Franz Schubert (1797-1828): Sonata para Arpeggione e Piano D. 821 / Quinteto (Quintetão, Quintetaço!) de Cordas D. 956


51ZhTFFnS+LPOSTADO POR PQP BACH EM 11/7/2013, REVALIDADO POR VASSILY EM 31/8/2015

Gravação muito interessante, combinando a Sonata “Arpeggione” de Schubert tocada no instrumento que lhe deu o nome, e uma poderosa interpretação do Quinteto para cordas D. 956, aquele com dois violoncelos.

O arpeggione, para quem não sabe, é um instrumento de cordas com o feitio e as seis cordas de cordas de um violão, mas tocado com o arco à maneira de um violoncelo. Ele teve uma breve voga no começo do século XIX, e a única peça que sobreviveu de seu repertório é a Sonata em Lá maior de Schubert, publicada quase cinquenta anos depois de sua morte, quando o arpeggione já era quase só encontrado em museus, e a Sonata, propriedade de violistas e violoncelistas do mundo.

O violoncelista Nicolas Deletaille, que é acompanhado na Sonata pelo incansável Paul Badura-Skoda, dedica-se a reviver o arpeggione e ampliar seu repertório, tanto através de transcrições quanto por obras originais comissionadas de compositores contemporâneos. No encarte, ele expõe detalhadamente a história do instrumento e suas peculiaridades, entre as quais a notórias dificuldades de articulação, ilustradas pelas várias “escorregadas” que Deletaille dá nesta gravação que, apesar delas, é muito boa.

Quando ele, entretanto, deixa o arpeggione e une seu violoncelo ao Quarteto Rosamunde, o resultado é uma interpretação inesquecível do Quinteto D. 956 de Schubert, sua última obra de câmara.

Vassily Genrikhovich

POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH EM 11/7/2013

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Grande disco, grande disco! Talvez a dupla Deletaille e Badura-Skoda façam uma Arpeggione apenas boa, mas o Rosamonde garante uma linda interpretação do esplêndido Quinteto 956 de Schubert. Este poderoso quinteto — que tem o mais delicado dos Adágios (o qual também possui um trecho vigoroso) — é uma das peças preferidas deste humilde escriba que vos serve. Preparem-se porque é chumbo grosso e do bom (ui!).

Neste disco temos um dos melhores resumos de Schubert. Na Arpeggione, o estupendo melodista; no Quinteto, o criador de estruturas. Enquanto a primeira é ouvida no sentido horizontal, a outra é ouvida verticalmente.

Franz Schubert (1797-1828): Sonata para Arpeggione e Piano D. 821 /
Quinteto (Quintetão, Quintetaço!) de Cordas D. 956

1. Sonata for Arpeggione and Pianoforte In A Minor, D. 821: I. Allegro moderato 11:33
2. Sonata for Arpeggione and Pianoforte In A Minor, D. 821: II. Adagio 3:27
3. Sonata for Arpeggione and Pianoforte In A Minor, D. 821: III. Allegretto 9:05

Nicolas Deletaille, arpeggione
Paul Badura-Skoda, pianoforte

4. String Quintet In C Major, D. 956: I. Allegro ma non troppo 20:02
5. String Quintet In C Major, D. 956: II. Adagio 13:35
6. String Quintet In C Major, D. 956: III. Scherzo: presto – Trio: andante sostenuto – Scherzo: presto 10:04
7. String Quintet In C Major, D. 956: IV. Allegretto 9:17

Quatuor Rosamonde + Nicolas Deletaille, violoncelo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Quatuor Rosamonde
Quatuor Rosamonde

PQP

14 comments / Add your comment below

  1. Disco sensacional…. O primeiro movimento da sonata “arpeggione”é o meu favorito, mas sempre escutava ele ou em viola ou em cello. Os arpejos dessa versão me emocionaram.

  2. A Arpeggione é uma das mais belas coisas que se pode ouvir neste mundo e o quinteto, é mesmo de lascar, uma das maiores obras da música. Lí certa vez em um periódico estrangeiro um curioso artigo sobre a predominância de pianíssimos na obra de Schubert e o autor conjecturava que isso se deveria ao fato de que o compositor viveu boa parte da curta vida em sótãos de amigos ou repúblicas, onde tocar forte à noite poderia incomodar os outros moradores. Será? Rs Que obras, quanta beleza, gratíssimo.

    1. A conheci numa curiosa e belíssima gravação de James Gallway que nunca encontrei em Cd. Apesar da transcrição para flauta, toda a beleza está alí.

  3. Neste disco temos um dos melhores resumos de Schubert. Na Arpeggione, o estupendo melodista; no Quinteto, o criador de estruturas. Enquanto a primeira é ouvida no sentido horizontal, a outra é ouvida verticalmente.

  4. Sou admirador de vcs, baixo as interpretações que me agradam e fico grato e feliz por termos uma página divinamente bela, carregada de emoções, para corações entre o êxtase e a comoção. Feito a apresentação, quero saber se vcs estão interessados em alguns disquinhos que preservei para a idade madura. São lp’s de grandes compositores e de variados períodos, com intérpretes de primeira linha. Doei mais de quinhentos e me arrependi, não conhecia o PQPBACH, sobraram estes. Estão inetressados? Abs

  5. Este CD é muito bom.
    Esta versao da Arpeggione de fato foi digna da dimensao da obra.
    Adorei
    Tem um video no youtube muito legal tambem, do mesmo Nicolas Deletaille mas com um pianista diferente (acho que é uma gravacao mais recente que esta).

    [youtube http://www.youtube.com/watch?v=do9UgdfwM5Q&w=560&h=315%5D

    To achando a coisa meio parada por aqui, seis dias sem um post! Os frequentadores recorrentes certamente estao tristes. Eu estou. Por favor, continuem esse trabalho tao legal. Esse blog é uma das coisas que salva a internet pra mim, uma perola num mar de dejetos. A internet agradece o vosso trabalho.

    1. Parece que meu Chrome enlouqueceu, nao conseguia ver os posts novos, ainda em computadores diferentes. Assim postei o comentario anterior os posts novos vieram. Que felicidade!

      1. Pessoal
        Algo muito estranho está acontecendo. Nao consigo acessar posts mais recentes que 3 de setembro. Em um dos meus computadores tudo voltou ao normal depois que postei um comentário. Mas nesse aqui, nem sinal de vida, a coisa parece parada desde de o dia 3. Alguma dica? Ja tentei varios navegadores diferentes .

        1. Que coisa mais bizarra!
          Depois desse último comentário a coisa voltou a funcionar nessa máquina também. Seria o segredo comentar todo dia? Estou mesmo sem entender.

Deixe uma resposta