Antonio Vivaldi (1678-1741): As Quatro Estações – Roberto Michelucci & I Musici / Giuliano Carmignola & Sonatori de la Gioiosa Marca

Vivaldi

As Quatro Estações

Roberto Michelucci  –  I Musici

Aqui é assim: se um dos nossos dezessete leitores pede alguma coisa, paramos tudo, desde a pesquisa sobre música folclórica do Azerbaijão até a audição das trinta e sete diferentes gravações dos quartetos de Beethoven, só para atendê-los! E quando o pedido envolve o nome de uma instituição italiana monumentalíssima como o I Musici, a presteza é redobrada.

Pessoal do I Musici visitando um parque em Ashkelon. Ótimos músico, fotografos nem tanto…

I Musici foi fundado em 1951 e é ativo até hoje. Doze jovens artistas formados pela Accademia di Santa Cecilia, de Roma, que se reuniram para formar uma orquestra de câmera sem maestro. E que nome escolheram para o grupo: Os Músicos! Rapidamente chamaram a atenção de todos pelas suas interpretações de música barroca, especialmente Vivaldi, mas também Albinoni e outros.

Até o advento do movimento de música com instrumentos de época, que varreu o cenário musical desde os anos oitenta, I Musici era uma das principais referências para música barroca. Mesmo depois, o grupo manteve um público fiel.

Com esse background, pode-se esperar que eles tenham gravado As Quatro Estações, de Vivaldi, diversas vezes. Posso mencionar pelo menos três delas: uma com o Felix Ayo, outra com Roberto Michelucci e uma ainda com a Pina Carmirelli. Aqui temos a gravação com Roberto Michelucci, feita na Suiça, em 1969.

As Estações de Vivaldi dispensam apresentações, mas é bom lembrar duas coisas: apesar de serem vistos como um grupo de quatro concertos, eles fazem parte de uma publicação de 12 concertos. São os quatro primeiros concertos da obra Il cimento dell’armonia e dell’inventione, Op. 8. A união da harmonia com a invenção! Os concertos evocam as estações do ano, sendo assim o que se chama música programática. Há quatro poemas, um sobre cada um dos concertos, que possivelmente foram escritos pelo próprio Vivaldi.

Completam o disco do I Musici dois lindos concertos de Vivaldi: Concerto em si bemol maior, Op. 8, No. 10, La caccia, e Concerto em lá maior, Per ecco in lontano. O concerto em si bemol maior foi gravado em Roma, em 1961, com solo de Felix Ayo, e o concerto em lá maior, em La Chaux-de-Fonds, Neuchâtel, Suiça, no ano de 1965, tendo como solistas Walter Gallozzi e Franco Tamponi.

Vivaldi

As Quatro Estações

Sonatori de la Gioiosa Marca

Giuliano Carmignola

Com o intuito de tornar a postagem atraente a pelo menos mais alguns dos outros dezesseis leitores, resolvi fazer uma postagem dupla e trazer também uma outra gravação das estações vivaldianas. Escolhi, para fazer contraponto ao I Musici, uma gravação feita por um grupo que toca com instrumentos de época, mas também italiano. O nome de Giuliano Carmignola é consenso como um dos melhores violinistas barroco em atividade e isso é muito justo. Nesta gravação feita para a DIVOX Antiqua, em 1994, ele está acompanhado pelo Sonatori de la Gioiosa Marca e eles soam maravilhosos aos meus ouvidos. Este grupo é de Treviso, uma cidade que está na fronteira (marca) da Sereníssima República de Veneza. Portanto, assim fica o nome do grupo: Músicos da Festiva Fronteira. Só para lembrar do I Musici!!

Carmignola e o Sonatori de la Gioiosa Marca

Aqui completam o disco também dois concertos.

Vivaldi

Concerto No. 1, em mi maior, RV 269, La primavera

  1. Allegro
  2. Largo
  3. Allegro (Danza Pastorale)

Concerto No. 2 em sol maior, RV 315, L’estate

  1. Allegro non molto – Allegro
  2. Adagio – Presto – Adagio
  3. Presto (Tempo impetuoso d’estate)

Concerto No. 3, em fá maior, RV 293, L’autunno

  1. Allegro (Ballo e canto de villanelli)
  2. Adagio molto (Ubriachi dormienti)
  3. Allegro (La caccia)

Concerto No. 4, em fá maior, RV 297, L’inverno

  1. Allegro non molto
  2. Largo
  3. Allegro

Concerto No. 10, em si bemol maior, RV 362, La caccia

  1. Allegro
  2. Adagio
  3. Allegro

Concerto em lá maior, RV 552, Per ecco in lontano

  1. Allegro
  2. Larghetto
  3. Allegro

Roberto Michelucci, violino (1-12)

Felix Ayo, violino (13-15)

Walter Gallozzi e Franco Tamponi, violinos (16-18)

I Musici

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 338 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 158 MB

Giuliano Carmignola

 

Concerto No. 1, em mi maior, RV 269, La primavera

  1. Allegro
  2. Largo
  3. Allegro (Danza Pastorale)

Concerto No. 2 em sol maior, RV 315, L’estate

  1. Allegro non molto – Allegro
  2. Adagio – Presto – Adagio
  3. Presto (Tempo impetuoso d’estate)

Concerto No. 3, em fá maior, RV 293, L’autunno

  1. Allegro (Ballo e canto de villanelli)
  2. Adagio molto (Ubriachi dormienti)
  3. Allegro (La caccia)

Concerto No. 4, em fá maior, RV 297, L’inverno

  1. Allegro non molto
  2. Largo
  3. Allegro

Concerto para três violinos, viola e baixo contínuo, em fá maior, RV 551

  1. Allegro
  2. Andante
  3. Allegro

Concerto em ré menor, RV 128

  1. Allegro non molto
  2. Largo
  3. Allegro

Giuliano Carmignola, violino

Sonatori de La Gioiosa Marca

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

FLAC | 285 MB

BAIXE AQUI – DOWNLOAD HERE

MP3 | 320 KBPS | 121 MB

Treviso, cidade do Sonatori de la Gioiosa Marca

Assim, espero que todos possam desfrutar desta meravigliosa música vivaldiana!!

René Denon

14 comments / Add your comment below

  1. Muito bom, lhe agradeço muito!
    Obs: Quando tiver sem saber o que publicar, lembre de “La stravaganza”, “L’estro armonico”, Opus VII (I Musici).

    1. Olá Santiago!
      Fico feliz em saber que já estás com o disco. O Michelucci é muito bom, sim. Viu que postei uma outra versão também? Sei que você prefere o I Musici e entendo perfeitamente. Mas se tiver paciência, ouça um pouquinho o outro. Pode ser que essa versão não seja tão abrasiva ou tão mais acelerada que chegue a cortar o seu barato…
      Abração do
      René

      1. Eu vi pelo outro comentário que você ficou bravo comigo.
        Esta questão de instrumento de época (que modernizam as músicas) e modernos (que paradoxalmente tocam a versão tradicional) é polêmica na Europa.
        Mas não brigaremos por isto.
        Só lhe peço um favor, quando for postar algo nesta linha, lembre que há um rapaz enjoado lá em Brasília que gosta da interpretação tradicional…

        mais uma vez,
        muito o obrigado pela gentileza

        1. Olá, Santiago!
          Como ficar bravo com alguém que gosta de música de Vivaldi? Foi só impressão tua!
          É um prazer grande este contato com as pessoas que se interessam por música e há espaço para todos os gostos!
          Forte abraço!
          René Denon

    1. Olá, José Antônio!
      Como vão as coisas? Muita música? Espero que as postagens do nosso blog sejam úteis para você.
      Nesta postagem temos dois álbuns, cada um com As Quatro Estações, mais dois concertos, que são diferentes em cada disco.
      Uma gravação é com o grupo chamado I Musici, tendo como solista o Roberto Micheluccdi, pelo menos nas Quatro Estações. No outro, o solista é Giuliano Carmignola, acompanhado do grupo Suonatori de la Gioiosa Marca. A razão de postar dois discos com quase o mesmo repertório é ilustrar a diferença dos estílos entre os grupos que tocam com instrumentos modernos (no caso, I Musici) dos que tocam com instrumentos originais ou de época. A sonoridade é uma dessas diferenças, devido a várias coisas, entre elas o tipo de cordas usadas. Além disso, o andamento costuma ser bem diferente. A interpretação do I Musici parece mais pausada, enquanto que o Carmignola parece mais rápida. De qualquer forma, não quero reduzir a um ou outro aspecto, basta que você ouça um e outro e depois, tire as suas conclusões. Como muitas coisas da vida, as pessoas acham que uma coisa deve excluir a outra. Eu fico feliz em poder ter uma e a outra, um dia essa, em outro, aquela.
      Espero que gpste e que explore mais as nossas postagens.
      Abração do
      René

  2. Ôpa…então vocês seriam capazes de parar tudo para atender uma reivindicação? E nós somos só em 16?
    PQPBach não costuma ser tão generoso assim…
    abraços

Deixe uma resposta