Anton Bruckner (1824-1896): Missa Nº 2 e Libera me, Domine / Josef Gabriel Rheinberger (1839-1901): Requiem, Op. 84

Anton Bruckner (1824-1896): Missa Nº 2 e Libera me, Domine / Josef Gabriel Rheinberger (1839-1901): Requiem, Op. 84

Hoje decidi fazer esta postagem sacra. Ainda não conhecia com propriedade duas questões concernentes a este CD: (1) nunca havia escutado esta missa de Anton Bruckner; e (2) não sabia da existência de Josef Gabriel Rheinberger, nem tão menos de seu réquiem. Não é escusado afirmar que temos um registro singular – tanto por conta dos compositores, quanto pela música que se nos apresenta. Já alimentei uma desconfiança considerável com relação a Bruckner, até que o redimi após ter ouvido as suas sinfonias. Iniciei de soslaio, mas ao chegar à Quinta Sinfonia, eu já havia arrefecido os meus mais graves juízos. A vida de Bruckner não condiz com a grandiosidade da sua obra. O compositor era um religioso; dono de uma timidez e de uma passividade impressionante. Dizem que certa vez após um intérprete ter executado a sua música, Anton beijou a mão do homem e ajoelhou-se para agradecer, numa atitude submissa. Suas composições tinham que passar por imensas revisões. Mas deixemos o homem Bruckner e nos fixemos em sua obra, que é expressiva. Essa sua missa é música para mosteiros. Para manhãs silenciosas, de reverência e contrição. O primeiro movimento (Kyrie) é de uma diafanidade embriagante. Já o Réquiem de Rheinberger é de uma beleza própria. Não é pessimista como o de Brahms, nem grandioso e eloquente como o de Mozart. Aproxima-se do réquiem de Fauré em matéria de beleza e suavidade. Em resumo: trata-se de um CD como músicas belas, para ouvir nos momentos em que o secularismo da pós-modernidade nos abandonar e nos enchermos de sentimentos sublimes; quando a vida se encher de envolvimentos augustos. Boa apreciação!

Anton Bruckner (1824-1896)

Missa Nº 2 
1. Kyrie
2. Gloria
3. Credo
4. Sanctus
5. Benedictus
6. Agnus Dei

Libera me, Domine, WAB 22
7. Libera me, Domine

Josef Gabriel Rheinberger (1839-1901)

Requiem in Es, Op. 84
8. Introitus
9. Kyrie
10. Tractus
11. Offertorium
12. Sanctus
13. Benedictus
14. Agnus Dei
15. Comunio

Kammer Chor Saarbrüken
Bläser der Kammerphilharmonie Mannheim

Georg Grün, direção

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

My name is Bruckner, Anton Bruckner
My name is Bruckner, Anton Bruckner

Carlinus

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) – Isaac Stern Plays Mozart

71Pk4cZIqvL._SL1500_Havia um tempo, não muito tempo atrás, em que a Terra era dominada por excepcionais violinistas, mestres supremos e soberanos de seus instrumentos: David Oistrakh, Jascha Heifetz, Henryk Szering, Nathan Milstein, Isaac Stern, entre outros. E todos eles eram contemporâneos, habitavam o planeta ao mesmo tempo, e dominavam os palcos do mundo todo.

Dentre estes acima citados, Isaac Stern era o mais novo. Morreu em 2001, aos 81 anos. Apesar de ter nascido na Ucrânia, ainda bebê seus pais imigraram para os Estados Unidos, se estabelecendo em San Francisco.

Estas gravações dos concertos de Mozart valem cada minuto de sua audição. Nomes como George Szell,Pinchas Zukerman, Jean Pierre Rampal e Daniel Baremboim estão entre os maestros que o acompanham, então a qualidade está garantida.

Espero que apreciem.

CD 1

01-Concerto No 1 in B-flat Major for Violin – I. Allegro moderato
02-Concerto No 1 in B-flat_Major_for_Violin –  II. Adagio
03-Concerto No 1 in B-flat Major_for_Violin – III. Presto

Columbia Symphony Orchestra
George Szell – Conductor
Isaac Stern – Violin

04-Concerto No 2 in D Major for Violin – I. Allegro moderato
05-Concerto No 2 in D Major for Violin – II. Andante
06-Concerto No 2 in D Major for Violin – III. Rondo. Allegro

English Chamber Orchestra]
Alexander Schneider – Conductor

07-Concerto No 3 in G Major for Violin – I. Allegro
08-Concerto No 3 in G Major for Violin – II. Adagio
09-Concerto No 3 in G Major for Violin – III. Rondo. Allegro

Members of Cleveland Orchestra

CD 2

1. Concerto Nº 4 in D Major for Violin I. Allegro
2. II. Andante cantabile
3. III. Rondeau. Andante grazioso

English Chamber Orchestra
Alexander Schneider – Conductor

4. Concerto No 5 in A Major for Violin I. Allegro aperto
5. II. Adagio
6. III. Rondeau – Tempo di Menuetto

Columbia Symphony Orchestra
George Szell – Conductor

7. Adagio for Violin and Orchestra in E Major, K. 261
8. Rondo for Violin and Orchestra in C Major, K. 373

English Chamber Orchestra
Alexander Schneider – Conductor

Disc: 3
1. Concertone in C Major for Two Violins I. Allegro spiritoso
2. II. Andantino grazioso
3. III. Tempo di Menuetto – Vivace
4. Sinfonia Concertante for_Violin Viola I. Allegro maestoso
5. II. Andante
6. III. Presto

Pinchas Zukerman – Violin, Viola
English Chamber Orchestra
Daniel Baremboim – Conductor

7. Serenade No6 in D Major K239 I. Marcia. Maestoso
8. II. Menuetto
9. III. Rondeau. Allegretto

Franz Liszt Chamber Orchestra

CD 4
01-March in D Major K.249
02. Serenade in D Major K.250 248b Haffner I. Allegro maestoso – Allegro molto – Jean-Pierre Rampal
03. II. Andante
04. III. Menuetto
05. IV. Rondeau. Allegro
06. V. Menuetto galante – Trio
07. VI. Andante
08. VII. Menuetto
09. VIII. Adagio – Allegro assai

Franz Liszt Chamber Orchestra
Jean Pierre Rampal – Conductor

10. Adagio for Violin and Orchestra in E Major, K. 261
11. Rondo for Violin and Orchestra, K. 373

Franz Liszt Chamber Orchestra

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 4 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Guia de Gravações Comparadas P.Q.P. – J.S.Bach: 4 Orchestral Suites BWV1066-1069

As 4 Suítes (ou Aberturas) para orquestra de Bach são suas únicas obras escritas exclusivamente para conjunto orquestral, sendo todas as demais obras sacras, concertantes, sonatas e árias de câmara ou para instrumentos solo (cravo, órgão, lute, violino e cello). A origem do gênero é obscura, o Guia da Música Sinfônica aponta Johann Jakob Froberger (1616-1667) como seu criador, ao passo que Gudrun Becker cita Agostino Steffani (1654-1728) como sendo o primeiro a compilar trechos de danças de suas óperas em uma “Suíte”, fazendo-as preceder de uma “Overture”, que acabou consagrando o nome.

O fato é que a “Overture” se tornou extremamente apreciada, provavelmente por ter sido um dos primeiros gêneros a combinar danças folclóricas populares com o gosto erudito das cortes e da aristocracia, e logo surgiram inúmeras composições deste gênero por toda a Europa. Telemann gabava-se de ter escrito 200 delas, e Mattheson (rival de Haendel) escreveu longamente sobre ela em seu livro “Nova Orquestra”.

Johann Sebastian Bach, por sua vez, não quis ficar de fora e também presenteou o mundo com exemplos do gênero. Bach, sendo Bach, evocou suas características mais elementares: primou pela qualidade e não pela quantidade, e fez de suas únicas 4 Aberturas as mais famosas Suítes orquestrais barrocas da história da música ocidental.

A composição delas também é algo obscura: não foram escritas juntas, havendo indícios de que a primeira e a última datam da época de Köthen, ao passo que as intermediárias datam da época de Leipzig. Mas são dados controversos, e que os autores também não chegam a uma conclusão. Há quem a acredite, por análise da partitura autógrafa (sem datação), que todas foram escritas em intervalos de tempo grandes, mas já em Leipzig. De qualquer forma, o consenso é que elas não formam um conjunto fechado, pois foram escritas para ocasiões diversas (como comprovam as diferenças na instrumentação e nas danças), e Bach já estava bastante ocupado para ficar pensando em ciclos de obras. Mesmo assim, a unidade estilística de todas é marcante, como não poderia deixar de ser neste caso.

As aberturas seguem o padrão francês lento-rápido-lento, sendo, a nível de Bach, o andamento rápido sempre uma fuga. Elas são seguidas de uma série de danças, tradicionalmente partes formais da suíte que Bach também usou em diversas outras obras, como as Suites Francesas, Inglesas e as Suites para Cello.

Aqui apresento 4 gravações que considero fundamentais para a apreciação desta obra:

1.Karl Richter, Münchener Bach-Orchester DG (ARCHIV) 1960-62

bach orch suites richter

Essa é a versão mais clássica das Suítes: foram gravadas no início da década de 60, numa época em que as versões “autênticas” não estavam em moda, e Richter clamava para si o monopólio da interpretação “correta” de Bach. Com isso, ele se tornou uma espécie de Karajan para Bach: suas leituras são lineares, ao ponto de se tornarem insípidas, quase assépticas, mas também bastante convincentes pela limpidez dos contornos. Neste caso, entretanto, as Suítes soam como uma obra clássica. Os contrastes entre a introdução lenta e a fuga rápida das aberturas não chega a comover, aliás, quase não se nota diferença. Igualmente se pode dizer das dinâmicas, em que ele explora muito pouco o chiaroscuro barroco, e ficam com certa aparência mais clássica que barroca. A Ária da Suite 3 pelas mãos de Richter fica quase romântica. Entretanto, é uma leitura vigorosa e com a potência sonora de uma orquestra aumentada, típica das adaptações feitas nos anos 60. Se quiserem uma leitura sem surpresas, bem-comportada, estilo genérico de um fast-food, fiquem com esta.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 516Mb

2.Karl Münchinger, Stuttgart Kammerorchester, DECCA 1985

bach_overtures_munchinger

Karl Münchinger é um maestro enigmático: especialista também em música barroca, principalmente em Bach, insiste em leituras híbridas que mesclam, de certa forma, um barroquismo que se diz “autêntico” (instrumentação, andamentos), mas por outro lado abusa do classicismo, ao estilo de Richter, nas dinâmicas, por exemplo. Suas leituras são também “corretas” no mesmo sentido de “assépticas”, optando sempre por uma média confortável que não chega a chocar o ouvinte, mas também não empolga. É uma leitura correta e até menos afetada que a de Richter, mas ele não faz os ritornellos das aberturas, diminuindo assim o tempo e fazendo caber tudo num único CD. Inclusive há quem ache chato o excesso de repetições dos andamentos lentos e prefere esta versão. Eu não. Apesar de tudo isso, gosto dela genericamente.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 381Mb

3.Frans Brüggen, Orchestra of the Age of Enlightenment, PHILIPS 1994

bach_4_orchestral_suites_bruggen_coverBrüggen faz a interpretação autêntica mais exagerada que conheço, quase datada a Carbono-14. As dinâmicas barrocas ficam extremamente evidenciadas e a instrumentação é quase uma viagem ao tempo de Bach. Os contornos melódicos se mesclam com os timbres de forma quase orgânica, e os ritmos parecem germinar espontaneamente sabe-se lá de onde. Se você quiser uma versão chocante, diferente de tudo o que já ouviu, fique com esta. Nunca imaginei um barroco tão barroco, e nem sei se era mesmo assim. Mas é uma leitura extraordinária, vívida e de sonoridade vigorosa, que se contrapõe diretamente às leituras clássicas de Richter e Münchinger. Coisa fina.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 418Mb

4.Trevor Pinnock, The English Concert, DG (ARCHIV) 1979-80

front coverEntre o ultra-romantismo de Richter e o mega barroco de Brüggen, Pinnock se revela de um equilíbrio estupendo. Não é um barroco autêntico exagerado, mas também não é uma leitura clássica. É a versão que considero mais equilibrada, e a mais convincente do ponto de vista estilístico. Seu conjunto The English Concert é um dos melhores grupos instrumentais de época do mundo, tendo gravado uma enorme quantidade de títulos barrocos com um apuro técnico e estético altamente elaborados. A versão dele para os Concertos de Brandenburgo é uma das mais precisas e bem gravadas da história da música. As suítes não ficam para trás. Poderão estranhar, se ouvirem primeiro a versão de Richter ou Münchinger, os andamentos mais rápidos das introduções das Aberturas. Mas é aí que ele mostra a que veio, contrapondo o tom solene à animação irresistível das fugas no desenvolvimento, revelando um barroco talvez até mais autêntico que o de Brüggen. Para todos os efeitos, esta é a escolha do Chucruten.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 405Mb

CHUCRUTEN

.: interlúdio :. Egberto Gismonti & Charlie Haden in Montreal

.: interlúdio :. Egberto Gismonti & Charlie Haden in Montreal

IM-PER-DÍ-VEL !!!

In Montreal é um álbum de Egberto Gismonti e Charlie Haden gravado em 6 de julho de 1989 no Festival Internacional de Jazz de Montreal e lançado pela ECM em 2001. Aqui, temos dois monstros em plena forma em ação. Gismonti é mais dinâmico. Ele é a mola propulsora em peças de como Salvador, Maracatu e Em Família. Essas músicas mais agitadas de Gismonti são contrabalanceadas pelas composições majestosas e reflexivas de Haden. Um belo disco, lindamente interpretado e muito brasileiro. O ouvido de Haden para a música latina funciona perfeitamente, encaixando-se tanto ao violão de 10 cordas quanto ao piano de Gismonti. Este brinca muito, como em Lôro e em Frevo. Uma alegria ouvir esses dois.

Egberto Gismonti & Charlie Haden in Montreal

1 Salvador
Composed By – Egberto Gismonti
7:36
2 Maracatú
Composed By – Egberto Gismonti
9:21
3 First Song
Composed By – Charlie Haden
6:28
4 Palhaço
Composed By – Egberto Gismonti, G.E. Carneiro*
9:19
5 Silence
Composed By – Charlie Haden
9:49
6 Em Família
Composed By – Egberto Gismonti
10:03
7 Lôro
Composed By – Egberto Gismonti
7:32
8 Frevo
Composed By – Egberto Gismonti
6:43
9 Don Quixote
Composed By – Egberto Gismonti, G.E. Carneiro*
12:02

Egberto Gismonti, violão, piano e o que pintar
Charlie Haden, baixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Charlie Haden e Egberto Gismonti combinando o que vamos ouvir.
Charlie Haden e Egberto Gismonti combinando o que vamos ouvir.

PQP

The Complete Masterworks Recordings Vol. IX: Late Russian Romantics

The Complete Masterworks Recordings Vol. IX: Late Russian Romantics

Olá pessoal, sou o novato por aqui no blog, vou estrear com o post do Volume Nove da reedição Horowitz (1903-1989) da Sony contém música dos compatriotas do pianista nascido na Ucrânia: Scriabin, Rachmaninoff e Medtner. Horowitz, que aos 11 anos conheceu a Scriabin, descreveu uma vez a música do compositor como “super sensível, super romântica”. Houve inúmeros pianistas que igualaram a Scriabin de Horowitz tecnicamente, mas ninguém superou a qualidade nervosa e ofegante do pianista ucraniano. As seleções de Scriabin foram gravadas no 30th Street Studio de Columbia em 1972. O Fairy Tale In A, Op. 51 do Medtner, ouvido aqui, foi originalmente estreado no Natal de 1969. Horowitz idolatrava Rachmaninoff, e o pianista / compositor mais velho admirava Horowitz em uma espécie de tio / sobrinho. Os dois tiveram uma amizade íntima desde 1928 até a morte do compositor em 1943. Rachmaninoff freqüentemente teve um relacionamento complicado com suas próprias composições. Tal foi o caso da Segunda Sonata, que foi composta em 1913, e severamente revisada em 1931. Rachmaninoff, que nunca estava totalmente satisfeito com qualquer versão da peça, concordou e deixou a cargo de Horowitz montar uma versão de “compromisso” para suas próprias apresentações.  Esta performance gravada neste CD, registrada no Carnegie Hall, é uma das gravações de piano em minha opinião mais eletrizantes já feitas. Horowitz, no auge da sua forma, traz uma qualidade incrível para essa performance. Mesmo quando todo o Inferno se solta, o pianista permanece solidamente no controle. A gravação tem cerca de 40 anos e a meu  ver continua a ser a versão definitiva da Segunda Sonata de Rachmaninoff, e pode-se sentir o espírito aprovador do compositor na resposta tumultuada do público ao final. Esta reedição é uma obrigação para todos os amantes de uma excelente música de piano. O som é um dos melhores Horowitz ao vivo.

The Complete Masterworks Recordings Vol. IX: Late Russian Romantics

01 Scriabin_ Feuillet D’Album For Piano
02 Scriabin_ Etude For Piano In F
03 Scriabin_ Etude For Piano In B
04 Scriabin_ Etude For Piano In D
05 Scriabin_ Etude For Piano In A
06 Scriabin_ Etude For Piano In F
07 Scriabin_ Etude For Piano In F
08 Scriabin_ Etude For Piano In C
09 Scriabin_ Etude For Piano In G Ma
10 Scriabin_ Poème, Op. 69_1
11 Scriabin_ Poème, Op. 69_2
12 Scriabin_ Vers La Flamme, Op. 72
13 Scriabin_ Feuillet D’Album, Op. 5
14 Medtner_ Fairy Tale In A, Op. 51
15 Rachmaninov_ Piano Sonata #2 In B
16 Rachmaninov_ Piano Sonata #2 In B
17 Rachmaninov_ Piano Sonata #2 In B
18 Rachmaninov_ Prelude #12 In G
19 Rachmaninov_ Moments Musicaux
20 Rachmaninov_ Etude-Tableau #3
21 Rachmaninov_ Etude-Tableau #2
22 Rachmaninov_ Etude-Tableau #9

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Sr. Vladimir após esmerilhar a segunda sonata do Rach.
Sr. Vladimir após esmerilhar a segunda sonata do Rach.

Ammiratore

Guia de Gravações Comparadas P.Q.P. – Mahler Symphony no.1 in D major ‘Titan’

A Primeira Sinfonia, dita Titan, é uma das obras mais executadas de Mahler, não apenas por sua beleza intrínseca (que aliás não é exclusividade dela), mas basicamente porque é uma das mais curtas, além de ser extremamente otimista, escrita numa linguagem acessível ainda do romantismo pós-wagneriano, e sem necessidade de solistas vocais e grandes coros. Como Otto Maria Carpeaux assinalou, todas as orquestras que querem mostrar certo virtuosismo mas tem dificuldades de produzir as exigências sonoras das demais sinfonias, optam pela Primeira.

Mas além disso, é também uma sinfonia muito interessante no contexto da vida e da obra de Mahler: ela funciona como um prefácio literário ao universo mahleriano, pois há nela ecos resumidos de basicamente tudo o que se ouvirá, melodica e harmonicamente, nas sinfonias posteriores. O termo prefácio literário não é força de expressão; do ponto de vista narrativo, ela trabalha com a ideia de um personagem heróico, descrito musicalmente através de seus temas e resoluções harmônicas tipicamente mahlerianas. É a expressão psíquica de seu autor, em que sua obra, permeada por este alter-ego heróico, apresenta uma ideia-fixa (ou um leitmotif) cujo objetivo é uma expressão de um universo ideal. É patente, através desta narrativa, sua busca incessante pela redenção, uma vez reconhecida a natureza imperfeita e efêmera do ser humano. E assim, passa por todos os conflitos filosóficos da humanidade (as angústias da sociedade, o amor, a morte, a religião), temas estes presentes em todas as suas obras, e, muito a propósito, já expresso nesta sinfonia, que termina numa espécie de cantus firmus de júbilo e alegria, até então único na história da música ocidental, informando ao público a que vem este tal Gustav.

Mahler é uma das mais contundentes respostas musicais às transformações científicas e filosóficas da virada do século XX, absorvendo, ainda que inconscientemente, as ideias da recente revolução psicológica de Freud (tendo ele mesmo sido seu paciente) e, claro, das não menos revolucionárias ideias postuladas por Planck e Einstein que abalaram os pilares da ciência física.

Escrita entre 1887 e 1888, teve diferentes versões apresentadas, começando por estrear como um poema sinfônico em duas partes, donde vem seu subtítulo, Titan, por conta da inspiração literária da obra de Jean Paul. Uma revisão de 1893 a colocou na forma sinfônica tradicional com um movimento a mais, o Blumine, depois suprimido. Após as revisões feitas até a publicação tardia em 1898, a Sinfonia finalmente adquiriu a forma como hoje a conhecemos, e nunca mais foi chamada por Mahler pelo subtítulo. Mas apesar disso, a despeito da imponência do nome, este acabou sendo incorporado como recurso de marketing.

O site gustavmahler.net.free (uma dádiva para os mahlerianos) cita nada menos que 274 gravações diferentes para a Primeira Sinfonia, nem todas, claro, disponíveis no mercado. E, no que diz respeito à possibilidade de ouvir alguma delas na internet, considerando os sites de streaming, o You Tube, a Amazon e os downloads genéricos, é possível achar pelo menos 40 versões. Para que os ouvintes tenham alguma orientação, trago algumas opções que gosto bastante:

1.Bernard Haitink, Concertgebouw PHILIPS 1972

61S7jofvU6L._SL500_SX300_Esta é uma gravação clássica, já está fora do catálogo e de vez em quando é relançada em algum compêndio, como a caixa da integral da sinfonias ou, neste caso, na coleção Abril de Grandes Compositores. Esta gravação, dos anos 70, faz parte do primeiro e único ciclo completo de Haitink, pois o segundo, na década de 90, não foi completado por conta do desmonte da indústria fonográfica, em especial o da música clássica, que foi o que sofreu a maior bancarrota (ver Norman Lebrecht, “Maestros, obras-primas e loucura”). Haitink na verdade gravou esta Sinfonia várias vezes de forma isolada, entre 1962 e 2007, mas esta de 72 desponta como uma de suas mais respeitáveis leituras.
É sem dúvida uma leitura inspirada, sendo tratada de forma muito mais solene que jocosa, e por isso tem um ar bruckneriano que permeia toda a execução. O frenesi dos finais do primeiro e último movimentos, expressões legítimas de uma Mahler jovem e apaixonado, são executados como se fossem reflexões profundas e conflitantes de um Mahler tardio, como o da Sétima ou Oitava Sinfonias. Apesar disso, é um registro que prima pela pureza de timbres e contornos melódicos, deixando, não obstante a maior lentidão rítmica, uma impressão bastante singular. Haitink, sempre distinto, não deixa a peteca cair. Os trompetes desafinam nas fanfarras do finale, mas este é um detalhe menor neste conjunto. A gravação desta edição acompanha o Lieder eines fahrenden gesellen, na voz imponente de Hermann Prey. Assim como em outras gravações, este lieder é sempre bem-vindo por ter sido uma das inspirações originais para temas da Primeira Sinfonia.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 330Mb

2. Kurt Masur, New York Philharmonic TELDEC 1992

mahler_symph1_masur_smallEsta foi uma das gravações que marcaram a chegada de Kurt Masur na Filarmônica de Nova York em 1991. A gravação é do ano seguinte, mas evoca o mesmo sentimento de frescor recém-casado. A escolha de Masur, pelos músicos de Nova York, se deu para tentar fazer da Filarmônica novamente uma experiência mais “requintada”, uma vez que seus antecessores, Zubin Mehta e Leonard Bernstein eram dados a concertos populares, e Pierre Boulez, muito moderno. Naquela época o público patrono se incomodou com isso. Trazendo a sobriedade do alemão especialista em Beethoven, a ideia era fazer a Filarmônica deixar de parecer uma orquestra crossover, e escolheu a 7a. de Bruckner para estrear com toda a pompa. Hoje este fato soa um pouco anacrônico, mas fazia sentido naquele contexto. De qualquer modo, é um registro primoroso, de quem sabe o que está fazendo. A firmeza rítmica se impõe como um rolo compressor, e acaba deixando a obra mais fria que o desejado. Talvez Masur estivesse tentando causar boa impressão aos americanos, e se manteve cauteloso nas escolhas das dinâmicas. De qualquer forma é uma performance das mais eloquentes, e merece ser visitada, até porque também vem com as Canções do Viandante, na voz do barítono sueco Håkan Hagegård.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 278Mb

Entretanto, um pequeno parênteses para a questão da performance fria. Kurt Masur também é o responsável pela performance mais quente que conheço da Primeira Sinfonia de Mahler. Aconteceu em 2005 no Festival de Inverno de Campos do Jordão, em que Masur foi o maestro convidado, tendo ao seu lado Roberto Minczuk. Os bolsistas do festival, todos ainda amadores em fase de profissionalização, tinham pouca experiência com prática de orquestra, principalmente em se tratando de orquestras do tamanho exigido pela Primeira. Entretanto, ao invés de uma performance morna para cumprir exigências acadêmicas e agradar aos pais dos bolsistas, o que se ouviu foi uma performance das mais contundentes, que num nível de percepção sensível, transbordava a emoção e o entusiasmo daqueles músicos em tocar pela primeira vez uma obra daquela envergadura. Percebe-se, ao mesmo tempo, tanto a inexperiência e a ingenuidade quanto uma vontade sobre-humana de se superarem, coisa que acabam conseguindo com força descomunal, fazendo do finale desta gravação um dos mais emocionantes da história. Kurt Masur chorou nos aplausos, consciente do esforço que cada músico empreendeu. Esta gravação vale a pena porque é possível sentir toda essa carga emotiva no registro, coisa que muitas orquestras profissionais não conseguem. Infelizmente é um disco que está esgotado, então disponibilizo aqui também. Ele vem com outras obras executadas no mesmo festival (incluindo uma estréia de Almeida Prado), mas eu diria que a Titan é que interessa.

DOWNLOAD HERE – XXXVI Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão
CD Duplo – Arquivo FLAC 661Mb

3. Leonard Slatkin, St.Louis Symphony Orchestra TELARC 1981

mahler1slatkinEsta é a pior de todas: Slatkin é um bom regente, tenta dar um ar sóbrio e distinto ao frenético finale, mas no fim, não consegue. Boa parte do problema é a orquestra, St.Louis tem metais com uma sonoridade bem fraca, e Slatkin ainda puxa o freio de mão. Aí não dá mesmo. As fanfarras não empolgam, e parecem contidas como se precisassem fazer pouco barulho para não atrapalhar os vizinhos. Mas a gravação tem méritos: a Telarc é um selo americano que foi o absoluto pioneiro na gravação digital, sendo deles o primeiro LP lançado comercialmente que teve sua matriz gravada digitalmente, em 1978. Este know-how fez de suas gravações verdadeiras referências para o desenvolvimento de uma metodologia de gravação na era digital, e a clareza de seus registros é até hoje apreciada. Mas a recomendação é clara: só para fãs.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 195Mb

4.Rafael Kubelik, Symphonie-Orchester des Bayerischen Rundfunks DG 1968

mahler_symphony1_titan_kubelik_coverHá um certo consenso sobre a superioridade desta gravação, que foi inclusive indicada, recentemente, pela revista Gramophone, como a melhor Titan de todos os tempos. Mas toda a classificação é relativa, e acredito ser impossível uma unanimidade. Claro, a gravação tem méritos indiscutíveis, mas acho um pouco de exagero tanto crédito. Kubelik é um maestro dos mais competentes, um dos grandes “monstros sagrados” (expressão que na minha época era corriqueira) da regência do século XX. De origem tcheca, tem todos os requisitos para entender esta música até o último fio de cabelo. E ele realmente a entende como poucos, fazendo principalmente do scherzo e da paródica marcha fúnebre momentos de rara e fina ironia. Mas venhamos e convenhamos, a sonoridade da tecnologia de gravação de 1968 fica um pouco a desejar, principalmente deixando evidente certa estridência dos trompetes, uma limitação que nem toda gravação desta época possui ou incomoda, mas esta possui – e incomoda. Outra: Kubelik é famoso por seu rubato, ele costuma diminuir o andamento com algum exagero antes dos clímax ou das repetições dos temas essenciais. Em alguns casos, funciona que é uma maravilha, em outros, considero o resultado cafona. Não posso dizer que achei ruim seu rallentando na retomada do tema no primeiro movimento, mas também não vou dizer que não estranhei. Confesso que não tenho opinião definitiva, mas no fim das contas não é minha gravação dos sonhos. Mas se vale a pena? puxa, se vale! E a gravação também tem o Lieder eines fahrenden gesellen, mas na voz de ninguém menos que Dietrich Fischer-Dieskau. Aí fica covardia não ouvir.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 314Mb

5.Zubin Mehta, New York Philharmonic CBS 1982

mahler_symphony1_mehtaA grande zebra é esta gravação de Zubin Mehta, feita pela CBS em 1982. Uma verdadeira jóia. Outras leituras de Mehta, como a da DECCA com Israel, não chegam aos pés dessa. É uma leitura precisa, clara, entusiasmada e empolgante. Os trompetes de Nova York estão em ótima forma – melhor que na gravação de Masur – e executam as fanfarras com convicção ímpar, em que ouvem todas as notas com clareza e limpidez. O registro deixa aflorar o Mahler sonhador da juventude como poucos, coisa até rara em se tratando de Zubin Mehta, mas é preciso admitir: neste caso é quase impossível não se deixar contaminar pela empolgação da sonoridade desta gravação. Mehta, apesar de não ser um mahleriano convicto, é responsável por várias leituras memoráveis, e esta é uma delas. Não há meio termo, é uma leitura brilhante, ou se adora ou se ignora. Os puristas podem objetar que Mehta não faz o ritornello do primeiro movimento, mas devo dizer que também é um detalhe menor. Compensa todo o crime.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 218Mb

6.Klaus Tennstedt, London Philharmonic Orchestra EMI 1977

61BsDGt62jL

Esta gravação é primorosa. Klaus Tennstedt era um mahleriano não apenas convicto, mas devoto e praticante. Norman Lebrecht explica bem esta relação meio doentia: “após um sério colapso nervoso, encontrou apoio na música de Mahler, que se tornou o leitmotiv de sua ansiosa vida”. Com efeito, o Mahler de Tennstedt é altamente intuitivo, sempre inesperado e avassalador, tirando das profundezas da alma os mais insondáveis sentimentos. Por algum motivo alheio à minha percepção (talvez pela própria personalidade trôpega de Tennstedt), ele nunca foi muito festejado do grande público, tendo sempre um time restrito de admiradores fiéis mas recatados, e normalmente suas performances escapam de uma análise pública mais abrangente. Mas devo dizer, poucas Titans tem a força desta: a impressão é de um vulcão prestes a explodir, e que efetivamente explode nos clímax adequados. Apesar de carismática, é uma interpretação bastante pessoal, em que há o perigo do ouvinte não interagir com a espontaneidade proposta. Neste caso, será uma leitura esquisita. Mas garanto: soltem-se e deixem-se levar pelos delírios do sr. Tennstedt, e estarão diante de uma performance única na história.
Obs.: A edição da Primeira que disponibilizo aqui faz parte da caixa com as 10 Sinfonias, então não estranhem o bônus do primeiro movimento da Segunda, obra que comentarei em outra ocasião.

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 289Mb

7.Sir Georg Solti, Chicago Symphony DECCA 1983

mahler_symph1_solti

Considero esta, ao lado da de Bernstein (1974) com a Wiener Philharmoniker (que infelizmente – ou felizmente – só tenho em DVD), a gravação que combina o melhor de todos os mundos: tem a sonoridade dos áureos tempos dos míticos engenheiros da DECCA, tem o equilíbrio preciso entre a espontaneidade e a fidelidade à partitura, tem o encanto do frescor juvenil do Mahler apaixonado, e tem a sobriedade de um registro convicto. Se eu fosse escolher a gravação mais equilibrada, e que satisfaz a maioria dos requisitos mahlerianos com louvor, ficaria com esta, com a possível alternativa de Bernstein. Mas para mim esta tem um trunfo a mais: as pratadas de Chicago são mais eficazes que as de Viena, e a eloquência da juvenília mahleriana fica em plena ebulição. Esta é, portanto, a escolha do Chucruten.
Bom divertimento!

DOWNLOAD HERE
Arquivo FLAC 239Mb

CHUCRUTEN

Sibelius & Khachaturian: Concertos para Violino

Sibelius & Khachaturian: Concertos para Violino

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Um excelente CD com o espetacular violinista armênio Sergey Khachatryan e a Sinfonia Varsóvia. É claro que, quando se emociona, Khachatryan torna seu Sibelius como se fosse música folclórica armênia, mas isso é um pequeno detalhe dentro de uma montanha de acertos. Grande musicalidade, linda sonoridade e incrível facilidade técnica, algo que não se ouve todo o dia. Vi um concerto seu ao vivo e o homem simplesmente não erra. E é entusiasmado, cheio de alegria e tesão. Depois, tocando seu conterrâneo e quase homônimo Khachaturian, está tudo em casa e Khachatryan dá um banho. Para ouvir e fazer a festa.

Sibelius & Khachaturian: Concertos para Violino

Jean Sibelius Violin Concerto In D Minor Opus 47
1 – Allegro Moderato 16:27
2 – Adagio Di Molto 8:12
3 – Finale (Allegro Ma Non Tanto) 7:48

Aram Khachaturian* Violin Concerto In D Minor 1940
4 – Allegro Moderato 15:05
5 – Andante Sostenuto 12:33
6 – Allegro A Battuta 9:47

Violin – Sergey Khachatryan
Orchestra – Sinfonia Varsovia
Conductor – Emmanuel Krivine

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Khachatryan: fenômeno
Khachatryan: fenômeno

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Beethoven Complete Masterpieces – CDs 21 – 25 de 60 – Piano Trios – Seraphin Trio

81qUOSQaXZL._SL1500_Chegamos então aos Trios para Piano.

A Sony fez uma bagunça aqui, em minha opinião, e ao invés de postar em ordem de opus, por exemplo, optou por um modelo cuja lógica não entendi, talvez por ordem de importância, já que começa com os Op. 70, mas deixa rolar, vamos seguir em frente, pois ainda tem muita coisa para postar.

Não, não teremos o ‘Beaux Arts Trio’ aqui, mas um conjunto intitulado ‘Seraphin Trio’, desconhecido por mim até então, mas muito competente. Encaram com naturalidade os percalços no caminho da interpretação destas obras.

Vamos então ao que viemos: os magníficos trios para piano, violino e violoncelo.

CD 21

01. Piano Trio Op.70 No.1 in D Major – Allegro vivace e con brio
02. Piano Trio Op.70 No.1 in D Major – Largo assai ed espressione
03. Piano Trio Op.70 No.1 in D Major – Presto
04. Piano Trio Op.70 No.2 in E-flat Major – Poco sostenuto – Allegro ma non troppo
05. Piano Trio Op.70 No.2 in E-flat Major – Allegretto
06. Piano Trio Op.70 No.2 in E-flat Major – Allegretto ma non troppo
07. Piano Trio Op.70 No.2 in E-flat Major – Finale – Allegro
08. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Allegro von brio
09. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Adagio
10. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Thema – Allegretto ‘Pria ch’ l’impegno’
11. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation I
12. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation II
13. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation III
14. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation IV – Minore
15. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation V – Maggiore
16. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation VI
17. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation VII – Minore
18. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation VIII – Maggiore
19. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Variation IX
20. Piano Trio Op.11 in B-flat Major – Allegro

CD 22

01. Piano Trio Op.1 No.2 in G Major – Adagio – Allegro vivace
02. Piano Trio Op.1 No.2 in G Major – Largo con espressione
03. Piano Trio Op.1 No.2 in G Major – Scherzo – Allegro
04. Piano Trio Op.1 No.2 in G Major – Finale – Presto
05. Piano Trio Op.97 in B-flat Major ‘Erzherzogtrio’ – Allegro moderato
06. Piano Trio Op.97 in B-flat Major ‘Erzherzogtrio’ – Scherzo – Moderato
07. Piano Trio Op.97 in B-flat Major ‘Erzherzogtrio’ – Andante cantabile
08. Piano Trio Op.97 in B-flat Major ‘Erzherzogtrio’ – Allegro moderato – Presto
09. Piano Trio in B-flat Major WoO 39 – Allegretto

CD 23

01. Piano Trio Op.1 No.1 in E-flat Major – Allegro
02. Piano Trio Op.1 No.1 in E-flat Major – Adagio cantabile
03. Piano Trio Op.1 No.1 in E-flat Major – Scherzo. Allegro assai
04. Piano Trio Op.1 No.1 in E-flat Major – Finale. Presto

CD 24
01. Piano Trio Op.1 No.3 in C minor – Allegro con brio
02. Piano Trio Op.1 No.3 in C minor – Andante cantabile con variazioni
03. Piano Trio Op.1 No.3 in C minor – Menuetto. Quasi allegretto
04. Piano Trio Op.1 No.3 in C minor – Finale – Prestissimo
05. Piano Trio Op.44 in E-flat Major – Thema. Andante
06-20. Piano Trio Op.44 in E-flat Major – Variatios

CD 25

01. Variations Op.121a ‘Ich bin der Schneider Kakadu’ – Introduzione – Adagio assai
02-12. Variations Op.121a ‘Ich bin der Schneider Kakadu’ – Thema – Allegretto
13. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Adagio – Allegro con brio
14. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Adagio cantabile
15. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Tempo di menuetto
16. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Andante con variazioni
17. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Scherzo – Allegro molto e vivace
18. Piano Trio Op.38 in E-flat Major – Andante con moto alla marcia
19. Piano Trio in E-flat Major WoO 38 – Allegro moderato
20. Piano Trio in E-flat Major WoO 38 – Scherzo
21. Piano Trio in E-flat Major WoO 38 – Rondo – Allegretto

Seraphin Trio –
Gottfried Hefele – Piano
Wilhelm F. Walz – Violin
Jörg Metzger – Cello

CD 21 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 22 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 23 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 24 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 25 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Lorenzo Gaetano Zavateri (1690-1764): Concerti Da Chiesa e Da Camara

Lorenzo Gaetano Zavateri (1690-1764): Concerti Da Chiesa e Da Camara

PQP Bach considera a Freiburger Barockorchester a melhor orquestra de câmara do mundo. Aqui, eles demonstram toda sua notável competência ao interpretar este sub-Vivaldi chamado Zavateri. A música é bonita, mas sem a genialidade do veneziano. Não pensem que é um disco ruim, pelo contrário, a coisa é linda, só não é genial. E a sonoridade da orquestra… Zavateri nasceu e trabalhou em Bologna, viveu para ver surgir o estilo galante, mas permaneceu barroco. Estes concertos são bem variados e coloridos. A gente ouve o CD duplo sem cansar. Eu estou na praia, numa manhã de sol e Zavateri me deixou ainda mais feliz.

Lorenzo Gaetano Zavateri (1690-1764): Concerti Da Chiesa e Da Camara

CD1:
Concerto primo Introducione in G major for strings and b.c.
01. Largo Spico – Allegro Assai – Allegro [00:04:18]

Concerto secondo in D major for violino obligato, strings and b.c.
02. Allegro [00:05:35]
03. Adagio [00:03:10]
04. Spirituoso [00:02:28]

Concerto terzo in C major for strings and b.c.
05. Allegro [00:02:25]
06. Andante [00:02:31]
07. Allegro assai [00:01:45]

Concerto quarto in C minor for violino obligato, strings and b.c.
08. Allegro [00:05:45]
09. Andante ma Largetto [00:03:31]
10. Allegro [00:03:00]

Concerto quinto in E major for strings and b.c.
11. Largo – Allegro ma Aperto [00:03:39]
12. Andante e Spico – Allegro [00:02:47]

Concerto sesto in A major for violino obligato, strings and b.c.
13. Allegro [00:04:20]
14. Adagio [00:02:37]
15. Vivace [00:04:08]

CD2:
Concerto settimo Teatrale in B flat major for strings and b.c.
01. Vivace [00:02:40]
02. Andante [00:03:26]
03. Allegro [00:03:00]

Concerto ottavo in E flat major for violino obligato, strings and b.c.
04. Allegro [00:03:48]
05. Adagio [00:02:30]
06. Allegro [00:03:35]

Concerto nono Teatrale in F major for strings and b.c.
07. Alleggro a Spico [00:02:10]
08. Largetto alla francese [00:01:35]
09. Presto [00:01:42]

Concerto decimo a Pastorale in D major for 2 violini obligati, strings and b.c.
10. Grave – Allegro [00:04:33]
11. Largo – Pastorale [00:05:27]

Concerto undecimo in G minor for strings and b.c.
12. Spirituoso [00:02:01]
13. Andantino – Allegro [00:02:19]

Concerto duodecimo a Tempesta di Mare in G major for violino obligato and b.c.
14. Allegro [00:04:50]
15. Adagio [00:02:37]
16. Allegro [00:04:55]

Freiburger Barockorchester, Gottfried von der Goltz
Recorded: August 29-September 1, 1995
November 16-19, 1995, Festsaal des Maximilian-Parks Hamm

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

A Orquestra Barroca de Freiburg. Quem o chefão? O primeiro loirinho cabeludo sentado à direita,
A Orquestra Barroca de Freiburg. Quem é o chefão? O primeiro loirinho cabeludo sentado à direita.

PQP

Charpentier: Miserere and other sacred works – Ensemble Vocale Ricercare & Ensemble L’Apothéose

scan_0001

Marc-Antoine Charpentier

Ensemble L’Apothéose
Ensemble Vocale Ricercare

Miserere and other sacred works

2005

A criatividade de Charpentier em evitar a monotonia usa as vozes de uma forma magistral criando mudanças, variando o tamanho e, até onde ele pode decidir, suas disposições.

Os solos de órgãos curtos que teriam desempenhado um papel na Missa não estão incluídos no manuscrito, pois muito provavelmente eles teriam sido improvisados.

Em suma, este é um excelente registro. Os conhecedores do estilo de Charpentier encontrarão uma qualidade na música bastante distinta daquela que caracteriza muitas outras composições sagradas. Os desempenhos são de primeira classe, como é a própria gravação, feita com assistência financeira da Societe Marc-Antoine Charpentier. Interpretações imaginativas de música inspirada, uma conquista esplêndida. Muito recomendado. (Gramophone UK)

Charpentier: Miserere and other sacred works
Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
01. Prélude en G re sol à 4 pour les violons et flûtes (H 528)
02. Miserere mei, Deus (H 157)
03. Recordare (Incipit oratio Jeremiae) (H 95)
04. Prélude pour le Domine salvum en F ut fa à 4 voix (H 535)
05. Nisi Dominus (H 150)
06. Prélude, [menuet et passepied] pour les flûtes et hautbois devant l’ouverture (H 520)
07. Antiphona in honorem beatae virginis a redemptione captivorum (Beata es Maria) (H 25)
08. Salve regina à 3 voix pareilles (H 23) (prélude)
09. Laudate Dominum (H 159)
10. Sub tuum praesidium (H 20)

Charpentier: Miserere and other sacred works – 2005
Marc-Antoine Charpentier (France, 1643-1704)
Ensemble L’Apothéose
Ensemble Vocale Ricercare
Label: Happy Few

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 265 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 130 MB

powered by iTunes 12.7.2 | 51 min

Boa audição.

Avicenna

Johann David Heinichen (1683-1729): Lamentationes, Passionsmusik

Johann David Heinichen (1683-1729): Lamentationes, Passionsmusik

Biber, Fasch e Heinichen, Biber, Fasch e Heinichen. Talvez estes sejam os compositores barrocos que mais subiram no conceito deste que vos escreve nos últimos anos. A música vocal de Heinichen não me pareceu tão boa quanto a instrumental, mas mesmo assim estes discos deste desconhecido são digníssimos de serem conhecidos pelos pequepianos. Heinichen foi não só um contemporâneo de Bach, como também ambos circulavam no mesmo ambiente. O principal interesse deste CD duplo, é o oratório Nicht das Band, das dich bestricket, que foi estreada em Dresden no domingo mesmo de 1724 em que Bach estreava sua Paixão de São João, em Leipzig. Um grande dia, sem dúvida. O oratório é tão bom quanto alguns de Telemann ou até mesmo quanto algumas obras sacras menores de Bach.

Johann David Heinichen (1683-1729): Lamentationes, Passionsmusik

Disc: 1
1. Lamentationes Jeremiae prophetae: Lamentatio I: Incipit lamentatio Jeremiae (Seibel 71)
2. Lamentationes Jeremiae prophetae: Lamentatio II: Vau. Et egressus est (Seibel 72)
3. Lamentationes Jeremiae prophetae: Lamentatio III: Jod. Manum suam misit hostis (Seibel 73)

4. Beatus Vir: Beatus vir (Seibel 26)

5. Alma mater redemptoris: Alma mater redemptoris (Seibel 22: 1726)

6. Nisi Dominus aedificaverit: Nisi Dominus aedificaverit (Seibel 99: 1723)

7. De Profundis: De profundis (Seibel 35)

Disc: 2
1. Nicht das Band, das dich bestricket (Oratorio tedesco al sepolcro santo): 1. Aria : Nicht das Band, das dich bestricket
2. Nicht das Band, das dich bestricket: 2. Recitativo : So schleppt man dich zum richthaus fort
3. Nicht das Band, das dich bestricket: 3. Coro : Kommt, Schauet Petrus’ Tranen an
4. Nicht das Band, das dich bestricket: 4. Recitativo : Ruchloser Geist. verraterischer Sinn
5. Nicht das Band, das dich bestricket: 5. Aria : Ach mein Mund, ach meine Zunge
6. Nicht das Band, das dich bestricket: 6. Recitativo Was nutzt mir’s nun , dass ich so rein an fussen
7. Nicht das Band, das dich bestricket: 7. Aria Mein Herze, quille Blut
8. Nicht das Band, das dich bestricket: 8. Recitativo : O weh! Die ganze Schar schnaubt voller Grimm
9. Nicht das Band, das dich bestricket: 9. Aria : Die Sporne, die meinen Erloser durchstechen
10. Nicht das Band, das dich bestricket: 10. Recitativo : Jetzt lozen sie dich auf
11. Nicht das Band, das dich bestricket: 11. Aria : Der Abgrund muss erzittern
12. Nicht das Band, das dich bestricket: 12. Recitativo : So leidet selbst die Unschuld so viel Qualen
13. Nicht das Band, das dich bestricket: 13. Coro : Ich wunsche mir, Jesu, dir einzig zum ruhme

14. Warum toben die Heiden: Warum toben die Heiden (Seibel 39: 1715)

15. Pastorale A-dur In A Major: Pastorale A-dur (Seibel 242)

Musica Antiqua Koln
Reinhard Goebel

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Heinichen: eu simpatizei
Heinichen: eu simpatizei

PQP

Bella Terra: Arianna Savall, canto y arpa

capaBella Terra

Arianna Savall
Dimitris Psonis
Pedro Estevan
JulioAndrade

2002

Música sefardita tradicional

Na internet, o significado da palavra ‘sefardita’ é: Sefarditas (em hebraico ספרדים, sefardi; no plural, sefardim) é o termo usado para referir aos descendentes de judeus originários de Portugal e Espanha. A palavra tem origem na denominação hebraica para designar a Península Ibérica (Sefarad, ספרד ). Utilizam a língua sefardi, também chamada judeu-espanhol e “ladino”, como língua litúrgica.

Arianna Savall, filha de Montserrat Figueras e Jordi Savall, herdou os dons musicais de seus pais. Exímia harpista, cantora, compositora e poetisa, espalha harmoniosamente sua voz de soprano neste belo e interessante album.

Além de interpretarem algumas músicas sefarditas tradicionais, Arianna e seu grupo cantam e tocam antigas poesias sefarditas, graciosamente musicadas por Arianna. E, como acontece quando ouvimos música antiga em gravações recentes, muitos instrumentos musicais desconhecidos do grande público são utilizados nesta gravação, tais como: saz, buzuki, oud, bendir, palos de agua, caxixi.

Curiosamente, o encarte informa que o caxixi utilizado é um instrumento tradicional brasileiro, feito em Sao Paulo, Brasil, em 1993, e que o palos de agua é um tradicional instrumento brasileiro, do ‘Matogroso’. Devem ter sido adquiridos em uma das inúmeras apresentações que Arianna Savall fez no Brasil.

Bella Terra – Arianna Savall
Text: Miquel Martí i Pol (España, 1929-2003); Music: Arianna Savall
01. L’Amor
Text: Anónimo Sefardí; Music: Arianna Savall
02. Yo m’enamori d’un aire
Text: Joan Salvat-Papasseit (Barcelona, 1894-1924); Music: Arianna Savall
03. Dóna’m la mà
04. Mester d’amor
Text: Popular catalana; Adjustments: Arianna Savall
05. El mariner
Text: Antonio Machado (Sevilla, 1875-França, 1939); Music: Arianna Savall
06. El viaje
Text: Tomàs Garcés (Barcelona, 1901-1993); Music: Arianna Savall
07. Els ulls
Text: Omar Jayyam, Robaiyyat, Persia S. XII; Adjustments: Arianna Savall
08. Apreciemos el instante
Cantar de los Cantares; Music: Arianna Savall
09. Yo soy de mi amado
Text: Josep Carner (España, 1884-Bruselas, 1970;) Music: Arianna Savall
10. Aquest cami tan fi
Text: Salvador Espriu (Santa Coloma de Farners, España, 1912-Barcelona, 1985); Music: Arianna Savall
11. Per a ser cantada en la meva nit
Text: Miquel Martí i Pol (España, 1929-2003); Music: Arianna Savall
12. Hi ha un remoli

Bella Terra – 2003
Arianna Savall

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 314 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 158 MB

Material gentilmente enviado por nosso ouvinte Mário. Obrigado! Não tem preço !!

powered by iTunes 12.7.2 | 1 h 01 min

Boa audição.

Avicenna

 

Georg Friedrich Händel (1685-1759): Integral das Suítes para Teclado

Georg Friedrich Händel (1685-1759): Integral das Suítes para Teclado

IM-PER-DÍ-VEL !!!

333 anos de Händel!

Georg Friedrich Händel (Halle an der Saale, 23 de fevereiro de 1685 — Londres, 14 de abril de 1759)

Vamos começar falando GROSSO: este CD triplo é IM-PER-DÍ-VEL !!!!. Ouvir este CD da talentosíssima pianista alemã Ragna Schirmer (1972) é como pegar uma pedra do chão e atirá-la contra o muro onde está escrito que Händel era um compositor estritamente vocal. Apesar do muro permanecer sólido, vemos cair boa parte do reboco.

As obras de Handel para teclado solo receberam a enorme sombra da inatingível produção de meu pai e são raramente ouvidas. É uma pena, porque há muita música do caralho nestas obras. Frau Schirmer interpreta-as num piano moderno e produz, aparentemente sem esforço, performances da maior elegancia e sensibilidade. São três horas e meia de uma música onde não se encontra um momento chato. A clareza da pianista é algo de deixar encantado o mais exigente dos pequepianos.

Altamente recomendado aos numerosos amantes do barroco de nosso blog!

(Comparar esta versão com a interpretação medíocre de Scott Ross é proibido, tá?)

Georg Friedrich Händel (1685 – 1759): Integral das Suítes para Teclado

CD 1:
Suite for keyboard, Vol.2, No.1 in B flat major, HWV 434
1) Prélude
2) Sonata. Allegro
3) Aria con variazioni

Suite for keyboard, Vol.2, No.3 in D minor, HWV 436
4) Allemande
5) Allegro
6) Air. Lentement
7) Gigue
8. Menuett

Suite for keyboard, Vol.2, No.8 in G major, HWV 441
9) Allemande Listen
10) Allegro
11) Courante
12) Aria. Presto
13) Menuett
14) Gavotte – Double
15) Gigue

Suite for keyboard, Vol.1, No.3 in D minor, HWV 428
16) Prélude
17) Allegro
18) Allemande
19) Courante
20) Air
21) Double
22) Presto

23) Chaconne for harpsichord in G major, HWV 435

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 2:
Suite for keyboard, Vol.1, No.2 in F major, HWV 427
1) Adagio
2) Allegro
3) Adagio
4) Allegro

Suite for keyboard, Vol.2, No.4 in D minor, HWV 437
5) Prélude
6) Allemande
7) Courante
8. Sarabande
9) Gigue

Suite for keyboard, Vol.2, No.6 in G minor, HWV 439
10) Allemande
11) Courante
12) Menuett (HWV 434/4)
13) Gigue

Suite for keyboard, Vol.2, No.5 in E minor, HWV 438
14) Allemande
15) Sarabande
16) Gigue

Suite for keyboard, Vol.1, No.5 in E major (‘The Harmonious Blacksmith’), HWV 430
17) Prélude
18) Allemande
19) Courante
20) Air – Double

Suite for keyboard, Vol.1, No.8 in F minor, HWV 433
21) Prélude. Adagio Listen
22) Allegro
23) Allemande
24) Courante
25) Gigue

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD 3:
1. Suite for keyboard, Vol.1, No.1 in A major, HWV 426
1) Prélude
2) Allemande
3) Courante
4) Gigue

Suite for keyboard, Vol.1, No.6 in F sharp minor, HWV 431
5) Prélude
6) Largo
7) Allegro
8. Gigue. Presto

Suite for keyboard, Vol.1, No.4 in E minor, HWV 429
9) Allegro
10) Allemande
11) Courante
12) Sarabande
13) Gigue

Suite for keyboard, Vol.2, No.7 in B flat major, HWV 440
14) Allemande
15) Courante
16) Sarabande
17) Gigue

Suite for keyboard, Vol.1, No.7 in G minor, HWV 432
18) Ouverture. Largo
19) Andante
20) Allegro
21) Sarabande
22) Gigue
23) Passacaille

Ragna Schirmer, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ragna Schirmer: aula de Händel
Ragna Schirmer: aula de Händel

PQP

Miguel de Cervantes – Don Quijote de la Mancha, Romances y Músicas – Jordi Savall

001_front

Montserrat Figueras

Hespèrion XXI

La Capella Reial de Catalunya

Jordi Savall, director

2005

Don Quixote é uma obra musical que narra as batalhas do romance de Miguel de Cervantes. 

A ideia original, seleção dos textos e versões musicais ficaram a cargo de Jordi Savall e a dramaturgia e adaptação dos textos, a cargo de Manuel Forcano. Esta obra musical demandou dos autores um estudo intensivo e profundo e certamente deverá demandar dos ouvintes mais atentos uma elaboração não menos estudada.

“Retocar, adaptar e amarrar em alguns parágrafos antes de cada melodia a maravilhosa abundância de palavras que compõem Dom Quixote não foi fácil. Nós abordamos esse texto já clássico e imponente com a mesma reverência que os antigos se aproximaram das estátuas dos deuses: com medo de profetizá-lo, com medo de manchá-lo, pânico que cada modificação poderia perder a aura de autoridade tão merecidamente adquirido desde a sua publicação em 1605. “

[…] Estes discos são um convite para descobrir o tesouro musical desta grande obra literária. O rastro de textos e peças musicais é o mapa que indica passo a passo o caminho que há para viajar para a cofre aberto e transbordando de riquezas. “(Manuel Forcano)

Palhinha: ouça o ‘trailer’:

 

PRIMERA PARTE
I – Yo soy la locura – Capitulo I
01. Fanfarra (instrumental)
02. Recitado: En un lugar de la Mancha…
03. La Folia: Yo soy la locura
II – Primeras Andanzas – Capitulo II
04. Cuatro diferencias sobre las vacas
05. Romance de Moriana: Con pavor recordo el moro
06. Recitado: Estaban en la puerta dos mujeres…
07. Romance viejo de Lanzarote: Nunca fuera caballero
III – Primeros Entuertos – Capitulos IV a V
08. Recitado: A la vista de unos mercaderes…
09. Recitado: Un mozo de mulas
10. Sospirastes Valdovinos
11. Recitado: Ese labrador procuro…
12. Romance de Abindarraez: Al campo sale…
IV – Arde la Biblioteca – Capitulos V e VI
13. Diferencias sobre guardame las vacas – Recitado: Entraron el ama…
14. Romance de Don Beltron: Los Doce Pares…
15. Recitado: Por tomar muchos juntos…
16. Adoramus te Domine (organo) – Tirant lo Blanc: Oh, sacratissima Trinitat…
V – Por Los Montes Y Selvas – Capitulo XI
17. Recitado: Cenaron Don Quijote y Sancho…
18. Antonio: Cancion para Olalla
VI – Alli Sosegados a la Sombra – Capitulo XXVII
19. Recitado: Estando, pues, el cura y el barbero alli…
20. Canción pastoril: Quien menoscaba mis bienes?
21. Recitado: La hora, el tiempo, la soledad…
22.Soneto: Santa amistad que con ligeras alas
VII – Una Voz Canta y Encanta – Capitulos XLII a XLIII
23. Recitado: Como ya la noche iba…
24. Canción: Marinero soy de amor

SEGUNDA PARTE
I – Llegada al Toboso – Capitulo IX
25. Recitado: Media noche era por filo…
26. Romance del Conde Claros: Media noche…
27. Pavana I (arpa)
28. Recitado: Estando los dos en estas platicas…
29. Romance de Guarinos: Mala la hubistes…
30. Recitado: Si oigo -respondio Sancho-…
31. Romance de Calainos: Ya cabalga…
II – Romances Vivos – Capitulos XXIII a XXVI
32. Recitado: Las cuatro de la tarde serian…
33. Romance del Llanto de Belerma por Durandarte: Sobre el coracon difunto
34. Romanesca I (arpa) – Recitado: Asistieron don Quijote y Sancho Panza…
35. Romance de Don Gayferos: Si d amor…
III – Las Cuitas de Duena Dolorida – Capitulo XXXVIII
36. Recitado: Detras de los tristes musicos…
37. Villancico: De la dulce mi enemiga
38. Recitado: Y de este mismo jaez…
39. Seguidillas en eco: De tu vista celoso
IV – Altisidora – Capitulos XLIV a XLVI
40. Recitado: Don Quijote mato las velas…
41. Romance de Altisidora: Oh tu que estas…
42. Recitado: Llegadas las once horas de la noche…
43. Romance: Suelen las fuerzas de amor
44. Gallarda – Recitado: Ya le parecio a don Quijote…
45. Lamento de Altisidora: Escucha mal caballero…
V – En la Entrada de Barcelona – Capitulos LXI a LXII
46. Conde Claros – Recitado: En fin, por caminos desusados…
47. El Villano (instrumental)
48. Recitado: Llego la noche…
49. Un sarao de la Chacona (Danza cantada)
VI – En la Arcadia – Capitulos LXVII a LXIX
50. Recitado: Era la noche algo escura…
51. Canción: Amor, cuando yo pienso
52. Recitado: En esto comenzo a salir…
53. Canción: En tanto que en si vuelve…
VII – Morir Cuerdo y Vivir Loco – Capitulo LXXIV
54. Circundederum me (organo) – Recitado: Como las cosas humanas no sean eternas…
55. Requiem: Lacrimosa dies illa
56. Epitafio: Yace aqui el hidalgo fuerte…
57. Requiem: Pie Jesu Domine

Miguel de Cervantes – Don Quijote de la Mancha – Romances y Musicas – 2005
Montserrat Figueras
Hespèrion XXI
La Capella Reial de Catalunya
Jordi Savall, director

CD1
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE 
XLD RIP | FLAC 681 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 415 MB

CD2
BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 690 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 419 MB

Material gentilmente enviado por nosso ouvinte Mário. Não tem preço !!

powered by iTunes 12.7.2 | 2 h 34 min

Boa audição.

Avicenna

Giovanni Battista Sammartini (1700-1775) e Giuseppe Sammartini (1695-1750): Concerti & Sinfonie

Giovanni Battista Sammartini (1700-1775) e Giuseppe Sammartini (1695-1750): Concerti & Sinfonie

Giovanni Battista e Giuseppe Sammartini não foram uma dupla caipira, nem algo como Simon e Garfunkel. Mas eram irmãos como Sandi e Junior — passei quase uma década pensando que S & J eram uma só pessoa chamada Sandy Junior, acho que até hoje nunca os ouvi, vi apenas fotos. Bem, Giovanni Battista Sammartini foi um violinista e compositor italiano do maravilhoso período de entre o barroco e o clássico. Não deve ser confundido com seu irmão Giuseppe, oboísta e igualmente compositor. GB foi professor de Gluck e era muito considerado pelos compositores mais jovens, incluindo Johann Christian Bach. Também pode ser observado que muitas estilizações em composições de Haydn e Mozart são semelhantes às dos Sammartini, embora não se possa falar em influência. A dupla milanesa era muito menor. GB viajou muito mas nunca se afastou muito de Milão. Já seu irmão foi muito mais longe, ao menos geograficamente. Mudou-se para Londres com seu irmão Giovanni Battista Sammartini, mas este voltou logo para Milão. Já Giuseppe ficou em Londres ocupando o cargo de oboísta na Orquestra da Ópera a partir de 1727. Ele morreu em Londres em 1750. Seu irmão morreu na Itália. O bom do disco é a orquestra. Que maravilha é o Ensemble 415 de Chiara Banchini!

G.B. Sammartini & G. Sammartini – Concerti & Sinfonie

1 G.B. Sammartini– Sinfonia En Sol Majeur 9:54
2 G. Sammartini — Concerto Pour Flûte À Bec En Fa Majeur 12:20
3 G.B. Sammartini — Sinfonia En Ré Majeur 6:00

4 G. Sammartini — Concerto Grosso Nº 6 En Mi Mineur 8:01
5 G.B. Sammartini — Quintetto Nº 3 En Sol Majeur 15:43
6 G. Sammartini — Concerto Grosso Nº8 En Sol Mineur 10:30

Soloist [flúte á bec] – Conrad Steinmann
Ensemble 415
Chiara Banchini

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Chiara Banchini: competência num repertório raro
Chiara Banchini: competência num repertório raro

PQP

.: interlúdio :. Standards, Vol. 1 e 2 — Keith Jarrett, Gary Peacock e Jack DeJohnette

.: interlúdio :. Standards, Vol. 1 e 2 — Keith Jarrett, Gary Peacock e Jack DeJohnette

NOVO LINK !!! POSTAGEM DE 2012 !!!

Então vocês pensavam que iam ficar livres de fazer downloads? Nada disso! Recebemos o golpe do MegaUpload, perdemos muitos links de uma só vez e seguimos. Já sei que receberemos muitos pedidos de revalidações de links, essas coisas. Bem, digo com todo o respeito, fodam-se. Se você não comprou aquele HD externo e guardou tudo, só lamento. Por sorte, as minhas postagens permanecem pelo fato de eu usar sempre o detestado, bom e velho Rapidshare. Pura sorte, pois não creio que a Suíça seja menos subserviente aos EUA do que a Nova Zelândia. Ah, já leram isso?

Keith Jarrett, Gary Peacock e Jack DeJohnette. Não preciso apresentar ninguém. O CD começa com uma faixa chamada Meaning of the Blues… Olha, numa boa, I Felt in Love Too Easily.

Standards, Vol. 1 e 2

CD 1

1. Meaning of the Blues
2. All the Things You Are
3. It Never Entered My Mind
4. The Masquerade Is Over
5. God Bless the Child

CD 2

1. So Tender
2. Moon and Sand
3. In Love in Vain
4. Never Let Me Go
5. If I Should Lose You
6. I Fall in Love Too Easily

Keith Jarrett, piano
Gary Peacock, baixo
Jack DeJohnette, bateria

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Jarrett regendo com as sobrancelhas.
Jarrett regendo com as sobrancelhas.

PQP

Johannes Brahms (1833-1897): Sonata Op. 5 / Intermezzo / Capriccio / 5 Danças Húngaras

Johannes Brahms (1833-1897): Sonata Op. 5 / Intermezzo / Capriccio / 5 Danças Húngaras

Não se pode dizer que Brahms tenha sido um compositor precoce como Mendelssohn, mas, quando apareceu, chegou pronto. Sua Sonata Op. 5 é algo como escrever Os Buddenbrook aos 25 anos. Ela é a peça central deste CD, composta quando Johannes tinha 20 anos de idade. Tem 38 minutos, é um grande trabalho em cinco movimentos, sinfônico em complexidade e formato. O virtuosismo de Kissin é enorme, mas acho que ele perde para a velha versão de Radu Lupu. Kissin exagera nos sussurros românticos em nossos ouvidos. As duas peças da Op. 76 –compostas 22 anos após a sonata — expressam sabor popular e um anseios sentimentais, respectivamente. Já as cinco breves Danças Húngaras todo mundo conhece.

Johannes Brahms (1833-1897): Sonata Op. 5 / Intermezzo / Capriccio / 5 Danças Húngaras

Sonata, Op. 5 In F Minor
1 I Allegro Maestro 9:53
2 II Andante Espressivo 12:29
3 III Scherzo: Allegro Energico 4:30
3 IV Intermezzo: Andante molto 3:48
5 V Finale: Allegro Moderato Ma Rubato 6:47

6 Intermezzo, Op.76 No.7, In A Minor 3:25

7 Capriccio, Op. 76 No.2, In B Minor 3:10

Five Hungarian Dances
8 No. 1 In G Minor 2:36
9 No. 3 In F 2:02
10 No. 2 In D Minor 2:39
11 No. 7 In F 1:32
12 No. 6 In D-flat 2:50

Piano – Yevgeny Kissin

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Kissin olhando o som do seu piano.
Kissin olhando o som do seu piano.

PQP

Heinrich Schütz (1585-1672): Geistliche Chormusik – Motets

Heinrich Schütz (1585-1672): Geistliche Chormusik – Motets

IM-PER-DÍ-VEL !!!

(Principalmente para quem deseja conhecer o barroco). Philippe Herreweghe e seu Collegium Vocale fazem um belíssimo trabalho neste CD. Jamais dê importância a uma História da Música que não diga que os mais maiores compositores que morreram antes de Bach não foram Monteverdi e Schütz. É o que penso. A música de Schütz — o compositor tinha uma bela voz e tal fato lhe deu a porta de entrada para a música — é de principalmente de caráter religioso (era inevitável na época) e de grande capacidade de expressão emocional. Escrevia para grandes grupos tão bem quanto para os reduzidos, e suas Paixões, para pequenos conjuntos, talvez estejam entre suas obras mais impressionantes. A influência da arte musical italiana está em toda sua obra, embora a tenha adaptado de uma forma altamente pessoal. Foi um mestre no estilo concertato, no contraponto e na oratório musical, com uma maravilhosa capacidade de interpretação expressiva dos textos num ritmo coerente com a prosódia e ao mesmo tempo desenhando as linhas vocais em melodias da mais alta musicalidade. Foi um dos primeiros grandes compositores alemães a se dedicar ao oratório, destacando-se História da RessurreiçãoSete Palavras de Jesus na Cruz, e História do nascimento de Jesus Cristo Nosso Senhor (oratório de Natal). Os Salmos de David, as Symphoniae Sacrae e as Cantiones Sacrae também são obras-primas do gênero. Embora sua imensa produção — a maioria sacra — fosse fortemente influenciada pelos estilos italianos, suas obras dramáticas corais, inspiradas pelos ideais de Lutero, puseram a música alemã no mapa. Schütz gozou de vida longa e frutífera, apesar da morte precoce de sua mulher e filho.

Heinrich Schütz (1585-1672): Geistliche Chormusik – Motets

1 Herr, Auf Dich Traue Ich 3:12
2 O Lieber Herre Gott 3:13
3 Schaffe In Mir, Gott, Eine Reines Herz 2:52
4 Die Mit Tränen Säen 3:56
5 Der Herr Schauet von Himmel 2:33
6 Wann Unsre Augen Schlafen Ein 2:47
7 Eile, Mich, Gott, Zu Erretten 3:39
8 So Fahr Ich Hin Zu Jesu Christ 3:09
9 Die Himmel Erzählen Die Ehre Gottes 4:03
10 Unser Wandel Ist Im Himmel 3:34
11 Ich Bin Eine Rufende Stimme 4:03
12 O Süsser, O Freundlicher 4:23
13 Herzlich Lieb Und Schlafe 5:56
14 Ich Liege Und Schlafe 3:06
15 Selig Sind Die Toten 4:33
16 Das Ist Je Gewisslich Wahr 4:21

Bass Vocals – Peter Kooij
Soprano Vocals – Agnès Mellon
Tenor Vocals – Mark Padmore
Collegium Vocale
Philippe Herreweghe

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Heinrich Schütz: essa cara...
Heinrich Schütz: essa cara… Não sei vocês, mas eu receitaria um antidepressivo.

PQP

El Barroco Español – Hespèrion XX – Jordi Savall – 1978

El Barroco EspanolMontserrat Figueras

Jordi Savall

Ton Koopman

Hespèrion XX

1978

Gravado em 1978, este album registra a primeira gravação que Montserrat Figueras e Jordi Savall fizeram juntos.
 
Diz a Wikipedia: 
 
Música profana de cámara en el siglo XVII: los tonos humanos

Diversas publicaciones impresas y, sobre todo, recopilaciones manuscritas (cancioneros, como el de la Sablonara) recogen un gran número de tonos humanos (canciones profanas) de la primera mitad del XVII, bien en forma de villancico (con estribillo y coplas) o bien de romance, estrófico. Escritos para entre dos y cuatro voces, dan testimonio de una tradición improvisatoria que permitía armonizar (voces y, sobre todo, acompañamiento instrumental con guitarra o arpa) sobre melodías conocidas.

El género, bajo la denominación de tono humano o de tonada, adoptó textos de los mejores poetas del momento, y en la segunda mitad del siglo, ya como canción a solo con acompañamiento (equiparable al bajo continuo) desde la corte madrileña se difundió por las cortes europeas y la América española. Cabe citar a Juan Hidalgo, José Marín y Sebastián Durón entre sus autores.

TONOS HUMANOS A SOLO CON INSTRUMENTOS
De Milanes (siglo XVII)
01. Dexa la aljava
Jose Marin (España, 1619 – 1699)
02. Aquella Sierra Nevada
Juan Hidalgo (Madrid, 1614 – 1685)
03. Peyandose Estaba Un Olmo
Antonio Martin Y Coll (España, 2ª mitad del siglo XVII)
04. Diferencias Sobre Las Folias (instr.)
05. La Chacona (instr.)
06. Canarios (instr.)

TONOS HUMANOS
Juan Hidalgo (Madrid, 1614 – 1685)
07. Atiénde y da
08. Ay Corazón Amante

SOLO HUMANO
Sebastian Durón (España, 1660 – 1716)
09. Sosieguen, Descansen (de la zarzuela ‘Salir El AMor Del Mundo’)
Juan Cabanilles (España, 1644 – 1712)
10. Toccata (instr.)
11. Gallarda (instr.)

TONOS HUMANOS A SOLO
Juan Hidalgo (Madrid, 1614 – 1685)
12. Con tanto Respecto
Juan del Vado (2ª. mitad del siglo XVII)
13. No Te Embarques
Juan Hidalgo (Madrid, 1614 – 1685)
14. Ay Que Me Rio De Amor

El Barroco Español – 1978
Hespèrion XX
Jordi Savall, dir.

Montserrat Figueras (Chant)
Jordi Savall (Viola da gamba)
Ton Koopman (Harpsichord)
Christophe Coin (Bass de Violon)
Hopkinson Smith (Guitarra & Tiorba)

Arquivo gentilmente cedido pelo nosso leitor Mario. Não tem preço!

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC 220 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 320 kbps – 101 MB

powered by iTunes 12.7.2 | 47 min

Boa audição.

Avicenna

Aram Khachaturian (1903-1978): Sinfonia Nº 2 / 4 Danças de Gayaneh

Aram Khachaturian (1903-1978): Sinfonia Nº 2 / 4 Danças de Gayaneh

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Aram Khachaturian não era dono de uma arte discreta. Sua música é esparramada e barulhenta, mas não pensem que não possa ser boa e sutil. Contemporâneo de Shostakovich e Prokofiev, ele, porém, é muito mais “étnico” do que os outros dois. Sua música nunca deixou a região onde nasceu. Os compositores têm uma capacidade única de refletir a história, as tradições, as dores e os momentos alegres de seus povos em sua música. No entanto, apenas alguns deles ganham reconhecimento mundial. Khachaturian foi um destes. A Sinfonia Nº 2 talvez seja a menos luminosa — tanto em humor como em colorido orquestral — de suas sinfonias. Não é para menos: ela foi escrita em 1943, no meio da Segunda Guerra Mundial. É música para ser ouvida com o som bem alto. Neeme Järvi é um mestre neste tipo de repertório. E dá um show na agitação das quatro peças do balé Gayaneh. É para tirar o fôlego. O Ministério da Saúde adverte: se você inventar de dançar Gayaneh em casa, antes afaste tudo de seu caminho. Senão, pode acabar em despesa.

Aram Khachaturian (1903-1978): Sinfonia Nº 2 / Gayaneh

1. Symphony No. 2 (Original Version): I Andante Maestoso
2. Symphony No. 2 (Original Version): II Allegro Risoluto
3. Symphony No. 2 (Original Version): III Andante Sostenuto
4. Symphony No. 2 (Original Version): IV Andante mosso – Allegro Sostenuto

5. Gayaneh: Four Movements From Ballet Suite No. 1: 1 Sabre Dance
6. Gayaneh: Four Movements From Ballet Suite No. 1: 3 Dance Of The Rose Maidens
7. Gayaneh: Four Movements From Ballet Suite No. 1: 5 Lullaby
8. Gayaneh: Four Movements From Ballet Suite No. 1: 8 Lezghinka

Royal Scottish National Orchestra
Neeme Järvi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Khachaturian: o campeão da Armênia é o Nº 3 da URSS
Khachaturian vendo o Jornal Nacional sem entender nada

PQP

Ludwig van Beethoven (1770-1827) – Beethoven Complete Masterpieces – Cds 19 e 20 de 60 – Cello Sonatas – Bilsma, Immerseel

81qUOSQaXZL._SL1500_As sonatas para violoncelo e piano de Beethoven estão em muito boas mãos nestes dois cds da coleção ‘Beethoven Complete Masterpieces’ da Sony. Bylsma é um grande músico, e Immerseel idem. São dois especialistas em música do barroco e do período Clássico. Estes dois CDs faziam parte da ótima coleção Vivarte da Sony, de onde de vez em quando trazemos alguma gravação.
Rostropovich / Richter fizeram um registro histórico destas obras, já postamos por aqui, só não sei se os links ainda estão ativos. Mas ouçam o violoncelo de Bylsma e me digam se não é um grande instrumentista. Já trouxe gravações de Immerseel tocando Mozart em um pianoforte, sua especialidade, e tive bons números de downloads quando postei. Espero que aconteça o mesmo por aqui.

CD 19
01. Violoncello Sonata Op.69 in A Major – Allegro ma non tanto
02. Violoncello Sonata Op.69 in A Major – Scherzo. Allegro molto
03. Violoncello Sonata Op.69 in A Major – Adagio cantabile
04. Violoncello Sonata Op.69 in A Major – Allegro vivace
05. Violoncello Sonata Op.5 No.1 in F Major – Adagio sostenuto
06. Violoncello Sonata Op.5 No.1 in F Major – Allegro
07. Violoncello Sonata Op.5 No.1 in F Major – Rondo. Allegro vivace
08. Violoncello Sonata Op.5 No.2 in G Minor – Adagio sostenuto e espressivo
09. Violoncello Sonata Op.5 No.2 in G Minor – Allegro molto piu tosto presto
10. Violoncello Sonata Op.5 No.2 in G Minor – Rondo. Allegro

CD 20

01. Violoncello Sonata Op.102 No.1 in C Major – Andante
02. Violoncello Sonata Op.102 No.1 in C Major – Allegro vivace
03. Violoncello Sonata Op.102 No.1 in C Major – Adagio – Tempo d’Andante
04. Violoncello Sonata Op.102 No.1 in C Major – Allegro vivace
05. Violoncello Sonata Op.102 No.2 in D Major – Allegro con brio
06. Violoncello Sonata Op.102 No.2 – Adagio con molto sentimento d’affetto
07. Violoncello Sonata Op.102 No.2 in D Major – Allegro fugato
08. Variations on ‘Die Zauberflote’ for Piano and Violoncello Op.66 in F Major

Anner Bylsma – Cello
Jos van Immerseel – Piano

CD 19 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 20 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

G. F. Händel (1685-1759) : Opera Seria (Árias)

G. F. Händel (1685-1759) : Opera Seria (Árias)

O que existe de CDs com árias de Händel poderia pavimentar o chão de todo o andar onde me encontro e ainda sobraria alguma coisa para as reformas. Cada bom cantor ou cantora lírica tem o seu, quase sempre acompanhado de excelentes orquestras historicamente informadas. E, caramba, é o caso deste! Só que as escolhas da francesa Piau e de Christophe Rousset estão muito acima do normal. É claro que as interpretações de ambos também. Fugindo das óbvias árias habituais, Piau dá um banho de talento. É uma especialista em música barroca que colaborou com Koopman na integral de Cantatas e Paixões de Bach. Imaginem que entrou no Conservatório de Paris para tocar harpa… Então, por puro acaso, William Christie ouviu-a cantarolando e…

G. F. Händel (1685-1759) : Opera Seria (Árias)

01. Scoglio d’immota fronte (Scipione), 4:57.69
02. Verdi piante (Orlando), 6:19.44
03. Che sento..Oh Dio! (Giulio Cesare), 1:07.02
04. Se pieta (Giulio Cesare), 7:43.25
05. L’amor ed il destin (Partenope), 2:59.43
06. Ah spietato (Amadigi), 5:25.25
07. Brilla nell’alma (Alessandro), 5:20.14
08. Ombre piante (Rodelinda), 5:45.51
09. Combattuta da due venti (Faramondo), 5:54.74
10. Cor di padre (Tamerlano), 8:16.41
11. M’ai resa infelice (Deidamia), 3:52.28
12. Son qual stanco (Arianna in Creta), 9:24.73

Sandrine Piau, soprano
Les Talens Lyriques
Christophe Rousset

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Piau: cabelos curtos, Handel muito acima da média
Piau: cabelos curtos, Händel muito acima da média

PQP

Edvard Grieg (1843-1907): Peer Gynt, Op. 23 e Sigurd Jorsalfar, Op. 22

Edvard Grieg (1843-1907): Peer Gynt, Op. 23 e Sigurd Jorsalfar, Op. 22

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este post está sendo realizado graças à solidariedade do FDP, que me ofereceu a possibilidade de ter acesso a este monumental CD duplo. A princípio gostaria de dizer que sou apaixonado pela obra incidental Peer Gynt de Grieg. Ela é de uma beleza triste, agreste. Todas as vezes que a escuto fico com a sensação de que fui atropelado por uma tropa de anjos tristes. Sensações à parte, Peer Gynt, baseado numa obra de Henrik Ibsen, é uma obra extraordinária. É uma sátira sobre a fraqueza humana. O protagonista, um aventureiro atrevido, arrogante e sonhador, possui uma fértil imaginação para dizer mentiras. Porém, Ibsen não quis mostrá-lo como alguém pérfido mas sim contraditório, com um misto de força e debilidade, ao mesmo tempo rude e carinhoso. Para alguns, a personagem representa a Noruega, que à época procurava definir a sua personalidade enquanto nação — apesar de estar unida à Suécia, o povo ambicionava a independência. Peer Gynt pode também ser visto como uma alegoria poética do ser humano, uma trajetória de vida em que um homem percorre o seu caminho desde o berço até o túmulo, empreendendo uma aprendizagem acerca de si próprio jamais concluída.

Edvard Grieg (1843-1907) – Peer Gynt, Op. 23 e Sigurd Jorsalfar, Op. 22

Peer Gynt, Op. 23 (*)

DISCO 1

01 – Im Hochzeitshof
02 – Halling
03 – Springar
04 – Der Brautraub-Ingrids Klage
05 – Peer Gynt und die Säterinnen
06 – Peer Gynt und die Grüngekleidete
07 – Am Reitzeug erkennt man die fürnehmen Leute
08 – In der Halle des Bergkönigs
09 – Tanz der Bergkönigstochter
10 – Peer Gynt von Trollen gejagt
11 – Peer Gynt und der Krumme
12 – Ases Tod
13 – Vorspiel zu Akt III
14 – Morgenstimmung
15 – Dieb und Hehler
16 – Arabischer Tanz
17 – Anitras Tanz
18 – Peer Gynts Serenade
19 – Peer Gynt und Anitra

DISCO 2

01 – Solveigs Lied
02 – Peer Gynt vor der Memnonsäule
03 – Peer Gynts Heimkehr
04 – Der Schiffbruch
05 – Solveig singt in der Hütte
06 – Nachtszene
07 – Pfingstlied O Morgenstunde
08 – Solveigs Wiegenlied

(*) Música Incidental para o drama de Henrik Ibsen

Sigurd Jorsalfar, Op. 22 (**)

09 – Fanfaren
10 – Vorspiel zu Akt I
11 – Borghilds Traum
12 – In der Königshalle
13 – Das Nordlandvolk
14 – Huldigungsmarsch
15 – Zwischenspiel I
16 – Zwischenspiel II
17 – Königslied

(**) Música incidental para a obra de Bjornstjerne Bjornson

Göteborgs Symfoniker
Gösta Ohlin’s Vocal Ensemble

Pro Musica Chamber Choir

Neeme Järvi, regente
Barbara Bonney, soprano
Marianne Eklöf, mezzo-soprano
Urban Malmberg, barítono
Carl Gustaf Holmgren, barítono
Kjell Magnus Sandve, tenor

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Nove entre dez discos de Grieg trazem esta foto.
Nove entre dez discos de Grieg trazem esta foto.

Carlinus

Katia e Marielle Labèque – Sisters – CD 5 de 6 – Éric Alfred Leslie Satie (1866-1925) – 3 Gymnopédies, Trois morceaux en forme de poire, 3 Gnossiennes etc.

Katia & Marielle Labèque - Sisters (2016)O quinto CD das Irmãs Labèque é dedicado ao genial Erick Satie, compositor francês que revolucionou a escrita pianística já no final do século XIX, e inovou dando de certa forma origem ao movimento minimalista de compositores como Phillip Glass e John Cage.

Alguns acham essa música chata e repetitiva. Satie foi contemporâneo de Ravel e Debussy e exerceu forte influência sobre estes compositores. São peças curtas, muitas vezes com um minuto ou menos de duração, por isso a quantidade enorme de faixas que tem neste CD (39 ao todo).

1. Satie 3 Gymnopédies – No.1 Lent et douloureux
2. Satie 3 Gymnopédies – No.2 Lent et triste
3. Satie 3 Gymnopédies – No.3 Lent et grave
4. Satie Trois morceaux en forme de poire – Manière de commencement
5. Satie Trois morceaux en forme de poire – Prolongation du même. Au pas
6 Satie Trois morceaux en forme de poire – No.1 – Lentement
7. Satie Trois morceaux en forme de poire – No.2 – Enlevé
8. Satie Trois morceaux en forme de poire – No.3 – Brutal
9. Satie Trois morceaux en forme de poire – En plus
10. Satie Trois morceaux en forme de poire – Redite
11. Satie 3 Gnossiennes – No.1
12. Satie 3 Gnossiennes – No.2
13. Satie 3 Gnossiennes – No.3
14. Satie 6 Gnossiennes – No. 4
15. Satie 6 Gnossiennes – No. 5
16. Satie 6 Gnossiennes – No. 6
17. Satie Trois Petites Pièces montées – 1. De l’enfance de Pantagruel (Rêverie)
18. Satie Trois Petites Pièces montées – 2. Marche de Cocagne (Démarche)
19. Satie Trois Petites Pièces montées – 3. Jeux de Gargantua (Coin de Polka)
20. Satie Embryons desséchés – 2. D’Édriophtalma
21 Satie Avant-dernières pensées – 1. Idylle, à Debussy5.087. Satie Sports et Divertissements – Choral inappétissant
22. Satie Sports et Divertissements – La chasse
23. Satie Sports et Divertissements – La comédie italienne
24. Satie Sports et Divertissements – Le réveil de la mariée
25. Satie Sports et Divertissements – Colin-maillard
26. Satie Sports et Divertissements – La pêche
27. Satie Sports et Divertissements – Le yachting
28. Satie Sports et Divertissements – Le bain de mer
29. Satie Sports et Divertissements – Le carnaval
30. Satie Sports et Divertissements – Le golf
31. Satie Sports et Divertissements – La pieuvre5.099. Satie Sports et Divertissements – Les courses
32. Satie Sports et Divertissements – Les quatre-coins
33. Satie Sports et Divertissements – Le pique-nique
34. Satie Sports et Divertissements – Le water-chute
35. Satie Sports et Divertissements – Le tango perpétuel
36. Satie Sports et Divertissements – Le traîneau
37. Satie Sports et Divertissements – Le flirt
38. Satie Sports et Divertissements – Le feu d’artifice
39. Satie Sports et Divertissements – Le tennis5.108. Satie Véritables préludes flasques (pour un chien) – 1. Sévère réprimande

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Música Barroca Española – Montserrat Figueras com Jordi Savall e Ton Koopman (1975)

Música Barroca Española - Figueras y Savall (Das Alte Werk, 1975)

FATO RELEVANTE !

Uma alma bondosa da Espanha, “drivers66”, informa-nos que o presente LP foi digitalizado para CD em 1992 e, para completar a gentileza, ripou o CD e nos enviou os links. Repostamos, pois, o álbum com novos e excelentes links e com a faixa 6 completa. ¡Gracias!

Ao que tudo indica esta gravação, realizada em 22 e 23 de abril de 1975 e lançada pela Telefunken alemã, nunca foi relançada em CD – o que é espantoso, pois parece ter sido a primeira a chamar ampla atenção mundial para um certo casal de músicos catalães: Montserrat Figueras, soprano especializada em técnicas de canto anteriores ao bel canto padronizado dos 1700 e 1800, e Jordi Savall, violista da gamba que, como todos sabem, no início do século XXI estaria consagrado como um dos maiores regentes mundiais de música antiga. Em 1975 os dois estavam casados havia 7 anos – como permaneceriam até a morte de Montserrat em 2011, com 69 anos – e há um ano haviam fundado o Grupo Hespèrion XX (depois Hespèrion XXI).

Além do casal, participaram da gravação Janneke van der Meer ao violino, Pere Ros ao violone (espécie de contrabaixo), e ao cravo ninguém menos que Ton Koopman, que também viria a ser um dos mais respeitados regentes de música antiga do início do século XXI, além de renomado organista.

A esta altura vocês devem estar doidos para baixar e ouvir, portanto faço só mais uma observação: quem está acostumado a associar a palavra “barroco” a Vivaldi, Handel e J.S. Bach pode estranhar esta música e pensar que os espanhóis estavam barbaramente defasados em relação ao resto da Europa… Acontece que esse rótulo cobre um período bastante amplo – equivalente ao decorrido entre 1850 e 2000, pra terem ideia. Nesta analogia, a música deste disco teria sido toda composta até 1880, enquanto Bach ou Vivaldi estariam no auge da sua atividade por volta de 1980: um intervalozinho desprezível em que a música não mudou nada, como podem ver… Enfim: o barroco antigo deste disco ainda é quase renascença – e sendo assim atinge em cheio a sensibilidade deste arcaico monge que vos escreve.

Junto aos arquivos de áudio vocês encontrarão, em baixa e em alta definição (jpg e tiff), o escaneamento da capa e contracapa da edição brasileira do disco, e na contracapa um erudito texto de um certo Karl Ludwig Nikol sobre o repertório. Remeto os interessados ao arquivo Contra-capa.tiff para não sobrecarregar o texto aqui –

sobretudo porque ainda é preciso apresentar os créditos ao nosso grande e querido Avicenna, que foi quem resgatou magistralmente o som desta gravação do velho vinil em que se encontrava aprisionado. Só não conseguiu com os últimos 24 segundos da faixa A.6, irremediavelmente perdidos num defeito de fabricação do único exemplar desse LP a que tivemos acesso. Estou seguro de que vocês concordarão que a omissão desses 24 segundos é desprezível diante do valor do conjunto.

E, como diz Lope de Vega na faixa 2 (num dos pares de versos mais belos que já conheci):
               Já é tempo de recolher,
               soldados da minha memória!

MUSICA BARROCA ESPAÑOLA

  • 01 – Autor desconhecido (entre 1580 e 1650):
    O, que bien que baila Gil (romance de Lope de Vega – 1562-1630)
  • 02 – Autor desconhecido (1628):
    Ya es tiempo de recoger (romance de Lope de Vega – 1562-1630)
  • 03 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Canzona a due nº XIII
  • 04 – Mateo Romero (?-~1647):
    Romerico florido (folia a 2)
  • 05 – Mateo Romero (?-~1647):
    Hermosas y enojadas (romance a 3)
  • 06 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Corrente I y II a 2
  • 07 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Cuydado, pastor
  • 08 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Trompicávalas, amor
  • 09 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Fantasía sobre El Canto del Caballero (1638)
  • 10 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Crédito es de mi decoro
  • 11 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Tonante Diós! 
  • 12 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    De las luces que el mar (recitativo e solo de Minerva)
  • 13 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Canzona a due nº XI
  • 14 – Miguel Martí Valenciano (17..):
    Ay del amor
  • 15 – Juan de Navas (17..):
    La Rosa que reyna

Montserrat Figueras – soprano
Janneke van der Meer – violino
Jordi Savall – viola da gamba
Pere Ros – violone
Ton Koopman – cravo
Gravado em Amsterdã em 22 e 23/04/1975

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here – FLAC 234 MB

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here – MP3 109 MB

- Capa do CD editado em 1992.
– Capa do CD editado em 1992.

 

 

 

 

 

 

 

.

Texto e aquisição do vinil nos anos 70: Ranulfus
Engenharia de som: Avicenna drivers66