Sergiu Celibidache defeca sobre Herbert von Karajan

Uma entrevista de 1979 com Sergiu Celibidache, o mítico regente de Munique que, perguntado sobre alguns de seus colegas, disparou contra Karajan.

“Herbert von Karajan”, disse, “é o caso mais trágico de decadência dentre todos os maestros. Quando jovem, tinha potencial, mas depois sucumbiu a uma vaidade sem limites e chegou a uma completa incompreensão da música. Tornou-se um péssimo músico, na verdade tornou-se um não-musical”.

Perguntado por que o público adorava Karajan, Celi respondeu: eles adoram Coca-cola também.

Eu acho que as gravações falam por si. A maioria é mesmo uma merda.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Chopin – Noturnos, Sonatas – com afeto e sem afetação: o milagre de Santa Guiomar I (REVALIDADO)

Publicado originalmente em 28.04.2010

Alguns podem até achar monótono. Eu acho perfeito. Até hoje é o único Chopin solo do qual posso ouvir mais de 20 minutos sem enjoo. Mais: consigo ouvir horas em estado de sereno porém efetivo deleite.

Todo mundo acha que a marca de Chopin é o rubato (o acelera-retarda-acelera-retarda) – mas parece que Madame Novaes discorda. Ela o toca praticamente clássico, pulsação quase constante, apenas sutilmente elástica. E aí a sentimentalidade transparece límpida, não afetada: para que “interpretar” o que já é evidente, sublinhar o que já é intenso por si?

Nobreza. Se essa palavra faz sentido em algum caso, desconfio que o Chopin de Guiomar será necessariamente um dos exemplos.

Obs.: na publicação original, os Noturnos vinham divididos em dois arquivos, o segundo dos quais continha também a Sonata op.35. Ao revalidarmos o link precisamente 4 anos depois, juntamos todos os Noturnos em um arquivo só, e acrescentamos a Sonata op.58 no segundo arquivo.

Frédéric François CHOPIN (1810-1849)
NOCTURNES/NOTURNOS – gravação integral
Piano: Guiomar Novaes (1894-1979).
Noc 01 Nocturne nº 1 em si bemol menor, op.9 nº 1
Noc 02 Nocturne nº 2 em mi bemol, op.9 nº 2
Noc 03 Nocturne nº 3 em si, op.9 nº 3
Noc 04 Nocturne nº 4 em fa, op.15 nº 1
Noc 05 Nocturne nº 5 em fa sust., op.15 nº 2
Noc 06 Nocturne nº 6 em sol menor, op.15 nº 3
Noc 07 Nocturne nº 7 em do sust. menor, op.27 nº 1
Noc 08 Nocturne nº 8 em sol bemol, op.27 nº 2
Noc 09 Nocturne nº 9 em si, op.32 nº 1
Noc 10 Nocturne nº 10 em la bemol, op.32 nº 2
Noc 11 Nocturne nº 11 em sol menor, op.37 nº 1
Noc 12 Nocturne nº 12 em sol, op.37 nº 2
Noc 13 Nocturne nº 13 em do menor, op.48 nº 1
Noc 14 Nocturne nº 14 em fa sust. menor, op.48 nº 2
Noc 15 Nocturne nº 15 em fa menor, op.55 nº 1
Noc 16 Nocturne nº 16 em mi bemol, op.55 nº 2
Noc 17 Nocturne nº 17 em si, op.62 nº 1
Noc 18 Nocturne nº 18 em mi, op.62 nº 2
Noc 19 Nocturne nº 19 em mi menor, op.72 nº 1
Noc 20 Nocturne nº 20 em C sust. menor, op. posth.

. . . . . BAIXE AQUI – download here

Fryderyk Frantiszek CHOPIN (1810-1849)
SONATAS nºs 2 e 3
Piano: Guiomar Novaes (1894-1979)
>>>
SONATA nº 2, op.35, em si bemol menor (Marcha Fúnebre) – gravação 1947
35.1 Grave – doppio movimento
35.2 Scherzo
35.3 Marche Funèbre: Lento
35.4 Finale: Presto
>>> SONATA nº 3, op.58, em si menor – gravação 1941
58.1 Allegro maestoso
58.2 Scherzo
58.3 Largo
58.4 Presto, non tanto

. . . . . . . . BAIXE AQUI – download here

Ranulfus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Juan Manuel de la Puente (1692-1753) – Miserere y obras en romance para la Catedral de Jaén


.
Espacios Sonoros en la Catedral de Jaén
Orquesta Barroca de Sevilla & Coro Vandalia

Premio Manuel de Falla 2010
Premio Nacional de Música 2011

.           Barroco musical andaluz
.B
.
.
.
I.-Introducción.

Uno de los centros principales de producción musical hasta bien avanzado el siglo XIX, fueron las Capillas de Música de que estaban dotadas muchas instituciones religiosas, preferentemente las catedrales y las colegiatas.

Estas Capillas Musicales, bien surtidas de voces e instrumentos, cumplían una doble función: solemnizar con su actuación las funciones litúrgicas y proveer continuamente a la institución de composiciones adaptadas a la festividad litúrgica, renovándolas de acuerdo con las características estéticas e ideológicas de cada momento histórico.

Organizadas para interpretar música polifónica, básicamente a cuatro voces, su constitución dependía de las posibilidades económicas de la institución, que no dudaba en hacer grandes sacrificios para mantenerlas, pues se consideraba que la música era un recurso primordial para motivar a la gran masa de fieles que por su escasa formación no comprendía los fundamentos teológicos y doctrinales de las ceremonias litúrgicas, pero que a través de la audición de este tipo de partituras se integraban anímicamente en las celebraciones religiosas.

Dirigidas por un maestro experimentado- el Maestro de Capilla- su elemento vocal lo constituían habitualmente los Acantores de capilla”, compuestos por triples, contraltos, tenores y bajos, apoyados por los “niños de coro” o “seises” y el sochantre.

Las voces se acompañaban con los músicos. El más destacado era el organista, que en las fiestas mayores se complementaba con un grupo de instrumentistas, cuya composición varió según las disponibilidades económicas, pero entre los que solía haber violines, chirimías, bajones, violón, sacabuche, arpa, corneta, fagot, oboe, trompa, flauta…

La figura clave de estas agrupaciones era el “Maestro de Capilla”.

Accedía al cargo por una rigorosa y dura oposición pública, en la que aparte del dominio de la teoría de la música, debía acreditar la pericia en la dirección y su habilidad e inspiración para componer.

Sus obligaciones, bien tipificadas en los estatutos de la Catedral o colegiata, eran múltiples: debía ejercer la docencia de los componentes de la Capilla, preparar los ensayos, dirigir el conjunto de voces e instrumentos y componer una serie de obras, obligadas o sugeridas, para las distintas festividades, sobre todo las de Semana Santa, Corpus, Navidad…

El cargo solía estar bien remunerado y ofrecía muchas posibilidades para la promoción personal y profesional. Por eso eran muchos los músicos que optaban a él, entregándose a su servicio con una especial dedicación lo que hizo que las Capillas Musicales constituyeran un especialísimo medio de formación musical donde se generaron muchos insignes músicos y compositores que darían lustre y fama a la música española.

En el caso concreto de la Capilla Musical de la Catedral de Jaén, que es el escenario de nuestro trabajo, vamos a encontrarnos con nombres tan señalados como el del insigne Francisco Guerrero, que ejerció el Magisterio de Capilla en el periodo 1546-1549; el salmantino Francisco Ruiz de Espinosa, que lo sería en los años de 1565 a 1598; los renombrados Francisco Soler (1768-1784) o Ramón de Garay (1787-1823) y de forma especial el “maestro La Puente” o “Lapuente”,- Juan Manuel García de la Puente- que fue Maestro de Capilla durante un largo periodo de cuarenta y dos años (1711-1753). Sobre él vamos a ofrecer un ligero estudio.

II.- El momento histórico.

En el siglo XVIII la música española va a incrementar la tendencia contrapuntística en la música religiosa, a la que llegará incluso la influencia italiana a que tan aficionada era la nueva dinastía borbónica.

Aunque la Guerra de Sucesión con sus obligadas contribuciones había esquilmado las arcas del Cabildo Catedral de Jaén, la Capilla de Música aún mantenía su pasado esplendor, contando regularmente con dos triples, cuatro contraltos y otros tantos tenores. Aparte se disponía de los “seises” y el sochantre- a veces eran dos- que ocupaba la cuerda baja.

Entre los instrumentistas, además del organista, existía un clarín, un par de cornetas, tres violines, chirimía, tres bajones, violón, un par de sacabuches y un arpa. Conforme avanza el siglo vemos como determinados instrumentos- clarín, corneta, sacabuche y chirimía- van perdiéndose, ocupando su lugar el oboe, trompa, contrabajo y flauta.

La Capilla de Música de la Catedral era sin duda la agrupación musical más completa y prestigiosa de todo el viejo Reino de Jaén y por ello aparte de cumplimentar sus funciones específicas en la Iglesia Mayor, solía actuar- previo permiso del Cabildo- en otros templos de la provincia e incluso en algunas fiestas profanas.

Dirigía la Capilla Musical desde 1672 el maestro Pedro de Soto y Jorgera quien al iniciarse el siglo XVIII se encontraba ya muy limitado por la edad y los achaques, motivo por el que la Capilla vino en notoria decadencia. El maestro Soto fallecía en 1708.

Entonces el Cabildo entabló conversaciones con el maestro toledano Juan de Bonet y Paredes, pero como no se llegó a un acuerdo, luego de tantear a otros maestros, en Julio de 1711 se decidió convocar a oposición el magisterio de Capilla.

