The Ravi Shankar Edition – West meets East – The Historical Shankar/Menuhin Sessions

71hXDHJxsOL._SL1118_A parceria entre os gigantes Menuhin e Shankar, iniciada a convite do primeiro no Festival de Bath de 1966, resultou numa amizade que duraria até o final de suas vidas e em três bem-sucedidos álbuns que foram condensados neste volume que ora lhes apresento.

Já defendi em outra postagem a divulgação de música clássica de outras paragens, lançando mão das palavras do colega Ranulfus: “uma das coisas que me motivam na colaboração no blog é tentar demonstrar o quanto nosso conceito de ‘clássico’ pode ser justificadamente expandido para além das suas fronteiras tradicionais (no fundo etnocêntricas), e isso com criações autênticas, não com adaptações tipo ‘transcrições de canções populares para orquestra’.”.

A música clássica indiana, com seus instrumentos peculiares, os microtons (shrutis), sua intensa verve e o caráter improvisatório superposto às estritas definições de raga e tala, às quais voltaremos algum dia, pode trazer dificuldades a ouvidos pouco acostumados a ela. A ilustre presença de Lord Menuhin, aqui muito reverente à arte que busca integrar à sua própria, talvez facilite um pouco a introdução de vós outros a este novo planeta musical. Para quem estranha a presença de violino no conjunto de virtuoses indianos, digo que este instrumento, com o mesmíssimo feitio, mas com afinação e sob técnica muito diferentes, é usado há já alguns séculos na Índia para fazer música, ainda que, para isso, seja apoiado entre o ombro esquerdo e o pé direito do executante.

 

Convido os leitores-ouvintes à apreciação do rico som do sitar, da habilidade de Shankar na improvisação e, especialmente, das intervenções daquele que é considerado por muitos o maior percussionista que já existiu – Alla Rakha, mestre supremo da tabla.

Estas gravações históricas marcaram não só a primeira colaboração entre um músico indiano e um grande nome da música ocidental, como também lançaram a carreira de Shankar no Ocidente, onde se tornaria figurinha fácil nas grandes salas de concertos e influenciaria George Harrison e o som dos Beatles. Conquistou, entre seus pares, a reputação de um dos maiores músicos vivos e, ao morrer em 2012, virou uma lenda – não sem antes deixar para o mundo as talentosas e lindas filhas Anoushka Shankar e Norah Jones, duas estrelas da música, cada qual em sua própria vertente.

Espero que este grande encontro de notáveis deixe com as senhoras e senhores um sabor de “quero mais” que torne bem-vindo, noutras ocasiões, o que de mais eu lhes trouxer da riquíssima música daquele subcontinente.

WEST MEETS EAST – THE HISTORIC SHANKAR/MENUHIN SESSIONS

01 – Prabhati (baseado no Raga Gunkali)
02 – Swara-Kakali (baseado no Raga Tilang)
03 – Raga Piloo
04 – Dhun
05 – Raga Ananda Bhairava
06 – Tenderness
07 – Twilight Mood

Ravi Shankar, sitar
Yehudi Menuhin, violino
Alla Rakha, tabla
Prodyot Sen, Kamara Chakravarli e Nodu Mullick, tanpura
Amlya Dasgupta, tanpura baixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

 

"Tchê, pra que tanta corda???"
“Tchê, pra que tanta corda???”



Vassily Genrikhovich

4 comments / Add your comment below

  1. Eu comprei esse vinil uma vez pois adoro musica árabe, oriental e indiana. Levei ele na casa do meu pai já que ele é a única pessoa que conheço que tinha um tocador de vinil mas infelizmente estava quebrado (e ainda está), até hoje tinha ficado sem ouvir o álbum, mas agora terei a oportunidade. Obrigado!

    1. Olá, Lucas!

      Espero que goste da gravação.
      Este CD é uma compilação dos três volumes da série “West meets East”, lançados entre o final da década de 60 e o começo da de 70. Se o vinil a que você se referiu era o primeiro da série, ele continha no lado B a Sonata para violino e piano no. 3 de Enescu (professor de Menuhin), com Yehudi e sua irmã Hephzibah.

      1. Interessante, não sabia disso, comprei já faz um tempo então não tenho certeza e o deixei na casa de meu pai. Depois darei uma olhada e comentarei aqui.

Deixe uma resposta