PQPBach, 7 anos!

Eita!

Esse 2013 foi bastante atribulado para a equipe pequepiana e uma data muito especial passou batida: o dia 15 de Novembro. Para além de ser o dia da Proclamação da República (1889), é o dia do nascimento deste sítio (2006), data em que o chefão-sumo-sacerdote postou o Quinteto para Piano, Flauta, Clarinete, Trompa e Fagote de Rimsky-Korsakov, inaugurando uma sequência crescente de postagens que até a véspera desta aqui somavam 3.438! Os compositores avançaram para muito além do papai Johann Sebastian Bach (este blog que o homenageia nem começou com obra dele…) e as categorias que os marcam são hoje nada menos 1.233!

E durante essa viagem de 7 anos o PQPBach foi cooptando seguidores tais como FDP, CDF, CVL, Bluedog, Strava, Ranulfus, Carlinus, Avicenna, Gabrieldelaclarinet, Itadakimasu, Bisnaga e, este ano, o caçulinha: Das Chucruten. E o mais interessante disso tudo é que, apesar de nossa atividade ser de polinizar beleza pela blogosfera e suas margens, quem mais se diverte somos nós (vocês não fazem ideia do que é o nosso grupo interno de e-mails)! Cada comentário gera uma euforia! Abrimos nossas caudas de pavão a cada elogio! E quando o número de downloads é expressivo, passamos a mostrar o feito aos outros colegas.

Infelizmente não podemos nos dedicar ao blog tanto quanto gostaríamos, fazendo duas ou três postagens por dia, como alguns outros Blogs fazem. Temos nossas vidas, famílias, compromissos, trabalho. Nos dedicamos ao PQPBach de corpo e alma, mas dentro das nossas condições e possibilidades. Não estamos ganhando nada por isso, é o nosso hobby. Enquanto alguns jogam tênis ou praticam algum outro esporte nós do PQPBach passamos a maior parte de nosso tempo escolhendo cds para passar para vocês, lhes dando a oportunidade de ter acesso a este imenso e inesgotável mundo da boa música. É essa nossa paixão pela música nos impulsiona, que nos dá a força necessária para seguirmos em frente, apesar dos problemas de ordem técnica que por vezes enfrentamos, das broncas que temos de dar em alguns comentaristas devido a comentários por vezes impertinentes e até mesmo insultantes. Mas também entendemos que a grande maioria silenciosa, aquela que dificilmente se manifesta, às vezes por timidez, às vezes por não saber como nos apoiar, continua e continuará nos dando o alento necessário para continuarmos nessa nossa missão.

Claro, além disso tivemos ao longo desse tempo várias dores de cabeça com os provedores e HDs virtuais onde hospedamos os arquivos. Muita coisa aqui postada foi apagada, colegas perderam contas inteiras (e muito tempo de dedicação). Mas, se a gente esmorece um pouco com esses incidentes, em pouco tempo nos reorganizamos e tocamos em frente! Muitos blogs conhecidos, amigos e preciosíssimos fecharam, para nossa tristeza. Mas nós teimamos e continuamos, apesar de todos os tropeços, pois compartilhar boa música nos dá um prazer inominável. Talvez por esse motivo o PQPBach continue prezando por fazer suas postagens descontraidamente, com uma dose de humor, tirando um sarro da cara de louco do intérprete, da gostosura da musicista ou da feiúra do autor. Essa irreverência se tornou uma característica e um diferencial do site: não tem porque ser sisudo e chato pra falar de música clássica, uma coisa tão legal!

Com o tempo, com o aumento da quantidade e da variedade das peças e compositores aqui disponibilizados, o blog cresceu de forma tal que provavelmente o pai da criança, Peter Qualvoll Publizieren Bach, não imaginaria: o total de acessos está chegando aos 4,0 milhões e 30% deles é feito por usuários de outros países, que devem penar para entender o idioma português (língua lindíssima, mas difíííícil…). O PQPBach já foi citado em sites, revistas e jornais de vários países, e vira-e-mexe encontramos o blog sendo recomendado em cursos de música, graças ao repertório aqui depositado. Dá gosto!

Dessa forma, então, nós, da equipe do PQPBach ainda ativa, e claro, os que por aqui passaram (e que desejamos que voltem), desejamos a todos os nossos leitores um Feliz 2014 regado a muita música boa.

Um brinde! Que venham mais anos, mais músicas e mais descobertas! PQPBach: SETE Anos !!!

Bisnaga, Avicenna, PQPBach e FDPBach.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edvard Grieg (1843-1907) – Violin Sonata, n°1, in F, op. 8, Béla Bártok (1881-1945) – Sonata for Violin Solo, Richard Strauss (1864-1949) – Violin Sonata in E Flat, op. 18 – Vilde Frange, Michail Lifits

p-01Da nova safra de violinistas que começaram a se destacar neste início de século XXI creio que a norueguesa Vilde Frang seja uma da poucas que ainda não tinham aparecido por aqui. E trago um belo CD para ilustrar seu talento.
A Sonata n°1 de Grieg tem momentos inspiradíssimos, nos quais Frang nos mostra que não é apenas mais um rostinho bonito. Talento não lhe falta, e um apurado senso estético permeia sua interpretação, sabendo ser emotiva sem cair em tentação, não esquecendo a porção romântica de Grieg, mas também sabendo destacar o lado popular-folclórico da música do genial norueguês, vide o segundo movimento. Com o terceiro movimento, Frang se dá o direito de explorar mais seu lado técnico, aliando novamente virtuosismo e emotividade sem cair em tentações.
O bicho pega mesmo no Bártok, na genial Sonata para violino Solo. Frang se desdobra pra dar conta de uma das peças mais difíceis do repertório do violino. Coisa de doido. Já ouvi esta sonata tocada por gente do porte de Mutter, Mullova, Repim, e lhes garanto que a menina tem coragem de encarar essa loucura já em seu segundo disco, que Bártok compôs por encomenda para Yehudi Menuhin e que concluiu um ano e meio antes de sua morte. Ou seja, um compositor já maduro, consagrado, e que soube como poucos explorar as possibilidades do instrumento.
Assim como a Sonata de Grieg, a Sonata de Richard Strauss também foi composta na juventude do compositor, que naquele momento ainda tentava criar uma linguagem própria, mesmo que profundamente influenciado por Wagner. Richard Strauss foi um compositor de transição, que flertava abertamente com o romantismo e com as vanguardas do início do século XX, e mesclava como poucos em suas obras as características destes estilos. Nesta sonata Frang explora muito bem esta dicotomia, apesar de em certos momentos ser escancaradamente romântica. Seu parceiro pianista Michail Lifits lhe dá o suporte necessário para encarar o desafio.
Um bom CD, corajoso no repertório, com ótimos momentos, que mostra em três obras a evolução da técnica violinística.

1 – Grieg_ Violin Sonata No.1 in F major, Op.8 – I. Allegro con brio
2 – Grieg_ Violin Sonata No.1 in F major, Op.8 – II. Allegretto quasi andantino
3 – Grieg_ Violin Sonata No.1 in F major, Op.8 – III. Allegro molto vivace
4 – Bartok_ Sonata for solo violin – I.Tempo di ciaccona
5 – Bartok_ Sonata for solo violin – II. Fuga (Resoluto, non troppo vivo)
6 – Bartok_ Sonata for solo violin – III. Melodia (Adagio)
7 – Bartok_ Sonata for solo violin – IV. Presto
8 – R. Strauss_ Violin Sonata in E flat major, Op.18 – I. Allegro
9 – R. Strauss_ Violin Sonata in E flat major, Op.18 – II. Improvisation (Andante
10 – R. Strauss_ Violin Sonata in E flat major, Op.18 – III. Finale (Andate-Allegro)

Vilde Frang – Violin
Michail Lifits – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

3749

Vilde Frang -Outra bela e talentosa violinista da nova geração.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Édouard Lalo (1823-1892) – Ouverture to ‘Le Roi d’Ys’, Violin Concerto in F major Op.20, Scherzo in D minor, Concerto russe Op.29 – Charlier, BBCP, Tortelier

front1-e1388097039498-1019x1024Acho que preciso da  ajuda dos senhores para tentarem me convencer que este cd merece as quatro estrelas e meia que os clientes da amazon.com lhe concedem. Tudo bem que Olivier Charlier não é um Itzhak Perlman mas muitas vezes me parece que ele meio que tenta tirar leite de pedra neste CD com obras de Édouard Lalo para violino e orquestra. Aliás, preciso confessar que depois de ouvir esse CD entendi porque a Symphonie espagnole é a obra mais gravada do francês. A abertura da ópera “Le Roi d’Ys” traz bons momentos, mas também não me convenceu. O Scherzo in D Minor é mais dinâmico, traz idéias bem desenvolvidas, assim como o Concerto Russe, onde Charlier pode mostrar um pouco mais o seu talento.
Mesmo o Concerto para Violino não é tão vultuoso e imponente quanto a Symphonie espagnole. Nem virtuosístico, eu diria, apesar de ter sido escrito quase que na mesma época da Symphonie, e de também ter sido composta para o grande Pablo de Sarasate, o grande violinista do século XIX, ao lado de Paganini e de Joseph Joachim.
Apesar das críticas positivas da amazon a respeito do CD, considero estas obras bem inferiores à Symphonie Espagnole. Tortelier também não em convence, parece meio apático, mesmo a frente da excelente BBC Philharmonic. Enfim, em minha opinião, um cd um tanto quanto tedioso. Mas deixo a critério dos senhores as considerações finais.

01. Ouverture to ‘Le Roi d’Ys’
02. Violin Concerto in F major Op.20, I. Première partie Adante – Allegro
03. Violin Concerto in F major Op.20, II. Deuxième partie Andantino –
04. Violin Concerto in F major Op.20, Allegro con fuoco
05. Scherzo in D minor
06. Concerto russe Op.29, I. Prélude – Allegro
07. Concerto russe Op.29, II. Chants russes
08. Concerto russe Op.29, III. Intermezzo
09. Concerto russe Op.29, IV. Introduction – Chants russes

Olivier Charlier – Violin
BBC Philharmonic
Yan Pascal Tortelier – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Édouard Lalo (1823-1892) – Spanish Symphony, op. 21 – Maurice Ravel (1875-1937) – Tzigane

510ALQ6uivLMais um CD de Itzhak Perlman, desta vez tocando Lalo, a belíssima Sinfonia Espanhola. Como não poderia deixar de ser, mais um show de virtuosismo e técnica, sob a competente regência de André Previn frente à Sinfônica de Londres. Um discaço, ainda mais que para conclusão Perlman encara a Tzigane de Ravel. Coisa de doido. Ouçam quantas vezes quiserem, e me digam se o então jovem Perlman já não era um violinista sensacional.
Muito calor aqui no interior de Santa Catarina, minha cidade hoje bateu o recorde de temperatura no estado, com uma sensação térmica de 44°C. E o verão está apenas começando.

Itzhak Perlman – Lalo Spanish Symphony Op.21 – 1. Allegro non troppo
Itzhak Perlman – Lalo Spanish Symphony Op.21 – 2. Scherzando. Allegro molto
Itzhak Perlman – Lalo Spanish Symphony Op.21 – 3. Intermezzo. Allegro non troppo
Itzhak Perlman – Lalo Spanish Symphony Op.21 – 4. Andante
Itzhak Perlman – Lalo Spanish Symphony Op.21 – 5. Rondo. allegro
Itzhak Perlman – Ravel Tzigane

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Frideric Handel (1685-1759) – Messiah – Choir of King´s College, Cambridge, Academy of Ancient Music, Cleobury

folderPor mais redundante que possa parecer, o gigantesco Oratório Messiah, de Handel, é obra obrigatória no Natal, juntamente com as Paixões de Bach, e o Balé Quebra Nozes, de Tchaikovsky. Duvido que alguém duvide que se trata de uma das mais belas composições da história da música. E que devemos ouvi-la sempre que possível. E por este motivo, esta será uma das minhas contribuições para as postagens de Natal previstas.
Esta gravação é a mais recente que possuo, tendo sido realizada em 2009. Eis o texto de apresentação que aparece no CD:

“In a joyous contribution to Handel´s 250th anniversary cellebrations, EMI Classics brings together a world famous Choir and a superb team of young soloists to record a Messiah  Live in the celebrated Chapel  fo King´s College, Cambridge.”

Não sei porque o texto esqueceu de mencionar que se tratava de comemorar os 250 anos da morte de Handel, mas isso não importa. O que importa é que temos uma das melhores orquestras de época da atualidade, junto com um dos melhores corais ingleses. Como detalha o texto, os solistas são jovens, porém excelentes.
Um Feliz Natal para todos os nossos fiéis leitores que nos acompanham pacientemente já há sete anos e espero que continuem nos acompanhando.

CD 1
01 – Part the first – Sinfony – Grave – Allegro moderato
02 – Accompagnato – Comfort ye my people
03 – Air – Ev’ry valley shall be exalted
04 – Chorus – And the glory of the Lord shall be revealed
05 – Accompagnato – Thus saith the Lord of Hosts
06 – Air – But who may abide the day of His coming
07 – Chorus – And He shall purify
08 – Recitative – Behold, a virgin shall conceive
09 – Air – O thou that tellest good tidings to Zion
10 – Chorus – O thou that tellest good tidings to Zion
11 – Accompagnato – For behold, darkness shall cover the earth
12 – Air – The people that walked in darkness
13 – Chorus – For unto us a Child is born
14 – Pifa – Largetto e mezzo piano
15 – Recitative – There were shepherds, Accompagnato – And lo, the angel of the Lord, Recitative – And hte angel said unto them
16 – Accompagnato – And suddenly there was with the angel, Chorus – Glory to God in the highest
17 – Air – Rejoice greatly, O daughter of Zion
18 – Recitative – Then shall the eys of the blind be open’d
19 – Air – He shall feed His flock like a shepherd
20 – Chorus – His yoke is easy, His burthen is light
21 – Part the second – Chorus – Behold, the Lamb of God
22 – Air – He was despised

CD 2

01 – Chorus – Surely, He hath borne our griefs
02 – Chorus – And with His stripes we are healed
03 – Chorus – All we like sheep have gone astray
04 – Accompagnato – All they that see Him, laugh Him to scorn
05 – Chorus – He trusted in God
06 – Accompagnato – Thy rebuke hath broken His heart
07 – Arioso – Behold, and see if there be any sorrow
08 – Accompagnato – He was cut off out of the land of the living
09 – Air – But Thou didst not leave His soul in hell
10 – Chorus – Lift up your heads, O ye gates
11 – Recitative – Unto which of the angels
12 – Chorus – Let all the angels of God worship Him
13 – Air – Thou art gone up on high
14 – Chorus – The Lord gave the word
15 – Air – How beautiful are the feet
16 – Chorus – Their sound in gone out into all lands
17 – Air – Why do the nations so furiously rage together
18 – Chorus – Let us break their bonds asunder
19 – Recitative – He that dwelleth in heaven
20 – Air – Thou shalt break them
21 – Chorus – Hallelujah
22 – Part the third – Air – I know that my Redeemer liveth
23 – Chorus – Since by man came death
24 – Accompagnato – Behold, I tell you a mystery
25 – Air – The trumpet shall sound
26 – Recitative – Then shall be brought to pass the saying
27 – Duet – O death, where is thy sting
28 – Chorus – But thanks be to God
29 – Air – If God be for us
30 – Chorus – Worthy is the lamb that was slain
31 – Chorus – Amen

Allish Tynan – Soprano
Alice Coote – Mezzo Soprano
Allan Clayton – Tenor
Mathew Rose – Bass
Choir of King´s College, Cambridge
Academy of Ancient Music
Stephen Cleobury – Conductor

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): A Paixão Segundo São Mateus, BWV 244

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Esqueça o comércio, mande às favas os parentes e os presentes. Muito melhor do que sair fazendo compras neste dia 23 é ouvir esta estupenda versão da Paixão Segundo São Mateus a cargo de um supertime: René Jacobs mais a Akademie für Alte Musik Berlin e solistas. Algumas opções tomadas são questionáveis. O engenheiro de som deixou algumas vozes mais afastadas do que as outras, certamente na tentativa de dar um caráter operístico à obra-prima de Bach. Ah, a Paixão não é uma ópera? Na minha opinião, é. Para quem conhece a história bíblica, o jogo de vozes fica interessante, mas, para quem vem apenas à catedral da música, talvez fique um pouco esquisito. De resto, que versão! Acho que ainda levaria para a ilha deserta o registro de Gardiner, mas confesso que ficaria em dúvida na hora de arrumar a pequena mala.

A gravação é novíssima, de agosto e setembro de 2012.

J. S. Bach (1685-1750): A Paixão Segundo São Mateus, BWV 244

Disk: 1
1. Chor: Kommt, Ihr Töchter, Helft Mir Klagen (1. Teil)
2. Rezitativ: Da Jesus Diese Rede Vollendet Hatte
3. Choral: Herzliebster Jesu, Was Hast Du Verbrochen
4. Rezitativ: Da Versammelten Sich Die Hohepriester – Chor: Ja Nicht Auf Das Fest – Rezitativ: Da Nun Jesus
5. Rezitativ: Du Lieber Heiland Du
6. Arie: Buß’ Und Reu’
7. Rezitativ: Da Ging Hin Der Zwölfen Einer
8. Arie: Blute Nur, Du Liebes Herz
9. Rezitativ: Aber Am Ersten Tage Der Süßen Brot – Chor: Wo Willst Du, Daß Wir Dir Bereiten Das Osterlamm Zu Essen?
10. Choral: Ich Bins, Ich Sollte Büßen
11. Rezitativ: Er Antwortete Und Sprach
12. Rezitativ: Wiewohl Mein Herz In Tränen Schwimmt
13. Arie: Ich Will Dir Mein Herze Schenken
14. Rezitativ: Und Da Sie Den Lobgesang Gesprochen Hatten
15. Choral: Erkenne Mich, Mein Hüter
16. Rezitativ: Petrus Aber Antwortete Und Sprach Zu Ihm
17. Choral: Ich Will Hier Bei Dir Stehen
18. Rezitativ: Da Kam Jesus Mit Ihnen Zu Einem Hofe
19. Rezitativ: O Schmerz! Hier Zittert Das Gequälte Herz
20. Arie: Ich Will Bei Meinem Jesu Wachen
21. Rezitativ: Und Ging Hin Ein Wenig
22. Rezitativ: Der Heiland Fällt Vor Seinem Vater Nieder
23. Arie: Gerne Will Ich Mich Bequemen
24. Rezitativ: Und Er Kam Zu Seinen Jüngern
25. Choral: Was Mein Gott Will, Das G’scheh’ Allzeit
26. Rezitativ: Und Er Kam Und Fand Sie Aber Schlafend
27. Arie: So Ist Mein Jesus Nun Gefangen – Chor: Sind Blitze Und Donner In Wolken Verschwunden
28. Rezitativ: Und Siehe, Einer Aus Denen
29. Choral: O Mensch, Bewein’ Dein’ Sünde Groß
30. Arie: Ach, Nun Ist Mein Jesus Hin! (2. Teil)
31. Rezitativ: Die Aber Jesum Gegriffen Hatten
32. Choral: Mit Hat Die Welt Trüglich Gericht’t
33. Rezitativ: Und Wiewohl Viel Falsche Zeugen Herzutraten
34. Rezitativ: Mein Jesus Schweigt Zu Falschen Lügen Stille
35. Arie: Geduld! Wenn Mich Falsche Zungen Stechen
36. Rezitativ: Und Der Hohepriester Antwortete – Chor: Er Ist Des Todes Schuldig
37. Choral: Wer Hat Dich So Geschlagen

Disk: 2
1. Rezitativ: Petrus Aber Saß Draußen Im Palast
2. Chor: Wahrlich, Du Bist Auch Einer Von Denen
3. Arie: Erbarme Dich, Mein Gott
4. Choral: Bin Ich Gleich Von Dir Gewichen
5. Rezitativ: Des Morgens Aber Hielten Alle Hohepriester – Chor: Was Gehet Uns Das An
6. Rezitativ: Sie Hielten Aber Einen Rat
7. Choral: Befiehl Du Deine Wege
8. Auf Das Fest Aber Hatte Der Landpfleger Gewohnheit – Chor: Laß Ihn Kreuzigen
9. Choral: Wie Wunderbarlich Ist Doch Diese Strafe!
10. Rezitativ: Der Landpfleger Sagte
11. Rezitativ: Er Hat Uns Allen Wohlgetan
12. Arie: Aus Liebe Will Mein Heiland Sterben!
13. Rezitativ: Sie Schrieen Aber Noch Mehr – Chor: Laß Ihn Kreuzigen – Rezitativ: Da Aber Pilatus Sahe
14. Rezitativ: Erbarm’ Es Gott!
15. Arie: Können Tränen Meiner Wangen
16. Rezitativ: Da Nahmen Die Kriegsknechte – Chor: Gegrüßet Seist Du, Judenkönig – Rezitativ: Und Speieten Ihn An
17. Choral: O Haupt Voll Blut Und Wunden
18. Rezitativ: Und Da Sie Ihn Verspottet Hatten
19. Rezitativ: Ja! Freilich Will In Uns Das Fleisch Und Blut
20. Arie: Komm, Süßes Kreuz, So Will Ich Sagen
21. Rezitativ: Und Da Sie An Die Stätte Kamen – Chor: Der Du Den Tempel Gottes Zerbrichst – Rezitativ: Desgleichen Auch Die
22. Rezitativ: Ach Golgatha
23. Arie: Sehet, Jesus Hat Die Hand
24. Und Von Der Sechsten Stunde An – Chor: Der Rufet Den Elias – Und Bald Lief Einer Unter Ihnen – Chor: Halt! Laß Sehen
25. Choral: Wenn Ich Einmal Soll Scheiden
26. Rezitativ: Und Siehe Da, Der Vorhang Im Tempel Zerriß
27. Rezitativ: Am Abend, Da Es Kühle War
28. Arie: Mache Dich, Mein Herze, Rein
29. Rezitativ: Und Joseph Nahm Den Leib – Chor: Herr, Wir Haben Gedacht – Rezitativ: Pilatus Sprach Zu Ihnen
30. Rezitativ: Nun Ist Der Herr Zur Ruh’ Gebracht
31. Chor 1 Und 2: Wir Setzen Uns Mit Tränen Nieder
32. Rezitativ: Ja! Freilich Will In Uns
33. Arie: Komm, Süßes Kreuz

Sunhae Im
Bernarda Fink
Werner Güra
Topi Lehtipuu
Johannes Weisser
Konstantin Wolff

RIAS Kammerchor
Akademie für Alte Musik Berlin
René Jacobs

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O belga René Jacobs: sai de baixo!

O belga René Jacobs: sai de baixo!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sergey Prokofiev (1891-1953) – Violin Sonatas n° 1 e 2, Violin Concerto n°2 – Perlman, Ashkenazy, BSO, Leinsdorf

510ALQ6uivLChamar de IM-PER-DÍ-VEL um CD que contém as sonatas para violino de Prokofiev e o concerto para violino n°2 do mesmo Prokofiev com a turma citada no título é no mínimo redundante. Por isso nem vou falar nada, apenas convidá-los para ouvir este CD maravilhoso, ímpar, sensacional.Quando mais ouço Prokofiev mais fico embascado com esse compositor. Confesso que ouvi poucas vezes na minha vida estas sonatas para violino, e não me perdôo por isso.

E Itzhak Perlman é a cereja no bolo, eu diria. É um intérprete tão perfeito que dar cinco estrelas para essa sua leitura também se torna redundante, pois seu nome já se associa a genialidade, virtuosismo, técnica apuradíssima e uma musicalidade idem. Por isso, recomendo novamente aquele bom vinho e a sua melhor poltrona para melhor apreciar esse CD.

1 Prokofiev Sonata No. 1 in F Minor_ Andante Assai
2 Prokofiev Sonata No. 1 in F Minor_ Allegro Brusco
3 Prokofiev Sonata No. 1 in F Minor_ Andante
4 Prokofiev Sonata No. 1 in F Minor_ Grissimo
5 Prokofiev Sonata No. 2 in D_ Moderato
6 Prokofiev Sonata No. 2 in D_ Scherzo_ Presto
7 Prokofiev Sonata No. 2 in D_ Andante
8 Prokofiev Sonata No. 2 in D_ Allegro con brio
9 Prokofiev Concerto No. 2 in G Minor_ Allegro Moderato
10 Prokofiev Concerto No. 2 in G Minor_ Andante Assai
11 Prokofiev Concerto No. 2 in G Minor_  Allegro, ben marcato

Itzkah Perlman – Violin
Vladimir Ashkenazy – Piano
Boston Symphony Orchestra
Erich Leinsdorf – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Aram Khachaturian (1903-1978) – Piano Concerto, Violin Concerto, Masquarade Suite, Symphony n°2 – Larrocha, Burgos, Ricci, et. all. “

img342Creio que esta seja a primeira vez que posto Khachaturian, um compositor que realmente não aparece muito aqui no PQPBach, o que convenhamos, é uma pena, pois ele tem obras belíssimas, como as presentes aqui neste cd da série Double Decca.
O primeiro CD traz com dois concertos belíssimos, o para Piano e o sensacional Concerto para Violino, ambos com dois gigantes em seus instrumentos, Alicia de Larrocha e Ruggiero Ricci. Khachaturian tinha uma característica bem particular em suas composições, que era misturar elementos da música folclórica de seu país natal, Armênia, e isso torna sua obra no mínimo, peculiar. O segundo cd traz outra obra que é mais conhecida e gravada do compositor, “Masquarade Suite”. E para concluir o próprio Kachaturian interpreta sua Segunda Sinfonia regendo a Filarmônica de Viena. Infelizmente neste cd não vamos ter o maravilhoso Adagio, do Ballet Spartacus, uma das mais belas obras compostas por Kachaturian. O trarei em outra ocasião.
Então, vamos ao que viemos. Espero que gostem.

CD 1
1 Piano Concerto I Allegro ma non troppo e maestoso
2 Piano Concerto -II- Andante con anima
3 Piano Concerto -III- Allegro brilliante

Alicia de Larrocha – Piano
London Philharmonic Orchestra
Rafael Frübeck de Burgos – Conductor

4 Violin Concerto -I- Allegro con fermezza
5 Violin Concerto -II- Andante sostenuto
6 Violin Concerto -III- Allegro vivace

Ruggiero Ricci – Violin
London Philharmonic Orchestra
Anatole Fistoulari – Conductor

CD 2

1 Masquerade suite_ Waltz
2 Masquerade suite_ Nocturne
3 Masquerade suite_ Mazurka
4 Masquerade suite_ Romance
5 Masquerade suite_ Galop

London Symphony Orchestra
Stanley Black – Conductor

6 Symphony No.2 -I- Andante maestoso
7 Symphony No.2 -II- Allegro risoluto
8 Symphony No.2 -III- Andante sostenuto
9 Symphony No.2 -IV- Andante mosso – Allegro sostenuto, maestoso

Wiener Philharmoniker
Aram Khachaturian – Conductor

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

khachaturian

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um tríptico para o bandolim (3) (.:Interlúdio:.): Antonio Lucio Vivaldi (1678-1741), Pixinguinha (1897-1973) e mais uma turma [Acervo PQPBach]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Terceiro álbum do tríptico: agora é Choro!

E não é que, nessa correria, eu passei batido pelo dia 1º de dezembro, data em que completei dois anos de PQPBach…

Bom, então vamos comemorar, ainda que atrasados, essa data tão cara à minha pessoa.

Sim! O Bandolim português, chegou ao Brasil e, claro, mudou de tamanho, de forma, e foi cooptado pela música popular. Surgiu o Choro, o internacionalmente conhecido Brazilian Jazz. E que criações saíram de mentes brilhantes como os chorões! Nesse álbum temos peças organizadas e várias delas arranjadas por Radamés Gnattali, estrela da postagem abaixo. Radamés ainda faz a ponte entre a música popular e a erudita, colocando um grupo de chorões para executar um concerto vivaldiano, um dos compositores mais importantes do instrumento avô do bandolim.

Teremos, após uma elegante introdução com Vivaldi, um álbum dominado por outro gênio: Pixinguinha, acompanhado de uma constelação de outros nomes de peso: Benedicto Lacerda, Anacleto de Medeiros e Henrique Alves de Mesquita. E esta junção de compositores separados por tanto tempo (quase 300 anos) e um oceano todo de distância não é mera casualidade ou gosto do maestro Gnattali que ordenou essas obras: há a ponte entre as linhas melódicas, os contrapontos e os contracantos do Padre Ruivo com as obras dos autores brasileiros: semelhanças estruturas são percebidas e ainda mais evidenciadas pela utilização do mesmo grupo de instrumentos. Genial!

Na execução, o próprio Radamés no piano e  o cravo, o bandolinista Joel Nascimento (a grande estrela da noite, solista do álbum abaixo também), acompanhados pela preciosa Camerata Carioca. Bom, é um álbum editado pela Funarte. É daqueles em que é muito difícil de errar: é cultura brasileira da mais alta qualidade!

Ouça! Derreta-se! Vibre! Deleite-se!

Vivaldi e Pixinguinha
por Radamés Gnattali, Joel Nascimento e Camerata Carioca.

01. Concerto Grosso, op.3, nº11 (I. Allegro, II. Largo, III. Allegro) – Antonio Lucio Vivaldi
02. Carinhoso – Pixinguinha / João de Barro
03. Ingênuo – Pixinguinha / Benedicto Lacerda
04. Vou vivendo – Pixinguinha / Benedicto Lacerda
05. Jubileu – Anacleto de Medeiros
06. Batuque – Henrique Alves de Mesquita
07. Marreco quer água – Pixinguinha
08. Devagar e sempre – Pixinguinha / Benedicto Lacerda
09. Tapa Buraco – Pixinguinha
10. Um a Zero – Pixinguinha / Benedicto Lacerda

Radamés, Gnattali, piano e cravo
Joel Nascimento, bandolim
Camerata Carioca
Curitiba, Teatro Guaíra, 1980

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE:

PQPShare – FLAC  encartes em 5.0Mpixel (180Mb)
PQPShare – MP3  encartes em 5.0Mpixel (92Mb)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

POR FAVOR… NÃO ESQUEÇA DE ESCREVER UMAS LETRINHAS. Não se esqueça de mim…

Momento cuti-cuti: criança toca o mandolino tradicional americano.
Há que se treinar desde cedo.

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um tríptico para o bandolim (2): Radamés Gnatalli (1906-1988): Concerto para Bandolim, Suíte Antiga – Waldemar Henrique (1905-1995): Canções e Lendas Amazônicas [Acervo PQPBach]

BAITA DISCÃO !!!

Postado originalmente em 20 de dezembro de 2012.

Bom, hoje é quinta, 20 de dezembro de 2012, véspera do tão propalado Fim do Mundo do Calendário Maia (aliás, eu ainda não entendi: o mundo acaba na madrugada do dia 20 para o 21 ou na madrugada do 21 para o 22?).

De qualquer forma, como já se tornou rotina aqui no P.Q.P.Bach, quinta é dia de música brasileira: postaremos alguma coisa que faça com que vossas almas sublimem, a despeito de qualquer cataclismo que se anuncie!