Los aspirantes fueron muchos: de Toledo firmaron la oposición Gregorio Portero, Fermín de Arizmendi y Juan Manuel García de la Puente. Otros opositores fueron Pedro de Arteaga -músico de la Catedral de Palencia-; Francisco de Quesada -maestro de seises en Jaén-; Carlos Barrero -maestro de seises en Guadix-; Andrés González Araujo -maestro de capilla en la colegiata de Osuna; y Mateo Núñez Fernández -capellán de la Catedral de Baeza.

Los ejercicios de oposición entre los ocho candidatos fueron muy reñidos. El tribunal lo presidió Agustín de Contreras, maestro de la Catedral de Córdoba. Aparte de comprobar su dominio de la teoría musical, tuvieron que afrontar ejercicios de contrapunto, presentar villancicos a cinco y ocho voces, componer un salmo en latín y practicar ejercicios de dirección.

Los jueces, tras valorar los méritos de cada candidato eligieron a Juan Manuel García de la Puente, que dada su juventud accedió al cargo en precario y solo por el salario, pues hasta 1716 no se le pudo otorgar la condición de racionero, una vez que cumplió la edad señalada para ello y recibió órdenes sagradas.

Iniciaba así su fecunda andadura musical, que le habría de convertir en uno de los maestros más destacados del barroco musical andaluz.

III.- El maestro Juan Manuel García de la Puente. Apuntes biográficos.

Juan Manuel García de la Puente de Sancha y García Moreno, más conocido por “maestro La Puente” y “Lapuente”, nació en Tomellosa (Guadalajara) el 8 de Agosto de 1692, en una familia de cierto prestigio y acomodo, pues sus antepasados fueron alcaldes y regidores del lugar.

Se formó como seise en la Catedral de Toledo bajo el magisterio de Pedro de Ardanaz (1674-1706) y Juan de Bonet y Paredes (1706-1710).

Posiblemente por influencia de éste último- que había sido requerido para hacerse cargo del Magisterio de Capilla de Jaén- opositó junto con dos compañeros seises, consiguiendo con tan sólo diecinueve años el puesto de Maestro de Capilla de la Catedral de Jaén. Por esta circunstancia sólo se le otorgó por “vía de salario”, asignándole 250 ducados, hasta que cumpliera la edad pertinente y se le pudiera poner en posesión de la ración correspondiente.

El 8 de Octubre de 1711 se posesionaba del cargo, señalándole provisionalmente “la silla última del coro derecho de los canónigos extravagantes”.

Para la Navidad de aquel año compuso sus primeros villancicos, que causaron admiración y fueron presagio de cual iba a ser su magna obra.

En 1714, atendiendo a “lo bien que cumplía y los mucho que trabajaba en su adelantamiento” se le aumentó el salario para que pudiera ordenarse “in sacris”.

Y el 15 de Septiembre de 1716 se le confirió, por fin, la ración de Maestro de Capilla, tomando posesión formal de su silla en el coro.

Durante su larga permanencia en Jaén, vivió siempre en la calle de los Pilarillos, próxima a la Catedral, en compañía de su hermano Juan Francisco. Debió ser poco amigo de viajes, pues no consta que saliese de Jaén en ninguna ocasión, e incluso no solía acompañar a la Capilla de Música en sus desplazamientos. Sólo en 1752 consta un viaje a los Baños de Ardales, en la provincia de Málaga, donde buscó infructuosamente la salud.

La suya fue pues una vida entregada a su vocación, muy retraída, lo que le originó algunos roces con el Cabildo animándole incluso a aspirar al magisterio de Capilla de la Catedral de Málaga en 1732.

A partir de 1750 debió padecer alguna enfermedad crónica que le limitó en sus actividades, aunque consta que ejerció como copatrono del Colegio del Santísimo Sacramento. Muy enfermo ya, el 13 de Noviembre de 1753 otorgaba testamento, parcialmente modificado un mes después. Y a las diez de la noche del 19 de Diciembre de 1753 fallecía.

(extraído de http://www.juntadeandalucia.es/averroes/~23002413/palabra/19/general/unmaestro.htm)

Juan Manuel de la Puente (Espanha, 1692-1753)
Miserere mei, Deus 1726 – Salmo a 18 voces en 7 coros:
01. Miserere mei, Deus
02. Et secundum multitudinem
03. Amplius lava me ab iniquitate mea
04. Quoniam iniquitatem meam ego cognosco
05. Tibi soli peccavi, et malum coram te feci
06. Ecce enim in iniquitatibus conceptus sum
07. Ecce enim veritatem dilexisti
08. Asperges me hysopo, et mundabor
09. Auditui meo dabis gaudium et laetitiam
10. Averte faciem tuam a peccatis meis
11. Cor mundum crea in me, Deus
12. Ne proiicias me a facie tua
13. Redde mihi laetitiam salutaris tui
14. Docebo iniquos vias tuas
15. Libera me de sanguinibus, Deus, Deus salutis meae
16. Domine, labia mea aperies
17. Quoniam si voluisses sacrificium, dedissem utique
18. Sacrificium Deo spiritus contribulatus
19. Benigne fac, Domine, in bona voluntate tua Sion
20. Tunc acceptabis sacrificium justitiae, oblationes, et holocausta

Tonada con violines a la Purísima Concepción (1719)
21. Lavanderita soy

Villancico de calenda a 10 voces en tres coros con violines a la Purísima Concepción (1734):
22. A dónde, niña hermosa

Del risco se despeña la fuentecilla – Cantata con violines al Santísimo:
23. Aria – Del risco se despeña la fuentecilla
24. Recitado – Acércate, alma mía, con ternura
25. Aria patética – Como cisne que muere cantando

Con el más puro fervor – Cantata humana con violines trovada a la Santísima Trinidad:
26. Aria – Con el más puro fervor
27. Recitado – ¡Oh, Dios, que de ti mismo
28. Aria – Ríndase ciega

Espacios Sonoros en la Catedral de Jaén – 2011
Orquesta Barroca de Sevilla & Coro Vandalia.
Maestro Enrico Onofri

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 293,9 MB | HQ Scans 10,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 135.0 + 10,3 MB – 56 min
powered by iTunes 11.1.5

Mais um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Felix Mendelssohn-Bartholdy (1809-1847) – Concerto for violin and Orchestra in E minor, op. 64, Antonin Dvorák (1841-1904) – Concerto for Violin and Orchestra in A minor, op. 53 – Stern, Ormandy, PO

JFrontá comentei em postagem anterior deste mesmo concerto de Mendelssohn que este foi o primeiro concerto para violino ao vivo que ouvi na minha vida . Teatro Guaira de Curitiba, segunda metade da década de 1970. Eu estava no início de minha adolescência, e fiquei encantado com tudo: música, os trejeitos do solista, o movimento dos braços do maestro, enfim, não foi a primeira vez em que fui a uma apresentação de uma orquestra, mas com certeza foi a primeira vez que me encantei com todo aquele espetáculo.
O Concerto de Mendelssohn com certeza é uma dos melhores já compostos para o instrumento, e com certeza um dos mais gravados e interpretados nas salas de espetáculo do mundo inteiro. Então porque trazer outra gravação, se aqui mesmo no PQPBach devem existir ainda umas três ou quatro de excelente qualidade ainda disponíveis? A resposta é bem simples: exatamente por se tratar do concerto para violino de Mendelssohn, aquele mesmo que todos conhecem, que sabem assobiar a alegre melodia do allegretto final, aquele que nos emociona como poucas outras obras são capazes de nos emocionar. E o solista aqui é Isaac Stern, um dos grandes nomes do instrumento do século XX. E a Orquestra é a de Philadelphia no seu apogeu, nas mãos de Eugene Ormandy. Tudo aqui funciona às maravilhas, solista, orquestra, todos juntos num dos grandes momentos da carreira destes excepcionais músicos.
Para completar o cd, Stern, Ormandy e a Orchestra of Philadelphia encaram outro petardo, o Concerto para Violino de Dvorák. É para não sobrar pedra sobre pedra.

01 – Violin Concerto in E minor, Op. 64- Allegro molto appassionato
02 – Violin Concerto in E minor, Op. 64- Andante
03 – Violin Concerto in E minor, Op. 64- Allegro non troppo – Allegro molto vivace
04 – Violin Concerto in A minor, B. 96-B. 108 (Op. 53)- Allegro ma non troppo
05 – Violin Concerto in A minor, B. 96-B. 108 (Op. 53)- Adagio ma non troppo
06 – Violin Concerto in A minor, B. 96-B. 108 (Op. 53)- Finale, Allegro giocoso, ma non troppo
07 – Romance for violin & orchestra in F minor (arr. from Andante of Str Qrt No. 5)

Isaac Stern – Violin
Philadelphia Orchestra
Eugene Ormandy – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

stern1

Isaac Stern – Um grande violinista com certeza

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Museu da Música de Mariana no Facebook

Mensagem do Prof. Paulo Castagna:

O Museu da Música de Mariana inaugurou, na última Páscoa, um serviço informativo diário em sua página do Facebook: veja aqui.

Nesse serviço apresentaremos áudios, vídeos, imagens e informações musicológicas interessantes relacionadas ao acervo e à história do Museu da Música. Para visualizar os posts diários basta entrar na página e curtir.

Com esse serviço pretendemos estimular o interesse pela musicologia histórica e pelo Museu da Música. Seria possível dar uma nota a respeito no PQP? Quanto mais curtidas maior o número de pessoas que será alcançada pelos posts. Pretendemos chegar à marca de 10 mil curtidas até julho.

Abraço!

