Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia Nº 1

Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia Nº 1

Dudamel MahlerNeste concerto de estreia de Gustavo Dudamel como regente da Filarmônica de Los Angeles, temos um maestro comedido, todo lento, espécie de mau Celibidache. Resolveu fazer diferente e não ficou bom. Acentuou o judaísmo da música de tal forma como nem Mahler, nem todos os regentes judeus que já regeram a Titã quiseram fazer. Exagerou. Deixou tudo lento. Olha, depois de ouvir Bernstein, Tilson Thomas e Haitink, ficou difícil alcançar o Olimpo nesta sinfonia. É território minadíssimo. Aguardemos que Duda amadureça.

Gustav Mahler (1860-1911): Sinfonia Nº 1

1. Langsam. Schleppend. Wie ein Naturlaut (Slow. Dragging. Like a sound of nature) 17:01
2. Kräftig bewegt, doch nicht zu schnell (Vigorous, agitated, but not too fast) 8:48
3. Feierlich und gemessen, ohne zu schleppen (Solemn and measured, without dragging) 11:47
4. Stürmisch bewegt (Passionate, agitated) 20:49

Los Angeles Philharmonic
Gustavo Dudamel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Dudamel: um Mahler bem mais ou menos
Dudamel: um Mahler bem mais ou menos

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Grand Magnificat à 8 voix, Marc-Antonie Charpentier

jicr2tChorale des Jeunesses Musicales de France
Marc-Antoine Charpentier

Grand Magnificat, a 8 Voix et Deux Choeurs D’instruments pour Solistes, Choeurs et Orchestre, H. 74

.

O Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, foi um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de músicas do barroco francês.

Louis Martini (1912-2000) foi um maestro francês que teve papel preponderante no movimento de renovação da música antiga na França. No início, tocava viola (alto) assim que saiu do Conservatório de Paris (classe de Maurice Vieux), passando a integrar o Quarteto Loewenguth desde sua criação em 1929. Em seguida, ele participou das atividades da Jeunesses Musicales de France -JMF, cujo coral fundou e dirigiu por muitos anos.

Ele realizou, a partir de 1947, uma série de gravações de música barroca – em especial uma bela antologia de Marc-Antoine Charpentier – no final da era dos discos 78 rpm até o início dos anos 1960, pelos selos Pathé e Erato. A maior parte dessas obras conservam-se inéditas em CD, à exceção de algumas reaparições pontuais: sua célebre versão do Te Deum de M.C. Charpentier que apareceu nos créditos dos programas divulgados pela Eurovision (CD Erato), o De Profundis de Michel-Richard de Lalande, bem como o Miserere des Jésuites (Psalme L) de M.-A. Charpentier (arquivo de CD EMI « Les Pionniers du Baroque »).

Espero que apreciem.

Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
1. Magnificat à 8 voix, H. 74: 1. Prologue
2. Magnificat à 8 voix, H. 74: 2. Magnificat Anima Mea Dominu
3. Magnificat à 8 voix, H. 74: 3. Quia Fecit Mihi Magna
4. Magnificat à 8 voix, H. 74: 4. Et Misericordia Ejus
5. Magnificat à 8 voix, H. 74: 5. Fecit Potentiam
6. Magnificat à 8 voix, H. 74: 6. Suscepit Israel
7. Magnificat à 8 voix, H. 74: 7. Sicut Locutus Est
8. Magnificat à 8 voix, H. 74: 8. Gloria Patri

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Conductor – Louis Martini
Baritone Vocals – Georges Abdoun
Bass Vocals – Jacques Mars
Contralto Vocals – André Mallabrera
Organ – Marie-Claire Alain
Soprano Vocals – Jocelyne Chamonin, Martha Angelici
Tenor Vocals – Rémy Corazza
Trumpet – Maurice André

Enregistré à Paris, 1963
Trilhas digitalizadas de LP de 1963

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 47,3 MB – 20 min
powered by iTunes 12.1.1

Partituras e outros que tais? Clique aqui

.

Boa audição.

score1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Alma Latina: Zipoli – Sonate d’Intavolatura: Intégrale de l’œuvre pour orge

213ojkDomenico Zipoli (1688 – 1726)
Sonate d’Intavolatura
Intégrale de l’œuvre pour orge
Grande Barroco Italiano

A primeira edição das peças de Domenico Zipoli para órgão foi publicada em 1716, junto com um conjunto de peças para cravo, sob o título Sonate d’Intavolatura per Organo e Cimbalo.

Poucos meses mais tarde, o compositor de 28 anos de idade – que é considerado através desta peça como um dos últimos representantes importantes da tradição do Grande Barroco Italiano para órgão – desapareceu misteriosamente do palco musical europeu. Durante dois séculos não se sabia nada sobre a sua vida ou sobre o resto da sua obra ou sobre a data e o lugar onde ele tinha morrido.

Mesmo assim, as sucessivas edições de Hare and Walsh (1725, 1741, 1755) trataram de reconhecer sua reputação, como registrou Vincent d’Indy e o historiador de música, Combarieu.

Há alguns anos, os estudos de G. Furlong, L. Ayestaran, V. de Rubertis e L.F. Tagliani tiraram das trevas a vida e obra de Domenico Zipoli. (traduzido e adaptado do encarte)

Este registro foi realizado em 1989 pelo mestre Angelo Turriziani na igreja San Giovanni Battista Bellagio, Côme, Itália, pouco antes de seu falecimento. A capa do CD mostra o profeta Isaias, obra do artista Aleijadinho.

Sonate d’Intavolatura: Intégrale de l’œuvre pour orge
Domenico Zipoli (Prato, Itália,1688 – Córdoba, Argentina 1726)
01. Tocatta En Re Mineur
02. Verso I (Re Mineur)
03. Verso II (Re Mineur)
04. Verso III (Re Mineur)
05. Verso IV (Re Mineur)
06. Canzona (Re Mineur)
07. All’Elevazione I (Fa Majeur)
08. Verso I (Do Majeur)
09. Verso II (Do Majeur)
10. Verso III (Do Majeur)
11. Verso IV (Do Majeur)
12. Canzona (Do Majeur)
13. All’Offertorio (Do Majeur)
14. Verso I (Fa Majeur)
15. Verso II (Fa Majeur)
16. Verso III
17. Verso IV
18. Canzona (Fa Majeur)
19. Al Post Communio (Fa Majeur)
20. Verso I (Mi Mineur)
21. Verso II (Mi Mineur)
22. Verso III
23. Verso IV (Mi Mineur)
24. Canzona (Mi Mineur)
25. All’Elevazione (Do Majeur)
26. Verso I (Sol Mineur)
27. Verso II (Sol Mineur)
28. Verso III (Sol Mineur)
29. Verso IV (Sol Mineur)
30. Canzona (Sol Mineur)
31. Pastorale (Do Majeur)

Sonate d’Intavolatura: Intégrale de l’œuvre pour orge – 1989
Angelo Turriziani, órgão

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 217,8 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 106,9 MB

Powered by iTunes 12.3.1 | 48 min | Encarte incluido: English & Française

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Obrigado!

importante-macaco

Boa audição!

Avicenna

J. S. Bach (1685-1750): Violin & Voice

J. S. Bach (1685-1750): Violin & Voice

Este é um CD apenas OK, nada mais. A ideia foi boa, mas a escolha das árias parece ter passado por cima do conceito de beleza para abraçar o comercial. Como filho de Bach, tenho coleções de árias na minha cabeça e acho que este CD apenas acertou em 50% das tentativas. Ah, o disco é uma seleção de árias de Cantatas e Paixões que incluem voz e violino, certo? Pois é como ia dizendo, há centenas delas, mas a escolha foi assim assim. Quem rouba o disco é Matthias Goerne, que é um barítono alemão realmente maravilhoso.

O disco costuma ser elogiado. Vai ver estou errado…

J. S. Bach (1685-1750): Violin & Voice

1. St. Matthew Passion, BWV 244 / Part Two – No.51 Aria (Bass): ”Gebt Mir Meinen Jesum Wieder” 2:59
2. Wachet Auf, Ruft Uns Die Stimme Cantata, BWV 140 – Arie (Duett): ”Wann Kommst Du, Mein Heil?” 5:44
3. Cantata, BWV 204 ”Ich Bin Vergnügt” – Aria ”Die Schätzbarkeit Der Weiten Erde” 4:13
4. Liebster Jesu, Mein Verlangen Cantata, BWV 32 – 3. Aria: Hier, In Meines Vaters Stätte 7:09
5. Zerreißet, Zersprenget, Zertrümmert Die Gruft Dramma Per Musica, BWV 205 – 9. Aria Soprano: ”Angenehmer Zephyrus” 3:29
6. Mass In B Minor, BWV 232/Gloria – Laudamus Te 3:50
7. Ich Lasse Dich Nicht, Du Segnest Mich Denn (Cantata BWV 157) – Ja, Ja Ich Halte Meinen Jesum Fest 6:18
8. Cantata ”Wer Mich Liebet, Der Wird Mein Wort Halten” BWV 59 – 4. Aria: ”Die Welt Mit Allen Königreichen” 3:06
9. Cantata, BWV 58 ”Ach Gott, Wie Manches Herzeleid” – Aria ”Ich Bin Vergnügt In Meinem Leiden” (Soprano) 3:44
10. Cantata, BWV117 – 6. Wenn Trost Und Hülf’ Ermangeln Muß 4:03
11. Der Friede Sei Mit Dir: Cantata, BWV 158 – 2. Aria & Choral: Welt, Ade, Ich Bin Dein Müde 5:49
12. St. Matthew Passion, BWV 244 / Part Two – No.39 Aria (Alto): ”Erbarme Dich” 6:29

Hilary Hahn
Matthias Goerne
Christine Schafer

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP gosta
Não funcionou, Hahn

PQP

Saint-Saëns (1835 – 1921): Integral das obras para órgão – CDs 2 e 3 de 4

O órgão francês de Widor e Vierne, e às vezes o de Messiaen, alterna entre silêncios profundos e fortíssimos ensurdecedores. Combina com grandes catedrais. O órgão de Saint-Saëns é mais contido, marcado por desenvolvimento de temas melódicos, simetrias, proporções clássicas. Um som mais adequado à igreja de tamanho médio numa área chique de Paris onde ele foi organista titular de 1858 a 1877.

