C.P.E.Bach (1714-1788): Württemberg Sonatas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Clica antes aqui, malandro! Depois clica ali embaixo no melhor disco de 2014 na categoria Baroque Instrumental da revista Gramophone. Ah, pois é, né?

Eu tenho um álbum triplo (CDs) com as Württemberg Sonatas. Ouvi só uma vez, achei-as chatas. Então, quando abordei este CD, fui com cuidado… Quanta diferença! Gravação de estreia do maravilhoso cravista Mahan Esfahani, aqui temos seis destas sonatas escritas entre 1742 e 43 e publicadas em 1744. Esfahani é imaginativo, tem concepção e compreensão maduras de meu irmão CPE. Perfeitos modelos de Sturm und Drang, Carl Philipp Emanuel Bach faz aqui a declaração mais combativa da nova linguagem musical que iria soterrar o barroco. Mas só dá para concluir isso ouvindo ESTE registro imbatível.

C.P.E.Bach (1714-1788): Wurttemberg Sonatas

01] Sonata in Am, H30 – 1 Moderato
02] Sonata in Am, H30 – 2 Andante
03] Sonata in Am, H30 – 3 Allegro assai

04] Sonata in Ab, H31 – 1 Un poco allegro
05] Sonata in Ab, H31 – 2 Adagio
06] Sonata in Ab, H31 – 3 Allegro

07] Sonata in Em, H33 – 1 Allegro
08] Sonata in Em, H33 – 2 Adagio
09] Sonata in Em, H33 – 3 Vivace

10] Sonata in Bb, H32 – 1 Un poco allegro
11] Sonata in Bb, H32 – 2 Andante
12] Sonata in Bb, H32 – 3 Allegro

13] Sonata in Eb, H34 – 1 Allegro
14] Sonata in Eb, H34 – 2 Adagio
15] Sonata in Eb, H34 – 3 Allegro assai

16] Sonata in Bm, H36 – 1 Moderato
17] Sonata in Bm, H36 – 2 Adagio non molto
18] Sonata in Bm, H36 – 3 Allegro

Mahan Esfahani, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Mahan Esfahani -- sim, um menino.

Mahan Esfahani — sim, um menino.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

6 ideias sobre “C.P.E.Bach (1714-1788): Württemberg Sonatas

  1. Eis um repertório difícil de se interpretar, assim como outras peças do chamado estilo galante – também indevidamente chamado rococó – pois que corre-se o risco de parecer chato e repetitivo. Puxa pela imaginação do intérprete e também do ouvinte. Para nós acostumados à trama complexa do contraponto barroco parece algo um tanto aguado, mas a sutileza dos afetos está lá – Empfindsamkeit. Particularmente estas peças trazem uma particularidade histórica, apontam para a eclosão da Forma Sonata Clássica, conferindo ao C.P.E. o também indevido epíteto de pai da mesma – pois que a Forma Sonata desenvolveu-se a partir dos italianos, ganhando status em solo germânico com o presente cravista de Frederico II e logrando uma instável definição nas mãos da Primeira Escola de Viena, com Haydn, Mozart e Beethoven. Peças delicadas e agradáveis, enfim. Obrigado!

  2. Tem coisas que bastam algumas notas pra deslumbrar. E tudo bem que CPE é, depois do pai, o meu Bach preferido – a interpretação do garoto Esfahani merece o prêmio que recebeu. Afinal, inglês, como se sabe, não é besta! Obrigado PQP!

  3. É um grande disco mesmo, e Esfahani é muito bom. É pena que agora tenha saído da Hyperion para ir para a DG, aquela casa de discos que foi tão boa, mas que há anos que vem repetindo os mesmos programas chatos, que não arrisca, que agora adora pôr na capa lolitas mostrando o decote (note-se: esta observação não é misógena porque graças a deus sei apreciar o que tá por detrás do decote. É só que me parece que estão mostrando o valor errado do disco, porque afinal, mulheres bonitas há muitas, mas instrumentistas bons não abundam tanto…) ou jovenzinhos meios imberbes com cabelinho à Justin Biber (acho que se fosse gay também não ia gostar não daquela imagem tão de menino bunda mole…), enfim uma Deutsche Grammophon que vive da glória do passado e que hoje é dirigida por gestores que tanto poderiam estar lá como numa fábrica de sapatos ou de peixe congelado. Mas enfim, Esfahan é jovem e é brilhante, e com sorte encontra alguém que lhe dê um bom assessoramento: tenhamos esperança. De momento, resta-nos ouvir esse disco maravilhoso. Obrigado pelo post!

  4. Interessante… ainda ontem fui reouvir o “Time present, time past” do IRANIANO Esfahani, e reparei especialmente na “nitroglicerina pura” que são as variações do C.Ph.E. sobre La Folia – excelente campo para comparação, pois mil barrocos já tinham composto cem mil variações sobre ela… e já no dia seguinte topo com esta postagem, apontando exatamente o mesmo que em reparei ontem, agora num universo maior. Não vai dar pra deixar de baixar e ouvir!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *