J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Este é um belo disco de Cantatas de Bach. Só a presença da Cantata BWV 82, Ich habe genug, já garante a qualidade do repertório. Depois, é só dar uma olhada no nome do regente e executantes para saber que será um banquete.

A Cantata BWV 82 foi composta na cidade de Leipzig para a Festa da Purificação, em 2 de fevereiro de 1727. A Purificação celebra um incidente registrado por São Lucas, no qual Maria leva o menino Jesus ao Templo, em Jerusalém, para oferecer sacrifícios rituais quando encontra o ancião Simeão, em cuja cântico o libreto se baseia. A peça foi composta para oboé, cordas, baixo contínuo e um solista baixo. Existem outras versões para soprano (BWV 82a) transpostas de dó menor para mi menor, e com a parte de oboé substituída por flauta e levemente alterada. Também há versões para contralto.

O primeiro recitativo e a ária “Schlummert ein” (com acompanhamento de baixo) foram transcritos no Pequeno Livro de Anna Magdalena Bach para que pudessem ser cantados por um contralto, presumivelmente a própria Anna Magdalena Bach.

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 82, 102, 178

Ich Habe Genug, BWV 82:
1 Aria: Ich Habe Genug 7:43
2 Recitative: Ich Habe Genug! Mein Trost Ist Nur Allein 1:15
3 Aria: Schlummert Ein, Ihr Matten Augen 9:30
4 Recitative: Mein Gott! Wenn Kommt Das Schone 0:48
5 Aria: Ich Freue Mich Auf Meinen Tod 3:47

Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt, BWV 178:
6 Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt (Chorus) 4:38
7 Recitative and Chorale: Was Menschenkraft Und -witz Anfaht (Alto) 2:24
8 Aria: Gleichwie Die Wilden Meereswellen (Bass) 3:50
9 Chorale: Sie Stellen Uns Wie Ketzern Nach (Tenor) 1:56
10 Wo Gott Der Herr Nicht Bei Uns Halt, BWV 178: Chorale and Recitative: Auf Sperren Sie Den Rachen Weit (Soprano, Alto, Tenor, Bass) 1:33
11 Aria: Schweig, Schweig Nur, Taumelnde Vernunft! (Tenor) 3:45
12 Chorale: Die Feind Sind All In Deiner Hand 2:00

Herr, Deine Augen Sehen Nach Dem Glauben, BWV 102:
13 Part I: Herr, Deine Augen Sehen Nach Dem Glauben (Chorus) 5:39
14 Part I: Recitative: Wo Ist Das Ebenbild, Das Gott Uns Eingepraget (Bass) 1:14
15 Part I: Aria: Weh Der Seele, Die Den Schaden Nicht Mehr Kennt (Alto) 5:25
16 Part I: Arioso: Verachtest Du Den Reichtum Seiner Gnade (Bass) 3:00
17 Part II: Aria: Erschrecke Doch, Du Allzu Sichre Seele (Tenor) 4:13
18 Part II: Recitative: Beim Warten Ist Gafahr (Alto) 1:31
19 Part II: Chorale: Heut Lebst Du, Heut Bekehre Dich (Chorus) 1:41

Jan Van der Crabben, Baritone
Christoph Genz, Tenor
Elisabeth Hermans, Soprano
Petra Noskaiova, Alto
La Petite Bande Ensemble
Sigiswald Kuijken

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Le Concert des Nations, dir. Jordi Savall; Manfredo Kraemer, Concertino: L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643) – 2002

L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643)

Partituras recolhidas por Mssr. Philidor, na época

Le Concert des Nations
dir. Jordi Savall

Manfredo Kraemer, Concertino

2002

Tanto em termos de formas como de cores musicais, a Orquestra de Luís XIII marca a transição entre dois grandes períodos: o fim do Renascimento e a entrada no Barroco. Estas músicas da corte com sabores populares, sempre imaginativos e coloridos, estão constantemente à procura de flexibilidade e graça, grandeza e elegância. Eles são os elementos característicos do estilo tipicamente francês que irradiarão toda a Europa até o final do século XVIII. (Jordi Savall)

Musice De L’Enfance Du Dauphin:
1. Pavane Pour La Petitte Guaire, Fait Pour Les Cornetz En 1601
2. Gaillarde, En Suitte
3. Muzette “Ma Mignone”
4. Pavane Fait Au Mariage De Mr. Vandosme En 1609
5. Branle En Faubourdon
6. Gaillarde En Suitte
Musiques Pour Le Sacre Du Roy Faites Le 17 Octobre 1610:
7. Pavane Pour Les Hautbois Fait Au Sacre Du Roy
8. 2e Air En Suitte
9. 3e Air En Suitte
Musiques Pour Le Mariage Du Roy Louis XIII Faites En 1615:
10. Pavane Du Mariage De Louis XIII
11. Bourée D’Avignonez (Philidor)
12. Ballet A Cheval Pour Le Grand Carousel. Joué Par Les Grands Hautbois
13. 2e Air En Suitte
14. 3e Air En Suitte
15. 4e Air En Suitte
Concert Donné A Louis XIII En 1627 Par Les 24 Viollons Et Les 12 Grands Hautbois
16. Les Ombres
17. 2e Air Pour Les Mesmes
18. Charivaris Pour Les Hautbois
19. Gavotte En Suitte
20. Les Suisses. Air Pour Les Viollons
21. Les Suissesses
22. Les Gacons
23. Entrée De Mr. De Liancourt
24. Les Vallets De La Faiste
25. Les Nimphes De La Grenouillere
26. Les Bergers
27. Les Ameriquains 27 de 36
Les Musiques Royales De 1643 À 1650:
28. Fanfare
29. Intrada – Gavotte – Sarabande
30. Charivaris Pour Les Hautbois 1648
31. Courante De La Reine D’Angleterre 1634
32. Gavotte
33. Fantaisie “Les Pleurs D’Orphée”
34. Libertas
35.  Sarabandes & Tambourin
36. “A L’Impero D’Amore” (Sarabande)

L’ Orchestre de Louis XIII (1601 – 1643) – 2002
Le Concert des Nations
dir. Jordi Savall

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 330 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 142 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 05 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição!

 

 

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

Excelente CD triplo com interpretação luxuosa de Savall e turma. Um trabalho de alta categoria.

Farnace (RV 711) é uma ópera em três atos do compositor veneziano Antonio Vivaldi (1678-1741) com libreto de de Antonio Maria Lucchini (1690-1730). A obra teve sua estreia em 10 de fevereiro de 1727 no Teatro de Sant’Angelo, em Veneza. Uma nova versão foi apresentada no outono do mesmo ano, com modificações feitas pelo autor nos atos I e II. O manuscrito conservado na Biblioteca de Turim corresponde a essa segunda montagem.

Diversas outras óperas do século XVIII foram compostas com o mesmo nome a partir de libretos também diversos. A versão de Vivaldi para Farnace tem importância especial na carreira do compositor, pois marca seu retorno à cena operística de Veneza depois de um longo período de viagens. Durante sua ausência dos teatros venezianos, Vivaldi esteve em diversas cidades do Vêneto e nos Estados Papais acompanhando a performance de algumas de suas óperas como Ercule su’l Termodonte (1723) e Il Giustino (1724). A obra de Vivaldi obteve grande sucesso em seu tempo, inclusive em uma remontagem em Praga, em 1730. Nessa ocasião, a ópera foi reapresentada no teatro do conde Franz Anton von Sporck (1662-1738) incluindo cinco árias não compostas originalmente por Vivaldi. Outras reapresentações ocorreram em Pavia (maio de 1731), Mântua e Milão (1732), com arranjos feitos pelo próprio autor, Florença (1733), em versão original e Treviso (1737). Desde então, a Farnace de Vivaldi caiu no esquecimento até o final do século XX, período da redescoberta da produção lírica do autor, quando foi novamente encenada.

No outono do mesmo ano de 1727, estreou também outra ópera de Vivaldi, Orlando Furioso.

Sinopse

A ópera conta a história de Farnace (Pharnaces II, Rei do Ponto). Segundo era hábito na época, o enredo não se preocupa com a veracidade histórica dos fatos narrados. Assim, o destino de Farnace na ópera de Vivaldi é bastante diferente dos fatos reais narrados pelos historiadores. Os três personagens principais, Farnace, Berenice e Pompeu, são grandes antagonistas e confrontam suas ambições políticas e de conquista militar. Alguns críticos [5] consideram que a profundida da caracterização dos personagens nesta obra é um dos pontos altos da produção de Vivaldi.

Ato I
A ação se passa na cidade grega de Heracleia, durante a conquista romanda da Anatólia. Farnace, Rei do Ponto, é filho e sucessor de Mítridates. Ele foi derrotado em batalha pelos romanos e está sitiado em Heracleia, seu último reduto. Para evitar que caiam nas mãos dos inimigos, ordena a sua esposa, Tamiri, que mate o filho deles e cometa suicídio. A mãe de Tamiri, Berenice, rainha da Capadócia, odeia Farnace e mantém um conluio com o vencedor romano, Pompeu, para matá-lo. Os exércitos de Berenice e Pompeu atacam Heracleia, mas Farnace consegue escapar. Berenice impede que Tamiri mate seu filho e cometa suicídio, como havia ordenado Farnace. Mas a chegada das tropas de Pompeu agrava o clima de ódio. Selinda, irmã de Farnace, é mantida prisioneira pelo romando Aquilio que está apaixonado por ela, assim como Gilade, um dos capitães de Berenice. Selinda joga um contra o outro na tentativa de salvar seu irmão.

Ato II
A rivalidade entre Gilade e Aquilio se agrava, favorecendo os planos de Selinda que, na verdade, pretende rejeitar a ambos favorecendo o irmão Farnace. Berenice ordena a captura de Farnace. Este está prestes a cometer suicídio, acreditando que sua mulher e seu filho já estão mortos. Mas Tamiri aparece e o impede de se matar. Berenice aparece em seguida e ordena a destruição do local onde estava Farnace, mas ele consegue se esconder. Ela, então, encontra a filha, Tamiri, e o neto. Tamiri implora a misericórdia da mãe, mas Berenice repudia sua filha e leva consigo o menino. No palácio real, Selinda pede ajuda a Gilade e, depois de obter os favores dele, oferece essa ajuda a Farnace que havia entrado clandestinamente no local. Mas Farnace não aceita a oferta. Gilade e Aquilio insistem com Berenice, defendendo a sobrevivência de seu neto e herdeiro. Mas a guarda dele é deixada com Aquilio por ordem de Pompeu.

Ato III
Na planície de Heracleia, Berenice e Gilade reúnem-se a Pompeu e Aquilio que lideram as tropas romanas. Berenice exige de Pompeu a morte do filho de Farnace, oferecendo ao romano metade de seu reino. Tamiri faz a mesma oferta em troca da vida do filho. Selinda consegue de Gilade a promessa de matar Berenice ao mesmo tempo que obtém de Aquilio a promessa de matar Pompeu. Aqulio e Farnace, disfarçado de guerreiro, aparecem ao mesmo tempo junto a Pompeu com o objetivo de matá-lo. A ação falha e Pompeu interroga o guerreiro que apareceu junto dele sem suspeitar que se trata de Farnace. Berenice entra em cena e revela a identidade de Farnace que é preso e, depois, libertado por Gilade e Aquilio. Ambos tentam matar Berenice por considerar que ela é excessivamente cruel. Mas a rainha da Capadócia é salva pelo general romano, que se mostra clemente. A clemência de Pompeu convence Berenice a esquecer seu ódio por Farnace e a rainha, dizendo que sua raiva está aplacada, abraça Farnace como se fosse seu próprio filho. É o tradicional final feliz e todos são poupados.

Gravações
Em 2002, Jordi Savall gravou esta ópera pelo selo Alia Vox com o Le Concert des Nations durante uma série de apresentações ao vivo no Teatro de la Zarzuela de Madrid, combinando-a com algum material da ópera homônima de François Courselle (conhecido na Itália como Francesco Corselli). Entre os solistas dessa gravação, incluída na série Vivaldi Collection da Naïve, destacam-se Furio Zanasi, Fulvio Bettini e Sara Mingardo.