Aliás, posto em especial este disco hoje porque é um que eu gostaria de estar ouvindo quando tudo estivesse se acabando e eu, alheio a tudo, absorto em sua música, nem percebesse a gravidade do problema que se anunciara na janela…

Por que justo esse? Porque temos dois compositores geniais com músicas igualmente geniais!

Primeiro, é-nos apresentado Radamés Gnatalli, o gaúcho amigo de Tom Jobim (também um dos maiores compositores do século XX) que se tornou essencialmente carioca e que unia como poucos a música erudita ao choro (muitos no exterior chamam-no de Brazilian jazz) de forma tão fluida e fácil  e transitava entre eles como se pulasse entre pedrinhas de um riacho. Simples assim… Em seu inspiradíssimo Concerto para Bandolim e Cordas, parece que erudito e choro sempre estiveram juntos! Já a Suíte Antiga é um pouco mais tradicional, mas mostra um compositor muito versátil.

O Lado B do disco brinda-nos com Waldemar Henrique. O paraense é daqueles raros casos que conseguem fazer de coisas extremamente simples obras de grande força. Suas Canções e Lendas Amazônicas trazem elementos do cancioneiro do Norte do Brasil para dentro do canto lírico e recuperam muito do folclore, das crenças e das tradições das terras da Grande Floresta.

Ambos têm em comum a enorme capacidade de resumir elementos do popular e regional na música erudita, mas de tal forma que a simbiose seja tão grande que fique extremamente difícil de classificar suas composições como “eruditas” ou “MPB”.

Quer um conselho? Ouça esse álbum todo e esqueça que o mundo se acaba amanhã. Ouça! Deleite-se!

Ah, Esse concerto foi transmitido, na época, pela TV Cultura. Um joia!

Radamés Gnatalli e Waldemar Henrique
80 Anos de Música Brasileira

Radamés Gnattali (Porto Alegre, RS, 1906 – Rio de Janeiro, RJ, 1988)
01. Concerto para Bandolim e Cordas, I. Alegro Moderato
02. Concerto para Bandolim e Cordas, II. Lento Expressivo
03. Concerto para Bandolim e Cordas, III. Com Espírito
04. Suíte Antiga para Cordas, I. Abertura
05. Suíte Antiga para Cordas, II. Gavota
06. Suíte Antiga para Cordas, III. Ária
07. Suíte Antiga para Cordas, IV. Minueto
08. Suíte Antiga para Cordas, V. Giga
Waldemar Henrique (Belém, PA, 1905-1995)
09. Trem de Alagoas
10. Canções Amazônicas – Senhora Dona Sancha
11. Lendas Amazônicas, IV. Matinta Perêra (olha o Tom Jobim bebendo um verso das “Águas de Março” aqui…)
12. Coco Peneruê
13. Lendas Amazônicas, III. Tamba-Tajá
14. Lendas Amazônicas, V. Uirapuru
15. Lendas Amazônicas, II. Cobra Grande
16. Lendas Amazônicas, I. Foi o Boto, Sinhá

Joel Nascimento, bandolim (faixas 01 a 08)
Ruth Staerke, soprano (faixas 09 a 16)
Orquestra de Câmara de Blumenau
Norton Morozowicz, regente
Concerto gravado no Teatro São Pedro, Porto Alegre , 1986

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (142Mb):

PQPShare – FLAC  encartes em 5.0Mpixel
PQPShare – MP3  encartes em 5.0Mpixel

Partituras e outros que tais? Clique aqui

POR FAVOR… TEÇA ALGUM COMENTÁRIO. Não me deixe só…

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um tríptico para o bandolim (1): Antonio Lucio Vivaldi (1678-1741): Concerti per Mandolino

SHOW DE BOLA !!!

Começamos com o avô do bandolim

Ah, finalmente!

Depois de um hiato de quase três meses, este Bisnaga que vos fala conseguiu retornar às tão queridas postagens neste repositório imenso e espaço sagrado da música clássica chamado PQPBach!

E hoje resolvi dar uma de workaholic e fazer logo uma postagem tríptica dedicada ao bandolim, para já voltar com categoria.

Começamos a série com os Concertos para Mandolino de Antonio Vivaldi, cara que era um doido varrido e que, por isso mesmo, compunha deliciosamente! Vivaldi escrevia músicas compulsivamente: tem coisa de quase duas mil composições. Quando tinha um estalo de um tema, ele parava o que estava fazendo para escrever antes que perdesse aquela melodia que pipocara em sua cabeça de longas madeixas ruivas.

Dizem que o Padre Antonio Lucio Vivaldi chegou a parar no meio do sermão de uma missa que celebrava para escrever umas linhas musicais ali na sacristia (eu acho que nem deve ter voltado mais…). Por não conseguir realizar a contento o rito católico, foi retirado das celebrações e lhe deram cargo de professor de violino na escola católica, onde, com certeza, saiu-se melhor.

Ou seja, era um doidivano! Desses loucos extremamente necessários à humanidade.

E Vivaldi é só o começo das três postagem de hoje (essa é a primeira), cuja grande estrela é o Bandolim. Começamos com o ancestral dele, o Mandolino, para entendermos um pouco da evolução desse instrumento.

O bandolim, tão cara de Brasil que é, tem sua origem na Europa. É um instrumento da família do alaúde. O patriarca (al-oud), por sua vez, veio lá do Oriente Médio e apareceu na Europa na Idade Média. Dele surgiram variações, como o Mandolino (foto acima), já no Renascimento (séculos XVI e XVII), que da Itália se espalhou por outros países: Portugal e Alemanha tem também produções importantes do instrumento, enquanto a Espanha ficou mais com o alaúde próximo de sua forma original. Os portugueses acabaram chamando a Mandola e o Mandolino de Bandola e Bandolim. Em terras lusas ele adquiriu um formato mais semelhante a uma gota e a caixa acústica ficou mais curta.

De Portugal para o Brasil, o Bandolim sofreu outras alterações: o bandolim brasileiro é mais achatado e mais bojudo que o português. Sua forma e seu som acabaram se distanciando ainda mais do avô italiano. Ma che!

Aqui, hoje, vamos mostrar um pouco do vovô Mandolino. E Vivaldi soube muito bem extrair grandes melodias desse instrumento. Os solistas, Ugo Orlandi e Dorina Frati, são de alta categoria e fazem ainda maior a música do Padre Ruivo.

Eu, se fosse você, não deixava de conferir isso: Ouça! Deleite-se!

