 4. Bewegt – 4. Bewegt 1:45
14. 5. Im Anfang ruhiges, im Verlauf bewegtes Tempo – 5. Im Anfang ruhiges, im Verlauf bewegtes Tempo 2:20

Maurizio Pollini, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pollini Deus
Pollini Deus

PQP

G. P. Telemann (1681-1767): Telemann in Minor

Excelente CD dedicado à música de Telemann, um contemporâneo de Bach que, na época em que viviam, era muito mais popular e considerado o maior. Claro que era mesmo um monstro, mas não era Bach, nem de longe. Ele compôs em todas as formas e estilos existentes em sua época. Sua música tem um caráter inconfundível, sendo clara, agradável e fluida. Gosto bastante.

G. P. Telemann (1681-1767): Telemann in Minor

1. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Ouverture
2. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Les Plaisirs
3. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Loure
4. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Furies
5. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Rigaudon en Rondeau 1 / Rigaudon 2 / Rigaudon 3
6. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Menuet
7. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Les Matelots
8. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Gigue angloise
9. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Rondeau
10. Overture, suite for 2 oboes, bassoon, strings & continuo in A minor, TWV 55:a3: Hornpipe

11. Sextet (Sonata), for 2 violins, alto viol, tenor viol, cello & continuo in F minor, TWV 44:32: Adagio
12. Sextet (Sonata), for 2 violins, alto viol, tenor viol, cello & continuo in F minor, TWV 44:32: Allegro
13. Sextet (Sonata), for 2 violins, alto viol, tenor viol, cello & continuo in F minor, TWV 44:32: Largo
14. Sextet (Sonata), for 2 violins, alto viol, tenor viol, cello & continuo in F minor, TWV 44:32: Presto

15. Concerto for flute, violin & strings in E minor ‘Concerto à Sei’, TWV 52:e3: Allegro
16. Concerto for flute, violin & strings in E minor ‘Concerto à Sei’, TWV 52:e3: Adagio
17. Concerto for flute, violin & strings in E minor ‘Concerto à Sei’, TWV 52:e3: Presto
18. Concerto for flute, violin & strings in E minor ‘Concerto à Sei’, TWV 52:e3: Adagio
19. Concerto for flute, violin & strings in E minor ‘Concerto à Sei’, TWV 52:e3: Allegro

20. Sextet (Sonata), for 2 violins, 2 viols, cello & continuo in B flat major, TWV 44:34: Adagio
21. Sextet (Sonata), for 2 violins, 2 viols, cello & continuo in B flat major, TWV 44:34: Allegro
22. Sextet (Sonata), for 2 violins, 2 viols, cello & continuo in B flat major, TWV 44:34: Adagio
23. Sextet (Sonata), for 2 violins, 2 viols, cello & continuo in B flat major, TWV 44:34: Allegro

24. Concerto for 2 flutes, violin, strings & continuo in E minor, TWV 53:e1: Larghetto
25. Concerto for 2 flutes, violin, strings & continuo in E minor, TWV 53:e1: Allegro
26. Concerto for 2 flutes, violin, strings & continuo in E minor, TWV 53:e1: Largo
27. Concerto for 2 flutes, violin, strings & continuo in E minor, TWV 53:e1: Presto

Pratum Integrum Orchestra

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

E esse aí é o pessoal da Pratum Integrum Orchestra
E esse aí é o pessoal da Pratum Integrum Orchestra

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Friedrich Gulda spielt Beethoven sämtliche Klaviersonaten – CD 6 de 9

gulda_beethoven_32sonatasHoje é dia de Greve Geral, convocada pelas centrais sindicais, e resolvi ficar em casa, claro que com a autorização do chefe, ouvindo Friedrich Gulda, sempre impecável, encarando o repertório bethoveeniano, e dar uma geral na minha bagunça.
Aliás, quando contei para minha esposa, que está viajando, que ia receber a visita do Carlinus, ela se exasperou: você está recebendo seu amigo no meio daquela bagunça? O Carlinus, educado e diplomático como só ele consegue ser, apenas sorriu quando falei do comentário dela, e mais tarde elogiou como organizo meus arquivos nos trocentos terabytes que tenho de material, até já perdi a conta. Mas é curioso como a cabeça da gente funciona: não sei tudo o que tenho, mas sei o que não tenho. Vai entender…
Mas vamos ao que interessa…

Sonata No.18 in E-flat major Op.31-3 (1801-02) – 1. Allegro
Sonata No.18 in E-flat major Op.31-3 (1801-02) – 2. Scherzo – Allegretto vivace
Sonata No.18 in E-flat major Op.31-3 (1801-02) – 3. Menuetto – Moderato e grazioso
Sonata No.18 in E-flat major Op.31-3 (1801-02) – 4. Presto con fuoco
Sonata No.19 in G minor Op.49-1 (1795-1798) – 1. Andante
Sonata No.19 in G minor Op.49-1 (1795-1798) – 2. Rondo – allegro
Sonata No.20 in G major Op.49-2 (1705-1798) – 1. Allegro ma non troppo
Sonata No.20 in G major Op.49-2 (1705-1798) – 2. Tempo di Menuetto
Sonata No.21 in C major Op.53 ”Waldstein” (1803-04) – 1. Allegro con brio
Sonata No.21 in C major Op.53 ”Waldstein” (1803-04) – 2. Introduzione – Adagio molto
Sonata No.21 in C major Op.53 ”Waldstein” (1803-04) – 3. Rondo – Allegro moderato – Prestissimo
Sonata No.22 in F major Op.54 (1804) – 1. In tempo d’un Menuetto
Sonata No.22 in F major Op.54 (1804) – 2. Allegretto

Friedrich Gulda – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

“Carlinus Files” – Johann Sebastian Bach (1685-1750): Keyboards Concertos – Alexandre Tharaud – Les Violons Du Roy – Labadie

FrontNeste final de semana tive a grata satisfação de receber a visita do colega Carlinus aqui em minha cidade. Claro que em um encontro destes seria quase impossível não ocorrer uma espécie de “intercâmbio cultural”, portanto tivemos a oportunidade de trocarmos material, ele teve a gentileza de trazer um HD externo com uma parte do seu acervo, que comentou ser três vezes maior do que o que continha aquele HD. Como não tínhamos muito tempo, escolhi apenas alguns cds (apenas uns “60 Gb” de material) mais específicos, que postarei no devido tempo. Hoje de manhã, escolhi aleatoriamente esta beleza de gravação do Alexander Tharaud. Já conhecia o pianista e o admirava há bastante tempo, quando me caiu em mãos um cd em que toca os Concertos Italianos do mesmo Bach, e fiquei muito admirado com sua personalidade e maturidade musical.

Este cd que ora vos trago, é um primor, e mostra todo o amadurecimento de Tharaud enquanto músico. Muito preciso, encara sem medo as armadilhas que estes concertos trazem, e nos momentos mais líricos se destaca exatamente pelo lirismo, pela capacidade de transformar a mítica música de Bach em momentos únicos. Reparem, por exemplo, no Andante do BWV 1058. É pura emoção.

Como diria o mesmo Carlinus, lhes desejo uma boa apreciação.

01 – Concerto in D minor, BWV 1052 I. Allegro
02 – Concerto in D minor, BWV 1052 II. Adagio
03 – Concerto in D minor, BWV 1052 III. Allegro
04 – Concerto in D major, BWV 1054 I. Allegro
05 – Concerto in D major, BWV 1054 II. Adagio e sempre piano
06 – Concerto in D major, BWV 1054 III. Allegro
07 – Concerto in D minor, BWV 974 II Adagio
08 – Concerto in F minor, BWV 1056 I. Allegro
09 – Concerto in F minor, BWV 1056 II. Largo
10 – Concerto in F minor, BWV 1056 III. Presto
11 – Concerto in G minor, BWV 1058 I Allegro
12 – Concerto in G minor, BWV 1058 II Andante
13 – Concerto in G minor, BWV 1058 III Allegro assai
14 – Concerto in A minor, BWV 1065 I. Allegro
15 – Concerto in A minor, BWV 1065 II. Largo
16 – Concerto in A minor, BWV 1065 III. Allegro

Alexandre Tharaud – Piano
Les Violons du Roy
Bernard Labadie – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

download
Alexandre Tharaud em ação: um gigante dos teclados.

Franz Josef Haydn (1732-1809): A Trompa Natural

Para aquelas e aqueles que são vulneráveis aos encantos da trompa, um disco da música de Haydn para o instrumento. O repertório é raro e Ab Koster não é um franco-atirador chinelo, abusado e reles, é um dos maiores trompistas da atualidade. A trompa utilizada nesta gravação é a natural. A trompa natural — ou trompa de caça — é o instrumento antecessor da trompa moderna. Ela se distingue pela falta de válvulas. Consiste em um bocal, um tubo longo e enrolado e uma campana de largura. Foi usada amplamente até a aparição da trompa moderna no século XIX.

Franz Josef Haydn (1732-1809): A Trompa Natural (The Natural Horn)

1. Cassatio In D Major, Hob. deest: I. Allegro moderato
2. Cassatio In D Major, Hob. deest: II. Menuet – Trio
3. Cassatio In D Major, Hob. deest: III. Adagio
4. Cassatio In D Major, Hob. deest: IV. Menuet – Trio
5. Cassatio In D Major, Hob. deest: V. Finale. Allegro

6. Divertimento In E-Flat Major, Hob. II: 21: I. Allegro molto
7. Divertimento In E-Flat Major, Hob. II: 21: II. Menuet – Trio
8. Divertimento In E-Flat Major, Hob. II: 21: III. Adagio
9. Divertimento In E-Flat Major, Hob. II: 21: IV. Menuet. Poco allegro – Trio
10. Divertimento In E-Flat Major, Hob. II: 21: V. Finale. Presto

11. Concerto In D Major, Hob. VIId: 3: I. Allegro
12. Concerto In D Major, Hob. VIId: 3: II. Adagio
13. Concerto In D Major, Hob. VIId: 3: III. Allegro

14. Divertimento A Tre in E-Flat Major, Hob. IV: 5: I. Moderato assai (Thema con variazioni)
15. Divertimento A Tre in E-Flat Major, Hob. IV: 5: II. Finale. Allegro di molto

16. Divertimento In D Major, Hob. II: 22: I. Presto
17. Divertimento In D Major, Hob. II: 22: II. Menuet – Trio
18. Divertimento In D Major, Hob. II: 22: III. Largo
19. Divertimento In D Major, Hob. II: 22: IV. Menuet – Trio
20. Divertimento In D Major, Hob. II: 22: V. Finale. Allegro molto

Ab Koster
L’Archibudelli

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esse toca de verdade
Esse toca de verdade

PQP

Muito obrigado pelo belíssimo comentário

Muito obrigado pelo belíssimo comentário

mpCaro (a) mantenedor (a) do PQP Bach

Abaixo vai meu agradecimento por manter esse blog. Agradecimento em forma da história da música em minha vida.

Estimulado a ler, me lembro de ir, ainda garotinho, década de 70, ir com minha mãe à livraria comprar um livrinho de “estória”, eu lia tudo que aparecia: mesmo que não entendesse o que significava, ainda assim eu lia; com uns 6 ou 7 anos eu me lembro de ler os cadernos do meu tio que estava no “ginásio”, em particular lembro-me de ter lido um trabalho sobre “fósseis”, a ilustração era feita à mão livre usando canetas BIC nas cores azul, vermelho e verde.

A música tinha reprodução difícil e só havia LP’s com custo alto e eu não tinha acesso livre a eles. Ganhei um toca-discos verde, portátil, da Sonata, com alguns disquinhos coloridos de “estória” infantil, mas eu queria escutar aqueles discos pretos que não me deixavam colocar as mãos; aqueles eram discos de MPB de época, Fado e congêneres, hoje sei que de “clássicos” nada havia. E assim a música ficou meio que latente, suprimida mesmo, em mim.

Não sei onde escutei, imagino que na televisão, uma música “mágica”, que me encantou de um jeito que seus acordes não me saiam da cabeça. Lembro de cantarolar o um pequeno trecho dessa música linda, em uma língua da qual nada entendia, e dela não sabia nem o nome. Essa música era tão intensa, rica em sons que expandiam em minha mente, eu me sentia tão bem quando lembrava dela, e eu tinha sede de escutá-la novamente: recordo-me de ter cantarolado para algumas pessoas o único trechinho que eu sabia, na esperança de alguém me dizer o nome, mas não tive êxito. A única palavra mais clara que “saia” no cantarolar era “Aleluia”, e pelo ritmo, ninguém soube me dizer. Nessa época eu tinha entre 7 e 8 anos pois recordo-me de ter feito a Primeira Comunhão sem dela nada saber. Cheguei a perguntar à professora de Catecismo, mas ela disse não saber do eu falava. Se a palavra central era “Aleluia” imaginei que alguém na Igreja me diria que de se tratava, mas os esforços foram em vão. Na época já havia fitas K7, mas eu não tinha nem toca fitas em casa.

Quando eu tinha 12 anos de idade, era 1985, assisti na TV um filme chamado “O enigma da Pirâmide” e, em uma certa cena do filme, uma música “toucou” e eu fiquei abalado. O que era aquilo? Que música era aquela que jamais houvera escutado, mas que me causava tanta emoção?! Ninguém soube me dizer nada sobre aquele som.

Tudo que eu sabia daquelas duas músicas era que provavelmente aquilo era “música clássica” e nada mais, até que em 1995 a revista Caras lançou uma coletânea de música clássica em CD’s, e eu mesmo sem ter um “toca CD’s” comprava as revistas só pra poder conseguir os CD’s onde poderia estar o que eu tanto procurava. Quando um bom tempo depois comprei um aparelho para escutar os CD’s, finalmente descobri qual era aquela primeira música que me encantou, era o Coro de Aleluia, do Messias, de Handel. Chorei como uma criança ao escutar aquela música que houvera habitado em minha lembrança por tantos anos. Escutei aquilo por dezenas de vezes. Descobri que havia sutis diferenças na mesma peça se tocada por diferentes orquestras; é que “Aleluia” veio gravada nos CD’s 2 e 8 da coletânea Caras: sob a direção de Von Cammus pela Orquestra da Rádio de Berlim e pela orquestra de Praga, por Randell Gork-Choken.

Reconheci algumas outras coisas das quais não sabia o nome como a “Privavera” de Vivaldi, “Danúbio Azul” de Strauss, “chegada dos convidados” e “Cavalgada das Valquírias” de Wagner e a “Dança Germânica op33” de Schubert, entre outras coisas. Só tempos depois fui me dando conta que eu “re”conhecia aqueles sons por eu, em busca das canções da infância, ter passado a prestar atenção em trilhas sonoras de filmes e tudo mais que aparecia na TV, única fonte de informação na época. Em 1999 uma loja de CD’s, do interior de MG onde morava, fez uma “banca de ofertas” daquilo que estava “encalhado” e eu comprei da Deutsche Grammophon um CD do Ravel com seu fabuloso “Bolero”.

Mas, só em 2001 quando tive acesso à internet, eu consegui descobrir a segunda música da infância; aquela do filme “o enigma da pirâmide”, e aquela música mágica era parte de uma obra maior que me inebriou e que tornou-se um “amor”. A música do filme era um trecho de “O fortuna” de Carmina Burana, do Orff. Procurei a história da obra e descobri que a origem dessa obra de Orff eram os manuscritos medievais: e, quando conheci as músicas antigas e medievais eu me apaixonei de modo febril e crônico e, desde então, não parei mais de baixar músicas. E, quando em 2004 consegui entrar pra universidade, o conhecimento de história, sociologia e tudo mais adquirido de modo intuitivo na internet foi tomando forma através de um estudo mais sistematizado me abriu definitivamente os sentidos para uma face do mundo que eu só imaginava existir.

Escrevi esse relato como uma forma de dizer que a pessoa que mantém esse blog presta um grande serviço à humanidade e aos “espíritos” que nela habitam na forma de pessoas que, apesar de não terem tido esse conhecimento posto em seu processo educacional, ainda assim, têm a chance de conhecer obras fabulosas como as aqui postadas.

Att
Renato Scortegagne

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Lady Macbeth do Distrito de Mzensk

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Lady Macbeth do Distrito de Mzensk

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Myung-Whun Chung e sua trupe fazem um monumental trabalho nesta versão da segunda e última ópera de Shostakovich.

Lady Macbeth do Distrito de Mtsensk é uma ópera em quatro atos de Dmitri Shostakovitch. O libreto é inspirado na novela de mesmo nome publicada em 1865 por Nikolai Leskov. Ambientada na Rússia do século XIX, conta a história de uma mulher casada e solitária, Katerina Lvovna Ismailova, que se apaixona por outro homem e termina cometendo assassinatos. O argumento é sombrio, com bastante violência e sexo. O título faz referência a Lady Macbeth, a anti-heroina da tragédia shakespeareana Macbeth (1606).

A estreia ocorreu em 1934 em Leningrado (São Petersburgo) com enorme sucesso de público e crítica. Nos anos seguintes foi encenada nos palcos de todo o mundo. A ópera, porém, tornou-se mais famosa ainda pela intervenção das autoridades soviéticas: em 1936, funcionários do governo comunista – incluindo Josef Stálin – assistiram a uma apresentação no Teatro Bolshoi. Na edição de 28 de janeiro do jornal Pravda foi publicada uma severa crítica que descrevia a ópera como “ruído ao invés de música”, entre outras coisas (Stalin teria chamado a ópera de uma pornofonia). Frente a essa denúncia, Shostakovitch passou a temer por sua liberdade artística e até por sua vida, e em 1937 escreveu sua Quinta Sinfonia em um tom muito mais convencional, descrita pelo próprio artista como “a resposta de um artista soviético a uma crítica justa”.

Esta foi a última ópera de Shostakovich. Nos anos 60, ele a revisou, suprimindo as partes mais quentes. Atualmente, porém, a composição original é a mais executada, claro.

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Lady Macbeth do Distrito de Mzensk, Op. 29

01. Akh, Ne Spitsya Bol’se, Poprobuyu
02. Gribli Segodnya Budut?
03. Govori/ Zacem Ze Ti Uyezzayes’, Khozyain/ Vot, Papa, Posmotri/ Proscay, Katerina…
04. Interlude
05. Ay! Ay! Ay! Ay, Besstiziy, Oy, Ne Scipli/ Otpustite Babu
06. Mnogo Vi, Muziki, O Sebe Vozmectali/ Cto Eto?
07. Interlude
08. Spat’ Pora. Den’ Prosol
09. Zerebyonok K Kobilke Toropitsya
10. Kto Eto, Kto, Kto Stucit?/ Proscay/ Uydi Ti, Radi Boga, Ya Muznyaya Zena
11. Cto Znacit Starost’: Ne Spitsya
12. Proscay, Katya, Proscay!/ Stoy! Gde Bil?/ Smotri, Katerina, Zanyatnoye Zrelisce
13. Ustal – Prikazete Mne Postegat?/ Progolodalsya Ya
14. Vidno, Skoro Uz Zarya. Ekh!/ Gde Tut Umirayut?/ Batya, Ispovedat’sya/ …
15. Interlude

01. Sergey, Seryoza! Vsyo Spit
02. Opyat’ Usnul/ Katerina L’vovna, Ubiyca!/ Nu? Cego Tebe?/ Andante(Orchestra)
03. Slusay, Sergey, Sergey!/ Katerina! – Kto Tam?/ Teper’ Sabas
04. Cto Ti Tut Stois?/ U Menya Bila Kuma/ Interlude
05. Sozdan Policeyskiy Bil Vo Vremya Ono/ U Izmaylovoy Seycas Pir Goroy/ Vase Blagorodiye!/ …
06. Interlude
07. Slava Suprugam, Katerine L’vovne I Sergeyu Filippicu, Slava!/ Nikogo Net Krase Solnca V Nebe?/ …
08. Vyorsti Odna Za Drugoy Dlinnoy Polzut Verenicey
09. Stepanic! Propusti Menya
10. Ne Legko Posle pocota Da Poklonov Pered Sudom Stoyat
11. Moyo Pocten’ Ye!/ Dostanu! Katya!/ Is, Zver’!/ Adagio
12. V Lesu, V Samoy Casce, Yest’ Ozero/ Znayes Li, Sonetka, Na Kogo S Toboy Mi Pokhozi?
13. Vstavay! Po Mestam! Zivo!

Maria Ewing
Elena Zaremba
Aage Haugland
Sergei Larin
Philip Landridge
Carlos Alvarez
Philippe Duminy
Anatoly Kotcherga
Johann Tilli
Bastille Opera Orchestra
Myung-Whun Chung, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Maria Ewing não é nenhuma Galina Vishnevskaya, mas faz uma Lady Macbeth de primeira linha.
Maria Ewing não é nenhuma Galina Vishnevskaya, mas faz uma Lady Macbeth de primeira linha.

PQP

Henry Vieuxtemps (1820-1881) – Violin Concerto n°1 in E major, op. 10, Violin Concerto n°2 in F sharp minor op. 19, Greeting to America, op.56 – Chloë Hanslip, Royal Flemish Philharmonic, Martyn Brabbins

Chloë Hanslip - Vieuxtemps - Violin Concertos Nos.2 & 2 - Hanslip (Romantic Violin Concerto - 12)Tudo bem, Chloë Hanslip não é nenhum Jascha Heifetz, nem creio que a garota tenha essa pretensão. Mas que ela toca uma barbaridade, toca, ainda mais sabendo que Heifetz imortalizou esse primeiro concerto. Que é muito bonito, diga-se de passagem. Afora este primeiro concerto, eu desconhecia outras obras de Vieuxtemps. Olha o que diz o booklet:

“Widely considered the finest violinist in Europe after the death of Paganini, the Belgian Henry Vieuxtemps was born in 1820 in Vervier, not far from Liége.” Claro que o texto do libreto é bem maior, mas peguei essa primeira frase para destacar quem foi Vieuxtemps, um dos maiores instrumentistas de seu tempo.

A inglesa Chloë Hanslip toca muito, e claro que estes concertos, por terem sido escritos por um violinista, tem momentos de extrema dificuldade técnica, o que exige do instrumentista muita segurança e habilidade. E apesar de ser jovem, ela nasceu em 1987, Chloë (gosto desse nome) tem muito futuro pela frente. A menina já tocou com as principais orquestras e regentes da atualidade. Eis o site dela: http://www.chloehanslip.com/
Eu gostei bastante do cd, espero que os senhores também apreciem.

1 Violin Concerto No. 1 in E major, Op. 10_ Allegro moderato
2 Violin Concerto No. 1 in E major, Op. 10_ Introduction_ Adagio –
3 Violin Concerto No. 1 in E major, Op. 10_ Rondo_ Allegretto
4 Violin Concerto No. 2 in F sharp minor, Op. 19_ Allegro
5 Violin Concerto No. 2 in F sharp minor, Op. 19_ Andante
6 Violin Concerto No. 2 in F sharp minor, Op. 19_ Rondo_ Allegro
7 Greeting to America, fantasy for violin & piano in E major, Op. 56 (Op. posth)

Chloë Hanslip — Violin
Royal Flemisch Philharmonic
Martyn Brabbins – Conductor

BAIXE AQUI – DONWLOAD HERE

Chloë Hanslip e seus belos olhos...
Chloë Hanslip e seus belos olhos…

Fauré, Debussy, Poulenc: Nuit d’étoiles (Mélodies française)

Fauré, Debussy, Poulenc: Nuit d’étoiles (Mélodies française)

Véronique Gens é esta bela soprano que vocês veem abaixo. E, pasmem, ela ainda canta! O repertório é de autores franceses, exclusivamente. O disco é muito bom. O grande destaque são as canções de Poulenc, mais alegres e melodiosas que as de seus colegas Fauré e Debussy. As duas fotos que coloco abaixo são apenas para mostrar o belo rosto desta excelente cantora.

(suspiro)
(suspiro)

Fauré, Debussy, Poulenc: Nuit d’étoiles (Mélodies française)

Gabriel Fauré (1845 – 1924)
1. Après un rêve Op. 7 No. 1
2. Sylvie Op. 6 No. 3
3. Au bord de l’eau Op. 8 No. 1
4. Lydia Op. 4 No. 2
5. Le papillon et la fleur Op. 1 No. 1
6. Mandoline Op. 58 No. 1
7. Clair de lune Op. 46 No. 2
8. Les berceaux Op. 23 No. 1

Claude Debussy (1862 – 1918)
Trois Chansons de Bilitis
9) I. La flûte de Pan
10) II. La chevelure
11) III. Le tombeau des Naïades

