Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sonata para Violino / Sonata para Viola


IM-PER-DÍ-VEL !!!

A Sonata para Violino é muitíssimo boa, mas a para viola é ainda melhor. Este é um grande disco, deem só uma espreitadinha nos músicos…

A Sonata para Viola é a última composição de Shostakovich e uma de minhas preferidas. Ele começou a escrevê-la em 25 de junho de 1975 e, apesar de ter sido hospitalizado por problemas no coração e nos pulmões neste ínterim, terminou a primeira versão rapidamente, em 6 de julho. Para piorar, os problemas ortopédicos voltaram: “Eu tinha dificuldades para escrever com minha mão direita, foi muito complicado, mas consegui terminar a Sonata para Viola e Piano”. Depois, passou um mês revisando o trabalho em meio aos novos episódios de ordem médica que o levaram a falecer em 9 de agosto.

Sentindo a proximidade da morte, Shostakovich escreveu que procurava repetir a postura estóica de Mussorgsky, que teria enfrentado o inevitável sem auto-comiseração. E, ao ouvirmos esta Sonata, parece que temos mesmo de volta alguma luz dentro da tristeza das últimas obras. A intenção era a de que o primeiro movimento fosse uma espécie de conto, o segundo um scherzo e o terceiro um adágio em homenagem a Beethoven. O resultado é arrasadoramente belo com o som encorpado da viola dominando a sonata.

Os primeiros compassos da Sonata ao Luar, de Beethoven, uma obra que Shostakovich frequentemente executava quando jovem pianista, é citada repetidamente no terceiro movimento, sempre de forma levemente transformada e arrepiante, ao menos no meu caso… O scherzo possui uma marcha e vários motivos dançantes, retirados de uma outra ópera baseada em Gógol — seria sua segunda ópera composta sobre histórias do ucraniano, pois, na sua juventude ele já escrevera O Nariz (1929) — que tinha sido abandonada há mais de trinta anos. Outras alusões são feitas nesta sonata. Há pequenas citações da 9ª Sinfonia (de Shostakovich), da 4ª de Tchaikovski, da 5ª de Beethoven, da Sonata Op.110 de Beethoven, de Stravinsky, Mahler e Brahms. E a abertura da Sonata utiliza trecho do Concerto para Violino de Alban Berg, também conhecido pelo nome de “À memória de um anjo”, o qual é dedicado à filha de Alma Mahler, Manon, morta aos 18 anos, com poliomielite.

Creio não ser apenas invenção deste ouvinte- – há uma constante interferência do inexorável nesta música, talvez sugerida pela intromissão de temas de outros compositores na partitura, talvez sugerida pela atmosfera melancólica da sonata, talvez por meu conhecimento de que ouço um réquiem. O fato é que Shostakovich estava aguardando.

Shostakovich morreu sem ouvir a sonata, que foi estreada num concerto privado no dia 25 de setembro de 1975, data em que faria 69 anos.

Shostakovich: Sonatas for Violin and Viola / Kagan, Richter, Bashmet (2003)

01. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – I. Andante / 11:30
02. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – II. Allegretto / 7:00
03. Sonata for Violin and Piano – Op.134 – III. Largo / 14:58

04. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – I. Moderato / 11:10
05. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – II. Allegretto / 6:19
06. Sonata for Viola and Piano – Op.147 – III. Adagio / 17:03

Oleg Kagan (Violin)
Yuri Bashmet (Viola)
Sviatoslav Richter (Piano)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Shostakovich, uma vida não tão tranquila assim

Shostakovich, uma vida não tão tranquila assim

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

9 ideias sobre “Dmitri Shostakovich (1906-1975): Sonata para Violino / Sonata para Viola

  1. Ah, PQP, Bashmet tocando Shosta em plena terça é pra arrebatar os corações de violistas como eu!
    E, claro, o concerto para viola é melhor, sempre melhor…

    Um abraço deste violista frustrado.

  2. Ambas estão entre as minhas obras preferidas de Shosta. Não sei dizer qual gosto mais. A para violino é, para mim, a melhor sonata para violino e piano do século XX, junto com a 1ª do Bartók. Grande postagem!

  3. É curioso como ele alternava nas últimas obras uma “mensagem” sombria e pessimista com momentos de bom-humor. Se sua última composição tivesse sido a 15º Sinfonia, ninguém certamente o acusaria de auto-comiseração, mas se por outro lado fosse seu 15º quarteto de corda já seria mais difícil identificar estoicismo ou humor nesses lamentos à beira do silêncio.

  4. Não fora o tocante texto, e eu não baixaria essas obras, por não ser exatamente fã do Shosta (o problema é meu, claro). Mas vou fazê-lo, imediatamente, estimulado pelas palavras certeiras de Pqpbach. Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *