Conjunto Musikantiga de São Paulo (vol 1) – 1967

1pcr5iConjunto Musikantiga de São Paulo, fundado por Ricardo Kanji em 1966.

REPOSTAGEM

Ricardo Kanji nasceu em São Paulo em 1948. Iniciou os seus estudos musicais com Tatiana Braunwieser, prosseguindo-os com Lavínia Viotti que lhe proporcionou o primeiro contacto com a flauta doce. Aos quinze anos de idade começou a estudar flauta transversal com João Dias Carrasqueira e, dois anos mais tarde, ingressou nas orquestras Filarmônica e Sinfônica Municipal de São Paulo. Em 1966, depois de um período de estudos nos Estados Unidos da América, fundou o conjunto Musikantiga, com o qual manteve uma significativa e inovadora atividade musical no país.

Em 1969, Ricardo Kanji regressou aos EUA para estudar flauta transversal no Peabody Institute of Music, em Baltimore. Tendo decidido dedicar-se ao estudo da Música Antiga, no fim do mesmo ano viajou para a Holanda, onde estudou no Conservatório Real de Haia com Frans Brüggen e Frans Vester, entre 1970 e 1972, obtendo então seu «Solist Diploma». Em 1970 foi premiado no I Concurso Internacional de Flauta Doce, em Bruges, na Bélgica.

Em 1973 foi nomeado professor sucessor de Frans Brüggen no Conservatório Real de Haia, cargo que ocupou até 1995, dedicando-se à formação de músicos provenientes de todo o mundo. Como diretor da Orquestra Barroca do Conservatório, por ele criada, realizou vários projetos com inúmeras séries de concertos, com repertórios barroco e clássico.

Assim começa o currículo de Ricardo Kanji preparado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

O Conjunto Musikantiga de São Paulo foi fundado em 1966 por Ricardo Kanji e seu irmão Milton Kanji (flautas doces), Paulo Herculano (cravo) e Dalton de Luca (viola de gamba). Esse primeiro volume, de 1967, foi um verdadeiro sucesso, muito apreciado pela juventude da época.

Acho que comprei esse LP com o primeiro salário que ganhei como universitário recém formado, em março de 1968 mas, ao almoçar hoje na casa do meu irmão caçula, êle me disse que esse LP era dele e que eu o ‘afanei’! Então não sei mais nada e, isso sim, dedico esta postagem ao meu irmão caçula Luis Carlos!

Palhinha: ouça 03. Sonata a tres, nº 5 (1736)

Conjunto Musikantiga de São Paulo
Anônimo do séc. XVIII
01. Greensleeves to a ground
Anônimo do séc. XIV
02. Il lamento di Tristano
Pierre Prowo (1697-1757)
03. Sonata a tres, nº 5 (1736)
Orlando Gibbons (England, 1583-1625)
04. Galharda
John Dowland (England, 1563-1626)
05. Lacrimae antiquae
Diego Ortiz (Spain, ca.1510–ca.1570)
06. Recercada Quinta
Jean-Baptiste Loeillet of London (Flemish, 1680-1730)
07. Sonata para flauta e baixo contínuo
Anônimo do séc. XIII
08. Il trotto
J. Adson (séc. XVI)
09. Aria
William Byrd (England, 1540 or late 1539 – 1623)
10. Pavana e galharda
A. Valderravano (séc. XVI)
11. Fantasia
Anônimo do séc. XIII
12. Moteto: alle psalite cum luya

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 146,7 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 – 320 kbps – 73,1 MB – 33,9 min
powered by iTunes 12.0.1

Boa audição.

rhkas4

 

 

 

 

 

.

.

Avicenna

30 comments / Add your comment below

    1. Por algum motivo que desconheço, Prado, somente agora seu comentário apareceu.
      Sim, tem parte 2 que logo logo vou postar!
      Espero que o Ranulfus tenha condições de repostar o Roberto de Regina.

      Muito obrigado pela presença e comentário. Levei quase 5 horas digitalizando, tratando e depois postando esse LP. Comentários como os que estou recebendo são a melhor paga!

      Um abraço,

      Avicenna

        1. Obrigado, Paulo Lourenço, também temos, o problema é tempo para postar!!!
          Você sabia que o seu comentário é muito importante para nós?
          Não nos abandone!!

          Avicenna

  1. Maravilha de postagem! Todo mundo q não tem ou nunca ouviu fica obrigado a baixar! Fez parte da trilha sonora de muita gente hoje na casa do seis ponto zero! E atenção Avicenna e turma: se quiserem postar o vol. 2 e não tiverem avisem que eu mando o arquivo (CD Marcus Pereira).
    Parabéns!

  2. Reencontro emocionante! Foi o LP que me revelou a existência da música renascentista e medieval, lá pelos meus 12, 13 anos, quando alguém o levou à casa do meu pai. Entre outras coisas, o disco abre com o que me ficou para sempre como “a versão original” de Greensleves – talvez a canção de sucesso mais duradouro da história da música, que ninguém deveria desconhecer… Obrigadaço… MAIS UMA VEZ, Avicenna!!

