J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg transcritas pelo e para o Fretwork (consort of viols)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Altíssima concentração de musicalidade, por assim dizer. O Fretwork é aquele típico consort of viols que toca desde a música veneziana do século XVI e que pode dar uma chegadinha a Bach e, talvez ir adiante. Soube que já tocaram Shostakovich! Sua abordagem às Goldberg é maravilhosa. Além disso, o CD é tem um som exuberante e a interpretação / arranjo para sexteto de violas faz inteira justiça à composição. Encantado, aprovei mais esta versão da obra que, provavelmente, mais postamos no PQP Bach desde a abertura do blog. O arranjo foi escrito por Richard Boothby e quem estiver em Cambridge no próximo dia 26 de maio poderá vê-los na nova versão de quarteto com A Arte da Fuga, de Bach. Favor enviar passagens e ingressos para minha residência.

O nova-iorquino Fretwork

Os ingleses do Fretwork

J. S. Bach: Variações Goldberg transcritas pelo e para o Fretwork (conjunto de violas da gamba)

Disc 1:
1. Goldberg Variations, BWV 988: Aria 4:56
2. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 1. 2:38
3. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 2. 1:31
4. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 3. Canone all’Unisono 2:24
5. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 4. 1:19
6. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 5. 1:55
7. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 6. Canone alla Seconda 1:34
8. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 7. Al tempo di Giga 1:57
9. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 8. 2:00
10. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 9. Canone alla Terza 2:12
11. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 10. Fughetta 1:32
12. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 11. 2:40
13. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 12. Canone alla Quarta 2:52
14. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 13. 6:31
15. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 14. 2:30
16. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 15. Canone alla Quinta: Andante 4:52

Disc 2:
1. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 16. Ouverture 3:01
2. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 17. 2:50
3. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 18. Canone alla Sesta 1:29
4. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 19. 1:06
5. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 20. 2:53
6. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 21. Canone alla Settima 3:39
7. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 22. Alla breve 1:35
8. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 23. 2:14
9. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 24. Canone all’Ottava 2:46
10. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 25. Adagio 7:40
11. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 26. 2:23
12. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 27. Canone alla Nona 2:22
13. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 28. 2:36
14. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 29. 2:41
15. Goldberg Variations, BWV 988: Var. 30. Quodlibet 1:55
16. Goldberg Variations, BWV 988: Aria 5:22

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Éramos 6, hoje somos 4.

Éramos 6, hoje somos 4.

PQP

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

10 ideias sobre “J. S. Bach (1685-1750): Variações Goldberg transcritas pelo e para o Fretwork (consort of viols)

  1. Muito interessante. O povo se irrita com os críticos. Eles só fazem o trabalho deles (que não é nada mais nada menos do que avaliar e criticar). Fico pensando se às vezes, quando eles realmente não tem nada pra reclamar, não ficam inventando coisas. Pode ver nesses programas de calouros, o sujeito pode cantar estupendamente bem, mas ainda assim os jurados (que são os críticos) tem que falar alguma coisa e dar um voto negativo. Bom, não sei por que fui desviar para essa conversa, mas sinceramente acho que, ao mesmo tempo em que eles nos irritam, também deveríamos respeitá-los; afinal, não é nada fácil ser um crítico.
    O que eu acho mais ruim é quando pessoas que não tem bastante conhecimento naquilo, ou seja, que nem críticos são, tentam dar uma de críticos. Aí a história já é outra.

  2. Muito bom! A aria com mais de 4 minutos e com Pizzicato ficou suplime. os demais movimentos pareceu-me encorpados sem exageros. maravilhoso! pincipalmente a Var. 3. Canone all’Unisono! o novo assunta mesmo, mas Como já dizia Caetano “a gente acha feio o q ainda não é mesmo velho” .

  3. PQP estou baixando mas já sei que é sonoro e delicioso de escutar, isto porque você já o disse. Fugindo um pouquito do assunto…
    PQP há uma semelhança entre a ave maria de Gounod e o primeiro preludio do livro 1 do cravo bem temperado de Bach, ou estou viajando no espaço-tempo?
    São perguntas quânticas…
    muito obrigado
    manuel

  4. Fico pensando esperançoso um dia encontrar por aí uns musicos brasileiros que decidam adaptar as obras de Bach… pra um grupo de choro, imagino especialmente a Arte da Fuga, além destas variações e quem sabe alguns movimentos da Oferenda. Seria musicalmente possível o sete cordas, bandolim, cavaco e clarinete (pode ser flauta)?
    No meu sonho musical até mesmo aqueles 3 ou 4 primeiros movimentos de Gottes Zeit ou Actus Tragicus, poderiam soar bem.

  5. PQP
    Belo post, e valeu pela dica do dia 26 de Maio (vou tentar nao perder!).
    Passagem de aviao eu nao prometo, mas se vier a Cambridge me avise, faco questao de te apresentar um pub muito bom, pertinho do Kettle’s Yard.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *