.: interlúdio :. Stan Getz: Big Band Bossa Nova

.: interlúdio :. Stan Getz: Big Band Bossa Nova

Big Band Bossa Nova é um disco de jazz e bossa nova lançado em 1962 pelo saxofonista Stan Getz e a orquestra de Gary McFarland. É o segundo disco de bossa nova lançado pelo saxofonista para a Verve, sendo o primeiro Jazz Samba (1962), com o guitarrista Charlie Byrd.

É disco de gringo cintura dura. Totalmente desajeitado e sem graça pra nós, brasileiros. Mas eu ouvi a merda inteira e tudo o que eu ouço de cabo a rabo posto aqui. A música tem quatro temas de compositores brasileiros e composições originais de McFarland. Os temas de McFarland são tão parecidos com a Bossa Nova quanto a ponte do Guaíba é igual ao Canal do Panamá. A instrumentação escolhida por McFarland evita o tradicional formato de big band de oito metais e cinco saxofones para um conjunto menor, com quatro instrumentos de sopro e trompa, além de três trompetes e dois trombones. Mas ele reforçou o time de percussionistas, claro.

Stan Getz: Big Band Bossa Nova

1 Manha de Carnaval (Morning of the Carnival) (Luiz Bonfá) – 5:48
2 Balanço no Samba (Street Dance) (Gary McFarland) – 2:59
3 Melancólico (Melancholy) (Gary McFarland) – 4:42
4 Entre Amigos (Sympathy Between Friends) (Gary McFarland) – 2:58
5 Chega de Saudade (No More Blues) (Antônio Carlos Jobim, Vinícius de Moraes) – 4:10
6 Noite Triste (Night Sadness) (Gary McFarland) – 4:56
7 Samba de Uma Nota Só (One Note Samba) (Antônio Carlos Jobim, Newton Mendonça) – 3:25
8 Bim Bom (João Gilberto) – 4:31

Stan Getz – tenor saxophone
Doc Severinsen, Bernie Glow or Joe Ferrante and Clark Terry or Nick Travis – trumpet
Ray Alonge – French horn
Bob Brookmeyer or Willie Dennis – trombone
Tony Studd – bass trombone
Gerald Sanfino or Ray Beckenstein – flute
Ed Caine – alto flute
Ray Beckenstein and/or Babe Clark and/or Walt Levinsky – clarinet
Romeo Penque – bass clarinet
Jim Hall – unamplified guitar
Hank Jones – piano
Tommy Williams – bass
Johnny Rae – drums
José Paulo – tambourine
Carmen Costa – cabasa
Gary McFarland – arranger, conductor

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Stan Getz sonhando em acertar o ritmo

PQP

Richard Wagner – Siegfried – Jess Thomas, Thomas Stewart, Helga Dernesch, Gerhard Stolze, Karl Ridderbusch, etc., Karajan, BPO

Vamos que vamos com o Siegfried, a terceira ópera do ciclo do Anel dos Nibelungos de Wagner, por sinal, Siegfried era o nome de meu falecido sogro. O texto abaixo, como nas postagens anteriores, é de autoria do colega Ammiratore. Os senhores irão reparar que este seu texto está um pouco mais leve, mais descontraído.

“Dentro da tetralogia de Wagner, o terceiro drama, Siegfried, pode ser o menos popular ou conhecido. Porém é o mais importante no estabelecimento de um equilíbrio dramático entre as quatro obras. Wagner interrompeu a composição em 1857 no final do segundo ato de Siegfried para escrever “Tristan und Isolde” e “Die Meistersinger von Nürnberg”, retornando a Siegfried sete anos depois para completar o terceiro ato em 1869. A estréia mundial foi em 16 de agosto de 1876.
Elementos dessas duas óperas alimentam Siegfried: apresenta a música mais leve do ciclo do Anel, acho que é uma celebração musical maravilhosa da natureza, tem o dueto de amor mais extático (influenciado pelo dueto de Tristan und Isolde), quando Brünhilde e Siegfried se descobrem. A principal tarefa dramática da obra está no estabelecimento do grande herói do “Ciclo do Anel”. Há muito menos peças reconhecíveis nesta ópera quando comparadas às outras três, mas “Siegfried” possui alguns grandes momentos. Uma das mais famosas é a música de forjamento, aonde Siegfried num número solo nos mostra imediatamente que Wagner exige uma grande disposição do intérprete com seu principal personagem. Outros momentos famosos são a breve passagem do pássaro na floresta e, mais notavelmente, o dueto de amor final entre Siegfried e Brünhilde. Como em Die Walküre, Siegfried é uma ópera gigantesca por si só. A natureza fantástica e mitológica da trama é uma das razões pelas quais a ópera dura bem mais de quatro horas. Vamos tentar resumir então (fiquei feliz pelos comentários das outras duas e farei uma abordagem, digamos, leve e alguns trechos foram inspirados na casabibliofilia.blogspot.com):

“Mais uma vez nos encontramos com Wotan, agora chamado de Wanderer – que deixamos no final de Die Walküre , chateado com o destino de sua filha amada, Brünhilde. Como o próprio Wagner escreveu ao músico alemão August Roeckel, “depois da despedida de Brünhilde, Wotan realmente não é mais do que um espírito sem luz”. O Wotan de Siegfried é um deus velho e cansado, que perdeu o poder de comandar, que está disposto a deixar que os acontecimentos sigam o seu curso e está contente em desistir. O foco principal de “Siegfried” não é Wotan, mas o lendário personagem nórdico Sigurd, um herói nacional representado em todos os tipos de formas de arte. O personagem Siegfried de Wagner, diferente de outras versões, é filho de Siegmund com sua irmã (os dois são volsungos, ou Wälsung), o que faz de Siegfried neto de Wotan duas vezes (por parte de pai e de mãe). Entre as histórias de “Die Walkürie” e “Siegfried”, Sieglinde é encontrada por Mime na floresta, o anão ferreiro a leva para a caverna onde habita. Ali nasce Siegfried, mas Sieglinde morre: na agonia declara o nome escolhido para o filho e relata quem era o pai. Mime cria o menino, que cresce cheio de vigor e torna-se um rapaz de temperamento ousado, qualidade que vem bem a calhar aos desígnios de Mime: espera que seja Siegfried aquêle a cujos pés Fafner cairá morto, trespassado pela espada (“Nothung”) que, feita em pedaços, recebeu das mãos de Sieglinde. Mime deseja que Siegfried pegue o anel de Fafner e depois planeja matá-lo.
Primeira cena do primeiro ato. Mime está com raiva pois está preparando uma espada para Siegfried, mas sabe que o jovem quebrará a arma assim que estiver pronta. Tem forjado outras espadas, Siegfried as quebrou todas com uma só pancada, entre risos e palavras de zombaria. O nibelungo sonha obter o Anel e o Tarnhelm (aquele elmo que transforma), e para isso precisa de Siegfried. O jovem chega com um urso encoleirado, e brinca com o urso como se este fosse um Yorkshire Terrier. Depois ele quebra a espada pronta como se fosse uma vareta de bambu, o que deixa Mime muito azedão. O anão lamenta-se de tamanha ingratidão. Diz-se injustiçado, ele que criou Siegfried com todo desvelo. Mime conta a história de Siegfried, mas sem lhe contar a história do pai, mostra os fragmentos da Excalibur … ops, digo, Notung, e Siegfried fica animado, pedindo para que Mime reconstrua a espada.
Duas coisas podemos perceber a partir da leitura e audição da primeira cena. A primeira é que “Siegfried” não é tão monumental musicalmente quanto “Die Walkürie”, e que a dramatização é mais importante do que as narrativas e lirismo. É a obra mais dramática das quatro óperas, e ao mesmo tempo a mais épica. A segunda é que Siegfried é o herói com mais testosterona da história da literatura nórdica. Não é qualquer um que brinca com um ursinho de estimação e quebra uma espada de metal feita por um nibelungo como se fosse de bambu.
Na segunda cena Wotan, disfarçado como andarilho, aparece e provoca Mime, o desconhecido insiste e propõe, para provar sabedoria, que Mime lhe faça três perguntas. Se não as responder, dará sua cabeça em troca. Mime concorda e, tendo o outro se havido bem, deve admitir que lhe subestimara a capacidade. Só não esperava de Wotan (a quem ainda não reconheceu) a exigência de submeter-se a igual desafio. Sente-se aliviado ao responder às primeiras duas perguntas: “Qual a raça marcada pela cólera de Wotan, embora êste a amasse mais que a própria vida?” (OS Wilsungos); “Que espada poderá ser o instrumento da morte de Fafner?” (a Nothung). Para a terceira questão, porém, não encontra resposta: “Quem saberá retemperar a espada?” dizendo ao final que apenas quem não conhece o medo poderá forjar a espada Notung , e assim passa para a 3ª cena, onde entra Siegfried e pede a espada, que Mime não conseguiu forjar. Como Siegfried não conhece o medo, ele mesmo forja a espada e para testá-la parte uma bigorna ao meio (quanta testosterona!!!).
No segundo ato, Alberich espreita Fafner (na forma de um dragão), quando surge Wotan e avisa a Fafner que vem alguem matá-lo. Fafner não se importa e na segunda cena Mime conduz Siegfried as proximidades da caverna onde Fafner dorme sobre o tesouro. Desperto pelo som da trompa do rapaz, o dragão deixa seu abrigo. A luta é breve: agonizante, Fafner adverte Siegfried que se acautele, pois quem o induziu a esse ato assassino também trama sua morte e o dragão conta sua história. Após o dragão morrer Siegfried com a mão suja de sangue a leva a boca e acaba por ingerir o líquido que lhe dá o poder clarividente de falar com as aves. Siegfried então descobre o que Mime planejava e mata-o, em seguida conversando com uma ave ela fala sobre Brünhilde. Siegfried se prepara para mais uma prova de bravura.
Na primeira cena do último ato, Wotan invoca a deusa da Terra e conversa com ela. Esse diálogo é muito legal de se ler (o libreto em português está AQUI no link), mas ele não cria mudanças significativas no enredo. Na segunda cena, Siegfried encontra Wotan, e há uma discussão entre eles. Wotan afirma que já quebrou a Notung uma vez e pode fazê-lo novamente, mas Siegfried quebra a lança e Wotan recolhe os pedaços tranquilamente e desaparece. Na última cena, por fim, Siegfried encontra Brünhilde tal como Wotan a deixara no final da “Die Walkürie”, e não sabe o que fazer com ela (pois nunca viu uma mulher na vida). Um pequeno parêntesis, tá bom perdoo o Siegfried, pois quando era mais novo, com uns 14 – 15 anos, provavelmente não saberia o que fazer se uma Valkíria caísse nos meus braços, provavelmente a chamaria para jogar Enduro ou River Raid, tomar um suquinho ouvindo na vitrola um Vivaldi… sei lá… . Após o beijo, Brünnhilde acorda e pergunta quem é o herói, que prontamente se identifica. Brünhilde conta que salvou a vida dele antes, e Siegfried cogita ser ela sua mãe, o que é logo desmentido. Brünhilde ainda faz-se de difícil por um tempinho, mas logo rende-se ao amor do guerreiro volsunga cheio de testosterona, um estereótipo de super-guerreiro-bombado.

Cosima-Siegfried-Richard

Um caso curioso é que presentes de aniversário vêm em todas as formas e tamanhos. Cosima Wagner quando acordou em 25 de dezembro de 1870 para celebrar seu 33º aniversário, um grupo de 17 músicos se reuniu nas escadas que levavam ao seu quarto. Com Richard Wagner regendo, os músicos tocaram “uma saudação de aniversário sinfônica”. Wagner posteriormente mudaria o nome da composição para o conhecido “Siegfried Idyll”.

Siegfried, personagens e intérpretes:
O elenco é absolutamente de primeira linha. O Mime de Gerhard Stolze transmite a malícia revoltante do anão maligno de maneira mais convincente, lembrando que Wagner pediu uma voz “dura e rouca”, uma exigência impossível. Thomas Stewart é novamente um Wotan impressionante e usa sua esplêndida voz com grande efeito. Ridderbusch é um Fafner menos aterrorizante, mas ainda não é uma fera que alguém gostaria de encontrar! Oralia Dominguez transmite bem o mistério de Erda. Catherine Gayer, bom, achei que o seu pássaro esta com uma voz excessivamente trêmula. Gostei imensamente do bombadão Siegfried de Jess Thomas. Ele é excelente em seu total desprezo por Mime. No dueto final, ele mostra que percebeu rapidinho os encantos de uma mulher e canta lindamente para ela. Dernesch tem uma voz adorável, pura e uniforme com um registro baixo e quente, sua Brünnhilde é muito convincente quando acorda para o amor humano, ela canta lindamente o seu despertar. Siegfrid, filho de Wagner nasceu na época em que compôs a parte do dueto final, podemos ouvi rWagner e Cosima evocando o amor de forma intensa. Karajan tinha à sua disposição uma esplêndida orquestra. Como sempre regendo com clareza, intensidade e ritmo!”

Wagner – Siegfrid

Jess Thomas – tenor – Siegfried
Thomas Stewart – baritono – Der Wanderer
Gerhard Stolze – tenor – Mime
Helga Dernesch – soprano – Brünnhilde
Karl Ridderbusch – baixo – Fafner
Oralia Dominguez – mezzo – Erda
Catherine Gayer – soprano – Waldvogel
Berlin Philharmonic Orchestra / Herbert von Karajan

CD 1 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 2 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 3 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
CD 4 – BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Obras completas para Violoncelo e Piano

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Obras completas para Violoncelo e Piano

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Gostei demais destes dois belos CDs dedicados à obra de Beethoven para violoncelo e piano à cargo de Daniel Müller-Schott e Angela Hewitt. A dupla entendeu-se maravilhosamente tocando tanto as obras mais conhecidas do mestre para ambos os instrumentos, mas atacando também territórios bastante perigosos… Explico: as Sonatas são verdadeiras joias do repertório clássico, mas as obras de Variações que estão aí são de matar, mesmo que sejam sobre temas de Mozart, Haydn, etc. Bem, nada grave, pois as Sonatas são muito maiores e marcantes. O CD é da Hyperion, o que já diz muito de sua qualidade, a qual é superior ao registro de Yo Yo Ma + Emanuel Ax e deve empatar com o de Rostropovich + Richter, apesar do sotaque russo da dupla de carecas.

Beethoven: Works for Cello and Piano, vol. 1

Cello Sonata in F major Op 5 No 1
1) Adagio sostenuto [2:59]
2) Allegro [14:24]
3) Allegro vivace [6:58]

Cello Sonata in G minor Op 5 No 2
4) Adagio sostenuto ed espressivo [6:26]
5) Allegro molto più tosto presto [10:29]
6) Rondo: Alllegro [9:02]

Cello Sonata in A major Op 69
7) Allegro, ma non tanto [12:55]
8. Scherzo: Allegro molto [5:07]
9) Adagio cantabile [2:01]
10) Allegro vivace [6:55]

Beethoven: Works for Cello and Piano, vol. 2

1) Variations in G major on “See the conqu’ring hero comes” from Handel’s Judas Maccabaeus WoO45 [12:54]

Cello Sonata in G major Op 102 No 1
2) Andante [2:46]
3) Allegro vivace [5:14]
4) Adagio – Tempo d’andante [3:15]
5) Allegro vivace [4:30]

6) Variations in F major on “Ein Mädchen oder Weibchen” from Mozart’s Die Zauberflöte Op 66 [10:18]

7) Variations in E flat major on “Bei Männern, welche Liebe fühlen, from Mozart’s Die Zauberflöte WoO46 [10:00]

Cello Sonata in D major Op 102 No 2
8. Allegro con brio [6:53]
9) Adagio con molto sentimento d’affetto [10:48]
10) Allegro – Allegro fugato [4:21]

Daniel Müller-Schott, cello
Angela Hewitt, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Beethoven e uma aluna (Roger Payne)

PQP

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

IM-PER-DÍ-VEL !!!

No início de 1943, enquanto estava ministrando uma série de palestras sobre música folclórica na Universidade de Harvard, Béla Bartók, já com a saúde frágil, piorou subitamente, necessitando de uma bateria de exames médicos urgentes. Quando estes se revelaram inconclusivos, “o pessoal de Harvard me convenceu a fazer novo exame, liderado por um médico muito apreciado por eles e à suas custas”. O exame revelou alguns problemas nos pulmões, que eles acreditavam ser tuberculose. A notícia foi recebida com grande alegria: “Finalmente temos a causa real!”. Quando o compositor retornou a sua casa em Nova York, a ASCAP (Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores), “de alguma forma se interessou no meu caso e decidiu curar-me às suas custas. Mandaram-me para os seus médicos, que mais uma vez me levou para um hospital. Os novos exames mostraram um grau menor de problemas pulmonares. Talvez não fosse tuberculose. E assim, voltei a não saber a causa de minha doença”.

Enquanto estava no hospital de Nova York, Bartók foi visitado por Serge Koussevitzky, maestro da Orquestra Sinfónica de Boston. Ele, por sugentão de dois outros exilados húngaros amigos de Bartók q que sabiam de suas dificuldades — o violinista Joseph Szigeti e regente Fritz Reiner — fez-lhe uma encomenda: um trabalho em memória de sua esposa, recentemente falecida, Natalie Koussevitzky. Bartók aceitou e produziu o Concerto para Orquestra, seu último trabalho completo.

Foi logo após a reunião com Koussevitzky que a fatal leucemia acabou diagnosticada. O compositor não foi comunicado, o que talvez tenha sido uma decisão correta, pois ele, durante o mês subseqüente, ele recuperou a força, a alegria e, obviamente, a criatividade. A partitura foi escrita em apenas dois meses no balneário de Saranac Lake em Nova York. A nota final foi escrita em 8 de outubro de 1943.

Enorme sucesso de público e os crítica, a estreia foi realizada em concerto da Boston Symphony Orchestra, sob a direção de Koussevitzky, em 1 de dezembro de 1944. O compositor assistiu à estreia com sua esposa, Ditta Pásztory. “Fomos lá para os ensaios e apresentações, meu médico deu a permissão a contragosto. Foi uma excelente estreia”. Koussevitzky disse que era “a melhor composição dos últimos, incluindo as obras de meu ídolo Shostakovich!”.

Bartók escreveu a seguinte nota breve para a ocasião:

O título deste trabalho explica-se pelo fato de os instrumentos de uma única orquestra serem tratados de forma solista ou concertante. O tratamento “virtuoso” aparece, por exemplo, nas seções fugato do desenvolvimento do primeiro movimento (instrumentos de sopro), ou no Perpetuum Mobile, como a passagem do tema principal no último movimento (cordas), e especialmente no segundo movimento, no qual pares de instrumentos consecutivamente aparecem com passagens brilhantes. O humor geral do trabalho representa, para além do jocoso segundo movimento, da transição gradual da dureza do primeiro movimento e da canção da morte do terceiro, uma afirmação da vida e do passado.

Uma tremenda gravação de Gustavo Dudamel com a Los Angeles Philharmonic Orchestra !!!. Olha, acho que foi retirada de um DVD… Ouçam como a orquestra ri no quarto movimento.

Béla Bartók (1881-1945): Concerto para Orquestra

1) Introduction: Allegro non troppo
2) Giuoco delle coppie: Allegretto scherzando
3) Elegia: Andante non troppo
4) Intermezzo interrotto: Allegretto
5) Finale: Presto

L.A. Philharmonic Orchestra
Gustavo Dudamel

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE


PQP

Edward Elgar (1857-1934) – Cello Concerto in E Minor op. 85 – Jacqueline Du Pré, John Barbirolli, London Symphony Orchestra

Trago mais uma vez para os senhores a histórica e mítica gravação do Concerto para Violoncelo de Edward Elgar com Jacqueline Du Pré, que é considerada até hoje a melhor intérprete desta obra.
A carreira desta incrível musicista foi meteórica, com detalhes trágicos. Alcançou cedo a fama, porém também cedo foi diagnosticada com uma gravíssima doença degenerativa, Esclerose Múltipla, que a afastou dos palcos com apenas vinte e oito anos de idade, e a matou com apenas quarenta e dois anos.
Alcançou fama após esta mítica gravação, que sem dúvida é extraordinária. Casou-se com Daniel Baremboim, com quem gravou diversos outros discos.
Espero que apreciem. Amo esta gravação. Para mim e para muita gente, esta é o registro definitivo deste concerto.

1 Elgar – Cello Concerto in E minor, Op. 85 – I. Adagio – Moderato
2 Elgar – Cello Concerto in E minor, Op. 85 – II. Lento – Allegro molto
3 Elgar – Cello Concerto in E minor, Op. 85 – III. Adagio
4 Elgar – Cello Concerto in E minor, Op. 85 – IV. Allegro, ma non troppo

Jacqueline Du Pré – Violoncelo
London Symphony Orchestra
Sir John Barbirolli

5 Saint-Saens – Cello Concerto No. 1 in A minor, Op. 33 – I. Allegro non troppo
6 Saint-Saens – Cello Concerto No. 1 in A minor, Op. 33 – II. Allegretto con moto
7 Saint-Saens – Cello Concerto No. 1 in A minor, Op. 33 – III. Allegro non troppo

Jacqueline Du Pré – Violoncelo
New Philharmonia Orchestra
Daniel Baremboim

8 Delius – Cello Concerto – Lento – Con moto tranquillo –

Jacqueline Du Pré – Violoncelo
Royal Philharmonic Orchestra
Sir Malcolm Sargent

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704): Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704): Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Mais um CD de Biber. Mais uma surpresa deste grande e quase desconhecido compositor. Biber era um virtuose do violino e Kapellmeister. Seu grupo de “Sonatas Bíblicas” já fazem parte do repertório dos violinistas barrocos e, aqui, John Holloway resgata mais sonatas de Biber da imerecida obscuridade. O disco inclui duas sonatas inéditas e quatro da coleção Biber de 1681, a qual consolidou sua posição entre os seus contemporâneos, mas ainda não entre nós. Todas as obras estão cheias de deslumbrantes efeitos técnicos e reviravoltas inesperadas. A Sonata em Fá Maior (Nº 3), por exemplo, equilibra belas melodias com um monte de surpresas, tanto musicais quanto técnicas, concluindo com uma grande chaconne. Holloway está à altura das demandas que Biber impõe. Ele está acompanhado de cravo e órgão. Dá para dizer tranquilamente que este disco é uma escandalosa incursão na extravagância barroca. Biber voltou para restabelecer seu nome entre os maiores barrocos. Uma descoberta. Mais grande música aqui.

Biber — Unam Ceylum (Sonatas para Violino)

1. Sonata III F major from Sonatae Violino solo 1681
2. Sonata IV D major from Sonatae Violino solo 1681
3. Sonata No. 81 A major – unpublished
4. Sonata VI C minor from Sonatae Violino solo 1681
5. Sonata VII G major from Sonatae Violino solo 1681
6. Sonata No. 84 E major: Adagio – unpublished

John Holloway: violin
Aloysia Assenbaum: organ
Lars Ulrik Mortensen: harpsichord

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Biber, BAITA compositor

PQP

Héctor Berlioz (1803-1869) – Harold en Italie, Les Nuits d´été – Les Siècles, François-Xavier Roth, Tabea Zimmerman, Stéphane Degout

Interessante entrevista do maestro François-Xavier Roth, inclusa no booklet desta gravação:

O que Berlioz significa para você e Les Siècles?
Berlioz tem sido uma forte presença na história de Les Siècles virtualmente desde que a orquestra foi formada, mas ainda mais forte desde que fomos associados à sua aldeia natal, La Côte-Saint-André, onde tocamos todos os anos onde tocamos todos os anos como parte do maravilhoso Festival de Berlioz, do qual Bruno Messina é o diretor. Eu descobri essa música graças à geração mais velha, mas também durante o início de minha carreira como maestro, quando fui assistente de Sir Colin Davis, que era então o diretor musical da London Symphony Orchestra. O primeiro trabalho que preparei com eles foi Les Troyens. Tive a sorte de ajudar sir John Eliot Gardiner no Théâtre du Châtelet, também em Les Troyens. Com ele, descobri outra dimensão do compositor: Berlioz em instrumentos de época. Assim, no início dos anos 2000, Berlioz entrou na minha vida como maestro de uma maneira absolutamente decisiva e devastadora, e ele nunca mais me deixou.

