Jograis de São Paulo – Moderna Poesia Brasileira: Antologia – 1956

Captura de Tela 2017-11-03 às 18.18.36Este LP de 1956 notabilizou algumas poesias, tais como José, de Carlos Drummond de Andrade, “E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José ?; O Dia da Criação, de Vinicius de Morais, “porque hoje é sábado …“, que nos remete às sempre deliciosas páginas do escritor Milton Ribeiro. E não nos esqueçamos de citar a memorável poesia de Murilo Mendes, Jandira, “O mundo começava nos seios de Jandira. Depois surgiram outras peças da criação“.

 

Este LP de 1956 foi emprestado pelo meu amigo Oscar Iskin Júnior, amante de música, poesia, cinema e gastronomia – só coisa boa!, dono do restaurante Rick’s Café onde costumo almoçar e onde já tive o prazer em ouvi-lo declamar essas poesias. Não tem preço!

Embora a prática não os soubesse distinguir tão facilmente, já a teoria literária medieval estabelecia diferença entre os “jograis” e os “trovadores”: êstes eram os que sabiam trobar , inventar canções e poemas, capazes de recitar também ou não. Os “jograis” não sabiam tirar versos; colocavam o seu talento, a sua arte de dizer, a serviço da poesia alheia.

Os Jograis de São Paulo – Ruy Affonso, Carlos Vergueiro, Rubens de Falco e Armando Bogus – não pretendem passar por mais que seus colegas da Idade Média: nenhum deles faz alarde de poeta, nem o repertório inclui nenhuma página de sua autoria. Uniram-se com finalidade expressa de se tornarem intérpretes, e o título que se deram traduz bem o espírito que os anima.

Acontece todavia com eles uma coisa que os diferencia dos jongleurs medievos: os “trovadores” antigos que ou não tinham voz ou não entoavam, contratavam “jograis” que os acompanhassem nas visitas e excursões e lhes recitassem os versos nas ocasiões indicadas – a um amigo, a um fidalgo, a uma dama … Tal não se dá com os Jograis de São Paulo: são eles que a bem dizer adotam os poetas, escolhem os poemas; são eles e só eles os responsáveis pelo êxito da empresa.

(extraído da contra-capa)

Palhinha: ouça 08. Jandira

Jograis de São Paulo – Moderna Poesia Brasileira: Antologia
Mário de Andrade (1893 – 1945)
01. Carnaval Carioca
Manuel Bandeira (1886 – 1968)
02. Evocação do Recife
Ascenso Ferreira (1895 – 1965)
03. Catimbó
Augusto Frederico Schmidt (1906 – 1965)
04. Poema
Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987)
05. José
Guilherme de Almeida (1890 – 1969)
06. O Estrangeiro
Cecilia Meireles (1901–1964)
07. Canção da Alta Noite
Murilo Mendes (1901 – 1975)
08. Jandira
Vinicius de Moraes (1913 – 1980)
09. O Dia da Criação
Mário de Andrade (1893 – 1945)
10. O “Alto”

Jograis de São Paulo – Moderna Poesia Brasileira: Antologia – 1956
Ruy Affonso, Carlos Vergueiro, Rubens de Falco e Armando Bogus
Capa de Darcy Penteado, 1956
LP digitalizado por Avicenna

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 197,6 MB – 24 min
powered by iTunes 12.1.0

Boa audição.

pianoborboletas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

8 comments / Add your comment below

    1. Carlinus,

      Gostaria de ser poeta só por um momento para poder escrever e declamar:
      “O mundo começava nos seios de minha amada. Depois surgiram outras peças da criação“.

      Obrigado pela presença!

      Avicenna

      1. Já és um poeta, mestre Avis.

        Fazer poesia é descrever a respiração da alma.

        É como dizia Mario Quintana: “Escrever uma poesia é abrir uma janela”. E essa janela abre espaços para o inifinito.

        Abraços!

Deixe uma resposta