Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. 9/9 – Música Fúnebre (Acervo PQPBach)

 

2wgvtzbA Liturgia dos Defuntos, no Rito Romano, possui oito cerimônias distintas, nas quais participava música polifônica nos séculos XVIII e XIX, cada uma delas com estrutura e textos específicos.

Inicialmente, as Exéquias (Funeral ou Ofício de Sepultura), seguidas pelo Officium Deffunctorum, este constituído de Vesperas, Matinas e Laudes. Há também a Missa (que pode ser dos Funerais, de Aniversário, Quotidiana ou pela Comemoração dos Fiéis Defuntos), a Absolvição e Inumação após a Missa (ou Encomendação Litúrgica de Adultos), as Cinco Absolvições (destinadas às exéquias solenes) e o Ofício de Sepultura de Crianças (ou Encomendação Litúrgica de Anjinhos). No universo luso-brasileiro, entretanto, foram comuns três outras cerimônias fúnebres, não prescritas no Rito Romano: a Encomendação Paralitúrgica de Adultos (ou Memento), a Encomendação Paralitúrgica de Crianças e as Estações na Comemoração dos Fiéis Defuntos.

Para este volume, foram selecionadas composições presentes em manuscritos musicais do Museu da Música de Mariana, destinadas a quatro cerimônias fúnebres, três delas litúrgicas (Matinas, Encomendação de Anjinhos e Absolvição e Inumação após a Missa) e uma paralitúrgica (Memento).

Pe. João de Deus Castro Lobo (Vila Rica, 1794 – Mariana, 1832) – Seis Responsórios Fúnebres
Próprio das Matinas dos Defuntos, os Seis Responsórios de Castro Lobo são obra de fôlego, de grande maturidade e dramaticidade. São várias as tonalidades utilizadas, embora cada Responsório tenda a ser uniforme na apresentação de tais tonalidades, exceto os Responsórios I e VI. A textura é predominantemente homófona nas quatro vozes, destacando-se, no entanto, algumas seções a solo, como o Qui Lazarum e o De profundis, para o baixo.
01. Seis Responsórios Fúnebres – 1. Credo quod Redemptor. Et in carne. Quem visurus. Et in carne
02. Seis Responsórios Fúnebres – 2. Qui Lazarum. Tu eis, Domine. Qui venturus. Tu eis, Domine
03. Seis Responsórios Fúnebres – 3. Domine, quando veneris. Quia peccavi. Commissa mea. Quia peccavi. Requiem æterna. Quia peccavi
04. Seis Responsórios Fúnebres – 4. Memento mei. Nec aspiciat. De profundis. Nec aspiciat
05. Seis Responsórios Fúnebres – 5. Hei mihi! Miserere mei. Anima mea. Miserere mei
06. Seis Responsórios Fúnebres – 6. Ne recorderis. Dum veneris. Dirige, Domine. Dum veneris. Requiem æternam. Dum veneris

Florêncio José Ferreira Coutinho (c1750-1819) – Encomendação Para Anjinhos
O autor desta obra foi trompista, cantor (baixo), mestre de música e compositor, citado com frequência na documentação de Vila Rica, onde pertenceu e prestou serviços musicais a várias irmandades, tendo composto também a música das óperas reais de 1795, infelizmente perdida.
07. Encomendação para Anjinhos – 1. Antífona e Salmo 112
08. Encomendação para Anjinhos – 2. Kyrie – Kyrie.
09. Encomendação para Anjinhos – 3. Antífona do Salmo 148 – Juvenes est virgines.

Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ) – Matinas e Encomendação de Defuntos
Composta em 1799, associada a uma Missa de Defuntos, esta obra é de grande austeridade e apresenta seções concisas e homófonas nas quatro vozes. Apesar disso, existe uma certa variedade nas tonalidades utilizadas. É notável a presença de certos motivos empregados em obras fúnebres posteriores do mesmo compositor.
10. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório I
11. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório II
12. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório III
13. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório IV
14. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório V
15. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório VI
16. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório VII
17. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório VIII
18. Matinas e Encomendação de Defuntos – Responsório IX
19. Matinas e Encomendação de Defuntos – Kyrie.
20. Matinas e Encomendação de Defuntos – Requiescat.

Pe. José Maurício Nunes Garcia – Memento
O mais elaborado dos Mementos aquí presentes, é modulante em três de suas seções (Nec aspiciat, Kyrie e Requiescat) e exibe nuances como, por exemplo, os marcatos incisivos que sublinham a palavra clamavi e o piano sempre que matiza o canto do Requiescat.
21. Memento – I – Memento. Nec aspiciat. De profundis. Nec aspiciat
22. Memento – II – Kyrie
23. Memento – III – Requiescat

Anônimo Mineiro séc XVIII – Memento
O mais conciso dos Mementos aqui apresentados, possui seções que variam de apenas cinco a dez compassos, sendo duas delas modulantes de Si Bemol maior a Sol menor (Nec aspiciat e Requiescat). Como também é característico, prevalece a homofonia não imitativa, muito embora a maior independência entre as quatro vozes no expressivo Requiescat seja digno de nota, assim como a rápida diferenciação de textura que realça a palavra clamavi, no De profundis.
24. Memento – I – Memento. Nec aspiciat. De profundis. Nec aspiciat
25. Memento – II – Kyrie
26. Memento – III – Requiescat

Anônimo Mineiro séc XVIII – Memento
Pode-se destacar nesta peça, além de uma ênfase sobre a tonalidade da mediante, a predominância de ritmos pontuados no Nec aspiciat, o uso menos comum da métrica ternária no Kyrie e a presença de singelas imitações no Requiescat, sublinhando a expressão in pace.
27. Memento – I – Memento. Nec aspiciat. De profundis. Nec aspiciat
28. Memento – II – Kyrie
29. Memento – III – Requiescat

Pe. José Maurício Nunes Garcia – Libera Me
Esta obra, destinada à Encomendação Litúrgica de Adultos, contém o Responsório Libera me e o Kyrie, mas não o Requiescat, também prescrito para essa cerimônia.
30. Libera Me – I – Libera me
31. Libera Me – II – Kyrie

Pe. José Maurício Nunes Garcia – Memento
Trata-se de peça curta, austera e uniforme na tradicional tonalidade de Sol menor.
32. Memento – I – Memento. Nec aspiciat. De profundis. Nec aspiciat
33. Memento – II – Kyrie
34. Memento – III – Requiescat

Pe. José Maurício Nunes Garcia – Ego sum resurrectio
Esta singela Antífona do Benedictus (cantada na Encomendação Litúrgica de Adultos e nas Laudes dos Mortos), apesar de curta, apresenta grande variedade de texturas: homofonia e polifonia nas quatro vozes, além de um tratamento de vozes aos pares, que foge ao padrão mais comum da produção mauriciana. O tratamento tonal é simples, destacando-se o cromatismo do texto non morietur in æternum.
35. Ego Sum Resurrectio

(adaptado do encarte)

Conjunto Calíope & Orquestra Santa Tereza
Regência Júlio Moretzsohn
Museu da Música de Mariana – 2003
Projeto Acervo da Música Brasileira – Vol. IX – Música Fúnebre

.
.
acervo-1

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 334,4 MB | HQ Scans 33,0 MB |

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE (CD+ENCARTE)
MP3 320 kbps – 156,4 MB – 1 hora
powered by iTunes 9.0

 

 

Boa audição!

pixotic

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avicenna

26 comments / Add your comment below

  1. Olá!!!! Depois de uma semana de folga, como bom mineiro estava em Guarapari, ES, estou de volta em Ouro Preto. Com este post termina a série do Museu de Mariana. Bela postagem. O que podemos esperar do grande Avicenna? Com certeza outros posts virão….

    Um grande abraço a todos e boa semana!!!

    Ps. Avicenna, consegui um cd do fortepiano pra vc!! Gostaria de enviá-lo. Entre em contato!!!

    1. Bom dia, Jorge Tadeu! Isso me lembra a história do minerim que se perdeu em Guarapari e perguntava: Oncotô? Oncotô?

      Ainda falta muita música a ser postada. Tem bastante música sacra colonial brasileira, hispano-americana e ainda a música sacra portuguesa do século XVIII e XIX, matriz da nossa. Vamos nos divertir …

      O importante é que os nossos ouvintes apreciem, como você o faz, o que agradeço imensamente, sô!

  2. Olá Conterrâneo!

    Já estou baixando, já estou baixando! É oportuno colocar uma questão: o réquiem tem relação com o rito romano acima citado? Eu ia procurar na net mas achei mais interessante deixar a questão aqui.
    E já que você também “postou” uma piadinha de mineirinho, com o devido respeito ao assíduo Jorge Tadeu, conterrâneo do nosso caro Guimarães Rosa, vou deixar uma também: o mineiro chegou bravo na rodoviária e foi direto ao guichê: “me vê uma passagem aí sô!”, “pra onde senhor?”, o mineiro olhou de esgueio para a balconista, “e interessa pro cê?!”

    Até a próxima postagem!

    1. Prezado Conterrâneo Adriano,

      O Requiem é a denominação mais conhecida da “Missa dos Defuntos”, e no rito romano enquadra-se acima em: “Há também a Missa (que pode ser dos Funerais, de Aniversário, Quotidiana ou pela Comemoração dos Fiéis Defuntos)”

      Um abraço!

  3. ATENÇÃO
    II Semana de Música Antiga da UFMG:
    os sentidos da meraviglia
    O tema do evento, que é uma mescla de festival com congresso, será um dos aspectos mais fascinantes da arte barroca: a meraviglia, ou o efeito de surpreender, maravilhar o espectador, um conceito que poderíamos definir como marca central e que perpassa todas as manifestações artísticas do período.
    Confirmando sua vocação interdisciplinar, a II Semana de Música Antiga da UFMG: os sentidos da meraviglia propõe-se a abordar facetas múltiplas da meraviglia em atividades teóricas (palestras, mesas-redondas e comunica- ções de pesquisa) e práticas (cursos de práticas interpretativas e concertos).

    Local: Escola de Música da UFMG
    Data: 27 de outubro a 02 de novembro de 2009

    Para mais informações, acesse:
    http://www.musica.ufmg.br/musicaantiga/

  4. Amigo Aviccena magnifica esta joya Brasilera, la música de Minas Gerais, Rio de Janeiro y Sao Paulo entre los siglos XVIII y XIX es sublime y grande!!!!
    No tiene precio!!!

    Muito obrigado
    Un abrazo
    Milton

  5. Profesor Paulo Castagna y Avicenna
    Muito obrigado por su excelente gestión en la divulgación de la musica antigua del Brasil, sus investigaciones y descubrimientos son muy importantes para la comunidad musical.
    Muchos éxitos en su trabajo.
    Un abrazo
    Milton

      1. Valeu Avicenna! Salvei os links nos favoritos para baixar depois. Estou com problemas de acesso ao site do novo servidor. Acredito que ainda estão acertando algum detalhe. Espero que volte logo à normalidade. Obrigado pela valiosa informação.

        1. É isso mesmo, Flávio, de vez em quando o PQPShare sai do ar.
          Hoje foi por falta de energia elétrica onde o equipamento está instalado.
          Mas agora já voltou à normalidade.

          Obrigado pela sua presença!!!

          Avicenna

          PS – Como ainda estamos funcionando com IP variável, os links que você salvou não mais serão funcionais quando mudar o IP.
          Recomendo sempre usar o link:
          http://pqpbach.sul21.com.br/2013/07/01/a-historia-dos-40-anos-e-varios-seculos-do-museu-da-musica-de-mariana-2/

          Um abraço,

          Avicenna

  6. Todos as postagens do Projeto Acervo da Música Brasileira são fantásticos adorei ter acesso ao material, fora a questão artística-histórica de nosso país.

    Meus parabéns pelo trabalho no blog, é de grande valia para todos os amantes da música, sejam eles ouvintes, profissionais ou aspirantes….

    Grande abraço e continuem com o grande trabalho..

  7. Excelente postagem essa coleção, esperei ansioso por cada volume a ser lançado, já adquiri bastante musica brasileira aqui no PQP, mas cada postagem é especial. Agora só me resta começar a ouvir essas maravilhas.

    Muito obrigado.

Deixe uma resposta para Flavio Dutra Cancelar resposta