Relações musicais nos séculos XVII, XVIII e XIX – Vol. II/CD: Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830): Requiem de 1816 em ré menor & Pe. João de Deus de Castro Lobo (1794-1832): Missa em ré maior (Acervo PQPBach)

2wf0kdwMúsica na Corte do Rio de Janeiro e na Província das Minas Gerais durante o tempo de D. João VI no Brasil 

Americantiga Ensemble

Com instrumentos de época. On period instruments.

BRASIL XVIII-XIX: Música na Corte do Rio de Janeiro e na Província das Minas Gerais durante o tempo de D. João VI no Brasil (1808-1821)

Para enfrentar a série de sucessos que está sendo postada pelos meus amigos, sinto-me obrigado a liberar um ‘blockbuster’ que estava sendo guardado para mais tarde: José Maurício + Castro Lobo + Missa de Requiem + Missa em ré maior + Americantiga Ensemble. Reconheço que estou mandando chumbo grosso, mas a nossa música sacra colonial não pode ficar para trás!

O Americantiga Ensemble, sob os auspícios da Embaixada do Brasil em Buenos Aires e do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, tem o imenso prazer em apresentar o segundo volume do projeto de música produzida no Brasil, da transição do século dezoito para o dezenove, na cidade de Buenos Aires, Argentina. Contando com excelentes cantores e instrumentistas brasileiros, argentinos, chilenos e norte-americanos, especializados na performance com instrumentos originais, esta gravação pretende contribuir para a divulgação de um repertório ainda pouco conhecido da produção musical no continente americano durante o período colonial.

A maior parte do repertório remanescente da música produzida no Brasil do período colonial é de fins do século dezoito e primeiras décadas do dezenove, pertencendo a um momento estilístico transitório e considerado tardio, que não permite ser facilmente classificada nos rótulos mercadológicos de Música Antiga ou de Barroca. É deste modo clássica em sua linguagem musical que olha para o futuro, que transita entre o classicismo à italiana de Paisielo e Cimarosa e o bel canto de Rossini, que invade as igrejas e os teatros, dando características únicas de adaptação do estilo italianizante filtrado por Portugal e adaptado ao gosto e possibilidades locais da sociedade colonial em transição.

As obras apresentadas neste segundo volume pertencem a um segundo período, mais tardio, porém mais profícuo da produção musical do Brasil colônia. Trata-se da música composta na corte do Rio de Janeiro e na província das Minas Gerais durante o período da permanência do príncipe regente e depois rei D.Joao VI no Brasil (1808-1821).

Neste CD as obras estão interligadas pela emulação do estilo da corte ocorrida na província. Isto é, a Missa de Castro Lobo foi escrita no mesmo período e utiliza um mesmo estilo exuberante das obras compostas para a Real Capela do Rio de Janeiro, escritas por Nunes Garcia e Marcos Portugal. O Requiem de 1816 de Nunes Garcia e a Missa em Ré Maior de Castro Lobo se encontram entre as obras sacras mais importantes compostas no periodo e revelam, ainda que não intencionalmente, um paralelo estilístico vindo de uma fonte comum.

José Maurício Nunes Garcia (Rio de Janeiro 1767 – 1830) é considerado hoje o mais importante e é o mais conhecido compositor do periodo colonial brasileiro e foi o compositor principal da Real Capela de Música do Rio de Janeiro entre 1808 e 1811, até a chegada de Marcos Portugal para assumir esta função. Todavia, Nunes Garcia continua compondo para ocasiões relacionadas à corte e escreve este Requiem como parte das varias cerimônias realizadas para as exéquias da rainha D. Maria I, que falece no Rio de Janeiro.

Nunes Garcia dirigiu a primeira apresentação do Requiem de Mozart no continente americano em 1819. Sua Missa de Requiem de 1816 guarda traços mozartianos como uma homenagem ao compositor salzburguense, tornando-se uma de suas obras mais importantes e celebradas (técnica similar a que utiliza em dois salmos de 1821 que são baseados em temas do oratório Die Schöpfung de Joseph Haydn).

João de Deus de Castro Lobo nasceu na antiga Vila Rica, atual Ouro Preto, MG, em 1794. Sua relação com a música aconteceu cedo, pois seu pai Gabriel de Castro Lobo já era um importante músico atuante em várias irmandades locais. Há referências de que, já em 1810, João de Deus teria atuado como regente da temporada da Casa da Ópera de Vila Rica. A sua entrada no Seminário de Mariana, por volta de 1817, marca um caso raro na historia dos músicos/compositores que atuaram em Minas na época da colônia. Ao que tudo indica, ele foi o único compositor a se tornar padre na região, uma vez que a vida musical era tradicionalmente cuidada por leigos filiados às irmandades, confrarias e ordens terceiras. A partir de 1821, o seu nome aparece atuando principalmente em Mariana, onde falecerá precocemente em 1832, por motivos ignorados, provavelmente vítima de males que o acompanhavam desde a infância.

A Missa em Ré Maior foi composta em data ignorada, porém possivelmente em torno de 1817, durante seu período em Vila Rica. Devido à sua exuberância, é muito provável que tenha sido escrita para a Ordem 3ª do Monte do Carmo dos Homens Brancos de Vila Rica, que era a responsável pela igreja mais importante politicamente, como as demais igrejas do Carmo no Brasil colonia, pois essas encontravam-se sempre próximas à sede do poder civil. A outra razão para que acreditemos que as duas missas do padre-compositor foram compostas para essa igreja baseia-se no fato de que o coro dessa igreja é o único suficientemente grande para abrigar o aparato vocal-sinfônico que e as obras demandam. Podemos, sem dúvida, dizer que esta missa é tão grandiloqüente e está entre as principais obras escritas no Brasil assim como as compostas no Rio de Janeiro, por compositores como Nunes Garcia, Marcos Portugal e Sigismund Neukomm e, até mesmo, comparáveis às missas de Franz Joseph Haydn, em Eisenstadt ou Viena.
(Ricardo Bernardes e Harry Crowl, adaptado do encarte)

Palhinha: Requiem de 1816 em ré menor – 1. Introitus

Pe. José Maurício Nunes Garcia (1767-1830, Rio de Janeiro, RJ)
(Ed. Cleofe Person de Mattos)
01. Requiem de 1816 em ré menor – 1. Introitus
02. Requiem de 1816 em ré menor – 2. Kyrie
03. Requiem de 1816 em ré menor – 3. Graduale
04. Requiem de 1816 em ré menor – 4. Sequentia 1
05. Requiem de 1816 em ré menor – 5. Sequentia 2
06. Requiem de 1816 em ré menor – 6. Sequentia 3
07. Requiem de 1816 em ré menor – 7. Ofertorio
08. Requiem de 1816 em ré menor – 8. Sanctus
09. Requiem de 1816 em ré menor – 9. Agnus Dei
10. Requiem de 1816 em ré menor – 10. Lux aeterna

Pe. João de Deus de Castro Lobo (Vila Rica, 1794 – Mariana, 1832)
(Ed. Harry Crowl)
11. Missa em ré maior – 1. Kyrie
12. Missa em ré maior – 2. Christe
13. Missa em ré maior – 3. Kyrie
14. Missa em ré maior – 4. Gloria
15. Missa em ré maior – 5. Laudamus
16. Missa em ré maior – 6. Gratias
17. Missa em ré maior – 7. Domine Deus
18. Missa em ré maior – 8. Qui tollis
19. Missa em ré maior – 9. Qui sedes
20. Missa em ré maior – 10. Quoniam
21. Missa em ré maior – 11. Cum Sancto Spiritu
22. Missa em ré maior – 12. Amen

BRASIL XVIII-XIX: Música na Corte do Rio de Janeiro e na Província das Minas Gerais durante o tempo de D. João VI no Brasil (1808-1821) – 2008
Relações musicais nos séculos XVII, XVIII e XIX – Vol. II/CD
Americantiga Ensemble, Maestro Ricardo Bernardes
Gravação realizada em 2008 na Iglesia San Juan Bautista, em Buenos Aires
.
acervo-1BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 331,8 MB | HQ Scans

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps -150,2 MB – 1,0 h
powered by iTunes 10.1

.

.

.
Boa audição.

Avicenna

6 comments / Add your comment below

  1. Feliz 2011
    Nestes primeiros dias de 2011 é uma obrigação agradecer seu empenho. Enquanto muitos blogs estão parados o PQPBach segue postando e “pensando selvagemente”.

  2. Caro Conterrâneo!

    Feliz 2011! O ano começou muito bem com o “tour de force” na Casa do Filho de Bach, e o caro Avicenna não deixou por menos na sua especialidade!
    Já ouvi a “palhinha” e agora estou fazendo o download.

    Até breve!

  3. Ao Fausto Neves, ao Adriano Holtz, ao Jorge Tadeu e ao Gerald, muito obrigado pela presença. Começamos bem o ano!

    Um Baita 2011 a todos!

    Avicenna

Deixe uma resposta