Béla Bartók (1881-1945): Os Seis Quartetos de Cordas

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Digamos que eu seja conhecido aqui no blog por algumas declarações bombásticas. Pois, desta vez, não creio que vá ser muito discutida a afirmativa de que os Quartetos de Béla Bártok sejam a mais importante obra do século XX, até porque esta frase é meio consenso, meio convenção. Ora próximo ao Stravisnky da “fase russa”, ora próximo ao Beethoven dos últimos quartetos de Beethoven, Bartók casualmente distribuiu a composição dos mesmos de forma a traduzir as etapas de sua evolução artística — 1908, 1917, 1927, 1928, 1934 e 1939. O calhamaço História da Música Ocidental, de Jean e Brigitte Massin (1255 páginas), propõe que se ouça os último quartetos de Beethoven, emendando-os imediatamente com os de Bartók. A mesma força, a mesma nobreza, o mesmo espírito no tratamento das massas sonoras. Não que Bartók tenha imitado o mestre — ao contrário, Bartók não apenas tinha voz própria como bebeu nas mais diversas fontes: música folclórica, Debussy, Brahms, russos, Bach, etc.

Curiosa mistura de profunda erudição e absoluto “visceralismo”, os quartetos me chamaram a atenção durante a adolescência, por serem citados por todos os grandes escritores que gostavam de música: Erico Verissimo fala no Nº 3 e vários romancistas do pós-guerra citam o Nº 5 como uma obra inigualável, produzida pelo ódio ao nazismo que o fez exilar-se em 1940 nos EUA, já minado pela leucemia.

Não há como falar dos quartetos de Bartók de forma não apaixonada. É a maior música de nossa época e este é talvez o segundo ou terceiro CD que posto e que estão naquela categoria dos “dez mais” de minha discoteca / cedeteca.

Béla Bartók (1881-1945): Os Seis Quartetos de Cordas

CD1
1 String Quartet No 1 in A minor, op. 7 – Lento 9:22
2 String Quartet No 1 in A minor, op. 7 – Allegretto 10:29
3 String Quartet No 1 in A minor, op. 7 – Introduzione (Allegro) – Allegro vivace 10:21

4 String Quartet No 2 in A minor, op. 17 – Moderato 9:39
5 String Quartet No 2 in A minor, op. 17 – Allegro molto carpriccioso 7:39
6 String Quartet No 2 in A minor, op. 17 – Lento 7:52

7 String Quartet No 4 in C Major – Allegro 5:59
8 String Quartet No 4 in C Major – Prestissimo, con sordino 2:51
9 String Quartet No 4 in C Major – Non troppo lento 5:21
10 String Quartet No 4 in C Major – Allegretto pizzicato 2:54
11 String Quartet No 4 in C Major – Allegro molto 5:34

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

CD2
1 String Quartet No.3 in C sharp minor Sz93 – Prima parte: Moderato 4:35
2 String Quartet No.3 in C sharp minor Sz93 – Seconda parte: Allegro 5:34
3 String Quartet No.3 in C sharp minor Sz93 – Ricapitolazione della prima parte… 5:03

4 String Quartet No.5 in B flat major Sz110 – Allegro 7:39
5 String Quartet No.5 in B flat major Sz110 – Adagio molto 5:33
6 String Quartet No.5 in B flat major Sz110 – Scherzo (Alla bulgarese) & Trio 4:49
7 String Quartet No.5 in B flat major Sz110 – Andante 4:45
8 String Quartet No.5 in B flat major Sz110 – Finale (Allegro vivace) 6:58

9 String Quartet No.6 in D major Sz110 – Mesto – Vivace 7:33
10 String Quartet No.6 in D major Sz110 – Mesto – Marcia 7:36
11 String Quartet No.6 in D major Sz110 – Mesto – Burletta (Moderato) 7:12
12 String Quartet No.6 in D major Sz110 – Mesto 6:33

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Alban Berg Quartet

Tocando desse jeito, só podem estar felizes, né?
Tocando desse jeito, só podem ser felizes, né?

PQP

6 comments / Add your comment below

  1. Ah, que bacana! Estou adorando essas postagens imperdíveis de aniversário – até conheci Charles Mingus e gostei demais!
    Esses quartetos comecei a ouvir recentemente pelo Emerson Quartet, mas como você que essa versão do Alban Berg é melhor, vou baixar também.

    P. S.: o ano 1727 dá todo charme, hehe

  2. Concordo e discordo. Concordo que é uma das mais importantes composições do século XX, talvez realmente seja a mais importante. Mas nunca consegui concordar com o pessoal que coloca estes quartetos, maravilhosos, sem dúvida, na mesma altura dos últimos de Beethoven. Acho estes absolutamente inigualáveis, inatingíveis. E, embora reconheça nestes quartetos uma originalidade incrível, no quesito prazer de escutar, prefiro, no século XX, os de Shostakovich, também imensos, ainda que não tão originais.

  3. Grande postagem! Bartok dedicou-se, de parceria com Zoltan Kodaly, ao estudo da música popular hungara, conseguindo acabar com o equívoco de Liszt que tinha confundido o folclore musical húngaro com o dos ciganos da Hungria.
    É uma boa ideia essa de emendar os ultimos quartetos de Beethoven imediatamente com os de Bartok.
    Penhorado, agradeço por tão grande oportunidade!
    manuel

Deixe uma resposta