Giovanni Battista Pergolesi (1710-1736): o Stabat Mater e os Salve Regina

Giovanni Battista Pergolesi (1710-1736): o Stabat Mater e os Salve Regina

O mundo está lotado de gravações do belo Stabat Mater de Pergolesi e há também grande abundância de versões dos dois Salve Regina. Pergô, que morreu aos 26 anos, tinha um talento especial para o teatro e seu Stabat Mater foi muitas vezes acusado de ser muito operístico. Fabio Biondi apresenta todas essas obras sem muito sentimentalismo (aleluia!) e usando uma orquestra bastante reduzida — apenas três violinos, viola, violoncelo, contrabaixo, tiorba e órgão. Apesar da óbvia religiosidade, essas peças tendem, curiosamente, à sensualidade. A voz quente do soprano Dorothea Röschmann e o impecável contratenor David Daniel dão o clima hipnotizante e dúbio. Biondi escolhe tempi bastante rápidos. Os dois “Salve Regina” são marcados por uma voz cada um dos solistas. Vale a pena ouvir.

Pergolesi foi chamado de “Mozart italiano”, exagero que já não prevalece nos dias de hoje. Em vida, o compositor alcançou raros sucessos e nunca foi reconhecido como grande mestre. Após sua morte, contudo, cresceu uma lenda romântica em torno dele, com várias fantasias hoje desmentidas. Isso se deve ao fato de ter morrido muito jovem. Também se mistificou muito sobre sua obra, criando-se dois partidos: o de um entusiasmo extravagante que levou àquela comparação com Mozart, e o de uma depreciação injusta, que considerou sua obra uma confusão absurda de vários estilos. No século XX Pergolesi foi julgado com mais exatidão, ocupando o seu lugar de precursor do Classicismo vienense. A música de Pergolesi recebeu uma curiosa homenagem no século XX através de paródias de sua obra no balé Pulcinella, de Stravinsky.

Giovanni Battista Draghi, de alcunha Pergolesi (1710-1736):
Stabat Mater e Salve Regina

1 Stabat Mater: I: Stabat Mater dolorosa environ 3:56
2 Stabat Mater: II: Cujus animam gementem 2:02
3 Stabat Mater: III: O quam tristis et afflicta 1:53
4 Stabat Mater: IV: Quae moerabat et dolebat 1:56
5 Stabat Mater: V: Quis est homo, qui non fleret 2:19
6 Stabat Mater: VI: Vidit suum dulcem Natum 3:20
7 Stabat Mater: VII: Eja Mater, fons amoris 2:02
8 Stabat Mater: VIII: Fac Et Ardeat Cor Meum 1:55
9 Stabat Mater: IX: Sancta Mater istud agas 4:23
10 Stabat Mater: X: Fac ut portem Christi mortem 3:28
11 Stabat Mater: XI: Inflammatus et accensus 1:44
12 Stabat Mater: XII: Quando corpus morietur 4:18

13 Salve Regina in F minor: I. Salve Regina 3:35
14 Salve Regina in F minor: II. Ad te clamamus 4:03
15 Salve Regina in F minor: III. Eia ergo, advocata nostra 1:17
16 Salve Regina in F minor: IV. Et Jesum 1:57
17 Salve Regina in F minor: V. O clemens 2:11

18 Salve Regina in A minor: I. Salve Regina 3:22
19 Salve Regina in A minor: II. Ad te clamamus 2:03
20 Salve Regina in A minor: III. Eia ergo, advocata nostra 2:00
21 Salve Regina in A minor: IV. O clemens 2:57

Dorothea Röschmann
David Daniels
Europa Galante
Fabio Biondi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Fabio Biondi: sensualizando em tempos rápidos
Fabio Biondi: sensualizando em tempos rápidos

PQP

Concerto Barroco – Collegium Musicum da Rádio MEC – LP de 1961 (Acervo PQPBach)

Captura de Tela 2017-10-01 às 15.41.26Recitativo e Ária: Herói, Egrégio, Douto, Peregrino (Cantata Acadêmica), de 1759

Documento revelado em 1923 por Alberto Lamego, no seu livro “A Academia Brasílica dos Renascidos”, sua fundação e trabalhos inéditos, Paris, Bruxelas, e reproduzido por Joaquim Ribeiro em “Capítulos inéditos da História do Brasil“, em 1954. Com a descoberta dos originais completos, por Régis Duprat, musicólogo de S. Paulo, foi esta obra apresentada em primeira audição em concerto público por Olga Maria Schroeter, no Teatro Municipal de São Paulo, no dia 6 de dezembro de 1960, com a Orquestra de Câmara de São Paulo, sob a regência de Olivier Toni.

Desde as pesquisas do Professor Curt Lange, as obras mais remotas da produção musical brasileira remontavam à segunda metade do século XVIII. Os conhecedores olvidavam, injustamente, uma publicação de Alberto Lamego, onde fora publicada a parte de canto da peça que ora se apresenta em gravação inédita. A raridade das pesquisas históricas, no setor musical, nos privava do conhecimento integral da mesma. O Recitativo e Ária pertence a Salvador, capital da colônia (1759) e sua importância não se explica por si só apenas, mas por uma tendência estilística própria e pela promessa de outras produções, que poderão vir à luz através de pesquisas organizadas. Isso porque, sua apresentação, sua feitura e as condições de sua realização como composição musical, sugerem que vislumbraremos, naquela Bahia esplendorosa, a música vinculada familiarmente a todas as atividades sociais da época, que implicassem em sua integração embelezadora.

“Recitativo e Ária”, de autor anônimo do século XVIII, integra, com seus originais a coleção Lamego doada por este à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da U.S.P, num códice juntamente com outras produções literárias e históricas da Academia Brasileira dos Renascidos. O professor Alberto Lamego, ao publicar seu livro sôbre aquela Academia, naturalmente interessado apenas no aspecto literário e histórico da mesma, limitou-se a inserir na obra a parte do canto do Recitativo e ária, que traz o texto literário. Uma circunstância fortuita, numa pesquisa organizada na coleção referida, fez deparar com os originais completos, revivendo então a obra quase integralmente, considerando que os citados originais constam de: uma parte de 1º violino, uma parte de 2º violino, uma parte de baixo e uma parte de Canto.

O Diretor do Collegium Musicum da Rádio MEC convidou o conhecido Maestro Roberto Schnorrenberg (S. Paulo), que teve por seu encargo a reconstituição do baixo contínuo e a necessária correção cuidadosa dessa obra prima.

Joseph Mascarenhas Pacheco Pereira Coelho de Melo, a quem é dedicada a obra anônima, chegou à Bahia em agosto de 1785, com importantes encargos administrativos, ou seja, a criação dos Tribunais do Conselho de Estado e Guerra, e o da Mesa de Consciência, bem como com instruções secretas para agir contra os Jesuítas: esta últimas, não cumpridas, lhe valeram, meses após, prisão de vinte anos. Seu nome está intimamente ligado à Academia Brasileira dos Renascidos (que revive aquela dos Esquecidos, cuja última sessão fora a 4.7.1725), de vida efêmera mas intensa, da qual foi membro correspondente Cláudio Manuel da Costa. Fundada sob os auspícios de Mascarenhas, a 6.6.1759, reunem-se quarenta acadêmicos em magnífico salão do Convento dos Carmelitas Descalços, luxuosamente ornamentado, ficando “o coro da música defronte a uma porta da entrada principal”. Alberto Lamego, que fez uso de documentos de arquivos portugueses, nos dá, na obra citada, detalhada descrição daquela festa. Conta-nos o autor que logo após a primeira Assembléia, Mascarenhas caiu gravemente enfermo, tendo sido realizadas missas em ação de graças pelo seu restabelecimento, e a Academia “ofereceu-lhe uma festa íntima aos 2 de julho e dedicou-lhe um Recitativo executado por boa orquestra”. É este Recitativo e Ária, que o “Collegium Musicum” da Rádio MEC oferece ao público discófilo, em gravação inédita.

memoria

 

Concerto Barroco – 1961
Anônimo, Bahia, 1759
Recitativo e Ária: Herói, Egrégio, Douto, Peregrino (Cantata Acadêmica)

Collegium Musicum da Rádio MEC
Maestro George Kiszely
Soprano Olga Maria Schroeter

.

LP de 1961, do acervo do Prof. Paulo Castagna (não tem preço!) e digitalizado por Avicenna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 37,2 MB – 17,5 min
powered by iTunes 12.2.1

Boa audição.

 

enceradeira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

Alma Latina: Les Chemins du Baroque – Messe de l’Assomption de la Vierge Mexico

Capa-Solo-WEBMesse de l’Assomption de la Vierge
Mexico

(Não confundir com a postagem anterior de nome parecido)

.

Da série ‘Les Chemins du Baroque’, K617, gravada em 1992 na igreja de Gorze, Moselle, França.

.

Les Chemins du Baroque – Messe de l’Assomption de la Vierge Mexico
Francisco Guerrero (Sevilha, 1528-1599)
01. O Celestia Medicina – 1589
Gaspar Fernández (Portugal, 1570?- Puebla, Mexico, 1629)
02. Elegit Eum Dominus
03. Introitus – Gaudeamus Omnes In Domino
Juan de Lienas, Mexico, ca. 1617 – 1654) – Códice del Carmen
04. Kyrie
05. Gloria
Francisco Guerrero (Sevilha, 1528-1599)
06. Trahe Me Post Te
07. Graduale Et Alleluia – Assumpta Est Maria
Juan de Lienas, Mexico, ca. 1617 – 1654)
08. Credo
Sebastian Aguillera de Heredia (España, 1561 – 1627)
09. Sebastien Aguilera De Heradia: Salve De 1er Tono Por De La Sol Re
10. Offertorium: Assumpta Est Maria
Juan de Lienas, Mexico, ca. 1617 – 1654)
11. Sanctus
12. Agnus Dei
Francisco Guerrero (Sevilha, 1528-1599)
13. Pan Divino, Gracioso
14. Communio – Optimam Partem Elegit
Tomás Luis de Victoria (Spain, 1548-1611)
15. Victoria: Ave Maria À Double Chœur – 1600

Les Chemins du Baroque – K617
Messe de l’Assomption de la Vierge Mexico – 1992
La Fenice
La Compañia Musical de las Americas
Maestro Josep Cabré

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | 1.536 kbps |201,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 123,7 MB

powered by iTunes 12.3.3 | 42,3 min

Um CD do acervo do Prof. Paulo Castagna. Valeu, Seu Paulo!

Boa audição,

Caravela-clara

Avicenna

Johann Sebastian Bach (1685-1750) – Paixão Segundo João – Gardiner, EBS, Monteverdi Choir

Box FrontConheci a Paixão Segundo João em uma antiga propaganda de chocolate. Creio que era exatamente o Coro inicial. Um vizinho contou mais tarde que ligou para a fábrica e perguntou qual era a música de sua propaganda. Na época comprávamos nas bancas uma coleção de cds de música sacra, e por coincidência logo em seguida à campanha publicitária foram lançados os cds desta Paixão Segundo João. Não lembro quem eram os intérpretes.
Mas aqui sabemos muito bem quem são os intérpretes: John Eliot Gardiner e sua trupe. Esta paixão não tem as mesmas proporções se comparada com a de Matheus e tem “apenas” três solistas, e o magnífico Monteverdi Choir. Mas mesmo assim, é papa finíssima.

CD 1
01. Betrayal and Arrest – Herr, unser Herrscher
02. Jesus ging mit seinen Jüngern
03. O große Lieb, o Lieb ohn’ alle Maße
04. Auf daß das Wort erfüllet würde
05. Dein Will gescheh, Herr Gott, zugleich
06. Die Schar aber und der Oberhauptmann
07. Von den Stricken meiner Sünden
08. Denial – Simon Petrus aber folgete Jesu nach
09. Ich folge dir gleichfalls mit freudigen
10. Derselbige Jünger war dem Hohenpriester
11. Wer hat dich so geschlagen
12. Und Hannas sandte ihn gebunden zu dem Ho
13. Ach, mein Sinn, wo willt du endlich hin
14. Petrus, der nicht denkt zurück
15. Interrogation and Scourging – Christus, der uns selig macht
16. Da führeten sie Jesum von Kaiphas
17. Ach großer König, groß zu allen Zeiten
18. Dar sprach Pilatus zu ihm
19. Betrachte, mein Seel
20. Erwäge, wie sein blutgefåarbter Rücken

CD 2

01. Condemnation and Crucifixion – Und die Kriegsknechte flochten eine Kron
02. Durch dein Gefängnis, Gottes Sohn
03. Die Jüden aber schrieen und sprachen – L
04. Eilt ihr angefochtnen Seelen – Wohin
05. Allda kreuzigten sie ihn – Schreibe nich
06. In meines Herzens Grunde
07. The Death of Jesus – Die Kriegsknechte aber – Lasset uns den
08. Er nahm alles wohl in acht
09. Und von Stund an nahm sie der Jünger zu
10. Es ist vollbracht!
11. Und neiget das Haupt und verschied
12. Mein teurer Heiland, laß dich fragen – J
13. Burial – Und siehe da, der Vorhang im Tempel zerr
14. Mein Herz, indem die ganze Welt
15. Zerfließe, mein Herze
16. Die Jüden aber, dieweil es der Rüsttag w
17. O hilf, Christe, Gottes Sohn
18. Darnach bat Pilatum Joseph von Arimathia
19. Ruht wohl, ihr heiligen Gebeine
20. Ach Herr, laß dein lieb Engelein

Anthony Rolfe Johnson – Tenor
Stephen Varcoe – Bass
Cornelius Hauptmann – Bass

CD 1 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

gardiner

.: interlúdio :. Eberhard Weber – The Colours of Chloë

.: interlúdio :. Eberhard Weber – The Colours of Chloë

Talvez o principal segredo de Manfred Eicher tenha sido o de viabilizar gravações àquele pessoal talentoso que fica atrás no palco. Eberhard Weber é um exemplo disso. Nascido em 1940, Weber fez seu disco de estréia em 1974, com este bom The Colours of Chloë. Músico de jazz e erudito, Weber era músico de apoio de Joe Pass, Stephane Grappelli, Baden Powell e outros quando fez sua proposta a Eicher. Sua vida mudou e ele pode até montar um grupo próprio de jazz, além de ter se tornado um contumaz baixista de outras grandes estrelas da gravadora como Pat Metheny, Gary Burton, Jan Garbarek e Ralph Towner, representantes mais importantes do som ECM.

The Colours of Chloë não é nenhuma maravilha, mas acho curiosa e agradável de ouvir a tentativa de Weber de fazer um som jazzístico próximo àquele que faziam alguns grupos de rock em 1974, como Yes, Pink Floyd, Gentle Giant, etc. É estranho, mas, por alguma razão, é um CD irresistível para quem completou 17 anos no distante 1974.

É uma música feita de climas e ostinatos, é também melancólica e muito mais organizada do que o bom jazz deve ser. Parece de vanguarda, mas é aquela coisa que, apesar de bonita, não possui rumo e pula de estilo em estilo. Bom, aí está.

Eberhard Weber – The Colours of Chloë

1. More Colours 6:41
2. The Colours Of Chloë 7:51
3. An Evening With Vincent Van Ritz 5:50
4. No Motion Picture 19:37

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Para mim, Weber sempre será nome de restaurante em praia gaúcha (Tramandaí feelings)
Para mim, Weber sempre será nome de restaurante em praia gaúcha (Tramandaí anos 60 feelings)

PQP

Buxtehude (1637-1707): Toccata BuxWV 155, Prelúdios Corais BuxWV 177, BuxWV 181 e BuxWV 196, Fantasia Coral BuxWV 210; Improvisos

Grandes órgãos holandeses – parte 2 de 4
Sietze de Vries e o órgão Schnitger de Uithuizen
Buxtehude-Vries

A maioria dos grandes compositores foi também mestre na arte do improviso: Beethoven quando jovem ganhou parte de sua reputação improvisando ao piano em salões aristocráticos, Mozart improvisava as cadências de seus concertos e por aí vai. Mais recentemente a arte do improviso se associou ao jazz (e, no Brasil, ao choro) e se perdeu completamente na música clássica ocidental. Completamente? Não, os organistas, sabe-se lá por quê, continuaram improvisando, provavelmente por sua função litúrgica, em que muitas vezes era necessário repetir as melodias cantadas nas igrejas, sem tempo para tocar uma obra inteira.
Messiaen, por exemplo, improvisava a cada domingo e há uma anedota curiosa: a compositora e professora Nadia Boulanger fazia rezar uma missa anual em memória de sua irmã Lili. Em 1934 Messiaen, o organista da igreja, iniciou a cerimônia com um coral de Bach e em seguida improvisou até o final da missa. Nadia não apreciou o estilo dos improvisos, ficou furiosa e Messiaen precisou escrever uma carta se desculpando: “Sinto muitíssimo que as coisas não tenham se passado como Mademoiselle queria. Além do coral de Bach, nenhuma outra instrução me foi dada (…) Pensei que o melhor seria improvisar, e não tenho culpa!”

O improviso também se aprende, existem tradições de improviso típicas de cada país. Na Holanda, os improvisos frequentemente são sobre salmos que fazem parte da liturgia protestante. Nunca ouvi falar em concursos de improviso para violino ou flauta, mas para o órgão existe um concurso internacional de improviso em Haarlem (sempre a Holanda…) que reúne organistas do mundo todo desde 1951. Aliás, Sietze de Vries, que ouvimos neste CD de hoje, foi o vencedor em 2002.

A primeira metade do disco é de obras de Buxtehude. Em 1705, J.S. Bach viajou a pé até a cidade de Lübeck para ouvir a música de Buxtehude, organista na Marienkirche. Bach acabou ficando alguns meses por lá e, ao voltar para seu emprego em Arnstadt, foi criticado por sua longa ausência e também pela música, na época um pouco vanguardista, que incomodou o pessoal da igreja: “ele tem feito variações estranhas sobre os hinos, misturando vários tons diferentes e confundindo a congregação.” Suspeita-se que essas variações e improvisos estranhos deviam muito à influência de Buxtehude.

A organista Kimberly Marshall escreveu: As toccatas em ré menor de Buxtehude (BuxWV 155) e de Bach (BWV 565) têm muito em comum. Ambas refletem o ‘stylus phantasticus’, um estilo de composição dramático com contrastes violentos e floreios improvisatórios. Ambas começam com motivos curtos e memoráveis com longas pausas. A estrutura de ambas consiste na mudança dessa virtuosidade espontânea para o pulso estrito do contraponto, embora a fuga de Bach seja mais longa do que as seções fugato de Buxtehude. É inevitável pensar na influência entre as duas obras, que estão entre as mais famosas dos dois compositores.

Dietrich Buxtehude:
01 Toccata in d minor, BuxWV 155
02 Ach Gott und Herr, BuxWV 177 – Versus I
03 Ach Gott und Herr, BuxWV 177 – Versus II
04 Danket dem Herrn, denn er ist sehr freundlich, BuxWV 181 – Versus I
05 Danket dem Herrn, denn er ist sehr freundlich, BuxWV 181 – Versus II
06 Danket dem Herrn, denn er ist sehr freundlich, BuxWV 181 – Versus III
07 Ich ruf zu dir, Herr Jesu Christ, BuxWV 196
08 Choralfantasie Nun freut euch, lieben Christen g’mein, BuxWV 210

Improvisos de Sietze de Vries:
09 Improvisatie Psalm 24, versus I
10 Improvisatie Psalm 24, versus II
11 Improvisatie Psalm 24, versus III
12 Improvisatie Psalm 24, versus IV
13 Improvisatie Psalm 24, versus V
14 Improvisatie Psalm 24, versus VI
15 Improvisatie Concerto di segnor Vriescobaldi  – I. Allegro
16 Improvisatie Concerto di segnor Vriescobaldi  – II. Adagio
17 Improvisatie Concerto di segnor Vriescobaldi  – III. Allegro
18 Improvisatie Psalm 81, versus I
19 Improvisatie Psalm 81, versus II
20 Improvisatie Psalm 81, versus III
21 Improvisatie Psalm 81, versus IV
22 Improvisatie Psalm 81, versus V
23 Improvisatie Psalm 81, versus VI

Sietze de Vries – organista
Arp Schnitger organ, 1700, Hervormde Kerk, Uithuizen, Netherlands

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – flac

 BAIXE AQUI (DOWNLOAD HERE) – mp3

os registros, os dois manuais e a pedaleira
os registros, os dois manuais e a pedaleira

Pleyel

Luis Álvares Pinto (Recife, 1719-1789): Te Deum & Händel (1685-1759): Laudate Pueri Dominum – Camerata Antiqua de Curitiba (Acervo PQPBach)

Camerata Antiqua de CuritibaCamerata Antiqua de Curitiba

Luis Álvares Pinto
Te Deum

Georg Friedrich Händel
Laudate Pueri Dominum (Salmo 112)

Há dois dias o Avicenna e eu postamos a primeira gravação da mais antiga obra brasileira preservada: o Recitativo e Ária de 1759 que vem sendo atribuído ao Padre Caetano de Melo Jesus, de Salvador – e hoje queríamos postar a primeira gravação da que é provavelmente a segunda mais antiga: o Te Deum do recifense Luís Álvares Pinto, talvez composto no ano seguinte (1760).

Acontece que ainda não conseguimos a primeira gravação, que é a da reestréia moderna da obra em 1968, regida pelo também pernambucano Padre Jaime Cavalcanti Diniz (biografia aqui), que a havia encontrado e restaurado pouco antes, à frente do Coro Polifônico do IV Curso Internacional de Música de Curitiba com acompanhamento de uma organista estadunidense chamada (juro!) Marilyn Mason.

Por que queremos a 1.ª gravação? Entre outras coisas, porque este blog já tem uma de 1994 realizada na Suíça (Ensemble Turicum) e outra de 2000 na França (Jean-Christophe Frisch). Ou seja: mais uma obra brasileira que goza de reconhecimento e admiração no exterior antes que a maior parte dos brasileiros sequer saibam que ela existe… e isso apesar de serem brasileiras as 4 outras gravações que conheço.

Uma é parte do notável panorama da nossa produção mais antiga gravado pelo ‘Armonico Tributo’ de Campinas dirigido pelo baiano Edmundo Hora, no CD duplo ‘América Portuguesa’, disponível em alguns outros blogs – o qual contém também uma nova realização do Recitativo e Ária de 1759 (inseri retroativamente umas palavras sobre ela no post de 24/05).

Quanto às outras três, parece que Curitiba quis retribuir a honra de ter sido palco da reestréia desse Te Deum: são todas da Camerata Antiqua, com regência do carioca Roberto de Regina, em diferentes momentos: 1981, 1995, 2000. A terceira ainda não ouvi. Gosto bastante da segunda, com a parte orquestral reconstruída pelo nosso amigo Harry Crowl, a mais encorpada e clássica das 5 que ouvi, e com a Camerata num nível de precisão técnica ainda nem sonhado em 1981. Apesar disso, eu e o Avicenna encontramos um encanto especial justamente na singeleza da primeira, de sonoridade excepcionalmente transparente e ‘tridimensional’, e foi essa que resolvemos postar.

E a música em si? Quem leu a postagem de 24/05 deve lembrar que as sugestões de observação da transição barroco-clássico terminavam falando de Gluck e de Carl Philipp Emmanuel Bach, nascidos os dois em 1714. Pois bem: o mulato pernambucano era 5 anos mais novo, de 1719. Gluck morreu em 87. CPE em 88. Álvares Pinto em 89.

Disse ainda que C.P.E. ‘barroqueava’ em alguns momentos, em outros ‘classicava’ (ou ‘mozarteava’). Esse é precisamente o caso também de Álvares Pinto. E aí vocês dirão “Mas com certo atraso em relação à Europa, como de costume, não?” – Pois desta vez absolutamente não! Há diferenças de escola composicional, não do estágio de transformação estilística (para não usar o discutível ‘evolução’). Ouçam mais uma vez a ‘Ressurreição e Ascenção’ de CPE, e ouçam este Te Deum – mas sem esquecer que aquela é 14 anos posterior à data estimada deste: 1760, só 10 anos após a morte de Bach Pai e um após a de Händel.

Acontece que, se foi em 1760, Álvares Pinto compôs o Te Deum em Lisboa, onde ficou muito tempo como aluno do organista da Catedral, Henrique da Silva Negrão, e foi violoncelista da Capela Real, e isso em plena época do Marquês de Pombal, quando Lisboa havia voltado a ser uma metrópole de importância. Luís teria aí 41 anos.

Abandonou sua gente? Não é bem assim. Um ano depois Luís estava de volta ao Recife, onde passou o resto vida se desdobrando como capitão, mestre de capela, poeta (diz-se que em várias línguas), comediógrafo, autor de obras didáticas e, ao que parece, até precursor de Paulo Freire: alfabetizador! Cadê a estátua desse homem?!

Tentando finalizar, vejo que restam 3 pensamentos na mesa: um, o da antigüidade e perenidade da importância do Nordeste, e de Pernambuco em particular, como um dos principais pólos de produção e inovação em todas as áreas da cultura deste país.

Outro: e o salmo de Händel do outro lado do disco? Ah, sim: muito bonito; e a realização também mostra em muitos pontos que poderia ser arrebatadora, não fosse o mesmo problema da postagem de 23/05 (o LP de 1965 da Orquestra de Câmara de São Paulo): solista vocal não suficientemente madura para a obra na época da gravação.

Finalmente, este post marca também a estréia no blog de um dos mais importantes – e insuficientemente reconhecidos – músicos brasileiros dos últimos 50 anos: o hoje octogenário Roberto de Regina. Não considero a regência do barroco e pós-barroco o seu melhor, e mesmo assim seu trabalho nessa área é indispensável. Foi ‘nosso Wanda Landowska’, o reintrodutor do cravo no Brasil, como virtuose e como construtor. Mas coloco acima de tudo seus 3 discos dos anos 60, ‘Cantos e Danças da Renascença’, pioneiros no mundo na abordagem viva a esse repertório, e ainda hoje poucas vezes igualados.

Isso tudo enquanto ainda se sustentava como médico anestesista! – o que costumava tratar com humor: “tenho só dois medos: o paciente acordar na operação, e o público dormir no concerto”. Quero apostar que não será o caso desta e de nenhuma postagem de suas gravações!

Luis Álvares Pinto (Recife, 1719 – 1789)
01. Te Deum – 1. Te Dominum
02. Te Deum – 2. Tibi Angeli
03. Te Deum – 3. Sanctus
04. Te Deum – 4. Te Gloriosus
05. Te Deum – 5. Te martyrum
06. Te Deum – 6. Patrem imensae majestatis
07. Te Deum – 7. Sanctum Quoque
08. Te Deum – 8. Tu Patris Sempiternus
09. Te Deum – 9. Tu Devicto
10. Te Deum – 10. Judex crederis
11. Te Deum – 11. Salvum fac
12. Te Deum – 12. Per singulos dies
13. Te Deum – 13. Dignare Domine
14. Te Deum – 14. Fiat, Fiat
15. Te Deum – 15. In te Domine Speravi

Georg Friedrich Händel (1685 – 1759)
16. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 01. Laudate Pueri
17. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 02. Licut nomem Domini
18. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 03. A solis ortu
19. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 04. Excelsus super omnes
20. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 05. Quis sicut Dominus
21. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 06. Suscitans a terra
22. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 07. Qui habitare facit
23. Laudate Pueri Dominum (Salmo 112) 08. Gloria Patri

Camerata Antiqua de Curitiba
Fátima Alegria, soprano – Roberto de Regina, maestro
Gravado na Igreja da Ordem Terceira de S.Francisco das Chagas, Curitiba, 1981
Capa do gravurista curitibano Poty Lazzarotto
2jcbrls

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 271,6 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 114,3 MB

powered by iTunes 12.3.3 | 53,5 min

..

Boa audição.

macaco pensante

 

 

 

.

.

Avicenna, com texto do Ranulfus

Alma Latina: Les Chemins du Baroque – Vêpres de l’Assomption de la Vierge Mexico-Versailles – II

 Capa-Solo-WEBVêpres de l’Assomption de la Vierge
Mexico-Versailles

 

Mais uma apresentação da série ‘Les Chemins du Baroque’, K617, gravada em 1992 na igreja dos Carmos em Tavira, Portugal.
Músicas compostas no México e em Versailles, em uma mesma época, caracterizam esta gravação.

Les Chemins du Baroque – Vêpres de l’Assomption de la Vierge Mexico-Versailles
Anonymous (Bogota 1701)
01. Deus in Adjutorium
Juan de Araujo (Villafranca, España, 1646 – Chuquisaca, Bolívia 1712)
02. Dixit Dominus (Ps 109)
Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
03. 1e Kyrie, Laudate Pueri (Ps 112), 3e Kyrie
Manuel de Sumaya (Manuel de Zumaya) (México, c.1678-1755)
04. Lætatus sum / 5e Kyrie
Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
05. Nisi Dominus (Ps 126)
Manuel de Sumaya (Manuel de Zumaya) (México, c.1678-1755)
06. Laudate Jerusalem (Ps 147)
Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
07. Kyrie / Ave Maris stella / Offerte à deux chœurs
08. Magnificat

Les Chemins du Baroque – K617
Vêpres de l’Assomption de la Vierge Mexico-Versailles – 1992
La Grande Ecurie et la Chambre du Roy
La Maîtrise Nationale de Versailles
La Compañia Musical de las Americas
Maestro Jean-Claude Malgoire

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | 1.536 kbps | 262,9 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 kbps | 128,5 MB

powered by iTunes 12.3.3 | 59,3 min

Mais um CD do acervo do musicólogo Prof. Paulo Castagna. Valeu, Seu Paulo!

Boa audição,

Caravela-texto

 

 

 

 

 

 

.

.

Avicenna