Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 2, Op. 43 & Sinfonia Nº 7, Op. 105

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Thomas Søndergård (1969), ex-regente da Orquestra da Rádio Norueguesa, representa a chegada de uma nova era na Orquestra da BBC de Gales. Sua estupenda estreia por lá está repetida nesta gravação de estúdio. A coisa é espetacular mesmo. Não adianta. A questão da etnia é cada vez mais clara para mim. O dinamarquês dá de relho na maior parte da concorrência. Esqueçam as clássicas gravações antigas. Guardadas as honrosas exceções e aqueles clássicos que todos sabem como tocar, melhor ouvir russos por russos, escandinavos por escandinavos, brasileiros por brasileiros e estamos conversados. É uma questão de sotaque. Søndergård é convincente por conhecer o folclore e ter nascido ali do ladinho do tio Siba, entendem? Ele tem o SOTAQUE. Isso aqui é Sibelius, gritam meus ouvidos.

A música? Bem, estas sinfonias de Sibelius são esplêndidas. Tenho especial amor pela 7ª, mas a 2ª não lhe fica nada a dever. E o a perfeição desta orquestra… Nossa!

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 2, Op. 43 & Sinfonia Nº 7, Op. 105

1 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: I. Allegretto 9:29
2 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: II. Tempo andante, ma rubato 13:51
3 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: III. Vivacissimo 5:54
4 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: IV. Finale. Allegro moderato 12:47

5 Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 20:33

BBC National Orchestra of Wales
Thomas Søndergård, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Thomas Søndergård, baita regente dinamarquês

Thomas Søndergård, baita regente dinamarquês

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

É mais um disco de cantatas bastante conhecidas de Bach para soprano. Talvez a francesa Dessay seja dramática demais em alguns momentos — ela por vezes canta Bach com um acento tipicamente handeliano –, mas, no geral, sua interpretação é boa. O álbum é dedicado a Martin Luther King. A voz de Dessay brilha especialmente entre os trompetes da Cantata BWV 51, mas pesa demais em Ich habe genug,  recuperando-se notavelmente logo depois na ária Schlummert ein, ihr matten Augen. Sem dúvida, trata-se de um CD desigual, mas que vale a pena conhecer.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

Cantata “Jauchzet Gott In Allen Landen” BWV 51
1) I Aria: Jauchzet Gott In Allen Landen
2) II Recitativo: Wir Beten Zu Dem Tempel An
3) III Aria: Höchster, Mache Deine Güte
4) IV Chorale: Sei Lob Und Preis Mit Ehren – V Finale: Alleluja!

Cantata No. 82, ‘Ich Habe Genug’ BWV 82a
5) Aria: Ich Habe Genug
6) Recit: Ich Habe Genug
7) Aria: Schlummert Ein
8. Recit: Mein Gott! Wann Kommt Das Schöne Nun!
9) Aria: Ich Freue Mich Auf Meinen Tod

Cantata “Mein Herze Schwimmt Im Blut” BWV 199
10) I Recitativo: Mein Herze Schwimmt Im Blut
11) II Aria & Recitativo: Stumme Seufzer, Stille Klagen
12) III Recitativo: Doch Gott Muss Mir Genädig Sein
13) IV Aria: Tief Gebückt Und Voller Reue
14) V Recitativo: Auf Diese Schmerzensreu
15) VI Chorale: Ich, Dein Betrübtes Kind
16) VII Recitativo: Ich Lege Mich In Diese Wunden
17) VIII Aria: Wie Freudig Ist Mein Herz

Natalie Dessay, soprano
Le Concert d’Astrée
Emmanuelle Haïm

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

Em 2013, aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Offenbach: Can-Can – Gaîté Parisiènne; Overtures – Marriner, Previn DECCA 2013

Para este Carnaval, nada mais apropriado que a música de Offenbach. Este CD é uma compilação de 2 gravações lançadas respectivamente em 1982 e 1983, a primeira de Neville Marriner com as aberturas das operetas mais famosas, e a outra de André Previn com o ballet sobre temas de Offenbach arranjado por Manoel Rosenthal, o Gaîté Parisienne. Sim, apesar da fama, é um pastiche.

Mas quem se importa? a música de Offenbach é boa o suficiente para servir à causa do ballet, e as aberturas são o que há de mais fino em música ligeira. Basta dizer que compositores severos como Debussy, Bizet, Mussorgsky e Rimsky-Korsakov eram seus admiradores.  Até mesmo – pasmem – Nietzsche dedicou-lhe olhares simpáticos. Crítica e público são unânimes em afirmar a extrema competência de Offenbach em tratar melodias de uma forma leve, espontânea e carismática, e suas operetas influenciaram direta ou indiretamente, as maiores obras do gênero, de Nicolai a Johann Strauss II. O píncaro da música ligeira, que em alguns casos nem lhe cabe esta classificação: é música da mais alta competência.

Jacques Offenbach (1819-1880)

Overture Orphée aux enfers
Overture La belle Hélène
Overture La Périchole
Overture La vie parisienne
Philharmonia Orchestra
Sir Neville Marriner
Philips, 1982

Gaîté parisienne
Pittsburgh Symphony Orchestra
André Previn
Philips, 1983
Compilation: Decca, 2013

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 293Mb

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Missas de Palestrina, Lassus, Ashewell: La Quinta Essentia

Um excelente CD com a música de Giovanni Pierluigi da Palestrina, Orlando de Lassus e do, para mim desconhecido, Thomas Ashewell.  Um nasceu próximo a Roma, outro na Bélgica e o terceiro na Inglaterra, mas como suas polifonias eram parecidas! São 14 extraordinários cantores sob o comando desta grande figura que é Paul van Nevel (fotos abaixo). O Huelgas Ensemble soa aqui aqui como raramente ouvi, um verdadeiro milagre, mas um milagre para ouvidos que podem deixar de lado a pressa e as alterações súbitas de ritmos. O lugar aqui é da mais pura — e bela — paz renascentista.

Gosta de Palestrina, de charutos e da Stella.