Antonio Vivaldi (1678-1741): Farnace

CD1
1. Corselli – Sinfonia: [Vivo]
2. Sinfonia: [Allegro e piano]
3. Sinfonia: [Spiritoso]
4. Marcia
5. Recitativo: Ma d’onde, o mia Regina (Gilade e Berenice)
6. Aria: Da quel ferro che ha svenato (Berenice)
7. Vivaldi – Atto I. Sinfonia: [Allegro]
8. Sinfonia: [Andante]
9. Recitativo: Benché vinto e sconfitto (Farnace e Tamiri)
10. Aria: Ricordati che sei (Farnace)
11. Recitativo: Ch’io me tolga col ferro (Tamiri)
12. Aria: Combattono quest’alma (Tamiri)
13. Coro: Dell’Eusino con aura seconda
14. Recitativo: Del nemico Farnace (Gilade e Berenice)
15. Recitativo: Amazzone real dell’Oriente (Pompeo, Berenice e Gilade)
16. Recitativo: Guerrieri eccovi a fronte (Pompeo)
17. Coro: Su campioni, su guerrieri
18. Recitativo: In si gran punto ancora (Farnace)
19. Recitativo: Signor, s’anche fra l’armi (Selinda, Aquilio, Berenice, Pompeo e Gilade)
20. Recitativo: A’nostri danni armata (Selinda, Gilade e Aquilio)
21. Aria: Nell’intimo del petto (Gilade)
22. Recitativo: A’sorprendermi il cor (Aquilio e Selinda)
23. Aria: Penso che que’ begl’occhi (Aquilio)
24. Recitativo: Qual sembianza improvvisa (Selinda)
25. Aria: Al vezzeggiar (Selinda)
26. Recitativo accompagnato: Figlio, non vi è più scampo (Tamiri col piccolo figlio)
27. Recitativo: Fermati, ingrata! (Berenice e Tamiri)
28. Recitativo: Signor, costei ch’audace empie (Berenice e Pompeo)
29. Aria: Da quel ferro che ha svenato (Berenice)
30. Recitativo: L’Asia non è ancor doma (Pompeo e Tamiri)
31. Aria: Leon feroce (Tamiri)
32. Recitativo: Come ben fa veder (Pompeo)
33. Aria: Sorge l’irato nembo (Pompeo)

CD2
1. Corselli – Aria: S’arma il cielo di tuoni e di lampi (Farnace)
2. Vivaldi – Atto II. Recitativo: Principessa gentil (Gilade, Aquilio e Selinda)
3. Aria: Lascia di sospirar (Selinda)
4. Recitativo: Di Farnace e del figlio (Berenice e Gilade)
5. Aria: Langue misero quel valore (Berenice)
6. Recitativo: Non cham’ar non e fallo (Gilade)
7. Aria: C’è un dolce furore (Gilade)
8. Recitativo: Non che ceder (Farnace)
9. Recitativo: Pupille o voi sognate (Tamiri e Farnace)
10. Aria: Gelido in ogni vena (Farnace)
11. Recitativo: Olà, queste superbe (Berenice e Tamiri)
12. Recitativo accompagnato: Quest’è la fe spergiura (Farnace e Tamiri)
13. Recitativo: Dite che v’ho fatt’io (Tamiri)
14. Aria: Arsa da rai concenti (Tamiri)
15. Recitativo: Ah, segli è ver che m’ami (Selinda e Gilade)
16. Aria: Quel tuo ciglio (Gilade)
17. Recitativo: Dove mai ti trasporta (Selinda e Farnace)
18. Aria: Spogli pur l’ingiusta Roma (Farnace)
19. Recitativo: Dell’iniquo Farnace (Berenice, Selinda, Aquilio e Pompeo)
20. Aria: Roma invitta una clement (Pompeo)
21. Recitativo: Fra le libiche serpi (Selinda, Aquilio e Berenice)
22. Aria: Lascerò d’esser spietata (Berenice)
23. Recitativo: Aquilio, eben pensasti? (Selinda e Aquilio)
24. Duetto: Io sento nel petto (Selinda e Aquilio)

CD3
1.Corselli – Marcia
2. Vivaldi – Atto III. Recitativo: Gilade, Gran Regina (Berenice, Selinda, Aquilio e Pompeo)
3. Aria: Quel candido fiore (Berenice)
4. Recitativo: Signor; se la clemenza (Tamiri, Pompeo e Farnace)
5. Aria: Forse o caro in questi accenti (Tamiri)
6. Recitativo: Si qualche nume (Farnace)
7. Aria: Quel torrente che s’innalza (Farnace)
8. Recitativo: Gilade, il tuo pensiero (Selinda e Gilade)
9. Aria: Scherza l’aura lusinghiera (Gilade)
10. Recitativo: Aquilio, il braccio forte (Selinda e Aquilio)
11. Aria: Ti vantasti mio guerriero (Selinda)
12. Recitativo: Oh, stelle quale impresa (Aquilio,Pompeo e Farnace)
13. Recitativo: Regina, in costui riconosci (Pompeo, Berenice e Farnace)
14. Recitativo: Oh, Dio fermati i colpi (Tamiri e Farnace)
15. Quartetto: Io crudel? (Berenice, Pompeo, Tamiri e Farnace)
16. Recitativo: Fornace i Numi alfine (Berenice)
17. Recitativo: Voglio che mora (Berenice)
18. Recitativo: Berenice morrà (Gilade, Pompeo, Selinda, Berenice, Farnace, Tamiri)
19. Coro Finale: Coronata di gigli e di rose

Farnace – Furio Zanasi
Tamiri – Sara Mingardo
Berenice – Adriana Fernández
Pompeo – Sonia Prina
Selinda – Gloria Banditelli
Gilade – Cinzia Forte
Aquilio – Fulvio Bettini
Coro del Teatro de la Zarzuela
Le Concert des Nations
Conductor – Jordi Savall

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Jordi Savall, nós é que te aplaudimos

PQP

François Couperin (França, 1668 – 1733) – Leçons de ténèbres: Sandrine Piau, Véronique Gens, Les Talens Lyriques, dir. Christophe Rousset

François Couperin
França, 1668 – 1733

Leçons de ténèbres

Les Talens Lyriques
dir. Christophe Rousset

Sandrine Piau & Véronique Gens – sopranos

1997

5 DIAPASON 

Télèrama ffff

Classics Magazine – rated 10

Para aqueles que amam um soprano barroco fluido, etéreo, elegante, com dissonâncias e resoluções cuidadosamente preparadas e um som que é puro e bonito, esta versão é para você. Dois dos melhores sopranos a emergir da França nas últimas décadas, Véronique Gens e Sandrine Piau, juntaram-se ao experiente especialista musical Christophe Rousset e ao conjunto Les Talens Lyriques para cobrir Leçons de Ténèbres de François Couperin (1714) bem como três obras sagradas anteriores notáveis que não são de maneira alguma insolentes. Pensou que os textos dos Leçons descreveriam a destruição do templo de Jerusalém? Os escritos de Couperin, com voz perspicaz e persuasiva, projetam um catolicismo calmo e luxuriante e não enfatizam esse tema trágico,

Piau, com uma voz mais incomum e mais baixa que sua parceira, assume o primeiro Leçon. Gens, cuja versão extraordinária de “Nuits d’ete” de Hector Berlioz ficou na minha memória, leva a parte superior e a segunda Leçons. A conclusão da seção “Jerusalém” deste segundo Leçons, cantada por Gens, tem que ser nos destaques, graciosa e crescente. Ambas as sopranos se juntam para o 3º Leçons onde a capacidade de contraponto de Couperin está totalmente em exibição. Os executores sequenciaram os Leçons como normalmente são feitos, mas essa ordenação é feita para melhorar a coesão do conjunto e não com base em fontes históricas. De fato, vários Leçons de Couperin foram perdidos, então os três Leçons que chegaram até nós formam um fragmento. Isso pode ser ouvido musicalmente, pois a última seção do terceiro Leçons termina de forma inconclusiva, não como uma conclusão estruturada tradicional. Em contraste, a excelente versão dos Leçons no Erato liderada por Laurence Boulay reorganiza os três Leçons sem nenhum efeito negativo. Ouvir o Boulay também ressalta como os artistas deste disco conceberam e executaram seus Leçons como leves e elegantes. O continuo de Boulay é comparativamente ocupado, enquanto o Rousset usa um mínimo de notas, as linhas de soprano ao redor de um acompanhamento de órgão e baixo constante e relativamente simples. Eu também comparei o desempenho com o de William Christie e Les Arts Florissants e descobri que, embora os dois compartilhem uma abordagem semelhante, Gens e Piau injetam muito mais vida e emoção em sua interpretação, tornando-a preferível.

Dois Motets e o Magnificat, datados de estudiosos da década de 1680, representam um estilo barroco médio anterior, relacionado, mas diferente do dos Leçons que preenche o lançamento. Todos os três são lindos e valem a pena. Com uma apresentação de mais de 10 minutos, o Magnificat pode ser minha única faixa favorita aqui, mais viva e um pouco menos serena do que a outra música.

Este disco é exemplar e bonito. Eu suspeito que alguns ouvintes vão amá-lo absolutamente por seu efeito cumulativo arrebatador e exaltado. Ajudado por uma engenharia de som muito boa, é calorosamente recomendado. (ex-Amazon)

Leçons de ténèbres – 1997
Les Talens Lyriques
dir. Christophe Rousset
Sandrine Piau & Véronique Gens – sopranos

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 256 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 161 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 07 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

Sandrine Piau

 

 

 

 

 

 

 

Boa audição!

 

 

.: interlúdio .: Pat Metheny Group- American Garage

Com certeza esse álbum do Pat Metheny Group é um dos mais belos discos de jazz já gravados. Impecável na sua produção, na qualidade das músicas, no nível altíssimo dos músicos envolvidos … nunca deixo de me emocionar quando o ouço, e já faço isso há mais de trinta anos e cinco anos.

Pat Metheny com este disco inscrevia seu nome no rol dos grandes músicos de Jazz, nos trazendo belíssimas melodias, muito inspiradas, sem precisar espanar sua guitarra, me utilizando da expressão de nosso mentor, PQPBach para reclamar daqueles guitarristas que gostam de demostrar seu virtuosismo tocando mil notas por segundo, nos mostrando uma técnica apuradíssima, com sua excepcional banda, que tinha o seu parceiro de banda pelas próximas duas décadas, o pianista e tecladista Lyle Mays, o baixista Mark Egan e o baterista Dan Gotlieb.

Canções como ‘(Cross The) Heartland’, ‘American Garage’, e a épica ‘Epic’ já se tornaram clássicas, e são obras obrigatórias em seus concertos. Elas nos remetem a uma época que não volta mais, a campos cultivados, a estradas sem fim, lembrando do belo título de uma coletânea do The Allman Brothers Band, ‘The Road Goes on Forever”. Até hoje, Pat Metheny é uma de minhas trilhas sonoras de viagem favoritas.

A capa deste disco também é detalhe a se destacar: aqueles trailers sob um céu azul não trazem uma paz de espírito para os senhores?, nos deixa serenos. Talvez o único defeito deste LP seja sua curta duração: meros trinta e cinco minutos, que você que durem cem minutos. Entendemos que na época os discos não eram muito mais longos que isso, estamos falando de 1979.

Para aqueles que não conhecem Pat Metheny, creio que esta seja a melhor apresentação que se possa fazer.

01 – (Cross The) Heartland
02 – Airstream
03 – The Search
04 – American Garage
05 – The Epic

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Piano Nº 17, 18 e 21

Ludwig van Beethoven (1770-1827): Sonatas para Piano Nº 17, 18 e 21

Assim como eu roubaria e mataria por Juliette Binoche e Maurizio Pollini, há gente que faria o mesmo pelo pianista Artur Schnabel (1882-1951). Realmente, este austríaco foi espantoso, mas, sabem?, sou um pouco reticente com as gravações antigas de som ruim. Respeito também outro Arthur, com agá, Rubinstein, mas o ouço pouco. Não consigo enxergar muito mais do que valor histórico nas gravações. Acho que gente como Gould, Foldes, Anda, Gilels, etc, devem ser ouvidos por sua altíssima qualidade, mas também por terem sido melhor gravados. Ademais, nosso tempo segue produzindo pianistas espetaculares que nada devem ao passado. (Ou que só devem a ele em razão da influência).  O som histórico só me interessa se quem estiver tocando for autores como Bartók, Shosta, etc., suas concepções me interessam, claro.

Então, ouço meio sem emoção o belo trabalho de Schnabel, que infelizmente nasceu em outro tempo. Mas, repito, há gente que mataria e roubaria por ele e que talvez queira fazer o mesmo comigo agora.

Beethoven: Piano Sonatas Nos. 17, 18 and 21 (Gravações de 1932 e 1934)

Piano Sonata No. 17 in D minor, Op. 31, No. 2, “Tempest”
1. I. Largo – Allegro 00:08:55
2. II. Adagio 00:08:17
3. III. Allegretto 00:05:40

Piano Sonata No. 18 in E flat major, Op. 31, No. 3
4. I. Allegro 00:08:20
5. II. Scherzo: Allegro vivace 00:04:45
6. III. Menuetto: Moderato e grazioso 00:04:09
7. IV. Presto con fuoco 00:04:00

Piano Sonata No. 21 in C major, Op. 53, “Waldstein”
8. I. Allegro con brio 00:10:05
9. II. Introduzione: Adagio molto 00:05:10
10. III. Rondo: Allegretto moderato – Prestissimo 00:08:52

Artur Schnabel, piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Pollini e Schnabel, depois os outros?

PQP

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Martinů foi um grande compositor. Esses concertos são coloridos, interessantes, bonitos e cheios de vida. A maioria das fotos de Martinů mostram uma pessoa sorridente e sua música também nos sorri. Este tcheco era altamente prolífico. Compôs seis sinfonias, 15 óperas, 14 ballets e uma grande quantidade de obras orquestrais e camerísticas, concertos e peças para instrumentos solo e vocais. Martinů era violinista da Filarmônica Tcheca. Em 1923, deixou a Tchecoslováquia para residir em Paris e deliberadamente abandonou o estilo romântico no qual havia sido formado. Nos anos 1930, experimentou o expressionismo e o construtivismo, tornando-se um admirador dos desenvolvimentos técnicos europeus que aconteciam à época, o que pode ser observado em seus trabalhos orquestrais Half-time e La Bagarre. Também incorporou expressões jazzísticas, como ocorre em Kuchyňské revue (“Revista de cozinha”), por exemplo.

Bohuslav Martinů (1890-1959): Concertos para Piano Nº 3 e 5 / Concertino

Piano Concerto No. 3, H. 316 (30:37)
1 Allegro 9:13
2 Andante Poco Moderato 11:23
3 Moderato – Allegro 9:57

Piano Concerto No. 5 In B Flat Major (Fantasia Concertante), H. 366 (25:19)
4 Poco Allegro Risoluto 8:12
5 Poco Andante 9:59
6 Poco Allegro 7:04

Concertino For Piano And Orchestra, H. 269 (21:29)
7 Allegro Moderato (Comodo) 6:13
8 Lento 8:45
9 Allegro 6:26

Piano – Giorgio Koukl
Orchestra – Bohuslav Martinů Philharmonic Orchestra, Zlín*
Conductor – Arthur Fagen

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O feliz Martinů em 1943.

PQP

.: interludio :. Hiromi & Edmar Castaneda – Live In Montreal (2017)

Já ensaiei uma postagem deste CD anteriormente, mas por algum motivo, acabei desistindo. O que é uma sacanagem para com os senhores: isso aqui é absolutamente sensacional. Dois ‘monstros’ em seus respectivos instrumentos, se desafiando constantemente, mostrando todo o seu virtuosismo e possibilidades infinitas de seus instrumentos.

A pianista japonesa Hiromi é um assombro, nunca deixa de nos surpreender, lembra um pouco Keith Jarrett em seu apogeu nos anos 70, revolucionando o ‘tocar piano’, ficamos nos imaginando de onde vem tanto talento, tanta capacidade de improvisação, tanto virtuosismo.

Edmar Castaneda até então me era um ilustre desconhecido. É colombiano, e o que faz com sua Harpa é assustador também. Assustador no bom sentido, claro. Também tira água da pedra, extraindo de seu instrumento sonoridades mil, explora com maestria todas suas nuances. Por vezes nós é difícil entender como ele consegue fazer isso tudo.

O virtuosismo é o que impera neste ‘IM-PER-DÍ-VEL’ CD. Sim, há momentos de virtuosismo extremo, mas também há momentos de puro encantamento, delírio emocional, sei lá como chamar. Tratam-se de dois músicos no apogeu de sua carreira e técnica mostrando até onde podem ir, e se possível, ir mais além.

Deleitem-se, caros mortais… é para se ouvir diversas vezes para melhor ser apreciado em seus detalhes. Melhor ainda é que foi gravado ao vivo …

Hiromi & Edmar Castaneda – Live In Montreal (2017)

1. A Harp In New York
2. For Jaco
3. Moonlight Sunshine
4. Cantina Band
5. The Elements – Air
6. The Elements – Earth
7. The Elements – Water
8. The Elements – Fire
9. Libertango

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Henry Purcell, nascido e morto em Londres (sepultado na Abadia de Westminster), foi compositor de vida breve e extensa obra. Até nossos dias, permanece como um dos mais importantes compositores ingleses. Sua facilidade em compor para todos os gêneros e públicos, sua popularidade na corte durante os reinados de três monarcas e sua vasta produção de canções seculares, odes cortesãs, música cênica, hinos sacros, sonatas, fantasias para viola, música de câmara e para órgão são provas claras de seu enorme talento. Compôs a sensacional ópera Dido and Aeneas e a semi-opera A tempestade.

Este disco é maravilhoso. Com instrumentação simples Paul Agnew acentua a grande qualidade melódica das canções, Os temas são o amor, a música, a poesia e a solidão. E eu amo Purcell desde a adolescência!

Henry Purcell (1659-1695): The Food Of Love (canções)

1 –Purcell* If Music Be The Food Of Love
2 –Purcell* Corinna Is Devinely Fair
3 –Purcell* Ah! How Sweet It Is To Love
4 –Purcell* What A Sad Fate Is Mine
5 –Purcell* I See She Flies Me Ev’rywhere
6 –Corbetta* Caprice De Chacone
7 –Purcell* O Sollitude, My Sweetest Choice
8 –Purcell* Music For A While
9 –Purcell* Ground In C For Harpsichord
10 –Purcell* O! Fair Cedaria
11 –Purcell* Man Is For The Woman Made
12 –Purcell* Not All My Torments Can Your Pity Move
13 –Purcell* On The Brow Of Richmond Hill
14 –Purcell* Pious Celinda Goes To Prayers
15 –Purcell* When First I Saw The Bright Aurelia’s Eyes
16 –Simpson* Prelude In D
17 –Purcell* The Cares Of Lovers
18 –Purcell* The Fatal Hour Comes On Apace
19 –Purcell* I Loved Fair Celia
20 –Purcell* When Her Languishing Eyes Said ‘Love!’
21 –Visée* Prelude In D Minor
22 –Purcell* A Morning Hymn
23 –Simpson* Prelude [in E]
24 –Purcell* The Earth Trembled
25 –Purcell* Now That The Sun Has Veil’s His Light
26 –Purcell* If Music Be The Food Of Love

Double Bass – Anne-Marie Lasla
Harpsichord, Organ – Blandine Rannou
Tenor Vocals – Paul Agnew
Theorbo, Guitar – Elizabeth Kenny

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Purcell, em declaração exclusiva para o PQP Bach

PQP

François Couperin (França, 1668 – 1733): Concerts Royaux – Duas versões, duas visões.

François Couperin

Concert Royaux (pour 2 clavecins)

Laurence Boulay & Françoise Lengellé

1996

 

 

 

François Couperin

Concert Royaux

Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

1985

 

Seleção e texto do nosso amigo Eratosthenes. Convidei-o para fazer o texto dos 2 CDs que me enviara, temendo estar criando uma cobra em casa, pois ele mantém olhares lânguidos na minha doce Sandrine! Mas, enfim, alea jacta est!

..oOo..

Estes dois discos com música de François Couperin, os Concerts Royaux (Concertos Reais), nos oferecem a oportunidade de ouvir música de um período maravilhoso sob duas diferentes perspectivas. É como se olhássemos um colar de pequenas gemas sob diferentes luzes.

Couperin, assim como muitos dos compositores contemporâneos seus, era membro de uma família de músicos – compositores e intérpretes. Além disso, ele fez excelentes conexões com toda a comunidade de músicos de seu tempo, assim como com a aristocracia. Recebeu o apoio de Delalande, correspondeu-se com Bach e ganhou por vinte anos o privilégio de publicar música. É desse período, de 1713 a 1730, as publicações de suas Pieces de Clavecin, quatro coleções de peças para cravo, organizadas em suites, chamadas ordres. Faz parte dessas peças a Les Baricades mystérieuses e outras não menos famosas.

Voltando aos Concerts Royaux – coleção de quatro “concertos”, mas que têm o formato de suites: um prelúdio e uma sequência de danças, tais como allemande, sarabande, courante e assim por diante. O que distingue essa coleção das outras suites é explicado pelo próprio Couperin: “Estas peças são diferentes em natureza daquelas que já publiquei até agora. Elas são adequadas não apenas para o cravo, mas também para o violino, a flauta, o oboé, a viola e o fagote. Eu as compus para os pequenos concertos de câmara nos quais Louis XIV me fez tocar quase todos os domingos do ano. Essas peças eram tocadas pelos senhores Duval, Philidor, Alarius e Dubois. Eu tocava o cravo. Eu as arranjei pelas suas tonalidades e mantive os nomes pelas quais eram conhecidas na corte em 1714 e 1715.”

Essa prática de tocar a mesma música por diferentes instrumentos era comum neste período, como sabemos das sonatas de Handel, por exemplo.

O disco com a interpretação usando vários instrumentos é da tradicionalíssima Harmonia Mundi, ótimo selo para música antiga e barroca. Tem no seu time dois craques: Davitt Moroney ao cravo e Jaap ter Linden numa viola baixo (seja lá o que isso for).  O instrumento melódico é uma flauta, a cargo de Robert Claire, e em alguns movimentos é acompanhada também por uma segunda flauta, agora com a Janet See (de lindos concertos de Vivaldi, na mesma HM).

No outro disco, a música é interpretada por dois cravistas: Laurence Boulay e Françoise Lengellé. O selo Erato é garantia de excelente qualidade. A sonoridade dos cravos, tão singular nos nossos dias, é espandida com o uso dos dois instrumentos – uma festa para nossos ouvidos. Neste particular disco, não deixe de apreciar as três peças finais, que são das outras coleções. Eu gosto de maneira muito especial das duas musétes – de Choisi e de Taverni. Só os nomes dessa peças já desperta a nosssa curiosidade.

Entendo que a postagem já vai um pouco longa, mas queria salientar a elegância dessa música – o gesto musical – se é que você me entende, é fundamental. É música de um outro tempo, que transpira a gentileza, sobriedade, mas também contentamento e maturidade. Se você conseguir captar isso, ficarei feliz. Mas, se a música te levar ainda mais longe, que você experiencie ares de outras eras, então ficarei radiante. Não sei como você ouve música… Espero que não seja do tipo – deixo baixinho no fundo, enquanto leio, ela me acalma… Mas, sobre isso, em outra ocasião, outra postagem, caso haja! Enquanto isso, aumente o volume e deixe que os gestos desta música lhe transporte para outros tempos!

Aqui vai uma palhinha da Les Baricades mistérieuses (Sexième Ordre): 

Concert Royaux (pour 2 clavecins)
Laurence Boulay & Françoise Lengellé
01. Premier concert – Prélude, gravement
02. Premier concert – Allemande, légèrement
03. Premier concert – Sarabande, mesuré
04. Premier concert – Gavotte, notes égales et coulées
05. Premier concert – Gigue, légèrement
06. Premier concert – menuet en trio
07. Deuxième concert – Prélude
08. Deuxième concert – Allemande guguée, gayement
09. Deuxième concert – Air tendre
10. Deuxième concert – Air contrefugué, vivement
11. Deuxième concert – Echos, tendrement
12. Deuxième concert – Prélude, lentement
13. Deuxième concert – Allemande, légèrement
14. Deuxième concert – Corante
15. Deuxième concert – Sarabande, grave
16. Deuxième concert – Gavotte
17. Deuxième concert – Muzette, naïvement
18. Deuxième concert – Chaconne légère
19. Quatrième concert – Prélude, gravement
20. Quatrième concert – Allemande, légèrement
21. Quatrième concert – Courante françoise, galament
22. Quatrième concert – Courante à l’italienne, gayement
23. Quatrième concert – Sarabande, très tendrement
24. Quatrième concert – Rigaudon, légèrement et marqué
25. Quatrième concert – Foriane, rondeau, gayement
26. Neuvième ordre (2ième livre de pièces de clavecin, 1717) – Allemande à 2 clavecins
27. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Choisi à 2 clavecins
28. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Taverni à 2 clavecins
29. Quinzième ordre (3ième livre de pièces de clavecin, 1722) – Muséte de Taverni à 2 clavecins

Concert Royaux (pour 2 clavecins) – 1996
Laurence Boulay & Françoise Lengellé

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 390 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 169 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 06 min

..oOo..

Concert Royaux

Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

01. Premier Concert: I. Prélude
02. Premier Concert: II. Allemande
03. Premier Concert: III. Sarabande
04. Premier Concert: IV. Gavotte
05. Premier Concert: V. Gigue
06. Premier Concert: VI. Menuet en trio (2 flûtes)
07. Second Concert: I. Prélude
08. Second Concert: II. Allemande Fuguée
09. Second Concert: III. Air Tendre
10. Second Concert: IV. Air contrefugué
11. Second Concert: V. Echos
12. Troisième Concert: I. Prélude (2 flûtes)
13. Troisième Concert: II. Allemande
14. Troisième Concert: III. Courante
15. Troisième Concert: IV. Sarabande grave (2 flûtes)
16. Troisième Concert: V. Gavotte
17. Troisième Concert: VI. Muzette
18. Troisième Concert: VII. Chaconne Legere
19. Quatrième Concert: I. Prélude
20. Quatrième Concert: II. Allemande
21. Quatrième Concert: III. Courante Françoise
22. Quatrième Concert: IV. Courante à l’italiéne
23. Quatrième Concert: V. Sarabande (2 flûtes)
24. Quatrième Concert: VI. Rigaudon
25. Quatrième Concert: VII. Forlane
 

Concert Royaux (pour 2 clavecins) – 1985
Robert Claire – flauta transversal
Davitt Moroney – cravo
Jaap ter Linden – viola (baixo)
Janet See – flauta transversal

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 300 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 130 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 01 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

Segue também um retrato do François, feito enquanto ele pensava em mais uma muséte para o rei.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seleção e texto – Eratosthenes
Lay-out & mouse operator – Avicenna

Boa audição!

 

Anne Sophie von Otter – A Simple Song

Esse CD é assim apresentado no site da Gravadora BIS:

Uma breve olhada na lista de faixas é suficiente para revelar quem é o cantor – somente Anne Sofie von Otter poderia ter um programa tão variado e abrangente. E somente von Otter poderia mantê-lo unido, encontrando as ressonâncias entre essas peças muito diferentes, e trazendo-as para fora com uma rara habilidade de abraçar diferentes estilos de canto e registros expressivos: parafraseando Bernstein em A Simple Song, Anne Sofie von Otter nunca não consegue cantar como ela gosta de cantar.

De Liszt a Pärt e da Sinfonia de Ressurreição de Mahler ao Sound of Music de Richard Rodgers, von Otter é apoiado por seu acompanhante de longa data, Bengt Forsberg, aqui no órgão, em vez de seu piano habitual. Em vários pontos do programa, elas se juntam a vários amigos musicais, no órgão da Igreja de St. James, no centro de Estocolmo – a mesma igreja onde a jovem von Otter começou sua carreira como corista e, junto com Forsberg, deu um de seus primeiros shows públicos.

Com esta apresentação, o que preciso falar mais? Anne Sophie Von Otter é uma das maiores cantoras líricas de sua geração, ninguém tem dúvidas a respeito disso. Sua voz pode ser robusta e encorpada quando necessário, mas também suave e delicada. Ouçam com atenção a primeira faixa, ‘A Simple Song’, de Leonard Bernstein, e irão entender o que estou falando.

Leonard Bernstein
01 A Simple Song, from Mass

Aaron Copland
02 I’ve heard an organ talk sometimes

Charles E. Ives
03 Serenity 2’33

Gustav Mahler
04 Es sungen drei Engel

05 Urlicht

Richard Strauss
06 Traum durch die Dämmerung

07 Morgen

Arvo Pärt
08 My Heart’s in the Highlands

Maurice Duruflé
09 Pie Jesu, from Requiem

Olivier Messiaen
Trois mélodies (1930)
10 Pourquoi ? 2’03
11 Le sourire 1’44
12 La fiancée perdue

Francis Poulenc
13 Priez pour paix 2’08

Frank Martin
14 Agnus Dei, from Requiem
Arvo Pärt
15 Es sang vor langen Jahren

Franz Liszt
16 Ave Maria III (Sposalizio), S. 60

Richard Rodgers
from The Sound of Music
17 Climb ev’ry mountain

Mezzo-soprano Anne Sofie von Otter
Electric guitar Fabian Fredriksson
Organ Bengt Forsberg
Flute Sharon Bezaly
Harp Margareta Nilsson
Violin Nils-Erik Sparf
Cello Marie McLeod
Viola Ellen Nisbeth

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

IM-PER-DÍVEL !!!

Um belo CD de Bernstein com a Filarmônica de Nova Iorque. O maestro teve longa e prolífica relação com a orquestra. E Britten é um dos melhores compositores do século XX. Porém, curiosamente, Leonard Bernstein praticamente ignorou a obra de Benjamin Britten e vice-versa. Isto é muito ruim porque os fragmentos dos raros encontros entre eles são simplesmente brilhantes. O desempenho de Bernstein na Suíte é sensacional. O mesmo vale para os excertos de Peter Grimes e para as Variações. Mas uma das maiores obras do século XX, em minha opinião, é a Passacaglia, que mora no meu coração. Aqui, ela está LINDA. Um disco para se ouvir com muita atenção. 

Benjamin Britten (1913-1976): Variations & Fugue / Peter Grimes (excertos com a Passacaglia) / Suite on English Folk Themes

Variations And Fugue On A Theme Of Purcell, Op. 34 “The Young Person’s Guide To The Orchestra” (Without Spoken Text)
1 Theme. Allegro Maestoso E Largamente 3:00
2 Variations A. Presto / B. Lento / C. Moderato / D. Allegro Alla Marcia 3:12
3 Variations E. Brillante – Alla Polacca / F. Meno Mosso / G. (No Tempo Marking) / H. Cominciando Lento Ma Poco A Poco Accelerando 3:29
4 Variations I. Maestoso / J. L’Istesso Tempo / K. Vivace / L. Allegro Pomposo / M. Moderato 5:03
5 Fugue. Allegro Molto 2:39

Four Sea Interludes, Op. 33a from “Peter Grimes”
6 I. Dawn. Lento E Tranquillo 3:38
7 II. Sunday Morning. Allegro Spiritoso 3:45
8 III. Moonlight. Andante Comodo E Rubato 5:07
9 IV. Storm. Presto Con Fuoco – Molto Animato – Largamente – Tempo I 4:16

10 Passacaglia, Op. 33b from “Peter Grimes” – Andante Moderato 6:18

Suite On English Folk Tunes “A Time There Was…:, Op. 90
11 I. “Cakes And Ale”. Fast And Rough 2:24
12 II. “The Bitter Withy”. Allegretto 2:48
13 III. “Hankin Booby”. Heavily 2:19
14 IV. “Hunt The Squirrel”. Fast And Gay 1:20
15 V. “Lord Melbourne”. Slow And Languid

New York Philharmonic
Leonard Bernstein

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O curioso caso de Benjamin Britten

PQP

Frédéric Chopin (1810-1849) – Barcarolle, Mazurkas, Polonaise-Fantaisie In A Flat Major, Op. 61, etc. – Maurizio Pollini

Não precisam se assustar, não estou repetindo postagem. Ontem postei o segundo CD lançado por Pollini, dedicado aos últimos opus de Chopin. Este aqui é o primeiro, que tem a magnífica Polonaise-Fantaisie, uma das mais belas obras do repertório pianístico. E Pollini é Pollini.  Admirável, perfeito, divino, sei lá, ficar aqui relacionando adjetivos para este músico é chover no molhado.

Ouçam, ouçam, ouçam, e depois tirem suas conclusões. Aos 77 anos de idade ele continua em atividade, gravando, realizando espetáculos enfim, uma lenda viva.

01. Chopin Barcarolle In F Sharp Major, Op. 60
02. Chopin 3 Mazurkas, Op. 59-No. 1 In A Minor. Moderato
03. Chopin 3 Mazurkas, Op. 59-No. 2 In A Flat Major. Allegretto
04. Chopin 3 Mazurkas, Op. 59-No. 3 In F Sharp Minor. Vivace
05. Chopin Polonaise-Fantaisie In A Flat Major, Op. 61
06. Chopin 2 Nocturnes, Op. 62-No. 1 In B Major. Andante
07. Chopin 2 Nocturnes, Op. 62-No. 2 In E Major. Lento
08. Chopin 3 Mazurkas, Op. 63-No. 1 In B Major. Vivace
09. Chopin 3 Mazurkas, Op. 63-No. 2 In F Minor. Lento
10. Chopin 3 Mazurkas, Op. 63-No. 3 In C Sharp Minor. Allegretto
11. Chopin 3 Valses, Op. 64-No. 1 In D Flat Major. Molto vivace
12. Chopin 3 Valses, Op. 64-No. 2 In C Sharp Minor. Tempo giusto
13. Chopin 3 Valses, Op. 64-No. 3 In A Flat Major. Moderato
14. Chopin Mazurka In F Minor, Op. Posth. 68-No. 4 Andantino

Maurizio Pollini – Piano

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

.: interlúdio :. Charlie Haden: The Montreal Tapes V (com Paul Bley & Paul Motian)

.: interlúdio :. Charlie Haden: The Montreal Tapes V (com Paul Bley & Paul Motian)

Aqui, toda a série e mais um baita CD de brinde.

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Neste quinto disco dos Montreal Tapes de Charlie Haden, ele vem com o pianista — intérprete de longa data de Ornette Coleman — Paul Bley e o baterista free Paul Motian para um set fortemente abastecido por músicas de Ornette. A primeira música, uma mistura de “Turnaround” e “When Will The Blues Leave?” é guiada por Bley — ex de Carla –, que dá o tom com as notas iniciais de “Turnaround”. A coisa se encerra com “Turnaround”, desta vez sob a direção de Charlie Haden, que lidera o trio em uma interpretação mais bluesier do clássico de Ornette Coleman. Cada membro contribui uma balada e eles também tocam “Ida Lupino”, de Carla Bley, música gravada por Paul Bley tantas vezes que sei lá. O Quinteto de Paul Bley gravou um disco ao vivo no Hillcrest Club em 1956 com Bley apoiado pelo quarteto clássico de Ornette Coleman (Ornette, Cherry, Haden, Higgins), tocando algumas músicas de Coleman. Quarenta anos depois, temos uma nova gravação desses “standards” executados para uma audiência muito conhecedora (e grande) de jazz. Excelentes performances, ótimo material.

Charlie Haden: The Montreal Tapes V (com Paul Bley & Paul Motian)

1 “Turnaround/When Will the Blues Leave?” (Ornette Coleman) – 13:17
2 “New Beginning” – 8:47
3 “Cross Road” (Coleman) – 6:40
4 “So Far, So Good” (Paul Bley) – 7:27
5 “Ida Lupino” (Carla Bley) – 11:19
6 “Latin Genetics” (Coleman) – 4:35
7 “Body Beautiful” (Paul Motian) – 8:03
8 “Turnaround” (Coleman) – 7:51

Charlie Haden – bass
Paul Bley – piano
Paul Motian – drums

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Bley, Haden e Motian sob a sombra de Ornette, o gigante

PQP

Frédéric Chopin (1810-1849) – Nocturnes op. 55, Mazurkas, op. 56, Sonata op. 58 – Maurizio Pollini

O imenso pianista italiano Maurizio Pollini deixa sua marca registrada nestes CD dedicado a Chopin. E Pollini, como não poderia deixar de ser diferente, está impecável, temos aqui um artista no apogeu de sua arte, independente das faces enrugadas, da calvície pronunciada e da idade avançada. Pollini já transcendeu em sua arte, não precisa provar mais nada. Depois de cinquenta anos de carreira, tudo o que vier é lucro.
Neste CD, na verdade o segundo dedicado a Chopin, lançados em um período de dois anos, o grande mestre continua seu  projeto em que se dedica aos último opus de Chopin. Noturnos, Mazurkas, a magnífica Sonata nº 3, entre outras obras recebem um tratamento delicado e intimista.

“Há uma certeza e maestria consumada em seu desempenho que só pode vir de décadas interpretando e amando esse repertório … As páginas finais da sonata, com sua enxurrada de semicolcheias deslumbrantes, oferecem ampla prova, se fosse necessário provar, que a velha magia de Pollini ainda está muito presente e correta” James Longstaffe, Presto Classical.

01. Chopin – Nocturne in F Minor, Op. 55 No. 1
02. Chopin – Nocturne in E-Flat Major, Op. 55 No. 2
03. Chopin – Mazurka in B Major, Op. 56 No. 1
04. Chopin – Mazurka in C Major, Op. 56 No. 2
05. Chopin – Mazurka in C Minor, Op. 56 No. 3
06. Chopin – Berceuse in D-Flat Major, Op. 57
07. Chopin – Piano Sonata No. 3 in B Minor, Op. 58 – 1. Allegro maestoso
08. Chopin – Piano Sonata No. 3 in B Minor, Op. 58 – 2. Scherzo (Molto vivace)
09. Chopin – Piano Sonata No. 3 in B Minor, Op. 58 – 3. Largo
10. Chopin – Piano Sonata No. 3 in B Minor, Op. 58 – 4. Finale (Presto non tanto)

Maurizio Pollini – Piano

BAIXAR AQUI – DOWNLOAD HERE

 

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concerti per Viola d’Amore

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concerti per Viola d’Amore

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Belo disco. Uma boa coleção de concertos de Vivaldi com a linda sonoridade da viola d`amore, tocada pelo também regente Fabio Biondi.

Biondi tem uma carinha de querubim, mas não se enganem, por trás daquelas santas feições esconde-se um sátiro concupiscente, louco para perseguir as meninas do conservatório de Ospedale della Pietà, um dos quatro grandes orfanatos as meninas abandonadas de Veneza às quais era ensinada música. A abordagem da Europa Galante e de seu maestro à música de Vivaldi é, no mínimo, concu… agressiva e bela. Este CD é dedicado é um tipo raro de concertos do mestre: os para Viola d`Amore. Especialmente indicado para os amantes do barroco! Baita disco!

Antonio Vivaldi (1678-1741): Concerti per Viola d’Amore

1. Concerto in D minor, RV 394: I Allegro 4:05
2. Concerto in D minor, RV 394: II Largo 1:43
3. Concerto in D minor, RV 394: III Allegro 3:15

4. Concerto in A major, RV 396: I Allegro 3:07
5. Concerto in A major, RV 396: II Andante 2:57
6. Concerto in A major, RV 396: III Allegro 2:59

7. Concerto in D major, RV 392: I Allegro 4:13
8. Concerto in D major, RV 392: II Largo 2:52
9. Concerto in D major, RV 392: III Allegro 2:56

10. Concerto in D minor, RV 393: I Allegro 3:18
11. Concerto in D minor, RV 393: II Adagio 2:03
12. Concerto in D minor, RV 393: III Presto 3:07

13. Concerto in D minor, RV 395: I Allegro 4:04
14. Concerto in D minor, RV 395: II Largo 3:26
15. Concerto in D minor, RV 395: III Allegro 3:13

16. Concerto in A minor, RV 397: I Allegro 2:51
17. Concerto in A minor, RV 397: II Largo 2:07
18. Concerto in A minor, RV 397: III Allegro 2:53

19. Concerto in F major, RV 97: I Largo & II Allegro 4:31
20. Concerto in F major, RV 97: III Adagio 3:15
21. Concerto in F major, RV 97: IV Allegro 2:37

22. Concerto in D minor, RV 540: I Allegro 4:44
23. Concerto in D minor, RV 540: II Largo 3:44
24. Concerto in D minor, RV 540: III Allegro 3:00

Europa Galante
Fabio Biondi

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Biondi e sua viola… d`amore, o que evita que ele seja vítima de bullying como os demais violistas

PQP

Richard Wagner (1813-1883) – Das Rheingold – Fischer-Dieskau, Stolze, etc., Karajan, BPO

Por um incrível capricho do destino, hoje comemoram-se os 136 anos da morte de Richard Wagner. Confesso que só fui me aperceber disso depois da postagem concluída e agendada. 

Este projeto de postar as óperas wagnerianas do ciclo do ‘Anel dos Nibelungos’ está sendo feito a quatro mãos: eu, FDPBach, e Ammiratore, uma grata aquisição para o blog, um apaixonado por ópera e dono de um acervo considerável. E digo grata aquisição tanto no sentido de conhecimento e paixão pela música, quanto pela amizade que já desenvolvemos, mesmo estando a 800 quilômetros de distância um do outro e conversando apenas por email e Whattsapp.

Sempre temi postar Wagner, não apenas pela complexidade de botar no ar quatorze CDs, mas também pela paixão que o compositor suscita entre seus admiradores. Eu fazia parte de uma comunidade no antigo Orkut formada por estes wagnerianos. E os caras eram peso pesado, alguns inclusive já tinham ido a Bayreuth algumas vezes para assistir a apresentações destas óperas, e eram profundos conhecedores da obra. Devo muito a alguns destes participantes, aprendi muito com eles, infelizmente com o fim daquela rede social, perdi contato com eles.

A escolha da versão que Herbert von Karajan gravou entre 1967 e 1968 foi mais por uma questão de praticidade de minha parte, pois estes arquivos estavam mais facilmente ao alcance. Na verdade, desde o começo a opção foi por ele. Cogitamos George Solti e Karl Böhm, até mesmo uma ‘obscura’ versão do Giuseppe Sinopoli foi cogitada, gravada ao vivo em Bayreuth, mas no final das contas, o nome do velho Kaiser falou mais alto.

O texto de apresentação é do nosso especialista em Ópera, Ammiratore.

“Adoro Wagner, achei importante antes de comentar as obras da tetralogia citar algumas nuances para compreender a excelência do trabalho do compositor. Então vamos lá: “O Anel do Nibelungo”, drama musical que Richard Wagner (1813 – 1883) escreveu durante 26 anos (1848 a 1874), constitui um ciclo de quatro óperas épicas, com cerca de 15 horas de duração. A primeira apresentação de todo o ciclo aconteceu em Bayreuth em 13 de agosto de 1876. Das Rheingold já havia estreado em Munique em 1869, a contragosto do autor.
Wagner criou a história do anel ao fundir elementos de diversas histórias e mitos das mitologias germânica e escandinávia. Em 1851 Wagner escrevia aos amigos: “os meus estudos levaram-me através da Idade-Média até aos antigos Mitos Germânicos fundadores…Aí descobri o Homem Verdadeiro (der wahre Mensch)”. Os Eddas (nome dado a duas coletâneas distintas de textos do séc. XIII, encontradas na Islândia, e que permitiram iniciar o estudo e a compilação das histórias referentes aos deuses e heróis da mitologia nórdica e germânica) forneceram material para Das Rheingold, enquanto Die Walküre é amplamente baseada na Saga dos Volsungos (saga islandesa, escrita por volta de 1300, com base na tradição germânica, os eventos reais que inspiraram a narração fantasiosa da saga ocorreram na Europa Central nos séculos V e VI dC). Siegfried contém elementos dos Eddas, da Saga dos Volsungos e da Saga Thidreks (saga nórdica.) A ópera final, Götterdämmerung, é baseada no poema do século XII Nibelungenlied (poema épico escrito na Idade Média por volta de 1200, baseada em motivos heróicos germânicos pré-cristãos) que foi a inspiração original para o Anel. O ciclo é modelado assim como os dramas do teatro grego em que eram apresentadas três tragédias e uma peça satírica. A história do Anel propriamente dita começa com Die Walküre e termina com Götterdämmerung, de forma que Das Rheingold serve como um prólogo. Ao agregar tais fontes numa história concisa, Wagner também acrescentou diversos conceitos modernos. Um dos principais temas do ciclo é a luta do amor, associada à natureza, e liberdade, contra o poder, que está associada à civilização e à lei.
Para realizar a montagem desta saga épica, seria também necessário inovar, Wagner concebeu um arrojado projeto: a construção de um teatro dotado de características imprescindíveis para a apresentação das suas óperas; o teatro da ópera de Bayreuth, na Alemanha. Favoreceu as circunstâncias e os fatores que facultassem ao público uma completa submersão ao tema do espetáculo. Utilizou efeitos sonoros, escureceu a sala de espetáculo, tornou a orquestra invisível ao espectador e realinhou a plateia para que o espectador melhor se envolvesse na performance. Vale lembrar que até meados do séc. XIX, o comportamento do espectador durante um espetáculo de ópera era completamente distinto do dos dias de hoje: entrava-se e saía-se da sala arbitrariamente para comer, ler jornais ou revistas, conversar, jogar às cartas ou falar de política. Só as famosas árias cantadas por artistas de renome eram escutadas com atenção. Wagner pretendia que a arte passasse por um processo de reeducação do público através dos modelos da Grécia antiga. Isto não seria feito através de uma transposição da tragédia grega para o século XIX, mas sim, através de uma releitura do passado. Consciente desta realidade, inspirado na estrutura da tragédia grega e defendendo valores intrinsecamente românticos, o compositor propunha a junção entre diferentes formas ou linguagens artísticas, pretendendo produzir um espetáculo abrangente, pleno e absoluto. A ópera de Wagner requer uma atitude específica por parte do espectador que terá que mergulhar na obra para que a mágica se complete e tenha efeito. Foram transformações invulgares para a época. Atualmente, porém, são lugar comum nos espetáculos de ópera e de bailado contemporâneos, possibilitando uma unificação entre o público, a orquestra e a cena propriamente dita. O impacto das ideias de Wagner ainda pode ser sentido em muitas manifestações artísticas ao longo de todo o século XX (sobretudo no cinema com “leitmotiv” caracterizando personagens na telona).
Vamos tentar deixar a política e as tretas envolvidas de lado e focar na arte; na noite de 13 de agosto de 1876 inaugurava-se em Bayreuth, na Baviera, um teatro sem similar no mundo. Havia, além do imenso auditório, cercado de colunas em estilo grego, um extraordinário conjunto de recursos técnicos que permitiam encenações muito mais ricas e complexas. Para alicerçar a grandiosidade do Anel, Wagner empregou uma orquestra gigantesca. E porque pretendia obter certos efeitos especiais, abriu lugar, na orquestração, a instrumentos que ele próprio inventou: as tubas wagnerianas ou tubas de Bayreuth – como são hoje conhecidos esses produtos híbridos da trompa tradicional e do trombone. Wagner julgava seu timbre ideal para certos momentos bem específicos, como os temas principais do Walhalla e o tema dos Walsungos. Então ali, entre monarcas e demais convidados ilustres, Wilhelm Richard Wagner, realiza o velho sonho: finalmente,
seria levado à cena, por completo, o ciclo de quatro dramas musicais que formava a sua maior obra – O Anel do Nibelungo. A 17 de agosto, encerrava-se com êxito a primeira apresentação integral, sob a regência de Hans Richter; e o espetáculo iria repetir-se por mais duas vezes consecutivas. Diversas são as opiniões sobre a monumental tetralogia, a que gostei mais foi dada pelo compositor e viajante inveterado o francês Saint – Saens: “Mil críticos, escrevendo cada qual mil linhas, durante dez anos, danificaram esta obra tanto quanto a respiração de uma criança poria em risco a estabilidade das pirâmides do Egito”.

Resumo: O ouro do Reno (Das Rheingold)
Nas águas serenas do Reno, três moças nadam com movimentos ágeis. As ondinas, filhas do velho rio, parecem apenas divertir-se – seu canto alegre assim faz crer – mas ali estão com tarefa bem precisa: são as guardiãs do ouro oculto e protegido no fundo da corrente. Woglinde, Wellgunde e Flosshilde surpreendem-se com o aparecimento de Alberich, o anão que vive com seus iguais em Nibelheim, lugar de escuras cavernas. Chegam a assustar-se, ao se verem perseguidas pelo anão, cujos olhos as cobiçam e desejam. Mas a apreensão dos primeiros momentos logo acalma e passam a rir-se, entre acenos de estímulo e rápidas esquivas, enquanto Alherich vocifera por não realizar seus intentos. Exasperado, êle as maldiz, e as ondinas tornam a afastar-se por entre as rochas. E quando intensa, fulgurante luminosidade se insinua por entre as águas, fazendo o anão deter-se em tensa expectativa. Que significaria aquele clarão? Respondem-lhe as jovens que é o ouro do Reno a refulgir. “E para que serve esse ouro?” pergunta ainda Alberich. Fica sabendo, então, que o valioso metal é fonte de todo poder: será senhor do mundo quem com ele fundir um anel, adorno que imediatamente concentrará incomensurável força de sortilégio. Há um pormenor, porém: somente será capaz de moldar o anel aquele que renunciar ao amor. E isso tranquiliza as ondinas, que fazem a sedutora revelação sem recear pela segurança do tesouro. Afinal, parece-lhes evidente que Alberich não optaria jamais por aquela hipótese. Enganavam-se: ele, agora, deseja ardentemente o poder sem medida. E, com um grito, expressa a escolha inesperada – “Eu maldigo o amor!” -, enquanto se lança em direção ao ouro, do qual se apossa, para desaparecer em seguida nas profundezas que o levariam de volta a Nibelheim. Em vão as filhas do Reno clamam por socorro. Esvai-se a luz. Desce uma névoa cinzenta, que se transforma depois em nuvens sempre mais claras. Ao dissolver-se, permite ver uma região montanhosa. Ao fundo, domina majestosa construção, de contornos cintilantes, a cujos pés corre o Reno, num vale profundo. Há pouco despertados, Wotan, pai dos deuses, e sua mulher, Fricka, deusa da virtude e da fecundidade, extasiam-se com a visão da morada divina, levantada pelos gigantes Fasolt e Fafner. Dura pouco, no entanto, este despreocupado embevecimento. Fricka lembra a Wotan o preço que devem pagar aos construtores: a virgem Freia. Que farão os deuses quando,sem ela, que é a deusa do amor e da eterna juventude, começarem a envelhecer e se forem aproximando irremediavelmente da hora extrema? Wotan responde-lhe com palavras de otimismo: que não se aflija, pois, na verdade nunca pensou realmente em entregar Fréia e está certo de poder convencer os gigantes a aceitarem outra recompensa qualquer. Para tanto, conta sobretudo com a astuciosa inventividade de Loge, deus do fogo. Mas Fasolt e Fafner já cuidam de apossar-se da virgem. Perseguida por ambos, ela corre espavorida junto: de Wotan. Este tenta ganhar tempo,mas apenas enfurece os gigantes quando diz, a princípio, não se lembrar da promessa, argumentando depois que nela consentira apenas por brincadeira. Providencialmente, aparecem Donner, deus da tempestade e do trovão, e Froh, deus do sol, que arremetem contra os irados gigantes. É o próprio Wotan, todavia, quem se empenha em apartar os contendores, curvando-se, finalmente, à evidência de que, sendo também o deus dos tratados, não lhe resta alternativa senão cumprir o acordo. Eis então que chega o astuto Loge; mas sua presença, para desencanto de Wotan, em nada contribui para tirá-lo da difícil situação. Bem pelo contrário: o deus do fogo admite que os giganta realmente merecem Fréia, tão portentosa é a obra que concluíram. Procurou muito – diz – nada encontrou que, em substituição a virgem, pudesse servir de recompensa à altura do empreendimento. E, aparentando indiferença relata a Wotan o roubo do ouro pelo anão Alberich, agora dotado de infinitos poderes, já que deve ter moldado o anel mágico. Fasolt e Fafner mostram-se interessados, pedem detalhes, principalmente porque sempre temeram os homenzinhos de Nibelheim. Wotan, por sua vez ouve, imerso em sonhos de grandeza inspirados pela possibilidade de ficar de posse do anel fabuloso. Não concorda, por isso, quando os gigantes exigem que o anel lhes seja entregue, para desistirem de Fréia. Além do mais, como pode dispor de algo que não possui? Ante a relutância de Wotan, Fasolt agarra a virgem e declara-se disposto a aguardar somente até a noite por uma decisão. Wotan que escolha:
conseguir o anel e entregá-lo, ou perder para sempre a juventude. Os gigantes se afastam, arrastando Fréia. A medida que se distanciam, os deuses vão-se transfigurando, para ganharem aparencia de velhos cansados. Wotan não pode perder sequer outro minuto: descerá com Loge ao reino de Nibelheim.
Dono do ouro, Alberich é agora senhor de todos os anões que vivem em Nibelheim, servos que devem entregar-lhe os objetos preciosos que fabricam. Nas profundezas da Terra, o reino dos anões vive em terror, sob o jugo daquele que se apossou do ouro do Reno e moldou o anel mágico. É Mime, irmão de Alberich, quem retrata a Wotan e Loge a desdita de seu povo. E mais: usando um elmo (o Tarnhelm), que lhe ordenara fabricar com o mesmo ouro, Alberich ganhou ainda o poder de tornar-se invisível ou transformar-se no que bem entender, para mais facilmente exercer seu domínio. Nesse momento surge Alberich. Pergunta aos deuses o que fazem ali. Tem uma resposta que mexe com sua vaidade: diz Wotan que vieram apreciar de perto as maravilhas que, ouviram falar, vêm-se processando em Nibelheim sob seu comando. O anão desfia seguidas bravatas, escarnece mesmo da condição inferior dos interlocutores ante seus poderes. Loge prossegue no jogo: e como faz Alberich para se precaver contra possíveis tentativas de lhe tomarem o anel, quando está dormindo? O anão explica que, graças ao elmo, pode tornar-se invisível. Por isso, adormece tranquilo. Loge pede-lhe uma prova concreta dessa capacidade. Alberich o atende de imediato, transformando-se em dragão. E seria ele capaz de transmudar-se num ser de tamanho bem pequeno para, se fosse o caso, mais facilmente escapar numa emergência? Ainda uma vez Alberich se deixa ludibriar e comprova a versatilidade do poder mágico: em segundos, é apenas um sapo. Imediatamente, Wotan o prende sob o pé, enquanto Loge lhe arrebata o elmo. Voltando à sua forma natural, Alberich procura resistir, mas é amarrado e levado para a superfície. Ali, os deuses obrigam-no a entregar todo o tesouro, se quiser reaver a liberdade. Sem alternativa, Alberich lhes faz a vontade e, sob ameaças, abre mão também do anel, que Wotan coloca no próprio dedo. Lança, no entanto, tanto, feroz maldição:” Assim como o anel deu a mim poder ilimitado, do mesmo modo vitime pela sua magia aqueles que o possuírem!”
Chegam os gigantes, que renovam a oferta de acordo. Exigem, porém – é Fasolt quem fala -, tanto ouro quanto seja necessário para ocultar de suas vistas toda a formosura da virgem. Os deuses atendem, vendo-se por fim privados do próprio anel e até do elmo, apesar dos protestos de Wotan.
Os gigantes libertam Fréia, que, jubilosa, se reúne a seus pares, de novo jovens e imortais. Agora, porém, os dois discutem, Fafner querendo a parte maior do tesouro. Termina por matar Fasolt. Ouvem-se trovoadas ensurdecedoras, relâmpagos cortam o céu. Não demora a surgir esplêndido arco-íris, verdadeira ponte que se estende do altiplano, onde se encontram os deuses, ao rochedo, no qual se ergue o castelo deslumbrante. Guiados por Wotan, todos se dirigem para o Walhalla, magnífica morada.”

Após esta breve descrição da ópera, Ammiratore faz uma análise mais detalhadas dos solistas envolvidos:

Como poderíamos esperar, Karajan interpreta “ O ouro do Reno “ como música de um cosmos lírico, com uma clareza radiante, virtuosidade de som, contrastes altamente eficazes, beleza vocal e instrumental. O que se destaca especialmente é o cuidado que Karajan leva para ser sempre mais atencioso com seus cantores, e isso ele certamente é. Para assegurar a beleza vocal e instrumental da tetralogia é necessário invocar as forças dos deuses da música e Karajan as possui. Karajan sempre em sinergia com a Orquestra Filarmônica de Berlim e seu admirável elenco de cantores. Um ótimo exemplo da unidade orquestral está no início do Preludio, o som que Karajan tira dos contrabaixos é envolvente, imergimos imediatamente na atmosfera do drama musical. Os “efeitos” usados na gravação como o som dos martelos e dos gritos dos Nibelungos estão na medida certa, sem exageros. Fischer-Dieskau, um barítono leve é um Wotan que nos leva a sua origem divina, voz muito bonita e Karajan dá um tratamento em que podemos apreciar plenamente sua performance verdadeiramente distinta. Gerhard Stolze interpreta Loge e da um relato malicioso e astucioso do desprezo pelos outros deuses. Como Martin Cooper diz no livreto desta gravação, Loge é “o único ser claro e racional em todas as personagens do Anel, os outros são os escravos de suas paixões, suas ambições ou emoções”. Stolze usa uma extraordinária variedade de tom de um mero sussurro – às vezes quase inaudível – para a denúncia, e gerencia as frases líricas que lhe são dadas muito bem. Este é um desempenho virtuoso. Zoltan Kelemen é um Alberich que preenche os seus momentos de ódio e indignação muito bem. Erwin Wohlfahrt é um Mime bem cantado. O baixo enorme de Martti Talvela como Fasolt é vocalmente extraordinário e sua abordagem romântica sugere um jovem gigante romântico mais interessado em Freia do que no ouro. Karl Ridderbusch como Fafner, também uma bela voz, demosntra frieza convincente. Entre as cantoras Josephine Veasey se destaca como Fricka e dá outro excelente desempenho nesta gravação.
Em suma, esta série do Anel que postaremos com o Karajan e sua turma é soberbo, interpretação extraordinariamente fiel, nunca excêntrica, nunca intrusiva, lírica, sem nunca tornar-se frouxa ou lenta, dramática sem nunca ser arrogante, uma abordagem sutil, sem ser agressiva – elegante. Gravações esplêndidas.

Dietrich Fischer-Dieskau barítono – Wotan
Zoltán Kelemen baixo – Alberich
Josephine Veasey mezzo – Fricka
Gerhard Stolze tenor – Loge
Erwin Wohlfahrt tenor – Mime
Martti Talvela baixo – Fasolt
Karl Ridderbusch baixo – Fafner
Donald Grobe tenor Froh
Simone Mangelsdorff soprano – Freia
Helen Donath soprano – Woglinde
Edda Moser soprano – Wellgunde
Anna Reynolds mezzo – Flosshilde
Berlin Philharmonic Orchestra / Herbert von Karajan

CD 1

1 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A – Vorspiel
2 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Weia! Waga! Woge du Welle!”
3 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “He he! Ihr Nicker!”
4 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Garstig glatter glitschriger Glimmer!”
5 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Lugt, Schwestern! Die Weckerin lacht in den Grund”
6 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Nur wer der Minne Macht entsagt”
7 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Der Welt Erbe gewänn’ ich zu eigen durch dich?”
8 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Erste Szene – “Haltet den Räuber!”
9 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – Einleitung
10 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Wotan! Gemahl! Erwache!”
11 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “So schirme sie jetzt”
12 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Sanft schloss Schlaf dein Aug'”
13 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Was sagst du? Ha, sinnst du Verrat?”
14 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Du da, folge uns!”
15 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Endlich, Loge! Eiltest du so”
16 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Immer ist Undank Loges Lohn!”
17 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Ein Runenzauber zwingt das Gold zum Reif”
18 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Hör’, Wotan, der Harrenden Wort!”
19 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Schwester! Brüder! Rettet! Helft!”
20 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – “Wotan, Gemahl, unsel’ger Mann!”
21 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Zweite Szene – Verwandlungsmusik
22 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Hehe! hehe! hieher! hieher! Tückischer Zwerg!”
23 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Nibelheim hier”
24 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Nehmt euch in acht! Alberich naht!”

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Disc 2
1 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Zittre und zage, gezähmtes Heer”
2 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Die in linder Lüfte Wehn da oben ihr lebt”
3 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Ohe! Ohe! Schreckliche Schlange”
4 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Dritte Szene – “Dort die Kröte! Greife sie rasch!”
5 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Da, Vetter, sitze du fest!”
6 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Wohlan, die Niblungen rief ich mir nah”
7 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Gezahlt hab’ ich, nun lasst mich ziehn”
8 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Ist er gelöst?”
9 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Lauschtest du seinem Liebesgruß?”
10 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Lieblichste Schwester, süsseste Lust!”
11 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Gepflanzt sind die Pfähle nach Pfandes Mass”
12 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Weiche, Wotan, weiche! Flieh des Ringes Fluch!”
13 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Soll ich sorgen und fürchten”
14 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Halt, du Gieriger! Gönne mir auch was!”
15 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Nun blinzle nach Freias Blick”
16 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “He da! He da! He do! Zu mir, du Gedüft!”
17 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Bruder, hieher! Weise der Brücke den Weg! … Zur Burg führt die Brücke”
18 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Abendlich strahlt der Sonne Auge”
19 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “So grüss’ ich die Burg”
20 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A / Vierte Szene – “Rheingold! Rheingold!”
21 Wagner: Das Rheingold, WWV 86A – Vorspiel

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Ammiratore e FDPBach

Luigi Boccherini (1743-1805): Concertos para Violoncelo – Sinfonias

Luigi Boccherini (1743-1805): Concertos para Violoncelo – Sinfonias

Um bom CD, sem chegar ao altíssimo nível do Pisendel que postei anteontem. É o tal negócio: há orquestras e solistas que nos deixam de tal modo mesmerizados que só ouvindo muitas vezes para saber se a música é boa mesmo ou se o solista, por suas artes diabólicas, convenceu-nos disso. Bylsma e a Tafelmusik estão maravilhosos neste CD da Harmonia Mundi alemã; assim sendo, reconheço minhas dificuldades para julgar as obras postadas de Boccherini, para mim um compositor menor, simpático, daqueles para os quais cabe nossa indulgência.

A Sinfonia La Casa del Diavolo possui um tema do Orfeu e Eurídice de Gluck, não? O daquela célebre Dança das Fúrias que há antes dos balés do segundo ato, estou certo?

Então, música agradável, muito bem interpretada.

Boccherini: Concertos pour violoncello; Symphonies

Concerto Pour Violoncelle En Sol Majeur G 480
01 – Allegro
02 – Adagio
03 – Allegro

Sinfonia En Si Majeur G 497
04 – Allegro Spiritoso
05 – Andantino Con Moto
06 – Allegro Vivace Assai

Concerto Pour Violoncelle En Re Majeur G 483
07 – Allegro Maestoso
08 – Andante Lentarello
09 – Allegro E Con Moto

Sinfonia la Casa Del Diavolo En Re Mineur G 506
10 – Andante Sostenuto
11 – Andantino Con Moto
12 – Andante Sonstenuto

Anner Bylsma
Tafelmusik Baroque Orchestra
Jean Lamon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Anner Bylsma: mestre

PQP

.: interlúdio :. Bela Fleck & The Marcus Roberts Trio – Across the Imaginary Divide (2012)

.: interlúdio :. Bela Fleck & The Marcus Roberts Trio – Across the Imaginary Divide (2012)

Segundo li, fazia algum tempo que Béla Fleck namorava os caras do Marcus Roberts Trio e vice-versa. Mas, sacumé, a agenda dos dois estava sempre lotada e só recentemente deu para compatibilizar. O resultado foi um excelente trabalho em comum. O estilo ficou mais MRT do que BF. É normal, ao tocar com vários músicos diferentes, Fleck parece mais costumado ao mimetismo, mas jamais pensem num disco pior que o habitual. O CD é absolutamente fantástico! Há ótimos temas, notável tratamento para eles e momentos onde que Béla Fleck parece ter nascido para o Marcus Roberts Trio! Vale a pena ouvir.

Bela Fleck & The Marcus Roberts Trio – Across the Imaginary Divide (2012)

01. Some Roads Lead Home [0:06:16.78]
02. I’m Gonna Tell You This Story One More Time [0:05:41.97]
03. Across the Imaginary Divide [0:04:42.78]
04. Let Me Show You What To Do [0:04:54.94]
05. Petunia [0:05:01.22]
06. Topaika [0:04:33.52]
07. One Blue Truth [0:04:26.72]
08. Let’s Go [0:05:57.98]
09. Kalimba [0:06:22.33]
10. The Sunshine and the Moonlight [0:05:36.96]
11. That Old Thing [0:05:07.81]
12. That Ragtime Feeling [0:04:08.42]

Béla Fleck, banjo

Marcus Roberts Trio:
Marcus Roberts, Piano
Jason Marsalis, Drums
Rodney Jordan, Bass

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Bela Fleck e o Marcus Roberts Trio

PQP

Costanzo Festa (ca. 1485–1490 – 1545): La Spagna — 32 Contrapunti

Costanzo Festa (ca. 1485–1490 – 1545): La Spagna — 32 Contrapunti

Este é mais um arquivo que nos foi repassado pelo querido amigo pequepiano WMR.

Este disco tem sonoridade muito colorida, é agradabilíssimo e cada pequena peça tem caráter e formação orquestral próprias. Costanzo Festa foi um compositor italiano da Renascença. Ainda que mais conhecido por seus madrigais, também escreveu música sacra e instrumental. Foi o primeiro polifonista italiano de fama continental. O Huelgas Ensemble é um esplêndido grupo belga de música antiga criado por Paul Van Nevel em 1971. O desempenho do grupo e sua extensa discografia estão focados na polifonia do renascimento. O nome do conjunto refere-se a um manuscrito de música polifônica, o Codex Las Huelgas. Van Nevel é conhecido por seu estilo de realizar muitas peças vocais, com ele mesmo e seus cantores em um grande círculo, girando. Porém, aqui, a coisa é muito mais instrumental.

Costanzo Festa (ca. 1485–1490 – 1545): La Spagna — 32 Contrapunti

1 Contrapunto 46 à 4, Cantus Firmus Au Ténor
2 Contrapunto 41 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
3 Contrapunto 105 à 5, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
4 Contrapunto 101 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
5 Contrapunto 88 à 4, Cantus Firmus à Troisième Voix
6 Contrapunto 76 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
7 Contrapunto 124 à 8, Cantus Firmus à la Sixième Voix
8 Contrapunto 81 à 4, Cantus Firmus à la Deuxième Voix
9 Contrapunto 60 à 4, Cantus Firmus à la Première Voix
10 Contrapunto 77 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
11 Contrapunto 122 à 7, Cantus Firmus à la Cinquième Voix
12 Contrapunto 25 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
13 Contrapunto 118 à 5, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
14 Contrapunto 47 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
15 Contrapunto 35 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
16 Contrapunto 40 à 4, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
17 Contrapunto 8 à 3, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
18 Contrapunto 14 à 3, Cantus Firmus à la Troisième Voix
19 Contrapunto 108 à 5, Cantus Firmus à la Troisième Voix
20 Contrapunto 9 à 3, Cantus Firmus à la Troisième Voix
21 Contrapunto 85 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
22 Contrapunto 37 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
23 Contrapunto 70 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
24 Contrapunto 125 à 11, Cantus Firmus à la Neuvième Voix
25 Contrapunto 71 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
26 Contrapunto 117 à 5, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
27 Contrapunto 28 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix
28 Contrapunto 104 à 5, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
29 Contrapunto 58 à 4, Cantus Firmus à la Première Voix
30 Contrapunto 121 à 6, Cantus Firmus à la Quatrième Voix
31 Contrapunto 123 à 8, Cantus Firmus à la Sixième Voix
32 Contrapunto 34 à 4, Cantus Firmus à la Troisième Voix

Huelgas-Ensemble
Paul Van Nevel

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

Piemonte é uma festa

PQP

.: interlúdio :. Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho – Ao Vivo em Tatuí – 1992

Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho

Zé Gomes ao violino

Ao Vivo em Tatuí

1992

Para alegrar estes dias brasileiros!

Ao vivo estes três expoentes da verdadeira música caipira com vários clássicos compostos do estilo. Com toda a simplicidade e a verdade lúdica da música que influenciou toda uma geração. Em 1992, este disco recebeu o Prêmio Sharp de melhor disco e o Prêmio APCA. Destaques para: Tocando em Frente, Romaria e Calix Bento. Além de uma homenagem à arte de Pena Branca e Xavantinho. (https://www.livrariascuritiba.com.br/cd-renato-teixeira-e-pena-branca-e-xavantinho-ao-vivo-em-tatui-1992-av041690/p)

Palhinha: ouça 08. Vide, Vida Marvada (Ao Vivo), de Rolando Boldrin

Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho
01. Amanheceu, Peguei A Viola (Ao Vivo)
02. Chalana (Ao Vivo)
03. Rio De Lágrimas (Ao Vivo)
04. Raízes (Ao Vivo)
05. Romaria (Ao Vivo)
06. O Cio Da Terra (Ao Vivo)
07. Gente Que Vem De Lisboa / Peixinho Do Mar (Ao Vivo)
08. Vide, Vida Marvada (Ao Vivo)
09. O Violeiro Toca (Ao Vivo)
10. Meu Veneno (Ao Vivo)
11. Amora (Ao Vivo)
12. Tocando Em Frente (Ao Vivo)
13. Canto Do Povo De Um Lugar (Ao Vivo)
14. Jardim Da Fantasia (Ao Vivo)
15. Vaca Estrela E Boi Fubá (Ao Vivo)
16. Cuitelinho (Ao Vivo)
17. Quebra De Milho (Ao Vivo)
18. Chuá Chuá (Ao Vivo)
19. Rapaz Caipira (Ao Vivo)
20. De Papo Pro Á (Ao Vivo)
21. Calix Bento (Ao Vivo)

Renato Teixeira & Pena Branca e Xavantinho – 1992
Ao Vivo em Tatuí

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
XLD RIP | FLAC | 403 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE
MP3 | 320 KBPS | 155 MB

powered by iTunes 12.8.2 | 1 h 15 min

Por gentileza, quando tiver problemas para descompactar arquivos com mais de 256 caracteres, para Windows, tente o 7-ZIP, em https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ e para Mac, tente o Keka, em http://www.kekaosx.com/pt/, para descompactar, ambos gratuitos.

If you have trouble unzipping files longer than 256 characters, for Windows, please try 7-ZIP, at https://sourceforge.net/projects/sevenzip/ and for Mac, try Keka, at http://www.kekaosx.com/, to unzip, both at no cost.

Almeida Júnior – Caipira picando fumo, OST, 1893

 

 

 

 

 

 

 

.

.

 

 

 

Boa audição!

Hector Berlioz – Symphonie Fantastique, Op. 14, Lélio, ou le retour à la vie, Op. 14bis – Jean Martinon,

Dando continuidade às comemorações aos 150 anos da morte de Hector Berlioz, o que trago hoje provavelmente é sua obra mais conhecida, amada por uns, odiada por outros, a ‘Sinfonia Fantástica’. Deixei nas mãos de Jean Martinon a responsabilidade de mostrar a obra a quem não conhece. mesmo sendo gravações realizadas lá na década de 1960 e que ainda nos atraem. Graças a tecnologia temos acesso a este fantástico material.

Épisodes de la vie d’un artiste I
Symphonie fantastique Op.14 H48 (1830)
1 I. Rêveries – Passions: Largo – Allegro agitato e appassionato assai – Religiosamente -15.13
2 II. Un Bal (Valse): Allegro non troppo*  – 6.44
3 III. Scène aux champs: Adagio† – 17.24
4 IV. Marche au supplice: Allegretto non troppo – 4.56
5 V. Songe d’une nuit de sabbat: Larghetto – Allegro – 9.59
*Jacques Lecointre cornet · †Paul Taillefer cor anglais & Jean Dupin oboe
Orchestre National de l’O.R.T.F. · Jean Martinon

Épisodes de la vie d’un artiste II
Lélio, ou le Retour à la vie Monodrame lyrique en six parties Op.14bis H55b (1831/1855) for narrator, soloists, chorus & orchestra
6 No. 1 Monologue: « Dieu ! Je vis encore » (Lélio) – 2.13
7 No. 2 Ballade de Goethe: « L’onde frémit » (Horatio) – 5.55
8 No. 3 Monologue: « Étrange persistance » (Lélio) – 2.30
9 No. 4 Chœur d’ombres: « Froid de la mort » (Chorus) – 6.22
10 No. 5 Monologue: « Ô Shakespeare ! » (Lélio) – 3.03
11 No. 6 Chanson de brigands: « J’aurais cent ans » (Le Capitaine, Chorus) – 4.20

Lélio: Jean Topart narrator · Horatio un pêcheur: Charles Burles tenor
Voix imaginaire de Lélio: Nicolai Gedda tenor · Le Capitaine: Jean van Gorp baritone
Marie-Claire Jamet harp · Michel Sendrez piano
Chœur & Orchestre National de l’O.R.T.F. · Jean Martinon

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

Isaac Albéniz (1860 – 1909) – Iberia (Rafael Orozco, piano)

A música de Isaac Albéniz tem forte influência da música folclórica espanhola, especialmente das regiões Catalunha e Andaluzia. Essas melodias de influências mouras e ciganas tiveram grande impacto sobre Debussy, que se atraía por sons exóticos, viessem eles do sul da Europa ou do Extremo Oriente.

As obras anteriores de Albéniz eram, normalmente, curtas e simples, como por exemplo seu famoso Tango em ré maior, de 1890. Iberia, considerada a principal obra do período maduro do compositor, é harmonicamente muito mais complexa, com peças mais longas que não devem nada a qualquer outra obra para piano do século XX. Para Messiaen, era uma das mais brilhantes peças já compostas para o instrumento.

A maior parte dos movimentos de Iberia tem influência da Andaluzia, talvez seja por isso que o pianista Rafael Orozco, natural dessa mesma região espanhola, parece tão à vontade com as melodias que às vezes lembram cantigas de roda ou de ninar… Quando ele toca os quatro livros de Iberia, em uma ordem diferente da original, tudo parece muito natural e até simples, mas não se engane, vários trechos são diabolicamente difíceis. Já ia me esquecendo: a gravação é ao vivo e vem de uma transmissão em rádio FM.

Esse é minha primeira postagem aqui em 2019. Pretendo trazer música do século XX para piano e para órgão este ano. Sem mais rodeios, vamos logo a esta maravilha espanhola:

Isaac Albéniz (1860 – 1909)
Iberia
Livro II (composto em 1907 em St. Jean de Luz)
01 1. Rondeña, D major 7:13
02 2. Almería, G major 9:30
03 3. Triana, F-sharp minor 5:18

Livro III (composto em 1908 em Paris)
04 1. El Albaicín, B-flat minor, B-flat major 7:20
05 2. El Polo, F minor 7:06
06 3. Lavapies, D-flat major 6:35

Livro I (composto em 1906 em Paris)
07 1. Evocación, A-flat minor, A-flat major 5:26
08 2. El Puerto, zapateado in D-flat major 4:04
09 3. Fête-dieu à Seville (El Corpus Christi en Sevilla), F-sharp minor, F-sharp major 8:26

Livro IV (composto em 1909 em Paris)
10 1. Málaga, B-flat minor, B-flat major 5:13
11 2. Jerez, A minor, arguably E Phrygian, E major 10:01
12 3. Eritaña, E-flat major 5:01

13. Encore: El Puerto, zapateado in D-flat major 4:13

Rafael Orozco (1946-1996), piano
Live in de grote zaal (great hall) of the Concertgebouw, 2-11-1993, Amsterdam

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE – FLAC
BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE – MP3

El Puerto de Sta. Maria, na Andaluzia, inspirou um dos movimentos de Iberia

Pleyel

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 177, 93 e 135

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 177, 93 e 135

CD lindamente interpretado, mas de Cantatas menores do mestre. É claro que vale a pena ouvir. Afinal, quem cansa de Bach? E quem cansa de ouvir a competência e o conhecimento do barroco quem tem Sigiswald Kuijken? Eu fiquei bem feliz com o CD nos ouvidos. Os cantores são sempre sensacionais. Só que não há árias nem corais memoráveis aqui. Ao menos é minha opinião.

J. S. Bach (1685-1750): Cantatas BWV 177, 93 e 135

“Ich ruf zu dir, Herr Jesu Christ” – Cantata BWV 177 (22:03)
1 Chor: Ich ruf zu dir, Herr Jesu Christ 6:30
2 Aria: Ich bitt noch mehr, o Herre Gott 4:29
3 Aria: Verleih, dass ich aus Herzensgrund 5:05
4 Aria: Lass mich kein Lust noch Frucht von dir 4:40
5 Chorale: Ich lieg im Streit und widerstreb 1:19

“Wer nun den lieben Gott lässt walten” – Cantata BWV 93 (19:42)
6 Chor: Wer nur den lieben Gott lässt walten 6:00
7 Chorale: Was helfen uns die schweren Sorgen 1:57
8 Aria: Man halte nur ein wenig stille 3:01
9 Duett: Er kennt die rechten Freudenstunden 2:46
10 Chorale: Denk nicht in deiner Drangsalhitze 2:30
11 Aria: Ich will auf den Herren schaun 2:28
12 Chorale: Sing, bet und geh auf Gottes Wegen 1:00

“Ach Herr, mich armen Sünder” – Cantata BWV 135 (14:57)
13 Chor: Ach Herr, mich armen Sünder 5:24
14 Recitativo: Ach heile mich 1:10
15 Aria: Tröste mir, Jesu, mein Gemüte 3:17
16 Recitativo: Ich bin von Seufzen müde 1:07
17 Aria: Weicht, all ihr Übeltäter 2:53
18 Chorale: Ehr sei ins Himmels Throne 1:06

Alto Vocals – Petra Noskaiová
Baritone Vocals – Jan van der Crabben
Soprano Vocals – Siri Thornhill
Tenor Vocals – Christoph Genz
Orchestra – La Petite Bande
Conductor – Sigiswald Kuijken

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

Pyotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) – Sinfonias 4, 5 e 6 – Mravinsky – REVALIDADO

POSTAGEM ORIGINAL DE FDP BACH EM 8/7/2012

Para muitos, um paradigma a ser quebrado, uma das maiores gravações da história da indústria fonográfica, um “must have”, enfim, Tchaikovsky sob a batuta de Mravinsky. Alguns dizem que um dos motivos que tornaram possíveis este desempenho é que Mravinsky mergulhou fundo na alma russa presente nestas obras e a arrancou com sangue, suor e lágrimas. Exageros a parte, temos aqui um Tchaikovsky em sua essência, para satisfazer o mano PQP, que só admite este autor quando interpretado pelo grande maestro russo.

Abaixo, o texto do editorial da Amazon.com :

These recordings by Evgeny Mravinsky and his Leningrad Philharmonic, taped in the autumn of 1960 while they were on tour in London, are among the absolute classics of the catalog. They are readings of hair-raising intensity–the finale of the Fourth is marked allegro con fuoco, and if you want to know what con fuoco means, all you have to do is listen for a moment. No one else has ever had the nerve, or the ability, to play the music this way. The treatment is very Russian: the extremes are more extreme, the passions more feverish, the melancholy darker, the climaxes louder. In that department, the development section of the first movement of the Pathètique has to be heard to be believed. The sound is remarkably good for the time, a little edgy in the loudest pages but wonderfully present, just like the performances themselves. –Ted Libbey

OBS. Originalmente esta postagem foi feita lá em 2012, posteriormente nosso saudoso russo Vassily Grienrikovich atualizou os links em 2015, mas com o fim do PQPShare, os links foram para o espaço novamente.

Piotr Ilyich Tchaikovsky – Symphonies nº 4, f-moll, op. 36, Nº5, e-moll, op. 64 e nº6, h-moll, op. 74, “Pathétique”

1 – Symphonie Nr.4 f-moll op.36 – I. Andante sostenuto – Moderato con anima – Moderato assai, quasi andante – Allegro vivo
2 – Symphonie Nr.4 f-moll op.36 – II. Andantino in modo di canzone
3 – Symphonie Nr.4 f-moll op.36 – III. Scherzo. Pizzicato ostinato. Allegro
4 – Symphonie Nr.4 f-moll op.36 – IV. Finale. Allegro con fuoco
5 – Symphonie Nr.5 e-moll op.64 – I. Andante – Allegro con anima
6 – Symphonie Nr.5 e-moll op.64 – II. Andante cantabile, con alcuna licenza – Moderato con anima – Andante mosso – Allegro non troppo
7 – Tchaikovsky Symphonie Nr.5 e-moll op.64 – III. Valse. Allegro moderato
8 – Tchaikovsky Symphonie Nr.5 e-moll op.64 – IV. Finale. Andante maestoso – Allegro vivace – Molto vivace-Moderato assai e molto maestoso
9 – Tchaikovsky Symphonie Nr.6 h-moll op.74 ‘Pathetique’ – I. Adagio – Allegro non troppo
10 – Tchaikovsky Symphonie Nr.6 h-moll op.74 ‘Pathetique’ – II. Allegro con grazia
11- Tchaikovsky Symphonie Nr.6 h-moll op.74 ‘Pathetique’ – III. Allegro molto vivace
12 – Tchaikovsky Symphonie Nr.6 h-moll op.74 ‘Pathetique’ – IV. Finale. Adagio lamentoso

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FDP