Amaral Vieira (1952) – Obras completas para órgão (1984-1996) [link atualizado 2017]

Acabaram-se as obras para piano de Amaral Vieira. Agora vão as que foram escritas para órgão – talvez as melhores do gênero compostas por um brasileiro.

***

Amaral Vieira – Obras completas para órgão (1984-1996)

1. Toccata, Opus 208 (1986)
2. Introito, Opus (1984)
3. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
4. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
5. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
6. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
7. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
8. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991)..
9. Sete Palavras de Cristo na Cruz, Opus 257 (1991…
10. Fantasia, op. 186
11. Elegia, op. 277
12. Prólogo, Fuga e Final, Opus 193 (1984) – Prólogo
13. Prólogo, Fuga e Final, Opus 193 (1984) – Fuga
14. Prólogo, Fuga e Final, Opus 193 (1984) – Final

Órgão: Iain Quinn

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Já viu nossos mais de 100 endereços para baixar partituras? Clique aqui

Amaral Vieira (1952)
Amaral Vieira (1952)

CVL

23 comments / Add your comment below

  1. Creio que vocês erraram na data de nascimento postada se ele nasceu em 1984 e morreu em 1996 com 8 anos de idade e compos tudo isso…no Brasil ainda….então ele é um Deus rs

  2. Rafael, você não prestou atenção. Amaral Vieira nasceu em 1952 e isso está bem claro após o nome dele. O que você deve ter confundido são as datas 1984-1996 (ainda assim, são 12 anos e não 8!). Este CD contem todas as obras para órgão escritas por Amaral entre 1984 e 1996. De lá para cá, ele compôs outras peças para aquele instrumento (uma Suíte em 5 movimentos, uma Sinfonietta, entre outras). Aproveito para agradecer ao CVL por ter mencionado o meu nome como ‘doadora’ da gravação da Suíte opus 292. Há somente uma pequena retificação a ser feita: quem interpreta esta obra é o organista Nelson Silva (e não Iain Quinn). Abs, Maria Cristina.

  3. Estou satisfeito. Gosto muito da música para órgão. Já baixei e ouvi todas as peças de Bach, que adoro e ultimamente ando procurando obras de outros compositores para órgão. Não tnha ainda achado nada de compositor brasileiro, aqui foi a primeira vez que encontrei. Estou curtindo muito essas obras de Amaral Vieira, eu já tinha baixado as peças de piano. Tudo dele é de alto nível.

  4. Amaral Vieira é um compositor que nunca decepciona. Aparentemente não há gênero que o compositor não tenha ainda abordado e ele tem menos de 60 anos. POderá ainda compor um bocado para nossa felicidade e gáudio. Quem sabe, começando por um concerto para órgão e orquestra, uma lacuna do repertório brasileiro que Vieira pode preencher com brilhantismo. Achei ótimas as obras e também as interpretações. Grato, cvl!

  5. Achei divertido o comentário do Rafael. Está certo que confundiu alhos com bugalhos, mas alertou para algo que acabamos esquecendo frequentemente, quando escreveu “no Brasil ainda…” e é verdade, os nossos compositores eruditos merecem um prêmio. Não deve ser nada fácil viver desse ofício sem qualquer estímulo e suporte. No caso das obras para órgão de Amaral Vieira, acho ainda mais admirável. Uma coisa é se sentir estimulado a compor música para órgão na Europa, com aqueles milhões de instrumentos maravilhosos e presentes em todos os lugares. Há órgãos de tubos em todas as igrejas e nos principais teatros. Mas aqui, há poucos órgãos e abnegados organistas. Apesar disso, o compositor criou um conjunto importante de obras para o rei dos instrumentos, com peças elaboradas de mais de 20 minutos de duração.

  6. Yes, nós temos compositor de música para órgão e muito bom, por sinal. Quando é que vão botar o órgão do Teatro Municipal de SP finalmente para funcionar? Do que serve ter um monstrengo como aquele? só para enfeitar o palco? Gostaria de ouvir as obras deste cd tocadas lá, ao vivo, mas somente depois do órgão Tamburini ter sido decentemente restaurado. É a única sala de concertos de São Paulo que tem um órgão de tubos, mas só serve para tocar a Sinfonia 3 de Saint-Saens. O organista alemão que reinaugurou o órgão do Municipal depois de ter sido mal e porcamente restaurado, quase teve um infarto durante o concerto. É uma vergonha. E os festivais internacionais de órgão do Mosteiro de São Bento? Desapareceram da agenda cultural da cidade e todos os concertos estavam sempre lotados. Escutei lá o recital que Iain Quinn tocou, somente com obras de Amaral Vieira em 2002. Foi espetacular. Acorda, Brasil…

  7. Puxa cara, toco órgão na minha igreja e fiquei doidão com essas músicas do Amaral! São lindas! Agora tô louco para arrumar as partituras. Quem souber como me diz?

  8. Gostei de tudo mas fiquei especialmente impressionado com o Prologo, Fuga e Final, uma obra de folego. Ja vasculhei a Internet a procura dessa partitura mas nada encontrei. Se alguem tiver e puder disponibilizar a grade, ficam aqui os meus agradecimentos. (Tenho interesse tambem nas partituras de todas as obras gravadas neste CD, sem querer abusar). Muito obrigado.

  9. Tem toda a razão CVL quando escreve que as obras para órgão de A.Vieira são talvez as melhores do gênero compostas por um brasileiro. Gostaria de alertar para outra gravação do Prólogo, Fuga e final opus 193, feita em 1999 pelo organista brasileiro Nelson Silva na Trinity Episcopal Church de Princeton e que nada fica dever à ótima interpretação de Iain Quinn. A Elegia opus 277 foi incluída no cd “Un Testimonio Musical” do organista venezuelano Jorge Sánchez Herrera. A Toccata opus 208 foi gravada pela organista Nelly Martins, a quem a obra foi dedicada. A excelente organista gaucha Anne Schneider gravou também diversas obras de Vieira. Esses e outros cds fazem parte da minha coleção pessoal, que coloco ao inteiro dispor do CVL e do site PQPBACH.

  10. CVL amigo, é preciso fazer uma correção importante no cabeçalho deste post. O intérprete das Obras completas para órgão (1984-1996) é o organista inglês (escocês, na realidade) Iain Quinn. Nelson Silva é o organista que toca a Suíte opus 292, que está sendo disponibilizada logo abaixo como um bônus. Dá para consertar? Obrigada!

  11. Este CD contem as obras compostas entre 1984 e 1996, se entendi corretamente. Somente por curiosidade: será que Amaral Vieira tem alguma obra para órgão escrita antes de 1984, portanto não incluída nesta seleção musical? Tenho a partitura da Fantasia opus 186. Foi publicada na Alemanha por Johannes Fiala Musikverlag, uma editora de Munique. Comprei na Casa Manon, que era uma das mais tradicionais lojas de partituras e instrumentos musicais de São Paulo, perto do Teatro Municipal. Fechou na década de 90 e agora funciona como um mini shopping center, é lastimável.

  12. Este blog é ótimo, repleto de raridades e surpresas, como este cd com peças para órgão do brasileiro Amaral Vieira. As partituras em pdf podem ser baixadas no Rapidshare
    http://rapidshare.com/files/368822307/Amaral_Vieira_Solo_Organ_Works.rar
    Falta a partitura da Toccata, mas em compensação está no pacote também a Suite op. 292 (disponibilizada aqui no segundo link) e uma interssante Sinfonieta op. 318.
    As cópias editoradas estão em ótima qualidade e a Fantasia editada na Alemanha foi escaneada com boa resolução. É só baixar e imprimir.

  13. Li os comentários e vi que a Maria Cristina já apontou para a necessidade de corrigir o nome do intérprete do CD principal, que é Iain Quinn, um dos melhores organistas da sua geração. Comprei em Londres um CD dele com o título de Tsar of Instruments, somente com obras de compositores russos para órgão: Glazunov, Glière, Glinka, Grechaninov, Rachmaninov, Shostakovich e Taneyev. Saiu pelo selo Chandos. É fantástico, assim como esse aqui postado com as obras de Amaral Vieira.

  14. Que bom ter voltado o espaço para os comentários deste post. Continuo procurando as notas de programa deste CD na Internet, mas está difícil. Mas achei uma ótima descrição do Prólogo, Fuga e Final no programa que Iain Quinn tocou no Hong Kong Cultural Centre Concert Hall, um incrível teatro de mais de 2.000 lugares e com o maior órgão da Ásia, com 8.000 tubos (!!!) construído pela fábrica austríaca Rieger Orgelbau. Para quem gosta de música de órgão, vale a pena dar uma olhada nas imagens no site (em inglês)
    http://www.lcsd.gov.hk/CE/CulturalService/HKCC/en/about/intro.html
    Lamento que as notas de programa estejam em inglês e não me aventuro a traduzir… Mas acho que dá para compreender.
    Amaral Vieira – Prologue, Fugue and Finale, opus 194 (1984)
    This work was commissioned by the German organist Gertrud Mersiovsky. The tripartite structure of this piece is clearly outlined. The “Prologue” is a broad sonata form in which an incisive, sharply delineated primary theme contrasts strongly with a mellow and meditative secondary theme. The conflict between these two themes gives rise to a third thematic idea of a more triumphant and extrovert character which recurs several times during the movement, always at important structural points. The next section brings a partial resolution to these conflicts by establishing a mood of deep spiritual withdrawal, broken by the sudden return of the first theme. The “Prologue” concludes in a triumphant and grandiose tone.
    The “Fugue” is based on a calm and meditative theme rich in harmonic nuances. Its successive presentations in the lower register of the organ, combined with ethereal harmonies, give this movement its particularly gentle and introspective character. The “Finale” is built out of vigorous and assertive themes. In this movement, dense textures predominate in the use of massive chords and ample sonorities. A brief section of a more introspective character interrupts the flow of energy unleashed at the beginning of the movement. However, with the return of the first theme, the movement resumes its original vitality which leads to its conclusion. The cyclical design of the work is emphasized by the return of the opening theme of the “Prologue”. This work received the São Paulo Art Critics Association Award for best solo instrumental work in 1985.
    Abraços a todos, obrigado, cvl.

  15. A peça Prólogo, final e fuga no post está nas faixas 12, 13 e 14, no entanto no CD descompactado aparecem nas faixas 10, 11 e 12. Qual está correta por favor?
    Obrigado.
    Hélio.

  16. Mauro, é certamente um engano. Eu também percebi que os nomes de algumas faixas descompactadas estão trocados. A faixa 10 é a Fantasia. A faixa 11 é a Elegia. As faixas 12, 13 e 14 formam o Prólogo, Fuga e Final. Se quiser baixar as partituras das obras, o link está no meu comentário anterior. Ficou faltando só a Toccata, mas jpa mandei um email para um amigo organista perguntando se tem e se pode ceder. Um abraço

  17. Com as devidas correções (e desculpas pela distração): Hélio, é certamente um engano. Eu também percebi que os nomes de algumas faixas descompactadas estão trocados. A faixa 10 é a Fantasia. A faixa 11 é a Elegia. As faixas 12, 13 e 14 formam o Prólogo, Fuga e Final. Se quiser baixar as partituras das obras, o link está no meu comentário anterior. Ficou faltando só a Toccata, mas já mandei um email para um amigo organista perguntando se tem e se pode ceder. Um abraço

  18. Fiquei horrorizada ao ler no comentário do Henrique que o órgão do Teatro Municipal de São Paulo está detonado. Será que tem conserto? E se tiver, será que será restaurado? Decerto vão alegar falta de recursos, mas para bobagens como a Fórmula Indy e desfile de escolas de samba, dinheiro é que não falta. Aplausos para Amaral Vieira por sua produção para órgão de altíssima qualidade.

  19. Oi CVL,
    quero agradecer de coração o serviço maravilhoso que você nos oferta com este site.
    E não posso deixar de dizer que estou encantada com as obras de órgão do nosso (nessa hora a gente sente que ele é um pouco “da gente”) grande compositor Amaral Vieira.
    Que peças magníficas. Como diziam antigamente “é de arrepiar”!
    Que Deus o continue iluminando para que ele possa sempre, e cada vez mais, doar à humanidade esses presentes ímpares.
    O meu abraço CVL e transmita, por favor, meu abraço, parabéns e agradecimentos ao Amaral Vieira pelo seu trabalho.

  20. Continuo “ligada” nas obras do Amaral Vieira. Que maravilha as peças de órgão! Ouço, ouço e não canso de ouvi-las. Muito obrigada por mais esta postagem.
    Mas… continuo esperando o Quinteto Fronteiras… Sem querer ser insistente – mas sendo – quando teremos a alegria de poder ouvi-lo?

  21. Lisianne, baixei hoje o Brazilian Landscapes do qual consta o quinteto Fronteiras de Amaral Vieira, que é de fato uma obra madura, muito consistente. Mas eu não sabia que as peças para órgão já estavam disponíveis, falha minha. Juro que vou comprar um computador só para mim. Com duas filhas adolescentes, não tenho vez! Agradeço a vocês pela democratização da música de concerto, continuem postando maravilhas para nossa alegria e gáudio. Abraços do Leonardo.

  22. Tenho 3 obras de Amaral Vieira gravadas em meu Cd “A Arte da Organista Anne Schneider”(Intróito-Toccata-Elegia) mas gostaria de comunicar com alegria a vcs,que o autor me dedicou uma obra: Sinfonietta,op 318 em 2005.Quem se interessar p/ mais esclarecimentos ou a partitura,pode me contatar pelo mail;anneschne@gmail.com
    abraço,Anne.

Deixe uma resposta