Paul van Nevel gosta de Palestrina, de charutos e da Stella.

Missas de Palestrina, Lassus, Ashewell: La Quinta Essentia

Missa Tous les regretz, for 6 voices, H. v/3
1 I. Kyrie 3:09
2 II. Gloria 4:37
3 III. Credo 7:26
4 IV. Sanctus 3:25
5 V. Agnus Dei 3:38

Missa Ave Maria, for vocal ensemble
6 I. Gloria 7:44
7 II. Credo 9:43
8 III. Sanctus 8:13
9 IV. Agnus Dei 8:05

Missa Ut re mi fa sol la, for 6 voices
10 I. Kyrie 3:47
11 II. Gloria 4:06
12 III. Sanctus 6:47
13 IV. Agnus Dei 6:30

Huelgas Ensemble
Paul van Nevel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Se vocês procurar por Paul van Nevel no Google Images encontrará muitos charutos. Mas que som ele faz!

Se vocês procurarem por Paul van Nevel no Google Images encontrará muitos charutos. Mas que som ele faz!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Valentin Silvestrov (1937): Bagatellen Und Serenaden

A música delicada, contemplativa, poética e melodiosa do ucraniano Valentin Silvestrov recebe aqui tratamento luxuoso do próprio autor — que é pianista –, de Alexei Lubimov — que também é pianista, e muito melhor –, além da Orquestra de Câmara de Munique. Suas peças são Serenatas e Bagatelas de melodias nostálgicas, eruditas canções de ninar, mas tudo muito bem feito, nada new age, nada kitsch, não é música de elevador, nem besteira. Alguém disse que a música de Silvestrov é como um lago escuro. Há uma sensação de paralisação do tempo semelhante ao que acontece em alguns filmes de Tarkovski. Ficamos desorientados, achando que a música vai terminar, mas ela continua. É um grande e curioso compositor.

Bagatellen I – XIII / II (Var.) (34:29)
1 I 2:09
2 II 2:54
3 III 3:40
4 IV 2:32
5 V 2:03
6 VI 1:50
7 VII 2:05
8 VIII 1:50
9 IX 2:01
10 X 1:43
11 XI 2:17
12 XII 2:10
13 XIII 3:55
14 II (Var.) 3:02
15 Elegie 4:51

Stille Musik
16 I. Walzer Des Augenblicks 4:39
17 II. Abendserenade 3:12
18 III. Augenblick Der Serenade 2:17

Abschiedsserenade
19 I 2:06
20 II 2:51
21 Der Bote 9:12

Zwei Dialoge Mit Nachwort
22 I. Hochzeitswalzer 4:53
23 II. Postludium 3:14
24 III. Morgenserenade 2:39

Piano:
Alexei Lubimov (tracks: 21 to 24)
Valentin Silvestrov (tracks: 1 to 14)

Orquestra e regência:
Münchener Kammerorchester (tracks: 15 to 24)
Christoph Poppen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Só não me queima o piano, Valentim!

Só não me queima o piano com essas velas, Valentin!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alain / Dutilleux / Ravel / Messiaen: Solitaires – French works for solo piano

Da literatura francesa para piano solo da primeira metade do século XX, Kathryn Stott escolheu quatro “solitaires” — obras que, sob formas muito próprias, brilham muito, cada uma ocupando um lugar único na produção de cada compositor escolhido. O disco abre com o breve Prelúdio e fuga de Jehan Alain, composto em 1935. Alain, que morreu aos 29 anos durante a 2ª Guerra Mundial, é principalmente lembrado como um compositor de música de órgão e, de fato, preparou uma versão desta fuga para esse instrumento. Ele considerava o prelúdio demasiadamente pianístico e compôs um novo para a versão de órgão. Alain é acompanhado pela única sonata para piano de Henri Dutilleux, escrita para a esposa do compositor, Geneviève Joy, que também deu a primeira apresentação da obra em 1948. Nas próprias palavras de Dutilleux a música é “apresentada sobretudo como uma visão, um sonho. E, ao escutar, deve-se deixar levar sem constrangimento e sem se preocupar com análises”. Interessante forma de evitar a crítica… Composto em 1914-17, Le Tombeau de Couperin é a última obra de Maurice Ravel para piano solo — uma suite inspirada pelos grandes clavecinistas franceses do barroco. Os seis movimentos são homenagens dedicadas a amigos do compositor que morreram durante os anos iniciais da Primeira Guerra Mundial. Fechando o disco temos Le baiser de l’Enfant-Jésus do monumental afresco Vingt regards sur l’Enfant-Jésus (1944), de Olivier Messiaen. O próprio Messiaen descreveu esta obra como algo “que não visa nada além de ser tão suave quanto o coração do céu…”. Sei lá, entende? Kathryn Stott é uma incrível pianista e está perfeitamente à vontade neste repertório nada fácil e pouco explorado.

Alain / Dutilleux / Ravel / Messiaen: Solitaires – French works for solo piano

Jehan Alain
Prélude et fugue for piano, JA87A (1935) 4’21
01 Prélude (JA87) 3’10
02 Fugue (JA57A) 1’11

Henri Dutilleux
Piano Sonata (1946–48) 24’45
03 I. Allegro con moto 7’48
04 II. Lied. Assez lent 6’05
05 III. Choral et Variations (I–IV) 10’52

Maurice Ravel
Le tombeau de Couperin, suite for piano (1914–17) 24’43
06 I. Prélude. Vif 3’02
07 II. Fugue. Allegro moderato 3’33
08 III. Forlane. Allegretto 5’55
09 IV. Rigaudon. Assez vif 3’08
10 V. Menuet. Allegro moderato 4’51
11 VI. Toccata. Vif 4’14

Olivier Messiaen
from Vingt regards sur l’Enfant-Jésus (1944)
12 XV. Le baiser de l’Enfant-Jésus 13’28

Kathryn Stott, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Temos mais de 1500 compositores, mas esta é a estreia de Jehan Alain por aqui.

Temos mais de 1500 compositores, mas esta é a estreia de Jehan Alain por aqui.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ainda mais Cordas: o Violão (Johann Sebastian Bach (1685-1750)): As Seis Suítes para Violoncelo transcritas para o violão

POSTAGEM ORIGINAL DE FDP BACH, REVALIDADA PELO PQP, ESCAFEDIDA NO COLAPSO DO RAPIDSHARE E REVALIDADA POR VASSILY, PERDIDA NO PQPSHARE E RECUPERADA AGORA POR PQP, DENTRO DA SÉRIE SOBRE AS SUÍTES PARA VIOLONCELO DE J. S. BACH

Muito interessante este CD. O violonista alemão Andreas von Wangenheim é um cabra macho: são dele mesmo as transcrições para violão das Suítes para Violoncelo de papai. E o resultado é muito bom. O editorialista da amazon diz o seguinte: Bach’s famous suites for cello solo from a different perspective: in order to emphasize the polyphonic structure of this marvelous music, Andreas von Wangenheim has transcribed them for guitar. The Six Suites for Violoncello Solo put the instrument through its paces in the same way as the Six Sonatas and Partitas for Violin Solo. A closer look at these works reveals a fascinating element of Bach’s compositional art: the polyphony that is concealed in almost all of his solo lines. Andreas von Wangenheim is considered one of the finest guitarists of the younger generation. He won the 1987 Bach Prize at the International Guitar Competition for Students in Europe.

A comparação com Segovia é inevitável, afinal, o mestre espanhol também transcreveu obras de papai para o violão. Mas Wangenheim é ainda jovem, apesar de já ter uma carreira consolidada como solista e professor.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa.

Johann Sebastian Bach – Six Cello Suites (transcribed for Guitar) – Andreas von Wangenheim

Disco 1

1. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Prélude
2. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Allemande
3. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Courante
4. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Bourrée
6. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Gigue

7. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Prélude
8. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Allemande
9. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Courante
10. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Menuet 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Gigue

13. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Prélude
14. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Allemande
15. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Courante
16. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Bourrée 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Gigue

Disco 2

1. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Prélude
2. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Allemande
3. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Courante
4. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Menuet 1 & 2
6. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Gigue

7. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Prélude
8. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Allemande
9. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Courante
10. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gavotte 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gigue

13. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Prélude
14. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Allemande
15. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Courante
16. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gavotte 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gigue

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Andreas von Wangenheim, violão

Belo trabalho, Andreas!

Belo trabalho, Andreas!

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Grieg: Symphony in C minor; In Autumn op.11; Piano Concerto op.16 – Noriko Ogawa, Ole Kristian Ruud BIS 2003

As grandes estrelas deste CD são duas obras orquestrais de Grieg muito pouco executadas, a abertura In Autumn e sua única Sinfonia, em Dó menor.

A Sinfonia é um caso à parte, por ser obra de juventude de Grieg, e que ele particularmente detestava, ao ponto de escrever “nunca deve ser tocada”. Com efeito, a obra ficou esquecida por muito tempo, até que, depois de muitas negociações com a família, foi executada em 1981 (113 anos após ter sido escrita) por Karsten Andersen e a Bergen Symphony Orchestra, gravado posteriormente pela DECCA. Conseguimos entender porque ele reprovou a obra: é uma sinfonia que tem muito pouco da eloquencia melódica de Grieg, que encontramos nas obras mais maduras, notadamente em Peer Gynt, por exemplo. Como é uma sinfonia de juventude, é muito influenciada por outros compositores, como Dvorak ou Glazunov. Mas, de qualquer jeito, é uma obra tipicamente norueguesa, e tem, mesmo que a contragosto, um timbre grieguiano inconfundível. Talvez ele também tenha se decepcionado com ela pela falta do frescor que obras de juventude teriam, é uma obra séria e de pretensões densas. Mas é muito boa música! Ainda bem que se resolveu o impasse, e pena que Grieg nunca mais tenha pensado em verter pelos caminhos da Sinfonia.
In Autumn é uma abertura, um pequeno poema sinfônico, mas muito contundente. Dramático até. Pensei em encontrar algo bucólico no estilo da inspiradíssima Última Primavera, ou ao estilo das peças Líricas. Ledo engano. Drama puro, até um pouco trágico. A primeira versão foi mostrada a Niels Gade, que disse: “Grieg, isso é lixo, vá pra casa e escreva algo melhor.” Precisa realmente ser muito amigo para dizer isso, e mais ainda para aceitar, voltar para casa e realmente escrever algo melhor. E esta segunda versão acabou sendo feita para dueto de piano, e posteriormente orquestrada, foi elogiada e passou no crivo de seu amigo.
E, por fim, o tal Concerto para Piano em lá menor. Deste não preciso dizer nada, já é uma peça por si só conhecidíssima e que tem um monte de versões aqui no PQP. Me limito a tecer dois comentários: 1) a japonesa Ogawa é uma grata surpresa no panteão canônico de intérpretes deste concerto, e 2) fiquei feliz que este não vem com o concerto de Schumann a tiracolo.

Boa audição!

Edvard Grieg (1843-1907)

In Autumn, Op. 11
Piano Concerto in A Minor, Op. 16
Symphony in C Minor, EG 119

Noriko Ogawa, piano
Bergen Philharmonic Orchestra
Ole Kristian Ruud
BIS, 2003

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 288Mb

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Igor Stravinsky (1882-1971): Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – "A Sagração da Primavera"

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é um daqueles CDs que você é obrigado a baixar, sentar e ouvir. Tudo é bom nessa gravação. É a música do mago Igor Stravinsky regida por um especialista no repertório da composição contemporânea, Pierre Boulez. As duas obras desse post são expressivas e estão inscritas naquele rol de composições mais importantes e marcantes da história da música, assim como a Nona de Beethoven ou a Sinfonia Leningrado de Shostakovich. Trata-se de peças que foram responsáveis por mudar o conceito de composição de música no século XX. A primeira, Pétrouchka, é a história sobre um fantoche tradicional russo, que é feito da palha e com um saco de serragem como corpo que acaba por tomar vida e ter a capacidade amar, uma história que se assemelha superficialmente àquela de Pinocchio. Já Le Sacre du Printemps ou “A Sagração da Primavera” é uma extravagância. Não uso o termo em sentido depreciativo. Quero apenas informar que a obra é um exagero de arrojo e perfeição. “A Sagração da Primavera” é largamente conhecida como uma das maiores, mais influentes e mais reproduzidas composições da história da música do Século XX sendo um ícone de toda música erudita por ter sido considerada a obra que marca o início do modernismo . Considera-se que ela inovou em quase todos os aspectos musicais correntes na época : estrutura rítmica, orquestração, timbrística, forma, harmonia, uso de dissonâncias, e particularmente uma valorização da percussão acima da harmonia e melodia como nunca tinha ocorrido antes. Desafiando bom número de regras e contestando tudo que se conhecia até então a obra causou um escândalo memorável na capital francesa, em que a plateia, diante de tanta revolução artística, não aceitava o que ouvia e via. A rejeição se reforçou pelas inovações de linguagem que Nijinsky incorporou à coreografia, valorizando movimentos “rústicos” inspirado em hierógrafos e pinturas em pedras de homens da caverna. Durante a apresentação não faltaram vaias, e o próprio Diaghilev chegou a acender as luzes da platéia numa tentativa de conter um pouco o caos que se instalou. Não tendo surtido muito efeito, a agitação continuou e marcou tanto a estreia que até hoje a peça é considerada uma das mais internacionalmente conhecidas e controversas obras na história da arte”.

A obra subdivide-se em duas partes principais:
1. A adoração da terra (8 seções);
2. O sacrifício (6 seções).

Por isso, não deixe de ouvir esse CD formidável. Bom deleite!

P.S. O texto acima é em sua maior parte extraído DAQUI e DAQUI

Igor Stravinsky (1882-1971) – Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – “A Sagração da Primavera”

Pétrouchka
01. First Tableau
02. Second Tableau
03. Third Tableau
04. Fourth Tableau

Le Sacre du Printemps
05. Part 1 – L’Adoration de la Terre
06. Part 2 – Le Sacrifice

The Cleveland Orchestra
Pierre Boulez, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stravinsky mostrando suas armas

Stravinsky mostrando suas armas

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Stamitz (1717-1757) / Franz Xaver Richter (1709-1789): Early String Symphonies

Esta é uma tentativa de recriar uma época importante na história da música erudita, a do início da sinfonia clássica, entre os anos de 1745 a 1760. A música é do barroco tardio, mas quase já não é, se me entendem. Já estamos dando um passo para fora do estilo. Stamitz, um compositor checo, era um daqueles caras que escreveram quase cem sinfonias, a maioria delas no estilo atlético de Mannheim, onde serviu como concertino. Richter, austríaco, era um violinista, cantor, compositor, regente e teórico da música que também trabalhou em Mannheim mais ou menos na mesma época de Stamitz. Aí está a conexão entre ambos. A música vai agradar tanto os amantes do barroco como os ouvintes que desejam conhecer o início do desenvolvimento da sinfonia como forma de arte.

Johann Stamitz (1717-1757) / Franz Xaver Richter (1709-1789):
Early String Symphonies

1 Sinfonia a 4 in A Major: I. Allegro assai 4:35
2 Sinfonia a 4 in A Major: II. Andante 4:56
3 Sinfonia a 4 in A Major: III. Presto 2:25

4 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: I. Spiritoso 3:48
5 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: II. Andante 3:17
6 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: III. Presto 3:38

7 Sinfonia a 4 in C Minor: I. Allegro ma poco 4:38
8 Sinfonia a 4 in C Minor: II. Tempo giusto 4:09
9 Sinfonia a 4 in C Minor: III. Allegro 2:05

10 Sinfonia a 4 in D Major: I. Presto 5:45
11 Sinfonia a 4 in D Major: II. Andante 7:05
12 Sinfonia a 4 in D Major: III. Presto 2:19

13 Symphony for Strings in D Major, Op. 11, No. 1: Andante non Adagio 5:44

The Chamber Orchestra of the New Dutch Academy
Simon Murphy

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Johann Stamitz, meio apressado para compor mais uma de suas 75 sinfonias

Johann Stamitz, meio apressado para compor mais uma de suas 75 sinfonias

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Ralph Towner: My Foolish Heart

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Logo após elogiadíssimos trabalhos com o trompetista Paolo Fresu (Chiaroscuro) e com os guitarristas Wolfgang Muthspiel e Slava Grigoryan (Travel Guide), Ralph Towner retorna a um trabalho solo com My Foolish Heart. O toque de Towner em seu violão de 12 cordas é imediatamente identificável e os trabalhos solo são uma parte importante da discografia deste multi-instrumentista que completa 77 anos no próximo dia 1º de março. My Foolish Heart segue a grande tradição de Diary, Solo Concert, Ana, Anthem e Time Line. O CD possui novas composições, todas muito boas — uma linda homenagem ao falecido Paul Bley (Blue As In Bley), bem como duas (Shard e Rewind) do Oregon, grupo do qual participa desde o Período Pré-Antigo. O único standard é My Foolish Heart, famosa na interpretação de Bill Evans. O 29º álbum de Towner para a ECM tem apenas 40 min, mas vale cada segundo.

Ralph Towner: My Foolish Heart

1 Pilgrim 4:31
2 I’ll Sing To You 4:32
3 Saunter 5:01
4 My Foolish Heart 3:51
5 Dolomiti Dance 4:24
6 Clarion Call 4:40
7 Two Poets 2:04
8 Shard 0:54
9 Ubi Sunt 1:20
10 Biding Time 1:29
11 Blue As In Bley 3:53
12 Rewind 3:43

Ralph Towner, violão de 12 cordas

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ralph Towner e cada uma de suas doze cordas

Ralph Towner e doze cordas

PQP

 

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): A Arte da Fuga / Abertura Francesa / Concerto Italiano / Prelúdio, Fuga e Allegro

LEONARDT
IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gustav Leonhardt foi um monstro, um gênio e o pequepiano ouvinte-leitor André X. nos enviou este CD duplo para polinizarmos sua arte. Não lembro de Arte da Fuga melhor do que esta. Também penso não existir melhor Prelúdio, Fuga e Allegro, do qual ouvi uma versão atropelada, dia desses em Porto Alegre. Ah, e o CD ainda traz o Concerto Italiano e a Abertura Francesa. Ou seja, só obras-primas, nada além de obras-primas de Bach. Aproveitem porque a qualidade deste trabalho não se encontra rotineiramente por aí.

Die Kunst Der Fuge BWV 1080 / The Art Of The Fugue BWV 1080
1-1 Contrapunctus 1 4:14
1-2 Contrapunctus 4 6:39
1-3 Contrapunctus 2 3:35
1-4 Contrapunctus 3 3:31
1-5 Contrapunctus 5 3:59
1-6 Contrapunctus 6 4:33
1-7 Contrapunctus 7 5:10
1-8 Contrapunctus 8 6:41
1-9 Contrapunctus 9 2:58
1-10 Contrapunctus 10 5:21
1-11 Contrapunctus 11 7:49
1-12 Contrapunctus 12a 2:44
1-13 Contrapunctus 12b 2:54
1-14 Contrapunctus 18a 2:26
1-15 Contrapunctus 18b 2:27
2-1 Canon 14 3:57
2-2 Canon 15 2:42
2-3 Canon 16 5:53
2-4 Canon 17 2:07

Clavierübung II (1735) Partita BWV 831 H-moll/B Minor
(Ouvertüre Nach Französischer Art/Overture In The French Manner)

2-5 Ouvertüre 8:19
2-6 Courante 2:33
2-7 Gavotte I/II 2:40
2-8 Passepied I/II 3:04
2-9 Sarabande 2:39
2-10 Bourrée I/II 2:58
2-11 Gigue 2:03
2-12 Echo 3:16

Italienisches Konzert F-dur BWV 971 / Italian Concerto F Major BWV 971
2-13 Allegro 4:20
2-14 Andante 4:30
2-15 Presto 4:24

Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major
2-16 Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major 10:36

Gustav Leonhardt, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Monteverdi: Madrigali Guerrieri et Amorosi – Jordi Savall, La Capella Reial de Catalunya ASTRÉE 1995

Jordi Savall não é apenas uma sumidade artística, é um mago da música. Em suas mãos, os madrigais de Monteverdi deixam de ser peças de interesse histórico, passam a ser obras dignas de atenção para ouvintes de qualquer época.

Não sei como ele faz isso, mas é um trabalho já elogiado à exaustão, e sempre merecido.

Estes madrigais fazem parte do Livro Oitavo (ao todo são 9), datando de 1638, portanto já uma obra madura do compositor. O título completo seria “Madrigali guerrieri, et amorosi con alcuni opuscoli in genere rappresentativo, che saranno per brevi episodi fra i canti senza gesto.”

Nesta obra já existe o sentimento muito claro de que a polifonia renascentista começava a dar seus primeiros passos em direção a uma estilização de formas que será, em pouco tempo, chamado de Barroco. Para alguns, é o primeiro barroco, para outros, a última renascença. Coisa fina.

Boa audição!

Claudio Monteverdi (c1567-1643)
Madrigali Guerrieri et Amorosi

  1. I. Others Sing Of Love: Sinf
  2. I. Others Sing Of Love: Others Sing Of Love
  3. I. Others Sing Of Love: You Received The Cesar’s
  4. I. Others Sing Of Love: Accept This New And Fresh Work
  5. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Circling Around The Enemy
  6. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: We Let Him Approach
  7. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: False Weapons They Are Not
  8. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Search For The Eyes
  9. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: There Is No Time Left
  10. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Oh My Heart, Running Is Useless
  11. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Opening Before The Dance…
  12. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Dance: Move To My Melodious Sound
  13. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Ciaccona
  14. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Second Part Of The Ballet…
  15. IV. Five Part Sym
  16. V. Others Sing Of Mars: Others Sing Of Mars
  17. V. Others Sing Of Mars: Two Beautiful Eyes
  18. VI. A Nymph’s Lament: Phoebus Had Not Yet
  19. VI. A Nymph’s Lament: A Nymph’s Lament
  20. VI. A Nymph’s Lament: So Among Disdainful Tears
  21. VII. Six Part Sym
  22. VIII. Now That The Sky: Now That The Sky And The Earth

  23. VIII. Now That The Sky: Only From One Clear And Lively Spring

La Capella Reial de Catalunya
Jordi Savall
ASTRÉE 1995

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 261MbCHUCRUTEN

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Scarlatti / Beethoven / Chopin / Wagner / Liszt: On My New Piano, com Daniel Barenboim

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Belíssimo disco de gatinhos do maestro e pianista Barenboim. O tal “piano novo” foi uma encomenda do pianista feita sob medida a Chris Maene. Dizer que funciona direitinho é pouco. Recomendo a todos os pianistas, o Maene é bom mesmo… DB tomou inusitadas liberdades em suas Scarlatti, mas eu curti a K. 380 intimista inventada por ele. No resto, dá um banho de competência. Ele gravou 3 vezes o ciclo de Sonatas de Beethoven, então era justo que fizesse o mesmo com as 32 Variações. Estão maravilhosas. O Chopin está OK. O ponto alto do disco talvez seja a Marcha Solene de Wagner. A interpretação de Barenboim traz a quantidade certa de poesia e gravidade para esta música envolvente. Difícil de parar de ouvir. A complicadíssima Valsa de Mephisto, de Liszt, é tocada com perícia e sensibilidade que talvez nunca ouvidas. Recomendo não somente o Maene, tá?

