Música Barroca Española – Montserrat Figueras com Jordi Savall e Ton Koopman (1975)

Música Barroca Española - Figueras y Savall (Das Alte Werk, 1975)

FATO RELEVANTE !

Uma alma bondosa da Espanha, “drivers66”, informa-nos que o presente LP foi digitalizado para CD em 1992 e, para completar a gentileza, ripou o CD e nos enviou os links. Repostamos, pois, o álbum com novos e excelentes links e com a faixa 6 completa. ¡Gracias!

Ao que tudo indica esta gravação, realizada em 22 e 23 de abril de 1975 e lançada pela Telefunken alemã, nunca foi relançada em CD – o que é espantoso, pois parece ter sido a primeira a chamar ampla atenção mundial para um certo casal de músicos catalães: Montserrat Figueras, soprano especializada em técnicas de canto anteriores ao bel canto padronizado dos 1700 e 1800, e Jordi Savall, violista da gamba que, como todos sabem, no início do século XXI estaria consagrado como um dos maiores regentes mundiais de música antiga. Em 1975 os dois estavam casados havia 7 anos – como permaneceriam até a morte de Montserrat em 2011, com 69 anos – e há um ano haviam fundado o Grupo Hespèrion XX (depois Hespèrion XXI).

Além do casal, participaram da gravação Janneke van der Meer ao violino, Pere Ros ao violone (espécie de contrabaixo), e ao cravo ninguém menos que Ton Koopman, que também viria a ser um dos mais respeitados regentes de música antiga do início do século XXI, além de renomado organista.

A esta altura vocês devem estar doidos para baixar e ouvir, portanto faço só mais uma observação: quem está acostumado a associar a palavra “barroco” a Vivaldi, Handel e J.S. Bach pode estranhar esta música e pensar que os espanhóis estavam barbaramente defasados em relação ao resto da Europa… Acontece que esse rótulo cobre um período bastante amplo – equivalente ao decorrido entre 1850 e 2000, pra terem ideia. Nesta analogia, a música deste disco teria sido toda composta até 1880, enquanto Bach ou Vivaldi estariam no auge da sua atividade por volta de 1980: um intervalozinho desprezível em que a música não mudou nada, como podem ver… Enfim: o barroco antigo deste disco ainda é quase renascença – e sendo assim atinge em cheio a sensibilidade deste arcaico monge que vos escreve.

Junto aos arquivos de áudio vocês encontrarão, em baixa e em alta definição (jpg e tiff), o escaneamento da capa e contracapa da edição brasileira do disco, e na contracapa um erudito texto de um certo Karl Ludwig Nikol sobre o repertório. Remeto os interessados ao arquivo Contra-capa.tiff para não sobrecarregar o texto aqui –

sobretudo porque ainda é preciso apresentar os créditos ao nosso grande e querido Avicenna, que foi quem resgatou magistralmente o som desta gravação do velho vinil em que se encontrava aprisionado. Só não conseguiu com os últimos 24 segundos da faixa A.6, irremediavelmente perdidos num defeito de fabricação do único exemplar desse LP a que tivemos acesso. Estou seguro de que vocês concordarão que a omissão desses 24 segundos é desprezível diante do valor do conjunto.

E, como diz Lope de Vega na faixa 2 (num dos pares de versos mais belos que já conheci):
               Já é tempo de recolher,
               soldados da minha memória!

MUSICA BARROCA ESPAÑOLA

  • 01 – Autor desconhecido (entre 1580 e 1650):
    O, que bien que baila Gil (romance de Lope de Vega – 1562-1630)
  • 02 – Autor desconhecido (1628):
    Ya es tiempo de recoger (romance de Lope de Vega – 1562-1630)
  • 03 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Canzona a due nº XIII
  • 04 – Mateo Romero (?-~1647):
    Romerico florido (folia a 2)
  • 05 – Mateo Romero (?-~1647):
    Hermosas y enojadas (romance a 3)
  • 06 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Corrente I y II a 2
  • 07 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Cuydado, pastor
  • 08 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Trompicávalas, amor
  • 09 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Fantasía sobre El Canto del Caballero (1638)
  • 10 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Crédito es de mi decoro
  • 11 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    Tonante Diós! 
  • 12 – Juan Hidalgo (1612-1685):
    De las luces que el mar (recitativo e solo de Minerva)
  • 13 – Bartolomé de Selma y Salaverde (?-~1640):
    Canzona a due nº XI
  • 14 – Miguel Martí Valenciano (17..):
    Ay del amor
  • 15 – Juan de Navas (17..):
    La Rosa que reyna

Montserrat Figueras – soprano
Janneke van der Meer – violino
Jordi Savall – viola da gamba
Pere Ros – violone
Ton Koopman – cravo
Gravado em Amsterdã em 22 e 23/04/1975

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here – FLAC 234 MB

. . . . . . . BAIXE AQUI – download here – MP3 109 MB

- Capa do CD editado em 1992.
– Capa do CD editado em 1992.

 

 

 

 

 

 

 

.

Texto e aquisição do vinil nos anos 70: Ranulfus
Engenharia de som: Avicenna drivers66

22 comments / Add your comment below

    1. Valeu, caro Mestre de Avis!

      Tenho mesmo muita vontade de postar mais, mas como no meu caso isso agora depende sobretudo da digitalização de vinis, e essas tomam um tempo danado, não posso garantir quando virá a próxima…

      Mas… nossa!! Nossos ouvidores (mistura de ouvintes com leitores) já foram de comentar mais, né? Acho que estão mal-acostumados com o excesso de preciosidades que jorra atualmente do PQP. Com 2 ou 3 pérolas ou diamantes todo dia, pra que comentar quando aparece mais uma? hehehe

      Mas quem teve um baita trabalhão pra lapidar o tal diamante pode até se desestimular um pouco…

      1. Concordo com você, nobre monge.
        Fico menos na expectativa de agradecimento do que na de trocar alguma ideia, escutar opiniões sobre a postagem (nem que seja um livro de ódio cheio de “não ouvi e detestei!”, como foi o caso daquela do Gould tocando o concerto no. 1 de Brahms), receber sugestões de novas gravações. Polinizar beleza é ótimo, mas o élan de fazê-lo se perde sem essa retroalimentação.

  1. Agradeço muitíssimo. Este é o melhor disco de música barroca espanhola que conheço. Comprei o LP nos anos 80 e, mesmo sem entender muito de música, logo percebi que estava diante de algo muito especial; nesse disco, Montserrat Figueras atinge a perfeição. Digitalizei o CD há alguns anos mas o resultado foi insatisfatório porque o disco de vinil estava em más condições. A iniciativa de disponibilizar a obra aqui é abençoada. Quem puder, faça o download e constatará que se trata de uma obra-prima. Parabéns e muito obrigado.

  2. Caros, não posso fazer o download deste disco e eu queria muito mesmo! Por favor, poderiam fazer de novo com o sistema de one drive que é o que está funcionando agora?
    Muitíssimo obrigada!!

  3. obrigado por mais este cd… nao o estava encontrando. o Jordi Savall é um musico que me impressiona nao so pela qualidade de suas interpretacoes, mas pela sua vasta producao (cds, apresentacoes, ensaios, etc) que nao ficam restritas a um unico compositor… variando estilos/epocas e demandando muito estudo.

    ele tem um outro cd com nome muito parecido, com o mesmo time de musicos, mas com um conteudo diferente deste; chama-se El Barroco Espanol (tonos humanos e musica instrumental)… tambem muito bom.

    esta disponivel… basta avisar.

    Mario

  4. In this collection “El Esplendor de España”, there is another rare reissue in CD, It is the CD “Music in Time of Christopher Collumbus”, by the group Musica Reservata dirs. Michael Morrow and John Beckett.

    For me, this CD is far less interesting that the one from Savall, spetially because the diction of the singers is far from good, they sound a lot as englishmen singing in spanish, but otherwise i think it’s good to give it an opportunity.

    Please, tell me if you are interested in this recording.

    1. Of course, drivers66, I’m interested!
      And, if possible, if you are able to write some comments on this recording, I’ll translate and post it.

      Thank you,

      Avicenna

Deixe uma resposta