A Família das Cordas: Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Suítes para Violoncelo Solo executadas no Violoncello da Spalla – Sigiswald Kuijken

51mZ+2XL1bL._SX425_POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH. IMAGENS POR VASSILY EM 30/10/2015,

Aproveitando a carona dessa nossa série sobre a Família das Cordas, reabilitamos os links para essa estupenda gravação do belga Sigiswald Kuijken. Sempre houve muita discussão dessas Suítes BWV 1007-1012, pois não há autógrafo do compositor, apenas uma cópia do punho de sua esposa Anna Magdalena, cheia de erros e inconsistências. Além disso, a verdadeira natureza do instrumento para o qual Bach concebeu essas obras também é objeto de polêmica, particularmente por conta da Suíte no. 6, que demanda um instrumento de cinco cordas. Alguns sustentaram que ele seria uma certa viola pomposa inventada pelo compositor, sobre cuja existência nunca houve provas além de anedotas. Outra possibilidade é o violoncello da spalla, cujo maravilhoso timbre, sob as mãos do violinista Kuijken, soa tão convincente que as dúvidas parecem dirimir.

Vassily Genrikhovich

POSTAGEM ORIGINAL DE PQP BACH EM 21/3/2009, EDITADA EM 28/2/2012

Filhos bastardos, eu e FDP não lembramos do 21 de março antes do dia de ontem. Improvisamos uma homenagem meio de qualquer jeito e acho que deu certo. Foram 5 posts com 10 impecáveis CDs.

Finalizamos nossa homenagem aos 324 anos de papai com uma nova versão para as Suítes para Violoncelo, tocadas pelo genial Sigiswald Kuijken num instrumento que hoje não se utiliza mais: o violoncello da spalla.

Ecce homo [Vassily]

Ei-los [Vassily]

Maior ainda que a viola, mas manuseado como se fosse um violino, o “violoncelo de ombro” presta-se a uma belíssima interpretação das suítes. E salve Mestre Kuijken!

IMPERDÍVEL!!!

Bach: Suítes para Violoncelo, BWV 1007-1012

CD 1

Suite N°1 in G major BWV 1007
1. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Prelude
2. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Allemande
3. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Courante
4. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Sarabande
5. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Menuett
6. Suite No. 1, S. 1007 In G Major: Gigue

Suite N°2 in d minor BWV 1008
7. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Prelude
8. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Allemande
9. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Courante
10. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Sarabande
11. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Menuett
12. Suite No. 2, S. 1008 In D Minor: Gigue

Suite N°3 in C major BWV 1009
13. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Prelude
14. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Allemande
15. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Courante
16. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Sarabande
17. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Bouree
18. Suite No. 3, S. 1009 In C Major: Gigue

CD 2

Suite N°4 in E flat major BWV 1010
1. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Prelude
2. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Allemande
3. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Courante
4. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Sarabande
5. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Bourree
6. Suite No. 4, S. 1010 In E-Flat Major: Gigue

Suite N°5 in c minor BWV 1011
7. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Prelude
8. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Allemande
9. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Courante
10. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Sarabande
11. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gavotte
12. Suite No. 5, S. 1011 In C Minor: Gigue

Suite N°6 in D major BWV 1012
13. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Prelude
14. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Allemande
15. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Courante
16. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Sarabande
17. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gavotte
18. Suite No. 6, S. 1012 In D Major: Gigue

Sigiswald Kuijken, violoncello da spalla

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

29 ideias sobre “A Família das Cordas: Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Suítes para Violoncelo Solo executadas no Violoncello da Spalla – Sigiswald Kuijken

  1. Senhores Bastardos,

    Bach, vosso pai, estaria satisfeitíssimo com a alegria que proporcionastes ontem. Magníficas obras, que me fazem ouvir os sons maviosos de cantatas nunca antes por mim ouvidas – ai de mim, miserável criatura de tão pobre cultura! Tremo, reverente, aos pés de vosso pai, enquanto, pouco abaixo, vejo os filhos, legítimos ou não, sorrindo para os seres inferiores que somos nós.

    Viva Bach eternamente!
    Vivam os filhos bastardos de Bach, para sempre!
    Viva!
    (ouçam-se os coros em contrapontos exuberantes e gozozos, enquanto passa o cortejo…)
    Rameau

  2. Obrigado, PQP!

    Sabe… tem gente que quer dinheiro, fama… Eu sou feliz – feliz, mesmo! – simplesmente tendo a oportunidade de ouvir essas belas obras com minha menina de um lado e minha weizenbier do outro.

  3. Prezados colegas,

    Essa versão do Sigiswald Kujiken para violoncelo de ombro é fenomenal. Há uma confusão ainda em relação à viola pomposa que também tem 5 cordas, mas soa uma oitava acima do violoncelo de ombro. A viola pomposa é uma viola e um violino ao mesmo tempo com um timbre muito mais suave. Alguns autores afirmam que a Suite no.6 foi escrita realmente para a viola pomposa. Aproveito da ocasião para convidar aqueles que estiverem em Curitiba no dia 23 de junho, para assistir um recital, no Teatro da Caixa, do Zoltan Paulinyi que estará apresentando um programa inteiramente dedicado à viola pomposa solo. Ele executará obras de sua autoria, a minha peça “As Impuras Imagens do Dia se Desvanecem (1999)”, para viola e finalizando, a Suite no.6, de J.S.Bach.

    Um abraço a todos!

    Harry Crowl

    • Muito nos alegra que esteja passando aqui pelo blog um dos mais prestigiados compositores brasileiros contemporâneos.

      Gostaria de saber se você, Harry, não gostaria que postássemos algum de seus CDs. Eu tenho seu álbum duplo que contém canções de Curz e Souza e o concerto para piano, clarone e percussão e ainda o Espaços Imaginários.

      Abraço.

  4. Agradeço o seu interesse. Pode colocar o CD duplo “Sonatas e Austrais”, pois já está esgotado. Quanto ao “Espaços Imaginários”, prefiro que por enquanto, não, por que ele ainda está em circulação e à venda em algumas lojas virtuais, inclusive.
    Aproveito para dizer que o seu blog é muito interessante e tem sido de grande valia para mim. Tenho-o usado como fonte de material de pesquisa constante.

    Parabéns e um grande abraço,

    Harry Crowl

  5. Uma postagem excelente!

    Aproveito e deixo a sugestão para um futuro post:
    A gravação dessas suítes por Marion Verbruggen na flauta doce.
    Um belo trabalho!

  6. Agradeço demais a repostagem dessa maravilha. Caso contrário, eu nunca teria a oportunidade de conhecer esse instrumento diferente nem essa maravilhosa interpretação dessas suites a cargo de um sujeito que eu pouco conheço também. Excelente escolha, assim como as outras repostagens que estou acompanhando.

  7. Essa versão é REALMENTE FENOMENAL. A gente estranha um pouco o timbre no início, mas logo acostuma, e aí se toca que é provavelmente uma das melhores realizações dessas obras a que já se chegou!

  8. Devo confessar que a 1007 é uma de minhas favoritas deste grande homem. Foi amor à primeira audição. Desde então sou grande aficcionado de Bach.

  9. n entendo o preconceito q há em relação a gravação de yo-yo-má destas obras… Os escassos trechos que conseguir ouvir de sua gravação, são perfeitos na minha visão. Acho q o seu jeito nada barroco de interpretar à obra é exatamente oq me faz gostar de sua interpretação… por favor acabem com esse preconceito, ouça minha suplica… postem a gravação de yo-yo-má destas suítes

    • Respondendo por mim, vitor, não tenho nenhum preconceito contra o yo-yo ma, só não tenho essa gravação dele. Portanto, não posso postá-la. Aliás, diga-se de passagem, não me lembro de ter cruzado com essa gravação alguma vez, talvez quando a TV Cultura passou um documentário onde membros de um grupo de Ballet dançavam ao som do Cello do Yo-Yo Ma e isso já faz bastante tempo. Se alguém tiver essa gravação e se propuser a me mandar, ao menos o link, posso postá-lo.

  10. Quando olhei a foto pensei: “Carai, que viola grande da porra!” Cello Spalla, nunca tinha ouvido falar. Muito prazer. Estou baixando. Valeu, PQP.

  11. Caro Vassily,
    Será que podemos pensar em começar uma série “A família de sopros”, ou “A família das madeiras” e assim por diante ?
    Achei espetacular a forma. Uma bela ideia.

    Grande Abraço,

    • Salve, Sérgio!

      Já a tenho planejada, ainda que ela deva ter breves interrupções para dar conta das séries das Suítes para violoncelo de Bach (das quais ainda tenho cerca de oitenta interpretações para postar) e daquela a Antônio Guedes Barbosa, sobre a qual tenho sido cordialmente cobrado pelos fãs desse grande pianista brasileiro!

      • Beleza, Vassily. Só com esse blog e suas portagens, ficou possível para mim fazer o exercício de comparação de gravações e execução da mesma obra. Um delicioso e (muitas vezes) surpreendente exercício. Só um porém; a família e amigos estavam reclamando dessa dedicação. O jeito foi criar grupos de audição aos sábados. Viciou.
        Gracias,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *