Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 2, Op. 43 & Sinfonia Nº 7, Op. 105

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Thomas Søndergård (1969), ex-regente da Orquestra da Rádio Norueguesa, representa a chegada de uma nova era na Orquestra da BBC de Gales. Sua estupenda estreia por lá está repetida nesta gravação de estúdio. A coisa é espetacular mesmo. Não adianta. A questão da etnia é cada vez mais clara para mim. O dinamarquês dá de relho na maior parte da concorrência. Esqueçam as clássicas gravações antigas. Guardadas as honrosas exceções e aqueles clássicos que todos sabem como tocar, melhor ouvir russos por russos, escandinavos por escandinavos, brasileiros por brasileiros e estamos conversados. É uma questão de sotaque. Søndergård é convincente por conhecer o folclore e ter nascido ali do ladinho do tio Siba, entendem? Ele tem o SOTAQUE. Isso aqui é Sibelius, gritam meus ouvidos.

A música? Bem, estas sinfonias de Sibelius são esplêndidas. Tenho especial amor pela 7ª, mas a 2ª não lhe fica nada a dever. E o a perfeição desta orquestra… Nossa!

Jean Sibelius (1865-1957): Sinfonia Nº 2, Op. 43 & Sinfonia Nº 7, Op. 105

1 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: I. Allegretto 9:29
2 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: II. Tempo andante, ma rubato 13:51
3 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: III. Vivacissimo 5:54
4 Symphony No. 2 in D Major, Op. 43: IV. Finale. Allegro moderato 12:47

5 Symphony No. 7 in C Major, Op. 105 20:33

BBC National Orchestra of Wales
Thomas Søndergård, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Thomas Søndergård, baita regente dinamarquês

Thomas Søndergård, baita regente dinamarquês

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

É mais um disco de cantatas bastante conhecidas de Bach para soprano. Talvez a francesa Dessay seja dramática demais em alguns momentos — ela por vezes canta Bach com um acento tipicamente handeliano –, mas, no geral, sua interpretação é boa. O álbum é dedicado a Martin Luther King. A voz de Dessay brilha especialmente entre os trompetes da Cantata BWV 51, mas pesa demais em Ich habe genug,  recuperando-se notavelmente logo depois na ária Schlummert ein, ihr matten Augen. Sem dúvida, trata-se de um CD desigual, mas que vale a pena conhecer.

Johann Sebastian Bach (1685-1750): Cantatas BWV 51, 82a e 199

Cantata “Jauchzet Gott In Allen Landen” BWV 51
1) I Aria: Jauchzet Gott In Allen Landen
2) II Recitativo: Wir Beten Zu Dem Tempel An
3) III Aria: Höchster, Mache Deine Güte
4) IV Chorale: Sei Lob Und Preis Mit Ehren – V Finale: Alleluja!

Cantata No. 82, ‘Ich Habe Genug’ BWV 82a
5) Aria: Ich Habe Genug
6) Recit: Ich Habe Genug
7) Aria: Schlummert Ein
8. Recit: Mein Gott! Wann Kommt Das Schöne Nun!
9) Aria: Ich Freue Mich Auf Meinen Tod

Cantata “Mein Herze Schwimmt Im Blut” BWV 199
10) I Recitativo: Mein Herze Schwimmt Im Blut
11) II Aria & Recitativo: Stumme Seufzer, Stille Klagen
12) III Recitativo: Doch Gott Muss Mir Genädig Sein
13) IV Aria: Tief Gebückt Und Voller Reue
14) V Recitativo: Auf Diese Schmerzensreu
15) VI Chorale: Ich, Dein Betrübtes Kind
16) VII Recitativo: Ich Lege Mich In Diese Wunden
17) VIII Aria: Wie Freudig Ist Mein Herz

Natalie Dessay, soprano
Le Concert d’Astrée
Emmanuelle Haïm

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

Em 2013, aos 48 anos, Dessay largou a ópera. Hoje, só dá recitais e aulas.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Offenbach: Can-Can – Gaîté Parisiènne; Overtures – Marriner, Previn DECCA 2013

Para este Carnaval, nada mais apropriado que a música de Offenbach. Este CD é uma compilação de 2 gravações lançadas respectivamente em 1982 e 1983, a primeira de Neville Marriner com as aberturas das operetas mais famosas, e a outra de André Previn com o ballet sobre temas de Offenbach arranjado por Manoel Rosenthal, o Gaîté Parisienne. Sim, apesar da fama, é um pastiche.

Mas quem se importa? a música de Offenbach é boa o suficiente para servir à causa do ballet, e as aberturas são o que há de mais fino em música ligeira. Basta dizer que compositores severos como Debussy, Bizet, Mussorgsky e Rimsky-Korsakov eram seus admiradores.  Até mesmo – pasmem – Nietzsche dedicou-lhe olhares simpáticos. Crítica e público são unânimes em afirmar a extrema competência de Offenbach em tratar melodias de uma forma leve, espontânea e carismática, e suas operetas influenciaram direta ou indiretamente, as maiores obras do gênero, de Nicolai a Johann Strauss II. O píncaro da música ligeira, que em alguns casos nem lhe cabe esta classificação: é música da mais alta competência.

Jacques Offenbach (1819-1880)

Overture Orphée aux enfers
Overture La belle Hélène
Overture La Périchole
Overture La vie parisienne
Philharmonia Orchestra
Sir Neville Marriner
Philips, 1982

Gaîté parisienne
Pittsburgh Symphony Orchestra
André Previn
Philips, 1983
Compilation: Decca, 2013

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 293Mb

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Antonio Lotti (Italy, ca. 1667 – 1740): Vesper Psalms

1z70gnt Lotti Vesper Psalms
Dixit Dominus, Psalm 109
Laudate pueri, Psalm 112
Credidi, Psalm 115
Laudate Dominum, Psalm 116

Lotti nasceu em Veneza, seu pai Matteo foi Kapellmeister em Hanôver.

Em 1682, começou a estudar com Lodovico Fuga e Giovanni Legrenzi, na Basílica de São Marcos de Veneza. Lotti fez sua carreira primeiro como cantor alto (de 1689), depois como assistente do organista, como segundo organista(de 1692), (de 1704) como organista principal, e, finalmente, (de 1736) como maestro di cappella, cargo que ocupou até sua morte. Também escreveu música, e ensinava, o Ospedale degli Incurabili. Em 1717 foi-lhe dado permissão para ir a Dresden, onde várias de suas óperas foram produzidos, incluindo Giove em Argo, Teofane e Elementi quattro Li (todos com libretos de Antonio Maria Lucchini). Retornou a Veneza em 1719 e lá permaneceu até sua morte em 1740.

Lotti escreveu em uma variedade de formas, produzindo missas, cantatas, madrigais, cerca de trinta óperas e música instrumental. Suas obras sacras para coral são frequentemente acompanhados (a cappella). Seu trabalho é considerado uma ponte entre o barroco e o estilo clássico. Lotti influênciou compositores como Johann Sebastian Bach, George Frideric Handel, e Johann Dismas Zelenka, os quais possuíam cópias da missa de Lotti, a Missa Sapientiae.

Lotti foi um professor notável, de Domenico Alberti, Benedetto Marcello, Baldassare Galuppi, Saratelli Giuseppe e Johann Dismas Zelenka entre seus alunos.

Casou com a notável soprano Santa Stella.

Palhinha: ouça a integral

Antonio Lotti (Italy, ca. 1667 – 1740)
01. Dixit Dominus, Psalm 109 1. Dixit Dominus (Soli, Coro)
02. Dixit Dominus, Psalm 109 2. Donec Ponam (Soli)
03. Dixit Dominus, Psalm 109 3. Virgam Virtutis (Soli, Coro)
04. Dixit Dominus, Psalm 109 4. Tecum Principium (A)
05. Dixit Dominus, Psalm 109 5. Juravit Dominus (Coro)
06. Dixit Dominus, Psalm 109 6. Dominus A Dextris Tuis (Coro)
07. Dixit Dominus, Psalm 109 7. Judicabit In Nationibus (Coro)
08. Dixit Dominus, Psalm 109 8. Implebit Ruinas (Coro)
09. Dixit Dominus, Psalm 109 9. De Torrente In Via Bibet (S I)
10. Dixit Dominus, Psalm 109 10. Gloria Patri (Soli)
11. Dixit Dominus, Psalm 109 11. Sicut Erat In Principio (Soli, Coro)
12. Dixit Dominus, Psalm 109 12. Et In Saecula Saeculorum (Coro)
13. Laudate pueri, Psalm 112 1. Laudate Pueri (S I, S II, B)
14. Laudate pueri, Psalm 112 2. Sit Nomen Domini (S I)
15. Laudate pueri, Psalm 112 3. A Solis Ortu Usque Ad Occasum (S II, B)
16. Laudate pueri, Psalm 112 4. Exelsus Super Omnes (SI)
17. Laudate pueri, Psalm 112 5. Quis Sicut Dominus (S II)
18. Laudate pueri, Psalm 112 6. Suscitans A Terra (S I, S II, B)
19. Laudate pueri, Psalm 112 7. Ut Collocet Eum (B)
20. Laudate pueri, Psalm 112 8. Qui Habitare Facit (S I, S II)
21. Laudate pueri, Psalm 112 9. Gloria Patri (S I, B)
22. Laudate pueri, Psalm 112 10. Sicut Erat In Principio (S I, S II, B)
23. Credidi, Psalm 115
24. Laudate Dominum, Psalm 116

Lotti Vesper Psalms – 2006
Batzdorfer Hofkapelle & Sächsisches Vocalensemble.
Maestro Matthias Jung

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 354,9 MB | HQ Scans 2,2 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 166,2 MB + 2,2 MB 1h 06m
powered by iTunes 11.1.3

34sie4g

.
.
.

.

.

.

.

.
.

Boa audição!

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Alabanzas, Misas y Villancicos de los Archivos de Bolivia a la Virgen

2cgy0snAlabanzas a la Virgen – siglo XVIII – XIX
Archivos de Bolivia:
• Missiones de Chiquitos
• Catedral de La Prata (Sucre)

Repostagem com novos e atualizados links.

Debido a su maravillosa composición y interpretación, siguen los comentarios en el folleto sobre la Misa Encarnación:

Misa Encarnación: Anónimo – Missiones de Chiquitos

La “Misa Encarnación” forma parte de una miscelánea de obras musicales encontradas en dos antiguas reducciones jesuíticas de la Chiquitania: San Rafael y Santa Ana de Chiquitos, Provincia Velasco (Bolivia).

Los manuscritos, preservados por los Cabildos Indigenales de dichos pueblos, y reunidos por el arquitecto Hans Rqth, actualmente se encuentran en el Archivo Episcopal de la Catedral de Concepción -Ñuflo de Chávez- a fin de conservarlos y evitar su progresivo deterioro. Constituyen el monumento más importante y amplio de todos los repositorios de música de las reducciones conocidos hasta ahora.

Esta colección ofrece una ayuda inapreciable para comprender y valorar lo que se había logrado musicalmente en las misiones jesuíticas. El autor de esta obra es desconocido. Sin embargo, el elaborado contrapunto de esta Misa, su magnitud, su organización formal y la casi perfecta concordancia entre el significado del texto y su musicalización, demuestran que se trata de una obra de compositor de oficio.

Ha sido compuesta (o copiada) posiblemente en momentos inmediatamente anteriores a la expulsión (1767), acontecimiento que impediría su conclusión, ya que la parte de Alto en el Credo llega sólo al compás 90. Sin embargo, la partitura dejó suficiente espacio libre para llenarlo con las notas necesarias, coincidiendo la coda del movimiento con las otras voces e instrumentos. Lo mismo ocurre con la parte de Soprano en el Sanctus, cuyas notas llegan sólo hasta el Benedictus. La transcripción ofrece una propuesta para la conclusión de ambos movimientos. Por otra parte, los facsímiles de Tenor contienen una disparidad entre sí: en algunos el fínale del Credo ofrece la terminación corta, mientras que en los restantes, termina con una coda elaborada.

La “Misa Encarnación” está sido compuesta para coro a cuatro voces y orquesta; sin embargo la lectura de esta misa parece sugerir que podría ser interpretada por uno o, posiblemente, dos coros y cuatro solistas. La organización formal de la obra, su instrumentación, movimiento de voces, progresiones armónicas, y -sobre todo- la relación con el significado del texto, han servido como base para la asignación de las partes a los grupos vocales. Todos los facsímiles corresponden a la colección de manuscritos provenientes de San Rafael, y entre éstos hay los que se originaron durante el período de las Reducciones, _mientras que otros han sido escritos en la época post-jesuítica.

Las copias musicales más antiguas generalmente demuestran menos problemas de notación musical, como también de ortografía del texto latino. La segunda copia del Bajo incluye la fecha de su terminación y las iniciales del nombre del copista. Dice textualmente: “Año de 1812, 16 de Marzo. Lo firmo para que conste Pblo Sbis”.

Se ha preservado sólo una copia de la parte de Violín, que estaba incluida en la colección de manuscritos de San Rafael. La parte está completa, pero -debido a su estado- resulta muy difícil de leer, con varios 6 fragmentos ilegibles o faltantes. El manuscrito no incluye indicaciones de arcos. No se ha encontrado el basso continuo. Esta parte, como también la elaboración de la mano derecha, han sido compuestas por el autor de esta transcripción, quien se sirvió de la parte vocal de Bajo -la única existente- como base para esta labor.

Alabanzas a la Virgen
Anónimo – Missiones de Chiquitos
01. Misa I mo Sábado: 1. Kyrie
02. Misa I mo Sábado: 2. Gloria
03. Misa I mo Sábado: 3. Credo
04. Misa I mo Sábado: 4. Sanctus – Benedictius
05. Misa I mo Sábado: 5. Agnus Dei
Anónimo – Catedral de La Plata (Sucre)
06. Tota pulchra
07. Stella caeli
Anónimo – Missiones de Chiquitos
08. Misa Encarnación: 1. Kyrie
09. Misa Encarnación: 2. Gloria
10. Misa Encarnación: 3. Credo
11. Misa Encarnación: 4. Sanctus – Benedictus
12. Misa Encarnación: 5. Agnus Dei
Anónimo – Catedral de La Plata (Sucre)
13. Quién llena de armonía las esferas
14. Parabienes, zagalejos
15. Hola!, hao!, ah! de las sombras

Alabanzas, Misas y Villancicos de los Archivos de Bolivia a la Virgen
Coral Nova & Orquesta de Camara de La Paz. Dirección: Ramiro Soriano Arce
1996

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 249,6 MB | HQ Scans included

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 121,5 MB | HQ Scans included

powered by iTunes 12.2.1 – 50 min

Mais outro CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

k16hy9

 

 

 

 

 

 

 

.

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Missas de Palestrina, Lassus, Ashewell: La Quinta Essentia

Um excelente CD com a música de Giovanni Pierluigi da Palestrina, Orlando de Lassus e do, para mim desconhecido, Thomas Ashewell.  Um nasceu próximo a Roma, outro na Bélgica e o terceiro na Inglaterra, mas como suas polifonias eram parecidas! São 14 extraordinários cantores sob o comando desta grande figura que é Paul van Nevel (fotos abaixo). O Huelgas Ensemble soa aqui aqui como raramente ouvi, um verdadeiro milagre, mas um milagre para ouvidos que podem deixar de lado a pressa e as alterações súbitas de ritmos. O lugar aqui é da mais pura — e bela — paz renascentista.

Gosta de Palestrina, de charutos e da Stella.

Paul van Nevel gosta de Palestrina, de charutos e da Stella.

Missas de Palestrina, Lassus, Ashewell: La Quinta Essentia

Missa Tous les regretz, for 6 voices, H. v/3
1 I. Kyrie 3:09
2 II. Gloria 4:37
3 III. Credo 7:26
4 IV. Sanctus 3:25
5 V. Agnus Dei 3:38

Missa Ave Maria, for vocal ensemble
6 I. Gloria 7:44
7 II. Credo 9:43
8 III. Sanctus 8:13
9 IV. Agnus Dei 8:05

Missa Ut re mi fa sol la, for 6 voices
10 I. Kyrie 3:47
11 II. Gloria 4:06
12 III. Sanctus 6:47
13 IV. Agnus Dei 6:30

Huelgas Ensemble
Paul van Nevel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Se vocês procurar por Paul van Nevel no Google Images encontrará muitos charutos. Mas que som ele faz!

Se vocês procurarem por Paul van Nevel no Google Images encontrará muitos charutos. Mas que som ele faz!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Valentin Silvestrov (1937): Bagatellen Und Serenaden

A música delicada, contemplativa, poética e melodiosa do ucraniano Valentin Silvestrov recebe aqui tratamento luxuoso do próprio autor — que é pianista –, de Alexei Lubimov — que também é pianista, e muito melhor –, além da Orquestra de Câmara de Munique. Suas peças são Serenatas e Bagatelas de melodias nostálgicas, eruditas canções de ninar, mas tudo muito bem feito, nada new age, nada kitsch, não é música de elevador, nem besteira. Alguém disse que a música de Silvestrov é como um lago escuro. Há uma sensação de paralisação do tempo semelhante ao que acontece em alguns filmes de Tarkovski. Ficamos desorientados, achando que a música vai terminar, mas ela continua. É um grande e curioso compositor.

Bagatellen I – XIII / II (Var.) (34:29)
1 I 2:09
2 II 2:54
3 III 3:40
4 IV 2:32
5 V 2:03
6 VI 1:50
7 VII 2:05
8 VIII 1:50
9 IX 2:01
10 X 1:43
11 XI 2:17
12 XII 2:10
13 XIII 3:55
14 II (Var.) 3:02
15 Elegie 4:51

Stille Musik
16 I. Walzer Des Augenblicks 4:39
17 II. Abendserenade 3:12
18 III. Augenblick Der Serenade 2:17

Abschiedsserenade
19 I 2:06
20 II 2:51
21 Der Bote 9:12

Zwei Dialoge Mit Nachwort
22 I. Hochzeitswalzer 4:53
23 II. Postludium 3:14
24 III. Morgenserenade 2:39

Piano:
Alexei Lubimov (tracks: 21 to 24)
Valentin Silvestrov (tracks: 1 to 14)

Orquestra e regência:
Münchener Kammerorchester (tracks: 15 to 24)
Christoph Poppen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Só não me queima o piano, Valentim!

Só não me queima o piano com essas velas, Valentin!

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Vox Silentii: Passio Sanctarum Filiarum: Medieval Chants for Female Saints

fok9it The medieval chants collected here have the common theme of being dedicated to female saints.

Repostagem com novos e atualizados links.

It’s appropriate, then, that a women’s ensemble should be performing them. Finnish group Vox Silentii consists of two singers, Johann Korhonen and Hikka-Liisa Vuori, with exceptionally pure and supple voices.

The vocal group Vox Silentii was founded in 1992. The singers believe the human voice is a bridge to a world you cannot see and the heavenly connection gives you silence and peace. This is their fourth recording on the Proprius label and was recorded in the Naantali Church outside Turku in the south-western part of Finland. The acoustics in that particular church – together with the human voice – form an atmosphere of silent, intense praying.

Palhinha: ouça 01. Helena Uesgocie, alleluia for St. Helen of Sweden

Vox Silentii
Anonymous, English
01. Helena Uesgocie, alleluia for St. Helen of Sweden
Anonymous, Finnish
02. Flavit auster, great responsory for St. Mary Magdalen
03. Beata mater Anna, great responsory for St. Ann
04. Ante thorum virginalem, sequence for St. Barbara (from the Codex Cumoensis, Kokemäki)
05. Vidi civitatem, great responsory for November 1
06. Spes datur omni populo, alleluia for the Visitation of St. Mary
07. Audi filia et vide, alleluia for St. Cecilia
08. Veni electa mea (alleluia), gradual (from the Uskela mass book)
Gregorian Chant
09. Salve sancta parens, introit for St. Mary
Anonymous, Finnish
10. Nobilis et pulchra, alleluia for St. Catherine of Alexandria
11. Stabat iuxta Christi crucem, sequence for the Compassion of St. Mary
12. Nigra sum sed formosa, antiphon for St. Mary
13. Gloria in excelsis, troped with “Per precem piissimam” (from the songbook of the church of Ilmajoki)
Gregorian Chant
14. Post dies octo, alleluia mode 8

Passio Sanctarum Filiarum: Medieval Chants for Female Saints – 2006
Vox Silentii

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 249,6 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 143,9 MB – 1,0 h
powered by iTunes 11.1.3

Encarte completo em: http://www.voxsilentii.fi/32

Partituras e outros que tais? Clique aqui

p409z

 

 

 

 

 

 

 

 

.

Boa audição!

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: 300 Años de Música Colonial Mexicana

1smbli300 Años de Música Colonial Mexicana
Capilla Virreinal de la Nueva España
Director: Aurelio Tello

Repostagem com novos e atualizados links.

Capilla Virreinal de la Nueva España (México), es un grupo de cantantes e instrumentistas que actúa bajo la dirección del maestro Aurelio Tello, dedicado a la difusión de la música colonial mexicana e iberoamericana.

Desde 1989 –año en que realizó una gira de conciertos en Francia con motivo del bicentenario de la Revolución Francesa– ha tenido una significativa presencia en diversos festivales nacionales e internacionales: Primavera Potosina, Jornadas Alarconianas. el Festival Querétaro Ciudad Barroca, el Internacional Cervantino, el Idriart de Oaxaca, el Polifonía de Puebla, el ciclo In illo tempore, Jornadas de Música Antigua del INBA, el Festival del Centro Histórico de la Ciudad de México en el cual participó al lado del grupo francés La Grand Ecurie et La Chambre du Roy que dirige Jean Claude Malgoire, el Festival de Música Antigua del Centro Nacional de las Artes y el Festival de Música Renacentista y Barroca y el Festival de Música Antigua “Los Fundadores” de San Luis Potosí. En el marco del III Gran festival de la Ciudad de México ofreció el estreno latinoamericano de La púrpura de la rosa de Tomás de Torrejón y Velasco, primera ópera compuesta en América.

Sus presentaciones en el extranjero comprenden los conciertos inaugurales de la exposición México, esplendor de treinta siglos en Nueva York y presentaciones en festivales diversos; el de música barroca en Indianápolis; el Festival de Música Antigua de San Antonio, Texas; los conciertos para la Universidad de Norman, Oklahoma; el Festival de la Harpsichord Houston Society; el festival Academia Armónica de Madrid; el Festival Musical de Sarrebourg, Francia, el Tercer festival de la música del pasado de América de Caracas, el Festival de Música Sacra de Fez, Marruecos y el II Festival Internacional de la Música Renacentista y Barroca Americana “Misiones de Chiquitos”, Bolivia.

Entre sus producciones discográficas se cuentan los discos Manuel de Sumaya, 300 años de música colonial mexicana y Antología del barroco musical peruano. Siglos XVII-XVIII. En el año 2003 realizó la versión discográfica de El Divino Narciso de Sor Juana Inés de la Cruz y en el 2005 aparecieron los dos primeros discos de una serie dedicada a la música colonial de Oaxaca. Por la calidad de su trabajo y la meritoria labor de difusión de la música colonial que realiza, recibió en 1990 y 1994 la beca del Fondo Nacional para la Cultura y las Artes.

Algunas de sus actividades más importantes incluyen la realización del programa Arca de Música: los villancicos de Sor Juana Inés de la Cruz, la puesta en escena del espectáculo Pasiones inhumanas que recupera el repertorio de la música teatral de la época colonial, los conciertos de presentación de los libro Misas de Manuel de Sumaya y Cancionero Musical de Gaspar Fernandes y el estreno del programa Antología del barroco musical peruano. En el 2004 celebró su XV aniversario con diversos conciertos y presentaciones. http://paginasprodigy.com/tlatoani2006/Capilla%20Virreinal.htm

300 Años de Música Colonial Mexicana
Hernando Franco (Espana, 1532 – Cidade do Mexico, 1585)
01. Dos motetes en nahuatl – In ilhuicac cihuapille (Códice Valdés)
Juan de Lienas (attivo c.1617-54)
02. Coenantibus autem illis – Coenantibus autem illis (Códice del Convento del Carmen)
Sebastián Durón (Spain,1660 – France, 1716)
03. Villancico a dúo – Al dormir el sol (Colección Sanchez Garza)
Gaspar Fernandes (Portugal, 1566-México,1629)
04. Negrito a 5 – Mano fasiquiyo (Catedral de Oaxaca)
Juan Mathías de los Reyes (músico Indígena Oaxaqueño, Mexico c.1617 – c.1667)
05. 8 al Santisimo, Quien sale aqueste dia disfrazado (Catedral de Guatemala)
Juan Hidalgo (Madrid, 1614 – 1685)
06. Tonada sola de 8º tono – Disfrazado de pastor (Colección Sanchez Garza)
Francisco López Capillas (México, 1615 – 1673)
07. Salmo a 8 – Laudate Dominum (Catedral de Oaxaca)
Antonio de Salazar (Sevilha, Espanha c.1650–Cidade do México 1715)
08. Villancico a 6 – Digan, digan quién vio ta (Colección Sanchez Garza)
Manuel de Sumaya (Manuel de Zumaya) (Mexico, c.1678-1755)
09. Cantada a solo a N.P. San Pedro – Oh muro más que humano (Catedral de Oaxaca)
10. Villancico a 7 a la Asunción – Celebren, publiquen entonem y cantem (Catedral de Oaxaca)
Juan de Valdivieso (Siglo XVIII)
11. Cantada al nacimiento – Sonoro arroyuelo (Catedral de México)
Ignacio de Jerusalem y Stella (itália, 1707 – Cidade do México, 1769)
12. Villancico a 4 – A la milagrosa escuela (Catedral de México)
Francisco Martínez de la Costa (España, 1739- ca.1769).
13. Villancico a 8 a San Pedro – Llegad moradores de aqueste pensil (Catedral de Oaxaca)

300 Años de Música Colonial Mexicana
Capilla Virreinal de la Nueva España. Director: Aurelio Tello
1992

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 335,8 MB | HQ Scans included

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 129,3 MB | HQ Scans included

powered by iTunes 12.1.0 – 1 hr

Outro CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

98bzmg

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alain / Dutilleux / Ravel / Messiaen: Solitaires – French works for solo piano

Da literatura francesa para piano solo da primeira metade do século XX, Kathryn Stott escolheu quatro “solitaires” — obras que, sob formas muito próprias, brilham muito, cada uma ocupando um lugar único na produção de cada compositor escolhido. O disco abre com o breve Prelúdio e fuga de Jehan Alain, composto em 1935. Alain, que morreu aos 29 anos durante a 2ª Guerra Mundial, é principalmente lembrado como um compositor de música de órgão e, de fato, preparou uma versão desta fuga para esse instrumento. Ele considerava o prelúdio demasiadamente pianístico e compôs um novo para a versão de órgão. Alain é acompanhado pela única sonata para piano de Henri Dutilleux, escrita para a esposa do compositor, Geneviève Joy, que também deu a primeira apresentação da obra em 1948. Nas próprias palavras de Dutilleux a música é “apresentada sobretudo como uma visão, um sonho. E, ao escutar, deve-se deixar levar sem constrangimento e sem se preocupar com análises”. Interessante forma de evitar a crítica… Composto em 1914-17, Le Tombeau de Couperin é a última obra de Maurice Ravel para piano solo — uma suite inspirada pelos grandes clavecinistas franceses do barroco. Os seis movimentos são homenagens dedicadas a amigos do compositor que morreram durante os anos iniciais da Primeira Guerra Mundial. Fechando o disco temos Le baiser de l’Enfant-Jésus do monumental afresco Vingt regards sur l’Enfant-Jésus (1944), de Olivier Messiaen. O próprio Messiaen descreveu esta obra como algo “que não visa nada além de ser tão suave quanto o coração do céu…”. Sei lá, entende? Kathryn Stott é uma incrível pianista e está perfeitamente à vontade neste repertório nada fácil e pouco explorado.

Alain / Dutilleux / Ravel / Messiaen: Solitaires – French works for solo piano

Jehan Alain
Prélude et fugue for piano, JA87A (1935) 4’21
01 Prélude (JA87) 3’10
02 Fugue (JA57A) 1’11

Henri Dutilleux
Piano Sonata (1946–48) 24’45
03 I. Allegro con moto 7’48
04 II. Lied. Assez lent 6’05
05 III. Choral et Variations (I–IV) 10’52

Maurice Ravel
Le tombeau de Couperin, suite for piano (1914–17) 24’43
06 I. Prélude. Vif 3’02
07 II. Fugue. Allegro moderato 3’33
08 III. Forlane. Allegretto 5’55
09 IV. Rigaudon. Assez vif 3’08
10 V. Menuet. Allegro moderato 4’51
11 VI. Toccata. Vif 4’14

Olivier Messiaen
from Vingt regards sur l’Enfant-Jésus (1944)
12 XV. Le baiser de l’Enfant-Jésus 13’28

Kathryn Stott, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Temos mais de 1500 compositores, mas esta é a estreia de Jehan Alain por aqui.

Temos mais de 1500 compositores, mas esta é a estreia de Jehan Alain por aqui.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ainda mais Cordas: o Violão (Johann Sebastian Bach (1685-1750)): As Seis Suítes para Violoncelo transcritas para o violão

POSTAGEM ORIGINAL DE FDP BACH, REVALIDADA PELO PQP, ESCAFEDIDA NO COLAPSO DO RAPIDSHARE E REVALIDADA POR VASSILY, PERDIDA NO PQPSHARE E RECUPERADA AGORA POR PQP, DENTRO DA SÉRIE SOBRE AS SUÍTES PARA VIOLONCELO DE J. S. BACH

Muito interessante este CD. O violonista alemão Andreas von Wangenheim é um cabra macho: são dele mesmo as transcrições para violão das Suítes para Violoncelo de papai. E o resultado é muito bom. O editorialista da amazon diz o seguinte: Bach’s famous suites for cello solo from a different perspective: in order to emphasize the polyphonic structure of this marvelous music, Andreas von Wangenheim has transcribed them for guitar. The Six Suites for Violoncello Solo put the instrument through its paces in the same way as the Six Sonatas and Partitas for Violin Solo. A closer look at these works reveals a fascinating element of Bach’s compositional art: the polyphony that is concealed in almost all of his solo lines. Andreas von Wangenheim is considered one of the finest guitarists of the younger generation. He won the 1987 Bach Prize at the International Guitar Competition for Students in Europe.

A comparação com Segovia é inevitável, afinal, o mestre espanhol também transcreveu obras de papai para o violão. Mas Wangenheim é ainda jovem, apesar de já ter uma carreira consolidada como solista e professor.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa.

Johann Sebastian Bach – Six Cello Suites (transcribed for Guitar) – Andreas von Wangenheim

Disco 1

1. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Prélude
2. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Allemande
3. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Courante
4. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Bourrée
6. Suite for solo cello No. 3 in C major, BWV 1009: Gigue

7. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Prélude
8. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Allemande
9. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Courante
10. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Menuet 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 1 in G major, BWV 1007: Gigue

13. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Prélude
14. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Allemande
15. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Courante
16. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Bourrée 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 4 in E flat major, BWV 1010: Gigue

Disco 2

1. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Prélude
2. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Allemande
3. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Courante
4. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Sarabande
5. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Menuet 1 & 2
6. Suite for solo cello No. 2 in D minor, BWV 1008: Gigue

7. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Prélude
8. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Allemande
9. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Courante
10. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Sarabande
11. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gavotte 1 & 2
12. Suite for solo cello No. 6 in D major, BWV 1012: Gigue

13. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Prélude
14. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Allemande
15. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Courante
16. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Sarabande
17. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gavotte 1 & 2
18. Suite for solo cello No. 5 in C minor, BWV 1011: Gigue

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Andreas von Wangenheim, violão

Belo trabalho, Andreas!

Belo trabalho, Andreas!

FDP Bach

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Grieg: Symphony in C minor; In Autumn op.11; Piano Concerto op.16 – Noriko Ogawa, Ole Kristian Ruud BIS 2003

As grandes estrelas deste CD são duas obras orquestrais de Grieg muito pouco executadas, a abertura In Autumn e sua única Sinfonia, em Dó menor.

A Sinfonia é um caso à parte, por ser obra de juventude de Grieg, e que ele particularmente detestava, ao ponto de escrever “nunca deve ser tocada”. Com efeito, a obra ficou esquecida por muito tempo, até que, depois de muitas negociações com a família, foi executada em 1981 (113 anos após ter sido escrita) por Karsten Andersen e a Bergen Symphony Orchestra, gravado posteriormente pela DECCA. Conseguimos entender porque ele reprovou a obra: é uma sinfonia que tem muito pouco da eloquencia melódica de Grieg, que encontramos nas obras mais maduras, notadamente em Peer Gynt, por exemplo. Como é uma sinfonia de juventude, é muito influenciada por outros compositores, como Dvorak ou Glazunov. Mas, de qualquer jeito, é uma obra tipicamente norueguesa, e tem, mesmo que a contragosto, um timbre grieguiano inconfundível. Talvez ele também tenha se decepcionado com ela pela falta do frescor que obras de juventude teriam, é uma obra séria e de pretensões densas. Mas é muito boa música! Ainda bem que se resolveu o impasse, e pena que Grieg nunca mais tenha pensado em verter pelos caminhos da Sinfonia.
In Autumn é uma abertura, um pequeno poema sinfônico, mas muito contundente. Dramático até. Pensei em encontrar algo bucólico no estilo da inspiradíssima Última Primavera, ou ao estilo das peças Líricas. Ledo engano. Drama puro, até um pouco trágico. A primeira versão foi mostrada a Niels Gade, que disse: “Grieg, isso é lixo, vá pra casa e escreva algo melhor.” Precisa realmente ser muito amigo para dizer isso, e mais ainda para aceitar, voltar para casa e realmente escrever algo melhor. E esta segunda versão acabou sendo feita para dueto de piano, e posteriormente orquestrada, foi elogiada e passou no crivo de seu amigo.
E, por fim, o tal Concerto para Piano em lá menor. Deste não preciso dizer nada, já é uma peça por si só conhecidíssima e que tem um monte de versões aqui no PQP. Me limito a tecer dois comentários: 1) a japonesa Ogawa é uma grata surpresa no panteão canônico de intérpretes deste concerto, e 2) fiquei feliz que este não vem com o concerto de Schumann a tiracolo.

Boa audição!

Edvard Grieg (1843-1907)

In Autumn, Op. 11
Piano Concerto in A Minor, Op. 16
Symphony in C Minor, EG 119

Noriko Ogawa, piano
Bergen Philharmonic Orchestra
Ole Kristian Ruud
BIS, 2003

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 288Mb

CHUCRUTEN

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Nueva España: Close Encounters in the New World, 1590-1690

24myk8yNueva España: Close Encounters in the New World, 1590-1690
The Schola Cantorum Of Boston
The Boston Shawm
Sackbut Ensemble

Repostagem com novos e atualizados links.

Pedro Bermúdez, de origen granadino, uno de los más notables polifonistas del primer siglo de dominio español en el Nuevo Mundo, llegó a América luego de haber sido maestro de capilla suplente, junto a Francisco Guerrero, en la Catedral de Sevilla. A finales de 1596 embarcó hacia el virreinato del Perú y el 10 de septiembre de 1597 fue nombrado maestro de capilla de la Catedral del Cusco, en sustitución de Gutierre Fernández Hidalgo. A partir de 1600 tomó posesión del magisterio de capilla de la Catedral de Guatemala y posteriormente de la Catedral de Puebla de los Ángeles en México.

El legado musical de Pedro Bermúdez que ha perdurado hasta nuestros días está conformado exclusivamente por obras con textos en latín. Todas, excepto una, se encuentran en los libros de polifonía de la Catedral de Guatemala. Algunas de ellas aparecen duplicadas en varios libros de la Catedral de Puebla. Su lenguaje musical se apega al de la polifonía clásica del siglo XVI, pero presenta ciertos elementos rítmicos, armónicos y melódicos que apuntan hacia la nueva práctica del XVII. (Enrique Guerrero)

Palhinha: ouça: 03 . Deus in Adjutorium/ Domine ad Adjuvandum

Close Encounters in the New World, 1590-1690
Lobo, Alonso (Spain, 1555-1617)
01. Cum Audisset Joannes
Bocanegra, Juan Pérez (Peru, 1631)
02 .Hanacpachap Cussicuinin
Bermúdez, Pedro (Mexico, 1650)
03 . Deus in Adjutorium/ Domine ad Adjuvandum
Torrejón y Velasco, Tomas de (Spain, 1644 – Peru, 1728)
04. A Este Sol Peregrino
Aguilera de Heredia, Sebastián (Spain, 1561-1627)
05. La Reina de los Pangelinguas
Lienas, Don Juan de (Mexico, 1650)
06. Lamentatio
Ribayaz, Lucas Ruiz de (Spain, 1667)
07. Pabanas
Santiago, Frei Fransisco de (Portugal, 1578 – Spain, 1644)
08. Que se Ausenta
Fernandez, Gaspar (Portugal, 1570 – Mexico, 1629)
09. Xicochi Xicochi Conetzintle
Ximeno, Fabián (Mexico, 1650)
10. Ay Ay Galeguiños
Padilla, Juan Guitterez de (Spain, 1595 – Mexico, 1664)
11. Exultate, Iusti, in Domino
Bruna, Pablo (Spain, 1640)
12. Tiento
Fernandez, Gaspar (Portugal, 1570 – Mexico, 1629)
13. Dame Albriçia, ‘mano Anton
Padilla, Juan Guitterez de (Spain, 1595 – Mexico, 1664)
14. Gallego: Si al Nacer o Minino
Salazar, Antonio de (Spain, 1650 – Mexico, 1715)
15. Tarara, Tarara
Bocanegra, Juan Pérez (Peru, 1631)
16. Hanacpachap Cussicuinin
Araujo, Juan de (Spain, 1646 – Mexico, 1712)
17. Los Coflades de la Estleya
Murcia, Sebastián de (Mexico, 1700)
18. Cumba
Trad. (Gregorian Chant)
19. Agnus Dei
Victoria, Tomás Luis de (Spain, 1548-1611)
20. Agnus Dei | Missa Ave Regina
Zéspiedes, Juan García de (Mexico, 1650)
21. Guaracha: Convivando esta la Noche

Close Encounters in the New World, 1590-1690 – 1993
The Schola Cantorum Of Boston & The Boston Shawm & Sackbut Ensemble.
Director: Joel Cohen

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 369,0 MB | HQ Scans included

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 180,5 MB | HQ Scans included

powered by iTunes 12.1.2 – 1 h 15 min

Outro CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço mesmo !!!!!!!!!

Boa audição

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Igor Stravinsky (1882-1971): Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – "A Sagração da Primavera"

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é um daqueles CDs que você é obrigado a baixar, sentar e ouvir. Tudo é bom nessa gravação. É a música do mago Igor Stravinsky regida por um especialista no repertório da composição contemporânea, Pierre Boulez. As duas obras desse post são expressivas e estão inscritas naquele rol de composições mais importantes e marcantes da história da música, assim como a Nona de Beethoven ou a Sinfonia Leningrado de Shostakovich. Trata-se de peças que foram responsáveis por mudar o conceito de composição de música no século XX. A primeira, Pétrouchka, é a história sobre um fantoche tradicional russo, que é feito da palha e com um saco de serragem como corpo que acaba por tomar vida e ter a capacidade amar, uma história que se assemelha superficialmente àquela de Pinocchio. Já Le Sacre du Printemps ou “A Sagração da Primavera” é uma extravagância. Não uso o termo em sentido depreciativo. Quero apenas informar que a obra é um exagero de arrojo e perfeição. “A Sagração da Primavera” é largamente conhecida como uma das maiores, mais influentes e mais reproduzidas composições da história da música do Século XX sendo um ícone de toda música erudita por ter sido considerada a obra que marca o início do modernismo . Considera-se que ela inovou em quase todos os aspectos musicais correntes na época : estrutura rítmica, orquestração, timbrística, forma, harmonia, uso de dissonâncias, e particularmente uma valorização da percussão acima da harmonia e melodia como nunca tinha ocorrido antes. Desafiando bom número de regras e contestando tudo que se conhecia até então a obra causou um escândalo memorável na capital francesa, em que a plateia, diante de tanta revolução artística, não aceitava o que ouvia e via. A rejeição se reforçou pelas inovações de linguagem que Nijinsky incorporou à coreografia, valorizando movimentos “rústicos” inspirado em hierógrafos e pinturas em pedras de homens da caverna. Durante a apresentação não faltaram vaias, e o próprio Diaghilev chegou a acender as luzes da platéia numa tentativa de conter um pouco o caos que se instalou. Não tendo surtido muito efeito, a agitação continuou e marcou tanto a estreia que até hoje a peça é considerada uma das mais internacionalmente conhecidas e controversas obras na história da arte”.

A obra subdivide-se em duas partes principais:
1. A adoração da terra (8 seções);
2. O sacrifício (6 seções).

Por isso, não deixe de ouvir esse CD formidável. Bom deleite!

P.S. O texto acima é em sua maior parte extraído DAQUI e DAQUI

Igor Stravinsky (1882-1971) – Pétrouchka e Le Sacre du Printemps – “A Sagração da Primavera”

Pétrouchka
01. First Tableau
02. Second Tableau
03. Third Tableau
04. Fourth Tableau

Le Sacre du Printemps
05. Part 1 – L’Adoration de la Terre
06. Part 2 – Le Sacrifice

The Cleveland Orchestra
Pierre Boulez, regente

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stravinsky mostrando suas armas

Stravinsky mostrando suas armas

Carlinus

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Johann Stamitz (1717-1757) / Franz Xaver Richter (1709-1789): Early String Symphonies

Esta é uma tentativa de recriar uma época importante na história da música erudita, a do início da sinfonia clássica, entre os anos de 1745 a 1760. A música é do barroco tardio, mas quase já não é, se me entendem. Já estamos dando um passo para fora do estilo. Stamitz, um compositor checo, era um daqueles caras que escreveram quase cem sinfonias, a maioria delas no estilo atlético de Mannheim, onde serviu como concertino. Richter, austríaco, era um violinista, cantor, compositor, regente e teórico da música que também trabalhou em Mannheim mais ou menos na mesma época de Stamitz. Aí está a conexão entre ambos. A música vai agradar tanto os amantes do barroco como os ouvintes que desejam conhecer o início do desenvolvimento da sinfonia como forma de arte.

Johann Stamitz (1717-1757) / Franz Xaver Richter (1709-1789):
Early String Symphonies

1 Sinfonia a 4 in A Major: I. Allegro assai 4:35
2 Sinfonia a 4 in A Major: II. Andante 4:56
3 Sinfonia a 4 in A Major: III. Presto 2:25

4 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: I. Spiritoso 3:48
5 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: II. Andante 3:17
6 Sinfonia a 4 in B-Flat Major: III. Presto 3:38

7 Sinfonia a 4 in C Minor: I. Allegro ma poco 4:38
8 Sinfonia a 4 in C Minor: II. Tempo giusto 4:09
9 Sinfonia a 4 in C Minor: III. Allegro 2:05

10 Sinfonia a 4 in D Major: I. Presto 5:45
11 Sinfonia a 4 in D Major: II. Andante 7:05
12 Sinfonia a 4 in D Major: III. Presto 2:19

13 Symphony for Strings in D Major, Op. 11, No. 1: Andante non Adagio 5:44

The Chamber Orchestra of the New Dutch Academy
Simon Murphy

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Johann Stamitz, meio apressado para compor mais uma de suas 75 sinfonias

Johann Stamitz, meio apressado para compor mais uma de suas 75 sinfonias

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ñande reko arandu: Memória viva Guarani

261mgp2REALIZAÇÃO:
• COMUNIDADE SOLIDÁRIA / INTERLOCUÇÃO SÃO PAULO
• ASSOCIAÇÃO INDÍGENA TEMBIGUAI
• ASSOCIAÇÃO INDÍGENA DA ALDEIA MORRO DA SAUDADE
• ASSOCIAÇÃO INDÍGENA DA ALDEIA RIO SILVEIRA
• ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA INDÍGENA DO BRACUÍ-ACIBRA

Repostagem com novos e atualizados links.

Esse projeto é um projeto inédito, um projeto bonito. Porque, antes, nunca o índio teve participação. Então, uma coisa importante dessa gravação é que tem participação no projeto, os executores da gravação somos nós. A gente tem participação. Uma coisa interessante.

Quando a gente leva um branco na casa de reza parece que não dá para se concentrar. E, de repente, naquele dia da gravação, na casa de reza da Aldeia Boa Vista, tinha câmera, tinha gravador, microfone para gravar, tinha foto tirando, e, em nenhum momento, não se interferiu nem atrapalhou a parte do cântico, da concentração que a gente tem ali. Porque são escolhidos. As pessoas que são escolhidas estão ali. Então, a gravação foi excelente.

Agora, se Deus não quisesse, jamais isso estaria acontecendo. Jamais outras pessoas se interessariam por isso. Porque é isto. Veio a ordem do além. Para ser gravado, para ser mostrado, para os povos não índios acreditarem, para verem exatamente qual é a religião guarani. Onde a participação que a gente tem, que tivemos, foi o ponto de partida. Por que? Eu me lembro muito bem. Eu tinha este cântico do meu avô que cantava, sempre cantava e contava estória. Qual é o princípio, qual é a estória do mundo, qual a existência dos povos guarani, qual o religião do guarani.

Nós tínhamos o cântico guardado no fundo de cada um, na memória. É dificil você tornar ou voltar ao princípio, como era antes. Mas continua guarani. Mantém sua tradição, mantém sua própria língua. Entre os guarani conversamos em guarani, com as crianças, os adultos. A gente brinca em guarani. A nossa cultura é primordial, fundamental dentro da comunidade indígena.

Onde o guarani ficou um pouco fraco é devido à escravidão que aconteceu com os guarani. Porque o guarani não perdeu porque quis. O guarani nunca quis isto. Acho que os povos indígenas nunca pensaram: nós queremos um monte de pessoa estranha invadindo a nossa terra para a gente perder a nossa cultura. Nós não pedimos. Nunca nós invadimos. Houve até confronto. Então, o guarani tinha muita pressão, onde quase perdeu. Quase. Porque sem a sua cultura, sem a sua tradição, você completamente não é nada.

Através desta gravação, todos vamos saber para que é este cântico. Porque o cântico é do Guarani. Porque Deus deixou isto para o guarani. Todo mundo vai ficar sabendo disto. Porque surgiu daqui para todos os guarani que existem no mundo. Os Guarani vão criar uma aliança dentro de sua própria cultura.

(extraído do encarte)

Ñande Reko Arandu
Os Guaranis
01. Nhanerãmoi’i Karai Poty
02. Gwyrá Mi
03. Mãduvi’ju’i
04. Xekyvy’i
05. Nhanderuvixa Tenonde’i
06. Nhamandu
07. Mamo Teta Guireju
08. Oreru Orembo’e Katu
09. Oreyvy Peraa Va’ekue
10. Xondaro’i
11. Pave Jajerojy
12. Nhamandu Miri
13. Ka’aguy Nhandeu Ojapo Va’akue
14. Oreru Nhamandú Tupã
15. Xondaro

Memória Viva Guarani – 2000
Composições guaranis cantadas por crianças guaranis.

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Postagem dedicada ao Bisnaga pelo apoio prestado durante a minha ausência!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 423,8 MB | HQ Scans 25,5 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
320 kbpm .mp3 – 225,2 MB – 1,2 h
powered by iTunes 10.7

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

2jbuq83

 

 

.

.

.

..

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alma Latina: Esteban Salas – Cantadas Barrocas de Santiago de Cuba

33f6wp2Cantadas Barrocas de Santiago de Cuba
Esteban Salas (1725 – 1803)

Repostagem com novos e atualizados links.

El Coro de Cámara Exaudi (en latín: ¡Escucha!) se fundó en 1987 por su directora María Felicia Pérez Arroyo. Sus integrantes son graduados en varias especialidades de música, en el Instituto Superior de Arte y el Conservatorio Amadeo Roldán. El repertorio que interpretan incluye obras corales europeas, latinoamericanas y cubanas de todos los periodos.

Exaudi ha participado en múltiples festivales y con frecuencia realiza presentaciones en salas de concierto en Hungría, Venezuela, España, Bulgaria, Alemania, Dinamarca, Suecia, Francia, Canadá, Bélgica, Italia, Ecuador, Argentina, México, Australia, Nueva Zelandia, Noruega, Estados Unidos, Brasil, Turquía, Chile y Cuba.

Entre 1990 y 1994 obtuvo varios primeros premios:
• 1990- XIV Concurso Internacional de Coros Béla Bartók, Debrecen, Hungría: Primer Premio en la categoría de Coros de Cámara y Premio por el programa folklórico. Su directora María Felicia fue seleccionada como una las mejores directoras del evento.
• 1992- XXIV Certamen Internacional de Masas Corales de Tolosa, España: Primer Premio en la modalidad de Folklore, Tercer Premio en la modalidad de Polifonía, Grand Prix del concurso y Premio del Público.
• 1993- Grand Prix Europeo de Canto Coral, Varna, Bulgaria: Segundo Lugar ; Festival Harmonie 93, Lindenholzhausen, Alemania: Primer Premio; III Concurso Internacional para Coros de Cámara de Marktoberdorf, Alemania: Tercer Premio y categoría Internacionalmente excelente y XXV Certamen Internacional de Masas Corales de Tolosa, España: Primer Premio en la modalidad de Folklore y Premio por la mejor interpretación de una obra vasca.
• 1994 y 2005- XL y LI Certamen Internacional de Habaneras y Polifonía de Torrevieja, Alicante, España: Primer Premio en la Modalidad de Polifonía y Primer Premio en la Modalidad de Habaneras.

María Felicia Pérez Arroyo, directora
Hizo estudios en el Conservatorio Municipal de Música de La Habana Amadeo Roldán en 1962, en la especialidad de piano y se graduó en dirección coral en la Escuela Nacional de Arte, con las profesoras Carmen Collado, de Cuba y Agnes Kralowsky, de Hungría y en licenciatura de Dirección Coral en la Escuela Superior de Música Franz Liszt, Weimar, Alemania. La etapa estudiantil participó en varios conciertos junto al Coro de Cámara de la escuela.

Desde su regreso imparte clases de Dirección Coral en la Escuela Nacional de Música, y aún participa en el claustro de profesores. En estos ha formado, en el nivel medio-profesional, a varias generaciones de directores corales.

En 1982 fundó, en la Cátedra de Dirección Coral, el Coro Femenino de la ENM, con estudiantes y ofreció exitosos recitales y conciertos. En varias de sus ediciones participó en el Festival Nacional de Coros de Santiago de Cuba. Participó en el montaje de seis obras sinfónico-corales cubanas y universales con los coros mixtos de la ENM.

En los años 80 asesoró la Dirección de Enseñanza Artística del Ministerio de Cultura y actúo de jurado en festivales y concursos nacionales. Además apoyó la superación profesional e impartió seminarios. Así mismo realizó inspecciones provinciales y participó en encuentros y festivales de las Escuelas de Arte.

Entre 1982 y 1990 confeccionó planes y programas docentes para la Dirección Coral y curso de perfeccionamiento. Como ponente participó en los Encuentros Latinoamericanos de la Enseñanza Artística. Fundó en 1987 el Coro de Cámara Exaudi, con el cual se desarrolla como intérprete, y logra reconocimiento nacional e internacional, ya que ha participado en prestigiosos concursos corales europeos.