Fêtes galantes, Set 1
12) I. En sourdine
13) II. Fantoches
14) III. Clair de lune
15) Nuit d’étoiles
16) Beau soir
17) Fleur des blés
18) La Belle au bois dormant
19) Noël des enfants qui n’ont plus de maison

Francis Poulenc (1899 – 1963)
Banalités FP 107 (Guillaume Apollinaire)
20) I. Chanson d’Orkenise
21) II. Hôtel
22) III. Fâgnes de Wallonie
23) IV. Voyage à Paris
24) V. Sanglots

Deux Mélodies de Guillaume Apollinaire FP 127
25) Montparnasse
26) Hyde Park

27) Les chemins de l’amour, valse chantée FP 106

Véronique Gens, soprano
Roger Vignoles, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

ffs
Véronique Gens: e ainda canta. E bem, meus amigos

PQP

G. F. Handel (1685-1759): Water Music / Music for the Royal Fireworks

G. F. Handel (1685-1759): Water Music / Music for the Royal Fireworks

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Acho que estou passando por um Período Savall. Mas não creio que vocês tenham vontade de reclamar. Este é um disco festivo e luminoso como são a Música Aquática e a Música para os Reais Fogos de Artifício. Savall e sua orquestra dão um banho como o que aconteceu na estreia da Música para os Reais Fogos de Artifício.

A Música Aquática (Water Music) é uma suíte orquestral cuja estreia ocorreu em 17 de julho de 1717, após o rei Jorge I encomendar um concerto para ser executado sobre o rio Tâmisa. O concerto foi interpretado originalmente por cerca de 50 músicos que ficavam sobre uma barca próxima ao barco real, a partir do qual o monarca escutava a peça com sua corte. O rei teria gostando tanto das suítes que pediu a seus músicos, já esgotados, que tocassem-na por três vezes…

No dia 21 de Abril de 1749, contra a vontade do compositor, realizou-se a estreia da Música para os Reais fogos de Artifício. Handel escreveu-a para comemorar a assinatura do tratado de Aix-la-Chapelle, que pôs fim à Guerra da Sucessão da Áustria. A primeira apresentação desta obra, no dia 21 de Abril, foi mais um ensaio público do que uma estreia, pois a estreia estava marcada para o dia 27. No entanto, este ensaio juntou 12.000 pessoas, causando enorme engarrafamento na ponte de Londres. Da estreia propriamente dita, o mínimo que se pode dizer é que foi atribulada. Aconteceu no dia 27 de Abril de 1749 e a emoção não esteve ausente: a estrutura montada especialmente para a ocasião incendiou parcialmente, além de ter chovido durante o concerto, o que apagou os fogos-de-artifício, além de molhar o público.

Georg Friederich Handel: Water Music / Music for the Royal Fireworks

1. Water Music, Ste I: Prld
2. Water Music, Ste I: Menuet I
3. Water Music, Ste I: Menuet II
4. Water Music, Ste I: Rigaudon I
5. Water Music, Ste I: Rigaudon II
6. Water Music, Ste I: Menuet I
7. Water Music, Ste I: Menuet II
8. Water Music, Ste I: Gigue I
9. Water Music, Ste I: Gigue II
10. Water Music, Ste I: Bourree
11. Water Music, Ste I: Lentement
12. Water Music, Ste I: Alla Hornpipe

13. Water Music, Ste II in F: Ov
14. Water Music, Ste II in F: Adagio E Staccato
15. Water Music, Ste II in F: Allegro
16. Water Music, Ste II in F: Andante, Allegro
17. Water Music, Ste II in F: Menuet
18. Water Music, Ste II in F: Air
19. Water Music, Ste II in F: Bourree
20. Water Music, Ste II in F: Hornpipe
21. Water Music, Ste II in F: Aria
22. Water Music, Ste II in F: Menuet

23. Music For The Royal Fireworks, Ov: Adagio
24. Music For The Royal Fireworks: Allegro-Lentement-Allegro
25. Music For The Royal Fireworks: Bourree
26. Music For The Royal Fireworks, La Paix: Largo Alla Siciliana
27. Music For The Royal Fireworks, La Rejouissance: Allegro
28. Music For The Royal Fireworks: Menuet II – Menuet I – Menuet II

Le Concert Des Nations
Jordi Savall

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jordi Savall: gênio
Jordi Savall: gênio

PQP