O que o timbre de um barítono como Stéphane Degout traz para Les Nuits d’été?
Neste ciclo, surge a questão de qual voz usar, porque é escrita para diferentes faixas vocais. Eu acho que com Stéphane Degout estamos em uma situação ideal que vai muito além de seu tipo de voz – um barítono na tradição francesa, extraordinariamente nobre e expressivo, caracterizado por sua beleza flexível e sua inteligência com palavras. O que ele traz para o repertório da música em geral e a melodie francesa em particular faz dele um intérprete de primeira classe e era óbvio para mim que ele era a pessoa certa para atribuir este ciclo.

Qual é o papel específico dos instrumentos do tempo de Berlioz que a orquestra usa aqui?
Berlioz, como outros orquestradores inovadores, trouxe as melhores qualidades dos instrumentos que tinha à sua disposição na época. Ele manteve-se atualizado com os últimos desenvolvimentos na fabricação de instrumentos e, como um chef, estava disposto a usar o ingrediente certo para temperar sua receita musical. É realmente emocionante encontrar os sabores originais dos instrumentos de seu tempo porque você percebe quase instantaneamente o que eram essas novas combinações de timbres. Com instrumentos mais recentes ou modernos, seria muito mais difícil alcançar a mistura sônica, enquanto que com aqueles que Berlioz estava familiarizado, você pode entender imediatamente o que ele estava procurando e como ele queria criar suas novas cores. Você pode apreciar essas combinações sem precedentes na orquestra sinfônica e até mesmo em Les Nuits d’été, que exige uma orquestra menor.

A outra obra-prima deste disco é Harold en Italie com Tabea Zimmermann. Você diria que as questões interpretativas são comparáveis ​​às de Les Nuits d’été ou diferentes?
Com Harold en Italie nos encontramos com outra faceta de Berlioz. A única coisa que tem em comum com Les Nuits d’été é que tem um protagonista que faz um papel solo. Isso é bastante óbvio com Les Nuits d’été, já que temos uma voz solo cantando os textos com acompanhamento orquestral, mas com Harold en Italie, as coisas são muito mais complexas: a viola não é uma solista concertante, como seria em um romântico. Concerto, mas sim um personagem musical, um narrador, um ator na história de Harold que está relacionado a nós. Berlioz inventou um papel genuinamente novo aqui na relação entre o solista e a orquestra. Costumo comparar Harold ao Don Quixote de Richard Strauss – um poema sinfônico com um violoncelista principal que também parece incorporar um personagem. Em Harold en Italie, Berlioz inventou essa mesma forma, obviamente muito antes de Richard Strauss.

Você diria que nos mostra um Berlioz em busca de novas orientações artísticas neste programa?
Pode-se pensar que temos dois trabalhos nesta gravação que têm pouco em comum – Harold en Italie apresenta uma enorme orquestra, enquanto Les Nuits d’été é para um grupo muito menor. No entanto, eles estão ligados pelo fato de que Berlioz inventou novas formas aqui: foi a primeira vez que um compositor escreveu um ciclo de canções acompanhado por uma orquestra, e que alguém criou esse tipo de poema sinfônico com viola principal. Então, é verdade, este disco destaca como Berlioz inventou novos caminhos para a música.

P.S. Como não poderia deixar de ser, mais uma vez a Harmonia Mundi dá um show de qualidade em matéria de gravação, intérpretes, edição do booklet que segue em anexo ao arquivo de áudio traz muitas informações importantes. A tradução da entrevista acima fiz por conta e risco, com um pouco de ajuda do tradutor do Google, mas ela está lá, em três idiomas…

HECTOR BERLIOZ (1803-1869) Harold en Italie
Symphonie avec un alto principal en 4 parties, op. 16, H. 68 D’après Childe Harold’s Pilgrimage de George Gordon Byron  |
1 No 1. Harold aux montagnes. Scènes de mélancolie, de bonheur et de joie. Adagio – Allegro 15’14
2 No 2. Marche de pèlerins chantant la prière du soir. Allegretto 7’51
3 No 3. Sérénade d’un montagnard des Abruzzes à sa maîtresse. Allegro assai 5’58
4 No 4. Orgie de brigands. Souvenirs des scènes précédentes. Allegro frenetico 11’44

Les Nuits d’été Six mélodies avec un petit orchestre, op. 7, H. 81B Poèmes de Théophile Gautier (extraits de La Comédie de la mort)
5 1. Villanelle, H. 8 2’12
6 2. Le Spectre de la rose, H. 83 6’40
7 3. Sur les lagunes – Lamento, H. 84 5’43
8 4. Absence, H. 85 5’45
9 5. Au cimetière – Clair de lune, H. 86 5’41
10 6. L’Île inconnue, H. 87 3’37

Tabea Zimmermann, alto
Stéphane Degout, baryton
Les Siècles
François-Xavier Roth

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Giovanni Bottesini (1821-1889): Tre Grandi Duetti – 3 Grand Duets – for Double Basses

Giovanni Bottesini (1821-1889): Tre Grandi Duetti – 3 Grand Duets – for Double Basses

Eu já estava a fim de tirar um sarro da Renate, contrabaixista da OSPA, em função do péssimo repertório para contrabaixo, mas não deu. Sabem por quê? Ora, porque, ao final da audição, eu simplesmente gostei do CD do tal do Bottesini. Talvez nem sejam as obras, mas a sedução do poderoso som que fazia com que as vidraças aqui de casa reclamassem. Ouvi de novo e fiquei novamente satisfeito. Então vou deixar a gozação com o instrumento para o extraordinário monólogo de Patrick Süskind O Contrabaixo.

Giovanni Bottesini (1821-1889):
Tre Grandi Duetti – 3 Grand Duets – for Double Basses

1. Grand Duetto No. 1, for 2 double basses: 1. Allegro
2. Grand Duetto No. 1, for 2 double basses: 2. Andante
3. Grand Duetto No. 1, for 2 double basses: 3. Polacca

4. Grand Duetto No. 2, for 2 double basses: 1. Allegretto
5. Grand Duetto No. 2, for 2 double basses: 2. Andante
6. Grand Duetto No. 2, for 2 double basses: 3. Rondo Allegretto

7. Grand Duetto No. 3, for 2 double basses: 1. Andantino
8. Grand Duetto No. 3, for 2 double basses: 2. Presto

Boguslaw Furtok, contrabaixo
Johannes Stahle, contrabaixo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bottesini com seu amigo.

PQP

Sabine Devieilhe – Mirages – Alexandre Tharaud, François-Xavier Roth, Les Siècles

A voz da soprano Sabine Devieilhe é o grande destaque deste belíssimo CD. E é ela quem o apresenta:

“Este álbum veio através do meu desejo de gravar Lakmé, um papel que tem sido muito querido para o meu coração desde que eu o fiz pela primeira vez no palco em 2012.
Para este personagem de Lakmé, Leo Delibés compôs algumas das mais belas músicas já compostas para soprano coloratura. Sua abordagem artística era essencialmente francesa, pois sempre fazia da voz o centro das atenções, com uma orquestração que às vezes é diáfana (quando uma heroína recita uma oração) e às vezes deslumbrante (nos grandes duetos amorosos).
Foi esse trabalho que despertou meu amor pela ópera francesa do século XIX. Mas Lakmé também surgiu no contexto de artistas europeus, tornando-se mais abertos a influências de terras distantes. Os ouvidos ocidentais estavam ansiosos por fazer viagens musicais e poéticas, e as pessoas eram cada vez mais receptivas a perfumes de longe.” Esta sua apresentação em sua íntegra se encontra no booklet que está anexado ao arquivo.

Dois momentos memoráveis deste CD é a magnífica ”Viens, Mallika’, com a ‘Duo das Flores’, uma das mais belas árias já compostas, e ‘La Romance d’Ariel” de Debussy. A voz de Sabine Devieilhe é alguma coisa de outro mundo. Tenho certeza que os senhores irão amar este CD.

1 Messager Madame Chrysanthème, Act 3 ‘Le jour sous le soleil béni’ (Madame Chrysanthème)
2 Debussy Pelléas et Mélisande, Act 3 ‘Mes longs cheveux descendent’ (Mélisande)
3 Delibes Lakmé, Act 2 ‘Où va la jeune Hindoue’ (Lakmé)
4 Delage 4 poèmes hindous – I. Madras
5 Delage 4 poèmes hindous – II. Lahore
6 Delage 4 poèmes hindous – III. Bénarès
7 Delage 4 poèmes hindous – IV. Jeypur
8 Debussy La Romance d’Ariel
9 Delibes Lakmé, Act 1 ‘Viens, Mallika’ (Lakmé, Mallika)
10 Stravinsky Le Rossignol, Act 2 ‘Ah, joie, emplis mon coeur’ (Le Rossignol)
11 Thomas Hamlet, Act 4 ‘À vos jeux, mes amis’ (Ophélie)
12 Berlioz La mort d’Ophélie
13 Massenet Thaïs, Act 2 ‘Celle qui vient est plus belle’ (La Charmeuse, Crobyle, Myrtale)
14 Koechlin Le voyage
15 Delibes Lakmé, Act 3 ‘Tu m’as donné le plus doux rêve’ (Lakmé)

Sabine Devieilhe – Soprano
Alexandre Tharaud – Piano
Jodie Devos – Soprano
Marianne Crebassa – Mezzo-Soprano
Les Siècles
François-Xavier Roth – Conductor

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Quartetos, Op. 74 e 132 + Septeto e Sexteto

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Quartetos, Op. 74 e 132 + Septeto e Sexteto

Eu não consegui localizar a edição na Amazon, mas há anos foi lançada uma estranha integral dos Quartetos de Beethoven pelo Alban Berg String Quartet. Para mim, é a melhor gravação — outra muito boa é a do quarteto que gravou para a Naxos — , mas me roubaram e até hoje só consegui os CDs 7 e 8 dela. Bem, digo que era estranha porque havia os tradicionais 7 CDs e um último com o belo Septeto Op. 20 e o Sexteto sem graça Op. 81. É diversão de primeira para quem, como eu, ama o mestre de Bonn.

O selo da Amazon acima é o da integral do Berg, mas sem o oitavo CD.

CD7

01. Op.74 Es-dur – I: Poco adagio – Allegro [0:09:24.40]
02. Op.74 Es-dur – II: Adagio ma non troppo [0:09:29.62]
03. Op.74 Es-dur – III: Presto – IV: Allegretto con Variazioni [0:11:40.24]

04. Op.132 a-moll – I: Allegro sostenuto – Allegro [0:09:17.50]
05. Op.132 a-moll – II: Allegro ma non tanto [0:08:23.59]
06. Op.132 a-moll – III: Molto adagio [0:15:06.10]
07. Op.132 a-moll – IV: Alla marcia, assai vivace [0:02:03.15]
08. Op.132 a-moll – V: Allegro appassionato [0:06:22.61]

Alban Berg String Quartet

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

CD8

01. Septet in E flat, Op. 20 – Adagio – Allegro con brio [0:09:49.00]
02. Adagio Cantabile [0:09:25.00]
03. Tempo di Menuetto [0:03:33.00]
04. Tema con variazioni (Andante) [0:07:39.00]
05. Schezo (Allegro molto e vivace) [0:03:17.00]
06. Andante con moto alla Marcia – Presto [0:07:41.00]

07. Sextet in E flat, Op 81b – Allegro con brio [0:07:34.00]
08. Adagio [0:04:02.00]
09. Rondo (Allegro) [0:05:06.00]

Alban Berg String Quartet e agregados

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

A formação clássica do Alban Berg Quartett

PQP

Watkins Ale — Música da Renascença Inglesa

Watkins Ale — Música da Renascença Inglesa

Esta encantadora coleção de canções renascentistas e músicas de dança seguiu os passos de uma coleção similar de música escocesa do mesmo período, On ​​the Banks of Helicon, e foi seguida alguns anos depois por The Mad Buckgoat, que focou na música antiga na Irlanda. Dos três álbuns, o escocês é o melhor, mas o Watkins Ale é o segundo. O programa baseia-se em material conhecido (“There Were Three Ravens”, “Green Sleeves”) e obscuro, misturando a melancólica música de John Dowland e Thomas Morley com danças e melodias obscenas. A atuação do Baltimore Consort é requintada, como sempre, com reconhecimento especial ao flautista Chris Norman e a gambista Mary Anne Ballard. Eles sabem tocar de forma gentil e elegante, também sabe se distanciar. Bom disco!

Watkins Ale — Music of the English Renaissance

1 The Buffens 1:35
2 Nuttmigs And Ginger 3:05
3 Green Garters 2:40
4 There Were Three Ravens 7:38
5 Howells Delight 1:12
6 Goe From My Window 3:55
7 Green Sleeves 5:04
8 La Sampogna 1:58
9 Unto The Prophet Jonas I Read 5:57
10 The Carmans Whistle 4:50
11 Galliard Can Shee Excuse 1:17
12 Lachrimae Pavin 4:48
13 The Quadro Pavin 2:18
14 Singers Jig 0:27
15 Grimstock 2:27
16 De La Tromba Pavin 3:20
17 Jewes Daunce 1:34
18 Pavane Quadro And Galliard 2:30
19 Joyne Hands 1:31
20 Watkins Ale 6:37

The Baltimore Consort:
Cittern, Bass Viol – Mark Cudek
Lute – Ronn McFarlane
Soprano Vocals – Custer LaRue
Tenor Viol, Bass Viol – Larry Lipkis
Treble Viol, Tenor Viol – Mary Anne Ballard
Wooden Flutes – Chris Norman

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Pieter Bruegel, o Velho (1525-1569): Festa de Casamento na Vila

PQP

Richard Wagner – Die Walküre – Karajan, Vickers, Crispin, Janowitz, Stewart, etc., BPO

A segunda ópera do ciclo do Anel dos Nibelungos é ‘Die Walküre”, uma obra prima de Wagner, uma das mais belas óperas já compostas. É emocionante desde os primeiros acordes, quando a orquestra entra simulando uma tempestade, e Sigmund entra em cena, e conhece Sieglinde.
O mago Karajan reúne aqui novamente um elenco estelar, destacando a dupla Jon Vickers, um dos maiores cantores wagnerianos de todos os tempos, e Gundula Janowitz, uma das cantoras favoritas do Kaiser Karajan, a magnífica Regine Crespin, sem esquecer de Thomas Stewart, um dos grandes baixos do século XX.

Como expliquei anteriormente, na postagem do “Ouro do Reno”, nosso caro Ammiratore se encarregou de preparar a sinopse desta complexa ópera:

“Die Walküre – segunda ópera da tetralogia, e que ópera ! Sua estréia ocorreu no teatro Nacional em Munique a 26 de junho de 1870. Baseada na Saga dos Valsungos que figura entre os grandes clássicos da literatura mundial; trata-se de um dos principais textos da produção popular da Baixa Idade Média europeia, foi redigida na Islândia do século XIII por autor(es) anônimo(s), não apenas por conta de seus méritos literários ou de sua importância para o estudo da antiga religião e das lendas dos povos germânicos, mas também pela inegável influência que exerceu sobre autores ocidentais modernos e contemporâneos. As sagas, e a literatura nórdica antiga em geral, foram lidas e apreciadas por escritores como J.R.R. Tolkien, famoso por seu Senhor dos Anéis, obra cuja fonte de inspiração essencial foi justamente a Saga dos Valsungos. Wagner iniciou a composição da música assim que encerrou o Ouro do Reno, em setembro de 1854, trabalho a que dedica cerca de 2 anos, tem como principal tema a luta do amor que está associada à natureza e liberdade, contra o poder que está associada à civilização e à lei.
A montagem Das Valkirias é mais frequentemente realizada nos teatros separadamente das outras três partes da tetralogia, e sem dúvida pode ser o trabalho mais amado de Wagner do grande público. A fonte dessa afeição é certamente a representação sensível de Wagner do amor de Siegmund e Sieglinde, e a relação pai-filha de Wotan e Brünnhilde. O primeiro ato, em particular, é uma obra-prima da melodia rapsódica unida a um firme plano de tensão cada vez maior, liberada em sucessivos clímaxes, à medida que Siegmund e Sieglinde são atraídos um pelo outro e revelam seus passados. Wotan sacrifica um olho pelo conhecimento, e seu poder se reduz à medida que o ciclo prossegue, seu longo monólogo no Ato II é muito humano em seu arrependimento pelo preço que pagou por conhecimento e poder. Acima de tudo, essa divindade falha e compreende a conexão íntima entre poder e amor e sua incompatibilidade. Wotan lembra que, mesmo com o mundo sujeito à sua autoridade: “Eu não podia deixar o amor. / No meu poder ansiava por amor ”. Brünnhilde, talvez a personagem mais intrigante de todo o ciclo, desafia o comando de seu pai de permitir que Siegmund morra – mas o faz por amor a Wotan e sua percepção de que é isso que ele realmente quer. Sua nobre rebelião é o eixo em torno do qual gira a história.
Wagner compreendeu que o poder e o amor não eram apenas incompatíveis, mas os pólos gêmeos do compromisso humano. Então, um dos desafios do Anel é decidir quem está certo. Vale a pena renunciar ao amor para sempre, como Alberich, para ganhar o controle do poder?

Die Walküre – Resumo:

Sob terrível tempestade, Siegmund foge de inimigos que o perseguem. Aproximando-se de uma casa tosca, construída ao redor de grande árvore, não hesita em entrar e larga o corpo exausto junto à lareira. Ouvindo a porta abrir-se, Sieglinde vem do outro cômodo e depara com o estranho, que ergue a cabeça e pede-lhe água. Ao marido, Hunding, que logo retorna da caça, ela explica as circunstâncias em que encontrou o rapaz.
Siegmund fala então de sua existência, pontilhada de desditas. É filho de Wolfe, a quem não vê há muito tempo, depois de um combate com os Neidingos, os mesmos inimigos que, antes, já haviam assaltado e destruído o palácio onde viviam. A mãe fora assassinada e, da irmã gêmea, que mal conhecera, nenhum vestígio encontrou. Agora, procura abrigo naquela casa, depois de haver lutado em auxílio de uma jovem obrigada a casar sem amor. Mas, ferido e desarmado, vira-se constrangido a evitar novo confronto com os adversários. São seus parentes conclui Hunding. É o que revela a Siegmund advertindo-o de que poderá usufruir as regalias de hóspede apenas por aquela noite. Já na manhã seguinte deverão ir à luta. Enquanto isso que trate de obter uma arma.
Mergulhado em sono profundo – Sieglinde dera-lhe de beber uma mistura preparada com tal finalidade -, Hunding ignora a ajuda que a esposa presta ao hóspede. Conduzido por ela a uma árvore onde está cravada uma espada. Siegmund apossa-se da arma com movimento vigoroso, identificando-a com aquela que o pai prometera enviar em momento de real dificuldade. Entre o herói e a mulher já crescera, e agora aflora em palavras de afeto, um amor incontido, embora percebam, ao confrontar suas histórias, que são irmãos, filhos do mesmo pai: o, velho desconhecido que, na festa de casamento de Sieglinde com Hunding, fincara a espada na árvore. Siegmund abraça-a ardorosamente e assegura ter soado para ambos a hora da vingança, da reconquista da honra. Confiantes em que os espera uma vida feita apenas de felicidade, deixam para trás a casa de Hunding. Na verdade, Wolfe não era outro senão Wotan, cuja união com uma mulher mortal
dera como fruto a estirpe dos Walsungos. Wotan tem interesse especial em Siegmund, pois por meio dele espera um dia recuperar o anel que se encontra nas mãos do gigante Fafner. Ele não pode recuperá-lo por iniciativa direta, pois isto lhe é vedado pela qualidade de deus dos tratados, mas deseja evitar qualquer possibilidade de que o anel volte as mãos do anão Alberich. É muito perigoso para os deuses.
Tudo isso Wotan explica a Brunnhilde, sua filha dileta, nascida, como outras oito irmãs, de encontros ocasionais com Erda, deusa da terra. São as Valquírias, incumbidas de conduzir para o Walhalla, em suas montarias aladas, os guerreiros mortos, que irão integrar o corpo dos sentinelas da morada dos deuses. Constrangido pela vontade férrea de Fricka, a quem Hunding recorreu para obter a condenação da
união entre Siegmund e Sieglinde, Wotan contraria os próprios sentimentos e ordena a Brünnhilde que interfira na luta entre os dois homens e faça a vitória caber a Hunding. No entanto, ao encontrar-se com Siegmund e Sieglinde, que tem Hunding em seu encalço, a
Valquíria deixa-se levar pelo coração e passa a protege-lo com seu escudo durante o combate, para faze-lo vencedor. Wotan, entretanto, intervém exatamente quando Siegmund atinge o outro comum golpe mortal: faz em pedaços a espada do Wälsungo, permitindo que Hundig lhe
trespasse o peito com a lança. Brünnhilde, aterrorizada, toma Sieglinde nos braços, monta seu cavalo e foge para junto das outras Valquírias. Pretende levar a jovem para o Oriente, onde, em sossego, esta poderá dar à luz a criança que é fruto do amor com Siegmund. Daquelas paragens certamente não se aproximará Wotan, pois ali vive Fafner, que, usando o Tarnhelm (elmo mágico), transformou-se em dragão e dorme sobre o tesouro.
Envolto em nuvens tempestuosas, Wotan irrompe Envolto em nuvens tempestuosas, Wotan irrompe á procura de Brünnhilde, que apenas tem tempo de convencer Sieglinde a fugir, levando consigo os pedaços da espada de Siegmund, a qual, um dia, será refundida. Quanto à criança, diz Brünnhilde, receberá o nome de Siegfried. Furioso com a desobediência da filha rebelde, Wotan impõe-lhe a punição mais temida: perderá seus poderes de deusa, transformando-se em uma mulher destinada a ser possuída por qualquer homem. A ira divina assusta as outras
Valquírias, que fogem em cavalgada.
A sós com Brünnhilde, entretanto, Wotan acaba curvando-se a voz mais forte do amor paternal e alivia o castigo. Auxiliado por Loge, a quem chama, levanta um círculo de fogo em torno da jovem. Só conseguirá possui-la alguém suficientemente destemido, capaz de vencer a mágica barreira. Antes, beija-a, faz com que adormeça e cobre-a com o escudo de Valquíria.
Thomas Stewart tem uma voz magnífica de amplo poder e alcance, seu Wotan, sua enunciação e fraseado são excelentes. Sua raiva resplandece ferozmente no Ato 2 quando Fricka parte. No Ato 3, Stewart é capaz de realçar toda a beleza musical das frases de Wotan banindo Brünnhilde da “hoste celestial”. Crespin é uma artista talentosa demais, ela nos da, no curso dos atos, muitos momentos preciosos, e há uma frase no Ato 3 que eu nunca ouvi cantar tão bela e afetivamente, é onde Brünnhilde fala, simplesmente e de coração, de compreender pelo menos um dos comandos de Wotan, “amar tudo o que amava”, ela invoca poder dramático e tonal considerável em seu apelo para ser cercada pelo fogo. Gundula Janowitz muito bem como Sieglinde, realmente parecendo surpresa ao encontrar um homem estranho em sua casa e mais tarde no ato suas lindas notas altas dão muito prazer. O desempenho de Jon Vickers como Siegmund é soberbo nesta fase da carreira ele está com a voz esplêndida, os momentos heróicos são muito excitantes. Como sempre, sua enunciação é admirável, no Ato 2, onde sua ternura por Sieglinde, e suas respostas dignas a Brünnhilde, tocam a grandeza. Fricka de Josephine Veasey verdadeira mezzo-soprano adequada para os enraivecidos pronunciamentos da deusa. Este é um desempenho finamente cantado e distinto. Martti Talvela é um magnífico Hunding, tão ameaçador quanto Fricka e com uma voz tão negra e com o poder tonal. Não há muito o que escolher entre as maravilhosas Valquírias, tudo é adorável como por exemplo na silenciosa passagem em que as três vozes superiores entram uma depois da outra é inquestionavelmente um belo registro de entrosamento, gravação muito boa. Karajan têm a mitica Filarmônica de Berlim sob o comando. No Ato 1, quando a orquestra pinta tão lindamente o amor desperto de Sieglinde e Siegmund, para tornar-se emocionalmente indulgente, Karajan constrói seu clímax com sutileza empolgante. O magnífico registro orquestral de Karajan, o Siegmund de Jon Vickers, o Wotan de Thomas Stewart e Crespin tentando atingir as alturas tornam esta gravação belíssima. Ela pode nos surpreender e muito.

Jon Vickers tenor – Siegmund
Martti Talvela baixo – Hunding
Thomas Stewart barítono – Wotan
Gundula Janowitz soprano – Sieglinde
Josephine Veasey mezzo – Fricka
Régine Crespin contralto – Brünnhilde
Liselotte Rebmann soprano – Gerhilde
Ingrind Steger mezzo – Waltraute
Daniza Mastlovic soprano – Helmwige
Cvetka Ahlin mezzo – Grimgerde
Carlotta Ordassy soprano – Ortlinde
Lilo Brockhaus mezzo – Schwertleite
Barbro Ericson mezzo – Sigrune
Helga Jenckel soprano – Rossweisse
Orquestra Filarmônica de Berlim / Herbert von Karajan

Richard Wagner (1813 – 1883)
Die Walküre, WWV 86B

Act 1

1.
Orchestervorspiel
2. Szene 1: “Wes Herd dies auch sei, hier muß ich rasten”
3. Einen Unseligen labtest du (Siegmund, Sieglinde)
4. Szene 2: “Müd am Herd fand ich den Mann”
5. “Friedmund darf ich nicht heißen”
6. Die so leidig Los dir beschied (Hunding, Sieglinde, Siegmund)
7. “Ich weiß ein wildes Geschlecht”
8. Szene 3: “Ein Schwert verhieß mir der Vater”
9. “Schläfst du, Gast?”
10. “Winterstürme wichen dem Wonnemond”
11. Du bist der Lenz
12. O süßeste Wonne! Seligstes Weib! (Siegmund, Sieglinde)
13. War Wälse dein Vater
14. Siegmund, den Wälsung, siehst du, Weib! (Siegmund, Sieglinde)

Act 2

15. Vorspiel – Szene 1: “Nun zäume dein Roß”
16. Hojotoho! Hojotoho! (Brünnhilde)
17. “Der alte Sturm, die alte Müh'”
18. So ist es denn aus mit den ewigen Göttern
19. “Was verlangst du?”
20. Deiner ew’gen Gattin heilige Ehre (Fricka, Wotan)
21. Szene 2: “Schlimm, fürcht ich, schloß der Streit”
22. “Ein andres ist ‘s: achte es wohl”
23. So nimmst du von Siegmund den Sieg? (Brünnhilde, Wotan)
24. So nimm meinen Segen, Niblungen-Sohn (Wotan, Brünnhilde)
25. “So sah ich Siegvater nie”
26. Szene 3: “Raste nun hier; gönne dir Ruh!”
27. Szene 4: “Siegmund! Sieh auf mich!”
28. “Du sahest der Walküre sehrenden Blick”
29. So jung und schön erschimmerst du mir (Siegmund, Brünnhilde)
30. Szene 5: “Zauberfest bezähmt ein Schlaf”
31. Der dort mich ruft, rüste sich nun (Siegmund, Sieglinde, Hunding, Brünnhilde)
32. Zu Ross, daß ich dich rette! (Brünnhilde, Wotan)

Act 3

33.Szene 1: “Hojotoho! Heiaha!”
34. “Schützt mich und helft in höchster Not”
35. “Nicht sehre dich Sorge um mich”
36. Szene 2: “Wo ist Brünnhild’, wo die Verbrecherin?”
37. “Hier bin ich, Vater”
38. Einleitung 3.Aufzug (Finale)
39. Szene 3: “War es so schmählich?”
40. So tatest du, was so gern zu tun ich begehrt
41. Nicht streb, o Maid, den Mut mir zu stören (Wotan, Brünnhilde)
42. “Leb wohl, du kühnes, herrliches Kind”
43. Der Augen leuchtendes Paar
44. “Loge, hör! Lausche hieher!”
45. – Magic Fire Music –

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

.: interlúdio :. Charlie Haden: The Montreal Tapes VI (com a Liberation Music Orchestra)

.: interlúdio :. Charlie Haden: The Montreal Tapes VI (com a Liberation Music Orchestra)

Aqui, toda a série e mais um baita CD de brinde.

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Quase três décadas separam o disco de estreia da Liberation Music Orchestra, de Charlie Haden, e esse disco da banda é praticamente 100%  diferente. Explico: a superbanda formada por grandes estrelas pouco se reunia, nada ensaiava e mesmo assim Haden fez seu repertório evoluir. Este CD tem duas longas suítes, We Shall Overcome, do disco Dream Keeper, e um coeso La Pasionaria, de Ballad of the Fallen. Com o saxofonista Joe Lovano e os trompetistas Stanton Davis e Tom Harrell interpretando temas melódicos ou notáveis solos, a banda está afiadíssima. É uma festa no palco, com os membros da banda deleitando-se em melodias de raiz folclórica ou excursões cheias de citações à história do jazz. É um raro prazer ouvir essa orquestra e os solos de Haden estão no auge.

Uma maravilha absolutamente recomendada. Sabem que Haden e outros membros da banda certa vez acabaram presos por insistirem em tocar La Pasionaria, SandinoWe Shall Overcome? Onde? Quando? Ah, pesquisem aí no guguel.

Charlie Haden: The Montreal Tapes VI (com a Liberation Music Orchestra)

1 La Pasionara
2 Silence
3 Sandino
4 We Shall Overcome

Charlie Haden (double bass)
Liberation Music Orchestra: Tom Harrell (trumpet); Stanton Davis (trumpet); Ken McIntyre (alto sax); Ernie Watts (tenor sax); Joe Lovano (tenor sax); Ray Anderson (trombone); Sharon Freeman (French horn); Joe Daley (tuba); Mick Goodrick (guitar); Geri Allen (piano); Paul Motian (drums)

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

A superbanda de Haden que fecha os Montreal Tapes

PQP

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Aqui, boa parte desta coleção.

Este é um belo disco de Cantatas de Bach. Só a presença da Cantata BWV 82, Ich habe genug, já garante a qualidade do repertório. Depois, é só dar uma olhada no nome do regente e executantes para saber que será um banquete.

A Cantata BWV 82 foi composta na cidade de Leipzig para a Festa da Purificação, em 2 de fevereiro de 1727. A Purificação celebra um incidente registrado por São Lucas, no qual Maria leva o menino Jesus ao Templo, em Jerusalém, para oferecer sacrifícios rituais quando encontra o ancião Simeão, em cuja cântico o libreto se baseia. A peça foi composta para oboé, cordas, baixo contínuo e um solista baixo. Existem outras versões para soprano (BWV 82a) transpostas de dó menor para mi menor, e com a parte de oboé substituída por flauta e levemente alterada. Também há versões para contralto.

O primeiro recitativo e a ária “Schlummert ein” (com acompanhamento de baixo) foram transcritos no Pequeno Livro de Anna Magdalena Bach para que pudessem ser cantados por um contralto, presumivelmente a própria Anna Magdalena Bach.

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

Ich Habe Genug, BWV 82:
1 Aria: Ich Habe Genug 7:43
2 Recitative: Ich Habe Genug! Mein Trost Ist Nur Allein 1:15
3 Aria: Schlummert Ein, Ihr Matten Augen 9:30
4 Recitative: Mein Gott! Wenn Kommt Das Schone 0:48
5 Aria: Ich Freue Mich Auf Meinen Tod 3:47

Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt, BWV 178:
6 Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt (Chorus) 4:38
7 Recitative and Chorale: Was Menschenkraft Und -witz Anfaht (Alto) 2:24
8 Aria: Gleichwie Die Wilden Meereswellen (Bass) 3:50
9 Chorale: Sie Stellen Uns Wie Ketzern Nach (Tenor) 1:56
10 Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt, BWV 178: Chorale and Recitative: Auf Sperren Sie Den Rachen Weit (Soprano, Alto, Tenor, Bass) 1:33
11 Aria: Schweig, Schweig Nur, Taumelnde Vernunft! (Tenor) 3:45
12 Chorale: Die Feind Sind All In Deiner Hand 2:00

Herr, Deine Augen Sehen Nach Dem Glauben, BWV 102:
13 Part I: Herr, Deine Augen Sehen Nach Dem Glauben (Chorus) 5:39
14 Part I: Recitative: Wo Ist Das Ebenbild, Das Gott Uns Eingepraget (Bass) 1:14
15 Part I: Aria: Weh Der Seele, Die Den Schaden Nicht Mehr Kennt (Alto) 5:25
16 Part I: Arioso: Verachtest Du Den Reichtum Seiner Gnade (Bass) 3:00
17 Part II: Aria: Erschrecke Doch, Du Allzu Sichre Seele (Tenor) 4:13
18 Part II: Recitative: Beim Warten Ist Gafahr (Alto) 1:31
19 Part II: Chorale: Heut Lebst Du, Heut Bekehre Dich (Chorus) 1:41

Jan Van der Crabben, Baritone
Christoph Genz, Tenor
Elisabeth Hermans, Soprano
Petra Noskaiova, Alto
La Petite Bande Ensemble
Sigiswald Kuijken

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Le Concert des Nations, dir. Jordi Savall; Manfredo Kraemer, Concertino: L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643) – 2002

L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643)

Partituras recolhidas por Mssr. Philidor, na época

Le Concert des Nations
dir. Jordi Savall

Manfredo Kraemer, Concertino

2002

Tanto em termos de formas como de cores musicais, a Orquestra de Luís XIII marca a transição entre dois grandes períodos: o fim do Renascimento e a entrada no Barroco. Estas músicas da corte com sabores populares, sempre imaginativos e coloridos, estão constantemente à procura de flexibilidade e graça, grandeza e elegância. Eles são os elementos característicos do estilo tipicamente francês que irradiarão toda a Europa até o final do século XVIII. (Jordi Savall)

Musice De L’Enfance Du Dauphin:
1. Pavane Pour La Petitte Guaire, Fait Pour Les Cornetz En 1601
2. Gaillarde, En Suitte
3. Muzette “Ma Mignone”
4. Pavane Fait Au Mariage De Mr. Vandosme En 1609
5. Branle En Faubourdon
6. Gaillarde En Suitte
Musiques Pour Le Sacre Du Roy Faites Le 17 Octobre 1610:
7. Pavane Pour Les Hautbois Fait Au Sacre Du Roy
8. 2e Air En Suitte
9. 3e Air En Suitte
Musiques Pour Le Mariage Du Roy Louis XIII Faites En 1615:
10. Pavane Du Mariage De Louis XIII
11. Bourée D’Avignonez (Philidor)
12. Ballet A Cheval Pour Le Grand Carousel. Joué Par Les Grands Hautbois
13. 2e Air En Suitte
14. 3e Air En Suitte
15. 4e Air En Suitte
Concert Donné A Louis XIII En 1627 Par Les 24 Viollons Et Les 12 Grands Hautbois
16. Les Ombres
17. 2e Air Pour Les Mesmes
18. Charivaris Pour Les Hautbois
19. Gavotte En Suitte
20. Les Suisses. Air Pour Les Viollons
21. Les Suissesses
22. Les Gacons
23. Entrée De Mr. De Liancourt
24. Les Vallets De La Faiste
25. Les Nimphes De La Grenouillere
26. Les Bergers
27. Les Ameriquains 27 de 36
Les Musiques Royales De 1643 À 1650:
28. Fanfare
29. Intrada – Gavotte – Sarabande
30. Charivaris Pour Les Hautbois 1648
31. Courante De La Reine D’Angleterre 1634
32. Gavotte
33. Fantaisie “Les Pleurs D’Orphée”
34. Libertas
35.  Sarabandes & Tambourin
36. “A L’Impero D’Amore” (Sarabande)

L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643) – 2002
Le Concert des Nations
dir. Jordi Savall

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 330 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 142 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 05 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição!

 

 

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

Excelente CD triplo com interpretação luxuosa de Savall e turma. Um trabalho de alta categoria.

Farnace (RV 711) é uma ópera em três atos do compositor veneziano Antonio Vivaldi (1678-1741) com libreto de de Antonio Maria Lucchini (1690-1730). A obra teve sua estreia em 10 de fevereiro de 1727 no Teatro de Sant’Angelo, em Veneza. Uma nova versão foi apresentada no outono do mesmo ano, com modificações feitas pelo autor nos atos I e II. O manuscrito conservado na Biblioteca de Turim corresponde a essa segunda montagem.

Diversas outras óperas do século XVIII foram compostas com o mesmo nome a partir de libretos também diversos. A versão de Vivaldi para Farnace tem importância especial na carreira do compositor, pois marca seu retorno à cena operística de Veneza depois de um longo período de viagens. Durante sua ausência dos teatros venezianos, Vivaldi esteve em diversas cidades do Vêneto e nos Estados Papais acompanhando a performance de algumas de suas óperas como Ercule su’l Termodonte (1723) e Il Giustino (1724). A obra de Vivaldi obteve grande sucesso em seu tempo, inclusive em uma remontagem em Praga, em 1730. Nessa ocasião, a ópera foi reapresentada no teatro do conde Franz Anton von Sporck (1662-1738) incluindo cinco árias não compostas originalmente por Vivaldi. Outras reapresentações ocorreram em Pavia (maio de 1731), Mântua e Milão (1732), com arranjos feitos pelo próprio autor, Florença (1733), em versão original e Treviso (1737). Desde então, a Farnace de Vivaldi caiu no esquecimento até o final do século XX, período da redescoberta da produção lírica do autor, quando foi novamente encenada.

No outono do mesmo ano de 1727, estreou também outra ópera de Vivaldi, Orlando Furioso.

Sinopse

A ópera conta a história de Farnace (Pharnaces II, Rei do Ponto). Segundo era hábito na época, o enredo não se preocupa com a veracidade histórica dos fatos narrados. Assim, o destino de Farnace na ópera de Vivaldi é bastante diferente dos fatos reais narrados pelos historiadores. Os três personagens principais, Farnace, Berenice e Pompeu, são grandes antagonistas e confrontam suas ambições políticas e de conquista militar. Alguns críticos [5] consideram que a profundida da caracterização dos personagens nesta obra é um dos pontos altos da produção de Vivaldi.

Ato I
A ação se passa na cidade grega de Heracleia, durante a conquista romanda da Anatólia. Farnace, Rei do Ponto, é filho e sucessor de Mítridates. Ele foi derrotado em batalha pelos romanos e está sitiado em Heracleia, seu último reduto. Para evitar que caiam nas mãos dos inimigos, ordena a sua esposa, Tamiri, que mate o filho deles e cometa suicídio. A mãe de Tamiri, Berenice, rainha da Capadócia, odeia Farnace e mantém um conluio com o vencedor romano, Pompeu, para matá-lo. Os exércitos de Berenice e Pompeu atacam Heracleia, mas Farnace consegue escapar. Berenice impede que Tamiri mate seu filho e cometa suicídio, como havia ordenado Farnace. Mas a chegada das tropas de Pompeu agrava o clima de ódio. Selinda, irmã de Farnace, é mantida prisioneira pelo romando Aquilio que está apaixonado por ela, assim como Gilade, um dos capitães de Berenice. Selinda joga um contra o outro na tentativa de salvar seu irmão.

Ato II
A rivalidade entre Gilade e Aquilio se agrava, favorecendo os planos de Selinda que, na verdade, pretende rejeitar a ambos favorecendo o irmão Farnace. Berenice ordena a captura de Farnace. Este está prestes a cometer suicídio, acreditando que sua mulher e seu filho já estão mortos. Mas Tamiri aparece e o impede de se matar. Berenice aparece em seguida e ordena a destruição do local onde estava Farnace, mas ele consegue se esconder. Ela, então, encontra a filha, Tamiri, e o neto. Tamiri implora a misericórdia da mãe, mas Berenice repudia sua filha e leva consigo o menino. No palácio real, Selinda pede ajuda a Gilade e, depois de obter os favores dele, oferece essa ajuda a Farnace que havia entrado clandestinamente no local. Mas Farnace não aceita a oferta. Gilade e Aquilio insistem com Berenice, defendendo a sobrevivência de seu neto e herdeiro. Mas a guarda dele é deixada com Aquilio por ordem de Pompeu.

Ato III
Na planície de Heracleia, Berenice e Gilade reúnem-se a Pompeu e Aquilio que lideram as tropas romanas. Berenice exige de Pompeu a morte do filho de Farnace, oferecendo ao romano metade de seu reino. Tamiri faz a mesma oferta em troca da vida do filho. Selinda consegue de Gilade a promessa de matar Berenice ao mesmo tempo que obtém de Aquilio a promessa de matar Pompeu. Aqulio e Farnace, disfarçado de guerreiro, aparecem ao mesmo tempo junto a Pompeu com o objetivo de matá-lo. A ação falha e Pompeu interroga o guerreiro que apareceu junto dele sem suspeitar que se trata de Farnace. Berenice entra em cena e revela a identidade de Farnace que é preso e, depois, libertado por Gilade e Aquilio. Ambos tentam matar Berenice por considerar que ela é excessivamente cruel. Mas a rainha da Capadócia é salva pelo general romano, que se mostra clemente. A clemência de Pompeu convence Berenice a esquecer seu ódio por Farnace e a rainha, dizendo que sua raiva está aplacada, abraça Farnace como se fosse seu próprio filho. É o tradicional final feliz e todos são poupados.

Gravações
Em 2002, Jordi Savall gravou esta ópera pelo selo Alia Vox com o Le Concert des Nations durante uma série de apresentações ao vivo no Teatro de la Zarzuela de Madrid, combinando-a com algum material da ópera homônima de François Courselle (conhecido na Itália como Francesco Corselli). Entre os solistas dessa gravação, incluída na série Vivaldi Collection da Naïve, destacam-se Furio Zanasi, Fulvio Bettini e Sara Mingardo.

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

CD1
1. Corselli – Sinfonia: [Vivo]
2. Sinfonia: [Allegro e piano]
3. Sinfonia: [Spiritoso]
4. Marcia
5. Recitativo: Ma d’onde, o mia Regina (Gilade e Berenice)
6. Aria: Da quel ferro che ha svenato (Berenice)
7. Vivaldi – Atto I. Sinfonia: [Allegro]
8. Sinfonia: [Andante]
9. Recitativo: Benché vinto e sconfitto (Farnace e Tamiri)
10. Aria: Ricordati che sei (Farnace)
11. Recitativo: Ch’io me tolga col ferro (Tamiri)
12. Aria: Combattono quest’alma (Tamiri)
13. Coro: Dell’Eusino con aura seconda
14. Recitativo: Del nemico Farnace (Gilade e Berenice)
15. Recitativo: Amazzone real dell’Oriente (Pompeo, Berenice e Gilade)
16. Recitativo: Guerrieri eccovi a fronte (Pompeo)
17. Coro: Su campioni, su guerrieri
18. Recitativo: In si gran punto ancora (Farnace)
19. Recitativo: Signor, s’anche fra l’armi (Selinda, Aquilio, Berenice, Pompeo e Gilade)
20. Recitativo: A’nostri danni armata (Selinda, Gilade e Aquilio)
21. Aria: Nell’intimo del petto (Gilade)
22. Recitativo: A’sorprendermi il cor (Aquilio e Selinda)
23. Aria: Penso che que’ begl’occhi (Aquilio)
24. Recitativo: Qual sembianza improvvisa (Selinda)
25. Aria: Al vezzeggiar (Selinda)
26. Recitativo accompagnato: Figlio, non vi è più scampo (Tamiri col piccolo figlio)
27. Recitativo: Fermati, ingrata! (Berenice e Tamiri)
28. Recitativo: Signor, costei ch’audace empie (Berenice e Pompeo)
29. Aria: Da quel ferro che ha svenato (Berenice)
30. Recitativo: L’Asia non è ancor doma (Pompeo e Tamiri)
31. Aria: Leon feroce (Tamiri)
32. Recitativo: Come ben fa veder (Pompeo)
33. Aria: Sorge l’irato nembo (Pompeo)

CD2
1. Corselli – Aria: S’arma il cielo di tuoni e di lampi (Farnace)
2. Vivaldi – Atto II. Recitativo: Principessa gentil (Gilade, Aquilio e Selinda)
3. Aria: Lascia di sospirar (Selinda)
4. Recitativo: Di Farnace e del figlio (Berenice e Gilade)
5. Aria: Langue misero quel valore (Berenice)
6. Recitativo: Non cham’ar non e fallo (Gilade)
7. Aria: C’è un dolce furore (Gilade)
8. Recitativo: Non che ceder (Farnace)
9. Recitativo: Pupille o voi sognate (Tamiri e Farnace)
10. Aria: Gelido in ogni vena (Farnace)
11. Recitativo: Olà, queste superbe (Berenice e Tamiri)
12. Recitativo accompagnato: Quest’è la fe spergiura (Farnace e Tamiri)
13. Recitativo: Dite che v’ho fatt’io (Tamiri)
14. Aria: Arsa da rai concenti (Tamiri)
15. Recitativo: Ah, segli è ver che m’ami (Selinda e Gilade)
16. Aria: Quel tuo ciglio (Gilade)
17. Recitativo: Dove mai ti trasporta (Selinda e Farnace)
18. Aria: Spogli pur l’ingiusta Roma (Farnace)
19. Recitativo: Dell’iniquo Farnace (Berenice, Selinda, Aquilio e Pompeo)
20. Aria: Roma invitta una clement (Pompeo)
21. Recitativo: Fra le libiche serpi (Selinda, Aquilio e Berenice)
22. Aria: Lascerò d’esser spietata (Berenice)
23. Recitativo: Aquilio, eben pensasti? (Selinda e Aquilio)
24. Duetto: Io sento nel petto (Selinda e Aquilio)

CD3
1.Corselli – Marcia
2. Vivaldi – Atto III. Recitativo: Gilade, Gran Regina (Berenice, Selinda, Aquilio e Pompeo)
3. Aria: Quel candido fiore (Berenice)
4. Recitativo: Signor; se la clemenza (Tamiri, Pompeo e Farnace)
5. Aria: Forse o caro in questi accenti (Tamiri)
6. Recitativo: Si qualche nume (Farnace)
7. Aria: Quel torrente che s’innalza (Farnace)
8. Recitativo: Gilade, il tuo pensiero (Selinda e Gilade)
9. Aria: Scherza l’aura lusinghiera (Gilade)
10. Recitativo: Aquilio, il braccio forte (Selinda e Aquilio)
11. Aria: Ti vantasti mio guerriero (Selinda)
12. Recitativo: Oh, stelle quale impresa (Aquilio,Pompeo e Farnace)
13. Recitativo: Regina, in costui riconosci (Pompeo, Berenice e Farnace)
14. Recitativo: Oh, Dio fermati i colpi (Tamiri e Farnace)
15. Quartetto: Io crudel? (Berenice, Pompeo, Tamiri e Farnace)
16. Recitativo: Fornace i Numi alfine (Berenice)
17. Recitativo: Voglio che mora (Berenice)
18. Recitativo: Berenice morrà (Gilade, Pompeo, Selinda, Berenice, Farnace, Tamiri)
19. Coro Finale: Coronata di gigli e di rose

Farnace – Furio Zanasi
Tamiri – Sara Mingardo
Berenice – Adriana Fernández
Pompeo – Sonia Prina
Selinda – Gloria Banditelli
Gilade – Cinzia Forte
Aquilio – Fulvio Bettini
Coro del Teatro de la Zarzuela
Le Concert des Nations
Conductor – Jordi Savall

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jordi Savall, nós é que te aplaudimos

PQP

François Couperin (França, 1668 – 1733) – Leçons de ténèbres: Sandrine Piau, Véronique Gens, Les Talens Lyriques, dir. Christophe Rousset

François Couperin
França, 1668 – 1733

Leçons de ténèbres

Les Talens Lyriques
dir. Christophe Rousset

Sandrine Piau & Véronique Gens – sopranos

1997

5 DIAPASON 

Télèrama ffff

Classics Magazine – rated 10

Para aqueles que amam um soprano barroco fluido, etéreo, elegante, com dissonâncias e resoluções cuidadosamente preparadas e um som que é puro e bonito, esta versão é para você. Dois dos melhores sopranos a emergir da França nas últimas décadas, Véronique Gens e Sandrine Piau, juntaram-se ao experiente especialista musical Christophe Rousset e ao conjunto Les Talens Lyriques para cobrir Leçons de Ténèbres de François Couperin (1714) bem como três obras sagradas anteriores notáveis que não são de maneira alguma insolentes. Pensou que os textos dos Leçons descreveriam a destruição do templo de Jerusalém? Os escritos de Couperin, com voz perspicaz e persuasiva, projetam um catolicismo calmo e luxuriante e não enfatizam esse tema trágico,

Piau, com uma voz mais incomum e mais baixa que sua parceira, assume o primeiro Leçon. Gens, cuja versão extraordinária de “Nuits d’ete” de Hector Berlioz ficou na minha memória, leva a parte superior e a segunda Leçons. A conclusão da seção “Jerusalém” deste segundo Leçons, cantada por Gens, tem que ser nos destaques, graciosa e crescente. Ambas as sopranos se juntam para o 3º Leçons onde a capacidade de contraponto de Couperin está totalmente em exibição. Os executores sequenciaram os Leçons como normalmente são feitos, mas essa ordenação é feita para melhorar a coesão do conjunto e não com base em fontes históricas. De fato, vários Leçons de Couperin foram perdidos, então os três Leçons que chegaram até nós formam um fragmento. Isso pode ser ouvido musicalmente, pois a última seção do terceiro Leçons termina de forma inconclusiva, não como uma conclusão estruturada tradicional. Em contraste, a excelente versão dos Leçons no Erato liderada por Laurence Boulay reorganiza os três Leçons sem nenhum efeito negativo. Ouvir o Boulay também ressalta como os artistas deste disco conceberam e executaram seus Leçons como leves e elegantes. O continuo de Boulay é comparativamente ocupado, enquanto o Rousset usa um mínimo de notas, as linhas de soprano ao redor de um acompanhamento de órgão e baixo constante e relativamente simples. Eu também comparei o desempenho com o de William Christie e Les Arts Florissants e descobri que, embora os dois compartilhem uma abordagem semelhante, Gens e Piau injetam muito mais vida e emoção em sua interpretação, tornando-a preferível.

Dois Motets e o Magnificat, datados de estudiosos da década de 1680, representam um estilo barroco médio anterior, relacionado, mas diferente do dos Leçons que preenche o lançamento. Todos os três são lindos e valem a pena. Com uma apresentação de mais de 10 minutos, o Magnificat pode ser minha única faixa favorita aqui, mais viva e um pouco menos serena do que a outra música.

Este disco é exemplar e bonito. Eu suspeito que alguns ouvintes vão amá-lo absolutamente por seu efeito cumulativo arrebatador e exaltado. Ajudado por uma engenharia de som muito boa, é calorosamente recomendado. (ex-Amazon)

Leçons de ténèbres – 1997
Les Talens Lyriques
dir. Christophe Rousset
Sandrine Piau & Véronique Gens – sopranos

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 256 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 161 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 07 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

Sandrine Piau

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição!

 

 

.: interlúdio .: Pat Metheny Group- American Garage

Com certeza esse álbum do Pat Metheny Group é um dos mais belos discos de jazz já gravados. Impecável na sua produção, na qualidade das músicas, no nível altíssimo dos músicos envolvidos … nunca deixo de me emocionar quando o ouço, e já faço isso há mais de trinta anos e cinco anos.

Pat Metheny com este disco inscrevia seu nome no rol dos grandes músicos de Jazz, nos trazendo belíssimas melodias, muito inspiradas, sem precisar espanar sua guitarra, me utilizando da expressão de nosso mentor, PQPBach para reclamar daqueles guitarristas que gostam de demostrar seu virtuosismo tocando mil notas por segundo, nos mostrando uma técnica apuradíssima, com sua excepcional banda, que tinha o seu parceiro de banda pelas próximas duas décadas, o pianista e tecladista Lyle Mays, o baixista Mark Egan e o baterista Dan Gotlieb.

Canções como ‘(Cross The) Heartland’, ‘American Garage’, e a épica ‘Epic’ já se tornaram clássicas, e são obras obrigatórias em seus concertos. Elas nos remetem a uma época que não volta mais, a campos cultivados, a estradas sem fim, lembrando do belo título de uma coletânea do The Allman Brothers Band, ‘The Road Goes on Forever”. Até hoje, Pat Metheny é uma de minhas trilhas sonoras de viagem favoritas.

A capa deste disco também é detalhe a se destacar: aqueles trailers sob um céu azul não trazem uma paz de espírito para os senhores?, nos deixa serenos. Talvez o único defeito deste LP seja sua curta duração: meros trinta e cinco minutos, que você que durem cem minutos. Entendemos que na época os discos não eram muito mais longos que isso, estamos falando de 1979.

Para aqueles que não conhecem Pat Metheny, creio que esta seja a melhor apresentação que se possa fazer.

01 – (Cross The) Heartland
02 – Airstream
03 – The Search
04 – American Garage
05 – The Epic

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Piano Nº 17, 18 e 21

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Piano Nº 17, 18 e 21

Assim como eu roubaria e mataria por Juliette Binoche e Maurizio Pollini, há gente que faria o mesmo pelo pianista Artur Schnabel (1882-1951). Realmente, este austríaco foi espantoso, mas, sabem?, sou um pouco reticente com as gravações antigas de som ruim. Respeito também outro Arthur, com agá, Rubinstein, mas o ouço pouco. Não consigo enxergar muito mais do que valor histórico nas gravações. Acho que gente como Gould, Foldes, Anda, Gilels, etc, devem ser ouvidos por sua altíssima qualidade, mas também por terem sido melhor gravados. Ademais, nosso tempo segue produzindo pianistas espetaculares que nada devem ao passado. (Ou que só devem a ele em razão da influência).  O som histórico só me interessa se quem estiver tocando for autores como Bartók, Shosta, etc., suas concepções me interessam, claro.

Então, ouço meio sem emoção o belo trabalho de Schnabel, que infelizmente nasceu em outro tempo. Mas, repito, há gente que mataria e roubaria por ele e que talvez queira fazer o mesmo comigo agora.

Beethoven: Piano Sonatas Nos. 17, 18 and 21 (Gravações de 1932 e 1934)

Piano Sonata No. 17 in D minor, Op. 31, No. 2, “Tempest”
1. I. Largo – Allegro 00:08:55
2. II. Adagio 00:08:17
3. III. Allegretto 00:05:40

Piano Sonata No. 18 in E flat major, Op. 31, No. 3
4. I. Allegro 00:08:20
5. II. Scherzo: Allegro vivace 00:04:45
6. III. Menuetto: Moderato e grazioso 00:04:09
7. IV. Presto con fuoco 00:04:00

Piano Sonata No. 21 in C major, Op. 53, “Waldstein”
8. I. Allegro con brio 00:10:05
9. II. Introduzione: Adagio molto 00:05:10
10. III. Rondo: Allegretto moderato – Prestissimo 00:08:52

Artur Schnabel, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Pollini e Schnabel, depois os outros?

PQP

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Martinů foi um grande compositor. Esses concertos são coloridos, interessantes, bonitos e cheios de vida. A maioria das fotos de Martinů mostram uma pessoa sorridente e sua música também nos sorri. Este tcheco era altamente prolífico. Compôs seis sinfonias, 15 óperas, 14 ballets e uma grande quantidade de obras orquestrais e camerísticas, concertos e peças para instrumentos solo e vocais. Martinů era violinista da Filarmônica Tcheca. Em 1923, deixou a Tchecoslováquia para residir em Paris e deliberadamente abandonou o estilo romântico no qual havia sido formado. Nos anos 1930, experimentou o expressionismo e o construtivismo, tornando-se um admirador dos desenvolvimentos técnicos europeus que aconteciam à época, o que pode ser observado em seus trabalhos orquestrais Half-time e La Bagarre. Também incorporou expressões jazzísticas, como ocorre em Kuchyňské revue (“Revista de cozinha”), por exemplo.

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Piano Concerto No. 3, H. 316 (30:37)
1 Allegro 9:13
2 Andante Poco Moderato 11:23
3 Moderato – Allegro 9:57

Piano Concerto No. 5 In B Flat Major (Fantasia Concertante), H. 366 (25:19)
4 Poco Allegro Risoluto 8:12
5 Poco Andante 9:59
6 Poco Allegro 7:04

Concertino For Piano And Orchestra, H. 269 (21:29)
7 Allegro Moderato (Comodo) 6:13
8 Lento 8:45
9 Allegro 6:26

Piano – Giorgio Koukl
Orchestra – Bohuslav Martinů Philharmonic Orchestra, Zlín*
Conductor – Arthur Fagen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O feliz Martinů em 1943.

PQP

.: interludio :. Hiromi & Edmar Castaneda – Live In Montreal (2017)

Já ensaiei uma postagem deste CD anteriormente, mas por algum motivo, acabei desistindo. O que é uma sacanagem para com os senhores: isso aqui é absolutamente sensacional. Dois ‘monstros’ em seus respectivos instrumentos, se desafiando constantemente, mostrando todo o seu virtuosismo e possibilidades infinitas de seus instrumentos.

A pianista japonesa Hiromi é um assombro, nunca deixa de nos surpreender, lembra um pouco Keith Jarrett em seu apogeu nos anos 70, revolucionando o ‘tocar piano’, ficamos nos imaginando de onde vem tanto talento, tanta capacidade de improvisação, tanto virtuosismo.

Edmar Castaneda até então me era um ilustre desconhecido. É colombiano, e o que faz com sua Harpa é assustador também. Assustador no bom sentido, claro. Também tira água da pedra, extraindo de seu instrumento sonoridades mil, explora com maestria todas suas nuances. Por vezes nós é difícil entender como ele consegue fazer isso tudo.

O virtuosismo é o que impera neste ‘IM-PER-DÍ-VEL’ CD. Sim, há momentos de virtuosismo extremo, mas também há momentos de puro encantamento, delírio emocional, sei lá como chamar. Tratam-se de dois músicos no apogeu de sua carreira e técnica mostrando até onde podem ir, e se possível, ir mais além.

Deleitem-se, caros mortais… é para se ouvir diversas vezes para melhor ser apreciado em seus detalhes. Melhor ainda é que foi gravado ao vivo …

Hiromi & Edmar Castaneda – Live In Montreal (2017)

1. A Harp In New York
2. For Jaco
3. Moonlight Sunshine
4. Cantina Band
5. The Elements – Air
6. The Elements – Earth
7. The Elements – Water
8. The Elements – Fire
9. Libertango

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Henry Purcell, nascido e morto em Londres (sepultado na Abadia de Westminster), foi compositor de vida breve e extensa obra. Até nossos dias, permanece como um dos mais importantes compositores ingleses. Sua facilidade em compor para todos os gêneros e públicos, sua popularidade na corte durante os reinados de três monarcas e sua vasta produção de canções seculares, odes cortesãs, música cênica, hinos sacros, sonatas, fantasias para viola, música de câmara e para órgão são provas claras de seu enorme talento. Compôs a sensacional ópera Dido and Aeneas e a semi-opera A tempestade.

Este disco é maravilhoso. Com instrumentação simples Paul Agnew acentua a grande qualidade melódica das canções, Os temas são o amor, a música, a poesia e a solidão. E eu amo Purcell desde a adolescência!

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

1 –Purcell* If Music Be The Food Of Love
2 –Purcell* Corinna Is Devinely Fair
3 –Purcell* Ah! How Sweet It Is To Love
4 –Purcell* What A Sad Fate Is Mine
5 –Purcell* I See She Flies Me Ev’rywhere
6 –Corbetta* Caprice De Chacone
7 –Purcell* O Sollitude, My Sweetest Choice
8 –Purcell* Music For A While
9 –Purcell* Ground In C For Harpsichord
10 –Purcell* O! Fair Cedaria
11 –Purcell* Man Is For The Woman Made
12 –Purcell* Not All My Torments Can Your Pity Move
13 –Purcell* On The Brow Of Richmond Hill
14 –Purcell* Pious Celinda Goes To Prayers
15 –Purcell* When First I Saw The Bright Aurelia’s Eyes
16 –Simpson* Prelude In D
17 –Purcell* The Cares Of Lovers
18 –Purcell* The Fatal Hour Comes On Apace
19 –Purcell* I Loved Fair Celia
20 –Purcell* When Her Languishing Eyes Said ‘Love!’
21 –Visée* Prelude In D Minor
22 –Purcell* A Morning Hymn
23 –Simpson* Prelude [in E]
24 –Purcell* The Earth Trembled
25 –Purcell* Now That The Sun Has Veil’s His Light
26 –Purcell* If Music Be The Food Of Love

Double Bass – Anne-Marie Lasla
Harpsichord, Organ – Blandine Rannou
Tenor Vocals – Paul Agnew
Theorbo, Guitar – Elizabeth Kenny

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Purcell, em declaração exclusiva para o PQP Bach

PQP

François Couperin (França, 1668 – 1733): Concerts Royaux – Duas versões, duas visões.

François Couperin

Concert Royaux (pour 2 clavecins)

Laurence Boulay & Françoise Lengellé

1996

 

 

 

François Couperin

Concert Royaux

Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

1985

 

Seleção e texto do nosso amigo Eratosthenes. Convidei-o para fazer o texto dos 2 CDs que me enviara, temendo estar criando uma cobra em casa, pois ele mantém olhares lânguidos na minha doce Sandrine! Mas, enfim, alea jacta est!

..oOo..

Estes dois discos com música de François Couperin, os Concerts Royaux (Concertos Reais), nos oferecem a oportunidade de ouvir música de um período maravilhoso sob duas diferentes perspectivas. É como se olhássemos um colar de pequenas gemas sob diferentes luzes.

Couperin, assim como muitos dos compositores contemporâneos seus, era membro de uma família de músicos – compositores e intérpretes. Além disso, ele fez excelentes conexões com toda a comunidade de músicos de seu tempo, assim como com a aristocracia. Recebeu o apoio de Delalande, correspondeu-se com Bach e ganhou por vinte anos o privilégio de publicar música. É desse período, de 1713 a 1730, as publicações de suas Pieces de Clavecin, quatro coleções de peças para cravo, organizadas em suites, chamadas ordres. Faz parte dessas peças a Les Baricades mystérieuses e outras não menos famosas.

Voltando aos Concerts Royaux – coleção de quatro “concertos”, mas que têm o formato de suites: um prelúdio e uma sequência de danças, tais como allemande, sarabande, courante e assim por diante. O que distingue essa coleção das outras suites é explicado pelo próprio Couperin: “Estas peças são diferentes em natureza daquelas que já publiquei até agora. Elas são adequadas não apenas para o cravo, mas também para o violino, a flauta, o oboé, a viola e o fagote. Eu as compus para os pequenos concertos de câmara nos quais Louis XIV me fez tocar quase todos os domingos do ano. Essas peças eram tocadas pelos senhores Duval, Philidor, Alarius e Dubois. Eu tocava o cravo. Eu as arranjei pelas suas tonalidades e mantive os nomes pelas quais eram conhecidas na corte em 1714 e 1715.”

Essa prática de tocar a mesma música por diferentes instrumentos era comum neste período, como sabemos das sonatas de Handel, por exemplo.

O disco com a interpretação usando vários instrumentos é da tradicionalíssima Harmonia Mundi, ótimo selo para música antiga e barroca. Tem no seu time dois craques: Davitt Moroney ao cravo e Jaap ter Linden numa viola baixo (seja lá o que isso for).  O instrumento melódico é uma flauta, a cargo de Robert Claire, e em alguns movimentos é acompanhada também por uma segunda flauta, agora com a Janet See (de lindos concertos de Vivaldi, na mesma HM).

No outro disco, a música é interpretada por dois cravistas: Laurence Boulay e Françoise Lengellé. O selo Erato é garantia de excelente qualidade. A sonoridade dos cravos, tão singular nos nossos dias, é espandida com o uso dos dois instrumentos – uma festa para nossos ouvidos. Neste particular disco, não deixe de apreciar as três peças finais, que são das outras coleções. Eu gosto de maneira muito especial das duas musétes – de Choisi e de Taverni. Só os nomes dessa peças já desperta a nosssa curiosidade.

Entendo que a postagem já vai um pouco longa, mas queria salientar a elegância dessa música – o gesto musical – se é que você me entende, é fundamental. É música de um outro tempo, que transpira a gentileza, sobriedade, mas também contentamento e maturidade. Se você conseguir captar isso, ficarei feliz. Mas, se a música te levar ainda mais longe, que você experiencie ares de outras eras, então ficarei radiante. Não sei como você ouve música… Espero que não seja do tipo – deixo baixinho no fundo, enquanto leio, ela me acalma… Mas, sobre isso, em outra ocasião, outra postagem, caso haja! Enquanto isso, aumente o volume e deixe que os gestos desta música lhe transporte para outros tempos!

Aqui vai uma palhinha da Les Baricades mistérieuses (Sexième Ordre): 

Concert Royaux (pour 2 clavecins)
Laurence Boulay & Françoise Lengellé
01. Premier concert – Prélude, gravement
02. Premier concert – Allemande, légèrement
03. Premier concert – Sarabande, mesuré
04. Premier concert – Gavotte, notes égales et coulées
05. Premier concert – Gigue, légèrement
06. Premier concert – menuet en trio
07. Deuxième concert – Prélude
08. Deuxième concert – Allemande guguée, gayement
09. Deuxième concert – Air tendre
10. Deuxième concert – Air contrefugué, vivement
11. Deuxième concert – Echos, tendrement
12. Deuxième concert – Prélude, lentement
13. Deuxième concert – Allemande, légèrement
14. Deuxième concert – Corante
15. Deuxième concert – Sarabande, grave
16. Deuxième concert – Gavotte
17. Deuxième concert – Muzette, naïvement
18. Deuxième concert – Chaconne légère
19. Quatrième concert – Prélude, gravement
20. Quatrième concert – Allemande, légèrement
21. Quatrième concert – Courante françoise, galament
22. Quatrième concert – Courante à l’italienne, gayement
23. Quatrième concert – Sarabande, très tendrement
24. Quatrième concert – Rigaudon, légèrement et marqué
25. Quatrième concert – Foriane, rondeau, gayement
26. Neuvième ordre (2ième livre de pièces de clavecin, 1717) – Allemande à 2 clavecins
27. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Choisi à 2 clavecins
28. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Taverni à 2 clavecins
29. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Taverni à 2 clavecins

Concert Royaux (pour 2 clavecins) – 1996
Laurence Boulay & Françoise Lengellé

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 390 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 169 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 06 min

..oOo..

Concert Royaux

Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

01. Premier Concert: I. Prélude
02. Premier Concert: II. Allemande
03. Premier Concert: III. Sarabande
04. Premier Concert: IV. Gavotte
05. Premier Concert: V. Gigue
06. Premier Concert: VI. Menuet en trio (2 flûtes)
07. Second Concert: I. Prélude
08. Second Concert: II. Allemande Fuguée
09. Second Concert: III. Air Tendre
10. Second Concert: IV. Air contrefugué
11. Second Concert: V. Echos
12. Troisième Concert: I. Prélude (2 flûtes)
13. Troisième Concert: II. Allemande
14. Troisième Concert: III. Courante
15. Troisième Concert: IV. Sarabande grave (2 flûtes)
16. Troisième Concert: V. Gavotte
17. Troisième Concert: VI. Muzette
18. Troisième Concert: VII. Chaconne Legere
19. Quatrième Concert: I. Prélude
20. Quatrième Concert: II. Allemande
21. Quatrième Concert: III. Courante Françoise
22. Quatrième Concert: IV. Courante à l’italiéne
23. Quatrième Concert: V. Sarabande (2 flûtes)
24. Quatrième Concert: VI. Rigaudon
25. Quatrième Concert: VII. Forlane
 

Concert Royaux (pour 2 clavecins) – 1985
Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 300 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 130 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 01 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

Segue também um retrato do François, feito enquanto ele pensava em mais uma muséte para o rei.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seleção e texto – Eratosthenes
Lay-out & mouse operator – Avicenna

Boa audição!

 

Anne Sophie von Otter – A Simple Song

Esse CD é assim apresentado no site da Gravadora BIS:

Uma breve olhada na lista de faixas é suficiente para revelar quem é o cantor – somente Anne Sofie von Otter poderia ter um programa tão variado e abrangente. E somente von Otter poderia mantê-lo unido, encontrando as ressonâncias entre essas peças muito diferentes, e trazendo-as para fora com uma rara habilidade de abraçar diferentes estilos de canto e registros expressivos: parafraseando Bernstein em A Simple Song, Anne Sofie von Otter nunca não consegue cantar como ela gosta de cantar.

De Liszt a Pärt e da Sinfonia de Ressurreição de Mahler ao Sound of Music de Richard Rodgers, von Otter é apoiado por seu acompanhante de longa data, Bengt Forsberg, aqui no órgão, em vez de seu piano habitual. Em vários pontos do programa, elas se juntam a vários amigos musicais, no órgão da Igreja de St. James, no centro de Estocolmo – a mesma igreja onde a jovem von Otter começou sua carreira como corista e, junto com Forsberg, deu um de seus primeiros shows públicos.

Com esta apresentação, o que preciso falar mais? Anne Sophie Von Otter é uma das maiores cantoras líricas de sua geração, ninguém tem dúvidas a respeito disso. Sua voz pode ser robusta e encorpada quando necessário, mas também suave e delicada. Ouçam com atenção a primeira faixa, ‘A Simple Song’, de Leonard Bernstein, e irão entender o que estou falando.

Leonard Bernstein
01 A Simple Song, from Mass

Aaron Copland
02 I’ve heard an organ talk sometimes

Charles E. Ives
03 Serenity 2’33

Gustav Mahler
04 Es sungen drei Engel

05 Urlicht

Richard Strauss
06 Traum durch die Dämmerung

07 Morgen

Arvo Pärt
08 My Heart’s in the Highlands

Maurice Duruflé
09 Pie Jesu, from Requiem

Olivier Messiaen
Trois mélodies (1930)
10 Pourquoi ? 2’03
11 Le sourire 1’44
12 La fiancée perdue

Francis Poulenc
13 Priez pour paix 2’08

Frank Martin
14 Agnus Dei, from Requiem
Arvo Pärt
15 Es sang vor langen Jahren

Franz Liszt
16 Ave Maria III (Sposalizio), S. 60

Richard Rodgers
from The Sound of Music
17 Climb ev’ry mountain

Mezzo-soprano Anne Sofie von Otter
Electric guitar Fabian Fredriksson
Organ Bengt Forsberg
Flute Sharon Bezaly
Harp Margareta Nilsson
Violin Nils-Erik Sparf
Cello Marie McLeod
Viola Ellen Nisbeth

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

IM-PER-DÍVEL !!!

Um belo CD de Bernstein com a Filarmônica de Nova Iorque. O maestro teve longa e prolífica relação com a orquestra. E Britten é um dos melhores compositores do século XX. Porém, curiosamente, Leonard Bernstein praticamente ignorou a obra de Benjamin Britten e vice-versa. Isto é muito ruim porque os fragmentos dos raros encontros entre eles são simplesmente brilhantes. O desempenho de Bernstein na Suíte é sensacional. O mesmo vale para os excertos de Peter Grimes e para as Variações. Mas uma das maiores obras do século XX, em minha opinião, é a Passacaglia, que mora no meu coração. Aqui, ela está LINDA. Um disco para se ouvir com muita atenção. 

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

Variations And Fugue On A Theme Of Purcell, Op. 34 “The Young Person’s Guide To The Orchestra” (Without Spoken Text)
1 Theme. Allegro Maestoso E Largamente 3:00
2 Variations A. Presto / B. Lento / C. Moderato / D. Allegro Alla Marcia 3:12
3 Variations E. Brillante – Alla Polacca / F. Meno Mosso / G. (No Tempo Marking) / H. Cominciando Lento Ma Poco A Poco Accelerando 3:29
4 Variations I. Maestoso / J. L’Istesso Tempo / K. Vivace / L. Allegro Pomposo / M. Moderato 5:03
5 Fugue. Allegro Molto 2:39

Four Sea Interludes, Op. 33a from “Peter Grimes”
6 I. Dawn. Lento E Tranquillo 3:38
7 II. Sunday Morning. Allegro Spiritoso 3:45
8 III. Moonlight. Andante Comodo E Rubato 5:07
9 IV. Storm. Presto Con Fuoco – Molto Animato – Largamente – Tempo I 4:16

10 Passacaglia, Op. 33b from “Peter Grimes” – Andante Moderato 6:18

Suite On English Folk Tunes “A Time There Was…:, Op. 90
11 I. “Cakes And Ale”. Fast And Rough 2:24
12 II. “The Bitter Withy”. Allegretto 2:48
13 III. “Hankin Booby”. Heavily 2:19
14 IV. “Hunt The Squirrel”. Fast And Gay 1:20
15 V. “Lord Melbourne”. Slow And Languid

New York Philharmonic
Leonard Bernstein

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O curioso caso de Benjamin Britten

PQP