A igreja La Madeleine foi construída entre 1763 e 1842, entre os reinados de Luís XV (que colocou, ele mesmo, a primeira pedra) e Luís Felipe, tendo sido atrasada pela Revolução Francesa. Seu estilo, imitando um templo grego estava em voga na época, ainda antes do gótico voltar à moda. A região foi embelezada nos governos Luís Felipe (Praça da Concórdia) e Napoleão III (Boulevards e a Ópera Garnier), de forma que a Madeleine era a igreja onde ia a alta sociedade parisiense.

Várias celebridades tiveram funerais na Madeleine: Chopin, Pedro II do Brasil e o próprio Saint-Saëns. O grande órgão foi construído por Aristide Cavaillé-Coll em 1846.

Barricada na comuna de Paris em 1871. Ao fundo, La Madeleine, onde Saint-Saëns era organista titular nessa época.
Barricada na comuna de Paris em 1871. Ao fundo, La Madeleine, onde Saint-Saëns era organista titular nessa época.

Os seis Prelúdios e Fugas, em que Saint-Saëns cria efeitos que só o órgão é capaz de produzir, são as suas criações mais importantes para o órgão. Os três primeiros, op. 99, foram dedicados respectivamente a Charles-Marie Widor, Alexandre Guilmant e Eugène Gigout. As três vozes (duas mãos e pedaleira) do primeiro prelúdio se cruzam constantemente, obtendo efeitos impressionantes. No segundo prelúdio, ritmos complicados se alternam com uma melodia mais simples.

O Prelúdio em fá maior, um pequeno estudo de arpejos, faz parte do grupo de intermezzos litúrgicos. Os Dois Versículos dão uma ideia da música que era improvisada como intermezo entre corais litúrgicos ou utilizada como transição entre diferentes etapas da missa.

Funeral de Saint-Saëns: saída da igreja La Madeleine
Funeral de Saint-Saëns: saída da igreja La Madeleine

Tema, Variações e Coral Dies irae: o tema e suas variações criam uma atmosfera que se encerra dramaticamente com a citação do coral Dies irae da missa fúnebre. A Segunda Fantasia foi dedicada à rainha Elisabeth da Romênia. Se alternam um trio, um coral, um fugato e uma toccata.

O segundo ciclo de Prelúdios e Fugas, op. 109, foi dedicado, em ordem, a Gabriel Fauré (organiste da Madeleine na época), Albert Perlhou e Henri Dalier. Louis Vierne escreveu: “Creio que os seis prelúdios e fugas, por um lado pelo seu estilo soberbo, e por outro lado por suas dificuldades técnicas, deveriam fazer parte do repertório de todo organista digno deste nome. A 2ª Fantasia em fá bemol é uma obra de concerto esplêndida, fazendo grande impressão no público. Em uma palavra: a contribuição de Saint-Saëns honra grandemente a escola francesa de órgão”

Após dez anos sem compor para o órgão, em 1917 Saint-Saëns terminou os Sete Improvisos. Pela primeira vez, recorreu a temas gregorianos. Essas obras têm harmonia mais complexa: o primeiro improviso, por exemplo, se baseia na escala de tons inteiros.

Traduzido do encarte do álbum. Texto de Stefan Johannes Bleicher.

CD 2 (0:51:54)

Trois Préludes et Fugues Op. 99
01. 1er Prélude et Fugue
02. 2me Prélude et Fugue
03. 3e Prélude et Fugue

04. Prélude F Major
05. Verset
06. Verset
07. Thème, Variations et Choral de Dies Irae
08. 2me Fantaisie

CD 3 (1:07:58)

Trois Préludes et Fugues Op. 109
01. 1er Prélude et Fugue
02. 2me Prélude et Fugue
03. 3e Prélude et Fugue

Sept Improvisations
04. Improvisation 1
05. Improvisation 2 Feria Pentecostes
06. Improvisation 3
07. Improvisation 4
08. Improvisation 5 Pro Martyribus
09. Improvisation 6 Pro Defunctis
10. Improvisation 7

Stefan Johannes Bleicher: órgão Kuhn, 1879/1989 na igreja St. Johan, Schaffhausen (CD 2) e órgão Walcker, 1888, na Stadtkirche de Winterthur (CD 3). Ambos na Suíça.

BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) ou aqui (or here)

O ganha-pão de Saint-Saëns quando jovem: órgão Cavaillé-Coll, La Madeleine, Paris
O ganha-pão de Saint-Saëns quando jovem: órgão Cavaillé-Coll, La Madeleine, Paris

Chegamos ao fim dessa integral. A próxima será a de Olivier Messiaen, outro grande compositor francês com uma extensa e importante obra para órgão (vamos deixar as piadas sobre o tamanho e a importância dos órgãos para o comentários).
Pleyel

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Marc-Antoine Charpentier (1643-1704) – Te Deum

2u7n7dfChorale des Jeunesses Musicales de France 1963
Charpentier
Te Deum, H. 146

Sétima gravação épica do Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de música da renascença composta por franceses.
Espero que apreciem.

Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)
01. Te Deum, H. 146: I. Prelude (Marche en rondeau)
02. Te Deum, H. 146: II. Te Deum laudamus (bass solo)
03. Te Deum, H. 146: III. Te aeternum Patrem (chorus and SSAT solo)
04. Te Deum, H. 146: IV. Pleni sunt caeli et terra (chorus)
05. Te Deum, H. 146: V. Te per orbem terrarum (trio, ATB)
06. Te Deum, H. 146: VI. Tu devicto mortis aculeo (chorus, bass solo)
07. Te Deum, H. 146: VII. Te ergo quaesumus (soprano solo)
08. Te Deum, H. 146: VIII. Aeterna fac cum sanctis tuis (chorus)
09. Te Deum, H. 146: IX. Dignare, Domine (duo, SB)
10. Te Deum, H. 146: X. Fiat misericordia tua (trio, SSB)
11. Te Deum, H. 146: XI. In te, Domine, speravi (chorus with ATB trio)

Gravação de 1963

Chorale des Jeunesses Musicales de France

Orchestra Jean-François Paillard
Direction Louis Martini
Martha Angelici, Jocelyn Chamonin, soprani ;
André Mallabrera, controtenore;
Rémy Corazza, tenore ;
George Abdoun, Jacques Mars, bassi ;
Marie-Claire Alain, organo;
Maurice André, tromba
Fonogramas digitalizados de LP de 1963

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 72,8 MB – 29,3 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

score+

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Jordi Savall & Les Concert des Nations: François Couperin, Les Concerts Royaux

289y1ciFrançois Couperin
Les Concerts Royaux

Jordi Savall
Les Concert des Nations

A leveza, a ternura, a elegância e, acima de tudo, a poesia cativante e a musicalidade duradoura das obras de Couperin são tão insinuantes hoje como eram há 300 anos.

Isto é particularmente verdade nesta gravação da AliaVox para o Le Concert des Nations liderado pelo violista baixo Jordi Savall. Um dos mais profundos e mais sutis de todos os músicos atuais, as interpretações de Savall são calorosamente carinhosas, espirituosamente bem humoradas, maravilhosamente musicais, e profundamente poéticas.

Savall e seus músicos executam 4 suites de Couperin com uma simpatia que passa para a empatia e uma compreensão de que se torna identificação. Como nos melhores conjuntos de jazz, nunca se sente uma distinção entre a música e músico, mas sim a unidade completa de ambos. Pode-se apontar felicidades infinitas – a expressividade das frases, o fraseado de linhas, as nuances de harmonias, a graciosidade de ritmos – mas é a unanimidade poética da interpretação que é mais impressionante.

Embora tenha havido gravações superlativas de Le Concert des Nations no passado, esta gravação será certamente o ponto de referência para os próximos anos.
(traduzido e adaptado da internet)

François Couperin (France, 1668 – 1733)
01. Premièr Concert: Prélude – Gravement
02. Premièr Concert: Allemande – Légèrement
03. Premièr Concert: Sarabande – Mesuré
04. Premièr Concert: Gavotte – Notes Égales et Coulées
05. Premièr Concert: Gigue – Légèrement
06. Premièr Concert: Menuet En Trio
07. Second Concert: Prélude – Gracieusement
08. Second Concert: Allemande Fuguée – Gayement
09. Second Concert: Air Tendre
10. Second Concert: Air Contre Fugué – Vivement
11. Second Concert: Echos – Tendrement
12. Troisième Concert: Prélude – Lentement
13. Troisième Concert: Allemande – Légèrement
14. Troisième Concert: Courante
15. Troisième Concert: Sarabande – Grave
16. Troisième Concert: Gavotte
17. Troisième Concert: Muzette – Naïvement
18. Troisième Concert: Chaconne Légère
19. Quatrième Concert: Prélude – Gravement
20. Quatrième Concert: Allemande – Légèrement
21. Quatrième Concert: Courante Françoise
22. Quatrième Concert: Courante À L’Italiene
23. Quatrième Concert: Sarabande – Très Tendremen
24. Quatrième Concert: Rigaudon – Légèrement Et Marqué
25. Quatrième Concert: Forlane. Rondeau – Gayement

Les Concerts Royaux – 2004
Jordi Savall
Les Concert des Nations

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 611,6 MB | 2.116 kbps

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3  | 134,1 MB | 320 kbps

Powered by iTunes 12.2.1 | 1 h 03 min

Boa audição.

Screen-Shot-2015-09-02-at-12.39.56

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Violin Sonatas Nº 3 & 9

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Violin Sonatas Nº 3 & 9

Excelente disco! Mutter partiu para interpretações muito livres de Beethoven. Mullova ataca o repertório mais óbvio do gênio de Bonn acompanhada do piano forte. Eu gosto, sabem? Não seria a gravação que levaria para a ilha deserta, talvez levasse a de Mutter, só que é Mullova é aquela menina moscovita — na verdade de Zhukovsky, ali pertinho –, alta, magra  e de sangue quente, que sempre tem algo de diferente (rimou!) a nos dizer. Como diz minha mulher, que é violinista: ela nasceu genial e foi aluna de Leonid Kogan, ou seja, não é alguém comum. Aproveitem, então. Viram ela na cena final de Juventude, de Paolo Sorrentino? Ah, pois é, tô dizendo.

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Violin Sonatas Nº 3 & 9

Violin Sonata no.3 in E flat op.12 No.3
1) I Allegro con spirito [8.20]
2) II Adagio con molt’espressione [5.26]
3) III Rondo: Allegro molto [4.10]

Violin Sonata No.9 in A op.47 “Kreutzer”
4) I Adagio sostenuto – Presto – Adagio [13.44]
5) II Andante con variazioni [14.13]
6) III Presto [8.28]

VIKTORIA MULLOVA violin
KRISTIAN BEZUIDENHOUT fortepiano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Ah, vocês pensaram que viria mais uma foto da Mullova, né?
Ah, vocês pensaram que viria mais uma foto da Mullova, né?

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Charles-Hubert Gervais (1671-1744) & Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)

v7e1qhChorale des Jeunesses Musicales de France
Gervais & Charpentier

Gravação de 1957

Mais uma gravação épica do Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de música da renascença composta por franceses.
Espero que apreciem.

.

Charles-Hubert Gervais (1671-1744)
Te Deum
Martha Angelici (soprano), Jeanninne Collard (contralto)
Jean Giraudeau (ténor), Louis Noguera (basse)

Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)
Le Reniement de Saint Pierre, motet, H. 424
Martha Angelici (soprano), Solange Michel (contralto)
Michel Sénéchal (haute-contre), Jean Giraudeau (ténor)
Jacques Pruvost (baryton), Louis Noguera (basse)
Françoise Petit (clavecin)

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Orchestre des Concerts Pasdeloup
Direction Louis Martini
Henriette Puig-Roget (orgue)
Enregistré à Paris (Eglise Saint-Roch), 12-16 novembre 1957
Fonogramas digitalizados de LP de 1957

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 97,5 MB – 47,6 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

2ibl3b7

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Alma Latina: In Natali Domini – Christmas in Spain and the Americas in the 16th Century

2dt62y8La Colombina
O Natal na Espanha e nas Américas
Século XVI

Quatro cantores, solistas de renome, cujos caminhos se cruzaram em várias produções, madrigalistas fervorosos e, além disso bons amigos, decidiram formar um conjunto em novembro de 1990: La Colombina, o nome da coleção de música do final do século XV mantido na Biblioteca Colombina em Sevilha.

Cosmopolitas e muito latinos na formação, o conjunto é composto por um argentino, um italiano e dois catalães, especializados em música renascentista e música barroca, tanto religiosa como secular, cantando em sua maioria ‘a cappella’.

Enquanto o repertório favorito do grupo é muitas vezes espanhol, ele não deixa de excursionar pela música da França e especialmente da Itália. Desde a sua fundação, além de uma programação de gravação regular, La Colombina tem dado concertos na França, Bélgica, Espanha, Itália, Suíça, Holanda, Israel …

(traduzido do encarte)

O Natal na Espanha e nas Américas no séc. XVI
Anonymous. Convento del Carmen, Mexico
01. Domine labia mea aperies – Deus in adjutorium
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Espanha c.1590 – Puebla, México, 1664)
02. Christus natus est nobis
Estêvão de Brito (Portugal, 1570-Spain, 1641)/Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
03. Jesu Redemptor omnium – Tu lumen et splendor Patris – Gloria tibi, Domine
Gaspar Fernández (Portugal, 1570?- Puebla, Mexico, 1629)
04. Ensalada de Navidad – Desnudito parece mi Nino
05. Ensalada de Navidad – Ven y veras zagalejo
06. Ensalada de Navidad – Romance: Llegan los quatro al portal
07. Ensalada de Navidad – Romance: Sea para bien el Hijo Divino
08. Ensalada de Navidad – Este Nino se lleva la flor
09. Ensalada de Navidad – Naci tamborilero y sustentar me quiero
10. Ensalada de Navidad – Oy la musica del cielo
11. Ensalada de Navidad – Un relox a visto Andres
12. Ensalada de Navidad – Dominus dixit ad me
Cristóbal de Morales (Spain, 1500-1553)
13. Pastores Dicite Quidnam Vidistes
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
14. O Magnum Mysterium
Pedro de Cristo (Portugal, 1545/1550-1618)
15. Beata viscera Mariae – Beate viscera Mariae Virginis
Francisco Guerrero (Sevilha, 1528-1599)
16. Oy, Joseph, se os da en el suelo
Cristóbal de Morales (Spain, 1500-1553)
17. Ad tantae Nativitatis
Estêvão de Brito (Portugal, 1570-Spain, 1641)
18. Crudelis Herodes – Ibant Magi quam viderant – Gloria tibi, Domine
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
19. Magi viderunt stellam
Francisco Guerrero (Sevilha, 1528-1599)
20. Los Reyes siguen la’strella
Bartomeu Càrceres (Spain, c.1546)
21. La Trulla

In Natali Domini – Christmas in Spain and the Americas in the 16th Century – 2000
La Colombina
Maria Cristina Kiehr – soprano
Claudi Cavina – alto
Josep Benet – tenor
Josep Cabré – baritono

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 276,5 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 155,1 MB

Powered by iTunes 12.3.0 | 1 h 10 min | Encarte incluido: English & Française & Deutsch

Mais um CD cedido pelo musicólogo Prof. Paulo Castagna. Obrigado !!

Boa audição.

2wmm9zn

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Brahms / Lutoslawski / Prokofiev / Rachmaninov / Tchaikovsky: Music for Two Pianos

Brahms / Lutoslawski / Prokofiev / Rachmaninov / Tchaikovsky: Music for Two Pianos

Muitas maneiras de dizer Martha

Por Juan Forn no Página 12 (traduzido e complementado por Milton Ribeiro)

O Japão costuma idolatrar os virtuosos do piano, porém se um pianista ou músico cancela um concerto no último momento, as consequências são implacáveis. Certa vez, o famoso Arturo Benedetti Michelangeli recusou-se a tocar por algum motivo. Em resposta, confiscaram seu piano pessoal e o mundo musical nipônico declarou-o persona non grata pelo resto da vida. Martha Argerich, hoje com 75 anos, décadas atrás também suspendeu um concerto em Tóquio, o último de sua primeira turnê do Japão, que estava sendo apoteótica. O imperador estaria presente, mas Martha brigara com seu namorado da época, o regente Charles Dutoit, e pegou um avião para o Alaska sem avisar ninguém. Jamais seria perdoada, só que… No ano seguinte, voltou ao Japão pagando sua passagem e deu 14 concertos sem receber nada. O mesmo organizador que tinha sido lesado por ela recebeu a renda de todos os 14 concertos, só que… Ela fez com que um pianista angolano — um dos muitos jovens que Martha auxiliou — sentasse a seu lado para virar as páginas da partitura. O angolano usava uma túnica sem mangas e a exposição da pele masculina no Japão é considerada quase tão obscena como o cancelamento de um concerto, mas ninguém disse nada porque Martha Argerich é algo sobre-humano para os japoneses.

Martha Argerich já tocou com lombalgia, com infecção dentária, em cadeira de rodas, de minissaia (pois perderam sua mala no aeroporto), com grama no cabelo (fizeram-na tocar numa floresta), mas só os concertos que ela suspendeu ficaram famosos. Declara que o que a sufoca desde os oito anos de idade são algumas das características da vida no mundo da música clássica: “Eu não quero ser uma máquina de tocar piano. Vivo sozinha, toco sozinha, ensaio sozinha, como sozinha, durmo sozinha. É muito pouco para mim”. Daniel Barenboim, que a adora, disse: “Martha fez todo o possível para destruir sua carreira, mas não conseguiu”. O primeiro concerto foi cancelado aos dezessete anos, “só para saber como eu me sentiria.” Aos vinte anos, com uma carreira brilhante pela frente, ela passou três anos sem se aproximar de um piano, assistindo TV em um pequeno apartamento em Nova York. Quando o dinheiro acabava, trabalhava como secretária. Afinal, para algo devia servir ter os dedos tão rápidos. A poucas quadras dali, vivia Vladimir Horowitz. Ela tinha a intenção de ir falar com ele para dizer: “Ajude-me a voltar a tocar piano”. Nunca se atreveu a uma visita. Melhor, pois Horowitz estava há dez anos sem tocar em público, submetia-se a sessões regulares de eletrochoque e só aceitava gravar discos em sua própria casa. Mas Argerich, como sabemos, voltou a tocar. Após sua consagração no Concurso Chopin em Varsóvia, em 1965, ela foi ao estúdio de Abbey Road gravar um álbum, porque todos os seus amigos estavam em Londres. Deixaram-na sozinha com um piano no estúdio. Ela pediu uma jarra de café, olhou hesitante para o teclado e executou três vezes o repertório que tinha escolhido. Abandonou a jarra de café vazia e nem ouviu o que tinha gravado. E passou a morar em uma espécie de pensão musical chamada Clube de Londres.