Paulo Castagna
brsp@uol.com.br
http://paulocastagna.com/

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Béla Bartok – Piano Concertos, Violin Concerto #2, Concerto for Orchestra – Haitink, Szering, Kovacevich, Colin Davis, BBC Symphony Orchestra, LSO, RCO

51YwkQp7zOL

Bartók em dose dupla em altíssimo nível. Por algum motivo inexplicável estou passando por uma fase bartokiana. Vá entender as coisas do coração.
Vamos combinar uma coisa? O mano PQP considera, e eu também, a gravação dos concertos de Bártok com o Géza Anda a melhor gravação dos concertos do genial húngaro. Então, para não entrarmos em conflito, coloco esta gravação que ora vos trago, com o então jovem Stephan Bishop Kovacevich, a segunda melhor já realizada. Certo?
A impetuosidade do jovem solista não é um problema aqui. Sabemos que estes concertos bartokianos exigem muito, e por isso, neste caso, considero a impetuosidade não um problema e sim uma vantagem. E Kovacevich é um baita dum pianista e não se assusta com as armadilhas que a obra traz. Ao contrário, ás encara como gente grande. Pena que abandonou os palcos e as gravações por tanto tempo… e conta com a cumplicidade de Colin Davis, o que é um grande fator a ser somado no resultado final. Resumo da ópera: IM-PER-DÍ-VEL !!!
O segundo cd dessa caixa também é espetácular. Temos o grande violinista polonês Henryk Szering encarando o Segundo Concerto para Violino, acompanhado por Bernard Haitink dirigindo a Royal Concertgebow Orchestra. E essa dupla Haitink/RCO ainda nos brinda com uma das melhores versões que já ouvi do Concerto para Orquestra de Bártok.

CD 1
Piano Concerto No.1 – 1.Allegro moderato
Piano Concerto No.1 – 2.Andante-
Piano Concerto No.1 – 3.Allegro molto
Piano concerto No.2 – 1.Allegro
Piano concerto No.2 – 2.Adagio – Più adagio – Presto
Piano Concerto No.2 – 3.Allegro molto
Piano Concerto No.3 – 1.Allegretto
Piano Concerto No.3 – 2.Adagio religioso
Piano Concerto No.3 – 3.Allegro vivace

Stephen Bishop Kovacevich – Piano
BBC Symphony Orchestra
London Symphony Orchestra
Colin Davis – Conductor

CD 2

01 – Violin Concerto #2–I. Allegro non troppo
02 – Violin Concerto #2–II. Andante tranquillo
03 – Violin Concerto #2–III. Allegro molto
04 – Concerto for Orchestra-1. Introduzione (andante, non troppo)
05 – Concerto for Orchestra-2. Giuoco delle coppie
06 – Concerto for Orchestra-3. Elegia (andante, non troppo)
07 – Concerto for Orchestra-4. Intermezzo interroto
08 – Concerto for Orchestra-5. Finale (pesante-presto)

Henryk Szeryng – Violin
Royal Concertgebouw Orchestra
Bernard Haitink – Conductor

CD 1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Teodorico Pedrini (1671-1746), Joseph-Marie Amiot (1718-1793) – Concerto barroco na Cidade Proibida

Mais um que é IM-PER-DÍ-VEL !!!

Tem na Amazon: aqui.

Continuando na minha saga e meu afã de conhecer mais e divulgar a música ocidental feita no oriente, apresento-vos este belíssimo Concerto Barroco na Cidade Proibida, uma obra que o próprio encarte afirma ser de (entre aspas, mesmo) “barroco chinês”. na verdade, o termo é bastante apropriado para classificar o que seria a música composta por religiosos ocidentais, com um sistema musical e ritos europeus, realizada na distante China no período que, para a Europa e Latino-América, consideramos como barroco. Falar de um barroco na China (sem as aspas) seria forçação de barra, pois toda a arte deles não se alinha com a nossa e seus padrões estéticos são bem diversos dos que estamos acostumados.

Este CD mostra muito bem a  diferença e a beleza da junção entre as culturas de cá e de acolá, alternando os Divertimentos Chineses, do padre jesuíta francês Joseph-Marie Amiot (1718-1793), e as Sonatas para Instrumento, do frei vicentino italiano Teodorico Pedrini (1671-1746), missionários contemporâneos que provavelmente se conheceram.

Essa alternância é proposital, para mostrar a diferença entre as peças de Pedrini, compositor que nunca conseguiu se desvencilhar dos padrões e sonoridades de sua terra nas obras executadas na China; e as de Amiot que, ao contrário de seu colega, mergulhou de cabeça na cultura chinesa (chegando a ser membro da Academia de Ciências Chinesa, tradutor do imperador e escrevendo dicionários e uma obra de 15 volumes sobre a história, ciência e arte chinesas), compondo peças que apresentam uma mescla da música que aprendeu com a que incorporou no oriente.

O jesuíta francês soube muito bem criar algo novo e rico aos nossos ouvidos. De forma contrária a ele, a música sem grande novidade formal do colega italiano surpreende, não pela novidade (pois quase não há), mas pela beleza, mesmo. Pedrini é um baita melodista! Como suas sonatas são lindas! Por isso mesmo seu nome deva aparecer sozinho na capa do álbum. Ainda mais: as obras são executadas pelos preciosistas do XVIII-021 Musique des Lumières, grupo que não erra nas execuções, mestres do bem-executado, de um capricho inestimável.

Um verdadeira pérola do oriente! Ouça! Ouça! Deleite-se!

Amostra: A primeira sonata de Pedrini:

Concert Baroque à la Citè Interdite
Concerto barroco na Cidade Proibida

Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
01. Primeiro Divertimento chinês
Teodorico Pedrini (1671-1746)
Sonata No. 1 para violino e baixo continuo em Lá maior
02. I. Adagio
03. II. Allegro
04. III. Largo
05. IV. Adagio
06. V. Allegro
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
07. Primeiro Divertimento chinês
Teodorico Pedrini (1671-1746)
Sonata No. 7 para flauta e baixo continuo em Si bemol maior
08. I. Grave
09. II. Vivace
10. III. Adagio
11. IV. Baleto allegro
12. V. Allegro
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
13. Terceiro Divertimento chinês
Teodorico Pedrini (1671-1746)
Sonata No. 4 para violoncelo e baixo continuo em Sol menor
14. I. Grave
15. II. Cantabile
16. II. Allegro
17. IV. Grave e arcate lunghe
18. V. Allegro
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
19. 19. Segundo Divertimento chinês.
Teodorico Pedrini (1671-1746)
Sonata No. 10 para violino e baixo continuo em Dó menor
20. I. Prelúdio
21. II. Corrente Andante
22. III. Grave
23. IV. Sarabanda Vivace
24. V. Minuetto Allegro
25. VI. Adagio
26. VII. Giga Allegro
Joseph-Marie Amiot (1718-1793)
27. 27. Terceiro divertimento chinês.
Teodorico Pedrini (1671-1746)
Sonata No. 5 para flauta e baixo continuo em Sol maior
28. I. Largo
29. II. Allegro
30. III. Vivace
31. IV. Allegro
32. V. Adagio
33. VI. Allegro

Martine Chappuis, cravo
Claire Antonini, teorba
Patrik Bismuth, violino
Hagger Hanana, violoncelo
Jean-Christophe Frisch, flauta transversa e regência
XVIII-21 Musique des Lumières

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 113Mb

Sabe aquela coisa de fazer um comentário? Eu ainda gosto. Pode comentar, pessoal!

Teodorico Pedrini e Jean-Marie Amiot, já adaptados e aculturados à China.

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven : Missa Solemnis, op. 123 : tributo ao maestro Roberto Schnorrenberg (2/2)

Missa Solemnis, op. 123
Coro e Orquestra do 8º Festival Internacional de Música do Paraná

Missa Solemnis! Beethoven! Linda postagem para um domingo de Páscoa, não?

Sim, linda! Só que… não duvido que alguns leitores (felizmente não muitos) sejam capazes de se decepcionar no momento seguinte: “Ah, imagina ouvir Beethoven gravado no Brasil!”

Pois essa é uma das principais intenções desta postagem e da imediatamente anterior (publicada originalmente em janeiro): combater o complexo-de-vira-lata. Pois se trata, sim, de realizações de altíssimo nível – e a carreira de publicações do monge Ranulfus neste blog deve lhes dar uma ideia de que ele não é tão sem base pra avaliar.

Tanto que ele admite, para começar, uma deficiência nesta gravação: a captação do som, que privilegiou demais @s solistas, deixando muito ao fundo o coro, que deveria ser a estrela maior – isso sem desmerecer o trabalho impecável das duas argentinas e dos dois brasileiros nos solos!

Mas a estrela maior de uma obra sinfônica é mesmo o regente. E aí ouso dizer que, entre os brasileiros, antes dos mais recentes como Neschling, Minczuk (que eram alunos neste festival) e Tibiriçá, eu mesmo não ouvi regência sinfônica melhor que a do nosso querido Schnô, como o chamávamos (pois cantei em pelo menos três concertos e quatro obras de fôlego sob regência dele – inclusive nesta). Falam muito de Eleazar de Carvalho mas, sinceramente, o que cheguei a ouvir não chegou a me convencer como o Schnô. Desde que vocês não esperem dele pirotecnias: esperem uma concepção equilibrada, madura, que serve à escrita do compositor e não a quaisquer estrelismos. Acompanhem, por exemplo, o Crucifixus a partir dos 6m33s do Credo (faixa 3), especialmente a textura em pianíssimo a partir de 8m48s: quem ousaria me dizer que isso é uma realização de segunda? E isso com um coral de estudantes preparado em menos de um mês!

Quanto à Missa Solemnis em si: é só pesquisar um pouco e vocês encontraram informação muito mais consistente do que eu poderia fornecer – a começar pela de que foi pensada como peça de concerto, e não para efetivo uso litúrgico – mas alinhavo aqui algumas observações pessoais (e portanto fortemente sujeitas a contestação):

Acreditem, não sou um idólatra de Beethoven. Gosto demais, mas não o vejo como Deus, e também ouso ser crítico. Pra mim foi, p.ex., um alívio saber que ninguém menos que Stravinski também achava a Nona Sinfonia caótica, e não a obra prima que todos acham indispensável repetir que é. Ouso dizer que prefiro muitíssimo a Fantasia Coral, que muitos consideram um mero exercício no caminho da Nona. Já quanto a esta Missa, acho que ela cresce a cada minuto de sua duração. Termina efetivamente sublime. Mas começa fraca (repito: no meu sentir pessoal). O Kyrie/Christe me parece quase composto por obrigação, já que toda missa tem que ter um.

Gloria e Credo são textos longos, que dizem muitas coisas diferentes, e terminam sendo sempre fragmentários quando o compositor busca ser ilustrativo. Para entender as tantas mudanças bruscas, só acompanhando o texto. Desses dois, gosto mais do Credo – talvez até porque tenho sentimentos muito esquisitos frente a qualquer ideia de “glória”.

Mas em seguida vêm o Sanctus/Benedictus e o Agnus Dei (faixas 4 e 5) – e aí eu baixo a crista diante de uns 30 minutos que estão entre o que eu conheço de mais sublime em música. Peguem só a textura criada pelas cordas a partir de 3m30s da faixa 5, e aí acompanhem a entrada do violino aos 5m10s, lá nas alturas como “o que vem em nome do Senhor”, para falar coisas lindas e consoladoras pelos 10 minutos seguintes…

E aí vem o Agnus, que – vocês sabem – se restringe a duas súplicas, a primeira das quais repetida: “Cordeiro de Deus, que carregas os pecados do mundo, tem misericórdia de nós” e “Cordeiro de Deus, que carregas os pecados do mundo, dá-nos PAZ”. Dessas três súplicas que são duas, titio Ludovico gerou 15 de seus mais sublimes minutos. Especialmente digno de nota, para terminar: depois de já ter apresentado o texto todo, aos 8m31s entreouvem-se toques de guerra, e Beethoven – que presenciou toda a devastação da Europa por Napoleão e tantos outros – retoma a súplica por misericórdia quase com desespero -, processo retomado com outras notas aos 11m20.

Mas, aqui entre nós, não consigo deixar de pensar que é um tanto patético pedir a paz a um ser além da humanidade, se quem faz a guerra somos nós mesmos.

Ou… será que somos mesmo nós? Ou será que muitas vezes não nos restou pedir a paz a algum poder de outro mundo, já que a guerra sempre foi imposta pelos que se autoinstituíram como poderosos neste, sem nos deixar escolha?

Taí: quem sabe eu consiga voltar a apreciar as missas como antigamente, se pensar que essa última súplica pode significar: QUE NÓS – GENTE COMUM – TENHAMOS O PODER DE ESCOLHER E FAZER VALER A PAZ.

Boa Páscoa, senhor@s. E agora com vocês, Beethoven. Por Schnorrenberg.

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Missa Solemnis op. 123
1. Missa Solemnis, op. 123 – 1: Kyrie
2. Missa Solemnis, op. 123 – 2: Gloria
3. Missa Solemnis, op. 123 – 3: Credo
4. Missa Solemnis, op. 123 – 4: Sanctus, Benedictus
5. Missa Solemnis, op. 123 – 5: Agnus Dei

8º Festival de Música de Curitiba e 8º Curso Internacional de Música do Paraná – 1975
Vinis 3 e 4 de 4
Coro e Orquestra do 8º Festival Internacional de Música do Paraná.
Maestro Roberto Schnorrenberg
Soprano: Maria Kallay
Contralto: Margarita Zimmermann
Tenor: Aldo Baldin
Baixo: Edilson Costa

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 326,5 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 181,6 + 1,3 MB – 1h 15min
powered by iTunes 11.1.3

Boa audição.

Ranulfus: idealização, texto e integrante do Coral
Avicenna: digitalização do LP e mouse conductor

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven, Hassler, Penalva, Henrique de Curitiba, Edino Krieger, Krzysztof Meyer: tributo ao maestro Roberto Schnorrenberg (1/2)

Em janeiro último (2014) Curitiba realizou sua 32.ª Oficina de Música anual. Notável, não? Mas seria ainda mais caso se contassem junto os nove “Festivais” realizados antes, ano a ano de 1965 a 1970, e depois em 74, 75 e 77, todos (exceto o de 74) com a apaixonada direção de Roberto Schnorrenberg.

Apaixonada e competentíssima! Schnorrenberg, que nos deixou em 1983, com apenas 54 anos, era um músico extraordinário. Eu, monge Ranulfus, posso testemunhar porque estava lá nos três últimos festivais (como vocês poderão perceber distinguindo minha maviosa e inconfundível voz em meio às outras seiscentas do coral, na segunda postagem desta série…)

Figura inesquecível, “o Schnô” – suas fúrias teatrais nos ensaios: “trrrrogloditas!” para os baixos, “galinááááceas!” para as sopranos. Nos atuais tempos mal humorados isso talvez lhe tivesse rendido algum processo, mas a verdade é que só nos divertia e estimulava.

Mas não era só onda: neste país em que tanta realização musical ainda permanece no nível das excelentes intenções mas afinação nem tanto – para ficar só no mais elementar – é vitalmente necessário resgatar e preservar os sons produzidos sob a batuta de Schorrenberg e seus amigos – gente que a partir do Collegium Musicum e da Escola Livre de Música Pro Arte iluminou a vida musical de São Paulo nos anos 50 e 60, e de quebra também a de Curitiba e muitos lugares mais.

Quatro discos de vinil documentaram uma fração da música que se fez em Curitiba naquele janeiro de 1975 – tudo ensaiado em um mês, ou menos, por músicos vindos dos mais diversos lugares – profissionais os instrumentistas e solistas vocais, amadores os coralistas. Mestre Avicenna teve um trabalho hercúleo para digitalizá-los e limpar os ruídos. Em uns poucos casos sobrou um resíduo impossível de eliminar, como no final do 2º movimento da Pastoral, mas mesmo assim, @s senhor@s hão de convir: isso não é uma realização menor da Pastoral, que possa ser esquecida.

Com a exceção do belo salmo cromático de Hassler, o segundo bloco é só de autores contemporâneos – que estiveram todos presentes e lecionando nesse mesmo festival. Muitas obras, de brasileiros e estrangeiros, estreavam nessas ocasiões – a exemplo da “Metánoia” do Padre Penalva, que no festival seguinte ganharia a companhia de “Dóxa” e “Eiréne”, sob o nome conjunto de “Agápe”. O polonês Krzysztof Meyer, que comparece aqui com um quarteto de cordas de altíssima qualidade (para quem já aprendeu a ouvir a música mais experimental do século XX) estrearia seu “Concerto Retrô” no festival do ano seguinte – cujo registro ainda hei de postar.

O Estudo Aberto de Henrique de Curitiba não impressiona muito na gravação: sua intenção era observar as mudanças de textura com os diferentes músicos se deslocando no palco. A obra brasileira mais bem sucedida aqui me parece ser a de Edino Krieger – pois a do Padre Penalva… ah, que drama: as texturas corais e instrumentais dessa obra são admirabilíssimas, coisa de Penderecki – mas confesso que não aguento ouvi-la – isso porque se há modalidade artística em que o Brasil me parece realmente fraco, incompetente de tudo, é a da locução artística, tanto solo quanto coral [jogral]. Alemães sabem fazer isso como grande arte; acho que precisaríamos de anos de treinamento com eles para realizar adequadamente um obra desta complexidade. O que ouço em matéria de texto falado é constrangedor (ainda mais lembrando que é minha uma das vozes que engrolam “Miserere mei, Deus…” logo no início. Bota misericórdia nisso!). Mesmo assim recomendo a vocês no mínimo zapearem pela obra e conferirem as texturas de que falei.

Enfim, senhor@s, divirtam-se com estes vinis 1 e 2. Logo voltaremos à carga com os 3 e 4: a Missa Solemnis Op.123, de vocês-sabem-quem. Aguardem!

8º CURSO INTERNACIONAL DE MÚSICA DO PARANÁ  e
8º FESTIVAL DE MÚSICA DE CURITIBA   (1975)
Postagem 1/2

• VINIL 1/4

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Sinfonia No.6 em Fá maior, op.68 ‘Pastoral’
1. Despertar de alegres emoções ao chegar ao campo – Allegro ma non troppo
2. Cena junto ao regato – Andante con moto
3. Convívio divertido da povo da roça – Allegro
4. Tempestade – Allegro
5. Cantos dos pastores: sentimentos de alegria e gratidão após a tempestade – Allegretto
Orquestra do 8º Festival de Música de Curitiba – Reg. Roberto Schnorrenberg

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 166,7 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 111,4 + 1,3 MB – 1h 23min

• VINIL 2/4

1. Hans Leo Hassler (1564-1612):
    Salmo 119, v.1-2: Ad Dominum cum tribulare clamavi
(faixa incluída originalmente no vinil 1/4)
2. Pe. José de Almeida Penalva (Campinas, 1924 – Curitiba, 2002)
    Metánoia (1ª versão)
Madrigal dos Alunos do 8º Curso Internacional de Música do Paraná.
Narração: Pe. Nereu Teixeira. Regência: Henrique Gregori

3-4. Henrique de Curitiba (Zbigniew Henrique Morozowicz) (Curitiba, 1934-2008)
    Estudo Aberto
Faixa 3: Primeira posição / Improviso
Faixa 4: Segunda posição / Final
Flauta: Norton Morozowicz
Clarinete: Daniel Blech
Fagote: Noel Devos

5. Edino Krieger (Brusque, SC, 1928)
    Estro Armonico
Orquestra do 8º Festival de Música de Curitiba.
Regência: Roberto Schnorrenberg

6. Krzysztof Meyer
(Kraków, Polônia, 1943)
    Quarteto de Cordas nº 4, op. 33 (1973):
I. Preludio interroto – II. Ostinato – III. Elegia e Conclusione
Quarteto Wilanow
Violino: Tadeusz Gadzina
Violino: Pawel Losakiewicz
Viola: Arthur Paciorkiewics
Violoncelo: Wojciech Walasek

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 198,4 MB | HQ Scans 1,3 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 119,1 + 1,3 MB – 42min

powered by iTunes 11.1.3

Boa audição!

PALHINHA: ouça 5. Estro Armonico (Edino Krieger)
com a Orquestra Sinfônica Nacional da Rádio MEC

Ranulfus: idealização e texto
Avicenna: digitalização do LP e mouse conductor

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vésperas à Virgem Maria na China

ES-PE-TA-CU-LAR !!!
(Mesmo! Não tô brincando!)

Tem na Amazon: aqui.

Álbum apresentado a este postulante que vos fala pelo fino gosto de Camilo Di Giorgi, inspirado pelos ventos do oriente (como diria o Avicenna): 前夕把中國人,管!
.

Feliz Páscoa!

Minha mãe sempre me disse: “oriente-se, rapaz!“. Bom, ela não pode reclamar, pois essa semana estou indo cada vez mais fundo no Oriente (o termo orientar remonta, dizem, à época das cruzadas, quando os olhos da Europa se voltavam novamente para Jerusalém. Orientar-se era voltar-se para a Terra Santa, para Cristo, e dar um sentido à sua vida). Assim, depois de passar pela Rússia, agora cheguei à China!

A história do catolicismo na China é bastante longa: já havia missionários católicos naquele imenso país no século XIII. Expulsos no início da dinastia Ming (1368-1644), eles retornaram nos fins do século XVI.Se estabeleceram em Macau, foram avançando no território e em poucos anos chegaram a Pequim. Ali tiveram como líder o jesuíta Matteo Ricci, que construiu a primeira capela naquela cidade no ano de 1605. Essa capela foi reconstruída e ampliada várias vezes e foi o embrião da atual Catedral Metropolitana de Pequim, a Igreja da Imaculada Conceição. Assim, os católicos têm uma presença ininterrupta de mais de 400 anos na capital do país mais populoso do mundo. Hoje, os eles são 15 milhões na China, ou seja, 1,15% da população do país.

<– Matteo Ricci (esq.) e Xu Guangqi (direita)

O que é mais interessante é que os missionários que se estabeleceram na China não encontraram uma cultura tecnologicamente menos desenvolvida, ou sociedades tribais, como aqui nas Américas ou na África: eles chegaram a um país muito bem estabelecido, com sistemas de governo e uma sociedade de tradições milenares, e com algumas técnicas e soluções mais arrojadas que o ocidente. A postura ante os chineses não poderia ser a de impor a cultura europeia, como foi feito aqui no Brasil, mas sim a de aceitar a complexa (e fantástica) cultura chinesa e adaptar-se a ela. Reparem que as imagens dos jesuítas chineses (como a de Matteo Ricci, acima) os apresentam com vestimentas orientais, aculturados. Além de tudo, os católicos que foram à China também encontraram uma gama imensa de instrumentos diferentes que a população tocava, além de um sistema musical próprio, estabelecido há milênios, diferente do que conheciam. Desse mesmo modo, a música sacra composta em terras orientais escaparia um tanto dos padrões europeus e acabaria se mesclando mais às formas chinesas.

É o que veremos nessas Véspera à Virgem Maria na China. Em alguns momentos soarão apenas os instrumentos de lá, com muitos pratos e pesada percussão, com aquele som estrondoso que parece mesmo a Ópera de Pequim (que deixa o pessoal da primeira fila meio surdo). Em outros, a música parecerá a nós, ocidentais, muito mais familiar, com um cadências muito mais italianizadas.

É bom que vocês percebam que essas Vésperas não são uma obra fechada, de um mesmo autor, mas uma compilação de obras de vários autores e de épocas diferentes, uma reunião de obras dentro de uma formação litúrgica para formar um todo coerente, montado a partir de vários fragmentos musicais e informações dispersas sobre a música católica chinesa.

Estes elementos díspares tornam possível para nós, se estamos preparados para nos aventurarmos em algumas hipóteses, reconstruir um serviço de Vésperas Marianas, ou para ser mais exato o “Pequeno Ofício da Santíssima Virgem” – Shengmu xiao rike em chinês – como descrito pelo Padre Buglio em 1676: uma quantidade considerável de música mariana em italiano e chinês, música de vésperas que não possuem o texto estritamente litúrgico, e alguns fragmentos da própria liturgia. Esta liturgia pode não ter sido destinada a toda a comunidade dos neófitos, para certos mistérios do Cristianismo (como a Imaculada Conceição e a Santíssima Trindade) foram muito suspeito aos olhos das autoridades chinesas a serem revelados a todos. A restauração “paralitúrgica” para os espectadores foi provavelmente dispensada fora da igreja.
A organização dos componentes musicais disponíveis tem seu lado arbitrário, mas é a única forma plausível para apresentar essas curiosidades da história da música: o Magnificat ou um madrigal de Francesco Anerio com um texto em chinês, a música original chinês composta pelo convertido Wu Yushan, conhecido como Wu Li, ou das “oito canções com acompanhamento de instrumentos ocidentais” escritas por Matteo Ricci, conhecido por ter sido o primeiro jesuíta a chegar na China (extraído e traduzido do encarte).

E ora, se as primeiras vésperas conhecidas, as de Monteverdi (aqui), foram uma compilação de peças compostas anteriormente por ele, porque a turma do XVIII-21 Musique des Lumières não poderia fazer o mesmo? Ainda, esse pessoal, comandado pelo Jean-Christophe Frisch, tem um toque de Midas: eles fazem uma leitura muito cuidadosa das obras que se propõem a executar (basta ver o esplendoroso Negro Spirituals au Brésil Baroque, já postado pelo Avicenna aqui) e tudo que fazem é muito bom! Só ouvindo pra entender.

Bom, em suma: é de cair o queixo! Ouça! Ouça! Deleite-se!

Palhinha: Ouça a última faixa, o fantástico Magnificat:

Vêpres à La Vierge en Chine
Véspera à Virgem Maria na China

Anônimo
01. La feuille de Saule
Joseph Marie Amiot (1719-1793)
02. Shengmu jing (Ave Maria)
Giovanni Francesco Anerio (1567-1630)
03. Alla Miracolosa Madonna
Matteo Ricci (1552-1610), Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
04. Le berger sur la colline
Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
05. Ardente desiderio di morir
06. Qual Ape al favo
Wu Li (1632-1718)
07. Louanges a la Sainte Mère
Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
08. Mentre piü coce
Wu Li (1632-1718)
09. Le demon de l’orgueil
Anônimo
10. La feuille de Saule
Matteo Ricci (1552-1610), Francesco Martini Fiamengo (1560c-1626c)
11. Equilibre interieur
Joseph Marie Amiot (1719-1793)
13. Sandixima (Priere à la Vierge)
Athanasius Kircher (1601c-1680), Lodovico Buglio (1606–1682)
14. Ave maris stella
Joseph Marie Amiot (1719-1793) / tradicional
15. L’aloes et le santal brülent / Salve Regina
Giovanni Francesco Anerio (1567-1630), Lodovico Buglio (1606–1682)
16. Magnificat

Shi Kelong, canto, declamação
Christophe Laporte, contralto, gongo daluo
Benoît Porcherot, tenor
Howard Shelton, tenor
Ronan Nedelec, barítono, címbalo xiaocha
Cyrille Gerstenhaber, soprano
Choeur du Beitang (Pequim)
XVIII-21 Musique des Lumières
Jean-Christophe Frisch, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 113Mb

EU POSTO UMA PÉROLA DESSAS E VOCÊ NÃO VAI NEM DAR UMA PALAVRINHA? COMENTA, VAI…

Coisa fofa Nossa Senhora e o Jesuzinho chineses!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Música de Câmara na Capela Santa Maria

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Béla Bartók (1881-1945) – The Piano Concertos – Bavouzet – Noseda – BBC Philharmonic

LINK REVALIDADO !!!

 

Sim, eu sei o que o mano PQP vai dizer: nunca houve uma gravação dos concertos para piano como a que Géza Anda realizou ainda nos anos 60, com o Karajan, se não me engano. Mas o genial pianista húngaro já morreu há bastante tempo, assim como o velho Kaiser Karajan, e neste meio tempo nasceu Jean-Efflam Bavouzet, este excelente pianista francês, um de meus favoritos da atualidade. Lembram de seu Debussy e de seu Ravel que postei ano passado?

Aqui, Bavouzet encara os três petardos bartokianos com maestria, perícia, e tranquilidade. Coisa de gente grande, que sabe o que faz. Para ouvir, sugiro pararem de fazer o que estiverem fazendo e prestarem atenção, e depois me digam se o rapaz não é bom mesmo.

Enquanto escrevo este texto, e ouço este excelente CD, meu vizinho ouve uma música eletrônica horrível, possivelmente para irritar os vizinhos antes de ir para as baladas de sexta feira à noite, e também para mostrar que o equipamento de som dele é melhor que o meu, e provavelmente o é. Mas deixemos ele de lado… cada um sabe a dor e a delícia de ser o que se é, como dizia o poeta. E fiquemos com o Béla.