  3. Cara eu tinha o Bolachão 1 & 2 do Musikantiga, e fiquei bastante feliz de ver essa jóia rára por aquí… Sempre fiz críticas ao PQP por publicar apenas Mp3, mas agóra estão de parabéns pelo arquivo FLAC, pois quem baixa um arquivo desses está com uma cópia de CD original em mãos… é evoluir da água pro vinho, parabéns e continuem melhorando.!

  4. Olá, ouço esse disco do Musikantiga desde muito antes de me dar por gente, tínhamos o vinil, mas com o tempo ele se perdeu e alguns anos atrás eu fui reencontrá-lo aqui em seu blog. Porém, recentemente perdi um hd com todas as minhas músicas e agora quando tento baixar novamente não está funcionando…. Será que alguém aqui poderia disponibilizar novamente um link para baixar essa preciosidade musical?

  5. Oi Avicena,

    So agora descobri seu post ao fazer uma pequena pesquisa sobre o musikantiga. Eu curti muito os dois discos deles na epoca. Depois sai rodadando pelo mundo e os lp ficaram pra tras. Acho que uma vez numa visita ao Brasil, os achei e levei comigo. Parece que os vi ha umas 3 semanas, mas deixei para tras com o resto dos meus lps. Estou tentando carregar pouca tralha para o resto da vida e estive separando e doando montanhas de objetos. Porem encontrar aqui esse som maravilhoso foi fantastico. Tou fazendo o dwld pq afinal isso ocupa pouco espaco e da pra gente guardar…
    Obrigado por postar e disponibilizar essa preciosidade.
    Um abraco e tudo de bom.
    Luiz

  6. Caríssimo, minha mãe deu este disco de presente para o meu pai quando eu era criança, e eu fiquei apaixonado por ele. Ouvi muitíssimo.

    Um pequeno reparo, porém. Eu baixei a versão FLAC, cujos tags são primorosos e detalhados, mas vi num deles a referência a “mp3”, que me deixou preocupado.

    Eu testei os arquivos flac com o Lossless Audio Checker (http://losslessaudiochecker.com/) e com outro semelhante a esse, e ambos indicaram a origem como “100% MPEG”.

    Esses programas analisam a frequência de corte do áudio. Seria possível ter ocorrido algum engano? Se for isso, nem vale a pena baixar a versão FLAC.

    A propósito, também procurei os CDs por aí, que até pouco tempo eu nem sabia que existiam, mas são praticamente impossíveis de encontrar.

    De toda forma, agradeço imensamente pelo post.

  7. Elon,

    Digitalizo os LPs num iMac (que não aceita arquivos FLAC), e todas as faixas são armazenadas no meu iTunes em arquivo .AIFF, 1.411. kbps ou 1.536 kbps.

    A conversão de .AIFF para .FLAC, e vice-versa, não resulta em perda nenhuma de qualidade, então converto todos os arquivos .AIFF em .FLAC com o aplicativo XLD, envelopo e posto.

    Pode ser isso?

    Um abraço,

    Avicenna

  8. Ouvia muita música nas rádios na época do lançamento destas joias de LP. Não! Não tocavam as músicas dos LPs. Era só pop, rock e MPB.

    Mas lembro de algo interessante: jingles de bancos e empresas financeiras se utilizaram de algumas das músicas do Musikantiga. Pelo menos, no meu curioso ouvido, um tremendo contraste perdurou por muito tempo.

    Nos intervalos de play lists que continham Creedence Cleawater, The Who, The Beatles, Joe Jeffrey Group, Zombies, Bill Deal and The Shondells, Gilberto Gil, Caetano Veloso, surgia a propaganda de uma empresa CFI, cuja trilha era Il Troto do volume 1. Que música era aquela? Quem a criou? Quem a tocava?

    Sem tempo e recursos para ir atrás, fiquei sem entender a história toda.

    Após alguns anos, veio a oportunidade: numa antiga loja de departamentos, lá estavam os dois LPs, que tinha sido reeditados e sendo vendidos a preços abaixo dos outros de música erudita. Ouvi até cansar!

    Deveríamos ter muito orgulho em saber, por vocês, da magnifica carreira do Ricardo Kanji. Pelo que ele já fez, merecia muito espaço na mídia. Talvez até mais do que alguns que estão sempre aparecendo.

    Um grande abraço e um Feliz 2017.

  9. Amigo Avicena, Ud. hace tanto por la cultura de Brasil como de toda Latinoamérica que es una maravilla su blog, de los pocos que ya quedan con este nivel. Comparto su tristeza por lo que acontece en esa hermosa nación que es Brasil… pero a no decaer. Brasil surgirá más fuerte y firme después de esta tormenta. Le envío un fuerte abrazo… y felicito nuevamente por su labor.

Deixe uma resposta