Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 20 (Completos)

IM-PER-DÍ-VEL !!!

Peço desculpas pela intromissão da política, mas é que nos estranhos dias de hoje, com um presidente tolo e seus ministros amalucados, ouvir o tranquilidade, o bom humor, a alegria, a beleza e a inteligência de Haydn parece realmente um privilégio. Saímos de uma atmosfera carregada de más notícias e péssimos presságios para um oásis. De um ambiente onde reina a burrice para outro onde há equilíbrio e paz. E muita classe. E, sabem?, o cara é tão perfeito que a gente sai da audição ainda mais indignado com o mundo.

Não vivendo mais na doce ilusão de uma sociedade sem classes, concordei em viver numa sociedade sem classe. Aqui, ó!

O Op. 20 de Haydn tem lindíssimos momentos. A estrutura é mesma das sinfonias. Inicia com um Grave-Allegro, depois vem um Minueto ou um Adágio — eles podem se alternar ma segunda e terceira posições — e um Presto final. E temos cada adágio… Bem, o Doric é um grupo maravilhoso, não nos decepcionando nunca. Acho que este CD é de audição obrigatória.

Franz Joseph Haydn (1732-1809): Quartetos de Cordas Op. 20 (Completos)
[original dedication to Prince Nikolaus Zmeskall von Domanowetz]

String Quartet, Op. 20 No. 1 (Hob. III: 31) 25:19
in E flat major – in Es-Dur – en mi bémol majeur
1.Allegro moderato 9:19
2.Menuet. Un poco allegretto – Trio – Menuet da Capo 3:44
3.Affettuoso e sostenuto 8:33
4.Finale. Presto 3:35

String Quartet, Op. 20 No. 2 (Hob. III: 32) 23:06
in C major – in C-Dur – en ut majeur
5.Moderato 9:34
6.Capriccio. Adagio – Segue subito il Menuet 6:45
7.Menuet. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 3:31
8.Fuga a quattro soggetti. Allegro 3:10

String Quartet, Op. 20 No. 3 (Hob. III: 33) 25:49
in G minor – in g-Moll – en sol mineur
9.Allegro con spirito 7:56
10.Menuet. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 4:17
11.Poco adagio 9:43
12.Finale. Allegro di molto 3:45

String Quartet, Op. 20 No. 4 (Hob. III: 34) 29:21
in D major – in D-Dur – en ré majeur
13.Allegro di molto 10:57
14.Un poco adagio e affettuoso 9:44
Variazione I –
Variazione II –
Variazione III – [ ]
15.Menuet all Zingarese. Allegretto – Trio – Menuet da Capo 1:40
16.Presto e scherzando 6:53

String Quartet, Op. 20 No. 5 (Hob. III: 35) 25:29
in F minor – in f-Moll – en fa mineur
17.Moderato 11:14
18.Menuet. [ ] – Trio – Menuet da Capo fin al Segno 5:02
19.Adagio – Segue Fuga 6:30
20.Finale. Fuga a due soggetti 8:39

String Quartet, Op. 20 No. 6 (Hob. III: 36) 20:24
in A major – in A-Dur – en la majeur
21.Allegro di molto e scherzando 8:38
22.Adagio 6:04
23.Menuet. [ ] – Trio – Menuet da Capo 2:34
24.Fuga con tre soggetti. Allegro 2:55

Doric String Quartet
Alex Redington, violin
Jonathan Stone, violin
Hélène Clément, viola
John Myerscough, cello

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

PQP

14 comments / Add your comment below

    1. Querido PQP,

      Se não bastasse Haydn, seu comentário foi preciso, cirúrgico.
      Diferentemente do querido Avicenna, entendo que música É política. Não é possível desenvolver qualquer atividade humana sem que ela repercuta, direta ou indiretamente na polis.
      Rameau, tantas vezes homenageado por Avicenna, recentemente, que o diga
      Assim, parabéns! Mais música, mais lucidez, mais comentários argutos de PQP!!!
      E viva o blog mais legal deste país!

      1. Continuo insistindo em que este não é o forum adequado para manifestações políticas, caro Rameau.
        Estou simplesmente querendo preservar um local neutro em que todos possam se sentir irmanados somente e tão somente pela música.

        Avicenna

  1. Também concordo que este canal se reserve à elevação da boa música, mas talvez, nesta sociedade em que os valores estão invertidos, a melhor equipe de governo seja um presidente semi analfabeto, ladrão e pinguço e sua equipe de corruptos.

    1. Caro André,
      As opiniões por aqui são livres (ainda), de forma que fulano pode falar bem e beltrano pode falar mal do presidente semi-analfabeto sem medo de ser preso ou de levar 80 tiros.
      Só venho observar que a Áustria de Haydn se situa no meio de uma linha imaginária que separa a “Europa da cerveja” (Bélgica, Alemanha, Inglaterra etc) da “Europa do vinho” (países um pouco mais quentes que permitem a cultura da uva: todos os mediterrâneos + Hungria, Croácia…)
      Digo isso porque me surpreenderia muito ao ver um austríaco, nos tempos de Haydn ou hoje em dia, xingar um príncipe ou um presidente com base no consumo, seja da cerveja ou do vinho local. Pelo contrário, os austríacos têm muito orgulho de sua produção local de álcool, de música, entre outras. Poderíamos aprender com eles…

  2. Belo post, PQP! E os comentários políticos são bem adequados em relação ao cenário dos nossos tempos presentes. Queiramos ou não a política pode interferir em todas as órbitas da nossa vida pessoal e cultural.

  3. sem querer polemizar mas ja polemizando; PQP não estava falando de política, ele estava falando da sua sensibilidade com respecto da politica… de como essa sensacao de des-goberno, se comparada com a harmonia da musica de Haydn o deixava indiganado… disser que o presidente é tolo, e os ministros amalucados, (coisa que eu comparato em forma e cor) me parece a descarga valida de qualquer cidadao sensivel e preocupado… se iludir com que existem lugares isolados. higienizados, em que nao possa se expresar um sentimento por muito que isso irrite outras pessoas isso é disonante…

  4. Concordo com o Avicenna. A neutralidade aqui não é uma questão de “higienizar um lugar”, nem de que “música é política”. Música é, sobretudo, arte e pode ser abordada exclusivamente naquilo que é a sua essência.
    A neutralidade aventada pelo Avicenna não apenas é possível como interessante para se evitar arestas estranhas a este espaço. Vide a opinião do autor da presente postagem: quem a comunga derrama-se em elogios a ele. Mas como reagiriam se fosse o oposto? Considerariam o post belo e os “comentários políticos” adequados?

  5. acredito que se abster de dar (ou ter) uma opinião é muito mas “adequado” a que propor que ninguém a evidencie (ou a tenha) neutralidade requer conhecimento; nao silencio. e insisto; o post nao fala de politica. o post fala de sensibilidade frente a um sentimento comum….

  6. Amigos,
    depois de apreciar este debate músicas-política inspirado na beleza do que meu mestre Haydn produziu, pergunto se vocês têm link para este espetacular cd: “Smetana – From Bohemia’s Woods and Fields; Stravinsky – Symphonie de Psalms; e Brahms – Symphony No. 2 in D major, Op. 73, com Haitink à frente da Boston Symphony Orchestra? Aí se encontra, a meu ver, a melhor gravação da sinfonia do mestre de Hamburgo. Carlinus o disponibilizou em sua página faz anos, mas o link está desativado, e não consigo acesso a ele para solicitar-lhe o upload. Por outro lado sei que ele é colaborador de vocês. Então… obrigado!

Deixe uma resposta