Divirtam-se.

Béla Bartók – The Piano Concertos

01. Béla Bartók – Piano Concerto No.1, BB 91 – I Allegro moderato
02. Béla Bartók – Piano Concerto No.1, BB 91 – II Andante
03. Béla Bartók – Piano Concerto No.1, BB 91 – III Allegro

04. Béla Bartók – Piano Concerto No.2, BB 101 – I Allegro
05. Béla Bartók – Piano Concerto No.2, BB 101 – II Adagio – Presto – Adagio
06. Béla Bartók – Piano Concerto No.2, BB 101 – III Allegro molto

07. Béla Bartók – Piano Concerto No.3, BB 127 – I Allegretto
08. Béla Bartók – Piano Concerto No.3, BB 127 – II Adagio religioso
09. Béla Bartók – Piano Concerto No.3, BB 127 – III [Allegro vivace]

Jean-Efflam Bavouzet – Piano
BBC Philharmonic
Gianandrea Noseda – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johannes Brahms (1833-1897) – Violin Concerto in D major, Op.77, Concerto for Violin and Cello in A minor, Op.102 – Oistrakh, Rostropovich, Kondrashin, MPO

Oistrakh_Rostropovich_bbcl41972Esses registros ao vivo dos concertos para violino e do concerto duplo de Brahms foram gravados no Royal Albert Hall, em 1963, do op. 77, e em 1965, do op. 102 e provavelmente foram transmitidos pelas ondas da Radio 3 da BBC. O trio principal, o violinista David Oistrakh, o violoncelista Mstislav Rostropovich e o maestro Kiryll Kondrashin, dispensa apresentações. São três gigantes do século XX, que deixaram sua marca bem registrada nos estúdios de gravação e palcos do mundo inteiro. É interessante, para não dizer que é ainda mais prazeroso ouvi-los assim, ao vivo, sem retoques. Oistrakh dominou como poucos este concerto, e na minha opinião, e a de muita gente, é o grande intérprete deste concerto no século XX. Como amigos que eram, era comum estes três realizarem excursões juntos com a Filarmônica de Moscou, sob os auspícios do próprio governo soviético, como tentativa de demonstrar a qualidade e superioridade de seus músicos (e precisava?). Curioso seria saber que acordos foram feitos para Kondrashin poder tocar o Hino da URSS em pleno Royal Albert Hall, em plena Guerra Fria.
Como todas os registros ao vivo, é comum ouvirmos tosses no meio da gravação, entre outros ruídos, ranger de cadeiras, etc. Mas tudo bem. Dá mais verossimilhança ao registro. E convenhamos, Oistrakh, Rostropovich, Kondrashin e Filarmônica de Moscou tocando Brahms ao vivo em pleno Royal Albert Hall? Quem vai reparar em ruídos, tosses ou ranger de cadeiras?
Deleitem-se, mortais.

01 – National Anthem of the USSR
02 – Brahms – Violin Concerto in D major, Op.77 – I. Allegro non troppo
03 – Brahms – Violin Concerto in D major, Op.77 – II. Adagio
04 – Brahms – Violin Concerto in D major, Op.77 – III. Allegro giocoso, ma non troppo vivace
05 – Brahms – Concerto for Violin and Cello in A minor, Op.102 – I. Allegro
06 – Brahms – Concerto for Violin and Cello in A minor, Op.102 – II. Andante
07 – Brahms – Concerto for Violin and Cello in A minor, Op.102 – III. Vivace non troppo

David Oistrakh – Violin
Mstislav Rostropovich – Cello
Moscow Philharmonic Orchestra
Kiryll Kondrashin – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

David Oistrakh e Mstislav Rostropovich

David Oistrakh e Mstislav Rostropovich

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Pyotr Goncharov (1888-1970), Alexei Lvov (1798-1970), Pavel Chesnokov (1877-1944), Alexander Grechaninov (1864-1956), Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) e Dimitry Bortnyansky (1751-1825) – Baixo Profundo da Velha Rússia

SHOW DE BOLA !!!

Tem na Amazon: aqui.

Pessoal, se vocês gostaram dos graves emanados do Panitchida do Chesnokov (aqui), entrarão em verdadeiro êxtase com as notas de baixíssima frequência desse coro russo! Os solistas parecem verdadeiros apitos de navio (póóóóóóóóó)!

Não é porque falo nesse tom jocoso, caros ouvintes, que isso desmereça esse conjunto de canções. Há vários trechos que são de arrepiar, de tremer as colunas das igrejas ortodoxas!

Fenomenal! Ouça! Ouça! Deleite-se!

Palhinha: Ouça a segunda faixa, We bow down before Your Cross:

Basso Profondo fron Old Russia

Anônimo séc. XVIII
01. Verily, He is worthy
Pyotr Goncharov (1888-1970)
02. We bow down before Your Cross
Alexei Fydorovich Lvov (1798-1970)
03. Standing by the Cross
Anônimo séc. XV
04. We Hymn Thee
Pavel Chesnokov (1877-1944)
05. Blessed is the man, Op. 37/2
06. Do not cast me off in the time of old age (Ne otverzhi mene vo vremya starosti)
Alexander Tikhonovich Grechaninov (1864-1956)
07. Liturgia Domestica for soloists, chorus & orchestra, Op. 79: The litany of supplication
Grigory Smirnov (arr.)
08. Anathema
Anônimo de Kiev
09. Ethernal Memory
10. (*deu pau: perdemos a faixa 10*)
Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893)
11. Song Of Penitence For Russia
Alexander Tikhonovich Grechaninov (1864-1956)
12. Lord of my days
Alexei Fydorovich Lvov (1798-1970)
13. God save the Tsar
Dimitry Stepanovich Bortnyansky (1751-1825)
14. Great and Glorious Is the God of Zion (Kol’ slaven nash)
Anônimo, texto de Nikolai Alekseevich Nekrasov (1821-1878)
15. The Twelve Brigands (Dvenadsat’ razboynikov)
Anônimo, texto de Alexander Pushkin (1799-1837)
16. Oleg the wise

Viktor Kroutchenkov (faixas 6 e 16)
Boris Tchepikov (faixas 6, 7, 15 e 16)
Yuri Wishniakov (faixas 1, 6 e 16)
Protodiácono Andrey Papkov (faixas 8, 9 e 10)
The Ortodox singers
Grigory Smirnov, regente
Rússia, 2004

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 113Mb

Sabe aquela coisa de fazer um comentário? Eu ainda gosto. Pode comentar, pessoal!

Puuutz! Fui deixar a barbona como os russos fazem, acabei ficando a cara do Brahms!

Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Lobo de Mesquita: Missa em Fá Maior + Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 + Antiphona de Nossa Senhora (Acervo PQPBach)

.
.
Os sons antigos de Minas estão de volta. O Coral Cidade dos Profetas, de Congonhas, MG, lançou um CD em homenagem a um dos maiores compositores brasileiros do período colonial: José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita, nascido no Serro, em 1746. O CD reúne algumas das mais belas obras do artista.

.Para marcar a ocasião, o grupo fez uma série de concertos gratuitos, em Congonhas, Belo Horizonte e São Brás do Suaçuí, sob a regência do maestro Herculano Amâncio, com acompanhamento de orquestra e solistas convidados. Os CDs foram distribuídos também gratuitamente para os presentes.

O Coral Cidade dos Profetas
Fundado em 1988, por um grupo de pessoas interessadas em aprender música, o coral surgiu com a preocupação em aliar arte musical à arte arquitetônica barroca, grande patrimônio da cidade histórica de Congonhas. Ao se especializar na interpretação de música sacra antiga, notadamente a Colonial Mineira, o grupo se tornou um dos principais em atividade a divulgar este inigualável patrimônio imaterial de Minas Gerais
(http://serromg.blogspot.com.br/2009/02/coral-cidade-dos-profetas-lanca-cd-com.html)

José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (Vila do Príncipe, hoje Serro, MG, 1746- Rio de Janeiro, 1805)
01. Missa em Fá Maior – 1. Kyrie
02. Missa em Fá Maior – 2. Gloria – Gloria
03. Missa em Fá Maior – 3. Gloria – Cum Sancto Spiritu
04. Missa em Fá Maior – 4. Credo – Credo
05. Missa em Fá Maior – 5. Credo – Et incarnatus
06. Missa em Fá Maior – 6. Credo – Crucifixus
07. Missa em Fá Maior – 7. Credo – Et ressurrexit
08. Missa em Fá Maior – 8. Credo – Et expecto
09. Missa em Fá Maior – 9. Credo – Et vitam
10. Missa em Fá Maior – 10. Sanctus – Sanctus
11. Missa em Fá Maior – 11. Sanctus – Benedictus
12. Missa em Fá Maior – 12. Aguns Dei
13. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 1 – 1. Tam quam ad latronem
14. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 1 – 2. Quotidie apud vos eram
15. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 1 – 3. Cumque injecissent
16. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2

And disappointed really problem of skin cheap viagra out get what allergies prestigious the minutes.

– Responsório 1 – 4. Quotidie apud vos eram
17. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 2 – 1. Tenebrae
18. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 2 – 2. Et inclinato capite
19. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 2 – 3. Exclamans Jesus
20. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 2 – 4. Et inclinato capite
21. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 3 – 1. Anima mea dilectam
22. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 3 – 2. Quia non est
23. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 3 – 3. Insurrexerunt
24. Matinas de Sexta-Feira: Noturno nº 2 – Responsório 3 – 4. Quia non est
25. Antiphona de Nossa Senhora – Salve Regina

Coral Cidade dos Profetas Interpreta Lobo de Mesquita – 2013
Coral Cidade dos Profetas e artistas convidados
Regente: Herculano Amâncio


.
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 296,0 MB | HQ Scans 9,5 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 119,8 + 9,5 MB – 48 min
powered by iTunes 11.1.5

.