Mereció las distinciones por la Educación Cubana, 1991 y por la Cultura Nacional, 1993, la Medalla Alejo Carpentier, 2002 y la Orden Félix Varela de Primer Grado en 2004. Desde 1998 trabaja en el Instituto Superior de Arte. Es profesora Titular del Departamento de Dirección Coral.

Cantadas Barrocas de Santiago de Cuba
Esteban Salas y Castro (Cuba, 1725 – 1803)
1. Qué dulce melodia
2. Resuenen armoniosos
3. Vayan unas especies
4. Pues la fabrica de un templo
5. Respirad, O mortales
6. Oigan una nueva
7. Escuchen el concento

Salas – Cantadas Barrocas de Santiago de Cuba
Exaudi Choir of Cuba. Director María Felicia Pérez
1997

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 278,8 MB | HQ Scans included

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 110,0 MB | HQ Scans included

powered by iTunes 12.1.2 – 51 min

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Não tem preço !!!

Boa audição.

xarsxy

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

.: interlúdio :. Ralph Towner: My Foolish Heart

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Logo após elogiadíssimos trabalhos com o trompetista Paolo Fresu (Chiaroscuro) e com os guitarristas Wolfgang Muthspiel e Slava Grigoryan (Travel Guide), Ralph Towner retorna a um trabalho solo com My Foolish Heart. O toque de Towner em seu violão de 12 cordas é imediatamente identificável e os trabalhos solo são uma parte importante da discografia deste multi-instrumentista que completa 77 anos no próximo dia 1º de março. My Foolish Heart segue a grande tradição de Diary, Solo Concert, Ana, Anthem e Time Line. O CD possui novas composições, todas muito boas — uma linda homenagem ao falecido Paul Bley (Blue As In Bley), bem como duas (Shard e Rewind) do Oregon, grupo do qual participa desde o Período Pré-Antigo. O único standard é My Foolish Heart, famosa na interpretação de Bill Evans. O 29º álbum de Towner para a ECM tem apenas 40 min, mas vale cada segundo.

Ralph Towner: My Foolish Heart

1 Pilgrim 4:31
2 I’ll Sing To You 4:32
3 Saunter 5:01
4 My Foolish Heart 3:51
5 Dolomiti Dance 4:24
6 Clarion Call 4:40
7 Two Poets 2:04
8 Shard 0:54
9 Ubi Sunt 1:20
10 Biding Time 1:29
11 Blue As In Bley 3:53
12 Rewind 3:43

Ralph Towner, violão de 12 cordas

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ralph Towner e cada uma de suas doze cordas

Ralph Towner e doze cordas

PQP

 

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

J. S. Bach (1685-1750): A Arte da Fuga / Abertura Francesa / Concerto Italiano / Prelúdio, Fuga e Allegro

LEONARDT
IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gustav Leonhardt foi um monstro, um gênio e o pequepiano ouvinte-leitor André X. nos enviou este CD duplo para polinizarmos sua arte. Não lembro de Arte da Fuga melhor do que esta. Também penso não existir melhor Prelúdio, Fuga e Allegro, do qual ouvi uma versão atropelada, dia desses em Porto Alegre. Ah, e o CD ainda traz o Concerto Italiano e a Abertura Francesa. Ou seja, só obras-primas, nada além de obras-primas de Bach. Aproveitem porque a qualidade deste trabalho não se encontra rotineiramente por aí.

Die Kunst Der Fuge BWV 1080 / The Art Of The Fugue BWV 1080
1-1 Contrapunctus 1 4:14
1-2 Contrapunctus 4 6:39
1-3 Contrapunctus 2 3:35
1-4 Contrapunctus 3 3:31
1-5 Contrapunctus 5 3:59
1-6 Contrapunctus 6 4:33
1-7 Contrapunctus 7 5:10
1-8 Contrapunctus 8 6:41
1-9 Contrapunctus 9 2:58
1-10 Contrapunctus 10 5:21
1-11 Contrapunctus 11 7:49
1-12 Contrapunctus 12a 2:44
1-13 Contrapunctus 12b 2:54
1-14 Contrapunctus 18a 2:26
1-15 Contrapunctus 18b 2:27
2-1 Canon 14 3:57
2-2 Canon 15 2:42
2-3 Canon 16 5:53
2-4 Canon 17 2:07

Clavierübung II (1735) Partita BWV 831 H-moll/B Minor
(Ouvertüre Nach Französischer Art/Overture In The French Manner)

2-5 Ouvertüre 8:19
2-6 Courante 2:33
2-7 Gavotte I/II 2:40
2-8 Passepied I/II 3:04
2-9 Sarabande 2:39
2-10 Bourrée I/II 2:58
2-11 Gigue 2:03
2-12 Echo 3:16

Italienisches Konzert F-dur BWV 971 / Italian Concerto F Major BWV 971
2-13 Allegro 4:20
2-14 Andante 4:30
2-15 Presto 4:24

Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major
2-16 Praeludium, Fuge Und Allegro BWV 998 Es-dur/E Flat Major 10:36

Gustav Leonhardt, cravo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

Gustav Leonhardt: Retrato do Monstro Quando Velho

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Monteverdi: Madrigali Guerrieri et Amorosi – Jordi Savall, La Capella Reial de Catalunya ASTRÉE 1995

Jordi Savall não é apenas uma sumidade artística, é um mago da música. Em suas mãos, os madrigais de Monteverdi deixam de ser peças de interesse histórico, passam a ser obras dignas de atenção para ouvintes de qualquer época.

Não sei como ele faz isso, mas é um trabalho já elogiado à exaustão, e sempre merecido.

Estes madrigais fazem parte do Livro Oitavo (ao todo são 9), datando de 1638, portanto já uma obra madura do compositor. O título completo seria “Madrigali guerrieri, et amorosi con alcuni opuscoli in genere rappresentativo, che saranno per brevi episodi fra i canti senza gesto.”

Nesta obra já existe o sentimento muito claro de que a polifonia renascentista começava a dar seus primeiros passos em direção a uma estilização de formas que será, em pouco tempo, chamado de Barroco. Para alguns, é o primeiro barroco, para outros, a última renascença. Coisa fina.

Boa audição!

Claudio Monteverdi (c1567-1643)
Madrigali Guerrieri et Amorosi

  1. I. Others Sing Of Love: Sinf
  2. I. Others Sing Of Love: Others Sing Of Love
  3. I. Others Sing Of Love: You Received The Cesar’s
  4. I. Others Sing Of Love: Accept This New And Fresh Work
  5. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Circling Around The Enemy
  6. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: We Let Him Approach
  7. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: False Weapons They Are Not
  8. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Search For The Eyes
  9. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: There Is No Time Left
  10. II. Circling Around The Enemy Insidious Love: Oh My Heart, Running Is Useless
  11. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Opening Before The Dance…
  12. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Dance: Move To My Melodious Sound
  13. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Ciaccona
  14. III. Dance: Turning Around The Sky-Move To My Melodious Sound: Second Part Of The Ballet…
  15. IV. Five Part Sym
  16. V. Others Sing Of Mars: Others Sing Of Mars
  17. V. Others Sing Of Mars: Two Beautiful Eyes
  18. VI. A Nymph’s Lament: Phoebus Had Not Yet
  19. VI. A Nymph’s Lament: A Nymph’s Lament
  20. VI. A Nymph’s Lament: So Among Disdainful Tears
  21. VII. Six Part Sym
  22. VIII. Now That The Sky: Now That The Sky And The Earth

  23. VIII. Now That The Sky: Only From One Clear And Lively Spring

La Capella Reial de Catalunya
Jordi Savall
ASTRÉE 1995

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC (sem perda de qualidade), 261MbCHUCRUTEN

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!