Orlando Gibbons (1583-1625): Choral and Organ Music

A cristandade católica celebra o dia de Corpus Christi (Corpo de Cristo). A data sempre acontece numa quinta-feira. A instauração da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta o século XIII. A Igreja sentiu a necessidade de realçar a presença real do “Cristo presente” no pão consagrado na Eucaristia. A Festa foi instituída pelo papa Urbano IV com a Bula “Transiturus” de 11 de agosto de 1264, para ser celebrada na quinta-feira após a festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes. “O Papa Urbano IV foi o cônego Tiago Pantaleão de Troyes, arcediago do Cabido Diocesano de Liège na Bélgica, que recebeu o segredo das visões da freira agostiniana, Juliana de Mont Cornillon, que exigiam uma festa da Eucaristia no Ano Litúrgico. Conta a história que um sacerdote chamado Pedro de Praga, de costumes irrepreensíveis, vivia angustiado por dúvidas sobre a presença de Cristo na Eucaristia. Decidiu então ir em peregrinação ao túmulo dos apóstolos Pedro e Paulo em Roma, para pedir o Dom da fé. Ao passar por Bolsena (Itália), enquanto celebrava a Santa Missa, foi novamente acometido da dúvida. Na hora da Consagração veio-lhe a resposta em forma de milagre: a Hóstia branca transformou-se em carne viva, respingando sangue, manchando o corporal, os sangüíneos e as toalhas do altar sem no entanto manchar as mãos do sacerdote, pois, a parte da Hóstia que estava entre seus dedos, conservou as características de pão ázimo. Por solicitação do Papa Urbano IV, que na época governava a igreja, os objetos milagrosos foram para Orviedo em grande procissão, sendo recebidos solenemente por sua santidade e levados para a Catedral de Santa Prisca. Esta foi a primeira procissão do Corporal Eucarístico. A 11 de agosto de 1264, o Papa lançou de Orviedo para o mundo católico através da bula Transiturus do Mundo o preceito de uma festa com extraordinária solenidade em honra do Corpo do Senhor. A festa de Corpus Christi foi decretada em 1264. O decreto de Urbano IV teve pouca repercussão, porque o Papa morreu em seguida. Mas se propagou por algumas igrejas, como na diocese de Colônia na Alemanha, onde Corpus Christi é celebrada desde antes de 1270. A procissão surgiu em Colônia e difundiu-se primeiro na Alemanha, depois na França e na Itália. Em Roma é encontrada desde 1350. A Eucaristia é um dos sete sacramentos e foi instituído na Última Ceia, quando Jesus disse: ‘Este é o meu corpo…isto é o meu sangue… fazei isto em memória de mim’. Porque a Eucaristia foi celebrada pela 1ª vez na Quinta-Feira Santa, Corpus Christi se celebra sempre numa quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade. Corpus Christi é celebrado 60 dias ápos a páscoa”. O aspecto solene e místico da religião é algo que sempre me impressionou. Desagrada-me o dualismo existente na religião, que desemboca consequentemente num enfeiamento da vida. A religião cria uma metafísica do carrasco. Pune tudo aquilo que se aproxime do natural, por fugir em sentido platônico do mundo físico, o mundo das aparências. Estar no mundo é uma tarefa malquista pelo religioso, que ver na na realidade contingente, imperfeição, feiúra e um halo de pecado envolvendo todas as coisas. Não precisamos morrer para viver, pois morre-se muitas vezes enquanto se vive. A arte tira a alma do homem do caos. Sentença nietzschiniana: “Na arte, o ser humano frui a si mesmo enquanto perfeição”. Boa apreciação desse belíssimo CD repleto de mística, poética e sentidos de vida, de Orlando Gibbons.

P.S. O texto é uma mescla de palavras minhas e da Wikipédia. Informações AQUI sobre o compositor.

Orlnando Gibbons (1583-1625) – Choral and Organ Music

01. O clap your hands
02. Great Lord of Lords
03. Hosanna to the son of David
04. Prelude in G Major
05. Out of the deep
06. See, see, the word is incarnate
07. Prelude in D minor
08. Lift up your heads
09. Almighty and everlasting God
10. Magnificat ( 2nd Service)
11. Nunc dimittis (2nd Service)
12. Fantazia of four parts
13. Magnificat (Short Service)
14. Nunc dimittis (Short Service)
15. O God, the king of glory
16. O Lord, in thy wrath

Oxford Camerata
Jeremy Summerly, condutor
Laurence Cummings, órgão

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Não precisamos de legenda na data de hoje

Não precisamos de legenda na data de hoje

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Franz Joseph Haydn (1732-1809 ) – Piano Trio Hob. XV.37 in F, 04. Piano Trio Hob. XV.C1 in C , Piano Trio Hob. XIV.6-XVI.6 in G , Piano Trio Hob. XV.39 in F, Piano Trio Hob. XV.1 in G minor – Beaux Arts Trio

Box FrontJá desde a primeira faixa deste CD, o Adagio Trio Hob. XV 37 in F, já temos uma amostra do que virá pela frente: beleza, sensibilidade, coerência, virtuosismo, talento. Poucos conjuntos de Câmera reuniram todos estes atributos durante tanto tempo quanto o Beaux Arts Trio. Foram 60 anos de dedicação a uma causa: a música. E somos os felizes ouvintes e apreciadores de toda esta dedicação.
Estes Trios para Piano de Haydn foram escolhidos a dedo. Difícil dizer qual o melhor, o mais bonito. O conjunto é todo de excelente qualidade. Mesmo depois de quase trinta anos os ouvindo, até hoje continuo me espantando com a capacidade de coesão deste conjunto. Eles tocam como se fossem um único instrumento.

01. Piano Trio Hob. XV.37 in F – 1. Adagio
02. Piano Trio Hob. XV.37 in F – 2. Allegro molto
03. Piano Trio Hob. XV.37 in F – 3. Menuet
04. Piano Trio Hob. XV.C1 in C – 1. Allegro moderato
05. Piano Trio Hob. XV.C1 in C – 2. Menuet
06. Piano Trio Hob. XV.C1 in C – 3. Andante con variazioni
07. Piano Trio Hob. XIV.6-XVI.6 in G – 1. Allegro
08. Piano Trio Hob. XIV.6-XVI.6 in G – 2. Adagio
09. Piano Trio Hob. XIV.6-XVI.6 in G – 3. Menuetto
10. Piano Trio Hob. XV.39 in F – 1. Allegro
11. Piano Trio Hob. XV.39 in F – 2. Andante
12. Piano Trio Hob. XV.39 in F – 3. Allegro
13. Piano Trio Hob. XV.39 in F – 4. Menuetto
14. Piano Trio Hob. XV.39 in F – 5. Scherzo
15. Piano Trio Hob. XV.1 in G minor – 1. Moderato
16. Piano Trio Hob. XV.1 in G minor – 2. Menuet
17. Piano Trio Hob. XV.1 in G minor – 3. Presto

Beaux Arts Trio

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

The Beaux Arts Trio in an undated photo: violinist Isidore Cohen, pianist Menahem Pressler, and cellist Bernard Greenhouse.

The Beaux Arts Trio in an undated photo: violinist Isidore Cohen, pianist Menahem Pressler, and cellist Bernard Greenhouse.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

A inglesa Alison Balsom é um show. E este CD é uma preciosidade, pois, desde a célebre gravação de Wynthon Marsalis, não tínhamos um registro tão bom dos concertos para trompete de Hummel e Haydn, talvez os melhores do gênero. A orquestra também é ótima. Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen acompanha Balsom com muito mais que dignidade. A habilidade fantástica de Balsom cria belos fraseados com timbres e articulações coerentes com o repertório.

Para velhinhos como eu, reouvir estes concertos é um renovado deleite, mas, sei lá, talvez os jovens pequepianos ainda os desconheçam. Bem, são muito bons, viram?