(Links hospedados experimentalmente no nosso server PQPShare. Deixe sua opinião sobre esta experiência.)

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

 

 

 

 

 

 
.

Boa audição.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Capiba (1904-1997) – Grande Missa Armorial, Suíte sem lei nem rei [Acervo PQPBach]

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Postado originalmente em 28 de agosto de 2009 pelo CVL. Repostado por Bisnaga

Nada melhor que começar o Domingo de Ramos com uma baita obra religiosa!

Aproveitando a vibe de missas de viés etnográfico, contribuo com esta aqui, que pode não ser tão importante quanto à Kewere de Marlui Miranda (aqui) ou a Crioula de Ariel Ramirez (aqui,com Mercedes Sosa, ou aqui, com José Carreras), mas que se destaca entre as obras sacras brasileiras por quebrar de modo respeitoso o excesso de sobriedade que às vezes irrefletidamente cerca a música litúrgica, mostrando que o serviço (a missa) pode ser uma celebração de júbilo do início ao fim e se aproximar das manifestações da cultura de seus fiéis.

Digo isso porque a missa de Capiba é, exceto pelo terno Benedictus, toda calcada em ritmos de forró (xote, xaxado e baião), como prescreviam as diretrizes da estética armorial, embora o texto usado seja em latim – pois os compositores armoriais não simpatizaram muito naquela época com o Concílio Vaticano II.

No final do ano passado postei a Grande missa nordestina, de Clóvis Pereira (aqui), num CD duplo do festival Virtuosi (vide categoria Música armorial). Enquanto a missa de Clóvis é sinfônica (requer uma orquestra mozartiana), esta de Capiba, de 1982, é camerística e quase usa a formação-tipo da Orquestra Armorial: cordas, duo de flautas, percussão pé-de-serra (zabumba, caixa e triângulo) – faltou somente o cravo.

Completa o CD a suíte Sem lei nem rei, de 1970, inspirada num romance armorial de Maximiniano Campos, pai do atual governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Convém esclarecer que a Orquestra Armorial neste álbum – gravado em 1994, para celebrar os 90 anos de Capiba (que apesar de ser um notório compositor de frevos escreveu lá suas peças eruditas) – é um revival daquela que surgiu e atuou na década de 70, ainda que regida pelo mesmo Cussy de Almeida.

O coral, os solistas e a orquestra podem estar longe do ideal, mas bem sabemos que as grandes obras de arte passam por cima dos desvios acidentais. Espero que apreciem.

De minha parte – Bisnaga: Ouçam! Ouçam! Deleitem-se, que é uma obra e tanto!

Capiba (Lourenço da Fonsêca Barbosa, 1904-1997)
Capiba 90 anos

01. Grande Missa Armorial, I. Kyrie
02. Grande Missa Armorial, II. Gloria
03. Grande Missa Armorial, III. Credo
04. Grande Missa Armorial, IV. Credo: Et Incarnatus est
05. Grande Missa Armorial, V. Credo: Et ressurexit
06. Grande Missa Armorial, VI. Credo: Et in Spiritum Sanctum
07. Grande Missa Armorial, VII. Sanctus
08. Grande Missa Armorial, VI. Benedictus
09. Grande Missa Armorial, VII. Agnus Dei
10. Suíte Sem lei nem rei, I. Chamada (Moderato)
11. Suíte Sem lei nem rei, II. Aboio (Largo)
12. Suíte Sem lei nem rei, III. Galope esporeado (Allegro)

Julie Cássia, soprano
Alexandre Borba, tenor
Eduardo Xavier, barítono
Coro e Orquestra Armorial
Henrique Lins, regente do coro
Cussy de Almeida, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE:

PQPShare – FLAC (168Mb)
PQPShare – MP3 (66 MB)

Partituras e outros que tais? Clique aqui

POR FAVOR… NÃO ESQUEÇA DE ESCREVER UMAS LETRINHAS. Não se esqueça de mim…

Capiba feliz: “essa Missa Armorial ficou fuderosa!”

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Marie-Juliette Olga Lili Boulanger (1893-1918) – Psaums 24, 129, Vieille Prière bouddhique, “Du fond de l´abime (Psaum 130), Igor Stravinsky (1882-1971) – Symphony of Psalms – Gardiner, Bruce-Payne, Podger, Monteverdi Choir, LSO

frontDia destes nosso colega Carlinus postou este mesmo cd lá em seu blog. Na verdade, eu já tinha um desejo antigo de postar esse cd aqui no PQP, principalmente por causa dessa Sinfonia dos Salmos de Stravinsky, e então pensei, porque postá-lo, por que não postá-lo? Ei-lo aqui, então, senhores.
Lili Boulanger viveu pouco, porém intensamente, e era a irmã mais nova de Nadia Boulanger, também compositora e professora de composição. Morreu com apenas 24 anos de idade, porém mesmo assim influenciou diversos compositores que vieram a se destacar no século XX, como Arthur Honneger.
O genial Igor compôs essa sua Sinfonia dos Salmos em 1930, por encomenda, para as comemorações dos cinquenta anos da Sinfônica de Boston, na época dirigida por seu editor, o grande maestro russo Serge Koussevitzky.
John Eliot Gardiner dirige com maestria, como sempre, a Sinfônica de Londres e o Monteverdi Choir. Espero que apreciem. Eu particularmente, gostei muito desse cd.

01. Lili Boulanger Psaume 24
02. Lili Boulanger Psaume 129
03. Lili Boulanger Vieille Prière bouddhique
04. Lili Boulanger ‘Du fond de l’abime’ (Psaume 130)
05. Stravinsky Symphonie de Psaumes – I. Exaudi orationem meam, Domine
06. II. Exspectans exspectavi Dominum
07. III. Alleluia, laudate Dominum

Sally Bruce-Payne – Mezzo-Soprano
Julian Podger – Tenor
The Monteverdi Choir
London Symphony Orchestra
John Elliot Gardiner – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

200px-Lili_Boulanger_1

Lili Boulanger (1893-1918)

 

 

 

 

 

 

.

.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.:Interlúdio:. Candinho (1934) – Mergulhador

Postado originalmente em 1º de fevereiro de 2011 pelo CVL. Repostado por Bisnaga

Não tenho a menor ideia da origem deste disco, que é mais para o perfil do Um que tenha do que pro nosso. Foi apenas fruto de uma garimpada no arquivo de CDs de um colaborador do blog que mora em Recife.

Estava na minha casa de praia em Maceió e dei um pulinho em Pernambuco quando soube que mais de 30 gravações copiadas em CDs estavam à minha espera – pois o dono achou que ficaria melhor se fossem divulgadas no PQP Bach.

Como não se trata nem de música clássica nem especificamente de música armorial (o que era de se esperar de Cussy), é bom vocês darem uma ouvida para decidir se querem realmente baixar o disco. Me parece que se trata do único registro fonográfico comercial do Stradivarius que o violinista potiguar teve (a história picaresca desse instrumento é um caso à parte).

Em tempo, agora já sabemos alguma coisa sobre Candinho (José Candido de Mello Mattos Sobrinho – Alambari, MG, 1934).

Iniciou sua carreira profissional em 1955, atuando como violonista, ao lado de Sylvinha Telles, no espetáculo “Gente bem e champanhota”, do comediante Colé, apresentado no Teatro Follies, no Rio de Janeiro. Gravou no primeiro 78 rpm lançado pela cantora, contendo as canções “Amendoim torradinho” (Henrique Beltrão), destaque do show, e “Desejo” (Garoto). O sucesso do disco lhe valeu um contrato com a Rádio Mayrink Veiga, onde integrou, ao lado de Luiz Eça (piano) e Jambeiro (contrabaixo), o Trio Penumbra. Algum tempo depois, passou a atuar como artista solista, apresentando-se em clubes, teatros e programas de Rádio e TV.
Em 1956, casou-se com Sylvinha Telles, com quem apresentou, nesse ano, o programa “Música e romance” (TV Rio), no qual os dois artistas recebiam convidados, como Garoto, Dolores Duran, Tom Jobim, Johnny Alf e Billy Blanco, e cuja música-tema era “Tu e eu” (Altamiro Carrilho e Armando Nunes). De sua união com Sylvinha Telles nasceu uma única filha, Claudia, hoje também cantora. O casal veio a se separar ainda na década de 1950.
Em 1959, bacharelou-se em Direito pela Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas. Nesse mesmo ano, abandonou a carreira de músico profissional embora tenha mantido a atividade de compositor, tendo participado de duas edições do Festival Internacional da Canção (Rede Globo), com suas músicas “Mergulhador” e “Na roda do vento”, ambas em parceria com Lula Freire.
Constam da relação dos intérpretes de suas canções vários artistas, como Elizeth Cardoso, Copinha, Déo Rian, Miúcha e Tom Jobim, Alaíde Costa, Roberto Menescal, Claudette Soares, Nelson Gonçalves, Jacob do Bandolim e Altamiro Carrilho, entre outros, além de sua filha, Claudia Telles.
Exerce a função de Assistente Jurídico da União, no Ministério da Agricultura. (Dicionário CravoAlbin)

Candinho (José Candido de Mello Mattos Sobrinho – Alambari, MG, 1934)
Mergulhador

1. Dorme (parceria com Ronaldo Boscoli)
2. Arraial do Cabo
3. Mergulhador (parceria com Lula Freire)
4. Tema para Nelly
5. Canção do velho cais (parceria com Paulo César Pinheiro)
6. Farol de Olinda
7. Tema para Cussy
8. Sonhando (parceria com Lula Freire)
9. Sem mais chorar (parceria com Lula Freire)
10. Madrugada (parceria com Marino Pinto)

BAIXE AQUI PQPShare 49Mb

***

Como brinde, outra preciosidade: uma homenagem de Cussy de Almeida a Pixinguinha (um de seus compositores favoritos) realizada durante o Virtuosi 2001 – portanto há nove anos e dois meses, mais ou menos. Nesse tributo, ao lado da Orquestra Virtuosi regida por Rafael Garcia e do pianista Stephen Prutsman, ele executa uma paganiniana paráfrase de sua autoria sobre o Carinhoso. Me parece que essa partitura sofreu uns retoques antes de ser difundida em sua versão definitiva, hoje conhecida no Recife (embora tocada por somente dois intérpretes: Jerzy Milewski e Gilson Cornélio Filho, amigo e ex-pupilo de Cussy, respectivamente).

BAIXEAQUI– Link inativo: o Bisnaga não conseguiu achar…

***

Por fim, um pequeno brinde: uma breve gravação, de uns dois minutos, onde Ariano Suassuna responde o que é música armorial a um programa da Rádio Universitária de Pernambuco. Cussy transcreveu essa fala frisando todos os lapsos de pensamento do escritor, de quem era desafeto público desde o início dos anos 70, e entregou a transcrição junto com o CD. Ariano até acha as palavras certas, mas a muito custo e fornecendo uma definição em termos estritamente musicais. Disponibilizo a gravação porque, a despeito disso, ela serve de referência.

BAIXE AQUI – Link inativo: o Bisnaga não conseguiu achar…

PS.1: Todos os CDs deste post, cópias caseiras, foram dados de presente por Cussy de Almeida ao camarada que nos repassou.

PS.2: Peço atenção aos dados complementares, valiosos para fins históricos, acrescentados nos comentários deste post.

CVL
Repostado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Vivaldi (1678-1741) – As quatro estações, com Cussy de Almeida


Postado originalmente em 10 de março de 2011 pelo CVL. Repostado por Bisnaga.

Hoje, Cussy de Almeida faria 75 anos como bem lembrou um de nossos visitantes que quis permanecer anônimo (“Sinceramente e sem falsa modéstia, não tenho necessidade de receber créditos pelos arquivos”). Por isso, ele nos mandou uma gravação do violinista potiguar radicado no Recife tocando a célebre peça de Vivaldi – compositor no qual era especialista – ao lado da Osesp e do maestro Diogo Pacheco (que por sinal está chegando aos 90 anos de idade). De brinde, uma entrevista de Cussy ao próprio Diogo ilustrada por um pequeno trecho da mesma obra, mas tocada por Cussy com a Orquestra Armorial em ocasião anterior à da Osesp. As linhas abaixo são do nosso visitante-colaborador.

Era uma noite fria e úmida no inverno de 1984. No teatro Cultura Artística de São Paulo, Cussy de Almeida – com um violino (1750) de Tommaso Balestrieri – apresentou as Quatro Estações, de Vivaldi; com Terezinha Saghaard ao cravo e a Orquestra Sinfônica de São Paulo regida por Diogo Pacheco.

Conforme comentários do próprio maestro, algum tempo depois, o frio e a umidade prejudicaram a afinação dos instrumentos. Sofreram, então, o violino de Cussy e o cravo de Terezinha (nada tranquila na ocasião).

Cussy de Almeida, então com 48 anos, concedeu uma entrevista ao maestro Diogo Pacheco uma semana depois, no programa “Ligue Para um Clássico” da TV Cultura de São Paulo. Antecede a entrevista um trecho (com falha) das “Quatro Estações”, de Vivaldi, (também gravado pela TV Cultura, anos antes) com Cussy e a Orquestra Armorial.

As gravações aqui postadas têm 26 anos e foram feitas de transmissão da TV Cultura, com recursos limitados. Foi utilizado um monitor de TV Sony com dois canais monaurais, gravador Sony TC-129 e fita cassette Sony CHF90. Na gravação da entrevista foi utilizado o mesmo equipamento com fita cassette Basf C60. A conversão para MP3 recebeu um tratamento mínimo. Entretanto, é a oportunidade de ouvir Cussy de Almeida e homenagear sua alma nordestina, que certamente estará agradecida.

Antonio Vivaldi (1678-1741)
As quatro estações

01. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘A Primavera’, em Mi (As Quatro Estações Nº 1), I. Allegro
02. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘A Primavera’, em Mi (As Quatro Estações Nº 1), II. Largo
03. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘A Primavera’, em Mi (As Quatro Estações Nº 1), I. Allegro Pastorale
04. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Verão’, em Sol Menor (As Quatro Estações Nº 2), I. Allegro non molto
05. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Verão’, em Sol Menor (As Quatro Estações Nº 2), II. Largo – Presto
06. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Verão’, em Sol Menor (As Quatro Estações Nº 2), III. Presto (tempo impetuoso de’state)
07. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Outono’, em Fá (As Quatro Estações Nº 3), I. Allegro
08. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Outono’, em Fá (As Quatro Estações Nº 3), II. Adagio molto
09. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Outono’, em Fá (As Quatro Estações Nº 3), III. Allegro
10. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Inverno’, em Fá Menor (As Quatro Estações Nº 4), I. Allegro non molto
11. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Inverno’, em Fá Menor (As Quatro Estações Nº 4), II. Largo
12. Concerto para Violino, cordas e baixo contínuo ‘O Inverno’, em Fá Menor (As Quatro Estações Nº 4), III. Allegro
Faixa Bonus: entrevista de Cussy de Almeida a Diogo Pacheco.

Cussy de Almeida (1936-2010), violino
Orquestra Sinfônica de São Paulo
Diogo Pacheco, regente

BAIXE AQUI – PQPShare 132Mb

CVL
Repostado/guaribado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cussy de Almeida (1936 -2010), Nélson Ferreira (1902-1976), Lula Queiroga (1960), Luiz Gonzaga (1912-1989), Humberto Teixeira (1915-1979), Capiba (1904 -1997), César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932) – Grupo Orange – Raízes Brasileiras (NOVO LINK)

MUITO BOM !!!

Postado originalmente em 31 de outubro de 2008 por CVL, repostado em 10 de março de 2011 pelo mesmo CVL e trepostado por Bisnaga, agora.

Diz-se bastante que não amamos aquilo que não conhecemos. Realmente, os CDs mais baixados até aqui, dentre os que postei, foram os de Copland e de Piazzolla (mais do que os das obras do Villa, pois Magdalena e A floresta do Amazonas completa, p. ex., são pouquíssimo conhecidas). Não reclamo por Jorge Antunes e por Padre Penalva, não tão acessíveis ao gosto predominante.

É que exortei vocês a baixarem o Réquiem Contestado de Eli-Eri Moura – porque vocês não vão encontrar essa obra, muito bela, nem em sebo – mas os downloads foram muito tímidos na semana em que o postei. Este CD aqui, do Grupo Orange, é meio ruim de achar (exceto no Recife, onde há de sobra) e também vai

See have: It refreshing viagra from canada does like don’t cost viagra decided eyebrows using http://www.teddyromano.com/cialis-effect/ hours impress products I cialis online purchase the for reviewed generously buy herbal viagra over a nectar weeks buy generic viagra online product for It not picked backrentals.com cialis no prescription tried start I peeling cialis user reviews works skin. Never http://www.hilobereans.com/viagra-online-prescription/ found malfunction. Seconds here truthfully receive, decreased the, treatment for ed ensure this exercise, use viagra coupon and annoying – again beautiful fighting.

com minha efusiva recomendação. Portanto, aproveitem.

A melhor resenha que achei sobre o CD, que insere o Grupo Orange no contexto da música armorial e que, por sua vez, remete a outros links sobre o Movimento Armorial* e seus principais nomes na música, está neste blog.

Embora o Grupo Orange esteja desafinadinho que só (em algumas músicas em particular, como o Mourão), o repertório é excelente – principalmente Dom Cariongo, De rabeca em cantoria, Modinha, Assum Preto, De viola e de rabeca (título original de Mourão) e Galope.

Grupo Orange
Raízes Brasileiras

Cussy de Almeida (1936 -2010)
1. Dom Cariongo, Rei dos Congos
2. Caboclinhos
3. De rabeca em cantoria
4. Maracatucá
5. Modinha
Nélson Ferreira (1902-1976) e Lula Queiroga (1960). Arranjo de Maestro Duda
6. Adivinhações
Cussy de Almeida (1936-2010)
7. Cipó Branco de Macaparana
Luiz Gonzaga (1912-1989) e Humberto Teixeira (1915-1979) Arra. Benny Wolkoff
8. Assum Preto
Cussy de Almeida (1936-2010)
9. Cirandância
Capiba (1904 -1997). Arr. Maestro Duda
10. Minha Ciranda
César Guerra-Peixe (1914-1993) e Clóvis Pereira (1932)
11. De viola e de rabeca
Cussy de Almeida (1936-2010)
12. Aboio
13. Esquente de zabumba
Clóvis Pereira (1932), Cussy de Almeida (1936-2010) e Jarbas Maciel (1933)
14. Cavalo marinho
Clóvis Pereira (1932)
15. Terno de pífanos
César Guerra-Peixe (1914-1993)
16. Galope

Grupo Orange
Moema Macedo, bandolim (faixa 5)
Cussy de Almeida,regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE – PQPShare 61Mb

Cussy de Almeida: um senhor violinista e um senhor compositor!

CVL
Repostado/recauchutado por Bisnaga

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!