On My New Piano, com Daniel Barenboim

1 Scarlatti: Sonata In C Major, Kk. 159 2:22
2 Scarlatti: Sonata In D Minor, Kk. 9 4:13
3 Scarlatti: Sonata In E Major, Kk. 380 6:39
4 Beethoven: 32 Piano Variations In C Minor On An Original Theme, WoO 80 12:37
5 Chopin: Ballade No. 1 In G Minor, Op. 23 9:58
6 Wagner: Solemn March To The Holy Grail From Parsifal, S. 450 7:50
7 Liszt: 10 Harmonies poétiques et religieuses, S. 173 – No. 7 Funérailles 12:24
8 Liszt: Mephisto Waltz No.1, S. 514 12:10

Daniel Barenboim, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Esta foto nada tem a ver com o CD, mas vocês já viram tanto talento junto em uma foto? São Pollini, Barenboim e Claudio Abbado no La Scala. Bota logo num quadro, rapaz.

Esta foto nada tem a ver com o CD, mas vocês já viram tanto talento junto em uma foto? São Pollini, Barenboim e Claudio Abbado no La Scala. Bota logo num quadro, rapaz.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Love’s Illusion: Music from the Montpellier Codex 13th Century

Um belo CD de música antiga da Harmonia Mundi. O Montpellier Codex (Montpellier, Bibliothèque Inter-Universitaire, Section Médecine, H196) é uma importante fonte da polifonia francesa do século XIII. O Codex contém 336 obras polifônicas provavelmente compostas entre os anos de 1250 e 1300, e compilado por volta do ano de 1300. Acredita-se que se originam de Paris. Foi descoberto pelo musicólogo Edmond de Coussemaker em 1852. Trata-se do maior e mais rico manuscrito de motetos medievais encontrado em todos os tempos. Ele esclarece que a polifonia da época era bem mais complexa do que se imaginava.

Love’s Illusion: Music from the Montpellier Codex 13th Century

1 Plus bele que flor – Quant revient – L’autrier joer – [Flos Filius] (Mo 21) 2:37
2 Puisque bele dame m’eime – [Flos Filius] (Mo 231) 2:02
3 Amours mi font souffrir – En mai – [Flos Filius] (Mo 111) 2:39
4 Ne sai, que je die – [Iohanne] (Mo 185) 1:23
5 Se je chante – Bien doi amer – [Et sperabit] (Mo 311) 2:06
6 Or ne sai je que devenir – Puisque d’amer – [Kyrieleyson] (Mo 267) 1:48
7 Hé Dieus, de si haut si bas – Maubatus – [Cumque] (Mo 92) 1:46
8 Celui en qui – La bele estoile – La bele, en qui – [Iohanne] (Mo 20) 2:53
9 Qui d’amours se plaint – [Lux magna] (Mo 215) 1:45
10 Amours, dont je sui – L’autrier, au douz mois – Chose Tassin (Mo 270) 2:21
11 Au cuer ai un mal – Ja ne m’em repentirai – Jolietement (Mo 260) 2:58
12 Quant voi la fleur – [Et tenuerunt] (Mo 241) 2:15
13 Quant se depart – Onques ne sai amer – [Docebit omnem] (Mo 131) 1:43
14 Joliement – Quant voi la florete – Je sui joliete – [Aptatur] (Mo 34) 3:04
15 Amor potest conqueri – Ad amorem sequitur (Mo 328) 1:23
16 Ce que je teing – Certes mout – Bone compaignie – [Manere] (Mo 33) 2:11
17 J’ai si bien mon cuer assiz – Aucun m’ont – [Angelus] (Mo 128) 2:15
18 Ne m’oubliez mie – [Domino] (Mo 236) 2:39
19 J’ai mis toute ma pensee – Je n’en puis – [Puerorum] (Mo 255) 2:23
20 Blanchete – Quant je pens – [Valare] (Mo 168) 2:32
21 Dame que je n’os noumer (Motet from the Montpellier Codex, 13th c.) 4:36
22 Li savours de mon desir – Li grant desir – Non veul mari (Mo 323) 2:08
23 Entre Copin – Je me cuidoie – Bele Ysabelos (Mo 256) 3:26
24 S’on me regard – Prennés i garde – Hé, mi enfant (Mo 325) 1:56
25 Quant yver la bise ameine – [In seculum] (Mo 223) 1:17
26 Ne m’a pas oublié – [In seculum] (Mo 207) 1:49
27 On doit fin[e] Amor – La biauté – [In seculum] (Mo 134) 1:28
28 Ja n’amerai autre que cele – [In seculum] (Mo 3) 1:09
29 Quant je parti de m’amie – [Tuo] (Mo 200) 1:20

Marsha Genensky
Ruth Cunningham
Susan Hellauer
Johanna Rose
Anonymous 4

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Página do Montpellier Codex. Love is not illusion.

Página do Montpellier Codex. Love is not illusion.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sinfonia No. 12 “1917”

41hOYUmCRaLO ano de 1917 é provavelmente um dos mais importantes na história humanidade. Neste ano, acontece aquela que é conhecida como a primeira revolução socialista bem sucedida da história: A Revolução Russa.

É em 22 de Fevereiro do calendário Juliano (8 de Março no calendário gregoriano), que começam os primeiros protestos desde os acontecimentos de 1905. Essas sublevações iriam culminar na resignação do czar e a instauração de um governo provisório. Esse acontecimento é o primeiro no ano de 1917 que iria culminar na Revolução de Outubro de 1917, onde o Partido Bolchevique, com a mobilização dos sovietes de Petrogrado, conseguem parar fábricas, linhas férreas, linhas de comunicação e então derrubar o governo provisório num dos acontecimentos mais memoráveis do século XX. Uma revolução que, ao gosto dos pacifistas, não teve (quase) nenhuma morte, e foi feita de baixo para cima, com a liderança estratégica dos bolcheviques.

Shostakovich, já muito conhecido aqui no blog, teve muitos problemas com o regime stalinista que iria se tornar predominante na Russia pouco depois da revolução (e das guerras contra os países que tentaram impedi-la), mas de qualquer forma, seja para agradar o regime, ou seja porque realmente admirava o acontecimento, fez sua 12ª Sinfonia em homenagem ao ano de 1917 e à revolução.