Quem morava lá? Barenboim, Jacqueline Du Pré, Nelson Freire, Fou-Tsong, Kovacevic, todos com apenas um único telefone na entrada do prédio cheio de vazamentos, pianos, sofás comidos pelas traças e cinzeiros. Todos em total liberdade e camaradagem. Havia gente que estava na casa para tocar algum instrumento e os que estavam lá para ouvir e conviver. Para quase todos, aquela comunidade era uma espécie de interlúdio feliz, mas ela entendeu que queria viver assim para sempre. Alugou um orfanato do século XIX, em Genebra — cuja porta não tem chave — povoou-a de pianos, gatos e sofás e recebeu todos os jovens pianistas em crise que a procuraram. Ela os adotava até a recuperação. O(a) adotado(a) tocava piano, participava de jogos de adivinhação, dançava e cozinhava para as filhas de Martha quando ela saía em turnê. Ela tem três filhas de três homens diferentes, apesar de a vida em comunidade lhe dar um ar respeitoso de mulher casada.

Há um belo documentário filmado por sua filha mais nova. É a história íntima da mãe e das filhas. Em uma cena, todas estão sentadas na grama pintando as unhas dos pés. As filhas decidem pintar cada dedo da mãe de uma cor diferente. A agitada Annie, segunda filha (do citado Dutoit), diz que sua lembrança mais viva da infância é a de ficar deitada debaixo do piano, olhando os pés descalços de sua mãe até dormir. “Isto é minha mãe, mais do que seus cabelos, cigarros e gestos: onde já se viram pés tão grandes e tão femininos ao mesmo tempo?”. Stephanie, a mais jovem — diretora do documentário e filha do referido Stephen Bishop Kovacevich –, conta sobre a primeira vez que acompanhou sua mãe num concerto e sobre sua imensa provação: “Tudo era muito solene, muito dramático, eu não gostei, me senti estranha”. Ouviu todo o concerto angustiada nos bastidores até que sua mãe voltou: “Eu estava exausta e ela dez anos mais jovem.” Lyda, a mais velha e a única que já é mãe — é também violoncelista profissional –, fala de quando a mãe foi operada de um feio melanoma em 1999. Depois de três horas e meia na sala de cirurgia, ela estava feliz e radiante em contraste com o esgotamento dos cirurgiões. Eles se recusaram a fazer uma cirurgia convencional para abrir a caixa torácica de Martha, pois “uma pianista precisa de todos os músculos do seu corpo para tocar”.

Até hoje Martha Argerich avisa seus companheiros de palco para não lhe beijarem a mão ou tocarem seu cabelo. Ela não gosta. Já não vive em Genebra, mas em Bruxelas, numa casa também está cheia de pessoas, gatos e pianos. Como Tchékhov, que construiu uma casa para sua família e amigos e um quarto afastado para escrever, ela tem um pequeno apartamento em Paris onde apenas cabem um piano, uma cama, uma televisão e uma imagem de Liszt presa com fita adesiva na parede. Seu próximo projeto é uma pensão para artistas aposentados, como a que fundou Verdi em Milão para cantores que ficaram sem voz. De todas as suas formidáveis frases — “Quando os pianos não me querem, não os toco de jeito nenhum”, “Eu acho que eu nunca me senti exatamente mulher, só consigo me ver como a menina de cinco anos e o menino de quatorze que me habitam”, “Chopin é ciumento, exclusivo, faz com que você toque mal qualquer outro compositor”, “Como me saí hoje? Como um cavalo selvagem ou como um carrossel de cavalinhos?” — a minha favorita é “Sou um pouco infantil. Se fosse inteiramente infantil não diria”.

.oOo.

Milton Ribeiro escreve:

(1) Há uns dez anos, fui pedir um autógrafo a Martha Argerich após um concerto. Como já tenho certa experiência, não levei um CD, mas um disco de vinil para que a assinatura saísse maior. A foto da capa era bonita pacas. Ela pegou o disco com a mão direita e tapou a boca com a esquerda, fazendo cara de admiração. Olhou para mim e disse:

— Como eu era bonita! Agora sou tão feia, tão horrível, uma bruxa velha.

Comecei a responder que não era nada disso e ela fez um gesto mandando eu me calar:

— Não minta, por favor.

(2) Em janeiro deste ano, vi Martha Argerich tocar o Concerto Nº 3 de Prokofiev no Southbank Center, em Londres, com a Orquestra Filarmônica de São Petersburgo sob a regência de seu velho amigo Yuri Temirkanov. Foi um arraso. Não é somente uma das músicas que mais amo como é uma espécie de “Concerto de Martha”. Ninguém toca aquilo como ela, com aquela miraculosa exatidão e sensibilidade. Após a introdução, quando ela começou a tocar… Olha, não lembro de outra oportunidade em que eu chorei num concerto. Não houve escândalo, ninguém viu, mas aconteceu.

.oOo.

Brahms / Lutoslawski / Prokofiev / Rachmaninov / Tchaikovsky: Music for Two Pianos

Piotr Tchaikovsky (1840-1893) · The Nutcracker – Suite
1. I. Ouverture miniature:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu)
2. Marche:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
3. Danse de la Fée Dragée:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
4. Danse russe Trepak:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
5. Danse Arabe:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
6. Danse Chinoise:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
7. Danse Mirlitons:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu), II. Danses caractérisque
8. III. Danse des Fleurs:- The Nutcracker, Suite from the Ballet (transcribed for two pianos by Nicolas Economu)

Sergei Rachmaninov (1873-1943) · Suite No.2 for two pianos
9. I. Introduction (Alla marcia):- Suite No. 2 in C Op. 17
10. II. Valse (Presto):- Suite No. 2 in C Op. 17
11. III. Romance (Andantino):- Suite No. 2 in C Op. 17
12. IV. Tarentelle (Presto):- Suite No. 2 in C Op. 17

Sergei Rachmaninov (1873-1943) · Six Morceaux for piano four hands
13. No. 1, Barcarolle (G minor):- 6 Morceaux Op. 11
14. No. 2, Scherzo (D major):- 6 Morceaux Op. 11
15. No. 3, Thème russe (B minor):- 6 Morceaux Op. 11
16. No. 4, Valse (A major):- 6 Morceaux Op. 11
17. No. 5, Romance (C minor):- 6 Morceaux Op. 11
18. No. 6, Slava (C major):- 6 Morceaux Op. 11

Disc: 2
Johannes Brahms (1833-1897) · Sonata in F minor for two pianos, Op. 34b
1. Allegro non troppo:- Sonata in F minor for 2 pianos Op.34b
2. Andante, un poco adagio:- Sonata in F minor for 2 pianos Op.34b
3. Scherzo (Allegro):- Sonata in F minor for 2 pianos Op.34b
4. Finale (Poco sostenuto – Allegro non troppo – Presto non troppo):- Sonata in F minor for 2 pianos Op.34b

Johannes Brahms (1833-1897) · St Antoni Variations
5. Theme – ‘St Anthony Choral’. Andante:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
6. Variation I. Andante con moto:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
7. Variation II. Vivace:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
8. Variation III. Con moto:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
9. Variation IV. Andante:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
10. Variation V. Poco presto:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
11. Variation VI. Vivace:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
12. Variation VII. Grazioso:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
13. Variation VIII. Poco presto:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b
14. Finale. Andante:- Variations on a theme by Haydn for 2 Pianos Op.56b

Sergei Prokofiev (1891-1953) . Symphony No.1 in D Major, Op.25 “Classical” (for two pianos):
15 I. Allegro 4:11
16 II. Larghetto 3:55
17 III. Gavotte. Non troppo Allegro 1:31
18 Finale. Molto vivace 4:20

Witold Lutosławski (1913-1994)
19 Variations on a Theme by Paganini for two pianos 5:34

Martha Argerich
Mirabela Dina
Gabriela Montero
Lilya Zilberstein
Polina Leschenko
Yefim Bronfman
Giorgia Tomasi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Não há como não amar Martha Argerich
Não há como não amar Martha Argerich

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Michel Richard de Lalande & Jean-Baptiste Lully

 

orqusnChorale des Jeunesses Musicales de France
Michel R. de Lalande & Jean-Baptiste Lully

Gravação de 1955

Quinta de várias gravações épicas do Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de música da renascença composta por franceses. Espero que apreciem.

.

Michel Richard de Lalande (1657-1726)
01. De Profundis (Psaume CXXX)
Martha Angelici, Jacqueline Cellier (sopranos),
Jeannine Collard (contralto), Jean Giraudeau (ténor)
Louis Noguera (basse)

Jean-Baptiste Lully (1632-1687)
02. Dies Irae
Martha Angelici (soprano), Jeannine Collard (contralto)
Jean Giraudeau (ténor), Louis Noguera (basse)

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Orchestre non identifié, Henriette Puig-Roget (orgue)
direction Louis Martini
Enregistré à Paris (Eglise Saint-Roch), en juin 1955
Trilhas digitalizadas de LP de 1955

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 117,3 MB – 51,0 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

score

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Terribilis Est: Liturgia de la Dedicación de la Iglesia y Rito Visigótico de Consagración del Altar

1zd528lTerribilis Est
Canto Gregoriano
Canto Hispánico
Tropos y Polifonía
S. VIII – XII

Schola Antiqua

En la presente grabación hemos querido concluir este recorrido por la liturgia de la Dedicación con seis piezas de la misma temática pertenecientes al rito hispánico.

Tras muchos años de infructuosas búsquedas, la Investigadora Carmen Rodríguez Suso, siguiendo unas pistas de naturaleza litúrgica rastreadas previamente por Miguel Cros ha localizado seis antífonas del rito de la Consagración del Altar pertenecientes a la antigua liturgia de Hispania.

Vienen a engrosar el escaso repertorio del canto “mozárabe” que hasta el momento contaba con poco más de una veintena de piezas pertenecientes a la antigua tradición, que se habían podido transcribir. (en algunos casos no sin dificultad) y que ya habían sido grabadas en su integridad por Schola Antigua.

Estas seís nuevas piezas formaban parte de un complejísímo ritual que, afortunadamente, en algunos lugares de la Septimanía quedó “fosilizado” e incluso perduró hasta prácticamente nuestros días.

La música es completamente diferente a la gregoriana. Nos sorprende por su espontaneidad y sencillez, por sus recorridos melódicos atípicos (Corpora sanctorum), por su variada estructura responsorial, y por la presencia de fórmulas salmódicas nada comunes en otros repertorios.

En efecto, una de las características del canto gregoriano (y por lo que conocemos de los demás repertorios regionales) es que en la recitación de los salmos, con la excepción del tono peregrino, dicha recitación de produce siempre sobre una misma nota, de acuerdo con un esquema modal preestablecido. Pues bien, en estas piezas, y he aquí uno de los hallazgos más reveladores, cada una de las dos partes en las que se divide la recitación de cada versículo sálmíco, canta en una nota, la segunda medio tono más arriba de la primera.

Por los testimonios que ya conocíamos del repertorio hispánico, quedaba clara su preferencia por la sonoridad de Re, pero este nuevo hallazgo abre nuevas posibilidades de estudio, al incorporar la sonoridad de Mí a la recitación de la primitiva música litúrgica hispana.
(Juan Carlos Asensio Palacios, extraído do encarte)

Terribilis Est
Canto Gregoriano, S. VIII – XII
Liturgia de la Dedicación de la Iglesia
01. Terribilis Est (Introito)
02. Kyrie “Clemens Rector” (Tropo)
03. Gloria “Quorum Mens” (Tropo)
04. Locus Iste (Gradual)
05. Adorabo Ad Templum (Alleluia)
06. Clara Chorus (Secuencia)
07. Lætatus Sum (Alleluia) – Psallat Ecclesia (Secuencia)
08. Rex Cæli Domine (Secuencia a 2 Voces)
09. Oravi Deum (Ofertorio)
10. Sanctus “Summe Pater” (Tropo)
11. Agnus Dei “Omnipotens Pater” (Tropo)
12. Domus Mea (Comunión)
13. Te Deum (Himno a 2 Voces)
Rito Visigótico de Consagración del Altar
14. Erexit Iacob (Antífona)
15. Corpora Sanctorum (Antífona)
16. Vos Sacerdotes (Antífona)
17. Intulerunt Sacerdotes (Antífona)
18. Unxit Te Dominus (Antífona)
19. Induit Te (Antífona)

Terribilis Est – 2004
Schola Antiqua
Dir. Juan Carlos Asensio Palacios

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 350,8 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 159,6 MB

Powered by iTunes 12.2.1 | 1 h 15 min | Encarte incluido: Español & English

vfz0a8

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição.

 

Avicenna

César Franck (1822-1890): Piano Trios

César Franck (1822-1890): Piano Trios

Os Trios para Piano do compositor belga naturalizado francês César Franck são romantismo e ciclamato direto na veia. Franck foi professor, grande organista e teórico. O reconhecimento de seu talento foi póstumo, talvez pelo fato de não ter sido muito ligado às óperas numa França que impunha esse estilo e que ainda era resistente às sinfonias e à música de câmara. Ele teve tanto azar que morreu após um acidente de carro. Em 1890! Francamente.

As Bekova Sisters são refinadas e tocam com charme e romantismo essas boas e meio negligenciadas peças do repertório. A pianista Eleonora é esplêndida. O Trio Nº 4 é um fenômeno. Eu curti.

(Não temos o Vol. 1 desta coleção. Compramos o CD num ).

César Franck (1822-1890): Piano Trios

1 Trio concertant No. 2 in B-Flat Major, Op. 1, No. 2, “Trio de salon”: I. Allegro moderato 8:50
2 Trio concertant No. 2 in B-Flat Major, Op. 1, No. 2, “Trio de salon”: II. Andantino 5:36
3 Trio concertant No. 2 in B-Flat Major, Op. 1, No. 2, “Trio de salon”: III. Minuetto 4:05
4 Trio concertant No. 2 in B-Flat Major, Op. 1, No. 2, “Trio de salon”: IV. Final: Allegro molto 5:41

5 Piano Trio No. 4 in B Minor, Op. 2 19:05

6 Trio concertant No. 3 in B Minor, Op. 1, No. 3: I. Allegro 8:30
7 Trio concertant No. 3 in B Minor, Op. 1, No. 3: II. Adagio – Quasi allegretto – Meno vivo 10:41
8 Trio concertant No. 3 in B Minor, Op. 1, No. 3: III. Poco lento – Moderato ma molto energico – Il doppio piu lento 9:45

Bekova Sisters:
Elvira Bekova, violino
Alfia Bekova, violoncelo
Eleonora Bekova, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

As Bekova: all that glamour
As Bekova: all that glamour

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Marc-Antoine Charpentier & Nicolas Bernier

r73d69Chorale des Jeunesses Musicales de France
Marc-Antoine Charpentier & Nicolas Bernier

Gravação de 1955

Quarta de várias gravações épicas do Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de música da renascença composta por franceses. Espero que apreciem.

.

Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)
01. De Profundis (Tome XX des “Meslanges”), H. 189
Nicolas Bernier (1664-1734)
02. Confitebor tibi Domine

Martha Angelici (soprano), Jean Archimbaud (sopraniste)
Jeannine Collard, Yvonne Melchior (contraltos)
Jean Giraudeau, Pierre Giannotti (ténors)
Louis Noguera (basse)

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Orchestre non identifié, Henriette Puig-Roget (orgue)
direction Louis Martini
Trilhas digitalizadas de LP de 1955
.

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 128,5 MB – 55,9 min
powered by iTunes 10.5.1

Boa audição.

e8mr6q

 

 

 

 

 

Avicenna

Jordi Savall & Le Concert des Nations – Charpentier: Messe et Motets pour la Vierge

33mmtxgMarc-Antonie Charpentier
Jordi Savall
Le Concert des Nations
Messe et Motets pour la Vierge

Vários fatos interessantes coincidem com esta apresentação de 2007, de música antiga ao vivo na Capela do Palácio de Versalhes de “Messe et Motets pour la Vierge” por Marc Antoine Charpentier (francês, 1643-1704). Em primeiro lugar, são 90 minutos de algumas das maiores músicas já compostas e são interpretadas por Le Concert des Nations, liderado pelo maravilhosamente prolífico Jordi Savall (espanhol, nascido em 1942).

Uma visita ao castelo e jardins de Versalhes, 22,5 km a oeste de Paris, convida a muitas maneiras de sentir isso, porque é muito grande. O castelo, por exemplo, tem mais de 2.000 janelas (contagem: 2.153). O castelo real tem mais de 66.000 metros quadrados postado em 2.000 hectares.

Dentro do castelo, há muito para se ver: 6.123 pinturas; 1.500 desenhos; 15.000 gravuras; 2.000 esculturas e 5.000 peças de mobiliário. A maior parte do palácio foi construído na década de 1670 – por isso a música de Charpentier composta em 1702 poderia ter sido realizada apenas como no vídeo abaixo (embora a Capela só foi concluída em 1710).

Sobre que é esta composição? Durante a Contra-Reforma, a Igreja Católica renovou a sua devoção a Maria, a Mãe de Jesus. Charpentier era um compositor prolífico, que tinha uma lista diversificada de clientes em Paris e o artista teve que se adaptar continuamente seu trabalho. Sua música religiosa é admiravelmente complexa não só por suas relações musicais, mas por suas estruturas teológicas.

A composição final de Charpentier não é trivial. Ela suporta variadas expressões de devoção mariana: um diálogo didático em sua homenagem (“Canticum em honorem Virginis Mariae Beatae homines …”), uma aflita virgem Maria ao pé da Cruz (“Stabat mater dolorosa”), uma ladainha da Virgem e, finalmente, uma grande missa em sua honra para a glória de Deus (“Assumpta est Maria …”).

Adicionado aos seus desvios teológicos são os diferentes estilos musicais para solistas, coro e orquestra. O produto final é sublime e leva diretamente para a adoração através da Missa na Festa da Assunção de Maria ao céu, em 15 de agosto.

(traduzido e adaptado da internet)

Confira abaixo:

Em meu computador tem Stabat Mater de 12 compositores diferentes. Este é o mais pungente! Maravilhoso !!

Marc-Antonie Charpentier (France, 1643-1704)
1. Canticum in honorem Beate Virginis Mariae inter homines et angelos H. 400
2. Stabat Mater pur des religieuses H. 15
3. Litanies de la Vierge à 6 voix et 2 dessus de violes H. 83
4. Missa assumpta est Maria H. 11A

Messe et Motets pour la Vierge
Jordi Savall & Le Concert des Nations
À la Chapelle Royale de Versailles – 2007

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 256 kbps – 154,4 MB – 1h 25 min
powered by iTunes 12.1.1

Avicenna

.: interlúdio :. Tigran Hamasyan (1987): An Ancient Observer

.: interlúdio :. Tigran Hamasyan (1987): An Ancient Observer

Às vezes ele é um Egberto Gismonti soltando vocalizes de vogais puras ao piano, em outras parece um Jarrett (mas fazendo ritmos com a boca), depois um elegante Chick Corea ou quem sabe um Satie enlouquecido? Mas, bem, a música sempre tem certo sabor oriental. Com tantos cruzamentos, é melhor dizer que tudo isso é Tigran Hamasyan, um pianista armênio de jazz. Ele toca composições originais que são fortemente influenciadas pelo que adiantei e ainda pela tradição popular armênia. Suas improvisações contêm harmonias e ornamentações estranhas, certamente baseados em tradições do Oriente Médio e do sul da Ásia Ocidental. Vale a pena ouvir e acompanhar a carreira. Este An Ancient Observer é muito bom disco. Desde a primeira faixa, entramos num mundo em que a palavra “ancient” é responsável por séculos de história, e as melodias vão e vem como lembranças de um sonho. Os vocais não somente adicionam riqueza de timbres, mas também cerca o ouvinte com uma presença espiritual.

Tigran Hamasyan (1987): An Ancient Observer

1 Markos and Markos 5:38
2 The Cave of Rebirth 5:39
3 New Baroque 1 1:50
4 Nairian Odyssey 11:00
5 New Baroque 2 1:36
6 Etude No. 1 2:08
7 Egyptian Poet 2:20
8 Fides Tua 4:51
9 Leninagone 3:56
10 Ancient Observer 5:57

Tigran Hamasyan, piano

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Tigran Hamasyan, destruidor
Tigran Hamasyan, destruidor

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Charpentier & Gervais

1z1h387Chorale des Jeunesses Musicales de France
Marc-Antoine Charpentier & Charles-Hubert Gervais

Gravação de 1956

Terceira de várias gravações épicas do Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Espero que apreciem.

..

Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)
01. Miserere des Jésuites (Psaume L), H. 193
Martha Angelici, Andrée Esposito (sopranos), Jeannine Collard, Solange Michel (contraltos), Jean Giraudeau (ténor), Louis Noguera (basse)

Charles-Hubert Gervais (1671-1744)
02. Exaudiat Te (Psaume XIX)
Martha Angelici (soprano), Jeannine Collard (alto), Jean Giraudeau (ténor), Louis Noguera (basse), Bernard Jeannoutot (trompette en ré)

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Orchestre des Concerts Pasdeloup – Henriette Roget (orgue)
direction Louis Martini
Enregistré à Paris (Eglise Saint-Roch), 21-23 novembre 1956
Trilhas digitalizadas de LP de 1956

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 128,3 MB – 55,3 min
powered by iTunes 10.5

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

swa9vo-1

 

 

 

 

 

Avicenna

Alma Latina: Musica Birreynal – Um agradável passeio pelas Américas sob o domínio europeu

4sec8mMusica Birreynal
Um agradável passeio pelas Américas sob o domínio europeu.
Visite o México, o Perú, a Bolivia, o Chile e a Colombia do século XVI.

Una de las armas que el conquistador hispano utilizó con real eficacia en tierras americanas fue sin duda la expresión musical. Lenguaje capaz de tender el puente de plata en el encuentro de dos culturas tan diferentes pero, capaces de unirse en un espacio común de expresión.

Desde muy temprano en la historia del descubrimiento, conquista y colonización de América la figura de la Iglesia Católica y surol evangelizador aparece paralelamente a la figura del conquistador. No sólo es importante la conquista territorial, sino es imprescindible la de almas y corazones de los “naturales”.

La música vocal preferentemente fue el vehículo comunicacional más directo entre evangelizadores e indígenas, entre conquistadores y conquistados. Desde allí el embrión de la nueva expresión que se gesta y nace en el acto de encuentro de los seres, esencia de lo humano.

Las prácticas musicales y europeas fueron rápidamente asimiladas por los indígenas quienes fusionan, en una expresión única, la estética madura y refinada de formas europeas con una sensibilidad casi ingenua pero con la fuerza de los ríos caudalosos y el color de las selvas vírgenes, vitales y arrogantes.

Si bien gran parte de la música religiosa de los tiempos de conquista se ha perdido, aún es posible rescatar un vasto repertorio que debe, por cierto, ser reconstruido melódica y armónicamente, ya que se encuentran en archivos muy antiguos expuestos a inclemencias de todo tipo.

Del archivo de la Catedral de México, se han tomado dos motetes en lengua Nahuatl considerados los primeros testimonios documentados del repertorio indoamericano. De la misma manera Hanac Pachap, coral escrito en lengua quechua, forma parte junto a los dos motetes Nahuatl, de los escasos ejemplos del repertorio religioso indígena.

Este coral es la primera obra polifónica impresa en América del Sur, y forma parte del “Ritual Formulario e Institución de Curas” del Maestro de Capilla Juan Pérez Bocanegra, impreso en Lima en 1631.

Este tipo de música en lenguas nativas era concebido para la utilización del culto.
(extraído do encarte)

Música Birreynal
Hernando Franco (Espanha, 1532-México, 1585)
01. Sancta Maria
02. Diositlaço Natzine
Anónimo Siglo XVI, Colombia
03. Salmo 115
Anónimo, c.1700, Chile
04. Zapateo
Anônimo/Fray Gregorio de Zuola (Perú, 1640-1709)
05. Entre dos alamos
Tomás de Torrejón y Velasco (España 1664 – Perú 1728)
06. Loa a Philipo Quinto
Anônimo/Fray Gregorio de Zuola (Perú, 1640-1709)
07. Dime Pedro
Anónimo c.1700, México
08. Lecciones con sus bajos para violin y continuo
Juan Gutiérrez de Padilla (Málaga, Espanha c.1590 – Puebla, México, 1664)
09. Las estrellas se rien
Anónimo c.1700, México
10. Exercicio segundo para dos violines y continuo
Fr. Juan Pérez de Bocanegra (Cusco, ca. 1610)
11. Hanac Pachap
Anónimo c.1790, Chile
12. Minuette para guitarra
Fray Esteban Ponce de León (Perú, ca.1692-175¿?)
13. Musica de la loa a tres coros
Anônimo Perú
14. Maria todo es Maria
Anônimo Jesuítico, Bolivia
15. El dia del Corpus

Música Birreynal – 1995
Conjunto de Madrigalistas de la Universidad de Playa Ancha, Chile.
Dir. Alberto Teichelmann Shuttleton

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 310,8 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 134,4 MB

Powered by iTunes 12.2.1 | 1 h 02 min | Encarte incluido: Español

Um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Gracias!!!!!!!

9tdh15

 

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição.

Avicenna

Alfred Schnittke (1934-1998): Psalms of Repentance

Alfred Schnittke (1934-1998): Psalms of Repentance

Alfred Schnittke é um dos grandes nomes da música russa (quiçá mundial) nos últimos 50 anos. O presente post traz os Salmos de arrependimento“. Esses pedaços de coral, com base em poemas do século 15, para comemorar mil anos de cristianismo na Rússia, revelam em muito as características sarcásticas ou a ironia presente nas obras de Schnittke. Os salmos em questão são uma música do coração, de expressão emocional direta. O trabalho assume uma pungência especial. São dramáticos, por isso, belos. Propícios à nossa época natalina. Boa apreciação!

Alfred Schnittke (1934-1998) – Psalms of Repentance

01. I (2:55)
02. II (5:06)
03. III (4:00)
04. IV (2:37)
05. V (3:18)
06. VI (2:10)
07. VII (6:23)
08. VIII (2:02)
09. IX (8:14)
10. X (3:42)
11. XI (4:07)
12. XII (8:26)

Swedish Radio Choir
Tonu Kaljuste, diretor

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O grande Alfred Schnittke
O grande Alfred Schnittke

Carlinus

Chorale des Jeunesses Musicales de France: André Campra & Marc-Antoine Charpentier

ru2lmxChorale des Jeunesses Musicales de France
André Campra & Marc-Antoine Charpentier

Gravação de 1957

.

O Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, foi um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60. Especializaram-se na interpretação de músicas do barroco francês.

Louis Martini (1912-2000) foi um maestro francês que teve papel preponderante no movimento de renovação da música antiga na França. No início, tocava viola (alto) assim que saiu do Conservatório de Paris (classe de Maurice Vieux),  passando a integrar o Quarteto Loewenguth desde sua criação em 1929.  Em seguida, ele participou das atividades da Jeunesses Musicales de France -JMF, cujo coral fundou e dirigiu por muitos anos.

Ele realizou, a partir de 1947, uma série de gravações de música barroca – em especial uma bela antologia de Marc-Antoine Charpentier – no final da era dos discos 78 rpm até o início dos anos 1960, pelos selos Pathé e Erato. A maior parte dessas obras conservam-se inéditas em CD, à exceção de algumas reaparições pontuais: sua célebre versão do Te Deum de M.C. Charpentier que apareceu nos créditos dos programas divulgados pela Eurovision (CD Erato), o De Profundis de Michel-Richard de Lalande, bem como o Miserere des Jésuites (Psalme L) de M.-A. Charpentier (arquivo de CD EMI « Les Pionniers du Baroque »).

Esta postagem é a segunda de várias gravações épicas desse coral que aqui serão postadas. Espero que apreciem.
.
.
André Campra (1660-1744)
01. Psaume LIII «Deus in nomine tuo»
Martha Angelici (soprano), Jeannine Collard (alto)
Jean Giraudeau (ténor), Louis Noguera (basse)

Marc-Antoine Charpentier (1643-1704)
02. Lamentations pour les obsèques de la Reine Marie-Thérèse, H. 331
Martha Angelici, Andrée Esposito (sopranos)
Jeannine Collard, Solange Michel (altos), Michel Sénéchal (haute-contre)
Jean Giraudeau (ténor), Jacques Pruvost (baryton), Louis Noguera (basse)

Chorale des Jeunesses Musicales de France
Orchestre non identifié, Henriette Roget (orgue)
Direction Louis Martini
Enregistré à Paris (Eglise Saint-Roch), 12-16 novembre 1957
Trilhas digitalizadas de LP de 1957

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 131,1 MB – 57 min
powered by iTunes 10.5

Partituras e outros que tais? Clique aqui

.Boa audição.

e8mr6q

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Alma Latina: V Festival Internacional de Música Renacentista y Barroca Americana “Misiones de Chiquitos”

x0z1jaV Festival Internacional de Música Renacentista y Barroca Americana “Misiones de Chiquitos”
Santa Cruz de la Sierra
Bolivia
2004

Recientemente se ha descubierto más de 10.000 manuscritos musicales provenientes de las iglesias, catedrales, conventos y misiones jesuíticas en el Oriente Boliviano, más propiamente en Chiquitos y Moxos. La investigación de estos manuscritos comprueba que este “tesoro musical” aporta un extenso e importante material sobre el desarrollo de la música occidental en el Nuevo Mundo.

Medio siglo atrás maestros como Robert Stevenson, Curt Lange y Samuel Claro transcribieron estos manuscritos, traduciendo la “maravillosa” vida musical que existía en las colonias americanas. Inspirados con estas investigaciones, hace diez años atrás el mismo pueblo boliviano ha tomado liderazgo en la “apropiación” de este “tesoro”, en la cual participan el gobierno, la Iglesia Católica, los cabildos indígenas, las autoridades civiles, la empresa privada, las instituciones nacionales y extranjeras, investigadores y voluntarios.

El primer paso decisivo para la recuperación de las antiguas tradiciones musicales en Bolivia fue la creación del Festival Internacional de Música Renacentista y Barroca Americana “Misiones de Chiquitos” organizado y creado por la Asociación Pro Arte y Cultura (APAC).

Desde 1996 esta asociación invita a reconocidos músicos de todo el mundo, expertos en el género antiguo, a unir esfuerzos en la recuperación de la cultura musical americana. En abril y mayo del 2004 se realizó la quinta versión del encuentro y algunos de los momentos del inspirador pasado musical americano, reconstruidos por los artistas participantes en el V Festival “Misiones de Chiquitos”, fueron escogidos para los presentes CDs, que, así como el festival, son resultados del esfuerzo de los organizadores del evento y de sus generosos auspiciadores.

Las composiciones de los discos 2 y 3 provienen en su mayoría de diferentes ámbitos geográficos de América, que a lo largo de la época de la colonia fueron creadas por compositores europeos (presentes en América), criollos, indígenas anónimos, mulatos y otros desconocidos. A estas composiciones se han sumada algunas piezas de música antigua compuesta fuera de América, seleccionadas para participar en el festival por su calidad musical.

La variedad de sonoridades, estilos, formas musicales, etc., de estos discos corresponde al esplendor de la vida musical de la América Colonial. Este esplendor no tiene sólo expresiones en los centros urbanos (música catedralicia) y misionales (música reduccional) sino también incluye la música autóctona. Aunque los discos no incluyen música autóctona, esta se presentó en diferentes conciertos del festival.

jgiqrn Disco 1/3

Anónimo – Missiones de Chiquitos, s. XVIII
01. Sonata Chiquitana VIII 1. Allegro (a)
02. Sonata Chiquitana VIII 2. Andante (a)
03. Sonata Chiquitana VIII 3. Minuetto (a)
04. Caîma, Lyaî Jesús – motete (b)
Anónimo – Missiones de Chiquitos y Moxos, s. XVIII
05. Exaltate Regem regum – verso (b)
Anónimo – Missiones de Chiquitos, s. XVIII
06. Sonata Chiquitana IV 1. Allegro (c)
07. Sonata Chiquitana IV 2. Andante (c)
08. Sonata Chiquitana IV 3. Minuetto (c)
Domenico Zipoli (Prato, Itália, 1688 – Córdoba, Argentina 1726)
09. Ad Mariam – aria (d)
Anónimo – Missiones de Moxos, s. XVIII
10. Bico payaco borechu – verso para Fiesta de San Francisco Xavier (e)
11. Al portal llegaron – villancico de Navidad (e)
Anónimo – Missiones de Chiquitos, s. XVIII
12. La salve para la Virgen – letania (f)
13. Sonata Chiquitana XVIII – alegro (g)
14. Ara vale háva pehendu Ava – canto Guaraní (h)
Domenico Zipoli (Prato, Itália, 1688 – Córdoba, Argentina 1726)
15. Deus in adiutorium. Domine ad adiuvandum – verso introductorio. Fiesta Zuipaqu (i)
Anónimo – Missiones de Chiquitos, s. XVIII
16. Dixit Dominus – salmo. Fiesta Zuipaquí (i)
Musica de indios Canichana, Bolivia (1790)
17. Buenas Noches Señor (j)
18. Encha, Encha Va Chuai Hanan Nehem Cocule (j)
19. Nuasi hananem rama yeuco – Canto 3 (k)

(a) The Dorian Consort. (Suiza)
(b) Florilegium y solistas bolivianos, dir. Ashley Solomon. (Reino Unido-Bolivia)
(c) Freiburger Barockconsort, dir. Petra Mülljans. (Alemania)
(d) Ensemble Musica Fiorita, dir. Daniela Dolci. (Suiza)
(e) Les Carillons, dir. Rodrigo Diaz Riquelme. (Chile)
(f) Capilla del Sol, dir. Ramiro Albino. (Argentina)
(g) Camerata Urubichá, dir. Rubén Dario Suárez Arana mercado. (Bolivia)
(h) Ars Antiqua, dir. Eduardo Arámbula. (México)
(i) Estudio Músicantigua, dir. Sergio Candia Hidalgo. (Chile)
(j) Capilla de Indias, dir. Tiziana Palmiero. (Chile)
(k) Coro y Orquesta de San Ignacio de Moxos, dir. Karina Carrillo. (Bolivia)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 334,5 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 149,4 MB

107mjbs Disco 2/3

Burgos. Ms. del Monasterio de Santa María la Real de las Huelgas
01. Flavit auster (l)
Anónimo
02. Gloriose matris Dei (l)
Burgos. Ms. del Monasterio de Santa María la Real de las Huelgas
03. Plange Castella misera (l)
Burgos. Archivo Diocesano, leg. mus. B 37
04. Fluminis. O Domina. De Fluviis (l)
El Escorial. Ms. J. B. 2
05. Por dereito ten a Virgen (l)
Anónimo
06. Je suis trop jeunette (m)
Raulin de Vaux (activo 1420)
07. Je suis trop jeunette (Instrumetal) (m)
Editor: Pierre Attaingnant (ca. 1494-1552)
08. C’est grand plaisir (m)
09. C’est grand plaisir (Instrumental) (m)
Pierre Guédron (ca. 1575-1620)
10. Que dit-on au village (m)
Michael Pretorius (1571-1621)
11. Bransles de village (m)
Pierre Guédron (ca. 1575-1620)
12. À Paris sur petit pon (m)
Gaspar Sanz (España, 1640 – 1710)
13. Canarios y Jácaras(d)
Manuel de Sumaya (Manuel de Zumaya) (México, c.1678-1755)
14. Ya la naturaleza redimida – cantata (d)
Gutierre Fernandez Hidalgo (b ?Talavera de la Reina, c1547; d La Plata [hoy Sucre], Bolivia, 1623)
15. Gloria Patri – verso (n)
Anónimo (s. XVII)
16. Hy, hy, hy, que de riza morremo – negrilla (n)
Juan García de Zéspedes (Mexico, 1619-1678)
17. Convidando está la noche (n)
Juan de Araujo (Villafranca, España, 1646 – Chuquisaca, Bolívia 1712)
18. Si El Amor Se Quedare Dormido (n)
Anónimo (s. XVIII) (n)
19. Ah! Nerina, eu não posso (o)
Luis de Camões – Anónimo
20. Na fonte esta Lianor (o)
Manuel José Vidigal (Lisboa, ? – 1805)
21. Cruel saudade (o)
Joaquim Manuel da Câmara (Rio de Janeiro, ca.1780 – ca.1840)
22. Desde o dia em que eu nasci (o)
José Francisco Leal (Rio de Janeiro, 1792-18291)
23. Esta noite, ó céus, que dita (o)

(d) Ensemble Musica Fiorita, dir. Daniela Dolci. (Suiza)
(l) Alia Musica, dir. Miguel Sánchez (España)
(m) Doulce Mémoire, dir. Denis Raisin Dadre (Francia)
(n) Ensemble Villancico, dir. Peter Pontvik (Suecia)
(o) Segreis de Lisboa, dir. Manuel Morais (Portugal)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 281,1 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 139,0 MB

jg1mrt Disco 3/3

Johann Sebastian Bach (Austria, 1685-1750)
01. Overture (Suite) Nr. 2, BWV 1067 – 1. Ouverture (a)
02. Overture (Suite) Nr. 2, BWV 1067 – 2. Minuett (a)
03. Overture (Suite) Nr. 2, BWV 1067 – 3. Badinerie (a)
04. Chaconne para Violín solo, BWV 1004, Ryo Terakado, violin. (Japón)
Heinrich Ignaz Franz von Biber (Bohemia-Austria, 1644 [baptised]-1704)
05. Suite de Mensa Sonora. Pars III – 1. Gagliarda (c)
06. Suite de Mensa Sonora. Pars III – 2. Zarabanda (c)
07. Suite de Mensa Sonora. Pars III – 3. Aria (c)
08. Suite de Mensa Sonora. Pars III – 4. Ciaccona (c)
09. Suite de Mensa Sonora. Pars III – 5. Sonatina (c)
Arcangelo Corelli (Italia, 1653-1713)
10. Sonata en Do menor – 1. Grave (p)
11. Sonata en Do menor – 2. Allegro (p)
Anon. (Codex Trujillo, Peru)
12. El buen querer – joropo (q)
13. Lanchas para bailar (q)
14. La lata (q)
15. El palomo (q)
16. Dennos licencia, Señores (q)
Anônimo séc. XVIII
17. Homens errados e loucos / Você se esquiva de mim (r)
Canto Gregoriano
18. Ecce Panis Angelorum – Secuencia para Corpus (s)
19. Victimae paschali (s)
20. Salve Regina (solemne) (t)
Pedro de Cristo (Portugal, 1545/1550-1618)
21. Ay, mi Dios (u)
Juan del Encina (Espanha, ca.1468-1529)
22. Si habrá en este baldrés (v)
Giovanni Battista Bassani (Italia, ca. 1650-1716)
23. Missa mo fiesta San Xavier – Gloria (x)
Tomás Pascual (Guatemala, ca. 1595-1635)
24. Domine ad adjuvandum (y)
25. Esta es cena de amor llena (y)