Hummel / Haydn / Torelli / Neruda: Concertos para Trompete

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Johann Nepomuk Hummel
1 Ⅰ. Allegro Con Spirito 9:25
2 Ⅱ. Andante 4:45
3 Ⅲ. Rondo 3:40

Trumpet Concerto In E Flat Hob.Ⅶ E:Ⅰ
Composed By – Joseph Haydn
4 Ⅰ. Allegro 6:37
5 Ⅱ. Andante 3:31
6 Ⅲ. Finale: Allegro 4:35

Trumpet Concerto In D
Composed By – Giuseppe Torelli
7 Ⅰ. Allegro 2:00
8 Ⅱ. Adagio – Presto – Adagio 2:18
9 Ⅲ. Allegro 1:33

Trumpet Concerto In E Flat
Composed By – Jan Křtitel Jiří Neruda*
10 Ⅰ. Allegro 5:13
11 Ⅱ. Largo 4:34
12 Ⅲ. Vivace 4:35

Trumpet – Alison Balsom
Orchestra – Die Deutsche Kammerphilharmonie Bremen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alison Balsom, uma virtuose em instrumento -- hahahaha -- "masculino"

Alison Balsom, uma virtuose em instrumento — hahahaha — “masculino”

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Quinta Sinfonia, in C Minor, op. 67, Música Incidental para Egmont, de Goethe, op. 84 – Szell, Concertgebow, Amsterdam, Wiener Philharmoniker

51iTebKzrcL._SS280Hoje eu acordei ansiando por Beethoven. E meio que me veio às mãos este CD de George Szell, mas nada é por acaso. Ainda mais quando se trata da Quinta Sinfonia. Claro que corri para colocar o CD para tocar, e nos primeiros acordes da própria Quinta Sinfonia pensei comigo mesmo: era isso mesmo que eu queria ouvir nesta manhã de feriado cristão, o Corpus Christi.
Enquanto esteve frente a Sinfônica de Cleveland, George Szell era constatemente convidado para reger as mais diversas orquestras. E neste Cd temos o grande maestro húngaro à frente de duas das principais destas orquestras européias: a do Concertgebow de Amsterdam e a Filarmônica de Viena.
Aliás, temos neste CD uma obra que poucas vezes apareceu por aqui na sua íntegra, na verdade creio que nunca  a trouxemos: a música que Beethoven fez para a peça de Goethe, Egmont.
Como não poderia deixar de ser, temos dois grandes registros fonográficos, realizados nos últimos anos de vida do maestro, nos anos 60.
Para se ouvir à exaustão., afinal de contas é Beethoven, ora bolas !!!

1- Beethoven Symphony No.5 in C minor, Op.67 – I. Allegro con brio
2 – Symphony No.5 in C minor, Op.67 – II. Andante con moto
3 – Beethoven Symphony No.5 in C minor, Op.67 – III. Allegro
4 – Beethoven Symphony No.5 in C minor, Op.67 – IV. Allegro

Concertgebouw Orchestra, Amsterdam
George Szell – Conductor

5 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – I. Overture
6 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – II. Lied. Vivace ‘Die Trommel geruhret’
7 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – III. Zwischenakt I. Andante
8 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – IV. Zwischenakt II. Larghetto
9 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – V. Lied. Andante con moto ‘Freudvoll und leidvoll’
10 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – VI. Zwischenakt III. Allegro – Marcia
11 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – VII. Zwischenakt IV. Poco sostenuto e risoluto
12 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – VIII. Clarchens Tod. Larghetto
13 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – IX. Melodrama. Poco sostenuto
14 – Beethoven Incidental Music to Egmont, Op.84 – X. Siegessymphonie. Allegro con brio

Pilar Lorengar – Soprano
Klaus-Jürgen Wussow – Narrator
Wiener Philharmoniker

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Szell com flores

George Szell carregando flores

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas, Op. 101 & 106 "Hammerklavier"

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Uma gravação totalmente pessoal da Hammerklavier. Aqui, o trabalho de marcenaria fica mais claro, seja lá o que isso quiser dizer. Uchida não nos oferece uma versão limpinha, mas parece nos dizer “olhem o que este doido varrido inventou aqui”, “sintam como eu tenho que trabalhar aqui” ou “notem como esta fuga é diabólica”. Nada disso fica feio ou desmerece a sonata ou a pianista — que é tão grande ou maior que Nelson Freire, só para compará-la com quem foi postado ontem também interpretando Beethoven — , mas surpreende pela crueza. Eu adorei este disco, apaixonei-me perdidamente.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas, Op. 101 & 106 “Hammerklavier”

1. Piano Sonata No.28 in A, Op.101 – 1. Etwas lebhaft und mit der innigsten Empfindung (Allegretto ma non troppo) 5:00
2. Piano Sonata No.28 in A, Op.101 – 2. Lebhaft, marschmäßig (Vivace alla marcia) 6:32
3. Piano Sonata No.28 in A, Op.101 – 3. Langsam und sehnsuchtsvoll (Adagio ma non troppo, con affetto) 10:52

4. Piano Sonata No.29 in B flat, Op.106 -“Hammerklavier” – 1. Allegro 11:25
5. Piano Sonata No.29 in B flat, Op.106 -“Hammerklavier” – 2. Scherzo (Assai vivace – Presto – Prestissimo – Tempo I) 2:42
6. Piano Sonata No.29 in B flat, Op.106 -“Hammerklavier” – 3. Adagio sostenuto 19:49
7. Piano Sonata No.29 in B flat, Op.106 -“Hammerklavier” – 4. Largo – Allegro risoluto 12:24

Mitsuko Uchida, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Baixou o santo em Mitsuko Uchida!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Horowitz plays Chopin, Vol. 1 CD 3 de 3 – Horowitz

Horowitz Plays Chopin Vol. 1O legal destas séries históricas é podermos apreciar a evolução do artista. Horowitz é amado e odiado na mesma proporção, aqui mesmo no PQPBach ele tem defensores e detratores. Me incluo no meio do caminho, há coisas dele realmente fantásticas, outras evito. Lembro de te-lo conhecido por meio de um CD com Sonatas de Bethoven, e fiquei realmente encantado.

CD 3

01.  Scherzo No. 1, Op. 20 (recorded Feb 25,1953)
02.  Mazurka, Op. 59, No. 3 (recorded May 10, 1950)
03.  Mazurka, Op. 41, No. 1 (recorded May 11, 1949)
04.  Mazurka, Op. 50, No. 3 (Recorded Dec 30, 1949)
05.  Nocturne, Op. 9, No. 3 (recorded Feb 23, 1957)
06.  Nocturne, Op. 15, No. 1 (recorded Feb 23, 1957)
07.  Ballade No. 4, Op. 52 (recorded May 8, 1952)
08.  Mazurka, Op. 63, No. 2 (recorded Dec 30, 1949)
09.  Mazurka, Op. 63, No. 3 (recorded Dec 30, 1949)
10.  Waltz, Op. 34, No. 2 (recorded Sept 23, 1945)
11.  Nocturne, Op. 72, No. 1 (Rec Feb 25, 1953)
12.  Mazurka, Op. 7, No. 3 (recorded Dec 22, 1947)
13.  Polonaise-Fantaisie, Op. 61 (Recorded April 23, 1951)
14.  Scherzo No. 2, Op. 31 (recorded Feb 23, 1957)

Wladimir Horowitz – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

horowitz_smiling

Retrato do Artista Quando Jovem. E o cara ainda era genro do Toscanini…

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): Oratório de Natal (Weihnachts-Oratorium / Christmas Oratorio)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O Natal está chegando e já estou montando uma árvore em meu coração para abrigar meus amigos e presentes, principalmente os últimos. Esta data — que é uma verdadeira e bela conspiração de amor — sempre me deixa, bem , muito irritado…

Até porque o Natal é uma festa de origem pagã que nos foi roubada pelos religiosos. A história do Natal começa, na verdade, pelo menos 7 mil anos antes do nascimento de Jesus. No hemisfério norte, o solstício de inverno era comemorado por marcar a noite mais longa do ano. No dia seguinte, ela seria paulatinamente mais curta, encaminhando o final do período ruim para as lavouras. Então, no solstício de inverno era festejada a melhoria das perspectivas. Era um tempo em que o homem deixava de ser caçador errante e começava a dominar a agricultura; então a volta dos dias mais longos significava a certeza de novas colheitas no ano seguinte. Na Mesopotâmia a celebração era enorme, com mais de dez dias de festa. Já os gregos cultuavam Dionísio no solstício, o deus do vinho e do prazer. Na China, as homenagens representavam a harmonia da natureza. Os povos antigos que habitavam a atual Grã-Bretanha criaram Stonehenge, monumento que começou a ser erguido em 3100 a.C. para marcar a trajetória do Sol ao longo do ano. Então, em 221 d.C., o historiador cristão Sextus Julius Africanus propôs à Igreja a fixação do nascimento de Jesus no dia 25 de dezembro. Aceita a proposta, a partir do século IV o Solis Invictus começou sua mutação. Ficou convencionado que Jesus nascera em 25 de dezembro e que as celebrações eram em sua honra. Ora, e meu pai caiu nessa.

Mas tergiverso.

Meus amigos, que Cantatas, que gravação, que belo trabalho de Jacobs com a Akademie für alte Musik Berlin. Quando digo que são Cantatas, não estou fazendo uma figura de linguagem: o Oratório de Natal foi escrito para o 25 de dezembro de 1734. Talvez por falta de tempo — o que era raro em Bach — , o compositor juntou algumas de suas Cantatas,  inclusive a música de três cantatas seculares (profanas), escritas entre 1733 e 1734, e a de uma cantata extraviada por meu irmão mais velho, aquele puto, que seria a BWV 248a.

Então, o oratório tem seis partes, sendo cada uma delas destinadas a apresentação em um dia das festas principais do período natalino. Modernamente, a peça é geralmente apresentada como um todo, ou dividida em duas partes iguais. A duração total da obra é aproximadamente três horas. De modo similar aos outros oratórios, um tenor Evangelista narra a história. A primeira parte (para o dia de Natal) descreve o nascimento de Jesus; a segunda (para o dia 26 de dezembro), a anunciação aos pastores; a terceira (para 27 de dezembro), a adoração dos pastores; a quarta (para o Ano Novo), a circuncisão (ui!) de Jesus; a quinta (para o domingo após o Ano Novo), a jornada dos Reis Magos, e a sexta (para a Epifania), a adoração dos Reis Magos.

J. S. Bach (1685-1750): Oratório de Natal

CD 1
1. Am 1. Weihnachtstag – Chor : “Jauchzet, Frohlocket, Auf, Preiset Die Tage”
2. Rezitativ – Evangelist : “Es Begab Sich Aber Zu Der Zeit”
3. Rezitativ – Alto : “Nun Mird Mein Liebster Brautigam”
4. Air – Alto : “Bereite Dich, Zion, Mit Zartlichen Trieben”
5. Choral : “Wie Soll Ich Dich Empfangen”
6. Rezitativ – Evangelist : “Und Sie Gebar Ihren Ersten Sohn”
7. Choral – Soprano : “Er Ist Auf Erden Kommen Arm”
8. Air – Basse : “Groser Herr Und Starker Konig”
9. Choral : “Ach Mein Herzliebes Jesulein”
10. Am 2. Weihnachtstag – Sinfonia
11. Rezitativ – Evangelist : “Und Es Waren Hirten In Deselben Gegend”
12. Choral : “Brich An, O Schones Morgenlicht”
13. Rezitativf : “Und Der Engel Sprach Zu Ihnen”
14. Rezitativf – Basse : “Was Gott Dem Abraham Verheisen”
15. Air : “Frohe Hirten, Eilt, Acht Eilet”
16. Rezitativ – Ange : “Und Das Habt Zum Zeichen”
17. Choral : “Schaut Hin, Dort Liegt Im Finstern Stall”
18. Rezitativ – Basse : “So Geht Denn Hin, Ihr Hirten, Geht”
19. Air – Alto : “Schlafe, Mein Liebster, Geniese Der Ruh”
20. Rezitativ – Evangelist : “Und Alsobald War Da Bei Dem Engel”
21. Chor : “Ehre Sei Gott In Der Hohe”
22. Rezitativ – Basse : “So Recht, Ihr Engel, Jauchzet Und Singet”
23. Choral : “Wir Singen Dir In Deinem Heer”
24. Am 3. Weihnachtstag – Chor : “Herrscher Des Himmels, Erhore Das Lallen”
25. Rezitativf – Evangelist : “Und Da Die Engel Von Ihnen Gen Himmel Fuhren”
26. Chor : “Lasset Uns Nun Gehen Gen Bethlehem”
27. Rezitativ – Basse : “Er Hat Sein Volk Getrost”
28. Choral : “Dies Hat Er Alles Uns Getan”
29. Duo – Soprano, Basse : “Herr, Dein Mitleid, Dein Erbarmen”
30. Rezitativ – Evangelist : “Und Sie Kamen Eilend Und Fanden Beide”
31. Air – Alto : “Schliese, Mein Herze, Dies Selige Wunder”
32. Rezitativ – Alto : “Ja, Ja, Mein Herz Soll Es Bewahren”
33. Choral : “Ich Will Dich Mit Fleis Bewahren”

CD 2
1. Choral : “Seid Froh”
2. Chor (Da Capo) : “Herrscher Des Himmels, Erhore Das Lallen”
3. Am Fest der Beschneidung Christi – Chor : “Fallt Mit Danken, Fallt Mit Loben”
4. Rezitativ -Evangelist : “Und Da Acht Tage Um Waren”
5. Rezitativ – Basse : “Immanuel, O Suses Wort”
6. Air – Soprano : “Flost, Mein Heiland, Flost Dein Namen”
7. Rezitativ – Basse : “Wohlan, Dein Name Soll Allein”
8. Air – Tenor : “Ich Will Nur Dir Zu Ehren Leben”
9. Choral : “Jesu Richte Mein Beginnen”
10. Am Sonntag nach Neujahr – Chor : “Ehre Sei Dir, Gott, Gesungen”
11. Rezitativ – Evangelist : “Da Jesus Geboren War Zu Bethlehem”
12. Choeur : “Wo Ist Der Neugeborne Konig Der Jude ?”
13. Choral : “Dein Glanz All Finsternis Verzehret”
14. Air – Basse : “Erleucht Auch Meine Finstre Sinnen”
15. Rezitativ – Evangelist : “Da Das Der Konig Herodes Horte”
16. Rezitativ – Alto : “Warum Wollt Ihr Erschrecken ?”
17. Rezitativ – Evangelist : “Und Lies Versammlen Alle Hohepriester”
18. Trio : “Ach, Wenn Wird Die Zeit Erscheinen ?”
19. Rezitativ – Alto : “Mein Liebster Herrschet Schon”
20. Choral : “Zwar Ist Solche Herzensstube”
21. Am Epiphaniasfest – Choeur :”Herr, Wenn Die Stolzen Feinde Schnauben”
22. Rezitativ – Evangelist : “Da Berief Herodes Die Weisen Heimlich”
23. Rezitativ – Soprano : “Du Falscher, Suche Nur Den Herrn Zu Fallen”
24. Air – Soprano : “Nur Ein Wink Von Seinen Handen”
25. Rezitativ – Evangelist : “Als Sie Nun Den Konig Gehoret Hatten”
26. Chor : “Ich Steh An Deiner Krippen Hier”
27. Rezitativ – Evangelist : “Und Gott Befahl Ihnen Im Traum”
28. Rezitativ – Tenor : “So Geht ! Genug, Mein Schatz Geht Nicht Von Hier”
29. Air – Tenor : “Nun Mogt Ihr Stolzen Feinde Schrecken”
30. Rezitativ : “Was Will Der Hollen Schecken Nun”
31. Choral : “Nun Seid Ihr Wohl Gerochen”
34. Am 3. Weihnachtstag – Rezitativ – Evangelist : “Und Die Hirten Kehreten Wieder Um”

Dorothea Röschmann: soprano
Andreas Scholl: alto
Werner Güra: tenor
Klaus Häger: bass

René Jacobs (cond.)
RIAS-Kammerchor
Akademie für alte Musik Berlin

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

René Jacobs, gênio total

René Jacobs, gênio total

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Horowitz plays Chopin, V. 1 – CD 2 de 3

Horowitz Plays Chopin Vol. 1Na pressa, sem tempo, trago hoje o segundo CD desta série histórica, que mostra todo o talento e versatilidade de um dos grandes pianistas do século XX.

01. Chopin – Sonata No. 2, Op. 35
02. Chopin – Sonata No. 2, Op. 35 cont
03. Chopin – Sonata No. 2, Op. 35 cont
04. Chopin – Sonata No. 2, Op. 35 cont. (recorded May 13, 1950)
05. Chopin – Nocturne,Op. 9 , No. 2 (recorded May 14, 1957)
06. Chopin – Nocturne, Op. 55, No. 1 (Recorded April 28, 1951)
07. Chopin – Impromptu No. 1, Op. 29 (Recorded Oct 11, 1951)
08. Chopin – Etude, Op. 10, No. 3 (recorded April 29, 1951)
09. Chopin – Etude, Op. 10, No. 4 (Recorded jan 5, 1952)
10. Chopin – Ballade No. 1, Op. 23 (recorded May 19, 1947)
11. Chopin – Mazurka, Op. 30, No. 4 (Recorded Dec 28, 1949)
12. Chopin – Scherzo No. 1, Op. 20 (recorded April 29, 1951)

Wladimir Horowitz – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Keith Jarrett — No End (2013)

Certamente, este No End concorre ao prêmio de CD de Jazz Mais Chato de Todos os Tempos ou, pelo menos, ao de Disco Mais Chato de Jarrett. Nele, em gravação de estúdio realizada em 1986, Keith Jarrett toca tudo — guitarra, baixo, percussão, tablas, o diabo — , até piano em alguns poucos momentos. O resultado é algo sem graça e indirecional: não sabe bem de onde ele saiu nem onde quer chegar com suas improvisações quase sem temas, só de climinhas pseudo-exóticos. Há momentos legais em meio à maior diluição, mas a coisa simplesmente não para em pé. Ouçam e me digam o que acharam.

Keith Jarrett — No End (2013)

Disc: 1
1. I
2. II
3. III
4. IV
5. V
6. VI
7. VII
8. VIII
9. IX
10. X

Disc: 2
1. XI
2. XII
3. XIII
4. XIV
5. XV
6. XVI
7. XVII
8. XVIII
9. XIX
10. XX

Keith Jarrett: electric guitars, fender bass, drums, tablas, percussion, voice, recorder, piano.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Desculpe, Jarrett, mas este CD é muito ruim.

Desculpe, Jarrett, mas este CD é muito ruim.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fumio Hayasaka (1918-1955): The Seven Samurai Original Film Soundtrack

Quando no ano de 1953 o célebre diretor Akira Kurosawa encomendou ao seu jovem amigo o compositor Fumio Hayasaka a trilha sonora para o seu filme Os Sete Samurais, o compositor, diante de tão honorável solicitação, correu para o piano e dedilhou um breve tema, anotando-o ligeiramente num fragmento de pentagrama. Insatisfeito, amassou o papel e o atirou à cesta de lixo. Cerrando os olhos por trás dos seus possantes óculos, respirou fundo e se pôs a conceber uma sucessão de temas, até formar uma considerável pilha de papéis de música. Satisfeito, convocou Kurosawa para exibir a sua criação. O compositor tocou para ele um tema após o outro. Kurosawa, cabisbaixo, abanava a cabeça recusando cada um deles. O compositor, vendo a pilha de temas se extinguir sem qualquer resultado positivo, desesperadamente acorreu à cesta de lixo, catou no fundo o fragmento que lá havia atirado e tocou o que lá anotara. O ‘Shogun do Cinema’ ergueu a fronte, arregalou os olhos nipônicos e apontando imperativamente, grunhiu: “É isto!”. Era o icônico tema dos Sete Samurais, que pode ser ouvido a princípio na faixa 2, ressurgindo com diferentes arranjos.

7 samuraisCertos filmes revisito quase que religiosamente. Filmes como Todas as Manhãs do Mundo e O Sétimo Selo; outro é Os Sete Samurais (1954). A saga dos heroicos ronins que se sacrificam na defesa de uma pobre aldeia de camponeses. Com marcantes atuações, especialmente de Toshiro Mifune, no papel do espalhafatoso, histriônico e destemido Kikuchiyo. O filme, repleto de grandes e antológicos momentos, como a soberba batalha final, mescla a teatralidade típica do cinema japonês (cujas raízes remontam ao teatro tradicional) com elementos do cinema ocidental, o que é bastante típico na obra de Kurosawa. Esta mescla de elementos também caracteriza a obra musical de Fumio Hayasaka.

13240134_758234320981563_587649711151027007_nHayasaka nasceu em Sendai, ilha de Honshu, em 1918. Em 1918 sua família mudou-se para Sapporo, ilha de Hokkaido. Em 1933, junto com o também compositor Akira Ifukube (autor das trilhas de Godzilla), organizou festivais de música. Hayasaka recebeu diversos prêmios por seus trabalhos de caráter erudito. Em 1939 mudou-se para Tokyo para se dedicar às trilhas sonoras. No início da década de 40 era conhecido como um grande compositor japonês de cinema. Em 1950 fundaria a Associação de Música de Cinema e seria também o mentor de famosos nomes como Masaru Sato e Toru Takemitsu. Dos filmes de Kurosawa para os quais trabalhou, Rashomon (1950) teve especial significado. Foi premiado com o Leão de ouro de Veneza e foi o primeiro filme japonês a ser amplamente visto no ocidente. Para esta película, Hayasaka compôs algo inspirado no Bolero de Ravel. Em seus últimos anos, em plena atividade, trabalhou também para premiados títulos de Kenji Mizoguchi. Os Sete Samurais foi a maior produção cinematográfica em seu tempo no Japão e, dos filmes para os quais Hayasaka compôs, foi o que mais o notabilizou para a posteridade. Sobre sua relação para com a música em seus filmes e sobre o trabalho de Hayasaka, disse Kurosawa: “Eu mudei meu pensamento sobre o acompanhamento musical a partir do momento que Fumio Hayasaka começou a trabalhar comigo como compositor nas trilhas sonoras dos meus filmes. A música de cinema na época não era nada mais do que um acompanhamento – para uma cena triste, havia sempre música triste. Esta é a maneira que maioria das pessoas usam a música, e é ineficaz. Mas a partir do filme Drunken Angel em diante, eu usei música leve para algumas cenas tristes, e minha maneira de usar a música diferiu da norma; eu não a ponho da maneira que a maioria das pessoas fazem. Trabalhando com Hayasaka, comecei a pensar em termos de o contraponto de som e imagem, em oposição à união de som e imagem”.

7 sam 2 Infelizmente sua amizade com Kurosawa não foi mais duradoura devido a sua morte prematura em 1955, aos 41 anos, vitimado pela tuberculose. Sua morte afetou profundamente o diretor, lançando-o em um dos seus períodos de depressão, que mais tarde o levariam a tentativas de suicídio.  Ainda Kurosawa: “Ele era um bom homem. Nós trabalhamos tão bem juntos porque a nossa própria fraqueza era a força do outro. Era como se ele, com seus óculos, fosse cego; e como se eu fosse surdo. Nós estivemos juntos dez anos e depois ele morreu. Não foi só a minha perda. Foi uma perda da música também. Você não encontra uma pessoa como essa duas vezes em sua vida.”

7 sam 3 A qualidade sonora poderá desagradar a muitos, talvez a própria trilha também, por diversas razões. Talvez algumas trilhas que nos agradam estejam indissociavelmente ligadas ao nosso afeto pelos filmes e não sobreviveriam ao nosso gosto se deles estivessem dissociadas. Particularmente falando gosto muito de toda a trilha, especialmente da primeira faixa, de abertura do filme. Uma rústica peça para percussões tradicionais japonesas. Impressionante e ao meu ver – e ouvir – perfeita para o espetáculo que irá se desenrolar. Outra faixa genial é a 27 (Tryst). Um minuto e três segundos de pura beleza, uma peça para Koto e flauta que sem dúvida deixaria Debussy encantado. Gostaria de dedicar esta postagem à Sra. Taeko Kawamura, amante da música e amiga de facebook que há meses se ausentou de nossas páginas sem quaisquer notícias.

Fumio Hayasaka (1918-1955): The Seven Samurai Original Film Soundtrack

  • The seven samurai main title
  • To the little watermill
  • Samurai search
  • Kambei, Katsushiro, Kikuchiyo’s mambo
  • Rikichi’s tears white rice
  • Two search for samurai
  • Six samurai
  • Extraordinary man
  • Morning departure
  • Wild warrior’s coming
  • Seven man completed
  • Katsushiro & Shino
  • Katsushiro come back
  • In the forest of the water god
  • Wheat field
  • Interlude
  • Harvesting
  • Rikichi’s trouble
  • Heihachi & Rikichi
  • Farm village scenery
  • Weak insects into samurai ways
  • Foreboding of bandits
  • Flag from the seven samurai
  • Sudden confrontation
  • Magnificent samurai
  • Kikuchiyo’s rises to the occasion
  • Tryst
  • Manzo & Shino
  • Rice planting song
  • Seven samurai ending

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Legenda?

Los Harakiris, total sucesso nas paradas do Japão feudal

Wellbach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Horowitz plays Chopin, Vol. 1 – CD 1 de 3

Horowitz Plays Chopin Vol. 1Problemas alheios a minha vontade, ligados a questão de saúde, me tem deixado afastado do blog, e infelizmente assim será por um tempo.
Para cobrir estas minhas ausências, na medida do possível, tenho procurado agendar postagens, como vai ser o caso desta sequência de CDs de Wladimir Horowitz, para o desespero do colega PQPBach, e alegria de nosso querido e sumido Vassily Genrikhovich.
Estes três primeiros CDs então são exclusivamente dedicados a Chopin.
Como se trata de uma retrospectiva da carreira de Horowitz, algumas destas gravações são ainda da década de 50 e até mesmo de 40. Espero que apreciem.

CD 1
01. Chopin – Polonaise-Fantaisie in A-flat, Op. 61
02. Chopin – Ballade No. 1 in G minor, Op. 23 (Recorded May 22, 1982)
03. Chopin – Barcarolle, Op. 60
04. Chopin – Etude in C-sharp minor, Op. 25, No. 7
05. Chopin – Etude in G-flat, Op. 10, No. 5 (Black Keys) (recorded 1979-80, in concert)
06. Chopin – Ballade No. 4 in F minor, Op. 52
07. Chopin – Waltz in A-flat, Op.69, No. 1 (recorded Nov 1, 1981, in concert at the Metrop
08. Chopin – Andante spianato in E-flat, Op.22
09. Chopin – Grande Polonaise in E-flat, Op. 22 (recorded Oct 6, 1945, in NYC)

CD1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concertos n° 22, 23 e Concerto Rondo for Piano & Orchestra, K. 386 – Haebler, Davis

mozartcompletepianoconcertosingridhaeblerphilips10cdsVou trazer hoje mais alguns concertos de Mozart com uma de suas principais intérpretes, a austríaca Ingrid Haebler. Em minha modesta opinião, poucos pianistas conseguiram capturar a essência mozartiana como Haebler. Ela tem aquele algo a mais que a diferencia dos outros. Ouçam com calma e tranquilidade. Sentem em suas melhores poltronas, abram uma boa garrafa de vinho e apreciem. Volto a repetir, é Mozart em sua essência.

01. Piano Concerto No. 22 in E flat major, KV 482 – I. Allegro
02. Piano Concerto No. 22 in E flat major, KV 482 – II. Andante
03. Piano Concerto No. 22 in E flat major, KV 482 – III. Allegro

London Symphony Orchestra
Witold Rowicki – Conductor

04. Piano Concerto No. 23 in A major, KV 488 – I. Allegro
05. Piano Concerto No. 23 in A major, KV 488 – II. Adagio
06. Piano Concerto No. 23 in A major, KV 488 – III. Allegro assai

London Symphony Orchestra
Colin Davis – Conductor

07. Concerto Rondo for Piano and Orchestra in A major, KV 386

Ingrid Haebler
London Symphony Orchestra
Alceo Galliera – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Zóltan Kodály (1882-1967): Sonata, Op. 8 for solo cello / Sonatina / 9 Epigrams

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Kodály fundou, juntamente com seu amigo ainda mais talentoso Béla Bartók, a etnomusicologia. Grande pesquisador, enorme compositor, parece ter sido melhor ainda como professor, tendo inventado o Método Kodály de ensino de música. Assim como Bartók, Kodály foi um intelectual que sabia aplicar sua cultura. E isto pode ser ouvido neste excelente CD. Todos os trabalhos apresentados são de grande originalidade de forma e conteúdo, verdadeiros resumos da tradição da composição clássica, romântica, impressionista e modernista do início do século XX, com profundo respeito pelas tradições folclóricas húngaras, eslovacas, búlgaras, albanesas e de outros países do leste europeu. A Sonata Op. 8 para Violoncelo Solo é maravilhosa. Curiosamente, em seu terceiro movimento, tem momentos que parecem música nordestina. Há vários bordões que lembram repentes. O Adágio que fecha o CD é outra pérola na interpretação de Natalie Clein, a qual é um capítulo à parte. A inglesa Clein (1977) não é apenas linda, é uma virtuose de som consistente, cheio, insinuante e, até diria, invasivo. É um prazer caminhar na rua com ela nos ouvidos. A gente esquece da política brasileira. Um belo CD da Hyperion!

Clein, Natalie Clein, com C.

Clein, Natalie Clein, com C.

Zóltan Kodály (1882-1967): Sonata, Op. 8 for solo cello / Sonatina / 9 Epigrams

01. Sonata, Op. 8 for solo cello – I. Allegro maestoso ma appassionato
02. Sonata, Op. 8 for solo cello – II. Adagio
03. Sonata, Op. 8 for solo cello – III. Allegro molto vivace

04. Sonatina

05. 9 Epigrams – No 1 Lento
06. 9 Epigrams – No 2
07. 9 Epigrams – No 3
08. 9 Epigrams – No 4 Moderato
09. 9 Epigrams – No 5 Allegretto
10. 9 Epigrams – No 6 Andantino
11. 9 Epigrams – No 7 Con Moto
12. 9 Epigrams – No 8
13. 9 Epigrams – No 9

14. Romance Lyrique

15. Adagio

Natalie Clein, cello
Julius Drake, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sentado à esquerda, Bartók. De barba, com prováveis partituras na mão, Kodály.

Sentado à esquerda, Bartók. De barba, com prováveis partituras na mão, Kodály.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johannes Brahms (1833-1897): Piano Trios 1 & 3

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este Trio Nº 1, Op. 8, é uma comprovação de que Brahms nasceu pronto. É obra de um jovem compositor maduro. É um repertório incontornável do período romântico. Você tem que conhecer. Simples assim.

Como se não bastasse o trocadilho infame que o nome Brahms sugere a nós, brasileiros, ele era filho de um contrabaixista de Hamburgo que tocava em cervejarias… E, a partir dos dez anos de idade, o pequeno Johannes passou a trabalhar como pianista com seu pai, nas tabernas. Não sabemos se estas atividades foram nocivas à saúde do menino, sabemos apenas que ele, mais tarde, fez bom uso de seu conhecimento sobre o repertório popular alemão. Brahms teve apenas dois professores, ambos durante a infância e adolescência. Ainda muito jovem, ficou pronto para compor após estudar Bach, Mozart e Beethoven.

Começou a compor cedo e, antes de completar 20 anos, seu Scherzo opus 4 já tinha entusiasmado e revelado afinidades com Schumann, a quem Brahms ainda desconhecia. Foi visitar Schumann e então os fatos são mais conhecidos: primeiro, Schumann escreve em seu diário “Visita de Brahms, um gênio!”, depois publica artigo altamente elogioso ao compositor, fazendo com que o jovem Brahms tivesse a melhor publicidade que um artista pudesse desejar. Schumann o considerava um filho espiritual e a esposa de Schumann, Clara, chamava-o de seu “deus loiro”. Muitas hipóteses são possíveis sobre a relação entre Clara e Brahms, mas só uma coisa é certa: eles destruíram a maior parte das cartas que dizia respeito a ela. Porém, a versão de que houve um forte componente amoroso na relação entre os dois dá margem a muitas conjeturas e ficções.

A música de câmara de Brahms é um verdadeiro tratado sobre a humanidade. Foi um compositor originalíssimo. Suas obras representam uma tentativa única de fusão entre a expressividade romântica e as preocupações formais clássicas. O resultado é uma música de grande densidade e intensidade. Foi, em sua época, adotado pelos conservadores. Ele colaborou bastante com esta adoção ao assinar um manifesto contra a chamada escola neo-alemã de Liszt e Wagner. Porém… teve tal imerecido estigma quebrado pelo famoso ensaio de Schoenberg: “Brahms, o Progressista”.

Johannes Brahms (1833-1897): Piano Trios 1 & 3

Piano Trio No.1 in B major, Op.8
01. I. Allegro
02. II. Scherzo- Allegro molto
03. III. Adagio
04. IV. Allegro

Piano Trio No.3 in C minor, Op.101
05. I. Allegro energico
06. II. Presto non assai
07. III. Andante grazioso
08. IV. Allegro molto

Gutman Trio
Sviatoslav Moroz, violino
Natalia Gutman, cello
Dmitri Vinnik, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O Trio Gutman

O Trio Gutman

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Keith Jarrett: Nude Ants (Live At The Village Vanguard)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Não deixo por menos, estamos tratando de um dos maiores discos de jazz de todos os tempos. Aqui, o quarteto escandinavo de Jarrett dá uma notável demonstração de musicalidade e tesão, atacando diversas vertentes, desde o jazz tradicional até o free. O pianista domina a música, mas as intervenções de Garbarek são sempre preciosas, assim como o acompanhamento de Danielsson e Christensen também são notáveis. O álbum é muito convincente, uma ilustração do trabalho refinado de Jarrett com influências europeias da música clássica e folclórica .

Keith Jarrett: Nude Ants (Live At The Village Vanguard)

1 Chant Of The Soil 17:12
2 Innocence 8:15
3 Processional 20:33
4 Oasis 30:34
5 New Dance 12:57
6 Sunshine Song 12:03

Bass – Palle Danielsson
Drums, Percussion – Jon Christensen
Piano, Timbales, Percussion, Music By – Keith Jarrett
Tenor Saxophone, Soprano Saxophone – Jan Garbarek

Recorded May 1979 at the Village Vanguard, New York.
Originally released as double LP in 1980.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jan Garbarek & Keith Jarrett: protagonistas de um dos maiores discos de jazz de todos os tempos

Jan Garbarek & Keith Jarrett: protagonistas de um dos maiores discos de jazz de todos os tempos

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

George Enescu (1881-1955): Poema Romeno, Op. 1 e Rapsódias Romenas Nº 1 e 2, Op. 11

IM-PER-DÍ-VEL !!!

O compositor romeno George Enescu não é tão conhecido em nosso país. Não é fácil encontrar material sobre este grande compositor do leste europeu. Lembro-me que os primeiros contatos que tive com o compositor se deu há alguns anos atrás num programa de rádio que é transmitido aqui em Brasília e se chama Clássicos de Todos os Tempos. É um extraordinário programa diário. Duas horas de música erudita – das 20 horas às 22 horas. Neste programa entrei em contato com as rapsódias romenas, que são majestosas. É música folclórica. Enescu nasceu em 1881 e morreu em 1955. Aos quatro anos já tocava violino. Com 12 anos era uma sensação nas salas de concerto da Europa. Estreou como compositor ao 17 anos (Poema Romeno, Op. 1). As suas famosas rapsódias romenas foram escritas em 1901-02. Com a extensão do seu trabalho, Enescu chegou a se tornar o diretor de orquestras americanas – Nova York e Filadélfia. No que tange às composições deste CD que ora posto, já tive oportunidade de ouvir por várias vezes durante a semana. O Poema Romeno para orquestra e coro, Op. 1 é maravilhoso e demonstra toda a precocidade de um gênio. Há a participação de um coro. Já a Rapsódia Romena no. 1 é a mais conhecida e de melodia doce e agradável. E aparece ainda a Rapsódia Romena no. 2 de fulgurante leveza orquestral. É de uma beleza silenciosa. Faz lembrar Sibelius. Acredito que este CD impressione. É uma oportunidade positiva para se conhecer George Enescu que há muito deveria ter aparecido aqui no PQP Bach. Boa apreciação!

George Enescu (1881-1955) – Poema Romeno, Op. 1 e Rapsódias Romenas nos. 1 e 2, op. 11 no. 1 e 2

01 – Romanian Poem Op.1 – Moderato – Adagio – Allegro vivo – Adagio – Moderato – Presto [30:06]
02 – Romanian Rhapsody No.1 in A major Op.11 No.1 [12:22]
03 – Romanian Rhapsody No.2 in D major Op.11 No.2 [11:48]

Coro e Orquestra da Rádio e Televisão Romena
Iosif Conta, regente

BAIXAR AQUI — DOWNLOAD HERE

Enescu: mais um nascido em 19 de agosto

Enescu: mais um nascido em 19 de agosto

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

C.P.E. Bach (1714-1788) – Symphonies, Cello Concertos – Leonhardt – Bylsma

coverRepostagem !!!! Link revalidado !!!

Sensacional álbum duplo!

Gosto muito dessas obras do maninho CPE, ainda mais interpretadas por dois especialistas neste repertório, Leonhardt e Bylsma. E já fazia algum tempo que eu procurava uma boa gravação, principalmente dos concertos para violoncelo. Os clientes da amazon foram unânimes ao darem 5 estrelas para este cd. Outra gravação que pode facilmente ser classificada como IM-PER-DÍ-VEL!!!”

Emprestei do blog do aliomodo o seguinte texto, que ele tirou da conceituada revista Gramophone:

Preciso dizer mais alguma coisa? Ah sim, podem apreciar sem moderação.

C.P.E. Bach – Symphonies, Cello Concertos – Leonhardt – Bylsma

CD 1

1. Symphony No. 1 in D Wq 183 (H663): I. Allegro di molto
2. Symphony No. 1 in D Wq 183 (H663): II. Largo
3. Symphony No. 1 in D Wq 183 (H663): III. Presto
4. Symphony No. 2 in E flat Wq183 (H664): I. Allegro di molto
5. Symphony No. 2 in E flat Wq183 (H664): II. Larghetto
6. Symphony No. 2 in E flat Wq183 (H664): III. Allegretto
7. Symphony No. 3 in F Wq183 (H665): I. Allegro di molto
8. Symphony No. 3 in F Wq183 (H665): II. Larghetto
9. Symphony No. 3 in F Wq183 (H665): III. Presto
10. Symphony No. 4 in G Wq183 (H666): I. Allegro assai
11. Symphony No. 4 in G Wq183 (H666): II. Poco andante
12. Symphony No. 4 in G Wq183 (H666): III. Presto
13. Symphony No.5 in B minor Wq182 (H661): Allegretto
14. Symphony No.5 in B minor Wq182 (H661): Larghetto
15. Symphony No.5 in B minor Wq182 (H661): Presto

Cd 2

1. Cello Concerto in A major Wq.172 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): I. Allegro
2. Cello Concerto in A major Wq.172 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): II. Largo con sordini, mesto
3. Cello Concerto in A major Wq.172 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): III. Allegro assai
4. Cello Concerto in A minor, Wq.170 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): I. Allegro assai
5. Cello Concerto in A minor, Wq.170 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): II. Andante
6. Cello Concerto in A minor, Wq.170 / H.439 (Cadenzas: Anner Bylsma): III. Allegro assai
7. Cello Concerto in B flat major, Wq.171 / H.436 (cadenzas: Anner Bylsma): I. Allegretto
8. Cello Concerto in B flat major, Wq.171 / H.436 (cadenzas: Anner Bylsma): II. Adagio
9. Cello Concerto in B flat major, Wq.171 / H.436 (cadenzas: Anner Bylsma): III. Allegro assai

Anner Bylsma – Cello
Orchestra Of The Age Of Enlightenment
Gustav Leonhardt – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDPBach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Piano Concertos – Haebler

mozartcompletepianoconcertosingridhaeblerphilips10cdsTive a rara oportunidade de apreciar o talento de Ingrid Haebler ao vivo, no Teatro Municipal de São Paulo, no inicio dos anos 90. E fiquei encantado, como não poderia deixar de ser. A pianista austríaca interpretou creio que o Concerto de nº 18, acompanhada pela Orquestra do Teatro Municipal, e foi longamente ovacionada. Já a conhecia por causa de alguns LPs em que interpretava estes mesmos concertos. E foi a primeira vez que tive a oportunidade de ouvir Mozart interpretado por uma austríaca da gema, e na época ainda considerada uma das principais intérpretes do gênio de Salzburgo.
Vou postar alguns dos meus concertos favoritos, e começo pelo magnífico Concerto de nº 17, seguidos pelos de nº 18, 19 e 20 e 21. Sei que os senhores irão apreciar.

P.S. Peço ajuda a quem já possua essas gravações para identificar as orquestras, principalmente no Concerto de nº 17.

01. Piano Concerto No. 17 in G major, KV 453 – I. Allegro
02. Piano Concerto No. 17 in G major, KV 453 – II. Andante
03. Piano Concerto No. 17 in G major, KV 453 – III. Allegretto
04. Piano Concerto No. 18 in B flat major, KV 456 – I. Allegro vivace
05. Piano Concerto No. 18 in B flat major, KV 456 – II. Andante un poco sostenuto
06. Piano Concerto No. 18 in B flat major, KV 456 – III. Allegro vivace
07. Piano Concerto No. 19 in F major, KV 459 – I. Allegro vivace

01. Piano Concerto No. 19 in F major, KV 459 – II. Allegretto
02. Piano Concerto No. 19 in F major, KV 459 – III. Allegro assai
03. Piano Concerto No. 20 in D minor, KV 466 – I. Allegro
04. Piano Concerto No. 20 in D minor, KV 466 – II. Romance
05. Piano Concerto No. 20 in D minor, KV 466 – III. Rondo
06. Piano Concerto No. 21 in C major, KV 467 – I. Allegro
07. Piano Concerto No. 21 in C major, KV 467 – II. Andante
08. Piano Concerto No. 21 in C major, KV 467 – III. Allegro vivace assai

Ingrid Haebler – Piano
London Symphony Orchestra (21)
Vienna Symphony Orchestra (19,20)
Witold Rowicki – Conductor (21)
Karl Melles – Conductor (18,19,20)

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler (1860-1911): Adagio da Sinfonia Nº 10 / Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sinfonia Nº 14

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Sim, a versão apresentada neste disco para o adágio da 10ª Sinfonia — Mahler completou apenas este movimento da 10ª que permaneceu incompleta, apesar das atuais “reconstruções” — é uma redução para cordas escrita por Hans Stadlmair. É inferior ao original mahleriano, mas é muito bonita. Porém, a Sinfonia Nº 14 de Shostakovich está com sua instrumentação completa. Não têm razão os críticos que atacam Kremer por ele ter gravado duas reduções. Fico pasmo com isso: pessoas que se apresentam como críticos de música ignoram que a Sinfonia Nº 14 SEJA uma sinfonia de câmara.

Este CD é uma iguaria. A redução do tristíssimo Adágio de Mahler combinou perfeitamente com a 14ª de Shosta. A KREMERara Baltica (fundada em 1997) comemorou seu décimo aniversário lançando este CD onde interpreta o adágio da inacabada décima de Mahler com grande sensibilidade, assim como 14ª Sinfonia de Shostakovich – ambos são trabalhos escritos tendo por horizonte a proximidade da morte. Shosta, aliás, fez sua sinfonia sobre poemas a respeito da morte. Estão presentes, por exemplo, García Lorca, Apollinaire e Rilke. Ambas são composições plenas de dor e desespero.

Sobre a 14ª de Shostakovich, eu já tinha escrito neste blog:

Sinfonia Nº 14, Op. 135 (1969)

A Sinfonia Nº 14 – espécie de ciclo de canções – foi dedicada a Britten, que a estreou em 1970 na Inglaterra. É a menos casual das dedicatórias. Seu formato e sonoridade é semelhante à Serenata para Tenor, Trompa e Cordas, Op. 31, e à Les Illuminations para tenor e orquestra de cordas, Op. 18, ambas do compositor inglês. Os dois eram amigos pessoais; conheceram-se em Londres em 1960, e Britten, depois disto, fez várias visitas à URSS. Se o formato musical vem de Britten, o espírito da música é inteiramente de Shostakovich, que se utiliza de poemas de Lorca, Brentano, Apollinaire, Küchelbecker e Rilke, sempre sobre o mesmo assunto: a morte.

O ciclo, escrito para soprano, baixo, percussão e cordas, não deixa a margem à consolação, é música de tristeza sem esperança. Cada canção tem personalidade própria, indo do sombrio e elegíaco em A la Santé, An Delvig e A Morte do Poeta, ao macabro na sensacional Malagueña, ao amargo em Les Attentives, ao grotesco em Réponse des Cosaques Zaporogues e à evocação dramática de Loreley. Não há música mais direta e que trabalhe tanto para a poesia, chegando, por vezes, a casar-se com ela sílaba por sílaba para tornar-se mais expressiva. Há uma versão da sinfonia no idioma original de cada poema, mas sempre a ouvi em russo. Então, já que não entendo esta língua, tenho que ouvi-la ao mesmo tempo em que leio uma tradução dos poemas. Posso dizer que a sinfonia torna-se apenas triste se estiver desacompanhada da compreensão dos poemas – pecado que cometi por anos! Ela perde sentido se não temos consciência de seu conteúdo autenticamente fúnebre. Além do mais, os poemas são notáveis.

Possui indiscutíveis seus méritos musicais mas o que importa é sua extrema sinceridade. Me entusiasmam especialmente a Malagueña, feita sobre poema de Lorca e a estranha Conclusão (Schluss-Stück) de Rilke, que é brevíssima, sardônica e — puxa vida — muito, mas muito final.

Gustav Mahler (1860-1911)

1 Symphony No. 10 – Adagio (1910) adapted for strings by Hans Stadlmair and Kremerata Baltica

Dmitri Shostakovich (1906-1975)

Symphony No. 14 op. 135 (1969) for soprano, bass and chamber orchestra
Dedicated to Benjamin Britten

2 De profundis
3 Malagueña
4 Loreley
5 The Suicide
6 On the Alert
7 Look, Madame
8 At the Santé Jail
9 The Zaporozhian Cossacks’ Reply to the Sultan of Constantinople
10 O Delvig, Delvig!
11 The Death of the Poet
12 Conclusion

Yulia Korpacheva soprano
Fedor Kuznetsov bass
The Kremerata Baltica
Gidon Kremer

Recorded 2001 and 2004
ECM New Series 2024

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

Gidon Kremers e sua Kremerata Baltica

Gidon Kremer e sua Kremerata Baltica

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Wojciech Kilar (1932-2013): Bram Stoker’s Dracula: Original Motion Picture Soundtrack

Gostaria de saber quem teria sugerido a Francis Ford Coppola o compositor para a sua bela versão da obra de Brahm Stoker, Drácula, de 1992. Quando vi o filme no cinema a trilha me marcou como toda boa trilha o faz conosco: como um personagem que é parte indissociável da película. Procurei saber do autor e encontrei o impronunciável prenome de ‘Wojciech’ Kilar. Curiosíssimo. Na época não havia internet e nunca ouvira qualquer comentário sobre este compositor, cuja figura singularíssima lembra ligeiramente o próprio Nosferatu de Murnau e cuja cabeleira diáfana e original talvez tenha inspirado a coisa mais esquisita do filme de Coppola: o penteado do protagonista em suas primeiras aparições em cena.

344qp03É tentador fazer comentários de natureza cinematográfica e mil piadas envolvendo Bela Lugosi, Christopher Lee, Ed Wood e até Chico Anísio com o seu impagável Bento Carneiro – ‘o vampiro brasileiro’, mas estamos aqui para falar da música. O Sr. Kilar foi um formidável compositor e ao que parece, desde a sua trilha para o filme de Coppola, veio sendo cada vez mais requisitado pelo cinema e correspondendo com seu ressaltado talento, como inspiradíssimo melodista e exímio orquestrador. Temos nesta trilha as provas disso. Seu domínio da paleta orquestral é soberano, digno herdeiro de Berlioz, Korsakov, Mussorgsky, Richard Strauss, Ravel… e após ouvi-lo em certas faixas como “Love Remembered” (número7) a sua catadura meio vampiresca se metamorfoseia aparecendo um afável compositor e maestro que gosta de gatos; além disso o Sr. Kilar possui enfim a pedra filosofal necessária a todo artista: uma imaginação maravilhosa.

Kilar 2Wojciech Kilar nasceu em 1932 em Lviv (também difícil de se pronunciar) – desde 1945 parte da Ucrânia. Seu pai era médico e sua mãe atriz. Passou a maior parte da vida em Katowice, Polônia; foi casado com uma pianista, Barbara Pomianowska. Kilar estudou nas melhores academias de música da Polônia, incluindo a escola do estado de Katowice, com a compositora e pianista Wladislawa Markiewiczówna (cruzes e alhos!), dentre outros grandes nomes da música erudita na Polônia em seu tempo; indo enfim aperfeiçoar a sua arte em Paris, sob a orientação da matriarca de inúmeros compositores do século XX, Nádia Boulanger. Kilar pertenceu, junto a nomes como Henryk Gorecki e Penderecki, ao movimento polonês de música avant-garde na década de 60. Exercendo por muitos anos a presidência da Associação de Compositores Poloneses. Sua associação com o cinema vem de muito antes do seu trabalho para Coppola, desde 1959, trabalhando para aclamados nomes como Andrzej Wajda e Krzystof Kieslowsky. Trabalhou para mais de uma centena de filmes em seu país, sendo o Drácula de Coppola seu primeiro trabalho para um filme de idioma inglês. Desde então, trabalhou para Roman Polansky em três filmes: Death and the Maiden (1994), The Night Gate (1999) e The Pianist (2002); mais Portrait of a Lady, de James Campion. A trilha do trailer de ‘Lista de Schindler’, é o seu Exodus. Paralelamente a essa produção, continuou a compor obras em diversos gêneros chamados eruditos, vocais, instrumentais e mistos; tendo por marcantes características em sua música um tocante melodismo, uma típica combinação dos timbres graves nos violoncelos e contrabaixos; mais elementos minimalistas associados às progressões harmônicas.

Kilar DraculaFazer música assustadora para as cenas de arrepiar não é tão difícil. Mesmo um amador, com certa atitude e um pouco de imaginação, percutindo um piano, por exemplo, pode conseguir certos resultados mais ou menos utilizáveis numa película de José Mojica Marins – nosso Zé do Caixão, Coffin Joe para os aficionados norte-americanos. O problema é ir além disso, trabalhar com sutilezas, pintar em sons certas atmosferas requeridas por um filme de qualidade. Isso o Sr. Kilar faz com perfeição – conhece os efeitos orquestrais como a palma da mão; nem é preciso entrar em detalhes sobre sua habilidade em desenvolver motivos rítmicos e melódicos – aprendeu bem com Beethoven e com Brahms. Uma das faixas mais belas e impressionantes é a de número 5, “Brides”, para a cena na qual – o avisado porém curioso – Jonathan Harker (Keanu Reeves) é seduzido e ‘mordiscado’ pelas três beldades vampiras noivas de Vlad. O portentoso, belo e inesquecível tema, a certa altura, ressurge em modulações inesperadas; desestabilizando o centro tonal, em verdadeiras ‘aparições’ sonoras. A faixa 4, “Lucy’s Party”, é composta com ‘ares amenos’ para uma cena menos terrificante e com toques cômicos. Contudo, logo o compositor descerra seus frasquinhos de sutis efeitos e os compassos aparentemente inocentes se veem invadidos por sombras que rondam, se insinuam, como um velho e exótico perfume que se imiscui por alguma janela. Instaurando uma atmosfera sombria, insana e ameaçadora. Na imagem acima, um autógrafo do compositor com a célula motívico-melódica principal da trilha sonora. Costumo pensar que a música chamada erudita do século XX encontrou generoso refúgio no cinema, basta pensar em nomes de gênios como Miklos Rozsa, Ennio Morricone, John Williams e tantos outros.

DraculaO compositor divide a trilha do Drácula de Coppola com a cancioneira e intérprete escocesa Annie Lennox (“Love Song for a Vampire”, faixa 16). Sendo um filme dos anos 90, mesmo com toda austeridade do personagem e romance ‘gótico’ do enredo, a produção não poderia deixar de exigir uma cantilena para tocar nas rádios e vender melhor o produto. Ora, não é das piores, não faria feio em nenhum comercial do Dia dos Namorados na Transilvânia. Na verdade, a canção ficou restrita aos créditos do filme e quem como eu tinha a mania de sair da sala de cinema por último, após a derradeira linha dos créditos, teve a oportunidade de ouvi-la na época (mania que adquiri após o filme O Enigma da Pirâmide, não vou revelar a razão mas deixo uma pista: Moriarty!). Sobre a dúvida com a qual abri o texto, possivelmente quem teria indicado Kilar para Coppola poderia ter sido seu tio maestro e compositor, Anton Coppola, que rege esta trilha sonora; à frente de uma orquestra que não está creditada neste disco.

dracula tom waitsNão poderia concluir sem falar do personagem que rouba a cena (ou todo filme) e que tem tudo a ver com música: Tom Waits no papel de Mr. Renfield – o servo do Conde, enclausurado no hospício do Dr. Seward, se deliciando com substancial dieta de insetos. Pena que não encarregaram Mr. Waits da canção romântica no lugar de Miss Lennox – mas assim talvez ficasse por demais ‘cult’ para os propósitos pecuniários da produção.

O Senhor Kilar se foi em 2013, porém faço votos que tenha sido mordido por uma das noivas de Vlad e que continue pelas noites a tecer a sua genial e bonita música, pelos séculos sem fim.

Wojciech Kilar (1932-2013): Bram Stoker’s Dracula: Original Motion Picture Soundtrack

1 Dracula – The Beginning
2 Vampire Hunters
3 Mina’s Photo
4 Lucy’s Party
5 The Brides
6 The Storm
7 Love Remembered
8 The Hunt Builds
9 The Hunters Prelude
10 The Green Mist
11 Mina & Dracula
12 The Ring of Fire
13 Love Eternal
14 Ascension
15 End Credits
16 Love Song for A vampire – Vocals, Written by Annie Lennox.

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Kilar só tem o nome de loja de eletrodomésticos

Kilar só tem o nome de loja de eletrodomésticos

Wellbach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!