Antonio Lucio Vivaldi (1678-1741)
Concerti per Mandolino

01. Concerto en Sol Maggiore RV532 per 2 mandolini, I. Allegro
02. Concerto en Sol Maggiore RV532 per 2 mandolini, II. Andante
03. Concerto en Sol Maggiore RV532 per 2 mandolini, III. Allegro
04. Concerto en Do Maggiore RV435 per mandolino, I. Allegro
05. Concerto en Do Maggiore RV435 per mandolino, II. Largo
06. Concerto en Do Maggiore RV435 per mandolino, III. Allegro
07. Concerto en Do Maggiore RV558, I. Allegro molto
08. Concerto en Do Maggiore RV558, II. Andante molto
09. Concerto en Do Maggiore RV558, III. Allegro
10. Concerto en Re Maggiore RV93, per mandolino, I. Allegro giusto
11. Concerto en Re Maggiore RV93, per mandolino, II. Largo
12. Concerto en Re Maggiore RV93, per mandolino, III. Allegro

Ugo Orlandi, mandolino
Dorina Frati, mandolino
I Solisti Veneti
Claudio Scimone
1984

Download (94Mb):
PQPSharee

POR FAVOR… TEÇA ALGUM COMENTÁRIO. Não me deixe só…


Baita instrumento, não?

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – O Holder Tag, Erwunschte Zeit (Hochzeitskantate), BWV 210, Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate), BWV 211 – Suzuki, Sampson, Sakurada, Schrekenberger, BCJ

01Massaki Suzuki é um maestro japonês e uma das maiores autoridades na obra de Johann Sebastian da atualidade. Gravou até agora cinquenta e cinco cds com Cantatas de papai, com tremenda competência, um dos quais trago aqui, para mostrar aos senhores como a música é universal: maestro, orquestra e solistas japoneses gravam por um selo ueco (BIS) a obra de um compositor alemão que viveu entre os séculos XVII e XVIII.
As cantatas que ora vos trago são chamadas de Seculares, ou seja, não são sacras, ou seja, não tinham cunho litúrgico, e não possuem textos religiosos. A mais famosa delas, e que consta neste CD, é a de , BWV 211 Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate).
Maiores informações sobre as obras, com direito a libreto e suas respectivas partituras, os senhores encontram no arquivo anexo. Ou então, podem ler aqui , um divertido artigo que nosso amigo Milton Ribeiro escreveu recentemente.

01 – O Holder Tag, Erwunschte Zeit (Hochzeitskantate), BWV 210 I. Recitativo (Soprano)
02 – 2.Aria (Soprano)- Spielet, ihr beseelten Lieder
03 – 3.Recitative (Soprano)- Doch haltet ein, ihr muntern Saiten
04 – 4.Aria (Soprano)- Ruhet hie, matte Tone
05 – 5.Recitative (Soprano)- So glaubt man denn, dass die Musik
06 – 6.Aria (Soprano)- Schweigt, ihr Floten, schweigt, ihr Tone
07 – 7.Recitative (Soprano)- Was Luft- was Grab- Soll die Musik verderben
08 – 8.Aria (Soprano)- Grosser Gronner, dein Vergnugen muss auch unsern klang beseigen
09 – 9.Recitative (Soprano)- Hochteurer Mann, so fahre fenen fort
10 – 10.Aria (Soprano)- Seid begluckt, edle Beide
11 – Schweigt stille, plaudert nicht (Kaffeekantate), BWV 211 – 1. Recitative (Tenor)
12 – 2.Aria (Bass)- Hat man nicht mit seinen Kindern
13 – 3.Recitative (Soprano, Bass)- Du böses Kind, du loses Mädchen
14 – 4.Aria (Soprano)- Ei, wie schmeckt der Coffee süsse
15 – 5.Recitative (Soprano, Bass)- Wenn du mich nicht den Coffee lässt
16 – 6.Aria (Bass)- Mädchen, die von harten Sinnen
17 – 7.Recitative (Soprano, Bass)- Nun, folge, was dein Vater spricht
18 – 8.Aria (Soprano)- Heute noch, lieber Vater, thut es doch
19 – 9.Recitative (Tenor)- Nun geht und sucht den alten Schlendrian
20 – 10.Chorale- Die Katze läßt das Mausen nicht

Carolyn Sampson – Soprano
Makoto Sakurada – Tenor
Stephan Schreckenberger – Bass
Bach Collegium Japan
Massaki Suzuki – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Diretamente do outro lado do globo, eis um grande especialista em Bach

Diretamente do outro lado do globo, eis um grande especialista em Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Felix Mendelssohn Bartholdy (1809-1847) – Concerto for Two Pianos and Orchestra in E, Max Bruch (1838-1920) – Concerto for Two Pianos and Orchesta, op. 88a – Labèque Sisters, Bichkov, Philharmonia Orchestra

frontConfesso que a primeira vez em que tive em mãos um disco das Irmãs Labèque, me apaixonei. Pelas duas. E pelo LP, que comprei e tenho até hoje, no qual elas tocam a maravilhosa Rapshody in Blue do Gershwin, a quatro mãos. Depois também fiquei sabendo que a Kátia Labèque, a irmã mais velha, é casada com o John McLaughlin, guitarrista inglês de jazz e fusion, um dos maiores nomes do instrumento, e do qual também sou fã há incontáveis eras.
Bem, já se passaram umas duas décadas e meia desde aquele primeiro encontro, e continuo um grande fã delas, lamentando apenas que não gravam com tanta frequência quanto eu gostaria de ouvi-las, e são muito discretas em suas vidas pessoais. Até onde sei, Kátia ainda é casada com o McLaughlin, e Mariele, não sei nada a seu respeito. Só sei que continuam lindas e deslumbrantes no palco, e tocando como nunca.
Neste cd que ora vos trago, elas unem forças com o maestro Semyon Bychkov e com a Philharmonia Orchestra para encararem dois concertos para dois pianos e orquestra, de dois gigantes do romantismo, Mendelssohn e Max Bruch. Como é característico em seu repertório, são duas obras pouco gravadas e interpretadas, e creio que desconhecidas para muita gente. Só tenho a dizer o seguinte: vale muito a pena conhecer, principalmente para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de ouvirem as irmãs Labèque tocando: é impressionante a sincronia que existe entre elas, parece realmente que tocam como se fossem uma só.

1 Mendelssohn – Concerto for 2 Pianos in E.  I. Allegro Vivace
2 Concerto. for 2 Pianos in E.  II. Adagio non troppo
3 Concerto for 2 Pianos in E.  III. Allegro
4 Bruch Concerto for 2 Pianos Op. 88a  I. Andante sostenuto
5 Concerto. for 2 Pianos Op. 88a  II. Andante con moto – Allegro molto vivace
6 Concerto for 2 Pianos Op. 88a  III. Adagio ma non troppo
7 Concerto for 2 Pianos Op. 88a  IV. Andante – Allegro

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

labeque-sisters1

Labèque Sisters – Ah, se elas me dessem bola !!!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): 33 Variações sobre uma Valsa de Diabelli

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O outro nome das 33 Variações sobre uma Valsa de Diabelli deveria ser Como fazer música sublime a partir de quase nada.

As 33 Variações sobre uma Valsa de Anton Diabelli foram concluídas em 1823. Alfred Brendel as descreveu como a maior de todas as obras para piano em seu livro Structural Functions of Harmony. Arnold Schoenberg escreveu que, em relação às características harmônicas, é o trabalho mais radical de Beethoven. A peça foi composta depois que Diabelli, um editor de música bem conhecido e que também compunha, enviou sua valsinha para todos os compositores importantes do Império Austríaco, pedindo a cada um deles uma variação. Seu plano era publicar todas as variações em uma antologia cuja renda beneficiaria os órfãos e as viúvas das Guerras Napoleônicas. Mas Beethoven escreveu 33… Diabelli ficou enlouquecido, proclamando-as como uma grande e importante obra-prima, digna das criações imperecíveis e que ocuparia um lugar ao lado de famosas peças análogas de Johann Sebastian Bach. Tinha razão. Por outro lado, Paul Lewis é um gênio, o novo Rei de Beethoven.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): 33 Variações sobre uma Valsa de Diabelli

1. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Thème. Vivace – Var. I. Alla Marcia maestoso 2:27
2. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. II. Poco allegro 0:58
3. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. III. L’istesso tempo 1:24
4. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. IV. Un poco più vivace 1:07
5. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. V. Allegro vivace 0:56
6. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. VI. Allegro ma non troppo e serioso 1:44
7. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. VII. Un poco più allegro 1:18
8. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. VIII. Poco Vivace 1:36
9. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. IX. Allegro pesante e risoluto 1:35
10. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. X. Presto 0:39
11. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XI. Allegretto 1:10
12. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XII. Un poco più moto 0:52
13. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. XIII. Vivace 1:02
14. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XIV. Grave e maestoso 3:53
15. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XV. Presto scherzando 0:36
16. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XVI. Allegro 0:58
17. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. XVII. 1:05
18. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. XVIII. Poco Moderato 1:52
19. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XIX. Presto 0:53
20. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XX. Andante 2:06
21. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XXI. Allegro con brio – Meno allegro 1:09
22. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxii. Allegro Molto 0:53
23. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxiii. Allegro Assai 0:47
24. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxiv – Fughetta. Andante 3:00
25. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XXV. Allegro 0:44
26. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxvi. 1:09
27. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxvii. Vivace 1:02
28. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxviii. Allegro 0:57
29. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxix. Adagio Ma Non Troppo 1:16
30. 33 Variations on a Waltz by Diabelli, op.120: Var. XXX. Andante, sempre cantabile 1:51
31. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxxi. Largo, Molto Espressivo 4:34
32. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxxii – Fuga. Allegro – Poco Adagio 2:53
33. 33 Variations On A Waltz By Diabelli, Op.120: Var. Xxxiii. Tempo Di Menuetto Moderato 4:08

Paul Lewis, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Paul-Lewis-007

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ginastera / Dvorak / Shostakovich: Quartetos de Cordas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Os violinistas Alejandro Carreno e Boris Suarez, o violista Ismel de Campos e o violoncelista Aimon Mata são spallas da Orquestra Sinfônica Simón Bolívar e, neste CD da DG, interpretam espetacularmente três extraordinárias composições do repertório para quarteto de cordas.

Nem Hugo Chávez, nem José Antonio Abreu imaginaram que El Sistema daria neste vendaval, pois nos últimos anos a Venezuela tornou-se um dos mais importantes centros da música erudita mundial. E nem precisamos de Gustavo Dudamel para comprovar o fato.

O particularmente difícil Quarteto de Cordas Nº 1 do argentino Alberto Ginastera, foi inspirado nos ritmos de danças hermanas. Depois temos uma interpretação perfeita do belo “Quarteto Americano” de Dvorak, escrito quando de sua visita aos EUA. (Atenção à interpretação dada ao movimento Lento!) O CD é finalizado pelo quarteto profundamente pessoal que Shostakovich dedicou às vítimas do fascismo e da guerra.

Audição obrigatória!

Ginastera / Dvorak / Shostakovich: Quartetos de Cordas

1. Ginastera: String Quartet No. 1, Op.20 – 1. Allegro violento ed agitato 4:21
2. Ginastera: String Quartet No. 1, Op.20 – 2. Vivacissimo 3:32
3. Ginastera: String Quartet No. 1, Op.20 – 3. Calmo e poetico 8:54
4. Ginastera: String Quartet No. 1, Op.20 – 4. Allegramente rustico 3:59

5. Dvorák: String Quartet No.12 in F major, Op.96 – “American” B.179 – 1. Allegro ma non troppo 9:30
6. Dvorák: String Quartet No.12 in F major, Op.96 – “American” B.179 – 2. Lento 8:18
7. Dvorák: String Quartet No.12 in F major, Op.96 – “American” B.179 – 3. Molto vivace 3:47
8. Dvorák: String Quartet No.12 in F major, Op.96 – “American” B.179 – 4. Finale (Vivace ma non troppo) 5:09

9. Shostakovich: String Quartet No.8 in C minor, Op.110 – 1. Largo 5:34
10. Shostakovich: String Quartet No.8 in C minor, Op.110 – 2. Allegro molto 2:30
11. Shostakovich: String Quartet No.8 in C minor, Op.110 – 3. Allegretto 4:17
12. Shostakovich: String Quartet No.8 in C minor, Op.110 – 4. Largo 4:56
13. Shostakovich: String Quartet No.8 in C minor, Op.110 – 5. Largo 4:02

Simon Bolivar String Quartet

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Melhor respeitar essa turma.

Melhor respeitar essa turma.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!