Essa sinfonia originalmente tinha sido pensada para homenagear a Lenin, mas não conseguindo pensar e incluir um texto na obra, acabou mudando seu foco. Do ponto de vista estritamente formalista, não é a melhor de suas obras, mas o quarto movimento, chamado “O Amanhecer da Humanidade”, além de ter um ótimo nome, empolga.

Meu objetivo a partir de hoje, 22 de Fevereiro, até 26 de Outubro, é traçar um histórico mais ou menos panorâmico de compositores que se engajaram politicamente pelo socialismo e seu projeto por um mundo melhor e mais justo. Tudo isso em comemoração aos 100 anos dessa revolução que marcou o século XX que ousou desafiar o mundo como ele era, ousou tentar criar um mundo melhor e nos deixou um legado que pesa sobre nossos ombros até os dias de hoje.

À Luta camaradas, por um novo amanhecer da humanidade!

Dmitri Shostakovich (1906-1975):

Symphony No. 12 “The Year of 1917”

01 I. Revolutionary Petrograd
02 II. Razliv
03 III. Aurora
04 IV. The Dawn of Humanity

Gothenburg Symphony Orchestra
Neeme Järvi, regente

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Shosta genuinamente feliz.

Shosta genuinamente feliz.

Luke

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sergei Prokofiev (1891-1953): Sonata para Violino No.1 / 5 Melodias / Cinderela / Romeu e Julieta

IM-PER-DÍ-VEL !!!

“– Esta é uma sonata muito especial — disse meu professor, o Dr. Andrievsky, com uma expressão séria. Senti enorme tristeza em sua voz. Isto aconteceu quando eu comecei a estudar a Sonata Nº 1 de Prokofiev. Pensei ter entendido a Rússia sob Stálin após ler várias fontes escritas e filmes. Só que depois, toda vez que eu tinha aula, era esmagada pela grande tristeza do povo, que emanava da sonata. Cada canto da partitura revela sofrimento, gritos, desespero ou decepção. Prokofiev demorou 8 anos para finalizar a sonata, que expressa não apenas seus próprios sentimentos, mas também os dos que viveram nessa época. Já Cinderela e Romeu e Julieta transbordam de vivacidade e alegria de viver. Cada vez que os toco no poço da orquestra, meu coração dança aos sons elegantes e à expressão do amor. Estas obras de Prokofiev nunca deixam de tocar meu coração. Eu espero que você aprecie a versatilidade multifacetada de Prokofiev. Finalmente, gostaria de agradecer a todos aqueles que ajudaram a fazer essa gravação acontecer”. (Lisa Oshima)

Sergei Prokofiev (1891-1953): Sonata para Violino No.1 / 5 Melodias / Cinderela / Romeu e Julieta

01. Violin Sonata No. 1 in F Minor, Op. 80: I. Andante assai
02. Violin Sonata No. 1 in F Minor, Op. 80: II. Allegro brusco
03. Violin Sonata No. 1 in F Minor, Op. 80: III. Andante
04. Violin Sonata No. 1 in F Minor, Op. 80: IV. Allegrissimo

05. 5 Mélodies, Op. 35bis: No. 1. Andante
06. 5 Mélodies, Op. 35bis: No. 2. Lento ma non troppo
07. 5 Mélodies, Op. 35bis: No. 3. Animato, ma non allegro
08. 5 Mélodies, Op. 35bis: No. 4. Allegretto leggero e scherzando
09. 5 Mélodies, Op. 35bis: No. 5. Andante non troppo

10. Cinderella, Op. 87 (Arr. M. Fichtengoltz): No. 1. Waltz
11. Cinderella, Op. 87 (Arr. M. Fichtengoltz): No. 2. Gavotte
12. Cinderella, Op. 87 (Arr. M. Fichtengoltz): No. 3. Passepied
13. Cinderella, Op. 87 (Arr. M. Fichtengoltz): No. 4. Winter Fairy
14. Cinderella, Op. 87 (Arr. M. Fichtengoltz): No. 5. Mazurka

15. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Introduction
16. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Juliet
17. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Tanz der Ritter
18. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Balkonszene
19. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act II: Tanz der Paare
20. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Mercutio
21. Romeo and Juliet, Op. 64 (Arr. L. Baich & M. Fletzberger for Violin & Piano): Act I: Kampf and Tybalts Tod

Lisa Oshima, violino
Stefan Stroissnig, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Sergei Prokofiev jogando xadrez contra David Oistrakh, a violinista Liza Gilels observando.

Sergei Prokofiev jogando xadrez contra David Oistrakh, com a violinista Liza Gilels observando.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Stefano Pando: Peças para alaúde

Stefano Pando é um alaudista contemporâneo que faz música como se estivesse no século XVI. É uma postura curiosa. É como se um autor atual tentasse escrever um livro como o Quixote, sei lá. Quando jovem, não gostava nem do neoclássico de Stravinsky e de vários compositores de seu grupo — andavam de avião e escreviam Concerti Grossi — , mas hoje sou bem menos xiíta. O CD de Pando é agradável e bastante bom, levando em conta a Idade Média…

Wellington Mendes escreveu: Belíssimo, a liberdade do alaudista traz ótimas novidades a velhíssimas peças, afinal, não sabemos como tocavam os antigos e muito possivelmente também iam muito mais longe do podemos imaginar.

