Johannes Brahms (1833-1897): Integral das composições para órgão

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Se é surpreendente que Brahms tenha composto obras para órgão, o que se dirá quando algum de nós resolver postar seus motetos… Sim, são obras em que Brahms tenta fingir ser meu pai e não é uma má tentativa, muito pelo contrário. Brahms é denso e tinha a mesma queda de meu pai aos intricados jogos das fugas. Trata-se de muito boa música, principalmente os Onze Prelúdios Corais, Op. 122, escritos quando meu pai já o chamava para fazer-lhe companhia no céu — opa, os crentes vão gostar desta frase saída da pena de um ateu! Mas eu ia dizer que esta foi a última obra escrita por Brahms.

O que realmente não dá para entender é que tais peças — ouçam-nas! — sejam raramente ouvidas. Não parece Brahms, não parece Bach, parece um compositor novo, desconhecido, que faz música de primeira linha.

Johannes Brahms (1833-1897): Integral das composições para órgão

1. Prelude and Fugue in G minor 00:07:25

2. Fugue in A flat minor 00:07:53

11 Chorales Preludes, Op. 122
3. Mein Jesu, der du mich 00:06:20
4. Herzliebster Jesu 00:03:47
5. O Welt, ich muss dich lassen 00:03:41
6. Herzlich tut mich erfreuen 00:02:21
7. Schmucke dich, o liebe Seele 00:02:48
8. O wie selig seid ihr doch 00:02:00
9. O Gott, du frommer Gott 00:06:20
10. Es ist ein Ros’ entsprungen 00:02:37
11. Herzlich tut mich verlangen 00:02:35
12. Herzlich tut mich verlangen 00:04:18
13. O Welt, ich muss dich lassen 00:03:29

14. Chorale Prelude and Fugue on ‘O Traurigkeit, o Herzeleid’ 00:08:58

15. Prelude and Fugue in A minor 00:06:03

Robert Parkins, organ

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

PQP

13 comments / Add your comment below

  1. Tenho uma relação estranha com essas peças – alguns dos prelúdios-corais achos bem bonitos, as peças mais formais (prelúdios e fugas etc) acho meio esquisitas. Conheço as obras de antigas gravações italianas que foram distribuídas nas bancas na década de 1960 pela Abril (faziam parte da famosa coleção de capa branca e selo vinho) e também das gravações do Kevin Bowyer. Vamos ouvir o que o sr. Parkins tem a dizer.

  2. é… JS Bach teve muitos filhos… um deles conheci dia desses na praia de Boa viagem, em Recife. gente fina, mas pessimo Peladeiro – num acertava um passe!

  3. Poxa fui atrás da obras completas de Brahms para orgão e veio uma mensagem dizendo que o site foi retirado do servidor por ter ficado um longo tempo inativo, estou louquinho atrás destas peças, será que haveria outra forma de vc manda-las para mim? Sou da cidade do Rio de Janeiro, se vc morar por aqui até pego contigo pessoalmente… Te agradeço antecipadamente, um forte abraço e parabéns por seu trabalho e bom gosto. Esqueci, meu e-mail é: capcamara@gmail.com

  4. Caríssimos,
    Após enorme busca desta gravação, achei-a (pra variar) neste magnífico blog. Só que o rapidshare (pra variar) diz que o arquivo já era. Pode fazer reload desta preciosidade?
    Obrigado deste fã incondicional.

  5. Caríssimo PQP,
    Sem palavras pra agradecer. Biaxarei mais um imperdível! Não é à toa que vcs estão no primeiro lugar dos meus favoritos. Qualidade e gentileza, é demais! muito obrigado!

  6. SENSACIONAL!!!! Viciei em “Prelude and Fugue in G Minor”.

    Comecei a ouvir mais musica erudita a pouco tempo (por influencia do rock progressivo) e o PQPBach tem sido uma “mão na roda”. Muito obrigado pela boa música.

Deixe uma resposta