Stefano Landi (1587-1639): Homo fugit velut umbra… – L’Arpeggiata (2002)

Um belo disco de música antiga, talvez modernizada pelo excelente L`Arpeggiata. Às vezes parece música popular bem mais recente. Se bem que… Vamos falar sério, vamos discordar de nós mesmos. A improvisação sempre foi uma parte significativa da música dos séculos XVI e XVII. Então, por que nossa época deveria preocupar-se em soar autêntica? Esqueçam tudo, é um baita CD.

Stefano Landi (1587-1639): Homo fugi velut umbra…

1. Passacalli della vita (‘Homo fugit velut umbra’)
2. Augelin
3. Sinfonia à 3
4. Invan lusinghi
5. Altri amor fugga
6. Canzona detta La Pozza, for lute, theorbo & harp
7. T’amai gran tempo
8. A che più l’arco tendere
9. Alla guerra d’amor
10. Balletto delle Virtù
11. Canta la cicaleta
12. Dirindin
13. Quando Rinaldo
14. Quest’Acqua
15. Amarillide, deh vieni

Christina Pluhar
Johannette Zomer
Stephan Van Dyck
Alain Buet
Marco Beasley
L`Arpeggiata

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esta parece ser a única imagem disponível de Landi
Esta parece ser a única imagem disponível de Landi

PQP

10 comments / Add your comment below

  1. Mais uma contribuiçãozinha relativa à essa irresistível “Passacaglia della Vita” – na real mais della morte que della vita, mas, afinal, dizem que aquela faz parte desta de certa forma, não?

    Enfim, se Nietzsche tinha razão em dizer que “sem música a vida seria um erro”, imaginem a morte, então!

    O come t’inganni
    Se pensi che gli anni
    non hann’da finire,
    bisogna morire.

    E’ un sogno la vita
    Che par si gradita,
    è breve il gioire
    bisogna morire.
    Non val medicina
    Non giova la China,
    non si può guarire,
    bisogna morire.

    Non vaglion sberate,
    minarie, bravate
    che caglia l’ardire,
    bisogna morire.
    Dottrina che giova,
    parola non trova
    che plachi l’ardire,
    bisogna morire.

    Non si trova modo
    di scioglier’sto nodo,
    non val il fuggire,
    bisogna morire.
    Commun’è il statuto,
    non vale l’astuto
    ‘sto colpo schermire,
    bisogna morire.

    Si more cantando,
    si more sonando
    la Cetra, o Sampogna,
    morire bisogna.
    Si more danzando,
    bevendo, mangiando;
    con quella carogna
    morire bisogna.

    La Morte crudele
    a tutti è infedele,
    ogn’uno svergogna,
    morire bisogna.
    E’ pur ò pazzia
    o gran frenesia,
    par dirsi menzogna,
    morire bisogna.

    I Giovani, i Putti
    e gl’Huomini tutti
    s’hann’a incenerire,
    bisogna morire.
    I sani, gl’infermi,
    i bravi, gl’inermi,
    tutt’hann’a finire
    bisogna morire.

    E quando che meno
    ti pensi, nel seno
    ti vien’a finire,
    bisogna morire.
    Se tu non vi pensi
    Hai persi li sensi,
    sei morto e puoi dire:
    bisogna morire.

  2. Uau, Ranulfus!

    Já conhecia a (fatídica) letra. Pesada e profunda.
    Stefano Landi volta e meia sempre martela nesse ponto: a morte, a finitude da vida, o único mal irremediável ao qual todos estamos destinados.

    Abração

  3. Acompanho o PQP há anos e nunca publiquei um comentário, simplesmente porque não entendo nada de música. Mas procuro ouvir cosa boa. Este é um trabalho que me agradou bastante, parabéns!

  4. Maravilhoso, delicioso, tão bom quanto Il Fasolo. Sou inteiramente a favor dessas espirituosas e emocionantes recriações. Quanto mais, melhor. Obrigado!

Deixe uma resposta