O Tenor Perdido – Dimos Goudaroulis – Nicolau de Figueiredo

3249306O violoncelista grego Dimos Goudaroulis foi professor da Unicamp e entusiástico divulgador de seu instrumento no país que o acolheu. Responsável pela primeira gravação brasileira das Suítes de J. S. Bach em violoncelo barroco, apresentou com sucesso essas grandes obras como programa único em vários e, até então, impensáveis recitais.

Neste “O Tenor Perdido”, Goudaroulis explora o repertório do violoncello piccolo, que seria (daí o título) o tenor em oblívio da família das cordas. No rico encarte que acompanha a gravação, o violoncelista descreve seu encontro com o raro instrumento, num caso feliz de serendipidade: um violoncelo “de criança”, que encontrou empoeirado num atelier de luteria, cujo som muito “pequeno” era insatisfatório com o encordoamento tradicional, até que lhe ocorreu a ideia de retirar-lhe a corda Dó grave e colocar-lhe uma corda Mi aguda, “como um violino grande” e – voilà! – o pequeno violoncelo, agora com o som “três vezes maior”, assim começar a “cantar no agudo”.

Acompanhado do ótimo cravista Nicolau de Figueiredo, Goudaroulis interpreta o que se considera ser repertório original para violoncello piccolo, muito embora, como explica no encarte [já lhes falei que o encarte é ótimo? Comprem o CD e confiram!], nem sempre as partituras o indicassem como tal. O bonito timbre do “tenor perdido” brilha nas obras dos pouco conhecidos Valentini, Caporalli e Babell, nesta caprichada gravação de 2010.

[meus agradecimentos aos leitores Rameau e Nicholas, que gentilmente corrigiram a minha afirmação de que Goudaroulis fizera a primeira gravação brasileira das Suítes de Bach, e que imperdoavalmente não levou em conta precedentes ilustres como os de Aldo Parisot e de Antônio Meneses, e ao leitor Lucas, que me informou que Goudaroulis não é mais professor da Unicamp]

O TENOR PERDIDO
DIMOS GOUDAROULIS – NICOLAU DE FIGUEIREDO

CD1

GIUSEPPE VALENTINI (ca. 1680 – 1752)

Allettamenti para violoncello piccolo e baixo contínuo, Op. 8

Allettamento I em Ré menor

01 – Andante affetuoso
02 – Allegro
03 – Amoroso
04 – Presto
05 – Allegro

Allettamento II em Si menor

06 – Largo
07 – Allegro
08 – Adagio
09 – Allegro
10 – Vivace

Allettamento VI em Fá sustenido menor

11 – Largo
12 – Allegro
13 – Amoroso andante
14 – Presto
15 – Vivace

Allettamento VII em Lá maior

16 – Andante
17 – Allegro
18 – Largo andante
19 – Vivace affetuoso
20 – Vivave

Allettamento XII em Ré menor

21 – Adagio
22 – Presto
23 – Largo
24 – Allegro
25 – Presto

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2

ANDREA CAPORALE (? – 1757?)

Sonata no. 1 em Lá maior para violoncello piccolo e baixo contínuo

01 – Adagio
02 – Spiritoso
03 – Vivace

WILLIAM BABELL (1689/90 – 1723)

Transcrições da ópera “Rinaldo” de Georg Friedrich Händel

“First set” em Fá maior, para cravo solo

04 – Preludio – Presto
05 – The Ouverture of Rinaldo: Vivace/Allegro/Adagio?giga, Presto
06 – ‘Sovra balze’ (Aria di Godofredo) – Vivace
07 – ‘Lascia ch’io pianga” (Aria d’Almirena) – Adagio
08 – ‘Sulla ruota di fortuna” (Aria d’Eustazio) – Presto

“Fourth Set” em Sol maior, para cravo solo (excerto)

09 – “Vò far guerra” (Aria d’Armida) – Allegro

ANDREA CAPORALE (? – 1757?)

Seis Solos para Violoncelo do Senhor Caporale

Sonata III em Ré maior, para violoncello piccolo e baixo contínuo

10 – Adagio
11 – Allegro
12 – Cantabile

Sonata II em Si bemol maior, para violoncello piccolo e baixo contínuo

13 – Adagio
14 – Allegro
15 – Vivace moderato

Sonata em Ré menor para violoncello piccolo e baixo contínuo

16 – Adagio
17 – Allegro
18 – Allegro – tempo di minuetto

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Dimos Goudaroulis, violoncello piccolo de quatro cordas (Alemanha, final do século XVII)
Nicolau de Figueiredo, cravo (William Takahashi, cópia de um instrumento francês do século XVIII de Pascal Taskin)

Dimos

Vassily Genrikhovich

14 comments / Add your comment below

  1. Caros
    Esse blog nao tem parada. É uma pérola atrás da outra, vou baixar o mais rápido possível, já que to morto de curiosidade pra conferir essa coisa. Ainda mais vindo da Unicamp, onde passei diariamente cinco belos anos da minha curta vida.
    Abraco a todos e continuem esse trabalho inefável.

  2. Vassily,

    Estou gostando muitíssimo de suas publicações, mantendo dinâmico o sagrado blog da família bastarda de Bach.
    Ouvirei com prazer o indiscutivelmente refinado trabalho greco-germano-franco-brasileiro (refiro-me não só aos músicos, mas aos instrumentos).
    Só não estou certo de ter sido do professor helênico-brasileiro a primeira gravação integral das suítes para violoncelo de Bach. Tenho, em long play (sim, já estou me tornando cinquentenário), a gravação de Aldo Parisot, do Rio Grande do Norte, em álbum triplo, de 1977, pela Continental. Se a questão for a interpretação integral por um brasileiro, isto já ocorreu. É certo que o violoncelista nordestino naturalizou-se norte-americano. O importante é: guardo os três elepês como preciosidade, pois foi através deles que tive o primeiro contato com as divinas suítes, que me acalmam e me põem a trabalhar… Ah, o cello! Ah, vós, filhos (esquecidos) de Bach!

    1. Rameau,

      Muito obrigado pela informação!
      Sabia que o grande potiguar gravara Suítes de Bach, mas desconhecia que fizera a gravação integral.
      Dei-me conta de que disse bobagem: é claro que já houve gravações brasileiras das suítes – não só a de Parisot, que você mencionou, mas também a de Antônio Meneses. Pretendia, acho, dizer que Goudaroulis fizera a primeira gravação brasileira delas em violoncelo barroco, mas algum curto-circuito neuronal me impediu de completar a tarefa corretamente. Já retifiquei o texto.
      Um abraço!

  3. Acredito não ter sido a primeira gravação, me recordo da segunda gravação do Meneses, pelo selo clássicos, ter sido feita lá pelos idos de 2005, enquanto essa de Goudaroulis é mais recente, mas provavelmente é a primeira em instrumento de época.

    1. Perfeito, Nicholas!
      Como mencionei na resposta ao leitor Rameau, logo acima, dei-me conta da bobagem que falei – não só pelas gravações de Meneses, mas também pelas de Aldo Parisot. Graças à atenção de vocês, já corrigi o texto!
      Obrigado pela contribuição!

  4. É impossível agradecer o suficiente a vocês deste site. Parabéns e muito obrigado, de verdade!
    Uma pequena correção ao texto: o Dimos não é mais professor da UNICAMP. Já há alguns anos (5, 6?) ele saiu de lá. O atual professor do curso de violoncelo (e que também dá aulas de história) se chama Lars Hoefs.
    De qualquer forma, grande postagem.
    Mais uma vez, muito obrigado, não só por esse cd, mas por todo o site.
    Abraços.

  5. Excelente trabalho, principalmente para estudantes de música. Já os vi e revi repetidas vezes. Porém, consta que foram gravados quinze capítulos, mas estão disponíveis na internet apenas dez. Os restantes cinco capítulos ainda não estão disponíveis, por qual motivo?

  6. Muito grato por este blog fantástico, realmente. Apenas uma apreciação, o link de download não funciona. É possível atualizá-lo?
    Muito obrigado!

  7. Bom dia, Vassily!
    Quase por acaso, descobri essa sua publicação destas raras (raríssimas!) sonatas para violoncelo… E com grande pena minha, quando me apercebo que os links de download já não pertencem a este mundo…
    Sei que não é muito comum revalidarem os referidos links, ainda assim (sou crente!), deixo aqui o meu pedido de ressureição dos mesmos, tendo em conta que este disco tem um repertório interessantíssimo e que é impossível de encontrar em meu país.
    Muito obrigado e bem haja!

Deixe uma resposta