Amaral Vieira (1952): Fausto

Aqui vai o segundo CD com obras pianísticas de Amaral Vieira interpretadas por Paulo Gazzaneo, culminando com Variações Fausto, sobre um tema da sinfonia homônima de Franz Liszt – compositor do qual Amaral Vieira é um dos maiores intérpretes vivos.

***

Amaral Vieira – Fausto

1-5. Cinco Bagatelas, op.178 (1983)
1.Ostinato – 2.Diálogo – 3.Minueto Sarcástico – 4.Recitativo –

5.Moto Perpétuo

6-8. Prólogo, Fuga e Final, op.194 (1984)

9. F.L.- Bayreuth, op.163 (1982)

10. Divertimento Giocoso, op.242 (1989)

11-20. Danças Antigas, op.101 (1977)
1.Sarabanda – 2.Gagliarda – 3.Basse Dance – 4.Saltarello – 5.Matassin – 6.Pavana – 7.Ritornello – 8.Passamezzo – 9.Pastorello – 10.Rigaudon

21-23. Novas Fábulas, op.205 (1985)
1.Largamente – 2.Con delicatezza – 3.Enérgico

24. Cenas Rupestres, op.173 (1983)

25-31. Sete peças para piano,op.169 (1982)
1.Tempo di Marcia – 2.Lento – 3.Sarcástico – 4.Con somma passione – 5.Un poco agitato – 6.Sostenuto – 7.Enérgico

32. Variações Fausto, op.199 (1985)

Piano: Paulo Gazzaneo

BAIXE AQUI — DOWNLOAD HERE

O jovem Amaral Vieira
O jovem Amaral Vieira

CVL

22 comments / Add your comment below

  1. Esta é uma postagem de grande importância. Paulo Gazzaneo incluiu na seleção musical do cd três ciclos de Amaral Vieira, além de obras de fôlego como o Prólogo, Fuga e Final e as Variações Fausto. Somando-se a esse repertório as peças do cd Fábulas, também postado neste blog, vamos conhecendo de modo mais abrangente a produção pianística de Vieira, de enorme valor na minha opinião. A linguagem do compositor é cosmopolita, com raízes claramente européias e grande domínio formal. Paulo Gazzaneo mostra-se bastante seguro e vence com galhardia as dificuldades técnicas e interpretativas desse repertório multi-facetado. Espero que CVL poste todos os cds dessa coleção (Gazzaneo gravou 3 ou 4 cds com obras de Amaral Vieira, mas ainda não temos uma integral da vastíssima produção do compositor paulistano). Ótimo final de semana para todos e obrigado, CVL, valeu!

  2. A peça “F.L.-Bayreuth” é também relacionada a Franz Liszt. Quando Richard Wagner morreu em Veneza, em 1883, Liszt escreveu uma breve peça para piano de caráter elegíaco em homenagem ao seu amigo e genro, à qual deu o título de “R.W.-Venezia”. Liszt faleceu em 1886 em Bayreuth e foi homenageado por Amaral Vieira com “F.L.-Bayreuth”. As “Variações Fausto” utilizam como tema os primeiros oito compassos da “Faust-Symphonie” composta em 1854 por Liszt.
    É uma das mais importantes (e difíceis) obras para piano de Amaral Vieira. Ótimo post, muito obrigado.

  3. Acabo de baixar e ouvirei com prazer, pois gosto muito das obras de Amaral Vieira. O Divertimento Giocoso foi também gravado pela excelente pianista argentina Beatriz Balzi (1936-2001)no volume 7 da coleção Compositores Latino-americanos.

  4. Que agradável surpresa para este final de semana! Eu já estava me regalando com a versão para harpa das Variações Goldberg e já baixei também (mas ainda não ouvi)as Sinfonias e Concertos para violoncelo de C.P.E. Bach. Outros grandes intérpretes de Amaral Vieira que gravaram suas obras são os pianistas Marina Brandão, Francisco Silva, Kazuko Kobayashi, Vania Pimentel, Pierre Feraux, Alvaro Ordoñez. Li na Internet que Paulo Gazzaneo pretendia gravar as completas para piano, mas parou no volume 3. É um pianista sério, de grandes qualidades. Deveria dar continuidade à integral.

  5. É mais uma generosa contribuição para os frequentadores de P.Q.P. Bach, que agradecem cordialmente. As Danças Antigas são ótimas, muito graciosas e elegantes. Se uma boa alma pudesse postar as notas de programa, isso seria de grande valia. São impressionantes as Variações Fausto, que emprestam o nome ao cd. Devem ser horrendamente difíceis do ponto de vista técnico. Tive a sensação de que Paulo Gazzaneo toca a obra um pouco na retranca e gostei mais das suas interpretações nas outras obras.

  6. Já escrevi um comentário quando foi postado aqui o Stabat Mater de Amaral Vieira. É um compositor que nunca decepciona, conhece o seu ofício como poucos e convence em todos os gêneros e modalidades. Estou mais familiarizado com sua produção sacra, inquestionavelmente de nível internacional. Os Cds Fábulas e Fausto demonstram que Amaral Vieira está perfeitamente à vontade quando escreve para piano, o seu instrumento. São maravilhosas as Sete Peças opus 169, como aliás toda a seleção musical. É um compositor que segue o seu caminho de modo surpreendentemente coerente, sempre fiel às suas convicções artísticas e já por isso merece os nossos aplausos e agradecimentos.

  7. Espetacular. Fiz download dos 8 cds de Amaral Vieira postados neste site (na realidade são 9, contando que o Stabat Mater e o Tributo a Neruda estão no mesmo slot). Telefonei para um amigo pianista perguntando se sabia onde encontrar as partituras das obras gravadas no Fausto e ele disse que as Cinco Bagatelas foram editadas nos Estados Unidos pela Ponteio Publishing, as Sete Peças pela Editora Novas Metas e as Danças Antigas por uma editora japonesa de nome complicado. Vocês estão de parabéns por prestigiar os compositores brasileiros. Já baixei tudo e estou agora economizando para comprar um hd externo de 1 terabyte, onde guardarei as minhas gravações. Obrigado e boa sorte para todos. Saudações especiais para o CVL.

  8. Entrei hoje pela primeira vez neste site e fiz o download do cd Fausto e de outros cds com obras de Amaral Vieira. Estou encantado com as gravações. Essa música se comunicou comigo de imediato, cada obra se tornando ainda mais prazerosa do que a anterior. Devo confessar que nunca senti especial atração pela música sacra, mas o Te Deum de Amaral Vieira me emocionou, assim como o Requiem in memoriam. Deste cd Fausto tocou-me especialmente a coletânea das Novas Fábulas, três breves peças de grande conteúdo e o imponente Prólogo, Fuga e Final. Gostei tanto que faço questão de comprar os cds originais. Vocês ganharam um novo e agradecido amigo e admirador.

  9. As obras são ótimas, interpretações idem ibidem. Gostaria de entrar em contato com o compositor Amaral Vieira para perguntar se estaria disposto a nos conceder uma entrevista, mas não estou encontrando um caminho. Já escrevi ao editor dele em Nova York, mas não recebi ainda uma resposta. Tenho certa urgência nesse contato e se alguém puder deixar aqui um endereço de e-mail e/ou telefone de contato de Amaral Vieira, agradeço cordialmente. A postagem dos CDs do compositor paulista está sendo muito gratificante. Ótimo sábado para os amigos-internautas e para os santos milagreiros de PQP Bach. Angelo.

  10. Desculpa ser chato. Mas de duas, uma: ou eu sou paranóico, ou João Carlos Alves, Sergio Oliveira, Ricardo Steiner, Joel, Antônio Duarte, Eugênio, Saulo Marbelli e Angelo são verdadeiros gêmeos da escrita, idênticos em conteúdo e estilo.

    Coincidência intrigante. Vai ver é um padrão: os fãs de Amaral Vieira escrevem todos exatamente do mesmo jeito.

  11. Desculpa José Eduardo mas seu comentário é mesmo chato e paranóico, de acordo com suas próprias palavras. Permita-me acrescentar: inconveniente e ofensivo pelas insinuações maldosas, mas deixa prá lá, você deve ter lá os seus motivos pessoais para isso e o espaço aqui é aberto a todo tipo de opinião. Gostamos sim de Amaral Vieira, assim como gostamos de Guarnieri, Villa-Lobos, Antunes, dos coloniais brasileiros (maravilhosos!), entre muitos outros. Uma preciosidade o cd do Liduino Pitombeira postado ontem. A música brasileira merece ser prestigiada e farei todo o possível para honrar esse compromisso. Be happy!

    1. Maria Cristina, não vi com tão maus olhos o comentário do nosso amigo Eduardo. Achei até um certo toque de humor, irônico, é claro. Ele só quis dizer que todos os comentaristas citados, parecem ser a mesma pessoa, de tão idênticos os pensamentos e modos de escrever. Porém, não tenho a mesma opinião dele, pois não creio que alguém se daria ao trabalho de escrever nove comentários diferentes. Haja criatividade! Sei não, mas sei lá!

  12. Caro Strava, muito obrigada. É fora de propósito achar que uma mesma pessoa escreveria nove comentários diferentes, a troco de que? Dei uma olhada nas outras postagens do Amaral Vieira e cheguei à seguinte contabilidade: Stabat mater/28 comentários, TeDeum/19 comentários, Vieiras World/25 comentários, Te Deum Barroco/16 comentários, Fantasia-Coral/15 comentários, sem contar os 29 comentários do Rudepoema. Todos os que escreveram seriam fantasmas ou aliases? Foi isso que me pareceu ofensivo no comentário do José Eduardo. Quanto a mim, posso garantir que sou 100% real, de carne e osso, com RG, CPF e que acabo de ser contemplada com o recebimento do IPTU para 2010, que teve em São Paulo aumento de quase 30%… Mas não tenho interesse em fazer do comentário do Eduardo um desentendimento desnecessário. O que mais prezo em PQP Bach é o ambiente de cordialidade entre os frequentadores.

  13. Oi, Maria Cristina.

    Não quero criar polêmica nenhuma. Só foi uma observação minha. Sou bastante experiente em internet, conheço algo do comportamento do mundo musical brasileiro na web e tenho lá bons feelings. Eu li os comentários, tive uma impressão e a compartilhei aqui.

  14. Legal, tenho a partitura das Sete Peças. Foram dedicadas ao compositor Camargo Guarnieri, que por sua vez dedicou ao Amaral Vieira o Improviso nº 5. Peguei essas informações no livro de Flávio Silva |Camargo Guarnieri – O tempo e a música|, trabalho monumental de quase 700 páginas. Qual cd foi lançado primeiro: Fábulas ou Fausto? Acho que o meu xará Paulo Gazaneo está mais a vontade no Fausto.

  15. Respondendo a pergunta do Paulo: o Gazzaneo gravou três cds com obras p/ piano do Amaral. O primeiro foi Fábulas, depois Fausto e por último The Snow Country Prince. Não sei se ele pretendia ou ainda pretende gravar as obras completas para piano, mas o que existe até agora são esses três cds.

      1. Não meu querido, seu link não está OK. Faço o download e cai no meu computador um arquivo completamente non-sense chamado ‘index’ refaça o link, muito obrigado.

Deixe uma resposta