Stefano Pando: Peças para alaúde

1. Galliard Et Sauterelle 2:02
2. Robin 2:26
3. Pavane Dellestarpe 1:54
4. Stanes Morris Dance 1:29
5. Ricercar 12 1:56
6. The Wind That Shakes the Barley 0:56
7. A Toy 0:59
8. My Lady Carey’s Dompe 1:46
9. Mache Anglaise 1:19
10. Eislein Liebstes 0:43
11. The Earl of Crawford 1:02
12. Earl of Oxford’s March 1:01
13. Almande Nonnette 1:00
14. Robin Hood 1:48
15. Branle Des Chevaux 2:15
16. Ricercar 9 1:45
17. Pavane Au Revoir Ma Douce Flame 2:24
18. Galliard Au Retour 0:44
19. Jouissance Vous Donneray 1:16
20. Basse Dance Sur Jouissance 1:53
21. Pavane La Sombre 3:25
22. Paduana 1:22
23. Ricercar 3 1:04
24. Untitled Passamezzo Antico 1:18
25. The Scolding Woman 1:00
26. Tombeau 3:20
27. Ein Welscher Tanz Wascha Nesa 1:23
28. Jaymeray Mieu Dormir 0:58
29. Pass E Mezzo 3:32
30. Tourdion 1:31

Stefano Pando, alaúde

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stefano Pando: living in the past, como diria Ian Anderson

Stefano Pando: living in the past, como diria Ian Anderson

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Balakirev: Symphonies 1 & 2; Russia, Tamara, Overture on Three Russian Themes – Svetlanov HYPERION 1992

Balakirev é outro compositor um pouco negligenciado, aparece em alguns programas, mas em geral não goza de muita notoriedade. Bem, compará-lo a Borodin, Korsakov e Mussorgsky não ajuda muito. Mas sua história e influência na música russa são inegáveis e das mais importantes, Ademais, era o único músico profissional do chamado “Grupo dos Cinco”, que incluia também César Cui (oportunamente postarei sobre ele). Balakirev foi um grande entusiasta do nacionalismo russo, apoiou, orientou e incentivou todos os seus colegas para aproximar a música folclórica e tradicional da Rússia dos padrões europeus. Muitas composições célebres de Tchaikovsky (a abertura Romeu e Julieta e a Sinfonia Manfredo, por exemplo), foram direta ou indiretamente influenciadas por suas ideias, incluindo sugestões de tonalidade, forma e orquestração.

Nada mais natural que se perguntar então: mas como é o tal do Balakirev como compositor? No fim das contas é para isso que estamos aqui. Bem, este post é uma das respostas. Suas sinfonias são suas obras mais conhecidas e revelam um compositor da mais alta competência, estética e formal. Falta-lhe, acredito, a inspiração da fluidez melódica que fizeram seus colegas mais famosos. Mas é música do mais alto nível. O disco ainda apresenta 3 poemas sinfônicos, Tamara, considerado sua melhor obra, Russia, e Abertura sobre 3 temas russos. Todas estas obras são exemplos práticos de suas ideias teóricas, unindo a música folclórica russa com formas da chamada música clássica européia. Especialmente estas obras nos revelam alguns temas que foram usados por Tchaikovsky e Stravinsky em outras composições, e que Balakirev denuncia. Você vai ouvindo e de repente fala: “Ei, mas isso é a 4a. sinfonia de Tchaikovsky!” Ou “pensei ter ouvido Petrouchka!”. Não, é música russa que ambos se apropriaram, como fizeram quase todos os nacionalistas, incluindo Villa-Lobos.
Boa audição!

P.S. Acho que este é o primeiro post sobre Balakirev, ele não estava na lista de categorias.

Mily Alexeyevich Balakirev (1837-1910)
CD1
Symphony no.1 in C major
Symphonic Poem “Russia”
CD2
Overture on Three Russian Themes
Symphonic Poem “Tamara”
Symphony no.2 in D minor

The Philharmonia
Yevgeny Svetlanov
Hyperion, 1992

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 443Mb

Download Complete Booklet

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): As Seis Partitas para Cravo (versão de Andras Schiff)

Será que eu definitivamente passei a amar apenas as interpretações originais? Pois ao ouvir a versão de Schiff para as mesmas Partitas de ontem, meu coração não bateu muito mais forte. Falta ritmo, pulso, ousadia e alegria. Martins e Schiff são enormes pianistas, mas não chegaram àquele nível que os fariam first choices. Dentre os pianistas, ainda fico com Tatiana Nikolayeva e Angela Hewitt. Melhor ainda é ouvir Trevor Pinnock ao cravo. A versão presente aqui no PQP Bach e da qual devemos fugir é a de Scott Ross, que é realmente péssima.

Johann Sebastian Bach (1685 – 1750) — As Seis Partitas para Cravo

Partita No.1 in B flat, BWV 825
1 1. Praeludium [2:04]
2 2. Allemande [2:56]
3 3. Corrente [2:53]
4 4. Sarabande [4:35]
5 5. Menuet I [1:20]
6 6. Menuet II [1:25]
7 7. Giga [2:14]

Partita No.2 in C minor, BWV 826
8 1. Sinfonia (Grave adagio – Andante) [4:39]
9 2. Allemande [4:21]
10 3. Courante [2:08]
11 4. Sarabande [3:00]
12 5. Rondeaux [1:41]
13 6. Capriccio [3:25]

Partita No.6 in E minor, BWV 830
14 1. Toccata [7:37]
15 2. Allemande [3:46]
16 Corrente – Air [6:28]
17 5. Sarabande [6:10]
18 6. Tempo di gavotta [2:13]
19 7. Gigue [5:59]

Partita No.3 in A minor, BWV 827
1 1. Fantasia [1:55]
2 2. Allemande [2:56]
3 3. Corrente [2:47]
4 Sarabande – Burlesca [5:27]
5 6. Scherzo [1:02]
6 7. Gigue [3:03]

Partita No.4 in D , BWV 828
7 1. Overture [6:05]
8 2. Allemande [8:03]
9 3. Courante [3:25]
10 4. Aria [2:17]
11 5. Sarabande [5:50]
12 6. Menuet [1:35]
13 7. Gigue [3:42]

Partita No.5 in G, BWV 829
14 1. Praeambulum [2:10]
15 2. Allemande [4:07]
16 3. Corrente [1:31]
17 4. Sarabande [4:04]
18 5. Tempo di minuetto [2:36]
19 6. Passepied [1:42]
20 7. Gigue [3:59]

András Schiff, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Schiff: cara de quem tomou um baile da Angela Hewitt

Schiff: cara de quem tomou um baile da Angela Hewitt

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!