(a) The Dorian Consort. (Suiza)
(c) Freiburger Barockconsort, dir. Petra Mülljans. (Alemania)
(p) Ensemble Laterna Mágica
(q) Música Temprana, dir. Adrián Rodríguez Van der Spoel. (Paises Bajos)
(r) Ars Antiqua, dir. Eduardo Arámbula (México)
(s) Coral Nova, dir. Ramiro Soriano Arce. (Bolivia)
(t) Coro de Canto Gregoriano del Seminario Mayor de San Jeronimo, dir. Mateo Barrientos Vergara. (Bolivia)
(u) Coro Santa Cecilia, dir. Karin Rendón. (Bolivia)
(v) Ad Libitvm. (Bolivia)
(x) Elocuencia Barroca, dir. Sylvia Leidemann. (Argentina)
(y) Savae, dir. Christofer Moroney. (Estados Unidos)

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 348,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 150,6 MB

Powered by iTunes 12.2.0 | 3 h 19 min | Encarte incluido: Español

V Festival Internacional de Música Renacentista y Barroca Americana “Misiones de Chiquitos” – 2004

CDs do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. ¡ Gracias !

Boa audição.

binding

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

J. S. Bach (1685-1750): As Seis Trio Sonatas

J. S. Bach (1685-1750): As Seis Trio Sonatas


IM-PER-DÍ-VEL !!!

São as Seis Trio Sonatas para órgão arranjadas para trios de diferentes formações — oboé, violino e contínuo, dois violinos, etc. O trabalho é de Robert King, regente e dono do King`s Consort. Já tinha ouvido trabalho semelhante realizado pelo oboísta Heinz Holliger e grupo, mas a versão de King me parece melhor, mais próxima de Bach e, fundamentalmente, mais colorida. Acho que está na hora dos organistas de “reapropriarem” de uma dos maiores ciclos de obras escritos para o instrumento. Aguardamos novas gravações deles!

J. S. Bach (1685-1750): As Seis Trio Sonatas

Trio Sonata in D minor, BWV527 arr. Robert King (b1960)
1 Movement 1: Andante [4’50]
2 Movement 2: Adagio e dolce [5’30]
3 Movement 3: Vivace [3’38]
Trio Sonata in G major, BWV530 arr. Robert King (b1960)
4 Movement 1: Vivace [3’34]
5 Movement 2: Lento [4’39]
6 Movement 3: Allegro [3’19]
Trio Sonata in E minor, BWV528 arr. Robert King (b1960)
7 Movement 1: Adagio – Vivace [2’54]
8 Movement 2: Andante [5’18]
9 Movement 3: Poco allegro [2’41]
Trio Sonata in C minor, BWV526 arr. Robert King (b1960)
10 Movement 1: Vivace [3’22]
11 Movement 2: Largo [3’01]
12 Movement 3: Allegro [3’25]
Trio Sonata in C major, BWV529 arr. Robert King (b1960)
13 Movement 1: Allegro [4’16]
14 Movement 2: Largo [5’32]
15 Movement 3: Allegro [3’08]
Trio Sonata in E flat major, BWV525 arr. Robert King (b1960)
16 Movement 1: [Allegro moderato] [2’29]
17 Movement 2: Adagio [4’59]
18 Movement 3: Allegro [3’23]

King’s Consort
Robert King

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Robert King, um monstro
Robert King, um monstro

PQP

Chorale des Jeunesses Musicales de France: Tomás Luis de Victoria

2lw61ieChorale des Jeunesses Musicales de France Tomás Luis de Victoria
Gravação de 1956

O Chorale des Jeunesses Musicales de France, fundado pelo maestro Louis Martini, foi um dos melhores corais europeus dos anos 50 e 60.

Especializaram-se na interpretação de músicas do barroco francês.

Existem raríssimas referências a ele e seu coral na internet. Uma das poucas, informa: “May 6–May 28, 1956 – In Paris, Heitor Villa-Lobos supervises the recording of his Bachiana Brasileira No. 6 by Fernand Dufrene (flute) and René Plessier (bassoon) and his Bachiana Brasileira No. 2 with the Orchestre National de la Radiodiffusion Française, the four suites of his Descobrimento do Brasil, his Chôros No. 10 and his Invocação em defesa da patria, with Maria Kareska (soprano), the Chorale des Jeunesses Musicales de France, and the Orchestre National de la Radiodiffusion Française for EMI.” (Wikipedia)

Tradução, segundo a gentil contribuição do nosso ouvinte Orlando: “28 de maio de 1956 – Em Paris, Heitor Villa-Lobos supervisiona a gravação de sua Bachiana Brasileira No. 6, com Fernando Dufrene (flauta) e René Plessier (fagote) e de sua Bachiana Brasileira No. 2 com a Orchestre National de la Radiodiffusion Française, as quatro suítes de seu Descobrimento do Brasil, seus Choros No. 10 e sua Inovação em defesa da pátria, com Maria Kareska (soprano), o Chorale des Jeunesses Musicales de France e a Orchestre National de la Radiodiffusion Française pela EMI”.”

Esta postagem é a primeira de várias gravações épicas desse coral que aqui serão postadas. Espero que apreciem.

Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
01. O Vos Omnes
Anônimo

02. Le Noël de la Marche des Rois (Noël provençal)
03. Prière des Albigeois (1208)

O Vos Omnes / Le Noël de la Marche des Rois / Prière des Albigeois – 1956
Chorale des Jeunesses Musicales de France
Louis Martini, direction
Trilhas digitalizadas de LP de 1956

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 33,2 MB – 13,7 min
powered by iTunes 10.5

Partituras e outros que tais? Clique aqui

Boa audição.

2v17tyh

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Österreich (1664-1735): Psalms & Cantatas

2wmoqdfÖsterreich: Psalms & Cantatas
Weser-Renaissance Bremen
Manfred Cordes

Georg Österreich (batizado em 17 de março de 1664 – 06 de junho de 1735) foi um compositor barroco alemão e colecionador. Ele é considerado o fundador da chamada coleção Bokemeyer (alemão: Sammlung Bokemeyer), que agora está depositada no Staatsbibliothek em Berlim e é considerada uma das coleções de música mais importantes do final do 17º século e início do século 18.

Filho de um fabricante de cerveja, ele recebeu suas primeiras aulas de música de seu padrinho, Johann Scheffler, “cantor” em Magdeburg. Com a recomendação de Scheffler ele foi aceito no Thomasschule zu Leipzig. Seu professor Johann Schelle reconheceu seu prematuro talento extraordinário. Como resultado, Österreich deixou Leipzig em 1680, e mudou-se para Hamburgo, onde ele continuou sua educação musical. Ao mesmo tempo, ele se tornou violinista no Gänsemarktoper. No outono de 1683, ele se matriculou na Universidade de Leipzig e, um ano mais tarde, seu talento foi reconhecido novamente, desta vez como um tenor na ópera de Hamburgo. Em 1689 ele foi contratado como Kapellmeister pelo Duque de Schleswig-Gottorf.

Österreich era um apaixonado colecionador de música, acumulando um número considerável de obras de 1670 a 1730, que formam a base da coleção Bokemeyer. Esta coleção é atualmente mantida no Staatsbibliothek, em Berlim. É considerada inestimável, porque muitas vezes é a única fonte de muitas obras de compositores famosos, incluindo Dietrich Buxtehude, Nicolaus Bruhns, Johann Rosenmüller, Matthias Weckmann, Vincent Lübeck e Johann Philipp Krieger.

Para Osterreich, contraponto e canon eram manifestações concretas da “ordem de Deus” (Ordnung Gottes), e sua elaboração revela a essência divina, insondável da criação de Deus, não apenas como uma metáfora de Sua ordem, mas como a realização concreta dessa ordem.

Österreich: Psalms & Cantatas
Georg Österreich (Germany, 1664-1735)
1. Sie ist fest gegründet (Psalm 87)
2. Herr Jesu Christ, wahr’ Mensch und Gott (choralkantate)
3. Dixit Dominus Domino meo (Psalm 110)
4. Der Gerechten Seelen sind in Gottes Hand (Trauerkantate)
5. Und Jesus ging aus von dannen (Evangelienkantate zu Matthäus 15, v 21ff)

Österreich: Psalms & Cantatas
Weser-Renaissance Bremen & Manfred Cordes

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 309,0 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps | 141,7 MB

Powered by iTunes 12.1.2 | 1 h 06min |

Boa audição.

eqqm34

.

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna